Você está na página 1de 14

Sumário

1. CD-Rom

2. DVD

3. LightScribe

4. Blue-Ray Disc

5. CD-RW e DVD-RW

6. Pen Drive

7. Bibliografia
CD-Rom(Compact Disc Read-Only Memory )
Historia
O disco compacto digital (Digital Compact Disc) conhecido também como CD, foi
inventado no final dos anos 60 por James T. Russell.

Russell era um viciado em música. Muitos reclamavam da falta de qualidade de som e


queriam algo com melhor tecnologia. Em um dos seus experimentos para melhorar o som ele usou
como agulha um espinho de um cacto. Um dia o Russel começou a esboçar um ono sistema de
gravar musica, e teve uma inspiração revolucionária.

Russel visionou um sistema que poderia gravar e tocar sons sem o contato físico entre o
disco e o player, e ele percebeu que o melhor jeito de se fazer isso era usando luz. Ele percebeu que
se representasse is números binários de 0 e 1 como claro e escuro, o aparelho poderia tocar sons, ou
então qualquer informação sem ao menos ter uma agulha.

Russel teve alguns anos de trabalho, e finalmente teve sucesso em inventar o primeiro
sistema de gravar e tocar de digital-para-ótico (patenteado em 1970). Ele conseguiu gravar em uma
placa de Plástico sensível a luz quem eram sensíveis a pequenos “bits” de claridade e escuridão (1 e
0), cada um com um micro diâmetro, um laser lia os dados binários, e o computador converteu em
dados para serem lidos.

Esse foi o primeiro compact disc.

Em novembro de 1974, a holandesa Philips havia decidido apostar na tecnologia digital.

Os pesquisadores estavam convencidos ser possível o laser ler sinais de áudio e os


reproduzir numa qualidade até então incomparável. Cinco anos depois, Philips e Sony uniram-se em
um projeto, já que a Philips era na época líder na tecnologia de armazenamento ótico, enquanto a
Sony estava mais avançada na área digital.

No entanto, nem a empresa holandesa, nem a japonesa possuíam o meio adequado para a
revolução musical. A solução foi encontrada pela indústria química alemã Bayer.

A Bayer fabricava seu policarbonato Makrolon que era o melhor a ser usado para criação do CD.
Então a subsidiária da Philips, a PolyGram (hoje se chama Universal Music) realizou a primeira
impressão industrial de Cds.

Por que 74 minutos?

O primeiro compact disc da Philips possuía 74 minutos em vez dos 60 originalmente


planejados graças ao então vice-presidente da Sony. Amante da música clássica e maestro de
formação, Norio Ohga insistiu que o lançamento da nova tecnologia fosse um álbum com a Nona
Sinfonia de Bethoven, completa. Para atender à exigência, o CD teve seu diâmetro ampliado dos
programados 11,5 centímetros para 12.

Como é Feito

Um CD é bastante simples ele é feito de plastico, com cerca de 1,2mm de espessura. A


maior parte de um CD consiste de uma peça de plástico de policarbonato transparente. Durante a
fabricação, esse plástico é impresso com sulcos microscópicos dispostos como uma trilha de dados
em espiral de dentro para fora, contínua extremamente longa. Assim que a peça transparente de
policarbonato é formada, uma fina camada refletora de alumínio é micropulverizada sobre o disco,
cobrindo os sulcos. Em Seguida uma fina camada de acrílico é pulverizada sobre o alumínio para
protegê-lo. A etiqueta então é impressa sobre o acrílico.

Funcionamento
Um CD possui uma trilha espiral de dados que circula do lado interno para o lado externo do
disco. O fato de a trilha espiral de dados que circula do lado interno para o lado externo do disco. O
fato de a trilha espiral começar no centro significa que o CD pode ser menor do que 12cm se
desejado.

A trilha de dados é tão pequena que é difícil de se imaginar, ela tem aproximadamente
0.5mícron de largura, com 1,6 mícron separando uma trilha da próxima (um mícron é um
milionésimo de um milímetro). E os sulcos são ainda menores.

Imagem que representa esse espiral

Cada sulco alongado que compõe a trilha tem 0,5 mícron de largura, comprimento minimo
de 0,83 mícron e altura de 125 nanômetros ( um nanômetro é um bilionésimo de um metro).

Os sulcos do CD também são chamados de “pits”. Eles parecem como “dentes” no lado do
alumínio, mas são sulcos no lado de leitura do laser.

