REGIMENTO INTERNO DA PRIMEIRA IGREJA BATISTA EM POUSO ALEGRE

LIVRO I TÍTULO I

Das Disposições Preliminares Art.1º - A Primeira Igreja Batista em Pouso Alegre, doravante neste Regimento chamada apenas de igreja, cujo Templo e sede fica na Rua Co ronel Pradel, 364, Centro, Pouso Alegre, Minas Gerais, com CNPJ n° 21395694/0001-83, com Estatuto devidamente registrado, tem por finalidade cultuar a Deus, estudar a Bíblia, divulgar o evangelho de Jesus Cristo, praticar a ação comunitária e a educação religiosa, com vistas à completa realização espiritual, moral e social dos seus membros, provendo os meios para a sua execução. Art. 2º - Para atingir seus objetivos conforme o Novo Testamento preceitua, a igreja terá os seguintes Ministérios: y Da Ação Social, composto pela Comissão de Beneficência; y Da Adoração, Composto pelas Comissões para o Culto e Programas Especiais, e a de Música; y Da Comunhão, composto pela Comissão de Discipulado, Visitação e Integração; y Da Proclamação, composto pela Comissão de Evangelismo e o Conselho de Missões; y Do Ensino e Treinamento, composto pela EBD (Escola Bíblica Dominical), União de Homens Batistas (UHB), Mulheres Cristãs em Ação (MCA), Uniões de Adolescentes, Jovens, Adultos e Terceira Idade, Departamento Infantil e demais órgãos e/ou departamentos afins; y Da Administração, composto pelas Comissões de Construção, Patrimônio, Conselho Fiscal e a Secretaria Administrativa. Art. 3º - A igreja é composta de número ilimitado de pessoas, sem distinção de sexo, idade, raça ou nacionalidade, recebidas em suas Assembléias, por maioria absoluta de votos, obedecendo a um dos seguintes modos: a)Pública profissão de fé e batismo ; b)Carta de transferência de outra igreja batista da mesma fé e ordem; c)Reconciliação; d)Aclamação, em casos excepcionais, examinando cada caso, e que sejam pessoas com testemunho cristão e conhecidas da igreja . Art. 4º - A saída dos membros da igreja obedecerá a um dos seguintes motivos: a)Falecimento; b)Concessão de cartas de transferência para outra igreja batista da mesma fé e ordem; c)Exclusão, por solicitação do interessado ou por decisão da ig reja em suas Assembléias.
TÍTULO II Das Atividades em Assembléias CAPíTULO I Das regras Parlamentares

SEÇÃO I Das Assembléias Art. 5º - As Assembléias da Igreja serão abertas pelo Presidente ou por seu substituto legal Art. 6º - No início das Assembléias, após os momentos inspirativos, que deverão constar de leitura bíblica , cânticos e orações, deverá ser submetida à aprovação do plenário a pauta do d ia, encaminhada pelo Presidente ou seu substituto legal, conforme decidida na Reunião do Corpo de Líderes SEÇÃO II Dos Debates Art. 7º - Para ser discutido numa Assembléia , qualquer assunto deverá ser introduzido por uma proposta, devidamente apoiada, salvo a pauta do dia que, uma vez aprovada, o Presidente ou seu substituto legal irá encaminhando item por item, bem como os pareceres e/ou relatórios de comissões ou grupos de trabalhos. Art. 8º - Aquele que desejar falar, apres entar ou discutir uma proposta, deverá levantar-se e dirigir-se ao Presidente, dizendo: "Peço a palavra, irmão Presidente". Art. 9º - Concedida a palavra, o orador falará dirigindo-se ao Presidente ou à Assembléia, expondo o seu assunto e anunciando claramente a sua proposta que, quando for muito extensa ou envolver matéria grave, deve ser redigida e encaminhada à mesa. Art. 10 - Feita uma proposta, ela só será posta em discussão se receber apoio por parte de outro membro da igreja, o qual, d irigindo-se ao Presidente dirá: "Apoio a proposta feita" ou, simplesmente, "Apoiado". Art. 11 - Posta a proposta em discussão, os membros que desejarem falar devem levantar-se e solicitar a palavra ao Presidente. Art. 12 - O presidente concederá a palavra ao memb ro que primeiro a solicitar, e quando dois ou mai s solicitarem a palavra ao mesmo tempo, concede-Ia-á àquele que estiver mais distante da mesa. Art. 13 - Quando muitos oradores desejarem falar, o presiden te poderá ordenar a abertura de inscrição, o que será feito pelo segundo secretário, seguindo-se rigorosamente a ordem anotada. Art. 14 - Por voto do plenário pod e ser limitado o tempo dos oradores Art. 15 - Feita uma proposta, apoiada e posta em d iscussão, qualquer membro pode apresentar uma proposta substitutiva, isto é, uma proposta baseada na que originalmente foi feita mas, modificando seus termos ou alcance. Art. 16 - Uma proposta substitutiva não pode contrariar fundamentalmente a proposta original. Art. 17 - Uma vez proposto e apoiado um substitutivo, a discussão passará a ser feita em torno dele. Art. 18 - Encerrada a discussão e posto a votos a proposta substitutiva, se ela vencer, desaparece a proposta original; se não vencer, voltará à discussão a proposta original. Art. 19 - Feita uma proposta e posta em discussão, qualquer membro pode propor emendas a ela para acrescentar palavras ou frases (emenda aditiva); ou, para suprimir palavras ou frases e acrescentar outras (supressiva). Art. 20 - Apresentada e apoiada a emenda , a discussão passará a ser travada em torno dela.

São propostas que não admitem discussão.A proposta para encerramento da discussão deve ser brevemente justificada e não admite discussão. da discussão de assunto em debate . 26 . Para dirimir dúvidas sobre questões de ordem. devendo ser imediatamente postas a votos. poderá ser re tirada por solicitação expressa do seu autor. se necessários ao plenário. SUBSEÇÃO III Da Reconsideração Art. o pres idente po-Ia-á a votos que. para que sejam oferecidos esclarecimentos. . o assunto anteriormente aprovado volta à discussão.O plenário pode impedir a d iscussão de matéria já suficientemente esclarecida por meio da aprovação de uma proposta para encerra mento imediato da discussão. 22 .Encerrada a discussão sobre a emenda. podendo ser confirmada .A proposta para reconsideração não poderá ser feita na mesma Assembléia que votou o assunto que deseja ver reconsiderado.Em qualquer Assembléia p osterior. 2.Uma proposta apoiada e posta em discussão. Art.Uma proposta para reconsideração só poderá ser feita por um membro que votou a favor do assunto que deseja ver reconsiderado. uma vez apoiadas: 1. 25 . será acrescentada à proposta original que depo is será posta a votos com a emenda.Para facilitar a discussão ou votação. 23 . SUBSEÇÃO IV Das Propostas sem Discussão Art. SEÇÃO III Das Propostas Especiais SUBSEÇÃO I Do Encerramento da Discussão Art. o presidente poderá dividir u ma proposta que conste de vários pontos. devendo ser votada imediatamente. Para responder a consulta da mesa sobre as questões de ordem não previstas neste regimento. se vencer. qualquer membro poderá propor a volta dos debates de assunto que est eja sobre a mesa.Art. Art. 27 . Art. Parágrafo Único . submetendo à votação cada ponto separadamente. mesmo havendo oradores inscritos . 29 . 24 . 28 . 21 . SUBSEÇÃO II Do Adiamento Art. alterada ou anulada a decisão anteriormente votada . Art. ou seja dada preferência a matéria mais urgente.Qualquer membro poderá propor o adiamento por tempo definido ou não. Parágrafo Único . que também não admite discussão e deve ser votada imediatamente.Vencedora a proposta de reconsideração. com a aquiescência do plenário.

