Você está na página 1de 12

NOVO MAIS EDUCAÇÃO

2017

LÍNGUA PORTUGUESA

Caderno
Ensino Fundamental 2
P0918
Nome do mediador(a)

Caro (a) Professor (a),


você está participando do Programa Novo Mais Educação como Mediador de Aprendizagem.
O seu trabalho é muito importante para o sucesso da aprendizagem dos estudantes. Por isso,
queremos conhecer um pouco sobre os seus conhecimentos em Língua Portuguesa.
Responda com calma, procurando não deixar nenhuma resposta em branco.
Bom teste!

NOVO MAIS EDUCAÇÃO

LP9EF
P0918

Leia o texto abaixo.

De bem com a vida

Filó, a joaninha, acordou cedo.


– Que lindo dia! Vou aproveitar para visitar minha tia. [...]
Filó colocou seu vestido amarelo de bolinhas pretas, passou batom cor-de-rosa, calçou
os sapatinhos de verniz, pegou o guarda-chuva preto e saiu pela floresta: plecht, plecht...
5 Andou, andou... e logo encontrou Loreta, a borboleta.
– Que lindo dia!
– E pra que esse guarda-chuva preto, Filó?
– É mesmo! – pensou a joaninha. E foi para casa deixar o guarda-chuva.
De volta à floresta:
10 – Sapatinhos de verniz? Que exagero! – disse o sapo Tatá. Hoje nem tem festa na floresta.
– É mesmo! – pensou a joaninha. E foi para casa trocar os sapatinhos.
De volta à floresta:
– Batom cor-de-rosa? Que esquisito! – disse Téo, o grilo falante.
– É mesmo! – disse a joaninha. E foi para casa tirar o batom.
15 – Vestido amarelo com bolinhas pretas? Que feio! Por que não usa o vermelho? – disse
a aranha Filomena.
– É mesmo! – pensou Filó.
E foi para casa trocar de vestido. Cansada de tanto ir e voltar, Filó resmungava pelo
caminho. O Sol estava tão quente que a joaninha resolveu desistir do passeio.
20 Chegando em casa, ligou para tia Matilde.
– Titia, vou deixar a visita para outro dia.
– O que aconteceu, Filó?
– Ah! Tia Matilde! Acordei cedo, me arrumei bem bonita e saí andando pela floresta.
Mas no caminho... 
25 – Lembre-se, Filozinha... gosto de você do jeitinho que você é. Venha amanhã, estarei
te esperando com um almoço bem gostoso. 
No dia seguinte, Filó acordou de bem com a vida. Colocou seu vestido amarelo de bolinhas
pretas, amarrou a fita na cabeça, passou batom cor-de-rosa, calçou seus sapatinhos de
verniz, pegou o guarda-chuva preto, saiu andando apressadinha pela floresta, plecht,
30 plecht, plecht... e só parou para descansar no colo gostoso da tia Matilde.
RIBEIRO, Nye. Disponível em: <http://migre.me/9WOSW>. Acesso em: 15 dez. 2011. Fragmento. (P050116E4_SUP)

01) (P050123E4) No trecho “Venha amanhã, estarei te esperando...” (ℓ. 25-26), a palavra em destaque indica
A) o lugar onde a tia da joaninha mora.
B) o modo como Filó irá se vestir para visitar a tia.
C) o momento em que a joaninha irá visitar sua tia.
D) o motivo pelo qual Filó resolveu visitar a tia.

02) (P050122E4) O trecho desse texto que apresenta uma opinião é:


A) “– Batom cor-de-rosa? Que esquisito!”. (ℓ. 13)
B) “E foi para casa trocar de vestido.”. (ℓ. 18)
C) “... Filó resmungava pelo caminho.”. (ℓ. 18-19)
D) “Venha amanhã, estarei te esperando...”. (ℓ. 25-26)

BL02P09
1
P0918

Leia o texto abaixo.

