Você está na página 1de 37

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS – UFAM

FACULDADE DE TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE DESIGN E ARTE GRÁFICA

MODA ECOLÓGICA

RAYSSA MENDONÇA DE OLIVEIRA


TAYANA ALBUQUERQUE

Manaus
2009
RAYSSA MENDONÇA DE OLIVEIRA
TAYANA ALBUQUERQUE

MODA ECOLÓGICA

Trabalho apresentado á
disciplina de Metodologia do Trabalho
científico, para aquisição de
conhecimento e nota parcial, referente
ao 1º período de 2009. Turma: 01.

Professora: Sheila Cordeiro

Manaus
2009
SUMÁRIO

LISTAS...............................................................................................................v
RESUMO............................................................................................................vi
ABSTRACT........................................................................................................vii

INTRODUÇÃO...................................................................................................8

1.OBJETIVOS........................................................................................
1.1 Geral...............................................................................................
1.2 Específicos......................................................................................

2. JUSTIFICATIVA................................................................................

3. REFERENCIAL TEÓRICO...............................................................

4. TECNOLOGIAS EXISTENTES.......................................................
4.1. Uso de Materiais Inusitados
4.2 Tecnologias antipoluidoras

5. ANÁLISE DOS MATERIAIS.................................................


5.1.Materiais Naturais
5.1.1 Algodão Orgânico
5.1.2 Couro Vegetal
5.1.3 Fibras de Lyocell
5.1.4 Juta

5.2. Materiais recicláveis e reaproveitáveis


5.2.1 Plástico
6. ACESSIBILIDADE E INOVAÇÕES...................................................................

CONSIDERAÇÕES FINAIS...................................................................

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.....................................................
LISTA DE FIGURAS

Figura 1: Botas Dacca Feitas da Fundição de Sacolas Plásticas


Figura 2: Roupas de Papel Tyvek Reciclável.
Figura 3: Fibras de Poliamida recicladas na alta costura.
Figura 4: Extração do Látex
Figura 5: Lâminas de Couro Vegetal
Figura 6: Colar de Látex Natural
Figura 7: Tapetes feitos de Juta
Figura 8: Mercados para o Foco de PET reciclado
LISTA DE TABELAS

Tabela 1: Diferenças entre cultivo de algodão


Tabela 2: Tempo de decomposição de Materiais recicláveis
RESUMO

Produzir uma moda feita a partir de produtos reutilizados e/ou reciclados. Através
de uma profunda pesquisa, procura-se saber qual é o melhor destino para materiais
como garrafa PET, couro vegetal, plástico entre outros que irão servir para fazer
artefatos de moda, prevenir a poluição e gerar uma forma alternativa de renda. A
preocupação com tecnologias sustentáveis também é abordada nesse trabalho. Além das
tecnologias há também a possibilidade de geração de renda, pois a confecção de roupas
e acessórios recicláveis é um assunto que retrata bem a preocupação com o meio
ambiente. As sacolas plásticas que são feitas a partir do petróleo estão servindo para
produção de botas impermeáveis revestidas com algodão. O tecido de juta é o mais
utilizado depois do algodão, pois é forte e resistente. O couro vegetal é feito a partir do
látex e pode contribuir de certo modo para reflorestamento. Ou seja, utilizar materiais
reciclados pode ajudar a preservar do meio ambiente e principalmente criar uma moda
politicamente correta.
ABSTRACT

Produce a fashion made from products reused and / or recycled. Through a deep
search, we know what is the best destination for materials such as PET bottle, vegetable
leather, plastics and others that will serve to fashion artifacts, preventing pollution and
creating an alternative form of income. The concern with sustainable technologies is
also addressed in this work. Beyond the technology there is also the possibility of
income generation, since the manufacture of recycled clothing and accessories is a
matter that reflects well the concern with the environment. The plastic bags that are
made from oil are used for production of cotton coated with waterproof boots. The
fabric of jute is the most used after the cotton because it is strong and sturdy. The
vegetal leather is made from latex and can contribute in some way for reforestation. In
other words, using recycled materials can help preserve the environment and mainly
create a politically correct fashion.
INTRODUÇÃO

A moda feita com produtos recicláveis é o foco principal desse trabalho que
apresenta quais são as tecnologias sustentáveis utilizadas nos dias atuais, quais os
melhores materiais com suas vantagens e desvantagens.
1 OBJETIVOS

1.1 GERAL

Estudo de materiais ecologicamente corretos e reaproveitáveis no Brasil, para


desenvolvimento avançado da confecção de moda ecológica.

1.2 ESPECÍFICOS

 Manifestação e expansão de consciência ambiental.


