Você está na página 1de 158

Alex Maurício Araújo

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO


PROGRAMA DE AULAS

Fundamentos da Geração Eólica – Processos de Conversão e Tecnologias

1. ORIGENS DA ENERGIA EÓLICA

1.1. Razões globais e locais do movimento atmosférico. Variação sazonal da insolação. Variação da insolação com a
latitude.

1.2. Balanço da energia (Terra/espaço) média anual com latitude. Sistemas globais de ventos. Principais padrões
globais de vento. Hemisférios norte e sul. Brisas marinhas. Variações locais.

1.3. Características do potencial eólico e tecnologias associadas.

1.4. Breve histórico. Classificação das turbinas eólicas. Sistemas e componentes. Aplicações. Movimentos das
turbinas eólicas. Mecanismo de Yaw (guinada do rotor). Mecanismo de Pitch (passo da pá).

2. BREVE REVISÃO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS

2.1. Equações básicas para VC- Volume de Controle.

3. ENERGIA EÓLICA E POTÊNCIA MECÂNICA DO FLUXO EÓLICO

4. PRINCÍPIOS BÁSICOS DO PROJETO DAS TURBINAS EÓLICAS

4.1. Extração de potência mecânica máxima. Limite de Betz. Exemplo: Análise do desempenho de turbina ideal.
Demonstração do Limite de Betz pela Teoria do Momentum 1D para uma turbina ideal. Coeficientes de
indução axial (a) e radial (a’). Esteira rotativa das pás girantes. Velocidade adimensional de ponta (λ – Tip
Speed Ratio - TSR).
PROGRAMA DE AULAS

4.2. Princípios gerais do projeto do rotor


4.2.1. Drag (arrasto).
4.2.2. Lift (sustentação).
4.2.3. Velocidades e forças nas pás. Stall. Velocidade aparente do vento (U) devido ao movimento do
aerofólio. Velocidade resultante do vento vista das pás (W). Ângulo da pá (β). Diagramas de velocidades
e forças nas pás.
4.2.4. Análise de desempenho do rotor. Solidez do rotor (σ). Coeficiente de potência (Cp). Coeficiente de
torque (CTq). Escolha do λ.
4.2.5. O método clássico do momentum do elemento de pá
5. CONDIÇÕES AERODINÂMICAS DE OPERAÇÃO DO ROTOR EÓLICO
5.1. Partida.
5.2. Velocidade normal.
5.3. Alta velocidade.
6. CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO DO ROTOR EÓLICO
6.1. Seleção do ponto de trabalho.
6.2. Diferenças qualitativas entre máquinas de baixa e alta velocidade.
6.3. Acoplamento da carga.
6.4. Seleção da faixa de velocidades de operação.
PROGRAMA DE AULAS

7. FORÇAS MECÂNICAS ATUANTES NAS TURBINAS EÓLICAS

7.1. Rotor.

7.2. Torre.

7.3. Transmissão de potência.

8. ORIENTAÇÃO, CONTROLE E PARADA

8.1. Métodos de orientação do rotor.

8.2. Controle de velocidade e parada.

8.3. Controle aerodinâmico de potência

9. MATERIAIS

9.1. Pás.

9.2. Torres.

10. IMPACTOS DAS TURBINAS EÓLICAS

10.1. Ruídos.

10.2. Mortandade de pássaros.

11. PERSPECTIVAS FUTURAS


1. ORIGENS DA ENERGIA EÓLICA

1.1. Razões do movimento atmosférico:


G • RECEPÇÃO DE DIFERENTES INTENSIDADES DE
L L
ENERGIAS SOLAR COM LATITUDE O • VARIAÇÕES LOCAIS
O
B
A
+ C
A
(PRESENÇA DE GRANDES
MASSAS CONTINENTAIS)
• ROTAÇÃO DA TERRA L
L

Declinação da Terra Rotação da Terra


1.2. Balanço de energia (Terra/Espaço) média anual com latitude

A banda 40°N e 40°S recebe mais


energia solar que irradia de volta
ao espaço.

40°N O desbalanceamento resultante


entre perdas por radiação e entrada
de energia é parcialmente
restaurado por um fluxo de ar
0° aquecido do equador para os polos
(87%) e por um fluxo similar das
30° correntes oceânicas (13%).

40°S
O desbalanceamento resultante entre perdas por radiação e entrada de energia é parcialmente
restaurado por um fluxo de ar aquecido do equador para os polos (87%) e por um fluxo similar
das correntes oceânicas (13%).

MODELO (Hadley) DO SISTEMA MODELO GLOBAL DAS


DE VENTOS FORMANDO PADRÃO CARACTERÍSTICAS DE VENTO
COM DUAS CÉLULAS

Terra sem rotação


Resulta da promediação das
pressões ao NMM e ventos sobre
a superfície da Terra
•Ventos e correntes oceânicas
são fluxos de fluidos para
balancear a energia solar na
Terra.

•Aquecimentos diferenciais
geram convecção fluida
(fluxos verticais) que
provocam gradientes de
pressão que produzem fluxos
horizontais de massas de ar.

Formação dos ventos de larga escala (global) devido ao deslocamento das massas de ar.

(Fonte: CEPEL, 2001)


Principais padrões globais de vento

• no equador há uma região de ventos fracos e transientes  Doldrums (calmaria) ITCZ –


Intertropical Convergence Zone

• ao norte há uma região de ventos permanentes de NE  NE trade winds (SE trade winds 
Alísios)

• lat 30°N uma faixa de ventos fracos e variáveis  Latitude Horse

• ao norte há uma região dos ventos  SW trade winds

• ao norte  ventos polares do E (polar easterlies)

Direção do vento  Em termos de sua origem

No hemisfério norte a intensidade (tamanho dos vetores) dos ventos é significativamente influenciada pela
presença de grandes continentes (menores velocidades). No hemisfério sul (com massa continental menor) esse
padrão é intensificado (maiores velocidades).
Padrões locais de vento (circulação termicamente forçada)

Esses padrões globais e características são gerais e devem ser usados com cuidado porque as variações locais nos
ventos são frequentemente de grande importância na decisão sobre estudos de viabilidade técnica e econômica.

Em geral, a Brisa Marítima é mais intensa e persistente que a Brisa Terrestre.

Em uma escala local, as áreas costeiras experimentam brisas marinhas que fluem da terra para o mar à NOITE e
na direção inversa de DIA. Elas podem ser de considerável importância para o potencial eólico local.

Há áreas na Terra onde, por considerações gerais, poderia se concluir como inviável, porém se levanta (medição
local de vento) com bom potencial de exploração.
Padrões locais de vento (circulação termicamente forçada)

Em uma região com terreno irregular, os padrões locais de vento podem se desenvolver devido ao aquecimento
diferenciado entre a superfície próxima ao solo e a atmosfera livre a uma certa distância, na mesma altura.

Uma grande variação diurna na temperatura usualmente ocorre no solo, sendo que durante o dia a
montanha torna-se uma fonte elevada de calor, enquanto que à noite, ela é um sumidouro elevado de calor.

Ventos de encosta referem-se a ar mais frio e mais denso fluindo terreno abaixo durante a noite
(Brisa de Montanha), e com ar mais quente e menos denso movendo-se na direção das maiores
elevações durante o dia (Brisa de Vale), respectivamente chamados de ventos catabáticos
(da palavra grega katabatikos que significa "descendo colinas“) e anabáticos (do grego anabatos,
que significa "subir“).

Brisa de Montanha Brisa de Vale


Efeitos locais dos ventos
1.3. Características do potencial eólico e tecnologias associadas

VANTAGENS DESVANTAGENS/
TECNOLOGIAS
GRATUITO DIFUSA/ USINAS
VARIÁVEL EM QUANTIDADE/
DISPONÍVEL
GRID; BATERIAS
ALEATÓRIO EM DIREÇÃO/
INESGOTÁVEL
CONTROLES; FUNÇÃO DO LOCAL
NÃO CONFIÁVEL/
NÃO POLUENTE
COMPLEMENTAR; REDES
ESPECÍFICO DO LOCAL/
PROSPECÇÃO DE JAZIDAS
1.4. Breve histórico

A energia eólica tem sido aproveitada desde a


antiguidade para mover os barcos impulsionados por Baixa rotação para girar
velas ou para fazer funcionar a engrenagem de rodas de pedra para moer
grãos
moinhos, ao mover as suas pás. Nos moinhos de
vento a energia eólica era transformada em energia
mecânica, utilizada na moagem de grãos ou para
bombear água.

EUA: 1850-1950
Pioneers of wind-power technology
Poul La Cour, Denmark
1846 – 1908 Albert Betz, Germany
A pioneer of electricity 1885 – 1968
generation by means of wind Director of the Aerodynamic
power. First electricity Research Institute in Göttingen.
producing wind turbine in 1891 Approached the problem of the
in Askov, Denmark. wind rotor’s physics and
aerodynamics from a strictly
scientific point of view.
In an article published in the
(Journal of Turbine Science) in
1920, he proved that the
maximum physically possible
utilization of the wind by a disk-
shaped, turbine-like wind
energy converter is restricted
to 59.3% of the power
contained in the air current.

