Você está na página 1de 22

Metodologia

TÉCNICA DE LOCAL DA PESQUISA:


LEVANTAMENTO DE DADOS:
Município de São Paulo
Entrevistas online e domiciliares
com questionário estruturado

UNIVERSO:
PERÍODO DE CAMPO:
Moradores de 16 anos ou mais de São
Paulo/SP (região urbana), equivalente 15 de agosto a 03 de setembro de 2018
9.796.966 paulistanos Fonte: IBOPE Inteligência com
base em dados oficiais do IBGE

TAMANHO DA AMOSTRA: MARGEM DE ERRO:


800 entrevistas
O intervalo de confiança é de 95% e a
A amostra é desproporcional por região para margem de erro máxima estimada é de 3
permitir análise regionalizada. Os resultados pontos percentuais para mais ou para
totais foram ponderados para menos sobre os resultados totais.
restabelecer o peso de cada região.
2
Perfil dos entrevistados – total da amostra
%
CLASSE
SEXO IDADE A
B
17% 20% 18% 17% 28% 10%
36%
C

47%
D/E
46% 54%
Masc. Fem. 7%
16 a 24 25 a 34 35 a 44 45 a 54 55 anos
anos anos anos anos ou mais
ESCOLARIDADE
RAÇA/ COR RELIGIÃO RENDA FAMILIAR
autodeclarada
Católica 38%
Até 2 SM 33 MÉDIO
52% BRANCA 44 Evangélica/ Protestante Mais de 2 a 5 SM
31
44% PRETA/ PARDA
33%
20 Outras Mais de 5 SM 29 29%
ENSINO FUND. SUPERIOR
4% OUTRAS 13 NS/ NR 7
Ateu/ Sem religião/
22
Não respondeu

Base: Amostra (800) 3


Perfil dos entrevistados – por raça/cor
(%)
TOTAL BRANCOS PRETOS | PARDOS OUTRA COR | RAÇA
Masculino 46 45 48 42
SEXO Feminino 54 55 52 58
16 a 24 17 11 23 12
25 a 34 20 20 19 22
35 a 44 18 18 20 15
IDADE 45 a 54 17 20 15 12
55 e + 28 31 23 39
Fundamental 33 24 42 51
ESCOLARIDADE Médio 28 37 41 18
Superior 29 39 18 30
Mais de 5 29 41 20 23
RENDA FAMILIAR
Mais de 2 a 5 31 31 34 40
Até 2 33 28 45 37
Classe A 10 15 3 13
Classe B 36 41 29 39
CLASSE Classe C 47 40 57 40
Classe D/ E 7 4 12 7
Católica 44 42 46 39
RELIGIÃO Evangélica 20 17 25 15
Outras religiões 13 17 9 10
Ateu/Sem religião 22 24 20 36

4
Perfil dos entrevistados – região x raça/cor
Brancos: 22% Brancos: 5%

Região de moradia Pretos|Pardos: 16%


4% Pretos|Pardos: 4%

As cotas amostrais são


20% CENTRO
NORTE
definidas considerando a
divisão das regiões Leste,
Norte e Sul em 1 e 2

Brancos: 13% 10%


OESTE
Pretos|Pardos: 7%
35%
LESTE

Pretos|Pardos: 38%

Pretos|Pardos: 35% Brancos: 32%


31%
Brancos: 28% SUL

Base: Amostra (800) 5


RESULTADOS
7 em cada 10 paulistanos avaliam que o preconceito e a discriminação contra a
população negra se manteve ou aumentou na cidade nos últimos 10 anos
TOTAL

30% 40% 25% BRANCOS


Aumentou Se manteve Diminuiu

5%

42%
Não sabe/ Não respondeu

23% 29%
Aumentou Se manteve Diminuiu PRETOS E PARDOS

Não sabe/ Não respondeu 6%

39% 38% 19%


Aumentou Se manteve
Diminuiu

Não sabe/ Não respondeu 4%


Base: Amostra 2018 (800) / Brancos (444) / Pretos|pardos (321)
P03) Nos últimos 10 anos, você avalia que o preconceito e discriminação contra a população negra aumentou, se manteve ou diminuiu na cidade de São Paulo? (RESPOSTA ÚNICA) 7
Paulistanos das regiões Central e Sul são os que mais consideram que o preconceito
contra a população negra se manteve, enquanto os da Oeste que diminuiu
(%)
Norte

32 38 22 8 Leste

29 39 28 4

Oeste
Centro
31 33 35 2
25 45 22 8

Sul

31 45 20 4

8
Segmentos sociodemográficos que mais citam que preconceito contra a
população negra na cidade...

Aumentou (30%) Se manteve (40%) Diminuiu (25%)

