Você está na página 1de 36

Módulo 1 - Melanie Klein - Vida e Obra – Exercícios

1 - Durante sua vida, Melanie Klein afirmou sua fidelidade aos princípios da
psicanálise tais como foram estabelecidos por Freud, porém isso não impediu
de existirem diferenças significativas entre ambos. Das diferenças teóricas
entre Freud e Klein, pode-se destacar:
Resposta: C - Diferentemente de Freud, Klein postula a existência de um ego
arcaico que estabelece relações objetais desde o início da vida.

Justificativa: Melanie Klein observou nas crianças que a ansiedade existia


em uma idade inferior, a que Freud defendia, sendo assim esse é o ponto
principal das diferenças entre os dois psicanalistas. Klein tem sua teoria
embasada em que deve ser considerado a importância do primeiro ano de vida
do bebê. Pensando que é neste ponto de vida, a criança, ela já possui
conteúdos inconscientes, como o medo, raiva, agressividade e ódio.
2 - O desenvolvimento das investigações psicanalíticas apresenta uma série de
indícios do quanto estamos subjetivamente implicados naquilo que fazemos.
Pensamos então que nossas relações, nossas escolhas, e atuações, até
mesmo como analistas, traz muito da maneira de como vivemos nossas
experiências. Quando buscamos relacionar a história, o estilo de pensamento e
o desenvolvimento de sua técnica psicanalítica é CORRETO afirmar que
Melanie Klein:
Resposta: D - Acabou por tornar-se uma grande opositora de Anna Freud, pois
com grande esforço traduziu em palavras todo universo simbólico que emerge
durante a análise de crianças, observando-as e considerando-as aptas à
estabelecer relações transferenciais. 

Justificativa: Para Melanie Klein o brincar era como uma locução, destinada
ao analista, partindo do pressuposto dos diferentes níveis de simbolização
conforme idade, nível de funcionamento mental, quantidade e qualidade das
angústias da criança, já para Freud, o mesmo via o ato de brincar como
atividade expressiva e não simbólica.

3 - No livro "Melanie Klein, Estilo e Pensamento", os autores Cintra e


Figueiredo (2004) consideram que a obra de M. Klein deve ser conhecida não
apenas pelas teses, teorias e conceitos que a psicanalista propõe, mas
também pelo estilo de escrita e dos pensamentos da autora. Isto se deve ao
fato que...
Assinale a alternativa CORRETA: -
Resposta: C - A teoria elaborada por Klein resulta numa clínica muito
diferente de tudo que havia disponível para o trabalho analítico infantil; traduz
como ninguém os processos e mecanismos psíquicos mais arcaicos e
profundos que integram a formação do sujeito psíquico Kleiniano.
Justificativa: Klein trouxe para sua avaliação psicanalista o ato de brincar
como um dispositivo de expressão das crianças, como a linguagem verbal para
nos adultos. Com tal técnica inserida, nos possibilitou uma abordagem lúdica
com as crianças, e assim consequentemente liberando acesso ao inconsciente,
aos pensamentos e as fantasias, podendo assim ser feita uma avaliação do
que realmente acontece com tais crianças.
4 - Melaine Klein em conversa com Betty Joseph em 1935 protesta ao ser
chamada de "kleiniana", já que se considerava "uma freudiana"...      Neste
momento Betty Joseph responde-lhe: "Tarde demais, você é uma kleiniana,
queira ou não queira" (Grosskurth, 1992).      
Este fragmento traz uma discussão sobre uma das maiores psicanalistas da
história, quando percebendo-se como uma fiel seguidora de Freud, afasta-se
de seus ensinamentos pela originalidade de suas ideias.
Observe abaixo as afirmações e identifique os pontos importantes de sua
teoria...
I - A formulação de sua teoria, fruto de uma postura ingênua e, por vezes,
arrogante fez dela uma genial amante da verdade humana, contudo a falta de
pensamentos próprios a mantiveram definitivamente fiel ao freudismo.
II – O argumento de favorecer o surgimento de uma nova escola de psicanálise
incomodava Klein, pois ela, como estudiosa, sempre manteve-se fiel aos
argumentos teóricos e filosóficos freudianos, em toda sua obra.
III – Klein tinha uma origem humilde e, sem acesso ao mundo acadêmico,
inseriu-se na psicanálise mais pela perspectiva de suas próprias necessidades
pessoais de saúde mental, do que por sua inclinação acadêmico e científica.
IV – Klein foi publicamente muito apreciada por Freud, já que em sua oposição
à Anna Freud, mantinha-se mais próxima dos construtos teóricos do
freudismo do que sua própria filha.
 