SOUSA, Maurício de. As melhores tiras – Cascão. São Paulo: Globo, 2006. (P050374ES_SUP)

03) (P050374ES) No segundo quadrinho, Cebolinha demonstra estar


A) entusiasmado.
B) pensativo.
C) satisfeito.
D) surpreso.
Leia o texto abaixo.
Muito antes do celular
Basta olhar com um pouquinho de atenção para o mundo à nossa volta e fica fácil
perceber: as tecnologias de comunicação estão cada vez mais presentes em nossas vidas.
Telefones celulares com mil e uma funções, internet rápida, tablets, conexão sem fio...
Enviar e receber informações é o que está por trás de todas essas invenções.
5 Cerca de 400 anos atrás, para uma mensagem sair de um lugar e chegar a outro, ela
precisava ser escrita em um papel, que era transportado por um mensageiro do lugar onde
a coisa aconteceu até o lugar onde estava a pessoa que seria informada sobre aquilo.
Uma das maiores invenções humanas, o sistema de correios – surgido na Inglaterra
no final do século 17 – permitiu dividir os custos de todas as mensagens trocadas, pois o
10 mesmo mensageiro podia entregar vários bilhetes. [...]
No mesmo século, a invenção dos jornais tornou possível receber informações sobre
muitas coisas diferentes, que haviam acontecido em lugares diversos. Todas eram
transmitidas ao mesmo tempo, graças a uma central (o jornal) que recebia cartas de
correspondentes em diversos lugares, o tempo todo.
15 Só que, apesar desses dois grandes avanços na forma como as informações podiam ser
compartilhadas, as mensagens ainda dependiam da velocidade dos meios de transporte
para chegar ao seu destinatário, fosse uma pessoa ou um jornal.
A saída inovadora e revolucionária para esse problema foi a invenção da telegrafia (tele
quer dizer “a distância”, e grafia significa “escrita”). Foram elaborados sistemas de semáforos
20 em que letras são formadas por bandeirolas dispostas de maneiras específicas. [...]
A partir do final do século 18, na França, foram instaladas “linhas” de semáforos, capazes
de transmitir mensagens ao longo de centenas de quilômetros. [...] Já em meados do século
19, a descoberta da indução eletromagnética permitiu ligar dois pontos muito distantes por
um fio condutor de eletricidade, dando origem à telegrafia por fio. [...]
25 Com o desenvolvimento desta tecnologia, foi possível deitar cabos no leito dos oceanos,
conectando todo o mundo através do telégrafo. E esse foi o ponto de partida para o
surgimento de meios de comunicação como telefone, rádio e TV. [...]
Disponível em: <http://chc.cienciahoje.uol.com.br/muito-antes-do-celular/>. Acesso em: 26 ago. 2013. Fragmento. (P090321F5_SUP)

04) (P090324F5) Nesse texto, no trecho “... que haviam acontecido...” (ℓ. 12), o termo destacado retoma
A) coisas diferentes.
B) grandes avanços.
C) invenções humanas.
D) mensagens trocadas. BL02P09
2
P0918

Leia o texto abaixo.

Os índios na atualidade
Alguns indígenas brasileiros ainda vivem isolados e sem contato com o homem branco,
mas boa parte deles está integrada à vida moderna

19 de abril é o Dia do Índio e, para comemorar a data, é comum que crianças pintem o
rosto e façam enfeites que imitam cocares para colocar na cabeça. Esses são dois costumes
conhecidos dos índios, mas eles têm muitos outros hábitos que estão se modificando ao
longo do tempo. Vários, como tomar banho todos os dias, nós herdamos desses povos,
5 assim como algumas palavras, como abacaxi e outras que dão nome a cidades por todo o
Brasil, como Anhembi, Itacarambi e Itabirito.
Hoje, são 230 povos e pelo menos a metade vive quase que exclusivamente das fontes
tradicionais (caça e pesca), como os Piripikura que vivem no Mato Grosso, enquanto outros
já sabem usar computador, falam português e até atuam como políticos. Como você pode
10 perceber, não dá para generalizar o modo de viver dos índios porque cada grupo vive de
um jeito. Muitas pessoas se lamentam por pensarem que os indígenas estão perdendo sua
cultura, por ficarem cada vez mais parecidos com os homens brancos. Mas os indígenas se
defendem e dizem que o modo de vida de toda sociedade se transforma com o passar do
tempo e, com eles, não poderia ser diferente.
Disponível em: <http://migre.me/rGg63>. Acesso em: 17 abr. 2013. (P050453E4_SUP)

05) (P050455E4) O assunto desse texto é


A) a comemoração do Dia do Índio.
B) a pintura escolar feita na infância.
C) o modo de vida dos índios hoje em dia.
D) o uso de computadores atualmente.

