Você está na página 1de 21

Parte 1: Anatomia funcional dos músculos

da expressão facial
Paralisia Facial e a Abordagem
Kabat Parte 2: Paralisia facial

Parte 3: Aplicação do Método Kabat

Profa. Janne C. Monteiro


Prof. Milton Carlos M. Lima

Anatomia funcional dos músculos


da expressão facial

1
Músculos da Expressão Facial Músculos da Expressão Facial
Os músculos da face dão aos humanos a  Os músculos estão localizados no interior das
capacidade de expressar grande variedade camadas da fáscia superficial
de emoções
 Eles se originam na fáscia ou nos ossos do crânio,
Os humanos possuem a musculatura da
e se inserem na pele; por causa disso durante a
face bem desenvolvida que permite contração os músculos movimentam a pele, em
complexa expressão facial como meio de vez de uma articulação.
comunicação social. Freqüentemente nós
conseguimos expressar nossos sentimentos  Entre os músculos mais importantes desse grupo
sem precisar pronunciar palavra há os que circundam os orifícios da cabeça

Inervação dos Músculos da


Expressão Facial
Todos os músculos são inervados pelo nervo
Facial(VII), exceto o levantador da pálpebra
superior, que é inervado pelo nervo
craniano Oculomotor(III)

2
Epicrânio Epicrânio Frontal
O epicrânio é um músculo incomum nesse Origem: Gália aponeurótica
grupo, porque é formado por duas partes: Inserção: Pele da margem supra orbital
uma anterior chamada frontal e uma Ação: Enruga a testa horizontalmente e
posterior chamada occipital. levanta a sobrancelha
As duas porções musculares são unidas por Inervação: Ramo temporal do nervo facial
forte aponeurose, a gálea aponeurótica

Epicrânio Frontal
Epicrânio Occipital
Origem: Osso occipital e processo
mastóide(osso temporal)
Inserção: Gália aponeurótica
Ação: Movimenta o couro cabeludo
posteriormente
Inervação: Ramo temporal do nervo facial

3
Epicrânio Frontal
Corrugador do Supercílio
Origem: Extremidade medial na margem
supra-orbital do osso frontal
Inserção: Pele da parte lateral do supercílio
Ação: Desloca, inferiormente, a sobrancelha
e franze a pele da testa, verticalmente,
como ao franzir o cenho
Inervação: Ramos temporal e zigomático do
nervo facial

Corrugador do Supercílio Orbicular do Olho


Origem: Parede medial da órbita
Inserção: Pálpebras e pele ao redor das
pálpebras
Ação: Fecha os olhos
Inervação: Ramos temporal e zigomático do
nervo facial

4
Orbicular do Olho
Levantador da pálpebra superior
Origem: teto da órbita(asa maior do osso
esfenóide)
Inserção:pele da pálpebra superior
Ação: eleva a pálpebra superior
Inervação: nervo oculomotor (III)

Nasal
Origem: Maxila e cartilagem nasal
Inserção: Aponeurose do nariz
Ação: Uma parte a alarga as narinas; outra
parte abaixa as cartilagens nasais e
comprime as narina
Inervação: Ramo bucal do nervo facial

5
Levantador do Lábio Superior Levantador do Lábio Superior
Origem: Superiormente ao forâmen infra
orbital da maxila
Inserção: Pele, no ângulo da boca, e
orbicular da boca
Ação: Eleva o lábio superior
Inervação: Ramo bucal do nervo facial

Levantador do Ângulo da Boca Orbicular da Boca


Origem: Fossa canina da maxila Origem: Fibras musculares que circundam o
Inserção: Orbicular da boca orifício bucal
Inserção: Pele(mucosa) no canto da boca
Ação: Levanta o lábio superior
Ação: Fecha e protrai os lábios, comprime
Inervação: Ramo bucal do nervo facial os lábios contra os dentes e molda os lábios
durante a fala
Inervação: Ramo bucal do nervo facial

