Você está na página 1de 19

1

LOGÍSTICA REVERSA:
UM DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA AS ORGANIZAÇÕES

DIONE FERREIRA DE ÁVILA1 (johnnyavila.iesa@yahoo.com.br)

Orientador: Prof.o Ms. Marcos P. D. Griebeler2 (marcos.dhein@unijui.edu.br)

RESUMO

A Logística Reversa vem ganhando espaço nas organizações tornando-se um diferencial


competitivo para as empresas, proporcionando Responsabilidade Socioambiental e redução dos
custos dos insumos de produção, gerando retorno financeiro e competitividade. Neste sentido, o
estudo teve por finalidade analisar a política de logística reversa dos bens de pós-consumo de
uma empresa do agronegócio da região noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, com o intuito
de propor sugestões que visem tanto o reaproveitamento de bens pós-consumo como o
fortalecimento da empresa frente ao atual contexto econômico e social em que está inserida.
Em primeiro plano, foi realizada uma entrevista com o gerente industrial e de suprimento, e
observação participante. Os resultados obtidos possibilitaram melhor análise da logística
reversa na empresa e auxiliaram na proposição das sugestões. Conclui-se que a logística
reversa, alinhada às estratégias da empresa, proporciona competitividade para as empresas, ao
mesmo tempo auxilia no cumprimento da responsabilidade socioambiental.
Palavras chave: Logística reversa, competitividade, responsabilidade socioambiental.

ABSTRACT

The Reverse Logistics is becoming more popular in organizations becoming a competitive


differentiator for companies, providing Environmental Responsibility and reducing costs of
production inputs, generating financial returns and competitiveness. In this sense, the study
aimed to examine the politics of reverse logistics of post-consumer goods of a company of
agribusiness in the northwest region of the state of Rio Grande do Sul, in order to propose
suggestions aimed at both the reuse of goods post consumption-such as strengthening the
company in the current economic and social context in which it operates. In the foreground, an
interview was conducted with the manager and industrial supply, and participant observation.
The results allow better analysis of reverse logistics in the company and assisted in proposing
suggestions. We conclude that reverse logistics, aligned to business strategies, competitive
offers for companies, while assists in fulfilling environmental responsibility.
Key words: Reverse logistics, competitiveness, environmental responsibility.

1
Aluno do curso MBA em Gestão Empresarial da UNIJUI-Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Graduado em
Administração em Comércio Exterior pelo IESA – Instituto Cenecista de Ensino Superior de Santo Ângelo.

2
Professor orientador. Professor do Curso de Administração da Universidade Regional do Nororeste do Estado do RS – UNIJUÍ. Doutorando
em Desenvolvimento Regional – UNISC.
2

1. INTRODUÇÃO

Pode-se definir logística como a função sistêmica de otimização do fluxo de materiais,


informações e recursos de uma organização que integra duas ou mais atividades gerenciais e
operacionais, planejando, implementando e controlando o fluxo eficiente de materiais,
informações e recursos, do ponto de origem ao ponto de destino, com o princípio de adequá-los
às necessidades dos fornecedores e clientes.
Nos últimos anos, entretanto, aumentou expressivamente as atividades de reciclagem e
reaproveitamento de produtos e embalagens. Fabricantes de bebidas tem que gerenciar o
retorno das garrafas, siderúrgicas que utilizam como insumo de produção a sucata gerada por
clientes, indústrias de latas de alumínio que fazem uso de matéria-prima reciclada.
Mais recentemente, indústrias de eletrônicos, varejo e automobilística que passaram a
lidar com o fluxo de retorno de embalagens, de devolução de clientes ou reaproveitamento de
materiais para produção, são exemplos de empresas que passaram a ter necessidade de
gerenciar o fluxo do ponto de consumo até o ponto de origem.
A importância da Logística Reversa (LR) pode ser dimensionada pelos custos logísticos
totais, questões ambientais, comerciais e econômicas, da concorrência fazendo com que as
empresas invistam na diferenciação dos serviços. Esses são fatores que têm pressionado as
empresas a cada vez mais adotarem a LR.
A Logística é uma das áreas na organização que pode servir de diferencial para
manutenção ou ampliação da participação da organização no mercado competidor. Nesta busca
por diferenciais competitivos, os valores ligados à responsabilidade socioambiental são um dos
enfoques das empresas. Entretanto, faz-se necessário que os projetos desenvolvidos pelo
departamento da logística estejam de acordo com o alinhamento estratégico da empresa, para
obter uma gestão estratégica capaz de atender este setor.
Tavares (2005, p. 40) expressa seu conceito de gestão estratégica como um “conjunto de
atividades intencionais e planejadas, estratégicas, operacionais e organizacionais, que visa
adequar e integrar a capacidade interna da organização ao ambiente externo”. A sua posição é
de que a gestão estratégica procura reunir o plano estratégico e sua implementação em um
único processo, proporcionando mudanças organizacionais.
Ballou (2006) conceitua a Logística como a criação de valor para clientes, fornecedores
da empresa e valores para todos os que nela têm interesses diretos. E dentro da logística
existem inúmeras formas de trazer um diferencial e competitividade para a organização
agregando esses valores e a LR serve como ferramenta para esse diferencial. Por esta razão, o
presente estudo tem como tema central a Análise da Logística Reversa dos bens de pós-
consumo em uma empresa do Agronegócio, na região noroeste do Estado do Rio Grande do
Sul.
Frente ao aumento das exigências dos consumidores, a necessidade de estabilidade da
empresa e o aumento da fatia de mercado, as empresas precisam tornar-se competitivas em um
sistema em que os recursos são limitados e os desejos ilimitados. Precisam aumentar a margem
de lucro em um setor que se investe muito e pela óptica dos sócios não traz retorno financeiro,
ter Responsabilidade Socioambiental sem gastos e competitividade ao mesmo tempo.
Entretanto, propôs-se o estudo responder a seguinte questão: De que forma os produtos
de pós-consumo utilizados pela empresa Soja podem retornar a origem e ainda proporcionar
lucratividade e competitividade? Com o objetivo de preservar a identidade da empresa, esta
será denominada empresa Soja.
Para tanto, definiu-se como objetivo geral analisar a Política da Logística Reversa dos
bens de pós-consumo em uma empresa do Agronegócio da Região Noroeste do Estado do Rio
Grande do Sul e como objetivos específicos verificar a existência de política de LR dos bens de
3

pós-consumo da empresa, identificar se há retorno financeiro e a competitividade gerada por


