Você está na página 1de 48

2.

3 – Formações Modulares Certificadas

Arquitetura de Computadores Carlos Pereira

0749 50h

1 / 48
Índice
Objectivos .............................................................................................................................................................................................6
Conteúdos .............................................................................................................................................................................................6
1 - Hardware e software .................................................................................................................................................................7
1.1 Hardware ............................................................................................................................................................................7
1.2 Software...............................................................................................................................................................................7
1.3 Unidade Central ................................................................................................................................................................7
1.4 Dispositivos de entrada e/ou saída ..........................................................................................................................7
1.5 Software Base ....................................................................................................................................................................7
1.6 Software Aplicacional.....................................................................................................................................................8
1.7 Packages ..............................................................................................................................................................................8
2 – Motherboards ..............................................................................................................................................................................8
2.1 Conceito ....................................................................................................................................................................................8
2.2 Arquiteturas ............................................................................................................................................................................8
2.2.1 AT Advanced Technology ..........................................................................................................................................8
2.2.2 Baby AT .............................................................................................................................................................................9
2.2.3 ATX – Advanced Technology Extended ................................................................................................................9
2.2.4 Mini ATX ........................................................................................................................................................................ 10
2.2.5 BTX – Balanced Technology Extended .............................................................................................................. 10
2.2.6 ITX .................................................................................................................................................................................... 10
2.2.7 LPX ................................................................................................................................................................................... 11
2.2.8 NLX .................................................................................................................................................................................. 12
3 – Processadores ........................................................................................................................................................................... 12
3.1 Conceito ................................................................................................................................................................................. 12

2 / 48
3.2 Breve Evolução Histórica dos computadores.......................................................................................................... 13
3.2.1 Ábaco ou Soroban (2000 a.C.) ............................................................................................................................... 13
3.2.2 Ossos de Napier (1617) ........................................................................................................................................... 13
3.2.3 Máquina de Calcular - Pascalina (1642) ........................................................................................................... 13
3.2.4 Máquina de calcular de Leibnitz (1673) ........................................................................................................... 14
3.2.5 Máquinas de Charles Babbage (1832 e 1834) ................................................................................................ 14
3.2.6 Tabulador estatístico de Holerith (1880) ......................................................................................................... 14
3.2.7 Z3 de Konrad Zuze (1941) ..................................................................................................................................... 14
3.2.8 Z4 de Konrad Zuze (1942) ..................................................................................................................................... 14
3.2.9 Mark I de Howard Aiken (1943) .......................................................................................................................... 15
3.2.10 Colossus (1943) ....................................................................................................................................................... 15
3.2.11 Modelo de Van Neumann (1944) ...................................................................................................................... 15
3.2.12 E.N.I.A.C. (1943/1946) .......................................................................................................................................... 15
3.2.13 E.D.V.A.C. (1951) ...................................................................................................................................................... 16
3.2.14 U.N.I.V.A.C. (1951) ................................................................................................................................................... 16
3.2.15 Gerações seguintes (1954) .................................................................................................................................. 16
3.3 Modelo de Van Neumann (1944) ................................................................................................................................. 17
3.4 Microprocessador .............................................................................................................................................................. 18
3.5 Família de Processadores Intel ..................................................................................................................................... 18
3.5.1 Os processadores de 4-bits .................................................................................................................................... 18
3.5.2 Os processadores de 8-bits .................................................................................................................................... 19
3.5.3 Processadores de 32-bits ........................................................................................................................................ 21
3.5.4 Processadores de 64-bits ........................................................................................................................................ 23
3.6 Arquiteturas RISC/CISC ................................................................................................................................................... 23
3.6.1 RISC ................................................................................................................................................................................. 23
3.6.2 CISC.................................................................................................................................................................................. 24
3.7 Coprocessadores Matemáticos ..................................................................................................................................... 24
3.8 Memória Cache .................................................................................................................................................................... 24
3.9 Clock Interno .................................................................................................................................................................. 25
3.10 Instalação e configuração do Processador ............................................................................................................. 25
4 – Memórias .................................................................................................................................................................................... 25
4.1 RAM VS. ROM VS. CACHE ................................................................................................................................................ 26
4.2 Tecnologias das memórias RAM................................................................................................................................... 27
4.2.1 DRAM – Dynamic RAM............................................................................................................................................. 28

3 / 48
4.2.2 FPM – FAST PAGE MODE ........................................................................................................................................ 28
4.2.3 EDO – EXTENDED DATA OUTPUT ...................................................................................................................... 28
4.2.4 BEDO – BURST EXTENDED DATA OUTPUT RAM ......................................................................................... 28
4.2.5 SDRAM – SYNCHRONOUS DYNAMIC RAM ....................................................................................................... 29
4.2.6 RDRAM – Rambus DRAM ........................................................................................................................................ 29
4.2.7 Formato das Memórias DRAM .............................................................................................................................. 29
4.2.8 VRAM – VÍDEO RAM ................................................................................................................................................. 29
4.2.9 SRAM – STATIC RAM ................................................................................................................................................ 30
4.3 Instalação das Memórias ................................................................................................................................................. 30
5 – Disco Rígido e CD-ROM ......................................................................................................................................................... 30
5.1 Disco Rígido .......................................................................................................................................................................... 30
5.1.1 Composição de um Disco Rígido .......................................................................................................................... 31
5.1.2 Leitura de dados do Disco ...................................................................................................................................... 31
5.1.3 Comparação de Discos ....................................................................................................................................... 32
5.1.4 Tecnologias e Barramentos ................................................................................................................................... 32
5.1.5 Instalação/Substituição de um Disco Rígido ................................................................................................... 33
5.2 CD-ROM .................................................................................................................................................................................. 33
5.2.1 Capacidade.................................................................................................................................................................... 33
5.2.2 Instalação/Substituição da Unidade de CD-ROM .......................................................................................... 33
6 – Bus/Barramento ...................................................................................................................................................................... 34
6.1 Tipos de Barramentos ...................................................................................................................................................... 34
6.1.1 Barramentos de endereços .................................................................................................................................... 34
6.1.2 Barramentos de dados ............................................................................................................................................. 35
6.1.3 Barramentos de memória ....................................................................................................................................... 35
6.1.4 Barramentos de E/S (I/O) ...................................................................................................................................... 36
6.2 Tipos de barramentos de dados ................................................................................................................................... 36
6.2.1 ISA Bus ........................................................................................................................................................................... 37
6.2.2 MCA Bus ......................................................................................................................................................................... 37
6.2.3 EISA Bus......................................................................................................................................................................... 37
6.2.4 VL - VESA Local Bus .................................................................................................................................................. 38
6.2.5 PCI Bus ........................................................................................................................................................................... 38
6.2.6 AGP Bus .......................................................................................................................................................................... 39
6.2.7 USB Bus .......................................................................................................................................................................... 39
6.2.8 Firewire (IEEE 1394) ............................................................................................................................................... 40

4 / 48
6.2.9 PCMCIA .......................................................................................................................................................................... 40
6.2.10 PCI Express ................................................................................................................................................................ 40
6.2.11 Barramentos Futuros............................................................................................................................................. 41
7 – Portas de Comunicação ......................................................................................................................................................... 41
7.1 Portas de comunicação RS232C ................................................................................................................................... 41
7.2 Portas de comunicação Centronics (Porta Paralela) ............................................................................................ 42
Bips de erro no computador ...................................................................................................................................................... 44
Mensagem de erro.......................................................................................................................................................................... 45
Mensagens de erro comuns ................................................................................................................................................... 46
Outras mensagens de erro ..................................................................................................................................................... 46

5 / 48
Objectivos
 Identificar o hardware que integra o computador.
 Efectuar a instalação de equipamentos informáticos.
 Efectuar a manutenção e reparação de equipamentos informáticos.
 Diagnosticar as causas das avarias.

Conteúdos
 Hardware e software
o Conceitos base
o Unidade central
o Periféricos
o Software base
o Software aplicacional
o Packages
 MotherBoards
o Tipos de MotherBoards TX, VX, FX, ATX
 Processadores
o Família de processadores Intel
o Arquitectura dos processadores (RISC/CISC)
o Co-processadores matemáticos
o Memórias cache internas (L1)
o Clock interno
o Instalação e configuração de um processador
 Memórias
o Distinguir memórias RAM, ROM, CACHE
o Número de contactos
o Velocidades
o Instalação de memórias num computador
 Discos Rígidos e CD-ROM
o Normas EIDE/ATAPI e SCSI
o Instalação e/ou substituição de um disco rígido
o Instalação e/ou substituição de um CD-ROM
 Buses
o Tipos de buses
o ISA/EISA, VESA, PCI
 Portas de comunicações
o Portas de comunicação RS232C
o Portas de comunicação Centronics
o Instalação de um computador
o Montagem de um computador de raiz
 Pequenas avarias
o Avarias com o rato e/ou teclado
o Avarias com as drives de disquetes
o Avarias com os discos
o Emissão de bips de erro
o Mensagens de erro do computador

6 / 48
1 - Hardware e software

1.1 Hardware

O Hardware é composto pela parte física do sistema (qualquer componente do sistema que pode ser
visto ou tocado). Exemplos: caixa do computador, rato, monitor.

