Você está na página 1de 87

https://www.google.com.br/?

gws_rd=ssl#q=exemplo+m%C3%BAsica+
modo+grego&safe=active

Gostaria de saber a definicao e as diferencas entre o sistema


modal e o tonal. (Anônimo, via formspring.me)
Existiram alguns tipos de sistemas modais diferentes ao longo de
toda a história da música. Entre os mais conhecidos estão o
sistema dos modos gregos, que foram organizados ainda na
Grécia antiga, e os modos eclesiásticos ou litúrgicos, que foram
organizados pelo Papa Gregório I no séc. VI. Todos os sistemas
modais são formado por apenas uma escala que pode ser tocada
ou cantada de diversas maneiras (modos).
Os modos litúrgicos, por exemplo, eram maneiras diferentes de se
cantar a escala Natural (Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si e Dó). Ao fazer
uma melodia que utilizasse a nota Ré como fundamental (o nome
usado na época era finalis), essa seria uma melodia Dórica, se a
fundamental fosse Mi a melodia era Frígia e assim por diante.
Dessa forma é errado pensar em um modo como uma escala, um
modo na verdade é uma maneira de se tocar ou cantar com uma
escala.
Os sistemas modais são considerados sistemas “fechados” pois as
melodias são feitas sempre com as mesmas notas de uma escala,
alterando a fundamental de um modo para o outro. Por isso
alguns autores consideram as músicas folcóricas com
pentatônicas como modais, pois são compostas sempre com as
mesmas 5 notas. Daí você poderá pensar em sistemas modais
sobre as escalas hexafônicas, octatônicas, etc… No entanto,
apesar de serem fechados, esses sistemas modais não são de
modos gregos ou litúrgicos.
O sistema tonal foi uma espécie de condensação dos modos
litúrgicos em dois modos: o Maior e o Menor. Isso quer dizer que
a dissolução do sistema dos modos litúrgicos deu origem ao
sistema tonal no séc XVII. Nesse sistema uma nota e um acorde
terão papel principal, e daí serão produzidos uma escala (maior
ou menor). A tonalidade é formada por todos os acordes possíveis
montados com essa escala e cada um desses acordes passa a ter
uma função (Tônica, Dominante ou Subdominante). A tonalidade
pode ser transposta para qualquer nota e com isso temos diversas
tonalidades maiores e menores.
Como uma escala no sitema tonal é formada por sete dos doze
sons possíveis dentro de uma oitava, por vezes outros sons podem
entrar em melodias e acordes (como nas dominantes secundárias
por exemplo). Isso quer dizer que mesmo em uma música em Dó
Maior podem acontecer alguns sons alterados (sustenidos e
bemóis) em melodias ou acordes, e por isso o sistema tonal é
considerado um sistema “aberto”.

Modal é toda vez que muda acorde muda escala! Por exemplo C7M
solo C jonio, mudou pra Dm7 muda pra D eólio, G7 muda pra G
mixolídio, é muito mais difícil, dependendo do acorde caracteristico
você muda o modo!
Quando gira só em torno de um tom é tonal
O nome correto é Power Chords. Se você manter uma base com Power
chord em C, você pode solar em qlq modo menos lócrio!

Se a base for E/ A /B /E. : sonoridade Jônica - escala E Jonica


Se a base for F#m / B/ F#m / B - tom de E, sonoridade Dórica - F#
Dorico
Se a base for. G#m / A / G#m / A - tom de E, sonoridade frigia - G#m
Frigio
Etc....
Experimenta gravar uma base G#m / A /G#m / A e solar G#m Frigio e
vê como soa bonito!
http://forum.cifraclub.com.br/forum/3/72393/p17

Aí eu sempre procurei por isso nesse fórum e nunca achei, agora q


descobri to passando pra vcs.

isso aki todo mundo ja sabe:


C jonio dó ré mi fá sol lá si
D dórico ré mi fá sol lá si dó ré
E frigio mi fa sol la si dó ré mi
F lídio fá sol lá si dó ré mi fá
G mixolídio sol lá si dó ré mi fá sol
A eólio lá si do ré mi fá sol la
B lócrio si dó ré mi fá sol la si

Taí, usando essas escalas vc pode improvisar perfeitamente em uma


música em dó.

Agora sobre que acorde vamos aplicar as escalas... heheh aí que ta o


misterio da coisa.

O c jonio pode ser aplicada sobre os acordes C, C7M, C6, C6(9),


C7M(13), Csus4.

O D dorico pode ser aplicado sobre esses acordes Dm, Dm7, Dm6,
Dm11, Dm13, Dm6(9)

O E frigio pode ser usado sobre os seguintes acordes Em, Em7, Em11,
Em(b9)

O F Lidio pode ser usado sobre os seguintes acordes F, F7M, F6,


F7M(#11), F7M(13), F6(9)
O G mixolidio pode ser usado sobre os seguintes acordes G, G7, G6,
G7(9), Gsus7(4), G7(11)

O A eolio pode ser usado sobre os seguintes acordes Am, Am7, Am7(9),
Am7(#5),Am7(11), Am(add9), Am11

O B lócrio pode ser usado sobre os seguintes acordes Bdim, Bm7(b5),


Bm11

Exemplo de uma progressão:


C7M - C7(9) - F7M - Fm7(acorde de emprestimo modal)

Sobre C7M pode ser usada a escala o C jonio


Sobre C7(9) pode ser usada a escala C mixolidio
Sobre o acorde de F7M pode ser usadaa escala de F Lidio
e sobre o acorde de Fm7 pode ser usada a escala F dórico.

estudem isso tirem suas próprias conclusões e depois transportem


para outras tonalidades.

Bom dia!!!

Junior GuitarSP
É uma progressao com 4 acordes, quando estiver no A eu faço o modo
Jonio, no Bm o dorico e no E o mixolidio ??? É isso???
Para o nosso caso, por enquanto não é isso.

Se for isso, eu nao notei nenhuma diferença no clima da musica....


O motivo pra não sentir diferença no clima dos Modos é que vc mudou
também os acordes. É mais ou menos quando vc muda uma fração. Ex:
1/2 - 2/4 - 3/6. Mudou? Sim. Sentiu diferença? Não. Por que? Porque
quando vc mudou um número, mudou o outro também. O "clima"
ficou o mesmo...

Para o nosso caso, vc pulou algumas fases.


Vamos lá:
Primeiro: Escolha um acorde dentro da progressão pra solar e não a
progressão inteira.
O acorde será A? Então agora vamos para o passo-a-passo:
1 - Em que CH Maior encontraremos o acorde A?
R - Nos CH de A, D e E
2 - Em que Graus, dentro dos CH acima, aparece o acorde A?
R - I, V e IV
3 - Que Modos correspondem a estes Graus?
R - Jonio, Mixolídio e Lídio
4 - Então, quando a Base estiver tocando o acorde A, vc pode tocar
qualquer um destes Modos. Experimente tocar todos eles em cima DO
MESMO ACORDE e depois veja se não há diferença no clima de cada
um deles...
Valeu!!!

C7M - C7(9) - F7M - Fm7(acorde de emprestimo modal)

Sobre C7M pode ser usada a escala o C jonio


Sobre C7(9) pode ser usada a escala C mixolidio

Sobre o acorde de F7M pode ser usadaa escala de F Lidio


Aqui se tocar a escala de C jonio vc está fazendo lídio saindo da 5ª
nota. prático e nao precisa pensar em "outra escala", continua no C.

e sobre o acorde de Fm7 pode ser usada a escala F dórico.


Aqui mesmo raciocinio, Toca o C eolio, vai está fazendo F dórico saindo
da 5ª nota também.

é interessante tb fazer a troca das escalas usando a mesma tonica,


ajuda na visualização.

por exemplo se pintar um Ab


toca o C eolio.
estará fazendo o Ab lídio saindo da 3ª nota.

veja a relaçao das notas e dos modos envolvidos juntamente com a


harmonia que está rolando.
quanto menos saltos, mais fluente é o solo e mais natual soará.

Vejamos:
Escala de G Maior:

Se tu tocar G, C , D, G => Escala G Jônio


Se tu tocar Am , D, Am , D => Escala A Dórica
Se tu tocar Bm - C, Bm , C => B Frígio
Se tu tocar C, D, C, D => C Lídio
Se tu tocar D, Am , D, Am => D Mixo
Se tu tocar Em C D Em = > E Eólio

Se você reparar bem, todos os acordes são da escala de G maior e


todas as escalas são G Jônio, A Dórico, B frígio, etc.

Agora por exemplo, se tu não quiser tocar o óbvio, numa progressão


C,Am ,G, C ela pode ser interpretada de 2 maneiras = 2 escalas
Escala de C maior = C jônio
Escala de G maior= C lídio

E mais:
Se tu fizer uma base power-chord por exemplo:

C5 - D5 - Posso interpretar isso de muitas formas:


C-Dm - Escala Maior de C (C Jônio)
C - D - Escala Maior de G (C lídio)
Cm - Dm - Escala Menor Natural, Melodica , Harmônica de C

Essa é a lógica dos Modos Gregos

http://www.helenos.com.br/Home/artigos/exemplos-de-musicas-
com-os-modos-gregos-e-quando-utiliza-los
Exemplos de músicas com os modos gregos e quando utilizá-los
pesquisa e comentários por Alexandra Nikaios

Modo Frígio: 'Wherever I May Roam' e a transição de 'Creeping Death'


(Metallica), 'Trust' e 'Symphony of Destruction' (Megadeth), 'Hunter'
(Björk), 'Remember Tomorrow' (Iron Maiden), 'Sullen Girl' (Fiona
Apple), 'Phrygian Gates' (John Adams), 'Would?' (Alice in Chains),
'Calling to You' (Robert Plant), 'For the Love of God' (Steve Vai),
'Deeper Underground' (Jamiroquai), 'Not to Touch the Earth' (The
Doors), 'Once' (Pearl Jam), 'In the Name of God' (Dream Theater), 'If U
Seek Amy' (Britney Spears). --> Principalmente nos festivais e cultos
ligados a Cibele/Réia. Tenho a impressão de que os cultos a Hermes
poderiam ser colocados aqui também.

Modo Dórico: início de 'Wave' (Tom Jobim), 'Eleanor Rigby' (Beatles),


'Milestones' e 'So What' (Miles Davis), 'The End' (The Doors), 'Smoke
on the water' (Deep Purple). --> Nos festivais pan-helênicos, como os
jogos ístmicos em Corinto, os jogos de Neméia na Argólia, os jogos
pítios em Delfos e nos Jogos Olímpicos. Também no culto a Deméter.

Modo Lídio: 'Answers' e 'The Riddle' (Steve Vai), início de 'Overture


1928' (Dream Theater), 'Freewill' (Rush), estrofes de 'Man on the Moon'
(R.E.M.), 'Blue Jay Way' (The Beatles, mais especificamente como
George Harrison tocou na Magical Mistery Tour), introdução de
guitarra no 'Dancing Days' (Led Zeppelin), 'Flying in a Blue Dream'
(Joe Satriani), 'Beyond the Boundaries' (Jimmy Cliff), 'Unravel' (Björk),
'Follow my way' (Chris Cornell), 'Arcane Lifeforce Mysteria' (Dimmu
Borgir), 'Little Red Corvette' (Prince), 'Every Little Thing She Does is
Magic' (The Police), 'All I Need' (Radiohead), maioria dos solos de
guitarra das músicas mais recentes de Frank Zappa, tema dos Jetsons,
início do tema dos Simpsons. --> Cultos a Baco/Dionísio, a Héracles, a
Afrodite, a Ártemis, e os festivais de Tebas.

Modo Mixolídio: blues de tom maior, como 'Scuttle Buttin' e 'Pride and
Joy' (Steve Ray Vaughan), 'Norwegian Wood' (Beatles), 'The Visitors'
(ABBA), 'Satisfaction' (The Rolling Stones), 'Drinking in L.A.' (Bran
Van 3000). --> Dizem que este modo foi inventado por Safo, então
convém associá-lo a Afrodite e Eros.

Modo Eólio: 'Fear of the dark', 'Hallowed be thy name', 'Running Free'
e 'Still Life' (Iron Maiden), 'Achilles Last Stand' (Led Zeppelin). -->
Cultos a Apolo, Ártemis, Atena, Hefesto, festivais da Beócia, de Lesbos
e de outras colônias gregas na Ásia menor. Odisseu esteve na ilha de
Eólo, que lhe proveu com Zéfiro (vento oeste).

Modo Lócrio: primeira parte de 'Painkiller' (Judas Priest), 'Symptom of


the Universe' (Black Sabbath), começo de 'YYZ' (Rush), parte principal
de 'Painkiller' (Judas Priest), refrão de 'Our Truth' (Lacuna Coil). -->
Culto a Perséfone e aos heróis da guerra de Tróia, festivais da Magna
Grécia e de Amphissa.

Modo Jônio: 'Let It Be' (Beatles), primeira parte do 'Always With Me,
Always With You' (Satriani). --> Culto a Zeus, Hera, Atena, e os
demais festivais mais populares.

~ Agora você pode criar sua "playlist" para cada cerimônia. ~


Pessoal já vi em vários cantos muita gente falando sobre improvisação
modal e tonal , que cai muito sobre modos gregos . Existe um Livro
sobre modos gregos muito interessante e eu o postarei no final do
tópico . Vamos então primeiramente falar dos modos Gregos .

