Você está na página 1de 27

O MERCADO DE TRABALHO NA PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO CURSO DE

CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIMONTES - CAMPUS SALINAS/MG

RESUMO

PESTANA, Dálit Oliveira 1

SILVA, Maria Elane Silveira 1

SILVA, Taislane Francisca dos Santos 1

ARAÚJO, Alessandra Pereira 2

A presente pesquisa teve como objetivo geral analisar a atual situação dos egressos do curso

de ciências contábeis UNIMONTES campus Salinas/MG frente ao mercado de trabalho. Realizou-se uma pesquisa descritiva, bibliográfica e de campo. Como fundamentação teórica,

tratou-se da contabilidade; a profissão contábil; o mercado de trabalho e suas exigências; identificação do curso. Foram aplicados para os egressos do curso dos decorrentes anos de

2016 e 2017 um questionário contendo 14 questões com perguntas que aborda vam o tema de

estudo. Mediante o exposto, em relação a atual situação dos egressos no mercado de trabalho constatou- se que 90,9% estão trabalhando, sendo assim, um número satisfatório dos

participantes da pesquisa estão inseridos no mercado de trabalho.

Palavras chaves: Mercado de trabalho. Ciências Contábeis. Perspectivas Profissionais.

ABSTRACT

The present research had as general objective to analyze the current situation of graduates of the course of accounting sciences - UNIMONTES - campus Salinas / MG in front of the labor

theoretical

foundation,

requirements; course identification. A questionnaire containing 14 questions with questions that addressed the topic of study was applied to those graduating from the course of the years

market.

A

descriptive,

this

was

bibliographical

accounting;

and

the

field

research was

carried

the

out.

As

the

accounting profession;

labor

market

and

its

2016 and 2017. Based on the above, in relation to the current situation of the graduates in the

labor market it was found that 90.9% are working, so a satisfactory number of the participants

of the research are inserted in the job market.

Keywords: Labor market. Accounting Sciences. Professional Perspectives.

1 Acadêmica do Curso de Graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Montes Claros - Campus Salinas

2 Professora Esp. (Universidade Estadual

de Montes Claros - Campus Salinas)

1

INTRODUÇÃO

Segundo Iudícibus et al. (2010, p.35) “A Contabilidade é tão remota quanto ao homem que pensa, ou melhor dizendo, que conta”. Os mesmos salientam que o desenvolvimento da contabilidade se deu principalmente pela necessidade de acompanhar a evolução dos patrimônios, associado ao surgimento do Capitalismo, como forma quantitativa de mensurar os acréscimos ou decréscimos dos investimentos iniciais alocados a alguma exploração comercial ou industrial.

A Contabilidade começou a amadurecer nos séculos XIII e XIV em que o sistema

de escrituração por partidas dobradas começaram a surgir em diversos centros de comércio no norte da Itália. Luca Pacioli foi o primeiro codificador da contabilidade, em sua obra que apareceu em Veneza em 1494 descrevia o sistema de partidas dobradas e apresentava o raciocínio em que se baseava os lançamentos contábeis (HENDRIKSEN e VAN BREDA,

1999).

Com o desenvolvimento da Contabilidade nos Estados Unidos, expande a preocupação com o usuário da informação contábil. A Contabilidade passa a ser utilizada e apresentada como instrumento fundamental para a tomada de decisões (IUDÍCIBUS, 2004).

A profissão contábil está intimamente relacionada com o sucesso empresarial. O

profissional de Contabilidade precisa estar apto a abarcar as necessidades da empresa no geral

com capacidades estratégicas, diante de um mercado cada vez mais competitivo (FARIA e QUEIROZ, 2009).

A atuação do profissional contábil é muito abrangente e seu universo é amplo, o

campo de atuação do profissional contábil pode ser tanto no setor público quanto no setor privado. A contabilidade é executada para quem necessita de informações sobre ascensão de dados financeiros e de capital investido (ARAUJO, 2004). Este estudo justifica-se diante das diversas oportunidades de atuação após a conclusão do curso. O profissional contábil vem se tornando cada vez mais indispensável para as organizações e devido as exigências do mercado de trabalho este profissional precisa estar em constante atualização e sempre em busca de novos conhecimentos. Neste cenário, surge a seguinte questão norteadora dessa pesquisa: Qual a atual situação dos egressos do curso de ciências contábeis UNIMONTES campus Salinas/MG frente ao mercado de trabalho? Assim sendo, o estudo em questão buscou analisar a atual situação dos egressos do curso de ciências contábeis UNIMONTES campus Salinas/MG frente ao mercado de

trabalho. Buscou- se ainda verificar as áreas de atuação dos egressos no mercado de trabalho ; investigar se as perspectivas dos egressos com relação ao curso de ciências contábeis campus Salinas/MG foram atingidas com sucesso após a conclusão do curso e identificar as oportunidades e os desafios encontrados no mercado de trabalho após a conclusão do curso .

A referida pesquisa foi organizada além da introdução, o referencial teórico,

metodologia, análise de dados e discussão dos resultados e as considerações finais.

2 REFERÊNCIAL TEÓRICO

2.1 A contabilidade

A Contabilidade é uma ferramenta que fornece o máximo de informações úteis

para a tomada de decisões dentro e fora da empresa. Ela sempre existiu para auxiliar as pessoas a tomarem as decisões, porém com o passar do tempo o governo começou a utiliz á- la para arrecadar impostos o que a tornou obrigatória para a maioria das empresas. Entretanto, a contabilidade não deve ser vista apenas para atender as exigências do governo e sim auxiliar as pessoas para tomarem as melhores decisões (MARION, 2009). Franco (1997) ressalta que a Contabilidade tem como função registrar, classificar, demonstrar, auditar e analisar todos os fatos que ocorrem no patrimônio das entidades, com o intuito de fornecer informações, interpretações, orientações sobre a composição e variações desse patrimônio, para a tomada de decisões de seus administradores. De acordo com Iudícibus et al (2010), a Contabilidade na qualidade de ciência social aplicada possui um campo de atuação muito amplo, podendo ser aplicado a qualquer tipo de pessoa, física ou jurídica, com finalidades lucrativas ou não, que tenha necessidade de desempenhar atividades econômicas para alcançar suas finalidades, mesmo que tais atividades econômicas não sejam atividades- fim. O objeto da Contabilidade é o patrimônio, ou seja, é sobre ele que são exercidas as funções contábeis, para alcance das suas finalidades, que é a de orientar e informar os usuários sobre o estado desse patrimônio e suas variações (FRANCO, 1997). Sobre a importância da Contabilidade, Franco (1997, p.22) ressalta que:

A Contabilidade desempenha, em qualquer organismo econômico, o mesmo papel que a História da vida da humanidade. Sem ela n ão seria possível conhecer o passado nem o presente da vida econômica da entidade, não sendo também possível fazer previsões para o futuro nem elaborar planos para a orientação administrativa.

