Você está na página 1de 17

1

Unidade 6: Cases de sucesso em EaD

Conteúdos trabalhados na unidade: Análise de Cases de sucesso em EaD:


olhar para instituições que desenvolvem ensino presencial, ensino
híbrido e exclusivamente virtuais; depoimentos de alunos e
educadores

Cada vez mais podemos perceber que as instituições educacionais tem


oferecido cursos na modalidade EaD e acrescentado às suas grades
curriculares algumas disciplinas ou totalmente em EaD ou híbridas (em que
parte é em EaD, parte presencial).

É uma tendência, daí a necessidade de estudar Didática! Amanhã você poderá


ser um docente em EaD e estará preparado!

Meister (1999) coloca que cada vez mais o capital humano será o fator de
maior pertinência nos contextos empresariais. Assim, cada vez mais os
indivíduos tenderão a buscar melhor formação e a EaD pode ser uma solução
bastante pensada, concorda?

Nessa nova organização que está em constante mudança, sempre se


estruturando e reestruturando, o trabalho e a aprendizagem são
essencialmente a mesma coisa, com ênfase no desenvolvimento da
capacidade do indivíduo de aprender.

Olhe só como a EaD está “na crista da onda”! É através dela que as mudanças
se efetivarão.

Quanto às formas de ensinar e aprender em EaD você já percebeu, pelo que


estudamos nas unidades anteriores, que há uma grande variedade e
flexibilidade, diferente do que ocorre no ensino tradicional presencial.
2

6.1 Análise de Cases de sucesso em EaD

Vamos conhecer algumas dessas iniciativas e saber seus resultados?

a) O grande modelo: a Open University Inglesa – é a Universidade Aberta


inglesa, escola exclusivamente para adultos; fundada em 1969 quando causou
sensação no mundo inteiro por conta de sua concepção especial e maneira de
trabalhar, tendo iniciado suas atividades em 1971 como autônoma e sendo
financiada essencialmente pelo governo visando proporcionar aos adultos uma
segunda chance para adquirirem formação superior; ocupa atualmente o
primeiro lugar entre as doze grandes e internacionalmente conhecidas open
universities.

Fonte: http://www.open.ac.uk/

O propósito era difundir acesso à educação superior e isso especialmente para


pessoas que haviam ficado em desvantagem em termos de educação e que
estavam sub representadas em universidades convencionais.
3

Na Open University os estudantes de graduação tem um tutor que o


acompanha por todo tempo de estudo. Nos cursos de extensão há os pacotes
de estudos sem assessoria de tutores, os quais são recomendados sobretudo
quando o curso não é muito longo e esteja concentrado em apenas um tema
específico (são os short courses).

Os professores que trabalham nesta universidade precisam desenvolver uma


atitude não convencional em sua prática. Elas fazem parte de uma equipe da
qual são especialistas em conteúdos e elaboram programas didáticos também
para o rádio e a TV.

A Open University valoriza, acima de tudo, o aspecto humanista de


seu trabalho. “ela se coloca sem qualquer reserva ao lado do novo
grupo de estudantes, os adultos, que, em consequência de condições
de vida materiais e sociais desfavoráveis, não tiveram a possibilidade
de cursar uma educação secundária normal e um estudo univesritário
subsequente. Ter proporcionado a centenas de milhares deles uma
segunda chance para o estudo universitário dá trestemunho de uma
mentalidade social responsável e um empenho a favor da justiça.
Ambas as coisas são fundamentais na Open University. Essa
mentalidade também se reflete em sua filosofia institucional (Peters,
2001, p. 302).

Quanto à didática do ensino superior e do EaD, como já foi dito, ela foi pioneira,
pois, a forma de estudo que estabeleceu não existia antes nem na Europa nem
em nenhum outro lugar no mundo. Isso ocorreu devido a uma série de
inovações, a saber:

1ª: o uso do rádio e da TV como meios adicionais de transmissão e


apresentação do ensino acadêmico;
4

2ª: o desenvolvimento profissional de materiais de estudo estruturados


impressos por equipes especialmente constituidas para esse fim, integradas
por diversos especialistas;

3ª: o atendimento aos estudantes em um grande número de centros de estudo


regionais e locais. A escola é descentralizada saindo do padrão intramuros;

4ª: a fundação de uma universidade específica para adultos.