Palmer Cosslett Putnam, USA Ulrich Hütter, Germany


1910 – 1986 1910 – 1989
W-34 wind turbine in Germany
Smith-Putnam wind turbine, in Vermont,
(rotor diameter 34 m, rated power
USA (rotor diameter 53.3 m, rated power
100 kW), 1959–1968
1 250 kW), 1941.
Marcos do desenvolvimento da tecnologia eólica

Gerador Diesel Turbina a vapor Turbina hidráulica

Produção de Eletricidade

• 1ª e 2ª guerras
Escassez do óleo
• Crise do óleo (1973)

A busca por TBEC – Tecnologias de Baixa Emissão de


Carbono
Classificação das turbinas eólicas

 TURBINA EÓLICA DE EIXO VERTICAL (TEEV, OU EM INGLÊS VAWT – VERTICAL


AXIS WIND TURBINE) Savonius Darrieus

• SAVONIUS

• DARRIEUS

 TURBINA EÓLICA DE EIXO HORIZONTAL (TEEH, OU EM INGLÊS HAWT –


HORIZONTAL AXIS WIND TURBINE)

• UPWIND

• DOWNWIND

Downwind são mais ruidosas porque uma vez


por revolução a passagem de cada pá pela
torre é ouvida como um ruído de baixa
frequência.
Upwind Downwind
TEEV (Turbina Eólica de Eixo Vertical)

Em uma TEEV (Turbina Eólica de Eixo


Vertical), o eixo é montado na vertical,
perpendicular ao solo. Como as TEEVs
estão permanentemente alinhadas com o
vento (ao contrário das de eixo horizontal),
nenhum ajuste é necessário quando a
direção do vento muda. Entretanto, uma
TEEV não pode começar a se mover por si
mesma: ela precisa de um impulso de seu
sistema elétrico para dar partida.

As TEEVs podem ser usadas como


turbinas de pequena escala e para o
bombeamento de água em áreas rurais.

Atualmente as turbinas de escala de


geração produzidas comercialmente são
turbinas eólicas de eixo horizontal
(TEEHs – Turbina Eólica de Eixo
Horizontal).

Ref.: http://ambiente.hsw.uol.com.br/energia-eolica1.htm
TEEH (Turbina Eólica de Eixo Horizontal)

Como o nome indica, o eixo da TEEH é montado


horizontalmente, paralelo ao solo. As TEEHs precisam
se alinhar constantemente com o vento, usando um
mecanismo de ajuste.

O sistema de ajuste padrão consiste de motores


elétricos e caixas de engrenagens que movem todo o
rotor para a esquerda ou direita em pequenos
incrementos.

O controlador eletrônico da turbina lê a posição de um


dispositivo mecânico (sensor de vento) ou eletrônico e
ajusta a posição do rotor para capturar o máximo de
energia eólica disponível.

HAWT:

− diâmetro do rotor (D)


− nº de pás (B)
− altura da torre (H)
− potência nominal (Pr) − mecânica
− estratégia de controle − aerodinâmica
− eletrônica

Ref.: http://ambiente.hsw.uol.com.br/energia-eolica1.htm
Maiores turbinas eólicas
O maior aerogerador do mundo com 7 MW

The world’s largest wind turbine is now


the Enercon E-126.

This turbine has a rotor diameter of 126 meters


(413 feet). The E-126 is a more sophisticated
version of the E-112, formerly the world’s largest
wind turbine and rated at 6 megawatts.

This new turbine is officially rated at 6


megawatts too, but will most likely produce 7+
megawatts (or 20 million kilowatt hours per
year).

That’s enough to power about 5,000 households


of four in Europe.

A quick US calculation would be 938 kWh per


home per month, 12 months, that’s 11,256 kWh
per year per house. That’s 1776 American
homes on one wind turbine.

The turbine being installed in Emden, Germany


by Enercon. They will be testing several types of
storage systems in combination with the multi-
http://www.portal-energia.com/o-aerogerador-maior-do-mundo-com-7-mw/
megawatt wind turbines.
Turbinas de uma pá, duas pás, três pás e multipás

─ mais barata*
─ roda mais rápido
─ mais cintilante aos olhos
─ em geral, rotor downwind

*A conexão com o eixo é flexível, sendo o


rotor montado ao eixo via articulação
(mecanismo gangorra). Seu efeito é que
não transfere momento fletor do rotor
para o eixo mecânico.

─ mais calma
─ menos distúrbios na paisagem
─ mais eficiência aerodinâmica
─ n = 20 – 50 rpm
─ ngerador = 1000 – 3000 rpm
Sistemas e componentes de uma turbina eólica

Componentes de uma grande TEEH:


Pás do rotor: capturam a energia do vento e a
convertem em energia rotacional no eixo;

Eixo: transfere a energia rotacional para o gerador;

Nacele: é a carcaça que abriga:


caixa de engrenagens: aumenta a velocidade do
eixo entre o cubo do rotor e o gerador;
gerador: usa a energia rotacional do eixo para
gerar eletricidade via eletromagnetismo;
unidade de controle eletrônico (não mostrada):
monitora o sistema, desliga a turbina em caso de
mau funcionamento e controla o mecanismo de
ajuste para alinhamento da turbina com o vento;
controlador (não mostrado): move o rotor para
alinhá-lo com a direção do vento;
freios: detêm a rotação do eixo em caso de
sobrecarga de energia ou falha no sistema.

Torre: sustenta o rotor e a nacele, além de erguer todo


o conjunto a uma altura onde as pás possam girar com
segurança e distantes do solo;

Equipamentos elétricos: transmitem a eletricidade do


gerador através da torre e controlam os diversos
elementos de segurança da turbina.
Vista da Nacele

http://www.portal-energia.com/parques-eolicos/ Aerogerador: ECOTECNIA/ALSTOM


Detalhamento
Detalhamento
Detalhamento

1 – pás do rotor; 2 – cubo do rotor; 3 – nacele; 4 – mancal do rotor; 5 – eixo do rotor;


6 – caixa de velocidades; 7 – freio de disco; 8 – eixo do gerador; 9 – gerador; 10 – radiador de arrefecimento;
11 – anemômetro e sensor de direção; 12 – sistema de controle; 13 – sistema hidráulico; 14 – mecanismo de
orientação direcional; 15 – mancal do mecanismo de orientação direcional; 16 – cobertura da nacele; 17 – torre.

O eixo principal tem dois rolamentos para facilitar


uma possível substituição da caixa de velocidades.
Detalhamento

Rotor parking brake at the low-speed side


directly behind the hub in the earlier
Howden HWP-1000
Detalhamento

Three-stage planetary gearbox of the 2 to 3


Two-stage parallel shaft MW power class (Thyssen)
gearbox for wind turbines of
the 200 to 500 kW power
class (Hansen)
Transporte de pá

A pequena torção longitudinal tem a função de evitar que o efeito estol ocorra
simultaneamente em todas as posições radiais da pá, o que reduziria muito a potência do
rotor. Essa torção visa induzir um suave desenvolvimento do estol na pá.
Aplicações

 Aplicação inusual

Bahrain World Trade Center

As turbinas deverão gerar


aproximadamente 11-15% de toda
a energia consumida pelo edifício,
ou seja, de 1100 a 1300
megawatt/hora, energia suficiente
para abastecer 300 casas durante
um ano.
 Parque eólico
O parque eólico de Osório, no RS, tem 75
torres de aerogeradores de 98 metros de
altura e 810 toneladas cada uma, modelo
E-70/2000 kW, sendo que com as hélices
atingem 140 metros de altura (as pás têm
35 metros de comprimento cada,
totalizando um diâmetro de mais de 70
metros, contando o rotor onde são
fixadas).

As turbinas eólicas responsáveis pela


geração de energia chegam a pesar cerca
de 100 toneladas.

O parque tem uma capacidade instalada


estimada em 150 MW (energia capaz de
atender uma cidade de 700 mil
habitantes), sendo a maior usina eólica da
América Latina.
Movimentos de uma máquina eólica

Passo de um elemento de pá: É o ângulo entre a corda do elemento de pá e o plano de impulsão;


Plano de impulsão: Plano que passa pela cabeça do rotor e é perpendicular ao eixo;
Plano de rotação do rotor: Plano que contém as extremidades das pás ;
Passo da pá: É o valor do passo do elemento de pá escolhido como referência. Normalmente se usa o passo do elemento da raiz ;
Torção da pá: É a diferença entre os valores do passo na raiz e na extremidade da pá.

“PITCH”/ passo da PÁ

ROLL

“YAW”/guinada
Axis definitions

z is radially outwards from the hub centre along the


blade axis

x is perpendicular to the blade axis, and in the plane


passing through the blade and shaft axis – in the
downwind direction

y is perpendicular to the blade and shaft axis, to give a


right-hand co-ordinate system

Co-ordinate System for Blade Loads, Positions and Deflections (rotates with blade)
Axis Definitions

x is along the shaft axis, in the downwind direction

z is perpendicular to the shaft axis and in the vertical


plane passing through the shaft axis

y is perpendicular to the shaft axis and horizontal to


starboard, giving a right-hand co-ordinate system

Fixed Co-ordinate System for Hub Loads and Deflections, and Positions with Respect to Hub
Mecanismo de YAW

Yaw System
The motor-driven yaw system of
the nacelle, the azimuth or yaw
drive, has the task of
automatically orienting the rotor
and the nacelle into the wind.
From an operational point
of view, the yaw system is an
independent subsystem. From the
constructional point of view,
it constitutes the transition from
the nacelle to the tower head.
Some of its components
are integrated into the nacelle,
some into the tower head.