As movimentações de mensuração monetária são registradas pela Contabilidade, que tem a função de resumir os dados registrados em forma de relatórios e os apresenta aos interessados em conhecer a situação da empresa. Esses interessados, através de relatórios contábeis, recordam os fatos ocorridos, analisam os resultados obtidos, os motivos que levarão aqueles resultados e tomam decisões em relação ao futuro (MARION, 2009).

2.2

A Profissão Contábil

2.2.1

Competências e Habilidades do Profissional Contábil

O conceito de competênc ia para Perrenoud (1999) constitui- se como a capacidade

de estimular um conjunto de recursos intelectivos (saberes, capacidades, informações, etc.) para solucionar com eficiência diversas eventualidades. Conforme Dutra (2004) as competências primordiais de um profissional podem ser pressagiadas e estruturadas de maneira a designar um conjunto de conhecimentos, qualificações técnicas, preceitos e atitudes éticas que se desenvolvidas, oferecem desempenho nos resultados.

O que vai de encontro à mesma definição proposta pela Resolução nº 4 de 1999, do Conselho Nacional de Educação, em seu art. 6º que define a competência profissional como a eficiência de estimular, associar e sobrepor em ação valores, maestrias e atribuições necessárias para a execução eficiente das funções exigidas pela natureza do trabalho.

Já a habilidade segundo Cardoso et al (2011) resulta na eficiência do indivíduo de

realizar algo, como a classificação, identificação, destreza no cálculo, observação e interpretação.

a Resolução CNE/CES nº 10/2004 as habilidades e competências

exigidas ao profissional contábil, são definidas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para o

Curso de graduação em Ciências Contábeis, que em seu art. 3° propõe que o curso de graduação em Ciências Contábeis deve estabelecer premissas que capacitem o futuro profissional contábil.

E segundo

deverá:

Ainda

conforme

a

Resolução

CNE/CES

10/2004,

o

profissional

contábil

apresentar dominação das responsabilidades operacionais abrangendo apurações, auditorias, perícias, arbitragens, noções de atividades atuais e de quantificações

de informações financeiras, patrimoniais e governamentais, manuseando recursos tecnológicos. compreender assuntos científicos, técnicos, sociais, econômicos e financeiros, em campo nacional e internacional. ter conhecimento critico- analítico de análise, em relação às implicações institucionais com o surgimento da tecnologia da informação. Quanto à formação profissional, a mesma Resolução CNE/CES nº 10/2004, em seu art. 4º, prescreve que o curso de graduação em ciências contábeis deve viabilizar ao profissional, as seguintes habilidades e competências:

I utilizar adequadamente a terminologia e a linguagem das Ciências Contábeis e

Atuariais;

II demonstrar visão sistêmica e interdisciplin ar da atividade contábil;

III elaborar pareceres e relatórios que contribuam para o desempenho eficiente e

eficaz de seus usuários, quaisquer que sejam os modelos organizacionais;

IV aplicar adequadamente a legislação inerente às funções contábeis;

V desenvolver, com motivação e através de permanente articulação, a liderança

entre equipes multidisciplinares para a captação de insumos necessários aos

contábeis, com

reconhecido nível de precisão;

VI

contábeis, incluindo noções de atividades atuariais e de quantificações de informações financeiras, patrimoniais e governamentais, que viabilizem aos agentes econômicos e aos administradores de qualquer segmento produtivo ou institucional

controles

técnicos,

suas

à

geração

e disseminação

de informações

-

exercer

responsabilidades

com o expressivo domínio das funções

o pleno cumprimento de seus encargos quanto ao gerenciamento, aos controles e à

prestação de contas de sua gestão perante a sociedade, gerando também informações

para

a tomada de decisão, organização de atitudes e construção de valores orientados

para

a cidadania;

VII - desenvolver, analisar e implantar sistemas de informação contábil e de controle gerencial, revelando capacidade crítico analítica para avaliar as implicações

organizacionais com a tecnologia da informação;

VIII - exercer com ética e proficiência as atribuições e prerrogativas que lhe são

prescritas através da legislação específica, revelando domínios adequados aos

diferentes modelos organizacionais. (RESOLUÇÃO CNE/CES 10/2004, incisos de I

a VIII do art. 4º).

Segundo o Projeto Político Pedagógico do curso de ciências contábeis da UNIMONTES (2012) as habilidades e competências que serão desenvolvidas durante a formação do profissional contábil do curso de ciências contábeis é ge neralizada, com uma magnificente base em Contabilidade Financeira eficaz para todas as entidades. O Projeto Pedagógico do curso de Ciências Contábeis da UNIMONTES (2012), define ainda que os futuros profissionais contábeis devem possuir know-how e domínios em softwares, aplicativos, métodos quantitativos, economia nacional e internacional, filosofia, recursos humanos, realidade brasileira, aptidão de interpretação da teoria e prática, capacidade de raciocínio abstrato, habilidade e criatividade em técnicas comerciais, administração

financeira e contábil, custos, auditoria, legislação tributária e gerencial, investigação e

pesquisa científica; desenvolturas para trabalho em equipe, iniciativa e pensamento crítico.

2.2.2 As diferentes áreas de atuação do Profissional Contábil

A atuação do profissional contábil é muito abrangente e seu universo é amplo, o

campo de atuação do profissional contábil pode ser tanto no setor público quanto no setor

privado. A contabilidade é executada para quem necessita de informações sobre ascensão de

dados financeiros e de capital investido (ARAUJO, 2004).

Conforme a Resolução CFC 560/1983 em seu art. 2º, o profissional contábil pode

atuar como: profissional liberal, autônomo, servidor público, militar, sócio de qualquer tipo de

sociedade, de diretor ou de conselheiro de qualquer organização, ou em qualquer tipo de

função.

A mencionada Resolução CFC 560/1983 dispõe que as funções podem ser:

analista, assessor, assistente, auditor, interno e externo, conselheiro, consultor, controlador de

arrecadação, controller, educador, escritor ou articulista técnico, escriturador contábil ou

fiscal, executor subordinado, fiscal de tributos, legislador, organizador, perito, pesquisador,

planejador, professor ou conferencista, redator, revisor.

Essas funções poderão ser executadas em cargos como os de chefe, subchefe,

diretor, responsável, encarregado, supervisor, superintendente, gerente, subgerente, de todas

as unidades administrativas onde se processem serviços contábeis (RESOLUÇÃO CFC

560/1983, art. 2º)

o

profissional contábil poderá ser:

Segundo

a

Resolução

CFC

560/1983,

em

seu

art.2°,

quanto

à

titulação

Contador, contador de custos, contador departamental, contador de filial, contador fazendário, contador fiscal, contador geral, contador industrial, contador patrimonial, contador público, contador revisor, contador seccional ou setorial, contadoria, técnico em contabilidade, departamento, setor, ou outras semelhantes, expressando o seu trabalho através de aulas, balancetes, balanços, cálcu los e suas memórias, certificados, conferências, demonstrações, laudos periciais, judiciais e extrajudiciais, levantamentos, livros ou teses científicas, livros ou folhas ou fichas escriturados, mapas ou planilhas preenchidas, papéis de trabalho, pareceres , planos de organização ou reorganização, com textos, organogramas, fluxogramas, cronogramas e outros recursos técnicos semelhantes, prestações de contas, projetos , relatórios, e todas as demais formas de expressão, de acordo com as circunstâncias (Resolução CFC 560/1983, art.2°)

Marion (2009) salienta que para exercer como um profissional de contabilidade é

indispensável a habilitação no Conselho Regional de Contabilidade (CRC).