O modelo da Open University mantém características que se adequam


perfeitamente às necessidades do século XXI.

Surgiu com ela uma cultura acadêmica de ensino e aprendizagem que diverge
estruturalmente do ensino tradicional praticado até então, sendo aqueles
considerados multidimensionais em seu planejamento. Com ela começou uma
nova era para o EaD.

Componentes do comportamento docente e discente

Comportamento docente Copmportamento discente

Professores: - leitura do material imporesso de


cursos a distância
- colaborar como subject matter - leitura de literatura complementar,
specialistis em course teams selecionada especialmente para os
cursos (Set books)
- experimentação em laboratórios
domésticos
- trabalhar com CD ROMs didáticos
Tutores: - manter contato com o tutor, ao qual
os estudantes estão pessoalmente
5

- atendimento aos telestudantes subordinados, tanto face to face, por


- aconselhar escrito, por telefone, fax, por e-mail
- dirigir atividades face to face - participação em aconselhamentos
- corrigir e avaliar tarefas enviadas - participação em atividades com
presença, tutoriais, seminários
- participação em residential schools
no campus de uma universidade com
presença
- participar do telephone teaching

(Peters, 2001, p.301)

<Saiba mais - início>

Conheça a Open University visitando o endereço eletrônico:


http://www.open.ac.uk/

<Saiba mais - fim>

b) Estudo autônomo: o Empire State College

Merece especial atenção uma iniciativa onde o estudo autônomo e autodirigido


como a opção primeira para ensinar e aprender academicamente: o Empire
State College em Saratoga Springs (Nova Iorque); fundado em 1971 como
complementação das então 72 escolas supeiores do estado que formam a
State University of New York.

A proposta era ampliar o acesso à formação superior e possibilitar a alguns


grupos de estudantes, especialmente adultos profissionalmente ativos, donas
de casa e membros de minorias étnicas.
6

A fundação do Empire State College foi tida, à época, como uma grande
façanha possível apenas num panorama universitário tão aberto e dado a
novas experiências, assumindo os riscos, como é o caso do sistema
educacional universitário norte-americano.

O principal desafio foi o de concentrar-se no estudante individual, motivando-o


a desenvolver um auto-estudo bem fundamentado. Esse foi o ponto central da
ideia.

O meio principal do ensino são o diálogo, o aconselhamento e a ajuda no


estudo autodirigido e, para isso, eram firmados contratos de estudo entre
estudante, docente e a universidade no qual os papeis são os seguintes:

a) estudante: elaboração autônoma de detertminadas tarefas;


b) docente: aconselhamento e assistência regulares ao aluno;
c) universidade: reconhecimento dos créditos se as tarefas de estudo
determinadas forem comprovadamente realizadas.

No contrato há os seguintes elementos:

a) objetivos educacionais globais;


b) objetivos de estudo;
c) indicação de recursos à disposição para o estudo;
d) descrição das atividades de estudo e critérios de verificação dos
resultados.

Pode-se afirmar que esta forma de ensino superior mexe com as estruturas
tradicionais de ensinar e, em consequência, com a forma como dcentes e
discentes vêem os processos educativos.

Os docentes não dão aulas e também não dirigem seminários,


exercícios e classes, mas, sim, concentram-se no
aconselhamento intensivo dos estudantes, no que dão resultado
7

seu saber, sua arte pedagógica e também sua experiência de vida


(Peters, 2001, p. 349).

Fonte: http://www.esc.edu/

Você consegue perceber a diferença para um ensino tradicional, focado no


professor? O desenvolvimento da autonomia está muito relacionado com um
movimento que conhecemos e faz parte da história da educação brasileira: o
escolanovismo, dos anos 30.

<Observação – início>

O escolanovismo vê a educação como elemento verdadeiramente eficaz para a


construção de uma sociedade democrática, que considere a diversidade,
respeitando a individualidade do sujeito, apto a refletir sobre a sociedade e
capaz de inserir-se nela. A educação escolarizada deveria, portanto, ser
sustentada no indivíduo integrado à democracia, o cidadão atuante e
democrático.
8

< Observação – fim>

Neste contexto é importante ressaltar que a filosofia do modelo que ora


conhecemos é de que a educação não deve, necessariamente ficar confinada
em locais físicos, como uma escola, por exemplo, especialmente pelas
possibilidades que os recursos tecnológicos, que reduzem ou eliminam as
barreiras de tempo e espaço, nos oferecem.