 Tornar a moda ecológica um recurso acessível aos diversos tipos de usuários.
 Evitar o descarte de recursos reaproveitáveis.
 Gerar novas alternativas de obtenção de renda.
2.JUSTIFICATIVA

O tema “Moda Ecológica” foi escolhido, pois é uma maneira de demonstrar


interesse com o mundo que esta em alerta por causa do esgotamento de vários recursos
naturais e da poluição causada pelo próprio homem. Sendo assim reutilizar os materiais
já produzidos de alguma maneira é uma forma de ajuda ao planeta. A produção de
roupas, bolsas, acessórios e sapatos a partir de materiais recicláveis é apenas uma parte
do que pode ser feito com esses materiais.
3.REFERENCIAL TEÓRICO

Produzir Artefatos de Moda utilizando materiais naturais, sem prejudicar o meio


ambiente para sua confecção, ou pelo menos planejar sua produção é uma tarefa árdua,
que requer profundo conhecimento dos materiais a serem utilizados, a fim de concluir o
modo como serão utilizados, em que se transformarão e como reutilizar estes materiais
com a intenção de substituírem outros materiais não biodegradáveis nem reutilizáveis.

Os materiais mais conhecidos por serem reutilizados para a produção desses


artefatos são o papel, plástico, as garrafas PET, tecidos naturais, lacres de latinha,
corantes naturais entre outros, porém é importante buscar outros materiais recicláveis,
ecologicamente corretos e estudar as possibilidades de seu uso.

O uso de garrafas PET na reciclagem já se tornou um clichê e de fato, este é o


material reciclável mais precioso depois do alumínio. O fio de poliéster, obtido a partir
do PET reciclado, é uma tendência mundial. A Indústria têxtil, que já tem no poliéster
convencional uma participação expressiva, terá em breve essa fibra, obtida pela
reciclagem do PET, presente em quase todos os seus produtos.

“Vale a pena usar tecidos de poliéster obtido de embalagens recicladas, pois além
de seu custo ser viável para reciclagem,é uma fibra de qualidade. Com isso milhares de
garrafas deixarão de boiar nos rios, represas e no mar.”(ECOBUDI 2009).

O plástico em si, demora muito tempo para se decompor no meio ambiente, por
isso é um dos materiais que mais chama atenção para reciclagem. Infelizmente é pouca
a porcentagem desse material que é reciclado, isso se deve ao fato de existirem vários
tipos de plástico e de que apenas alguns deles são recicláveis.
Os plásticos recicláveis são: potes de todos os tipos, sacos de supermercados,
embalagens para alimentos, vasilhas, recipientes e artigos domésticos, tubulações e
garrafas de PET, que convertida em grânulos é usada para a fabricação de cordas, fios
de costura, cerdas de vassouras e escovas.

Como disse Gandhi uma vez: “Não existe beleza na roupa mais fina se gera morte
e tristeza” talvez o contexto usado nessa afirmativa não seja exatamente o mesmo que o
tratado no trabalho, porém no aspecto geral da frase não é necessário matar a natureza
para se ter algo delicado, sofisticado e bonito, é exatamente este o sentido do reuso, da
reciclagem, da moda ecológica.

“O primeiro passo para uma mudança de atitude é estar consciente do que se está
vestindo, é tentar rastrear a origem das roupas que você compra: qual é o processo e
quem são as pessoas por trás do produto” (ZANESCO 2009).

Ana Cândida Zanesco é uma jornalista que se dedicou ao estudo e divulgação de


idéias para se vestir de maneira consciente, o processo produtivo da maior parte das
roupas usadas pelo mercado consumidor atual leva uma história de poluição, agressão
ao meio ambiente e morte. É claro que é absolutamente inviável pesquisar a origem das
roupas usadas pelo consumidor na hora da compra, é por isso que hoje em dia, várias
empresas estão se dedicando a produção de roupas, não necessariamente feitas material
reciclável, mas também de materiais não prejudiciais ou pouco prejudiciais a natureza,
como por exemplo, a substituição do algodão comum pelo algodão orgânico.

As lavouras de algodão fazem uso exagerado de agrotóxicos nas plantações,


provocando intoxicação e morte, por isso o Algodão Orgânico é tão almejado, pois não
faz uso de agrotóxicos, adubos químicos ou outros insumos prejudiciais à saúde e ao
meio ambiente.

Exemplos de modas diferentes ecologicamente corretas que foram aceitas sem


problemas são vários. A febre de ECO BAGS vem se alastrando aos poucos, a moda
que era a princípio para ser usada no lugar das sacolas plásticas se tornou bolsa de dia a
dia para todas as mulheres e vem sendo utilizada freqüentemente principalmente pelo
público jovem.

Além da bem intencionada iniciativa, o material do ECO BAG é de algodão


rústico e acabamento natural, à base de amido de mandioca, totalmente biodegradável.

