Você está na página 1de 68

R E L A T Ó R IO S

G E R E N T E

A M O S T R A D O R E S

S ÍL IC A

A L U G U E L
DIRETÓRIO DE
SERVIÇOS
L A B O R A T Ó R I O2E
M A IS 2016-2017
Diretório de Serviços e Análises

Sumário Geral

I. Informações Gerais ............................................................................................................. 3


1. Introdução ......................................................................................................................................... 3
2. Informações para contato ................................................................................................................. 3
3. Como utilizar este diretório ............................................................................................................... 3
4. Programa de descontos .................................................................................................................... 4
5. O que mais nos diferencia dos demais laboratórios? ....................................................................... 4
II. Taxas e Serviços de Higiene Ocupacional ........................................................................ 7
1. Políticas e informações gerais ...................................................................................................... 7
1.1. Tempo padrão para envio de relatórios .................................................................................... 7
1.2. Pagamento de taxa para análises rápidas................................................................................ 7
1.3. Descontos para múltiplos analitos ............................................................................................ 7
1.4. Brancos de Campo ................................................................................................................... 8
1.5. Desenvolvimento de métodos ................................................................................................... 8
1.6. Amostradores ............................................................................................................................ 8
1.7. Instruções para amostragem .................................................................................................... 8
1.7.1. Amostragem com tubos adsorventes................................................................................ 9
1.7.2. Amostragem com filtros (cassetes) ................................................................................. 10
1.7.3. Amostragem de aerossóis respiráveis ............................................................................ 11
1.7.4. Amostragem de aerossóis inaláveis ............................................................................... 11
1.8. Relatório analítico ................................................................................................................... 11
1.9. Cadeia de custódia ................................................................................................................. 12
1. Data de envio das amostras ................................................................................................... 12
2. Número total de amostras ....................................................................................................... 12
3. Tipo de amostrador ................................................................................................................. 12
4. Nome ou número do projeto ................................................................................................... 12
5. Ordem de compra ou proposta comercial ............................................................................... 12
6. Pessoa para contato ............................................................................................................... 12
7. Número de telefone ................................................................................................................. 12
8. Tempo de análise requerido ................................................................................................... 12
9. Instruções especiais ................................................................................................................ 12
10. Modo de envio do relatório.................................................................................................. 12
11. Código da amostra .............................................................................................................. 12
12. Data de amostragem ........................................................................................................... 12
13. Volume de ar coletado ........................................................................................................ 12
14. Análises solicitadas ............................................................................................................. 12
15. Assinatura autorizando a cadeia de custódia. .................................................................... 12
2.1. Como utilizar este catálogo de análises ................................................................................. 14

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 1 de 66
Diretório de Serviços e Análises

2.2. Lista alfabética dos métodos de análise ................................................................................. 16


3. Lista Alfabética de Análises Químicas para Higiene Ocupacional ............................................. 17

Sumário de Figuras e Tabelas

Figura 1: Modelo de Cadeia de Custódia preenchida ........................................................... 13


Tabela 1: Lista de códigos de laboratório para compatibilidade de agentes. .................... 15
Tabela 2: Vazão de amostragem para cada tipo de ciclone. ................................................ 65
Tabela 3: Composição das varreduras ................................................................................... 65

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 2 de 66
Diretório de Serviços e Análises

I. Informações Gerais

1. Introdução

A Analytics tem sido o maior fornecedor de análises químicas de higiene ocupacional para
as empresas listadas na Fortune 500, agências governamentais e empresas de
engenharia de segurança do trabalho desde 1977. Esta experiência nos permite oferecer
serviços de alta qualidade aliado a um alto custo benefício.

A Analytics orgulha-se da reputação que conquistou ao longo de mais de 30 anos de


atuação e este reconhecimento foi possível graças ao fornecimento dos melhores dados
analíticos disponíveis nos EUA e nos mais de 30 países em que atua.

O Laboratório da Analytics é uma das melhores e mais avançadas instalações


laboratoriais de análises ambientais e de higiene ocupacional dos Estados Unidos. Sua
unidade em Ashland-VA possui uma área construída de 3.500 m2 e um total de U$ 3
milhões investidos em equipamentos de última geração. Nosso laboratório possui
acreditação AIHA ISO 17.025:2005, o que nos torna parte do seleto grupo de laboratórios
com competência reconhecida para realização de análise químicas de amostras de ar
para higiene ocupacional.

Nosso tempo padrão para envio de relatórios é de 7 dias úteis, mas não temos
dificuldades em enviar relatórios em prazos menores como em até 3 dias, por exemplo.

2. Informações para contato

Nosso pessoal pode ser contatado via telefone pelos números (11) 4063-9110 e
(31) 4063-9493 ou através do e-mail contato@analyticsbrasil.com.br.

Leandro Magalhães, Gerente de Novos Negócios – lmagalhães@analyticscorp.com

Fernanda Coelho, Gerente de Relacionamento com o Cliente –


fcoelho@analyticscorp.com

3. Como utilizar este diretório

Este diretório foi desenvolvido para que você possa encontrar as análises para higiene
ocupacional listadas por analito e por perfis que contenham grupos de analito similares.

As seguintes informações são listadas em ordem alfabética:

Parâmetro (analito), Sinônimo, Número CAS, Amostrador, Método Analítico, Técnica


Analítica, Limite de Quantificação (LQ), Código do Laboratório (Lab code), Vazão,
Volume Sugerido, Condições de transporte e Estabilidade.

A Analytics fornecerá seus relatórios via e-mail e quando necessário em cópia física.
Também poderemos fornecer os resultados por meio eletrônico, como planilhas em
Microsoft Excel®, entretanto, isto pode acarretar em um maior prazo para envio dos
relatórios.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 3 de 66
Diretório de Serviços e Análises

4. Programa de descontos

Descontos podem ser negociados com nossa equipe e estes são baseados no volume
anual de negócios gerado pelo cliente. Pedimos que entre em contato com nosso pessoal
para discutir descontos baseados em volume de negócios gerados.

5. O que mais nos diferencia dos demais laboratórios?

Você já se perguntou se seu laboratório pode ter trocado sua amostra?

Como garantir que sua amostra não foi trocada e que o resultado da sua análise está
correto?

Para quem conhece de perto a rotina de um laboratório de análises sabe que a falha mais
fácil de ocorrer é a troca de amostras ou pipetagem errada das mesmas.

Para assegurar a não ocorrência destes erros, a Analytics possui um processo de


verificação rigoroso, que engloba várias etapas. Esse processo é inédito, jamais visto em
nenhum outro laboratório de análises. É devido a este processo e todos os outros
diferenciais, que conquistamos a confiabilidade de nossos clientes há mais de 30 anos.

Conheça um pouco mais do nosso processo de verificação de amostras:

Número de funcionários
diferentes envolvidos em cada
Etapas
etapa

Recebimento das Amostras

1. Entrada por pacote de amostras


2. Abertura dos pacotes recebidos
• Verificação das amostras versus 1
cadeia de custódia
• Identificação de amostras de curto
prazo ou requisições especiais
3. Identificação das amostras
• Verificação das amostras versus
1
cadeia de custódia
• Etiquetagem das amostras com
códigos de barras
4. Entrada das amostras no sistema de
gerenciamento do laboratório (LIMS)
• Verificação das amostras versus 1
cadeia de custódia
• Entrada das informações do cliente e
número da amostra
5. Verificação da amostra
1
• A amostra é scaneada pelo código de
barras e verificada para assegurar

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 4 de 66
Diretório de Serviços e Análises

que todas as informações estão


corretas
Preparo das Amostras

6. Verificação das amostras pelo código de


barras e preenchimento da cadeia de custódia
1
de transferência intra laboratorial
7. Antes do preparo das amostras o técnico
verifica todas as informações de recebimento
e as requeridas pelo cliente
8. Um técnico preenche a planilha de verificação
que requer
• Informações do recebimento
• Análise solicitada 1
• Tipo de amostrador
• Limite de Quantificação
• Soluções para controle de qualidade
• Procedimento de análise
9. Um segundo técnico verificará as informações 1
após o preenchimento da planilha
Análise da amostra

10. As amostras são encaminhadas para análises


e um técnico verifica a quantidades de
amostras recebidas do setor de preparo de
1
amostras
11. O técnico avalia se todos os formulários e
requisitos para análise da amostra foram
processados corretamente até o momento
12. Um técnico adiciona as amostras no 1
instrumento conferindo cada posição
13. Um outro técnico verifica se as amostras
foram adicionadas na sequência correta 1
conforme sequencia obtida no sistema de
operação
14. Os dados das análises são avaliados pelo
analista bem como todas as informações de
1
controle de qualidade, como formato de picos,
amostras de controle de qualidade, padrões e
se estão dentro dos limites aceitos
Entrada de resultados

15. Um técnico verifica todos os formulários


incluindo cadeia de custódia do cliente, cadeia
de custódia intra-laboratorial, planilhas de 1
verificação, registros de preparo de amostras
e padrões, sequência de amostras e curvas
de calibração
16. Um outro técnico realiza uma segunda 1
verificação de todos os formulários e

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 5 de 66
Diretório de Serviços e Análises

resultados e lança os mesmos no sistema


LIMS
Revisão dos resultados

17. O supervisor verifica todas os formulários


incluindo cadeia de custódia do cliente, cadeia
de custódia intra-laboratorial, planilhas de 1
verificação, registros de preparo de amostras
e padrões, sequência de amostras e curvas
de calibração
18. O supervisor verifica todas as amostras de
controle de qualidade e padrões para avaliar
a conformidade com os limites. Cada amostra
1
é avaliada individualmente quanto à qualidade
do resultado (formato do pico, valor dos
resultados e se estão dentro dos limites
analíticos)
19. O supervisor verifica se todas as amostras
1
foram lançadas corretamente no sistema
LIMS e se os cálculos estão corretos
20. Um técnico verifica todas os formulários
incluindo cadeia de custódia do cliente, cadeia
de custódia intra-laboratorial, planilhas de 1
verificação, registros de preparo de amostras
e padrões, sequência de amostras e curvas
de calibração
21. O técnico verifica todas as amostras de
controle de qualidade e padrões para avaliar
a conformidade com os limites. Cada amostra
1
é avaliada individualmente quanto à qualidade
dos resultado (formato do pico, valor dos
resultados e se estão dentro dos limites
analíticos)
22. O técnico verifica se todas as amostras foram
1
lançadas corretamente no sistema LIMS e se
os cálculos estão corretos
Relatório

23. Todos os relatórios são comparados com os


resultados e avaliados quanto a integridade 1
dos dados para garantir que o relatório será
enviado corretamente

São 20 funcionários envolvidos nos processos de verificação de uma amostra! E tudo isso
é realizado dentro do prazo de no máximo 7 dias úteis!

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 6 de 66
Diretório de Serviços e Análises

II. Taxas e Serviços de Higiene Ocupacional

1. Políticas e informações gerais

Como já se sabe um laboratório de análises para higiene ocupacional analisa amostras


coletadas em um ambiente de trabalho. Como os resultados dessas análises são
utilizados para determinar a magnitude ou a presença de um problema nesse ambiente,
é de vital importância que o laboratório que analisa essas amostras seja proficiente em
produzir dados com elevada qualidade, sob os quais se basearão decisões importantes
quanto a saúde de pessoas.

Nossa acreditação AIHA ISO 17.025:2005 é uma marca de nossa capacidade. Esta
acreditação mostra que o laboratório atingiu os padrões de performance exigidos, os quais
são baseados em vários critérios. Quando um laboratório é acreditado pela AIHA este se
torna parte de um seleto grupo de laboratórios que conseguem provar que um alto nível
de performance profissional foi atingido e pode ser mantido.

1.1. Tempo padrão para envio de relatórios

O tempo de resposta padrão para a grande maioria das análises de higiene ocupacional
são 7 dias úteis à partir do recebimento da amostra em um de nossos escritórios no Brasil.
Os relatórios serão enviados via e-mail até o final do dia estabelecido. Caso seja
necessário uma cópia física dos relatórios, esta será enviada através dos Correios.

1.2. Pagamento de taxa para análises rápidas

Os clientes podem solicitar cobranças individuais por grupo de amostras ou mensais. A


Analytics assume as cobranças por grupos de amostras como padrão. Os preços podem
ser alterados baseados no estado atual da economia, entretanto os clientes serão
notificados com no mínimo 1 mês de antecedência. Propostas já aceitas e dentro da
validade continuarão com seus preços mantidos. A forma de pagamento será através de
boleto bancário com vencimento para 21 dias após o envio dos relatórios por e-mail.

Amostras enviadas requerendo análises rápidas, em menos de 7 dias úteis, devem ser
agendadas anteriormente ao envio das amostras.

Os custos das análises são os seguintes:

5 dias úteis 1,50 x preço padrão


4 dias úteis 2,00 x preço padrão
3 dias úteis 3,00 x preço padrão

1.3. Descontos para múltiplos analitos

Descontos para múltiplos analitos compatíveis em um mesmo tubo é disponível e


possuem uma taxa de desconto. O preço da análise mais elevada é considerado padrão,
o segundo analito recebe um desconto de 50% no seu valor e para o terceiro analito em
diante o desconto é de 25%.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 7 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Outros descontos podem ser disponibilizados dependendo do volume e do tipo de


amostra. Favor consultar nossa equipe.

1.4. Brancos de Campo

Brancos de campo atuam como amostras de controle para análise de forma que servem
como verificação da ocorrência de contaminação das amostras durante o manuseio,
armazenamento ou envio para o laboratório. Portanto os brancos de campo são uma
prática padrão recomendada para higiene ocupacional. Os brancos devem ser
manuseados como amostras, porém não se deve passar ar através destes. Encaminhe
pelo menos 10% de brancos de campo em relação ao grupo de amostras. Caso envie
menos de 10 amostras encaminhe pelo menos um branco de campo. Os brancos de
campo são analisados como amostras, desta forma, estes são cobrados de acordo com
as análises solicitadas.

A Analytics se reserva o direito de recusar a processar qualquer amostra que for


considerada como não conforme pelo laboratório, de acordo com os controles de
qualidade requeridos. Neste caso o cliente será notificado e caso o problema não possa
ser resolvido o cliente será cobrado no valor referente aos processos já executados na
amostra.

1.5. Desenvolvimento de métodos

A Analytics possui mais de 500 métodos em rotina analítica. Nossa política é sempre
desenvolver novos métodos sem cobrança, desde que uma demanda adequada seja
requerida. Adicionalmente a Analytics pode desenvolver métodos muito específicos por
uma pequena taxa mais as despesas do processo.

1.6. Amostradores

Os amostradores são fornecidos para os clientes sem cobrança, desde que estes
retornem para análise.

Os materiais são enviados via Sedex e o custo do envio é faturado juntamente com os
serviços de análises das amostras.

Os amostradores que não retornarem para análise serão cobrados após 60 dias a contar
da data de envio.

1.7. Instruções para amostragem

A equipe técnica da Analytics está disponível para discutir estratégias de amostragem,


esclarecer dúvidas e explicar necessidades especiais para cada amostra.

O volume de ar a ser coletado para uma amostra é baseado em inúmeros fatores, dentre
eles:

• Limites de tolerância (Threshold Limit Values, TLV);


• Sensibilidade do método de análise;
• Capacidade de coleta do amostrador;
• Concentração do agente a ser medido.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 8 de 66
Diretório de Serviços e Análises

As recomendações de volumes, vazões e tipo de amostradores deste diretório são


fornecidas para sua conveniência e são entendidas apenas como um guia para a coleta
de amostras. Exceto para poucas exceções, os volumes de ar sugeridos permitem ao
laboratório reportar os resultados com um décimo dos valores de TLV como limite de
detecção.

Os resultados das análises para amostras coletadas em tubos adsorventes incluem a


análise das partes frontais e posteriores separadamente, sendo essas expressas no
relatório.

A maioria dos nossos amostradores não são numerados. Dessa forma, pedimos ao cliente
que identifique claramente os tubos, amostradores passivos, cassetes e outros
dispositivos utilizados na amostragem com os números de campo desejados. Esta mesma
identificação deverá também ser utilizada na Cadeia de Custódia da Análise (mais
informações no item 1.9).

1.7.1. Amostragem com tubos adsorventes


Os amostradores chamados de tubos adsorventes constituem-se de tubos grandes e
pequenos de carvão ativo, tubos de polímeros porosos como as resinas XAD e XAD-7,
tubos grandes e pequenos de sílica gel, tubos tratados com DNPH (dinitrofenilhidrazina),
tubos Orbo, Propak Q, Tenax Firebrick, Hydrar e Florisil, entre outros.

