Você está na página 1de 63

Treinamento de SEGURANÇA

em INSTALAÇÕES e
SERVIÇOS com ELETRICIDADE

ENG. RAFAEL SANTANA – CREA/SC 102020-1


INTRODUÇÃO
Os trabalhadores que interagem, direta ou
indiretamente, em instalações elétricas e
serviços com eletricidade estão expostos a
sérios riscos, que podem acarretar desde uma
queimadura de 1º grau até a sua morte. No
intuito de garantir a segurança e a saúde
desses trabalhadores, o MTE publicou, em
1978, a NR 10 – Segurança em Instalações e
Serviços em Eletricidade.
LEGISLAÇÃO
LEGISLAÇÃO
Normas Regulamentadoras
Portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978

NR 10 – Segurança em Instalações e Serviços


com Eletricidade

Publicação
Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978
D.O.U. 06/07/78

Alterações/Atualizações.
Portaria SSMT n.º 12, de 06 de junho de 1983
Portaria GM n.º 598, de 07 de dezembro de 2004
D.O.U 08/09/04 e 14/06/83
LEGISLAÇÃO/Treinamento
18.28.1. Todos os empregados devem receber treinamentos
admissional e periódico, visando a garantir a execução de suas
atividades com segurança.

18.28.2. O treinamento admissional deve ter carga horária mínima de 6


(seis) horas, ser ministrado dentro do horário de trabalho, antes de o
trabalhador iniciar suas atividades, constando de:
a) informações sobre as condições e meio ambiente de trabalho;
b) riscos inerentes a sua função;
c) uso adequado dos Equipamentos de Proteção Individual - EPI;
d) informações sobre os Equipamentos de Proteção Coletiva - EPC,
existentes no canteiro de obra.

18.28.3. O treinamento periódico deve ser ministrado:


a) sempre que se tornar necessário;
b) ao início de cada fase da obra.

18.28.4. Nos treinamentos, os trabalhadores devem receber cópias dos


procedimentos e operações a serem realizadas com segurança.
ACIDENTE
DE TRABALHO
CONCEITO

É aquele que ocorre pelo exercício do


trabalho a serviço da empresa,
provocando lesão corporal ou
perturbação funcional, que cause a
morte ou perda , ou ainda a redução
permanente ou temporária,da
capacidade para o trabalho.
CAUSAS

Ato inseguro: É quando o trabalhador se expõe a determinado


risco de maneira consciente, violando um procedimento seguro.

Condição insegura: É uma determinada condição inadequada


do ambiente de trabalho, com potencial para causar acidentes ou
danos à integridade do trabalhador. Muitas vezes uma condição
insegura é resultado de um ato inseguro, por exemplo: material
depositado em frente ao extintor de incêndio.

Fator pessoal de insegurança: É causa relativa ao


comportamento humano, que propicia a ocorrência de acidentes.
Ex.: doença na família, excesso de horas extras, problemas
conjugais, questões psicológicas, stress, conflitos,
entre outros.
FOTOS de Acidentes com ELETRICIDADE
RISCOS ADICIONAIS
Altura

Trabalho em altura é qualquer atividade onde o trabalhador atue


acima do nível do solo e/ou desníveis de pisos.
Para trabalhos com desníveis acima de 2 metros é obrigatório o
uso de EPI’s básicos.

Para a realização de atividades em altura os trabalhadores


devem:
• Possuir os exames específicos da função ASO - Atestado de
Saúde Ocupacional;
• Estar em perfeitas condições físicas e psicológicas;
• Estar treinado e orientado sobre todos os riscos envolvidos.
Evolução da
segurança,transmissão.

Com o advento do novo texto da


NR 10, a preocupação constante
em relação à segurança dos
trabalhadores, exigiu a aplicação
de um novo sistema de segurança
para trabalhos em estruturas
elevadas que possibilitam outros
métodos de escalada,
movimentação e resgate, para
todos os setores do SEP.
Equipamentos utilizados
Cinturão de segurança Talabartes Dispositivo
tipo pára-quedista ajustáveis trava-quedas

Corda de segurança
Cabo de Aço
Poliamida 12 mm
Sistema de ancoragem

Não menos importante que o próprio


EPI, é considerado como o
coração do sistema de
segurança, a ancoragem onde
conectamos a corda com um
ponto mecânico, seja na vertical
ou horizontal, deve estar
dimensionada para receber uma
queda ou impacto.
Resgate

