Você está na página 1de 12

Brasília, 15 a 19 de dezembro de 1997 - Nº 97

Data (páginas internas): 4 de fevereiro de


1998.

Este Informativo, elaborado a partir de


notas tomadas nas sessões de julgamento das
Turmas e do Plenário, contém resumos não-
oficiais de decisões proferidas pelo Tribunal. A
fidelidade de tais resumos ao conteúdo efetivo
das decisões, embora seja uma das metas
perseguidas neste trabalho, somente poderá
ser aferida após a sua publicação no Diário da
Justiça.

ÍNDICE DE ASSUNTOS
ADIn: Hipótese de Não-Conhecimento
ADIN e Reclamação: Descabimento
Aposentadoria Proporcional
Autonomia da Defensoria Pública
Custas e Emolumentos: Natureza Tributária
Efeito Suspensivo dos Embargos de Declaração
Efeito Suspensivo em Ação Rescisória
Exercício de Funções do Ministério Público
Extradição e Segredo de Estado
Inconstitucionalidade Formal
Pagamento de Dívidas Previdenciárias: TDA
Princípio da Reserva de Lei
Reformatio in Pejus: Inocorrência
Representação Processual da União

PLENÁRIO
Exercício de Funções do Ministério Público
Julgando medida liminar em ação direta requerida
pelo Procurador-Geral da República contra o Aviso nº
227/97, da Corregedoria-Geral da Justiça do Estado do Rio
de Janeiro que, em face da ausência do representante do
Ministério Público na realização de audiências, recomenda
aos juízes que nomeiem, ad hoc, profissional da área jurídica
para substituí-lo, o Tribunal, pela relevância jurídica da tese
de inconstitucionalidade por ofensa ao § 2º, do art. 129 (“As
funções de Ministério Público só podem ser exercidas por
integrantes da carreira, que deverão residir na comarca da
respectiva lotação.”), deferiu o pedido para suspender, com
eficácia ex nunc, no segundo parágrafo do referido Aviso, a
expressão sublinhada: “Outrossim, se perdurante a ausência,
obstando o exercitar da jurisdição, ou que a mesma fique à
deriva, deve o juiz dar consecução ao ato judicial, se
meramente interventiva a presença da representação; ou,
acaso indispensável esta à sua realização, investir
profissional da área jurídica, ad hoc, em ambas as hipóteses
fazendo a comunicação apontada”. ADInMC 1.748-RJ, rel.
Min. Sydney Sanches, 15.12.97.

Princípio da Reserva de Lei - 1


Julgando procedente ação direta ajuizada pelo
Governador do Estado do Amazonas, o Tribunal,
confirmando a medida liminar deferida, declarou a
inconstitucionalidade da decisão tomada no Processo nº
776/90, pelo Tribunal de Contas do Estado do Amazonas,
que assegurara aos auditores assistentes do referido Tribunal
a isonomia de vencimentos com os ocupantes do mesmo
cargo no Tribunal de Contas dos Municípios, por afronta ao
art. 61, § 1º, II, a, da CF, que confere ao Presidente da
República e, por força do disposto no art. 25, caput, da CF,
também aos Governadores de Estado a iniciativa privativa
das leis que disponham sobre “criação de cargos, funções ou
empregos públicos na administração direta e autárquica ou
aumento de sua remuneração”. ADIn 1.249-AM, rel. Min.
Maurício Corrêa, 15.12.97.

Princípio da Reserva de Lei - 2


Deferida medida cautelar requerida em ação direta
ajuizada pelo Governador do Estado do Espírito Santo, para
suspender a execução e aplicabilidade das Resoluções nºs
26/94, 15/97 e 16/97, do Presidente do Tribunal de Justiça do
Estado do Espírito Santo, que incluiu na remuneração
referente a determinados cargos Diretor Geral da
Secretaria, Diretor Judiciário, Chefe de Gabinete da Vice-
Presidência, Chefe do Gabinete da Presidência, Subdiretor
Geral, Secretário de Câmara do Tribunal de Justiça, Chefe de
Gabinete e Secretário-Geral da Corregedoria-Geral da
Justiça e de Assessor de Nível Superior de Gabinete , uma
verba de representação correspondente a 40% do valor
global. Ponderou-se que a competência privativa dos
tribunais de justiça para a iniciativa de leis que disponham
sobre a remuneração de seus servidores (CF, art. 96, II, b)
não permite que os tribunais fixem, por via de resolução,
vencimentos ou vantagens a seus membros ou servidores.
ADInMC 1.732-ES, rel. Min. Néri da Silveira, 15.12.97.

Efeito Suspensivo em Ação Rescisória


Por maioria de votos, o Tribunal indeferiu medida
cautelar requerida em ação direta ajuizada pelo Conselho
Federal da Ordem dos Advogados do Brasil-OAB, contra o
art. 6º da Medida Provisória 1.577-6/97, que acrescenta à Lei
8.437/92 o art. 5º, que dispõe: “Nas ações rescisórias
propostas pela União, Estados, Distrito Federal e
Municípios, bem como pelas autarquias e fundações
instituídas pelo Poder Público, caracterizada a
plausibilidade jurídica da pretensão, poderá o tribunal, a
qualquer tempo, conceder medida cautelar para suspender
os efeitos de sentença rescindenda”. À primeira vista,
entendeu-se não haver plausibilidade jurídica na argüição de
inconstitucionalidade por ofensa ao princípio da coisa
julgada (CF, art. 5º, XXXVI), tendo em vista que cabe à lei
ordinária disciplinar o cabimento da ação rescisória e as
condições de seu ajuizamento, inclusive o exercício do poder
de cautela do tribunal a quem cabe dirigir o seu processo.
Vencidos os Ministros Marco Aurélio, Néri da Silveira e
Celso de Mello, que deferiam a liminar para suspender o
dispositivo impugnado. ADInMC 1.718-UF, rel. Min.
Octavio Gallotti, 15.12.97.