2.2.3

O papel do profissional contábil na sociedade

O papel do profissional contábil na sociedade é fornecer informações úteis e relevantes para a tomada de decisões nas organizações. Contudo, vale ressaltar que a função do profissional contábil foi adulterada no decorrer do tempo, principalmente nas pequenas empresas, onde a sua função era vista apenas como recolhedor de impostos (IUDICIBUS e MARION, 2002). Conforme dispõe a Resolução CFC Nº803/96 com alterações da Resolução CFC N°1.307/10 no Capítulo II, artigo 2º de que trata das obrigações do profissional contábil, o mesmo deverá:

I - exercer a profissão com zelo, diligência e honestidade, observada a legislação vigente e resguardados os interesses de seus clientes e/ou empregadores, sem prejuízo da dignidade e independência profissionais;

II - guardar sigilo sobre o que so uber em razão do exercício profissional lícito,

inclusive no âmbito do serviço público, ressalvados os casos previstos em lei ou quando solicitado por autoridades competentes, entre estas os Conselhos Regionais

de

Contabilidade;

III

zelar pela sua competência exclusiva na orientação técnica dos serviços a seu

cargo,

IV comunicar, desde logo, ao cliente ou empregador, em documento reservado,

eventual circunstância adversa que possa influir na decisão daquele que lhe formular

consulta ou lhe confiar trabalho, estendendo-se a obrigação a sócios e executores;

V inteirar-se de todas as circunstâncias, antes de emitir opinião sobre qualquer

caso;

VI renunciar às funções que exerce, logo que se positive falta de confiança por

parte do cliente ou empregador, a quem deverá notificar com trinta dias de antecedência, zelando, contudo, para que os interesses dos mesmos não sejam prejudicados, evitando declarações públicas sobre os motivos da renúncia;

VII se substituído em suas funções, informar ao substituto s obre fatos que devam chegar ao conhecimento desse, a fim de habilitá -lo para o bom desempenho das funções a serem exercidas; VIII manifestar, a qualquer tempo, a existência de impedimento para o exercício

da profissão;

IX ser solidário com os movimentos de defesa da dignidade profissional, seja

propugnando por remuneração condigna, seja zelando por condições de trabalho .

Segundo Iudicibus et al. (2010) quanto mais a contabilidade é responsável pelo fornecimento de informações para controle e gestão nas entidades mais o profissional contábil fica no centro de interesses divergentes, pois o profissional contábil não necessita somente de técnicas para sobreviver dentro de uma sociedade e sim de ética profissional e pessoal, habilidade de comunicação e de resistência. Ressaltam ainda que não há profissão liberal respeitada, que não careça de conhecimentos, que não necessite de tomar decisões; o saber viver em interesses discrepantes amplia o papel do profissional contábil na sociedade.

2.3

O mercado de trabalho e suas exigências.

A profissão contábil está intimamente relacionada com o sucesso empresarial. O profissional de Contabilidade precisa estar apto a abarcar as necessidades da empresa no geral com capacidades estratégicas, diante de um mercado cada vez mais competitivo (FARIA e QUEIROZ, 2009). Mondardo et al. (2011) salientam que o mercado de trabalho exige um profissional com competência e conhecimento da empresa, gerando informações necessárias de forma a guiar o administrador na tomada de decisão. Os supracitados autores argumentam que o profissional de Contabilidade deve ser preparado e ter seus conhecimentos adquiridos desde o período de formação acadêmica. Marion (2005) enaltece que o profissional Contábil dentro da organização é aquele que detém maior conhecimento e informação, pois seu desempenho exige domínio sobre os procedimentos adotados. Dentre as opções de áreas de atuação do profissional contábil destacam-se o contador autônomo, aquele que fará a prestação de serviços a diversas organizações e pessoas, tendo como ferramenta seu escritório de contabilidade. Além de poder também oferecer assessoria contábil para a melhor organização da empresa e também atuar como consultor empresarial. Já na área de auditoria o mesmo poderá atuar como contador certificador da informação contábil divulgada pela empresa (ARAÚJO, 2004). No setor público o campo de atuação é amplo e vai do contador público até o auditor fiscal. Sendo os mesmos abrangendo as esferas municipais, estaduais e federais, pois garantem uma carreira sólida e apresentam um diferencial em remuneração e plano de carreiras (ARAÚJO, 2004). Nas empresas em geral o profissional contábil destaca-se, pois, o mesmo poderá assumir vários cargos de destaque. Poderá ele ser o contador, ou poderá ocupar o cargo de gerente financeiro, analista financeiro e ou controladoria (ARAÚJO, 2004). No ensino a carreira mostra se muito promissora, pois a contabilidade é uma área que se apresenta com poucos doutores e mestres, quando comparada com outras áreas do conhecimento. “O mercado atual requer modernidade, criatividade, novas tecnologias, novos conhecimentos e mudanças urgentes na visão através dos paradigmas, impondo, com isso, um desafio: o de continuar competindo” (SILVA, 2000, p.26).

2.4

Identificação do curso

2.4.1 Universidade Estadual de Montes Claros UNIMONTES

A Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes está situada no

município de Montes Claros/MG, no Campus Universitário "Prof. Darcy Ribeiro", Vila Mauricéia, CEP: 39401-089, foi criada em 1962 através da Lei Estadual nº. 2.615/1962, surgiu em 1963 como a primeira unidade de ensino Superior do Norte de Minas, de autoria do ex- deputado Cícero Dumont, localizado na rua Coronel Celestino, 75, em Montes Claros. Logo mais tarde, em 1990, passou a se chamar Universidade Estadual de Montes Claros, através do Decreto Estadual nº 30.971, de 09/03/1990 (PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - UNIMONTES, 2012). Com a Lei Estadual nº 11.517, de 13 de julho de 1994, integrou- se definitivamente a UNIMONTES ao antigo hospital regional Clemente de Farias, que passou a ser chamado de Hospital Universitário Clemente de Farias. Em seguida ocorreu a extinção das faculdades e a criação dos centros de ensino que foram: Centro de Ciências Humanas (CCH), Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS) e o Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA) (UNIMONTES, 2018).

