Você está na página 1de 1

S6 sabático

%HermesFileInfo:S-6:20100417:

SÁBADO, 17 DE ABRIL DE 2010 O ESTADO DE S. PAULO

Resenhas A MORTE DE MATUSALÉM
Autor: Isaac Bashevis Singer
Tradução: Alexandre Hubner
Editora: Companhia das Letras
(240 págs., R$ 44)

KATHY WILLENS/AP

A AGONIA DE UMA
PAISAGEM HUMANA
Coletânea de contos de Isaac B. Singer retrata o canto do
cisne de uma geração de judeus esmagada pelo século 20

peu, mas cujos fundamentos foram coloca-
LUIS S. KRAUSZ dos em xeque, de maneira radical, pelas ca-
tástrofes do século 20. São os estertores de
MortedeMatusa- uma paisagem humana desaparecida, cujos

A
lém é uma cole- fragmentos o escritor foi recolhendo ao lon-
tâneade 20 con- go de seu caminho, e que se encontram pre-
tos do escritor servados, como frutas em compota, nessas
de língua iídi- narrativas breves, marcadas pela angústia
che Isaac Ba- existencial,pelaconfusãodereferenciais,pe-
shevis Singer la resignação a um humor amargo. Marcadas
( 1 9 0 4 - 1 9 9 1 ) , pelatradição literáriade línguaiídiche,leem-
vencedor do se entre um sorriso e uma lágrima.
Prêmio Nobel de Literatura de 1978, origi- O conto que dá nome ao livro tem como
nalmente publicados em tradução inglesa singularidade o fato de não estar ambienta-
em várias revistas norte-americanas, co- do no mundo – ou melhor, nos mundos – em
mo a New Yorker e Esquire. que Singer viveu, isto é, a comunidade judai-
Assim como o livro 47 Contos de Isaac Ba- ca de Varsóvia e a comunidade de expatria- nostálgicosouniverso doShtetlassumecon- humano desde sempre, e é isto que lhes Singer. Universo
shevis Singer, lançado em 2004, trata-se de dos em Nova York, para onde o autor emi- tornos tanto mais paradisíacos quanto mais confere um caráter universal. caótico, habitado
uma amostra abrangente do imaginário e grou em 1935. Passa-se, em vez disso, num aHistóriadeleseafasta, Singerretratajáden- pela crueldade
das memórias deste escritor que traduz, tal- universo mítico que recria a atmosfera das tro desse mundo os germes de sua destrui- ✽ de impulsos
vez de maneira mais incisiva do que qual- narrativas bíblicas, emprega imagens, ex- ção, para depois mostrar como os dali egres- LUIS S. KRAUZ, DOUTOR E PÓS-DOUTOR EM LITE- violentos e pela
quer outro, as perplexidades e a desorienta- pressões e figuras de linguagem originárias sos são precipitados na desorientação de um RATURA E CULTURA JUDAICA PELA USP, É AUTOR ausência de fé
ção da sociedade judaica do Leste europeu, e da tradição, porém subverte-lhes o sentido universo caótico, habitado pela crueldade DE RITUAIS CREPUSCULARES: JOSEPH ROTH E A
seus confrontos com a moralizante e embara- dos impulsos sangrentos e pela perda da fé. NOSTALGIA AUSTRO-JUDAICA E AS MUSAS: POE-
dissolução dosparâme- lha seus significados. Traições, mentiras e todo tipo de astúcia SIA E DIVINDADE NA GRÉCIA ARCAICA (EDUSP)
tros éticos que a funda- **
A heresia é o tema Estabelece-se, assim, são os instrumentos a que recorrem esses
}
mentavam desde a Ida- uma narrativa apócrifa personagens desenraizados, cujos pactos
de Média; com o frenesi central das narrativas cuja chave é a heresia: são apenas aparências e cujas crenças per-
da modernidade urba- reunidas no volume, Matusalém, ao fim de deram a substância.
Trecho
na e industrial e, sobre- que rompem com os sua longa vida, sucum- A arbitrariedade e os caprichos do desti- No exílio, não se pode levar uma vida nor-
tudo, com a emigração be aos encantos de uma no, a incoerência entre o caráter e a sorte mal. A pessoa tem de se esgueirar entre os
e o genocídio. Aqui des- mitos tradicionais mulherqueolevadeen- das pessoas, as dúvidas quanto à justiça que detêm o poder e as armas. Tão logo
filam personagens divi- ** contro a uma assem- divina e o caráter ilusório das crenças e das adquirem o poder, os homens se tornam
didos entre as lembran- bleiadehereges,instruí- ideologias são a matéria-prima da qual se maus, dizia meu pai. Os que têm facas, apu-
çaseos saboresdoVelho Mundoeas realida- dos em todo o tipo de perversidade. fazem as trajetórias e os descaminhos aqui nhalam, os que andam com pistolas, ati-
des de uma sociedade materialista; entre o E a heresia é o tema que perpassa as de- representados. Mas o ceticismo com que o ram, e os que empunham canetas, redigem
legado da tradição religiosa e os impulsos mais narrativas aqui reunidas, ambientadas narrador observa seus contemporâneos leis invariavelmente favoráveis aos la-
incompreensíveis do coração humano; en- dos dois lados do Atlântico, mas que invaria- passa longe da paixão moralizante dos pro- drões e assassinos. Quando cresci e come-
tre as idealizações do passado bíblico e o ca- velmente rompem com os mitos tradicio- fetas bíblicos para acolher a tudo com sere- cei a ler livros leigos, convenci-me de que
ráter brutal das realidades sociais. nais e muitas vezes açucarados do Shtetl (al- nidade e empatia, de maneira que esses as palavras de meu pai sobre os judeus va-
A obra de Singer pode ser vista como o deia judaica do Leste europeu). Singer passa contos se tornam, também, retratos com- liam para toda a raça humana e até para os
canto do cisne de uma geração dividida en- longe da idealização deste universo folclóri- passivos da própria condição humana e de animais. Os lobos devoram as ovelhas, os
tre dois mundos, que trazia intacta a memó- co para enfatizar a crueldade e a injustiça seus limites. Lançam um olhar sarcástico leões atacam as zebras...
ria da integralidade judaica do Leste euro- presentes também neste mundo. Se para os sobre as aporias com que se defronta o ser