Inconstitucionalidade Formal
Tendo em vista que compete à lei ordinária a
criação, organização e extinção da justiça militar estadual
(CF, art. 125, § 3º: “A lei estadual poderá criar, mediante
proposta do Tribunal de Justiça, a Justiça Militar estadual,
constituída, em primeiro grau, pelos Conselhos de Justiça e,
em segundo, pelo próprio Tribunal de Justiça, ou por
Tribunal de Justiça Militar nos Estados em que o efetivo da
polícia militar seja superior a vinte mil integrantes.”), o
Tribunal, por votação unânime, julgou procedente a ação
direta ajuizada pela Associação dos Magistrados Brasileiros -
AMB e declarou a inconstitucionalidade formal dos §§ 1º e
3º do art. 104, da Constituição do Estado do Rio Grande do
Sul, que estabeleciam a composição do tribunal de justiça
militar do referido Estado e o critério de escolha de seus
membros. ADIn 725-RS, rel. Min. Moreira Alves,
15.12.97.

Autonomia da Defensoria Pública


Iniciado o julgamento do mérito da ação direta
ajuizada pelo Procurador-Geral da República contra a Lei
Complementar 7/90, do Estado do Mato Grosso, que
organiza a Defensoria Pública do mesmo Estado. O Min.
Marco Aurélio, relator, analisando a argüição de
inconstitucionalidade quanto ao art. 5º da Lei impugnada (“A
Defensoria Pública é instituição com autonomia funcional e
administrativa.”), votou no sentido de julgar improcedente a
ação sob o entendimento de que o silêncio da CF sobre a
autonomia funcional e administrativa da Defensoria Pública
não acarreta a inconstitucionalidade da lei que a estabelecer.
Após, o julgamento foi suspenso em virtude do pedido de
vista formulado pelo Min. Nelson Jobim. ADIn 494-MT,
rel. Min. Marco Aurélio, 15.12.97.

Custas e Emolumentos: Natureza Tributária


Deferida medida liminar em ação direta requerida
pelo Procurador-Geral da República para suspender a
eficácia do Provimento nº 7/97, da Corregedoria-Geral da
Justiça do Estado de Mato Grosso, que dispõe sobre fixação
e cobrança de emolumentos devidos pelos atos do serviço
notarial e de registro público no Estado. Tendo em vista a
orientação seguida pela jurisprudência do STF no sentido de
reconhecer a natureza tributária das custas e emolumentos
judiciais e extrajudiciais, o Tribunal considerou
juridicamente relevante a alegação de ofensa ao princípio da
reserva legal e de invasão da competência suplementar
conferida à Assembléia Legislativa estadual para a fixação
de emolumentos (CF, art. 24, § 2º: “A competência da União
para legislar sobre normas gerais não exclui a competência
suplementar dos Estados.”). Precedentes citados: Rp 1.094-
SP (RTJ 141/430); RE 116.208-MG (RTJ 132/867);
ADInMC 1.444-PR (DJU de 29.8.97). ADInMC 1.709-MT,
rel. Min. Maurício Corrêa, 15.12.97.

ADIN e Reclamação: Descabimento


Considerando a natureza eminentemente objetiva
do processo de ação direta, o Tribunal apreciando preliminar
suscitada pelo Min. Sepúlveda Pertence manteve sua
jurisprudência que diz do não-cabimento de reclamação no
caso de descumprimento de decisão tomada em controle
concentrado de constitucionalidade. Deste modo, a Corte não
conheceu de reclamação ajuizada pelo Município de São
Paulo contra o Tribunal de Justiça de São Paulo, ao
argumento do descumprimento da decisão do STF na ADIn
1.098-SP (DJU de 25.10.96). Vencido o Min. Marco Aurélio.
Precedente citado: RCL 354-RS (RTJ 136/467). RCL 707-
SP (AgRg), Min. Marco Aurélio, 17.12.97.

Extradição e Segredo de Estado


Iniciado o julgamento de pedido extradicional
formulado pelo Governo da República Federal da Alemanha
em que se postula a entrega de nacional daquele país acusado
de transmissão de segredo de estado (energia nuclear) a
autoridade estrangeira (República do Iraque) ou a seus
intermediários. Após o voto do Min. Octavio Gallotti, relator,
no sentido do indeferimento da extradição à vista do disposto
no art. 5o, LII, da CF, que veda a extradição de estrangeiro
por crime político, e no art. 77, VII da Lei 6.815/80 (“Não
se concederá a extradição quando: ... VII - o fato constituir
crime político.”), o julgamento foi suspenso em virtude do
pedido de vista formulado pelo Min. Nelson Jobim.
Precedentes citados: EXT 147-Dinamarca, 288-Itália (RTJ
73/11), 399-França (RTJ 108/18) e 541- Itália (RTJ 145/428).
EXT. 700-Alemanha, Min. Octavio Gallotti, 17.12.97

Aposentadoria Proporcional - 1
O Tribunal, por maioria de votos, deferiu o pedido
de medida cautelar em ação direta requerida pelos Partidos
dos Trabalhadores - PT, Democrático Trabalhista - PDT e
Comunista do Brasil - PC do B, para suspender, até decisão
final da ação, a eficácia do § 2º do art. 453 da CLT,
introduzido pelo art. 3º da Lei 9.528/97, em que se
converteu a medida provisória nº 1.596-14/97 (“O ato de
concessão de benefício de aposentadoria a empregado que
não tiver completado 35 anos de serviço, se homem, ou
trinta, se mulher, importa em extinção do vínculo
empregatício”). Prevaleceu o voto do Min. Ilmar Galvão,
relator, no sentido de que a norma impugnada instituíra
modalidade de despedida arbitrária, sem indenização,
ofendendo, à primeira vista, o art. 7º, I, da CF (“São direitos
dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que
visem à melhoria de sua condição social: I – relação de
emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa
causa, nos termos de lei complementar, que preverá
indenização compensatória, dentre outros direitos;”), já que
a relação mantida entre o empregado e a instituição
previdenciária não se confunde com aquela que o vincula ao
seu empregador. De outra parte, considerou-se juridicamente
relevante a alegação de inconstitucionalidade por aparente
ofensa ao art. 202, § 1º, da CF (“É facultada aposentadoria
proporcional, após trinta anos de trabalho, ao homem, e
após vinte e cinco, à mulher.”), tendo em vista que o preceito
atacado inibiria o exercício do direito à aposentadoria
proporcional, assegurado constitucionalmente aos
trabalhadores.