Permanecerem em silêncio os que são a favor da proposta. Art. pelo presidente. 1. .Qualquer membro que o desejar. 35 ± Sendo a matéria de caráter delicado.Quando houver necessidade. SEÇÃO V Das Questões de Ordem Art. SEÇÃO IV Da Votação Art. poderá haver uma proposta para o uso do escrutínio secreto. 2. 33 . Dizerem "sim" os que favorecem e "não" os que são contrários. 31 . o presidente anunciará com clareza a proposta que vai ser votada. 2.Concluída a discussão. 34 . tendo sido vencido na votação. sob nenhum pretexto. a critério da mesa. Art. independentemente de suas emendas aditivas. Colocarem-se em pé os membros. sem discussão. os contrários. nas seguintes circunstâncias: a)Quando não está sendo observada a ordem dos debates.Podem ser usadas as seguintes formas de votação: 1. Para votação imediata da proposta original. 30 . 3. Para limitar o tempo dos oradores ou da discussão sobre qualquer matéria. Os membros levantarem uma das mãos. Art. 4. 4. 6. a nenhum membro poderá ser concedi do a palavra. 3. ou equivalente. Para a concessão de honras especiais. 5.Qualquer membro pode solicitar a palavra "pela ordem". antes que os votos sejam contados. poderá solicitar a inserção em ata da justificação do seu voto. de reconhecimento ou de regozijo. depois. de que a proposta está em votação.3. 37 .As deliberações da Igreja só terão validade quando aprovadas em Assembléias e pela maioria dos membros presentes. 36 . utilizando a expressão: "está em votação". Para que o assunto seja entregue ou devolvido a uma Comissão para reapresentação posterior. 5. supressivas ou substitutivas. Para a volta aos debates de assunto que tenha sido adiado. que será feita imediatamente. anunciando. exceto os assuntos para os quais o estatuto prevê quorum especial. Permanecerem sentados os que favorecem a proposta. Para concessão do privilégio da palavra. que apresentará sucintamente.Após a declaração. Art. podendo determi nar a sua leitura se julgar necessário.Qualquer membro que julgar que houve erro ou omissão na contagem ou soma dos votos poderá requerer à mesa a recontagem. Art. o resultado da votação Art. e levantarem os que são contrários à mesma. 32 . que lhe será imediatamente concedida. e então declarará a proposta em votação. 38 . Art. pedindo os votos a favor e. manifestações de pesar. a critério da mesa. Para encaminhar o modo da discus são de um parecer. os votos podem ser contados. então.

Uma vez apurado o resultado dessa consulta. . e.Os apartes devem ser feitos para esclarecer o orador ou para fazer -lhe perguntas que esclareçam o plenário sobre o ponto que está em consideração.Para a eleição das Diretorias desses órgãos. 42 . Art.Obtendo a palavra. posteriormente. publicada no Boletim Informativo Dominical da Igreja.b) Quando algum orador tratar de matéria alheia ao debat e em questão ou estranha à Assembléia. elegerão sua s próprias diretorias. 44 . 39 . Art.O tempo concedido ao aparteante é descontado do tempo concedido ao orador que conceder. que serão confirmados pela Igreja. sendo. 46 . SEÇÃO VI Dos Apartes Art. devendo a matéria ser resolvida pelo presidente. 41 . c) Quando desejar propor o encerramento da discussão.Os novos diáconos serão indicados pelo Corpo Diaconal e confirmados pela Igreja. podendo a Igreja hom ologar ou rejeitar estas indicações. 47 . cuja eleição não está disciplinada neste Regimento Interno. será dado a todos os membros a oportunidade de indicar nomes para todos os cargos da Igreja a uma Comissão de Indicação eleita para isso. do berçário até os juniores. até o 3° (terceiro) domingo de novembro. os professores serão eleitos pela Igreja. conforme seu calendário. se obedecerá o critério da convocação dos seus membros com pelo menos 7 (sete) dias de antecedência. para as classes do Departamento Infantil. no máximo. confirmados pela Igreja .Todas as demais organizações e/ou departamentos da Igreja. que obedecerão os mesmos critérios: memb ros integrados na vida da Igreja e dizimistas fiéis.O presidente não pode ser aparteado. cabendo ao membro apelar para o plenário caso não concorde com a decisão da mesa.Bienalmente . no seu todo ou em partes em Assembléia específica para esse fim . bem como em todas as organizações da Igreja. Art. CAPITULO II Das Eleições Art. d) Quando desejar propor a votação imediata da proposta original independente de suas emendas substitutivas . apresentando à Igreja uma Propos ta de Indicação. e os apartes não devem ser discursos paralelos ao do orador aparteado Art. elegerão seus próprios professores. 48 . que deverá ser realizada. a partir do mês de Setembro. depa rtamentos e/ou organizações da Igreja. Art. conforme seu Calendário Eclesiástico. devem retornar à Comissão de Indicação que apresentará nova Indicação na próxima Assembléia Regular. o Corpo de Líderes trabalhará com esse resultado. 43 . Art. com a presença mínima de metade dos seus componentes Art. dos Adolescentes para cima. evitando nomes não dizimistas ou com qualquer outro fator ou elemento não recomendável. 49 . 45 . o membro exporá brevemente a questão de ordem.O membro que desejar apartear um orador deve primeiro solic itar-lhe o consentimento e não falará se este não lhe for concedido . Art. Art. nem o proponente ou relator que esteja encaminhando a votação. As indicações não homologadas.As classes da EBD. 40 .

