Você está na página 1de 4

REVISÃO DE LITERATURA – MOSCAS DAS FRUTAS

As moscas-das-frutas são insetos fitófagos. Segundo Sales; Gonçalves (2000), as
fêmeas, na maioria das espécies, ovipositam em tecidos vegetais saudáveis; as larvas
vivem e alimentam-se de frutos, botões florais ou sementes, algumas

ainda

estimulam a formação de galhas e outras são minadoras. Apresentam alta
dispersão

natural

e

antrópica, capacidade

de

crescimento populacional e

adaptabilidade a novos ambientes.
A família Tephritidae é uma das maiores dentro da ordem Diptera, segundo Norrbom
(2000a), até então contava com 4.352 espécies e subespécies descritas e agrupadas em
481gêneros. Os gêneros com espécie de importância econômica estão classificados em
duas subfamílias: Dacinae, composta pelas tribos Ceratitidini (Ceratitis) e Dacini
(Bactrocerae Dacus), e a subfamília Trypetinae com duas tribos, Carpomyini (Ragoletis)
e Toxotrypanini (Anastrephae Toxotrynana) (NORRBOM, 2000b).
Segundo Zucchi (2000a), o reconhecimento correto da família é o primeiro passo para
a identificação das moscas-das-frutas, sendo esse nome comum, exclusivo para os
representantes da família Tephritidae, pois as fêmeas ovipositam seus ovos no
interior dos frutos.
As moscas-das-frutas ocorrem desde a região temperada até a tropical, com exceção das
áreas árticas e desérticas, onde a vida vegetal é, praticamente, ausente (ZUCCHI,
2001b). Algumas espécies são mais invasoras e altamente colonizadoras, como Ceratitis
capitata (Wiedemann.), e outras têm distribuição restrita e baixa capacidade de se
adaptar a novos ambientes, como a maioria das espécies das regiões temperadas, do
gênero Ragholetis(MALAVASI, 2001).
Gênero Anastrepha: Atualmente esse gênero é representado por aproximadamente 212
espécies válidas e são reconhecidos 18 grupos de espécies (URAMOTO, 2007),
das quais109 estão assinaladas no Brasil (ZUCCHI, 2011), destas, sete são
particularmente importantes do ponto de vista econômico, A. grandis, A. fraterculus,
A. obliqua, A. pseudoparallela(Loew), A.

sororculaZucchi, A.

striatae A.

zenildaeZucchi (ZUCCHI, 2000a). Entretanto, Norrbom et al.(1999) e (Uramoto,
2007)presumem que cerca de 50 espécies permanecem sem descrição, existindo
outras mais a serem conhecidas.

Esta espécie é uma séria ameaça para a Ásia. capitata. não ovipositando se as condições do fruto não forem adequadas. com diversos surtos populacionais seguidos de erradicação como na América do Norte. As perfurações são imperceptíveis no início. Gênero Ceratitis: é constituído por 70 espécies (URAMOTO.2007). Austrália e ilhas do Pacífico. onde deposita seus ovos (MALAVASI et al. é representado por aproximadamente 68% das espécies da tribo Dacini . 40% pertencem a apenas cinco famílias: Myrtaceae (5%). o que ocorre no solo. Rutaceae (9%). 2001b). México. norte da América do Sul (Suriname e Guiana Francesa). Normalmente há mais de uma larva no interior do fruto (PEREIRA.5mm de diâmetro fica escurecida. 1980). Havaí. Sapotaceae (6%) e Solanaceae (9%) (ZUCCHI. Quanto ao ciclo de vida. O conhecimento da biologia e do comportamento das moscas-das-frutas é importante para a compreensão do ciclo de vida e das estratégias reprodutivas destes tefritídeos. que ocorrem principalmente na África tropical (ZUCCHI. sul da África. A mosca ataca preferencialmente frutos maduros. a mosca-do-mediterrâneo. Rosaceae (11%). Segundo Pereira (2007). mas logo as célulasdos tecidos danificados morrem e uma zona de aproximadamente 0. (2000) e Zucchi (2001b) apenas a espécie C. que se dá no interior dos frutos.As espécies deste gênero atacam grande número de frutas predominantemente de origem tropical e são altamente invasoras.Gênero Bactrocera: O gênero Bactrocera. as fêmeas fazem a punctura dos ovos no interior dos frutos por meio do seu acúleo. e muitas posturas podem ser feitas em um único fruto. levemente .. se estabeleceu em praticamente todas as regiões do mundo. 2007). 2000a). Desse número. 2000a) anteriormente inserido no gênero Dacus. as moscas-das-frutas ovipositam nos frutos perfurando a epiderme com o acúleo. Depois da eclosão. Conforme Malavasi et al. Estados Unidos e outras regiões C. exceto na Ásia. com cerca de 520 espécies (NORRBOM. saindo apenas para se transformar em pupa. Austrália. A sua distribuição geográfica vai desde a África equatorial até a região do Mediterrâneo. capitata se alimenta de aproximadamente 374 espécies de plantas pertencentes a 69 famílias botânicas. (2000) este gênero distribui-se principalmente na Ásia tropical. sul da Europa. Segundo Malavasi et al. A fêmea pode fazer puncturas de "prova". a larva completa o ciclo passando por três ínstares. África tropical. 24 Américas Central e do Sul. Pereira (2007) caracterizam os ovos como fusiformes. com distribuição secundária na Ásia temperada.