1.2 Software

O Software é a parte não física do sistema (parte lógica), ou seja é um conjunto de instruções que
"dizem" ao computador o que fazer (programas). O software ainda se pode subdividir em dois grupos:
– Software de sistema
– Software de aplicação

1.3 Unidade Central

Processador ou unidade central de processamento (CPU): Responsável pelo processamento, é o


"coração" e "cérebro" do computador: processa instruções, efetua cálculos e gere o fluxo de informação.
O CPU comunica com os dispositivos de entrada, armazenamento e saída.

1.4 Dispositivos de entrada e/ou saída

 Periférico é o nome dado a qualquer equipamento auxiliar ao computador. Pode estar fora ou dentro da caixa
do computador e deve cumprir alguma finalidade não essencial ao sistema.
 Estes dispositivos permitem a comunicação entre o utilizador e o computador.
 Os periféricos podem ser classificados segundo a sua atuação em:
 Periféricos de entrada: dispositivos que, ligados ao computador, permitem a entrada de informações.
 Periféricos de saída: estes dispositivos permitem ao computador disponibilizar as informações contidas no seu
"interior".
 Periféricos de entrada e saída: exercem as duas funções.

1.5 Software Base

O Software de sistema ou Software do sistema operativo: permite fazer funcionar o hardware e/ou
servir de intermediário entre esse mesmo hardware e o utilizador ou os seus programas de aplicação.
Controla toda a atividade de um computador.

7 / 48
– Exemplos: MS DOS, WINDOWS XX, WINDOWS NT, UNIX, LINUX, Etc.

1.6 Software Aplicacional

O Software de aplicação: são programas que permitem efetuar tarefas específicas. Faz a ligação do
utilizador ao software de sistema.
– Exemplos: WINWORD, EXCEL, POWERPOINT, Etc.

1.7 Packages

Um pacote de software é o software empacotado num formato de arquivo para ser instalado por
um sistema gestor de pacotes ou por um instalador autónomo.
Exemplos:
Microsoft Office;
Microsoft Works;
OpenOffice.org;
Apple iWork;
Google Docs;

2 – Motherboards

2.1 Conceito

A placa de sistema (ou placa Mãe, ou motherboard, ou mainboard) é a placa do circuito principal do
computador. Todos os componentes elétricos ligam-se à placa de sistema.

2.2 Arquiteturas

Há vários tipos de motherboards, de entre os quais se salientam os seguintes: AT, Baby AT, ATX,
Mini ATX, BTX, ITX, LPX, NLX.

2.2.1 AT Advanced Technology

 Comercializada entre 1983 e 1996.

8 / 48
 Pouca circulação de ar devido à grande quantidade de cabos que nela estão ligados para efetuar
conexão com conectores, o que se reflete num reduzido espaço interno, que provoca
sobreaquecimento.
 Ligada à fonte de alimentação por dois conectores de 6 pinos muito semelhantes, o que, em caso
de engano na conexão faz queimar a motherboard.
 Sem função shutdown, pelo que para desligar o computador é necessário desligar o PC no sistema
operativo e depois clicar no botão.

Legenda: Os fios pretos ficam agrupados no centro do conector que liga à fonte de alimentação

2.2.2 Baby AT

 Dimensões menores que a moteherboard AT.


 Primeiras placas de uso massivo em PCs.

2.2.3 ATX – Advanced Technology Extended

 Criada com o intuito de solucionar os problemas do formato AT.


 Utilizada nos PCs recentes. E vulgarmente encontradas nos portáteis.
 Os conectores de portas paralelas e em série (dos periféricos) estão ligados diretamente à placa
mãe (estão on-board), o que suprime a necessidade de cabos (por exemplo para leitor de CD).
Consequentemente, tem mais espaço interno, e, portanto, mais ventilação.
 Os conectores de rato e teclado são menores.
 O conector de energia para ligação à fonte de alimentação é composto por 24 pinos, de forma a
não permitir erro no encaixe dos conectores.
 Tem comando shutdown, o que permite desligar o computador via software, sem necessidade de
premir o botão.
 No formato ATX a placa mãe está instalada do lado direito.

9 / 48
Legenda: Conector de ligação à fonte de alimentação de 24 pinos com sentido único de encaixe

2.2.4 Mini ATX

 Devido à variação do tamanho no formato ATX originou-se outro padrão, cuja diferença reside
num número reduzido de slots que dá origem a placas cada vez menores.

2.2.5 BTX – Balanced Technology Extended

 Foi lançada em 2003, para substituir a ATX.


 Objetivo - optimizar o desempenho do sistema.
 Melhorar a ventilação interna.
 Placa mãe situada do lado esquerdo.
 Incompatível com a placa de formato ATX, pois estão posicionadas em lados diferentes.

2.2.6 ITX

 Criada em 2001, pela VIA Technologies.

10 / 48
 Destina-se a computadores altamente integrados e compactos.
 Não pretende ser o mais rápido, mas mais barato (dado que muitas pessoas usam o PC apenas
para navegar na net e editar textos).
 Esta placa tem tudo ‘on-board’ (vídeo, áudio, modem…).
 Fonte de alimentação (é fisicamente menor, dado que possui menos periféricos. Assim possibilita
um PC mais compacto.

2.2.7 LPX

 Característica única – possui uma placa ‘em pé’ que se encaixa numa conexão específica da placa
principal.
 É nesta placa (‘em pé’) que encaixam as restantes placas do computador.

11 / 48
2.2.8 NLX

 Recente.
 Criada para micro computadores que usam processadores Pentium III e 4.

3 – Processadores

3.1 Conceito

O CPU (Central Processing Unit) é responsável pela gestão de todo o computador, vai buscar à
memória principal as instruções, examina-as, decifra-as e, finalmente, executa-as.

12 / 48
O CPU controla as operações básicas dentro do microcomputador com o envio e resseção de sinais de
controlo, endereços de memória e de dados de uma parte do microcomputador para outra, através de um
conjunto de linhas de interconexão (bus).

3.2 Breve Evolução Histórica dos computadores

Ao longo do tempo, o Homem foi sempre capaz de resolver e solucionar os problemas com que se
deparou, isto, devido à sua capacidade criativa, que lhe permitiu a invenção de um sem número de
objetos. Estes utensílios, tais como armas de caça, objetos para armazenar alimentos, ferramentas para
auxiliar na agricultura..., possibilitaram-lhe ultrapassar algumas dificuldades sentidas devido a limitações
físicas. A evolução do Homem não se limitou aos objetos físicos, cada vez mais se sentia a evolução
intelectual, o que o levou a criar objetos que o auxiliassem no desempenho dessas capacidades e assim,
surgiram as primeiras ferramentas de cálculo.

3.2.1 Ábaco ou Soroban (2000 a.C.)

O dispositivo para efetuar cálculos mais antigo que se conhece é o Ábaco. O Ábaco tal como
conhecemos é constituído por uma série de linhas com contas inseridas. Este modelo de Ábaco foi muito
utilizado no Oriente Médio e na Ásia. Uma pessoa treinada pode efetuar operações de soma, subtração,
multiplicação, divisão e radiciação com velocidades comparáveis à de uma máquina de calcular, pois,
mesmo nas máquinas de calcular electrónicas, a velocidade da operação aritmética fica limitada à
capacidade de digitação dos algarismos no teclado.

3.2.2 Ossos de Napier (1617)

John Napier descobriu o logaritmo e usou-o para executar operações de multiplicação e divisão (ou
extração de raiz quadrada ou cúbica) através da manipulação de barras de ossos, com valores numéricos
gravados nas quatro faces da barra.

3.2.3 Máquina de Calcular - Pascalina (1642)

13 / 48
Blaise Pascal, filósofo e matemático francês construiu uma máquina de calcular, de oito algarismos,
usando o princípio das engrenagens dentadas, capaz de somar e subtrair. A linguagem chamada PASCAL,
feita em sua homenagem, é usada em microcomputadores.

3.2.4 Máquina de calcular de Leibnitz (1673)

Em 1673, Gottfried Leibniz construiu uma calculadora mais completa, porque realizava as quatro
operações aritméticas, sendo também mecânica.

3.2.5 Máquinas de Charles Babbage (1832 e 1834)

Charles Babbage projetou dois tipos de máquinas:


– A Máquina de Diferenças: Era um dispositivo mecânico que realizava adições e subtrações, possibilitando
calcular fórmulas: polinómios, logaritmos e funções trigonométricas;
– A Máquina Analítica: De uso mais geral possuía a capacidade de modificar suas operações e assim realizar
diferentes cálculos. Embora inteiramente mecânica ela possuía os mesmos componentes de um
computador atual: Era uma máquina de calcular programável, onde a sequência de operações aritméticas
era codificada em cartões perfurados e executada automaticamente, sem intervenção de um operador.
Devido aos princípios fundamentais de programação ainda hoje utilizados nos computadores, ele é
considerado o PAI do Computador. Esta máquina nunca chegou a ser implementada.

3.2.6 Tabulador estatístico de Holerith (1880)

Em 1880, um estatístico Hermann Holerith desenvolveu nos EUA um


equipamento baseado em cartões perfurados para realizar o censo americano.
Holerith obteve grande sucesso e fundou a "Tabulating Machine Company", que deu origem à IBM.