os demais componentes da diretoria terão mandato de dois anos. cessões. Para o Culto e Programas Especiais. devendo ser informado. c)Representar a igreja ativa e passiv amente. contratos. d)Assinar as atas das Assembléias depois de aprovadas. orientando e compartilhando de suas necessidades. quanto a programações não estabelecidas em seu Calendário de Atividades. tanto na Liderança da Igreja como para seus departamentos ou organizações. hipotecas . Beneficência. Evangelismo. e)Assinar escrituras de compra e venda. h)Convidar pregadores e conferencistas para as ocasiões especiais. com o direito de convocar e pa rticipar de todas elas. composta de um presidente. auxiliados pelos relatores das Comissões de Patrimônio. visitando. Discipulado .Nas eleições.São atribuições do Presidente: a)Coordenar e supervisionar todas as atividades da Igreja. a critério da Igreja.O presidente será sempre o Pastor da Igre ja. Visitação e Integração. até que se exonere ou seja exonerado. quer na saúde ou na doença. e o(a) Diretor(a) da EBD (Escola Bíblica Domical) Art. dois secretários (1° e 2°). presidentes do Corpo Diaconal e do Conselho de Missões. sempre mediante autorização da igreja nos termos do estatuto. 52 . também. 51 . Construção. b)Convocar e dirigir as Assembléias. e terá mandato por tempo indeterminado. f)Servir como presidente ex-ofício de todas as organizações e depa rtamentos da Igreja. j) Encaminhar e supervisionar a apli cação da disciplina bíblica aos membros faltosos. dois tesoureiros (1° e 2°). 50 . g)Dirigir os cultos e ofícios especiais tais como: casamentos. 53 . LIVRO II TíTULO I Da Administração e Funcionamento da Igreja CAPíTULO I Da Diretoria Art. previamente. .Art. Música. ser ouvido quanto a convites a oradores por parte das organizações para suas eventuais programações.A administração da igreja caberá a uma diretoria eleita pela Assembléia. judicial e extrajudicialmente. funerais. de 01/01 a 31/12 bienalmente. Conselho Fiscal. devendo. ajudando-o a desempenhar suas funções ministeriais na Igreja. tentar-se-á evitar a eleição de um mesmo membro para mais de um cargo. dois vice -presidentes (1° e 2°). i) Prestar assistência espiritual ao membro da Igreja. Art.

inclusive o fichário de membros. Assessorar o Conselho Fiscal. 2. 60 . 55 .É atribuição do 1 ° e 2° vice -presidentes substituirem o presidente em sua falta ou eventuais impedimentos na ordem de sucessão. Receber. 1. mediante parecer da Conselho Fiscal. c) Abrir.: Os itens b e c. 59 .São atribuições do segundo tesourei ro: a)Auxiliar o 1° Tesoureiro em em suas funções. b)Receber e despachar a correspondência administrativa. Assinar a movimentação bancária e/ou financeira junto com o 1° tesoureiro. 56 . m) Representar a Igreja nas Assembléias convencionais e outros eventos denominacionais. Art.Terá a seguinte composição: Diretoria estatutária da Igreja. em conjunto ou separadamente. em conjunto ou separadamente e) Assessorar o Conselho Fiscal. Art. 57 ± São atribuições do primeiro tesoureiro: 1. movimentar e encerrar contas em estabelecimentos bancários. 58 . órgãos e/ou departamentos da Igreja e ministros auxiliares. diáconos e diaconisas. quando não houver uma Secretaria Administrativa. em sua falta. e substituí -Io em sua falta ou eventuais impedimentos. Art. presidentes de todas as organizações. relatores e membros das comissões e conselhos. ass inando as atas das assembléias da Igreja. n) Capacitar e treinar os crentes para a ob ra do ministério Art. assinando com o 2° Tesoureiro.É atribuição do segundo secretário auxiliar e substituir o 1º em sua falta ou eventuais impedimentos Art. 1. 0BS. 54 .São atribuições do primeiro secretário: a)Redigir e lavrar em livro próprio. guardar e organizar os valores da Igreja. l) Presidir as reuniões trimestrais do Corpo de Líderes da Igreja. Art.k) Responsabilizar-se pela publicação do Boletim Informativo Dominical e supervisionar quaisquer outras publicações da Igreja.São atribuições do Corpo de Líderes . 1. bem como efetuar os pagamentos por ela autorizados : b) Apresentar relatórios financeiros mensais e anuais nas assembléias para a sua aprovação. c)Manter em ordem a documentação administrativa. CAPíTULO II Do Corpo de Lideres da Igreja Art.

cada coisa em seu lugar. trimestralmente. só permitindo o acesso a esse material de pessoas autorizadas . de educação religiosa. CAPITULO III Dos Ministérios Auxiliares Art. 62 . cujas contratações tenham sido autorizadas pela Igreja.Comporão os Ministérios Auxiliares: evangelistas. objetivando levar a Igreja ao completo desempenho de suas tarefas evitando superposição de funções. 3. digitação e reprodução xerográfica dos relatórios financeiros. 5. que será o seu presidente. ou sempre que necessário. Manter rigoroso controle das entradas e saídas de membros. ministros de ação comunitária. por convocação do pastor. obreiros e/ou dirigentes das congregações. podendo ser remunerados pelo seu trabalho. coordenar e avaliar os programas das várias áreas de atividades da Igreja. Por se tratarem de cargos de confiança. 6. conforme plano de trabalho a se r aprovado no momento da contratação. mesmo que sejam membros da igreja. fiquem no recinto de trabalho. com vistas ao aproveitamento total dos seus recursos espirituais.São suas atribuições: 1. Manter sempre atualizados os arquivos de correspondência recebidas/expedidas. Desenvolver toda a rotina de trabalho da Sec retaria: enviar correspondência. pastores auxiliares. cartões de aniversário. median te indicação do pastor titular. 4. g) Preparar a agenda das Assembléias Regulares Trimestrais. 2.a)Formular e recomendar à igreja sugestões para o estabelecimento dos objetivos e alvos da mesma. humanos e materiais. missionários. através das respectivas lideranças dos departamentos. trabalharão sob a coordenação do pastor titular . 61 . 7. d)Planejar. c)Desenvolver e recomendar à igreja planos de ação para alcançar os seus alvos e objetivos. Preparar e classificar os documentos que serão objeto de atenção nas reuniões do Corpo de Lideres e nas Assembléias Deliberativas. . b)Providenciar comunicação adequada entre a diretoria da Igreja e toda sua membresia. Manter o escritório sempre em ordem. órgãos e demais organizações da Igreja. exceto os que estejam desenvolvendo uma atividade específica e devidamente autorizados. enviando logo após as Assembléias. não permitindo que pessoas. preparação e edição do boletim informativo dominical. Manter a correspondência do pastor atua lizada. os pedidos de cartas ou reme tendo as transferências. f)Sugerir o preenchimento de cargos vagos d urante os mandatos bienais. Manter o arquivo da membresia rigo rosamente em ordem. ministros de música. CAPíTULO IV Da Secretaria Administrativa Art. e)Reunir-se.