2.4.2 Curso de Ciências Contábeis Campus Salinas/MG

O curso de Ciências Contábeis da Universidade Estadual de Montes Claros

UNIMONTES iniciou- se em Salinas no ano de 2006, tendo com base normativa para implantação do curso a lei estadual nº. 14.949 de 06 de janeiro de 2004, Resolução nº. 15 CEPEX de 17 de julho 2006 e Resolução nº. 03 CONSU de 2006. (PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - UNIMONTES, 2012). O reconhecimento do curso de Ciências Contábeis deu-se através do Decreto de 17 de dezembro de 2009, publicado no Minas Gerais de 18 de dezembro de 2008, na página 02, coluna 1 (PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - UNIMONTES, 2012). Conforme o Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Contábeis Unimontes (2012), o título conferido aos acadêmicos pelo curso de Ciências Contábeis é na modalidade bacharel, a realização da matricula e a cada semestre, o número de vagas ofertadas no total são 35, sendo curso apenas no período noturno, e a entrada é feita anualmente.

Sendo assim o curso de Ciências Contábeis busca em sua essência:

envolver um conjunto de conhecimentos relacionados à geração de informações econômico-financeiras voltadas para a administração das diversas entidades. O profissional desta área é responsável pelo acompanhamento dos dados necessários ao controle do patrimônio, fluxos de produção e renda das instituições, elementos básicos para subsídio à tomada de decisão com maior margem de segurança. Algumas funções são privilégio dos bacharéis de Ciências Contábeis. É o caso das auditorias, que consistem em minuciosos exames da escrituração contábil e das perícias, em que o profissional verifica a veracidade dos fatos registrados na contabilidade (UNIMONTES, 2018).

O tempo de integralização do curso é de no mínimo 8 semestres concluídos em 4 anos, e no máximo, 12 semestres concluídos em 06 anos, com frequência mínima exigida de 75% da carga horária total em cada disciplina, totalizando assim a carga horária de 3.000 horas ou 3.600 horas aula (PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - UNIMONTES, 2012).

3 METODOLOGIA

De acordo com Gil (2002), a pesquisa é um procedimento racional e sistemático que tem como finalidade proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Ela é desenvolvida mediante o concurso dos conhecimentos disponíveis e a utilização de métodos, técnicas e outros procedimentos científicos. Sendo assim ela se desenvolve ao longo de um processo que envolve várias fases, desde a formulação do problema até a apresentação dos resultados.

Seguindo essa mesma linha de pensamento Prodanov e Freitas (2013 p. 43), ressaltam que a pesquisa cientifica “é a realiza ção de um estudo planejado, sendo o método de abordagem do problema o que caracteriza o aspecto científico da investigação. Sua finalidade é descobrir respostas para questões mediante a aplicação do método científico”. Os mesmos enfatizam que os critérios para classificar os tipos de pesquisa podem variar de acordo com o enfoque dado, os campos, os interesses, as metodologias, as situações e os objetos de estudo. Essa pesquisa caracterizou-se como uma pesquisa descritiva, que segundo Gil (2002) ocorre quando o pesquisador apenas registra e descreve os fatos observados sem interferir neles, com o objetivo de apresentar as características de determinada população ou fenômeno, envolvendo o uso de técnicas padronizadas de coletas de dados como questionários e observação sistemática. Do ponto de vista dos procedimentos técnicos essa pesquisa trata-se de uma pesquisa bibliográfica, que de acordo com Prodanov e Freitas (2013) é elaborada a partir de

material já publicado, constituído principalmente de livros, artigos científicos, teses, dentre outros, com o intuito de colocar o pesquisador em contato direto com todo material já escrito sobre o assunto da pesquisa. Ainda sobre o ponto de vista dos procedimentos técnicos, a presente pesquisa caracteriza-se como pesquisa de campo, que conforme Marconi e Lakatos (2003) a pesquisa de campo é aquela utilizada com a finalidade de alcançar informações e/ou conhecimentos acerca de um problema, para o qual se busca uma resposta, ou de uma hipótese, que se queira comprovar, ou, ainda, descobrir novos fenômenos ou as relações entre eles.

O universo da pesquisa foi composto por egressos do curso de Ciências Contábeis

da Universidade Estadual de Montes Claros UNIMONTES Campus Salinas/MG, no período de 2016 e 2017. Para o levantamento de dados adotou-se questionário estruturado, contendo 14 questões. O questionário utilizado para a obtenção dos resultados da pesquisa foi elaborado e aplicado utilizando a ferramenta “formulários” Google Docs. O Google Docs é uma plataforma de aplicativos online, hospedado pelo Google, de forma gratuita. Sobre o Google Docs, Penteado et. al. (2012, p.10), afirma que,

a ferramenta Google Docs é uma tecnologia que permite de forma eficaz o gerenciamento de informações. Possibilita a criação de um rep ositório de novos conhecimentos, é de fácil e rápida aplicação, acessível amigável aos usuários e extremamente útil para os diferentes tipos de pesquisa.

A ferramenta “formulários”, utilizada na pesquisa, é de fácil manuseio e de rápida aplicação de questionários, pois para a coleta das respostas, pode-se enviar por e-mail o endereço do formulário gerado automaticamente pela plataforma Docs como link e incluí- lo no corpo da mensagem a ser enviada. Para o envio do questionário utilizou- se a ferramenta da rede social WhatsApp, sendo o envio por mensagem com o link do site. Para aplicação do questionário foram obtidas as relações dos acadêmicos que concluíram o curso de ciências contábeis no ano de 2016 e 2017 junto à secretaria da UNIMONTES. O documento obtido continha a relação de nomes completos, e para obtenção do telefone de contato dos participantes foi através das redes sociais (Face book e WhatsApp), os mesmos foram contatados utilizando como base o documento dos nomes contidos nessa relação.

O questionário foi aplicado no período de 27/10/2018 a 14/11/2018, e dentre os 36

egressos informados na relação disponibilizada pela secretaria, obteve- se 33 questionários respondidos representando 91,66%. As questões eram de múltipla escolha e o egresso podia

marcar mais de uma opção. Após a coleta dos dados, procedeu-se à tabulação e análise dos resultados. Os gráficos e tabelas foram construídos por meio do software Microsoft Excel.

4 ANÁLISE DOS DADOS

Neste tópico foram apresentadas as análises dos dados e discussão dos resultados, obtidos por meio do questionário aplicado aos egressos do curso de Ciências Contábeis da UNIMONTES Campus Salinas/MG nos decorrentes anos de 2016 e 2017.

Inicialmente buscou-se identificar dos egressos qual o ano de conclusão do curso.

identificar dos egressos qual o ano de conclusão do curso. Gráfico 01: Ano de conclusão do

Gráfico 01: Ano de conclusão do curso Fonte: dados da pesquisa novembro, 2018 (elaboração própria)

De acordo com os dados do gráfico 01 foi possível identificar separadamente o percentual de respostas em cada ano, onde verificou- se que um pouco mais da metade dos egressos, correspondente a 54,5% concluíram o curso no ano de 2017. Os demais pesquisados concluíram em 2016. Na tabela abaixo buscou-se identificar quais os pontos positivos que motivaram os egressos pela escolha do curso. Nesta questão os respondentes poderiam marcar mais de uma opção.