 Assinale a alternativa CORRETA:
Resposta: B - É correta a afirmativa III. 
Justificativa: Justamente por ter um olhar diferenciado, houve mudanças nas
práticas inseridas com os pacientes, as teorias abordadas por Klein e suas
descobertas mudaram o rumo da psicanalise dando início a um sistema teórico
e clinico totalmente novo, do que era praticado anteriormente.
5 - Um dos fundamentos da teoria kleiniana toma como base o
desenvolvimento primitivo do psiquismo, por isso na construção de sua teoria
sobre o desenvolvimento emocional infantil, Klein investiu na compreensão da
vida mental do bebê, que se configura em algumas considerações do
referencial kleiniano, de onde se depreende:
Resposta: E - Que a mãe, nos primeiros meses de vida do bebê, representa
todo o mundo externo.
Justificativa: Ou seja, o bebê quando nasce, sente uma ansiedade
significativa, pois a força do mundo externo que lhe é imposta causa
desconforto. A mãe para esse bebê configura tudo o que existe nesse mundo
externo, sendo assim um conhecimento inconsciente é que se dará como base
para as relações que essa criança terá daquele momento em diante.
6 - Melanie Klein dedicou-se primordialmente à compreensão do brincar da
criança, enfatizando a importância das atividades lúdicas na comunicação
inconsciente dos conflitos infantis e, desta forma, destaca os casos de crianças
com sérias inibições ao brincar. Sobre o brincar da criança inibida em análise,
que aspectos abaixo apontam às advertências de Klein? Identifique a questão
CORRETA: - 
Resposta: B - Quaisquer elementos verbais ou não verbais no brincar
fornecem dados sobre ansiedades, fantasias e sentimentos devendo ser
compreendidos e interpretados pelo analista.
Justificativa: O ato de brincar para Klein, revela muito sobre os conflitos
inconscientes que uma criança pode ter, de forma simbólica, a criança pode
não saber que está se expressando quando se vê em uma brincadeira, porem
o mesmo possuiu uma importância considerável, uma vez que, é através das
brincadeiras que a criança vai expor suas angustias e medos.
7 - Na medida em que Melaine Klein percebe estruturas psíquicas fora do
esquema freudiano e fundamentada pela investigação e compreensão dessas
estruturas mais “arcaicas” torna-se possível o desenvolvimento de sua teoria.
Entre afirmações abaixo, identifique quais delas referem-se ao paradigma
Kleiniano:-
I. Existência de um ego rudimentar exposto à vivências que marcam o
psiquismo.
II. Fantasias inconscientes acompanham todas as atividades da vida
humana e podem determinar nossas ações futuras. 
III. A triangulação edípica em Klein se inicia quando a criança vive a
diferenciação anatômica do órgão.  
IV. A criança pode ser sim inserida no processo analítico com finalidades
educacionais.   
Identifique abaixo a alternativa CORRETA...
Resposta: C - São corretas as afirmativas I e II.
Justificativa:

8 - Klein (1997), ao contrário de Freud, identificava no brincar a possibilidade


de interpretação, na situação transferencial, a partir da brincadeira produzida
pela criança. Desta forma, as brincadeiras eram, para a autora, equivalentes às
fantasias, que dariam acesso à sexualidade infantil e à agressividade, e em
decorrência disso concebeu a relação transferencial e contratransferencial
entre a criança e analista. Considerando a perspectiva kleiniana do brincar na
clínica leia as afirmações abaixo e assinale a alternativa correta:  
 
I.  A associação livre do adulto é um equivalente do brincar infantil para
Klein, pois traduz ao analista o simbolismo do mundo interno da criança.
II. A teoria kleiniana permite a compreensão de processos transferenciais
em idades muito tenras.
III. Klein estima que uma análise só pode começar quando a criança já
atingiu o período de latência.
IV. Klein sugere interpretar a angústia no momento em que ela aparece
no tratamento.
V. Klein desenvolveu a técnica do brincar e da utilização de jogos como
meio de comunicação com as crianças.
 
Verifique as alternativas abaixo e assinale a alternativa CORRETA:  
Resposta: D - São corretas as afirmativas I, II, IV e V.

Justificativa:

Módulo 2 - Vida Emocional e Mundo Interno - Exercícios

1 - O entendimento sobre o desenvolvimento infantil na psicanálise foi


significativamente ampliado com as colaborações de Melanie Klein. Suas
observações sobre a angústia e seu papel no desenvolvimento somaram à
compreensão sobre a criança e o universo infantil.
Apropriando-se desse referencial, analise as afirmativas abaixo apontando a
alternativa que corresponde às ideias da autora.
Resposta: E - A Interpretação realizada na análise de crianças facilita a
elaboração da angústia, favorecendo assim a formação do psiquismo, ou seja,
a interpretação no brincar tende à diminuição da angústia, possibilitando uma
nova simbolização.
Justificativa: Esta perspectiva, favoreceu uma nova concepção da vida
psíquica, desenvolvendo assim, uma nova teoria: ao invés de se trabalhar com
a noção de fase, trata-se, a partir de então, de relação de objeto.
2 - A violência tem sido tema de debate nos mais variados contextos sociais e
motivo de preocupação. Diferentes compreensões relacionam a violência com
a pobreza, falta de amor, falta de Deus, de uma crença num mundo mais
benigno, desigualdade social, a lei de Talião (dente-por-dente e olho-por-olho).
A psicanálise compreende esse tema sob outros aspectos, e Klein, a partir de
Freud, deu destaque ao tema da agressividade, considerando que:

Resposta: D - A destrutividade, por ser uma potencialidade inata, move a


cultura.
Justificativa: Ou seja, todos nós possuímos uma violência dentro de nós,
todos nós somos capazes de deixar essa agressividade exposta, contudo por
conta da sociedade os sentimentos são reprimidos quase sempre.