BL02P09
3
P0918

Leia o texto abaixo.

Formular perguntas sobre o cotidiano

Entender não significa apenas reconhecer o assunto, mas desenvolver uma relação
entre os seus saberes e as informações externas ao próprio assunto.
Ler o mundo, decifrá-lo e reconstruí-lo, é ideal para o desenvolvimento não só de
textos, mas também da vida. O ser humano deveria ter um olhar atento para o que o
5 rodeia, de forma a comparar, relacionar e inferir sobre suas leituras, filmes, papos entre
amigos, revistas de qualidade e trazer tudo isso para seu universo pessoal.
Infelizmente, a fase dos porquês ficou isolada em nossa infância e deixamos de indagar
sobre os mistérios da vida. Questionar é o início da aprendizagem. [...]
Se o mundo onde nos encontramos não nos dá respostas, procuramos em outros
10 mundos, em outros meios, mas, se nos calamos, tornamo-nos mudos intelectualmente.
Formular perguntas sobre os vários fatos de nosso cotidiano e buscar respostas
nas mais diversas fontes ideológicas, culturais e filosóficas é crucial, pois são essas
informações que irão fundamentar o texto.
Língua Portuguesa – Especial Redação. São Paulo: Editora Segmento, 2008. p. 43. (P090327A9_SUP)

06) (P090328A9) O autor usou a palavra “crucial” para dar a ideia de que a formulação de perguntas e a
busca de respostas são
A) indispensáveis.
B) invariáveis.
C) urgentes.
D) úteis.

07) (P090329A9) O autor desse texto defende a ideia


A) da busca de informações diariamente.
B) da necessidade de questionamento constante.
C) de atentar para o conhecimento que há nos filmes.
D) de discutir com amigos assuntos variados.

08) (P090331A9) De acordo com esse texto, depois da infância,


A) deixamos de fazer perguntas.
B) iniciamos nossa aprendizagem.
C) olhamos para o que nos rodeia.
D) reconhecemos muitos assuntos.

BL13P09
4
P0918

Leia o texto abaixo.

Um barato total

As palmas das mãos cobrem-se de suor, as faces ficam afogueadas. [...]


Todo mundo sabe o que é isso. O fogo que arde sem se ver, a ferida que dói e não se sente
(Camões), o sentimento que move o sol, como as estrelas (Dante), a força obscura e potente
que dissolve membros (Safo) ou que mexe com a minha cabeça e me deixa assim (Zezé di
Camargo e Luciano). É o amor. Louco, delicioso, tolo, embriagante amor, o princípio unificador do
cosmos, segundo os filósofos gregos, motor de todos os poetas, êxtase celestial e doce tormento
de todos os apaixonados, alegria de todos os comerciantes nesse Dia dos Namorados. Ou era,
até que os cientistas resolvessem prestar atenção num sentimento tão poderoso e, diziam, tão
negligenciado pelos estudos do comportamento humano. Daí eles descobriram: a dopamina, a
norepirefrina e, principalmente, a feniletilemina em ação.
Veja. 22 abr. 1994, p. 88. (P090027PE_SUP)

09) (P090029PE) Esse texto trata, principalmente,


A) da atenção dada ao amor pelos cientistas.
B) da descoberta de antídotos para curar o amor.
C) dos autores que falaram sobre o amor.
D) dos efeitos do amor sobre as pessoas.

10) (P090027PE) Esse texto apresenta uma marca do registro informal da língua – a gíria – no fragmento:
A) “Um barato total”.
B) “... as faces ficam afogueadas.”.
C) “Todo mundo sabe o que é isso.”.
D) “Louco, delicioso, tolo, embriagante amor,...”.

BL13P09
5
P0918

Leia os textos abaixo.

Texto 1 Texto 2
Constituição da República Federativa do Comida
Brasil de 1988 – Dos Direitos Sociais –
Capítulo II. Bebida é água.
Comida é pasto.
“Art. 6º – São direitos sociais a educação, Você tem sede de quê?
a saúde, o trabalho, o lazer, a segurança, a Você tem fome de quê?
previdência social, a proteção à maternidade A gente não quer só comida
e à infância, a assistência aos desamparados A gente quer comida, diversão e arte.
na forma desta Constituição.” A gente não quer só comida
A gente quer saída para qualquer parte
A gente não quer só comida
A gente quer bebida, diversão, balé.
A gente não quer só comida.
A gente quer a vida, como a vida quer.
Bebida é água.
Comida é pasto.
Você tem sede de quê?
Você tem fome de quê?
A gente não quer só comer [...]
A gente quer prazer para aliviar a dor.
A gente não quer só dinheiro
A gente quer dinheiro e felicidade
A gente não quer só dinheiro
A gente quer inteiro e não pela metade.