CUERPOS DIVINOS CÍRCULOS DE INFLUÊNCIA
Autor: Guillermo Cabrera Autor: Marco Aurélio Scarpi-
Infante nella Bueno
Editora: Galaxia Gutenberg/ Editora: Algol
Círculo de Lectores (Importado) (800 págs., R$ 75)
(580 págs., € 22,60)

Cuerpos Divinos se passar por um testemu- E a Rússia continua linda, a mesmíssima
CABRERA nho contra a Revolução Cubana está desper-
diçandomunição:há umacontagianteprofu-
sãodeenergiapositivanaspáginasdoroman-
MÚSICA E coisa, do czar a Stalin, conforme podemos
ler neste precioso livro. Nele vamos reco-
nhecerosproblemas russos de todosos tem-

INFANTE ce.Umpaísmiserável,analfabeto,expropria-
do, recebe uma lufada de esperança quando
um grupo de revolucionários toma o poder
POLÍTICA pos, aquela dialética dilacerante entre uma
extrema vanguarda e um extremo reaciona-
rismo histórico, marcados pelo autoritaris-

REVIVE com ideias de democratização absoluta da
dignidade humana. Alguns membros desse
grupo acabam por desvirtuar a revolução e a
NA VELHA mo. A dramática luta de Shostakovitch con-
tra os mandamentos do Manifesto Zdanov!
Ao mesmo tempo, sua submissão, em dado

