Você está na página 1de 5

Serviço Rociai e

interdisciplinaridade
Social Work and interdisciplinarity

Restono , 1 lutract
1

Este trabalho traz algumas reflexões This work brings some considerations
expostas no Trabalho de Conclusão de exposed in the Conclusion Course Work,
Curso, apresentado ao Departamento de presented to the Social Work Depar-
Serviço Social da Universidade Federal tament of the Federal University of Santa
de Santa Catarina, em fevereiro de 2003. Catarina, in February 2003. It proposes to
Propõe discutir alguns aspectos da discuss some interdisciplinarity aspects,
interdisciplinaridade, um tema recente, a recent topic, complex and polemic which
complexo e polêmico que desperta muito rises an interest because its application
interesse tanto pela sua aplicação como as a teaching didactic and also its use as
didática de ensino, quanto por seu a profession intervention method.
emprego como método de intervenção Redemeeing the implications in the
profissional. Procura focalizar as suas knowledge especifc ranges, conside-
implicações em áreas específicas do rations are taken about the social worker
conhecimento e ponderar sobre a insertion in the study and in the
inserção do assistente social no estudo e interdisciplinary work.
no trabalho interdisciplinar.
Palavras-chave: interdisciplinaridade, Key words: interdinterdisciplinarity, social
serviço social, intervenção. work, intervention.
rabiaria Regina Ely

Graduanda em Serviço Social pela


Universidade Federal de Santa Catarina.
114 Fabiana Regina Ely

fragmentação do sa- A primeira abordagem relaciona- se agrupam de forma justaposta,


ber originou profissi- se com a construção do conhecimen- com cooperação, porém cada pro-
onais cada vez mais to, na qual a interdisciplinaridade apa- fissional decide isoladamente;
especializados, cujas competências rece, de acordo com Nogueira (1997,
• interdisciplinaridade auxiliar: uma
isoladas não conseguem atender às p. 43), "como um novo princípio
disciplina predomina sobre as de-
exigências e complexidades dos pro- organizador do conhecimento", pois,
mais, coordenando-as;
blemas atuais. Desta forma, cresce, desfazendo-se das separações abso-
desde a década de 60, o debate que lutas entre as disciplinas, tradicional- interdisciplinaridade: as relações
defende a necessidade de se atribuir mente arraigadas, a interdisci- profissionais e de poder tendem
um enfoque interdisciplinar à forma- plinaridade proporciona a implantação à horizontalidade, as estratégias
ção e à intervenção profissional. Nas de uma visão holística e a formação de ação são comuns e estabele-
décadas de 1970 e 1980, este debate de uma postura critica. ce-se uma troca recíproca de co-
cresceu de forma lenta e ganhou mai- nhecimento entre as diferentes
A segunda abordagem concentra-
ores proporções apenas no fmal da disciplinas;
se na aplicação da interdisci-
década de 1990, adquirindo hoje am- transdisciplinaridade: a coordena-
plinaridade como método de trabalho,
pla repercussão nos mais variados ção é realizada por todas as disci-
considerando-a uma ação interventiva,
campos do conhecimento. plinas e interdisciplinas, propondo