TABELA 1

Pontos positivos que motivaram os egressos na escolha do curso de Ciências Contábeis em

Salinas/MG

Alternativas

Quantidade

%

de respostas

Curso presencial Curso gratuito Falta de opção de cursos na cidade

23

25,84%

22

24,72%

13

14,61%

Curso noturno Facilidade no ingresso no mercado de trabalho

12

13,48%

9

10,12%

trabalhava na área

3

3,37%

Motivação familiar Motivação financeira

3

3,37%

2

2,25%

O

curso ser melhor que administração

1

1,12%

Trabalhar com a família na área Sonho de ser contador

1

1,12%

0

0%

 

TOTAL

89

100%

Fonte: Dados da pesquisa Novembro, 2018 (elaboração própria)

Sobre os pontos positivos que motivaram a escolha pelo curso de ciências

contábeis, a tabela 1 demonstra que, o ponto positivo mais apontado pelos egressos (25,84%)

foi o fato de o curso ser presencial, dado relevante, visto que há extensa opção de cursos

ofertados a distância, pelo ensino EAD. Já o segundo ponto positivo mais citado foi o fato de

o curso ser gratuito, com (24,72%) das respostas.

Foram apontados também como pontos positivos a falta de opção de curso na

cidade (14,61%), por ser curso noturno (13,48%), pela facilidade no ingresso no mercado de

trabalho com (10,12%) das repostas.

Observou- se ainda que 3,37% já trabalhava na área, 2,25% por motivação

financeira, e 1,12% por trabalhar com a família na área, e na opção “outros” 3,37%

especificaram que foram motivados pela família e 1,12% pelo fato do curso de Ciências

Contábeis ser melhor que Administração, e nenhum dos respondentes foram motivados pelo

sonho de ser contador.

Mediante tais informações, constatou-se uma diversidade de pontos positivos que

motivaram os egressos na escolha pelo curso de Ciências Contábeis em Salinas/MG, desde o

fato de o curso ser presencial, gratuito, também a falta de opção de cursos na cidade, o fato de

ser um curso noturno e pela facilidade de ingresso no mercado de trabalho.

Conforme o gráfico abaixo foi questionado aos egressos quanto a atual situação

dos mesmos no mercado de trabalho.

Gráfico 02: Atual situação dos egressos no mercado de trabalh o Fonte: Dados da pesquisa

Gráfico 02: Atual situação dos egressos no mercado de trabalh o Fonte: Dados da pesquisa Novembro, 2018 (elaboração própria)

Em relação a atual situação dos egressos no mercado de trabalho conforme o grafico 02, verificou- se que 90,9% estão trabalhando e 9,1% não, sendo assim um número satisfatório dos participantes da pesquisa estão inseridos no mercado de trabalho. Segundo dados do IBGE (2018), a taxa de desemprego no Brasil caiu para 1 3,1% no trimestre encerrado em março de 2018, mas ainda atinge 13,7 milhões de brasileiros. Ao analisar se os egressos estavam ingressados no mercado de trabalho, buscou- se identificar também qual o tipo de campo de atuação em que os mesmos se encontram.

o tipo de campo de atuação em que os mesmos se encontram. Gráfico 03: Campo de

Gráfico 03: Campo de atuação no mercado de trabalho Fonte: Dados da pesquisa Novembro, 2018 (elaboração própria)

No quesito campo de atuação (Gráfico 03), verificou se que 20% dos egressos

estão trabalhando em escritório de contabilidade na função de empregado, sendo o mesmo

percentual inserido no comércio, os dados revelam que diante das limitações do mercado de

trabalho, considerado a cidade de Salinas baseada em comércio e também a grande quantidade

de escritórios de contabilidade existente, boa parte dos egressos estão atuando no comércio e

ainda na área de sua formação. Segundo, Marion (2005) a profissão contábil é uma das áreas

de maior evidência no mercado de trabalho.

Já 17% estão inseridos no serviço público, 14% prestação de serviços, 7%

respectivamente em indústria e escritório de contabilidade na modalidade de proprietário , 3%

respectivamente estão atuando em instituição financeira e autônomo. E na opção “outros” 3%

respectivamente especificaram que estão atuando em cartório, empresa de pequeno porte e

escritório de construção civil.

Indagou-se os egressos sobre a área de atuação conforme tabela abaixo. Nesta

questão os respondentes poderiam marcar mais de uma opção.

TABELA 2

Área de atuação dos egressos do curso de ciências contábeis

Alternativas

Quantidade

%

de respostas

Não trabalha na área contábil Cargos Administrativos Contabilidade Gerencial Contabilidade Tributária Contabilidade Financeira

13

23,64%

10

18,18%

6

10,91%

5

9,09%

5

9,09%

Contabilidade

de Custos

3

5,45%

Contador Geral Planejador Tributário Setor Fiscal Auditoria Consultoria Contabilidade Pública Nenhuma das áreas Atua na área de gestão Departamento Pessoal Pericia Professor de contabilidade

3

5,45%

2

3,64%

2

3,63%

1

1,82%

1

1,82%

1

1,82%

1

1,82%

1

1,82%

1

1,82%

0

0%

0

0%

TOTAL

55

100%

Em relação a área de atuação Araújo (2004) enfatiza que a atuação do profissional contábil é muito abrangente e seu universo é amplo. Analisando a Tabela 02 verificou-se que 23,64% dos egressos do curso de ciências contábeis não trabalha na área contábil, dado preocupante pelo fato do curso proporcionar diversas oportunidades de atuação. Salienta-se que o profissional precisa estar atento as mudanças, bem como estar sempre se atualiza ndo na área, conforme Marion (2005), o profissional contábil é um agente que deverá propor mudanças demostrando suas diversas habilidades no mercado de trabalho. Notou-se que os cargos administrativos se destacaram como os mais ocupados pelos egressos, com 18,18% das respostas, na sequência com 10,91% a contabilidade gerencial, e ainda com 9,09% respectivamente a contabilidade financeira e a contabilidade tributária.

Observou- se também que 5,45% dos egressos respectivamente estão na contabilidade de custos e como contador geral, 3,64% planejador tributário, 1,82% respectivamente em auditoria, consultoria e contabilidade pública. E na opção “outros” 3,63% especificaram que atuam no setor fiscal, e 1,82% respectivamente responderam que estão atuando na área de gestão, departamento pessoal e nenhuma das áre as apresentadas. E nenhum dos egressos estão trabalhando na aréa de perícia ou de professor de contabilidade. Buscou saber dos egressos que estão atuando na área contábil quando que eles iniciaram a atuação.

na área contábil quando que eles iniciaram a atuação. Gráfico 05: Quando se deu a iniciação

Gráfico 05: Quando se deu a iniciação na área contábil Fonte: Dados da pesquisa Novembro, 2018 (elaboração própria)

Sobre a iniciação na área contábil (Gráfico 05), observou- se que um pouco mais

da metade, correspondentes a 56,2% dos egressos iniciou- se na área contábil após a conclusão

do curso.