Podemos considerar um bom sistema de resgate aquele


que necessita de um menor número de equipamentos
para sua aplicação, tornando com isso um ato
simplificado, rápido, sem colocar a vida da pessoa em
perigo.
Outros meios para trabalho
em altura
As escadas guardadas em abrigos, fora da exposição de sol
ou umidade, repousada em ganchos na parede;
Não apoiar escadas em vidros, portas ou locais
escorregadios;
Toda a escada deve ter uma
base sólida,com extremos
inferiores (pés) nivelados.
Outros meios para
trabalho em altura
Não subir/descer transportando cargas volumosas;
Isolamento da área ao redor da escada;
Os pés do usuário devem estar sobre os degraus da
escada.

As escadas devem ser amarradas no seu topo, de modo


a evitar escorregamento ou quedas frontais ou laterais.
Quando não for possível, outro empregado pode
segurá-la.
Outros meios para
trabalho em altura

Os andaimes deverão ter assoalhos fixos


e travados;
Devem ser construídos, amarrados em
estruturas e contraventados (estaiados),
de modo a suportar a carga as quais
estarão sujeitos;
Obrigatório o uso do cinto de segurança
com dois talabartes, e somente liberar
um após certificar que o outro esteja
devidamente preso;
Outros meios para
trabalho em altura

Isolamento da área ao redor do andaime;


Não é permitido o uso de arames prendendo
andaimes;
Deve ficar perfeitamente na vertical, sendo
necessário para terrenos irregulares a utilização
de placa de base ajustável (macaco).
Devem ser tomadas precauções especiais quando
da montagem, desmontagem e movimentação
de andaime próximo a circuitos e equipamento
elétricos.
Outros meios para
trabalho em altura
As torres deverão ser inspecionadas antes da escalada;
Para trabalhos em transmissão é obrigatório, além dos EPI’s básicos
a utilização da linha de vida (período de transição para
Distribuição);
Obrigatório o uso do cinto de segurança com dois pontos de
ancoragem, e somente liberar um após certificar que o outro
esteja devidamente “preso”;
A filosofia de trabalho adotada é de que em nenhum momento,
nas movimentações durante a execução das tarefas, o
trabalhador não poderá ficar desamarrado da estrutura;
Estudos comprovam que a suspensão inerte, mesmo em períodos
curtos de tempo, podem desencadear transtornos fisiológicos
graves, em função da compressão dos vasos sangüíneos e
problemas de circulação. Estes transtornos podem levar a morte
se o resgate não for realizado em rapidamente.
Ambiente Confinado
É qualquer aérea não projetada para ocupação continua, a
qual tem meios limitados de entrada e saída e a ventilação
existente é insuficiente para remover contaminantes
perigosos e/ou deficiência/enriquecimento de oxigênio
que possam existir ou se desenvolver.
Podemos citar como exemplos de ambientes
confinados:

• Dutos de ventilação, tanques em


geral,tonéis,containeres, cisternas, minas,
• valas, Vasos, colunas, silos, poços de
inspeção,
• caixas subterrâneas, etc.
Estes ambientes podem possuir uma ou mais das seguintes
CARACTERISTICAS:

• Potencial de risco na atmosfera;


• Deficiência de O2 (menos de 19,5%) ou excesso (mais
de 23%);
• Configuração interna tal que possa provocar asfixia,
claustrofobia, ou que dificultem a saída rápida de
pessoas;
• Agentes contaminantes tóxicos ou inflamáveis.
Ações de SEGURANÇA:

• Manter procedimento de acesso;


• Identificar e avaliar os riscos;
• Treinamento periódico aos empregados;
• Documentar os todos procedimentos de acesso em locais
confinados, com os respectivos nomes e assinaturas;
• Manter um plano de emergência;
• Efetuar teste de resposta do equipamento de detecção de
gases;
• Realizar a avaliação da atmosfera para detectar gases ou
vapores inflamáveis, tóxicos e concentração de oxigênio;
Áreas Classificadas
Área na qual a probabilidade da presença de uma atmosfera
explosiva é tal que exige precauções para a construção,
instalação e utilização de equipamentos elétricos.