que parte dos mesmos princípios da
Apesar de a discussão ter evoluí- primeira, destinando-se porém a tra- a criação de um campo com auto-
do, esta tendência não é acompanha- balhar com problemas práticos. nomia teórica, disciplinar e
da, no mesmo patamar de intensida- operativa.
As equipes de trabalho são pré-
de, pelas produções bibliográficas A interdisciplinaridade situa-se,
condição para a sua existência, sen-
publicadas. Outra observação perti- portanto, em um nível avançado de
do constituídas por profissionais com
nente é o fato de que as discussões cooperação e coordenação, de forma
qualificações diversas, que interagem
teóricas contidas nestas, ainda não que todo conhecimento seja valoriza-
de forma a estabelecerem uma troca
deram conta de esgotar as implica- do, com relações de intersubjetividade
intensa, pautada em objetivos comuns,
ções da interdisciplinaridade, uma vez e de co-propriedade baseadas em uma
com interdependência, coesão e coo-
que se percebe uma não-unanimida- atitude de diálogo. Nesta interação e
peração.
de quanto a um método, ideal e ade- articulação entre as diversas áreas do
quado, para a prática interdisciplinar. Apesar de ambas as abordagens
saber envolvidas, é preciso haver res-
estarem relacionadas e possibilitarem
Portanto, a sistematização de es- peito à autonomia e à criatividade ine-
uma exploração intensiva das suas
tudos sobre este tema é revestida de rentes a cada uma destas áreas, para
particularidades, concentrar-se-á, nes-
importante relevância, visto que no- que não sejam influenciadas ou ex-
ta discussão, nas reflexões referen- cluídas deste processo. Para Etges
vas contribuições constituem-se em
tes à segunda abordagem.
um auxílio para a compreensão desta (1993, apud JANTSCH; BIAN-
nova tendência, atualmente utilizada CHETTI, 1995, p. 14), a interdisci-
como um modismo para designar di- plinaridade:
versas iniciativas, que nem sempre se Intervenção interdisciplinar:
constituem verdadeiramente como conceitos e implicações [...] enquanto princípio me-
interdisciplinares diador entre as diferentes
disciplinas não poderá ja-
Segundo Vasconcelos (1997), ao
se discutir interdisciplinaridade é ne- mais ser elemento de redução
Interdisciplinaridade: formas cessário atentar para uma série de a um denominador comum,
de abordagem conceitos que apresentam relações se- mas elemento teórico-meto-
melhantes, com variações apenas no dológico da diferença e da
grau de cooperação e coordenação criatividade. A interdisci-
Reafirmando o caráter complexo
entre as disciplinas. Em ordem cres- plinaridade é o principio da
da interdisciplinaridade, observa-se
cente, assim podem ser classificados: máxima exploração das
que há a possibilidade de efetuar seu
estudo a partir de duas abordagens multidisciplinaridade: o trabalho potencialidades de cada ci-
distintas que, segundo Nogueira acontece de forma isolada, geral- ência, da compreensão de
(1997), embora apresentem uma mente com troca e cooperação seus limites, mas, acima de
interdependência, possuem objetivos mínima entre as disciplinas; tudo, o princípio da diversi-
e procedimentos diferenciados. pluridisciplinaridade: as disciplinas dade e da criatividade.

