Você está na página 1de 7

Secretaria de Educação do Estado da Bahia

Superintendência de Educação Básica Universidade Federal da Bahia - UFBA


Diretoria de Educação e Suas Modalidades Faculdade de Educação - FACED
Coordenação de Educação do Campo Programa Escola da Terra

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO (200 HORAS)/ESPECIALIZAÇÃO (360 HORAS) EM PEDAGOGIA HISTÓRICO-


CRÍTICA PARA AS ESCOLAS DO CAMPO

PLANO DE CURSO 2018


NOME COMPLETO DO(A) CURSISTA

NOME DO MUNICÍPIO
2018
1 - IDENTIFICAÇÃO

PROFESSOR(A): Maria Joaquina Silva Silva


ASSESSOR(A) PEDAGÓGICO(A) QUE ACOMPANHA O(A) PROFESSOR(A): Maria Francisca Silva Silva
FORMADOR(A) QUE ACOMPANHA O(A) PROFESSOR(A): Raphael dos Santos
ESCOLA: Raio de Luz
ENDEREÇO: Povoado Sal da Terra
ANO/SÉRIE: 3º ano do Ensino Fundamental

2 - APRESENTAÇÃO (Texto evidenciando os objetivos e fundamentação teórica que sustenta o Plano de Curso: Pedagogia Histórico-Crítica)

Neste texto explicar que este Plano de Curso é uma atividade do Tempo Comunidade do Módulo IV do Programa Escola da Terra.
Explicar o que é o Programa Escola da Terra, seus objetivos e estrutura. Para tanto, consultar Portaria nº 579, de 2 de julho de 2013 (pesquisar
na internet).
Explicar que o Programa Escola da Terra na Bahia se operacionaliza em Curso de Aperfeiçoamento/Especialização em Pedagogia Histórico-
Crítica para as Escolas do Campo, desenvolvido pela Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Educação (UFBA/FACED), por meio da Linha de
Estudo e Pesquisa em Educação Física & Esporte e Lazer (LEPEL) e o Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo (GEPEC), em parceria
com o Ministério da Educação, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação e a Secretaria de Educação do Estado da Bahia.
Apresentar o objetivo do Plano de Curso
Expor o referencial teórico que fundamenta a elaboração do Plano: pedagogia histórico-crítica, utilizando alguns conceitos disponibilizados no
capítulo 1 do Livro Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações (SAVIANI, 2013), a saber: a) conceito de educação (trabalho educativo), b) as
duas faces do objeto da educação, c) o papel da escola, d) concepção de currículo, e) a importância das atividades nucleares da escola, f) importância
dos clássicos como conteúdos de ensino, g) o conceito de psiquismo e a contribuição da educação escolar para o desenvolvimento do psiquismo
humano (MARTINS, 2013). Recorrer aos Relatos de Aprendizagem produzidos durante o curso.
3 - CONTEXTUALIZAÇÃO (texto evidenciando a comunidade, escola e perfil das crianças atendidas no ano/série que trabalha como professor).

Este Plano de Curso será desenvolvido na Escola... , uma escola quilombola, localizada no povoado XXX, zona rural do município de XXXX.
A comunidade na qual a Escola está situada é caracterizada por trabalhadores rurais como XXXXXXXXX. Nesta comunidade residem
aproximadamente XXXX famílias de origem XXXXXXXXX. As principais fontes de recurso são XXXXXXXXXXX. Quanto às formas de
organização comunitária existem associações e cooperativas que desenvolvem ações como XXXXXXXXXX.
Em relação ao nível de escolaridade destas famílias predomina XXXXXXXXXX. Quanto as principais manifestações culturais destacam-se
XXXXXXXXXXXX.
A Escola Municipal Rio de Luz, Fundada pelo Decreto nº XXXX, em XXXXX, oferece ensino nos seguintes níveis e modalidades: Educação
Infantil, Ensino Fundamental I e Fundamental II. A escola recebeu este nome devido a um XXXXXXXXXXXX.
O espaço escolar compreende apenas 04 (quatro) salas de aula, 02 banheiros e uma secretaria. Atende nos turnos vespertino e matutino. Nas
salas de aula encontram-se materiais didático-pedagógicos, como: XXXXXXX, XXXXXXX, XXXXXX, XXXXXX e XXXXXX.
O corpo docente é formado por 2 (dois) professores e os discentes compreendem um total de 120 alunos. Neste ano de 2017 o trabalho a ser
desenvolvido destina-se ao atendimento de alunos do 2º e 3º ano do Ensino Fundamental, uma turma multisseriada, composta por alunos na faixa etária
entre 7 e 9 anos de idade. São alunos que apresentam as seguintes características: XXXXXXXXXXXXXX.
Considerando que o planejamento de ensino, conforme orienta a pedagogia histórico-crítica, deve pautar-se na tríade conteúdo-forma-
destinatário, o trabalho pedagógico no componente curricular XXXXXXXXXXXX será organizado tomando como referência as seguintes ações
pedagógicas: XXXXXXXXXXXXXXXXXXXX, conforme detalhamento abaixo.
ATENÇÃO é um exemplo.
4 - ELEMENTOS CONSTITUINTES DO PLANO DE CURSO

COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa


ANO/SÉRIE: 3º ano do Ensino Fundamental
CARGA HORÁRIA SEMANAL: 8 aulas

OBJETIVOS ESPECÍFICOS CONTEÚDOS


I UNIDADE DIDÁTICA

O objetivo é orientado pelo “para que ensinar algo”. O objetivo esclarece Definir os conteúdos de ensino tomando como referência os conteúdos
quais são os instrumentos psicológicos que precisam ser desenvolvidos, clássicos de ensino do componente curricular. Isso significa que precisa ir
por isso refere-se à instrumentalização, tendo em vista o conteúdo, os além dos conteúdos do livro didático.
alunos e as condições para o ensino.
Lembre-se: O clássico é aquilo que se firmou como fundamental, como
essencial. Pode, pois, constituir-se num critério útil para a seleção dos
conteúdos do trabalho pedagógico (SAVIANI, 2008, p. 14).

II UNIDADE DIDÁTICA
III UNIDADE DIDÁTICA

IV UNIDADE DIDÁTICA
PROCEDIMENTOS DE ENSINO

Mencionar o “como” ensinar, ou seja, quais procedimentos serão utilizados? Eles participam da instrumentalização – os meios para atingir os objetivos
e também estão vinculados às condições. Se ensinamos algo de uma determinada maneira, quanto vamos atingir dos objetivos? De que outras maneiras
poderíamos ensinar em nossas condições objetivas para conseguir nos aproximar mais dos objetivos traçados?

Levar em consideração o estudo acerca da periodização do desenvolvimento e a organização do trabalho pedagógico histórico-crítico, considerando a
atividade-guia, ou seja, qual a atividade que promoverá o maior alcance de desenvolvimento daquela etapa do estudante. Elencar as ações pedagógicas
desenvolvimentistas de acordo com a atividade guia do destinatário (aluno).

RECURSOS

Manter a coerência dos conteúdos com os procedimentos de ensino.

AVALIAÇÃO

A avaliação é a verificação da aprendizagem a partir dos componentes anteriores. É claro que a constatação do que o aluno aprendeu não se dá por
meio de um único instrumento, mas devemos planejar situações nas quais possamos avaliar o que o aluno está aprendendo e assim replanejar as ações,
seja para potencializar ainda mais o que estamos ensinando, seja para buscar outras estratégias mais adequadas às proposições do ensino. O aluno
consegue escrever sobre o que aprendeu? Elabora oralmente uma explicação para o conteúdo? É capaz de fazer relação deste conteúdo com outros?
Precisa de um modelo para guiar suas ações? Consegue criar novas situações a partir dos conhecimentos apreendidos? A resposta a esses
questionamentos expressa a catarse e ela deve ser cada vez mais elaborada. Ademais, se chegamos ao domínio de um determinado conteúdo, temos um
novo ponto de partida para recomeçar o processo de ensino e aprendizagem.
Avaliação e objetivos de ensino constituem um par dialético. Isso significa que os instrumentos de avaliação definidos precisam dialogar com os
objetivos propostos para saber se os estudantes apropriaram-se dos conteúdos ensinados pelo professor.

5 - REFERÊNCIAS

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia Histórico-Crítica: primeiras aproximações. 11. ed. Campinas-SP: Autores Associados, 2013.

Colocar também todas as outras referências, em ordem alfabética, incluindo os livros didáticos utilizados.