Uma parte que eu achei muito interessante nesse livro foi sobre a
Aplicação dos modos gregos na Progressão ( base ) :

Aplicação do Modos Gregos:

Para aplicarmos os modos gregos na construção de solos ou na


improvisação dos mesmos,
vamos inicialmente ver em cima de qual base iremos trabalhar, e
depois ver quais modos se
adéquam a essa base e qual a intenção que vamos aplicar.
EX: Sabemos que a base no momento é um Dó Maior com a 7ªMaior,
ou seja, as notas
tocadas no momento são Dó, Mi, Sol e Si. Como a Tônica do trecho é
Dó, vamos trabalhar com
um modo em cima de Dó, entretanto não pode ser qualquer modo, o
modo que formos colocar
sobre esta base deverá possuir todas as notas da base (Dó,Mi,Sol e Si).
Os únicos Modos em
Dó que possuem essas notas são os Modos Dó Jônio (Dó,Ré, Mi, Fá,
Sol, Lá , Si) e Dó
Lídio,(Dó, Ré, Mi, Fa#, Sol, Lá, Si). Logo, neste trecho deverá ser
escolhido se a intenção a
ser utilizada será uma intenção Jônio ou uma intenção Lídio. Caso
escolha Lídio , lembresse que você estará no CH de G maior .
Caso você queira compor uma música utilizando os modos, é
necessário saber que os modos
sempre sugerem uma tétrade, por exemplo, o modo Frígio é um modo
que sugere a tétrade
menor com a sétima menor. Então caso você queria compor uma
melodia Frígio, e quiser
aplicar uma harmonia em tétrade, deverá utilizar uma tétrade menor
com a sétima menor. Se
você utilizar uma Base com a terça maior, ou com a sétima Maior, não
será possível a
utilização do modo Frigio, vamos exemplificar o por que:
Notas do Mi Frígio: Mi, Fá, Sol, Lá, Si, Dó, Ré.
Notas do Mi menor com a Sétima Menor: Mi, Sol, Si, Ré
Repare que todas as notas da harmonia menor com a sétima menor
estão contidas no modo
Frígio, por isso a compatibilidade do modo com esta base. Agora
Observem um acorde Maior
com a sétima maior:
Nota do Mi Frígio: Mi, Fá, Sol, Lá, Si, Dó, Ré.
Notas do Mi maior com a Sétima Maior: Mi, Sol#, Si, Ré#
O Sol# e o Re# não pertencem ao modo Mi Frígio, portanto, não
poderia ser aplicado o modo
Frígio em cima desta base.
Adiante vamos explicar a intenção de cada modo e também as bases
possíveis para a
aplicação de cada modo.

Link do Livro - Nautilus entendendo os modos Gregos :


http://www.4shared.com/office/vthihiM_/Nautilus__modos_gregos.ht
ml

Se quiserem falarem de modos gregos mais um pouco para chegarmos


na improvisação TONAL fiquem à vontade :D

Aquele material que você postou fala bem sobre isso!


Já escutou isso aqui?
É lidio puro, até o propio Satriani fala , se vc entender um pouco de
ingLes perceberá!
It´s pure modal !
http://www.youtube.com/watch?v=Y64z0hJzQ-M

E essa aula dele aqui:


http://www.youtube.com/watch?v=jE0qLKHnflo

ele fala de todas as sonoridas, é melhor escutar do que escrever

Mas ai vem a duvida , Se eu estiver tocando um F lídio , nn será a


mesma coisa de tocar um do jonio ? qual sonoridade saira ? jonio ou
lidio ?
Cara eu também tinha esta duvida, mas perceba que agora quem
'manda" na escala(no caso citado por vc) não é mais o Dó, e sim o Fá,
logo todas as notas estarão subordinadas ao Fá, consequentemente os
acordes também. Um bom exemplo é o modo mixolidio, que é bem
conhecido, aquele usado muito no baião, no exemplo de "asa branca",
vamos colocar no tom de Dó mixolidio, é como se musica estivesse em
Dó maior e com uma nota alterada, ou seja, continua em Dó, porem
com aquela sonoridade da setima menor ali soando todo o tempo e
dando aquela diferença, e com certeza da pra ver que a tonalidade
claramente não é o Fá maior, apesar de ter as mesmas notas, pois toda
a harmonia está girando em torno do Dó e não do Fá, que de certa
maneira se torna um "coadjuvante". rçrç

cara depende do que você está querendo dizer com isto. No blues
acontece o seguinte quando se tem aquela harmonia I7 IV7 V7, você
pode usar uma penta m7, ou uma penta m7 com blue note, este é um
exemplo bem esdrúxulo, mas rola.. isso é caracteristica do blues, é
mais uma vez um assunto de sonoridades, mas não vou aprofundar..
Cara nada na musica é proibido, já vi até o Randy rhoads usar uma
escala menor bem encima de um acorde maior(terça menor encima de
terça maior), e não chocou. Mas nem sempre rola..

Não tem regra, mas dificilmente uma harmonia encima de um D jonio


por exemplo, vai casar com um D eolio.(exemplo grotesco pra ficar
bem na cara) Pois entre um modo maior e um menor se forem
comparados tem intervalos muito tensos entre si, por exemplo um Dó
menor(EÓLIO) e um Dó maior(JONIO):

M-CDEFGABC
m - C D Eb F G Ab Bb C

A no maior temos como terça: E , no menor: Eb; estas duas notas


formam entre si um intrvalo de segunda menor, um intervalo muito
tenso, toque-as juntas e veja, agora imagine isso em uma musica, estes
intervalos tensos rolando no meio de uma musica, exemplo:

Tu toca um acorde de C7M

e toca uma melodia na escala de Dó eolio perceba o choque de notas..

G Bm C D
Harmonia tonal, mas nada impede de usar outras escalas, desde que se
adequem no contexto. No casso você poderia simplesmente usar a
escala de G maior(jonio) e sair tocando, seria mais pratico e você ia ter
uma sonoridade legal que nao ia chocar, poderia também pensar por
acordes, no caso teria inumeras opçoes, enquanto tava rolando o G
você poderia usar a penta maior do dominante, a penta da dominante
da dominante, .. usar o Bm eolio enquanto rolava o Bm, fora os
arpejos, etc etc.. Só que as vezes fazendo isto em uma harmonia tão
simples o solo pode ficar muito tenso e pode ser que não fique legal...
MODOS GREGOS :

Cara com esse livro vc vai entender bastante sobre a aplicação e a


teoria dos modos Gregos :

http://www.4shared.com/office/vthihiM_/Nautilus__modos_gregos.ht
ml

Também tem uns videos muito bons de Modos Gregos :


https://www.youtube.com/watch?v=-cGQD_3oa8g

https://www.youtube.com/watch?v=3ibGDo30NUA

Tbm tem vários tópicos Interessantes sobre Modos Gregos Aki no FCC :

Sobre Modos Gregos


http://forum.cifraclub.com.br/forum/3/15616/p4#8597447

Pequeno tutorial sobre os Modos Gregos (Teoria x Prática)


http://forum.cifraclub.com.br/forum/3/196149/p2

Dicas e BTs para Estudo de Modos Gregos


http://forum.cifraclub.com.br/forum/3/285937/

【FIXO】 Harmonia Modal-Preceitos Basicos


http://forum.cifraclub.com.br/forum/2/89320/

Campo Harmônico e Harmonização: Tópico Oficial


http://forum.cifraclub.com.br/forum/3/72393/p17

Aplicação dos modos gregos (Pra galera q gosta)


http://forum.cifraclub.com.br/forum/3/115778/p1

Improvisação Tonal e Modal [MODOS GREGOS]


http://forum.cifraclub.com.br/forum/3/299596/

tbm tem alguns links fora do fórum mt bons tbm :

http://whiplash.net/materias/guitarshred/000598.html

http://whiplash.net/materias/guitarshred/000628.html

http://whiplash.net/materias/guitarshred/000778.html

http://www.cifraclub.com.br/aprenda/cursos/12-violao/w-curso-de-
violao --guitarra-p8.html

ESCALA PENTATÔNICA :

Sobre pentatônica tem alguns videos mt bons :

http://www.youtube.com/watch?v=6ZEwcHrFMgY

http://www.youtube.com/watch?v=ek0phEKndbU

acho q so com os videos tu ja vai saber bastante .

ARPEGGIOS :

Videos :

https://www.youtube.com/watch?v=E8BMm7Xg1gc

https://www.youtube.com/watch?v=ViAwADwG7Ok

https://www.youtube.com/watch?v=zxh5RfTe49g
Topicos : http://forum.cifraclub.com.br/forum/3/2769/

http://forum.cifraclub.com.br/forum/3/70108/

http://forum.cifraclub.com.br/forum/3/95834/

Sites : http://riffsesolos.blogspot.com.br/2007/04/exerccio-
arpejos.html

E PARA CONCLUIR , VIDEOS SOBRE A APLICAÇÃO DE TUDO QUE FOI


FALADO ACIMA . [MUITO IMPORTANTE MESMO] :

APLICAÇÃO DE ARPEGGIOS , ESCALAS PENTATÔNICAS E MODOS


GREGOS NA GUITARRA :

https://www.youtube.com/watch?v=mG0tbMXl7yw

https://www.youtube.com/watch?v=LWVTuRtpvEk

https://www.youtube.com/watch?v=avoPmtQYSJk <<< IMPORTANTE !


<<<<

Espero ter Ajudado . Cordialmente , bielcamboim

bielcamboim
Vejamos:
Escala de G Maior:

Se tu tocar G, C , D, G => Escala G Jônio


Se tu tocar Am , D, Am , D => Escala A Dórica
Se tu tocar Bm - C, Bm , C => B Frígio
Se tu tocar C, D, C, D => C Lídio
Se tu tocar D, Am , D, Am => D Mixo
Se tu tocar Em C D Em = > E Eólio

Se você reparar bem, todos os acordes são da escala de G maior e


todas as escalas são G Jônio, A Dórico, B frígio, etc.

Agora por exemplo, se tu não quiser tocar o óbvio, numa progressão


C,Am ,G, C ela pode ser interpretada de 2 maneiras = 2 escalas
Escala de C maior = C jônio
Escala de G maior= C lídio

E mais:
Se tu fizer uma base power-chord por exemplo:

C5 - D5 - Posso interpretar isso de muitas formas:

C-Dm - Escala Maior de C (C Jônio)


C - D - Escala Maior de G (C lídio)
Cm - Dm - Escala Menor Natural, Melodica , Harmônica de C

Essa é a lógica dos Modos Gregos


explicação básica de modos gregos.

Temos uma escala maior. C por exemplo:


C-D-E-F-G-A-B
uma escala maior possui os intervalos:
T, T, ST, T, T, T, ST (tom, tom, semi tom, tom, tom, tom, semi tom)

os graus:
C - primeiro Grau
D - segundo grau
E - terceiro grau
F - Quarto Grau
G - Quinto Grau
A - Sexto grau
B - Sétimo grau.

Para cada grau, damos um nome:

1º grau - Jônio
2º grau - Dórico
3º grau - Frígio
4º grau - Lídio
5º grau - Mixolído
6º grau - Eolio
7º grau - Lócrio

Se pegar-mos cada grau e analisar-mos a sequência das notas, veremos


que teremos 7 escalas diferentes.
Por exemplo:
G (mixolídio):

GABCDEFG
temos: T, T, ST, T, T, ST, T
Temos Tônica, 3ª maior, 4ª Justa, 5ª justa, 6ª maior e 7ª menor (nota
que diferencia o modo mixo do jônio)

Dissecando todos os modos (como eu fiz acima) vamos encontrar:


Jonio: 3ª maior, 5ª justa e 7ª maior (Tétrade - acorde maior com 7ª
maior)
Dórico: 3ª menor, 5ª justa e 7ª menor (Tétrade - acorde menor com 7ª
menor)
Frígio: 3ª menor, 5ª justa e 7ª menor (Tétrade - acorde menor com 7ª
menor)
Lídio: 3ª maior, 5ª justa e 7ª maior (Tétrade - acorde maior com 7ª
maior)
Mixolídio: 3ª maior, 5ª justa e 7ª menor (Tétrade - acorde maior com
7ª menor)
Eolio: 3ª menor, 5ª justa, 7ª menor (Tétrade - acorde menor com 7ª
menor)
Lócrio: 3ª menor, 5ª diminuta, 7ª menor (Tétrade - meio diminuta -
menor, com 5ª diminuta e 7ª menor)

Portanto, o campo harmônico de C será:

C7+, Dm7, Em7, F7+, G7, Am7, Bø (ø = meio diminuto)

Se procurar-mos as notas que diferenciam cada modo, obteremos:


Jônio: 7ª Maior
Dórico: 6ª Maior
Frígio: 2ª (ou 9ª) menor
Lídio: 4# (quarta aumentada)
Mixolídio: 7ª menor
Eólio: 6ª menor
Lócrio: 5b (5ª diminuta)

Obs: Para comparar-mos os modos, devemos comparar os menores


com os menores e os maiores com os maiores.
Ex: comparação de Jônio com Mixo: as sétimas se diferenciam
(comparei 2 maiores)
Ex2: comparação do modo Dórico com o Eólio: Dórico tem sexta maior,
Eólio tem 6ª menor. São diferentes na 6ª (comparei 2 menores)

Se você quiser improvisar por exemplo em B lídio, você deve pensar:


Lídio é o 4º Grau
B é 4º grau de quem ?

F
G
A
B -> B é quarto grau de F, portanto, B frígio = F Jônio, portanto, você
estará utilizando escala maior de F.
Se você quer tocar em Db eólio, por exemplo: você deve pensar:
Eolio é 6º grau
Db é 6º grau de quem ?

Fb
Gb
Ab
Bbb
Cb
Db
A enharmonia é desconsiderada... seria errado se eu colocasse dessa
forma:
Fb
Gb
Ab
A (Bbb)
C (Cb)
Db
Na prática é aceitável, mas nessa teoria, é errado.
Não usei #, porque estou falando de Db. quanto uso bemol, uso bemol,
não misturo com sustenido.

Improvisando somente usando escala mixolídia numa progressão:


G, C, D (tonica, 4ª e 5ª) bastante utilizada em blues:

G Mixolídio C maior
C Mixolídio F maior
D Mixolídio G maior

Vamos ao uso dos modos gregos...

Primeiramente vamos voltar aquela nossa tabela dos graus e entender


como que cada modo funciona...

Em C Maior:
C é I grau e gera o modo Jônio ou Dó Jônio
D é II grau e gera o modo Dórico ou Ré Dórico
E é III grau e gera o modo Frígio ou E Frígio
F é IV grau e gera o modo Lídio ou F Lídio
G é V grau e gera o modo Mixolídio ou G Mixolídio
A é VI grau e gera o modo Eolio ou A Eolio(Ou A menor)
B é VII grau e gera o modo Lócrio ou B Lócrio

Dividindo de novo os nossos Graus em Maiores, Menores e Menores c/


Quinta dimiuta

Graus Maiores: C[7M] , F[7M] , G[7]


Graus Menores: Dm[7] , Em[7] , Am[7]
Grau Menor com quinta diminuta: Bm(b5)[7]
Temos que os modos maiores são: Jônio(I), Lídio(IV) e Mixolídio(V)
Os modos menores que são: Dórico(II), Frigio(III) e o Eolio(VI)
E o modo menor c/quinta diminuta que seria o Lócrio(VII)

Até ai nenhuma novidade pois esperava-se que alguem deduzisse


isso...Mais o lance agora é como usar os modos independente de
qualquer tonalidade. Pra isso podemos trabalhar de duas maneiras.
Tendo uma visão direta ou uma visão indireta.