esta política, observar o papel da LR enquanto fator de Responsabilidade Socioambiental e
propor sugestões que visem tanto o reaproveitamento de bens pós-consumo como fortalecer a
empresa frente ao atual contexto econômico e social em que está inserida.
Com sede na cidade de Santa Rosa, noroeste do Rio Grande do Sul, a empresa Soja
completou em 2011 seus 40 anos de fundação, celebrando a conquista de uma posição de
destaque no agronegócio do sul do país. Sua marca está na atuação diversificada e verticalizada
em toda a cadeia da agricultura, com unidades estratégicas de negócios nos diversos segmentos
de mercado que formam o agronegócio, sempre com forte sinergia e interação. A abordagem
inicia desde o cultivo das sementes até a transformação final e na distribuição para o consumo
humano e nutrição animal. Para esta complexa tarefa, a empresa conta com a dedicação e a
capacidade de superação de uma equipe formada por 1.400 pessoas. Profissionais
comprometidos com a geração de valor através de atuação diferenciada, baseados no constante
investimento em qualificação e desenvolvimento.
A empresa Soja busca profissionais que possam atender às suas necessidades e trazer
novos conhecimentos. Sendo que a LR é um assunto em desenvolvimento, o estudo visa
satisfazer à necessidade do educando associando a prática com a teoria, proporcionando maior
conhecimento nessa área de atuação, entendendo os diversos fluxos da LR, contribuindo assim
para a formação acadêmica e profissional, pois trará novas ferramentas de gestão e
especialização no tema.
O estudo traz grande contribuição para a comunidade acadêmica, sendo um estudo
inovador e inédito, pois não existem projetos elaborados nesta empresa. Trará novos
conhecimentos que estão em fase de construção e entrará em áreas pouco exploradas pelos
pesquisadores e que pode fornecer subsídios para futuros projetos, visto que há pouca literatura
existente, e no Brasil, Leite (2003) é um dos escritores que mais discute sobre o assunto.
Em um mercado em que a competição é acirrada e complexa ao mesmo tempo e a
sociedade chamando a atenção para a Responsabilidade Socioambiental ou a cobrança do
chamado “Desenvolvimento Sustentável”, as empresas buscam soluções para redução de custos
aliada a esses fenômenos sem que haja a perda da competitividade da empresa e o contrário,
aumentando a participação no mercado. Portanto, faz-se necessário um estudo aprofundado
sobre a LR, como ela pode contribuir para o crescimento da empresa trazendo benefícios tanto
para a empresa como para a sociedade.
Diante dessas variáveis, e que não existe uma receita pronta para ser aplicado em todas
as empresas, o estudo busca, também, atender às necessidades da LR na empresa Soja
apontando soluções para os problemas encontrados e mostrando e a importância da mesma em
seu crescimento. De igual forma às necessidades dos profissionais e dos empresários afins, o
Estado e a sociedade em geral.
O estudo possui a seguinte estrutura: em primeiro plano o referencial teórico-conceitual
focando os principais conceitos, posteriormente a metodologia, seguida da apresentação e
discussão dos resultados e por fim as considerações finais.

2. REFERENCIAL TEÓRICO-CONCEITUAL

2.1 Logística

A logística empresarial é uma área relativamente nova do estudo da gestão de


marketing, finanças e produção. Embora ela já exista há muito tempo, a prática da logística fora
desenvolvida somente na questão movimentação-armazenagem. Porém, já surgiu nos idos dos
anos de 1844 a ideia do conceito da gestão coordenada de atividades inter-relacionadas e do
conceito de que a logística agrega valor a produtos e serviços essenciais para a satisfação do
4

consumidor e o aumento das vendas. A ideia surgiu com o engenheiro francês Jules Dupuit, de
acordo com Ballou (2006).
Ballou (2006, p. 27) destaca a organização de gestores logísticos, educadores e
profissionais da área da logística chamada Council of Logistics Management (CLM) criada em
1962, que define a logística como:
O processo de planejamento, implantação e controle do fluxo eficiente e eficaz de
mercadorias, serviços e das informações relativas desde o ponto de origem até o
ponto de consumo com o propósito de atender as exigências dos clientes.
Complementando a ideia do conceito de logística, a CLM destaca que o fluxo de
mercadorias deve ser acompanhado desde o ponto em que existem como matérias-primas até
aquele em que são descartadas, mostrando que a logística trabalha, não somente com o fluxo de
mercadorias, também com o fluxo de serviços, sendo, portanto, uma área crescente de
oportunidades e aperfeiçoamento.
Sob a mesma perspectiva, Christopher (2002, p. 10), define que a principal missão da
administração da logística “é planejar e coordenar todas as atividades necessárias para alcançar
níveis desejáveis dos serviços e qualidade ao custo mais baixo possível”. Para ele a logística
deve ser vista como a ligação entre o mercado e a atividade operacional da empresa, isto vai
desde o gerenciamento de matérias-primas até a entrega do produto final.
Na mesma linha de pensamento, Ballou (2006, p. 27) destaca a logística e a cadeia de
suprimentos sendo:
Um conjunto de atividades funcionais (transportes, controle de estoques, etc.) que se
repetem inúmeras vezes ao longo do canal pelo qual matérias-primas vão sendo
convertidas em produtos acabados, aos quais se agrega valor ao consumidor. Uma
vez que as fontes de matérias-primas, fábricas e pontos de venda em geral não tem a
mesma localização e o canal representa uma sequência de etapas de produção, as
atividades logísticas podem ser repetidas várias vezes até um produto chegar ao
mercado. Então, as atividades logísticas se repetem à medida que os produtos usados
são transformados a montante no canal logístico.
Dentro desta perpectiva, Ballou (2006) afirma que a logística aborda a criação de valor
para clientes, fornecedores da empresa e valores para todos os que nela têm interesses diretos.
Esses valores são manifestos nos termos de tempo e lugar. Os produtos e os serviços prestados
pela empresa somente possuem valor para o cliente se eles estiverem em poder dos clientes
quando e onde eles desejam consumi-los.
O enfoque proposto por Bowersox e Closs (2010, p. 20), defende que a responsabilidade
da logística está relacionada com a:
Disponibilidade de matérias-primas, produtos semi-acabados e estoques de produtos
acabados, no local onde são requisitados, ao menor custo possível. É por meio do
processo logístico que os materiais fluem pelos sistemas de produção de uma nação
industrial e os produtos são distribuídos para os consumidores pelos canais de
marketing.
Portanto, a finalidade central da logística é o de atingir um nível desejado de serviço ao
cliente pelo menor custo possível, isto é, a logística existe para satisfazer às necessidades do
cliente, facilitando as operações relevantes de produção e marketing. Entretanto, o grande
desafio está em equilibrar as expectativas de serviços e os gastos de modo a alcançar os
objetivos do negócio. Quando pouco valor pode ser agregado, torna-se questionável a
existência dessa atividade.
Em agregar valor às operações logísticas surge a LR, como diferencial competitivo e
apta a suprir esta necessidade, não em curto prazo, mas a médio e a longo prazo, sendo que a
mesma pode utilizar, em partes, o mesmo fluxo da logística direta.
5