Yaw system with assembly of the Westinghouse WTG-0600


Westinghouse: Technical Description WWG-0600 Wind Turbine, Pittsburg,
PA, 1985
Mecanismo de PITCH

Power train of the Vestas V-39 in standard design (Vestas)


1. Nacelle bedplate 2. Blade pitch actuator 3. Rotor shaft 4. Rotor blades 5. Rotor hub 6. Blade pitch mechanism 7. Rotor main bearings 8. Gearbox

9. Rotor brake 10. Generator drive shaft 11. Generator 12.Wind measuring system 13. Hydraulic supply system 14. Electrical control system 15. Yaw drive
O formato torcido estreitando da raiz até a ponta, visa:

1. Facilitar a partida com ventos de baixa velocidade


(2,2 m/s);

2. Oferecer alto desempenho nas maiores


velocidades;

3. Baixo nível de ruído.


2. REVISÃO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS

2.1. Equações básicas para VC

 Lei da Conservação da Massa (LCM)

 Lei da Quantidade de Movimento (2ª LN)

 Lei da Conservação da Energia (1ª LTD)


Exemplo

Estudo de caso - uso da LCE na análise global relativa das eficiências das máquinas eólicas e
térmicas.
Tese: a máquina mais eficiente seria a que extrairia maior potência de eixo! Modelo: LCE para VC

0 (1) 0 (1) 0 (3)

Hipóteses do Modelo: 1) VC adequado e 2) fluido (ar ou gás) perfeito h = cpT


3) regime permanente.
Assim:
(h = cpT), ou separando em termos de fluxos de energias de vários modos:

Fluxo de Fluxo de Ec Fluxo de


entalpia (h). Epposição
Fazendo-se uma estimativa da magnitude das ordens de grandeza dos vários fluxos (dos modos) de energia:

1) O fluxo de Epposição: (gz) ≈ 10m/s² × 1m ≈ 10 (m/s)²

2) O fluxo de Ec é pequeno em esc. à baixas velocidades: (V²/2) ≈ 25²/2 ≈ 300 (m/s)² 104
103
3) O fluxo de h é dominante: (cparT) ≈ 1004 m²/s² K × (50°C + 273K) ≈ 325000 (m/s)²
Conclusão

Fluxo de entalpia (h). Fluxo de Ec Fluxo de Epposição

Turbinas a vapor e a gás:

Alta emissão de carbono

Turbinas hidráulicas: Turbinas eólicas:

1
FEE  ρV 3
2
Turbinas hidráulicas

Aplicadas quando (Q↓ ; H↑)

Tipos:

• Ação / Impulsão: são acionadas por um ou mais jatos livres acelerados em bocais externos. O
rotor gira sem estar cheio do fluido (Pelton);

• Reação: um conjunto de pás fixas externas ao rotor (distribuidor) e de pás móveis (rotor)
aceleram o fluido no 1° estágio. Eles funcionam cheios de fluido, por isto, para um dado tamanho,
podem produzir mais potência que as de Ação. (Francis, Kaplan)
Exemplos de rotores (escala real):

Turbina Francis

Turbina Kaplan Turbina Pelton


Elementos de turbinas de reação

Ref.: Máquinas Motrizes Hidráulicas, Macintyre, p. 57


Turbina de ação

Pelton com quatro injetores


3. ENERGIA EÓLICA E POTÊNCIA MECÂNICA DO FLUXO EÓLICO

Energia eólica (EE) é a energia cinética (EC) da massa de ar (m) em movimento (V).
1
EE  EC  mV 2
2
m
Porém,  ( ar padrão=1,225 kg/m³)
volume

O fluxo de massa = V, pela Análise Dimensional:

M L  M 
V    3     2   Quantidade de massa de ar que
 L T  L T  atravessa a unidade de área na unidade
de tempo.

O fluxo de EC = fluxo de EE (FEE) = potência por unidade de área = densidade de potência, será:

1 1 P
FEE  VV 2  V 3 
2 2 A

FEE   2  2    2  12   W  12  E  12  E  12  P2  P
 M L2   ML2
L T T   T LT LT LT 
T  L L A    
Exemplo: Obter o fluxo de energia cinética (eólica) por unidade de área de um vento de magnitude
V = 6,7m/s onde ar = 1,225 kg/m³.

1 1
FEE  V  1,225  6,7 3  184W m 2
3

2 2

A energia eólica é altamente sensível às variações na velocidade do vento.

A massa específica, do ar seco à pressão atmosférica padrão


no nível do mar e a uma temperatura de 15ºC, igual a 1,225
kg/m³, é usada como um padrão na indústria eólica, devendo
esse padrão ser utilizado para o levantamento das curvas de
potências dos aerogeradores .

Os valores da massa específica do ar podem ser calculados


conhecidos a altura e a temperatura, utilizando-se a equação
abaixo, onde ρ é a massa específica em kg/m³, T a
temperatura em graus Kelvin e Z a altura em metros, sendo
aplicada para cada dado de temperatura disponibilizado.

 Z
353,049  0,034T 
 e
T
4. PRINCÍPIOS BÁSICOS DO PROJETO DAS TURBINAS EÓLICAS

4.1. Extração da potência mecânica máxima. Limite de Betz (1928).

Não é possível extrair toda a energia do ar que passa pelo rotor. Se assim fosse, o ar cessaria o seu
movimento e se acumularia atrás do rotor.

O fluxo de ar pelo rotor ocorre na forma indicada na figura (o rotor nesta modelagem é um disco
atuador fixo). Betz mostrou as condições de máxima extração de potência da velocidade do ar pelo
rotor (1, 2/3, 1/3)V∞.
3
Da LCM: 1V1A1 = 2V2A2 = 3V3A3  A1= (2/3) S, A2 = S, A3 = 2S

M L 2 M 
Pela AD:
 L3  T  L    T  2

Substituindo os valores das velocidades e das áreas


correspondentes na expressão da 1
potência disponível no vento (Pdisp ):
1 1 P 1
FEE  VV 2  V 3   Pdisp  AV 3
2 2 A 2

Tem-se as potências indicadas 


Considerando-se que o desempenho do
rotor fosse expresso pela fração (P1-
P3)/P1 = 24/27 = 88,88% seria extraída 3
da potência eólica inicial.

Por Betz, o desempenho de um rotor é


expresso como (P1-P3)/P1(S) = 16/27 = 2
59,3% da potência eólica inicial, onde
P1(S) é a potência eólica passando
através de uma área igual a área varrida 1
pelo rotor.

Na prática, a turbina não trabalha nas


condições de Betz.

O valor da velocidade do vento no rotor


(disco) é expresso em termos de um
fator a (fator de indução axial) tal que
a velocidade do vento é dada por:
V∞(1-a).

O fator a varia de (0-1/3). Para a=0, o rotor não estaria em operação. Para a=1/3, estaria operando
na sua máxima eficiência.
Exemplo – Desempenho de turbina ideal

Fig. 10.44
Razão de Velocidade Periférica
NR R
X    TSR  TipSpeedRa tio
V V

A eficiência do rotor está


representada em termos de uma
fator adimensional λ (TSR),
definido entre a relação da
velocidade linear de ponta de pá
(ωR, com ω em rad/s) pela
velocidade do vento não
perturbada (V∞), conhecido
também por razão de velocidades
na pá ou velocidade específica na
ponta da pá
Demonstração do Limite de Betz: 1-D Momentum Theory For An Ideal Wind Turbine

Using the assumptions of an ideal rotor it is possible to derive simple relationships


between the velocities Vo, u1 and u, the thrust T, and the absorbed shaft power P. The
thrust is the force in the streamwise direction resulting from the pressure drop over the
rotor, and is used to reduce the wind speed from Vo to u1: T = ΔpA (1)

Figure 1 - Illustration of the


streamlines past the rotor
and the axial velocity and
pressure up - and
downstream of the rotor.
Where A= πR2 is the area of the rotor. The flow is stationary, incompressible and
frictionless and no external force acts on the fluid up - or downstream of the rotor.
Therefore the Bernoulli equation is valid from far upstream to just in front of the rotor
(2) and from just behind the rotor to far downstream in the wake (3):

(2)

(3)

Combining both equations above, hence:

(4)
The axial momentum equation in integral form is applied on the circular control volume with
sectional area Acv drawn with a dashed line in Figure 2 yielding:

(5)

dA is a vector pointing outwards in the normal direction of an infinitesimal part of the control
surface with a length equal to the area of this element. Fpres is the axial component of the pressure
forces acting on the control volume. The first term in equation (5) is zero since the flow is assumed
to be stationary and the last term is zero since the pressure has the same atmospheric value on the
end planes and acts on an equal area. Further, on the lateral boundary of the control volume shown
in Figure 2, the force from the pressure has no axial component.