KATÁLYSIS v. 6 ri. 1 Jan./Jun. 2003 Florianópolis SC 113-117


Serviço Social e interdisciplinaridade

Desta forma, o que a interdis- determinados profissionais — que com- plica romper com dogma-
ciplinaridade prevê não é a anulação prometem a interação, inibindo con- tismos muitas vezes cultiva-
da contribuição de cada área em par- tribuições das demais áreas. dos no interior da profissão.
ticular, mas, segundo Sampaio et al.
(1989,p.83): Esta prática é também incentiva-
Serviço Social e interdisci- da pelo Código de Ética do Assisten-
O conhecimento interdis- te Social, no capítulo III, artigo 10, alí-
ciplinar deve ser a lógica da plinaridade nea d, no qual a participação em equi-
descoberta, uma abertura re- pes interdisciplinares é apresentada
cíproca, uma comunicação Partindo do pressuposto de que a como um dever profissional, a ser
entre os domínios do Saber, "interdisciplinaridade como postura e cumprido sempre que se apresenta-
deveria ser uma atitude, que como perspectiva de articulação dos rem possibilidades. Esse dever rela-
levaria ao perito a reconhe- conhecimentos é uma necessidade ciona-se com um dos princípios fun-
cer os limites de seu saber cada vez mais incontestável no mun- damentais deste Código, referente ao
para receber contribuições do do trabalho" (RODRIGUES, 1999, compromisso com a qualidade dos
p. 42), é impossível pensar a ação do serviços prestados à população e com
de outras disciplinas. Toda
assistente social fora dessa. relação. o aprimoramento intelectual, na pers-
ciência seria complementada
Esta profissão apresenta-se como pectiva da competência profissional.
por outra e a separação en-
tre as ciências seria substi- uma área fértil para a propagação Portanto, o Serviço Social, ao bus-
tuída por objetivos mútuos. desta tendência, uma vez que o cará- car novas formas de executar seu
Cada disciplina dá sua con- ter interdisciplinar se faz presente in- trabalho, direciona seu envolvimento
tribuição, preservando a in- clusive no processo de formação e na ação interdisciplinar, compartilhan-
produção do conhecimento do assis- do um espaço de troca mútua entre
tegridade de seus métodos e
tente social e o acompanha, de forma as especificidades do conhecimento
seus conceitos.
acentuada, em suas ações profissio- e ultrapassando, no atendimento da
Para que esta interação ocorra de nais. Rodrigues (1995, p.157) acres- complexidade das suas demandas, os
forma eficaz, tem-se como condição centa que: limites de sua especialidade.
primeira a socialização do conheci- Pesquisando as publicações do
Entendendo-se a interdis-
mento, das linguagens e dos concei- Serviço Social, Vasconcelos (1997)
ciplinaridade como 'postura
tos específicos de cada área envolvi- identifica que a interdisciplinaridade
da para, posteriormente, promover profissional' e 'princípio
começa a ser discutida nesta área
"[...] uma recombinação dos elemen- constituinte da diferença e apenas recentemente e de forma
tos internos" (VASCONCELOS, da criação' compreender-se- assistemática, apontando quatro linhas
1997, p. 141) que possam facilitar o á que o Serviço Social — uma de debate.
processo de comunicação. vez que articula diferentes
A primeira linha destacada por este
conhecimentos de modo pró-
Percebe-se, contudo, que a reto- autor enfatiza as bases filosóficas e
mada da totalidade do conhecimento prio, em um movimento críti-
epistemológicas da prática interdis-
através da prática interdisciplinar não co entre prática-teoria e teo-
ciplinar para as ciências em geral e para
é uma tarefa fácil, pois, tradicional- ria-prática — é uma profissão
as ciências sociais emparticular, que é
mente, a sua fragmentação desenvol- interdisciplinar por excelên- dirigida principalmente por Martinelli et
veu uma cultura de trabalho calcada cia. Assim, para o Serviço al. (1995), Severino (1989) e também
em profissões essencialmente disci- Social, a interação com ou- Munhoz (1996).
plinares, cuja tomada de decisão se tras áreas é particularmente
A segunda linha, desenvolvida
processa de forma isolada, observan- primordial: seria fatal man-
do apenas as limitações de cada es- principalmente nas produções de Sá
ter-se isolado ou fazer-se
(1989), estuda a proposta de organi-
pecialização. Como a interação cativo. A interdisciplina-
zação do ensino e pesquisa em Servi-
interdisciplinar prevê uma troca recí- ridade enriquece-o e fle- ço Social em bases interdisciplinares,
proca de conhecimento entre as áre- xiona-o, no sentido de rom- discutindo sua importância e suas for-
as do saber, com o compartilhamento per com a univocidade de mas de efetivação.
de objetivos comuns para a ação, é discurso, de teoria, para
compreensível o estabelecimento de Como terceira linha de discussão
abrir-se à interlocução dife-
relações conflituosas, oriundas de ati- do tema interdisciplinaridade no Ser-
renciada com outros. Isto im-
tudes dominadoras — assumidas por viço Social, Vasconcelos (1997, p.