2.2 Logística Reversa

Para a definição de LR, é importante citar o conceito de Chaves e Batalha (2006, p.2-3):
Nos anos 80, o conceito de logística reversa ainda estava limitado a um movimento
contrário ao fluxo direto de produtos na cadeia de suprimentos. Foi na década de 90
que novas abordagens foram introduzidas e o conceito evoluiu impulsionado pelo
aumento da preocupação com questões de preservação do meio ambiente. Esta
pressão, induzida pelos consumidores, implicou em ações legais dos órgãos
fiscalizadores. Além disso, a partir deste período, as empresas de processamento e
distribuição passaram a ver a logística reversa como uma fonte importante de redução
de perdas. Desta forma, as atividades de logística reversa passaram a ser utilizadas em
maior intensidade nos Estados Unidos e Europa, países onde os conceitos e
ferramentas clássicas de logística já eram mais disseminados.
A LR é uma área da Logística Empresarial e que está em expansão. Surgiu como
diferencial competitivo das empresas. Veio para agregar valor à cadeia de suprimentos, melhor
aproveitando os materiais que são descartados fazendo com que os mesmos voltem à utilização.
Sousa (2011, p.108) acredita que, o que era um diferencial, atualmente, é uma
necessidade das empresas. Cada vez mais as empresas devem estar atentas para este novo
fenômeno, e implantar em sua cadeia logística o processo reverso, não somente para satisfazer
a questão ecológica, mas por sobrevivência.
César e Neto (2007, p. 2) em seu artigo sobre a LR Integrada, afirmam que o sucesso
individual da organização está “relacionado à sua habilidade de desempenhar diferentes papéis
nas cadeias de suprimentos em contrapartida de sua atuação como organização isolada e
estática”. Há a necessidade de articulação entre a Logística Direta e a Reversa, sabendo que, em
partes, os seus fluxos são diferentes, ampliando assim a eficiência da LR e a melhora dos níveis
de serviços, contribuindo assim para a agregação de valor, e desta forma colaborando com a
melhoria da competitividade das empresas.
Na mesma visão, a CLM (CLM, 1993 p. 323, apud LEITE, 2003, p. 15) afirma que a
“Logística reversa é um amplo termo relacionado às habilidades e atividades envolvidas no
gerenciamento de redução, movimentação e disposição de resíduos de produtos e
embalagens...”.
O enfoque proposto por Stock (STOCK, 1998, p.20, apud LEITE, 2003, p. 15) é que a
LR é:
[...] uma perspectiva de logística de negócios, o termo refere-se ao papel da logística
no retorno de produtos, redução na fonte, reciclagem, substituição de materiais, reuso
de materiais, disposição de resíduos, reforma, reparação e remanufatura [...]
LR é o “planejamento, implantação e controle da eficiência e custo efetivo do fluxo de
matérias-primas, estoques em processo, produtos acabados e as informações correspondentes
do ponto de consumo para o ponto de origem”, explica Rogers e Tibben-Lembke (ROGERS,
TIBBEN-LEMBKE, 1999, p. 2, apud LEITE, 2003 p. 15).
Entretanto, além dos fluxos diretos tradicionalmente considerados, Leite (2003, p.16)
afirma que “a logística moderna engloba também os fluxos de retorno de peças a serem
reparadas, de embalagens e os seus assessórios, dos produtos vendidos devolvidos e dos
usados/consumidos a serem reciclados”, conforme o quadro 1 a seguir.
6

Quadro 1: Fluxos diretos e reversos


Diferentes tipos de fluxos logísticos
Logística
Com fornecedores (fornecimento de materiais e de componentes)
Fluxos diretos Com clientes (produtos, peças de reposição, materiais promocionais e de
propaganda)
Com fornecedores (embalagem, reparo)
Fluxos reversos Com fabricantes (eliminação, reciclagem)
Com clientes (excesso de estoque, reparos)
Fonte: (DORNIER et al,2000, apud LEITE (2003).

Diversas definições indicam que o conceito de LR ainda está em construção, em face


das novas possibilidades de negócios relacionados com o crescente interesse empresarial e o
interesse por pesquisas do assunto na última década.
Portanto, na visão apresentada por Leite (2003, p. 16-17) a LR é a:
[...] área da logística empresarial que planeja, opera e controla o fluxo e as
informações logísticas correspondentes, do retorno dos bens de pós-venda e de pós-
consumo ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo, por meio dos canais de
distribuição reversos, agregando-lhes valor de diversas naturezas: econômico, legal,
logístico, de imagem corporativa, entre outros.
A LR agrega valor econômico, ecológico, legal e de localização ao planejar as redes
reversas e as respectivas informações e ao operacionalizar o fluxo desde a coleta dos bens de
pós-consumo ou de pós-venda. Isto se dá por meio dos processos logísticos de consolidação,
separação e seleção, até a reintegração ao ciclo.
Portanto, as empresas devem estar atentas para este novo nicho de negócio, sendo que a
responsabilidade ambiental está em pauta em todas as discussões, tanto nas academias como
em assuntos do governo federal, trazidas por organizações não governamentais. Embora o
assunto está mais avançado em países desenvolvidos do que em países em desenvolvimento,
faz-se necessário abordá-lo neste estudo.

2.3 Sensibilidade Ecológica – Fator de Incentivo à Logística Reversa

Há uma preocupação por parte da sociedade com aspectos do equilíbrio ecológico. Está
aumentando a sensibilidade ecológica na sociedade atual, mais significativamente em países de
maior desenvolvimento econômico e social.
Um dos grandes problemas urbanos enfrentados é a dificuldade de disposição do lixo
urbano. Este fator é importante para a estruturação e à organização dos canais de distribuição
reversos de pós-consumo:
O aumento da velocidade de descarte dos produtos de utilidade após seu primeiro
uso, motivado pelo nítido aumento da descartabilidade dos produtos em geral, não
encontrando canais de distribuição reversos de pós-consumo devidamente
estruturados e organizados, provoca desequilíbrio entre as quantidades descartadas e
as reaproveitadas, gerando um enorme crescimento de produtos de pós-consumo.
Essas quantidades excedentes tornam-se “visíveis” para a sociedade em aterros
sanitários, em “lixões”, em locais abandonados, em rios ou córregos que circundam
as cidades etc.; ficam pouco visíveis quando são depositados em mares e rios e não
sobrenadam ou quando são simplesmente enterrados para posterior solução (LEITE,
2003, p.20).
Levando em conta que a LR pode proporcionar a redução de lixo, o Grupo Ambitec
(2011, p.107) adverte que no Brasil, os lixões e os aterros sanitários não são mais o único
destino para os resíduos sólidos. Desde dezembro de 2010 o país possui a Política Nacional de
7