Figure 2 - Circular control volume


around a wind turbine
Using the simplified assumptions of an ideal rotor, equation (5) then yields:

(5)

(6)

(msai=mentra)

(7)

(8)

The conservation of mass also gives a relationship between A and A1 as:

(9)

Combining equations (8), (9) and (6) yields:

(10)
If the thrust (10) is replaced by the pressure drop over the rotor as in equation (1) and
the pressure drop from equation (4) is used, an interesting observation is made:

T = ΔpA (1) e (4)  (11)

It is seen that the velocity in the rotor plane is the mean of the wind speed Vo and the
final value in the wake u1.

An alternative control volume to the one in Figure 2 is shown in Figure 3.

Figure 3 - Alternative control volume around a wind turbine


The force from the pressure distribution along the lateral walls Fpress, lateral of the control volume is
unknown and thus so is the net pressure contribution Fpres. On this alternative control volume there
is no mass flow through the lateral boundary, since this is aligned with the streamlines. The axial
momentum equation (5) therefore becomes:

(12)

Since the physical problem is the same, whether the control volume in Figure 2 or that in Figure 3 is
applied, it can be seen by comparing equations (10) and (12) that the net pressure force on the
control volume following the streamlines is zero.

The flow is assumed to be frictionless and there is therefore no change in the internal energy from
the inlet to the outlet and the shaft power P can be found using the integral energy equation on the
control volume shown in Figure 3:
(13)

(14)

(15)
Combining equation (15) with (11) gives:

(16)

which then can be introduced in equation (14) for the power P and into equation (10) for the thrust
T, yielding:

(17) (18)

The available power in a cross-section equal to the swept area A by the rotor is:

(19)

The power P is often non-dimensionalized with respect to Pavail as a power coefficient Cp:

(20)

(21)
Using equations (17) and (18) the power and thrust coefficients for the ideal 1-D wind turbine may
be written as:

(22)

(23)

(24)

It is easily seen that Cp, max = 16/27 for a = 1/3. Equations (22) and (23) are shown graphically in
Figure 4. This theoretical maximum for an ideal wind turbine is known as the Betz limit.
Figure 4 - The power and thrust coefficients Cp and CT as a function of the axial
induction factor a for an ideal horizontal-axis wind turbine
Quando as pás do rotor giram, estabelece-se uma limitação adicional para a eficiência máxima.

Pelo principio do momentum angular, o rotor exerce um torque igual e oposto no fluxo de ar que
passa por ele. Esta esteira rotativa contem EC que deve ser subtraída da energia disponível para o
rotor. Ela é importante nas baixas velocidades do rotor.
A eficiência do rotor está representada em termos de uma fator adimensional λ (TSR), definido
entre a relação da velocidade linear de ponta de pá (ωR, com ω em rad/s) pela velocidade do vento
não perturbada (V∞), conhecido também por razão de velocidades na pá ou velocidade específica
na ponta da pá

R
 Adimensionalização da velocidade do
rotor com a velocidade do vento.
V

Quando a eficiência do rotor se aproxima do Limite de Betz, o efeito de rotação na esteira é


pequeno, porém em baixas velocidades seu efeito é severo.

De modo similar ao da redução da velocidade axial do vento, o aumento da velocidade angular da


esteira é expresso em termos da velocidade de rotação do rotor (Ω) e de um fator radial (a’) de
modo que a velocidade angular média na esteira do rotor é a’ Ω.

Deve ser notado que devido aos efeitos axial e radial, a magnitude e direção do vento quando visto
das pás do rotor, não são as mesmas da velocidade do vento não perturbada (V∞).
4.2. Princípio gerais do projeto do rotor

O rotor é o componente da TE que tem recebido o maior desenvolvimento tecnológico nos anos
recentes.

Os aerofólios usados nas pás das primeiras TE’s modernas foram desenvolvidos para aviões e não
eram otimizados para os muito maiores ângulos de ataque empregados por uma TE.

Embora os aerofólios antigos (NACA 63-4XX) fossem usados nas primeiras pás, os fabricantes de
pás têm iniciado a usar aerofólios otimizados especificamente para TE’s.

O projeto de engenharia do rotor vai depender da aplicação prevista. Por exemplo, o desenho para
um sistema de bombeamento de pequena escala deve ser bem distinto daquele para geração de
energia elétrica de grande escala.

Adicionalmente a fatores técnicos, os custos serão uma consideração importante na adoção de


hipóteses do projeto.

Os principais princípios gerais de projeto do rotor eólico serão aprofundados a seguir.


4.2.1. Drag (Arrasto)

Fobjeto (V∞, , A, forma do objeto)

A força exercida no objeto na direção do vento incidente é chamada de Drag. Se o ar não for
completamente parado e continuar a escoar ao redor e atrás do corpo, esta força será menor.

Essa força é normalmente expressa em termos de uma quantidade adimensional chamada de


coeficiente de Drag (CD):

CD 
D VD VD
Re  
1
V 2 A  
2
A forma do corpo tem um forte efeito no CD.

Um exemplo do uso do Drag são os anemômetros de copos que dependem dele para sua
operação.
4.2.2. Lift (Sustentação)

A força exercida no objeto na direção perpendicular ao vento incidente é chamada de Lift. Ela se
deve à diferença de pressões entre as partes superior e inferior do fluxo pelo objeto. As pressões
embaixo são aumentadas (p > 0) e na parte superior são muito reduzidas (p < 0), o que aumenta a
contribuição para a força de Lift.

 CL Re;    A  c.1


L
CL 
1 2
V A
2

Lift e Drag podem aumentar consideravelmente pela aerodinamização das formas.

α-
Características de Aerofólio

The mean camber line of an airfoil is the locus of points halfway between the upper and lower surfaces as
measured perpendicular to the mean camber line itself. The most forward and rearward points of the mean
camber line are the leading and trailing edges, respectively.

The straight line connecting the leading and trailing edges is the chord line of the airfoil, and the distance
from the leading to the trailing edge measured along the chord line is simply designated the chord of the airfoil,
represented by c. The thickness of the airfoil is the distance from the upper to the lower surface, measured
perpendicular to the chord line, and varies with distance along the chord.

The maximum thickness, and where it occurs along the chord, is an important design feature of the airfoil. The
camber is the maximum distance between the mean camber line and the chord line, measured perpendicular to
the chord line.

Both the maximum thickness and the camber are usually expressed in terms of a percentage of the chord length;
for example, a 12% thick airfoil has a maximum thickness equal to 0.12c.
NACA airfoils

The NACA airfoils are airfoil shapes for aircraft wings developed by the National Advisory Committee for
Aeronautics (NACA). The shape of the NACA airfoils is described using a series of digits following the word
"NACA." The parameters in the numerical code can be entered into equations to precisely generate the
cross-section of the airfoil and calculate its properties.

 Four-digit series

The NACA 2412 airfoil has a maximum camber of 2% located 40% (0.4 chords) from the leading edge with a
maximum thickness of 12% of the chord. Four-digit series airfoils by default have maximum thickness at 30%
of the chord (0.3 chords) from the leading edge.

The NACA 0015 airfoil is symmetrical, the 00 indicating that it has no camber. The 15 indicates that the airfoil
has a 15% thickness to chord length ratio: it is 15% as thick as it is long.

Plot of a NACA 0015 foil


4.2.3. Velocidades e forças nas pás

Quando um aerofólio se move no ar parado, nele atua forças de Lift e Drag. Isso seria idêntico se o
aerofólio estivesse parado em um fluxo de ar com V∞. Condição normal e condição de Stall.

 Condição normal

Condição de Stall 
Se adicionalmente há uma velocidade de vento V∞ na direção perpendicular ao do movimento do
aerofólio, então o aerofólio “verá” uma velocidade de vento relativa (W) composta das duas
componentes U e V.

Quando a pá de uma turbina se move, cada setor da pá se moverá com uma velocidade relativa ao
ar (Ωr) onde Ω é a velocidade angular do rotor e r a distância do setor a partir do eixo do rotor.

Na prática, os dois componentes de velocidade são alterados já que a turbina está extraindo energia
do vento. Dessa forma o componente V da velocidade relativa do vento (W) será reduzido pelo fator
de indução de fluxo axial (a), ficando com módulo V∞(1-a).
Devido à rotação da esteira ser na direção
oposta à do rotor, a componente (Ωr) será
aumentada pelo fator de indução de fluxo
tangencial (= azimutal) para Ωr(1+a’).

Dessa forma a velocidade do vento


relativa vista pelas pás (ω) terá as duas
componentes: V∞(1-a) e Ωr(1+a’).

Nas turbinas eólicas, as pás são


arranjadas de modo a fazer um ângulo (β)
com a direção do plano de rotação.

Assim as forças atuantes nas pás ficam


conforme indicadas.
Se a velocidade do vento relativa vista das pás (W) permanecesse constante, então quanto mais pás
de uma dada área e forma são adicionadas ao rotor mais energia seria extraída do vento.

