Você está na página 1de 5

EXCELENTÍSSIMO (A) SENHOR (A) JUIZ (A) DE DIREITO DA COMARCA DE

___________________ Secretaria de Segurança Pública

PEDIDO DE INTERCEPTAÇÃO TELEFÔNICA


SIGILOSO/URGENTE

Natureza da Infração:
Acusado:

A POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DO PIAUÍ, através do Bel. Danilo Melo de


Sousa, Delegado de Polícia Civil, vem respeitosamente à presença de Vossa Excelência,
representar, em caráter de urgência, pela interceptação telefônica dos terminais
telefônicos de números (_______________________________________________),
pelos motivos fáticos e jurídicos que passo a expor até o final.

DOS FATOS

(Incluir histórico)

1/6
DO PEDIDO

Secretaria de Segurança Pública


Assim sendo, por ser absolutamente imprescindível para a elucidação do
crime em apreço, não restando outro meio investigativo e por se amoldar o presente
caso em todos os requisitos dispostos no art. 2° da Lei 9.296/1994 (por exclusão),
requeiro de Vossa Excelência a expedição de mandado judicial de INTERCEPTAÇÃO
TELEFÔNICA, pelo prazo de 15 (quinze) dias, prorrogados automaticamente por igual
prazo, em 06 vias, para serem distribuídos às diversas operadoras de telefonia existentes,
constando neles, por questões técnicas, expressamente, os seguintes termos:
“I) Determinar, em atendimento à Representação de Interceptação
Telefônica formulada pelo Bel. DANILO MELO DE SOUSA, Delegado de
Polícia Civil, que fica desde já autorizado a ter acesso a todas as
informações pertinentes ao presente mandado, às Operadoras de
Telefonia Móvel, a quem o presente mandado seja apresentado a
quebra de sigilo telefônico por meio de interceptação telefônica, pelo
prazo de 15 (quinze) dias, prorrogados automaticamente por igual
prazo, das linhas de números (_______________________), devendo,
sob pena de incursão no crime de desobediência, desviar os áudios,
as imagens e os dados, em tempo real, diretamente para o NÚCLEO
DE INTELIGÊNCIA DA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DO
ESTADO DO PIAUÍ, dos terminais telefônicos móveis de números
acima identificados, inclusive por desvio e redirecionamento de
chamada (serviço SIGA-ME), vinculando automática a censura legal
ao respectivo aparelho usado atualmente (ESN ou IMEI, conforme o
caso), imediatamente anterior e eventuais sucessores, bem como:
a) Que seja decretada a quebra de sigilo de dados da referida linha
telefônica com emissão de sua conta reversa em relatório detalhado,
a partir do início do procedimento de interceptação, com nomes,
endereços, e demais dados cadastrais existentes em poder da
empresa, em planilha eletrônica de terminação .xls. (planilha
eletrônica do Microsoft Excel) gravado em mídia magnética

2/6
(disquete) ou óptica (CD-ROM) e a disponibilização, a partir do início
do procedimento
Secretariade interceptação,
de Segurança do serviço
Públicade AUDIO em tempo
real e ERB (antena) respectiva, para os telefones celulares;
b) Que seja decretada a quebra de sigilo de dados das linhas que
chamarem o número interceptado, bem como as linhas que o número
interceptado chamarem, informando em tempo real a ERB (antena)
utilizada, disponibilizando o serviço de AUDIT e fornecimento de
cadastro de todas as linhas referidas, bem como todas as
informações referentes aos seus proprietários, inclusive informando o
conteúdo dos TORPEDOS (foto, imagens e mensagens de texto)
originados e recebidos por tais aparelhos, podendo a autoridade
policial designar agentes policiais junto a operadora com o objetivo
de obterem tais dados cadastrais mediante o fornecimento de senha
específica para tal fim, enquanto durar a interceptação e respectiva
prorrogações;
c) Que seja facultado à Autoridade Policial PODERES PARA
DETERMINAR À EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DE TELEFONIA
CELULAR O BLOQUEIO DO SINAL DA LINHA INTERCEPTADA, POR
BREVE ESPAÇO TEMPORAL, por conveniência e oportunidade da
investigação. Tal feito é imprescindível na investigação do crime
apurado, uma vez que no decorrer da investigação freqüentemente é
necessário o bloqueio dos telefones utilizados pelos investigados no
sentido de obrigá-los a se utilizarem de um telefone público ou
residencial para continuar com os contatos.
d) Que seja facultada a Autoridade Policial oficiar a EMPRESA
PRESTADORA DE SERVIÇOS DE TELEFONIA CELULAR para que
mantenha as linhas interceptadas ativas, mesmo na hipótese de falta
de pagamento ou de falta de créditos, pelo prazo deferido da
interceptação telefônica, evitando que por tais motivos os criminosos
se utilizem de outros telefones e linhas, o que dificultaria a
investigação. Que sejam inseridos tantos créditos quantos