Resíduos Sólidos (PNRS), que faz a distinção entre o resíduo (material que pode ser
reaproveitado ou reciclado) e o rejeito (o que não é passível de reaproveitamento).
Leite (2003) explica que as empresas podem obter resultados econômicos com a LR, no
reaproveitamento, na reutilização, nos reprocessamentos, nas reciclagens etc., mas quando
realizam este tipo de investimento em preservação ecológica dirigirá esforços para defesa se
sua imagem corporativa e seus negócios. Utilizam essas preocupações como forma de
diferenciação estratégica para seus produtos, posicionando no mercado com vantagens
competitivas ligadas ao aspecto ecológico.
As empresas estão cada vez mais se preocupando com sua imagem corporativa em
relação à sociedade, no que diz respeito à questão da preservação ambiental:
Uma visão moderna de marketing social, ambiental e principalmente de
responsabilidade ética empresarial, se adotada por empresas dos diversos elos da
cadeia produtiva de bens em geral, por entidades governamentais e pelos demais
envolvidos, de alguma maneira, na geração de problemas ecológicos, mesmo que
involuntária, permitirá observar que suas imagens corporativas estarão cada vez mais
comprometidas com questão de preservação ambiental. Consequentemente, ações
convenientemente dirigidas à preservação ambiental, dentro dessa visão contribuitiva
de marketing social e ambiental, certamente serão recompensadas com salutares
retornos de imagem diferenciada como vantagem competitiva (LEITE 2003, p. 27).
Leite (2003) chama a atenção para o fato de que essas preocupações tem se traduzido
por modificações de projetos visando melhorar as condições de reaproveitamento, como
utilização de identificação nas diversas embalagens plásticas, adaptabilidade a desmontagens
dos bens duráveis e redução de misturas de constituintes diferentes na mesma embalagem, entre
outros. Algumas empresas tem investido em associações incentivadoras de sistemas de
reciclagem e reuso e em programas educacionais de conscientização junto à sociedade para os
problemas ambientais, a fim de confortar legislações locais ou garantir a tranquilidade dos
negócios.
Também é propício o posicionamento de César e Neto (2007, p. 19) sobre a questão da
proteção do meio ambiente:
[...] importante lembrar que uma boa estrutura de LR vem proteger o ambiente de
possíveis contaminações e propicia à empresa uma melhor eficiência na administração
de seus recursos de produção. Desta forma, muitas empresas acabam tendo uma visão
da Logística Reversa como um centro de custo, quando na verdade uma LR bem
planejada é um centro de minimização de custo para a empresa, além de garantir
perante os seus stakholder a sua boa imagem.
Com a revalorização logística garantida pela rede reversa dos equipamentos usados até
as consolidações em centros de distribuição reversos especializados, a revalorização econômica
e tecnológica por meio do reuso de seus equipamentos e componentes e a revalorização
ecológica reduzem o impacto de seus produtos no meio ambiente.
Dentro desta perspectiva, a rede reversa possui canais de distribuições que auxiliam no
fluxo dos materiais, tanto na questão do reaproveitamento, quanto na reutilização e na
reciclagem, para que estes produtos não sejam descartados de forma que venham a contribuir
para impacto ambiental, mas sim para uma redução do mesmo fornecendo subsídios para a
competitividade da empresa.

2.4 Canais de Distribuição Reversos

César e Neto (2007, p. 9) conceituam a LR como a logística de retorno e que tem seu
“início no cliente usuário final e termina no fornecedor (origem da matéria-prima); ou seu
início pode se dar em qualquer instante da Cadeia Produtiva e terminar também em qualquer
nível desta mesma cadeia”.
A LR tem seus canais de distribuição reversos e podem ser classificados como de pós-
consumo e de pós-venda. Leite (2003) explica que os canais de distribuição reversos
8

apresentam características e objetivos distintos, envolvendo relações entre entidades diferentes,


embora guardando forte interação e peculiaridade logísticas em alguns casos.
Um conceito mais amplo da LR distingue em cinco canais de distribuição: disposição
final, retornos comerciais, retornos de garantia, sucatas de produção e/ou rejeitados e
embalagens, (FLEISCHMANN, 2001, apud CESAR, NETO, 2007).
Conforme a figura 1, “o fluxo dos produtos nos canais de distribuição diretos, desde as
matérias-primas virgens, também denominadas primárias, até o mercado”, (LEITE, 2003, p.5).
Este fluxo direto é caracterizado por meio de diversas possibilidades conhecidas como etapas
de atacadistas ou distribuidores, chegando ao varejo e ao consumidor final.

Figura 1 Canais de distribuição diretos e reversos

Fonte: Leite, 2003 p. 5.

Leite (2003, p. 5-6) traz a concepção de que “Os canais de distribuição reversos de pós-
consumo são constituídos pelo fluxo reverso de uma parcela de produtos e materiais
constituintes originados no descarte de produtos após finalizada sua utilidade original e que
retornam ao ciclo produtivo de alguma maneira”. Deste canal de distribuição, sobressaem-se
dois subsistemas reversos: os canais reversos de reciclagem e os canais reversos de reuso.
O canal de distribuição reverso de pós-consumo se caracteriza por produtos oriundos de
descarte após uso e que podem ser reaproveitados de alguma forma e, somente em último caso,
descartados. Já o canal de distribuição reverso de pós-venda se caracteriza pelo retorno de
produtos com pouco ou nenhum uso que apresentaram problemas de responsabilidade do
fabricante ou distribuidor ou, ainda, por insatisfação do consumidor com os produtos
(ROGERS E TIBBEN-LEMBKE, apud, CHAVES, BATALHA 2006).
No reuso, caso haja condições e interesse de uso integral dos bens descartados, o mesmo
será coletado nas fontes e encaminhado ao mercado de segunda mão, como forma de
revalorização. Nesta perspectiva, Leite (2003, p. 57) complementa que “A fase de aquisição do
bem de pós-consumo durável é realizada normalmente por comerciantes estabelecidos,
empresários de remanufatura, especializados por tipo de bem, ou seja, automóveis,
computadores, máquinas operatrizes etc., ou por intermediários negociadores de lotes que
arrematam a totalidade dos bens em empresas para posterior negociação”.
9

O mercado secundário de bens usados ou remanufaturados representam uma quantia


importante no valor total da economia reversa nas sociedades atuais, contudo, na maior parte
das vezes seus valores sejam estimados e ainda pouco documentados, explica Leite (2003).
Entretanto, há a necessidade de integração com a cadeia de suprimentos, e que o fluxo
reverso de produtos deverá ser considerado na coordenação logística das empresas, sendo que
uma boa administração da LR acarretará em grandes economias para a empresa. A implantação
deste sistema irá refletir em vantagens competitivas para as empresas, ao nível de menores
custos e melhoria de serviço ao consumidor.
Apresentou-se uma revisão da literatura a respeito da logística tradicional, LR, origem,
conceito, responsabilidade ambiental e os canais reversos de distribuição da mesma que
permeiam o discurso da presente investigação com foco na análise da LR. Na sequência, será
exposta a linha metodológica de como se alcançou tanto o objetivo geral como os específicos,
com base no referencial teórico exposto.

3. METODOLOGIA

A metodologia tem por objetivo apresentar o planejamento de como será realizado a


coleta, o tratamento, a análise e a interpretação dos dados que orientaram o estudo. Para tanto,
foi realizado o uso de pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e de campo, conforme
detalhado abaixo.
A pesquisa é classificada quanto aos fins e quanto aos meios, explica Vergara (1998).
Quanto aos fins o estudo realizado foi uma pesquisa descritiva, pois foi descrito a Política de
LR da empresa, as características do processo da LR na organização, bem como a influência da
LR como Fator de Responsabilidade Socioambiental. Quanto aos meios o estudo realizado foi
uma pesquisa bibliográfica, que tem por finalidade identificar os estudos sobre o tema
apresentado no escopo conceitual deste projeto, tendo como base os livros, periódicos e anais
científicos além das redes eletrônicas.
No que concerne à pesquisa de campo, foram coletados os dados primários em uma
investigação empírica realizada e uma entrevista, com os gestores de LR da empresa Soja.
O Quadro 2 apresenta a proposta metodológica que foi adotada neste trabalho para
alcançar os objetivos específicos.

Quadro 2: Objetivos específicos e metodologia.