A visão direta seria a maneira que poucos que eu conheço usam...Eu a


utilizo e acho bacana...Seria uma maneira de visualização em que cada
modo funciona como uma escala nova...Em outras palavras vc não faz a
"conversão" de um modo pra uma escala maior ou menor...Vc pensa
direto no modo como sendo uma outra escala(Mesmo o modo sendo
uma inversão da escala maior)

A visão indireta é mais fácil e é a que grande parte das pessoas


utilizam...Seria a maneira que funciona pegando cada modo e achando
quem que seria o suposto I grau para facilitar a visualização.

Para se fazer a conversão eu aconselho que vc crie pontos de


referencia(Tônicas)em todos os modos. Como nós guitarristas
trabalhamos muito com digitações ai vai uma dica. Saiba onde esta a
tônica em cada desenho da escala maior pois é ele que vai facilitar a
sua vida na hora de saber quem é quem no final das contas.

A coisa funciona mais ou menos assim

Triades
Em acordes maiores pode se usar qualquer modo maior
Em acordes menores pode se usar qualquer modo menor
No acorde menor com quinta diminuta pode se usar o Lócrio

Tetrades
[Nas tetrades as coisas mudam de figura porque tem um modo
exclusivo que tem que ser classificado a parte pois é o único acorde
maior c/setima menor(Ou apenas sétima)]

Em acordes maiores c/setima maior: Jônio, Lídio


Em acordes menores c/setima: Dórico, Frigio, Eolio
No acorde meio diminuto: Lócrio
No acorde maior c/setima: Mixolídio

E ai a aplicabilidade com alguns exemplos

Pegaremos primeiramente acordes parados pra que esta questão seja


entendida

Suponha que esteja rolando um acorde de C maior.

A pergunta é? Quais modos podemos usar em cima deste acorde de C


maior?

Simples. Qualquer modo maior pois o acorde em questão não tem


setima.

Então pode se usar C Jônio, C Lídio e C Mixolídio sobre o acorde de


C...Agora vem a pergunta. Mais Alex, eu só consigo pensar em modos
usando a visão indireta. Como irei achar quais escalas são
respectivamente C Jônio, C Lídio e C Mixolídio?

Primeiro. Saiba a ordem dos modos de cabeça porque isso vai salvar a
sua vida. Segundo. Basta lembrar dos graus que a gente acha isso
rapidinho.

Então. C Jônio. Jônio corresponde ao I grau. Logo é a própria escala.

C Lídio. Lídio corresponde ao IV grau. Agora vem a pergunta. Se o Lídio


corresponde ao IV grau convem acharmos quem seria o I grau.
T - T - ST - T - T - T - ST
I- II- III- IV- V- VI- VII

Basta usar a tabela acima que vc acha facil facil...Se C é o suposto IV


grau ele estaria no lugar do IV grau e para achar o I grau basta voltar
dois tons e meio a partir da nota para se obter a escala maior
equivalente.

No caso como C era IV grau, o III grau seria B, o II grau seria A e o I grau
seria G... Então G maior equivale ao modo C Lídio.

C Mixolídio: Mixolídio corresponde ao V grau. Se o Mixolídio


corresponde ao V grau convem acharmos quem seria o I grau.

T - T - ST - T - T - T - ST
I- II- III- IV- V- VI- VII- I

Se C é o suposto V grau ele estaria no lugar do V grau e para achar o I


grau basta somar dois tons e meio a partir da nota para se obter a
escala maior equivalente.

No caso como C era V grau, o VI grau seria D, o VII grau seria E e o I


grau seria F... Então F maior equivale ao modo C Mixolídio.

Prosseguindo com os acordes menores

Agora vamos supor que o acorde parado seja um Cm

Como o acorde é menor podemos usar todos os modos menores sem


problema algum.

Vamos ver então. Se o acorde é Cm temos que usar modos que tenham
a tônica em C...No caso C Dórico, C Frigio e C Eolio.

Agora pras conversões


C Dórico: Dórico corresponde ao II grau. Se o Dórico corresponde ao II
grau convem acharmos quem seria o I grau

T - T - ST - T - T - T - ST
I- II- III- IV- V- VI- VII- I

Se C é o suposto II grau ele estaria no lugar do II grau e para achar o I


grau basta voltar um tom a partir da nota C para se obter a escala
maior equivalente.

No caso como C era II grau, o I grau seria Bb... Então Bb maior equivale
ao modo C Dórico

C Frigio: Frigio corresponde ao III grau. Se o Frigio corresponde ao III


grau convem acharmos quem seria o I grau.

T - T - ST - T - T - T - ST
I- II- III- IV- V- VI- VII- I

Se C é o suposto III grau ele estaria no lugar do III grau e para achar o I
grau basta voltar dois tons a partir da nota C para se obter a escala
maior equivalente.

No caso como C era III grau, o II grau seria Bb e o I grau seria Ab. Então
Ab maior equivale ao modo C Frigio.

C Eolio: Eolio corresponde ao VI grau. Se o Eolio corresponde ao VI grau


convem acharmos quem seria o I grau.

T - T - ST - T - T - T - ST
I- II- III- IV- V- VI- VII- I

Se C é o suposto VI grau ele estaria no lugar do VI grau e para achar o I


grau basta somar um tom e meio a partir da nota C para se obter a
escala maior equivalente.

No caso como C era VI grau, o VII grau seria D e o I grau seria Eb. Então
Eb maior equivale ao modo C Eolio.

Por ultimo se tivermos um acorde Cm(b5) este só podera receber o


modo Lócrio. No caso C Lócrio

C Lócrio: Lócrio corresponde ao VII grau. Se o Lócrio corresponde ao VII


grau convem acharmos quem seria o I grau.

T - T - ST - T - T - T - ST
I- II- III- IV- V- VI- VII- I

Se C é o suposto VII grau ele estaria no lugar do VII grau e para achar o
I grau basta somar meio tom a partir da nota C para se obter a escala
maior equivalente.

No caso como C era VII grau, o I grau seria Db. Então Db maior equivale
ao modo C Frigio

E para tetrades o uso é igual com excessão que o Modo Mixolídio não
deve ser utilizado sobre acordes maiores c/setima maior...

Logo seguindo a lógica faremos a tabela para as tetrades

Acorde parado de C7M


C Jônio (C Maior)
C Lídio (G Maior)

Acorde parado de Cm7


C Dórico (Bb Maior)
C Frigio (Ab Maior)
C Eolio (Eb Maior)
Acorde parado de C7
C Mixolídio (F Maior)

Acorde parado de Cm7(b5)


C Lócrio (Db Maior)

Aconselho todos a testarem os sons das seguintes escalas sobre os


acordes colocados acima...É de extrema importancia que vc saiba o
som de cada modo até porque é algo que vem de uma coisa simples
que é a escala maior, e que ao mesmo tempo permite que vc tenha
sonoridades diferenciadas com as mesmas digitações.

E aqui algumas progressões para servir de exemplo de como


utilizaremos os modos

|:C7M|%|Ab7M|%:|

Progressão acima c/dois acordes que não permitem que nenhum


campo harmônico mapeie as duas simultaneamente. Aqui eu
aconselho o uso dos modos. No caso pro 1º acorde(C7M) o modo
Lídio(C Lídio) ou o proprio C maior(C Jônio). Pro acorde de Ab7M a
mesma coisa. Teremos que fazer as conversões(Espero que vcs façam
em casa) para Ab Jônio e Ab Lídio. No caso Ab Jônio é a propria escala
maior de Ab e o Ab Lídio é na verdade Eb Maior(Ab é quarto grau de
Eb).

Então podemos solar usando as escalas de C Maior e de G Maior pro 1º


acorde e as escalas de Ab Maior ou Eb Maior pro segundo acorde.
Testem e me digam se gostaram.

O outro exemplo é uma progressão que eu uso pra estudar


modulações

|:Gm7|%|Bb7|%:|
Neste caso são dois acordes menores e que novamente não tem um
campo harmonico que mapeie ambos simultaneamente. Novamente
faz se necessario usar os modos. Pro 1º acorde podemos usar G Dórico,
G Frigio e G Eolio. Pro segundo acorde Bb Dórico, Bb Frigio e Bb Eolio.

Convertendo usando a tabela

G Dórico=>F maior
G Frigio=>Eb maior
G Eolio=>E maior

Bb Dórico=>Ab maior
Bb Frigio=>Gb maior
Bb Eolio=>Db maior

O proximo exemplo poderia ser feito por vcs pra ver se pegaram o
espirito da coisa

Para um blues de 12 compassos são utilizados 3 acordes na sua


variação mais básica. Vamos supor um exemplo em A Blues. A Blues
nos dá 3 acordes: A7, D7 e E7 dispostos nesta ordem.

|: A7|D7|A7|%|D7|%|A7|%|E7|D7|A7|E7:|

Para cada acorde pode ser usado alem das coisas comuns do
blues(Pentatônicas e afins) pode se usar modos numa boa. Pro 1º
acorde que é A7 o modo que deve ser utilizado deve ser o modo
mixolídio pois é o único que pode ser usado em acordes com setima. O
mesmo vale pros acordes de D7 e E7 que vão usar respectivamente D
mixolídio e E mixolídio.

Pergunta: Que escalas relativas geram os modos A mixolídio, D


mixolídio e E mixolídio?

E pra finalizar gostaria de agradecer todo mundo que teve a santa


paciencia de ler esse tópico inteiro e espero que tenha entendido
como funciona os modos e o seu uso...Claro que isso não é
só(ahahahahaha) tem muito mais coisa relacionada a modos mais
espero que consigam desfrutar de novas sonoridades e eu aceito
algumas harmonias pra serem discutidas aqui no tópico. Pode colocar a
harmonia ai que eu posso dizer se o que vc quer usar esta
teoricamente certo ou não.

Alex Pires

Depois, ler daqui pra frente...


http://forum.cifraclub.com.br/forum/3/15616/p2

O que são os modos gregos?

Muitas pessoas se restringem a denominar modos como sendo apenas


os "shapes" diferentes de uma mesma escala, quando na verdade, os
modos gregos são muito mais abrangentes. Os shapes são úteis para
você dominar a escala no braço inteiro da guitarra ou do violão, mas
não são os modos gregos em si. Como o próprio nome sugere, os
modos gregos nada mais são do que modos diferentes de você
trabalhar uma escala.

Quais são os modos gregos?

Para facilitar o entendimento desse assunto (que é um tanto quanto


complexo), utilizarei para melhor exemplificar os modos a escala de C
maior.

A escala de C maior é composta das seguintes notas:


I II III IV V VI VII
CDEFGAB

Assim como essa escala possui 07 notas, é possível utilizar 07 maneiras


diferentes de executá-la, ou seja, existem 07 modos diferentes
possíveis de serem trabalhados.

O que determina o modo sobre o qual você ira trabalhar é a harmonia


sobre a qual você irá improvisar e/ou a nota que você desejar
"enfatizar" em seu solo.

Vejamos então quais são os modos possíveis de serem utilizados, de


acordo com sua função dentro do Campo Harmônico (I IIm IIIm IV V
VIm VIIm(5b)):

I: C (Jônico): C D E F G A B
II: Dm (Dórico): D E F G A B C
III: Em (Frígio): E F G A B C D
IV: F (Lídio): F G A B C D E
V: G (Mixolídio): G A B C D E F
VI: Am (Eólio): A B C D E F G
VII: Bm(5b) (Lócrio): B C D E F G A

Vale lembrar que estamos utilizando apenas a escala de C maior no


exemplo acima.

Até o presente momento, podemos chegar a um raciocínio


interessante:

- Se você ouvir alguém dizer que fulano de tal está solando e utilizando
a escala de C jônico em seu solo, saiba que se trata da mesma escala
que Dm dórico, Em Frígio, F lídio, G mixolídio, Am Eólio e Bm(5b)
lócrio, pois:

I Jônico = IIm Dórico = IIIm Frígio = IV Mixolídio = V Lídio = VIm Eólio =


VIIm(5b) Lócrio

Modos gregos na prática

Vamos tentar trazer toda essa teoria para a prática, pois esta é uma
das finalidades deste pequeno tutorial.

Imaginemos que você está ensaiando com sua banda. Seu guitarrista-
base, mergulhado em um momento único de inspiração, cria uma base
ali mesmo no ensaio, "na hora", cujos acordes são os seguintes:

(C7M Am7 Dm7 G7) C7M

Qual escala você utilizaria para solar? Qual modo grego você pode
utilizar para solar em cima dessa base, e dar aquele "tempêro" para
seu solo?

Para isso, vamos "dissecar" cada um desses acordes:

C7M: C E G B
Am7: A C E G
Dm7: D F A C
G7: G B D F

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

CDEFGAB

Se analisarmos a base que seu guitarrista criou, você perceberá que ela
gira sobre a tonalidade (campo harmônico) de C com sétima maior, e o
repouso desses acordes tende a acontecer no acorde de C7M. Qual
escala utilizar?

Você pode utilizar tranqüilamente a escala de C jônico, pois todas as


notas originadas da "dissecção" dos acordes da base, fazem parte do
Campo Harmônico de C7M.

Além disso, o acorde tônico (repouso) dessa base tende a acontecer


sobre o acorde de C7M (que é o I grau do Campo Harmônico). Por essa
razão, diz-se que a escala a ser utilizada é a escala de C jônico.

Alguns dias depois desse ensaio fabuloso, seu iluminado guitarrista-


base te liga às 23:30 de uma terça-feira, com o violão na mão, feliz da
vida. Põe o telefone no viva-voz para mostrar o mais novo fruto de
suas viagens, pedindo que você crie "aquele" solo para acompanhá-lo
nessa base que ele levará no próximo ensaio:

(Dm7 G F C/E) Dm7

Qual escala você utilizaria para solar? Qual modo grego você pode
utilizar para solar em cima dessa base, e dar aquele "tempêro" para
seu solo?

Para isso, vamos "dissecar" cada um desses acordes:

Dm7: D F A C
G: G B D
F: F A C
C/E: (E no baixo) C E G

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

DEFGABC

Alguma semelhança com a escala "dissecada" da base anterior? Todas!


De fato, são as mesmas notas. É à partir de agora que os modos
começam a fazer sentido de fato.
Se analisarmos mais essa base que seu guitarrista criou, você
perceberá que ela gira sobre a tonalidade (campo harmônico) de C
com sétima maior, e o repouso desses acordes tende a acontecer no
acorde de Dm7. Qual escala utilizar?

Você pode utilizar tranqüilamente a escala de Dm dórico, pois todas as


notas originadas da "dissecção" dos acordes da base, fazem parte do
Campo Harmônico de C7M.

Apesar disso, o acorde tônico (repouso) dessa base tende a acontecer


sobre o acorde de Dm7 (que é o II grau do Campo Harmônico). Por essa
razão, diz-se que a escala a ser utilizada é a escala de Dm dórico.