16 a 24 anos (42%) Mulheres (37%) Homens (46%) 25 a 34 anos e


45 a 54 anos (45%) 55 anos ou mais (31%)

Classe C (35%) Mais ricos (45%) Classe B (44%)


Mais pobres (37%) Mais ricos (33%) Classe A (39%)

9
Em 6 dos 8 locais avaliados a diferença no tratamento de pessoas brancas e pessoas
negras é percebida por pelo menos metade dos entrevistados
(%)

Em shoppings e estabelecimentos comerciais


TOTAL BRANCOS PRETOS E PARDOS
(lojas, cinemas, restaurantes, bares, mercados e 66 25 9 59 32 9 75 17 8
supermercados, farmácias)
No trabalho
(na seleção, no dia a dia, na promoção profissional) 62 30 9 54 39 7 70 18 11
Na rua e espaços públicos de conveniência
como parques, praças, etc. 61 30 8 56 35 9 68 26 7

Na escola/na faculdades e universidades 60 27 12 53 35 12 70 19 11

No transporte público 60 31 9 52 39 9 69 23 8 Em todos os serviços a


percepção de diferença
Nos hospitais e postos de saúde 50 38 12 43 44 14 60 29 11 no tratamento é mais
acentuada entre os que
No local onde mora (rua, vila, condomínio, etc) 45 44 10 39 50 11 54 36 10 se autodeclaram pretos
ou pardos.
No ambiente familiar 25 65 10 21 71 8 31 58 11

Existe diferença no tratamento Não existe diferença no tratamento Não sei / Não respondeu

Base: Amostra 2018 (800) / Brancos (444) / Pretos|pardos (321)


P01) Pensando no acesso e no atendimento em diversos serviços presentes na cidade de São Paulo, gostaria que você dissesse se existe ou não existe diferença no tratamento de pessoas
negras e pessoas brancas: (RESPOSTA ÚNICA POR ITEM) 10
Segmentos sociodemográficos que mais citam que...

16 a 24 anos 25 a 34 anos

Classe A
Classe C ... há Ensino
Fundamental ... não há Ensino Superior

diferença no tratamento diferença no tratamento

Renda familiar
Centro acima de 5 S.M.
Região Oeste Renda familiar
acima de 2 a 5 S.M.
55 anos ou mais

11
Dois terços dos paulistanos acreditam que pessoas negras têm MENOS
oportunidades no mercado de trabalho do que pessoas brancas

TOTAL BRANCOS PRETOS E PARDOS

66% Menos oportunidades 60% Menos oportunidades 73% Menos oportunidades


27% Mesmas oportunidades 32% Mesmas oportunidades 21% Mesmas oportunidades

2% Mais oportunidades 2% Mais oportunidades 1% Mais oportunidades


6% Não sabe/ Não respondeu 6% Não sabe/ Não respondeu 5% Não sabe/ Não respondeu

Entre quem diz que pessoas negras têm menos oportunidades no mercado de trabalho do que pessoas brancas, se destacam:

Renda Familiar mensal de


Ensino Fundamental (71%)
mais de 2 a 5 S.M. (71%)

Base: Amostra 2018 (800) / Brancos (444) / Pretos|pardos (321)


P02) Na sua opinião, pessoas negras têm menos oportunidades, as mesmas oportunidades ou mais oportunidades que pessoas brancas no mercado de trabalho? (RESPOSTA ÚNICA) 12
Moradores das regiões Oeste e Sul são os que mais afirmam que pessoas negras têm
menos oportunidades no mercado de trabalho do que pessoas brancas
(%)

Norte

61 26 4 10 Leste

63 30 16

Oeste
Centro
71 24 32
63 30 16

Sul

70 26 13

13
Pouco mais de ¾ da população paulistana avalia que a administração municipal tem
feito pouco ou nada para combater o preconceito e a discriminação em São Paulo
(%)

TOTAL BRANCOS PRETOS E PARDOS


A administração municipal não tem feito
nada para combater o preconceito e 27 24 33
discriminação em São Paulo
77 73 85
A administração municipal tem feito
pouco para combater o preconceito e a 50 49 52
discriminação em São Paulo Nada + Pouco Nada + Pouco Nada + Pouco

A administração municipal tem feito


muito para combater o preconceito e a 10 11 8
discriminação em São Paulo

Não sabe/ Não respondeu 13 16 8

Base: Amostra 2018 (800) / Brancos (444) / Pretos|pardos (321)


P04) Como você avalia a atuação da administração municipal no combate à discriminação e ao preconceito em virtude de cor ou raça na cidade de São Paulo? Você diria que: (RESPOSTA ÚNICA) 14
Indicador de Percepção
de Racismo em São Paulo
Indicador de Percepção de Racismo em São Paulo – construção