“O respeito pelo meio ambiente, a utilização de fibras e tintas naturais e a


reciclagem de roupas e objetos usados são a base da moda ecológica, que pouco a pouco
ganha terreno entre os consumidores e estilistas” (COLOMBO 2007).

Algo que chama bastante atenção nas roupas ecológicas, é que normalmente, elas
são mais caras, talvez o tratamento dos materiais utilizados, para propiciar a produção
de uma roupa perfeita, sem erros, bonita e confortável, seja mais caro que a produção de
roupas com os seus materiais usuais, ou talvez, simplesmente por ser algo novo. O fato
é que se torna inviável para a massa brasileira que constitui a maior parte da população,
ou seja, acaba se tornando uma ecologia de elite.

“O artesanato feito de material reciclado deve ser executado com muito carinho e
capricho, para que realmente tenha um valor comercial e que não seja visto como lixo”
(MATTEELLI 2009).

A afirmação acima traz, de uma maneira delicada a visão das pessoas perante o
reuso de materiais e o distanciamento que algumas delas têm em relação a peças
fabricadas desta forma, pelo simples fato de já estarem usualmente acostumadas a peças
produzidas com materiais teoricamente mais resistentes e mais chamativos, ou melhor,
mais comuns. Esta mudança de estilo e essa fuga daquilo que é comum, produz certa
repulsão no público e é por isso que é necessário fazer o trabalho com apreço, cuidado e
principalmente criatividade.

Apesar de ter aproximadamente seis bilhões de habitantes no mundo, o homem


do terceiro milênio talvez não esteja preparado pra arcar com as conseqüências do lixo
que esta sendo acumulado a cada dia que se passa.
Algumas instituições e entidades ambientais vêm alertando para grande
quantidade de lixo que está sendo jogada no meio ambiente. Os números são
assustadores, nos EUA uma pessoa produz quase dois quilos de lixo diariamente, a
população, num geral, no final de um ano produz aproximadamente 190 trilhões de
quilos, no Brasil uma pessoa produz, em média, um quilo por dia e 55 trilhões de toda a
população no final de um ano.

Segundo Heliana Kátia Campos, secretária – executiva do Fórum Nacional Lixo


e Cidadania, da UNICEF, no Brasil o lixo pode ser muito bem aproveitado, porém, o
descarte inapropriado dele vem poluindo as águas e fazendo com que pessoas
miseráveis e desempregadas fiquem a mercê dessa situação inóspita para sobrevivência
humana, vivendo da sobra e desperdício dos mais afortunados.

Com a ajuda dos catadores informais ou garimpeiros de lixo a reciclagem no


Brasil esta crescendo. Um dos principais objetivos da reciclagem é reduzir o volume de
lixo em especial dos resíduos de difícil degradação, outros benefícios são a economia
dos recursos naturais, diminuição da poluição das águas, do ar e do solo além de evitar
o desperdício, ou seja, contribui para preservação do meio ambiente.

A reutilização de produtos tem como principal objetivo transformar produtos já


utilizados para o reuso na indústria e na agricultura. A coleta seletiva de lixo e a usina
de reciclagem são dois modelos utilizados no país. E apesar de ter modelos eficientes o
País tem um baixo índice de reciclagem, apenas 2% do lixo é coletado de forma
seletiva.

Reciclar reduz o uso de matérias e de energia. Dos aproximadamente 228 mil


toneladas de lixo produzidas diariamente no Brasil somente quatro mil são analisadas
para uma futura utilização e isso significa apenas 1,9% do total.
A preservação ambiental é o principal motivo da reciclagem. No mundo, num
geral, o alumínio e o papel são os mais reaproveitados, porém, o vidro e o plástico estão
logo atrás. Os resíduos alimentícios também podem ser utilizados.

O incentivo vem das escolas e chega até os grandes condôminos mais ainda falta
apoio maior do governo, pois com a reciclagem poder-se-ia resolver, em partes, a falta
de emprego e o problema de descarte inapropriado de lixo das cidades que estão a
crescer cada dia mais. Se isso acontecer o tão sonhado Desenvolvimento Sustentável
será conquistado.

O lixo orgânico pode ser utilizado na produção de adubo orgânico para


agricultura, o vidro é mais difícil de ser trabalhado. Já o papel, o plástico, o metal e até
as sementes podem ser utilizadas na confecção de roupas e acessórios, tais como bolsas,
brincos, colares e pulseiras.