Seu guitarrista-base começa a se empolgar as suas harmonias


elaboradas e bem aceitas por toda a banda e toma a decisão de
estudar um pouquinho mais sobre os modos gregos, de modo a
compreender melhor as obras cunhadas por suas mãos. De tanto
estudar, ficou cansado e dormiu. Sonhou que estava tocando violão,
dentro de um pequeno bar, localizado ao norte da Espanha,
executando a seguinte base:

(Em F Em F G) Em

Mais uma missão para você. Qual escala você vai utilizar para solar
sobre essa base? Qual modo grego você pode utilizar para solar em
cima dessa base, e dar aquele "tempêro" para seu solo?

Para isso, vamos "dissecar" cada um desses acordes:

Em: E G B
F: F A C
G: C B D

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:
EFGABCD

Alguma semelhança com as escalas "dissecadas" das bases anteriores?


Todas! De fato, são as mesmas notas.

Ao analisarmos essa base que seu guitarrista criou, percebemos que


ela gira sobre a tonalidade (campo harmônico) de C maior, e o repouso
desses acordes tende a acontecer no acorde de Em . Qual escala
utilizar?

Podemos utilizar tranqüilamente a escala de Em frígio, pois todas as


notas originadas da "dissecção" dos acordes da base, fazem parte do
Campo Harmônico de C.

Apesar disso, o acorde tônico (repouso) dessa base tende a acontecer


sobre o acorde de Em (que é o III grau do Campo Harmônico). Por essa
razão, diz-se que a escala a ser utilizada é a escala de Em frígio.

Os estudos realizados por seu guitarrista-base estão causando uma


revolução em toda banda. Todos estão tendo que estudar um
pouquinho mais para não fazer feio perante as bases que o mesmo
tem trazido para o ensaio. E mais uma vez, nosso fenomenal guitarrista
chega com mais uma de sua obras de arte:

(F Dm Am G) F

Mais outra missão para você. Qual escala você vai utilizar para solar
sobre essa base? Qual modo grego você pode utilizar para solar em
cima dessa base, e dar aquele "tempêro" para seu solo?

Para isso, vamos "dissecar" cada um desses acordes:

F: F A C
Dm: D F A
Am: A C E
G: G B D

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

FGABCDE

Alguma semelhança com as escalas "dissecadas" das bases anteriores?


Todas! De fato, são as mesmas notas.

Ao analisarmos mais essa base que seu guitarrista criou, você


perceberá que ela gira sobre a tonalidade (campo harmônico) de C
maior, e o repouso desses acordes tende a acontecer no acorde de F.
Qual escala utilizar?

Podemos utilizar tranqüilamente a escala de F lídio, pois todas as notas


originadas da "dissecção" dos acordes da base, fazem parte do Campo
Harmônico de C.

Apesar disso, o acorde tônico (repouso) dessa base tende a acontecer


sobre o acorde de F (que é o IV grau do Campo Harmônico). Por essa
razão, diz-se que a escala a ser utilizada é a escala de F lídio.

Sem mais historinhas. O nosso fenômeno das bases guitarrísticas chega


com mais uma base de peso para o ensaio:

(G9 F7M G9 F7M) G9

Mais outra missão para você. Qual escala você vai utilizar para solar
sobre essa base? Qual modo grego você pode utilizar para solar em
cima dessa base, e dar aquele "tempêro" para seu solo?

Para isso, vamos "dissecar" cada um desses acordes:


G9: G B D A
F7M: F A C E

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

GABCDEF

Alguma semelhança com as escalas "dissecadas" das bases anteriores?


Todas! De fato, são as mesmas notas.

Se analisarmos essa base que seu guitarrista criou, você perceberá que
ela gira sobre a tonalidade (campo harmônico) de C maior, e o repouso
desses acordes tende a acontecer no acorde de G9. Qual escala
utilizar?

Você pode utilizar tranqüilamente a escala de G mixolídio, pois todas


as notas originadas da "dissecção" dos acordes da base, fazem parte do
Campo Harmônico de C.

Apesar disso, o acorde tônico (repouso) dessa base tende a acontecer


sobre o acorde de G9 (que é o V grau do Campo Harmônico). Por essa
razão, diz-se que a escala a ser utilizada é a escala de G mixolídio.

O genial guitarrista ainda está na área. Dessa vez, com a seguinte base:

(Am F Am F G) Am

Qual escala você utilizaria para solar? Qual modo grego você pode
utilizar para solar em cima dessa base, e dar aquele "tempêro" para
seu solo?

Para isso, vamos "dissecar" cada um desses acordes:

Am: A C E
F: F A C
G: G B D

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

ABCDEFG

Alguma semelhança com a escala "dissecada" da base anterior? Todas!


De fato, são as mesmas notas.

Se analisarmos mais essa base que seu guitarrista criou, você


perceberá que ela gira sobre a tonalidade (campo harmônico) de C
maior, e o repouso desses acordes tende a acontecer no acorde de
Am. Qual escala utilizar?

Você pode utilizar tranqüilamente a escala de Am eólio, pois todas as


notas originadas da "dissecção" dos acordes da base, fazem parte do
Campo Harmônico de C.

Apesar disso, o acorde tônico (repouso) dessa base tende a acontecer


sobre o acorde de Am (que é o VI grau do Campo Harmônico). Por essa
razão, diz-se que a escala a ser utilizada é a escala de Am eólio.

Só não utilizarei o exemplo de B lócrio, porque eu, particularmente,


nunca vi uma base de guitarra ou violão que utiliza o acorde de
Bm7(5b) com a função de repouso (caso exista, eu nunca ouvi, sendo
que dessa forma, seu uso passa a ser muito restrito).

Múltiplas possibilidades para a aplicação de modos gregos na prática

Imaginemos a seguinte base:

(Am F C F) Am
Qual escala você utilizaria para solar? Qual modo grego você pode
utilizar para solar em cima dessa base, e dar aquele "tempêro" para
seu solo?

Para isso, vamos "dissecar" cada um desses acordes:

Am: A C E
F: F A C
C: C E G

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

A?CDEFG

Observe que falta uma nota para que a escala tenha suas 07 notas
completas. E é justamente esta nota que pode tornar seu solo
diferenciado. Veja bem.

O Am, o F e o C, pertencem à tonalidade (campo harmônico) de C;


Mas ao mesmo tempo, o Am, o F e o C pertencem à tonalidade (campo
harmônico) de F.

Vejamos agora, tanto a escala de C quanto a escala de F, começando


pela nota A:

Escala de C jônico (Am eólio): A B C D E F G


Escala de F jônico (Am frígio): A Bb C D E F G

Percebem a diferença? Somente 01 única nota diferencia as duas


escalas, e é essa única nota que pode fazer "aquela" diferença no seu
solo.

Por essa razão, você pode utilizar tranqüilamente a escala de Am eólio,


pois todas as notas originadas da "dissecção" dos acordes da base,
fazem parte do Campo Harmônico de C; ou a escala de Am frígio, pois
todas as notas originadas da "dissecção" dos acordes da base, fazem
parte do Campo Harmônico de F.

Peça para um amigo executar essa base, ou grave-a em seu


computador, depois sole em cima, primeiro utilizando a escala de Am
eólio (C jônico), depois utilizando a escala de Am frígio (F jônico), e
perceba você mesma(o) a diferença.

Vejamos esta outra base agora, extremamente viajada:

(Am C9 Am C9) Am

Qual escala você utilizaria para solar? Qual modo grego você pode
utilizar para solar em cima dessa base, e dar aquele "tempêro" para
seu solo?

Para isso, vamos "dissecar" cada um desses acordes:

Am: A C E
C9: C E G D

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

A ?? C D E ?? G

Observe que faltam duas notas para que a escala tenha suas 07 notas
completas. E são justamente estas notas que podem tornar seu solo
diferenciado. Veja bem.

O Am e o C9, ambos pertencem à tonalidade (campo harmônico) de C;


Mas ao mesmo tempo, o Am e o C9 pertencem à tonalidade (campo
harmônico) de F;
Mais ainda, o Am e o C9 também pertencem à tonalidade (campo
harmônico) de G;

Vejamos agora, tanto as escalas de C, F e G, começando pela nota A:

Escala de C jônico (Am eólio): A B C D E F G


Escala de F jônico (Am frígio): A Bb C D E F G
Escala de G jônico (Am dórico): A B C D E F# G

Percebem a diferença? Somente 02 notas diferenciam as três escalas, e


são as notas que podem fazer "aquela" diferença no seu solo.

Por essa razão, você pode utilizar tranqüilamente a escala de Am eólio,


pois todas as notas originadas da "dissecção" dos acordes da base,
fazem parte do Campo Harmônico de C; ou a escala de Am frígio, pois
todas as notas originadas da "dissecção" dos acordes da base, fazem
parte do Campo Harmônico de F; ou ainda, a escala de Am dórico, pois
todas as notas originadas da "dissecção" dos acordes da base, fazem
parte do Campo Harmônico de G.

Peça para um amigo executar essa base, ou grave-a em seu


computador, depois sole em cima, primeiro utilizando a escala de Am
eólio (C jônico), depois utilizando a escala de Am frígio (F jônico), e
depois utilizando a escala de Am dórico (G jônico) e perceba você
mesma(o) a diferença.

É isso aí galera. O pouco que sei, tentei resumir nesse pequeno


(pequeno?!) tutorial sobre modos gregos. Espero te-los ajudado e
contribuído de alguma forma para o crescimento musical de vocês.

Forte abraço! Fiquem todos com DEUS! Até a próxima!

Talvez eu tenha me expressado mal. O que eu disse (ou tentei dizer) é


que existe 07 maneiras de executar a escala de C maior (C jônico, Dm
dórico, Em frígio, F lídio...), e que essa maneira como é executada,
depende do acorde sobre o qual se faz o repouso da harmonia. Por ex.:

Se você tem a seguinte base: (F Dm Am G) F, ela está na tonalidade


(campo harmônico) de C maior, porém, o acorde sobre o qual a
harmonia repousa, é o acorde de F. Por essa razão, você utiliza a escala
de F lídio, que nada mais é que a escala de C maior executada de uma
maneira, um modo diferente, pois ao invés de você focalizar, enfatizar
a nota C, você vai focalizar, enfatizar a nota F.

Perceba bem esta diferença. Você não vai utilizar a escala de F maior
(jônico), cujas notas são F G A Bb C D E para solar sobre a harmonia
(campo harmônico) de C maior jônico (cuja escala é a mesma que F
lídio - F G A B C D E).

Vamos pegar os acordes da sua introdução e dissecá-los:

F#m: F# A C#
D: D F# A
A: A C# E
E: E G# B

Se pegarmos essas notas dissecadas e colocarmos numa reta, teremos:

F# G# A B C# D E

No caso da introdução, você tem apenas a alternativa de utilizar a


escala de F#m eólico (que é a mesma escala de A jônico), pois as notas
dissecadas desses acordes, por pertencerem exclusivamente à escala
de A maior (jônico), o que dificulta a utilização de um outro modo.

Dissecando os acordes do refrão agora:


F#m: F# A C#
E: E G# B
D: D F# A
A: A C# E
B: B D# F#
Bm: B D F#

Antes uma pergunta. Existe o B maior na harmonia do refrão? Ou é um


Bm e houve um pequeno erro de digitação?

Agora voltando. Se colocarmos essas notas que foram dissecadas numa


reta, temos a seguinte escala:

F# G# A B C# D D# E

No caso, eu sublinhei o D e o D#, porque são notas que "se chocam",


causam uma certa estranheza, pois se em seu solo, você utilizar a nota
D sobre o acorde de B, vai ficar um pouco estranho, pois este é o único
momento em que aparece um acorde da tonalidade de E.

Sugestão: Com exceção do D#, todas as outras notas pertencem à


escala de F#m eólico. Por essa razão, utilize esta escala para solar (pois
ela é predominante na grande parte dessa harmonia, uma vez que o B
aparece uma única vez nessa harmonia, descaracterizando a
tonalidade (campo harmônico) de E). Porém, quando chegar no acorde
B, evite utilizar a nota D, substituindo-a por D# (pois é o único acorde
da harmonia que sugere o tom de F#m dórico). Ou então, não utilize
nenhuma das notas ré (nem o D, nem o D#).

Com relação ao final do refrão, temos:

G: G B D
A: A C# E
D: D F# A
E: E G# B

Colocando essas notas numa reta, temos:

G G# A B C# D E F#

É um caso parecido com o caso que analisamos acima. Essa harmonia


está na tonalidade (campo harmônico) de G lídio (que é a mesma
escala de D jônico). Porém o acorde de E sugere a tonalidade de D lídio
(que é a mesma escala de A jônico).

Sugestão: Com exceção do G#, todas as outras notas pertencem à


escala de G lídio. Por essa razão, utilize esta escala para solar Por essa
razão, utilize esta escala para solar (pois ela é predominante na grande
parte dessa harmonia, uma vez que o E aparece uma única vez nessa
harmonia, descaracterizando a tonalidade (campo harmônico) de A).
Porém, quando chegar no acorde E, por ser o último acorde da
progressão, você pode utilizar "roubar" o G# do tom de A, e substitui-lo
no lugar do G. Neste caso (você estaria utilizando somente neste
acorde, a escala de E mixolídio), pode surtir um efeito interessante.

E no final do refrão:

Bm: B D F#
D: D F# A
A: A C# E
E: E G# B

Colocando novamente essas notas numa reta:

B C# D E F# G# A

Nesse finalzinho, você pode utilizar a escala de Bm dórico, pois apesar


da música acabar no acorde de D, o repouso dessa harmonia se dá no
acorde de Bm, e como a música está na tonalidade (campo harmônico)
de A, Da-lhe Bm dórico!

Espero te-lo ajudado.

Forte abraço!

Bom dia galera.

Desculpem a demora. Montei mais um pequeno (pequeno?!) tópico,


de modo a dar uma espécie de continuidade ao material contido no 1º
post. Espero que possa ser útil.

Memorização dos modos

Para iniciarmos este post, é interessante que nós separemos os modos


maiores, dos modos menores, com base nas funções (graus) que cada
modo assume dentro do campo harmônico.

Modos maiores

Modo Jônico (I grau);


Modo Lídio (IV grau);
Modo Mixolídio (V grau)

Modos menores

Modo Dórico (II grau);


Modo Frígio (III grau);
Modo Eólio (VI grau);
Modo Lócrio (VII grau)

Para facilitar (ou ao menos tentar facilitar) o entendimento do assunto,


será utilizada a escala de C jônico quando tratarmos sobre os modos
maiores e Am Eólio, quando tratarmos sobre os modos menores:

Modos maiores

*Para melhor compreender o assunto daqui p/ frente, é interessante


que se tenha ao menos um pequeno conhecimento sobre intervalos.

