Você está na página 1de 4

15 e 16

anos
Preparai o Caminho III Etapa - Nº 14

Programa de Catequese com Adolescentes Subsídio para catequistas


Dimensão Catequética - Arquidiocese de Mariana
Quarta Etapa
Catecumenato crismal Ser cristão no mundo
Este subsídio apresenta temas
Encontro
13º Encontro

Namoro e de grande importância para a


formação da juventude:
afetividade, sexualidade e

amizade namoro. Sendo conveniente e


possível, o catequista pode
25º

buscar a ajuda de outros


Objetivo: agentes e educadores para
Desenvolver e aprofundar o verdadeiro sentido do dinamizar os encontros e
namoro cristão à luz da Palavra de Deus. aprofundar os temas. É preciso
criar um clima de diálogo e
Material: firmeza de princípios, ao
Confeccionar um grande coração vermelho; CD mesmo tempo, evitando um
com músicas suaves; letra da música “Monte discurso moralista ou uma
Castelo” (pg.3) para todos; Bíblia; velas; faixas visão secularizada da
frases sobre o tema. sexualidade humana.

1 Acolhida e oração inicial 3 Ouvindo a Palavra


1. Preparar o local do encontro com faixas como: Jesus Cristo, no Evangelho, nos propõe o Reino de Deus.
“Deus criou o homem e a mulher”; Optar pelo Reino é optar por um novo homem e uma nova
“Deus os abençoou”; mulher, dispostos a relacionamentos que privilegiem e
“Frutificai, disse ele, e multiplicai-vos”; promovam a “vida em abundância” (Jo 10,10). Esta força do
“Não é bom que o homem esteja só”; amor é retratada de maneira belíssima pelo apóstolo Paulo
“Uma ajuda que lhe fosse adequada”. em 1Cor 13,1-13.
2. Pedir que reflitam individualmente sobre as frases (pode- 1. Fazer a leitura tendo ao fundo uma música suave.
se colocar um fundo musical). 2. Em seguida, faz-se silêncio para reflexão.
3. Motivar orações espontâneas de agradecimento a Deus 3. Motivar a partilha: Qual a parte desta leitura que mais lhe
pelo dom da amizade e do amor entre homem e mulher. chamou a atenção? O que este texto nos fala de como
4. Dividir os participantes em grupos e pedir que respondam: deve ser o verdadeiro amor?
1. O que é namorar?
2. Existe amor à primeira vista?
3. Quais as qualidades para a vivência de um namoro 4 Dinâmica
mais verdadeiro?
4. Um bom namoro terá como conseqüência um bom
Namoro é...
casamento? Após ouvir a música “Monte Castelo” (página 3), colocar o
5. Por que alguns casamentos fracassam? grande coração vermelho no centro da sala. Todos são
5. Apresentar as conclusões de cada grupo e, se necessário, convidados a escrever uma pequena mensagem sobre o amor
fazer a complementação. no namoro, inspirando-se no texto de 1Cor 13 e na letra da
música. Depois de pronto, o catequista motiva cada um a ler
2 Debate sua mensagem, fazendo um momento de agradecimento, pois
o amor é o que dá sentido à nossa existência.
O que os jovens dizem:
1. Distribuir entre os participantes os depoimentos de alguns jovens sobre namoro
extraídos da Revista Família Cristã, escritos em folhas de papel ofício.
1234567890123451234567890123456789Frente à sociedade consumista que
2. Pedir que comentem os depoimentos, primeiro em duplas, depois em plenário.
1 Compromisso
123456789012345 123456789012345 1234567890123456789
123456789012345 123456789012345
Os jovens namorados 1234567890123456789
Namoro é tempo de apresenta nosso corpo como
123456789012345
Namo ro é ótimo qua nd 123456789012345
o
dão a impressão de que1234567890123456789
123456789012345 cur am 123456789012345
são muito liberais, se 1234567890123456789
prep araç ão para o mercadoria e nos propõe o namoro
123456789012345
os jovens pro
123456789012345 1234567890123456789
casa men to. É tem po de como algo banal, descartável,
123456789012345
conhecer-se nas suas 123456789012345
permitem tudo. Nos 1234567890123456789
de conhecer-se, imediato, sem encanto, utilitarista e
123456789012345
qualidades e de fe ito 123456789012345
s.
jardins, nas praças e 1234567890123456789
sent ir-se,
até “virtual”, ousamos como jovens
123456789012345
Juntos descobrem seu123456789012345
s
nos clubes o que mais 1234567890123456789
de quer er-s e bem . No
123456789012345 as 123456789012345 1234567890123456789
nam oro se testam os cristãos, vivenciar o namoro como
123456789012345
ideais e col oca m
123456789012345
se vê é apenas um 1234567890123456789
ime ntos para o futuro. expressão privilegiada de amor.
123456789012345
bases de uma 123456789012345
agarramento, beijos 1234567890123456789Amar é sair de si. É preocupar-se
sent
123456789012345
compreensão e de um 123456789012345
a 1234567890123456789
123456789012345
harmonia de 123456789012345
que levam a uma
1234567890123456789
Namoro é tempo de um com o outro. É saber ceder. É
123456789012345 123456789012345
exp losã o sex ual 1234567890123456789
adaptação de um ao out promover o outro. Só assim, nos
123456789012345
sentimentos. O nam oro
123456789012345
apenas, pouco carinho 1234567890123456789
tempo de renúncia de
ro. É
tornaremos testemunhas de um
ajuda os dois a se 123456789012345
123456789012345 1234567890123456789 si para
123456789012345
var em . 1234567890123451234567890123456789
e muitas carícias. ver e sentir o outro. É
tem po namoro verdadeiro, “responsáveis
123456789012345
obser
1234567890123456789
de entendimento mútuo por aquilo que cativamos”.
123456789012345 .
02