As dimensões incrivelmente pequenas dos sulcos formam uma trilha espiral extremamente
longa. Se você pudesse estirar essa trilha em linha reta, ela teria 0,5mícron de largura e quase 5 Km
de comprimento.

Para ler algo tão pequeno você precisa de um mecanismo de leitura de disco extremamente
preciso.

Imagem que representa as trilhas e os sulcos


Componentes do CD player

O drive de CD tem o trabalho de localizar e ler os dados armazenados como sulcos no CD.
Considerando o tamanho extremamente pequeno dos sulcos, o Drive de CD é um equipamento de
precisão excepcional. A unidade consiste em três componentes principais:

• Motor para girar o disco. É controlado com precisão para girar entre 200 e 500rpm,
dependendo de qual trilha é lida

• um laser e um sistema de lentes que focalizam e leem os sulcos do CD

• Um mecanismo de rastreamento que move o conjunto do laser para que seu feixe possa
acompanhar a trilha espiral. O sistema de Rastreamento deve ser capaz de mover o laser em
deslocamento de ordem de 1mícron (1 milésimo de milímetro).

Imagem que mostra as principais partes do drive de CD

O trabalho fundamental do drive de CD é focalizar o laser sobre a trilha de sulcos. O laser


passa através da camada de policarbonato, e é refletido na camada de alumínio e atinge o
dispositivo óptico-eletrônico que detecta mudanças na luz. Os ressaltos refletem a luz
diferentemente das “lands” (espaço entre os sulcos na camada de alumínio), e o sensor óptico-
eletrônico detecta essas mudanças ma refletividade. A eletrônica da unidade interpreta essas
mudanças na refletividade para ler os bits.

A parte mais difícil é manter o feixe de laser centralizado sobre a trilha de dados. Essa
centralização é o trabalhado do sistema de rastreamento. O sistema de rastreamento tem de mover
continuamente o laser para fora à medida que toca o CD. Conforme o laser se move para fora, a
partir do centro do disco, os sulcos passam cada vez mais rápido pelo laser até que os sulcos se
deslocam diante do laser a uma velocidade constante, e os dados saem do disco em uma taxa
constante.

Se você tiver uma unidade de CD-R e quiser reproduzir seus próprios Cds de áudio ou CD-
ROMs, uma das grandes coisas que terá a seu favor é o fato de que o software pode manipular todos
os detalhes para você.
Para entender como os dados são armazenados num CD, você precisa entender todas as
diferentes condições que os projetistas da metodologia de codificação de dados tiveram que
manipular. Aqui esta uma lista de algumas delas usando o exemplo de um CD de áudio.

• Como o lasder esta rastreando a espiral de dados usando os sulcos, não pode haver espaços
extensos se, sulcos na trilha de dados. Para solucionar esse problema, os dados são
codificados usando EFM (eight-fourteen-modulation ou modulação 8-14). Na EFM, bytes
de 8 bits são convertidos para 14 bits, e a EFM garante alguns desses bits serão 1s.

• Como o laser deve querer se mover entre as canções, os dados devem ser codificados na
música para informar a unidade “onde ela está” no disco. Esse problema é solucionado
usando o que é conhecido como dados de subcode. Os dados de subcode podem codificar a
posição absoluta e relativa do laser na trilha e também podem codificar coisas como os
títulos das músicas.

• Como um arranhão ou uma mancha de sujeira no CD podem fazer com que todo um pacote
de bytes seja lido incorretamente (o que é conhecido como “burst erro” ou erro de rajada), a
unidade precisa ser capaz de se recuperar de tal evento. Esse problema é solucionado por
meio do entrelaçamento dos dados no disco, para que eles sejam armazenados de modo não-
sequencial ao redor do disco. Na verdade, a unidade lê os dados uma revolução por ver e
desentrelaça os dados para poder reproduzi-los.

• Se alguns poucos bytes forem lidos incorretamente em uma música, a pior coisa que poderá
acontecer é um pequeno chiado durante a reprodução. Entretanto, quando os dados são
armazenados em um CD, qualquer erro de dado pode ser catastrófico. Assim, códigos de
erro adicionais são usados quando se armazena dados em um CD-ROM.
DVD (Digital Versatile Disc)
Historia

Em maio de 1994, as empresas Sony e Philips, anunciaram que novamente iriam trabalhar
juntas cooperativamente no desenvolvimento de uma nova mídia de alta densidade alguns dizem
que DVD dignifica de Digital Vídeo Disk outros dizem que significa Digital Versatile Disc. Essa
tecnologia chegou para substituir o Compact Disc(CD-ROM) para computadores e o VHS (vídeo
Cassete) e também o pouco conhecido Laser Disk (LD). Vídeos em DVD tem qualidade extrema
chegando quase ao mesmo nível de Cinema, o som é de CD e de fácil uso.