Vamos relembrar o que já fôra dito sobre os modos gregos:

A escala de C maior é composta das seguintes notas:

I II III IV V VI VII
CDEFGAB

Assim como essa escala possui 07 notas, é possível utilizar 07 maneiras


diferentes de executá-la, ou seja, existem 07 modos diferentes possíveis
de serem trabalhados.

O que determina o modo sobre o qual você ira trabalhar é a harmonia


sobre a qual você irá improvisar e/ou a nota que você desejar
"enfatizar" em seu solo.

Vejamos então quais são os modos possíveis de serem utilizados, de


acordo com sua função dentro do Campo Harmônico (I IIm IIIm IV V
VIm VIIm(5b)):

I: C (Jônico): C D E F G A B
II: Dm (Dórico): D E F G A B C
III: Em (Frígio): E F G A B C D
IV: F (Lídio): F G A B C D E
V: G (Mixolídio): G A B C D E F
VI: Am (Eólio): A B C D E F G
VII: Bm(5b) (Lócrio): B C D E F G A

Como inicialmente iremos trabalhar com os modos maiores, temos:


I: C (Jônico): C D E F G A B
IV: F (Lídio): F G A B C D E
V: G (Mixolídio): G A B C D E F

Transformando essas notas em intervalos, temos:

I: Modo Jônico: T 2 3 4 5 6 7M
IV: Modo Lídio: T 2 3 4+ 5 6 7M
V: Modo Mixolídio: T 2 3 4 5 6 7

Ao compararmos o modo jônico com o modo lídio, temos:

I: Modo Jônico: T 2 3 4 5 6 7M
IV: Modo Lídio: T 2 3 4+ 5 6 7M

Percebem a diferença? Uma única nota diferencia os dois modos.

Se no modo jônico, a quarta é justa (4), no modo lídio, a quarta é


aumentada (4+).

Se transformarmos esses intervalos em notas, começando pela nota C,


temos:

I: C Jônico: C D E F G A B
IV: C Lídio*: C D E F# G A B

*É interessante ressaltar que o C é o IV grau da escala de G jônico (G A


B C D E F#). Por isso é chamado de C lídio.

A essa altura do campeonato, podemos chegar a uma conclusão


interessante:

- O modo lídio é o modo jônico com a quarta aumentada (4+):


I: Modo Jônico: T 2 3 4 5 6 7M
IV: Modo Lídio: T 2 3 4+ 5 6 7M

I: C Jônico: C D E F G A B
IV: C Lídio: C D E F# G A B

Ao compararmos o modo jônico com o modo mixolídio, temos:

I: Modo Jônico: T 2 3 4 5 6 7M
V: Modo Mixolídio: T 2 3 4 5 6 7

Percebem a diferença? Uma única nota diferencia os dois modos.

Se no modo jônico, a sétima é maior (7M), no modo mixolídio, a


sétima é menor (7).

Se transformarmos esses intervalos em notas, começando pela nota C,


temos:

I: C Jônico: C D E F G A B
V: C Mixolídio*: C D E F G A Bb

É interessante ressaltar que o C é o V grau da escala de F jônico (F G A


Bb C D E). Por isso é chamado de C mixolídio.

Dessa comparação, podemos chegar a outra conclusão interessante:

- O modo mixolídio é o modo jônico com a sétima menor (7):

I: Modo Jônico: T 2 3 4 5 6 7M
V: Modo Mixolídio: T 2 3 4 5 6 7

I: C Jônico: C D E F G A B
V: C Lídio: C D E F G A Bb
Modos menores

Vamos relembrar outra vez o que já fôra dito sobre os modos gregos:

A escala de C maior é composta das seguintes notas:

I II III IV V VI VII
CDEFGAB

Assim como essa escala possui 07 notas, é possível utilizar 07 maneiras


diferentes de executá-la, ou seja, existem 07 modos diferentes possíveis
de serem trabalhados.

O que determina o modo sobre o qual você ira trabalhar é a harmonia


sobre a qual você irá improvisar e/ou a nota que você desejar
"enfatizar" em seu solo.

Vejamos então quais são os modos possíveis de serem utilizados, de


acordo com sua função dentro do Campo Harmônico (I IIm IIIm IV V
VIm VIIm(5b)):

I: C (Jônico): C D E F G A B
II: Dm (Dórico): D E F G A B C
III: Em (Frígio): E F G A B C D
IV: F (Lídio): F G A B C D E
V: G (Mixolídio): G A B C D E F
VI: Am (Eólio): A B C D E F G
VII: Bm(5b) (Lócrio): B C D E F G A

Como trabalharemos agora com os modos menores, teremos:

VI: Am (Eólio): A B C D E F G
II: Dm (Dórico): D E F G A B C
III: Em (Frígio): E F G A B C D
VII: Bm(5b) (Lócrio): B C D E F G A
Transformando essas notas em intervalos, temos:

VI: Modo Eólio: T 2 3m 4 5 6m 7


II: Modo Dórico: T 2 3m 4 5 6 7
III: Modo Frígio: T 2m 3m 4 5 6m 7
VII: Modo Lócrio: T 2m 3m 4 5b 6m 7

Ao compararmos o modo eólio com o modo dórico, temos:

VI: Modo Eólio: T 2 3m 4 5 6m 7


II: Modo Dórico: T 2 3m 4 5 6 7

Percebem a diferença? Uma única nota diferencia os dois modos.

Se no modo eólio, a sexta é menor (6m), no modo dórico, a sexta é


maior (6).

Se transformarmos esses intervalos em notas, começando pela nota A,


temos:

VI: Am Eólio: A B C D E F G
II: Am Dórico*: A B C D E F# G

*É interessante ressaltar que o A é o II grau da escala de G jônico (G A


B C D E F#). Por isso é chamado de Am dórico.

A essa altura do campeonato, podemos chegar a uma conclusão


interessante:

- O modo dórico é o modo eólio com a sexta maior (6):

VI: Modo Eólio: T 2 3m 4 5 6m 7


II: Modo Dórico: T 2 3m 4 5 6 7
VI: Am Eólio: A B C D E F G
II: Am Dórico*: A B C D E F# G

Ao compararmos o modo eólio com o modo frígio, temos:

VI: Modo Eólio: T 2 3m 4 5 6m 7


II: Modo Dórico: T 2m 3m 4 5 6m 7

Percebem a diferença? Uma única nota diferencia os dois modos.

Se no modo eólio, a segunda é maior (2), no modo frígio, a segunda é


menor (2m).

Se transformarmos esses intervalos em notas, começando pela nota A,


temos:

VI: Am Eólio: A B C D E F G
II: Am Frígio*: A Bb C D E F G

*É interessante ressaltar que o A é o III grau da escala de [/b]F


jônico[/b] (F G A Bb C D E). Por isso é chamado de Am frígio.

A essa altura do campeonato, podemos chegar a uma conclusão


interessante:

- O modo frígio é o modo eólio com a segunda menor (2m):

VI: Modo Eólio: T 2 3m 4 5 6m 7


III: Modo Frígio: T 2m 3m 4 5 6m 7

VI: Am Eólio: A B C D E F G
II: Am Frígio*: A Bb C D E F G

Ao compararmos o modo eólio com o modo lócrio, temos:


VI: Modo Eólio: T 2 3m 4 5 6m 7
VII: Modo Lócrio: T 2m 3m 4 5b 6m 7

Percebem a diferença? Apenas duas notas diferenciam os dois modos.

Se no modo eólio, a segunda é [u]maior (2) e a quinta é maior (5), no


modo lócrio, a segunda é menor (2m) e a quinta é diminuta (5b).

Se transformarmos esses intervalos em notas, começando pela nota A,


temos:

VI: Am Eólio: A B C D E F G
II: Am Lócrio*: A Bb C D Eb F G

*É interessante ressaltar que o A é o VII grau da escala de Bb jônico (Bb


C D Eb F G A). Por isso é chamado de Am lócrio.

A essa altura do campeonato, podemos chegar a uma conclusão


interessante:

- O modo lócrio é o modo eólio com a segunda menor (2m) e quinta


diminuta (5b):

VI: Modo Eólio: T 2 3m 4 5 6m 7


VII: Modo Lócrio: T 2m 3m 4 5b 6m 7

VI: Am Eólio: A B C D E F G
II: Am Lócrio*: A Bb C D Eb F G

É interessante ter esses intervalos não apenas no papel ou na cabeça,


mas no braço da guitarra ou violão. Se nos ajuda (e muito) sabermos
que nota estamos tocando numa melodia, também ajuda (e muito)
saber qual é o intervalo em relação à tônica.

Vejamos dois exemplos. Um, referente aos modos maiores; outro,


referente aos modos menores:

Imaginemos a seguinte harmonia, sobre a qual você deverá solar:

(D A D G A | D Am D G Am) D

"Dissecando" os acordes da segunda parte da base, temos:

D: D F# A
A: A C# E
G: G B D

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

D E F# G A B C#

Percebe-se que este trecho da harmonia gira sobre a tonalidade


(campo harmônico) de D maior, e o repouso desses acordes tende a
acontecer no acorde de D. Por essa razão, utiliza-se a escala de D
jônico, pois todas as notas originadas da "dissecção" dos acordes da
base, fazem parte do Campo Harmônico de D.

"Dissecando" os acordes da segunda parte da base:

D: D F# A
Am: A C E
G: G B D

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

D E F# G A B C

Percebe-se que este trecho da harmonia gira sobre a tonalidade


(campo harmônico) de G maior, e o repouso desses acordes tende a
acontecer no acorde de D. Por essa razão, utiliza-se a escala de D
mixolídio, pois todas as notas originadas da "dissecção" dos acordes da
base, fazem parte do Campo Harmônico de G.

Relembrando a harmonia que nos serviu de exemplo:

(D A D G A | D Am D G Am) D

Comparando a escala de D jônico (primeiro trecho da harmonia) com a


escala de D mixolídio (segundo trecho da harmonia), temos:

I: D Jônico: D E F# G A B C#
V: D Mixolídio: D E F# G A B C

É importante que tenhamos não apenas o nome das notas


memorizados na escala da guitarra ou do violão, mas também os
intervalos, pois, se você fôr improvisar sobre a harmonia que pegamos
de exemplo, e você souber onde localiza-se a sétima maior da escala
de D jônico, você não terá muitos problemas ao improvisar sobre a
base de D mixolídio, uma vez que, ao invés de você digitar a sétima
maior, você vai digitar a sétima menor (que é imediatamente um meio-
tom abaixo).

Agora imaginemos a harmonia seguinte, sobre a qual você deverá


solar:

(Am G Dm C G/B | Am G D C G/B) Am

"Dissecando" os acordes da segunda parte da base, temos:

Am: A C E
G: G B D
Dm: D F A
C: C E G
G/B: (B no baixo) D G B

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

ABCDEFG

Percebe-se que este trecho da harmonia gira sobre a tonalidade


(campo harmônico) de C maior, e o repouso desses acordes tende a
acontecer no acorde de Am. Por essa razão, utiliza-se a escala de Am
eólio, pois todas as notas originadas da "dissecção" dos acordes da
base, fazem parte do Campo Harmônico de C.

"Dissecando" os acordes da segunda parte da base:

Am: A C E
G: G B D
D: D F# A
C: C E G
G/B: (B no baixo) D G B

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

A B C D E F# G

Percebe-se que este trecho da harmonia gira sobre a tonalidade


(campo harmônico) de G maior, e o repouso desses acordes tende a
acontecer no acorde de Am. Por essa razão, utiliza-se a escala de Am
dórico, pois todas as notas originadas da "dissecção" dos acordes da
base, fazem parte do Campo Harmônico de G.

Relembrando a harmonia que nos serviu de exemplo:

(Am G Dm C G/B | Am G D C G/B) Am


Comparando a escala de Am eólio (primeiro trecho da harmonia) com
a escala de Am dórico (segundo trecho da harmonia), temos:

VI: Am Eólio: A B C D E F G
II: Am Dórico*: A B C D E F# G

É importante que tenhamos não apenas o nome das notas


memorizados na escala da guitarra ou do violão, mas também os
intervalos, pois, se você fôr improvisar sobre a harmonia que pegamos
de exemplo, e você souber onde localiza-se a sexta menor da escala de
Am eólio, você não terá muitos problemas ao improvisar sobre a base
de Am dórico, uma vez que, ao invés de você digitar a sexta menor,
você vai digitar a sexta maior (que é imediatamente um meio-tom
acima).

Bom galera, p/ fechar esse material, vai um pequeno resumo do que já


fôra falado acima, com relação à memorização dos modos. A
transposição para os outros tons, fica por conta de vocês OK?

Modos maiores

Modo jônico: –
Modo lídio: modo jônico com quarta aumentada (4+);
Modo mixolídio: modo jônico com sétima menor (7);

Modo jônico: T 2 3 4 5 6 7M;


Modo lídio: T 2 3 4+ 5 6 7M;
Modo mixolídio: T 2 3 4 5 6 7;

Modo jônico: C D E F G A B
Modo lídio: C D E F# G A B
Modo mixolídio: C D E F G A B

Modos menores
Modo eólio: –
Modo dórico: modo eólio com sexta maior (6);
Modo frígio: modo eólio com segunda menor (2m);
Modo lócrio: modo eólio com segunda menor (2m) e quinta diminuta
(5b);

Modo eólio: T 2 3m 4 5 6m 7
Modo dórico: T 2 3m 4 5 6 7
Modo frígio: T 2m 3m 4 5 6m 7
Modo lócrio: A 2m 3m 4 5b 6m 7

Modo eólio: A B C D E F G
Modo dórico: A B C D E F# G
Modo frígio: A Bb C D E F G
Modo lócrio: A Bb C D Eb F G

Bom galera, é isso aí. Esses "esqueminhas" me ajudaram bastante a


entender o pouco que sei sobre os "temidos" modos gregos. Espero
que este material possa ser útil para vocês. Qualquer dúvida, postem
aí. Faremos o possível para tentar solucioná-las e juntos crescermos
musicalmente.

Forte abraço! Fiquem todos com DEUS! Até a próxima!

EDIT: peço a gentileza de que, caso haja alguma incoerência nesse


tópico, postem por favor mostrando onde está errado, para que
possamos corrigi-lo, e sempre contribuir para o crescimento musical da
galera. Valeu!