Entretanto, isto não ocorre assim. Quanto mais energia é removida do vento mais a direção e sua
magnitude, vista do rotor, irão se alterar. Essas alterações são expressas na forma dos dois fatores
de indução.
Diagramas de velocidades e forças nas pás

Vista de Topo
-Diagrama de velocidades
na pá do rotor ω Eixo do rotor

Downwind

Corda
Ut
Plano do
β rotor
α
φ=α+β
U∞ β – Ângulo de pá “pitch”
W α – Ângulo de ataque
φ - Ângulo de escoamento
U∞ - Velocidade absoluta do vento
Ut – Velocidade do ar deslocado
Upwind pelo movimento da pá
W – Velocidade relativa (aparente)
ω – Velocidade angular do rotor
Vista de Topo
F
-Diagrama de forças F – Resultante Aerodinâmica
na pá do rotor L – Lift (Sustentação)
L D – Drag (Arrasto)

Plano do
β rotor
α

W Desvio pela grade

Distribuição de pressões
Vista de Topo
F ω
-Projeção das forças componentes
no plano do rotor
L Eixo do rotor

φ
D
φ
Plano do
L sinφ N D cosφ rotor
φ
N = L sinφ - D cosφ
W (Força propulsora)
Em grandes ângulos de ataque (α geralmente maiores que 15º), o escoamento pode se separar
completamente da superfície superior de um aerofólio, reduzindo a sustentação drasticamente e
fazendo o aerofólio entrar em regime de estol.
Produção de torque útil no eixo do rotor

ri

dri

N(r) N(r)


Tu   N i ri  ri
n 1 
Tu  B  N i ri  ri
n 1
Cálculo do empuxo (Thrust) no rotor
Vista de Topo Eixo do rotor
F
- Diagrama de forças
T
L

L cosφ

D
φ
D sinφ Plano do
rotor

W T = L cosφ + D sinφ
( Thrust – Empuxo)
4.2.4. Análise de desempenho do rotor

A avaliação do desempenho do rotor deve considerar simultaneamente o fluxo de ar pelo rotor e as forças nas pás
devido ao fluxo.

Conhecido as características dos aerofólios das pás , um valor de TSR (Tip Speed Ratio) é escolhido.

O ângulo de pá (β) ótimo e o comprimento de corda total pode ser obtido para cada valor de raio (r) junto com a
potência e o torque produzidos pelo rotor.

A solidez (σ) é a fração de anel do rotor ocupado pelas


pás e é dada por:

, onde B é o número de pás.


Os resultados podem ser expressos em termos de um coeficiente de potência adimensional Cp:

Pextraída
Cp 
1
V 3 A
2
Onde A é a área varrida pelo rotor.

Uma curva típica de Cp x λ:


Se o rotor rodar devagar, é pequena a perturbação induzida no escoamento pelo movimento do rotor; ao contrário,
se o rotor rodar muito depressa, o vento encara-o como uma parede. Daí resulta que a velocidade de rotação
deverá ser compatibilizada com a velocidade do vento, de forma a obter a máxima eficiência de conversão, isto é,
um coeficiente de potência CP máximo. Tal consonância não é possível nos sistemas eólicos em que o gerador está
diretamente ligado à rede de frequência fixa que impõe, no caso do gerador assíncrono, uma velocidade
aproximadamente constante. A consequência é que estes sistemas operam muitas vezes em regimes de
funcionamento não ótimos. O estudo teórico do comportamento dos aerogeradores será mais efetivo caso haja
expressões analíticas que descrevam o comportamento das grandezas relevantes.

Para a variação de CP com λ, uma das expressões analíticas mais reportadas na literatura é [Slootweg]:

A Figura mostra uma curva experimental


de variação do coeficiente de potência CP
com λ para uma turbina moderna. Pode
observar-se que para manter o valor de
CP no máximo é necessário que a
velocidade do rotor acompanhe as
variações da velocidade do vento. Variação de CP com λ [ILSE].
Curva do coeficiente de potência (Cp) com tip speed ratio
A influência da solidez do rotor nos coeficientes de potência e de torque são mostrados:
Escolha do λ

 Bombeamento (Tqpartida ; Ω)  < λ (2-4)


Depende da aplicação:
 Geração de energia elétrica (Tqpartida; Ω)  > λ (8-10)

Para λ (2-4), o rotor deve ter um grande numero de pás porque para essa faixa de λ as perdas
originadas das pontas das pás são grandes. Esse efeito é reduzido quando o numero de pás é
aumentado.

Para λ (8-10), a solidez é baixa e as perdas das pontas das pás não são importantes. Por essa razão
um rotor de duas a três pás é escolhido.
4.2.5. The Classical Blade Element Momentum Method

All definitions and necessary theory to understand the Blade Element Momentum (BEM) method have now been
introduced. In this chapter the classical BEM model from Glauert (1935) will be presented. With this model it is
possible to calculate the steady loads and thus also the thrust and power for different settings of wind speed,
rotational speed and pitch angle.

To calculate time series of the loads for time-varying input some engineering models must be added, as will be
shown in a later chapter. In the 1-D momentum theory the actual geometry of the rotor – the number of blades,
the twist and chord distribution, and the aerofoils used – is not considered.

The Blade Element Momentum method couples the momentum theory with the local events taking place at the
actual blades. The stream tube introduced in the 1-D momentum theory is discretized into N annular elements of
height dr, as shown in Figure 1. The lateral boundary of these elements consists of streamlines; in other words
there is no flow across the elements.

Figure 1. Control volume


shaped as an annular
element to be used in the
BEM model
In the BEM model the following is assumed for the annular elements:

1. No radial dependency – in other words what happens at one element cannot be felt by the others.

2. The force from the blades on the flow is constant in each annular element; this corresponds to a
rotor with an infinite number of blades.

A correction known as Prandtl’s tip loss factor is later introduced to correct for the latter
assumption in order to compute a rotor with a finite number of blades.

In the previous section concerning the 1-D momentum theory it was proven that the pressure
distribution along the curved streamlines enclosing the wake does not give an axial force
component. Therefore it is assumed that this is also the case for the annular control volume shown
in Figure 1.

The thrust from the disc on this control volume can thus be found from the integral momentum
equation since the cross-section area of the control volume at the rotor plane is 2πrdr:

(1)
The torque dM on the annular element is found using the integral moment of momentum equation on the control
volume and setting the rotational velocity to zero upstream of the rotor and to Cθ in the wake:

(2)

Cθ -azimuthal component of absolute velocity

This could also have been derived directly from Euler’s turbine equation ( ):

dP = ωdM (3)

From the ideal rotor it was found that the axial velocity in the wake u1 could be expressed by the axial induction
factor a and the wind speed Vo as u1 = (1 – 2a)Vo, and if this is introduced into equations (1) and (2) together with
the definitions for a and a’ in equations (u = (1 – a)V0) and (Cθ = 2a’ωr) the thrust and torque can be computed
as:

(4)

(5)
The left hand sides of equations (4) and (5) are found from the local flow around the blade. It is
recalled that the relative velocity Vrel seen by a section of the blade is a combination of the axial
velocity (1 – a)Vo and the tangential velocity (1 + a’)ωr at the rotorplane (see Figure 2).

Figure 2. Velocities at the rotor plane

θ is the local pitch of the blade, in other words the local angle between the chord and the plane of
rotation. The local pitch is a combination of the pitch angle, θp, and the twist of the blade, β, as θ =
θp + β, where the pitch angle is the angle between the tip chord and the rotorplane and the twist is
measured relative to the tip chord. φ is the angle between the plane of rotation and the relative
velocity, Vrel, and it is seen in Figure 2 that the local angle of attack is given by:

(6)
(7)

It is recalled from the section concerning 2-D aerodynamics that the lift, by definition, is
perpendicular to the velocity seen by the aerofoil and the drag is parallel to the same velocity. In the
case of a rotor this velocity is Vrel due to arguments given in the section about the vortex system of a
wind turbine.

Further, if the lift and drag coefficients Cl and Cd are known, the lift L and drag D force per length
can be found :

(8)

(9)
Since we are interested only in the force normal to and tangential to the rotorplane, the lift and drag
are projected into these directions (see Figure 3):

(10)

(11)

Figure 3. The local loads on a blade


The equations (10) and (11) are normalized with respect to 1/2 ρV²relc yielding:

(12)

(13)

(14)

(15)
From Figure 2 it is readily seen from the geometry that:

(16)

(17)

Further, a solidity σ is defined as the fraction of the annular area in the control volume which is
covered by blades:

(18)

B denotes the number of blades, c(r) is the local chord and r is the radial position of the control
volume.
Since pN and pT are forces per length, the normal force and the torque on the control volume of
thickness dr are:

(19)

(20)

Using equation (14) for pN and equation (16) for Vrel, equation (19) becomes:

(21)

Similarly, if equation (15) is used for pT and equations (16) and (17) are used for Vrel, equation (20)
becomes:

(22)
If the two equations (21) and (4) for dT are equalized and the definition of the solidity equation (18)
is applied, an expression for the axial induction factor a is obtained:

(23)

If equations (22) and (5) are equalized, an equation for a’ is derived:

(24)

q
Now all necessary equations for the BEM model have been derived and the algorithm can be
summarized as the 8 steps below. Since the different control volumes are assumed to be
independent, each strip can be treated separately and the solution at one radius can be computed
before solving for another radius; in other words for each control volume the following algorithm is
applied.