“... depois de receberam cursos de formação voltados para o reaproveitamento


de papel, papelão e jornal, elas criaram o Mulher, Arte & Papel, que comercializa
produtos feitos a partir da reciclagem de resíduos. Bonecas, vasos, flores, artefatos
natalinos, cestas e bacias estão na lista dos produtos que mais têm tido saída... ” (site da
Prefeitura de Fortaleza)
4.TECNOLOGIAS EXISTENTES

Este capítulo tem a intenção de apresentar uma visão superficial sobre o estudo
das tecnologias existentes na fabricação de roupas sustentáveis, bem como técnicas e
métodos utilizados para evitar a poluição na fabricação de materiais aplicados na
confecção das roupas e acessórios ou até mesmo na fabricação das próprias roupas. O
capítulo apresenta também, as empresas que trabalham com o logo do ecologicamente
correto, as inovações mostradas por essas empresas nesse ramo, o trabalho dos artistas e
artesão ascendentes que propões projetos inovadores e formas ostentativas.

4.1. Uso de Materiais Inusitados

O uso e transformações de materiais inusitados, para produção de roupas e


acessórios, é algo inovador que vem assumir um papel impactante nas campanhas a
favor do meio ambiente, da reutilização de materiais, da reciclagem e da consciência
ambiental.

A confecção de calçados, mas especificamente, botas utilizando sacolas plásticas


recicladas é um bom exemplo de trabalho realizado neste padrão. A chilena Camila
Labra, universitária, estudante de Desenho Industrial, trabalhou no desenvolvimento
destas botas, as chamadas Botas Dacca, para uma disciplina da faculdade.

As botas são impermeáveis, e para formar o material final, foi utilizado o processo
de fundição das sacolas, e o novo material mantém as funções do polipropileno tais
como impermeabilidade e flexibilidade. Os calçados são revestidos interiormente com
tecido de algodão para o conforto.
Figura 1: Botas Dacca Feitas da Fundição de Sacolas Plásticas

Várias marcas no mundo todo tratam do desenvolvimento de produtos


reutilizáveis e reaproveitáveis, para a construção de moda ecológica. Apesar de a
maioria destas empresas serem internacionais, no Brasil, a famosa “moda consciente”
ganha também muito destaque, porém infelizmente a maior parte das peças produzidas
por estas empresas e companhias se restringe as classes altas, devido ao seu alto custo.

A moda ecológica vem atingindo vários patamares, e várias empresas hoje em


dia se dizem ser ecologicamente corretas muitas vezes apenas para ganhar
reconhecimento, porém o2-Global, rede internacional criada para informar as pessoas
interessadas na concepção sustentável, definiu 5 Rs que caracterizam o eco-design de
produtos. O produto deve, portanto, Reciclar, Reusar, Reduzir, Recuperar e Respeitar
para merecer a etiqueta ECO.

A marca House- Wear de Nova York por exemplo é toda voltada para ecologia,
foi fundada pela artista Laura Sansone que lança agora um linha inteira de roupas feitas
com Tyvek, um tipo de papel muito resistente, usado em envelopes na maioria das
vezes, esse papel não é material reaproveitado, no entanto pode facilmente ser reciclado.
Houve ainda um barateamento de produção das vestimentas feitas com este material
pela House-Wear, as peças possuem designers divertidos e originais. Além de serem
roupas confortáveis elas podem ser lavadas na máquina.
Figura 2: Roupas de Papel Tyvek Reciclável.
Na Bahia a Estilista Márcia Ganem, toma conta de um trabalho em que usa de
fibras de Poliamida recicladas para criação de roupas de alta costura, entrando então no
processo produtivo, materiais descartados pela indústria automobilística

Ela propõe a inclusão do artesanato nas produções de alta costura, tecendo as


fibras de poliamida com técnicas de filé, bilro e aplicações de pedrarias.

Figura 3: Fibras de Poliamida recicladas na alta costura.

4.2 Tecnologias antipoluidoras

Muitos dos materiais utilizados no fabrico das peças de roupa são descartados no
meio ambiente poluindo-o, fora o uso de produtos químicos que são muitas vezes
despejados na natureza e além de causarem degradação ambiental, conseguem chegar
até os usuários contaminando-os de certa forma. Como por exemplo, resíduos de
corantes químicos aplicados, pelas indústrias têxteis, nas calças jeans, em tecidos e em
fibras, que acabam tendo como origem os rios e lagos.

Um estudo da Universidade Estadual Paulista (UNESP) em Araraquara (SP)


apresenta um novo método foto eletroquímico para a degradação desses corantes. O
projeto não só tem o objetivo de preservar os ecossistemas aquáticos, como também,
consiste em minimizar os danos à saúde causados pelas águas contaminadas por estes
resíduos.

Este método é revolucionário e instigante pelo fato de ser capaz de destruir os


corantes em efluentes antes de serem levados a natureza, evitando assim, que cheguem
aos reservatórios e as estações de tratamento de água. Ele pode até mesmo identificar
essa substância na água já tratada e própria para consumo.