Objetivos específicos Metodologia
- Verificar a existência de política de
Logística Reversa dos bens de pós-consumo
da empresa a ser pesquisada; - Pesquisa documental, de campo, entrevista
- Analisar em quanto pode ser verificada o com o gerente industrial e o gerente de
retorno financeiro e a competitividade suprimentos da empresa, observação
gerada pelo reuso dos bens; participante;
- Verificar o papel da Logística Reversa
enquanto fator de Responsabilidade
Socioambiental;
- Propor sugestões que visem tanto o
reaproveitamento de bens pós-consumo - Após coletados e confrontados os dados
como a consolidação da empresa frente ao com o referencial teórico propor-se-á
atual contexto econômico e social em que estratégias para o reaproveitamento de bens
está inserida. de pós-consumo na empresa Soja.

Fonte: Próprio autor, 2011.


10

A coleta de dados nesta pesquisa envolveu a pesquisa bibliográfica em livros, revistas


especializadas, artigos publicados com dados relativos ao assunto. Para a pesquisa de campo, as
técnicas empregadas foram a observação e entrevista. A entrevista foi realizada com base em
oito questões com o gerente de suprimentos e com gerente de industrial, tendo uma duração
média de uma hora cada entrevista.
O gerente industrial trabalha na empresa há 7 anos, é engenheiro químico, possui pós-
graduação em Gestão Empresarial e tem 34 anos de idade. O gerente de suprimentos, por sua
vez, trabalha na empresa há 13 anos, sua formação acadêmica é em administração com
habilitação em comércio exterior e tem 45 anos de idade.
Para Vergara (1998, p. 50), “sujeito da pesquisa são as pessoas que fornecerão os dados
que você necessita”. Os dados obtidos com os sujeitos da pesquisa darão sustentação para o
desenvolvimento desta. Os sujeitos da pesquisa são constituídos pelos gestores da empresa
Soja.
De acordo com os objetivos estabelecidos para este estudo, inicialmente foi analisado os
aspectos documentais referentes à instituição e seu contexto de estudo, visando investigar na
organização a gestão da logística reversa, para então verificar a percepção dos atores acerca do
ambiente investigado.
Fundamentada a abordagem teórica, analisados os dados documentais e verificadas as
percepções do entrevistado, e da empresa questionada foi proposto ações estratégicas para um
processo eficaz de LR na empresa Soja.

4 APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

A análise das noções e práticas de LR na empresa Soja, bem como sua organização,
gestão e contribuição para o desenvolvimento organizacional é o que se propõe. A realidade
organizacional é interpretada à luz dos pressupostos teóricos desta pesquisa.

4.1 Política de Logística Reversa

A LR, como depreendida na presente pesquisa, possibilita às organizações uma nova


visão sobre os processos produtivos, otimizando a utilização dos insumos e criando condições
para que materiais sejam reintegrados ao ciclo produtivo, por meio de sistemas de reciclagem,
reuso ou reaproveitamento, agregando valor econômico aos bens de pós-consumo que
substituem matérias-primas novas (LEITE, 2003).
Na empresa pesquisada, foi realizada entrevista com o gerente da idustrial, e quando
perguntado se a mesma possui uma política de LR para seus bens de pós-consumo, o
responsável respondeu que: "Não há uma politica formal para isso, temos em algumas
situações uma Logística Reversa sim muito em função de cumprimento a legislação".
O gerente de suprimentos quando perguntado menciona que: “... a empresa não possui
políticas de logística reversa definidas, posso citar que atualmente na área de suprimentos
aplicamos essa logística em alguns insumos de produção...”.
Pode-se observar que a empresa não possui em suas diretrizes a política de LR, mas
diga se de passagem que os gestores já possuem um conhecimento, mesmo que não seja amplo,
sobre o assunto e que na cadeia de suprimentos já é aplicado em determinados produtos.
No tocante à importância que tem a LR junto à cadeia de suprimentos em sua empresa,
o gerente de suprimentos declara que: “A busca por opções que possam trazer redução de custo
nos insumos de produção com a devolução de embalagens ou com a reutilização de
materiais”.
11

Para o gerente da indústria: “A importância maior é para o ganho financeiro que


poderia trazer utilizando esse processo, mas também tem ganhos de cunho intangível como
para o meio ambiente, redução de veículos nas estradas”.
Conforme as respostas dos gerentes pode-se observar que a empresa Soja está
trabalhando no sentido de utilização da LR como redutor de custos para os insumos de
produção, o que geraria um ganho financeiro no sentido tangível, e no sentido intangível
contribuiria para o meio ambiente.
Entretanto, a LR, uma área da Logística Empresarial, que está em expansão, é de suma
importância que as empresas busquem o aperfeiçoamento neste sentido, sendo que é um
diferencial competitivo, pois agrega valor à cadeia de suprimentos (LEITE, 2003).
As empresas precisam ter dinâmica na cadeia de suprimentos, desempenhando outras
atividades além da logística direta (CÉSAR, NETO, 2007), fazendo isto, a empresa não estará
trabalhando de forma isolada e estática.
Além disso, os produtos inservíveis à produção, que forem direcionados para
incineração, acabam por se transformar em energia, agregada ao ciclo da produção, gerando
considerável redução dos custos operacionais. Favorece, portanto, o meio ambiente e a própria
empresa, pois reforça sua imagem, tanto interna como externa, a partir do momento que
começa a ser reconhecida pela sua produção “limpa”.
Perguntado se a integralização da LR for uma diretriz da empresa o gerente da indústria
responde que: “Ainda não”.
Atualmente, a LR passa a ser uma necessidade para a empresa Soja, sendo que a mesma
possui uma rede de filiais muito expressiva. É arriscado deixar de valorizar esta ferramenta
(SOUZA, 2011), pois cada detalhe que é deixado passar despercebido neste setor pode ser
crucial no desenvolvimento de novos produtos, novos nichos de mercado e no fechamento de
contratos em negociações.
Esta necessidade de adaptação da empresa Soja está ligada diretamente à questão do
cumprimento da legislação, do diferencial competitivo em relação às outras empresas do
mesmo ramo de negócio e da Responsabilidade Socioambiental.
No que diz respeito ao tratamento das informações de mercado referente à LR, o gerente
de suprimentos menciona: “Eu respondo como área de suprimentos, que é de fundamental
importância ter uma logística reversa bem estruturada e em todos os itens possíveis já que
nesse caso teremos redução de custos e pontos positivos em relação ao meio ambiente”.
A mesma pergunta foi realizada ao gerente industrial, respondendo que: “Ainda não há
um tratamento pra isso, e não há uma politica formal pra isso, portanto não tem um tratamento
adequado ainda.
Embora com a prática da LR na empresa, conforme os gestores a empresa Soja não
direciona esforços para as informações de mercado. As empresas devem estar atentas a este
fenômeno, buscando o aperfeiçoamento nesta área, sendo que também a legislação está em
constante mudança e novas ferramentas sendo incorporadas à LR, fazendo-se assim, necessário
atentar com mais diligência a esta questão.
As constantes mudanças no cenário mundial despertam nas empresas a necessidade, em
certos momentos, de readaptação no mercado ou simplesmente um aperfeiçoamento nos seus
processos, sendo que as informações do mercado precisam de atenção necessária. Com a LR
não é diferente, as informações pertinentes a este assunto auxiliam as empresas a ter eficiência
e maximizar os seus esforços para o aperfeiçoamento neste setor.
Perguntado sobre como a empresa Soja entende o “peso” da LR, o gerente industrial
declara que: “É um processo com ganhos significativos para determinados tipos de
industrias/empresas, mas que ainda não foi mais profundamente estudado pela empresa Soja e
consequentemente melhor mensurado ainda, mas acreditamos que há um grande potencial de
melhorias e ganhos em ajustando essas situações”.
12

Há uma grande necessidade da mensuração dos resultados que podem ser obtidos pela
prática da LR na empresa Soja. Os processos que estão sendo executados não podem continuar
sem um planejamento e sem a integralização da LR na empresa, colocando em risco a sua
vantagem competitiva em relação aos demais, embora o pensamento de que pode ter resultado
positivo já esteja colocado dentro da empresa.
O quadro a seguir, mostra a visão dos gestores sobre a LR bem como da importância da
mesma para a empresa:

Quadro 3: Análise da visão dos gerentes sobre a LR.