Step (1) Initialize a and a’, typically a = a’ = 0.

Step (2) Compute the flow angle φ using equation (7).

Step (3) Compute the local angle of attack using equation (6).

Step (4) Read off Cl (α) and Cd (α) from table.

Step (5) Compute Cn and Ct from equations (12) and (13).

Step (6) Calculate a and a’ from equations (23) and (24).

Step (7) If a and a’ has changed more than a certain tolerance, go to step (2) or else finish.

Step (8) Compute the local loads on the segment of the blades.
This is in principle the BEM method, but in order to get good results it is necessary to apply two
corrections to the algorithm.

The first is called Prandtl’s tip loss factor, which corrects the assumption of an infinite number of
blades.

The second correction is called the Glauert correction and is an empirical relation between the
thrust coefficient CT and the axial induction factor a for a greater than approximately 0.4, where
the relation derived from the one-dimensional momentum theory is no longer valid.
5. CONDIÇÕES AERODINÂMICAS DE OPERAÇÃO DO ROTOR EÓLICO

5.1. Partida

Na partida, o rotor estaria parado. A velocidade do vento relativa à pá (W) fica na mesma direção
do vento não perturbado (V∞). O ângulo (Φ = ângulo de fluxo = α + β ) entre W e o plano de rotação
é de 90°. Maior parte da pá está na condição de Stall (grande α).

Start up
5.2. Velocidade normal

Quando a velocidade do rotor aumenta, Φ = α + β decresce (α diminui).

O torque (Tq) atinge o valor máximo e após a potência extraída alcança o máximo.
5.2. Alta velocidade

Se a velocidade do rotor é aumentada (caso o rotor não esteja com carga), a potência decresce
devido a (α) ficar negativo sobre parte da pá de modo que o Lift atua para retardar o rotor.
6. CARACTERÍSTICAS DE DESEMPENHO DO ROTOR EÓLICO

Para se conhecer o desempenho de um rotor, deve-se analisar as características da sua curva Cp x λ.


Para uma certa velocidade de vento (V∞), a potência de saída seria dada por:

1
P  C p V3 A
2

e o torque:

1
Tq  CTq V2 AR
2

Onde:

R 2nR V
  ou n
V V 2R
A figura mostra como a potência de saída e o torque variam com a velocidade de rotação do rotor
para uma velocidade de vento fixa (V∞).

(Tq)
Para outras velocidades de vento, varia conforme mostrado na figura abaixo:
6.1. Seleção do Ponto de Trabalho

O ponto de máxima potência (Pmáx) corresponde a uma velocidade de rotação (n0). Este ponto é
instável e por essa razão um ponto como P1 deve ser selecionado por sua estabilidade.

Se (natual < n1)  (Patual > P1)  há potência adicional disponível para acelerar o rotor para n1.

Se (natual > n1)  (Patual < P1)  a potência disponível será menor do que a requerida pela carga, o
que desacelera o rotor para a velocidade n1.

Pelos mesmos argumentos, mostra-se que o ponto P2 é instável.

Pmáx
P1
P2
6.2. Diferenças qualitativas entre máquinas de baixa e alta velocidade

A figura indica qualitativamente a distinção entre máquinas projetadas para bombeamento de água
(baixa velocidade n ou λ) com uma adequada para gerar eletricidade (alta velocidade n ou λ).

P = Tqω
P  Tq  
P = Tqω

(Tq)


n  n (rpm)
30
  n 2  n (rps)
6.3. Acoplamento da carga

O problema ocorre devido ao fato das características da saída de potência do rotor mudar com as
variações na velocidade do vento. O ponto de operação ótimo do rotor se move e a carga deveria
acompanhar essa característica.

Este não é o caso para as bombas alternativas. Por exemplo, um que a potência requerida é
linearmente proporcional à sua velocidade.
6.4. Seleção da faixa de velocidade de operação

Ao se projetar um sistema rotor eólico-carga, relaciona-se uma velocidade de vento inicial (V = Vci – Velocidade
de cut-in) tal que abaixo dela não exista torque necessário para operar a carga. Como a potência produzida
depende de V³, a perda de energia nestas baixas velocidades é pequena.

A velocidade de vento terminal (V = Vc o – Velocidade de cut-out, furling) para o rotor seria aquela determinada
pelos limites de resistência dos materiais induzidos pelas forças mecânicas atuantes no rotor.

Para a geração de energia elétrica, é usual limitar-se à potência total extraída a algum valor consideravelmente
menor que aquele que seria gerado na Vc o. Esta potência corresponde a uma velocidade de vento nominal (V = Vn
= Vr – Velocidade Nominal).

As velocidades de vento altas ocorrem menos frequentemente, por isso não é viável instalar capacidade de
potência para aproveitá-las.
7. FORÇAS MECÂNICAS NAS TURBINAS EÓLICAS

7.1. Rotor

As três principais forças mecânicas no rotor são: axial (devido às pressões estática e dinâmicas do
vento); circunferencial (devido às forças de resistência do ar); centrífuga ± gravitacional (devido ao
movimento de rotação das pás).

Adicionalmente há:

• forças que tendem a rodar a pá;

• forças giroscópicas oriundas das rajadas de


vento causadoras das mudanças de direção;

• forças advindas do desbalanceamento que


induzem vibração que podem causar sérios
danos ao sistema.
Carregamento Gravitacional

A gravidade é responsável por um carregamento senoidal das pás com uma frequência
correspondente a rotação do rotor. Como a turbina opera cerca de 20 anos, significa que uma
máquina operando a 25 rpm ficará exposta à:

20365 24 60 25=2,6 108 ciclos de stress devido à gravidade.


7.2. Torre

 axial (Thrust – Empuxo)  Momento Fletor;

 forças eólicas atuantes na sua própria estrutura;

 peso do conjunto rotor-gerador.


7.3. Transmissão de potência

Em turbinas (cataventos) para bombeamento de água, a potência é transmitida a um eixo vertical que é operado
por um sistema biela-manivela (crank) no topo da torre que move uma bomba alternativa.
8. ORIENTAÇÃO, CONTROLE E PARADA

8.1. Métodos de orientação do rotor

 leme ou rabeta;

 motor elétrico acionado por controle eletrônico.


8.2. Controle de velocidade e parada

Sistemas de controle para evitar danos causados por ventos fortes são necessários.

Várias soluções para este problema têm sido desenvolvidas:

 furling - moinhos antigos eram equipados com velas recolhíveis/enroláveis/embandeirada;

Furling
 girar o rotor ;

T  V 2R 2 2a1  a 

F = kx

T
 mudança no ângulo de pitch das pás (ação de forças centrífugas atuando em pesos; freios a ar;
controle eletrônico operado por motores elétricos).
8.3. Controle aerodinâmico de potência

É necessário se limitar a potência fornecida pela turbina eólica para valores acima da velocidade nominal do
vento, valores estes que ocorrem um número limitado de horas por ano.

Esta tarefa de regulação pode ser efetuada por meios passivos, isto é, desenhando o perfil das pás de modo a que
entrem em perda aerodinâmica – stall – a partir de determinada velocidade do vento, sem necessidade de
variação do passo, ou por meios ativos, isto é, variando o passo das pás – pitch – do rotor.

As turbinas stall têm as pás fixas, ou seja não rodam em torno de um eixo longitudinal.

Figura 1
A estratégia de controle de potência assenta nas características aerodinâmicas das pás do rotor que são projetadas
para entrar em perda a partir de uma certa velocidade do vento.
Uma vez que as pás estão colocadas a um dado ângulo de passo fixo, quando o ângulo de ataque aumenta para
além de um certo valor, a componente de sustentação diminui, ao mesmo tempo que as forças de arrasto passam a
ser dominantes.

Nestas condições, a componente T da força que contribui para o binário diminui: diz-se, neste caso, que a pá
entrou em perda (de sustentação).

(1)

Note-se que o ângulo de ataque aumenta quando a velocidade do vento aumenta, porque o rotor roda a uma
velocidade constante (Ut é constante na Figura 1).

As turbinas “pitch” têm a possibilidade de rodar a pá em torno do seu eixo longitudinal, isto é, variam o ângulo
de passo das pás, β.

A expressão analítica da variação de CP com λ pode ser modificada de modo a contabilizar a variação do ângulo de
passo β. Uma das expressões mais referidas na literatura da especialidade é [Slootweg]:

(2)
 Controle de passo (sistema ativo que precisa de informação vinda do sistema de controle)

Sempre que a potência nominal do gerador é ultrapassada, devido à um aumento da velocidade do vento, as pás
do rotor giram em torno do seu eixo longitudinal; em outras palavras, as pás mudam o seu ângulo de passo para
reduzir o ângulo de ataque. Esta redução do ângulo de ataque diminui as forças aerodinâmicas atuantes e,
consequentemente, a extração de potência do vento. Para todas as velocidades de vento superiores à velocidade
nominal, o ângulo é escolhido de forma que o aerogerador produza apenas a potência nominal.
Vantagens:

‒ maior produção de energia


‒ partida simples do rotor pela mudança de passo
‒ não necessita de fortes freios para paradas de emergência
‒ carga das pás do rotor decrescem com ventos acima da Pn
‒ posição de embandeiramento das pás do rotor para cargas pequenas em ventos extremos.
 Controle de Stall (sistema passivo que reage à velocidade do vento)
As pás são fixas no ângulo de passo que é escolhido de forma que , quando V > Vn, o fluxo em torno do perfil da pá descola,
reduzindo o L e aumentando o D.