3.2.7 Z3 de Konrad Zuze (1941)

Computador de aplicação geral que utilizava interruptores


eletromecânicos (relés). Apesar de Zule desconhecer os
trabalhos de Babbage e a álgebra Boolena, já utilizava alguns
princípios semelhantes ao da lógica boolena. Pesava cerca de 1000
Kg. Uma adição demorava 0,7 segundos e uma multiplicação ou
divisão cerca de 3 segundos.

3.2.8 Z4 de Konrad Zuze (1942)

14 / 48
Melhoramento de do Z3. Computador de aplicação geral que seria 1000 vezes mais rápido que
qualquer máquina existente. Foi apresentado ao ministério da Guerra Alemão, utilizava válvulas
eletrónicas e um teclado para entrada de dados, possibilitando a descodificação de mensagens dos
Aliados. Estes projeto foi recusado porque quando estivesse terminado (em 1944) já a Alemanha teria
ganho a guerra.

3.2.9 Mark I de Howard Aiken (1943)

Entre 1943 e 1944, surgiu nos EUA o MARK I, primeiro computador regido pelos princípios de
Babagge, com tecnologia eletromecânica. O seu criador foi Howard Aiken, que teve o apoio da IBM. O
Mark I era um computador a relés e podia executar uma sequência arbitrária de operações aritméticas
sob o controle de uma sequência codificada de instruções. Para entrada e saída utilizava-se fita de papel
perfurado. Tinha 15 metros de comprimento e 2,5 metros de altura.
Aiken ainda chegou a construir o Mark II, também baseado em relés, em 1947. Este computador ficou
conhecido por ter apresentado o "primeiro caso de real de bug encontrado": um besouro entrou nos seus
circuitos, danificando diversos componentes e parando o computador. Em 1949, foi ainda construído
oMark III, já com sistema de programa armazenado.

3.2.10 Colossus (1943)

Primeiro a utilizar válvulas. O projeto ULTRA - concebe uma


máquina específica para a descodificação de mensagens. Processava
cerca de 25000 caracteres por segundo com 2000 válvulas

3.2.11 Modelo de Van Neumann (1944)

Programação em Memória. John Von Neumann, estudou e


formulou modelos teóricos de modernos computadores, foi o primeiro a propor a programação
armazenada em memória, cujo conceito é ainda hoje utilizado. Até então os computadores eram
programados por fios intercambiáveis que liam e processavam os bits perfurados em cartões.
John Von Neumann foi o primeiro a propor o conceito de programa
armazenado, ou seja as instruções fossem armazenadas no computador juntamente com os dados. O Seu
projeto básico é hoje conhecido como "Máquina de Von Neumman, constitui a base de quase todos os
computadores. A programação dos computadores na época era feita por chaves e cabos, o que tornava
essa tarefa lenta e tediosa. Von Neumman percebeu que o programa poderia ser armazenado de uma
forma digital na memória, juntamente com os dados. Da mesma forma Von Neumman substituiu a
aritmética decimal usada nos computadores da época pela aritmética binária paralela .

3.2.12 E.N.I.A.C. (1943/1946)

15 / 48
ENIAC (Electronic Numerical Integrator and Calculator), foi o primeiro computador eletrónico.
Funcionava no sistema decimal, composto por cerca de 18000 válvulas e mais 100000 outros
componentes eletrónicos (resistências, condensadores, etc.) e pesava cerca de 30 Toneladas.
Processou um milhão de cartões perfurados para os cálculos de viabilidade da bomba atómica.

3.2.13 E.D.V.A.C. (1951)

O sucessor do ENIAC - denominado EDVAC, sigla para Computador


Eletrónico de Variáveis Discretas - foi planeado para acelerar o trabalho armazenando tanto
programas quanto dados na sua expansão de memória interna.
O EDVAC podia codificar as informações em forma binária em vez de decimal , o que reduzia
substancialmente o número de válvulas necessárias.
3.2.14 U.N.I.V.A.C. (1951)

O UNIVAC foi o primeiro computador comercial. Lia dados a partir de uma fita magnética.

3.2.15 Gerações seguintes (1954)

A revolução seguinte foi originada pela revolução dos transístores os quais substituíram as
volumosas válvulas. Houve uma enorme diminuição em cabos e fios, tendo em vista que cada transístor
substituía dezenas de válvulas. Desta maneira os computadores tornaram-se consideravelmente
menores e devido a isso, muito mais velozes. O computador começa a ser utilizado nas grandes
empresas.
Tanto a válvula quanto o transístor realizavam um processamento de cada vez. Com o
desenvolvimento das técnicas de integração, surgiram os Circuitos Integrados, onde numa pequena
cápsula continha, várias dezenas, centenas ou milhares de transístores, ocupando uma área menor que
uma unha, dando o nome de microprocessador (processador miniatura).
A linguagem de programação foi simplificada e já se podia programar através de mnemónicos
(comandos abreviados). Esta linguagem denomina-se ASSEMBLER.
A revolução seguinte surgiu com a utilização dos Circuitos Integrados – SLT (Solid Logic Technology)
uma técnica de microcircuitos. Nesta geração os computadores podiam realizar vários processamentos
simultâneos. As técnicas de integração evoluíram de SSI (integração em pequena escala) para MSI
(integração em média escala), LSI (integração em grande escala) e VLSI (integração em muito grande
escala). Esta classificação é baseada na quantidade de componentes que o integrado contém.
A programação dos computadores desta geração foi facilitada pelo aparecimento de linguagens
orientadas para o problema específico. As linguagens são de natureza universal e assemelham-se cada
vez mais a linguagem do homem.
Nos anos 80 a VLSI permitiu que milhões de transístores fossem encapsulados numa única pastilha,
fazendo com que houvesse uma queda acentuada no preço dos computadores. Essa nova tecnologia
possibilitou na década de 70 a existência dos computadores pessoais de 8 bits (Z-80, Apple II, Sinclair,
Comodore,...);

16 / 48
Um grande marco nessa era foi o fenómeno do "down sizing" e do "right sizing", que devido a um avanço
na tecnologia permitiram que os micro-computadores invadem todo o tipo de empresa e atividade. A
grande impulsionadora dos micro-computadores foi a INTEL, juntamente com a MICROSOFT
popularizaram o uso do computador.

3.3 Modelo de Van Neumann (1944)

Programação em Memória, John Von Neumann, estudou e formulou modelos teóricos de


modernos computadores, foi o primeiro a propor a programação armazenada em memória, cujo conceito
é ainda hoje utilizado. Até então os computadores eram programados por fios intercambiáveis que liam e
processavam os bits perfurados em cartões. John Von Neumann propôs que as instruções fossem
armazenadas no computador juntamente com os dados. O seu projeto básico é hoje conhecido como
“Máquina de Von Neumman”, constitui a base de quase todos os computadores. A máquina proposta por
Von Neumann reúne os seguintes componentes:
uma memória;
uma unidade aritmética e lógica (ALU);
uma unidade central de processamento (CPU);
uma Unidade de Controlo (Control Unit), cuja função é pegar num programa na memória, instrução por
instrução, e executá-lo sobre os dados de entrada.

17 / 48
Mem ória Principal
Unidade de Process am ento Central (UPC)
Mem ória "Cache" Central Process ing Unit (CPU)
DRAM 1
Unidade Lógica
SRAM 1 Aritmética (ULA)
Aritmetic
DRAM 2 Logic U nit (ALU) Unidade de
Controlo

SRAM 2
Registos
DRAM 3

Controlador
de "Cache"
DRAM 4

3.4 Microprocessador

Existe pelo menos um em todos os computadores (alguns têm mais de um);


É o circuito electrónico que processa (calcula) todas as informações que passam pelo computador;
As instruções dos programas são executadas pelo microprocessador, ou seja, o Microprocessador é o
“cérebro” do computador;
O Microprocessador, assim como os demais componentes do computador, é encaixado na Motherboard.

3.5 Família de Processadores Intel

3.5.1 Os processadores de 4-bits

Família MCS-4:

 4004 – CPU
 4001 – ROM & 4-bit Port
 4002 – RAM & 4-bit Port
 4003 – 10-bit Shift Register
 4008 – Memoria +I/O Interface
 4009 – Memoria +I/O Interface

Família MCS-40:

 4040 – CPU
 4101 – 1024-bit (256 × 4) Static RAM with separate I/O
 4201 – 4 MHz Clock Generator
 4207 – General Purpose Byte I/O Port

18 / 48
 4209 – General Purpose Byte I/O Port
 4211 – General Purpose Byte I/O Port
 4265 – Programmable General Purpose I/O Device
 4269 – Programmable Keyboard Display Device
 4289 – Standard Memoria Interface for MCS-4/40
 4308 – 8192-bit (1024 × 8) ROM com 4-bit I/O Ports
 4316 – 16384-bit (2048 × 8) Static ROM
 4702 – 2048-bit (256 × 8) EPROM
 4801 – 5.185 MHz Clock Generator Crystal for 4004/4201A ou 4040/4201A

3.5.2 Os processadores de 8-bits

Família MCS-48:

 8020 – Single-Component 8-bit Microcontroller


 8021 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8022 – Single-Component 8-bit Microcontroller With On-Chip A/D Converter
 8035 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8039 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8040 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8041 – Universal Peripheral Interface 8-bit Slave Microcontroller
 8641 – Universal Peripheral Interface 8-bit Slave Microcontroller
 8741 – Universal Peripheral Interface 8-bit Slave Microcontroller
 8042 – Universal Peripheral Interface 8-bit Slave Microcontroller
 8742 – Universal Peripheral Interface 8-bit Slave Microcontroller
 8243 – Input/Output Expander
 8048 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8048 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8748 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8048 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8049 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8749 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8050 – Single-Component 8-bit Microcontroller

Família MCS-48:

 8020 – Single-Component 8-bit Microcontroller


 8021 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8022 – Single-Component 8-bit Microcontroller With On-Chip A/D Converter
 8035 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8039 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8040 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8041 – Universal Peripheral Interface 8-bit Slave Microcontroller

19 / 48
 8641 – Universal Peripheral Interface 8-bit Slave Microcontroller
 8741 – Universal Peripheral Interface 8-bit Slave Microcontroller
 8042 – Universal Peripheral Interface 8-bit Slave Microcontroller
 8742 – Universal Peripheral Interface 8-bit Slave Microcontroller
 8243 – Input/Output Expander
 8048 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8048 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8748 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8048 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8049 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8749 – Single-Component 8-bit Microcontroller
 8050 – Single-Component 8-bit Microcontroller

Família MCS-151:

 80151 – High Performance 8-bit Control-Oriented Microcontroller


 83151 – High Performance 8-bit Control-Oriented Microcontroller
 87151 – High Performance 8-bit Control-Oriented Microcontroller
 80152 – High Performance 8-bit Control-Oriented Microcontroller
 83152 – High Performance 8-bit Control-Oriented Microcontroller

Família MCS-251:

 80251 – 8/16/32-bit Microcontroller


 80252 – 8/16/32-bit Microcontroller
 80452 – 8/16/32-bit Microcontroller
 83251 – 8/16/32-bit Microcontroller
 87251 – 8/16/32-bit Microcontroller
 87253 – 8/16/32-bit Microcontroller

Família MCS-96:

 8094 – 16-bit Microcontroller (48-Pin ROMLess Without A/D)


 8095 – 16-bit Microcontroller (48-Pin ROMLess With A/D)
 8096 – 16-bit Microcontroller (68-Pin ROMLess Without A/D)
 8097 – 16-bit Microcontroller (68-Pin ROMLess With A/D)
 8394 – 16-bit Microcontroller (48-Pin With ROM Without A/D)
 8395 – 16-bit Microcontroller (48-Pin With ROM With A/D)
 8396 – 16-bit Microcontroller (68-Pin With ROM Without A/D)
 8397 – 16-bit Microcontroller (68-Pin With ROM With A/D)
 8794 – 16-bit Microcontroller (48-Pin With EROM Without A/D)
 8795 – 16-bit Microcontroller (48-Pin With EROM With A/D)
 8796 – 16-bit Microcontroller (68-Pin With EROM Without A/D)
 8797 – 16-bit Microcontroller (68-Pin With EROM With A/D)
 8098 – 16-bit Microcontroller
 8398 – 16-bit Microcontroller

20 / 48
 8798 – 16-bit Microcontroller
 80196 – 16-bit Microcontroller
 83196 – 16-bit Microcontroller
 87196 – 16-bit Microcontroller
 80296 – 16-bit Microcontroller

Família 3000:

 3001 – Microcontrol Unit


 3002 – 2-bit Arithmetic Logic Unit slice
 3003 – Look-ahead Carry Generator
 3205 – High-performance 1 Of 8 Binary Decoder
 3207 – Quad Bipolar-to-MOS Level Shifter and Driver
 3208 – Hex Sense Amp and Latch for MOS Memories
 3210 – TTL-to-MOS Level Shifter and High Voltage Clock Driver
 3211 – ECL-to-MOS Level Shifter and High Voltage Clock Driver
 3212 – Multimode Latch Buffer
 3214 – Interrupt Control Unit
 3216 – Parallel,Inverting Bi-Directional Bus Driver
 3222 – Refresh Controller for 4K NMOS DRAMs
 3226 – Parallel, Inverting Bi-Directional Bus Driver
 3232 – Address Multiplexer and Refresh Counter for 4K DRAMs
 3242 – Address Multiplexer and Refresh Counter for 16K DRAMs
 3245 – Quad Bipolar TTL-to-MOS Level Shifter and Driver for 4K
 3246 – Quad Bipolar ECL-to-MOS Level Shifter and Driver for 4K
 3404 – High-performance 6-bit Latch
 3408 – Hex Sense Amp and Latch for MOS Memories
 3505 – Next generation processor

Família MCS-86:
 8086
 8088
 80186
 80188
 80286

3.5.3 Processadores de 32-bits

Família x86:
 iAPX 432

21 / 48
 i960/80960
 i860/80860

Família 80386:
 80386DX
 80386SX
 80376
 80386SL
 80386EX

Família 80486:
 80486DX
 80486SX
 80486DX2
 80486SL
 80486DX4

Família Microarquitectura P5:


 Pentium
 Pentium MMX

Família Microarquitectura P6/Pentium M:


 Pentium Pro
 Pentium II
 Celeron (base Pentium II)
 Pentium II Xeon
 Pentium III
 Pentium II / III Xeon
 Celeron (base Pentium III)
 Pentium 4
 Itanium
 Xeon (base P IV)
 Itanium 2
 Celeron (base Pentium III)
 Pentium M
 Celeron M
 Intel Core
 Dual-Core Xeon LV

Família Microarquitectura NetBurst:


 Pentium 4
 Itanium
 Xeon
 Itanium 2
 Mobile Pentium 4-M
 Pentium 4 EE

22 / 48
 Pentium 4E
 Pentium 4F

3.5.4 Processadores de 64-bits

Família IA-64:
 Itanium
 Itanium 2

Família Microarquitectura NetBurst:


 Pentium 4F
 Intel Pentium D
 Intel Pentium Extreme Edition
 Intel Xeon

Família Intel 64 – Core:


 Intel Xeon
 Intel Core 2
 Pentium Dual-Core
 Celeron
 Celeron M

Família Microarquitectura Nehalem:


 Intel Pentium
 Intel Core i3
 Intel Core i5
 Intel Core i7
 Intel Xeon

Família Microarquitectura Intel 64 – Sandy Bridge/Ivy Bridge:


 Intel Celeron
 Intel Pentium
 Intel Core i3
 Intel Core i5
 Intel Core i7

3.6 Arquiteturas RISC/CISC

3.6.1 RISC

Processadores com menos instruções; essas instruções são mais simples (podendo ser executadas
em um ciclo de clock).

23 / 48
3.6.2 CISC

Processadores com mais instruções; essas instruções são mais complexas.

3.7 Coprocessadores Matemáticos

O coprocessador matemático, ou, mais corretamente, unidade de vírgula flutuante ou FPU


(Floating Point Unit), é dedicado à execução de funções ou operações matemáticas com números de
vírgula flutuante. Um número de vírgula flutuante é aquele que não é inteiro. Os números inteiros e os
dados representados por números inteiros são processados por um outro componente do processador, a
Unidade Aritmética e Lógica.
Desde o 486DX que o coprocessador matemático passou a ser uma parte integrante do
processador, excepção feita ao 486SX. Nos processadores anteriores ao 486, as operações de vírgula
flutuante eram executadas pela unidade aritmética e lógica, excepto nos casos em que o PC possuía um
coprocessador matemático externo para a execução dessas operações. O coprocessador trabalhava
também com o processador para aumentar a performance de aplicações com cálculo matemático
intensivo.

3.8 Memória Cache

Memória CACHE é uma memória de alta performance (SRAM) colocada logicamente entre o
processador e a memória RAM por forma a aumentar a performance do sistema.
A memória cache surgiu quando percebeu-se que as memórias não eram mais capazes de
acompanhar o processador em velocidade, fazendo com que muitas vezes ele tivesse que ficar
"esperando" os dados serem liberados pela memória RAM para poder concluir suas tarefas, perdendo
muito em desempenho. Se na época do 386 a velocidade das memórias já era um fator limitante, imagine
o quanto este problema não atrapalharia o desempenho dos processadores que temos atualmente. Para
solucionar este problema, começou a ser usada a memória cache, um tipo ultra-rápido de memória que
serve para armazenar os dados mais frequentemente usados pelo processador, evitando na maioria das
vezes que ele tenha que recorrer à comparativamente lenta memória RAM. Sem ela, o desempenho do
sistema ficará limitado à velocidade da memória, podendo cair em até 95%!. São usados dois tipos de
cache, chamados de cache primário, ou cache L1 (level 1), e cache secundário, ou cache L2 (level 2). O
cache primário é embutido no próprio processador e é rápido o bastante para acompanhá-lo em
velocidade. Sempre que um novo processador é desenvolvido, é preciso desenvolver também um tipo
mais rápido de memória cache para acompanhá-lo. Como este tipo de memória é extremamente caro
(chega a ser algumas centenas de vezes mais cara que a memória RAM convencional) usamos apenas
uma pequena quantidade dela. Para complementar, usamos também um tipo um pouco mais lento de
memória cache na forma do cache secundário, que por ser muito mais barato, permite que seja usada
uma quantidade muito maior.