As amostragens com tubos adsorventes devem ser realizadas da seguinte maneira:

• Calibre a bomba de amostragem na vazão recomendada para o analito de interesse,


utilizando um tubo adsorvente referência. Calibre a bomba utilizando um
equipamento adequado, como um medidor de fluxo de ar, um medidor de bolhas de
sabão ou um rotâmetro.
• Quebre as extremidades do tubo adsorvente imediatamente antes da amostragem.
As aberturas devem ter pelo menos metade do diâmetro interno do tubo.
Recomenda-se utilizar um quebrador de pontas para tubos de amostragem.
• Conecte o tubo adsorvente no suporte para tubo, assegurando que a sessão com
menor quantidade de adsorvente (sessão posterior) esteja mais próxima da bomba.
• O ar amostrado não deve passar por uma mangueira ou tubulações antes de entrar
no tubo adsorvente.
• Para evitar que ocorra saturação prematura, posicione o tubo verticalmente durante
a amostragem.
• Prepare brancos de campo, quebrando as extremidades de tubos de mesmo lote que
serão utilizados na amostragem. Manipule os brancos da mesma forma que as
amostras, mas não passe ar através destes.
• Realize a amostragem com uma vazão conhecida e exata durante todo o período
necessário para obter o volume especificado. Cheque periodicamente a bomba
durante a amostragem para detectar qualquer mudança na vazão. Caso não seja
possível determinar uma medida exata para o volume devido uma inconsistência da
vazão, descarte a amostra.
• Certifique-se de manter um registro preciso dos dados da amostragem, incluindo pelo
menos a localização da amostragem, horário inicial e final, temperatura, umidade
relativa, pressão atmosférica, identificação da amostra e nome do funcionário.
• Sele as extremidades do tubo com as tampas plásticas imediatamente após a coleta
da amostra. Identifique claramente cada amostra com um número de identificação.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 9 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Identifique cada tubo utilizado como branco de campo como “branco” ou “branco de
campo”.
• Embale os tubos em pacotes adequados que os mantenham firmes para minimizar a
possibilidade de quebra. Confira as instruções do laboratório quanto ao envio
refrigerado, caso seja necessário envie os tubos em uma caixa de isopor com gelo
flexível.
• Lembre-se de respeitar a validade da amostra conforme informado pelo laboratório.
• Envie junto com as amostras a Cadeia de Custódia com a solicitação das análises
para cada lote de amostras (mais informações no item 1.9).
• Quando for amostrado combustíveis, querosenes, naftas, entre outras misturas de
substâncias, recomenda-se o envio das amostras brutas também. Estas devem ser
enviadas em pacotes separados para evitar possíveis contaminações cruzadas com
as amostras de ar.

1.7.2. Amostragem com filtros (cassetes)


Filtros incluem filtros de fibra de vidro, filtros de Teflon, membranas mistas de éster
celulose, filtros de cloreto de polivinila (PVC) e filtros tratados.

As coletas das amostras com filtros podem ser realizadas com a face aberta ou fechada.
A amostragem com face aberta é realizada com cassetes de três sessões removendo-se
a tampa superior do mesmo. A amostragem com face fechada é realizada com a remoção
apenas dos plugs dos orifícios do cassete. A amostragem com face aberta é utilizada em
situações em que uma dispersão uniforme do analito no filtro é desejada, tal como na
amostragem de asbestos e em alguns tipos específicos de filtros tratados, como no caso
da amostragem de isocianatos. A amostragem com face fechada é realizada na maioria
dos casos para amostragens de particulados, no qual o depósito do analitos ocorre
próximo ao centro do cassete.

As amostragens com filtros devem ser realizadas da seguinte maneira:

• Calibre a bomba de amostragem na vazão recomendada para o analito de interesse,


utilizando um cassete referência. Calibre a bomba utilizando um equipamento
adequado, como um medidor de fluxo de ar, um medidor de bolhas de sabão ou um
rotâmetro.
• Removas os plugs dos orifícios do cassete (para amostragem com face fechada) ou
a tampa do cassete (amostragem com face aberta).
• O ar amostrado não deve passar por uma mangueira ou tubulações antes de entrar
no cassete.
• Conecte o cassete à bomba de amostragem utilizando uma mangueira flexível ou um
suporte para cassete. Certifique-se que a extremidade hachurada do cassete esteja
ligada na bomba.
• Prepare brancos de campo utilizando cassetes do mesmo lote dos que serão
utilizados na amostragem. Retire e coloque rapidamente os plugs dos cassete e os
manipule da mesma forma que as amostras, mas não passe ar através destes.
• Realize a amostragem com uma vazão conhecida e exata durante todo o período
necessário para obter o volume especificado, ou até que haja evidência de deposição
excessiva de particulado no filtro. Cheque periodicamente a bomba durante a
amostragem para detectar qualquer mudança na vazão. Caso não seja possível
determinar uma medida exata para o volume devido uma inconsistência da vazão,
descarte a amostra.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 10 de 66
Diretório de Serviços e Análises

• Desconecte o cassete após a amostragem e recoloque os plugs nos orifícios do


cassete e identifique claramente cada amostra com um número de identificação.
Identifique cada tubo utilizado como branco de campo como “branco” ou “branco de
campo”.
• Embale os cassetes em pacotes adequados que os mantenham firmes para
minimizar a possibilidade de quebra. Confira as instruções do laboratório quanto ao
envio refrigerado, caso seja necessário envie os cassetes em uma caixa de isopor
com gelo flexível.
• Lembre-se de respeitar a validade da amostra conforme informado pelo laboratório.
• Envie junto com as amostras a Cadeia de Custódia com a solicitação das análises
para cada lote de amostras (mais informações no item 1.9).

1.7.3. Amostragem de aerossóis respiráveis


Amostragens de aerossóis respiráveis são realizadas utilizando um ciclone e um cassete
com filtro. A amostragem de aerossóis respiráveis deve ser realizada da mesma forma
que a amostragem com filtros, exceto:

• Calibre a bomba de amostragem na vazão designada para o tipo de ciclone utilizado.


• Verifique o interior do ciclone, caso haja qualquer dano ou risco internamente
descarte o ciclone, uma vez que a capacidade de separação das partículas pode ter
sido comprometida.
• Conecte o ciclone ao cassete de acordo com as instruções do fabricante e conecte a
montagem na bomba de amostragem. Durante a amostragem, certifique-se que o
ciclone esteja pendurado verticalmente e a montagem não esteja invertida (orifício
de entrada de ar do ciclone deve estar virado para frente). Caso uma vazão
consistente e exata não possa ser mantida, descarte a amostra.
• Limpe o interior do ciclone com água e detergente neutro após as amostragens.

1.7.4. Amostragem de aerossóis inaláveis


Nós podemos fornecer amostradores para coleta de particulados inaláveis. Entre em
contato com o laboratório para maiores detalhes em relação a esta técnica de amostragem.

1.8. Relatório analítico

Nosso relatório padrão inclui a identificação do cliente, projeto do cliente, identificações


da amostra no laboratório e do cliente, método de referência, data de análise, data de
amostragem, tempo de amostragem, volume, limite de quantificação, massa total do
analito em cada sessão do amostrador e a concentração da amostra no ar, caso o volume
ou o tempo de amostragem seja fornecido para amostradores ativos e passivos,
respectivamente.

Caso necessite da inclusão de alguma informação no relatório entre em contato com


nosso pessoal que iremos auxiliá-lo nesta demanda.

Todos os relatórios, dados de amostra e informações confidenciais são mantidas em sigilo.

Os dados analíticos são armazenados por 5 anos, caso necessite de um período maior
entre em contato com nosso pessoal.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 11 de 66
Diretório de Serviços e Análises

1.9. Cadeia de custódia

A custódia de amostras é um conjunto de procedimentos que fornecem um registro


utilizado para rastrear a posse de uma amostra desde o período de sua coleta até sua
introdução em um bando de dados. A Cadeia de Custódia laboratorial é utilizada para
registrar a transferência de custódia, posse, de amostras para garantir sua integridade
desde a coleta até o envio do relatório. Até o momento em que a custódia da amostra é
cedida, o cliente é responsável em garantir que ninguém adultere sua amostra.

Para facilitar o andamento das análises e a emissão do relatório preencha a cadeia de


custódia com todas as informações necessárias e de forma clara. Não deixe de informar
a identificação da amostra e as análises requeridas para a mesma. A cadeia de custódia
deverá ser assinada e datada pelo responsável pela solicitação das análises e enviada
junto com as amostras para o laboratório.

Os seguintes itens devem ser preenchidos na Cadeia de Custódia para assegurar a


integridade e a análise exata da amostra:

1. Data de envio das amostras;


2. Número total de amostras;
3. Tipo de amostrador;
4. Nome ou número do projeto;
5. Ordem de compra ou proposta comercial;
6. Pessoa para contato;
7. Número de telefone;
8. Tempo de análise requerido;
9. Instruções especiais;
10. Modo de envio do relatório;
11. Código da amostra;
12. Data de amostragem;
13. Volume de ar coletado;
14. Análises solicitadas;
15. Assinatura autorizando a cadeia de custódia.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 12 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Figura 1: Modelo de Cadeia de Custódia preenchida

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 13 de 66
Diretório de Serviços e Análises

2. Catálogo de análises químicas para higiene ocupacional

2.1. Como utilizar este catálogo de análises

Esta sessão é composta de diversas categorias com informações que permitem ao


usuário ter acesso aos parâmetros necessários para amostragem de ar para higiene
ocupacional. Este guia foi elaborado de forma a tornar seu uso o mais simples possível,
e para tanto, abreviações foram utilizadas para que se obtenha um formato mais compacto.
As seguintes descrições fornecem informações pertinentes relativas a cada categoria, de
acordo com a ordem de aparição neste guia:

Analito, Sinônimo e Número CAS


Estas categorias fornecerão o nome principal do composto a ser analisado, outros nomes
possíveis e seu número CAS correspondente.

Amostrador
Esta categoria cita os amostradores recomendados pelo método analítico especificado
para a amostragem do analito em questão.

Método e técnica analítica


Esta categoria especifica o método utilizado para analisar o composto químico listado. A
designação “NIOSH” refere-se aos métodos descritos no Manual de Métodos Analíticos
da National Institute of Ocupational Safety and Helth. A designação “OSHA” refere-se aos
métodos descritos no Manual Occupational Safety and Health Admistration Methods. A
designação “SPM” refere-se aos métodos especiais ou desenvolvidos e validados pela
Analytics. A letra “M” após a designação do método refere-se à modificação no método
original, porém validada pela Analytics. Esta categoria também especifica as abreviações
para a técnica analítica utilizada na análise.

LQ (limite de quantificação)
Esta categoria lista o menor valor que pode ser quantificado para um determinado agente
químico. Geralmente será reportado em microgramas (µg). Amostras com quantidades
inferiores a este valor serão reportadas como “<” o valor especificado.

Lab Code (Compatibilidade)


Esta categoria oferece a opção para o usuário de amostrar mais de um agente químico
em um amostrador específico. Para tanto, não apenas o tipo de amostrador especificado
para cada composto deverá ser o mesmo, como a letra designada no campo “Lab Code”
deverá ser igual. Uma atenção especial deverá ser dada para os outros parâmetros de
cada agente individual, como volume e vazão de amostragem, para assegurar a validade
da amostragem e da amostra. Atenção para que a vazão ou o volume de amostragem
para um composto químico individual não exceda esses parâmetros para os demais
compostos amostrados. A única exceção para o “Código lab” é a designação “NC”, que
significa que o composto não é compatível com qualquer outro composto.

A lista abaixo apresenta os códigos de compatibilidade. Quando duas ou mais substâncias


apresentarem o mesmo código, elas podem ser amostradas em conjunto e estão elegíveis
ao desconto para múltiplos analitos em um mesmo amostrador.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 14 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Tabela 1: Lista de códigos de laboratório para compatibilidade de agentes.

Lab Lab
Solução de Extração Solução de Extração
Code Code
A Dissulfeto de Carbono (CS2) AA Tiossulfato de sódio
B CS2 + 1% 2-butanol CC Tolueno
C CS2 + 1% 2-propanol EE Digestão ácida – método OSHA ID 125G
D CS2 + 5% 2-propanol FF Hidróxido de Potássio 0,01N
E Cloreto de metileno + 5% Metanol HH Acetona
F CS2 + 1% Dimetilformamida II Cloreto de metileno + 15% Metanol
H CS2 + 1% Metanol JJ 50% Metanol + 50% água
I Cloreto de Metileno KK 50% Isopropanol + 50% Tolueno
J Preparo de metais solúveis em água LL CS2 + 2% Acetona
K Metanol MM Benzeno
M Etanol NN Derivatização com Di-n-butilamina
N Acetonitrila OO Digestão com água régia
O Acetonitrila + 10% Dimetilsulfóxido NC Preparo não compatível com os demais
P Isoctano
Q Metanol + 20% água
S Hexano
T Disgestão ácida - método NIOSH 7300M
U Bicarbonato de sódio – Eluente carbonato
V Eluente de borato de sódio
W Tetrahidrofurano
X Hidróxido de sódio 0,01N
Y Eluente ácido metassulfonico

Vazão, (L/min)
Esta categoria especifica a faixa de vazão, mínima e máxima, a ser utilizada nas bombas
de amostragem em litros por minuto.

Volume Sugerido (L)


Esta categoria especifica o volume de ar recomendado pelo método para amostragem em
litros. Em muitos casos o volume recomentado pode ser duplicado sem que ocorra
saturação no amostrador. Em caso de dúvidas estamos à disposição para auxiliar.

Condições de transporte e Estabilidade

Esta categoria especifica as condições de transporte recomendadas para perfeita


conservação das amostras até a chegada a um de nossos escritórios e posteriormente ao
laboratório para análise. A categoria estabilidade especifica o período em que a amostra
se mantém estável considerando as condições de transporte recomendadas.

Habitualmente enviamos com os amostradores todo o material necessário para correta


conservação e envio dos mesmos. Caso necessário solicite material extra sem custo
adicional.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 15 de 66
Diretório de Serviços e Análises

2.2. Lista alfabética dos métodos de análise

A Analytics tem o prazer de ofertar um extenso portfólio de análises químicas para higiene
ocupacional, incluindo a maioria dos métodos da NIOSH, OSHA, ASTM e EPA, como
também diversos outros métodos desenvolvidos pela Analytics. Por favor, note que para
a maioria das análises a Analytics não requer uma quantidade mínima de amostras.
Descontos de acordo com o volume de amostras podem ser aplicados dependendo do
volume anual e/ou escopo do projeto. Entre em contato com um de nossos representantes
ou seu gerente de projetos para maiores detalhes

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 16 de 66
Diretório de Serviços e Análises

3. Lista Alfabética de Análises Químicas para Higiene Ocupacional

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Genetron 134a
HFC-134a
2 tubos de carvão ativo
1,1,1,2- Gás Refrigerante 134a NIOSH 0,01 -
811-97-2 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 50 A 0,5 - 2,0 Refrigerado Indeterminada
Tetrafluoroetano R-134a 1020M 0,035
01) ligados em série
Suva 134a
Norflurane
Tubo de carvão ativo
NIOSH
1,1,1-Tricloroetano Metilclorofórmio 79-00-6 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 2 - 10 Rotina 30 dias a 25 °C
1003
01)
Tubo de resina Anasorb
NIOSH
1,1,2,2-Tetracloroetano - 79-34-5 747 140/70 mg (SKC CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 3 - 30 Rotina 30 dias a 25 °C
1019
226-81A)
Freon 113, 1,1,2-
Tricloro 1,2,2-
Tubo de carvão ativo
1,1,2-Tricloro-1,2,2- Trifluoretano, NIOSH 0,01 - Sob
76-13-1 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,1 - 3 Indeterminada
Trifluoretano Trifluortricloroetano, 1020 0,05 refrigeração.
01)
Refrigerant 113, Freon
TF, Frigen
Tubo de carvão ativo
NIOSH
1,1,2-Tricloroetano - 79-00-5 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 2 - 10 Rotina 30 dias a 25 °C
1003M
01)
2 tubos de carvão ativo
1,1-Dicloro-1- 1717-00- NIOSH 0,01 -
Freon 141b 400/200 mg (SKC 226- CG-FID 40 NC 0,25 - 3,0 Rotina Indeterminada
Fluoretano 6 2516M 0,05
09) ligados em série
Tubo de carvão ativo
NIOSH
1,1-Dicloroetano - 75-34-3 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,1 0,5 - 15 Rotina 30 dias a 25 °C
1003
01)
Tubo de carvão ativo
1,1-Dicloroetileno, NIOSH
1,1-Dicloroeteno 75-35-4 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 2,5 - 7 Rotina 30 dias a 25 °C
Cloreto de Vinildieno 1015
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
1,2,3-Trimetilbenzeno - 526-73-8 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 10 - 30 Rotina 30 dias a 25 °C
1501
01)
Cassete com filtro de Transferir o
PTFE 5 µm e 37 mm filtro para
NIOSH
1,2,4-Triclorobenzeno - 120-82-1 (SKC 225-17-03) + Tubo CG-ECD 0,1 S 0,01 - 0,2 3 - 12 um vial 13 dias a 25 °C
5517
XAD-2 100/50 mg (SKC depois da
226-30-04) amostragem