Para evitar que o efeito stall ocorra em todas as posições radiais das pás ao mesmo tempo, reduzindo muito a P, as pás
possuem uma pequena torção longitudinal que levam a um suave desenvolvimento do stall.

Vantagens:

‒ inexiste sistema de controle de passo


‒ estrutura de cubo do rotor mais simples
‒ menor numero de peças moveis (menor manutenção)
‒ domina o mercado mundial (necessita Vrotor = cte,
gerador de indução direto na rede)
 Controle de stall ativo

O passo da pá é girado na direção do stall e não na direção da posição de embandeiramento


(L) como no sistema de passo.

Vantagens:

‒ menores mudanças no ângulo de passo


‒ possível controle da potência sob condições de potência parcial (ventos fracos)
Exemplo

Trace a variação de CP com λ, parametrizada para β = 0º, β = 10º e β = 25º, usando a


expressão analítica da equação 2.
A Figura mostra claramente que, para
um dado ângulo do passo da pá do rotor,
β, existe um valor de velocidade
específica, λ, que maximiza CP.

Por outro lado, conclui-se que o


rendimento aerodinâmico máximo é
obtido com β = 0 e que o mesmo
rendimento diminui com o aumento do
ângulo de passo β.

Eq. (2)
Nas turbinas do tipo pitch o sistema de controle do passo da pá ajusta o ângulo β, pelo que é possível controlar o
valor de CP. Este controle só se encontra ativo quando a turbina entra na zona de potência constante, ou seja, para
valores da velocidade do vento superiores à velocidade nominal do vento (tipicamente acima dos 13-14 m/s).

Para estas velocidades do vento, o sistema de controle do passo atua de modo a que o binário motor produzido
corresponda à potência nominal, isto é, provoca artificialmente, através de uma adequada inclinação da pá, uma
diminuição do binário (equação 1).

Na zona de velocidades do vento inferiores à velocidade nominal do vento, o ângulo de passo é mantido no valor
zero.

Teoricamente seria possível manter o valor de λ no seu valor ótimo (valor de λ para o qual CP é máximo),
controlando a velocidade do rotor da turbina em função da velocidade do vento, através do controle do ângulo do
passo das pás do rotor; contudo, verifica-se que o tempo de resposta do sistema de controle do passo das pás do
rotor é demasiadamente elevado para acompanhar as variações de velocidade do vento.

Na prática, força-se (através do sistema de controle eletrônico do gerador) a variação da velocidade do rotor da
turbina, impondo um binário de carga à turbina que a conduza à rotação a uma velocidade tal que mantenha λ no
valor ótimo. É este o princípio de funcionamento dos geradores eólicos de velocidade variável.
A Figura ilustra a variação de β com a velocidade do vento, v, para as turbinas do tipo “pitch”. Fora da zona de
controle de potência o valor de β é nulo, dependendo o valor de CP da velocidade específica da ponta da pá, λ.
β

Quando a velocidade do vento está abaixo do valor médio (em geral 13m/s), a pá permanece com toda a sua
superfície exposta ao vento, captando o máximo da energia cinética.

Quando a velocidade do vento é superior à 13m/s, não é necessário que a pá esteja frontalmente oposta ao vento
para captar o máximo de energia. Ela gira alguns graus, sofrendo menos pressão e desgaste.

Quando a velocidade do vento está acima dos limites especificados de segurança para a máquina, a pá fica com o
perfil posicionado na mesma direção do ar em movimento. Assim, o vento passa direto sem encontrar oposição e a
máquina para.
Vantagens e desvantagens

A favor da regulação por “stall” joga, principalmente, a sua grande simplicidade devido à ausência de mais partes
em movimento; por isso é também mais barata.

No entanto, a sua implementação faz apelo a complicados métodos de cálculo aerodinâmico para definir o ângulo
de ataque para o qual a pá entra em perda. Este aspecto é crucial para o desempenho deste método.

A favor da solução “pitch” jogam, por exemplo, o bom controle de potência, para todas as gamas de variação da
velocidade do vento. Na Figura comparam-se as curvas de potência de turbinas eólicas “stall” e “pitch”: é visível
que o sistema de variação do passo permite o controle de potência muito mais fino.

Curvas de potência:
pitch (Bonus) e stall
(NEG Micon e
Nordex)
[DanishAssoc].
Por outro lado, a variação do ângulo de passo permite também a redução dos esforços de fadiga
com vento muito forte, porque, nessa situação, a pá apresenta uma menor superfície frontal em
relação ao vento.

No entanto, o grande acréscimo de complexidade, e o correspondente aumento de custo, que esta


solução acarreta são inconvenientes que têm de ser ponderados.

Uma diferença fundamental entre as turbinas stall e pitch relaciona-se com a capacidade de
auxílio nos processos de partida e parada.

Na partida, quando a velocidade do vento é baixa, a turbina de pás fixas não tem binário de
arranque suficiente.

Torna-se necessário dispor de um motor auxiliar de partida ou, então, usar o próprio gerador a
funcionar como motor para trazer o rotor até à velocidade adequada.

No processo de parada não é possível colocar as pás na posição ideal para esse efeito, a chamada
posição de bandeira, pelo que é exigido um sistema complementar de travagem por meios
aerodinâmicos, por exemplo, deflexão de spoilers.

As turbinas pitch permitem que o processo de partida seja assistido, porque o ângulo de passo
pode ser variado de modo a conseguir um giro do rotor até à velocidade de rotação nominal. A
frenagem também é melhorada, porque se o passo das pás for tal que φ = 90 º (posição de
bandeira), o rotor move-se lentamente (Figura 1), e o sistema de frenagem aerodinâmica pode ser
dispensado.
Concepções Alternativas de Projeto

• Máquinas eólicas de eixo horizontal (HAWT/TEEH)


• Máquinas eólicas de eixo vertical (VAWT/TEEV)
9. MATERIAIS

9.1. Pás
• Madeira - pás de pequena dimensão (da ordem de 5 m de comprimento)

• Compostos sintéticos - mais usados nas pás das turbinas eólicas (PRFV - plásticos
reforçados com fibra de vidro). São baratos, robustos, resistem bem à fadiga e facilmente
moldáveis.

Sob o ponto de vista das propriedades mecânicas, as fibras de carbono constituem a


melhor opção. Contudo, o seu preço elevado é ainda um obstáculo que se opõe a uma
maior difusão.

• Metais - usado, principalmente nas turbinas de maiores dimensões.

É um material denso e alguns fabricantes optaram por ligas de alumínio que apresentam
melhores propriedades mecânicas, mas têm a desvantagem de a sua resistência à fadiga
se deteriorar rapidamente.

A tendência atual aponta no desenvolvimento de novos materiais compósitos híbridos,


para melhor aproveitar as características de cada um dos componentes, designadamente
sob o ponto de vista do peso, robustez e resistência à fadiga.
Judging from experience gained in aircraft engineering, the following materials are considered as suitable in
principle:
– aluminium,
– titanium,
– steel,
– fibre composite material (glass, carbon and aramide fibres),
– wood.
9.2. Torre
Os fabricantes têm-se dividido entre dois tipos de torres: tubulares e treliçadas.

 Nas torres tubulares pode-se


usar aço ou concreto, sendo,
normalmente as partes fixadas no
local com um guindaste. Estas 1982
torres são mais seguras para o
pessoal da manutenção, que pode
usar uma escada interior para
subir à plataforma da nacele.
1986

 As torres treliçadas são mais


baratas, as fundações são mais
rápidas e o efeito de sombra da
torre é atenuado; contudo, vêm
sendo progressivamente
abandonadas especialmente devido
a questões ligadas com o impacto
visual.
10. IMPACTOS DAS TURBINAS EÓLICAS

10.1. Ruídos

Sources of Wind Turbine Sound

There are four types of sound that can be generated by wind turbine operation: tonal, broadband,
low frequency, and impulsive:

1. Tonal: Tonal sound is defined as sound at discrete frequencies. It is caused by components such
as meshing gears, non-aerodynamic instabilities interacting with a rotor blade surface, or unstable
flows over holes or slits or a blunt trailing edge.

2. Broadband: This is sound characterized by a continuous distribution of sound pressure with


frequencies greater than 100 Hz. It is often caused by the interaction of wind turbine blades with
atmospheric turbulence, and also described as a characteristic "swishing" or "whooshing" sound.

3. Low frequency: Sound with frequencies in the range of 20 to 100 Hz is mostly associated with
downwind rotors (turbines with the rotor on the downwind side of the tower). It is caused when
the turbine blade encounters localized flow deficiencies due to the flow around a tower.