26º Encontro
Sexualidade
e fé
Objetivo:
Esclarecer e aprofundar o sentido da sexualidade
humana, bem como desenvolver uma visão cristã da
sexualidade à luz da Palavra de Deus.
Ambientação:
Colocar no chão da sala o mesmo coração do encontro anterior
com a palavra Amor ao centro. Acrescentar fotos de rapazes e
moças ligados, por meio de setas, à palavra (amor); utilizar músicas
suaves e também cópias das seguintes músicas: “O que é, o que
é”, de Gonzaguinha e “Foi Deus quem fez você”, de Amelinha; cópia
do texto de apoio para todos (página 3).
4 Dinâmica
1 Acolhida e oração inicial: Leitura de texto:
1. Dar as boas-vindas e rezar a oração do “Pai- Nosso”. Distribuir aos participantes o texto de apoio: Para viver a
2. Apresentar o tema do encontro e, em seguida, cantar com sexualidade de forma equilibrada (pg.3). Em duplas, pedir
o grupo (ou ouvir a gravação) a música “O que é, o que é” que leiam o texto, podendo o mesmo ser dividido entre as
(Gonzaguinha). duplas a partir dos tópicos (por exemplo, três ou quatro tópicos
3. Perguntar: O que esta música tem a ver com o tema de para cada dupla). Após a leitura, pedir que digam o que
hoje? Como me vejo? Como estou vivendo minha entenderam do texto. Para concluir, motivar o debate a partir
sexualidade? Que relação faço entre a minha fé e a minha das seguintes perguntas:
sexualidade? Dá para conciliar as duas? Por quê?
4. Depois de algumas respostas, concluir a partir do seguinte 1) De que forma a sexualidade e o amor podem nos
texto: ajudar a apreender e compreender mais quem é Deus?
2) Quando e como é possível a sexualidade e a fé
Sexualidade é parte integrante de nossa andarem juntas na realização da pessoa humana?
personalidade, é uma forma de expressar a 3) Quais são as idéias que ajudam você a relacionar fé
afetividade, uma maneira de cada pessoa descobrir a e sexualidade?
si mesma e ao outro. A sexualdidade é tudo o que faz 4) Faça um paralelo entre a sexualidade madura e
o homem ser homem e a mulher ser mulher. Ela alcança responsável com a relação amorosa da Santíssima
e toca a pessoa por inteiro, dos pés à cabeça, mente e Trindade.
coração, impulsos e sentimentos; e se manifesta na
forma de sentir, falar, pensar etc. A sexualidade tem Após a participação de todos, cantar a música “Foi Deus
também uma função biológica e reprodutiva, quando o quem fez você” ( Amelinha).
corpo atinge uma determinada maturidade física. A
sexualidade é obra divina e refletir sobre ela é abrir Foi Deus que fez o céu
,o
diálogo com a vida e com o amor. Ela nos faz ver e o seresteiro para conver rancho das estrelas. / Fez também
sar
olhar para o outro de forma acolhedora, aberta e feliz. minha estrada de sorriso com elas. / Fez a lua que prateia
s / E a serpente que exp
Ela nos torna atentos ao outro, nos leva a buscar e mais de um milhão do ulsou
paraíso.
viver a comunhão. Se queremos amar de forma madura
e concreta, como homens e mulheres criados por Deus, Foi Deus quem fez voc
ê, foi Deus que fez o am
devemos compreender o laço profundo que existe entre nascer a eternidade nu or; / Fez
m momento de carinho.
sexualidade e fé. Não se pode viver a sexualidade anonimato dos afetos / Fez até o
esc