3 - O conceito de mundo interno é lente pela qual o analista de concepção


kleiniana enxerga o funcionamento do sujeito, pois...
Resposta: B - Estas imagos são os produtos da introjeção que, como
mecanismo de defesa arcaico, altera as experiências reais.
Justificativa: Ou seja, tudo que é bom para mim, eu vou guardar somente
para mim, e mostrando para o mundo apenas as coisas ruins.

4 - Melanie Klein sempre muito intuitiva focou seu olhar na agressividade


tentando compreender seus efeitos sobre a estruturação do psiquismo,
considerando as hipóteses de Klein, identifique abaixo qual das assertivas
corresponde à teoria: -
I. A violência pulsional é projetada no externo, mas não incide sobre a
própria pessoa.
II. O superego precoce decorrente da inflexão do sadismo sobre a própria
pessoa assume como principal característica a crueldade e severidade.
III. As primeiras identificações surgem da ansiedade advinda do sadismo
do próprio sujeito e de suas tentativas de destruir o objeto. 
IV. Uma verdadeira luta pulsional entre as forças do id marcam o início da
vida.
 
Assinale abaixo qual das alternativas está CORRETA:
Resposta: D - São corretas as afirmativas II, III e IV.
Justificativa: Ou seja, a pessoa vai buscar destruir o que em sua concepção o
atrapalha, desencadeando impulsos hostis, agressão, mais em meio disso
tudo, também lhe causando culpa e angustia.

5 - Melaine Klein estabelece uma importante diferença entre objeto bom e


o objeto idealizado. Nesta discussão podemos considerar correto o que se
afirma em:-
 I - O objeto idealizado encontra-se mais integrado do que o bom objeto,
pois sua origem é a ansiedade persecutória.
 II – Na idealização a experiência de felicidade não foi suficientemente
vivida.
 III – O excesso de idealização situa-se na estreita relação com o
predomínio dos impulsos destrutivos e ansiedade persecutória.
 IV – No bom objeto prevalecem as ansiedades persecutórias, servindo
como uma defesa contra a persecutoriedade.
 
Verifique as alternativas abaixo e identifique a CORRETA: -
Resposta: C - São corretas as afirmativas II e III.
Justificativa: A capacid ade de pe rde r a posi ção de compl e tude
advi nda das rel ações pri mi ti v as, e m nome
da gradual respo nsabili zação pe ss oal pelo p rópri o b em-es tar,
atravé s dos ob je tos bon s que
pe rmane ce m na mente .

6 - A teoria de Melanie Klein é considerada um desdobramento da teoria


psicanalítica porque mantém algumas das características fundamentais da obra
de Freud...
Resposta: B - Utiliza-se do princípio fundamental da associação livre com
adultos, tem como objetivo explorar o inconsciente e atinge este objetivo por
meio da análise da transferência.
Justificativa: ou seja, analise da transferência cria uma região intermediária
entre a doença e a vida real, através da qual a transição de uma para a outra é
efetuada.
7 - Quando M. Klein elaborou o conceito de fantasia inconsciente afirmou que
no funcionamento psíquico os objetos internos são originados das relações
com os objetos externos numa constante mediação das fantasias
inconscientes. O conceito de objetos internos é apreensível em qual das
afirmações: -  
Resposta: B - Apesar de originar-se dos objetos e relações externas, os
objetos internos não se reduzem a estes, pois a força que lhes dá vida própria
são as fantasias inconscientes, por isso mantêm-se independente da realidade
externa.
Justificativa: Sendo assim, as fantasias inconscientes são, as primeiras
manifestações de imaginação, de simbolização, que dá início ao o domínio do
psíquico.
8 - O pensamento kleiniano indica uma das mais importantes tarefas do
desenvolvimento psíquico dos seres humanos. Identifique abaixo qual das
alternativas traduzem esta tarefa:
Resposta: C - A capacidade de perder a posição de completude advinda das
relações primitivas, em nome da gradual responsabilização pessoal pelo
próprio bem-estar, através dos objetos bons que permanecem na mente. 
Justificativa:

Módulo 3 - O Inconsciente Kleiniano – Exercícios

1- O sentimento raivoso para com outra pessoa (primeiramente para com a


mãe) por ela possuir algo desejável que não pode ser desfrutado; sentimento
que visa não só despojá-la do objeto desejado, mas também estragá-la e
destruí-la, depositando, para isso, dentro dela, maldades: excrementos e partes
más do self; o sentimento que visa destruir a criatividade da mãe (sua
capacidade de produzir e cuidar) e se caracteriza como uma projeção
destrutiva é...
Resposta: B - A inveja.
Justificativa: É um elemento muito importante no desenvolvimento precoce e
além de tudo a inveja primária tem um resultado muito prejudicial para o
desenvolvimento mental, uma vez que arruína as capacidades e bondades do
objeto, ou seja, destrói a própria origem da bondade e da criatividade.

2- Segundo Melanie Klein, na posição esquizo-paranóide, o bebê constrói um


mundo interno e este é parcialmente um reflexo de seu mundo externo. O
mecanismo responsável por essa construção é:
Resposta: D - Introjeção
Justificativa: As introjeções podem ser de objetos parciais, contudo a medida
que a relação da criança com a realidade se aperfeiçoa, há uma tendência no
sentido de permitir uma relação mais realista com seus objetos.