4. Impulsive: This sound is described by short acoustic impulses or thumping sounds that vary in
amplitude with time. It is caused by the interaction of wind turbine blades with disturbed air flow
around the tower of a downwind machine.
The sources of sounds emitted from operating wind turbines can be divided into two categories: 1)
Mechanical sounds, from the interaction of turbine components, and 2) Aerodynamic sounds,
produced by the flow of air over the blades.

Mechanical Sounds

Mechanical sounds originates from the relative motion of mechanical components and the dynamic
response among them. Sources of such sounds include:

1. Gearbox

2. Generator

3. Yaw Drives

4. Cooling Fans

5. Auxiliary Equipment (e.g., hydraulics)

Since the emitted sound is associated with the rotation of mechanical and electrical equipment, it
tends to be tonal (of a common frequency), although it may have a broadband component. For
example, pure tones can be emitted at the rotational frequencies of shafts and generators, and the
meshing frequencies of the gears.
In addition, the hub, rotor, and tower may act as loudspeakers, transmitting the mechanical sound
and radiating it. The transmission path of the sound can be air-borne or structure-borne. Air-borne
means that the sound is directly propagated from the component surface or interior into the air.
Structure-borne sound is transmitted along other structural components before it is radiated into
the air. For example, Figure 6 shows the type of transmission path and the sound power levels for
the individual components for a 2 MW wind turbine. Note that the main source of mechanical
sounds in this example is the gearbox, which radiates sounds from the nacelle surfaces and the
machinery enclosure.
The sound power level of a source,
LW, in units of decibels (dB).

(A)-Weighting: This is the most


common scale for assessing
environmental and occupational
noise. It approximates the
response of the human ear to
sounds of medium intensity.

Figure 6: Components and Total


Sound Power Level of a Wind Turbine,
showing structure-borne (s/b) and
airborne (a/b) transmission paths.
Aerodynamic Sounds

Aerodynamic broadband sound is typically the largest component of wind turbine acoustic
emissions. It originates from the flow of air around the blades. As shown in Figure 7, a large
number of complex flow phenomena occur, each of which might generate some sound.
Aerodynamic sound generally increases with rotor speed. The various aerodynamic sound
generation mechanisms that have to be considered are shown in Table 1. They are divided into
three groups:

1. Low Frequency Sound: Sound in the low frequency part of the sound spectrum is generated
when the rotating blade encounters localized flow deficiencies due to the flow around a tower,
wind speed changes, or wakes shed from other blades.

2. Inflow Turbulence Sound: Depends on the amount of atmospheric turbulence. The


atmospheric turbulence results in local force or local pressure fluctuations around the blade.

3. Airfoil Self Noise: This group includes the sound generated by the air flow right along the
surface of the airfoil. This type of sound is typically of a broadband nature, but tonal components
may occur due to blunt trailing edges, or flow over slits and holes.
Figure 7: Schematic of Flow around a Rotor Blade.
Table 1: Wind Turbine Aerodynamic Sound Mechanisms
Sound Reduction Methods for Wind Turbines

Turbines can be designed or retrofitted to minimize mechanical sound.

This can include special finishing of gear teeth, using low-speed cooling fans and mounting
components in the nacelle instead of at ground level, adding baffles and acoustic insulation to the
nacelle, using vibration isolators and soft mounts for major components, and designing the turbine
to prevent sounds from being transmitted into the overall structure.

Efforts to reduce aerodynamic sounds have included the use of lower tip speed ratios, lower blade
angles of attack, upwind rotor designs, variable speed operation and most recently, the use of
specially modified blade trailing edges.

Recent improvements in mechanical design of large wind turbines have resulted in significantly
reduced mechanical sounds from both broadband and pure tones. Today, the sound emission from
modern wind turbines is dominated by broadband aerodynamic sounds.
Sounds from Small Wind Turbines

Sound is likely to be one of the most important siting constraints for small wind turbines. Small
wind turbines (under 30 kW capacity) are more often used for residential power or for other
dedicated loads.

These systems may be grid-connected or stand-alone systems. Due to the proximity of human
activity, these applications could potentially result in noise complaints. Small wind turbines are in
many cases louder than large turbines.

Small wind turbines may also operate at higher tip speeds or turned partially out of the wind (this is
known as furling, and is a common power limiting mechanism for high winds). These operating
modes may aggravate sound generation.

It is not always easy to obtain reliable sound measurements from the manufacturers of smaller
wind turbines, especially at the wind speeds that might be a concern. For all of these reasons it is
important to carefully consider sounds from small wind turbines.
Sounds from Small Wind Turbines

POMILIO, J. A. - Qualidade da Energia Elétrica e Eletrônica de Potência – Univ. Campinas, 2002.


The sound power levels actually reached by wind turbines are determined by numerous aerodynamic and
constructional characteristics. As long as the turbines to be assessed are of comparable technical design, for
example three-bladed rotors with a tip-speed ratio of 6–7 and a fixed rotor speed, the dominant parameterwill be
turbine size, so that size-related guide values are possible:

– Small wind turbines up to 20 m rotor diameter / 100 kW ∼ 95 dB(A)


– Medium-sized wind turbines up to 40 m rotor diameter / 500 kW ∼ 98 dB(A)
– Large wind turbines with 70–80 m rotor diameter / 2000 kW 103–105 dB(A)
– Multi Megawatt wind turbines, 100–120 m rotor diameter 105–107 dB(A)
10.2. Mortandade de pássaros
11. PERSPECTIVAS FUTURAS

É notória a preocupação mundial com uma expansão da geração elétrica que possua os
seguintes atributos:
1. Segurança de suprimento;
2. Independência de preços externos (petróleo e gás natural);
3. Emissão reduzida de CO2 (mudança climática).

Rápida implantação do empreendimento eólico, com reduzido impacto ambiental –


relevante devido à incerteza no crescimento da demanda, notadamente eventuais
atrasos de UHE;

Facilidade de integração com a hidroelétrica em função da flexibilidade que os


reservatórios das UHE(s) proporcionam, isto é, as UHE(s) também compensam a
variabilidade da produção das eólicas. A “sazonalidade inversa” da eólica representa um
aumento virtual da capacidade de armazenamento das hidrelétricas.
Energia eólica como percentual do consumo de eletricidade

Brasil: 0,23% da oferta de eletricidade tem origem eólica


(similar a China em participação da energia eólica na matriz elétrica)

Fonte: US DOE
Energia eólica no Brasil: perspectivas

O Brasil pode se tornar um grande produtor.

• Vantagens competitivas brasileiras:

– 70% da população está concentrada na faixa litorânea, onde está localizada a maior
parte do potencial eólico

– Nossos ventos, em média, têm velocidades altas e, em geral, são estáveis e bem
comportados

• Para tanto, é necessário uma política de desenvolvimento da indústria nacional de


equipamentos eólicos e incentivos à pesquisa tecnológica
Source: CRESESB Fonte: Atlas do Potencial Eólico Brasileiro. CEPEL, 2001
MAIS DE 100 UNIDADES INDUSTRIAIS ESTÃO ENVOLVIDAS NO SETOR EÓLICO
na ESPANHA
A CHAVE DO SUCESSO ESPANHOL

Grande consenso político e social;

Percepção de modernidade e imagem ambiental positiva;

Sistema regulatório e de tarifa adequados;

Colaboração entre o operador de rede e o setor.

OUTROS BENEFÍCIOS NÃO MENSURÁVEIS

Melhoria da imagem tecnológica de Espanha;

Melhoria da qualidade de vida nas áreas rurais;

Aumento da internacionalização da economia espanhola.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALDABÓ, R. Energia Eólica. São Paulo: Artliber, 2002.

ANSWERS.COM. Disponível em: <http://www.answers.com/topic/airfoils>. Acesso em: 24 Setembro 2010.

BURTON, T. et al. Wind Energy Handbook. Chichester: John Wiley & Sons, Ltd, 2001.

CASTRO, R. M. G. INTRODUÇÃO À ENERGIA EÓLICA: Energias Renováveis e Produção Descentralizada. 4ª Edição. ed. Lisboa:
[s.n.], 2008.

ÇENGEL, Y. A.; CIMBALA, J. M. Mecânica dos Fluidos: Fundamentos e Aplicações. São Paulo: McGraw-Hill, 2007.

DUNN, P. D. Renewable Energies: Sources, Conversion and Application. Cambridge: Peter Peregrinus, v. II, 1986.

FOX, R. W.; MCDONALD, A. T.; PRITCHARD, P. J. Introdução à Mecânica dos Fluidos. 7ª Edição. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2010.

HANSEN, M. O. L. Aerodynamics of Wind Turbines. 2ª Edição. ed. London: Earthscan, 2008.

HAU, E. Wind Turbines: Fundamentals, Technologies, Application, Economics. 2ª Edição. ed. Berlin: Springer, 2006.

POMILIO, J. A. - Qualidade da Energia Elétrica e Eletrônica de Potência – Univ. Campinas, 2002.

ROGERS, A. L.; MANWELL, J. F.; WRIGHT, S. Wind Turbine Acoustic Noise. University of Massachusetts at Amherst. Amherst,
p. 26. 2006.