descompromissadamente, mas na ótica do amor que que já foram destruídos. ondidos / E a saudade dos amores
/ Foi Deus!
direciona nossos atos para o bem, numa vida sadia e
de feliz convivência conosco, com Deus e com os outros. Foi Deus que fez o ven
to /
Educam-se os jovens para uma vida sexual sadia Deus quem fez o orvalh Que sopra os teus cabelos; / Foi
o / Que molha o teu olh
Foi Deus que fez as no ar. Teu olhar...
educando-os para o amor. ites / E o violão planjente
que fez a gente / Some ; / Foi Deus
nte para amar. Só para
amar...
2 Ouvindo a Palavra 4 Oração final
Catequista: O dinamismo da vida é o AMOR que tece as
relações entre os seres humanos, levando-os à experiência Catequista: Torna-se adulto afetivamente quem é capaz
de encontros, confrontos e conflitos que geram uma sociedade de amar, de comprometer-se e de optar com liberdade e
cada vez mais justa e mais próxima do Reino de Deus. Na responsabilidade sem medo de amar e amar em plenitude,
Palavra de Deus que ouviremos, Jesus diz que o AMOR é o pois a afetividade e sexualidade, quando vivenciadas de forma
fundamento de nossa vida. equilibrada, são os meios mais plenos para a realização
Cantando, aclamemos a Palavra de Deus (música à humana.
escolha): Mt 22,34-40 Em círculos e abraçados, pedir aos catequizandos para,
Após a leitura, incentivar uma pequena partilha. espontaneamente, em forma de oração, dizer o que este
encontro significou para eles.
03
Texto de apoio: beleza e a dignidade dos
Para viver a nossos corpos. É por este
sexualidade de corpo que vivemos a
fraternidade do amor.
forma equilibrada:
6) A sexualidade é um
Para elaborarmos uma elemento constitutivo da
espiritualidade que tenha seus pessoa. O encontro sexual
reflexos na correta vivência da
entre o homem e a mulher é
sexualidade, apresentamos alguns linguagem, comunicação e
tópicos que descrevem o verdadeiro diálogo que compromete.
sentido da sexualidade humana:
Relacionamentos sexuais
como pura diversão, encontros
1) Nossa fé é herança, projeto e história. Nossa sem maiores conseqüências, sem densidade e sem
fé não é subjetivista e individualista, não foi criada por nós amanhã, não são comportamentos que realizam. Mesmo
mesmos. Foi-nos herdada por uma rica história que dissociando sexualidade e procriação, a sexualidade
congrega fé, tradição e valores. Nem todos compreendem a permanece sendo linguagem e compromisso. Ela é
importância de uma fé inculturada, plantada no chão da expressão de amor, criação de um laço privilegiado e
história da humanidade. Importa saber discernir a fé como instauração de uma história em comum que se realiza
dom e conquista. Precisamos alegrar-nos em saber plenamente na aliança conjugal.
descobrir como a fé vai acontecendo em nossa vida. Ela é 7) A sexualidade indica o quanto preciso do
história que remonta aos nossos pais na fé (Abraão).
outro. A sexualidade revela meus limites. O amor que me
2) Acima de tudo está o valor da pessoa humana. preenche indica, também, uma falha: não basto a mim
A pessoa está acima da lei e das estruturas. Ela nunca mesmo. Não sou Deus; eu sou criatura. Essa necessidade
pode ser uma coisa, objeto de prazer, consumo ou do outro abre a brecha da possibilidade de me abrir