Aposentadoria Proporcional - 2
Vencidos os Ministros Nelson Jobim, Octavio
Gallotti, Sydney Sanches e Moreira Alves, que consideravam
irrelevante a tese de inconstitucionalidade sustentada pelos
autores e indeferiam o pedido de medida liminar por
entenderem que o direito a aposentadoria é para que o
trabalhador tenha um descanso remunerado, podendo a lei
determinar, como conseqüência de sua concessão, a rescisão
automática do contrato de trabalho, e que a norma
impugnada não instituiu uma causa de despedida arbitrária,
uma vez que a concessão da aposentadoria proporcional
decorre de um ato de vontade do próprio empregado.
ADInMC 1.721-UF, rel. Min. Ilmar Galvão, 19.12.97.

Pagamento de Dívidas Previdenciárias: TDA - 1


Indeferida medida cautelar em ação direta
requerida pelos Partidos dos Trabalhadores - PT,
Democrático Trabalhista - PDT e Comunista do Brasil - PC
do B contra a Medida Provisória nº 1.586-3/97, que autoriza
o Instituto Nacional do Seguro Social - INSS “a receber, até
31 de dezembro de 1998, Títulos da Dívida Agrária a serem
emitidos pela Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério
da Fazenda, por solicitação de lançamento do Instituto
Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA,
especificamente para aquisição, para fins de reforma
agrária: I - de imóveis rurais pertencentes a pessoas
jurídicas responsáveis por dívidas previdenciárias de
qualquer natureza inclusive oriundas de penalidades por
descumprimento de obrigação fiscal acessória ; II - de
imóveis rurais pertencentes a pessoas físicas integrantes de
quadro societário ou a cooperados, no caso de cooperativas,
com a finalidade única de quitação de dívidas das pessoas
jurídicas referidas no inciso anterior”.

Pagamento de Dívidas Previdenciárias: TDA - 2


O Tribunal entendeu não caracterizada, à primeira
vista, a relevância jurídica da tese formulada pelos autores,
segundo a qual a Medida Provisória impugnada, ao
estabelecer que os mencionados Títulos da Dívida Agrária
serão recebidos pelo INSS com desconto sobre o valor de
face (§ 1º, do art. 1º) e resgatados antecipadamente pelo
Tesouro Nacional (art. 2º), teria violado o art. 184, da CF
(“Compete à União desapropriar por interesse social, para
fins de reforma agrária, o imóvel rural que não esteja
cumprindo sua função social, mediante prévia e justa
indenização em títulos da dívida agrária, com cláusula de
preservação do valor real, resgatáveis no prazo de até vinte
anos, a partir do segundo ano de sua emissão, e cuja
utilização será definida em lei.”), já que este mandamento
constitucional diz respeito a desapropriação por interesse
social de imóvel que não esteja cumprindo sua função social.

Pagamento de Dívidas Previdenciárias: TDA - 3


Quanto à alegada ofensa ao art. 163, IV, da CF,
(“Lei complementar disporá sobre: ... IV – emissão e resgate
de títulos da dívida pública;”), o Tribunal considerou que os
Títulos da Dívida Agrária estão sujeitos à disciplina do
mencionado art. 184 e seguintes da CF, que são os
dispositivos constitucionais específicos para política
agrícola, fundiária e reforma agrária. Vencido, neste ponto, o
Min. Marco Aurélio, que deferia a suspensão liminar da
Medida Provisória atacada sob o entendimento de que o
referido inciso IV, do art. 163, da CF, possui caráter
genérico, abrangendo, também, os Títulos da Dívida Agrária.
ADInMC 1.700-UF, rel. Min. Nelson Jobim, 19.12.97.

ADIn: Hipótese de Não-Conhecimento


Em face da jurisprudência do STF no sentido de
que, em princípio, é inviável, em sede de controle abstrato de
constitucionalidade, a análise da argüição de ofensa ao art.
169, da CF (“A despesa com pessoal ativo e inativo da
União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios
não poderá exceder os limites estabelecidos em lei
complementar.”), porquanto, para o deslinde da questão, é
indispensável o exame de matéria de fato, o Tribunal, por
votação unânime, não conheceu da ação direta ajuizada pelo
Governador do Distrito Federal contra a Resolução 127/97,
da Câmara Legislativa distrital, que reajustou a Gratificação
de Atividade Legislativa-GAL percebida por seus servidores,
em que se sustentava a insuficiência de dotação orçamentária
para as despesas de pessoal decorrentes da norma
impugnada, restando prejudicado, em conseqüência, o exame
do pedido de medida cautelar. ADIn 1.585-DF, rel. Min.
Sepúlveda Pertence, 19.12.97.

PRIMEIRA TURMA
Representação Processual da União
Considerando o disposto no artigo 29, § 5o, do
ADCT (“Cabe à atual Procuradoria-Geral da Fazenda
Nacional, diretamente ou por delegação, que pode ser ao
Ministério Público Estadual, representar judicialmente a
União nas causas de natureza fiscal, na área da respectiva
competência, até a promulgação das leis complementares
previstas neste artigo.”), é legítima a delegação conferida
pela PGFN à Procuradoria-Geral do INCRA para a
representação judicial da União nas execuções fiscais
relativas ao ITR. Com esse entendimento, a Turma negou
provimento a agravo regimental interposto contra despacho
que negara seguimento a agravo de instrumento, já que a
orientação seguida pelo acórdão contra o qual se interpôs o
extraordinário está de acordo coma jurisprudência do STF.
Precedentes citados: RREE 164.165-PR (DJU de 19.9.97),
164.698-RS (DJU de 19.9.97) e 164.970-PR (DJU de
6.6.97). AI 185.142-PE (AgRg), Min. Moreira Alves,
16.12.97 .