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 17 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Tubo de carvão ativo


NIOSH
1,2,4-Trimetilbenzeno - 95-63-6 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 10 - 30 Rotina 30 dias a 25 °C
1501
01)

Freon 114, R-114, 1,2- 2 tubos de carvão ativo


1,2-Dicloro-1,1,2,2- NIOSH 0,01 - Sob
Diclorotetrafluoretano, 76-14-2 400/200 mg (SKC 226- CG-FID 50 I 1-4 7 dias a -10 °C
Tetrafluoretano 1018 0,05 refrigeração.
CFC114 09) ligados em série
Tubo de carvão ativo
NIOSH
1,2-Dicloroetano Dicloreto de Etileno 107-06-2 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,1 1 - 50 Rotina 30 dias a 25 °C
1003
01)
1,2-Dicloroeteno, todos Tubo de carvão ativo
NIOSH
os isômeros (cis e 1,2-Dicloroetileno 540-59-0 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 0,2 - 5 Rotina 30 dias a 25 °C
1003
trans) 01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
1,3,5-Trimetilbenzeno - 108-67-8 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 10 - 30 Rotina 30 dias a 25 °C
1501
01)
2 tubos de carvão ativo
NIOSH Sob
1,3-Butadieno - 106-99-0 200/400 mg (SKC 226- CG-FID 2 A 0,01 - 0,5 5 - 25 15 dias à -4°C
1024 refrigeração
09) ligados em série
Tubo de carvão ativo 7 dias a 25 °C
1,4-Dioxiciclohexano; NIOSH
1,4-Dioxano 123-91-1 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 0,5 - 15 Rotina e 6 semanas a
p-Dioxano 1602
01) -10 °C
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
2 Metais - N.A. ICP-OES N.A. EE 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
3 Metais - N.A. ICP-OES N.A. EE 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
4 Metais - N.A. ICP-OES N.A. EE 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
5 Metais - N.A. ICP-OES N.A. EE 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 18 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Cassete com filtro de


éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
6 Metais - N.A. ICP-OES N.A. EE 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
7 Metais - N.A. ICP-OES N.A. EE 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
8 Metais - N.A. ICP-OES N.A. EE 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
9 Metais - N.A. ICP-OES N.A. EE 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
10 Metais - N.A. ICP-OES N.A. EE 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
11 Metais - N.A. ICP-OES N.A. EE 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
12 Metais - N.A. ICP-OES N.A. EE 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete de três seções
2,4-Diisocianato de com filtro de fibra de
Tolueno; vidro tratado com 1,0 OSHA ID Sob
2,4-TDI 584-84-9 HPLC 0,12 O 0,2 - 1,0 15 - 240 30 dias a 4 °C
2,4-Tolueno Difenil mg de 1-(2-piridil) 42 refrigeração
Isocianato piperazina (SKC 225-
9002)
Cassete de três seções
com filtro de fibra de
2,6-Diisocianato de
vidro tratado com 1,0 OSHA ID Sob
2,6-TDI Tolueno; 2,6-Tolueno 91-08-7 HPLC 0,12 O 0,2 - 1,1 15 - 240 30 dias a 4 °C
mg de 1-(2-piridil) 42 refrigeração
Difenil Isocianato
piperazina (SKC 225-
9002)
Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 19 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Butil Cellosolve; Butil


Tubo de carvão ativo
Glicol; Éter NIOSH 0,01 -
2-Butoxietanol 111-76-2 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 E 2 - 10 Rotina 30 dias a 5°C
Monobutílico de 1403 0,05
01)
Etilenglicol
Butil Cellosolve; Butil
2-Butoxietanol Glicol; Eter Amostrador Passivo 3M NIOSH
111-76-2 CG-FID 30 E 0,0243 Até 8 horas Rotina 15 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) Monobutílico de (OVM 3500) 1403
Etilenoglicol
Sob
Éster de Eetila de
Tubo XAD-7 40/80 mg refrigeração
Ácido 2-Ciano-2- 7085-85-
2-Cianoacrilato de Etila tratado com Ácido OSHA 55 HPLC 10 NC 0,01 - 0,2 12 (gelo seco 14 dias a 5°C
Propenoico; alfa- 0
Fosfórico (SKC 226-98) de
Cianoacrilato de Etilo
preferência)
Sob
Tubo XAD-7 40/80 mg refrigeração
2-Cianoacrilato de MCA; Metil-2-
137-05-3 tratado com Ácido OSHA 55 HPLC 10 NC 0,01 - 0,2 12 (gelo seco 14 dias a 5°C
Metila Cianopropenoato
Fosfórico (SKC 226-98) de
preferência)
Tubo XAD-7 40/80 mg
OSHA
2-Dietilaminoetanol - 100-37-8 tratado com Ácido CG-FID - NC Máx 0,2 Máx 20 Refrigerado Indeterminada
PV2060
Fosfórico (SKC 226-98)
Tubo de carvão ativo
OSHA Sob
2-Etilhexanol 2-Etil-1-Hexanol 104-76-7 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 I 0,01 - 0,2 10 - 60 30 dias a 5°C
CSI refrigeração
01)
Solvente Cellosolve;
Tubo de carvão ativo
Etil Glicol; Eter
2-Etoxietanol 110-80-5 100/50 mg (SKC 226- OSHA 79 CG-FID 20 E 0,01 - 0,5 10 - 50 Rotina 30 dias a 5°C
Monoetílico de
01)
Etilenglicol
Solvente Cellosolve;
2-Etoxietanol Etil Glicol; Eter Amostrador Passivo 3M
110-80-5 OSHA 79 CG-FID 30 E 0,0324 Até 8 horas Rotina 15 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) Monoetílico de (OVM 3500)
Etilenglicol
Metil Cellosolve; Metil
Tubo de carvão ativo
Glicol; Eter 0,01 -
2-Metoxietanol 109-86-4 100/50 mg (SKC 226- OSHA 79 CG-FID 20 E 10 - 50 Rotina 30 dias a 5°C
Monometílico de 0,05
01)
Etilenglicol

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 20 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Metil Cellosolve; Metil


2-Metoxietanol Glicol; Eter Amostrador Passivo 3M NIOSH
109-86-4 CG-FID 30 E 0,0316 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) Monometílico de (OVM 3500) 1450
Etilenglicol
Após 4
horas de
amostragem
transfeir
Cassete com 2 filtros de
cada filtro
fibra de vidro de 1 µm NIOSH
4,4-Metilenodianilina - 101-77-9 HPLC, UV 0,1 NC 1-2 Máx 1000 para um 60 dias a 20 °C
tratados com Ácido 5029M
frasco de
Sulfúrico
vidro
contendo 2
mL de água
deionizada.
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio
para
proteger da
Cassete com filtro de luz.
PTFE 2 µm e 37 mm Transferir o
NIOSH
Acenafteno - 83-32-9 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 filtro para Indeterminada
5506
XAD-2 100/50 mg um vial
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 21 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio
para
proteger da
Cassete com filtro de luz.
PTFE 2 µm e 37 mm Transferir o
NIOSH
Acenaftileno - 83-32-9 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 filtro para Indeterminada
5506
XAD-2 100/50 mg um vial
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.
Tubo de sílica gel
150/300 mg tratado com
Aldeído Acético; EPA TO- Sob
Acetaldeído 75-07-0 Dinitrofenilhidrazina HPLC, UV 0.2 N 0,2 - 1,0 2 - 15 30 dias a 5°C
Etanal 11 refrigeração
(DNPH) e HCl (SKC
226-119)
Acetato de Butil
Cellosolve, Acetato de
Tubo de carvão ativo
Acetato de 2- Éter Butílico do Sob
112-07-2 100/50 mg (SKC 226- OSHA 83 CG-FID 20 E 0,01 - 0,2 1 - 10 Indeterminada
Butoxietanol Monoetileno Glicol, refrigeração
01)
Acetato de 2-
Butoxietila
Acetato de Etil
Cellosolve, Acetato do Tubo de carvão ativo
Acetato de 2- Sob
Éter Etílico do 111-15-9 100/50 mg (SKC 226- OSHA 79 CG-FID 20 E 0,01 - 0,5 10 - 50 Indeterminada
Etoxietanol refrigeração
Monoetileno Glicol, 01)
Acetato de 2-Etoxietila
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acetato de Amila - 628-63-7 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Indeterminada
1450 refrigeração
01)
Tubo de carvão ativo
OSHA
Acetato de Benzila - 140-11-4 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 10 -50 Rotina Indeterminada
CSI
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 22 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Etanoato de Butila; Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acetato de Butila Éster Butílico do Ácido 123-86-4 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 1 - 10 30 dias a 4 °C
1450 refrigeração
Acético 01)
Etanoato de Butila;
Acetato de Butila Amostrador Passivo 3M NIOSH
Éster Butílico do Ácido 123-86-4 CG-FID 30 A 0,029 Até 8 horas Rotina 15 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) (OVM 3500) 1450
Acético
1-Metoxi-2-Acetoxi
Acetato de Éter Metílico Tubo de carvão ativo
Propano; PGMEA;
do Monopropileno 108-65-6 100/50 mg (SKC 226- OSHA 99 CG-FID 20 E 0,2 5 -10 Rotina 15 dias a 25°C
Acetato de 1-metil-2-
Glicol 01)
Metoxietila
Etanoato de Etila; Etil Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acetato de Etila Éster; Éster Acético; 141-78-6 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 0,1 - 10 6 dias a 5°C
1457 refrigeração
Etanoato de Etila 01)
Etanoato de Etila; Etil
Acetato de Etila Amostrador Passivo 3M NIOSH
Éster; Éster Acético; 141-78-6 CG-FID 30 A 0,0345 Até 6 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) (OVM 3500) 1457
Etanoato de Etila
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acetato de Isoamila - 123-92-2 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Indeterminada
1450 refrigeração
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acetato de Isobutila - 110-19-0 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Indeterminada
1450 refrigeração
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acetato de Isopropila - 108-21-4 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Indeterminada
1450 refrigeração
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acetato de Metila - 79-20-9 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 2 - 10 6 dias a 5°C
1450 refrigeração
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acetato de Propila Acetato de n-Propila 109-60-4 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Indeterminada
1450 refrigeração
01)
Acetato de 2-pentila, Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acetato de sec-Amila Acetato de 1- 626-38-0 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Indeterminada
1450 refrigeração
Metilbutila 01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acetato de sec-Butila - 105-46-4 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 2 - 10 Indeterminada
1450 refrigeração
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 23 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acetato de terc-Butila - 540-88-5 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 2 - 10 Indeterminada
1450 refrigeração
01)
Etanoato de Etinila; 1- Tubo de peneiras
Acetato de Vinila Acetoxi Etilene; Éster 108-05-4 moleculares 160/80 mg OSHA 51 CG-FID 20 E 0,1 24 Rotina 30 dias a 25 °C
Vinilico (Orbo 92)
0,05 - 0,1
2,4-Pentanodiona, 2,4- Tubo XAD-7 100/50 mg OSHA 24 TWA
Acetilacetona 123-54-6 CG-FID 5 HH TWA Rotina Indeterminada
Pentanona (SKC 226-95) 7M 3 STEL
0,2 STEL
Tubo de carvão ativo
2-Propanona; NIOSH Sob
Acetona 67-64-1 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 0,5 - 3 Estável
Dimetilcetona 1300 refrigeração
01)
Acetona (Amostrador 2-Propanona; Amostrador Passivo 3M NIOSH Sob
67-64-1 CG-FID 30 A 0,0401 Até 2 horas Indeterminada
Passivo) Dimetilcetona (OVM 3520) 1300 refrigeração
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Acetonitrila - 75-05-8 200/400 mg (SKC 226- CG-FID 20 II 0,01 - 0,2 3 - 25 Rotina Estável
1606
09)
Acetonitrila (amostrador Amostrador Passivo 3M NIOSH
- 75-05-8 CG-FID 30 II 0,0482 Até 2 horas Rotina 21 dias a 25 °C
passivo) (OVM 3520) 1606
Tubo de sílica gel OSHA
Ácido 2-Etilhexanóico - 149-57-5 400/200 mg (SKC 226- STOPGA CG-FID 10 N Máx 0,2 Máx 480 Rotina 30 dias a 5°C
10-03) P
Ácido Etanóico; Ácido Tubo de carvão ativo
OSHA ID Cromatografia
Ácido Acético Carboxilico; Ácido 64-19-7 100/50 mg (SKC 226- 5 V 0,1 - 0,2 5 - 48 Rotina 7 dias a 25°C
186SG de Íons
Etílico 01)
2 tubos de resina
Anasorb 708 de 100 mg OSHA
Ácido Acrílico - 79-10-7 HPLC, UV 2 K 0,1 24 Rotina Indeterminada
ligados em série (SKC PV 2005
226-30-08)
Cassete com filtro de
10043- PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Ácido Bórico - Gravimetria N.A. N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
35-3 (SKC 225-5-37) pré 0500
pesado
Tubo de sílica gel
Brometo de 10035- NIOSH Cromatografia
Ácido Bromídrico 400/200 mg (SKC 226- 5 U 0,2 - 0,5 3 – 100 Rotina 21 dias a 25 °C
Hidrogênio 10-6 7903 de Íons
10-03)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 24 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Tubo de sílica gel
Ácido Muriático; 7647-01- NIOSH Cromatografia
Ácido Clorídrico 400/200 mg (SKC 226- 2,5 U 0,2 - 0,5 3 - 100 Rotina 21 dias a 25 °C
Cloreto de Hidrogênio 0 7903 de Íons
10-03)
Retirar o
filtro do
cassete e
Espectrofotom
Cromo (VI), Cromatos Cassete com filtro de transferir
1333-82- NIOSH etria de
Ácido Crômico solúveis, Cromo PVC 5 µm e 37 mm 0,2 NC 1-4 1000 para um vial 6 dias a 25°C
0 7600 Absorção no
hexavalente solúvel (SKC 225-5-37) imediatamen
Visível
te após a
amostragem
.
Tubo de sílica gel
Ácido Hidroflórico; 7664-39- NIOSH Cromatografia
Ácido Fluorídrico 400/200 mg (SKC 226- 10 U 0,2 - 0,5 3 - 100 Rotina 21 dias a 25 °C
Fluoreto de Hidrogênio 3 7903 de Íons
10-03)
Tubo de sílica gel
NIOSH Cromatografia
Ácido Fórmico - 64-18-6 400/200 mg (SKC 226- 5 V 0,05 - 0,2 1 - 24 Rotina 7 dias a 25 °C
2011 de Íons
10-03)
Tubo de sílica gel
7664-38- NIOSH Cromatografia
Ácido Fosfórico Ácido Orto-Fosfórico 400/200 mg (SKC 226- 10 U 0,2 - 0,5 3 - 100 Rotina 21 dias a 25 °C
2 7903 de Íons
10-03)
Cassete com filtro de NIOSH 100 - 480
Ácido Maléico - 110-16-7 fibra de vidro 1 µm e 37 P&CAM HPLC, UV 2 NC 01/abr TWA Rotina Indeterminada
mm (SKC 225-706) 302 30 STEL
2 tubos de resina
Anasorb 708 mg ligados OSHA
Ácido Metacrílico - 79-41-4 HPLC, UV 4 K 0,1 24 Rotina Indeterminada
em série (SKC 226-30- PV 2005
08)
Aqua Fortis; Ácido de Tubo de sílica gel
7697-37- NIOSH Cromatografia
Ácido Nítrico Azótico; Nitrato de 400/200 mg (SKC 226- 5 U 0,2 - 0,5 3 - 100 Rotina 21 dias a 25 °C
2 7903 de Íons
Oxigênio 10-03)
Cassete com filtro de
Ácido Oxálico (como PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
- 144-62-7 Gravimetria 50 N.A. 1.5 - 2 100 - 500 Rotina Estável
particulado) (SKC 225-5-37) pré 5000
pesado
Tubo de sílica gel
Ácido Propiônico; NIOSH Cromatografia
Ácido Propiônico 79-09-04 400/200 mg (SKC 226- 10 V 0,05 - 0,2 1 - 24 Rotina Estável
Ácido Propílico 2011M de Íons
10-03)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 25 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Sulfato de Hidrogênio;
Tubo de sílica gel
Óleo Vitrial; Ácido de 7664-93- NIOSH Cromatografia
Ácido Sulfúrico 400/200 mg (SKC 226- 5 U 0,2 - 0,5 3 - 100 Rotina 21 dias a 25 °C
Bateria; Ácido 9 7903 de Íons
10-03)
Fertilizante
Transferir o
filtro, sem
suporte,
para um
frasco de
Sulfato de Hidrogênio; Cassete com filtro de
vidro com
Ácido Sulfúrico Óleo Vitrial; Ácido de 7664-93- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID Cromatografia
5 U 1,6 30 - 768 tampa Indeterminada
Torácico Bateria; Ácido 9 e 37 mm (SKC 225-3- 113 de Íons
utilizando
Fertilizante 01) (Utilizar ciclone)
uma pinça
no máximo 1
hora após a
amostragem
.
OSHA
Impinger com 15 mL de
Ácido tioglicólico - 68-11-1 STOPGA HPLC 30 NC Máx 1,0 Máx 120 Rotina Indeterminada
água deionizada
P
Tubo XAD-7 200/100
2-Propenamida;
mg com filtro de fibra de OSHA
Acrilamida Etileno Carboxamida; 79-06-1 HPLC, UV 0,4 NC Máx 1 Máx 120 Rotina Indeterminada
vidro embutido ( SKC PV 2004
Amida Acrílica
226-57)
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acrilato de Butila Acrilato de n-butila 141-32-2 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Indeterminada
1450M refrigeração
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Acrilato de Etila - 140-88-5 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,02 - 0,2 3 - 10 Indeterminada
1450M refrigeração
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Acrilato de Metila - 96-33-3 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 Máx 5 Rotina Indeterminada
1459M
01)
Tubo de carvão ativo
Cromatografia
Acrilonitrila - 107-13-1 100/50 mg (SKC 226- OSHA 37 1 HH 0,2 6 - 20 Rotina 15 dias a 25 °C
Gasosa, NPD
01)
Tubo de sílica gel
150/300 mg tratado com
EPA TO- Sob
Acroleína - 107-02-8 Dinitrofenilhidrazina HPLC, UV 0,25 N 0,2 - 1,0 2 - 30 30 dias a 4 °C
11M refrigeração
(DNPH) e HCl (SKC
226-119)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 26 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Solventes de
Tubo de carvão ativo
Stoddard, Aguarrás 8052-41- Sob
Aguarrás 100/50 mg (SKC 226- OSHA 48 CG-FID 50 A 0,01 - 0,2 1 - 20 19 dias a 4 °C
Mineral; Espíritos 3 refrigeração
01)
Minerais
Solventes de
Aguarrás (Amostrador 8052-41- Amostrador Passivo 3M NIOSH
Stoddard; Espíritos CG-FID 75 A 0,0243 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
Passivo) 3 (OVM 3500) 1550
Minerais
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Álcool Benzílico Fenilcarbinol 100-51-6 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 D 0,01 - 0,2 10 - 24 Indeterminada
1402M refrigeração
01)
2-Furilmetanol, 2- Tubo Porapak-Q (SKC NIOSH 0,01 -
Álcool Furfurílico 98-00-0 CG-FID 40 NC 3 - 25 Rotina 7 dias a 25°C
Furancarbinol 226-115) 2505 0,05
Tubo de carvão ativo
Metil Isobutil Carbinol, NIOSH
Álcool Metil Amílico 108-11-2 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 NC 0,05 - 0,2 5 - 10 Rotina 30 dias a 25 °C
4-Metil-2-Pentanol 1402
01)
Cassete com filtro de
7429-90- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Alumínio - ICP-OES 2 T 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
5 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Variável
Cassete com filtro de
conforme
Alumínio (Fração 7429-90- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
- ICP-OES 2 T ciclone. 50 - 1000 Rotina Estável
Respirável) 5 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
Ver
01) (Utilizar ciclone)
Tabela 2
Tubo de sílica gel
7664-41- 200/100 mg impregnado NIOSH Cromatografia Sob
Amônia - 2,5 NC Máx 0,2 7,5 - 96 30 dias a 5°C
7 com ácido sulfúrico 6016 de íons refrigeração
(SKC 226-10-06)
Anidrido do Ácido TWA
Cassete com 2 filtros de TWA 15
Acético, Acetato de 0,050
fibra de vidro tratados OSHA máx Sob 15 dias sob
Anidrido Acético Acetila, Óxido de 108-24-7 HPLC, UV 10 KK máx
com Veratramina e 102M STEL 7,5 refrigeração refrigeração
Acetila, Óxido Acético, STEL
Dioctilftalato máx
Anidrido Etanóico 0,50 máx
Cassete com 2 filtros de
2-Benzofuran-1,3- fibra de vidro tratados Sob 15 dias sob
Anidrido Ftálico 85-44-9 OSHA 90 HPLC 2 O 1 máx 75 - 100
Dione com Veratramina e refrigeração refrigeração
Dioctilftalato