Fazemos isso aqui na UNIP Interativa, não é mesmo? Pense, por exemplo,
mas aulas de Didática do Ensino Superior: Cases de Qualidade... Elas
foram gravadas nos estúdios em São Paulo antes de irem ao ar e você as
assistiu nas semanas determinadas pela estrutura da universidade, conforme
indicado no calendário escolar, não é mesmo?

<Saiba mais - início>

Conheça Empire State College. Visite o endereço eletrônico:


http://www.esc.edu/.

<Saiba mais - fim>

Embora o tempo e o espaço da gravação e de quando você as assistiu tenham


sido diferentes, a interação se deu simultaneamente, pois isso é possível
graças às TICs envolvidas nesse processo.

O que fazemos que veio com a filosofia do Empire State College é justamente
intensificar e assessorar os estudantes, no nosso caso, via fóruns e tutoria, no
caso do Empire State College, principalmente via contrato de estudo.

Componentes do comportamento docente e discente


9

Comportamento docente Copmportamento discente

Professores: - estudo autônomo por conta própria:


planejar, negociar, cumprir e avaliar o
- assessorar, motivar, mostrar contrato de estudo
interesse e fazer a ligação entre os - aconselhamento com o orientador,
estudantes individualmente e a coordenador da disciplina ou
universidade professor universitário no centro de
estudos
- ler a bibliografia indicada e a básica,
Orientadores: estudar cursos a distância, organizar,
- assessorar, ajudar, intermediar realizar e analisar entrevistas com
especialistas
Participar de atividades docentes
selecionadas em universidades locais
Estudar cursos com apoio de
computador e programas on-line
- contatos autônomos com
especialistas da área

Fonte: Peters, 2001, p. 352

<Atividade de aplicação – início>

Que tal fazer a experiência do Empire State College?


Elabore um contrato de estudo após a leitura de todo o livro texto que já está
quase chegando ao final. A diferença aqui é que você vai pensar no que fazer
após tomar contato com esse conteúdo, certo?
Vamos lá! Será interessante!
10

<Atividade de aplicação – fim>

6.1.1 Perspectivas

Nada melhor do que fazer o exercício de olhar o futuro através da perspectiva


no passado para esse futuro.

Complicou? Explico melhor: vamos ler um pequeno texto publicado em 1997,


por Peters, cujo objetivo era, lá naquela época, pensar em como seria o futuro.
O autor fez uma reflexão imaginando o que, no século Xxi aconteceria com a
EaD.

Pois bem, estamos no século XXI, fazemos EaD e, naturalmente, podemos


analisar, com nossa vivência as propostas e ideias de Peters.

Vamos lá?

A universidade do futuro

A universidade do futuro está aberta a toda pessoa que pode participar do


ensino com sucesso, portanto, também para muitos adultos em idade média ou
adiantada. Ela não impõe locais e horários compulsórios. Portanto, o
estudopode ser iniciado, interrompido e retomado, exatamente de acordo com
as necessidades da vida e da carreira profissional dos estudantes.

O estudo é realizado tanto em tempo integral quanto em tempo parcial,


podenso-se alternar às duas formas. Onde isso for possível, o ensino se
orienta mais para a prática profissional e pessoal dos estudantes.

O estudo básico e o estudo de formação complementar se confundem e, em


parte estão inter-relacionados.
11

A universidade do futuro emprega tanto componentes do ensino com presença


quanto do ensino a distância e do ensino digitalizado, e desse modo consegue,
com vistas às formas de ensino e aprendizagem, uma flexibilidade jamis vista.

Dependendo da inclinação e da necessidade, os alunos podem decidir entre os


seguintes modos de estudar: preleção, seminário, aulas práticas, trabalho com
cursos de ensino a distãncia auto-instrutivos, estudo digital em todas as formas
Por exemplo, multimídia, hipertexto e teleconferência), estudo autônomo
aberto, bem como estudo fechado próprio com pacotes de ensino
rigorosamente estruturados.