Notou- se que 25% dos egresso já trabalhavam na área contábil quando

ingressaram no curso. Conforme dados apresentados na tabela 1, este fato foi apontado como

um dos pontos positivos que motivaram alguns egressos na escolha pelo curso de ciências

contábeis. Enquanto que 18,8%, encontraram a oportunidade de trabalhar na área contábil já

durante o periodo em que estavam cursando ciências contábeis.

Diante das dificuldades encontradas após conclusão do curso, nota - se que um

número consideravél de egressos iniciou sua carreira profissional após o conclusão do curso.

Os egressos foram questionados se após a conclusão do curso os mesmos

buscaram ou buscam aperfeiçoamento profissional. Nesta questão os respondentes poderiam

marcar mais de uma opção.

TABELA 3

Busca por aperfeiçoamento profissional após conclusão do curso

Alternativas

Quantidade de

Respostas

%

Participação em seminários, congressos da área Especializações Realização de cursos da área contábil Não buscou aperfeiçoamento Outro curso de graduação

13

29,54%

11

25%

10

22,73%

7

15,91%

3

6,82%

TOTAL

44

100%

Fonte: Dados da pesquisa Novembro, 2018 (elaboração própria)

A tabela 03 demonstra que os egressos estão buscando aperfeiçoamento

profissional após o curso, principalmente por meio de participação em seminários e

congressos na área (29,54%), por especializações (25%) e realização de cursos da área

contábil por (22,73%) das respostas. Notou-se que 6,82% optaram por fazer outro curso de

graduação.

Por outro lado, 15,91% dos egressos ainda não buscaram aperfeiçoamento

profissional. Estes egressos precisam compreender que as qualificações e atualizações são

necessárias para que o profissional possa crescer no mercado de trabalho.

Diante do exposto nota-se que é considerável o número de egressos que

permanecem se atualizando e buscando aperfeiçoamento na profissão, o que vai de encontro

ao pensamento de Marion (2005) que diz que o profissional Contábil dentro da organização é aquele que detém maior conhecimento e informação, pois seu desempenho exige domínio sobre os procedimentos adotados. Procurou- se saber se os egressos possuem registro no Conselho Regional de Contabilidade, conforme gráfico abaixo:

Regional de Contabilidade, conforme gráfico abaixo: Gráfico 0 6 : Registr o no conselho Regional de

Gráfico 0 6 : Registr o no conselho Regional de Contabilidade Fonte: Dados da pesquisa Novembro, 2018 (elaboração própria)

O gráfico 06 apresenta a situação de registro dos egressos perante o CRC (Conselho Regional de Contabilidade), onde verificou que a maioria dos egressos (63,6%) ainda não possuem registro no conselho e apenas 36,4% possuem, dada a importância do registro para atuar como profissional contábil. Conforme Decreto Lei n.º 9.295/1946, alterado pela Lei n.º 12.249/2010, somente os Contadores e Técnicos em Contabilidade, devidamente registrados nos CRCs, podem exercer a profissão. Os egressos foram questionados se as perspectivas com relação ao curso de Ciências Contábeis Campus Salinas foram atingidas.

4.1 Gráfico 0 7 : Se as perspectivas com relação ao curso de Ciências Contábeis

4.1 Gráfico 0 7 : Se as perspectivas com relação ao curso de Ciências Contábeis foram atingidas

Fonte: Dados da pesquisa Novembro, 2018 (elaboração própria)

Sobre o alcance das perspectivas com relação ao curso de Ciências Contábeis

(Gráfico 07), 57,6% relataram que as mesmas foram parcialmente atingidas, já 33,3%

disseram que foram atingidas com sucesso e apenas 9,1% disseram que não foram atingidas,

tais dados revelam que em sua maioria as perspectivas foram alcançadas mesmo que

parcialmente, o que denota que no geral estão satisfeitos com o curso.

Sendo assim, ficou evidente que para 90,90% dos egressos as perspectivas com

relação ao curso de ciências contábeis campus Salinas/MG foram atingidas, porém dentre

estes apenas 33,3% afirmaram que foram atingidas com sucesso após a conclusão do curso,

para os demais foram parcialmente atingidas.

Foi perguntado aos egressos quais perspectivas foram alcançadas após a

conclusão do curso de Ciências Contábeis. Nesta questão os respondentes poderiam marcar

mais de uma opção.

TABELA 4

Quais as perspectivas que foram atendidas após a conclusão do curso de Ciências Contábeis

Alternativas

Quantidade

%

de respostas

Satisfação pessoal

17

29,82%

Oportunidade de emprego

15

26,33%

Realização profissional

10

17,54%

Aumento de salário

6

10,53%

As perspectivas não foram atendidas

6

10,53%

Prática utilizando softwares contábeis

1

1,75%

Crescimento profissional

1

1,75%

Compreensão da gestão empresarial e aquisição de conhecimento

1

1,75%

TOTAL

57

100%

Fonte: Dados da pesquisa Novembro, 2018 (elaboração própria)

Diante da tabela 4 foi possível identificar que 29,82% dos participantes disseram

que gerou satisfação pessoal, 26,33% afirmaram que oportunidades de emprego surgiram,

17,54% responderam que gerou realização profissional. Já 10,53% obtiveram aumento do

salário.

E respectivamente 1,75% marcaram a opção “outros” e especificaram que a

prática utilizando softwares contábeis; crescimento profissional e compreensão da gestão

empresarial foram perspectivas atendidas após a conclusão do curso. Porém para 10,53% dos

egressos as perspectivas não foram atendidas. Percebe-se que entre as perspectivas atendidas

com a realização do curso de ciências contábeis, se destacaram a satisfação pessoal,

oportunidades de emprego, realização profissional e até mesmo aumento do salário.

Em relação aos conhecimentos adquiridos durante o curso buscou saber dos

egressos qual o grau de satisfação que eles tiveram.

dos egressos qual o grau de satisfação que eles tiveram. Gráfico 08: Grau de satisfação com

Gráfico 08: Grau de satisfação com relação aos conhecimentos adquiridos durante o curso Fonte: Dados da pesquisa Novembro, 2018 (elaboração própria)

De acordo com o exposto no gráfico 08, observa- se que grande parte dos egressos

(63,6%) estão satisfeitos com os conhecimentos adquiridos durante o curso, sendo que destes,

30,3% responderam que estão muito satisfeitos e 33,3% satisfeitos. Acredita-se que esse

elevado nível de satisfação esteja relacionado com a atual situação dos egressos diante o

mercado de trabalho, uma vez que conforme o grafico 02 verificou-se que 90,9% estão

trabalhando.

Observou-se também que outros 33,3% estão satisfeitos, porém parcialmente, já

um percentual irrelevante (3,1%) disseram estar insatisfeitos, os dados revelam que de um

modo geral o curso satisfez os egressos.