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 27 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Anidrido cis- Cassete com 2 filtros de


Butenedióico, Anidrido fibra de vidro tratados Sob 15 dias sob
Anidrido Malêico 108-31-6 OSHA 86 HPLC, UV 2 K 0,5 140
Toxílico, Diidro-2,5- com Veratramina e refrigeração refrigeração
Dioxofurano Dioctilftalato
Tubo de sílica gel
NIOSH
Anilina - 62-53-3 150/75 mg (SKC 226- CG-FID 10 M 0,02 - 0,2 5 - 30 Rotina 7 dias 25 °C
2002
10)
Cassete com filtro de
7440-36- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Antimônio - ICP-OES 2 EE 2 40 - 1000 Rotina Estável
0 e 37 mm (SKC 225-3- 125
01)
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio
para
proteger da
Cassete com filtro de luz.
PTFE 2 µm e 37 mm Transferir o
NIOSH
Antraceno - 120-12-7 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 filtro para Indeterminada
5506
XAD-2 100/50 mg um vial
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.
Cassete com filtro de
7440-38- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Arsênio - ICP-OES 2 T 1-3 800 - 1000 Rotina Estável
2 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete condutivo 25 Microscopia de
Asbestos e outras NIOSH
Asbestos N.A. mm com filtro de éster Contraste de <1% NC 0,5 - 16 480 - 1000 Rotina Estável
Fibras 7400
de celulose 0,8 µm Fase
Cassete com filtro de
7440-39- éster de celulose 0,8 µm NIOSH
Bário - ICP-OES 2 T 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
3 e 37 mm (SKC 225-3- 7300
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 28 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Cassete com filtro de


Compostos de Bário 7440-39- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Bário (sais solúveis) ICP-OES 2 T 1,5 300 Rotina Estável
solúveis em água 3 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Benzol, Ciclo-
Hexatrieno, Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Benzeno Bicarbureto de 71-43-2 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 2 A 0,01 - 0,2 2 - 30 30 dias a 5°C
1501 refrigeração
Hidrogênio, Nafta 01)
Mineral
Benzol, Ciclo-
Hexatrieno,
Benzeno (Amostrador Amostrador Passivo 3M NIOSH
Bicarbureto de 71-43-2 CG-FID 3 A 0,0355 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
Passivo) (OVM 3500) 1501
Hidrogênio, Nafta
Mineral
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio
para
proteger da
Cassete com filtro de luz.
PTFE 2 µm e 37 mm Transferir o
NIOSH
Benzo(a)Antraceno - 56-55-33 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 filtro para Indeterminada
5506
XAD-2 100/50 mg um vial
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 29 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio
para
proteger da
Cassete com filtro de luz.
PTFE 2 µm e 37 mm Transferir o
NIOSH
Benzo(a)Pireno - 50-32-8 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 MM 2 200 - 1000 filtro para Indeterminada
5506
XAD-2 100/50 mg um vial
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio
para
proteger da
Cassete com filtro de luz.
PTFE 2 µm e 37 mm Transferir o
NIOSH
Benzo(b)Fluoranteno - 205-99-2 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 filtro para Indeterminada
5506
XAD-2 100/50 mg um vial
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 30 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio.
Transferir o
Cassete com filtro de
filtro para
PTFE 2 µm e 37 mm
NIOSH um vial
Benzo(k)Fluoranteno - 207-8-9 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 Indeterminada
5506 embrulhado
XAD-2 100/50 mg
em papel
(ORBO 43)
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.
Cassete com filtro de
7440-41- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Berílio - ICP-OES 0,1 EE 1-4 200 - 2000 Rotina Estável
7 e 37 mm (SKC 225-3- 125M
01)
Tubo de resina Tenax
NIOSH
Bifenil Difenil, Fenilbenzeno 92-52-4 TA de 20/10 mg (SKC CG-FID 5 NC 1,6 30 - 300 Rotina 7 dias a 25°C
2530
226-35-01)
Cassete com filtro de NIOSH
Bisfenol A - 80-05-7 fibra de vidro 1 µm e 37 PCAM HPLC 2 N 1,6 300 Rotina Indeterminada
mm (SKC 225-706) 333
Cassete com filtro de
Hidrogenosulfito de 7631-90- PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Bissulfito de Sódio Gravimetria 50 NC 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
Sódio 5 (SKC 225-5-37) pré 0500
pesado
Cassete com filtro de
7440-42- éster de celulose 0,8 µm NIOSH
Boro - ICP-OES 2 T 1-3 50 - 500 Rotina Estável
8 e 37 mm (SKC 225-3- 7300M
01)

Bromometano,
Monobromometano,
2 Tubos de resina
Metil fume, Halon
Anasorb 400/200 mg OSHA Sob 15 dias sob
Brometo de Metila 1001, Curafume, 74-83-9 CG-FID 10 A 0,05 - 0,2 3 máx
ligados em série (SKC PV 2040 refrigeração refrigeração
Embafume, R-40 B1,
226-83)
UN 1062, Embafume,
Terabol

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 31 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Bromofórmio Tribromometano 75-25-2 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,1 4 - 70 Rotina 30 dias a 25 °C
1003
01)
BTX
Tubo de carvão ativo
Ver Tabela 3 para NIOSH Sob
- N.A. 100/50 mg (SKC 226- CG-FID N.A. A <= 0,20 5-8 30 dias a 5°C
descrição dos 1501 refrigeração
01)
analitos
Variável,
BTX (Amostrador
de
Passivo)
Amostrador Passivo 3M NIOSH acordo
Ver Tabela 3 para - N.A. CG-FID N.A. A Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(OVM 3500) 1501 com o
descrição dos
compost
analitos
o
BTXE
Tubo de carvão ativo
Ver Tabela 3 para NIOSH Sob
- N.A. 100/50 mg (SKC 226- CG-FID N.A. A 0,05 - 0,2 5 - 15 30 dias a 5°C
descrição dos 1501 refrigeração
01)
analitos
Variável,
BTXE (Amostrador
de
Passivo)
Amostrador Passivo 3M NIOSH acordo
Ver Tabela 3 para - N.A. CG-FID N.A. A Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(OVM 3500) 1501 com o
descrição dos
compost
analitos
o
n-Butanol; Propil
Butanol (Amostrador Carbinol; 1-Butanol; Amostrador Passivo 3M NIOSH
71-36-3 CG-FID 30 C 0,0348 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
Passivo) Álcool n-Butílico; (OVM 3500) 1401
Álcool Butílico
Cassete com filtro de
7440-43- éster de celulose 0,8 µm NIOSH
Cádmio - ICP-OES 0,5 T 1-3 800 a 1000 Rotina Estável
9 e 37 mm (SKC 225-3- 7300
01)
Variável
Cassete com filtro de
conforme
Cádmio (Fração 7440-43- éster de celulose 0,8 µm NIOSH
- ICP-OES 0,025 T ciclone. 800 a 1000 Rotina Estável
Respirável) 9 e 37 mm (SKC 225-3- 7300
Ver
01) (Utilizar ciclone)
Tabela 2
Cassete com filtro de
7440-70- éster de celulose 0,8 µm NIOSH
Cálcio - ICP-OES 2 T 1-3 100 - 1000 Rotina Estável
2 e 37 mm (SKC 225-3- 7300
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 32 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Tubo XAD-7 200/100


mg com filtro de fibra de OSHA
Caprolactama - 105-60-2 HPLC 10 K 1 máx 100 Rotina 7 dias a 25°C
vidro embutido PV 2012
( SKC 226-57)
Tubo de resina XAD-2
270/140 mg com filtro
Carbaryl - 63-25-2 de fibra de vidro OSHA 63 HPLC, UV 5 NC Máx 1 Máx 60 Rotina 30 dias a 25 °C
embutido (OVS) (SKC
226-30-16)
Cassete com filtro de
PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Carbeto de Silício Carbureto de Silício 409-21-2 Gravimetria N.A. N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
(SKC 225-5-37) pré 0600
pesado
Cassete com filtro de
PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Carvão Mineral - N.A. Gravimetria N.A. N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
(SKC 225-5-37) pré 0600
pesado
Cassete com filtro de
PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Caulim Caolim N.A. Gravimetria N.A. N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
(SKC 225-5-37) pré 0600
pesado
Cassete com filtro de
7439-92- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Chumbo - ICP-OES 2 T 1-3 400 - 1000 Rotina Estável
1 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)

Tubo de carvão ativo OSHA


Chumbo Tetraetila - 78-00-2 100/50 mg (SKC 226- STOPGA ICP-OES 0,8 NC Máx 1 Máx 480 Rotina Indeterminada
01) P
Tubo de cal sodada
Ácido Cianídrico, NIOSH Medidor de íon
Cianeto de Hidrogênio 74-90-8 200/600 mg (SKC 226- 2,6 NC 0,2 2 - 90 Rotina 15 dias a 25 °C
Cianeto Gasoso 6010M específico
28)
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm NIOSH Eletrodo de Ion Analisar o mais
Cianetos Particulados Sais de Cianeto N.A. 2,6 FF 0,5 - 1,0 10 - 180 Rotina
e 37 mm (SKC 225-3- 7904M Específico breve possível
01) (Utilizar ciclone)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 33 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Tubo de cal sodada


200/600 mg (SKC 226- 5 dias para os
Cianetos gasosos e NIOSH Medidor de íon
Cianetos Total N.A. 28) (Remover a lã de 2,6 NC 0,2 2 - 90 Rotina particulados no
particulados 6010M específico
vidro que precede o filtro
filtro de fibra de vidro)
Tubo de carvão ativo
Hexahidrobenzeno, NIOSH
Ciclohexano 110-82-7 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 2,5 - 5,0 Rotina 30 dias a 5°C
Hexametileno 1500
01)
Ciclohexano Hexahidrobenzeno, Amostrador Passivo 3M NIOSH
110-82-7 CG-FID 30 A 0,0324 Até 6 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) Hexametileno (OVM 3500) 1500
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Ciclohexanol - 108-93-0 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 D 0,01 - 0,2 1 - 10 Rotina 30 dias a 25 °C
1402
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Ciclohexanona - 108-94-1 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Indeterminada
1300 refrigeração
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Ciclohexeno - 110-83-8 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 5-7 Rotina 30 dias a 25 °C
1500
01)
Tubo de resina XAD-2
Aminociclohexano,
80/40 mg tratado com NIOSH
Ciclohexilamina Aminohexahidrobenze 108-91-8 HPLC 8 N Máx 0,1 Máx 12 Rotina 15 dias a 25 °C
Naftilisotiocianato (SKC 2540
no, Hexahidroanilina
226-30-18)
Tubo de carvão ativo
OSHA
Ciclopentano - 287-92-3 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,2 5 Rotina 30 dias a 25 °C
CSI
01)
Cassete com filtro de
Amônio Muriático; Sal
12125- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID Cromatografia
Cloreto de Amônia Amoníaco; Salmíaco; 10 NC Máx 2 Máx 960 Rotina Estável
02-9 e 37 mm (SKC 225-3- 188M de Íons
Amonérico
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Cloreto de Benzila - 100-44-7 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 5 A 0,01 - 0,2 6 - 50 Rotina 30 dias a 25 °C
1003
01)
2 tubos de carvão ativo TWA
Clorometano, NIOSH TWA 3 Sob
Cloreto de Metila 74-87-3 200/400 mg (SKC 226- CG-FID 10 I 0,02 - 0,1 7 dias a 5 °C
Monoclorometano 1001 STEL 1,5 refrigeração
09) ligados em série STEL 0,1
2 tubos de carvão ativo
NIOSH Separar os
Cloreto de Vinila Cloroetileno 75-01-4 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 2 A 0,05 0,7 - 5 10 dias a 25°C
1007 tubos
01) ligados em série

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 34 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Cloreto de Vinila Amostrador Passivo 3M NIOSH


Cloroetileno 75-01-4 CG-FID 3 A 0,0408 Até 2 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) (OVM 3520) 1007

Cassete com pré filtro Armazenar


de PTFE 0,5 µm e 25 de forma a
7782-50- mm seguido de filtro de NIOSH Cromatografia evitar Analisar o mais
Cloro Hipoclorito de Sódio 2,5 AA 0,3 - 1,0 15 - 90
5 prata 0,45 µm e 25 mm 6011 de Íons quebra e ao breve possível
sobre suporte de abrigo da
plástico (SKC 225-9006) luz.