SEGUNDA TURMA
Efeito Suspensivo dos Embargos de Declaração
Considerando que o direito do réu de recorrer em
liberdade, uma vez reconhecido pela sentença condenatória,
persiste até o julgamento dos embargos declaratórios opostos
à decisão do tribunal que confirmou a condenação, a Turma,
por maioria, deferiu em parte o habeas corpus para que não
seja expedido o mandado de prisão contra o paciente até o
julgamento dos embargos de declaração. Vencido em parte o
Min. Marco Aurélio, relator, que concedia a ordem em maior
extensão a fim de que o mandado de prisão não fosse
expedido até o transito em julgado da sentença condenatória.
HC 75.983-SP, rel. Min. Marco Aurélio, 16.12.97.

Reformatio in Pejus: Inocorrência


Não contraria o princípio ne reformatio in pejus a
decisão do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina
que, julgando apelação da defesa contra sentença que
condenara o réu pelos crimes de associação e tráfico de
drogas (Lei 6.368/87, arts. 12 e 14), de um lado, afastou a
incidência do crime de associação por entender não provado
o caráter permanente exigido para a configuração deste tipo
penal, porém, de outro, incluiu na condenação, aumentando-
a de 1/3, a majorante do concurso eventual de agentes (Lei
6.368/76, art. 18, III). Precedentes citados: HC 71.434-SP
(DJU de 30.9.94) e HC 70.930-RJ (DJU de 24.3.95). HC
75.920-SC, rel. Min. Néri da Silveira, 16.12.97.

Sessões Ordinárias Extraordinárias Julgamentos

Pleno 17 e 19.12.97 15 e 18.12.97 35


1ª Turma 16.12.97 --------------- 129
2ª Turma 16.12.97 --------------- 147

CLIPPING DO DJ
19 de dezembro de
1997

ADIn N. 148
RELATOR : MIN. ILMAR GALVÃO
EMENTA: AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE.
IMPUGNAÇÃO AO ART. 278 DA CONSTITUIÇÃO DO ESTADO
DO ESPÍRITO SANTO E ÀS LEIS ESTADUAIS NºS 3.603/86;
3.707/84; 3.863/86 E 4.139/88. INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA
DOS DEPUTADOS ESTADUAIS.
Não se conhece da ação na parte que impugna leis anteriores à
Constituição Federal de 1988, que, ademais, já foram revogadas por
lei posterior, não objeto desta ação direta de inconstitucionalidade.
Improcedência da ação no tocante ao art. 278 da Constituição do
Estado do Espírito Santo, que assegurou o sistema previdenciário
dos deputados, "na forma da lei", por se tratar de norma de conteúdo
programático.
* noticiado no Informativo 93

ADIn N. 276
RELATOR : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE
EMENTA: I. Processo legislativo: modelo federal: iniciativa
legislativa reservada: aplicabilidade, em termos, ao poder
constituinte dos Estados-membros.
1. As regras básicas do processo legislativo federal são de absorção
compulsória pelos Estados-membros em tudo aquilo que diga
respeito — como ocorre às que enumeram casos de iniciativa
legislativa reservada — ao princípio fundamental de independência
e harmonia dos poderes, como delineado na Constituição da
República.
2. Essas orientação — malgrado circunscrita em princípio ao regime
dos poderes constituídos do Estado-membro — é de aplicar-se em
termos ao poder constituinte local, quando seu trato na Constituição
estadual traduza fraude ou obstrução antecipada ao jogo, na
legislação ordinária, das regras básicas do processo legislativo, a
partir da área de iniciativa reservada do executivo ou do judiciário: é
o que se dá quando se eleva ao nível constitucional do Estado-
membro assuntos miúdos do regime jurídico dos servidores
públicos, sem correspondência no modelo constitucional federal, a
exemplo do que sucede na espécie com a disciplina de licença
especial e particularmente do direito á sua conversão em dinheiro.

ADIn N. 1.420
RELATOR : MIN. NÉRI DA SILVEIRA
EMENTA: - Ação direta de inconstitucionalidade. Medida Cautelar.
2. Fundo Social de Emergência. 3. Argüição de
inconstitucionalidade de expressões constantes dos arts. 71 e § 2º;
72, incisos III e V, do ADCT da Constituição de 1988, com a
redação introduzida pela Emenda Constitucional nº 10, de 4.3.1996.
4. Controle de validade de emenda à Constituição, à vista do art. 60
e parágrafos, da Constituição Federal. Competência do Supremo
Tribunal Federal (art. 102, I, a). Cláusulas pétreas. 5. Os arts. 71, 72
e 73 foram incluídos no Ato das Disposições Constitucionais
Transitórias de 1988 pela Emenda Constitucional de Revisão nº 1, de
1º de março de 1994. 6. A Emenda Constitucional nº 10/1996 alterou
os arts. 71 e 72, do ADCT, prorrogando-se a vigência do Fundo
Social de Emergência, no período de 1º de janeiro de 1996 a 30 de
junho de 1997. 7. A inicial sustenta que, exaurido o prazo de
vigência do Fundo Social de Emergência a 31.12.1995, não poderia
a Emenda Constitucional nº 10, que é de 4.3.1996, retroagir, em seus
efeitos, a 1º de janeiro de 1996, pois, em assim dispondo, feriria o
direito adquirido dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios,
no que concerne à participação no Fundo a que se refere o art. 159,
inciso I, da Constituição, e à incidência do art. 160 da mesma Lei
Maior, no período de 1º de janeiro até o início de vigência da aludida
Emenda Constitucional nº 10, de 4.3.1996. 8. Não invoca a inicial,
entretanto, especificamente, ofensa a qualquer dos incisos do art. 60
da Constituição, sustentando, de explícito, lesão ao art. 5º, XXXVI,
à vista do disposto nos arts. 159 e 160, todos da Constituição.
Decerto, dessa fundamentação poderia decorrer, por via de
conseqüência, ofensa ao art. 60, I e IV, da Lei Magna, o que,
entretanto, não é sequer alegado. 9. Embora se possa, em princípio,
admitir relevância jurídica à discussão da quaestio juris, exato é,
entretanto, que não cabe reconhecer, aqui, desde logo, o periculum
in mora, máxime, porque nada se demonstrou, de plano, quanto a
prejuízos irreparáveis aos Estados, Distrito Federal e Municípios, se
a ação vier a ser julgada procedente. É de observar, no ponto,
ademais, que a Emenda Constitucional de Revisão nº 1, que
introduziu, no ADCT, os arts. 71, 72 e 73, sobre o Fundo Social de
Emergência, entrou em vigor em março de 1994, com efeitos,
também, a partir de janeiro do mesmo ano. 10. Medida cautelar
indeferida.
* noticiado no Informativo 31