6
Orbicular da Boca
Depressor do Lábio Inferior
Origem: Margem inferior da mandíbula
Inserção: Orbicular da boca e pele do lábio
inferior
Ação: Deprime o lábio inferior
Inervação: Ramo mandibular do nervo facial

Depressor do Ângulo da Boca


Origem: Margem inferior da mandíbula
Inserção: Ângulo da boca
Ação: Desloca, lateral e inferiormente, o
ângulo da boca
Inervação: Ramo da mandibular do nervo
facial

7
Zigomático Maior
Zigomático Maior
Origem: Osso zigomático
Inserção: Pele, no ângulo da boca e
orbicular da boca
Ação: Desloca, superior e lateralmente, o
ângulo da boca, como ao sorrir
Inervação: Ramo bucal do nervo facial

Zigomático Menor Zigomático Menor


Origem: Osso zigomático
Inserção: Lábio superior
Ação: Eleva o lábio superior, expondo os
dentes maxilares
Inervação: Ramo bucal do nervo facial

8
Bucinador
O músculo Bucinador forma a maior porção muscular
das bochechas. Ele é usado para assobiar e assoprar,
na sucção e também auxilia na mastigação

Origem: Processo alveolar da maxila e da mandíbula


e rafe pterigomandibular

Inserção: Orbicular da boca

Ação: Pressiona as bochecha contra os dentes e os


lábios; desloca, lateralmente, o canto da boca.

Inervação: Ramo bucal do nervo facial

Bucinador Mentual
Origem: Mandíbula
Inserção: Pele do queixo
Ação: Eleva e protrai o lábio inferior e puxa
a pele do queixo para cima
Inervação: Ramo mandibular do nervo facial

9
Mentual Platisma
Origem: Fáscia sobre os músculos deltóide e
peitoral maior
Inserção: Mandíbula, em torno do ângulo da boca
e pele, da parte inferior da face
Ação: Desloca, inferior e posteriormente, a parte
externa do lábio inferior e deprime a mandíbula
Inervação: Ramo cervical do nervo facial

Platisma
Risório
Origem: Fáscia sobre a glândula(salivar)
parótida
Inserção: Pele no ângulo da boca
Ação: Desloca, lateralmente, o ângulo da
boca ( tensão)
Inervação: Ramo bucal do nervo facial

10
Risório

Ramo cervical do n.
facial

Que músculos você usaria para as Paralisia Facial


seguintes emoções: demonstrar
surpresa, expressar tristeza, mostrar Conceito
seus dentes superiores,franzir os
Avaliação Fisioterapêutica
lábios e encher um balão de festas?

11
Paralisia Facial Paralisia Facial
Paralisia facial periférica:
Pode uni ou bilateral Manifestações clínicas:
lesão do VII par de nervo craniano
em todo o seu trajeto ou parte dele Dependem do grau de comprometimento das
afeta a musculatura mímica da face fibras nervosas
Paralisia de Bell: Podem estar associados:
Acometimento unilateral da face, podendo ser parcial ou total distúrbios de gustação, salivação e
distúrbio de função aguda do nervo facial
diagnóstico de exclusão(raramente bilateral)
lacrimejamento
Etiologia a ser esclarecida
idiopática: vascular, virótica/infecciosa e imune
traumática por complicação deTCE
Congênita
neoplásica

Paralisia Facial Paralisia Facial


Incidência da paralisia de Bell:
Quadro clínico:
20 a 30 casos por 100 mil habitantes
de acordo com a localização e gravidade da
Prevalência ligeiramente em mulheres
lesão do nervo facial:
Rara antes dos 10 anos de idade
parcial ou completa
Fatores de risco: dor súbita nas imediações da mandíbula
hipertensão arterial dor retroauricular
diabetes melittus
Gravidez
puerpério e infecção pelo vírus Herpes tipo I