Atmosfera Explosiva
Misturas de substâncias inflamáveis com
o ar na forma de: gás, vapor, névoa, poeira
ou fibras, na qual após a ignição, a
combustão se propaga através da mistura.
CLASSIFICAÇÃO das Áreas:
Exista a probabilidade de que se formem misturas explosivas, em um
determinado local, deve ser definida a classificação desse local,
segundo critérios já estabelecidos em normas, de acordo com o grau
de probabilidade da presença de atmosfera explosiva, como segue:

 Zona 0 - em que a mistura explosiva é encontrada


permanentemente ou na maior parte do tempo;

 Zona 1 - em que a mistura explosiva é provável durante a


operação normal, mas quando ocorrer, será por tempo limitado;

 Zona 2 - em que a mistura explosiva só é provável em caso de


falhas do equipamento ou do processo. O tempo de duração
desta situação é curto.
Umidade
A umidade esta relacionada a diversos fatores que, no
conjunto devem ser considerados na concepção e na
execução das instalações elétricas.Cada condição de
influência externa designada compreende sempre um
grupo de fatores como: meio ambiente, utilização e
construção das edificações.

Influencias externas a fatores tais como:


• temperatura ambiente;
• condições climáticas,
• presença de água e solicitações mecânicas, etc;
• Por exemplo, a qualificação das pessoas (sua
consciência e preparo para lidar com os riscos
da eletricidade), situações que reforçam (pele
seca) ou prejudicam (pele molhada, imersão) a
resistência elétrica do corpo humano.
Condições Atmosféricas

Com atrito de partículas ocorre uma


separação de cargas elétricas,
carregando assim as o meio de
forma a proporcionar gradativamente
uma DDP entre atmosfera e solo.

Rompida a resistência dielétrica ocorre


a centelha de equipotencialização.
EPI
&
EPC
CONCEITO de EPI

É todo equipamento de uso


individual destinado à proteção do
trabalhador contra acidentes do
trabalho.
EXEMPLOS de EPI

CAPACETE DE SGURANÇA
PROTETORES AURICULARES PROTEÇÃO VISUAL
E FACIAL

LUVA DE SEGURANÇA
LUVA DE VAQUETA PARA ALTA TENSÃO BOTINA DE SEGURANÇA
CONCEITO de EPC

É todo dispositivo, sistema, ou


meio, fixo ou móvel de abrangência
coletiva, destinado a preservar a
integridade física e a saúde dos
trabalhadores usuários e terceiros.
EXEMPLOS de EPC
ISOLAMENTO e SINALIZAÇÃO

É OBRIGATÓRIO SINALIZAR e ISOLAR á área


de trabalho antes de iniciar e durante os serviços !!
EXEMPLOS de EPC
BLOQUEIO e TRAVAMENTO
SALVAGUARDAR PESSOAS DA
LIBERAÇÃO INESPERADA DE ENERGIA ENQUANTO
EXECUTAM SERVIÇOS OU MANUTENÇÃO EM
MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS OU COMPONENTES
DO PROCESSO
EXEMPLOS de EPC
MANTA, TAPETE e BAQUETA ISOLANTE

ISOLAR as partes ENERGIZADAS da rede durante


a execução de tarefas.
EXEMPLOS de EPC
BANQUETA ISOLANTE

ISOLAR o OPERADOR do SOLO durante operação do


equipamento guindauto, em regime de linha energizada.
Noções de
PRIMEIROS SOCORROS
com ELETRECIDADE
O QUE APRENDEREMOS ??

 AÇÕES para casos de Emergências

 PRIORIZAÇÃO do Atendimento;

 VOS – VER, OUVIR e SENTIR;

 Aplicação de Respiração ARTIFICIAL;

 Massagem CARDIACA;

 Técnicas para REMOÇÃO e TRANSPORTE de Acidentados;

 Noções Sobre LESÕES;

 PRÁTICAS.
AÇÕES para casos de Emergências

Ter CAIXA de PRIMEIROS SOCORROS de acordo com o


PCMSO

 Ter PLACA com TELEFONES de EMERGÊNCIA

 Ter FUNCIONÁRIO TREINADO em Primeiros Socorros.

 Ter EQUIPAMENTOS, se necessário….


PRIORIZAÇÃO do Atendimento
PRIORIZAÇÃO do Atendimento
Cartão Vermelho

Vítimas que apresentam risco imediato de vida; apresentam respiração somente


após manobras de abertura de vias aéreas ou a respiração está maior que 30
movimentos respiratórios por minuto; necessitam de algum tratamento médico antes de
um transporte rápido ao hospital; necessitam ser transportadas rapidamente ao hospital
para cirurgia.

Cartão Amarelo

Vítimas que não apresentam risco de vida imediato; necessitam de algum tipo de
tratamento no local enquanto aguardam transporte ao hospital.