3- Posterior a posição esquizo-paranóide o bebê começa a perceber que o


objeto que odeia (seio mau) é o mesmo que ama (seio bom), identificando que
ambos os registros (bom e mau) fazem parte da mesma pessoa. Com isso, o
bebê teme perder o seio bom, em decorrência do medo da retaliação por seus
ataques de ódio e voracidade. A este conjunto de vivências, fantasias,
ansiedades e defesas Klein denomina “posição depressiva” e estabelece
algumas condições para a superação desta posição. Examine as alternativas
abaixo e identifique qual delas melhor descreve estas condições, assinale a
que julgar CORRETA: -
Resposta: A - Ao alcançar a posição depressiva o bebê se torna mais capaz
de enfrentar sua realidade psíquica, sente que a “maldade” do objeto é devida
em grande parte à sua própria agressividade e à projeção decorrente.
Esse insight origina uma dor psíquica e culpa quando a posição depressiva
está em seu ápice
Justificativa: Ou seja, existe uma luta interna entre o que é visto como mau e
bom, o ego se divide afim de tornar o objeto perfeito e aceitável, para que não
seja necessária uma separação, e descartando um conflito interno.

4 - Leia o poema de Clarice Lispector...


“E umas das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de.
Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de, se deve
morrer.
Inclusive muitas vezes é o próprio apesar de que nos empurra para frente.
Foi o apesar de que me deu uma angústia que insatisfeita foi criadora de minha
própria vida.”
 Disponível
em:- http://pensador.uol.com.br/poemas_de_amizade_de_clarice_lispector/
O poema acima situa um indivíduo que não se rendeu às amarguras da
realidade e da vida, mas guarda certa consciência de que na vida nem tudo é
possível... E diante da realidade, conquista, sofre, tenta, anseia, enfim vive,
apesar de...
Diante desta postura podemos afirmar, de acordo com os referenciais
kleinianos sobre as posições esquizo-paranóide e depressiva, que:

Resposta: A - Inferimos que este indivíduo situa-se na posição depressiva,


embora haja uma ansiedade pelo que há de acontecer, mostra-se grato pelo
reconhecimento do que há de bom na vida.
Justificativa:
5 - Júlia, uma secretária de 35 anos, buscou atendimento psicológico, pois
ultimamente vem se sentindo triste e desconfortável em suas relações no
trabalho. Principalmente com seu superior imediato é que Júlia não está bem.
Julga que não está produzindo um bom trabalho para ele e se sente muito mal
com isso, o que a leva a tentar melhorar permanecendo muitas horas a mais na
empresa e aumentando sua produtividade, pois reconhece que ele lhe ajuda
muito e ela deve retribuir.
 
Considerando a situação acima, o estado de funcionamento mental de Júlia é
caracterizado na alternativa:

Resposta: B - Posição depressiva – ansiedade depressiva – defesa maníaca.


Justificativa: Ela se sente culpada, e em dívida com seu superior, tem a
sensação que não pode consertar o seu baixo desempenho no trabalho, sendo
assim absorvendo uma culpa maior do que ela é capaz de suportar.

6 - Klein tem como um dos eixos de seu trabalho o atravessamento e a


elaboração das posições esquizo-paranóide e depressiva. Pensar a sociedade
segundo o pensamento kleiniano representa complementar e até mesmo ir
além de Freud, que entendia a sociedade e suas instituições como
organizações cuja função era o controle das forças pulsionais. Nesse sentido a
alternativa que representa uma interpretação ética da cultura e da sociedade
segundo o kleinismo é:
Resposta: C - O grupo social que capacita os indivíduos a realizarem um
reconhecimento do outro, a partir da responsabilidade e do cuidado.
Justificativa: A posição depressiva é um desenvolvimento, com novas forças
pulsionais, sendo assim em seu ego é estabelecido com segurança, uma nova
relação.
7 - O conceito de fantasia para Melanie Klein foi ampliado em relação ao que
Freud considerava. Para ela a fantasia inconsciente está presente na vida
psíquica desde muito cedo, antes até de o bebê ser frustrado pela realidade. A
partir desta consideração o trabalho do analista passa a ser norteado por
este conceito de fantasia inconsciente. Sobre as fantasias inconscientes,
podemos afirmar que:  
Resposta: A - As fantasias inconscientes são as primeiras representações
mentais das pulsões (isto é, das forças que inicialmente invadem o organismo,
que não se distinguem do somático e que visam à descarga). As fantasias
inconscientes são, portanto, as primeiras manifestações de um trabalho
imaginativo, de simbolização, que cria o domínio do psíquico
Justificativa: As fantasias são onipotentes e não existe nenhuma
diferenciação entre ela e a realidade, sendo assim a realidade interfere na
fantasia e a fantasia interfere na realidade.
8 - A posição esquizo-paranóide marca um primeiro momento do
desenvolvimento do psiquismo em que predomina um conjunto de elementos –
clivagem do objeto, introjeção, projeção, sadismo... De acordo com Melanie
Klein, durante a posição esquizo-paranóide, podemos identificar:
 
    I.    A percepção de objetos integrados e a reparação é o mecanismo
defensivo principal.
    II. Não desenvolvemos mecanismos defensivos maníacos porque somos já
capazes de realizar a reparação.
    III.   A angústia característica é a de aniquilamento pelo medo persecutório.
    IV.   A intensificação da agressividade que se expressa em fantasias orais de
devorar, morder, engolir o objeto. 
    V.    A idealização e a negação, junto com a cisão, aparecem como defesas
típicas.
 Está correto o que se afirma apenas em:-
Resposta: E - São corretas as afirmativas III, IV e V.
Justificativa: Ou seja, inúmeras partes do eu podem ser projetadas com
diferentes objetivos, como por exemplo, as partes más, vai buscar se livrar
delas, as partes boas, sempre busca evitar a separação, busca manter a salvo.