ADIn N. 1.542
RELATOR : MIN. FRANCISCO REZEK
EMENTA: AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE.
MEDIDA LIMINAR. ARTIGO 117 - §§ 1º, 2º E 3º DA LEI
COMPLEMENTAR Nº 53/90 DO ESTADO DO MATO GROSSO
DO SUL. POLICIAL MILITAR. SIMETRIA COM A
LEGISLAÇÃO FEDERAL. LIMINAR INDEFERIDA.
Ausência do aspecto de bom direito, que toda liminar reclama. A
norma atacada tem, à primeira vista, simetria com o padrão federal.
Liminar indeferida.

ADIn N. 1.643
RELATOR : MIN. MAURÍCIO CORRÊA
EMENTA: AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE.
MEDIDA LIMINAR. "SISTEMA INTEGRADO DE
PAGAMENTO DE IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES DAS
MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE -
SIMPLES": LEI Nº 9.317, DE 5 DE DEZEMBRO DE 1996.
PESSOA JURÍDICA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CUJO
EXERCÍCIO DEPENDA DE HABILITAÇÃO PROFISSIONAL
LEGALMENTE EXIGIDA: NÃO PODE OPTAR PELO
"SISTEMA SIMPLES".
1. Há pertinência temática entre os objetivos estatutários da
Confederação Nacional da Profissões Liberais e a lei questionada,
que instituiu o "Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e
Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte
- SIMPLES".
2. Ainda que classificadas como microempresas ou empresas de
pequeno porte porque a receita bruta anual não ultrapassa os limites
fixados no art. 2º, incisos I e II, da Lei nº 9.317, de 5 de dezembro
de 1996, não podem optar pelo "Sistema SIMPLES" as pessoas
jurídicas prestadoras de serviços que dependam de habilitação
profissional legalmente exigida.
3. Medida liminar indeferida.
* noticiado no Informativo 90

ADIn N. 1.664
RELATOR : MIN. OCTAVIO GALLOTTI
EMENTA: PREVIDÊNCIA SOCIAL. Relevância jurídica da
impugnação, perante os artigos 194, parágrafo único, I, 201, caput e
§ 1º e 202, I, todos da Constituição, da proibição de acumular a
aposentadoria por idade, do regime geral da previdência, com a de
qualquer outro regime (redação dada, ao art. 48 da Lei nº 8.213-91,
pela Medida Provisória nº 1.523-13/1997).
Trabalhador rural. Plausibilidade da argüição de
inconstitucionalidade da exigência de contribuições anteriores ao
período em que passou ela a ser exigível, justificando-se ao
primeiro, exame essa restrição apenas em relação à contagem
recíproca de tempo de serviço público(artigos 194, parágrafo único,
I e II, e 202, § 2º, da Constituição e redação dada aos artigos 55, §
2º, 96, IV e 107 da Lei nº 8213-91, pela Medida Provisória nº 1523-
13-97).
Medida cautelar parcialmente deferida.
* noticiado no Informativo 92

ADIn N. 1.684
RELATOR : MIN. MOREIRA ALVES
EMENTA: Ação direta de inconstitucionalidade. Pedido de liminar.
Impugnação ao artigo 2º da Resolução nº 03, de 22 de agosto de
1997, do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia, que determina que
o Presidente dessa Corte solicitará ao Presidente da OAB, Seção da
Bahia, indicação de lista sêxtupla para escolha do seu representante
que integrará a comissão de concurso para cargo inicial de juiz
substituto.
- Relevância da fundamentação jurídica do pedido e ocorrência do
"periculum in mora".
Pedido de liminar deferido, para suspender a eficácia, "ex nunc", do
mencionado artigo.
* noticiado no Informativo 89

EXTRADIÇÃO N. 701
RELATOR : MIN. ILMAR GALVÃO
EMENTA: GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS. EXTRADIÇÃO
BASEADA EM TRATADO.
Colombiana, naturalizada norte-americana, com dois mandados de
prisão expedidos, respectivamente, pelas Cortes do Distrito Central
da Califórnia e do Distrito Sul de Nova Iorque, pela prática dos
crimes de associação criminosa para possuir com intenção de
distribuir, auxiliar e instigar a distribuição de cocaína; posse de
cocaína com intenção de distribuir, auxiliar e instigar a posse de
cocaína com a intenção de distribuir; e distribuição de cocaína;
associação criminosa para lavagem de dinheiro, estruturação de
transações, auxílio e instigação ao crime de lavagem de dinheiro.
Prescrição inexistente, quer em face da lei norte-americana,
quer diante da lei brasileira.
Extraditanda que, no Rio de Janeiro, responde a processo pelo crime
de uso de passaporte falso. Irrelevância para o processamento e
julgamento da extradição.
Irrelevância, por igual, do fato de responder a extraditanda por
crimes punidos com prisão perpétua. Precedentes do STF.
Exclusão dos ilícitos não punidos pela legislação brasileira, na forma
do art. 77, II, da Lei nº 6.815/80 e do art. III do Tratado.
Extradição deferida, em parte.