Cartão Verde

Vítimas com capacidade para andar; não necessitam de tratamento médico ou


transporte imediato, possuem lesões sem risco de vida.

Prioridade Preto

Vítimas em óbito ou que não tenham chance de sobreviver; não respiram, mesmo
após manobras simples de abertura da via aérea.
Chances de SALVAMENTO

As chances de salvamento da vítima de choque elétrico


diminuem com o passar de alguns minutos.

Pela análise da tabela abaixo esperar a chegada da


assistência médica para socorrer a vítima é o mesmo que
assumir a sua morte, então não se deve esperar o caminho é
a aplicação de técnicas de primeiros socorros por pessoa que
esteja nas proximidades.

O ser humano que esteja com parada respiratório e cardíaca


passa a ter morte cerebral dentro de 4 minutos, por isso é
necessário que o profissional que trabalha com eletricidade
deve estar apto a prestar os primeiros socorros a acidentados,
Tempo após o choque p/ iniciar respiração artificial Chances de reanimação da vítima

1 minuto 95 %

2 minutos 90 %

3 minutos 75 %

4 minutos 50 %

5 minutos 25 %

6 minutos 1%

8 minutos 0,5 %
Noções Sobre LESÕES

ELETROCUÇÃO (FATAL)

Leva a
MORTE
(na sua grande maioria)
Noções Sobre LESÕES
CHOQUE ELÉTRICO
Como Proceder Em Acidentes Com Correntes de Baixa Voltagem?
A corrente doméstica, utilizada em escritórios, residências, oficinas e lojas,
também pode provocar lesões graves e levar a morte.
É importante estar ciente também dos perigos da água no local, por ser
um perigoso condutor de eletricidade.

Desligue o interruptor ou a chave elétrica.

Afaste imediatamente a vítima do contato com a corrente elétrica, removendo o fio ou


condutor elétrico com um material bem seco.

É comum usar cabo de vassoura, jornal dobrado, pano grosso dobrado, tapete de borracha
ou outro material isolante.

Puxe a vítima pelo pé ou pela mão, sem lhe tocar a pele. Use para isso pano dobrado ou
outro material isolante disponível.
.
Em caso de queimaduras, cubra-as com uma gaze ou pano bem limpo.
Se a pessoa estiver consciente, deite-a de costas com as pernas elevadas.
Em caso de vitima inconsciente, deite-a de lado.
Se necessário, cubra a pessoa com cobertor e procure mantê-la calma.
Em caso de choque elétrico, após os primeiros socorros,
procure ajuda médica imediatamente !
VOS – VER , OUVIR e SENTIR
Fazer a abertura da via aérea utilizando a técnica de extensão de cabeça com
elevaçãodo maxilar inferior e executar o VOS até 10 segundos, para avaliar se
a vítima tem uma ventilação eficaz.

Ver- existência de movimentos toraco-abdominais


Ouvir- o ruído da inspiração/expiração
Sentir- a saída do ar na face do socorrista
Aplicação de Respiração ARTIFICIAL
Coloque a vítima deitada de costas.
Levante seu pescoço com uma das mãos e incline-lhe
a cabeça para trás, mantendo-a nessa posição.
Use a mão que levantou o pescoço para puxar o
queixo da vítima para cima, de forma que sua língua
não impeça a passagem do ar.
Coloque a boca, com firmeza, sobre a boca da vítima,
fechando-lhe bem as narinas, usando o polegar e o
indicador.
Sopre para dentro da boca da vítima até notar que
seu peito está se levantando.
Deixe-a expirar o ar livremente

Repita o movimento 15 VEZES POR MINUTO


Verificação de Batimento CARDIACO

Para verificar se houve Parada Cardíaca:


Pressione levemente com as pontas dos dedos indicador e médio a carótida,
quase localizada no PESCOÇO junto ao pomo de Adão ( Gogó ) ou nos PULSOS.
Massagem CARDIACA
Ocorrendo a Parada Cardíaca

Deve se aplicar sem perda de tempo, a respiração artificial e a massagem cardíaca,


conjugadas.

Esta massagem deve ser aplicada sobre o coração, que esta localizado no centro
do Tórax entre o externo e a coluna vertical.
Colocar as 2 mãos sobrepostas na metade inferior do externo, como indica a figura.

Pressionar, com suficiente vigor, para fazer abaixar o centro do Tórax,


aproximadamente 5 cm, somente uma parte da mão deve fazer pressão, os dedos
devem ficar levantados do Tórax.

