Você está na página 1de 22

Faculdade Pitágoras de Imperatriz-Ma

Disciplina: Anatomia aplicada a Educação física

Conceito

de articulação

Prof. Esp. Patrício Francisco da Silva
Patricio.fsilva@hotmail.com

Conceito, classificação e funcionamento
das articulações

 Estruturalmente: com base nas características anatômicas;

 Funcionalmente: tipo de movimento que permitem.

A classificação estrutural baseia-se em dois critérios:

 Presença ou ausência de cavidade articular (sinovial);

 Tipo de tecido conjuntivo que une os ossos.

O estudo científico das articulações é chamado de artrologia (artro- =
articulação; -logia = estudo). O estudo do movimento do corpo humano é
chamado de cinesiologia (cinesi(o)- = movimento).

unidos por tecido conjuntivo denso não modelado.  Sinoviais: possui cavidade articular. rico em fibras colágenas. as articulações são classificadas como:  Fibrosas: ossos unidos por tecido conjuntivo denso não modelado.TIPOS DE ARTICULAÇÃO Estruturalmente. . frequentemente. cápsula articular e. por ligamentos acessórios.  Cartilagíneas: unidos por cartilagem.

 Anfiartrose: uma articulação pouco móvel  Diartrose: uma articulação com liberdade de movimentos. . são classificadas como um dos seguintes tipos:  Sinartrose: uma articulação fixa.TIPOS DE ARTICULAÇÃO A classificação funcional relaciona-se com o grau de movimento que permitem. Todas as diartroses são articulações sinoviais. que possuem uma variedade de formatos e permitem diversos tipos diferentes de movimentos. Funcionalmente.

Um exemplo é a sutura coronal. gonfoses e as membranas interósseas. SUTURAS Uma sutura é uma articulação fibrosa composta por uma fina camada de tecido conjuntivo denso não modelado Ocorrem apenas entre os ossos do crânio. Articulações fibrosas Os três tipos incluem as suturas. as sindesmoses. entre o parietal e os frontais .

.

. O tecido conjuntivo denso não modelado está normalmente disposto como um feixe (ligamento). e a articulação permite movimento limitado.SINDESMOSES Articulação fibrosa na qual há uma distância maior entre as faces da articulação e há mais tecido conjuntivo denso não modelado do que em uma sutura.  Sindesmose tibiofibular: na qual o ligamento tibiofibular anterior une a tíbia e a fíbula.

A inflamação e a degeneração das gengivas. . A gonfose não permite movimento (sinartrose). O tecido conjuntivo denso não modelado entre um dente e seu alvéolo é o periodonto. uma cavilha coniforme se ajusta a uma cavidade. Articulações entre as raízes dos dentes e seus alvéolos. periodonto e osso é chamada de doença periodontal.GONFOSE Sindesmose dentoalveolar. nas maxilas e na mandíbula.

Os ossos da articulação são firmemente unidos por cartilagem hialina ou por fibrocartilagem.  Sínfises. .  Sincondroses. Articulações cartilagíneas Permite pouco ou nenhum movimento.

material de conexão é cartilagem hialina. Funcionalmente. Quando o alongamento de um osso cessa. uma sincondrose é uma sinartrose. .  Cartilagem epifisial: une a epífise e a diáfise de um osso em crescimento. uma articulação ossificada.SINCONDRÓSE Articulação cartilagínea. o osso substitui a cartilagem hialina e a sincondrose toma-se uma sinostose.

Todas as sínfises ocorrem na linha mediana do corpo. . mas um disco plano largo de fibrocartilagem. Articulação cartilagínea em que as extremidades são recobertas por cartilagem hialina.  Sínfise púbica: entre as faces anteriores dos ossos do quadril.SINFÍSE (= crescendo junto).  Discos intervertebrais.  Encontrado na junção do manúbrio com o corpo do esterno.

.

 A cartilagem recobre as faces articulares dos ossos com uma superfície escorregadia e lisa. Articulações sinoviais Os ossos em uma articulação sinovial são recobertos por uma lâmina de cartilagem hialina. chamada de cartilagem articular.  Reduz o atrito entre os ossos na articulação durante o movimento e ajuda a absorver os impactos. mas não une os ossos. .

.

. A cápsula fibrosa. cápsula fibrosa externa e membrana sinovial interna. normalmente.CAPSULA ARTICULAR Semelhante a um manguito. consiste em tecido conjuntivo denso não modelado (principalmente fibras colágenas) que se fixa ao periósteo dos ossos da articulação. circunda a cavidade articular e une os ossos da articulação.  Composta por duas camadas. envolve uma articulação sinovial.

a absorção de impactos e o fornecimento de oxigênio e nutrientes para os condrócitos dentro da cartilagem articular. assim como a remoção de dióxido de carbono e resíduos produzidos pelos condrócitos. secretado por células semelhantes aos fibroblastos situadas na membrana sinovial. Consiste em ácido hialurônico. por meio da lubrificação da articulação. aparência e consistência aparentam a clara de ovo crua.LÍQUIDO SINOVIAL A membrana sinovial secreta um líquido amarelo-claro viscoso. Forma uma película fina sobre as superfícies dentro da cápsula articular. Suas funções incluem a redução do atrito. e em líquido intersticial filtrado do plasma sanguíneo. .

.

.

selar e esferóidea. mas as formas das faces articulares variam.TIPOS DE ARTICULAÇÕES SINOVIAIS As articulações sinoviais são semelhantes. sendo divididas em seis categorias: plana. elipsóidea.  Gínglimo: a face convexa de um osso encaixa-se na face côncava de outro osso.  Plana: as faces articulares dos ossos em uma articulação são achatadas ou pouco encurvadas. gínglimo.  Trocóidea: a face pontiaguda/arredondada de um osso articula-se com um anel formado parcialmente por outro osso e parcialmente por um ligamento. . trocóidea.

 Elipsóidea: a projeção oval convexa de um osso se encaixa na depressão oval de outro osso.  Esferóidea: a face esferóidea de um osso se encaixa na depressão caliciforme de outro osso. .  Selar: a face articular de um osso tem o formato de sela e a face articular do outro osso se encaixa na “sela”.

.

TORTORA.  TORTORA. [Revisão técnica Marco Aurélio Fonseca Passos. Tradução Alexandre Linz Werneck]. J. 1017 p. G. J. [Revisão técnica Marco Aurélio Fonseca Passos. 12ª ed. Princípios de anatomia e fisiologia. Guanabara Koogan. 10ª ed. Guanabara Koogan. . B. Rio de Janeiro-RJ. REFERÊNCIAS  DERRICKSON. Rios de Janeiro-RJ. 2007. Patrícia Cristina Lisboa da Silva. Tradução Alexandre Linz Werneck]. Princípios de anatomia humana. G. 1042 p. 2010.