HC N. 75.032
RELATOR : MIN. OCTAVIO GALLOTTI
EMENTA: Não dá margem a habeas corpus ao Supremo Tribunal, a
título de ameaça, a previsão de julgamento desfavorável de Tribunal
estadual, mesmo quando advinda de experiência do tratamento por
ele dado a hipóteses assemelháveis.
Morosidade em cumprimento de diligência não atribuível a
colegiado de segundo grau.

HC N. 75.393
RELATOR : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE
EMENTA: I. Suspensão condicional do processo:
inadmissibilidade: pena mínima cominada superior a um ano e pena
aplicada inferior a um ano, mas objeto de recurso do Ministério
Público.
A admitir-se a suspensão condicional do processo quando a
imputação for desclassificada para outra menos grave, de pena
mínima cominada inferior a um ano, há de exigir-se o assentimento
do Ministério Público à nova classificação jurídica do fato; logo é
inviável a suspensão, se, mediante recurso, o MP insiste - aliás,
como êxito - na capitulação inicial.

HC N. 75.610
RELATOR : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE
EMENTA: I. Processo penal de competência originária dos tribunais
de segundo grau: vigência dos arts. 556 a 562 C.Pr.Pen., até o
advento da L. 8.658/93, que lhe estendeu a disciplina da L. 8.038/90,
originalmente restrita ao STF e ao STJ: conseqüente competência
individual do relator para o recebimento da denúncia anterior à L.
8.658/93, que não ofendia a garantia do juiz natural.
II. Notificação prévia para resposta escrita à denúncia por crime
afiançável (C.Pr.Pen., art. 558): sua omissão é nulidade relativa,
sanada pela falta de argüição na defesa prévia ou, na melhor das
hipóteses, com o advento da decisão definitiva da condenação.

HC N. 75.647
RELATOR : MIN. OCTAVIO GALLOTTI
EMENTA: Imposição de regime fechado, exclusivamente apegada
aos elementos inerentes ao tipo penal, sem nenhum componente
concreto capaz de reforçar a decisão. Pedido de habeas corpus, em
conseqüência, deferido.
* noticiado no Informativo 87

HC N. 75.648
RELATOR : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE
EMENTA: I. Prisão imediata por força de confirmação unânime em
segundo grau da sentença condenatória: legitimidade consolidada na
jurisprudência do STF, com ressalva pessoal do relator, que não
impõe aguardar-se a oportunidade de oposição dos embargos de
declaração, da qual só excepcionalmente advirá a alteração do
julgado.
II. Individualização da pena: razoabilidade de sua fixação acima do
mínimo quando se cuida da proprietária de empresa de vulto de
exploração de prostituição alheia.
* noticiado no Informativo 92

HC N. 75.773
RELATOR : MIN. CARLOS VELLOSO
EMENTA: EXTRADIÇÃO. HABEAS CORPUS: CABIMENTO.
I. - Se a pretensão posta no habeas corpus não foi levada à
apreciação do Relator do pedido de extradição, não cabe, contra este,
o writ.
II. - H.C. não conhecido.

HC N. 75.931
RELATOR : MIN. ILMAR GALVÃO
EMENTA: HABEAS CORPUS. JULGAMENTO. ADIAMENTO.
ENFERMIDADE DO ADVOGADO. RECUSA. RÉU
REPRESENTADO POR DOIS ADVOGADOS.
A impossibilidade da presença do advogado à sessão de julgamento
não basta para que se reconheça o direito à transferência de pauta,
uma vez que há circunstâncias que podem autorizar o seu
indeferimento.
No caso, o paciente estava representado nos autos por dois
advogados e a sustentação oral no julgamento da apelação poderia
ter sido feita pelo outro patrono.
Habeas corpus indeferido.
* noticiado no Informativo 93

HC N. 75.932
RELATOR : MIN. OCTAVIO GALLOTTI
EMENTA: - Ação penal contra Prefeito Municipal.
Só após a vigência da Lei nº 8.658, de 26-5-93, passou o
recebimento da denúncia a ser ato privativo de órgão colegiado do
Tribunal de Justiça, nada impedindo que, antes disso, estivesse a
decisão a cargo do Desembargador-Relator.
* noticiado no Informativo 90

HC N. 75.960
RELATOR : MIN. OCTAVIO GALLOTTI
EMENTA: 1- Júri. Requerido o desaforamento pelo Ministério
Público é imperativa a audiência da defesa. Precedentes do STF: HC
63.807 (RTJ 131/125) e HC 69.054, (RTJ 139/242).
2 - Necessidade da indicação dos fundamentos de exclusão das mais
próximas, quando escolhida, para o julgamento, cidade mais distante
do distrito da culpa. Precedente: HC 65.278, (RTJ 128/1170).
* noticiado no Informativo 90

HC N. 76.003
RELATOR : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE
EMENTA: Lei penal e processual penal no tempo: C.Pr.Pen., art.
366, cf. redação da L. 9.271/96: suspensão do processo e da
prescrição contra revel citado por edital: incindibilidade da sua
aplicação aos processos pendentes.
Dada a estreita conexão teleológica, na L. 9.271/96, entre a norma
processual que determina a suspensão do processo contra o revel
citado por edital e a norma penal que, na mesma hipótese, suspende
o curso da prescrição, não é possível aplicar a primeira, aos
processos pendentes, porque processual e mais favorável, quando
impossível aplicar a segunda, penal e menos favorável.
HC N. 76.044
RELATOR : MIN. OCTAVIO GALLOTTI
EMENTA: Basta, para configurar o dolo inerente ao crime
capitulado no art. 2º, II, da Lei nº 8.137-90, a vontade livre e
consciente de não recolher, aos cofres públicos, o produto dos
valores descontados, a título de imposto sobre a renda, dos salários
da empresa de que são os pacientes diretores.
Impossibilidade financeira não demonstrada.
Não impede a instauração da ação penal, a pendência de
procedimento fiscal administrativo acerca das importâncias não
recolhidas.