Repetir a operação : 30 massagens cardíacas e 2 respirações artificiais, até a


chegada do socorro mais especializado.
Noções Sobre LESÕES
As lesões provocadas pelo choque elétrico
podem ser de quatro (4) naturezas:

1 - queimaduras e

2 - quedas provocadas pelo choque


Noções Sobre LESÕES
QUEIMADURA

Sinais e sintomas
1º Grau
Atinge somente a epiderme;
Dor local e vermelhidão da área atingida.

2º Grau
Atinge a epiderme e a derme;
Apresenta dor local, vermelhidão e bolhas
d’água.

3º Grau
Atinge a epiderme, derme e alcança os
tecidos mais profundos, podendo chegar até
o ósso
Noções Sobre LESÕES
QUEIMADURA

Se a vítima apresentar queimaduras:

NÃO aplicar qualquer substância.

Remova imediatamente: anéis, pulseiras, relógios, colares, cintos,


sapatos e roupas, antes que a área afetada comece a inchar.

Se algum tecido tiver aderido à queimadura, não force a sua retirada.

Proteja a área com um pano limpo.


Noções Sobre LESÕES
QUEDAS PROVOCADAS PELO CHOQUE

FRATURA é o rompimento total ou


parcial de qualquer osso. Existem
dois tipos de fratura:
Fechadas: sem exposição óssea;
Expostas: o osso está ou esteve exposto.
Noções Sobre LESÕES
Identificando uma fratura
Compare o membro supostamente fraturado
com o correspondente não comprometido.

Procure a presença de: Procure a presença de:

• Deformações; • Dor à manipulação;


• Inchaço; • Creptação óssea;
• Espasmo da • Enchimento capilar lento;
musculatura; • Diminuição da
• Feridas; sensibilidade;
• Palidez. • Redução da
temperatura.
Noções Sobre LESÕES
Primeiros socorros

Fraturas Fechadas Fraturas Expostas


• Imobilizar com tala • Cobrir o ferimento
ou material rígido com pano limpo;
• Estancar o
sangramento;
• Prevenir contra o
estado de choque;

Não Movimente a parte fraturada;


Não de nada de comer ou beber à vítima;
Encaminhar para atendimento hospitalar.
Noções Sobre LESÕES
Entorse-distensão-luxação

Entorse é a separação momentânea das


superfícies ósseas articulares, provocando
o estiramento ou rompimento dos
ligamentos;

Distensão é o rompimento ou estiramento


anormal de um músculo ou tendão;

Luxação é a perda de contato permanente


entre duas extremidades ósseas numa
articulação.
Noções Sobre LESÕES
Entorse-distensão-luxação
Sinais e sintomas

Dor local intensa;


Dificuldade em movimentar a região afetada;
Hematoma;
Deformidade da articulação;
Inchaço.
Noções Sobre LESÕES
Entorse-distensão-luxação
PRIMEIROS SOCORROS

- Manipular o mínimo possível o local afetado;


- Não colocar o osso no lugar;
- Proteger ferimentos com panos limpos e controlar
sangramentos nas lesões expostas;
- Imobilizar a área afetada antes de remover a vítima;
- Se possível, aplicar bolsa de gelo no local afetado;
- Encaminhar para atendimento hospitalar.
Noções Sobre LESÕES
Lesões da coluna vertebral
SINAIS e SINTOMAS
Dor local intensa;

Diminuição da sensibilidade, formigamento ou dormência em


membros inferiores e/ou superiores;

Paralisia dos segmentos do corpo, que ocorrem abaixo da lesão;

Perda do controle esfincteriano (urina e/ou fezes soltas).


Nota: Todas as vitimas inconscientes deverão ser consideradas e tratadas
como portadoras de lesões na coluna.
Noções Sobre LESÕES
Lesões da coluna vertebral
PRIMEIROS SOCORROS
Cuidado especial com a vítima inconsciente;

Imobilizar o pescoço antes do transporte, utilizando o colar cervical;

Movimentar a vítima em bloco, impedindo particularmente movimentos bruscos do


pescoço e do tronco;

Colocar em prancha de madeira;

Encaminhar para atendimento hospitalar.


Técnicas para REMOÇÃO e
TRANSPORTE de Acidentados

NÃO mova a vitima.

CHAME OS ESPECIALISTAS:
C.B.M – 193
SAMU - 192
Aula PRATICA