Tubo de carvão ativo


NIOSH
Clorobenzeno Monoclorobenzeno 108-90-7 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,1 1,5 - 40 Rotina 30 dias a 25 °C
1003
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Clorobrometano - 74-97-5 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 0,5 - 8 Rotina 30 dias a 25 °C
1003
01)
Difluoromonocloromet
ano,
Sob
Monoclorodifluorometa 2 tubos de carvão ativo
NIOSH 0,01 - refrigeração.
Clorodifluormetano no, HCFC-22, R-22, 75-71-8 200/400 mg (SKC 226- CG-FID 50 I 1-4 7 dias a 5 °C
1018M 0,05 Mínimo de 3
Genetron 22, Freon 09) ligados em série
amostras.
22, Arcton 4, Arcton
22, UN 1018
Tubo de carvão ativo
Triclorometano; NIOSH
Clorofórmio 67-66-3 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 1 - 50 Rotina 30 dias a 25 °C
Tricloreto de Metila 1003
01)
Clorofórmio Triclorometano; Amostrador Passivo 3M NIOSH
67-66-3 CG-FID 30 A 0,0335 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) Tricloreto de Metila (OVM 3500) 1007
Tubo de resina XAD-2
270/140 mg com filtro
2921-88- OSHA
Clorpirifos - de fibra de vidro CG-ECD 0,2 NC 1 - 1,5 480 Rotina 10 dias a 25°C
2 62M
embutido (OVS) (SKC
226-30-16)
Cassete com filtro de
7440-48- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Cobalto - ICP-OES 2 T 1-3 400 - 1000 Rotina Estável
4 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 35 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Cassete com filtro de


7440-50- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Cobre - ICP-OES 1 EE 1-3 40 - 1000 Rotina Estável
8 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Tubo de carvão ativo
Componentes de Trimetilbenzeno e NIOSH
N.A. 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 10 - 30 Rotina Indeterminada
Exaustão de Diesel Isômeros 1501
01)
Rotina. Caso
solicite
análises de
Alcatrão de hulha,
PAH
Compostos voláteis de Cassete com filtro de Gravimetria
Compostos Voláteis proteger o
Piche de Alcatrão N.A. fibra de vidro 1 µm e 37 OSHA 58 com extração 60 MM 2 960 Indeterminada
Solúveis em Benzeno cassete da
(Betumem) solúveis mm (SKC 225-706) em benzeno
luz
em benzeno
embrulhand
o em papel
alumínio.
Cresois - Todos os o-Cresol, p-Cresol e 1319-77- Tubo XAD-7 100/50 mg
OSHA 32 HPLC 30 K 0,1 24 Rotina 15 dias a 25 °C
Isômeros (Vapor) m-Cresol 3 (SKC 226-95)
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio
para
proteger da
Cassete com filtro de luz.
PTFE 2 µm e 37 mm Transferir o
NIOSH
Criseno - 218-01-9 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 filtro para Indeterminada
5506
XAD-2 100/50 mg um vial
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.
Cassete com filtro de
7440-47- éster de celulose 0,8 µm
Cromo Cromo Total NIOSH ICP-OES 2 T 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
3 e 37 mm (SKC 225-3-
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 36 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Cumeno - 98-82-8 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 10 - 30 30 dias a 5 °C
1501 refrigeração
01)
Separar os
2 tubos de carvão ativo
1,1,1,1,1,3,4,5,5,5- 138495- NIOSH 0,01 - tubos e
Decafluorpentano 200/400 mg (SKC 226- CG-FID 50 I 0,5 - 4 7 dias a -10 °C
Decafluorpentano 42-8 1018M 0,05 manter sob
09) ligados em série
refrigeração.
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Decano n-Decano 124-18-5 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Rotina 30 dias a 25 °C
1500
01)
Embrulhar
em papel
TWA
alumínio
2 tubos de Sílica Gel Máx 9
OSHA Min 0,05 para
Diacetil - 431-03-8 600 mg ligados em série CG-ECD 0,2 NC 7 dias a 4 °C
1012 Máx 0,02 proteger da
(SKC 226-183) STEL
luz durante
Máx 3
amostragem
e envio.
Tubo de carvão ativo
4-Hidroxi-4-Metyl-2- NIOSH
Diacetona Álcool 123.42-2 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 D 0,01 - 0,2 1 - 10 Rotina 7 dias 25 °C
Pentanona 1402
01)
Tubo XAD-7 200/100
mg com filtro de fibra de
Diazinon - 333-41-5 OSHA 62 CG-ECD 0,02 S 0,2 - 1 12 - 240 Rotina 10 dias a 25°C
vidro embutido
( SKC 226-57)
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio
para
proteger da
Cassete com filtro de luz.
PTFE 2 µm e 37 mm Transferir o
NIOSH
Dibenzo(a,h)Antraceno - 53-70-3 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 filtro para Indeterminada
5506
XAD-2 100/50 mg um vial
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 37 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Cassete com filtro de


Ftalato de Dibutila, éster de celulose 0,8 µm NIOSH
Dibutil Ftalato 84-74-2 CG-FID 20 A 1-3 10 - 20 Rotina 6 dias a 25°C
DPB e 37 mm (SKC 225-3- 5020
01)

Tubo de resina XAD-2


80/40 mg tratado com OSHA
Dibutilamina di-n-butilamina 111-92-2 HPLC, UV 2 N 0,1 10 Rotina 15 dias a 25 °C
Naftilisotiocianato (SKC 60M
226-30-18)

Difluoreto Dicloreto de
Carbono, Dicloro-
Difluoro-Metano, Sob
2 tubos de carvão ativo
Difluorodiclorometano, NIOSH 0,01 - refrigeração.
Diclorodifluormetano 75-71-8 200/400 mg (SKC 226- CG-FID 50 I 1-4 7 dias a -10 °C
Freon 12, R-12, CFC- 1018 0,05 Mínimo de 3
09) ligados em série
12, P-12, Propellant amostras.
12, Halon 122, Arcton
6, Arcton 12, E940
2 tubos de carvão ativo
NIOSH Separar os
Diclorometano Cloreto de Metileno 75-09-2 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 0,5 - 3 30 dias a 5°C
1005 tubos
01) ligados em série
Até 8
horas. Em
ambientes
com
Diclorometano Amostrador Passivo 3M NIOSH
Cloreto de Metileno 75-09-2 CG-FID 15 A 0,0379 elevada Rotina 21 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) (OVM 3520) 1005M
humidade
(80%)
máximo 6
horas.
Tubo de resina XAD-2
270/140 mg com filtro 10 dias a 25 °C
OSHA
Diclorvos DDVP 62-73-7 de fibra de vidro CG-ECD 0,2 NC 1 120 Rotina e 30 dias a 30
62M
embutido (OVS) (SKC °C
226-30-16)
Tubo de carvão ativo
68334- NIOSH Sob
Diesel Vapores de Diesel 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 50 A 0,01 - 0,2 1 - 20 15 dias a 5°C
30-5 1550 refrigeração
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 38 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Dietanolamina, 2,2'-
Iminobisetanol,
Iminodietanol, Rotina ou
Bis(hidroxietil)amina, sob
Tubo de resina XAD-2
N,N-Bis(2- refrigeração.
80/40 mg tratado com
hidroxiethil)amina, 2- Manter os
Naftilisotiocianato (SKC OSHA
[(2- amostradore
Dietanolamina 111-42-2 226-30-18) (Manter os PV HPLC 2 N 0,1 10 15 dias a 25 °C
Hidroxietil)amino]etano s sob
amostradores sob 2018M
l, 2,2'- refrigeração
refrigeração antes da
Dihidroxidietilamina, antes da
amostragem)
β,β'- amostragem
Dihidroxidietilamina, .
Diolamina, N-
Etiletanamina, DEA
Rotina ou
sob
refrigeração.
Manter os
Tubo XAD-7 100/50 mg
N-Etiletanoamina, amostradore
Dietilamina 109-89-7 tratado com Cloreto de OSHA 41 HPLC 2 W 0,2 10 15 dias a 25 °C
DEA s sob
NBD (SKC 226-96)
refrigeração
antes da
amostragem
.
DEG; Éter de Glicol;
Etileno Diglicol;
Tubo XAD-7 200/100
Diglicol; 2,2'-
mg com filtro de fibra de NIOSH Sob
Dietilenoglicol Oxibisetanol; 3-oxa- 111-46-6 CG-FID 20 JJ 0,5 - 2 60 28 dias a 4 °C
vidro embutido ( SKC 5523 refrigeração
1,5-Pentanodiol;
226-57)
Dihidroxi Dietil Éter,
Dietileno glicol
Rotina ou
sob
refrigeração.
Tubo de resina XAD-2 Manter os
TWA
80/40 mg tratado com TWA 10 amostradore
Dietilenotriamina DETA 111-40-0 OSHA 60 HPLC, UV 2 N 0,01 - 0,1 15 dias a 25 °C
Naftilisotiocianato (SKC STEL 3 s sob
STEL 0,1
226-30-18) refrigeração
antes da
amostragem
.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 39 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
di-Isobutil Cetona - 108-83-8 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Indeterminada
1300 refrigeração
01)
Cassete de três seções
com filtro de fibra de
Diisocianato de 4098-71- vidro tratado com 1,0 OSHA ID Sob
IPDI HPLC, FL 0,2 O 1 15 - 240 30 dias a 4 °C
Isoforona 9 mg de 1-(2-piridil) 42 refrigeração
piperazina (SKC 225-
9002)
Tubo de sílica gel
N,N-Dimetilacetamida, NIOSH Pelo menos 5
Dimetilacetamida 127-19-5 150/75 mg (SKC 226- CG-FID 20 K 0,01 - 1 15 - 80 Rotina
DMAC 2004 dias 25 °C
10)
Tubo de resina XAD-2
80/40 mg tratado com NIOSH
Dimetilamina - 124-40-3 HPLC, UV 4 N 0,1 Máx 20 Máx Rotina 17 dias a 25 °C
Naftilisotiocianato (SKC 2540M
226-30-18)
Tubo de sílica gel
NIOSH
Dimetilformamida DMF 68-12-2 150/75 mg (SKC 226- CG-FID 20 K Máx 1 Máx 80 Rotina 5 dias a 25°C
2004
10)
Tubo de resina tenax TA TWA máx
Dioctilftalato, di-2-Etil- de 140/70 mg com filtro OSHA 240
Dioctil Ftalato 117-81-7 CG-FID 8 CC 1 Rotina 15 dias a 25 °C
Hexil-Ftalato, DOP de fibra de vidro 104M STEL máx
embutido (SKC 226-56) 15
Óxido de Enxofre,
Cassete com filtro de
Anidrido Ácido
7446-09- éster de celulose 0,8 µm NIOSH Cromatografia
Dióxido de Enxofre Sulfuroso, Anidrido 7 NC 0,5 - 1,5 22,5 - 200 Rotina 30 dias a 25°C
5 e 37 mm tratado com 6004 de Íons
Sulfuroso, Óxido
Carbonato de Sódio
Sulfuroso

Tubo com 2 seções de


Tetróxido de peneiras moleculares
10102- NIOSH Cromatografia 0,025 -
Dióxido de Nitrogênio Nitrogênio, Peróxido tratado com 1,3 NC 1,5 - 6 Rotina 30 dias a 25 °C
44-0 6014 de Íons 0,2
de Nitrogênio Trietanolamina (SKC
226-40-02)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 40 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Cassete com filtro de


13463- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Dióxido de Titânio - ICP-OES 10 A 2 100 - 1000 Rotina Estável
67-7 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Epicloridrina Cloreto de Glicidil 106-89-8 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 2 - 30 Rotina 15 dias a 25°C
1010M
01)
Cassete com filtro de
7440-31- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Estanho - ICP-OES 2 EE 1-3 20 – 1000 Rotina Estável
5 e 37 mm (SKC 225-3- 125
01)
Cassete com filtro de
Estearatos (Exceto de PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
- N.A. Gravimetria N.A. N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
metais tóxicos) (SKC 225-5-37) pré 0600
pesado (usar ciclone)
Vinilbenzeno;
Tubo de carvão ativo
Monômero de NIOSH Sob
Estireno 100-42-5 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 80 A 0,1 - 0,2 5 - 15 15 dias a -5 °C
Estireno; Feniletileno; 1501 refrigeração
01)
Etenil Benzeno
Vinilbenzeno;
Estireno (Amostrador Monômero de Amostrador Passivo 3M OSHA
100-42-5 CG-FID 60 A 0,0289 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
Passivo) Estireno; Feniletileno; (OVM 3500) 09M
Etenil Benzeno
Cassete com filtro de
02/06/77 éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Estrôncio - ICP-OES 2 EE 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
89 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Tubo de carvão ativo
Álcool Etílico; Etil NIOSH Sob
Etanol 64-17-5 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 B 0,01 - 0,2 0,1 - 1 Estável
Álcool; Metil Carbinol 1400 refrigeração
01)
Etanol (Amostrador Álcool Etílico; Etil Amostrador Passivo 3M NIOSH
64-17-5 CG-FID 30 B 0,0437 Máx 1 hora Rotina 21 dias a 25 °C
Passivo) Álcool; Metil Carbinol (OVM 3520) 1400

Butil Carbitol, Éter Tubo de carvão ativo


Éter Butílico do NIOSH 0,01 -
Monobutílico do 112-34-5 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 30 E 2 - 10 Rotina 14 dias a 25 °C
Dietileno Glicol 1403M 0,05
Dietileno Glicol 01)
Tubo de carvão ativo
8032-32- NIOSH Sob
Éter de Petróleo Benzina 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 50 A 0,01 - 0,2 1 - 20 30 dias a 5°C
4 1550 refrigeração
01)
Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 41 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Éter de Petróleo 8032-32- Amostrador Passivo 3M NIOSH


Benzina CG-FID 75 A 0,0332 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) 4 (OVM 3500) 1550

Éter Dietílico; Dietil Tubo de carvão ativo


NIOSH
Éter Etílico Éter; Óxido Etílico; 60-29-7 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 NC 0,1 - 0,2 0,25 - 3 Rotina 14 dias a 5°C
1610
Éter; Éter Anestésico 01)
Éter Dietílico; Dietil
Éter Etílico (Amostrador Amostrador Passivo 3M NIOSH
Éter; Óxido Etílico; 60-29-7 CG-FID 30 NC 0,0368 Até 4 horas Rotina 21 dias a 25 °C
Passivo) (OVM 3520) 1610
Éter; Éter Anestésico
Tubo de carvão ativo
Éter Etílico do Carbitol, DGMEE, NIOSH 0,01 -
111-90-0 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 E 10 Rotina 30 dias a 5°C
Dietilenoglicol ETILDIGLICOL 1403M 0,05
01)
1-Metóxi-2-Propanol, Tubo de carvão ativo
Éter Metílico do
PGME, Éter Metílico 107-98-2 100/50 mg (SKC 226- OSHA 99 CG-FID 20 E 0,1 5 - 10 Rotina Indeterminada
Monopropileno Glicol
do Propileno Glicol 01)
Éter Metílico do 1-Metóxi-2-Propanol,
Amostrador Passivo 3M OSHA
Monopropileno Glicol PGME, Éter Metílico 107-98-2 CG-FID 30 E 0,0324 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(OVM 3500) 99M
(Amostrador Passivo) do Propileno Glicol
Tubo de carvão ativo
Etil-Benzeno; NIOSH Sob
Etilbenzeno 100-41-4 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 10 - 24 30 dias a 5°C
Etilbenzol; Feniletano 1501 refrigeração
01)
Etilbenzeno Etil-Benzeno; Amostrador Passivo 3M NIOSH
100-41-4 CG-FID 15 A 0,0273 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) Etilbenzol; Feniletano (OVM 3500) 1501
Sob
refrigeração.
Manter os
Tubo de resina XAD-2 TWA
amostradore
80/40 mg tratado com 0,025 - TWA 12
Etilenodiamina - 107-15-3 OSHA 60 HPLC, UV 3 N s sob 30 dias a 5°C
Naftilisotiocianato (SKC 0,1 STEL 3
refrigeração
226-30-18) STEL 0,2
antes da
amostragem
.
Tubo XAD-7 200/100
Monoetileno Glicol, mg com filtro de fibra de NIOSH Sob
Etilenoglicol 107-21-1 CG-FID 20 JJ 0,5 - 2 5 - 60 17 dias a 25 °C
MEG, 1,2-Etanodiol vidro embutido 5523 refrigeração
( SKC 226-57)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 42 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio
para
proteger da
Cassete com filtro de luz.
PTFE 2 µm e 37 mm Transferir o
NIOSH
Fenantreno - 85-01-8 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 filtro para Indeterminada
5506
XAD-2 100/50 mg um vial
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.
Ácido Carbólico,
Hidroxibenzeno,
Monoidroxibenzeno,
Monofenol,Oxibenzen Tubo XAD-7 100/50 mg
Fenol 108-95-2 OSHA 32 HPLC, UV 10 K 0,1 24 Rotina 15 dias a 25 °C
o, Ácido Fênico, (SKC 226-95)
Hidróxido de Fenila,
Álcool Fenilíco, Ácido
Fenílico
Cassete com filtro de
7439-89- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Ferro - ICP-OES 2 EE 1-4 200 - 2000 Rotina Estável
6 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Variável
Cassete com filtro de
conforme
Ferro (Fração 7439-89- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
- ICP-OES 2 EE ciclone. 200 - 2000 Rotina Estável
Respirável) 6 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
Ver
01) (Utilizar ciclone)
Tabela 2
Cassete com filtro de
Ferrovanádio, como 12604- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
- ICP-OES 2 EE 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
Vanádio 58-9 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete condutivo 25 Microscopia de
Fibra de Vidro e outras NIOSH 3100
- N.A. mm com filtro de éster Contraste de NC 0,5 - 16 480 - 1000 Rotina Estável
Fibras 7400 F/F
de celulose 0,8 µm Fase