HC N. 76.049
RELATOR : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE
EMENTA: I. STF: competência originária: HC que não é
substitutivo de RHC, porque, após o indeferimento da primitiva
impetração contra a pronúncia, o Tribunal de Justiça negou
provimento ao recurso em sentido estrito no qual aventados os
mesmos fundamentos (cf. HC 71.431).
II. Antecipação de prova testemunhal (CPrPen., art. 225):
imprescindível intimação do acusado, que, na hipótese de fazer-se
por edital, impõe se aguarde a exaustão do prazo legal da citação ou,
pelo menos, daquele menor, fixado por motivo de urgência no
chamamento editalício: nulidade: desconsideração da prova
antecipadamente colhida.
III. Prova testemunhal: rol complementar ao que acompanhou a
defesa prévia, apresentado no curso do tríduo legal: direito a
inquirição indevidamente negado: cerceamento de defesa: nulidade.
* noticiado no Informativo 89

HC N. 76.095
RELATOR : MIN. MOREIRA ALVES
EMENTA: "Habeas corpus".
- Embora sem cumprir a exigência do § 2º do artigo 2º da Lei 8.072
que exige que o juiz decida fundamentadamente se o réu poderá
apelar em liberdade, a sentença condenatória concedeu
indiretamente à ora paciente esse benefício ao determinar que
somente depois do trânsito em julgado dela seria lançado o nome da
sentenciada no rol dos culpados e expedido o mandado de prisão.
Assim sendo, e não havendo apelado a propósito o Ministério
Público, nem sendo caso de recurso necessário, não pode esse
benefício, ainda que concedido sem a devida fundamentação, ser
cassado pelo Tribunal, quando da apreciação da apelação do réu,
para efeito de não conhecer da apelação por não se haver recolhido
este à prisão. Essa questão ficou preclusa, e, portanto, não poderia
ser reexaminada.
"Habeas corpus" deferido.
* noticiado no Informativo 92

INQUÉRITO N. 1.328
RELATOR : MIN. NELSON JOBIM
EMENTA: QUEIXA-CRIME. QUESTÃO DE ORDEM.
PARLAMENTAR. ART. 53, CAPUT, DA CONSTITUIÇAO.
IMUNIDADE MATERIAL. DECLARAÇÕES EMITIDAS NO
ÂMBITO DAS ATIVIDADES PARLAMENTARES.
INVIOLABILIDADE. EXAME PRÉVIO PELO RELATOR PARA
DETERMINAR O ARQUIVAMENTO DO PEDIDO NOS CASOS
DE INVIOLABILIDADE. O PEDIDO DE LICENÇA A UMA DAS
CASAS DO CONGRESSO SÓ DEVE SER EXPEDIDO EM
HIPÓTESE DE IMUNIDADE PROCESSUAL.
* noticiado no Informativo 88

RE N. 117.819
RELATOR : MIN. SEPÚLVEDA PERTENCE
EMENTA: FGTS e estabilidade contratual: recurso extraordinário
inadmissível: não contraria o entendimento de ser a opção pelo
FGTS incompatível com a persistência da estabilidade legal do
optante a decisão que não conhece do recurso de revista por ter sido
afirmada, com base nos fatos e na interpretação do regulamento do
empregador, a estabilidade contratual da empregada, cuja
compatibilidade, aliás, com o regime do FGTS tem sido proclamada
pelo Supremo Tribunal.

RE N. 121.840
RELATOR : MIN. FRANCISCO REZEK
EMENTA: RECURSO EXTRAORDINÁRIO. PENSÃO
ESPECIAL A VIÚVAS OU COMPANHEIRAS DE EX-
PREFEITOS, INSTITUÍDA POR LEI MUNICIPAL. REDUÇÃO.
ARGUMENTO DE AFRONTA AO DIREITO ADQUIRIDO.
Não afronta a garantia do direito adquirido a redução, por lei
posterior, de pensão instituída por ato de liberalidade do município.
Recurso extraordinário não conhecido.

RE N. 161.243
RELATOR : MIN. CARLOS VELLOSO
EMENTA: CONSTITUCIONAL. TRABALHO. PRINCÍPIO DA
IGUALDADE. TRABALHADOR BRASILEIRO EMPREGADO
DE EMPRESA ESTRANGEIRA: ESTATUTOS DO PESSOAL
DESTA: APLICABILIDADE AO TRABALHADOR
ESTRANGEIRO E AO TRABALHADOR BRASILEIRO. C.F.,
1967, art. 153, § 1º; C.F., 1988, art. 5º, caput.
I. - Ao recorrente, por não ser francês, não obstante trabalhar para a
empresa francesa, no Brasil, não foi aplicado o Estatuto do Pessoal
da Empresa, que concede vantagens aos empregados, cuja
aplicabilidade seria restrita ao empregado de nacionalidade francesa.
Ofensa ao princípio da igualdade: C.F., 1967, art. 153, § 1º; C.F.,
1988, art. 5º, caput).
II. - A discriminação que se baseia em atributo, qualidade, nota
intrínseca ou extrínseca do indivíduo, como o sexo, a raça, a
nacionalidade, o credo religioso, etc., é inconstitucional. Precedente
do STF: Ag 110.846(AgRg)-PR, Célio Borja, RTJ 119/465.
III. - Fatores que autorizariam a desigualização não ocorrentes no
caso.
IV. - R.E. conhecido e provido.
* noticiado no Informativo 51

RE N. 181.664
RED. P/ O ACÓRDÃO: MIN. ILMAR GALVÃO
EMENTA: CONTRIBUIÇÃO SOCIAL. LEI Nº 7.856, DE 25 DE
OUTUBRO DE 1989, QUE, NO ART. 2º, ELEVOU A
RESPECTIVA ALÍQUOTA DE 8 PARA 10%. LEGITIMIDADE DA
APLICAÇÃO DA NOVA ALÍQUOTA SOBRE O LUCRO
APURADO NO BALANÇO DO CONTRIBUINTE ENCERRADO
EM 31 DE DEZEMBRO DO MESMO ANO.
Tratando-se de lei de conversão da Medida Provisória nº 86, de 25
de setembro de 1989, da data da edição desta é que flui o prazo de
noventa dias previsto no art. 195, § 6º, da CF, o qual, no caso, teve
por termo final o dia 24 de dezembro do mesmo ano, possibilitando
o cálculo do tributo, pela nova alíquota, sobre o lucro da recorrente,
apurado no balanço do próprio exercício de 1989.
Recurso conhecido e provido.
* noticiado no Informativo 60