Módulo 4 - Clínica Kleiniana - Exercícios

1 - Melanie Klein ampliou e desenvolveu algumas idéias sobre o conceito de


transferência, que como um conceito fundamental da teoria psicanalítica
orienta o trabalho analítico kleiniano. Observe abaixo qual da afirmativas
corresponde à concepção de transferência na perspectiva kleiniana:
 I. Nesta teoria, a idade tem papel preponderante, por isso, crianças em idades
muito tenras não são capazes de viver uma relação transferencial.
 II. Pelo trabalho constante da transferência, podemos considerar que quanto
mais o paciente vai compreendendo sua realidade psíquica (objetos internos,
envolvimento emocional com estes objetos e uso afetivo nas suas relações)
maior será a evolução na sua maturação e crescimento emocional.
III. A transferência poderia ser realizada pelos pacientes psicóticos em
oposição ao modelo freudiano que considerava ser difícil à prática da
psicanálise com estes pacientes.
 IV.  A transferência só era possível se fosse considerada a partir do modelo da
posição depressiva, onde se supunha haver um mínimo de organização para
seu estabelecimento.
 V. A instalação do Complexo de Édipo aos três anos de idade inaugurava a
possibilidade de estabelecimento de relações transferenciais.
 Está CORRETO o que se afirma em:
Resposta: C - São corretas as afirmativas II e III.
Justificativa: Ou seja, cabe ao analista trazer para a realidade tudo o que está
no inconsciente do paciente, orientando sobre quem o mesmo é em seu
mundo.
2 - Uma paciente de 50 anos procura ajuda psicológica um ano depois da
morte do marido. Na primeira entrevista ela fala dele desesperadamente.
Relata que todos os dias sente como se fosse o primeiro dia sem ele. Não
consegue cuidar dos filhos adolescentes. Não se conforma com a morte do
marido, colocando-o como alguém perfeito, de quem dependia totalmente.
Sente que a vida paralisou depois dessa perda. A intervenção inicial de um
psicólogo de teoria kleiniana deve apontar para:
Resposta: C - Ficar atento à relação que se estabelece com o psicólogo, pois
dessa forma é possível analisar o que se atualiza nessa vivência de perda.
Justificativa: Ou seja, deve ser reavaliado e sempre pensar que por mais
íntima que seja a relação analítica, o trabalho terapêutico requer que o analista
sustente a dimensão do limite e da exclusão, sendo assim, se manter neutro e
com o foco em auxiliar o paciente com a queixa apresentada.
3 - A identificação projetiva, por vezes, induz sentimentos ao analista numa
sessão analítica, até para fazê-lo desempenhar um papel, de acordo com as
“atribuições inconscientes do analisando”, contudo, quando compreendido pelo
analista pode servir para melhorar o entendimento do mundo interno
inconsciente do analisando. Por quê?
I. O analista pode se sentir confuso por este "endereçamento" de conteúdos e
papeis feito pelo paciente, contudo na medida em que tenha consciência
deverá mostrar tal movimento ao paciente, justamente porque a clínica
kleiniana recomenda que sejam trabalhados tais conteúdos, imediatamente,
pela transferência.
II. Muitas vezes a confusão provocada pelo paciente, ainda que
inconscientemente pode representar uma resistência à análise.
III. A hipótese de contratransferência negativa (decorrente do próprio
inconsciente do analista) não interfere análise da identificação projetiva.
IV. A identificação projetiva é um mecanismo defensivo muito observado,
considerado e utilizado pelos analistas kleinianos, pois ajuda na compreensão
do tipo de relacionamento emocional entre paciente e analista, mas não pode
contribuir para fazer progredir ou paralisar uma análise.
Observe abaixo e verifique qual das alternativas é CORRETA: -
Resposta: B - São corretas as afirmativas I e II.
Justificativa: Porque, quando os mecanismos de defesa dominam a
ansiedade, o ego acaba se fragmentando, sendo assim criando um certo
controle com relação ao que ele define como fonte de perigo.

4 - Clara, 40 anos, inicia sua sessão de análise dizendo ter saído da última
muito mal, pelo fato de o analista ter dito a ela que precisaria procurar um
psiquiatra para poder ser medicada. Segundo ele, ela apresenta sintomas de
depressão e como não pode no momento fazer mais sessões de análise, a
medicação seria um suporte para aguentar toda a angústia em que se encontra
até que pudesse fazer mais sessões. A paciente sentiu que o analista não
quisesse estar mais com ela, dispensando-a, por achar que seu caso era muito
grave para ele, e que este não fosse dar conta de atendê-la com poucos
horários, por isso estava encaminhando para outro profissional.
 