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 43 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio
para
proteger da
Cassete com filtro de luz.
PTFE 2 µm e 37 mm Transferir o
NIOSH
Fluoranteno - 206-44-0 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 filtro para Indeterminada
5506
XAD-2 100/50 mg um vial
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio
para
proteger da
Cassete com filtro de luz.
PTFE 2 µm e 37 mm Transferir o
NIOSH
Fluoreno 9H-Fluorene 86-73-7 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 filtro para Indeterminada
5506
XAD-2 100/50 mg um vial
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm
16984- NIOSH Medidor de íon
Fluoretos Gasosos - e 37 mm com suporte 5 NC 1-2 50 - 800 Rotina Estável
48-8 7902 específico
de celulose tratado com
Na2CO3

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 44 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Cassete com filtro de


éster de celulose 0,8 µm
16984- NIOSH Medidor de íon
Fluoretos Particulados - e 37 mm com suporte 5 NC 1-2 50 - 800 Rotina Estável
48-8 7902 específico
de celulose tratado com
Na2CO3

Cassete com filtro de


16984- celulose 0,8 µm e 37 NIOSH Medidor de íon
Fluoretos Total - 10 NC 1-2 50 - 800 Rotina Estável
48-8 mm e suporte tratado 7902 específico
com Na2CO3

Tubo de sílica gel


Formol, Formalina, 150/300 mg tratado com
NIOSH Sob
Formaldeído Óxido de Metileno, 50-00-0 Dinitrofenilhidrazina HPLC, UV 0,1 N 0,03 - 1,0 2 - 30 30 dias a 5°C
2016 refrigeração
Metanal (DNPH) e HCl (SKC
226-119)
Formol, Formalina,
Formaldeído (Monitor Amostrador Passivo NIOSH Sob Analisar o mais
Oxido de Metileno, 50-00-0 HPLC, UV 0,1 NC 0,0286 Até 8 horas
Passivo) SKC (UMEX-100) 2016 refrigeração breve possível
Metanal
Éster do Ácido Tubo de resina Anasorb
OSHA Sob
Formiato de Metila Fórmico, Metanoato 107-31-3 400/200 mg (SKC 226- CG-FID 5 NC Máx 0,05 3 máx 7 dias a 4 °C
PV 2041 refrigeração
de Metila 83)
Cassete com filtro de
12185- éster de celulose 0,8 µm NIOSH
Fósforo Fósforo Total ICP-OES 2 T 1-3 100 - 1000 Rotina 7 dias a 25 °C
10-3 e 37 mm (SKC 225-3- 7300
01)
Enviar sob
refrigeração.
Caso solicite
Cassete com filtro de
Fumos de Asfalto - análises de
PTFE 2 µm e 37 mm NIOSH
Fração solúvel em Betumem N.A. Gravimetria 30 MM 1-4 28 - 400 PAH, Indeterminada
pré pesado (SKC 225- 5042
Benzeno embrulhar o
27-07)
cassete em
papel
alumínio.
Cassete com filtro de
Fumos de Cera de 8002-74-
- fibra de vidro 1 µm e 37 PV2047 CG-FID 100 NC 1 200 - 600 Rotina Estável
Parafina 2
mm (SKC 225-706)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 45 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Tubo XAD-2 150/75 mg


tratado com 2- NIOSH 0,01 -
Furfural - 98-01-1 CG-FID 50 CC 1 - 12 Rotina 15 dias a 25 °C
Hidroximetilpiperidina 2529 0,05
(SKC 226-117)
Tubo de carvão ativo
8006-61- NIOSH
Gasolina - 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 75 A 0,01 - 0,2 1 - 20 Rotina 30 dias a 5°C
9 1550
01)
Gasolina (Amostrador 8006-61- Amostrador Passivo 3M NIOSH
- CG-FID 75 A 0,0305 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
passivo) 9 (OVM 3500) 1550
Tubo de sílica gel
150/300 mg tratado com
NIOSH Sob
Glutaraldeído - 111-30-8 Dinitrofenilhidrazina HPLC, UV 0,2 N 0,05 - 0,5 1 - 30 30 dias a 5°C
2532 refrigeração
(DNPH) e HCl (SKC
226-119)
Cassete de três seções
1,6-Hexametileno com filtro de fibra de
Diisocianato; vidro tratado com 1,0 OSHA ID Sob
HDI 822-06-0 HPLC 0,12 O 1 15 - 240 30 dias a 4 °C
Hexametileno mg de 1-(2-piridil) 42 refrigeração
Diisocianato piperazina (SKC 225-
9002)
Tubo de carvão ativo
n-Heptano; NIOSH
Heptano 142-82-5 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 4 - 10 Rotina 30 dias a 5°C
Dipropilmetano 1500
01)
Heptano (Amostrador n-Heptano; Amostrador Passivo 3M NIOSH
142-82-5 CG-FID 15 A 0,0289 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
Passivo) Dipropilmetano (OVM 3500) 1500

Tubo de carvão ativo OSHA


2-Metil-2,4- Sob
Hexileno Glicol 107-41-5 100/50 mg (SKC 226- STOPGA CG-FID 20 E 0,05 - 0,2 3 - 20 Estável
Pentanodiol refrigeração
01) P

Cassete com 2 filtros de


fibra de vidro de 1 µm OSHA
Hidrazina - 302-01-2 HPLC 0,1 NC 1 240 Rotina 20 dias a 25 °C
tratados com Ácido 108
Sulfúrico

VOCs, Compostos Tubo de carvão ativo


Hidrocarbonetos totais NIOSH
Orgânicos Voláteis N.A. 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 50 A 0,01 - 0,2 20 - 40 Rotina Estável
como Hexano 1500
como Hexano 01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 46 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Transferir o
filtro
imediatamen
Cassete com filtro de te para
1,4-Benzenodiol;
éster de celulose 0,8 µm NIOSH frasco de
Hidroquinona Hidroquinol; Quinol; 123-31-9 HPLC 2 NC 1-4 30 - 180 7 dias a 25 °C
e 37 mm (SKC 225-3- 5004 vidro
1,4-Dihidroxibenzeno
01) contendo 10
mL de ácido
acético a
1%.
Cassete com filtro de
Potassa Cáustica; 1310-58- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Hidróxido de Potássio ICP-OES 3 EE 1-4 70 - 1000 Rotina Estável
Hidrato de Potássio 3 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
1310-73- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Hidróxido de Sódio - ICP-OES 40 NC 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
2 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete de três seções
com filtro de fibra de
Metileno-bis (4- 5124-30- vidro tratado com 1,0 OSHA ID Sob
HMDI HPLC 0,4 O 1 15 - 240 30 dias a 4 °C
Ciclohexilisocianato) 1 mg de 1-(2-piridil) 42 refrigeração
piperazina (SKC 225-
9002)
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio.
Transferir o
Cassete com filtro de
filtro para
PTFE 2 µm e 37 mm
Indeno NIOSH um vial
- 193-39-5 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 Indeterminada
(1,2,3,c,d)Pireno 5506 embrulhado
XAD-2 100/50 mg
em papel
(ORBO 43)
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 47 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Cassete com filtro de


7440-74- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Índio - ICP-OES 2,4 EE 1-4 Máx 2000 Rotina Estável
6 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Álcool Isobutílico; n-
Tubo de carvão ativo
Caproilhidreto; n- NIOSH Sob
Isobutanol 78-83-1 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 C 0,01 - 0,2 1 - 10 Estável
Hexilhidreto; n-Hexil 1401 refrigeração
01)
Hidróxido; n-Dipropil

Álcool Isobutílico; n-
Isobutanol (Amostrador Caproilhidreto; n- Amostrador Passivo 3M NIOSH
78-83-1 CG-FID 15 C 0,0255 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
Passivo) Hexilhidreto; n-Hexil (OVM 3500) 1401
Hidróxido; n-Dipropil

Tubo de resina Anasorb


NIOSH
Isoforona - 78-59-1 747 140/70 mg (SKC CG-FID 50 NC Máx 1 2 - 25 Rotina 7 dias a 25 °C
2508M
226-81A)
75-83-2
Tubo de carvão ativo
Isômeros de Hexano, 79-29-8 NIOSH
- 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 4 -10 Rotina 30 dias a 5°C
exceto n-Hexano 96-14-0 1500
01)
107-83-5
75-83-2
Isômeros de Hexano,
79-29-8 Amostrador Passivo 3M NIOSH
exceto n-Hexano - CG-FID 15 A 0,032 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
96-14-0 (OVM 3500) 1500
(amostrador passivo)
107-83-5
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob 30 dias a
Isooctano 2,2,4-Trimetil Pentano 540-84-1 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 1 - 10
1500 refrigeração 5 C
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Isopentanol Álcool Isoamílico 123-51-3 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 D 0,01 - 0,2 1 - 10 Rotina 30 dias a 25 °C
1402
01)
Isopentanol Amostrador Passivo 3M NIOSH
Álcool Isoamílico 123-51-3 CG-FID 30 D 0,0323 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) (OVM 3500) 1403M
2-Propanol; Álcool
Isopropílico; Dimetil Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Isopropanol Carbinol; Álcool sec- 67-63-0 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 5 A ou B 0,01 - 0,2 0,2 - 3 Estável
1400 refrigeração
Propílico; Petrohol; 01)
Avantina; Lutosol

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 48 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
2-Propanol; Álcool
Isopropílico; Dimetil
Isopropanol Amostrador Passivo 3M NIOSH
Carbinol; Álcool sec- 67-63-0 CG-FID 7,5 A ou B 0,0394 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) (OVM 3500) 1401
Propílico; Petrohol;
Avantina; Lutosol
(RH 573) 2-Methyl-4- Tubo de sílica gel
Isothiazolin-3-one e 520/260 mg com filtro
2682-20- IHHPLC- TWA 0,2 TWA 50
Kathon 886 (RH 651) Chloro-2- de fibra de vidro HPLC, UV 0,1 JJ Rotina Indeterminada
4 P008 STEL 0,5 STEL 7,5
Methyl-4-Isothiazolin- embutido (OVS)(SKC
3-one 226-99)
Tubo de carvão ativo
NIOSH 0,02 -
Limoneno d e l-Cineno 138-86-3 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 10 - 25 Rotina 30 dias a 5 °C
1552 0,05
01)
Cassete com filtro de
7439-93- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Lítio - ICP-OES 2 T 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
2 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
7439-95- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Magnésio - ICP-OES 2 EE 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
4 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete IOM com filtro
de éster de celulose 0,8
Magnésio (Fração 7439-95- OSHA ID
- µm e 25 mm (SKC 225- ICP-OES 2 EE 2 50 - 1000 Rotina Estável
Inalável) 4 125G
71A) (Utilizar suporte
IOM)
Cassete com filtro de
7439-96- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Manganês - ICP-OES 2 T 1-3 100 - 1000 Rotina Estável
5 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete IOM com filtro
de éster de celulose 0,8
Manganês (Fração 7439-96- OSHA ID
- µm e 25 mm (SKC 225- ICP-OES 2 T 2 100 - 1000 Rotina Estável
Inalável) 5 125G
71A) (Utilizar suporte
IOM)
Variável
Cassete com filtro de
conforme
Manganês (Fração 7439-96- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
- ICP-OES 2 T ciclone. 100 - 1000 Rotina Estável
Respirável) 5 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
Ver
01) (Utilizar ciclone)
Tabela 2

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 49 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Cassete de três seções
com filtro de fibra de
4,4-Metileno Difenil
vidro tratado com 1,0 OSHA ID Sob
MDI Isocianato; Metileno 101-68-8 HPLC 0,12 O 1 15 - 240 30 dias a 4 °C
mg de 1-(2-piridil) 47 refrigeração
Difenil Isocianato
piperazina (SKC 225-
9002)
Cassete com filtro de Absorção
Particulados de 7439-97- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID atômica com
Mercúrio, particulados 0,025 NC 1-3 100 - 1000 Rotina 30 dias a 25°C
Mercúrio 6 e 37 mm (SKC 225-3- 145 geração de
01) vapor frio
Absorção
Tubo de resina Anasorb
7439-97- NIOSH atômica com 0,15 -
Mercúrio, vapor - C300 200 mg (SKC 226- 0,025 NC 20 - 100 Rotina 30 dias a 25 °C
6 6009 geração de 0,25
17-1A)
vapor frio
Cassete com filtro de
7681-57- PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Metabissulfito de Sódio - Gravimetria 50 N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
4 (SKC 225-5-37) pré 0600
pesado (usar ciclone)
Monômero Metacrilato;
Armazenar
Ácido Metacrílico;
as amostras
Metil Éster; alfa - Tubo XAD-2 400/200 NIOSH 0,01 - Enviar o mais
Metacrilato de Metila 80-62-6 CG-FID 20 DD 1-8 em freezer e
Metacrilato de Metila; mg (SKC 226-30-06) 2537 0,05 breve possível
enviar em
2-Metil-2-Propenoato
gelo seco.
de Metila, MMA
Álcool Metílico; Álcool
de Madeira; Carbinol; Tubo de sílica gel
NIOSH Sob
Metanol Monohidroximetileno; 67-56-1 520/260 mg (SKC 226- CG-FID 20 NC 0,02 - 0,2 Máximo 10 30 dias a 5°C
2000 refrigeração
Metil Carbinol; Álcool 15)
Metílico
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Metil Butil Cenota 2-Hexanona 591-78-6 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,2 5 - 10 Rotina Indeterminada
1300
01)
Tubo de resina Anasorb
NIOSH 90 dias a
Metil Etil Cetona 2-Butanona; MEK 78-93-3 747 140/70 mg (SKC CG-FID 5 A 0,01 - 0,2 2 - 12 Rotina
2500 -5°C
226-81A)
Tubo de carvão ativo
Metil Etil Cetona (226- NIOSH Sob Analisar o mais
2-Butanona; MEK 78-93-3 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 5 A 0,01 - 0,2 2 - 12
01) S3 refrigeração breve possível
01)
Metil Etil Cetona Amostrador Passivo 3M OSHA Sob 15 dias sob
2-Butanona; MEK 78-93-3 CG-FID 7,5 A 0,0363 Até 8 horas
(Amostrador Passivo) (OVM 3500) 07M refrigeração refrigeração

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 50 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
4-Metil-2-Pentanona; Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Metil Isobutil Cetona Isopropil Acetona; 108-10-1 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 5 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Estável
1300 refrigeração
MIBK 01)
4-Metil-2-Pentanona;
Metil Isobutil Cetona Amostrador Passivo 3M NIOSH 15 dias sob
Isopropil Acetona; 108-10-1 CG-FID 7,5 A 0,03 Até 8 horas Rotina
(Amostrador Passivo) (OVM 3500) 1300 refrigeração
MIBK
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Metil n-Amil Cetona MAK, 2-Heptanona 110-43-0 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,05 - 0,2 1 - 25 Rotina Indeterminada
1301
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Metil Propil Cetona 2-Pentanona 107-87-9 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 5 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Rotina Indeterminada
1300
01)