só colocando material autorizado pelo Pastor. do seu Presidente Art. 9. a crité rio da Igreja. escolhidos dentre o Corpo Diaconal. 65 .8. controlando a saída e devolução desse material. e amor ao trabalho.Dentre os membros do Corpo Diaconal. Atender a todas as organizações da igreja no que lhe couber no desenvolvimento de suas atividades 10. DVDs. seminaristas e membros que necessitam. 3. conforme orientação do Pastor. Todo Relator realizará seu trabalho conforme o Manual de atribuições para cada cargo a ser votado pela igreja. ser revogado. Incluir. 63 . iniciativa. 66 . logo após sua aceitação pela Igreja.O Corpo Diaconal terá um Presidente que moderará as reuniões e zelará para que todos os deveres e responsabilidades dos diáconos sejam cumpridas. carimbos e formulários.O Corpo Diaconal se reunirá mediante convocação do pastor da Igreja. com máxima gentileza. 4. quanto a arquivos. alto nível espiritual. mantendo -o em dia. k)Manter os quadros de avisos atualizados. discrição. SEÇÃO I Das Atribuições . 1. a todos que venham ao escritório para qualquer informações ou solicitação. Art. bem como para obreiros. l)Guardar cuidadosamente papéis e en velopes timbrados. bom relacionamento com a membresia. TíTULO II Do Corpo Diaconal CAPíTULO I Da Apresentação Art. Atender. ou. Atender as solicitações do Gabinete Pastoral. 64 . missionários. Art. Digitar a agenda da Assembléia e manter arquivado o extrato de todos os assuntos discutidos e aprovados. Art. bem como livros da Biblioteca da igreja a serem emprestados. compromisso com a missão. preferencialmente.O diaconato da Igreja será vitalício. na ausência das mesmas. 2.Todos os funcionários devem possuir as seguintes características: conduta pessoal idônea. m)Manter em dia o arquivo dos boletins. digitação e materiais para reuniões. dedicação às tarefas que lhe são confiadas. Marcar as audiências pastorais. 3:8-13. 67 . a Igreja escolherá um relator da Comissão de Beneficência. Cuidar da locação de vídeos. Os Relatores das Comissões de Patrimônio e Construção serão. Terá também um secretário que registrará em Livro Próprio as Atas das reuniões realizadas. podendo. Enviar os boletins da igreja via e-mail para igrejas que o solicitem. 5. enquanto o diácono apresen tar em sua vida aquelas qu alidades e virtudes cristãs enumeradas em Atos 6:3 e I Tim. os nomes dos novos membros no quadro de dizimistas.

temperantes Devem ser monógamos. na: Adoração. tais como: manutenção e reparo do Templo. Missões. e)Ajudar o Pastor nas visitações. lutas. sendo 1/3 (um terço) renovado bienalmente. provações. Devem ser. g)Encaminhar. 69 . Devem ser honestos em seus negócios. eleitos pela Igreja para um mandato de 6 (seis) anos. Oração e Cooperativismo. testados. devem sempre estar à disposição da Igreja para atuarem onde h ouver necessidade. primeiro. Não devem ser avarentos. j)Nos Cultos. Mordomia Financeira. Devem ser moderados. f)Ajudar o Pastor no aconselhamento e atendimento às famílias da igreja. 68 ± São atribuições do Corpo Diaconal: a) A responsabilidade na distribuição dos elementos da "Ceia do Senhor". Devem ser homens de uma palavra só. Devem ser cheios do Espírito Santo. ocasionalmente . ausências dos Cultos. Art. 3:8-13: y o o o o o o o o o o o Devem possuir boa reputação e serem irrepreensíveis. trabalhos especiais e ausências do pastor. TíTULO III Do Conselho de Missões CAPíTULO I Da Apresentação Art. luto. cobiçosos. estudando as condições financeiras da Igreja. o processo da sucessão pastoral. Evangelização. Devem governar bem seus filhos e sua própria casa. quer em suas casas ou nos hospitais. podendo o pastor.Art. encaminhando o assunto juntamente com os Tesoureiros e o Conselho Fiscal à Assemblé ia da Igreja (Heb. instalações e equipamentos.O Conselho de Missões será composto por 9 (nove membros) efetivos e mais 3 (três) suplentes. escolher outros membros para também atuarem neste trabalho. 70 . b)Tratar do sustento pastoral. os problemas materiais da Igreja. . i)Zelar para que a Igreja atinja seus alvos e objetivos neotestamentários. compra de móveis e equipamentos que não estejam previstos no orçamento da Igreja. problemas. gananciosos Devem ser abstinentes quanto à bebida alcoólica . Doutrina.O que a Igreja exigirá dos seus Diáconos conforme Atos 6:3 e I Tim . h)Encaminhar para solução. especialmente nos momentos de dificuldades: doenças. juntamente com as demais Lideranças da Igreja. Beneficência. as necessidades do pastor para manter -se condignamente e. quando da saída de um obreiro. 13: 17) c)Atender e coordenar o trabalho de Bene ficência da Igreja d)Ajudar os tesoureiros no levantamento dos dízimos e ofertas. especialmente aos novos decididos e doentes. dependê ncias. Devem ser cheios de sabedoria.

se responsabilizar pelo acompanhamento contínuo do vocacionado até o término do curso. na medida do possível. espiritual e financeira. pela liderança .A Diretoria e as Comissões serão eleitas na primeira reunião após as eleições bienais e terão mandatos de 2 (dois) anos.As atribuições do Conselho de Missões são: a) Administrar toda a obra missionária da Igreja. apoio e mentoria aos vocacionados Art.A igreja elegerá para o Conselho de Missõ es pessoas comprovadamente apaixonadas pela obra missionária . c) Decidir quanto à política de apoio financeiro aos vocacionados ao ministério . De Acompa nhamento de Obreiros. De Oração. b) Entrevistar e dar recomendação. também da igreja. Juntas e Agências Missionárias. Missionários e Vocacionados Art. em conformidade com seus dons e chamado. sendo supervisionado pelo pastor local e. 71 . auxiliada pelas Comissões Internas : De Finanças e Planejamento. A recomendação é válida por um ano .É responsabilidade da igreja reconhecer o chamado. f) Planejar e executar. que será estudado caso a caso. encaminhando para a homologação. quando o Conselho renovará ou não. apresentando re latórios Financeiros mensais e relatórios trimestrais de todas as suas decisões e atividades no Corpo de Líderes e Assembléias da Igreja. Quais sejam: a)O vocacionado deverá procurar uma igreja filiada à Convenção Batista Brasileira onde desenvolverá seu ministério. informando sua Igreja o mais rápido p ossível. ministerial e acadêmica dos vocacionados e obreiros no campo e)Homologar os convites feitos pelo pastor titular. incluindo sua vida acadêmica. SEÇÃO I Das Atribuições Art. com base na avaliação da vida cristã e desempenho acadêmico do candidato. e os convênios com obreiros. aos vocacionados às instituiçõ es teológicas. anualmente. 74 . aos obreiros para suas congregações . 75 . Art. d) Acompanhar a vida espiritual. encaminhar para o devido preparo. nomear um dos seus membros ou o seu Presidente para visitar os obreiros no seu Campo de trabalho. em sua ausência.Para a recomendação de seus membros vocacionados às instituições de ensino teológico. e 1 (um) ano de vinculação para os memb ros transferidos de outras Igrejas SEÇÃO II Do acompanhamento.O Conselho de Missões será administrado por uma Diretoria composta por: um Presidente e um Vice-Presidente. 73 . cujo propósito é fortalecer e aumentar a sua visão miss ionária g) Anualmente. a Conferência Missionária da Igreja. será exigido pela menos 2 (dois) anos de batizado. Cabe ao vocacionado atender às normas reguladoras p ara concessão e manutenção da bolsa de estudos. um 1 º e 2º Secretários.Art. com posterior homologação das Assembléias da Igreja. e. 76 . Informação e Comunicação Missionária. 72 . Art. um 1 º e um 2º tesoureiros.