Também podem fazer cominações com esses modos de ensino, tanto paralela
quanto sequencialmente.

É possível inclusive, fazer uso das ofertas de várias instituições ao mesmo


tempo. Trabalha-se com módulos de ensino. Créditos obtidos em diferentes
instituições são acumulados e servem de base para graduações.

Pode-se recorrer tanto a uma ssessoria intensiva de ensino quanto a uma


assistência tutorial competente na respectiva área, especialmente como
complementação do estudo autônomo aberto. Ambas as formas tem uma
importância que jamais puderam ter no tradicional ensino com presença ou
ensino a distância.

A UNIVERSIDADE DO FUTURO É A ESCOLA SUPERIOR FLEXÍVEL E


VARIÁVEL POR EXCELÊNCIA.

Você concorda com o autor? Que tal fechar o item com outra atividade?
12

<Atividade de aplicação – início>

A partir da leitura do texto “A universidade do futuro”, construa a SUA


universidade para daqui 20, 30 anos.
Elabore um breve texto em que os principais aspectos que você acredita que
serão fundamentais para uma universidade estejam explicitados.
Bom trabalho!

<Atividade de aplicação – fim>

<Resumo início>

Resumo

Nesta unidade você conheceu duas iniciativas internacionais de grande


sucesso no desenvolvimento de EaD: a Open University britânica e o Empire
State College americano.

Essas são as duas mais importantes, mas recomendo que você busque
informações sobre a National University,a Fernuniversitat e a Contact North
dentre outras.

O fundamental na unidade é refletir sobre o que é EaD e como ela pode


realmente funcionar para que os alunos, no caso das universidades
apresentadas, adultos que não conseguiram concluir na idade esperada o nível
superior, tenham uma formação de boa qualidade.

Ainda, coloque-se no papel do docente que desenvolve esse tipo de trabalho,


saindo do foco, mais centralizado no aluno, e procure entender as
13

características que tal tipo de modelo educacional provoca em termos de


mudanças de postura docente.

Espero que você tenha gostado da leitura!

<Resumo fim>
14

BIBLIOGRAFIA

Unidade 1

CANDAU, Vera Maria Ferrão (Org.). Rumo a uma nova Didática. 22ª. ed.
Petrópolis: Vozes, 2012.

HAYDT, Regina Célia Cazaux. Curso de didática geral. 8ª. Ed. São Paulo:
Ática, 2006.

HOFFMAN, Jussara. Avaliação Mediadora - Uma Pratica da Construção da


Pré-escola a Universidade. 17.ª ed. Porto Alegre: Mediação, 2000.

MASETTO, Marcos Tarciso. Didática: a aula como centro. 4ª ed. São Paulo:
FTD, 1997.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. São Paulo: J. Olympio


Editora, 1958.

SAUL, Ana Maria. A avaliação educacional. Série: Ideias n. 22. São Paulo:
FDE, 1994 (pp. 61-68). http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_22_p061-
068_c.pdf. Acesso em: 01 fev. 2013.

ZABALLA, Antoni.et alli. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática,


2006.

Unidade 2

BLIKSTEIN, P.; ZUFFO, M. K. As sereias do ensino eletrônico. In: SILVA, M.


(org.). Educação on-line. São Paulo: Loyola, 2003.

BRASIL. Decreto n. 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o Art. 80


da Lei 9.394/96. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-
2006/2005/decreto/D5622.htm. Acesso em: 13 mar. 2013.
15

FRAGOSO, Suely. De interações e interatividade. X Compós – Encontro Anual


da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação.
Texto apresentado e debatido no Grupo de Trabalho Comunicação e Sociedade
Tecnológica - Brasília, 2001. Disponível em:
http://www.miniwebcursos.com.br/artigos/PDF/interatividade.pdf

HENRY, G. T., & BASILE, K. C. Understanding the decision to participate in


formal adult education. Adult Education Quarterly, 1994, 44(2), pp. 64-82.

MOORE, M. G.; KEARSLEY, Greg. Distance education: a systems view.


Belmont: Wadsworth Publishing Company, 1996.