24 / 48
3.9 Clock Interno

O Clock Generator que fornece sinais de clock multifase que coordenam o microprocessador e os
periféricos. Este dispositivo produz um sinal (relógio) de alta frequência. Como exemplo, no IBM PC
original este relógio era de 14.31818 MHz, e o microprocessador 8086 da Intel trabalhava internamente
a 4.77 MHz (1/3 da frequência base). Presentemente os microprocessadores já trabalham com
frequências de clock dezenas/centenas de vezes superiores.

3.10 Instalação e configuração do Processador

 PASTA TÉRMICA - A pasta é aplicada na superfície de contacto entre dissipador e processador, substituindo as
nas irregularidades da superfície.
- A pasta térmica é um composto baseado geralmente em silicone;
- Em alguns compostos pode haver partículas de prata ou cobre, que estão entre os metais de maior coeficiente
de condutividade térmica;
 O QUE É PRECISO?
– Processador;
– Ventilador; - Slot(s) de processador;
- Uma chave de fendas;
- Pulseira anti-estática-Manual da Motherboard;
- Também é preciso saber qual tipo socket para o processador;
 PASSO 1 - Colocar a Motherboard num local apropriado (bancada ou mesa) e localizar o socket;
 PASSO 2 - A alavanca deve estar em uma posição totalmente levantada antes que o processador possa ser
instalado;
 PASSO 3 - O processador deve ser posicionado de modo que os pinos de socket e processador coincidam;
 PASSO 4 - Não deve ser necessária muita força para se instalar o processador.Se a instalação do processador
exigir um pouco mais de força, isso significará que alguma coisa está errada;
 PASSO 5 - O processador é instalado e a alavanca é baixada de forma a travar o processador no lugar correto;
 PASSO 6 - Remover a película, de forma a instalar imediatamente o dissipador de calor;
 PASSO 7 - Colocar o dissipador de calor de forma que fique centralizado e sobre o processador;
 PASSO 8 - Prender as presilhas do dissipador de calor empurrando para baixo com a ajuda de uma chave de
fendas;
 PASSO 9 - Após a instalação do dissipador de calor, a etapa seguinte é ligar a ventoinha a alimentação (CPU
FAN);

4 – Memórias

Memória é um termo genérico usado para designar as partes do computador ou dos dispositivos
periféricos onde os dados e programas são armazenados. Sem uma memória de onde os processadores
podem ler e escrever informações, não haveria nenhum computador digital de programa armazenado.

25 / 48
O computador só pode identificar a informação através de sua restrita capacidade de distinguir
entre dois estados, por exemplo, algo está polarizado num sentido ou está polarizado no sentido oposto.
A uma dessas opções o computador associa o valor 1, e ao outro estado, o valor 0.
Os dígitos 0 e 1 são os únicos elementos do sistema de numeração de base 2, sendo então
chamados de dígitos binários, ou abreviadamente, bit. Entenda-se por bit a unidade básica de memória,
ou seja, a menor unidade de informação que pode ser armazenada num computador.
A memória do computador pode ser dividida em duas categorias:
 Principal: de acesso mais rápido, mas de capacidade mais restrita. Armazena informações
temporariamente durante um processamento realizado pela UCP.
 Secundária: de acesso mais lento, mas de capacidade bem maior. Armazena grande conjunto de dados
que a memória principal não suporta.

4.1 RAM VS. ROM VS. CACHE

Memória RAM– É um tipo de memória essencial para o computador, sendo usada para guardar dados e
instruções de um programa. Tem como características fundamentais, a volatilidade, ou seja, o seu
conteúdo é perdido quando o computador é desligado; o acesso aleatório aos dados e o suporte à leitura
e gravação de dados, sendo o processo de gravação um processo destrutivo e a leitura um processo não
destrutivo. Existem dois tipos básicos de memória RAM, RAM Dinâmica e RAM Estática.
Dinâmica - Esta é uma memória baseada na tecnologia de capacitores e requer a atualização periódica do
conteúdo de cada célula do chip consumindo assim pequenas quantidades de energia, no entanto possui
um acesso lento aos dados. Uma importante vantagem é a grande capacidade de armazenamento
oferecida por este tipo de tecnologia.
Estática - É uma memória baseada na tecnologia de transistores e não requer atualização dos dados.
Consome mais energia (o que gera mais calor) comparando-se com a memória dinâmica sendo
significativamente mais rápida. É frequentemente usada em computadores rápidos. Possui uma
capacidade de armazenamento bem menor que a memória dinâmica.
Vantagens Desvantagens
Barata Necessita de Atualização
RAM Dinâmica Baixo Consumo Lenta
Alta Densidade
Rápida Mais cara
RAM Estática Não necessita de atualização Consome Mais Energia
Baixa Densidade

Vídeo RAM- É uma área especializada da memória RAM onde a CPU compõe, detalhadamente, a imagem
mostrada no monitor. É especialmente organizada para manipular tanto a qualidade de apresentação
quanto a cor. O buffer de vídeo inicia com 640K, mas seu tamanho e sua localização na memória depende
do tipo de modo de vídeo em uso.
Os modos de vídeo são: modo texto e modo gráfico. No modo texto, a CPU usa um conjunto de bytes do
buffer de vídeo para prescrever que conjunto de bytes do buffer de vídeo para prescrever que caractere

26 / 48
aparecerá, em que posição da tela e com que cor. No modo gráfico, a CPU deve especificar o valor da cor
de cada pixel ou ponto do ecrã. O Adaptador de vídeo encarrega-se de formar os caracteres.
Memória ROM- É um tipo de memória que contém instruções imutáveis, nela estão localizadas rotinas
que inicializam o computador quando este é ligado; É não-volátil, ou seja, os dados não são perdidos com
a ausência de energia; É também de acesso aleatório. Alguns dos tipos de memória ROM são: EPROM e
EEPROM.
EPROM- É um tipo de ROM especial que pode ser programada pelo usuário. Seu conteúdo pode ser
apagado pela exposição a raios ultravioletas.
EEPROM- É também um tipo especial de ROM muito semelhante á EPROM, tendo como diferença apenas
o fato de que seu conteúdo é apagado aplicando-se uma voltagem específica em um dos seus pinos de
entrada.
Memória Cache - É uma memória de alta velocidade que faz a interface entre o processador e a memória
do sistema.
A memória RAM dinâmica é frequentemente usada em computadores modernos. Isto, é devido a
características como: Baixo consumo, Chips de alta densidade, e baixo custo. No entanto, é uma memória
lenta não podendo assim suportar processadores velozes. Quando um processador requer dados da
memória, ele espera recebê-los num tempo máximo. Isto é chamado ciclo de clock.
Para usar uma memória dinâmica lenta com um processador rápido é necessário um Hardware extra
(chamado de memória cache) que fica entre o processador e a memória.
Todos os acessos da memória pelo processador são alimentados pelo sistema de cache. Ela compreende
um comparador de endereços que monitora as requisições do processador, alta velocidade da RAM
estática e chips extras de Hardware.
O sistema de cache inicia tentando ler tantos dados da memória dinâmica quanto possível e guarda-os
em sua memória estática de alta velocidade (ou cache). Quando requisições do processador chegam, ela
checa se os endereços requisitados são os mesmos dos que já foram lidos da memória, caso seja, os dados
são enviados diretamente da cache para o processador, caso contrário, ela permite que o processador
aceda à memória principal (o processador realiza este acesso lentamente).Então o sistema de cache
atualiza seu conteúdo com o que foi lido da memória pelo processador e tenta ler tantos dados quanto
possível antes que a próxima requisição do processador chegue.
Quando o sistema de cache atende a uma requisição do processador, é chamado cache hit. Se o
sistema de cache não atende a uma requisição do processador, é chamado cache miss.

4.2 Tecnologias das memórias RAM

 Memórias DRAM regulares;


 Memórias FPM (FAST PAGE MODE);
 Memórias EDO (EXTENDED DATA OUTPUT);
 Memórias BEDO (BURST EXTENDED DATA OUTPUT RAM);
 Memórias SDRAM (SYNCHRONOUS DYNAMIC RAM);
 Memórias RDRAM (Rambus DRAM);
 Memórias VRAM (Vídeo RAM);
 Memórias SRAM (Static RAM).

27 / 48
4.2.1 DRAM – Dynamic RAM

 Primeiro tipo de memória usadas em PC’s;


 O acesso é feito enviando primeiro o endereço RAS e em seguida o endereço CAS, da forma mais simples
possível;
 Foi fabricado com velocidades de acesso a partir de 150 nano segundos, mais do que suficientes para suportar o
BUS de 4,77 MHz do PC original;
 Foram desenvolvidas posteriormente versões de 120, 100 e 80 nano/s para serem utilizadas em pc’s 286.
 Constituídas basicamente por transístores e condensadores (sendo estes últimos que lhe conferem as
características próprias, exigindo o chamado refreshing ou alimentação eletrónica, o que as torna mais lentas).

4.2.2 FPM – FAST PAGE MODE

 Não é preciso enviar o endereço RAS e CAS para cada bit a ser lido, mas simplesmente enviar o endereço RAS
(linha) uma vez e em seguida enviar vários endereços CAS (coluna).
 FPM conseguem ser cerca de 30% mais rápidas que as memórias regulares
 Foram utilizadas em pc’s 386, 486 e nos primeiros Pentium.
 FPM na forma de pentes SIMM de 30 ou 72 vias e com velocidades de acesso de 80, 70 e 60 nano/s, sendo as de
70 nano/s as mais comuns.

