Você está na página 1de 3

Julia Carvalho Pinto 18895

Lara Moura Silva Saúde 18864


Michelle Adriane Oliveira Silva 18896
Julia Barros 18862

A psicanálise é basicamente o estudo da mente humana, explorando o


inconsciente do individuo por meio de seus sonhos e fantasias. É usada como
base para psicoterapia aconselhamento, orientação, aplicada pelo trabalho em
grupos e instituições, buscando compreender a análise de fenômenos sociais
relevantes.
Para isso a psicanálise utiliza-se de métodos de investigação, ou seja, o
método interpretativo que busca o significado oculto daquilo que é manifesto por
meio de ações e palavras ou pelas produções imaginárias, da teoria que é o
conjunto de conhecimentos sistematizados sobre o funcionamento da vida
psíquica e da prática profissional.
Freud, criador da psicanálise explica que a vida infantil é marcada por
traumas, que formam a estrutura psicológica do ser humano, e acredita que a
sexualidade está no centro da vida psíquica. Foi ele que descobriu o inconsciente.
Algumas situações marcantes na vida do homem são apagadas da
memória, permanecendo no inconsciente. A repressão é justamente o que não se
consegue expressar conscientemente, por esquecimento, e pode ser manifestada
em atos falhos ou sonhos, esta pode gerar doenças causadas pela mente
reprimida. A cura dessas doenças só se dá por meio da descoberta da causa
oculta, e quando o paciente se expressa ele alcança a existência, ou seja,
relembra o que estava esquecido. Algumas vezes a realidade se distorce,
contudo, na psicanálise, o que vale é a realidade psíquica, que não é
necessariamente a realidade objetiva. Segundo Freud a psicanálise é, portanto, o
método de investigação e cura.
A teoria que a psicanálise se utiliza é a do aparelho psíquico, que se divide
em três sistemas da personalidade:
• ID: Constitui o reservatório da energia psíquica, onde se localizam as
pulsões de vida e de morte. É totalmente inconsciente e regido pelo
princípio do prazer.
• EGO: Estabelece o equilíbrio das exigências do ID, da realidade e das
ordens do superego. Tem como funções: Percepção, memória, sentimentos
e pensamento.
• SUPEREGO: Origina-se pelo complexo de Édipo. Tem como funções a
moral e os ideais. Seu conteúdo refere-se a exigências sociais e culturais. É
onde está a culpa, mesmo que não tenha cometido um erro. Predomina o
consciente.
É importante ressaltar que o ID é inconsciente, mas o EGO e o SUPEREGO
também possuem aspectos ou partes inconscientes.
Os mecanismos de defesa são processos inconscientes realizados pelo ego
que ocorrem independentes da vontade. Os principais mecanismos de defesa são:
 Recalque: Não vê e não ouve o que ocorre. Supressão de uma parte da
realidade, deformando o sentido do todo.
 Formação Reativa: Afastar o desejo que vai a determinada direção, com
atitudes exageradas que escondem o que sentem de verdade,
demonstrando o sentimento oposto.
 Regressão: Retorna etapas anteriores do seu desenvolvimento.
 Projeção: Distorção do mundo externo pelo interno, projetando algo de
si no mundo externo sem perceber.
 Racionalização: Constrói argumentação intelectualmente convincente e
aceitável que justifica os estados deformados da consciência, a razão
em função do irracional, utilizando sua cultura.
Característica principal da psicanálise é a revelação do inconsciente e a
aplicação dos seus conteúdos na consciência. Que é o que determina a conduta
dos homens e dos grupos. A finalidade é o autoconhecimento que possibilita a
superação. Por meio dela são criadas modalidades de intervenção social que
visam superar o mal estar da civilização. O método psicanalítico usado para
desvendar o real, compreender o sintoma individual ou social e suas
determinações é o interpretativo.
No mundo do trabalho, o autoconhecimento é imprescindível para enfrentar
os desafios cotidianos e a relação com os colegas de trabalho. Sabendo as
próprias limitações e atribuições o indivíduo se organiza melhor em trabalhos em
equipe, otimizando o rendimento do grupo.
A Psicanálise pode fornece informações sobre o trabalho e os
trabalhadores em geral, quando propõe um questionamento fundamental sobre
qual seria o lugar do sujeito no trabalho. É necessário conhecer o sujeito
psicanalítico para entender quais meios podem colaborar para a promoção e
manutenção da saúde mental e física do trabalhador e, conseqüentemente, a
redução do sofrimento psíquico. Para a empresa isso é interessante pelo fato de
que com a saúde equilibrada e satisfação do trabalhador aumenta o rendimento
da produção e sua qualidade.
Há alguns anos as empresas atendiam somente ao capitalismo e
ignoravam o ser humano para poder movimentar as engrenagens do sistema
econômico que obedecer a fins lucrativos. Com a entrada da psicologia por meio
da psicanálise e pela área de recursos humanos, esta se relaciona com as
demandas da administração e da engenharia, e restringe-se à manutenção da
força de trabalho, por meio dos trabalhos de seleção de pessoal, treinamento,
avaliação de desempenho, entre outros. Essa é uma das perspectivas da
psicologia que é reconhecida devido à sua aplicação no mercado de trabalho.
Com a preocupação com os trabalhadores como indivíduos na empresa
temos uma desalienação destes no trabalho, que podem se satisfazer quando a
organização não os prende, mas que une suas possibilidades com a demanda
econômica e possibilita uma nova compreensão de saúde, como também sua
promoção e manutenção.
Assim, a psicanálise teve um papel muito importante na vida profissional
dos homens. Houve uma maior preocupação em relação à saúde mental dos
indivíduos. Dessa forma, esses obtiveram um melhor rendimento em seus
trabalhos. Conclui-se então que a psicanálise trouxe melhorias para ambos os
lados. Tanto para o profissional que aprende a se auto-conhecer, quanto para as
empresas que conseguem melhores rendimentos.