RURATO, P., GOUVEIA, L. & GOUVEIA, J. As características dos Aprendentes


na Educação a Distância: Fatores de Motivação. Revista da FCT. Nº 4,
Universidade Fernando Pessoa, 2007, pp 80-92. In:
http://www2.ufp.pt/~lmbg/com/prurato_revfct07.pdf. Acesso em: 13 mar. 2013.

VILLARDI, Raquel. Educação à distância: entre a legislação e a realidade. In:


Souza, Donaldo Bello de. Desafios da Educação Municipal. Rio de Janeiro:
DP & A, 2003.

Unidade 3

NOGUEIRA, Nilbo Ribeiro. Pedagogia de projetos. São Paulo: Ática, 2005.

Decreto no.5.622/05 In:


http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/portarias/dec5.622.pdf

Lei de Diretrizes e bases da Educação Nacional – Lei no. 9.394/96 In:


http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/lei9394.pdf
16

Unidade 4

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Integração e interdisciplinaridade no


ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. São Paulo: Loyola, 1979.
________. Interdisciplinaridade, qual o sentido? São Paulo: Editora Paulus,
2003.

GADOTTI, Moacir. Interdisciplinaridade: atitude e método. São Paulo:


Instituto Paulo Freire. In:
http://siteantigo.paulofreire.org/pub/Institu/SubInstitucional1203023491It003Ps0
02/Interdisci_Atitude_Metodo_1999.pdf. Acesso em: 26 fev. 2013.

THIESEN, Juares da Silva. A interdisciplinaridade como um movimento


articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de
Educação. Vol. 13 no. 39. Rio de Janeiro. Sept./Dec. 2008. In:
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782008000300010&script=sci_arttext.
Acesso em: 10 abr 2013.

TORI, Romero. Educação sem distância: As Tecnologias Interativas na


Redução de Distâncias em Ensino e Aprendizagem. São Paulo: Editora Senac
São Paulo, 2010.

Unidade 5

AUDINO, D. F. & NASCIMENTO, R. da S. Objetos de aprendizagem - diálogos


entre conceitos e uma nova proposição aplicada à educação. Revista
Contemporânea de Educação, v. 5, p. 128-148, 2010.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação a Distância. Objetos


de aprendizagem: uma proposta de recurso pedagógico. Prata, Carmem Lúcia
& Nascimento, Anna Christina Aun de Azevedo (Orgs.). Brasília: MEC, SEED,
2007. In: http://rived.mec.gov.br/artigos/livro.pdf. Acesso em: 29 abr 2013.

LUCENA, Carlos J. P. LUCENA, C. J. P., et. al. AulaNet-An Environment for


17

the Development and Maintenance of Courses on the Web. ICEE'98-


International Conference On Engineering Education, Rio de Janeiro, RJ,
1998.

__________________, FUKS, Hugo; Milidiu, Ruy; Laufer, Carlos; Blois,


Marcelo; Choren, Ricardo; Torres, Viviane; Ferraz, Fabio; Robichez, Gustavo &
Daflon, Leandro. AulaNet: Ajudando Professores a Fazerem seu Dever de
Casa. Anais do XXVI SEMISH – Seminário Integrado de Software e
Hardware, Sociedade Barsileira de Computação (SBC), Rio de Janeiro, Julho
1999, pp. 105-117. In: http://www.secondlab.inf.puc-
rio.br/public/papers/SEMISH991.pdf. Acesso: 02 mai 2013.

NASCIMENTO, Raimundo Benedito do. & TROMPIERI FILLHO, Nicolino.


Correio eletrônico como recurso didático no ensino superior: o caso da
Universidade Federal do Ceará. Revista Ciência da Informação. [online].
2002, vol.31, n.2, pp. 86-97.

SANTOS, Neide. Estado da arte em espaços virtuais de ensino e


aprendizagem. Revista Brasileira de Informática na Educação – Número 4 –
1999. In: http://ceie-
sbc.educacao.ws/pub/index.php/rbie/article/view/2295/2057. Acesso: 29 abr
2013.

Unidade 6

MEISTER, J. C. Educação corporativa: a gestão do capital intelectual através


das universidades corporativas. São Paulo: Makron Books, 1999.

PETERS, Otto. Didática do ensino a distância. São Leopoldo (RS): Ed.


Unisinos, 1997.