Em As Origens da Transferência, Klein (1952) descreve que os pacientes lidam
com conflitos e ansiedades em análise de suas experiências mais primitivas,
sendo estas reativadas na relação com o analista, recorrendo aos mesmos
mecanismos e mesmas defesas, como em situações anteriores.
 
Diante do exposto, observe qual posição, ansiedade e mecanismo de defesa
foi utilizado pela paciente na situação transferencial com o analista. 
 
Identifique abaixo qual das alternativas é CORRETA:
Resposta: D - Posição Esquizo-paranóide, ansiedade persecutória e
mecanismo de cisão e negação
Justificativa: Ao mesmo tempo em que ela se sente culpada, ela também
culpa o analista por não dar a atenção que acha que deveria receber, sendo
assim ela volta para um estado de negação, e com sua ansiedade novamente
ao ápice, se colocando em uma situação de angústia.
5 - Um paciente de 24 anos que saíra muito frustrado de sua última sessão
chega na sessão de análise subsequente e diz ao analista que irá interromper
o trabalho por estar muito bem e não precisar mais de psicólogo para tratar de
seus problemas. Acha que sozinho dará conta de trabalhar seus desamores e
prefere ficar sem ninguém, que é melhor estar só do que mal acompanhado.
Diante deste relato assinale um dos pressupostos kleinianos que pode estar
relacionado com a situação descrita.
Assinale a resposta CORRETA. 
Resposta: B - O paciente parece em estado de defesa maníaca, demonstra
triunfar sobre o objeto ameaçador.
Justificativa: Isso ocorre porque o paciente se vê sem culpa, sem remorso, e
acredita que não precisa de outra pessoa, que é capaz de se guiar sozinho,
uma vez que ele se sente incapaz de manter uma relação com qualquer
pessoa. Vê outras pessoas como objetos descartáveis, porem tudo isso é um
mecanismo de defesa para lidar com a culpa e perda.
6 - Em uma sessão de ludoterapia a criança pega a arma e dá vários tiros no
analista. Depois de matá-lo diversas vezes, o analista pergunta o que irá fazer
agora já que ele estava morto e não poderia mais brincar com ele. A criança
responde que irá ressuscitá-lo, quantas vezes forem necessárias, o analista
pergunta como fará isto, a criança responde que com mágica, com a varinha
do pirlim pimpim (fazendo sinal com os braços) como se tivesse com a varinha
em mãos. A criança pede para que o analista se levante e comece a brincar
com ele rapidamente.
Klein destaca que a reparação é sempre um trabalho penoso, pois implica
reconhecer que se possa ter colocado em risco uma relação e se
responsabilizar por isso.
Marque a alternativa CORRETA que mostre o tipo de reparação que a criança
realizou na sessão com seu analista para dar conta de seus impulsos
agressivos.    
Resposta: C - A criança fez o analista viver novamente na tentativa de reparar
o estrago cometido pautado na onipotência, o que Klein chamou de reparação
maníaca.
Justificativa: Ou seja, a criança sabe que fez algo que não deveria, destruiu o
objeto bom, no caso seu analista, então sua ação é reparar e recuperar esse
objeto com um ato de amor, para mascarar a agressividade, entrando em uma
negação com o resto da realidade.
7 - Bianca numa sessão de ludoterapia mostra-se arrogante com a analista,
comportando-se de forma altiva e indiferente. Não dirige o olhar, nem sua fala à
analista, demonstra desdém aos objetos e itens da sala, vez ou outra reclama
do que não encontra em sua caixa. A partir do que nos ensina Melanie Klein,
como deve agir a analista nesta situação?
Resposta: A - Dar o espaço necessário à expressão das insatisfações da
criança, e só intervir quando puder interpretar as fantasias subjacentes às
ações da criança, cujas insatisfações apresentadas revelam parte de seu
mundo interno.
Justificativa: Uma vez que um paciente se mostra com um bloqueio, cabe a
nós saber contornar e ganhar a confiança do mesmo, se reinventando,
trazendo novas abordagens para conseguir quebrar essa barreira imposta pela
criança, só assim a analise se fará real, e poderá cumprir seu papel.

8 - Para a psicanálise kleiniana a transferência equivale a uma situação total e,


nesta dimensão, o valor atribuído a ela define um lugar revelador dos aspectos
do paciente. A partir desta consideração o quê significa a totalidade
transferencial no processo analítico?
Resposta: D - Só podemos afirmar haver a totalidade transferencial quando
para além discurso verbal, são considerados os referentes não verbais,
expressões faciais, maneiras de lidar, entonação e tudo mais que seja
mostrado ao analista, que por esta via compreenderá a relação do paciente
consigo, com o outro e cm o mundo, interpretando ansiedades e fantasias.  
Justificativa: A linguagem verbal só expressa o que queremos, porem a
linguagem corporal nos dá aberturas que não podemos esconder, cabe a nós
quanto analistas montar um quadro com todas as informações que um paciente
pode nos dispor, desde uma frase dita, até uma perna cruzada, só assim, com
tudo exposto será possível definir quais os impasses internos dos pacientes.