KATÁLYSIS v. 6 ri. 1 fari./dez. 2003 Florianópolis SC 113-117


116 Fabiana Regina Ely

133) aponta a estabelecida por suas bases teórico-metodológicas e permite afirmar que este profissional,
Coutinho (1991), que enfatiza auxiliado por seu instrumental técni- segundo lamamoto (2002, p. 41):
co-operativo, o assistente social é
[...] as bases filosóficas e po- captador e detentor de grande núme- mesmo realizando atividades
líticas do pluralismo como ro de informações. A posse destes partilhadas com outros pro-
exigência de uma abordagem dados fez com que ocupasse o papel fissionais, dispõe de ângulos
democrática à práxis cientí- de sistematizador e organizador das particulares de observação
fica e profissional. análises e decisões do grupo. na interpretação dos mesmos
Nos Movimentos Ecológicos, o processos sociais e uma com-
Por fim, indica também o estudo petência também distinta para
Serviço Social vem efetuando uma
das práticas interdisciplinares em cam- o encaminhamento das ações.
ação voltada para o reconhecimento
pos específicos de atuação deste pro-
das implicações sociais das ações
fissional, apresentadas nas produções O que o toma uma "peça" impor-
ambientais Os defensores desta ação
de Sampaio et al. (1989) e Marques e tante no interior destas equipes. As
acreditam fortemente que o trabalho
Ramalho (1989). exigências de características, conhe-
coletivo de perspectiva interdisciplinar,
De acordo com estas observações nos movimentos ecológicos, possibili- cimentos e habilidades do assistente
de Vasconcelos (1997), referentes à tará ampliar os limites da fragmenta- social —para o trabalho interdisciplinar
produção teórica do Serviço Social, é ção, para uma busca de soluções em nos diferentes campos — são muito
possível perceber o quanto é extre- conjunto que apontará, com a troca semelhantes às desenvolvidas no seu
mamente novo para estes profissio- de conhecimento, as melhores saídas trabalho isolado. Portanto, a diferen-
nais, ao menos o hábito de publicar o para o todo. ça é que, nesse caso, as exigências
registro de suas ações nas equipes. de aprimoramento e requalificação
são maiores, em função da necessi-
Com relação a sua intervenção
Como a interdiscipti- dade de estar continuamente prepa-
interdisciplinar, esta pode ser enten-
rado para interagir com o conhecimen-
dida como multifacetada, a medida
que necessita adequar-se aos objeti-
naridade não ó um to das outras áreas do saber.
vos e ao objeto de trabalho da equipe Ressalta-se, contudo, que não há
em que se insere, exigindo, desta for-
processo estático, a esta — dentre as características observa-
ma, que o assistente social priorize de- das — alguma que provoque estranhe-
terminados conhecimentos, atribui- discussão devem ser za quando relacionada à proposta da
ções e características em detrimento formação teórico-metodológica e téc-
de outros. Portanto, a postura assu- acrescentadas muitas nico-operativa do profissional de Ser-
mida relaciona-se com as áreas em viço Social, mas, em contrapartida, a
que este profissional se insere no tra- outras atitudes observação destas nos faz questionar
balho interdisciplinar. até que ponto o meio acadêmico in-
vivenciadas, inclusive em centiva o desenvolvimento das mes-
Na Educação, por exemplo, a pre-
sença do assistente social possibilita mas e/ou é adequado às reais exigên-
áreas em que o debate cias para o trabalho interdisciplinar.
a visualização da perspectiva do su-
jeito da Educação, permitindo a dis- teórico relacionado Por fim, é extremamente importante
cussão de alguns determinantes soci- reafirmar que estar atento para este
ais que influenciam o processo de ainda e muito pequeno. espaço cria a possibilidade do Serviço
ensino-aprendizagem. Social expandir seu campo de atuação
Na Saúde, área na qual se identi- para áreas ainda desconhecidas ou
fica a maior produção bibliográfica do Este é o caso das organizações pouco exploradas pela profissão. Nesta
Serviço Social, com a publicação de (públicas e privadas) que vêm relação de troca de saberes, o Serviço
textos e artigos relatando as vivências direcionando sua atenção para os re- Social tem a oportunidade de sociali-
do trabalho interdisciplinar, observam- sultados do trabalho das equipes, par- zar com as demais áreas do conheci-
se posturas particulares, determinadas ticularmente as interdisciplinares, nas mento as suas reais especificidades e
pela equipe em que se insere. De for- quais o Serviço Social, por sua ação habilidades e, dependendo da compe-
ma ilustrativa, pode-se apresentar a mediadora, encontra possibilidades de tência do profissional, até romper com
experiência de Freitas e Matsubara se inserir. o "preconceito" que estas áreas histo-
(1992) no Hospital Universitário Júlio Assim, a observação das ações do ricamente atribuem à formação de as-
Muller do Mato Grosso, na qual por assistente social, nos diversos campos, sistente social.

