Você está na página 1de 22

TESTES DE HIPÓTESES

PROF. ARTHUR LIMA


EDITAL DA POLÍCIA FEDERAL 2018

3.3 Testes de hipóteses: hipóteses simples e compostas, níveis


de significância e potência de um teste, teste t de Student,
teste qui-quadrado.

Instagram: @ProfArthurLima
TESTES DE HIPÓTESES PARA MÉDIAS
Afirmação: a média de apreensão de drogas na fronteira é de 500 kg por dia.
Variável Valor
Dias analisados 49 dias
Média obtida na amostra 480 kg por dia
Desvio padrão populacional 100 kg por dia
Nível de significância 5%
Hipótese alternativa a média é menor que 500 kg por dia

𝜙 1,96 = 0,975 𝜙 2 = 0,977


TESTES DE HIPÓTESES PARA MÉDIAS
Afirmação: a média de apreensão de drogas na fronteira é de 500 kg por dia.
Variável Valor
Dias analisados 49 dias
Média obtida na amostra 480 kg por dia
Desvio padrão populacional 100 kg por dia
Nível de significância 5%
Hipótese alternativa a média é diferente de 500 kg por dia

𝜙 1,96 = 0,975 𝜙 2 = 0,977


CESPE – TELEBRAS – 2015) Considerando as informações colecionadas em uma
amostra, a metodologia do teste de hipóteses tem o objetivo de determinar a possibilidade de a
hipótese nula ser verdadeira, uma vez que é indissolúvel a relação entre a declaração da
hipótese nula e a especificação da hipótese alternativa, sendo esta necessariamente verdadeira
caso a hipótese nula seja falsa.

Instagram: @ProfArthurLima
CESPE – MEC – 2015) A tabela abaixo mostra estatísticas sobre o tempo residual
de inflamabilidade (X, em minutos) em uma amostra aleatória simples de determinado componente
mecânico. Sabe-se que X segue uma distribuição normal com desvio padrão σ = 2, mas sua média μ é
desconhecida. Deseja-se testar a hipótese nula H0: μ ≥ 10 minutos contra a hipótese alternativa HA: μ < 10
minutos.

Com base nessas informações, julgue o item subsequente, considerando que Φ(2) = 0,977, em que Φ(z)
representa a função de distribuição acumulada de uma distribuição normal padrão e z é um desvio
padronizado.
( ) Ao se considerar um nível de significância igual a 2,3%, com base no teste t de Student, a hipótese H0
deve ser rejeitada, já que a média amostral observada foi inferior a 10 minutos

Instagram: @ProfArthurLima
CESPE – MEC – 2015) A tabela abaixo mostra estatísticas sobre o tempo residual
de inflamabilidade (X, em minutos) em uma amostra aleatória simples de determinado componente
mecânico. Sabe-se que X segue uma distribuição normal com desvio padrão σ = 2, mas sua média μ é
desconhecida. Deseja-se testar a hipótese nula H0: μ ≥ 10 minutos contra a hipótese alternativa HA: μ < 10
minutos.

Com base nessas informações, julgue o item subsequente, considerando que Φ(2) = 0,977, em que Φ(z)
representa a função de distribuição acumulada de uma distribuição normal padrão e z é um desvio
padronizado.
( ) O teste em questão é bilateral, visto que contempla duas regiões de rejeição: uma para a rejeição da
hipótese nula e a outra para a rejeição da hipótese alternativa

Instagram: @ProfArthurLima
CESPE – ANTAQ – 2009) Um concessionário de serviços portuários afirma que a quantidade média diária
de carga movimentada em suas instalações é igual ou inferior a 25 mil toneladas/dia. Em levantamento estatístico realizado
por órgão fiscalizador, em dezesseis dias de observação selecionados ao acaso, foi encontrada uma média de 30 mil
toneladas/dia e um desvio padrão amostral igual a 10 mil toneladas/dia. Considerando-se que a distribuição da quantidade
de carga movimentada segue uma distribuição Normal, a afirmação do concessionário foi testada estatisticamente:
hipótese nula: "a quantidade média diária de carga movimentada é igual ou inferior a 25 mil toneladas/dia"; e hipótese
alternativa: "a quantidade média diária de carga movimentada é superior a 25 mil toneladas/dia".
Com base nessa situação hipotética, supondo, ainda, que a população de clientes tenha sido muito grande; que a
amostragem tenha sido aleatória simples; que 𝜙 2,0 = 0,977, em que 𝜙 𝑧 representou a função de distribuição
acumulada da distribuição Normal padrão; e que a distribuição t de Student apresenta cauda mais pesada que a
distribuição Normal padrão, julgue os itens a seguir.
( ) Se o nível de significância do teste t for fixado em 1%, então a hipótese nula não será rejeitada.
CESPE – STM – 2011) A estatística descritiva permite testar hipóteses a respeito
da população de interesse