ANTUNES, Arnaldo; FROMER, Marcelo; BRITO, Sérgio. In: MONTE,


Marisa. Marisa Monte. EMI-Odeon Brasil, 1.989. 1 CD. Fragmento.
(P090061PE_SUP)

11) (P090061PE) Quanto ao universo temático, pode-se afirmar que ambos os textos abordam questões
sociais relativas
A) à desigualdade.
B) aos direitos.
C) aos deveres.
D) às reivindicações.

BL14P09
6
P0918

Leia o texto abaixo.

Torquato Cândido Portinari (1.903 – 1.962)

Foi um dos maiores pintores brasileiros. Nasceu na cidade de Brodósqui, interior do Estado de
São Paulo. Pintou obras de todos os gêneros, desde retratos cheios de refinamento e espiritualidade
até murais sobre temas históricos e sociais. Retratou com perfeição a problemática da pobreza,
o drama dos marginalizados e dos abandonados pela miséria. Além de várias ilustrações para
obras de escritores nacionais, pintou murais para o Ministério da Educação e Saúde, no Rio de
Janeiro, e o monumento Rodoviário da Via Dutra. É considerado o maior pintor brasileiro.
Rio Grande do Sul: Edelbra, v. 4, p. 69. (P091036ES_SUP)

12) (P091039ES) No trecho “... sobre temas históricos e sociais.”, a palavra destacada indica
A) adição de ideias.
B) alternância de ideias.
C) conclusão da frase.
D) explicação do fato.

13) (P091038ES) O trecho desse texto que expressa uma opinião é


A) “Nasceu na cidade de Brodósqui,...”.
B) “Pintou obras de todos os gêneros,...”.
C) “Retratou com perfeição a problemática da pobreza,...”.
D) “... pintou murais para o Ministério da Educação e Saúde,...”.

14) (P091037ES) Esse texto foi escrito para


A) abordar os aspectos artísticos de Cândido Portinari.
B) descrever os lugares pintados por Portinari.
C) opinar sobre a vida problemática de Cândido Portinari.
D) refletir sobre a crítica social feita por Portinari.

Leia o texto abaixo.

Universidade Monstros

Mike Wazowski (Billy Crystal) e James P. Sullivan (John Goodman) são uma dupla inseparável
em Monstros S.A., mas nem sempre foi assim. Quando se conheceram na universidade, os
dois jovens monstros se detestavam, com Mike sendo um sujeito estudioso, mas não muito
assustador, e Sulley surgindo como o cara popular e arrogante, graças ao talento inerente para o
susto. Após um incidente durante um teste, os dois são obrigados a participar da mesma equipe
na olimpíada dos sustos. A equipe, por sinal, é formada por uma série de monstros desajustados,
para o desespero de Sulley, acostumado a conviver com os caras mais populares da escola.
Disponível em: <http://migre.me/fVsoR>. Acesso em: 2 set. 2013. (P090148F5_SUP)

15) (P090148F5) Nesse texto, um exemplo de linguagem informal é:


A) “... os dois jovens monstros se detestavam,...”.
B) “... um sujeito estudioso, mas não muito assustador,...”.
C) “... graças ao talento inerente para o susto.”.
D) “... conviver com os caras mais populares da escola.”.

BL14P09
7
P0918

Leia o texto abaixo.

O que é febre?

A febre é uma reação do organismo para avisar que ele não está funcionando normalmente.
A febre, por si só, não é uma doença, é um sintoma. Ela se manifesta através do aumento da
temperatura do corpo e representa uma resposta organizada a uma doença.
Temperaturas acima de 37,5 ºC podem ser consideradas febre. Para alguns médicos, apenas
temperaturas acima de 38 ºC ou mais são consideradas febre.
É importante saber que pode haver pequenas variações na temperatura de uma criança.
Dependendo da temperatura ambiente e das atividades que estejam sendo realizadas, isso pode
ser considerado normal.
O que é febre? Manual Araújo de saúde infantil. Drogaria Araújo, s/d. (P050043B1_SUP)

16) (P050043B1) O assunto desse texto é


A) a medicação indicada para os casos de febre alta.
B) a temperatura do corpo como sintoma de doença.
C) as atividades realizadas que podem provocar febre.
D) as doenças infantis que podem provocar uma febre.