propriedade. A pessoa não existe fora da sociedade. totalmente ao outro. Abrir-se ao outro é acolhê-lo. Há, no
Ninguém pode buscar seu crescimento sem solidarizar-se amor humano, uma busca jamais saciada. Bem antes do
com a comunidade. A moral libertadora denuncia a encontro sexual (genital) deve haver o encontro entre duas
concepção de vida sexual e toda experiência em que o ser pessoas que se amam verdadeiramente.
humano é reduzido a um estado de objeto, tomando o
8) Meu ser unificado (corpo-alma) é imagem de
capricho individual como norma.
Deus. A sexualidade e o amor podem ajudar-nos a
3) O cristão professa o primado da oblatividade, aprender mais quem é Deus. O Deus que Jesus nos dá a
do dom de si, da entrega, da solidariedade, do conhecer é um Deus plural. Deus, em sua interioridade, é
serviço, da justiça e da fraternidade. Isto quer pura relação: abertura- acolhimento-partilha. Como Pai,
dizer que devemos optar em acolher a todos, sobretudo os Deus é um amor-dado, eterna fecundidade. Como Filho, ele
pobres, os excluídos e marginalizados da nossa sociedade. é amor-recebido de uma eterna fecundidade. Como Espírito,
Nossa fé deve se expressar no diálogo, na partilha e na Ele é amor-partilhado numa eterna fecundidade.
comunhão com todos. Não disse Jesus que o primeiro
9) A sexualidade expressa corporalmente que sou
mandamento é semelhante ao segundo (amor ao próximo)?
pelo outro, que existo para o outro. O outro não é
4) O cristão também professa a igualdade entre aquele que limita ou destrói: é aquele que permite que eu
homem e mulher, na diferença. O homem e a mulher me realize. Assim é o nosso Deus que me faz parceiro de
são parceiros no diálogo de comunhão e construção de sua aliança. Na minha reciprocidade com Deus, realizo o
uma sociedade justa e fraterna. É preciso denunciar toda mais fundo de minha identidade. Deus não me massacra.
redução da mulher a objeto de prazer e de consumo, toda Ao contrário, viver a sexualidade na ótica da fé significa
discriminação e todo tipo de machismo. Acreditamos na encontrar minha verddeira identidade.
relação heterossexual como o encontro de homem e mulher 10) Como todas as obras divinas, a sexualidade é
que livremente se entregam um ao outro na alegria de um
obra maravilhosa. Todavia, o dinamismo sexual também
projeto de vida a dois, como sinal profético do Reino.
carece de redenção (resgate) e libertação porque ele é
5) Afirmamos a dignidade do corpo sexuado. ambíguo estruturalmente, isto é tem duplo sentido, duas
Acreditamos na ressurreição da carne e em nossa páscoa forças contrárias. Herdo dos meus antepassados sombra e
corporal. Precisamos aprender a ver em nossos corpos e luz. Existe uma ambigüidade sociológica, uma falsa
nos corpos das outras pessoas a manifestação carnal da interpretação da sexualidde recebida, por vezes, na escola,
divindade. Deus escolheu ser e viver num corpo como o na sociedade, na família e, principalmente, nos meios de
nosso. Todas as dores e alegrias dos homens são comunicação social. Isso tudo influencia nossas escolhas e
sentidas, aliás, pelo corpo de Cristo. É preciso sentir a nos distanciam da vivência equilibrada da sexualidade.