Velho... Antes de responde-lo (ou ao menos tentar responde-lo)


gostaria de lhe fazer uma pergunta:
Existe diferença de harmonia tonal para harmonia modal? (Acredito
que sim, mas eu não sei diferencia-la)...

Se você pudesse explicar, eu ficaria agradecido mesmo, até porque


nunca consegui achar uma explicação legal sobre o assunto.

1- Agora falando em harmonia modal, supondo que vc queira compor


uma música em Dó Lídio, que acordes vc usaria que teriam a função
dominante e subdominante?

Cara, não sei te responder... Tentarei te responder pela lógica, pelo


que eu imagino que seja.

Escala de C lídio: C D E F# G A B

Empilhando as tétrades, temos:

I: C7M: C E G B
II: D7: D F# A C
III: Em7: E G B D
IV: F#m7(5b): F# A C E
V: G7M: G B D F
VI: Am7: A C E G
VII: Bm7: B D F# A

Cara. Este é o campo harmônico de G7M. Resumindo, não sei


responder sua pergunta...
=\

2- Você tá usando como parâmetro pra determinar o conceito de escala


as notas, não a ordem dos intervalos. Então quer dizer que a escala de
Lá menor é a mesma de Dó maior? Que eu saiba a escala de Dó maior é
a escala maior, a de Lá menor a menor. A mesma coisa com os modos,
os modos são escalas também, não são apenas escalas maiores e
menores começadas de um jeito "esquisito", ou num contexto
harmônico "incomum". Digo isso por um motivo que vc mesmo citou: o
repouso e o relaxamento (graus) das notas são diferentes, portanto um
Ré dórico tem suas funções harmônicas de um jeito, o Dó maior de
outro e o Lá menor de outro, embora tenham as mesmas notas. E isso
remete à primeira pergunta que eu fiz.

Quando eu utilizei como exemplo a escala de C jônico para modos


maiores e Am eólio para modos menores, foi pelo fato de que, eu
acredito que facilitaria o entendimento do assunto, uma vez que essas
escalas possuem as mesmas notas, o que não significa que tenham a
mesma intenção, passem a mesma emoção, entende?

Eu concordo em gênero, número e grau quando você afirma que os


modos são escalas também, não são apenas escalas maiores e
menores começadas de um jeito "esquisito", ou num contexto
harmônico "incomum". Os modos estão intrinsicamente ligados à
harmonia da música, quebrando a idéia de que modo é você começar a
escala de um jeito "esquisito", ou num contexto harmônico
"incomum", como você bem ressaltou.

Talvez a forma como eu me expressei, tenha dado a entender que C


jônico é a mesma coisa que Am eólico. De fato, eles possuem as
mesmas notas, o que não significa que transmitam a mesma emoção,
sentimento quando são executados. Que fique claro isso.

Bom. Espero ter esclarecido ao questionamento do seu tópico.

Aproveito a oportunidade para lhe pedir que explique a diferença de


harmonia tonal para harmonia modal, e também responder à pergunta
que eu não soube responder.

1- Agora falando em harmonia modal, supondo que vc queira compor


uma música em Dó Lídio, que acordes vc usaria que teriam a função
dominante e subdominante?
Existe diferença de harmonia tonal para harmonia modal? (Acredito
que sim, mas eu não sei diferencia-la)...

Sim.
Não vou explicar tão claro quando vc explicou os modos pro pessoal
porque eu não tenho a mesma paciência nem eloquência que vc, mas
vou tentar: A harmonia tonal gira toda no princípio de atração que tem
na sensível (Sétimo grau maior, o Si da escala de Dó maior por
exemplo).
Essa nota dentro do campo harmônico tem um poder de atração muito
forte, por exemplo, o acorde de Si diminuto pede invariavelmente a
resolução em Dó maior (por isso que é "impossível" fazer uma
harmonia em Lócrio, porque o primeiro grau já é o próprio maldito
hauhaua, e isso não faria soar lócrio pois nosso ouvido deslocaria a
harmonia automaticamente pro segundo grau, que é o Dó maior, no
caso de um Si Lócrio).
Baseada nessa nota (a sensível, que não tem esse nome à toa) que se
constrói a função tonal dos outros graus: grau IV subdominante, grau V
dominante, mediantes, etc.
Na HARMONIA MODAL se evita esse trítono, e por essa ausência dessa
nota tão forte na atração harmônica, a música modal parece
auditivamente ser mais... digamos, AÉREA do que a tonal. Tem músicas
modais que parecem tão vagas pro nosso ouvido que elas podem ter
dupla interpretação: podem ser interpretadas tanto como, por
exemplo, Ré dórico ou Mi Frígio, mas isso em raros casos. E por isso
também existe uma diferença do Lá Eólio pro Lá Menor, por exemplo,
porque o modo menor é TONAL, então o acorde dominante (grau V,
Mi) do Lá Menor vai ter essa notinha sensível, que no caso é um Sol#.
No modo Eólio o dominante é menor, porque se evita o trítono, então
a nota será Sol (acorde do grau V: Mi menor). Tudo isso numa cadência
simples I-IV-V-I.
Mas agora, pegando por exemplo o Dó frígio:
C Db Eb F G Ab Bb C

O segundo grau tem a função dominante, o sétimo subdominante (isso


é uma cadência básica do modo). Se vc quiser toca aí na sua casa: Dó
menor como primeiro grau, Ré maior dominante e Si bemol menor
subdominante (I VII II I). Essa cadência tem esse "sabor", "cheiro",
"aroma" frígio (sei lá como o pessoal daqui chama hauihaiuha). Pra
compor música modal não é só pegar qualquer nota e acorde da escala
e sair debulhando, porque vc corre o risco de transformar ela em tonal,
já que os modos gregos tem as mesmas notas dos modos menores e
maiores (que tem o poder de atração mais forte). Alguns cuidados
devem ser tomados como:
evitar a sensível, reforçar e repetir com firmeza os intervalos
característicos do modo (Lídio a 4º aumentada, Frígio a 2º menor, etc),
e assim vai

Enfim, é isso, acho que eu não consigo explicar mais fácil que isso
ahuahuahua

A harmonia tonal gira toda no princípio de atração que tem na sensível


(Sétimo grau maior, o Si da escala de Dó maior por exemplo).
Essa nota dentro do campo harmônico tem um poder de atração muito
forte, por exemplo, o acorde de Si diminuto pede invariavelmente a
resolução em Dó maior (por isso que é "impossível" fazer uma
harmonia em Lócrio, porque o primeiro grau já é o próprio maldito
hauhaua, e isso não faria soar lócrio pois nosso ouvido deslocaria a
harmonia automaticamente pro segundo grau, que é o Dó maior, no
caso de um Si Lócrio).

Muito bom. Nenhuma dúvida até agora.

Baseada nessa nota (a sensível, que não tem esse nome à toa) que se
constrói a função tonal dos outros graus: grau IV subdominante, grau V
dominante, mediantes, etc

Essa parte eu não entendi. Por que é a partir da sensível que essa
função tonal dos outros graus é construída?

Na HARMONIA MODAL se evita esse trítono

Qual trítono? Da sensível com a terça (nota B (7M) com nota E (3))?

E por isso também existe uma diferença do Lá Eólio pro Lá Menor, por
exemplo, porque o modo menor é TONAL, então o acorde dominante
(grau V, Mi) do Lá Menor vai ter essa notinha sensível, que no caso é
um Sol#

Você quer dizer que a "verdadeira" escala de Am, de fato é a escala


menor harmônica?

Mas agora, pegando por exemplo o Dó frígio:


C Db Eb F G Ab Bb C

O segundo grau tem a função dominante, o sétimo subdominante (isso


é uma cadência básica do modo)

Porque no modo frígio, o segundo grau tem função dominante, e o


sétimo tem função subdominante? No modo dórico, existe essa mesma
relação, ou é diferente? Se for possível você explicar o porquê.

De qualquer forma, vou procurar algum material referente Harmonia


Modal.
Se você puder indicar um(s) site(s) que dispõe(m) de um bom conteúdo
sobre o assunto e/ou livros.
Por que é a partir da sensível que essa função tonal dos outros graus é
construída?

Porque ela que tem o maior poder de atração. Na harmonia tonal, a


dominante (grau V) só é dominante porque tem a sensível em seu
acorde (Em Dó maior, o acorde dominante é o Sol maior: Sol Si Ré, o Si
tá bem no meio do acorde), o que traz a forte atração pra a resolução
no primeiro grau. Percebe?

Qual trítono? Da sensível com a terça (nota B (7M) com nota E (3))?

Na escala maior, entre o quarto grau e a sensível, por exemplo Fá Si.

Você quer dizer que a "verdadeira" escala de Am, de fato é a escala


menor harmônica?

Quero dizer que o nome da escala menor harmônica não é


HARMÔNICA à toa haiuhaiuha
Ela é a base da harmonia tonal menor.

Porque no modo frígio, o segundo grau tem função dominante, e o


sétimo tem função subdominante? No modo dórico, existe essa mesma
relação, ou é diferente? Se for possível você explicar o porquê.

No modo Dórico é diferente...


Cara, o porquê da função é uma dúvida excelente que eu mesmo
tenho. No caso da harmonia tonal eu acabei de explicar porque o
dominante é dominante, mas explicar as relações de dependência dos
acordes em relação à tônica, e em cada modo ainda, é realmente algo
muito complicado de se entender. Pior que nem nos livros de harmonia
funcional eu vejo explicação suficiente pra isso, como o do
Kroellreutter. Que um acorde é dominante ou subdominante isso
qualquer um sente, mesmo quem não entende de música, MAS o
porquê do acorde trazer tal estímulo é outra história, e creio que seja
isso que vc queira saber e infelizmente eu não sou capacitado pra te
responder isso. Deve ter explicação neurológica também, não só
teórica.

Mas algo deve ser notado: o acorde dominante tem a nota


característica do modo. No exemplo do Dó Frígio que eu te dei (hmmm
meninão), o acorde dominante tem o Ré bemol, que é a nota
característica pra definir o modo. No Dó Lídio, o dominante pode ser o
segundo grau, que é Ré maior (Ré Fá # Lá).
No caso da harmonia tonal, o dominante tem a sensível.

Mas algo deve ser notado: o acorde dominante tem a nota


característica do modo. No exemplo do Dó Frígio que eu te dei (hmmm
meninão), o acorde dominante tem o Ré bemol, que é a nota
característica pra definir o modo. No Dó Lídio, o dominante pode ser o
segundo grau, que é Ré maior (Ré Fá # Lá).
No caso da harmonia tonal, o dominante tem a sensível.

Coincidência ou não, nesses dois casos que você citou, existe relação
com a terça do acorde (3 ou 3m).

Está certo esse raciocínio?

O acorde dominante da harmonia modal contém a nota característica


do modo em sua 3 (que dependendo do modo, pode ser maior ou
menor).

Com relação à substituição modal, você se refere àquela questão do


tipo:
O modo lídio apresenta as mesmas notas do modo jônico, com exceção
de apenas uma nota. No modo lídio, o intervalo do quarto grau é
aumentado (quarta aumentada: 4+), enquanto no modo jônico o
intervalo do quarto grau é justo (quarta justa: 4) por exemplo:

Escala de C jônico: C D E F G A B
Escala de C lídio: C D E F# G A B

Seria isso? Se não fôr, dê um exemplo para que eu possa melhor


compreende-lo.

Obrigado pela contribuição! Até a próxima!

É mais ou menos isso. É que dos modos maiores, o que soa mais jazzy é
o lídio, por causa justamente da tensão que a quarta aumentada gera.
Muitos jazzistas usam o jônio também, como o Pat Metheny, por
exemplo. Mas o mais comum é o lídio.

Para acorde menores o dórico soa mais jazzy que o eólio, por isso é
mais comum de se escutar no jazz.

Eu tô fazendo uma imersão de estudo no trabalho do Robben Ford e já


deu pra sentir que vou lidar bastante com a mistura de pentas maiores
e menores e com o modo mixolídio, que ele usa muito.

Imaginemos a seguinte harmonia, sobre a qual você deverá solar:

(D A D G A | D Am D G Am) D

"Dissecando" os acordes da segunda parte da base, temos:


D: D F# A
A: A C# E
G: G B D

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

D E F# G A B C#

Percebe-se que este trecho da harmonia gira sobre a tonalidade


(campo harmônico) de D maior, e o repouso desses acordes tende a
acontecer no acorde de D. Por essa razão, utiliza-se a escala de D
jônico, pois todas as notas originadas da "dissecção" dos acordes da
base, fazem parte do Campo Harmônico de D.

"Dissecando" os acordes da segunda parte da base:

D: D F# A
Am: A C E
G: G B D

Se a dispusermos em uma reta essas notas que foram "dissecadas",


teremos a seguinte escala:

D E F# G A B C

Percebe-se que este trecho da harmonia gira sobre a tonalidade


(campo harmônico) de G maior, e o repouso desses acordes tende a
acontecer no acorde de D. Por essa razão, utiliza-se a escala de D
mixolídio, pois todas as notas originadas da "dissecção" dos acordes da
base, fazem parte do Campo Harmônico de G.

Isso quer dizer que a base mudou de tom?Pode isso?


Ah, e na primeira dissecação que você fez, você disse que tava
dissecando a segunda parte da base, quando na verdade tava
dissecando a primeira =s

Ah, e outra dúvida:Como eu posso applicar isso na escala pentatonica


ou na penta-blues?
Mas muito obrigado mesmo cara, finalmente tou entendendo esse
troço!Só falta prática pra memorizar tudo direitinho =)

Isso quer dizer que a base mudou de tom?Pode isso?

Eu não entendi bem a explicação dele, mas pode acontecer de mudar


de tom sim.

Como eu posso applicar isso na escala pentatonica ou na penta-blues?

Acho que vc quer saber como aplicar uma escala pentatônica ou penta-
blues numa harmonia certo?

__________________________________________________________
_

Vou tentar explicar de forma bem simples:

Temos os acordes: Em - G - A - B

E vamos supor que vc quer saber qual escala usar pra solar em cima
desses acordes que estão tocando.

Começando pelo "Em", sabemos que todo acorde tem suas 3 notas
fundamentais que são as 1ª 3ª e 5ª , e no caso do Em, acordes menores
tem 3ª diminuída em meio tom, então a formação do Em seria 1ª (3ªb)
e 5ª que seria as notas (E, G, B) >>> acorde de Em.
Sabendo que as notas fundamentais de Em são "E,G,B" vc pode usar
qualquer escala que tenha essas 3 notas.