Cálculo
Objetivo Definições do
indicador

Cada opinião recebeu um peso


Entender qual o grau de As respostas definem se os diferente para o cálculo,
percepção de racismo entre os entrevistados(as) têm: com base na resposta fornecida
paulistanos através da pergunta para cada local e/ou serviço
que questiona a existência de ALTA apresentado:
diferença de tratamento entre ou
brancos e negros no BAIXA Não existe diferença no tratamento = peso 0,0

atendimento e acesso destes a Existe diferença no tratamento = peso 1,0


locais e serviços da cidade percepção de racismo na
NS/NR = peso 0,5
cidade

Onde:
x é o valor de cada observação
n é o total de variáveis utilizadas 16
Indicador de Percepção de Racismo em São Paulo – atribuição do peso

Não existe Existe


diferença no diferença no NS NR
tratamento tratamento
Na rua e espaços públicos de conveniência como parques, praças, etc. 0,0 1,0 0,5 0,5

No trabalho (na seleção, no dia a dia, na promoção profissional) 0,0 1,0 0,5 0,5

Na escola/ na faculdade/ na universidade 0,0 1,0 0,5 0,5


No ambiente familiar 0,0 1,0 0,5 0,5
No transporte público 0,0 1,0 0,5 0,5

No local onde mora (rua, vila, condomínio, etc). 0,0 1,0 0,5 0,5
Em shoppings e estabelecimentos comerciais (lojas, cinemas,
0,0 1,0 0,5 0,5
restaurantes, bares, mercados e supermercados, farmácias)
Nos hospitais e postos de saúde 0,0 1,0 0,5 0,5

17
Escala do indicador de Percepção de Racismo em São Paulo

O resultado final é uma escala que varia de 0 a 1. Quanto mais próximo de 0, menor é a percepção de racismo do
entrevistado e quanto mais próximo de 1 é o indicador, maior é a percepção de racismo do paulistano

Indicador de Percepção de Racismo em São Paulo

Baixa Alta
percepção percepção
0,0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1,0

18
INDICADOR DE PERCEPÇÃO DE
RACISMO EM SÃO PAULO
O,59

Baixa Alta
percepção percepção
0,0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1,0

19
Indicador de Percepção de Racismo em São Paulo - segmentos

SEXO
SEXO IDADE
IDADE ESCOLARIDADE
TOTAL
TOTAL ENS. ENS.
MASC. FEM. 16-24 25-34 35-44 45-54 55 E MAIS SUPERIOR
FUND. MÉDIO
0,59 0,58 0,59 0,67 0,57 0,57 0,61 0,55 0,61 0,59 0,56

RENDA FAMILIAR REGIÃO RELIGIÃO


(EM SALÁRIOS MÍNIMOS)

ATEU/ SEM
MAIS MAIS DE EVANGÉLICA/
ATÉ 2 CENTRO OESTE NORTE LESTE SUL CATÓLICA OUTRAS RELIGIÃO/ NÃO
DE 5 2A5 PROTESTANTE RESPONDEU

0,51 0,63 0,60 0,58 0,63 0,59 0,58 0,59 0,60 0,59 0,57 0,58

Enquanto os entrevistados de 16 a 24 anos, os que possuem renda acima de 2 a 5 salários mínimos e os


moradores da região Oeste são os que apresentam os indicadores de percepção de racismo mais elevados,
os mais velhos, aqueles com Ensino Superior e os que possuem renda familiar mensal acima de 5 S.M. são
os que apresentam os indicadores de percepção mais baixos.

Percepção baixa
Percepção alta 20
APRENDIZADOS
APRENDIZADOS

Os paulistanos avaliam que o O combate à situações de Levando em consideração as


preconceito e a discriminação preconceito e discriminação diferenças de perfil
contra a população negra se O preconceito e a discriminação na cidade de São Paulo deve socioeconômico entre
manteve ou aumentou em São contra a população negra partir, sobretudo, do Poder brancos e negros, deve
Paulo nos últimos 10 anos. também são identificados pelos Público, porém prepondera a prevalecer o estímulo à
paulistanos no mercado e no sensação de que a discussão da questão racial
Nesse contexto, parcela próprio ambiente de trabalho. administração municipal não na cidade e, principalmente,
significativa reconhece que há tem trabalhado a promoção de ações
diferença de tratamento entre satisfatoriamente para afirmativas que tenham o
brancos e negros nos mais combater o preconceito e intuito de mitigar os casos de
variados e corriqueiros discriminação racial na preconceito e discriminação
ambientes da cidade. cidade. no município.

22