4.2.3 EDO – EXTENDED DATA OUTPUT

 As memórias EDO foram criadas em 94.


 Modo de acesso é semelhante ao FPM, mas um acesso aos dados pode ser iniciado antes que o anterior
termine, permitindo um aumento significativo da velocidade dos acessos.
 São fabricados em velocidades de 70, 60 e 50 nanos, com predominância dos módulos de 60 nanos.
 As memórias EDO são encontradas em módulos de 72 vias, existindo também alguns casos raros de memórias
EDO na forma de módulos DIMM.

4.2.4 BEDO – BURST EXTENDED DATA OUTPUT RAM

 Permitem acessos mais rápidos do que as anteriores.


 O custo de produção das memórias BEDO é praticamente o mesmo das memórias EDO e FPM.
 O maior impedimento à popularização das memórias BEDO foi a falta de suporte por parte dos chipsets Intel,
que suportavam apenas memórias EDO e SDRAM.

28 / 48
4.2.5 SDRAM – SYNCHRONOUS DYNAMIC RAM

 Os chips SDRAM são construídos em múltiplos e independentes blocos de acesso, proporcionando acesso de um
segundo bloco antes do fim de processamento do primeiro.
 Possui tempo de acesso basicamente de 6 a 15ns e possibilita comunicação com barramento de 100MHz, ao
contrário das FPRAM de 33MHz e das EDORAM de 66MHz.
 As memórias SDRAM, são capazes de trabalhar sincronizadas com os ciclos da placa mãe, sem tempos de espera
(uma leitura por ciclo).
 Não necessita esperar o tempo de leitura de memória para que os dados estejam garantidamente disponíveis.
Funcionam de uma forma sincronizada com os ciclos da placa mãe.
 Uma memória SDRAM com tempo de acesso de 12 nano/segundos consegue ser cerca de 30% mais rápida que
uma memória EDO de 60 nano/s num BUS de 66 MHz

4.2.6 RDRAM – Rambus DRAM

 Visa diminuir o tempo de espera do sistema.


 Esta memória pode trabalhar até 1333 MHz.
 Atualmente são utilizadas apenas em algumas máquinas de jogos e em aplicações gráficas muito intensivas.
 Esse tipo de memória é vendido em um módulo chamado RIMM (Rambus In-line Memory Module).

4.2.7 Formato das Memórias DRAM

4.2.8 VRAM – VÍDEO


RAM

 Utilizada
antigamente nas placas
gráficas e de vídeo.
 Possui uma
tecnologia que lhe
permite escrever e ler
informação
simultaneamente.
 Estão a ser
substituídas por
memórias com a
tecnologia DDR3 e
DDR4 devido ao

29 / 48
aumento da velocidade da tecnologia DDR.

4.2.9 SRAM – STATIC RAM

 São constituídas fundamentalmente por circuitos "flip-flop" (apenas transístores)


 Mais rápidas do que as DRAM (Tempo de acesso mais rápido)
 Mais caras do que as DRAM
 Não necessitam de refrescamento (acesso periódico para manutenção de dados).
 Por ser dispendiosa é utilizada apenas para memória cache: L1 ou L2.

4.3 Instalação das Memórias

1. Descubra que tipo de memória RAM o seu computador requer;


2. Verifique quantos sockets você tem para a memória RAM;
3. Veja as opções;
4. Faça a compra;
5. Desligue o computador;
6. Abra a caixa do computador;
7. Descarregue a eletricidade estática;
8. Localize seus slots de memória;
9. Remova a memória antiga;
10. Tire a sua nova memória da embalagem de proteção;
11. Insira a nova memória no slot;
12. Aproveite para remover algum pó que exista dentro da caixa do computador;
13. Feche o computador;
14. Ligue o computador;
15. Verifique a RAM no Windows;

5 – Disco Rígido e CD-ROM

5.1 Disco Rígido

O HD, Hard disk ou disco rígido, é um componente de hardware do computador. Sua utilidade é o
armazenamento de dados. Isto significa que quando algum arquivo é armazenado, ele não se perde com o
desligamento da máquina (como acontece com a memória RAM).

30 / 48
5.1.1 Composição de um Disco Rígido

 Platters: destinados a armazenar informação


 Spindell motor: motor de rotação dos discos.
 Heads: dispositivos eletromagnéticos de leitura e
escrita.
 Arms: Suportam as Heads.
 Actuator: Dispositivo que está mecanicamente
conectado a um único assembley e
posicionado sobre a superfície do disco.
 Logic Board: Controla a atividade dos outros
componentes e comunica com o resto do PC.

Cada superfície de um platter (prato) contêm biliões


de dados individuais. Estes estão organizados e
permitem um acesso rápido à informação. Cada platter
tem duas heads (cabeças), uma no topo e outra em
baixo. Logo, um disco com 3 platters tem 6 superfícies e 6 heads. Cada platter contêm informação
armazenada em círculos, que se chamam tracks (trilhas). Cada track é repartido em pequenas peças
designados por Sector´s (sectores). Cada sector contêm 512 bytes de informação. Um cilindro entende-se
como sendo o conjunto de sectores dos diferentes pratos que estão no mesmo enfiamento, visto de cima.

5.1.2 Leitura de dados do Disco

O que é que acontece no disco quando se lê uma parte de informação?


 O primeiro passo consiste em aceder ao disco para verificar onde procurar a informação. Esse processo poderá
ser efetuado pelo sistema operativo, pela BIOS, pela aplicação ou por qualquer controlador.
 A localização no disco, pressupõem vários tipos de traduções até que sejam expressos de forma geométrica.
Essa geometria é normalmente expressa em termos de cilindros, cabeças e sectores.
 O pedido é enviado para o controlador do disco através do seu endereço, questionando qual o sector que
deverá ler.
 O controlador do disco rígido vai verificar se a informação pedida está presente no buffer interno do disco (ou
cache). Se estiver presente, o controlador fornece a informação de forma imediata sem ler a superfície do disco.
 Na maioria dos casos, o disco já se encontra a rodar. Mas, se não estiver, o controlador do disco ativa o motor.
 O controlador interpreta o endereço e executa as traduções que consideram necessárias. O programa do disco,
verifica o número final do cilindro requisitado e este indica ao disco qual a trilha e superfície que deverá
observar.
 A placa lógica dá indicações ao actuator para mover as cabeças de leitura/ escrita na trilha correta.
 Quando as cabeças estão na posição correta, o controlador ativa a cabeça especifica para a posição correta.
 A cabeça começa a ler a trilha, procurando o sector que foi pedido. Ela espera que o disco rode para o número
correto.

31 / 48
 O controlador da placa lógica, coordena a informação a partir do disco para o buffer. Este envia a informação
para a memória do sistema.

5.1.3 Comparação de Discos

É possível comparar os discos analisando o seguinte conjunto de características físicas,


habitualmente referidas nas respetivas especificações técnicas:
 A velocidade de rotação (4200 rpm a 15000 rpm)
 Tempo médio de acesso (5 a 15 ms)
 Tamanho do disco (5,25”, 3,5” e 2,5”)
 Memória disponível, normalmente designada por Buffer
 Garantia

5.1.4 Tecnologias e Barramentos

MFM:
 Usado atualmente nas disquetes
 Velocidades até 5 Mbit/s, posteriormente 7,5 Mbit/s

IDE/ATA
 Versão mais recente: UDMA/133, a 133 MB/s
 Velocidade de rotação <= 10.000 rpm
 Tempos médios de acesso na ordem dos 9 ms.
 Configurações master/slave

SCSI
 Custo de implementação superior ao IDE/ATA
 Mais eficiente e robusta que o IDE/ATA

Serial ATA
 Introduzido no mercado no fim de 2002
 Cada disco dispõe de um canal exclusivo de comunicações (aboliu o funcionamento em master/slave)
 Envio e receção de informação em simultâneo, com velocidades superiores a 150 MB/s

Fibre Channel
 Interface de ligação a discos mas também a outros periféricos
 Frequentemente usado para ligar discos SCSI a controladoras RAID, e controladoras RAID a uma rede

32 / 48
 Velocidades entre os 106 MB/s e os 1.060 MB/s

5.1.5 Instalação/Substituição de um Disco Rígido

 Desligue o computador e desconecte todos os cabos


 Remova a tampa
 Remova a unidade antiga
 Prepare e conecte a unidade de substituição
 Ligue o computador e formate a unidade

5.2 CD-ROM

Leitor de CD, cuja função é converter as variadas intensidades de luz em íons elétricos, os quais se
amplificam. A capacidade de armazenamento mais comum é de 700 Megabytes, porém existem outros
tipos de Cd's com 550MB, 650MB, 800MB, 900MB e até 2GB de memória. A velocidade do leitor do CD-
ROM é um fator muito importante, quanto mais veloz for a rotação do disco, mais eficiente será a
transmissão de dados para o computador. Os primeiros leitores de CD-ROM possuíam uma taxa média de
150KB/s, chamados de velocidade simples (1X), atualmente os drivers tem capacidade para ler 56X mais.
Para verificar qual a taxa de transferência do leitor, é preciso multiplicar o numeral 150 pela velocidade
da drive.
5.2.1 Capacidade

Max tam Dados, Max tam dados,


Tipo Tempo Sectores
bytes MB
Mini CD 21 A 25
94 500 193 536 000 184.6 MB
200MB minutos
"550MB" 63 minutos 283 500 580 608 000 553.7 MB

"650MB" 74 minutos 333 000 681 984 000 650.3 MB

"700MB" 80 minutos 360 000 737 280 000 703.1 MB

"800MB" 90 minutos 405 000 829 440 000 791.0 MB

"900MB" 99 minutos 445 500 912 384 000 870.1 MB

5.2.2 Instalação/Substituição da Unidade de CD-ROM

 Desligue o computador e desconecte todos os cabos

33 / 48
 Remova a tampa
 Remova a unidade antiga
 Prepare e conecte a unidade de substituição

6 – Bus/Barramento

Bus é um conjunto de condutores elétricos num computador que permite a comunicação entre
vários componentes do computador, tais como, o CPU, memória, unidades I/O.
Que sinais existem no barramento?
 Dados
 Relógio
 Endereços
 Sinais de controlo

Bus standard (protocolo do barramento) é um conjunto de regras que gerem como serão
efetuadas as comunicações no barramento.
São geralmente caracterizados pela largura de banda, quantificada em bits, e pela frequência a que
funciona.

