Você está na página 1de 25

SEMINÁRIO

Projeto, Dimensionamento e Detalhamento de


Estruturas de Concreto Armado

Sapatas corridas

1
Dimensionamento de estrutural de fundações
APRESENTAÇÃO
Sapatas; Blocos sobre estacas; Tubulões.

Bibliografia sugerida:
- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMA TÉCNICAS (ABNT). Projeto de
estruturas de concreto – Procedimento. NBR 6118:2014. Rio
de Janeiro, 2014.
- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMA TÉCNICAS (ABNT). Projeto e
execuções de fundações. NBR 6122:2010. Rio de Janeiro, 2010.
- DA ROCHA (1983). Curso prático de concreto armado. Vol. 3, Editora
Nobel, Rio de Janeiro;
- DA SILVA, R. C. & GIONGO, J. S. (2000). Modelos de bielas e tirantes
aplicados a estruturas de concreto armado. USP, São Carlos;
- FUSCO (1994). Técnicas de armas as estruturas de concreto. Editora
Pini Ltda., São Paulo.
- ALONSO, R. U. (1983). Exercícios de fundações. Editora Edgard
Blüncher Ltda., São Paulo.
- VELLOSO, D. A. (1996). Fundações. COPPE – UFRJ, Rio de Janeiro.
2
TIPOS DE FUNDAÇÕES

Sapata corrida
contínua

3
TIPOS DE FUNDAÇÕES

4
TIPOS DE FUNDAÇÕES
A escolha do tipo de Fundação é função de:
- Condições técnicas e financeiras;
- Proximidade e estado de edifícios limítrofes;
- Natureza e característica do sub-solo;
- Magnitude das ações;
- Tipos de fundações existentes e disponíveis no mercado.

S.P.T 

5
FUNDAÇÕES RASAS
Fundações rasas são aquelas que se apóiam logo abaixo da infra-estrutura e
se caracterizam pela transmissão da carga ao solo por peio de pressões distribuídas sob
sua base.
Dentro das fundações rasas encontram-se: blocos, radiers e sapatas.

Sapatas Radier
6
Fundações superficiais ou rasas: FUNDAÇÕES RASAS

- blocos de concreto simples; σs 


SPTmédio
q (MPa)
50
- sapatas;
q   solo  h
- radiers. S.P.T.  20

Sapatas Radier protendido


7
FUNDAÇÕES RASAS

Sapatas isoladas

Sapata corrida
Sapata corrida contínua
8 contínua
FUNDAÇÕES RASAS
Sapata associada

Blocos de fundações

Sapata associada em divisa


9
FUNDAÇÕES RASAS

Radier com vigas de rigidez

10
SAPATAS
Existem vários tipos de sapatas de concreto armado:
- Sapata corrida;
- Sapata isolada;
- Sapatas associadas.

Sapata isolada

11
SAPATAS

Sapata isolada

12
SAPATA CORRIDA
Dimensionamento estrutural
A sapata corrida é normalmente utilizada como apoio direto de paredes,
muros e de pilares alinhados, próximos entre si.

13
SAPATA CORRIDA

Os esforços solicitantes (N, V e M) são distribuído uniformemente ao longo


de uma faixa de largura unitária.

14
SAPATA CORRIDA
As sapatas corridas podem ser classificadas em: rígidas e flexíveis.

15 Distribuição de tensões nas sapatas flexíveis, Guerrin (1990).


SAPATA CORRIDA
As sapatas corridas podem ser classificadas em: rígidas e flexíveis.

16 Distribuição de tensões nas sapatas rígida, Guerrin (1990).


SAPATA CORRIDA
De ordem prática tem-se (critério do CEB-FIP):

NBR 6118:2014

ab  ap
h  Sapata rígida;
3

ab  ap
h  Sapata flexível.
3
ab, dimensão da sapata na
direção considerada;
ap, dimensão do pilar na
direção considerada;

Normalmente, utiliza-se sapatas rígidas.


17
SAPATA CORRIDA

h
h0

a p,x
a b,y

a b,y

ab,y
a b,x
SAPATA CORRIDA
Tensões na interface sapata-solo.

19
SAPATA CORRIDA
Tensões na interface sapata-solo.

20
SAPATA CORRIDA
Tensões na interface sapata-solo.

21
SAPATA CORRIDA
Estabilidade da sapata

Tombamento Deslizamento

Dimensionamento do concreto armado no E.L.U, NBR 6118:2003.


Ast
1 
1 d
- Flexão; - Cisalhamento
f
Vsd  VRd 1 f ctd  ctk ,inf
Ast 
m1d c
0,8  d1  f yd VRd 1  0,25  f ctd  1,2  40  1  1 d 2
f ctk ,inf  0,7  0,3  f ck 3
d m
f ck  MPa
22 (em metros)
SAPATA CORRIDA
Dimensionamento estrutural
Flexão

23
SAPATA CORRIDA
Dimensionamento estrutural
Força cortante

24
SAPATA CORRIDA
Detalhamento das barras de aço

Viga de rigidez
Armadura principal
Sapata corrida Diâmetro mínimo: h/8;
Espaçamento máximo: 2h ou 20 cm;

Armadura de distribuição
1/5.A s,prin Armadura secundária
As,secun = 1/5.As,princ;

Armadura principal Espaçamento máximo = 33 cm.

25