Segundo a professora da UNESP, a maior preocupação sobre os corantes


químicos é que, ao serem despejados na natureza, podem promover alterações no DNA
dos indivíduos causando diferentes tipos de câncer.
5. ANÁLISE DOS MATERIAIS

5.1 Materiais Naturais

A descoberta de novos materiais vem facilitando a substituição de materiais


antigos na produção de roupas e acessórios, materiais estes que contribuíam bem mais
para a degradação da natureza. Estes novos materiais retirados diretamente da natureza,
normalmente são renováveis e não causam tantos impactos e desgastes ao meio
ambiente.

5.1.1 Algodão Orgânico

A fibra ecológica mais fácil de ser encontrada no Brasil é a fibra de algodão


agroecológico ou orgânico. O Esplar, Centro de Pesquisa e Assessoria, fornece dados
que indicam que a produção do algodão agroecológico e do algodão orgânico,
encontram-se em mais abundância nos estados do Nordeste e Sul, especificamente em
cinco estados brasileiros: Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Paraná.

As vantagens que este produto possui sobre as demais fibras têxteis utilizadas são
simplesmente ecológicas e diferenciadas, pois além de sua produção estimular a
sustentabilidade e exigir um manejo diferente do sistema de produção convencional, não
é mais relevante no processo o uso de agrotóxicos e produtos químicos danosos,
dependendo apenas de insumos naturais, contribuindo assim para a saúde do solo e das
pessoas.
A grande diferença entre o algodão agroecológico e o algodão orgânico, é que um
não é certificado e o outro é. Porém o sistema de cultivo de um segue os mesmos
padrões do sistema de cultivo alheio, com agricultura familiar. Entretanto o sistema não
tem certificação de um órgão inspetor externo.

No Brasil, são poucas as empresas que trabalham o sistema de cultivo do algodão


agroecólogico (não certificado):
- Esplar - Pesquisa e Assessoria
- ADEC - Assoc. do Desenv. Educacional e Cultural de Tauá
- Justa Trama - Fibra ecológica
A tabela 1 demonstra as diferenças de cultivo entre o algodão convencional e o
orgânico:

Tabela 1: Diferenças entre cultivo de algodão.


Na moda ecológica o algodão orgânico ganha bastante espaço por ser um tipo de
material que torna as roupas confortáveis, além de não causar impactos ao meio
ambiente ao ser produzido.

O Espaço Greenpeace é uma marca, dirigida por Ana Maria Fuentes e faz uso
basicamente de algodão, cru ou tingido com corantes vegetais, o algodão usado por esta
marca, segundo a própria diretora não passa pelo processo de branqueamento, que causa
danos ambientais, não fazendo assim uso de cloro.

No Brasil poucos são os agricultores que se dedicam a produção de algodão


orgânico, segundo relatório, ao todo, são 361 agricultores familiares cuja área cultivada
atingiu 353 hectares, com uma área média de 0,97 hectares. O nordeste detém o maior
contingente de agricultores dedicados a essa produção, totalizando 345 pessoas, cujas
lavouras ocuparam uma área total de 332 hectares. Já a região sul, representada pelo
Paraná, contou, em 2006, com 16 agricultores que cultivaram 21 hectares.

Os dados ainda apontam que a produção colhida em 2006 totalizou mais de 56 mil
quilos de algodão em rama, o que corresponde a aproximadamente 20 mil quilos de
pluma. Do total produzido, os maiores volumes foram colhidos no Ceará - 37% do total
- e no Paraná - 34% do total. (PESQUISAR FONTE)

A Coopnatural (Consórcio Natural Fashion) foi fundada em 2000 em Campina


Grande (PB) e é um consórcio que busca fortalecer as empresas têxteis de confecção da
cidade. Saíram em busca de um produto naturalmente competitivo, e então escolheram
o uso de algodão naturalmente colorido e orgânico.

A Coopnatural possui parceria com a Embrapa o que lhe proporciona uma série de
benefícios agropecuários.

O desenvolvimento da produção de algodão agroecológico, orgânico, no Brasil


necessita da articulação e posicionamento entre os agricultores, para que sejam criadas
estratégias que aumentem a oferta do produto e melhorem a compreensão do
beneficiamento, preços, certificação e comércio justo.

O valor deste algodão, é claro, ainda é mais caro do que o algodão convencional.
O custo maior é com a mão de obra, apesar dos custos da produção também serem
enormes, diz Maysa Gadelha, diretora-presidente da Coopnatural. Fala também sobre as
vantagens e desvantagens do uso do algodão orgânico, as vantagens naturalmente são as
ambientais e sociais, além de serem antialérgicos. As desvantagens são por ainda
estarem em pouca quantidade, e não terem ainda uma cadeia produtiva muito avançada.