Indagou-se os egressos do curso de Ciências Contábeis a respeito dos desafios

encontrados ao ingressar no mercado de trabalho , conforme Tabela 5. Nesta questão os

respondentes poderiam marcar mais de uma opção.

TABELA 5

Desafios encontrados ao ingressar no mercado de trabalho

Alternativas

Quantidade de

respostas

%

Ausência de oportunidade Falta de valorização do profissional contábil Salário abaixo do previsto Não foi encontrado desafios Despreparo para ocupar uma vaga disponível Concorrência Outros

13

28,89%

13

28,89%

7

15,56%

5

11,11%

4

8,88%

3

6,67%

0

0%

TOTAL

45

100%

Fonte: Dados da pesquisa Novembro, 2018 (elaboração própria)

A tabela 5 revela os desafios encontrados pelos egressos ao ingressar no mercado

de trabalho, verificou- se que a ausência de oportunidade no mercado e a falta de valorização

do profissional contábil, com percentual de 28,89% respectivamente apresentaram-se como

principais desafios para os egressos.

Observou-se também como desafios salário abaixo do previsto 15,56%, o

percentual de 11,11% corresponde aos que disseram não ter encontrado desafios e 8,88%

apontaram como desafio o despreparo para ocupar uma vaga disponível, e outros 6,67%

disseram que a concorrência é um fator desafiador.

Nota-se com base nas informações da tabela que os principais desafios

encontrados pelos egressos ao ingressar no mercado de trabalho foram: a ausência de

oportunidade no mercado bem como a falta de valorização do profissional.

Sobre as oportunidades que auxiliaram os egressos a entrar no merc ado de

trabalho, obteve os resultados abaixo. Nesta questão os respondentes poderiam marcar mais

de uma opção.

TABELA 6

Oportunidades que auxiliaram os egressos a ingressar no mercado de trabalho

Alternativas

Quantidade de

respostas

%

Conhecimentos obtidos no curso Indicações dos profissionais Estágio Curricular Atividades complementares Práticas com softwares contábeis Competência pessoal Não encontrou oportunidades que auxiliaram no mercado de trabalho

20

33,90%

15

25,43%

11

18,65%

8

13,56%

3

5,08%

1

1,69%

1

1,69%

TOTAL

59

100%

Fonte: Dados da pesquisa Novembro, 2018 (elaboração própria)

A tabela 6 revela as oportunidades que auxiliaram os egressos a entrar no merca do

de trabalho, sendo de grande relevância os conhecimentos obtidos no curso representando

33,90% dos pesquisados, juntamente com a indicação dos profissionais (25,43%) que de

acordo com o Projeto Político Pedagógico do curso de Ciências Contábeis da UNIMONTES

(2012) as habilidades e competências que serão desenvolvidas durante a formação do

profissional contábil do curso de ciências contábeis é generalizada, com uma magnificente

base em Contabilidade Financeira eficaz para todas as entidades.

Já o estágio curricular representa 18,65%, e outros 13,56% são através das

Atividades complementares, se destacando como oportunidades de menor relevância a

práticas com softwares contábeis (5,08%), e a competência pessoal representando 1,69%,

sendo o mesmo percentual destinado a opção “outros” que não encontraram oportunidades

que auxiliaram no mercado de trabalho. Sendo assim, as oportunidades que mais auxiliaram

os egressos a entrar no mercado de trabalho foram os conhecimentos obtidos no curso bem

como a indicação dos profissionais.

Por fim, questionou-se quanto as principais exigências estabelecidas pelo mercado

de trabalho. Nesta questão os respondentes poderiam marcar mais de uma opção.

TABELA 7

Principais exigências estabelecidas pelo mercado de trabalho consideradas pelos egressos.

Alternativas

Quantidade de

respostas

%

Capacidade de solucionar problemas e trabalhar em equipe Conhecimento da legislação vigente Ética Rapidez no aprendizado Conhecimentos em informática Criatividade e motivação Domínio de novas tecnologias da informação Experiência na área Habilidade de comunicar em público Capacidade de Liderança Pensamento Inovador Especialização em áreas afins

26

13,13%

21

10,61%

20

10,10%

19

9,60%

17

8,59%

15

7,58%

14

7,07%

14

7,07%

14

7,07%

13

6,56%

13

6,56%

12

6,06%

TOTAL

198

100%

Fonte: Dados da pesquisa Novembro, 2018 (elaboração própria)

Os resultados apontam (Tabela 7) que as principais exigências estabelecidas pelo

mercado de trabalho elucidadas pelos egressos representando 13,13% está na capacidade de

solucionar problemas e trabalhar em equipe sendo um fator de grande relevãncia, entrelaçada

com o conhecimento da legislação vigente que se mostra importante representando 10,61%,

que de acordo com a Resolução nº 4 de 1999, do Conselho Nacional de Educação, em seu art.

6º que define a competência profissional como a eficiência de estimular, associar e sobrepor

em ação valores, maestrias e atribuições necessárias para a execução eficiente das funções

exigidas pela natureza do trabalho.

Já 10,10% destaca a ética como exigência costumaz, e outros 9,6% disseram que

rapidez no aprendizado é fator relevante, bem como os conhecimentos em informática

(8,59%). 7,58% diz que são criatividade e motivação assim demostrado que são exigências

relevantes. Embora 7,07% respectivamente salientam que o domínio de novas tecnologias da

informação, experiência na área e habilidade de se comunicar em público são exigências

presentes no mercado de trabalho. Respectivamente 6,56% consideram a capacidade de

liderança e pensamento inovador fatores prepoderantes no mercado de trabalho e outros

6,06% mencionaram as especializações em áreas afins.

Mediante tais informaçoes, constatou-se que são várias as exigências

estabelecidas pelo mercado de trabalho, dentre estas, se destacaram como principais: a

capacidade de solucionar problemas e trabalhar em equipe, o conhecimento da legislação vigente, a ética, dentre outras.

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este artigo teve como objetivo geral analisar a atual situação dos egressos do curso de ciências contábeis - UNIMONTES - campus Salinas/MG frente ao mercado de trabalho.

