Você está na página 1de 1

e a Experiência com o Diabetes

As Representações Sociais

e a Experiência com o Diabetes As Representações Sociais Reni Aparecida Barsaglini Graduada em pedagogia, especialista

Reni Aparecida Barsaglini

Graduada em pedagogia, especialista em saúde pública e em política de recursos humanos para a gestão do SUS, mestre em saúde e ambiente e doutora em saúde coletiva. Atuou na Escola de Saúde Pública da Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso de 2001 a 2010 e desde 2007 é docente da área de ciências sociais e saúde do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso, onde, entre outras atividades, desenvolve e orienta pesquisas sobre os aspectos socioantropológicos de condições crônicas.

O campo das investigações antropológicas

sobre a saúde e a doença tem experimenta­ do rápida expansão nos principais centros

acadêmicos internacionais. Este crescimen­

to acontece também no Brasil, onde se veri­

fica a consolidação de linhas de pesquisa representando as mais variadas vertentes teóricas da antropologia da saúde em programas de pós­graduação, tanto em saúde coletiva como em antropologia. Com a coleção Antropologia e Saúde pretende­se contribuir para a disseminação da produção de alta qualidade, oriunda de centros de pesquisa e pós­graduação nacionais. Visa­se também a promover a divulgação de textos de autores estrangeiros considerados clássi­ cos neste campo. Espera­se, com esta cole­ ção, contribuir para o desenvolvimento e a divulgação de referenciais teóricos e meto­ dológicos que suscitem perspectivas inova­ doras na abordagem interdisciplinar do processo saúde­doença. A longo prazo, Antropologia e Saúde deverá estimular um crescente diálogo entre as ciências sociais/ antropologia e as ciências da saúde/saúde coletiva no Brasil.

Antropologia e Saúde
Antropologia e Saúde

Antropologia e Saúde

no Brasil. Antropologia e Saúde Antropologia e Saúde As Representações Sociais e a Experiência com o

As Representações Sociais e a Experiência com o Diabetes:

um enfoque socioantropológico

Experiência com o Diabetes: um enfoque socioantropológico Reni Aparecida Barsaglini As Representações Sociais e a
Experiência com o Diabetes: um enfoque socioantropológico Reni Aparecida Barsaglini As Representações Sociais e a
Experiência com o Diabetes: um enfoque socioantropológico Reni Aparecida Barsaglini As Representações Sociais e a

Reni Aparecida Barsaglini

As Representações Sociais e a Experiência com o Diabetes:

um enfoque socioantropológico

As Representações Sociais e a Experiên- cia com o Diabetes: um enfoque socio- antropológico constitui um precioso estudo acerca do diabetes mellitus, doença crônica de importância epide­ miológica crescente no quadro sanitário brasileiro, o que, por si só, já o torna relevante. Situado no âmbito da área de antropologia e saúde, articula e analisa as dimensões subjetivas e objetivas do diabetes, desde os sentidos atribuídos à enfermidade pelo adoecido até a lida concreta com o seu gerenciamento. Trata das representações sociais e da experiência íntima do adoecido, sem descuidar de fatores de ordem estrutu­ ral e suas determinações mais profun­ das, utilizando­se da metodologia quali­ tativa – na perspectiva antropológica – combinada com técnicas da pesquisa documental. A análise se sustenta nos pilares da fenomenologia e da sociologia francesa herzlichiana, mediante uma abordagem que se designou “constru­ tivista integradora” por entender que

a realidade social é constituída por rela­

ções sinérgicas entre práticas interacio­ nais e interpretativas e determinações sociais mais amplas, mediadas por elementos contextuais.

Sem dúvida alguma, uma contribuição ímpar à área de antropologia e saúde, carente de estudos dessa natureza. Por

sua qualidade literária, científica, etno­ gráfica e humana, recomenda­se sua leitura aos profissionais e estudiosos do setor da saúde e do campo mais amplo das ciências sociais. E aos que se dedicam à elaboração e implemen­ tação de políticas públicas mais sensí­ veis e coerentes com as especificidades socioculturais dos diferentes grupos sociais, sobretudo aquelas voltadas para

o diabetes.

Edir Pina de Barros

Doutora e pós-doutora em antropologia, professora aposentada da Universidade Federal de Mato Grosso