5.1.2 Couro Vegetal

O couro vegetal é produzido pela aplicação do látex natural extraído das


seringueiras sobre uma base de tecido. As lâminas destes dois materiais são aplicadas
no desenvolvimento de diferentes produtos. As lâminas de Látex natural desenvolvem
bijuterias, acessórios e detalhes de roupas. Já as lâminas de couro vegetal substituem o
couro animal e os produtos derivados de petróleo na fabricação de calçados, na
confecção de roupas bem como no revestimento de bancos, de cadeiras e até mesmo
automotivos.

As inovações tecnológicas abrem novas portas para o desenvolvimento do


extrativismo sustentável da borracha, eliminando processos intermediários, e o consumo
excessivo de água e eletricidade, além é claro de proporcionar um aumento de renda,
integrando as famílias dos seringueiros ao processo e é claro a preservação da floresta
que antes seria desmatada de maneira inconsciente

O látex natural é derramando sobre uma manta de fibras naturais onde o calor une
os dois materiais em um tecido emborrachado que substitui o couro animal, produzindo
assim o couro vegetal.
Figura 4: Extração do Látex
Figura 5: Lâminas de Couro Vegetal
Figura 6: Colar de Látex Natural

A empresa Ecológica Couro Vegetal do Brasil localizada no município paulista de


Magda (maior concentração de seringais do Estado) investiu em tecnologias para a
produção industrial desse produto. Os processos foram completados por Modernos
equipamentos que espalmam o látex sobre bases de fibras naturais e estufas de secagem.

5.1.3 Fibras de Lyocell

Lyocell é um tipo de fibra obtida a partir da celulose. Ela é suave, como seda,
resistente como o poliéster, fresca como o linho no calor, e possui o isolamento térmico
da lã no frio, além de ser naturalmente anti-bactericida o que evita o odor.

De acordo com diretor técnico da Lenzing, Gilberto Campanati, empresa que


registrou a marca da fibra com o nome Tencel, “o processo parte da pasta de madeira,
vinda de florestas gerenciadas dentro do conceito de sustentabilidade, misturada com o
solvente orgânico óxido de amina, portanto biodegradável e não tóxico”. Depois, é dado
um banho de água para retirar o solvente. E a celulose seca em forma de fibra. Como
explica Gilberto, “a água é purificada e evaporada e o solvente volta ao processo”. As
fábricas da fibra são localizadas na Áustria, Inglaterra e Estados Unidos.
Segundo o gerente comercial e gerente de marketing da fábrica Canatiba, Fábio
Augusto Covolan, “os tecidos que têm Lyocell em sua composição possuem um
caimento diferenciado e o conforto aprimorado com um toque mais suave e macio”.

5.1.4 Juta

Juta é uma planta cultivada na Amazônia por uma comunidade ribeirinha desde
1940. O tecido de juta é um dos mais utilizados depois do algodão. É totalmente
versátil, econômico, forte e durável. É ecologicamente correto e não estraga facilmente
sob a exposição de luz solar.

A fibra era normalmente usada na confecção de sacaria e, por isso, é considerada


de pouco valor para a indústria têxtil. A vantagem é que seu cultivo não precisa de
nenhum aditivo químico para crescer. Além disso, o fixador de tinta é feito a partir do
açaí.

Atualmente a cidade que mais cultiva a juta como matéria-prima é o Bangladesh,


e o maior fabricante de mercadorias é a Índia, sendo seguida por China, Tailândia,
Mianmar, Butão e Nepal.

As sementes tendem a amadurecer em apenas 3 meses gerando uma planta com


uma altura média de 3 a 4 metros. Com 5 meses nascem as flores e folhas , começando
assim a sua colheita.

As hastes são cortadas, e classificadas de acordo com o seu tamanho e espessura.


Estas são colocadas em bancos de areias dentro de piscinas de água estagnada para
afrouxar a fibra e formar um tecido lenhoso. Após atingir um estágio suficiente de
suavidade, as fibras são separadas e penduradas em linhas verticais para a secagem. Em
seguida são ordenadas e classificadas para os moinhos que farão a fiação do produto.
A força, a cor e a espessura da juta variam conforme o ambiente e o manuseio da
mesma. Para torná-la uniforme, as fibras diferentes são misturadas entre si, e são tratas e
amaciadas com água e óleo dentro de cilindros pesados e espiralados que as tornam
homogêneas e compactas. Em seguida são cardadas em máquinas que reduzem o seu
comprimento médio e as tornam mais resistentes e suaves.

Depois disto, vai para o serviço itinerante, onde o mesmo faz uma pequena
modificação para a lasca de madeira e esta envia para a fiação. O processo de Spinning
converte-os em um fio acabado.