KATÁLYSIS v. 6 n. 1 jan./Jun. 2003 Florianópolis SC 113-117


Serviço Social e interdisciplinaridade

Recebido em 25/02/2003. Aprova- RODRIGUES, M.L. O Serviço Social


do em 09/04/2003. e a perspectiva interdisciplinar. In: O
uno e o múltiplo nas relações entre
as áreas do saber. São Paulo: Cortez,
1995,p.152-158.
Referências
. A dinâmica de ação na prática
cotidiana do Assistente Social. In:
COUTINHO, C. N. Pluralismo:
Ações e interlocuções: estudos
dimensões teóricas e políticas.
sobre a prática profissional do
Cadernos ABESS. São Paulo: Cortez,
Assistente Social. São Paulo: Veras,
1991.
1999, p. 09-46.
ETGES, N. J. Produção do
SÁ, J. L. (Org.). Serviço Social e
conhecimento e interdisciplinari-
interdisciplinaridade. São Paulo:
dade: educação e realidades. Porto
Cortez, 1989.
Alegre, v. 18, n. 2, jul./dez. 1993, p.
73-82. SAMPAIO, C. C. et al. Interdis-
ciplinaridade em questão: análise de
FREITAS, L. O.; MATSUBARA,
uma política voltada à mulher. In:
M. C. Trabalho coletivo — uma
Serviço Social e interdiscipli-
referência para a interdisciplinaridade.
naridade. São Paulo: Cortez, 1989,
In: Interdisciplinaridade: o pensado,
p. 77-95.
o vivido. Seminários de Educação,
UFMT, 1996, p. 245-255. SEVERINO, A. J. Subsídios para
uma reflexão sobre novos caminhos
IAMAMOTO, M. Projeto profis-
da interdisciplinaridade. Serviço
sional, espaços ocupacionais e
Social e interdisciplinaridade. São
trabalho do (a) Asisstente Social na
Paulo: Cortez, 1989.
atualidade. In: Atribuições priva-
tivas do Assistente Social (a) em VASCONCELOS, E. M. Serviço
questão. Cadernos do CFESS, 2002. Social e interdisciplinaridade: o
exemplo da saúde mental. Revista
JANTASCH, A. P. ; BIANCHETTI,
Serviço Social e Sociedade. São
(Org.). Interdisciplinaridade:
Paulo: Cortez, n. 54, 1997, p. 132-157.
para além da filosofia do sujeito.
Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.
MARQUES, M. T. C.; RAMALHO,
P. Os movimentos ecológicos e a Fabiana Regina Ely
interdisciplinaridade. In: Serviço fabiregi72@zipmail.com.br
Social e interdisciplinaridade, São
Paulo: Cortez, 1989, p. 59-75. Rua José Maria da Luz, 563
MARTINELLI, M. L. et al. O uno e José Mendes
múltiplo nas relações entre as áreas
de saber. São Paulo: EDUC/Cortez, Florianópolis/SC
1995. CEP: 88045-000
MUNHOZ, D. Trabalho interdisci- Telefone 225-8351
plinar: realidade e utopias. Revista
Serviço Social e Sociedade. São
Paulo: Cortez, n. 51, ano XVII, 1996.
NOGUEIRA. V. M. R.. A importância
da equipe interdisciplinar no tratamento
de qualidade na área de saúde. Revista
Katálysis, Departamento de Serviço
Social da UFSC, n. 01, junho/1997,
Florianópolis, p. 40-48.

KATÁLYSIS v. 6 ri. 1 Jan./dez. 2003 Florianópolis SC 113-117