12
Paralisia Facial Paralisia Facial
Resultam em: Paralisia facial central:
assimetria facial
deformidade dos músculos faciais, há lesões ou doenças no cérebro, mais
diminuição de lágrimas, exatamente no encéfalo (sistema nervoso
ressecamento corneano e perda do reflexo de piscar central), que envia informações para o nervo
maior abertura ocular do lado afetado (sinal de Bell) facial.
sinal de lagoftalmo (depressão da pálpebra inferior e
conseqüente lacrimejamento - epífora, síndrome das Paralisia facial Periférica:
lágrimas de crocodilo)
fraqueza e espasmo muscular, há lesões ou doenças no próprio nervo facial,
sinal de hiperacusia(fonofobia), que enerva os músculos da face.
perda da gustação de dois terços anteriores da língua,
edemas orofaciais

Paralisia Facial Paralisia Facial


PFC: PFP ou de Bell:
Paralisia do quadrante inferior e preservação da paralisia é ipsilateral à lesão
metade superior da hemiface Hipotonia (lesão de motoneurônios inferiores)
desvio da rima bucal, apagamento do sulco atrofia muscular associada
nasolabial , disartria, ausência da contração do rugas e pregas faciais desaparecem
plastima Inexpressividade da hemiface afetada.
incapacidade de fechar completamente o olho da
contração involuntária da musculatura mímica
hemiface afetada
como manifestação emocional (sincinesias)
comissura labial tende a cair e há tendência à sialorréia

13
PFC e PFP

Paralisia Facial - Avaliação


Na inspeção, em repouso:
assimetria de sobrancelhas
desvios dos traços fisionômicos para o lado sadio
piscar ausente ou menos evidente do lado
comprometido
sulcos da pele menos pronunciados do lado paralisado
rima palpebral mais aberta do mesmo lado
ausência do sulco nasomentoniano
flacidez ou não da bochecha
dificuldade em enrugar a testa do lado comprometido
diminuição do lacrimejamento do lado comprometido

14
Paralisia Facial - Avaliação Classificação - Sistema de House-Brackmann
exame de movimentação ativa: Grau I: Normal
ação dos músculos inervados pelo nervo facial e suas Função facial normal em todas as áreas
respectivas funções Grau II: Disfunção Leve
Exame de sensibilidade gustativa nos dois terços Geral: leve fraqueza notável apenas à inspeção
próxima; pode haver sincinesia muito discreta
anteriores da língua (quatro gostos fundamentais:
No repouso: simetria e tônus normais
amargo, azedo, doce e salgado)
Ao movimento:
Testa: função boa a moderada
Olho: fechamento completo com mínimo esforço
Boca: leve assimetria

15
Classificação - Sistema de House-Brackmann Classificação - Sistema de House-Brackmann
Grau III: Disfunção Moderada Grau IV: Disfunção Moderadamente
Geral: diferença óbvia mas não desfigurante Severa
entre os dois lados; sincinesia e/ou espasmo Geral: fraqueza óbvia e/ou assimetria
hemifacial notáveis desfigurante
mas não severos No repouso: simetria e tônus normais
No repouso: simetria e tônus normais Ao movimento:
Ao movimento: Testa: nenhum movimento
Testa: movimento moderado a leve Olho: fechamento incompleto
Olho: fechamento completo com esforço Boca: assimetria com o máximo esforço
Boca: levemente fraca com o máximo esforço

Classificação - Sistema de House-Brackmann Paralisia Facial


Grau V: Disfunção Severa Tratamento:
Geral: apenas uma movimentação promover a recuperação completa da função da
discretamente perceptível musculatura da mímica facial
No repouso: assimetria prevenir a degeneração de fibras nervosas e
Ao movimento: suas possíveis sequelas
Testa: nenhum movimento
Olho: fechamento incompleto
Boca: movimento discreto
Grau VI: Paralisia Total
Nenhum movimento.

16
Paralisia Facial Paralisia Facial
A terapêutica: Dois meses e meio a quinze meses.
Fisioterapia Fisioterapia
exercícios miofuncionais são indicados para todos os
Proteção ocular (úlcera de córnea) pacientes com HB III a VI
Uso freqüente de solução oftálmica estéril Mesmo que não se perceba movimento facial, fibras
lubrificante nervosas intactas serão ativadas, auxiliando a manter o
tônus muscular
Medicamentos: vitamina do complexo B, Informação, automassagem, exercícios de relaxamento e
prednisona (corticosteróide) e aciclovir respiração além de exercícios específicos para
(antiviral) coordenação e controle de sincinesias (melhorias na
qualidade de vida, dor, movimentos involuntários,
alimentação e fala).