Cada membro das Comissões terá sua função definida neste Regimento Interno. apresentando. experiência ou habilidade para executar as tarefas e responsabilidades inerentes à sua Comissão . 81 .As Comissões terão por finalidade elaborar seu Programa Anual de Trabalho. OBS. SEÇÃO I Dos Relatores Art. Esta igreja deverá enviar um relatório trimestral de suas atividades. o vocacionado se compromete a dar três meses à sua Igreja. trimestralmente.responsável. TíTULO IV Da Composição das Comissões CAPíTULO I Das Comissões Art. O não envio de um relatório implicará na suspensão da bolsa de estudos .São atribuições dos Relatores das Comissões: a)Convocar e presidir todas as reuniões da sua Comissão. com uma visão ampla da responsabilidade da Igreja diante do mundo e que tenham facilidade comprovada . submetendo-o à aprovação da Igreja em sua Assembléia de Planejamento Anual.· um Secretário e um Assessor. no que concerne às suas atribuições. nomear o Secretário e o Assessor. cabendo a este. sendo possível. dar uma férias anual à sua Igreja que compreende. O Relator ser á nomeado em comum acordo pelos membros da Comissão. Essa exigência se aplica mes mo aos casados. um mês de finais de semana ou de suas folgas semanais. Art. Art. formação técnica. sendo um dos membros renovado a cada biênio eclesiástico Parágrafo Único . conciliar suas férias do trabalho secular com as férias escolares. 78 . A Igreja poderá estudar casos excepcionais.As Comissões serão compostas por um Relator. conforme delineado neste Regimento Intern o. . 80 . atribuições e funções inerentes a elas. dons. independente das férias seculares de ambos não coincidirem.Todas as Comissões reunir-se-ão conforme suas necessidades. b)O vocacionado se compromete a. não podendo invocar compromissos com a igreja onde desenvolve seu estágio. d)Após o término do curso. relatórios de suas atividades nas Reuniões do Corpo de Líderes da Igreja. se estiver trabalhando.Todas as Comissões deverão ser compostas por membros em plena comunhão com a Igreja. preparando suas respectivas pautas. Art. sendo os mesmos remunerados. onde é membro. 77 . c)O vocacionado deverá ser dizimista fiel e enviar mensalmente seu dízimo à sua Igreja. coordenar e supervisionar todas as atividades. preenchendo o formulário conforme modelo a ser fornecido pela Igreja onde é membro. em harmonia com os demais. dizimistas. 79 . visando uma perfeita realização do seu trabalho e um acompanhamento das atividades gerais da Igreja . todos com mandato de 6 (seis) anos.: Será dada tolerância de um trimestre no início do curso para oração e definição da igreja.

ser aprovado pela Assembléia da Igreja em seu Planejamento Anual. em harmonia com os tesoureiros. 84 . SEÇÃO II Dos Secretários Art. elaboração de orçamentos. e)Substituir o Relator da sua Comissão em sua ausência ou impedimento . submetendo -o à aprovação da Liderança para . bem como junto aos seus demais Órgãos. Departamentos e Comissões. Art.São atribuições dos Secretários das Comissões: a)Secretariar e registrar em Atas todas as decisões d a sua Comissão. 86 . e)Elaborar e apresentar os relatór ios trimestrais nas reuniões da Liderança da Igreja. juntamente com os demais membros. se necessário.b)Elaborar.Os membros do Conselho deverão ter facilidade para trabalhar com números e numerários. zelando para que a Igreja alcance seus propósitos quanto à mordomia financeira dela e dos seus membros. c)Representar a sua Comissão junto às Assembléias Regulares da Igreja. à sua Liderança. semestral. b)Controlar a utilização dos recursos materiais e financeiros necessários à sua Comissão. 83 . posteriormente. no que concerne à sua Comissão. conforme este Regimento Interno. bem como sua Comissão em relação à Igreja. CAPíTULO II Das Atribuições das Comissões SEÇÃO I Do Conselho Fiscal Art. d)Prestar assessoria e informações permanentes em todos os assuntos pertinentes à sua Comissão aos demais membros.São atribuições dos Assessores das Comissões: a)Auxiliar o Relator e o Secretário em suas atividades b)Substituir o Secretário em sua ausência ou impedimento. d)Dar informações e prestar assessoria às organizações da Igreja em seus programas e atividades. SEÇÃO III Dos Assessores Art. apresentando trimestralmente relatórios de suas atividades. 85 ± O Conselho tem por finalidade planejar e supervisionar toda a vida financeira da Igreja. e coordenar sua execução. f)Zelar para que os membros da sua Comissão cumpram suas funções. Art. 82 . c) Elaborar os relatórios a serem apresentados nas reuniões ordinárias da sua Comissão. etc. planejamento finance iro e econômico. . o Programa Anual das Atividades da sua Comissão.Compete ao Conselho Fiscal: a)Elaborar uma proposta orçamentária anual ou.

onerações. Art. e)Dar Parecer à Igreja. sobre assuntos financeiros. i)Dar Parecer nas questões que envolvem o Patrimônio da Igreja. b)Realização de atividades estritamente dentro das finalidades estatutárias da Igreja. sobre os relatórios financeiros apresentados pelos tesoureiros. desde que não fira os termos do Estatuto e deste Regimento. e nas manutenções necessárias ao perfeito funcionamento da Igreja. d)Manter atualizado o estudo referente ao potencial financeiro da Igreja. b) O layout do templo não poderá ser alterado e nem o piano removido do seu lugar. bem como zelar para que o mesmo cumpra suas atribuições conforme este Regimento SEÇÃO II Da Comissão de Patrimônio SUBSEÇÃO I Da Apresentação Art. h)Apresentar Parecer à Assembléia nas aquisições. justificando sua decisão posteriormente perante a Igreja. Art. c)Para atender a órgãos públicos em programas sem fins lucrativos. bem como. e que não fira princípios cristãos da ética. para aprovação. 87 ± É atribuição do Presidente do Conselho Fiscal representá -lo perante o Corpo de Líderes e a Igreja. Art. g)Zelar para que todas as obrigações legais. f)Assessorar os tesoureiros na elaboração dos relatórios e peças orçamentárias. k)Coordenar programas de sensibilização dos membros para sua participação na vida financeira da Igreja.b)Analisar periodicamente a vida financeira da Igreja corrigindo eventuais distorções. 88 . Quando se tratar de caso que exija urgência. c)Propor à Igreja alterações nas dotações orçamentárias após constatação de distorções. bens móveis e imóveis que serão registrados em seu nome e só poderão ser utilizados na consecução dos fins estabelecidos pelo seu Estatuto . o Pastor Presidente ou a Comissão poderá dar autorização.A Igreja poderá permitir a utilização do seu patrimônio por outras entidades. imóveis e equipamentos. mensalmente.O patrimônio da Igreja será constituído de doações. alienações e vendas de bens móveis. 89 . j)Assessorar as demais Comissões nas questões orçamentárias. da moral e dos bons costumes. observando sempre a necessidade de 3 orçamentos. . 90 ± A utilização do templo para casamentos obedecerá aos seguintes critérios: a)A solicitação do evento só se rá estudada pelo Pastor Titular e/ou Liderança da Igreja se for encaminhad a através do preenchimento do formulário especificamente elaborado para es te fim. obedecidas as seguintes condições: a)Autorização prévia em Assembléia ou ouvida a Diretoria . fiscais e previdenciárias sejam atendidas. legados. orientando e dando o devido respaldo na elaboração e apresentação dos seus respectivos relatórios.