A Sony foi a primeira a mostrar a tecnologia de DVD para o publico em Janeiro de 1995.

Como é feito e como funciona.

Os DVDs possuem o mesmo diâmetro e espessura que os CDs e são feitos dos mesmos
materiais e métodos.

Quando feito o alumínio é usado por trás das camadas internas, mas uma camada de outro
semi-refletora é usada para as camadas externas, permitindo que o laser focalize através das
camadas externas e atinja as camadas internas.

Imagem que mostra as camadas e tipos de DVD.

A trilha de dados é incrivelmente fina: apenas 740 nanômetros separam uma trilha da
próxima. E cada uma das saliências alongadas possui 320 nanômetros de largura, um comprimento
mínimo de 400 nanômetros e uma altura de 120 nanômetros.
As dimensões microscópicas das saliências tornam a trilha espiral de um DVD
extremamente longa. Se você pudesse arrancar a trilha de dados de um DVD e esticá-la em uma
linha reta, ela teria quase12 quilômetros de comprimento. Isso significa que um DVD de lado duplo
e camada dupla teria 48 quilômetros de dados.

DVD X CD

Os DVDs podem armazenar muito mais dados do que os CDs por algumas razões:

• maior densidade de armazenamento de dados

• menos espaço sem dados, maior área útil

• armazenamento multi-camadas

Os DVDs de face única e camada única podem armazenar cerca de 7 vezes mais dados do
que os CDs. Uma grande parte desse aumento decorre do fato de as saliências e as tilhas serem
menores nos DVDs

Vamos ver uma tabela como exemplo:

Com isso podemos ver que o DVD aproveita mais a área do disco.

Essa tabela mostra a capacidade dos diferentes tipos de DVDs:


Você pode ver que a capacidade do DVD não dobra quando se adiciona uma segunda
camada ao disco. Isso acontece porque as saliências de um disco de camada dupla precisam se um
pouco mais longas, em ambas as camadas, em relação a um disco de camada única. Isso ajuda a
evitar interferência entre as camadas, que poderiam causar erros durante a execução do disco.

Diferença entre DVD+R e DVD-R

DVD+ (“mais”) e DVD - (“menos”) são dois formatos de DVD concorrentes.

• DVD+R:São próprios para gravação/leitura de dados (microPC), sendo também compatíveis


para gravação de áudio e vídeo com excelente desempenho funcional.

• DVD-R: são próprios para gravação de informação em modo contínuo (streaming), sendo
excelentes para gravação/leitura de áudio e vídeo. Os DVD-Rs também, permitem a
gravação de dados mas não oferecem o mesmo desempenho e leitura de dados em modo
aleatório como os DVD+Rs.
LightScribe
LightScribe é uma tecnologia inovadora que utiliza uma unidade de disco especial. Ele
funciona da seguinte forma: O laser no interior de uma unidade de disco de CD/DVD concentra a
energia da luz em um fino revestimento de tinta fazendo com que esse revestimento escureça e
assim crie a etiqueta, ele não usa tintas ele usa o laser para escurecer a tinta logo não da pra criar
etiquetas coloridas e é preciso uma mídia especial para isso.

Existem três modos de layout diferentes para o rótulos:

• modo completo embora ele leve mais tempo, este é o modo de usar para uma imagem de
disco completo.

• Modo de conteúdo. Perfeito para criar fronteiras artísticas em torno do centro do disco.

• Modo título. Ideal para uma pequena quantidade de texto ou gráfico. Este é o modo mais
rápido

Para saber se seu drive é LightScribe é só procurar pelo logotipo abaixo.


Blue-Ray Disc

Inventado pela Sony Blue-ray disc tem uma grande capacidade de armazenamento, os discos
blue-ray podem guardar e reproduzir enormes quantidades de vídeo e áudio em alta definição,
assim como fotos, dados e outros contudo digitais.
A vantagem do Blue-ray em ralação ao DVD é a incrível quantidade de informação que ele
pode guardar
• Um disco Blue-ray de camada única que tem aproximadamente o mesmo tamanho de um
DVD pode guardar até 27 Gb de duração que é mais de duas horas de vídeo em alta
definição ou cerca de 13 horas de vídeo padrão;
• Um disco de Blue-ray de camada dupla pode armazenar até 50GB, suficientes para guardar
cerca de 4,5 horas de vídeo em alta definição ou mais de 20 horas de vídeo padrão. E ainda
há planos em andamento para desenvolver um disco com duas vezes essa quantidade de
armazenamento.