Vamos as escalas:

Modo______ Notas
Jónio______ C D E F G A B C
Dórico______ C D D# F G A A# C
Frígio______ C C# D# F G G# A# C
Lídio______ C D E F# G A B C
Mixolídio__ C D E F G A A# C
Eólio______ C D D# F G G# A# C
Lócrio_____ C C# D# F F# G# A# C

Nessa tabela os modos estão todos em "C", mas isso não importa, o
importante é que vc precisa de uma escala que tenha a 1ª justa 3b e 5
justa, e olhando as notas das escalas perceba que os modos que se
encaixam nas notas que queremos são Dórico, Frígio, Eólio, vc pode
usar essas 3 escalas no tom de E para solar enquanto o acorde de Em
está sendo tocado na harmônia. Esse mesmo procedimento serve para
qualquer acorde e qualquer escala, incluindo as pentatônicas, desde
que elas tenham as 3 notas principais do acorde que está sendo
tocado, ou seja, a pentatônica menor também serviria no caso do Em
visto que ela é formada por 1, 3b, 4, 5, 7b.

Uma observação para o rock ou metal, é que quase sempre os acordes


são tocados como Power Chord, ou seja, não se toca a 3ª do acorde,
que é a que caracteriza o acorde como maior, então o power chord soa
como um acorde menor, então nesse caso vc pode usar uma escala
para um acorde menor.

Nesse site escolhendo a escala que vc quer, ele mostra do lado


esquerdo quais notas da escala são diminuída ou aumentada, isso pode
te ajudar a ter um conhecimento maior sobre as escalas que vc mais
gosta.
krixzy
Obrigado pela explicação, mas não é bem isso que eu queria saber.
Na verdade, eu queria sabe se dá pra tocar, por exemplo, A
pentatônica de Em em modo frigio.a escala(menor natural) ficaria
assim(me corrija se eu estiver errado):

E - F# - G - A - B - C - D

No caso da pentatônica menor, a escala deveria ficar assim(eliminando


o segundo e sexto graus da escala):

E-G-A-B-D

Beleza, até aí tudo bem. Só que, se eu quisesse tocar essa escala em


modo Frigio, deveria tocar nessa maneira né?

A-B-D-E-G-A

Está certo?Tudo o que eu fiz foi iniciar do "terceiro" grau(no caso D,


porque eu eliminei o segundo) e repetir o resto da escala até chegar no
terceiro grau denovo...Está certo desse jeito?

Cara criar uma pentatônica do modo frígio teoricamente seria assim:

Frígio em "E" >>>>>>>> E - F# - G - A - B - C - D

Formando uma Penta menor a partir do modo Frígio >>> E - Gb - A - B -


Db

Só que nesse caso vc ta alterando o modo frígio, visto que ele já estava
com a 3b, e pra formar uma penta vc tem que diminuir a 3 de novo, e
se caso vc não diminua de novo pra manter o modo frígio, na verdade
vc ta tocando o mesmo modo frígio só que faltando as notas que vc
tirou, e nesse caso não vejo vantagem pq vc não mudou de sonoridade,
apenas perdeu notas de uma escala que pode fazer falta.

Isso que vc ta querendo fazer eu desconheço, até onde eu saiba não


tem como tocar uma penta em modo frígio, normalmente o que eu
faria seria usar as duas escalas ao mesmo tempo, pois me daria mais
opções pra compor alem de me dar sonoridades diferentes no mesmo
solo.

A forma da Pentatônica é >>> 1, 3b, 4, 5, 7b.

A 3 e 7 são diminuídas, usando essa formula no modo Frígio 1ªE - 2ªF#


- 3ªG - 4ªA - 5ªB - 6ªC - 7ªD ficaria assim:

E - Gb - A - B - Db

E outra coisa, modos gregos não são escalas naturais, chamamos de


natural a Jônico, e Eólio menor natural, mas são modos que mudamos
apenas o tom, existe outros tipos de modos, como por exemplo, além
dessa Frígio citada que também é uma escala menor, há também a
Frígio Dominante (C C# E F G G# A# C ) muito usada no metal.

Jeffin C.
me intromentendo na sua pergunta, misturar escalas em metal não é
algo a ser experimentado...hj em dia, em busca da originalidade, quase
todas as harmonias e solos de metal tem fusoes de escalas, ja q vc
citou o Mustaine, procure estudar Marty Friedman...nao consigo
lembrar nenhum solo dele em q ele usa apenas uma escala sem
nenhuma dissonancia ou passagem outside
quanto ao fato de vc ser autodidata, nao há nada de errado nisso!
muitos grandes guitarristas sao autodidatas, incluindo o pai da
guitarra, Hendrix, e o maior idolo da molecada, o Slash! só nao
podemos formar o falso conceito de que autodidadas nao manjam
nada de teoria...alguns nao manjam mesmo, mas o termo "autodidata"
remete ao cara q estudou por conta, e portanto, sabe de teoria!
vc só tem q tomar cuidado com a grande quantidade de informação q
temos disponiveis hj purai, pode confundir o iniciante, q nao sabe a
ordem q deve aprender as coisas...talvez a uns 20/ 30 anos atras fosse
mais facil ser autodidata viu...rs

Ser autodidata realmente é mais difícil e mais lento para aprender, mas
ao meu ver autodidatas tem uma grande vantagem, que é descobrir as
coisas do seu jeito, o autodidata explora o conhecimento de forma
diferente, já os que fazem curso ou se formam em alguma escola as
vezes acabam se prendendo ao padrão de aprendizado, tipo só toca do
jeito que o professor encinou, e nisso os autodidatas tendem a
encontrar uma personalidade musical mais fácil, tipo quando alguém
escuta um som seu não precisa ver pra saber que é vc, pq no seu som
tem sua personalidade.

E vc pode e deve mesclar escalas, como o amigo citou acima, hoje em


dia ninguém se prende a uma escala, no mesmo solo pode se usar
várias conforme a sonoridade que esteja procurando, isso é muito
comum.

Jeffin C.
Tocar de forma modal não é subir e descer um shape de escala, mas
entregar a intenção correta enfatizando as notas que são importantes
para aquela sonoridade. Vamos por partes:
1 - Como enfatizar uma nota?

- Começando na nota, terminando na nota, tocando ela no tempo


forte, tocando ela com maior intensidade, tocando a nota várias vezes,
colocando a nota como a mais aguda da frase, colocando a nota como
a mais grave da frase, fazendo a nota durar mais que as outras, etc...

2 - Quais são as notas características de cada modo?

São: a tônica do modo e o trítono da escala que estiver usando. Se não


souber o que é trítono observe a distância em tons entre a quarta nota
da escala maior e a sétima. São 3 tons (trítono).

Exemplo 1:

Ré Dórico - D E F G A B C

Notas características: Tônica do modo, ou seja a nota Ré + trítono da


escala, ou seja, notas Fá e Si (observe que entre Fá e Si existe 3 tons).

Exemplo 2:

Sol Mixolídio - G A B C D E F

Notas características: Tônica do modo, ou seja a nota Sol + trítono da


escala, ou seja, notas Fá e Si.

Podes usar para ambos os exemplos acima os mesmos shapes, mas a


ênfase será diferente pois no dórico você acentuará as notas D F B e no
mixolídio as notas G B F. A base no dórico deverá começar com um
acorde de Dm e girar em torno dele e no mixolídio no acorde de G.

3 - Dar a mesma intenção modal da base.

Se a base está claramente em Jônico, sole em jônico. Se a base estiver


em dórico sole em dórico. Se a base estiver em frígio sole em frígio e
assim por diante. A não ser que você estiver pensando por acorde, daí
o que vale é sempre a tônica do próprio acorde. Por exemplo, num
acorde de Dó(qualquer coisa) você poderá dar a intenção Dó(modo).
Num acorde de Ré(qualquer coisa) você poderá dar a intenção
Ré(modo). O modo sempre terá a mesma tônica do acorde (quando
solando por acorde!).

Não precisa começar com um acorde menor. Pensa que a diferença do


dórico para qualquer outro acorde menor é a 6 maior, portanto um
acorde com 6 maior da a sonoridade do dorico.

Todos os acordes do campo harmonico de determinado modo podem


ter um dorico sendo tocado em cima deles, contudo, alguns acordes
ficam muito bem com o dorico.

Os melhores são o proprio acorde do dorico (m6) e o dominante (maior


com 7). Portanto cadencias com eles funcionam super bem.

Outra maneira de pensar em cadencias com dorico é pensar no dórico


como primeiro grau, por exemplo D dórico( tom de C maior).

D-E-F-G-A-B-C

depois de coloca-lo no primeiro grau, voce pega o I, IV e V graus e toca


os acordes desses graus com o baixo na tonica do dórico, sendo nesse
caso

Dm6- Am7/D- Bmeio°/D

Mas é logico que você pode tocar dorico em todos os acordes do


campo.
Uma forma bacana de tocar o dorico é pensando nele como
pentatonica. Troque a setima da penta menor por uma sexta
maior,isso ir gerar uma penta menor com sexta, que é exatamente o
dórico.

Isso funciona com todos os modos.

D-E-F-G-A-B-C

depois de coloca-lo no primeiro grau, voce pega o I, IV e V graus e toca


os acordes desses graus com o baixo na tonica do dórico, sendo nesse
caso

Dm6- Am7/D- Bmeio°/D

o IV e o V nao seria, G e A partindo ae do D.? pq Am7/D- Bmeio°/D[/i]


deu pra entende mais ou menos entao eu seguiria o raciocinio que D
dorico devo seguir a campo harmonico d C para montar a base da
musica .....assim como se fosse pra soar mixolidio G . teria de usar o
campo de C tambem colocando como tonica uma nota com 7 menor.
qualqer nota do campo de C com 7 menor....? desde ja agradeço a
paciencia ^^

O IV e o V do Dm dórico são respectivamente o G e o Am.

É legal quando você transforma o Vº grau do dórico em um dominante.


Então sobre este acorde, já que você está tocando o dórico, não custa
nada subir a 7a do dórico em um semitom e fazer com que o Dm dórico
se transforme numa Dm melódica. Pode gerar um acorde A7(9) ou um
A7(b13), senão um A7(9/b13):
e----7--------------
B----6--------------
G----6--------------
D----5--------------
A----0--------------
E-------------------

Então, a matéria toda se divide em 3 partes:

O que são os Modos Gregos? ->está na primeira pagina deste topico


Sobre a sonoridade dos Modos Gregos. -> está na primeira pagina
deste topico.
Dicas de como criar HARMONIAS-> está na segunda pagina deste
topico.

Afinal, o que são os Modos Gregos?

Bom, a Harmonia Modal é um tipo de harmonia dentre as demais que


existem - a Tradicional e a Funcional.
A Harmonia Modal, como o próprio nome já diz, é baseada nos Modos
Gregos.

Existem 7 modos no campo harmônico Modal:


I: Jônio(ou também chamado "Maior)
II: Dórico
III: Frígio
IV: Lídio
V: Mixolídio
VI: Eólio(ou também chamado "Menor")
VII: Lócrio
OBS: Cada Modo é equivalente a 1(UM) Grau, grau este representado
por algarismos romanos.

Os Graus nada mais são do que os intervalos. EX: O primeiro grau é a


tônica, o quinto grau é a quinta, o oitavo grau é a oitava.
A Soma desses 7 graus existentes(a oitava nada mais é do que a
Tônica) formam a escala.

As escalas desses respectivos graus são:

I: Jônio

<pre>
G---------------2--4-----------------------------------
D--------2-3--5----------------------------------------
A--3--5------------------------------------------------
E------------------------------------------------------
</pre>

II: Dórico

<pre>
C----------------2-4-----------------------------------
D----------3--5----------------------------------------
A--3--5-6----------------------------------------------
E------------------------------------------------------
</pre>

III: Frígio

<pre>
G------------------3-----------------------------------
D----------3--5-6--------------------------------------
A--3-4--6----------------------------------------------
E------------------------------------------------------
</pre>

IV: Lídio

<pre>
G----------------2--4----------------------------------
D--------2--4-5----------------------------------------
A--3--5------------------------------------------------
E------------------------------------------------------
</pre>

V: Mixolídio

<pre>
G----------------2-3-----------------------------------
D--------2-3--5----------------------------------------
A--3--5------------------------------------------------
E------------------------------------------------------
</pre>

VI: Eólio

<pre>
G-------------------3-----------------------------------
D-----------3--5-6--------------------------------------
A---3--5-6----------------------------------------------
E-------------------------------------------------------
</pre>
VII: Lócrio

<pre>
G------------------3-----------------------------------
D----------3-4--6--------------------------------------
A--3-4--6----------------------------------------------
E------------------------------------------------------
</pre>

Complicou?Vou explicar melhor:

Normalmente, dizemos que ou o tom de uma música ou de um trecho


de música é Maior(Jônio) ou o tom é Menor.(Eólio)
Na verdade, há, além desses 2 tons, outros 5: Dórico, Frígio, Lídio,
Mixolídio, Lócrio.

Todos esses tons, essas escalas, são oriundas de uma escala MÃE: O
Jônio.(Maior)

Observe:comece a tocar a escala de Jônio(exemplo: C Jônio),


começando pelo Dó(I GRAU).
Agora, comece a tocar a escala de Dó Jônio começando pelo II
Grau(Dórico). Depois comece a tocar a escala de Dó Jônio começando
pelos graus III, em seguida pelo grau IV, V, VI, e por último, o VII.

Para ilustrar melhor:


COMEÇANDO A ESCALA DE DÓ MAIOR PELO I GRAU(JÔNIO)
<pre>
G--------------------------------------------------------
D----------------2--4------------------------------------
A--------2-3--5------------------------------------------
E--3--5--------------------------------------------------
</pre>
COMEÇANDO A ESCALA DE DÓ MAIOR PELO II GRAU(DÓRICO)
<pre>
G--------------2--4-5----------------------------------
D------2-3--5------------------------------------------
A---5--------------------------------------------------
E------------------------------------------------------
</pre>

COMEÇANDO A ESCALA DE DÓ MAIOR PELO III GRAU(FRÍGIO)


<pre>
G----------2--4-5--7---------------------------------
D--2-3--5---------------------------------------------
A-----------------------------------------------------
E-----------------------------------------------------
</pre>

COMEÇANDO A ESCALA DE DÓ MAIOR(JÔNIO) PELO IV GRAU(LÍDIO)


<pre>
G---------2--4-5--7--9--------------------------------------
D---3--5-------------------------------------------------
A------------------------------------------------------
E------------------------------------------------------
</pre>

Entendeu? faça o mesmo esquema com os graus restantes.