em caso de urgência.c)A colocação e retirada da ornamentação deverão serem feitas fora dos horários de culto da igreja. o(a) Ministro(a) de Adoração e/ou substitutos imediatos. Art. de todo o Patrimônio da Igreja . o emprego. i)Não será permitido em nenhuma atividade especial. bem como o uso do tabagismo. 92 . . a Igreja. f)Qualquer dano ao patrimônio da Igreja. e. a serem definidas periodicamente. seu substituto imediato. estadual e federal. j)Em nenhuma hipótese será permitida a introdução de bebidas alcoóli cas nas dependências do templo. éticos e religiosos de nossas práticas cristãs. b)Conscientizar os responsáveis pelos diversos departamento s quanto à utilização dos bens sob sua responsabilidade. nas dependências do Templo. que ap resentarão justificativas em Assembléia Regular. e. deverá avaliar a condição civil dos interessados. bem como uma gratificação ao sonoplasta escalado. Subseção II Da composição e Atribuições Art. exceto para as atividades oficiais da Igreja já aprovadas anteriormente . mediante Parecer da Comissão de Patrimônio. ou.Os membros da Comissão deverão ter facilidade e disponibilidade para implantar. 94 . Entende-se por Patrimônio todo bem com custo igual ou superior 50% do salário mínimo vigente. por setor. Art. e)A Igreja não cederá o salão social para festas que não sejam oficiais da Igreja. d)A programação do evento deverá ser ap resentada previamente. primeiro. que reverterá em benefício da União de Jovens da Igreja.A aquisição ou alienação de bens móveis só será realizada após autorização expressa em Assembléia Regular. g)Aos interessados não membros da Igreja. descontando. 93 . será cobrado uma taxa de manutenção e limpeza que corresponderá a 60% (sessenta por cento) do salário mínimo vigente.Compete à Comissão de Patrimônio: a)Elaborar controle e verificação. resguardando os direitos de nossos vizinhos e dando um bom testemunho cristão Art. acompanhar e verificar mecanismos de controle dos bens da Igreja. k)Toda atividade relacionada ao evento deverá estar em consonância com os princípios morais. que sua duração seja superior a 24 meses . sob qualquer pretexto. a critério do(a) Ministro(a) de Adoração. por intermédio do seu Pastor Titu lar e/ou. de músicas de características não evangélicas. 91 . visando a sua aprovação pelo Pastor Titular. em Assembléia Extraordinária conforme o Estatuto. ou.Os bens móveis pertencentes à igreja só poderão ser retirados das suas dependências após sua autorização em Assembléia. de imóveis. em nenhuma hipótese será permitida a realização de matrimônio nas dependências do Templo em situação que se contraponha à Palavra de Deus. pela própria Comissão ou Pastor Presidente. internas e externas. em sua falta. de acordo com avaliação a ser feita pela Comissão de Patrimônio. deverá s er ressarcido. l)Todo evento nas dependências do templo deverá respeitar a legislação municipal. ouvida a Comissão de Patrimônio. decorrente do evento. h)Para a realização do evento. uma diária extra para a zeladora.

96 . Subseção II Da Composição e Atribuições Art. f)Coordenar a manutenção corretiva e preventiva. Art. após ser aprovado pela Comissão. que servirão de elementos norteadores par a a Comissão de Construção na elaboração do processo de reforma. Art. seguirão rigorosamente normas e técnicas estabelecidas por órgãos legalmen te competentes. devidamente respaldadas pela Diretoria da Igreja.Nas construções. d)Submeter à apreciação do Conselho Fiscal . g)Assessorar o diaconato na supervisão da zelado ria da igreja. 99 . bem como apresentar mecanismos para o controle e aquisição de todo seu patrimônio Seção III Da Comissão de Construção Subseção I Da Apresentação Art. catalogações e manutenção dos bens em seus departamentos. 95 ± A Comissão de Patrimônio tem por finalidade a correta utilização e administração dos bens da Igreja. quanto à aquisição de equipamentos.As construções da Igreja atenderão especificamente às necessidades de sua expansão e manutenção. bens móveis e imóveis para a Igreja .A manutenção necessária às instalações da Igreja. com os recursos próprios da Igreja e potencial dos membros. 100 .Os projetos de expansão e ou manutenção . e sempre que possível. Art.As construções estarão subordinadas a dotação orçamentária mantida pelo Conselho Fiscal Art. 102 . i)Manter atualizada a listagem de todos os bens móveis. utilizando plano específico. Art. periodicamente. não permitindo soluções provisórias. bem como promover as instruções necessárias para sua correta utilização pelos membros e seus departamentos k)Elaborar cronograma de controle dos bens móveis. sendo mantidas e administradas com recursos próprios. relatórios à Igreja. Art. h)Prestar assessoria às organizações da Igreja em suas aquisições. segundo a ordem de prioridades definidas em Assembléia Regular. 101 . bem como facilidade na aquisição de materiais e na contratação dos serviços necessários.c)Conscientizar os membros da Igreja quanto a correta utilização de todo o patrimônio da mesma.Compete à Comissão: . e)Fazer inventário do patrimônio da Igreja e mantê -Io sempre atualizado.Os membros da Comissão deverão ter conhecimento na área da construção civil em geral. divulgando aos setores. que dará Parecer à Assembléia. todas as medidas terão caráter permanente. 97 . salvo em questões consideradas de urgência. j)Coordenar programas de preservação dos bens móveis e imóveis da Igreja. 98 . promovendo o controle sistematizado por setor. serão também constatadas através de relatórios ap resentados pela Comissão de Patrimôn io. apresentando.