RE N. 184.570
RELATOR : MIN. MOREIRA ALVES
EMENTA: Servidor público aposentado. Extensão de benefício dado
aos servidores em atividade.
- O acórdão recorrido, interpretando a lei 7.702/88, lhe deu o
seguinte entendimento:
"Observa-se que o auxílio moradia foi instituído aproveitando todos
os servidores na atividade, indistintamente, não se cogitando
possuirem imóvel próprio ou funcional. Embora tratado no artigo
2º, da Lei nº 7.702/88 como indenização, fato é que,
inquestionavelmente, trata-se de um benefício. E, como tal, é devido
igualmente ao servidor policial civil aposentado, o que implica em
reconhecer aos Impetrantes o direito de também recebê-lo".
Ora, para chegar a conclusão contrária a que chegou o acórdão
recorrido, seria mister que se reexaminasse essa interpretação da Lei
infraconstitucional, o que implica dizer que a alegação de ofensa à
Constituição é indireta ou reflexa, não dando margem, assim, ao
cabimento do recurso extraordinário.
Recurso extraordinário não conhecido.

RE N. 201.593
RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO
FÉRIAS PROPORCIONAIS - APOSENTADORIA - Aposentando-
se o servidor, antes do implemento do fator tempo alusivo à
aquisição do direito às férias, descabe falar em direito adquirido à
indenização correspondente.

RMS N. 22.832
RELATOR : MIN. ILMAR GALVÃO
EMENTA: EMPRESA SEGURADORA. ANULAÇÃO DO ATO
PELO QUAL TEVE CASSADA A AUTORIZAÇÃO DE
FUNCIONAMENTO, PARA OBSERVÂNCIA DO DIREITO DE
DEFESA. ALEGADA INOBSERVÂNCIA DA ORDEM
JUDICIAL.
Decisão que, ao revés, resultou cumprida, com reposição da empresa
em funcionamento, embora sob regime de fiscalização que sua
difícil situação estava a recomendar.
Direito de defesa oportunamente facultado, cujo exercício, todavia,
consistiu na oferta, não comprovada, de bens de terceiros para
reforço de garantia.
Impetração que, em nenhum momento, nega as dificuldades de
ordem econômico-financeira que estavam a inviabilizar a atuação da
empresa como seguradora, situação que o eventual reconhecimento
das pretensas irregularidades processuais não teria o condão de
reverter.
Recurso improvido.

RE N. 166.934
RELATOR : MIN. MAURÍCIO CORRÊA
EMENTA: RECURSO EXTRAORDINÁRIO.
CONSTITUCIONAL. USUCAPIÃO. PERÍMETRO DE
ALDEAMENTO INDÍGENA. MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE
DA UNIÃO FEDERAL. INCOMPETÊNCIA DA JUSTIÇA
COMUM PARA AVALIAÇÃO DO PEDIDO.
1. Ação de reconhecimento de domínio sobre imóvel situado no
perímetro de aldeamento indígena. Manifestação de interesse da
União, perante a Justiça Estadual. Somente à Justiça Federal cabe
avaliar a realidade ou não desse interesse.
2. Incompetência da Justiça Comum para exame da pretensão.
Recurso conhecido e provido.

RE N. 210.235
RELATOR : MIN. MAURÍCIO CORRÊA
EMENTA: EXTRAORDINÁRIO. INFRAÇÃO ÀS NORMAS
TRABALHISTAS. PROCESSO ADMINISTRATIVO.
CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA. PENALIDADE.
NOTIFICAÇÃO. RECURSO PERANTE A DRT. EXIGÊNCIA DO
DEPÓSITO PRÉVIO DA MULTA. PRESSUPOSTO DE
ADMISSIBILIDADE E GARANTIA RECURSAL. AFRONTA AO
ART. 5º, LV, CF. INEXISTÊNCIA.
1. Processo administrativo. Imposição de multa. Prevê a
legislação especial que, verificada a infração às normas trabalhistas
e lavrado o respectivo auto, o infrator dispõe de dez dias, contados
do recebimento da notificação, para apresentar defesa no processo
administrativo (art. 629, § 3º, CLT) e, sendo esta insubsistente,
exsurge a aplicação da multa mediante decisão fundamentada (art.
635, CLT). Não observância ao princípio do contraditório e ampla
defesa: alegação improcedente.
2. Recurso administrativo perante a DRT. Exigência de
comprovação do depósito prévio. Pressuposto de admissibilidade
e garantia recursal.
2.1. Ao infrator, uma vez notificado da sanção imposta em processo
administrativo regular, é facultada a interposição de recurso no prazo
de dez dias, instruído com a prova do depósito prévio da multa (art.
636, § 2º, CLT), exigência que se constitui em pressuposto de sua
admissibilidade.
2.2. Violação ao art. 5º, LV, CF. Inexistência. Em processo
administrativo regular, a legislação pertinente assegurou ao
interessado o contraditório e a ampla defesa. A sua instrução com a
prova do depósito prévio da multa imposta não constitui óbice ao
exercício do direito constitucional do art. 5º, LV, por se tratar de
pressuposto de admissibilidade e garantia recursal, visto que a
responsabilidade do recorrente, representada pelo auto de infração,
está aferida em decisão fundamentada.
Recurso conhecido e provido.

Acórdãos publicados: 646

Assessores responsáveis pelo Informativo


Maria Ângela Santa Cruz Oliveira
Márcio Pereira Pinto Garcia

informativo@stf.gov.br