Esta tem a forma de um pequeno barril. que vai da base à extremidade da asa. . ZUCCHI. No seu completo desenvolvimento atingem de 8 a 10mm de comprimento e abandonam os frutos para se transformarem em pupa no solo. R.A.usda. sem cápsula cefálica definidae de coloração branco-amarelada.Disponível em: <http://www. 2007). 1. v. e até 20 dias no inverno.A.L.L.5 dias. p. Seu tórax é marrom. O gênero é caracterizado por duas faixas amarelas sombreadas nas asas.. R. coberta pela exúvia do último estádio larval que forma o pupário. 40. varia de 9 a 13 dias.2011. A. Os adultos são de coloração amarelada e medem cerca de 8.barc. 327p.gov/diptera/tephriti/ClasDivT.sel. 10. Fruit fly (Diptera: Tephritidae) classification and diversity. A. 93-98 NORRBOM. ZUCCHI.J.. In: MALAVASI A. MALAVASI.A.).. em seguida. n. R. SUGAYAMA. Biologia de “moscas-das-frutas” (Diptera: Tephritidae). no verão.0 mm de comprimento e são postos em grupos de até nove ovos. O período larval. embora prevaleçam posturas com poucos ovos (um a três) por cavidade. 1980. Lista de hospedeiros e ocorrência. 2000. Referências MALAVASI. ZUCCHI. R. e outra em forma de "V" invertido no bordo posterior (PEREIRA.. MORGANTE. L2e L3) caracterizados pelos ganchos bucais. cap. 2007). aprofundam-se de 1 a 10cm. I. Revista Brasileira de Biologia. O período de incubação dos ovos varia de 2.curvados. mede cerca de 5 mm de comprimento e é de coloração castanha.5a 3. O desenvolvimento larval se completa em 11 a 14 dias (PEREIRA. Acesso em: 22 mar.htm>. transformando-se em pupa.. A. 9-16. de acordo com a consistência do solo. (Ed. Medem cerca de 1. uma em forma de "S". Moscas-das-frutas de importância econômica no Brasil: conhecimento básico e aplicado. podendo apresentar três faixas longitudinais mais claras. de coloração branca-creme com diferentes tonalidades. p. O período pupal varia de 10 a 12 dias. Rio de Janeiro. 2000a. livre. Essa fase ocorre em três ínstares (L1. As larvas são vermiformes. Ribeirão Preto: Holos Editora. ápodas. Biogeografia.S. as larvas abandonam os frutos e deixamse cair no solo. A Pupa é do tipo coarctata.0 mm de comprimento por 10 a 12 mm de envergadura.

(Dossiê Técnico). ZUCCHI. cap. E. p.L.NORRBON. In: MALAVASI.ZUCCHI.2009 URAMOTO.). Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais -CETEC.. p. 105f. sinonímias. A. plantas hospedeiras e parasitóides. F. A. 2007.barc.). Disponível em: <http://www. 327p. Moscas-das frutas de Importância econômica no Brasil:conhecimento básico e aplicado.Histórico e Impacto de Pragas Introduzidas no Brasil.Universidade de São Paulo. A.Diversidade de moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) em pomares comerciais de papaia e em áreas remanescentes da Mata Atlântica e suas plantas hospedeiras nativas.2007. L. 1 p.org. 41-48 ZUCCH. Disponível em: <http://www. Piracicaba. R. Ceratitis capitata (Diptera: Tephritidae). 1. .).2000b. Ribeirão Preto: HolosEditora.htm>. R. Acesso em 22mar. 13-24.respostatecnica. 4. (Eds. R.2011. Moscas-das frutas de Importância econômica no Brasil: conhecimento básico e aplicado. In: MALAVASI.A. K.F. cap..A. ZUCCH.. Mosca-das-frutas: entraves no cultivo de frutíferas. Acesso em: 29 jul. 327p.A. 2000b.A. Taxonomia. Tese (Doutorado em Ciências) -Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz.2001b. 2007.G.2000a.sel.. Espírito Santo.(Eds. cap.A. R. 15-22. Espécies de Anastrepha. R.(Eds.gov/diptera/tephriti/Clastabl.B. In:VILELA. R. Mosca-do-mediterrâneo. no município de Linhares. Ribeirão Preto: HolosEditora.A. PEREIRA. ZUCCHI. CANTOR. ZUCCHI.usda.br>. Tephritidae classification table. Ribeirão Preto: HolosEditora.

Interesses relacionados