Paralisia Facial Cuidados


Estímulo e Relaxamento (PFC) Cuidados com os olhos pela ausência de
Criomassagem piscamento que expõem a córnea.
Crioestimulação Esclarecimento para evitar ações lesivas,
Feedback visual (programa domiciliar de uso de óculos constantemente, colírios para
exercícios, para reforçar os padrões motores evitar complicações.
praticados durante a sessão de tratamento)
Kabat

17
Paralisia Facial - estudo Paralisia Facial
85% : retorno do movimento facial em até 3 semanas. Prognóstico:
15% melhora em 3 a 6 meses após o início da paralisia. Bom
Algum movimento deve retornar em praticamente todos os
80 a 90% dos pacientes se recuperam
pacientes com Bell até 6 meses.
totalmente e sem complicação nas primeiras
O retorno do movimento completo na maioria dos pacientes:
semanas.
95% dos casos de paralisia incompleta e 75% dos pacientes com
paralisia completa até 3 semanas Diagnóstico diferencial:elaboração do
50% em pacientes com degeneração maior que 90% dentro das duas prognóstico
a três primeiras semanas.
10 a 15% apresentarão fraqueza residual com deformidades
secundárias como sincinesia, espasmo e contratura.

FNP
Facilitação:
Aplicação do Método Kabat em tornar fácil qualquer processo natural, especificamente
PF o efeito produzido no tecido nervoso pela passagem de
um impulso.
Neuromuscular:
envolve nervos e músculos
Proprioceptiva:
qualquer receptor sensorial que envia informações
relacionadas ao movimento e posicionamento corporal

18
Abordagem de Facilitação PNF Procedimentos Básicos de Facilitação
Promover ou precipitar a reação do Resistência: auxilia a contração muscular e o
controle motor e aumenta a força
mecanismo neuromuscular através da Irradiação e reforço: utilizam a deflagração da
estimulação dos proprioceptores resposta ao estímulo
Contato manual: aumenta a força e guia o
movimento com toque e pressão
Posição corporal e biomecânica: guiam e controlam
o movimento por meio do alinhamento do corpo,
A eficiência não depende, necessariamente, dos braços e das mãos do terapeuta
da colaboração consciente do paciente Comando verbal: palavras e tom apropriados para
direcionar o paciente
Visão: guiar o movimento e aumentar o empenho

Procedimentos Básicos de Facilitação Seqüência muscular


Frontal
Estiramento: o alongamento muscular e o Corrugador e Procero
estiramento facilita a contração e diminui a fadiga Orbicular do olho (sup., inf., ambos)
Elevador da pálpebra
Sincronização de movimentos: promove a Piramidal/nasal
sincronização e aumenta a força de contração Risório, zigomático maior
Orbicular da boca (sup., inf., ambos)
muscular Elevador do lábio superior
Padrões de facilitação: movimentos sinérgicos em Depressor do lábio inferior
massa são componentes do movimento funcional Mentual
Elevador do ângulo da boca
normal Bucinador
Esses padrões são de características espiral e diagonal Masseter/temporal
O caráter espiral e diagonal está em harmonia com as Infra e supra hióideo
características espiral e rotatória dos sistemas esquelético Platisma
dos ossos e articulações e das estruturas ligamentares Língua

19
Como utilizar o gelo

Como utilizar o gelo Outras atividades

20
Bibliografia
Eurico, Sebastião. Tratamento das Doenças
Neurológicas. Editora Guanabara Koogan.
http://www.emglab.com.br/html/paralisia_fa
cial.html
http://www.forl.org.br/pdf/seminarios/semin
ario_39.pdf
http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.
php/scientiamedica/article/viewFile/3578/35
17

21