Ainda que eu falasse a língua dos Ainda que eu falasse a língua dos Estou acordado e todos dormem,
Monte Castelo
Legião Urbana

homens, e falasse a língua dos anjos, homens. E falasse a língua dos todos dormem, todos dormem. Agora
sem amor eu nada seria. anjos, sem amor eu nada seria. vejo em parte, mas então veremos
face a face.
É só o amor, é só o amor, É um não querer mais que bem querer.
Que conhece o que é verdade. É solitário andar por entre a gente. É só o amor, é só o
O amor é bom, não quer o mal. É um não contentar-se de contente. amor. Que conhece o
Não sente inveja ou se envaidece. É cuidar que se ganha em se perder. que é verdade.

O amor é o fogo que arde sem se ver. É um estar-se preso por vontade. Ainda que eu
È ferida que dói e não se sente. É servir a quem vence, o vencedor; falasse a língua
É um contentamento descontente. É um ter com quem nos mata a dos homens. E falasse a língua dos
É dor que desatina sem doer. lealdade. Tão contrário a si mesmo é anjos, sem amor eu nada seria.
o amor.
Encontro com pais e padrinhos
Complemento
Famílias evangelizadoras
O objetivo deste encontro é mostrar aos pais e padrinhos o compromisso que têm
na educação cristã dos filhos e afilhados, dando pistas para que a família se
torne agente de evangelização. Providenciar velas e rosas para serem ofertadas
à Sagrada Família (uma unidade para cada família). Preparar um pequeno
altar com toalha branca, flores, quadro ou imagem da Sagrada Família.

ACOLHIDA Todos: Cristo, tende piedade de nós. 1) Como ajudar os jovens a se


Padrinho: Senhor, vós que tornastes a envolverem mais nas atividades
Dirigente: Sejam todos bem vindos ao família um santuário da vida, perdoai religiosas e familiares?
nosso encontro. É Deus quem nos nossa indiferença com o próximo, e 2) De que forma as famílias podem
reúne, Ele quer orientar nossa vida com tende piedade de nós. ajudar os catequistas no processo de
sua Palavra e aquecer os nossos Todos: Senhor, tende piedade de nós. formação religiosa dos jovens?
corações com o fogo do seu amor. Dirigente: Deus que é nosso Pai e Mãe, 3) Qual o papel dos padrinhos e
Queremos, hoje, meditar sobre a grande nos ensine sempre mais a viver o amor madrinhas na preparação dos jovens
missão das famílias no processo de e a misericórida, tenha compaixão de para a Crisma?
educação para a vida de fé. Jesus convida nós, ilumine nossas famílias, perdoe
vocês, pais, mães, padrinhos e nossos pecados e nos conduza à vida ORAÇÃO FINAL
madrinhas, a serem seus discípulos e eterna. Amém.
ajudarem seus filhos e afilhados a Após o pedido de perdão, pode-se Convidar os participantes a rezarem
crescerem na fé. A família é a primeira acender as velas e cantar uma música juntos a oração abaixo:
evangelizadora e catequista de seus de louvor e agradecimento a Deus. Ó Deus de amor, iluminai nossas famílias
membros. Com muita alegria, vamos dar com o vosso Espírito Santo. Dai-nos o
início ao nosso encontro, cantando bem O QUE DIZ A BÍBLIA Espírito de paz, para afastar de nossas
animados: “Eis-me aqui Senhor” (ou outro famílias toda a discórdia; o Espírito de
canto conhecido). Escolher uma música de aclamação ao união para nos livrar de toda divisão; o
Durante o canto cada família pode ofertar Evangelho conhecida de todos. Espírito de amor, para acabar com a
uma flor no altar, diante da Sagrada Dirigente: Jesus nos diz em seu frieza em nossos lares; o Espírito de
Família, como símbolo da entrega de si Evangelho que a família deve ser bem bondade e mansidão, para acabar com
mesmo a Deus. constituída, como se constrói uma casa: toda violência na família; o espírito de
ter uma base bastante firme para resistir paciência, para evitar toda agressão; o
MOMENTO PENITENCIAL aos abalos da vida. Vamos ouvir com Espírito de prosperidade, para acabar
atenção a Palavra de Deus: Mt 7,24-27. com a miséria. Daí às nossas famílias,
Dirigente: Num instante de silêncio, ó Senhor, por Vossa infinita bondade, o
reconheçamos humildemente diante de APROFUND
APROFUNDANDO O TEMA
OFUNDANDO dom da fé. Socorrei-nos com vossa força.
Deus nossos pecados contra a família. Livrai-nos de todo mal e fazei que, longe
Pai: Senhor, vós que nos amastes até o O texto abaixo pode ser exposto por um das trevas, nossas famílias andem na
fim, perdoai nossa falta de amor no seio catequista ou agente de pastoral ou vossa luz. Amém!
de nossa família, e tende piedade de nós. discutido pelos pais e padrinhos em Cantar a “Oração pelas famílias”. Após
Todos: Senhor, tende piedade de nós. pequenos grupos. Após a exposição ou o canto, agradecer a presença de todos,
Mãe: Cristo, vós que quisestes nascer discussão em grupo, convidar ao debate agradecer a Deus por todas as graças
pobre, na Família de Nazaré, perdoai por meio das seguintes perguntas: alcançadas em família. Seguem-se os
nossa ganância pelos bens materiais, e avisos orientações gerais.
tende piedade de nós.