Alguns tecidos e produtos feitos a partir de juta:

Hessian – É um ponto de tafetá, feito inteiramente de juta, com urdidura e trama


intrincada, não pesando mais de 576 grms/m2. Ele é usado para fazer sacos ou pacotes
para cobrir qualquer tipo de material.

CBC - Um tecido feito inteiramente de juta, mas que é inferior a 104 cm de


largura, com peso acima de 169 gms/m2. É utilizado como suporte básico e secundário
para tapetes.

Saque ou Planície- São tecidos também feitos somente da juta, com peso inferior a
407 gms/m2. É utilizado para a embalagem de grãos, produtos químicos, etc.

Heavy Tecido ou Canvas - Um tecido que mistura o tafetá com a juta, feitas em
uma ampla gama de construção e pesos. É utilizado para sacos de correio postal, sacolas
e sacos de sementes de alta qualidade.

Fios de juta - Ele é usado como um enchimento para tecer fios de carpete na
indústria.

Correias – É uma fita estreita de juta com largura inferior a 6 cm, que serve como
cabo ou corda para a indústria.
Além dessas opções acima a juta também serve para fazer alças, bolsas,
embalagens, tapetes e sacos para agropecuária. Com gramaturas altas e grossas, pode
servir para isolamentos térmicos e acústicos.

Principais Características do Tecido


* Resistente
* Isolante térmico e elétrico
* Estável à luz solar. Não se degrada em exposição à luz solar
* Possui uma alta densidade.
* Insensível ao ataque químico.
* Ambientalmente correto
* Reparável e Reutilizável.

Utiliza-se tecido de juta em:


* Sacos para transporte e embalagem.
* Apoio para carpetes, linóleo, cordéis e fios.
* Usado como correias para cobrir o interior de molas.
* Serve como estofamento de móveis.
* Serve como revestimento de pavimentos e coberturas para vestuário, calçado
forro e fins mobiliários
* Usado para controle de erosão.
* Usado em acessórios e vestuário de moda

Figura 7: Tapetes feitos de Juta.


5.2 Materiais Recicláveis e Reaproveitáveis

Os materiais recicláveis são os de maior vinculo comunicativo, mais populares


entre as pessoas, estes materiais possuem diversas possibilidades de reaproveitamento, e
sua reciclagem pode ser tanto industrial como manual, despertando assim, a criatividade
de designers e artesãos preocupados com o meio ambiente.

5.2.1 Plástico

Os plásticos são materiais cada vez mais freqüentes na vida cotidiana das pessoas,
nas embalagens, em recipientes, e quando estes materiais são jogados na natureza não
possuem destino seguro para o meio ambiente.

Hoje este material é utilizado em quase todos os setores da economia, tais como:
construção civil, agrícola, de calçados, móveis, alimentos, têxtil, lazer,
telecomunicações, eletroeletrônicos, automobilísticos, médico-hospitalar e distribuição
de energia.

Os plásticos são reunidos em sete grupos ou categorias: PET (polietileno


tereftalato), a mais conhecida e mais usada para reciclagem, PEAD (polietileno de alta
densidade) PVC (policloreto de vinila) PEBD (polietileno de baixa densidade) PP
(polipropileno) PS (poliestireno) Outros (ABS/SAN, EVA, PA, PC). .

O símbolo da reciclagem com um número ou uma sigla no centro, muitas vezes


encontrado no fundo dos produtos, identifica o plástico utilizado.

A reciclagem mecânica consiste na conversão dos descartes plásticos pós-


industriais ou pós-consumo em grânulos que podem ser reutilizados na produção de
outros produtos, como sacos de lixo, solados, pisos, conduítes, mangueiras,
componentes de automóveis, fibras, embalagens não-alimentícias e muitos outros.

Na tabela 2, observa-se o tempo de decomposição de alguns materiais, e entre eles


está o plástico fazendo uma espécie de comparativo.

Tabela 2: Tempo de decomposição de Materiais recicláveis.


MATERIAL
PRESERVAÇÃO DECOMPOSIÇÃO
RECICLADO
1000 kg de papel o corte de 20 árvores 1 a 3 meses
extração de milhares de
1000 kg de plástico 200 a 450 anos
litros de petróleo
extração de 5000 kg de
1000 kg de alumínio 100 a 500 anos
minério
extração de 1300 kg de
1000 kg de vidro 4000 anos
areia
fonte: Universidade Federal do Paraná - www.floresta.ufpr.br

5.2.1.1 PET reciclado

A garrafa PET vem sido bastante popularizada entre os materiais recicláveis e


reutilizáveis para a confecção de diversos produtos. A reciclagem deste material é
bastante eficaz a natureza, pois o tempo de decomposição do plástico é muito grande, e
conseqüentemente o uso excessivo de produtos com embalagens plásticas gera uma
grande poluição, pois não á como descartar estes materiais sem que eles fiquem
entulhados na natureza durante anos e anos.

A fibra têxtil produzida através da garrafa PET reciclada é o mesmo que poliéster
reciclado. Na sua produção além da própria reciclagem que contribui para reduzir o lixo
no meio ambiente, ela economiza energia.
Em média, para se confeccionar uma camiseta, utiliza-se uma quantidade de fibra
reciclada que corresponde a duas garrafas PET.

As etapas do processo até chegar na camiseta, basicamente, são:

CADEIA DIRETA

1) Extração do petróleo
2) Processo de refinamento
3) Resina virgem
4) Pré-forma
5) Garrafa

CADEIA REVERSA
6) Uso pelo consumidor
7) Descarte
8) Coleta Seletiva
9) Moagem e descontaminação
10) Transformação em fibra
11) Fiação
12) Tecelagem
13) Confecção
A figura 8 mostra que o maior mercado para o floco de PET reciclado é a produção de
fibras para a indústria têxtil (Fonte ABEPET):

Figura 8: Mercados para o Foco de PET reciclado


6. ACESSIBILIDADE E INOVAÇÕES

A idéia de reaproveitamento de materiais e barateamento do custo de produção de


materiais ecológicos que, substituindo materiais tradicionais causam menor impacto
ambiental, é algo que requer estudo aprofundado destes materiais, conceitos éticos e
moralistas, estudo de retrocedimento do processo de produção e de suas diversas
possibilidades.

É bem verdade que hoje a questão da sustentabilidade e da ética ecológica é


abordada em abundância por empresas brasileiras e internacionais, nem sempre
intencionando e visando realmente a conscientização de seus usuários, mas pelo menos
sempre buscando métodos inovadores e alternativas ecologicamente corretas para a
confecção de seus produtos. Porém uma barreira muito grande que existe entre o
processo de conscientização ambiental através de uma roupa e os seus consumidores é a
barreira das classes sociais, a maioria destas campanhas não atinge a massa popular,
pelo fato de serem inacessíveis a elas.

Essa massa por sua vez, tem o seu próprio jeito de inovar e estilizar de maneira
ecológica, simplesmente reaproveitando, normalmente isso se torna conseqüência de
necessidade, mas muitas vezes acaba por se tornar um processo até mesmo mais criativo
do que o uso de materiais ecológicos, porém nem tanto mais eficaz.

É claro que a técnica de reaproveitamento não provém apenas das massas, vários
estilistas do mundo todo se sentem instigados a chocar e inovar, por isso usam o
máximo de criatividade para tornar este processo glamoroso e ético ao mesmo tempo. O
inglês Gary Harvy, por exemplo, apresentou peças feitas a partir de matérias recicladas,
como o vestido de cópias do jornal Financial Times, o vestido jeans, confeccionado com
42 Levi´s 501 e o vestido feito de 18 clássicos trentch coats. O belga Martin Margiela
desenvolveu um vestido feito a partir de golas de pele de casacos antigos, uma calça
feita de cintos de couro de trentch coats e o vestido de cadarços de tênis.

A brasileira Consuello Matroni promove a conscientização através da moda.


Cartas de baralho, fundos de latinhas de refrigerante, copos descartáveis, fios de
telefone e embalagens plásticas se unem em uma técnica intitulada por Consuello como
reciclotô, uma mistura de tricô e crochê que transforma esses pequenos pedaços de lixo
em peças de moda.

“ A moda tem o poder de exposição que nenhuma outra linguagem possui,


unindo- se a arte ela ganha a liberdade e um poder quase infinito.” Lia Spínola
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Através do reaproveitamento de vários tipos de materiais abordados neste trabalho


vê – se que a utilização dessa moda sustentável pode contribuir para preservação do
planeta e para produção de renda.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Sites:

www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/plasticos/historia-do-plastico-4

www.ecotece.org.br

www.setorreciclagem.com.br

pensandoverde.blogtv.uol.com.br/moda

www.ambientebrasil.com.br/composer

www.budi.com.br/recicla

www.overmundo.com.br/overblog/moda-ecologia-e-glamour

www.omegajeans.com.br/content/7-eco-friendly

www.lateq.unb.br/projetotecbor2.htm

www.ecologicacouro.com.br

flaviaamadeu.multiply.com

www.marciaganem.com.br

ateliermarciaganem.blogspot.com

www.garyharveycreative.com

www.maisonmartinmargiela.com

br.geocities.com/consuellomatroni

www.janemmachado.blogspot.com

www.house-wear.com

portalamazonia.globo.com/artigo_amazonia_az
www.portaisdamoda.com.br

www.estilosupernova.com.br/blog/?p=534

www.artezanalnet.com.br/Artezanal/couroecologicovegetalcarac

www.ecologicacouro.com.br/portugues/c_vegetal