Será atribuição da Comissão garantir o correto andamento de todas as atividades programadas. 107 . cultos especiais e atividades por ela programadas. Art.Entende-se por Cultos e Programas Especiais todas as atividades da igreja que estejam abertas aos seus membros e visitantes. 104 . 103 . e)Prestar assessoria às Congregações e às demais denominações quando em atividades conjuntas. Art. minimizando as improvisações durante seu desenvolvimento. incluindo todos os eventos definidos pela Igreja. b)Assessorar os órgãos competentes na elaboração e execução de projetos e levantamentos necessários às obras.A Comissão manterá esforços no sentido de que as atividades desenvolvidas pela igreja. .Os membros da Comissão deverão ter habilidade para programar.Compete à Comissão: a)Elaborar o seu Programa Anual de Atividades . no sentido de obter desta a sua devida autorização. reformas e ampliação das instalações da Igreja Sede e Congregações. c)Planejar e propiciar a execução das obras de edificação. b)Submeter à apreciação da Liderança da Igreja o plano de desenvolvimento das atividades programadas. Seção IV Da comissão para o Culto e Programas Especiais Subseção I Da Apresentar Art. seguindo rigorosamente os projetos aprovados pelos órgãos competentes. cujos objetivos coincidam com a busca dos seus propósitos e fins: todos os seus cultos regulares. ampliação e reformas. c)Coordenar as atividades da Igreja no sentido de harmonizar seus programas aos objetivos das demais Comissões. Subseção II Da Composição e Atribuições Art. seus órgãos e departamentos sejam caracter izadas pelos preceitos bíblicos que defende como regra de fé e prática . Art. d)Garantir a plena harmonia entre as atividades programadas e as diretrizes da Igreja. f)Coordenar e supervisionar as atividades relacionadas à ornamentação do templo. 106 . Órgãos e Departamentos.As atividades da Comissão estarão subordinadas à dotação orçamentária mantida pelo Conselho Fiscal Art. 105 .a)Garantir a perfeita execução das obras de edificação. 108 . seus órgãos e Departamentos. acompanhar e avaliar os planos de suas atividades específicas.

Congregações. Art. aprovado pela Assembléia.A Igreja poderá unir-se a outras denominações em Programas de Evangelismo. f)Sensibilizar os membros quanto à importância de manterem rotineiramente a prática de se distribuir convites pessoais a visitantes para os cultos regulares. c)Elaborar programas de treinamento dos membros para as atividades de Evangelismo definidas por ela ou pela Igreja. incluindo todas as atividades e abrangência de suas ações. até o mês de novembro para ser aprovado na sua Assembléia Geral convocada para este fim. 109 . Art. Art. que não contrariem a Palavra de Deus.g)Representar a Igreja junto às instituições que desenvolvam programas e cultos em parceria com ela. bem como de literatura própria. dela e dos seus órgãos e Departamento. suas respectivas escalas mensais. Visitação Integração.Todas as atividades da Comissão que demandarem custos estarão subordinadas à dotação orçamentária mantida pelo Conselho Fiscal. Art. após ouvida a posição da sua Liderança. Art. e)Manter instrumento de divulgação das atividades desenvolvidas pela Comissão. b)Submeter à apreciação da liderança da Igreja o plano de desenvolvimento das atividades programadas. d)Integrar os membros da Igreja. 116 . no sentido de obter desta a sua devida aprovação. Subseção II Da composição e Atribuição Art. e o Corpo Diaconal. . Art. e solicitará às Comissões de Música. 111 . a ser aprovado pela Assembléia. fundamentado nos padrões bíblicos e éticos.A Comissão deverá elaborar e apresentar o calendário Anual de Atividades da Igreja. 114 . a ser aprovado pela sua Assembléia. h)Garantir a plena harmonia entre as atividades programadas e as diretrizes da Igreja. 112 . 115 . que deverá conter todos os Cultos e Programas Especiais. conforme estabelecido por Jesus Cristo na grande Comissão. se responsabilizando pelo treinament o de todos os envolvidos na realização dos cultos.Os materiais necessário às atividades de Evangelismo deverão estar explicitados em seu Programa Anual de Atividades.Entende-se por Evangelismo toda ação da Igreja no sentido de tornar conhecido o propósito de Deus para com o homem.A Igreja terá um Programa Anual de Evangelismo. g)Coordenar e dirigir os cultos evangelísticos nos lares e ao ar livre. bem como assessorando -as. observando os preceitos legais vigentes. 113 . no sentido de sensibilizá-Ios para se atingir os objetivos definidos pelo Programa Anual de Evangelismo.A Comissão responsabilizar-se-á pela escala mensal dos dirigentes dos cultos quando solicitada pela igreja. quando essas atividades ou cultos forem em seu templo.Compete à Comissão: a)Elaborar seu Programa Anual de Evangelismo da Igreja. Discipulado. 110 . órgãos e departamentos às atividades desenvolvidas pela Comissão. Evangelismo. SEÇÃO V Da Comissão de Evangelismo Subseção I Da apresentação Art.

Visitação e Integração as atividades que visem integrar e assistir o novo convertido interessado no evangelho. Subseção II Da Composição e Atribuições Art. Art.A Igreja manterá. Visitação e integração Subseção I Da Apresentação Art. Art. apresentando planejamento e instrumentos que assegurem o envolvimento de toda a sua membresia. d)Manter material apropriado para a execução das tarefas atinentes à Comissão e o Programa da Igreja. após isso. bem como crentes membros afastados. e)Convocar e treinar os membros da Igreja para a execução do seu Program a Anual de discipulado. . promovendo a devida integração dos membros da igreja aos seus programas. visitação e integração. quando em trabalhos conjuntos. discipulado e integração da Igreja. Art.i)Prestar assessoria às congregações e aos demais órgãos e Departamento da Igreja.A Igreja manterá programa e material de integração aos assistidos. uma classe específica de Doutrinas Bíblicas Fundamentais conforme material a ser defi nido pelo seu Pastor Titular. 120 . convites.A Comissão tem por finalidade planejar e coordenar todas as atividades de Evangelismo.devidamente elaborado e/ou selecionado pela Comissão. num processo de pastorado mútuo. j)Providenciar e preparar toda literatura evangelística necessária para a execução das atividades planejadas. folhetos dobrados e carimbados. 117 . Art.Entende-se por Discipulado. f)Harmonizar as atividades programadas com as diretrizes da Igreja. e aprovado pelo seu Pastor Titular. cartazes. Art. sendo que. 124 .Os membros da Comissão deverão ter capacidade e disponibilidade para cumprirem o programa apresentado pela Comissão. faixas. habilidade no trato com pessoas e assimilação necessária à teologia dos princípios bíblicos e Batistas.Todas as atividades da Comissão que demandarem custos estarão subordinadas à dotação orçamentária mantida pelo Conselho Fiscal. Art. SEÇÃO VI Da Comissão de Discipulado. c)Manter uma escala dominical de conselheiros treina dos e preparados para a assistência e atendimento aos novos decididos nos cultos. e crentes recém-chegados ao convívio da igreja. Novos Testamentos. 121 . uma classe de discipulado atendendo aos novos convertidos na preparação para o Batismo. 118 . dominicalmente.Compete à Comissão: a)Registrar e encaminhar os novos convertidos aos programas de integração e preparação para o Batismo. enfermos. bem como à outras denominações. 122 . 123 . tais como: Bíblias. b)Elaborar o programa anual de visitação.Os membros da Comissão deverão ter disponibilidade para cumprir o cronograma referente ao Programa Anual de Evangelismo. 119 . ainda freqüentarão por u m trimestre.