Visão dos Gerentes Análise
Pode-se observar que já existe a
“... temos em algumas situações uma prática de logística reversa
Logística Reversa sim muito em função de difundida dentro da empresa,
cumprimento a legislação”. bem como o seu conceito e sua
“... não traz resultados hoje”. importância, tanto para a
“... deveria ser uma pratica incorporada empresa (redução de custos)
Gerente
pelos diversos setores da empresa”. como para o meio ambiente. A
Industrial
“... ainda não foi mais profundamente ideia de incorporação pelos
estudado pela empresa e consequentemente outros setores da empresa e da
melhor mensurado ainda, mas acreditamos logística reversa
que há um grande potencial de melhorias e proporcionando retorno
ganhos em ajustando essas situações”. financeiro e competitividade
está conquistando espaço na
“... atualmente na área de suprimentos empresa. Nota-se que existe a
aplicamos essa logística em alguns insumos preocupação de estudar o
de produção...”. assunto profundamente para a
“... traz economia a empresa...”. mensuração de seus resultados.
“... a empresa torna-se mais competitiva A percepção sobre a logística
Gerente de
reduzindo o custo de insumos de produção”. reversa de ambos os gestores
Suprimentos são bem parecidas, embora o
“A busca por opções que possam trazer
redução de custo nos insumos de produção gestor de suprimentos estar mais
com a devolução de embalagens ou com a familiarizado com o processo.
reutilização de materiais”.

Com esta nova tendência em gestão estratégica, a LR tornou-se uma questão de


sobrevivência em um mercado globalizado, onde os consumidores estão cada vez mais
exigentes, não só quanto à qualidade e preço dos produtos e serviços, mas a todo seu processo
produtivo e os impactos que causam ao meio ambiente.

4.2 Retorno Financeiro e Competitividade

Dentro da entrevista realizada, está incluso uma pergunta sobre retorno financeiro e
competitividade e da forma que é proporcionado. O gerente industrial menciona que: “Na
verdade por ser pouco utilizado e em função de obrigatoriedade, não traz resultados hoje”.
O gerente de suprimentos, quando entrevistado, declara que: “Sim. Como exemplo
posso citar que essa logística traz economia a empresa através de retorno de embalagens a
fornecedores de insumos onde as mesmas são descontadas nas próximas compras, os pallets de
13

madeira são reutilizados por no mínimo 5 vezes até serem descartados. Com isso a empresa
torna-se mais competitiva reduzindo o custo de insumos de produção.”
Pode-se notar a discrepância existente nas respostas dos dois gerentes. Desta forma, a
empresa pode perder a sua eficiência em seus processos, trabalhando de forma isolada e
estática, podendo ocasionar a perda da competitividade, pois não haverá o alinhamento de seus
objetivos. Este é um fato pelo qual a LR deve ser uma política na empresa Soja, bem estudada e
desenvolvida, e que esta informação chegue aos demais departamentos para que os gestores da
empresa possam saber da importância e como trabalhar e desenvolver da melhor forma possível
os fluxos reversos.
Para que a LR possa contribuir para o retorno financeiro e competitividade para a
empresa Soja, faz-se necessário aquela estar no planejamento estratégico desta. Sendo assim, os
processos terão eficiência e eficácia, pois serão bem definidos para que possam atingir um
objetivo comum em todos os departamentos (CÉSAR, NETO, 2007).
A LR não está restrita somente à cadeia de suprimentos, mas em todos os departamentos
da empresa. Entretanto, a pesquisa foi focada somente na cadeia de suprimentos. Mas com o
planejamento estratégico, pode ser estendida aos demais setores.
É importante salientar que mesmo não havendo uma política regulamentadora na
empresa Soja, o setor de suprimentos já está trabalhando com alguns produtos que podem ser
reutilizados. O gerente cita os pallets de madeira que trazem certo retorno financeiro.
A empresa Soja está utilizando um dos canais de distribuição reversos, no caso dos
pallets, o canal de reuso, pois há condições e interesse de uso integral do bem, não somente
uma vez, mas diversas, fazendo com que o produto volte ao processo produtivo, contribuindo
para a otimização de seus recursos (LEITE, 2003), sendo que posteriormente a reutilização,
este mesmo produto pode ser encaminhado a outro canal reverso, o da reciclagem.
Um bom planejamento desses canais reversos de distribuição (CÉSAR, NETO, 2007)
pode contribuir para que mais produtos venham a ser reutilizados. Como por exemplo, os
resíduos das sementes podem ser reutilizados como matéria-prima de outros produtos, o
triguilho, subproduto do trigo, ou o quebradinho de milho, subproduto do milho, são utilizados
para fabricação de ração animal. Há produtos que podem ser utilizados como energia orgânica
para as caldeiras, recuperação de solo, reutilizados em equipamentos das máquinas de
produção, reciclados e vendidos para empresas licenciadas junto à FEPAM (Fundação Estadual
de Proteção Ambiental).
Sabendo dos inúmeros produtos que podem retornar à produção, surge a necessidade de
planejar todo o ciclo de vida desses produtos, sendo que fica evidente que além dos custos de
compra de matéria-prima, de produção, de armazenagem e estocagem, o ciclo de vida de um
produto inclui também outros custos que estão relacionados a todo o gerenciamento do seu
fluxo reverso.
Sobre as vantagens e desvantagens em trabalhar com a LR, o gerente industrial declara
que: “A desvantagem é não ter equipe e parceiros, principalmente, preparados para esse tipo
de trabalho, e assim isso ainda traz resultado financeiro negativo em algumas operações,
porem em outras é um grande negócio”.
Por sua vez, o gerente de suprimentos menciona que as vantagens seriam: “redução de
utilização de novas matérias-primas, reduz impacto ao meio ambiente, redução de custos de
produção na reutilização de embalagens usadas e pallet usados, competitividade para a
empresa nos preços finais de seus produtos”. Já no tocante às desvantagens, ele afirma que
seriam: “despesa com pessoal para manter um bom controle da logística reversa, custo de
transporte”.
Nota-se uma contradição entre as respostas do gerente industrial. Primeiramente ele
afirma que a empresa utiliza pouco a LR, não trazendo nenhum resultado. Mas a seguir, ele
declara que a empresa Soja tem em algumas operações prejuízos e em outras é um grande
14

negócio ao praticar. Esta contradição se dá pelo fato que não há planejamento, implantação e
controle da LR.
A declaração do gerente de suprimentos contribui ainda mais para afirmar que a
empresa Soja obtém retorno financeiro e competitividade com a prática de LR, embora que
alguns processos na empresa já estejam sendo executados sem um projeto ideal e específico
que a empresa necessita. Entretanto, deve-se trabalhar para o aperfeiçoamento neste setor, se
quiser continuar sendo mais competitivo.

4.3 Logística Reversa e Responsabilidade Socioambiental

No tocante ao papel enquanto fator de Responsabilidade Socioambiental gerado pela


prática da LR, o gerente industrial respondeu que: “É uma forma de evolução nos processos,
que mesmo hoje sendo feito para cumprir legislação vigente, deveria ser uma pratica
incorporada pelos diversos setores da empresa, pois com certeza além de resultado financeiro,
tem outros resultados intangíveis que seriam atingidos”.
Há a necessidade da incorporação da LR, não somente ao setor de suprimentos, mas
também aos demais setores da empresa, com o pensamento de buscar resultados financeiros
como colaborar para o desenvolvimento social proporcionando ao mesmo tempo um equilíbrio
com o meio ambiente.
Como mencionado no estudo, é crescente a descartabilidade dos produtos de utilidade
após o primeiro uso, o que ocasiona grandes quantidades de excedentes, sendo que os mesmos
são descartados em aterros sanitários, rios, locais abandonados, tornando-os visíveis à
sociedade (GRUPO AMBITEC, 2011). Entretanto, a empresa Soja tem contribuído para dirimir
este problema, com a reutilização não somente dos produtos que servem como matéria-prima,
mas como adubo orgânico ou energia, entre outros produtos.
O gerente de suprimentos expõe exemplos importantíssimos de como a prática de LR
proporciona a Responsabilidade Socioambiental, afirmando que: “... a exemplo dos pallets
reutilizados evitamos derrubadas de novas árvores, com a devolução de embalagens a
fornecedores não a descartamos no meio ambiente, com a venda de sucata de ferro para
reciclagem e também o descarte correto de argilas e cinzas feito por empresas licenciadas
junto a FEPAM não causamos impactos negativos no meio ambiente”.
A empresa Soja, embora com um nível aquém da prática da LR, já está proporcionando
Responsabilidade Socioambiental. Essa preocupação da sociedade com a sensibilidade
ecológica está sendo suprida. Sendo assim, a imagem corporativa da empresa e de seus
negócios – principalmente no desenvolvimento de novos produtos ligados ao aspecto ecológico
– está cada vez mais protegidos por este investimento (CÉSAR, NETO, 2007).
Esta preocupação ecológica pode proporcionar modificações de projetos, buscando para
a empresa Soja o melhor reaproveitamento de seus produtos, gerando assim, uma melhor
eficiência na administração dos seus recursos de produção. A partir desta perspectiva, a
empresa terá a minimização de seus custos, garantindo certa competitividade (LEITE, 2003).

4.4 Sugestões propostas para a empresa

A empresa investigada permitiu delinear sugestões tanto para a reutilização dos bens de
pós-consumo como para a consolidação da empresa Soja frente ao contexto atual, as quais tem
como proposição a (a) criação de um projeto de viabilidade econômico financeiro sobre a LR,
assim como (b) o planejamento e estruturação da LR já existente na empresa (CÉSAR, NETO,
2007), a (c) inclusão da LR no planejamento estratégico da empresa, a (d) LR como política e
diretriz da empresa, o (e) aproveitamento dos canais de distribuição da Logística Direta. É de
fundamental importância realizar (f) um levantamento de todos os produtos que retornam ao
15

processo produtivo; o (g) estudo sobre outros produtos que não estão sendo reaproveitados ou
reciclados que podem retornar ao processo produtivo, a (h) disseminação da ideia dentro da
empresa, fazendo com que todos os níveis hierárquicos estejam cientes da importância do novo
projeto e que saibam do processo de LR. A realização de (i) Palestras para os colaboradores
sobre a importância da LR na empresa Soja, observar (j) a legislação ambiental vigente sobre o
assunto, para não ocorrer em infração e (l) mostrar à sociedade que a empresa está praticando a
Responsabilidade Socioambiental, divulgando seus projetos no site da empresa, televisão,
rádio, no próprio rótulo do produto vendido, para assim obter vantagem competitiva neste setor.
É importante que sociedade saiba o que a empresa está realizando neste aspecto. Em curto
prazo (aproximadamente 6 meses), para (m) a proposição do programa de LR para a empresa,
para dar início a um estudo elaborado, a fim de levantar os produtos que se enquadrariam no
programa bem como a comprovação da viabilidade do projeto, se para integralização pela
empresa ou terceirização do processo.
Conforme visto, sugere-se que a empresa Soja busca a implantação da LR e sua
especialização, para que haja uma articulação com a Logística Direta – sabendo que em partes
os seus fluxos são diferentes – utilizando os processos que são recíprocos para ambas (CÉSAR,
NETO, 2007), dirimindo assim, os custos dos investimentos neste setor, ampliando a eficiência
da LR bem como a melhora de seus serviços.
Analisar a política da LR dos bens de pós-consumo na empresa Soja, objetivo geral
deste estudo, realizou-se com o alcance dos objetivos específicos, apresentados no Quadro 4,
com os principais resultados encontrados:

Quadro 4: Objetivos e principais resultados da pesquisa.


Objetivos Principais Resultados
- Verificar a existência de política de
Logística Reversa dos bens de pós-
consumo da empresa a ser pesquisada;- A política de LR não é encontrada na empresa,
- Analisar em quanto pode ser não obstante os produtos que estão sendo
verificada tanto o retorno financeiro
reaproveitados e reciclados;
como a competitividade gerada pelo - Sem o planejamento da LR com os demais setores
reuso desses bens; da empresa, o retorno financeiro e a
competitividade da empresa ficam comprometidos,
- Verificar o papel da Logística assim como a responsabilidade ambiental.
Reversa enquanto fator de
Responsabilidade Socioambiental;

- Propor sugestões que visem tanto o


- Um planejamento da LR alinhado ao planejamento
reaproveitamento de bens pós-
estratégico e à estrutura organizacional da empresa,
consumo como a consolidação da
bem como dos projetos que ela realiza, aumentaria
empresa frente ao atual contexto
sua competitividade, forneceria a responsabilidade
econômico e social em que está
ambiental e melhoraria a qualidade dos produtos
inserida.
oferecidos pela empresa.

Fonte: Próprio autor: 2012.