6.1 Tipos de Barramentos

6.1.1 Barramentos de endereços

Conjunto de linhas (ligações físicas) que transportam o endereços das células de memória ou dos
portos de I/O (unidirecional).

34 / 48
6.1.2 Barramentos de dados

Conjunto de linhas (ligações físicas) por onde se transporta a informação digital binária
(instruções, dados, resultados) entre o CPU, memória e I/O (bidirecional).
A largura do bus de dados é dado pelo número de linhas do bus ou pelo numero de bits,
“tamanho”, do microprocessador.

6.1.3 Barramentos de memória

 São pequenos
 Operam em alta velocidade
 São em geral conectados diretamente à CPU para maximizar a largura de banda entre memória e CPU
(bandwidth).

Evolução do FSB (Front Side Bus)

Evolução dos barramentos da memória principal

35 / 48
6.1.4 Barramentos de E/S (I/O)

São em geral barramentos de ordem geral, permitindo que vários dispositivos diferentes possam ser
conectados.
Características:
 Podem ser longos.
 Podem ter diferentes tipos de dispositivos conectados a ele.
 São, em geral, mais lentos que os barramentos de memória.

6.2 Tipos de barramentos de dados

 ISA bus
 MCA
 EISA bus
 VL Local bus
 PCI bus
 AGP
 PCIe

Barramento convencional

36 / 48
6.2.1 ISA Bus

ISA bus - Industry Standard Architecture


Lançado por volta de 1984 pela IBM no PC-AT, o barramento ISA tornou-se um barramento padrão
utilizado por todos os fabricantes de clones IBM na época.
Características:
 Conecta CPU, memória e dispositivos de E/S
 Barramento de 16 bits (2 bytes)
 Frequência de operação de 8 MHz
 Taxa de 8MB/s (dois pulsos de clock por transação de modo a manter compatibilidade com o
barramento do PC-XT, o XT-bus, que era de 8 bits)
 Permite mais de um mestre mas de forma precária
 Extensões => Plug-and-Play ISA

6.2.2 MCA Bus

 MCA (Micro-Channel Architecture)


 Desenvolvido com o surgimento dos processadores 386
 Os dados são transmitidos em 32 bits
 2.5 vezes mais rápido que o ISA de 16 bits
 Desenvolvido pela IBM
 Alto custo
 Incompatibilidade com o ISA
 Arquitetura fechada

6.2.3 EISA Bus

EISA bus - Extended ou Enhanced ISA


Desenvolvido por volta de 1987 por 9 concorrentes da IBM, para melhorar a performance e competir
com o barramento MCA (Micro-Channel Architecture) lançado pela IBM.

37 / 48
Características:
 Compatível com ISA
 Extensão para 32 bits de dados (4 bytes)
 Relógio de 8 MHz
 Taxa de 32MB/s (1 pulso de clock por transação)

6.2.4 VL - VESA Local Bus

VL Bus -VESA (Video Electronics Standards Association) - 1992


CPU 80486 (33 MHz) e dispositivos de alta performance (ex. placa gráfica) em barramento(E)ISA =>
gargalo
Características:
 Barramento conectado diretamente à CPU => velocidade do barramento = velocidade da CPU.
 Dependente do tipo de CPU usado (80486)
 32 bits no barramento de dados.
 Suporta apenas 2 cartões => outras expansões devem ser feitas via barramento ISA ou EISA.

Características genéricas dos barramentos de expansão mais antigos

6.2.5 PCI Bus

PCI Bus

(Peripheral Component Interconnect)


Definido pela Intel para estabelecer um padrão de barramento de alta performance que permitisse
diferenciações na implementação.
Características:
 Arbitragem centralizada
 32 ou 64 bits, 33 MHz (ou 66MHz, na versão 2.1).
 Dados e endereços são multiplexados.
 133 MB/s (4 bytes x 33MHz) até 533 MB/s (8 bytes x 66 MHz)
 Cada controlador permite cerca de 4 dispositivos Plug-and-Play

38 / 48
Características dos barramentos da família PCI

6.2.6 AGP Bus

AGP Bus (Advanced Graphics Port);


Desenvolvido para as placas gráficas mais modernas (3D) (em 1997) e processadores Pentium II;
2x mais rápido que o PCI;
Permite a placa gráfica aceder diretamente a memória para armazenar texturas sem que os dados
passem pelo processador;
Velocidade de 533 Mhz com taxa máxima de transferência de 2,1 GB/s;

Características principais do barramento AGP

6.2.7 USB Bus

USB (Universal Serial Bus)


Interface externa USB fornece uma comunicação serial de 12 Mbps (480 Mbps na versão 2.0)
 apenas sobre uma conexão de 4 fios

Um único porto USB pode ser usado para conectar até 127 periféricos, tal como ratos, modems, teclados,
scanners, câmaras.
USB atende às especificações Plug and Play da Intel
 inclusive de poder conectar os dispositivos com a máquina ligada e sem precisar reiniciá-las

39 / 48
Fornece alimentação aos periféricos
 USB verifica quais os requisitos de energia requeridos pelos periféricos e avisa se estes dispositivos excederem
os limites

6.2.8 Firewire (IEEE 1394)

Firewire (IEEE 1394)


Barramento série padrão extremamente rápido que suporta taxas de transferência de dados de até 400
Mbps
Um único porto pode ser usado para conectar até 63 dispositivos externos
Suporta Plug-and-Play
Suporta dados isócronos
 transmitindo dados com uma taxa garantida
 ideal para dispositivos que necessitam altas taxas de transferência em tempo-real, tal como dispositivos de
vídeo

Embora muito rápido, o 1394 é muito caro


 é esperado ser usado mais frequentemente por dispositivos que necessitam de taxas altas, como câmaras de
vídeo

6.2.9 PCMCIA

PCMCIA – Personnal Computer Card Interface Adapter


Utilizado em portáteis
Arquitetura de 32 bits com velocidade máxima de 33 MHz e transferência máxima de 132 MB/s.
Foi substituído pelo ExpressCard (2003-2006)
Tem velocidade de 2,5 Gbps sobre PCI Express e 480 Mbps sobre USB 2.0, dedicados para cada slot

6.2.10 PCI Express

Barramento ponto a ponto;


Cada periférico possui um canal exclusivo de comunicação com o chipset;
O PCI Express é também um barramento série e não paralelo, como o PCI;
O barramento PCI Express existe em várias versões, 1X, 2X, 4X, 8X, 12X, 16X e 32X;
Permitindo obter débitos compreendidos entre 250 Mb/s. e. 8 Gb/s, ou seja, quase 4 vezes o débito
máximo das portas AGP 8X.
Com um custo de fabrico similar ao da porta AGP,

40 / 48
Figura 1 -Slots PCI Express

6.2.11 Barramentos Futuros


PCI Express 2.0
 Velocidade 500MB/s (1x). 8x no PCI Express 2.0 corresponde a 16x no PCI Express.

USB 3.0
 Velocidade 4,8 Gbps (10x a USB 2.0)

Express Card 2.0


 Velocidade de cerca de 5 Gbps (sobre USB 3.0)

7 – Portas de Comunicação

7.1 Portas de comunicação RS232C

 As portas série (portas COM) são portas de comunicações, que transmitem e recebem informações em série, bit
a bit.
 É um processo mais lento do que as comunicações pela porta paralela.
 A vantagem destas portas, reside no facto de na versão mais simples serem apenas utilizadas três linhas para o
exterior. Uma linha terra, uma linha para transmitir e outra para receber.
 A porta é conhecida por RS-232C e tem dois protocolos de comunicação em série: o V-24 para comunicações
assíncronas, e o V-28 para todas as especificações do RS-232c;

FICHAS DE LIGAÇÃO E SINAIS DE PROTOCOLO


De pois do modelo standard foram implementadas mais 17 linhas, as mais importantes são
exemplificadas na tabela seguinte.