Instagram: @ProfArthurLima
ERROS EM UM TESTE DE HIPÓTESES

Tipo I  hipótese nula VERDADEIRA


- probabilidade: 𝛼
- acerto:

Tipo II  hipótese nula é FALSA


- probabilidade: β
- acerto:

Instagram: @ProfArthurLima
CESPE – STM – 2011) Julgue os itens que se seguem, acerca de definições da
teoria estatística.
( ) O erro do tipo II de um teste de hipóteses ocorre quando se rejeita uma hipótese nula que é
verdadeira

Instagram: @ProfArthurLima
CESPE – MEC – 2015) A tabela abaixo mostra estatísticas sobre o tempo residual
de inflamabilidade (X, em minutos) em uma amostra aleatória simples de determinado componente
mecânico. Sabe-se que X segue uma distribuição normal com desvio padrão σ = 2, mas sua média μ é
desconhecida. Deseja-se testar a hipótese nula H0: μ ≥ 10 minutos contra a hipótese alternativa HA: μ < 10
minutos.

Com base nessas informações, julgue o item subsequente, considerando que Φ(2) = 0,977, em que Φ(z)
representa a função de distribuição acumulada de uma distribuição normal padrão e z é um desvio
padronizado.
( ) A decisão de se rejeitar ou não rejeitar a hipótese H0 está sujeita a dois erros: do tipo I, se a hipótese nula
é rejeitada, quando, de fato, ela é verdadeira; do tipo II, se a hipótese nula não é rejeitada, quando ela é
falsa.

Instagram: @ProfArthurLima
CONCEITOS MUITO COBRADOS
Poder do teste (ou Potência do teste)
- probabilidade de rejeitar corretamente a hipótese nula (1 – β).

P-valor (valor p, nível descritivo, probabilidade de significância)


- probabilidade de obter valores mais extremos do que na amostra.
p-valor menor ou igual α  rejeita H0

Instagram: @ProfArthurLima
CESPE – TCE/PA – 2016) A potência de um teste de hipóteses corresponde à
probabilidade de se rejeitar a hipótese nula, dado que a hipótese nula é correta

Instagram: @ProfArthurLima
CESPE – TCE/PA – 2016) O poder do teste pode ser facilmente calculado pelo
complementar do erro do tipo II (β).

Instagram: @ProfArthurLima
CESPE – MEC – 2015) A tabela abaixo mostra estatísticas sobre o tempo residual
de inflamabilidade (X, em minutos) em uma amostra aleatória simples de determinado componente
mecânico. Sabe-se que X segue uma distribuição normal com desvio padrão σ = 2, mas sua média μ é
desconhecida. Deseja-se testar a hipótese nula H0: μ ≥ 10 minutos contra a hipótese alternativa HA: μ < 10
minutos.

Com base nessas informações, julgue o item subsequente, considerando que Φ(2) = 0,977, em que Φ(z)
representa a função de distribuição acumulada de uma distribuição normal padrão e z é um desvio
padronizado.
( ) Caso o referido teste seja efetuado com nível de significância igual a 5%, o poder do teste será igual a 95%
para qualquer valor μ < 10

Instagram: @ProfArthurLima
CESPE – FUB – 2015) Alunos de um departamento de uma universidade estudaram
por dois livros diferentes, A e P. Foram retiradas amostras aleatórias simples dos que estudaram
pelo livro A e dos que estudaram pelo livro P, tendo sido observadas as notas dos alunos em um
exame padronizado. Um teste t de Student foi aplicado com a hipótese nula H0: μA = μP e a
hipótese alternativa H1: μA > μP, em que μA e μP representam, respectivamente, as médias
populacionais das notas dos alunos, no exame padronizado, que estudaram pelo livro A e pelo
livro P. O valor p obtido foi 0,03.
A partir da situação apresentada, julgue o item subsequente, considerando o nível de
significância de 0,05.
( ) Se a hipótese alternativa fosse μA ≠ μP , a hipótese nula não seria rejeitada

Instagram: @ProfArthurLima
CESPE – FUB – 2013) O poder de um teste de hipóteses tende a diminuir à
medida que o nível de significância decresce.

Instagram: @ProfArthurLima
OBRIGADO
PROF. ARTHUR LIMA