Especificamente, objetivou- se verificar as áreas de atuação dos egressos no mercado de trabalho. A pesquisa revelou que 23,64% dos egressos do curso de ciências contábeis não trabalha na área contábil. Notou- se que os cargos administrativos se destacaram como os mais ocupados pelos egressos, com 18,18% das respostas. Pretendeu-se também investigar se as perspectivas dos egressos com relação ao curso de ciências contábeis campus Salinas/MG foram atingidas com sucesso após a conclusão do curso, o que representou basicamente que 90,90% dos egressos tiveram as suas pespectivas atingidas, porem dentre estes apenas 33,3% afirmaram que foram atingidas com sucesso após a conclusão do curso, para os demais foram parcialmente atingidas. Buscou- se identificar as oportunidades que auxiliaram os egressos a ingressar no mercado de trabalho após a conclusão do curso, sendo as mais evidentes os conhecimentos obtidos no curso representando 33,90% dos pesquisados, juntamente com a indicação dos profissionais (25,43%). Por fim, procurou- se identificar os desafios encontrados no mercado de trabalho após a conclusão do curso. Verificou- se que o aspecto de ma ior relevância evidenciado na pesquisa com o percentual de 28,89% foram respectivamente a ausência de oportunidade no mercado e a falta de valorização do profissional contábil. Esta pesquisa teve como questionamento: Qual a atual situação dos egressos do curso de ciências contábeis campus Salinas frente ao mercado de trabalho? Mediante o exposto, em relação a atual situação dos egressos no mercado de trabalho constatou- se que 90,9% estão trabalhando, sendo assim um número satisfatório dos participantes da pesquisa estão inseridos no mercado de trabalho. Portanto, esta pesquisa contribuirá para a Universidade que oferece o curso, no sentido de estar sempre em busca de melhorias e inovações, pois o principal intuito da Universidade é a formação de profissiona is competentes para suprir as exigências impostas pelo mercado de trabalho. Contribuindo também para os graduandos e aqueles que pretendem

ingressar no curso, que com base nas respostas adquiridas pelos egressos poderão ter uma

visão mais ampla sobre a perspectiva da profissão contábil e o mercado de trabalho.

Recomenda-se, para futuras pesquisas o estudo mais detalhado das desistências

ocorridas durante o curso, bem como os fatores de maior relevância para sua evasão.

6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMG Assembleia Legislativa de Minas Gerais - Lei Estadual nº 11.517, de 13 de julho de 1994. Disponível em:

<https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=LEI&num=1151

7&ano=1994>. Acesso em: 23 de novembro de 2018.

ARAUJO, Adriana Maria Procopio de; ASSAF NETO, Alexandre. Introdução à contabilidade . 1. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

CARDOSO, Ricardo Lopes et al. Entendo e explorando as competências do contador gerencial : uma análise feita pelos profissionais. 2011. Disponível em: <http://Advances in Scientific and Applied Accounting>. Acesso em: 05 out. 2018.

Decreto lei n° 9.295, de 27 de maio de 1946. Cria o Conselho Federal de Contabilidade, define as atribuições do Contador e do Guarda-livros, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del9295.htm >. Acesso em 08 de outubro de 2018.

DUTRA, Joel Souza. Competências : Conceitos e Instrumentos para a Gestão de Pessoas na Empresa Moderna. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

FRANCO, Hilário. Contabilidade Geral. 23. Ed. São Paulo: Atlas,1997.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HENDRIKSEN, Eldon S. Van BREDA, Michael F. Teoria da Contabilidade . São Paulo:

Atlas, 1999.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA IBGE. Taxa de desemprego no ano de 2018. Disponível em:<https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia- noticias/2012- agencia- de noticias/noticias/20995- desemprego- volta- a- crescer- no- primeiro- trimestre-de-2018> Acesso em: 20 de novembro de 2018

IUDICIBUS, Sergio de; MARION, Jose Carlos. Introdução a Teoria da Contabilidade . 3. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

IUDÍCIBUS, Sergio. Teoria da Contabilidade . 7. Ed. São Paulo: Atlas, 2004.

IUDÍCIBUS, Sergio; MARTINS, Eliseu; Kanitz, Stephen Charles; Ramos, Alkindar de Toledo; Castilho, Edison; Benatti, Luiz; Filho, Eduardo Weber; Junior, Ramon Domingues. Contabilidade Introdutória. 11. Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Cientifica. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARION, José. Carlos. Contabilidade Empresarial. 11.Ed. São Paulo: Atlas, 2005.

MARION, José Carlos. Contabilidade básica. 10 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

NIYAMA, Jorge Katsumi. Contabilidade Internacional. 1. ed. São Paulo: Atlas. 2005.

PENTEADO, R. F. S; CARVALHO, H. G. d.; STRAUHS, F. d. R.; FRANCISCO, A. C. d.; CARVALHO, R. M. d. Google docs: instrumento de pesquisa acadêmica e Organizacional para o compartilhamento de novos Conhecimentos . Disponível em:<http://www.sbgc.org.br/sbgc/kmbrasil-2012/anais/pdf/RT6.pdf >. Acesso em 22 de novembro de 2018.

PERRENOUD, Phillipe. Construir competências é virar as costas aos saberes? Revista

Disponível

Porto

Alegre:

ArtMed,

1999.

15- 19

p.

v.

11.

em:<http://<http://www.unige.ch/fapse/SSE/teachers/perrenoud/php_main/php_1999/1999_3

9.html>. Acesso em 08 outubro de 2018.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar. Metodologia do trabalho científico: Métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho aca dêmico. 2. Ed. Universidade Feevale: Rio Grande do Sul, 2013.

Resolução CEB n.º 4, de 8 de dezembro de 1999. Institui as Diretrizes Curriculares

Nacionais

em:<http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_99.pdf>. Acesso em 05 de outubro de

2018.

Profissional

para

a

Educação

de

Nível

Técnico.

Disponível

Resolução CFC nº 1.307 de 09 de dezembro de 2010. Altera dispositivos da Resolução CFC nº 803/96, que aprova o Código de Ética Profissional do Contabilista. Disponível em:

<http://www.normaslegais.com.br/legislacao/resolucaocfc1307_2010.htm>. Acesso em 08 de outubro de 2018.

RESOLUÇÃO CFC Nº 560/83. Dispõe sobre as prerrogativas profissionais de que trata o artigo 25 do Decreto-lei nº 9.295, de 27 de maio de 1946. Brasil. Disponível em:

<http://crcpb.org.br/wpcontent/uploads/2012/05/res_cfc_560_prerrogativas_profissionais.pdf>.

Acesso em: 08 out. 2018.

Resolução CNE/CES n.º 10, de 16 de dezembro de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharela do, e dá outras providências. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces10_04.pdf>. Acesso em 05 de outubro de 2018. SILVA, A. L. de. Teoria da Contabilidade. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2000.

UNIMONTES, Universidade Estadual de Montes Claros. Projeto pedagógico do curso de ciências contábeis. Montes Claros, 2012.

UNIMONTES (Universidade Estadual de Montes Claros) Ciências Contábeis Estrutura Curricular. Disponível em:<http://www.unimontes.br/>. Acesso em: 23 de novembro de

2018.

FARIA, A. C.; QUEIROZ, M. R. B. de. Demanda de profissionais habilitados em Contabilidade internacional no mercado de trabalho na cidade de São Paulo. Universo Contábil, v. 5, n. 1, pp. 55- 71, jan./mar. 2009.

MONDARDO, M. J.; CITTADIN, A.; RITTA, C. de O. O perfil do egresso do curso de ciências contábeis da UNESC: uma análise comparativa entre as exigências do mercado de trabalho, as expectativas dos acadêmicos e as características desejadas pelo curso. Disponível em: Acesso em 8 maio 2014.