Leia o texto abaixo.

A última vez

Pela última vez, Martinho desejava olhar ainda o campo de futebol dos maiores e a mata que
começava depois do muro de barro. O território meio selvagem que ia até o riacho. Já se despedira
dos colegas quando terminaram as aulas e ainda a pouco deixara o último adeus aos alunos que
não tinham ido para casa passar as férias. Com a superioridade que lhe davam os seus dezoito
anos e o curso acabado, via o grupo de crilas, como eram chamados os meninos mais novos que
se preparavam para o exame de admissão. Havia nos seus olhos também um certo carinho para
aqueles crilas assanhados como um bando de pardais ao entardecer. Teve vontade de contar-lhes
um pouco da vida que encontrariam naquele mundo novo que era o colégio, mas se calou, não
queria atrapalhar o prazer das descobertas ou da dor das experiências novas. Depois, seria inútil
qualquer conselho, cada um tinha a sua própria visão da vida, cada um sofria à sua maneira, cada
um no seu mundo. O menino divagava, era uma boia solta naquele mar de tarde.
DOURADO, Autran. In: Antologia de Contos brasileiros. SALES, Herberto (Org). São Paulo: Ediouro, 2002. p. 15. Fragmento. (P08338SI_SUP)

17) (P08340SI) Martinho dá um último adeus aos colegas, porque


A) acabara o curso.
B) daria conselhos.
C) entraria na mata.
D) veria o riacho.

18) (P08338SI) No trecho “O menino divagava, era uma boia solta naquele mar de tarde.”, a expressão
destacada foi empregada para indicar que o menino
A) era uma boia.
B) parecia perdido.
C) flutuava no pátio.
D) estava no mar.
BL07P09
8
P0918

Leia o texto abaixo.

A GAZETA Vitória (ES), quarta-feira, 03 Nov. 2010, caderno 2. p.4. (P090432ES_SUP)

19) (P090435ES) O efeito de humor desse texto está


A) na animação do carteiro ao entregar a carta.
B) na insatisfação da mãe ao ler a carta do filho.
C) no fato de o filho ter enviado mais uma carta.
D) no intento do filho ao mandar a carta.

Leia o texto abaixo.

Belo Horizonte, 08 de agosto de 2007.

Ana Carla:

Que saudades!!!
Há quanto tempo não nos vemos... Fiquei muito feliz com seu telefonema na semana
5 passada!!! Você se mostrou radiante por estar lecionando para crianças do primeiro ciclo!!!
Tenho certeza de que seus alunos também devem adorar seu jeito meigo de ser.
Pensando em você e nos seus alunos, envio junto com esta carta um livro. É um
presente. Gostaria que lesse O curumim que virou gigante, de Joel Rufino dos Santos. As
ilustrações, de Lúcia Lacourt, enriquecem o texto e são simplesmente maravilhosas!!! Que
10 livro sensível!!!
É uma lenda. Com uma narrativa leve, explica-se o surgimento do Corcovado no Rio de
Janeiro. O Curumim que virou gigante nos fala do desejo do indiozinho Turamã de ter uma
irmã. E de tanto querer, ele passa a viver como se realmente tivesse uma irmã. Em tudo o
que faz, ele se lembra dela e traz presentes para agradá-la. Até que um dia, acontece algo
15 que faz Turamã sair de sua aldeia mundo afora... O final é surpreendente.
Espero que você goste do livro e o use em suas aulas com as crianças.
Com carinho,
Luciana Cassimiro
Livros e cartas como um presente. Kit de literatura afro-brasileira. 2007, p. 116. (P050249A9_SUP)

20) (P050251A9) No trecho “Espero que você goste do livro...” ( . 16), a palavra destacada substitui o nome
A) Ana Carla.
B) Lúcia Lacourt.
C) Turamã.
D) Luciana Cassimiro. BL07P09
9