Linhas Básicas da Porta RS-232C


41 / 48
Linha Abreviatura Função Ficha Db 9 Ficha Db 25
Linha de
Transmited Data TxD transmissão de 3 3
dados
Linha de
Received Data RxD recepção de 2 2
7.2 Portas de
dados comunicação
Pedido de
Request to Send RTS autorização para 7 4
Centronics (Porta
transmitir Paralela)
Autorização de
Clear to Send CTS 8 5
transmissão
O receptor
PORTAS PARALELAS LPT
informa que está
Data Set Ready DSR 6 6 Nas portas
preparado para
receber dados
A unidade está paralelas as
Data Terminal
DTRY activa para as 4 20 comunicações são feitas
Ready
comunicações
Indicador do byte a byte, como é o
Ring Indicator RI 9 22
sinal de chamada
O modem caso da comunicação
informa que
Data Carrier com as impressoras. O
DCD existe portadora 1 8
Detector
na linha
cabo tem de ter mais
telefónica
Linha de terra condutores, visto ser
Signal Ground GND 5 7
lógica
necessário transmitir 8
bits de cada vez.

A utiliza da ROM de Bios é feita com o interrupt 17h que tem só 3 funções

 A função 0, AH =00, envia para a impressora o conteúdo de AL.

 A função 1, AH =01, inicia a impressora.

 A função 2, AH =02, lê o estado da porta.

Comunicações com impressora

Esquema do Cabo da Impressora

Computador Impressora Nome do sinal


pino nº pino nº

1 1 – Strobe (sinal de sincronismo da transferência do byte


para a impressora)

42 / 48
2 2 D0 (linha de dados do bit 0)
O sinal ( – 3 3 D1 (do bit 1)
) antes do
4 4 D2 (do bit 2)
nome do
pino 5 5 D3 (do bit 3)
informa
que o sinal 6 6 D4 (do bit 4)
é activo em 7 7 D5 (do bit 5)
zero, o
sinal 8 8 D6 (do bit 6)
executa a
9 9 D7 (do bit7)
função
quando tem 10 10 – Ack (sinal de retorno da impressora após ter recebido
o valor o byte)
lógico zero. 11 11 – Busy (a impressora está ocupada a escrever)

Quando o 12 12 Pe (impressora sem papel)

computado 13 13 Slct (a impressora informa que está online)

r envia um 14 14 – Auto feed (avanço automático de uma linha)


byte para a 15 32 – Error (erro de transmissão de dados)
impressora 16 31 – Init (inicia a impressora)
(41h, a 17 36 Slct in (coloca a impressora online)
letra A) 18-25 18-25 Gnd (pinos de ligação da terra lógica)
coloca-o no
registo cujo endereço é o da porta seleccionada, 378h no caso da porta LPT1. Seguidamente é gerado um
impulso na linha strobe, para informar a impressora que existe um byte no bus de dados que deve ser guardado.
Após o registo desse byte no buffer, a impressora responde com um impulso na linha Acknowledge (Ack)
informando o computador que o byte foi recebido em boas condições.

43 / 48
Bips de erro no computador

1 Bip Curto - Post Executado com sucesso:


Este é um Bip feliz emitido pelo BIOS quando o POST é executado com sucesso. Caso o seu sistema esteja
inicializando normalmente e você não esteja ouvindo este Bip , verifique se o speaker está ligado à placa mãe
corretamente.

1 Bip longo - Falha no Refresh (refresh Failure) :


O circuito de refresh da placa mãe está com problemas, isto pode ser causado por danos na placa mãe ou falhas
nos módulos de memória RAM

1 Bip longo e 2 bips curtos; 1 Bip longo e 3 bips curtos - Falha no Vídeo:
Problemas com o BIOS da placa de vídeo. Tente retirar a placa, passar borracha de vinil em seus contatos e
recolocá-la, talvez em outro slot. Na maioria das vezes este problema é causado por mau contato.

2 Bips curtos - Falha Geral:


Não foi possível iniciar o computador. Este problema é causado por uma falha grave em algum componente,
que o BIOS não foi capaz de identificar. Em geral o problema é na placa mãe ou nos módulos de memória.

2 Bips longos - Erro de paridade:


Durante o POST, foi detectado um erro de paridade na memória RAM. Este problema pode ser tanto nos
módulos de memória quanto nos próprios circuitos de paridade. Para determinar a causa do problema, basta
fazer um teste com outros pentes de memória. Caso esteja utilizando pentes de memória sem o Bit de paridade
você deve desativar a opção “Parity Check” encontrada no Setup.

3 Bips longos - Falha nos primeiros 64 KB da memória RAM (Base 64k memory failure):
Foi detectado um problema grave nos primeiros 64 KB da memória RAM. Isto pode ser causado por um defeito
nas memórias ou na própria placa mãe. Outra possibilidade é o problema estar sendo causado por um simples
mal contato. Experimente antes de mais nada retirar os pentes de memória, limpar seus contatos usando uma
borracha de vinil (aquelas borrachas plásticas de escola) e recoloca-los com cuidado.

44 / 48
4 Bips Longos - Timer não operacional:
O Timer 1 não está operacional ou não está conseguindo encontrar a memória RAM. O problema pode estar na
placa mãe (mais provável) ou nos módulos de memória.

5 Bips - Erro no processador:


O processador está danificado, ou mal encaixado. Verifique se o processador está bem encaixado, e se por
descuido você não esqueceu de baixar a alavanca do soquete Zif (acontece nas melhores famílias)

6 Bips - Falha no Gate 20 (8042 - Gate A20 failure):


O gate 20 é um sinal gerado pelo chip 8042, responsável por colocar o processador em modo protegido. Neste
caso, o problema poderia ser algum dano no processador ou mesmo problemas relacionados com o chip 8042
localizado na placa mãe.

7 Bips - Processor exception (interrupt error):


O processador gerou uma interrupção de exceção. Significa que o processador está apresentando um
comportamento errático. Isso acontece às vezes no caso de um overclock mal sucedido. Se o problema for
persistente, experimente baixar a freqüência de operação do processador. Caso não dê certo, considere uma
troca.

8 Bips - Erro na memória da placa de vídeo (display memory error):


Problemas com a placa de vídeo, que podem estar sendo causados também por mal contato. Experimente, como
no caso das memórias, retirar a placa de vídeo, passar borracha em seus contatos e recolocar cuidadosamente no
slot. Caso não resolva, provavelmente a placa de vídeo está danificada.

9 Bips - Erro na memória ROM (rom checksum error):


Problemas com a memória Flash, onde está gravado o BIOS. Isto pode ser causado por um dano físico no chip
do BIOS, por um upgrade de BIOS mal sucedido ou mesmo pela ação de um vírus da linhagem do Chernobil.

10 Bips - Falha no CMOS (Motherboard) shutdown register (CMOS shutdown register error):
O chamado de shutdown register enviado pelo CMOS apresentou erro. Este problema é causado por algum
defeito no CMOS. Nesse caso será um problema físico do chip, não restando outra opção senão trocar a placa
mãe.

11 Bips - Problemas com a memória cache (cache memory bad):


Foi detectado um erro na memória cache. Geralmente quando isso acontece, o BIOS consegue inicializar o
sistema normalmente, desabilitando a memória cache. Mas, claro, isso não é desejável, pois deteriora muito o
desempenho do sistema. Uma coisa a ser tentada é entrar no Setup e aumentar os tempos de espera da memória
cache. Muitas vezes com esse “refresco” conseguimos que ela volte a funcionar normalmente.

Mensagem de erro
Uma mensagem de erro normalmente é exibida em computadores ou outros dispositivos quando algo
inesperado ocorre e é necessária a intervenção do utilizador. A mensagem de erro normalmente serve para

45 / 48
indicar que uma operação falhou e dar avisos muito importantes para o utilizador. São difundidas em toda a
computação e são muito importantes na utilização e outras áreas da interação humano-computador.

Mensagens de erro comuns

A popular mensagem de erro conhecida como Ecrã Azul da Morte, apresentada em todos os Sistemas
Operativos Windows. Na imagem, a versão do Windows XP, Vista e 7.

 File not found - O arquivo procurado pode estar danificado, ter sido excluído, movido ou um bug
pode ter causado o erro.
 The device is not ready - Normalmente ocorre quando o sistema tenta executar um disco que não
está inserido na unidade.
 Access is denied - Ocorre se o usuário não tem privilégios suficientes sobre o arquivo ou se este
estiver bloqueado.
 Out of memory - Ocorre quando o computador está tentando carregar um arquivo muito grande
ou não tem espaço suficiente na memória RAM. A solução normalmente é fechar alguns
programas abertos ou obter mais memória.
 Low Disk Space - Ocorre quando o disco rígido está cheio.
 [nome do programa] has encountered a problem and needs to close. We are sorry for the
inconvenience. - Mensagem de erro do Windows XP. Aparece quando um programa causa uma
falha de proteção geral ou falta de página.
 A popular Blue Screen of Death (Ecrã Azul da Morte).

Outras mensagens de erro

 Abort, Retry, Fail? - Termo genérico para a mensagem de erro de todas as versões mais recentes
do MS-DOS e outros sistemas operacionais compatíveis.
 Bad command or file name
 PC LOAD LETTER
 Lp0 on fire
 Not a typewriter
 Error: The operation completed successfully

46 / 48
47 / 48
48 / 48