Os discos Blue-ray não só têm maior capacidade de armazenamento do que os DVDs


tradicionais como também oferecem um novo nível de interatividade. Os usuários podem conectar-
se à internet e fazer instantaneamente o download de legendas e outros recursos interativos do filme
– desde que esses recursos sejam disponibilizados pelas produtoras de cinema. Com um disco Blue-
ray você pode:
• Gravar televisão em alta definição (HDTV) sem qualquer perda de qualidade
• saltar instantaneamente para qualquer ponto do disco
• criar playlists (listas de reprodução)
• editar ou reordenar programas gravados no disco
• buscar automaticamente um espaço vazio no disco para evitar gravar sobre outro
• Programados acessar a web para downloads de legendas e outros recursos extras
Ao contrário dos DVDs atuais, que usam um laser vermelho para ler e gravar dados, o Blue-
ray usa um lazer azul (de onde vem o nome do formato)um laser azul possui menos comprimento
de onda (405 nanômetros) do que um laser vermelho (650 nanômetros). O feixe menor focaliza com
mais precisão, o que habilita leitura em cavidades com apenas 0,15 mícron: mais de duas vezes
menores do que as cavidades do DVD. Além disso o Blue-ray reduziu o passo da trilha de 0,74
mícron para 0,32. O conjunto de cavidades, feixe e passo da trilha menores e capacitam um disco
Blue-ray de uma única camada guardar mais de 25 GB de informação, cerca de cinco vezes a
quantidade de informações que pode ser armazenada em um DVD.

O Blue-ray tem uma uma taxa de transferência de dados mais altas – 36 Mbps, do que os
DVDs de hoje, que transferem 10mbps. Um disco Blue-ray gravar 25 DV de material em pouco
mais de uma hora e meia
CD-RW e DVD-RW
Para criar um CD-RW ou um DVD-RW você precisa de uma camada de tinta que possa
oscilar entre transparente para que o alumínio por trás possa refletir a luz (1) e a opaca para que o
alumínio por trás não possa refletir (0). Esse material pode mudar sua transparência dependendo da
temperatura. Aquecido em certa temperatura, o material se resfria em um estado transparente;
aquecido em outra temperatura, ele se resfria em um estado turvo. Ao mudar a potência (e
consequentemente a temperatura) do laser de gravação, os dados do CD podem ser alterados ou
“regravados”.
Pen Drive
A historia do pen drive é bem curta teve início no ano 2000. já a da memória flash, que é a
utilizada nestes dispositivos, começou em 1980 com a Toshiba. Os primeiros modelos de pendrive
foram fabricados pela Trek Technology em conjunto com a IBM, e eram chamados de DiskonKey.
A capacidade de armazenamento dos primeiros pendrives começou em 8MB o que era muito para a
época, tendo em vista que os disquetes armazenavam no máximo 2,88MB.

O pen drive é um dispositivo de armazenamento constituído por uma memoria Flash. As


informações ficam nos elétrons da placa da memória, quando perde um elétron se torna um numero
0 (zero) e se recebe um elétron se torna um numero 1 (um).

O pen drive, ou flash drive, tem uma fisionomia semelhante à um isqueiro ou chaveiro e
uma ligação USB tipo A permitindo sua conexão a uma porta USB de um computador. As
capacidades atuais de armazenamento, são 64MB, 128 Mb, 256Mb, 512Mb, 1GB, 2Gb, 4GB 64Gb
e não para de aumentar.
Bibliografia

http://www.baixaki.com.br/info/3189-como-funciona-um-pendrive-.htm

http://grego100.wordpress.com/2007/11/27/como-funciona-o-pen-drive-flash-drive/

http://eletronicos.hsw.uol.com.br/blu-ray.htm

http://www.blu-raydisc.com/ (inglês)

http://www.lightscribe.com (inglês)

http://forum.imasters.uol.com.br/index.php?/topic/182826-diferenca-entre-os-dvd-rdvd-rw-e-
dvdrdvdrw/

http://eletronicos.hsw.uol.com.br/dvd2.htm

http://informatica.hsw.uol.com.br/cd.htm

http://www.museudocomputador.com.br/encicd.php

http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u10796.shtml