3/6
necessários, mediante solicitação da autoridade policial, visando à
manutenção das interceptações.
Secretaria de Segurança Pública
e) Que EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DE TELEFONIA CELULAR
informe os IMEIs que se encontram atualmente associado às linhas
de números acima especificados, bem como os que sejam utilizados
no futuro, devendo a mesma monitorar tanto as linhas quanto os
IMEIS dos aparelhos, determinando-se, ainda, às operadoras que
designem um engenheiro ou funcionário com o objetivo de manter
contato direto com a autoridade policial responsável pela
investigação, a fim de que os respectivos setores de RF (Rádio
Freqüência) forneçam, de pronto, a intensidade do sinal do aparelho,
inclusive com o fornecimento de mapas de localização das respectivas
antenas (ERB), em uso ou não, bem como os componentes
quadrantes das áreas abrangidas pelo aparelho em uso;
f) Que seja concedido à autoridade policial poderes para habilitar e
desabilitar serviços referentes às linhas interceptadas, tais como:
chamadas siga-me, conferência, caixa postal, localização (GPS), saldo
de créditos, serviços de envio e recebimento de imagens, arquivos de
som, dentre outros;
g) Que seja informado pela operadora através de pesquisa MARCA e
MODELO dos aparelhos interceptados, local de venda e habilitação,
quando solicitado pela autoridade policial.
h) Que seja facultado a Autoridade Policial determinar o fim da
interceptação telefônica que, a seu critério, não for mais necessária à
investigação policial;
i) Forneçam, em caráter de urgência, senha judicial, com validade de
15 (quinze) dias, prorrogados automaticamente por igual prazo, aos
policiais ______________________________________, que autorize:
1 – O fornecimento de dados cadastrais por número de linha, nome
do assinante e CPF do assinante; 2- histórico de utilização de IMEIs
utilizados pelas linhas dos assinantes da prestadora de serviços de

4/6
telefonia nos últimos 03 (três) meses a contar do recebimento do
mandado; 3 – A relação
Secretaria de das ligações telefônicas
Segurança Públicaefetuadas, tentadas
ou recebidas, bem como as mensagens de texto, que ocorrerem nas
Estações Rádio Base, e nos horários, especificados pelos policiais
acima citados; 4 – bem como informações sobre utilização de ERB em
tempo real das linhas dos assinantes de cada concessionária.
II) Determinar às Operadoras de Telefonia, a quem o presente
mandado seja apresentado, que forneça, mediante ofício da
Autoridade Policial, e em caráter de urgência, nomes, endereços e
demais dados cadastrais dos assinantes dos terminais telefônicos de
números (____________________________________________),
bem como daqueles terminais que tentaram, geraram e receberam
ligações de/para os terminais acima citados enquanto durar a
solicitada censura legal, desde que solicitado pela Autoridade
Policial”.
A adoção de tal medida será levada a cabo dentro do mais absoluto sigilo
que a lei exige, autuando-se em apartado ao Inquérito Policial respectivo.
Nestes termos.
Espera deferimento.

Teresina, ____/_____ de 2011.

Bel. Danilo Melo de Sousa


Delegado de Polícia Civil

5/6