Missão evangelizadora e catequética da família


A família faz parte do projeto de Deus a fé cristã, firmes no compromisso de “cantinho” de oração, com a Bíblia,
criador. Ao criar o ser humano, Deus o serem felizes, enfrentam as dificuldades crucifixo, vela, imagem de Nossa
colocou no seio de uma família. A família com maior esperança e até ajudam Senhora, um lugar onde todos podem
é o lugar por excelência para a formação outras famílias a encontrarem o caminho recolher-se por alguns instantes. Quando
do ser humano, para o desenvolvimento da paz. os filhos já participam da missa
de todas as suas potencialidades. Pais conscientemente cristãos dominical será oportuno refletir em família
Todavia, vários ventos hoje sopram sabem que têm a missão de catequizar sobre os textos que serão proferidos na
contra a família: a degradação da vida seus filhos. Esta tarefa será exercida ao assembléia do Domingo.
eparai o Caminho III

sexual; os direitos de reprodução a longo do tempo. Mais do que por palavras No dia-a-dia da família os pais
serviço do controle populacional e não e discursos, será realizada por atitudes saberão criar um clima de vivência dos
em favor da vida; a substituição dos que denotam fé cristã, por encontros que valores evangélicos. Sentirão eles o
valores humanos pelo consumismo e fazem transpirar a presença de Deus e momento oportuno de alertar para a
materialismo; as dificuldades compromissos assumidos a partir das humildade, a necessidade de se fazer
econômicas tais como falta de emprego, exigências do Evangelho. Padrinhos e atenção aos doentes e aos mais
saúde e educação; a desvalorização do madrinhas são colaboradores desta necessitados, a ocasião em que será
casamento através do divórcio, sublime missão. preciso que os filhos mudem seus
experiências extra-matrimoniais e A família cristã se reúne para a programas para atender os que deles
separações. oração, pelo menos uma vez por necessitam. Na convivência familiar, os
Preparai

Para enfrentar esses e tantos outros semana, para uma leitura bíblica, prece jovens aprendem o perdão, são alertados
desafios, a família precisa de uma base dos salmos e orações espontâneas. para a necessidade de sentirem fome e
forte, boa dose de formação, grande Uma breve e sincera prece deve iniciar sede do Evangelho. Pais comprometidos
sensibilidade espiritual e maturidade as refeições. É importante restaurar o com a sociedade e com a comunidade
Pr

para cultivar relacionamentos sadios. As costume da bênção dos filhos. Devemos cristã estimulam seus filhos a uma
famílias que participam da Igreja e vivem admirar as famílias que têm um participação mais efetiva na Igreja.