16

Com o planejamento dos fluxos reversos, a empresa Soja ampliará a eficiência da LR,
agregando valor a seus produtos e serviços, contribuindo para aumentar a competitividade da
empresa, sempre observando que este retorno sempre se dá a médio e longo prazo.
A LR contribuiria com a redução dos custos dos insumos de produção (CHAVES,
BATALHA, 2006). Sendo bem executada, os canais de distribuição reversos trariam os
produtos que são descartados pela empresa Soja novamente ao processo produtivo.
Na condição da empresa Soja realizar uma estruturação específica de LR, entende-se
que a mesma irá melhorar a eficiência na administração dos recursos de produção, terminando
com a visão da LR como um centro de custo, sendo que na verdade, a LR bem planejada,
trabalha como redutor de custos para a organização.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este capítulo tem como finalidade responder à questão de pesquisa, bem como formular
algumas conclusões e recomendações para a prática gerencial da LR na empresa Soja, e a partir
desta estender suas proposições para as suas filiais, bem como aos estudos que venham a ser
realizados em relação a este tema.
A logística empresarial surgiu nos idos dos anos de 1844, com a ideia movimentação-
armazenagem. Entretanto, recentemente o conceito é mais amplo, sendo gestão coordenada de
atividades inter-relacionadas e da agregação de valor a produtos e serviços essenciais para a
satisfação do consumidor e o aumento das vendas.
A LR vem se destacando como a área da logística empresarial responsável por gerenciar
os aspectos de retorno à organização das embalagens, bens de pós-venda e de pós-consumo,
agregando-lhes valor de natureza econômica, ecológica, legal, logística, de imagem
corporativa, entre outras.
Conhecida como logística de retorno, a LR inicia no cliente usuário final e termina no
fornecedor – origem da matéria-prima – ou seu início pode se dar em qualquer instante da
cadeia produtiva e terminar também em qualquer nível desta mesma cadeia. Desta forma, a LR
tem seus canais de distribuição reversos e podem ser classificados como de pós-consumo e de
pós-venda. Esses canais de distribuição são responsáveis pelos produtos que se tornam
obsoletos, danificados, ou que não funcionam e devem retornar ao seu ponto de origem para
serem adequadamente descartados, reparados ou reaproveitados.
No ciclo de vida de um produto existem os custos de compra de matéria-prima, de
produção, de armazenagem e estocagem, incluindo outros custos que estão relacionados a todo
o gerenciamento do seu fluxo reverso. Esta abordagem sistêmica é fundamental para planejar a
utilização dos recursos logísticos de forma a contemplar todas as etapas do ciclo de vida dos
produtos.
Os resultados encontrados neste estudo confirmam a necessidade de um planejamento
de LR para que ocorra uma gestão eficiente desta, alinhado com as estratégias e a estrutura
organizacional da empresa Soja e dos projetos que ela realiza. Para além da organização, um
serviço de LR necessita de um modelo de gestão que possa auxiliar os clientes internos e
externos, proporcionando assim uma dinâmica das ações organizacionais.
Existem possibilidades de implantar um programa eficaz de LR na empresa Soja, pois a
prática da mesma já acontece, embora existam dificuldades e limites enfrentados. Deve,
sobretudo, haver cooperação dos colaboradores e da instituição no que concerne às
potencialidades do trabalho desenvolvido por estes. Esse entendimento entre ambos
proporcionará o alcance dos objetivos organizacionais.
Este estudo proporcionará o incentivo à pesquisa de novos estudos dentro da empresa
Soja, trazendo novos conhecimentos em áreas que ainda não foram exploradas, contribuindo
para alavancar novos nichos de mercado.
17

REFERÊNCIAS

BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da cadeia de suprimentos/logística empresarial. 5 ed.


Porto Alegre: Bookman, 2006.

BOWERSOX, Donald J, CLOSS, David J. Logística Empresarial. 8 ed. São Paulo: Atlas,
2010.

CÉSAR, Francisco Ignácio Giocondo; NETO, Mário Sacomano. Logística Reversa Integrada.
In. XXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção – XI International Conference
on Ind. Engineering and Operations Management. – ABPRO – Abr/2007.

CHAVES, Gisele de Lorena Diniz; BATALHA, Mário Otávio. Os consumidores valorizam a


coleta de embalagens recicláveis? Um estudo de caso da Logística reversa em uma rede de
hipermercados. São Carlos, SP, 2006. Engenharia de Produção – Departamento de Engenharia
de Produção, Universidade Federal de São Carlos - UFSCAR, São Carlos.

CHRISTOPHER, Martin. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos. 3 ed. São


Paulo: Pioneira, 2002.

CLM (Council of Logistics Management). Reuse and recycling reverse logistics opportunities.
Illinois, Council of Logistics Management, 1993, apud: Leite, Paulo Roberto. Logística
reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2003.

DORNIER, Philippe-Pierre, ERNST, Ricardo, FENDER, Michel, KOUVELIS, Panos.


Logística e operações globais. São Paulo, Atlas, 2000, apud, Leite, Paulo Roberto. Logística
reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2003.

FLEISCHMANN, M. Quantitative models for reverse logistics. Berlin: Springer, 2001, apud:
CÉSAR, Francisco Ignácio Giocondo; NETO, Mário Sacomano. Logística Reversa
Integrada. XXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produçãoi – XI International
Conference on Ind. Engineering and Operations Management. – ABPRO – Abr/2007.

Grupo AMBITEC. Sem Problemas com o Lixo. Revista Exame. Ed. 991, p. 107, Maio 2011.

LEITE, Paulo Roberto. Logística reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo:
Pearson Prentice Hall, 2003.

ROGERS, Dale S., TIBBEN-LEMBKE, Ronald S. Going backwards: reverse logistics trends
and practices. Reno, Universidade de Nevada, 1999, apud: Leite, Paulo Roberto. Logística
reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2003.

__________________ Going backwards: reverse logistics trends and practices. University


of Nevada. Reno: CLM, 1998, apud, CHAVES, Gisele de Lorena Diniz; BATALHA, Mário
Otávio. OS CONSUMIDORES VALORIZAM A COLETA DE EMBALAGENS
RECICLÁVEIS? UM ESTUDO DE CASO DA LOGÍSTICA REVERSA EM UMA
REDE DE HIPERMERCADOS. São Carlos, SP. Universidade Federal de São Carlos, 2006.

SOUZA, Marcelo José de. Eletroeletronicos bem destinados. Revista Exame, Ed. 991, p.108,
Maio 2011.
18

STOCK, James R. Reverse logistics programs. Council of Logistics Management, Illinois,


1998, apud: Leite, Paulo Roberto. Logística Reversa: meio ambiente e competitividade. São
Paulo: Pearson Prentice Hall, 2003.

TAVARES, Mauro Calixta. Gestão estratégica. 2ª Ed. São Paulo: Atlas, 2005.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 2ª Ed.


São Paulo: Atlas, 1998.
19

APÊNDICE

Apêndice I – Roteiro de entrevista com o Gerente de Suprimentos e o Gerente Industrial:

01. A empresa Soja possui uma política de Logística Reversa para seus bens de pós-consumo?

02. Esta política traz retorno financeiro e competitividade à empresa? De que forma?

03. A Logística Reversa possui um papel enquanto fator de Responsabilidade Socioambiental?

04. Quais as vantagens e desvantagens de trabalhar com a Logística Reversa?

05. Qual a importância que tem a Logística Reversa junto à cadeia de suprimentos em sua
empresa?

06. A integralização da Logística Reversa é uma diretriz da empresa?

07. Como a sua empresa trata a questão das informações de mercado referente à Logística
Reversa?

08. Como a empresa Soja entende o "peso" da Logística Reversa tanto para ela mesma, como
para a sociedade?