NO PAPEL tornam distinta, em certos pontos, daquilo
que prometeram que seria inicialmente. No
campo da política, é um romance sobre a
RÚSSIA momento, quando ele compõe A Canção da
Floresta, e chora depois de sua estreia, sen-
tindo-se derrotado por ter atendido a uma
luta pela hegemonia dentro do Estado. exigência do Partido Comunista.
Cuerpos Divinos coloca os leitores em con- Outromomentofortedo livroésobre o“lo-
Livro publicado na Espanha tato com o que há de melhor e de pior de seu Pesquisa cuidadosa ajuda veaffair”entreShostakovitcheGalinaUstvol-
traz o melhor e o pior do autor: sua exuberante sensualidade; a super- a descortinar fascínio pelos skaia, aluna querida. É quando entramos em
fície do mundo que ama; a visão infantiliza- contatocomumanovageraçãodecomposito-
cubano que morreu em 2005 da e limitada do fenômeno político. Não que compositores soviéticos res, que começam a emergir e ganhar notorie-
a Revolução Cubana seja defensável – muito dade, entre eles a própria Ustvolskaia e Sófia
antes pelo contrário. A questão é que aquilo Gubaidulina. E com elas, Valientin Silvéstrov,
que Cabrera coloca em cena, como intelec- vanguardista dos anos 60, que foi proibido de
tual, é risível. O livro de ensaios Mea Cuba, frequentaroscursosdeDarmstadt,naAlema-
VINICIUS JATOBÁ sua grande obra política, se salva pelo hu- GILBERTO MENDES nha, em 1961. Edison Denísov teve mais sorte
mor, pela qualidade da prosa; do ponto de e chegou a se mudar para a Alemanha. Os dois
vista de seu tema principal é constrangedora representambematentativadeumaneuemu-
leitor dedicado é – opera dentro de um mundo moralista, de ma festa o lança- sik à la russe. E a reação a essa tendência mais

O U
um animal egoísta, bem contra o mal, de heróis e vilões. mento de Círcu- germânica vamos encontrar finalmente em
até mesquinho, e Assim, Cuepos Divinos não é a obra-prima los de Influência, Schnittke,comseupós-modernismomusical.
poucos podem es- que poderia ser: tivesse seguido o caminho de Marco Auré- Igualmente interessante é a música dode-
conder seu efusivo do magistral La Habana para Un Infante Di- lio Scarpinella cafônica russa de Nikolai Roslavets e Arthur
contentamento funto – que merecia uma reedição pela Com- Bueno,sobremú- Lourié. Ou o trabalho do pintor e composi-
com a saudável vida panhia–,esseromancepóstumoseriaperfei- sica e política na tor Jef Golyscheff, que acabou vindo para o
póstuma do cubano to, ainda que sem um último polimento do União Soviética. Brasil,depois delibertodeumcampodecon-
Guillermo Cabrera autor. Se cada homem é sua própria geogra- O mesmo autor centração, no fim da guerra. Aqui foi desco-
Infante (1929-2005): depois da belíssima e fia, como o narrador afirma, Cabrera Infante jáhavia publicadoumabiografiadocomposi- berto pelo professor Zanini, da USP, traba-
sensual e erótica novela La Ninfa Incons- tem o mapa de Havana tatuado no seu corpo. tor Alfred Schnittke. São pesquisas que ali- lhando como químico numa indústria do
tante saiu há pouco na Espanha o romance Domesmomodo queno romantismo os per- mentamo fascíniopela música da SantaRús- ABC, meio esquecido das coisas. Todo um
Cuerpos Divinos, ele mesmo um corpo divi- sonagenssofriamadoençado campo,osnar- sia, como era conhecida a velha Rússia de vasto panorama musical russo é descortina-
no de 600 páginas, ágil, caloroso, repleto radores de Cabrera sofrem de aguda urbani- todos os tempos. Desde Mussorgski, defini- do neste apaixonante Círculos de Influência.
de jogos de linguagem. te: são hiper-excitados pelo concreto, ruas do por Mário de Andrade como “gênio que Basta agora tocar e ouvir essa música.
O melhor de tudo é que a viúva do escri- velozes, prédio eriçados. O leitor se perde resumiu a profundeza trágica, o humorismo
tor, Miriam Gómez, anunciou que existem feliz na companhia dos afogados que pulu- sinistro,aalegriadescabelada, osentimenta- ✽
mais dois romances inéditos e um livro de lam nos romances de Cabrera. lismo pueril, a barbárie incontida, a ingenui- GILBERTO MENDES É COMPOSITOR, CRIADOR DO
contos. No Brasil, Cuerpos Divinos será edi- dade meiga, a inocência, toda a multifária FESTIVAL MÚSICA NOVA, AUTOR, ENTRE OUTROS,
tado pela Companhia das Letras. ✽ contraditoriedade a que nos acostumaram DE UMA ODISSEIA MUSICAL (EDUSP) E COLUNIS-
A imprensa internacional que quer fazer VINICIUS JATOBÁ É CRÍTICO LITERÁRIO os escritores e fatos históricos da Rússia”. TA DO CADERNO 2 + MÚSICA