corais e participações musicais nos cultos. em Assembléia. juniores e adolescentes. conjuntos. instrumentos e equipamentos.g)Prestar assessoria às congregações e demais órgãos e departamentos da Igreja no que se refere às suas atribuições. SEÇÃO VII Da Comissão de Música Subseção I Da apresentação Art. bem como d isponibilidade para cumprirem o programa anual de louvor e adoração elaborado pela mesma e aprovado pela Igreja.Entende-se por música toda a atividade musical fundamentada nos princípios bíblicos.Serão membros ex-ofício da Comissão sem direito a voto. e)Se responsabilizar pelas escalas dos responsáveis pelas atividades musicais (dirigentes e instrumentistas). 126 . uma vez aprovados. d)Zelar para que haja harmonia nas atividades de todos os componentes do Programa de Louvor e Adoração da Igreja. todos os membros que atuarem no ministério de louvor e adoração da Igreja. Parágrafo Primeiro . 128 . Art. excetua-se deste perfil a necessidade de ser membro. Parágrafo Único . 129 ± Compete à Comissão: a)Assessorar a Igreja na aquisição do material. mas observando-se todos os demais itens relacionados com testemunho e comunhão com a Igreja. Art. multimídia. Art.É responsabilidade da Igreja. 127 . que dão suporte ao ministério de adoração da Igreja . entrarão em uso por tempo indeterminado.Qualquer alteração na adoção de programas. corais ou grupos destinados a atenderem crianças. Parágrafo Segundo . após ouvida a posição do seu Pastor Titular e de sua liderança. pelo som. c)Zelar para que seja observado no perfil dos participantes do programa de louvor e adoração da Igreja o que está estabelecido neste Regimento. definir sua filosofia ministerial e práticas de louvor e adoção. desde que observado o perfil requerido aos participantes desta Comissão.A Igreja poderá unir-se a outras denominações em programas de louvor e adoração. deverá ser apresentado como proposta em Assembléia Regular. f)Zelar pela conservação e a correta utilização dos instrumentos musicais e equipamento sob responsabilidade da Comissão. atuando para equacionar e solucionar todos os conflitos. segundo a característica do programa e seus propósitos. mantendo-os em perfeitas condições de uso.Para conjuntos. . instrumentos e equipamentos necessários às suas atividades musicais.Os membros da Comissão deverão ter formação e habilidades necessárias ao exercício do cargo. b)Convocar o número de membros necessários ao desenvolvimento das atividades musicais. solistas. Subseção II Da Composição e Atribuições Art. 125 . bem como a adoção de instrumentos e equipamentos em seus cultos que.

O Boletim Informativo Dominical é o veículo oficial da Igreja. corais. 131 -Nenhuma publicação. a ser aprovado pela mesma em sua Assembléia de Planejamento Anual. semina ristas. n)Garantir a plena harmonia entre as atividades programadas e as diretrizes da Igreja. bem como em suas várias organizações. serão inseridos: O Corpo de Líderes. também. escalas das apresentações e participações especiais. seus obreiros. m)Integrar os membros da Igreja. não possam transferir suas cartas. no caso de seu impedimento. também. pelo seu substi tuto imediato. atividades e funções na Igreja. de janeiro a dezembro. atuar em funções específicas autorizadas pelo Pastor Titular e/ou Igreja.Para melhor alcançar seus objetivos. participar dos cultos e das o rganizações internas da Igreja. também. Nos casos de grupos corais e conjuntos musicais destinados a crianças e adolescentes. . sendo que quaisquer outras publicações periódicas ou avulsas só poderão circular mediante aprovação e supervisão do mesmo. q)Manter planos de aprimoramento contínuo do Cântico Congregacional. o)Prestar assessoria às congregações e aos demais órgãos e/ou departamentos da Igreja. cartazes. a igreja adota um calendário anual de atividades. publicado todo mês de dezembro. participar de seus cultos. 132 . telefones e e-mails. dos componentes do seu ministério de louvor e adoração. aqueles que forem efetivamente seus membros. TÍTULO V Das Disposições Finais Art 130 . missionários e obreiros que trabalham com a Igreja e.Só poderão participar em cultos.e terá como responsável o Pastor Titular ou pessoa p or ele designada. previamente. por circunstância alheias à sua vontade. suas congregações. Art. por meio do qual são feitos os avisos e comunicações. k)Oferecer as condições necessárias para o devido funcionamento de todas as organizações participantes do Programa das atividades musicais da Igreja. Poderão . i)Obter. 133 . contendo toda a sua prog ramação. os quais poderão. J)Elaborar programas de treinamento e capacitação para os membros da Igreja e. ou cujas cartas de transferência já foram solicitadas em Assembléia. coordenando horários de ensaios. missionários e o rol de membros com seus nomes. seminaristas. impressos. conjuntos e participações especiais. l)Zelar pelas atividades musicais e de louvor e adoração em todas as programações da Igreja. também. h)Elaborar o Programa Anual das atividades musicais da Igreja. a devida autorização do Pastor Titular do conteúdo das atividades programadas. avisos ou material de propaganda poderão ser distribuídos na Ig reja sem a permissão expressa do Pastor Titular ou. promovendo a devida integração dos membros da igreja aos seus programas. pode rão participar os não membros até 12 anos. onde. bem como em todos departamentos e/ou organizações. regularmente. que poderão. órgãos e/ou departamentos às atividades desenvolvidas pela Comissão. Art.g)Coordenar todas as atividades musicais. p)Zelar pela qualidade das atividad es musicais que serão apresentadas. em especial. Art.

Art. e poderá se r modificado sempre que a Igreja julgar necessário.Normas e regulamentos complementares poderão ser votados pela igreja. Art.0s departamentos e organizações prestarão relatórios de suas atividades à igreja por intermédio do seu Corpo de Lideres.Art. 136 . deverão re ceber autorização especial do Pastor Titular e/ou Corpo de Lideres da Ig reja. 137 . ficando os mesmos como anexos a esse Regimento Interno . 139 . 135 .Esse Regimento Interno entrará em vigor na data de sua aprovação. Art.Os casos omissos serão apreciados pelo Corpo de Lideres da Igreja e aprovados pela sua Assembléia .A Igreja adota como seu ano fiscal o período de janeiro a dezembro.As organizações internas. coros. missões e demais órgãos e/ou departamentos. 134 . nunca contrariando o espírito e a letra do seu Estatuto . registro em cartório. Art. 138 . Art. conjuntos. para parti ciparem de programações externas não previstas no calendário de atividades da Igreja. para o bom desempenho do seu ministério.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful