Você está na página 1de 1

NÍVEIS DE CONSTRUÇÃO DA ESCRITA (Emilia Ferreiro)

NÍVEL PRÉ-SILÁBICO

Inicia-se quando a criança busca parâmetros de distinção entre marcas gráficas. (letras, desenhos, símbolos). Esses “sinais” podem ser interpretados somente pelo produtor. Neste nível a criança produz hipóteses originais de

uma se refere à quantidade

grande importância, para que um conjunto de marcas possa ser considerado legível:

mínima de caracteres (critério quantitativo) e a outra a uma variedade de caracteres (critério qualitativo).

Uma página interia pode corresponder a uma só palavra;

Há completa ausência de vinculação entre a pronúncia das partes de uma palavra ou de uma frase e sua escrita;

Questiona o que representa a escrita; (o que significa estes risquinhos no papel?)

Só se escrevem substantivos;

Letras ou sílabas não se repetem na palavra;

A ordem das letras não é importante. Basta que estejam todas elas;

A escrita das palavras não é estável. Numa frase ou texto o código pode mudar;

Está escrito o que eu desejei escrever;

Escrita sem imagem não dá para ler, é pura letra.

INTERMEDIÁRIO

Grafismos mais próximos às letras

permanência de critérios quantitativos e qualitativos;

necessidade de que as escritas tenham diferenças objetivas para que se possa ler coisas diferentes;

consciência, mesmo difusa, da ligação entre pronúncia e escrita é o fator deslanchador.

As palavras começam a ter mais estabilidade; (principalmente o nome próprio)

NÍVEL SILÁBICO

Tem início quando a criança faz corresponder a quantidade de letras de uma palavra à quantidade de partes que se reconhece na emissão oral, mesmo não atribuindo o valor sonoro convencional às letras.

CAVALO

= A A O

C V L

A A LO

PERÍODO SILÁBICO ALFABÉTICO

Inicia-se quando abandona a hipótese silábica e descobre a necessidade de fazer uma análise que vais além da sílaba. Não é um nível, mas uma transição marcada pela descoberta que a sílaba já não se constitui na menor unidade sonora da palavra.

NÍVEL ALFABÉTICO

Compreende o rompimento da barreira do código. É a partir desse momento que a criança compreende que cada caractere da escrita corresponde a um valor sonoro, ainda que inicialmente não convencional. A partir desse momento enfrentarão outros desafios, que encontram-se além da aquisição da base alfabética, entre os quais , ortografia.

Ex. glo = gelo qrida = querida caxoro = cachorro