Tubo de resina XAD-2


80/40 mg tratado com NIOSH
Metilamina - 74-80-5 HPLC 4 N 0,01 - 0,1 1 - 20 Refrigerado 15 dias a 15 °C
Naftilisotiocianato (SKC 2540M
226-30-18)

Tubo de carvão ativo


NIOSH
Metilciclohexano - 108-87-2 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 4 - 10 Rotina 30 dias a 25 °C
1500
01)
Cassete com 2 filtros de
fibra de vidro de 1 µm
m-Fenilenodiamina Fenilenodiamina 108-45-2 OSHA 87 HPLC 1,3 NC 1.0 100 Rotina 15 dias a 21 °C
tratados com Ácido
Sulfúrico
Cassete com filtro de
7439-98- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Molibdênio - ICP-OES 2 T 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
7 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete IOM com filtro
de éster de celulose 0,8
Molibdênio (Fração 7439-98- OSHA ID
- µm e 25 mm (SKC 225- ICP-OES 2 T 2 50 - 1000 Rotina Estável
Inalável) 7 125G
71A) (Utilizar suporte
IOM)
Variável
Cassete com filtro de
conforme
Molibdênio (Fração 7439-98- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
- ICP-OES 2 T ciclone. 50 - 1000 Rotina Estável
Respirável) 7 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
Ver
01) (Utilizar ciclone)
Tabela 2

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 51 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Etanolamina, 2- Tubo de resina XAD-2


Aminoetanol, 80/40 mg tratado com NIOSH Sob
Monoetanolamina 141-43-5 HPLC 2 N Máx 0,1 10 15 dias a 25 °C
Monoetanolamina, Naftilisotiocianato (SKC 2540 refrigeração
ETA, MEA 226-30-18)

Tubo de resina XAD-2


OSHA
80/40 mg tratado com TWA 0,1 TWA 20 Sob
Monoisopropilamina Isopropilamina 75-31-0 STOPGA HPLC, UV 4 NC 15 dias a 25 °C
Naftilisotiocianato (SKC STEL 0,1 STEL 1,5 refrigeração
P
226-30-18)

Cassete com 2 filtros de


fibra de vidro de 1 µm OSHA Sob
Monometil hidrazina - 60-34-4 HPLC 0,5 NC 1 240 19 dias a 0 
tratados com Ácido 108M refrigeração
Sulfúrico

Tubo de resina XAD-2


80/40 mg tratado com NIOSH Sob
Morfolina - 110-91-8 HPLC 1 N Máx 0,1 Máx 20 Indeterminada
Naftilisotiocianato (SKC 2540M refrigeração
226-30-18)

2 tubos de carvão ativo 5 dias a 25°C e


1634-04- NIOSH
MTBE Metil terc-Butil Éter 200/400 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,1 - 0,2 2 - 96 Rotina 3 semanas a -
4 1615
09) ligados em série 7°C
m-Xileno alfa, alfa- 1477-55- Cassete com filtro de FV OSHA 1 TWA 100 TWA
m-Xilenodiamina HPLC, UV 0,2 NC Rotina 15 dias a 25 °C
diamina 0 tratado com H2SO4 105M 1 STEL 15 STEL
Tubo de carvão ativo
8002-05- NIOSH Sob
Nafta de Petróleo - 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 50 A 0,01 - 0,2 1 - 20 30 dias a 5°C
9 1550 refrigeração
01)
Nafta de Petróleo 8002-05- Amostrador Passivo 3M NIOSH
- CG-FID 75 A 0,0331 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) 9 (OVM 3500) 1550M
Nafta não definida Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Ver Tabela 3 para descrição - N.A. 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 50 A 0,01 - 0,2 1 - 20 30 dias a 5°C
dos analitos 1550 refrigeração
01)
Tubo de carvão ativo
8032-32- NIOSH Sob
Nafta VM & P - 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 50 A 0,01 - 0,2 1 - 20 30 dias a 5°C
4 1550 refrigeração
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Naftaleno - 91-20-3 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 40 A Máx 0,2 30 Rotina 17 dias a 25 °C
1501M
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 52 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Propil Carbinol; 1- Tubo de carvão ativo


NIOSH Sob
n-Butanol Butanol; Álcool n- 71-36-3 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 C 0,01 - 0,2 2 – 10 Estável
1401 refrigeração
Butílico; Álcool Butílico 01)
Cassete com filtro de
Negro de Fornalha; 1333-86- PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Negro de Fumo Gravimetria 50 NC 1.5 - 2 100 - 500 Rotina Estável
Carbon Black 4 (SKC 225-5-37) pré 5000
pesado
n-Caproilhidreto; n- Tubo de carvão ativo
NIOSH
n-Hexano Hexilhidreto; n-Hexil 110-54-3 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 4 - 10 Rotina 30 dias a 5°C
1500
Hidróxido; n-Dipropil 01)

n-Caproilhidreto; n-
n-Hexano (Amostrador Amostrador Passivo 3M NIOSH
Hexilhidreto; n-Hexil 110-54-3 CG-FID 15 A 0,032 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
Passivo) (OVM 3500) 1500
Hidróxido; n-Dipropil

Cassete com filtro de


7440-02- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Níquel - ICP-OES 2 T 1-3 400 - 1000 Rotina Estável
2 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete IOM com filtro
de éster de celulose 0,8
Níquel (Fração 7440-02- OSHA ID
- µm e 25 mm (SKC 225- ICP-OES 2 EE 2 400 - 1000 Rotina Estável
Inalável) 2 125G
71A) (Utilizar suporte
IOM)
Espectrometria
Tubo de carvão ativo
de massas
Níquel carbonila (como 13463- com baixo teor de níquel NIOSHI
- com Plasma 0,03 NC 0,05 - 0,2 10 - 80 Rotina Estável
Níquel) 39-3 120/60mg (Supelco 6007
Indutivamente
20041)
Acoplado
Tubo de sílica gel
Nitrobenzol, Óleo de NIOSH
Nitrobenzeno 98-95-3 150/75 mg (SKC 226- CG-FID 5 K 0,01 - 1 10 - 150 Rotina 30 dias a 5 °C
Mirbano 2005
10)
Sob
Metil Pirrolidona; n-
Tubo de carvão ativo refrigeração.
Metil-2-Pirrolidona; NIOSH
n-Metil Pirrolidona 872-50-4 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 E 0,05 - 0,2 30 - 125 Evitar 14 dias a 5°C
NMP; m-Pirrola; 1- 1302
01) exposição a
Metil-2-Pirrolidona
luz.
25154-
OSHA
4-(2,4 Dimetilheptan3- 52-3 Tubo XAD-7 100/50 mg
Nonilfenol PV HPLC, UV 100 K 0,1 MÁX 24 MÁX Rotina 14 dias a 25 °C
il)fenol 84852- (SKC 226-95)
2085M
15-3

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 53 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Sob
Tubo de carvão ativo refrigeração.
n-Vinil-2-Pirrolidona, NIOSH
n-Vinil Pirrolidona 88-12-0 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 E 0,1 12 Evitar 14 dias a 5°C
NVP 1302M
01) exposição a
luz.
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Octano n-Octano 111-65-9 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 3 - 10 Rotina 30 dias a 25 °C
1500
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
o-Diclorobenzeno - 95-50-1 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 1 - 60 Rotina 30 dias a 25 °C
1003
01)
Armazenar e
transportar
Cassete com filtro de
sob
Metalworking Fluids, PTFE 2 µm e 37 mm NIOSH 15 dias sob
Óleo de Corte N.A. Gravimetria 50 NC 2 500 - 1000 refrigeração
Óleo Solúvel pré pesado (SKC 225- 5524 refrigeração
até o
27-07)
momento da
análise.
Cassete com filtro de
Espectroscopia
8012-95- éster de celulose 0,8 µm NIOSH
Óleo Mineral Névoa de Óleo de Infra 50 NC 1-3 100 - 500 Rotina Estável
1 e 37 mm (SKC 225-3- 5026
Vermelho
01)
Tubo de sílica gel
Ortotoluidina; 2- NIOSH
o-Toluidina 95-53-4 150/75 mg (SKC 226- CG-FID 20 M 10 - 150 0,02 - 1 Rotina 7 dias a 25°C
Metilanilina 2002
10)
Cassete com filtro de
7740-57- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Ouro - ICP-OES 2 EE 1-3 200 - 400 Rotina Estável
5 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
1303-86- PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Óxido de Boro - Gravimetria 2 EE 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
2 (SKC 225-5-37) pré 0500
pesado
Cassete com filtro de
1305-78- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Óxido de Cálcio - ICP-OES 50 T 1-3 100 - 1000 Rotina Estável
8 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Tubo de carvão ativo
Éter Difenílico, Difenil NIOSH
Óxido de Difenila 101-84-8 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,2 10 - 50 Rotina 11 dias a 25 °C
Éter, Éter Fenílico 1617
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 54 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Óxido de Etileno, Tubo de resina Anasorb Sob


Óxido de Dimetileno, 747 100/50 mg tratado OSHA TWA 12 refrigeração 17 dias ao
Óxido de Etileno 75-21-8 CG-ECD 3 NC 0,05
Oxirano, com Ácido Bromídrico 1010M STEL 0,75 e ao abrigo abrigo da luz
Oxaciclopropano (SKC 226-178) de luz

Cassete com filtro de


1309-37- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Óxido de Ferro - ICP-OES 2 EE 1-4 200 - 2000 Rotina Estável
1 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Variável
Cassete com filtro de
conforme
Óxido de Ferro (Fração 1309-37- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
- ICP-OES 2 EE ciclone. 200 - 2000 Rotina Estável
Respirável) 1 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
Ver
01) (Utilizar ciclone)
Tabela 2.
Cassete com filtro de
1312-43- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Óxido de Índio - ICP-OES 2,4 EE 1-4 Máx 2000 Rotina Estável
2 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro EC
1309-48- OSHA ID
Óxido de Magnésio Fumos de Magnésio de 0,8 µm e 37 mm ICP-OES 2 T 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
4 125G
(SKC 225-3-01)
Cassete IOM com filtro
de éster de celulose 0,8
Óxido de Magnésio 1309-48- OSHA ID
Fumos de Magnésio µm e 25 mm (SKC 225- ICP-OES 2 T 2 50 - 1000 Rotina Estável
(Fração Inalável) 4 125G
71A) (Utilizar suporte
IOM)
Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Óxido de Propileno - 75-56-9 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,05 - 0,2 5 Indeterminada
1612 refrigeração
01)
Cassete com filtro de
Zinco Branco; 1314-13- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Óxido de Zinco ICP-OES 2,6 T 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
Calamina 2 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Variável
Cassete com filtro de
conforme
Óxido de Zinco (Fração Zinco Branco; 1314-13- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
ICP-OES 2,6 T ciclone. 20 - 1000 Rotina Estável
Respirável) Calamina 2 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
Ver
01) (Utilizar ciclone)
Tabela 2

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 55 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

2 Tubos com 2 seções


de peneiras moleculares
Monóxido de tratado com
10102- NIOSH Cromatografia
Óxido Nítrico Nitrogênio; Óxido de Trietanolamina 1,3 NC 0,025 1,3 Rotina 29 dias a 25 °C
43-9 6014 de Íons
Nitrogênio intermediado com tubo
catalisador (SKC 226-
40)

3 Tubos com 2 seções


de peneiras moleculares
NO
Óxidos Nitrosos (Óxido tratado com
OSHA ID Cromatografia 1,3
Nítrico e Dióxido de - N.A. Trietanolamina NC 0,025 1,3 Rotina 30 dias a 25 °C
182 de Íons NO2
Nitrogênio) intermediado com tubo
2,0
catalisador (SKC 226-
40)

Cassete com filtro de


0,25 - 0,5
10028- fibra de vidro 1 µm e 37 OSHA ID Cromatografia 90 TWA
Ozônio - 6,25 NC TWA Refrigerado 45 dias a 4 °C
15-6 mm tratado com Nitrato 214 de Íons 22,5 STEL
1,5 STEL
(SKC 225-9014)

Cassete IOM com filtro


de PVC pré pesado 5
MDHS
Particulado Inalável Poeira Inalável N.A. µm e 25 mm (SKC 225- Gravimetria 50 N.A. 2 Min 480 Rotina Estável
14/3M
71A) (Utilizar suporte
IOM)
Variável
Cassete com filtro de
conforme
PNOS Respirável; PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Particulado Respirável N.A. Gravimetria 50 N.A. ciclone. 170 - 1000 Rotina Estável
PNOC Respirável (SKC 225-5-37) pré 0600
Ver
pesado (usar ciclone)
Tabela 2
Cassete com filtro de
PNOC Total; PNOS PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Particulado Total N.A. Gravimetria 50 N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
Total (SKC 225-5-37) pré 0500
pesado
Tubo de carvão ativo
NIOSH
p-Diclorobenzeno 1,4-Diclorobenzeno 106-46-7 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,02 - 0,2 1 - 10 Rotina 30 dias a 25 °C
1003
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 56 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Cassete com filtro de


Particulados de Pedra PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Pedra Sabão N.A. Gravimetria 50 N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
Sabão (SKC 225-5-37) pré 0500
pesado
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Pentano - 109-66-0 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,05 - 0,1 2 Rotina 30 dias a 5°C
1500
01)
Cassete com filtro de
Pentóxido de Vanádio, 1314-62- éster de celulose 0,8 µm NIOSH
- ICP-OES 3,6 NC 1,7 - 2 300 a 1000 Rotina Estável
como Vanádio 1 e 37 mm (SKC 225-3- S388M
01)

Tubo de carvão ativo


NIOSH
Percloroetileno Tetracloroetileno 127-18-4 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 0,2 - 40 Rotina 30 dias a 5°C
1003
01)

Percloroetileno Amostrador Passivo 3M NIOSH


Tetracloroetileno 127-18-4 CG-FID 40 A 0,0283 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
(Amostrador Passivo) (OVM 3500) 1003
Cromatografia
Cassete com filtro de
Benzoil Superóxido, Líquida de Alta
éster de celulose 0,8 µm NIOSH Sob
Peróxido de Benzoíla Peróxido de 94-36-0 Resolução 1 NC 1-3 40 - 400 7 dias a 5°C
e 37 mm (SKC 225-3- 5009M refrigeração
Dibenzoilo com Detector
01)
de UV
Transferir a
solução do
Espectrofotom
Impinger com 15 mL de impinger
Dióxido de Hidrogênio; 7722-84- OSHA VI- etria de
Peróxido de Hidrogênio solução de Oxisulfato de 2 NC 0,5 100 para um Indeterminada
Água Oxigenada 1 6 Absorção no
Titânio (TiOSO4) frasco de
Visível
vidro com
tampa.
Cassete com filtro de 480 - 960
Persulfato de Sódio, 7775-27- NIOSH 1 - 4 TWA
- PTFE 2 µm e 37 mm ICP-OES 40 T TWA Rotina Indeterminada
como Persulfato 1 7300 4 STEL
(SKC 225-2709) 60 STEL

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 57 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Embrulhar o
cassete em
papel
alumínio
para
proteger da
Cassete com filtro de luz.
PTFE 2 µm e 37 mm Transferir o
NIOSH
Pireno - 129-00-0 (SKC 225-2709) + Tubo HPLC 3 N 2 200 - 1000 filtro para Indeterminada
5506
XAD-2 100/50 mg um vial
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio
após a
amostragem
. Manter
refrigerado.
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Piridina - 110-86-1 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 I 0,01 - 1 18 - 150 Rotina Indeterminada
1613
01)
Cassete com filtro de
7440-06- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Platina - ICP-OES 2 EE 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
4 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
TWA 1 -
éster de celulose 0,8 µm NIOSH TWA 480
p-Nitroanilina - 100-01-6 HPLC, UV 10 NC 4 Rotina 7 dias a 25 °C
e 37 mm (SKC 225-3- 5033 STEL 60
STEL 4
01)
Cassete com filtro de
PVC 5 µm e 37 mm
NIOSH
Poeira de Algodão - N.A. (SKC 225-5-37) pré Gravimetria 50 N.A. 1,6 50 - 1000 Rotina Estável
0600M
pesado (usar ciclone
torácico)
Cassete IOM com filtro
de PVC 5 µm e 25 mm
Poeira de Madeira NIOSH
- N.A. (SKC 225-5-37) pré Gravimetria 50 N.A. 2 50 - 1000 Rotina Estável
Inalável 0500M
pesado (Usar suporte
IOM)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 58 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)