Porquê tudo isso? Compare essas digitações que você acabou de fazer
com aquelas escalas logo no início deste tutorial, ou seja, a escala
Jônio, Dórico, Frígio, Lídio, Mixolídio, Eólio e Lócrio.

Percebeu?? São as mesmas notas só que jogadas em regiões mais


confortáveis do braço. Então, OBEDECENDO UMA HARMONIA JA
EXISTENTE, ONDE O TOM ESTIPULADO PELO COMPOSITOR EH APENAS
UM, (ou seja , nao ha mudanca de tom no meio nem emprestimo
modal nem nada..rss nao vamos entrar nesse mérito) não é bom
pensar assim pois as notas sao iguais. Você só tende a se confundir
mais ainda. Devemos encarar os Modos gregos como Tonalidades que
podem ser mudadas durante a música, para criar uma mudança de
clima.

Conclusão: Se você começar a tocar a escala de Dó maior(Jônio), por


exemplo, a partir do segundo Grau(II), na própria escala maior, e
depois tocar a escala de Ré Dórico, você vai perceber que as notas são
iguais!! Então concluímos o que? Muito bem! Que todos esses Modos
Gregos sao oriundos da escala Mãe Jônio(escala maior). Logicamente é
assim pois tal escala é o primeiro grau de todos.

Fiquei confuso... Se as notas são as mesmas , então pra que essa


palhaçada toda? Simples! Para você perceber algumas coisas:

1) Dó Jônio = Ré Dórico = Mí Frígio = Fá Lídio = Sol Mixolídio = Lá Eólio =


Si Lócrio. Isso tendo como exemplo uma BASE, uma progressao de
acordes, onde a tonalidade é DÓ MAIOR, nesse caso).
Tem muitos doutrinadores que fazem uma tremenda burrada
ensinando por esse modo mais complicado, entupindo o aprendiz
músico com inúmeras escalas e teorias complicadas. Se pedirem para
vc criar algum arranjo ou solo em cima de uma base como esta: C7M
Dm7 Em7 O TOM DESSA BASE É DÓ(C MAIOR)
Para que raios você vai aplicar uma escala diferente em cada acorde
tocado? É idiotice aplicar dó jônio no acorde C, ré dórico no acorde D,
mí frigio no acorde E. É idiotice pois no final das contas, você vai estar
tocando as mesmas notas da escala de Dó Jônio!!

2) Cada escala tem uma sonoridade diferente. Então, podemos criar


uma música em TOM Jônio , ou em TOM Dórico, ou em TOM Frígio, ou
em TOM Lídio, e etc.
EXISTE TOM EM LÍDIO? PENSEI QUE SÓ EXISTISSEM OS TOMS
MAIORES(JONIO) E MENORES(EOLIO)
Resposta: SIM!!
A grande sacada está em você aprender a diferenciar a sonoridade de
cada escala. Por exemplo: O Jônio é uma escala alegre, feliz. Sabem o
refrão da música Carry On do Angra? Então, aquele refrão é em TOM
Jônio.
Outro Exemplo: A Música do filme "Tubarão" é em Frígio, pois tal modo
é caracterizado por ter uma soronidade sombria, com tensão,
entendem?

Pensem em cada Modo como um TOM DIFERENTE


É muito comum a mudança de tom durante as músicas. No jazz por
exemplo, é comum mudar de TOM a cada ACORDE. Isso proporciona
uma harmonia muito bem trabalhada e sonoricamente
maravilhosa(LOGICAMENTE QUE TEMOS QUE USAR O NOSSO BOM
SENSO...) proporcionando à música um SOLO muito RICO.

3) É muito complicado dizer o MODO de um trecho musical. Por


exemplo um verso ou um refrão. A dica é aprender a diferenciar a
SONORIDADE de cada MODO. Se treinarem isso, depois de um tempo,
só de ouvir a música, ou o trecho, vocês poderão dizer qual é o Modo
utilizado pelo(s) músico(s). (se for harmonia modal é claro)

VALE A PENA RESSALTAR QUE DEVEMOS SEMPRE USAR NOSSO BOM


SENSO! NAO VÃO, POR EXEMPLO, CRIAR UMA MUSICA COM UMA
SONORIDADE ALEGRE E FELIZ E LOGO NO REFRAO JOGAREM UM
FRÍGIO , QUE É UM MODO COM MUITA TENSÃO , FRIEZA, POIS NÃO
VAI FICAR MUITO LEGAL..RSSS

Dicas de como criar HARMONIAS para aplicar o exposto acima:

* Os acordes maiores são: Jonio(I grau), Lidio(IV grau) e Mixolidio(V


grau). Os acordes menores são: Dorico(II grau), Frigio(III grau), Eolio(VI
grau) e Locrio(VII grau).

São maiores ou menores em função da sua terça.

Bom , agora vamos nos lembrar do seguinte:

-Vamos analisar os modos sob o prisma dos acordes:

Bom , para facilitar , vamos comparar os maiores com o JONIO e os


menores com o EOLIO , por serem as escalas naturais MAIOR e
MENOR.

JONIO: Possui Tonica , terça maior, quarta justa, quinta justa, sexta
maior e setima maior.

EOLIO: Possui Tonica , terca menor , quarta justa , quinta justa , sexta
menor e setima menor

Agora vamos comparar com o resto dos modos:

DORICO: Possui Terça menor , e sexta maior (se comparmos com a


escala natural menor ->eolio)

FRIGIO: Possui a terca menor , e a segunda bemol (se comparmos com


a escala natural menor ->eolio)

LIDIO: Possui a terca maior , a quarta aumentada e a quinta justa(se


compararmos com a escala natural menor ->eolio)

MIXOLIDIO: Possui a terca maior e a setima menor(se compararmos


com a escala natural maior -> jonio

LOCRIO: Possui a terca menor , a segunda bemol , a quarta justa e a


quinta bemol(se compararmos com a escala natural menor ->eolio)

Já dá para distinguir quais são os maiores e os menores e suas


respectivas sétimas.

Porque sétimas?
É importante distinguir as sétimas, pois são os acordes mais utilizados.
Não que nao existam acordes com sexta e afins, mas os mais comuns e
os mais usados sao acordes com sétima.

Vamos botar a mão na massa!

Se vc quiser criar uma base(ou também chamada , progressao de


acordes) onde a tonalidade é Jônio, você ira começar pelo primeiro
grau.

Exemplo: Dó Jônio: Analise a escala e retire dela quaisquer notas SEM


SER A DO TOM LOGICAMENTE - que servirão para você fazer a base.
Vamos utilizar o Mí , o Fá e o Sol, como exemplo.

Bom, já sabemos o quê? Que os modos MAIORES sao: I(Jonio) IV(Lidio)


e V(Mixolidio) e os MENORES sao: II(dorico), III(frigio), VI(eolio) e
VII(Lócrio).

O Dó é o primeiro grau(I) da escala(por ser o tom)


Dó! Por ser o primeiro grau , usaremos o Jônio propriamente dito!
O Jônio possui a terça maior e a sétima maior.

C7M -> Dó maior com sétima maior

Dó, Ré, Mí. O Mí é o terceiro grau da escala, hmmm terceiro grau eh


qual? Muito bem! É o Frígio! O Frígio possui a terça menor e a setima
menor certo? Entao vamos começar nossa progressao de acordes:
Em7
Ué, e porquê nao tem um "m" depois do 7? O Sétimo grau do frigio nao
é menor?

Resposta: Sim! Mas no caso das sétimas é um pouco diferente. Quando


está apenas um "7" significa que essa sétima eh MENOR. Se tiver
somente o acorde, sem nada(exemplo: "G", "A"...) significa que tal
acorde é MAIOR. Se tiver um "m" depois do acorde(exemplo: "Gm",
"Am"...) significa que tais acordes sao MENORES. No caso da sétima é
ao contrário. Se o "7" estiver sozinho, quer dizer que a sétima é
MENOR. Se o "7" tiver acompanhado de um "M" ("7M") significa que
tal sétima é MAIOR.

Em -> mí menor

No caso do sétimo grau(VII) tal regra é diferente. Se o 7 esta sozinho,


significa que ele é menor; se o 7 estiver acompanhado de um "M"
significa que a sétima é maior ->7M

Em7->Mí menor com sétima menor.

Vamos prosseguir:
Dó, Ré, Mí, Fá! O Fá é o quarto grau certo? Entao , concluímos que se
trata do Lídio.
O Lídio possui a terça maior e a sétima maior.
E7M ->lembram do dito acima? Apenas "E" significa que o acorde é
maior. Neste caso, temos um "M" acompanhando o 7. Entao , de
acordo com o aprendido, tal sétima é maior.

F7M->Fá maior com sétima maior.

Dando continuidade:
Dó , Ré , Mí , Fá , SOL! O Sol é o quinto grau certo? Entao , pelo fato do
tom de nossa futura base ser JONIO , o SOL é o quinto grau, ou seja, o
MIXOLIDIO. Tal modo possui a terça maior e a setima menor.
G7->Sol MAIOR com sétima

Pois existe apenas o "G" nao acompanhando "m" que significaria que o
sol seria menor) e somente o "7" que significa que tal sétima é menor,
pois a sétima é uma EXCESSAO a essa regra lembra?

PRONTO!
Nossa base ficou assim:

| C7m Em7 | F7M G7 | => TOM: Jônio

Acordes dessa progressao:

Dó Maior com sétima maior


Mí menor com sétima menor
Fá maior com setima maior
Sol maior com setima menor(CURIOSIDADE: Este acorde é muito usado
no BLUES)

Se não quiserem usar a sétima não usem. É interessante deixar


explícito a sétima. Se quiserem usar usem , se não , não usem.

Podem fazer somente bordoes , acordes completos com tonica, terca,


quinta, e setima(TETRADES), acordes com tonica e terca somente, com
tonica e setima , com tonica , terca e quinta (analisar quais graus
possuem quinta justa e quais possuem quinta bemol e etc)

Concluindo:
Viram porque é besteira aplicar a escala correspondente ao acorde? No
final das contas as notas sao iguais. Aplique a ESCALA DO TOM que é
Dó Jônio.
Outro exemplo:

Ré Lídio:
Quais são as notas do dó lidio? D, E, F#, G#, A, B, C#

Agora vamos escolher algumas notas para serem os acordes da nossa


base:

Logicamente que a primeira nota do nosso acorde vai ser o D, pelo


nosso tom ser Lídio.

Vamos escolher o F#, o E, e o G#.

Vamos começar!

Muito cuidado. No exemplo do Dó, nos usamos o tom de jonio, ou seja,


o PRIMEIRO grau. Neste caso usaremos o tom LIDIO, ou seja, o
QUARTO grau; entao, começaremos a contar do IV(quarto)

Pelo fato do tom ser LIDIO , o Ré tem a terça MAIOR e setima MAIOR
D7M -> Ré maior com setima maior

Ré, Mí, Fá sustenido! Quarto(IV), Quinto(V) Sexto(VI) o Fá sustenido é o


sexto grau do Campo Harmonico de Ré Lídio, ou seja, o Eolio! Pois
bem, o eolio possui a terca e setima menores certo? Correto! Entao
ficará assim:
F#m7 -> Fá sustenido menor com setima menor.

Ré, Mí! Quarto(IV), Quinto(V)! O Mí é o quinto grau , ou seja , o


mixolidio! Bom, o mixolidio possui a terça maior e a setima menor.
Entao ficará assim:
E7-> Mí menor com setima menor

Ré, Mí, Fá sustenido, sol sustenido! Quarto(IV) , Quinto(V), Sexto(VI),


Setimo(VII) Ou seja, o LOCRIO! Que possui a quinta BEMOL!!! (Muitas
Tablaturas ou partituras a sinalizam como uma BOLINHA CORTADA NO
MEIO ,NA HORIZONTAL, bem pequena. (ao lado do acorde em questao)

Teoricamente chamamos esse acorde(o acorde referente ao grau


LOCRIO) , como ACORDE MEIO DIMINUTO

Ficará assim:
G#m7 5b-> sol sustenido menor com setima menor E QUINTA BEMOL

Dificil? Que nada! É só decorar que os acordes LOCRIOS(Setimo grau)


Sao chamados de meios diminutos, e eh porisso que devemos
explicitar que a quinta dele eh BEMOL.

Pronto! Nossa progressao ficou assim:

|D7M(IV) F#m7(VI) | E7(V) G#m7 5b(VI) |

Para melhor visualizacao, coloquei os graus respectivos aos acordes


entre parênteses. O Tom dessa nossa progressao é Ré Lidio pois
começa pela quarto grau!

Importantissimo: Lembre-se; se vc escolher uma tonalidade sem ser a


JONIO, para fazer suas progressoes, dependendo do grau, vc deve
começar contando por ele. EX: Dó Mixolidio. Você, deve lembrar que a
TONICA do mixolidio, por ser mixolidio, é o V(quinto grau).
Em virtude disso, como foi o caso do LIDIO que acabamos de fazer, o
primeiro acorde NECESSARIAMENTE terá de ser o Mixolidio, neste
caso, o Dó. Se o segundo acorde de sua progressao for o Ré, este será
respectivo ao Eolio, por ser o VI grau... e por aí vai...

Ilustracao do dito acima=> C7[V] Cm7[VI]... TOM: Dó Mixolidio


Coloquei o grau correspondente entre colchetes para melhor
visualizacao

Agora já sabemos fazer progressoes!

Agora você ja sabe que nao é uma boa idéia vc aplicar a escala
referente ao acorde, na hora de solar. Pois TUDO o que foi feito, foi a
partir de UMA ESCALA; que é a do TOM. Entao, deve-se solar em cima
da escala do TOM.

IMPORTANTE: VALE LEMBRAR QUE NAO MUDAMOS DE TOM EM


NENHUAMA HIPOTESE. TODAS AS PROGRESSOES FORAM ORIUNDAS
DO TOM ESCOLHIDO.

MAS QUE MODO ESCOLHER PARA O TOM DA PROGRESSAO?


Leve em consideração o dito acima; sobre a sonoridade dos modos. Se
você quer uma musica com a sonoridade do mixolídio, escolha notas,
para seu acorde, que dizem respeito à peculiaridade do MIXOLIDIO;
que é a SETIMA Menor. É o que o diferencia da sua escala-mãe, o
Jônio! Ambos sao modos MAIORES(e consequentemente, serao
acordes maiores) porem, só o fato do mixolidio possuir a sétima
menor, a sonoridade diferencia muito da do Jônio! Então, de ênfase
(ou na hora do SOLO ou na própria BASE) a essa SÉTIMA MENOR, que é
a peculiaridade do MIXOLIDIO; assim, seu solo, sua base, soara como
MIXOLIDIO!!