Cassete com filtro de


13762- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Potássio - ICP-OES 2 EE 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
51-1 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
Prata e Compostos 7440-22- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Prata ICP-OES 1 EE 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
Solúveis 4 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Tubo de carvão ativo
n-Propano, Álcool NIOSH
Propanol 71-23-8 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 30 C 0,01 - 0,2 1 - 10 Rotina 30 dias a 25 °C
Propílico 1401
01)
Tubo de carvão ativo
2-Propenol, Álcool NIOSH
Propenol 107-18-6 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 5 D 0,01 - 0,2 4 - 50 Rotina 7 dias 25 °C
Alílico 1402
01)
Tubo XAD-7 200/100
mg com filtro de fibra de NIOSH Sob
Propileno Glicol Propano-1,2-diol 57-55-6 CG-FID 20 K 0,5 - 2 60 28 dias a 4 °C
vidro embutido 5523 refrigeração
( SKC 226-57)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
p-terc-Butiltolueno - 98-51-1 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 10 - 30 Rotina 30 dias a 25 °C
1501
01)
Tubo de carvão ativo
8008-20- NIOSH
Querosene - 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 50 A 0,01 - 0,2 1 - 20 Rotina 7 dias a 25°C
6 1550
01)
Tubo XAD-7 200/100
Resorcina, m- mg com filtro de fibra de OSHA
Resorcinol 108-46-3 CG-FID 20 K Máx 1 Máx 60 Rotina 14 dias
Diidroxibenzeno vidro embutido PV 2053
( SKC 226-57)
Tubo de carvão ativo
NIOSH TWA 10
sec-Butanol Álcool sec-Butílico 78-92-2 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 C 0,01 - 0,2 Rotina 30 dias a 25 °C
1401 STEL 3
01)
Cassete com filtro de
7782-49- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Selênio - ICP-OES 1 T 1-3 40 - 1000 Rotina Estável
2 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Tubo de resina Anasorb
28523- OSHA Sob
Sevoflurane - 747 140/70 mg (SKC CG-FID 20 CC Máx 0,05 Máx 3 15 dias à 4 °C
86-6 103M Refrigeração
226-81A)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 59 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Variável
Cassete com filtro de
conforme
Sílica Cristalina PVC 5 µm e 37 mm NIOSH Difração de
Sílica Cristalina N.A. 5 NC ciclone. 300 - 900 Rotina Estável
Respirável (SKC 225-5-37) pré 7500 Raios-X
Ver
pesado (usar ciclone)
Tabela 2
Cassete com filtro de
PVC 5 µm e 37 mm NIOSH Difração de
Sílica Cristalina Total Sílica Total N.A. 5 NC 1-2 300 - 900 Rotina Estável
(SKC 225-5-37) pré 7500M Raios-X
pesado
Cassete com filtro de
PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Silicato de Cálcio - N.A. Gravimetria 50 N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
(SKC 225-5-37) pré 0500
pesado
Cassete com filtro de
7440-23- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Sódio - ICP-OES 2,5 T 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
5 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Cassete com filtro de
7727-43- PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Sulfato de Bário - Gravimetria 50 N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
7 (SKC 225-5-37) pré 0500
pesado
Cassete com filtro de
7778-18- PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Sulfato de Cálcio - Gravimetria 50 N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
9 (SKC 225-5-37) pré 0500
pesado
10 ppm: 2 -
Tubo de carvão ativo 40 L; 1
7783-06- NIOSH Cromatografia
Sulfeto de Hidrogênio Ácido Sulfídrico tratado 400/200 mg 5 NC 0,1 - 1,5 ppm: 420 L Rotina. Estável
4 6013 de Íons
(Orbo 34) (Baixa
umidade)
Variável
Cassete com filtro de
conforme
Silicato de Magnésio 14807- PVC 5 µm e 37 mm NIOSH Difração de
Talco 100 W ciclone. 816 - 1300 Rotina Estável
Hidratado 96-6 (SKC 225-5-37) pré 7500M Raios-X
Ver
pesado (usar ciclone)
Tabela 2.
Cassete com filtro de
1304-82- éster de celulose 0,8 µm NIOSH
Telureto de Bismuto - ICP-OES 2 T 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
1 e 37 mm (SKC 225-3- 7300M
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 60 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
t-Butanol, Álcool terc- Tubo de carvão ativo TWA
NIOSH TWA 10 Sob Analisar o mais
terc-Butanol Butílico, Álcool t- 75-65-0 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 C 0,01 - 0,2
1400 STEL 3 refrigeração breve possível
Butílico 01) STEL 0,2
Tubo de carvão ativo
8006-64- NIOSH
Terebentina - 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 100 A 0,01 - 0,2 1 - 10 Rotina 7 dias a 25 °C
2 1551
01)
1303-96- Cassete com filtro de
4 PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Tetraborato de Sódio - Gravimetria 50 N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
12179- (SKC 225-5-37) pré 0500
04-3 pesado
Tetraclorometano,
Benzifórmio, Cloreto
de Carbono,
Tetracloreto de
Tubo de carvão ativo
Tetracloreto de Metano, NIOSH
56-23-5 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,01 - 0,2 3 - 150 Rotina. 30 dias a 25 °C
Carbono Perclorometano, Tetra, 1003
01)
Benzinofórmio,
Tetrafórmio, Tetrasol,
Freon 10, Halon 104,
UN 1846
Tubo de carvão ativo
NIOSH
Tetrahidrofurano (THF) - 109-99-9
100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 1-9 Rotina Estável
1609
01)
Cassete com filtro de
7440-32- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Titânio - ICP-OES 2 EE 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
6 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Toluol; Metil Benzeno; Tubo de carvão ativo
NIOSH Sob
Tolueno Metil Benzol; Fenil 108-88-3 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,02 - 0,2 2 - 15 30 dias a 5°C
1501 refrigeração
Metano 01)
Toluol; Metil Benzeno;
Tolueno (Amostrador Amostrador Passivo 3M NIOSH
Metil Benzol; Fenil 108-88-3 CG-FID 15 A 0,0314 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
Passivo) (OVM 3500) 1501
Metano
Tricloroetileno, Tubo de carvão ativo
NIOSH
Tricloroeteno Tricloretileno, Metil 79-01-6 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,01 - 0,2 1 - 30 Rotina 30 dias a 25 °C
1022M
Clorofórmio 01)
Sob
Tubo de carvão ativo
NIOSH 0,01 - refrigeração.
Triclorofluormetano Freon 11 75-69-4 200/400 mg (SKC 226- CG-FID 50 A 0,3 - 7 7 dias a 5 °C
1006 0,05 Mínimo de 3
09)
amostras.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 61 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Tris(2-
hidroxietil)amina,
Cassete com filtro de
2,2',2"-Trihidroxi- OSHA
Trietanolamina 102-71-6 fibra de vidro 1 µm e 37 CG-FID 40 NC 1 120 Rotina 14 dias a 25°C
trietilamina, PV 2141
mm (SKC 225-706)
Trietilolamina,
Trolamina, TEA
Tubo de sílica gel
OSHA
200/100 mg impregnado Cromatografia 10 TWA Sob 20 dias sob
Trietilamina - 121-44-8 PV 20 NC Máx 0,2
com ácido sulfúrico de Íons 3 STEL refrigeração refrigeração
2060M
(SKC 226-10-06)
Tubo XAD-7 200/100
mg com filtro de fibra de NIOSH Sob
Trietilenoglicol TEG 112-27-6 CG-FID 20 JJ 0,5 - 1 60 - 200 28 dias a 4 °C
vidro embutido 5523 refrigeração
( SKC 226-57)

Tubo de resina XAD-2


80/40 mg tratado com
Trietilenotetramina - 112-24-3 OSHA 60 HPLC 10 N Máx 0,1 Máx 10 Rotina 30 dias a 25°C
Naftilisotiocianato (SKC
226-30-18)

Cassete com filtro de


PVC 5 µm e 37 mm NIOSH
Trifenilfosfato - 115-86-6 Gravimetria 50 N.A. 1,5 - 2 50 - 1000 Rotina Estável
(SKC 225-5-37) pré 0600
pesado (usar ciclone)
Cassete com filtro de
éster de celulose 0,8 µm Absorção
1327-53- OSHA ID
Trióxido de Arsênio - e 37 mm com suporte Atômica com 0,05 NC 1-3 30 - 1000 Rotina Estável
3 105M
de celulose tratado com forno de grafite
Carbonato de Sódio
Cassete com filtro de
7440-33- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Tungstênio - ICP-OES 10 NC 2 960 Rotina Estável
7 e 37 mm (SKC 225-3- 213
01)
Cassete com filtro de
7440-62- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Vanádio - ICP-OES 2 EE 1-3 50 - 1000 Rotina Estável
2 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 62 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Cassete IOM com filtro
de éster de celulose 0,8
Vanádio (Fração 7440-62- OSHA ID
- µm e 25 mm (SKC 225- ICP-OES 2 T 2 50 - 1000 Rotina Estável
Inalável) 2 125G
71A) (Utilizar suporte
IOM)
Varredura de Ácidos Tubo de sílica gel
Inorgânicos NIOSH Cromatografia Máximo
- N.A. 400/200 mg (SKC 226- N.A. U 100 Rotina 21 dias a 25 °C
Ver Tabela 3 para 7903 de Íons 0,3
descrição dos analitos
10-03)
Varredura de
Hidrocarbonetos Tubo de carvão ativo
NIOSH
Aromáticos - N.A. 100/50 mg (SKC 226- CG-FID N.A. A 0,1 10 Rotina 30 dias a 25 °C
1501
Ver Tabela 3 para 01)
descrição dos analitos
Transferir o
filtro
imediatamen
te após a
Varredura de Cassete com filtro de amostragem
Hidrocarbonetos PTFE 2 µm e 37 mm para um
Aromáticos NIOSH
PAH, HAP N.A. (SKC 225-2709) + Tubo HPLC N.A. N 2 200 - 1000 frasco de Indeterminada
Polinucleados 5506
XAD-2 100/50 mg vidro
Ver Tabela 3 para
descrição dos analitos
(ORBO 43) embrulhado
em papel
alumínio.
Enviar sob
refrigeração.
Cassete com filtro de
Varredura de Metais Varredura de Fumos
éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Ver Tabela 3 para Metálicos, Varredura N.A. ICP-OES N.A. EE 1-2 200 - 960 Rotina Estável
descrição dos analitos
e 37 mm (SKC 225-3- 125G
de Fumos de Solda
01)
Varredura de Tubo de carvão ativo
Solventes OSHA Sob
- N.A. 200/400 mg (SKC 226- CG-FID N.A. A 0,02 - 0,1 3 - 10 21 dias a 5 °C
Ver Tabela 3 para 07M refrigeração
descrição dos analitos
09)
Variável,
Varredura de de
Solventes Amostrador Passivo 3M acordo Máx 8
(Amostrador Passivo) - N.A. OSHA 07 CG-FID N.A. A Rotina 21 dias a 25 °C
(OVM 3500) com o horas.
Ver Tabela 3 para
descrição dos analitos
compost
o

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 63 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Método Volume
Técnica LQ Lab Vazão
Parâmetros Sinônimos CAS Amostrador de Sugerido Transporte Estabilidade
Analítica µg Code (L/min)
Análise (L)
Tubo de carvão ativo
25013- NIOSH Sob
Viniltolueno - 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 100 A 0,01 - 0,2 10 - 24 30 dias a 5°C
15-4 1501 refrigeração
01)
1330-20-
7 Tubo de carvão ativo
Dimetil Benzeno; Metil NIOSH Sob
Xilenos 95-47-6 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 10 A 0,02 - 0,2 2 - 30 30 dias a 5°C
Tolueno; Xilol 1501 refrigeração
108-38-3 01)
106-42-3

1330-20-
7
Xilenos (Amostrador Dimetil Benzeno; Metil Amostrador Passivo 3M NIOSH
95-47-6 CG-FID 20 A 0,0273 Até 8 horas Rotina 21 dias a 25 °C
Passivo) Tolueno; Xilol (OVM 3500) 1501M
108-38-3
106-42-3
Cassete com filtro de
Zinco e Compostos de 7440-66- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Zinco ICP-OES 2 T 1-3 20 - 1000 Rotina Estável
Zinco 6 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Variável
Cassete com filtro de
conforme
Zinco (Fração Zinco e Compostos de 7440-66- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
ICP-OES 2 T ciclone. 20 - 1000 Rotina Estável
Respirável) Zinco 6 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
Ver
01) (Utilizar ciclone)
Tabela 2
Cassete com filtro de
7440-67- éster de celulose 0,8 µm OSHA ID
Zircônio - ICP-OES 2 T 1,0 - 4 200 - 2000 Rotina Estável
7 e 37 mm (SKC 225-3- 125G
01)
Tubo de carvão ativo
NIOSH
α-Metil Estireno - 98-83-9 100/50 mg (SKC 226- CG-FID 20 A 0,2 3 - 30 Rotina 30 dias a 25 °C
1501M
01)

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 64 de 66
Diretório de Serviços e Análises
Tabela 2: Vazão de amostragem para cada tipo de ciclone.

Tipo de Ciclone Vazão de Operação


Naylon 1,7 L/min
Alumínio 2,5 L/min
Higgins-Dewell 2,2 L/min

Tabela 3: Composição das Varreduras.

Parâmetros Analitos e Comentários


BTX Inclui Benzeno, Tolueno e Xilenos.

BTXE Inclui Benzeno, Tolueno, Xilenos, Etilbenzeno e Hidrocarbonetos Totais como Hexano.

Fumos de Asfalto - Fração Inclui particulados total e fração solúvel em benzeno. Recomenda-se o envio de 3 brancos de campo para cada conjunto de 10 amostras
solúvel em Benzeno ou menos.

A identificação da nafta é realizada a partir da comparação do padrão cromatográfico da amostra com padrões cromatográficos de naftas
Nafta não definida comerciais disponíveis na biblioteca do laboratório. O resultado é reportado como a nafta de maior semelhança disponível. Caso não seja
possível encontrar um padrão semelhante ao da amostra, o resultado é reportado como hidrocarbonetos totais (hexano).

Varredura de Ácidos
Inclui Ácido Bromídrico, Ácido Clorídrico, Ácido Fluorídrico, Ácido Nítrico, Ácido Fosfórico e Ácido Sulfúrico
Inorgânicos

Varredura de Inclui Benzeno, Clorobenzeno, Cumeno, o-Diclorobenzeno, p-Diclorobenzeno, Estireno, Etilbenzeno, α-Metilestireno, Naftaleno, p-tert-
Hidrocarbonetos Aromáticos Butiltolueno, Tolueno, Viniltolueno e Xilenos.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 65 de 66
Diretório de Serviços e Análises

Parâmetros Analitos e Comentários

Inclui Acenafteno, Acenaftileno, Antraceno, Benzo(a)Antraceno, Benzo(a)Pireno, Benzo(b)Fluoranteno, Benzo(g,h,i)Perileno,


Varredura de
Benzo(k)Fluoranteno, Criseno, Dibenzo(a,h)Antraceno, Fluoranteno, Fluoreno, Indeno (1,2,3,c,d)Pireno, Naftaleno, Fenantreno, Pireno. No
Hidrocarbonetos Aromáticos
caso de solicatação da análise de HAP (PAH) por fumos de asfalto considerar como amostrador apenas o cassete de PTFE pré pesado
Polinucleados
embrulhado em papel alumínio. Nesse caso o valor da análise é R$ 495,00.

Inclui Alumínio, Antimônio, Berílio, Cádmio, Cálcio, Chumbo, Cobalto, Cobre, Cromo, Estanho, Ferro, Manganês, Molibdênio, Níquel,
Varredura de Metais
Magnésio, Titânio, Zinco e Vanádio.

Inclui 1,1,1-Tricloroetano, 1,2,4-Trimetilbenzeno, 1,2-Dicloroetano, 1,4-Dioxano, Acetato de n-Butila, Acetato de Etila, Acetato de n-Propila,
Acetona, Benzeno, Ciclohexanona, Cloreto de Metileno, Clorobenzeno, Decano, Estireno, Etilbenzeno, Heptano, Hexano, Isooctano,
Varredura de Solventes
Metiletilcetona, Metilisobutilcetona, Octano, Pentano, Percloroetileno, Tetrahidrofurano, Tolueno, Tricloroetileno, 1,2,4- Trimetilbenzeno, o-
Xileno, m-Xileno e p-Xileno.

Analytics Brasil
Matriz Belo Horizonte: (31) 4063-9493
Escritório São Paulo: (11) 4063-9110
www.analyticsbrasil.com.br
Página 66 de 66
CURTA ANALYTICS NO FACEBOOK
Facebook.com/AnalyticsBR

TIRE SUAS DÚVIDAS RAPIDAMENTE


(31) 99730-5753

(31) 4063-9493
www.analyticsbrasil.com.br
(11) 4063-9110