Módulo 5 - Donald Winnicott Vida e Obra – Exercícios


1- Winnicott esteve muito envolvido com a pediatria, psicologia infantil,
psiquiatria infantil e psicanálise, no atendimento de adultos e, principalmente,
crianças durante a Segunda Guerra Mundial. Como pediatra pôde observar não
só o comportamento, como também o discurso e o contato das mães com seus
bebês, que aliados à sua análise pessoal e formulações teóricas, contribuíram
para que pudesse elaborar uma teoria na qual...
Resposta: D - A história do crescimento emocional do bebê dependerá de
uma pessoa que atenda suas necessidades específicas e responsabilize-se
por estabelecer condições favoráveis ao amadurecimento. 

Justificativa: Da mãe suficientemente boa e devotada à criança, A mãe


devotada comum funciona sem qualquer deliberação intelectual de sua parte,
proporcionando ao bebê o meio ambiente necessário para que a sua tendência
à integração ocorra. Podemos afirmar que esse ambiente de origem, que pode
funcionar como um ambiente auxiliar do ego.

2- Donald W. Winnicott é reconhecido hoje internacionalmente e é considerado


um dos mais  importantes pensadores da subjetividade humana, sob a
perspectiva psicanalítica,  em seguimento a Freud e Klein, alguns o tomam
como um revolucionário do paradigma psicanalítico. Entre suas ideias
figuram... 
I. A importância da mãe como figura indispensável ao desenvolvimento do
complexo de Édipo. 
II. A ideia de que não existe esta coisa como “a mãe” ou “o bebê”, mas sim,
uma unidade chamada “mãe-bebê”, decorrente do estado fusional que, se
espera, possa se estabelecer. 
III. A importância da mãe como figura indispensável à constituição da
subjetividade do ser humano. 
IV. O centro das suas afirmações situa-se na importância do processo de
amadurecimento possível por meio de um ambiente suficientemente bom
A partir das afirmações acima, identifique a alternativa correta:
Resposta:
Justificativa:
3 - Para Winnicott (1963) a esquizofrenia é decorrente de prováveis falhas no
processo de construção da personalidade, num ambiente que se supõe não ter
sido suficientemente bom no sentido de facilitar ao lactente atingir as metas de
seu desenvolvimento. Assim podemos considerar que na esquizofrenia,
segundo a visão winnicottiana...
Resposta: C - É uma doença que situa -se nos primórdios da infância pelo
déficit no provimento de cuidados dispensados à criança pela mãe,
inviabilizando a adaptação ativa da criança.
Justificativa: Para Winnicott, a s aúde metal, mesmo na vid a adulta,
está intr ins ecamente ligada aos
cuidados c om o bebê na primeira infâ ncia. Cuidad os que, s egundo o
autor, devem ser
propiciados p or um “ ambie nte su fic ientemente b om”, ist o é, um
ambiente (pa is , família
ou a mbiente s oc ial pr ese nte) que cons ig a dar c onta das neces s
idad es do bebê, qu e se
adapta a ele de forma constante

4 - WInnicott nos alerta sobre a importância das falhas ambientais.


Considerando possíveis falhas ambientais, especialmente no estágio em que o
ser ainda não consegue distinguir o “eu” do “não-eu”, seria possível pensar em
diferentes organizações da personalidade. Reflita sobre estas possibilidades e
assinale a alternativa correta levando em conta o o problema das falhas
ambientais na constituição psíquica do ser.
Resposta: B - A mãe tem um papel fundamental na maturidade emocional da
criança, favorecendo o surgimento de um psiquismo saudável junto às suas
tendências inatas.

Justificativa: O ser humano tem uma tendê ncia inat a a se desenvolver


e a se u nificar/integrar, a lia-
se a esta tendência o pr ocesso de ma turação que per mite que esta
tendência se atualiz e e
se efetive p or meio de u ma m ãe a mbiente que permite ou impede o livr e
desenvolviment o
destes processos.
5 - Leia o recorte da matéria...

Mãe que abandonou recém-nascido é identificada


A Polícia Civil de Vinhedo identificou na tarde desta terça-feira (3) a mulher que
abandonou o bebê recém-nascido em um terreno baldio no bairro Jardim
Planalto, no último domingo (1) de manhã. Trata-se da auxiliar de limpeza
Maria Vaz, de 34 anos, que foi indiciada por abandono de incapaz. 
De acordo com o investigador Lucas Agentilho, a mulher confessou que foi ela
mesma quem ligou para o telefone 190 da Polícia Militar após ter deixado a
criança sozinha, enrolada em um edredom. 
Para não levantar suspeitas durante a ligação, ela se passou por uma catadora
de latinhas e disse ter encontrado o bebê enquanto juntava os materiais na rua.
Segundo a polícia, a mulher alegou que é viúva e que abandonou o menino por
acreditar que não tinha condições financeiras para criá-lo. Ela comentou que
usava roupas largas e durante os 9 meses escondeu a gravidez da família e
dos patrões.  
Disponível
em: http://correio.rac.com.br/_conteudo/2013/12/capa/campinas_e_rmc/130319
-mae-que-abandonou-recem-nascido-e-identificada.html. Acesso em
20.01.2014 
Á luz da teoria winnicottiana podemos inferir que neste caso, a escolha desta
mãe...
Resposta:
Justificativa:
6 - As falhas do ambiente são vividas como ameaça à própria sobrevivência e
podem tornar-se muito prejudiciais no futuro do indivíduo, enquanto vivências
provocam sensações de desintegração, resultando em diferentes patologias. A
contundência de suas consequências são decorrentes de quais aspectos:-
I.   Ausência de preocupação materna primária. 
II.  Ausência da unidade mãe-bebê.
III. O excesso de falhas maternas sendo sentidas como ameaças de
aniquilação.
IV.  Presença da preocupação materna primária e ausência risco de ameaça a
"continuidade do ser". 
V.  A inexistência de um “eu" e "não eu”.
 Identifique qual das alternativas é correta:
Resposta:
Justificativa:

7 - Na teoria do amadurecimento pessoal, Winnicott destaca que o


desenvolvimento deve incluir não só a história da criança, mas também o total
relacionamento individual da criança com o seu meio ambiente específico.
Nesta afirmação, a questão do ambiente nesta teoria assume extrema
importância para a constituição do ser, das ideias do autor, é correto afirmar
que: -
Resposta:
Justificativa:
8 - A provisão de um ambiente favorável é um fator essencial para o
desenvolvimento do indivíduo, Winnicott enfatiza este aspecto, mas amplia
nossa compreensão a respeito da importância do ambiente, pois... 
Resposta:
Justificativa:

Módulo 6 - Desenvolvimento Emocional e Ambiente Facilitador


- Exercícios
1- Leia a frase de Winnicott...
 “Não existe essa coisa chamada bebê”      e    “...o bebê é sempre ele mais a
mãe”   Winnicott (1990, p. 40)
As frases aludem à vulnerabilidade e ao desamparo do bebê humano durante o
período inicial da vida. Refletindo sobre estas frases, à luz dos ensinamentos
winnicottianos, poderíamos pensar nas condições essenciais para a
sobrevivência do bebê humano. Orientados por este referencial teórico,
identifique abaixo os elementos propostos por Winnicott para este período, que
não estão contemplados na vivência de uma mãe com seu filho:-
 
I. A mãe suficientemente boa promove um ambiente de proteção, funciona
como um ego auxiliar e em todos os momentos antecipa-se às necessidades
da criança. 
II. O período mais crítico ao desenvolvimento da criança ocorre durante
a dependência absoluta. 
III. A mãe suficientemente boa favorece o processo de ilusão necessária ao
bebê, e por não ser um estado permanente, no transcurso da vida terá uma
participação ativa para a desilusão. 
IV. Os mais severos prejuízos do desenvolvimento infantil acontecerão no
período de dependência relativa, quando se dão os maiores riscos à
“continuidade do ser” ao bebê.
Assinale a alternativa correta:
Resposta:
Justificativa:
2 - O cuidado materno para Winnicott é o grande coadjuvante para o perfeito
desenvolvimento do ser humano rumo ao amadurecimento e integração do ser
humano. Contudo, o mesmo Winnicott adverte sobre o quanto estes cuidados
essenciais devem estar em complemento aos gestos espontâneos do bebê. O
cuidado excessivo da mãe presente numa antecipação exagerada e ansiosa
desta para com a criança, pode ocasionar prejuízos ao bebê, pois:
Resposta: C - Quando a criança não tem espaço para mostrar-se à mãe, não
movimenta-se, seguindo esta ideia, bebê que não pode se expressar fica
impedido de viver seu gesto espontâneo.
Justificativa: é importante que a tarefa materna r esponda pela: c
ontinuidad e d o amb ient e hum ano; d a
confiança que torna o c omportamento da mã e previsí ve l; da adap
tação gradat iva às
necess idades que impu lsionam à independê ncia e da poss ib ilidade d e
aprovisionar e
concretiz ar o impulso criativo da criança

3 - Imagine a cena de um bebê no colo de sua mãe investindo com segurança


naquilo que ela lhe apresenta do mundo.... No curso de desenvolvimento, o
bebê brinca de experimentar o mundo, brinca para aprender, brinca para
tornar-se um indivíduo...
Refletindo sobre esta "imagem" virtual, à luz dos ensinamentos winnicottianos,
poderíamos pensar nas condições essenciais para este desfecho, ainda
parcial, mas de aparência positiva e saudável. Orientados pelo referencial
teórico winnicottiano identifique abaixo os elementos propostos por Winnicott
que estariam contemplados na descrição do papel que cabe à figura materna: -
 I. A mãe suficientemente boa é aquela capaz de promover um ambiente de
proteção, funcionando como um ego auxiliar que garante ao bebê um
desenvolvimento saudável. 
II. Ser uma mãe suficientemente boa supõe manter o bebê no processo de
ilusão permanente, provendo-lhe a total proteção contra angústias. 
III. A apresentação do objeto como uma função da mãe suficientemente boa é
adequada quando não é imposta ao bebê, mas respeita sua imaturidade. 
IV. A mãe suficientemente boa vai, de forma muito consciente, promovendo
falhas ambientais, deixando de atender necessidades imediatas do bebê, para
que este possa aprender a lidar com a realidade.
Assinale a alternativa correta:
Resposta:
Justificativa:
4 - Leia este recorte do cotidiano de vida...
"Uma mãezinha nos primeiros dias de amamentação demonstra intenso
sofrimento por causa de grandes dificuldades, seja para aguentar a dor, para
segurar seu bebê ou ajudá-lo a pegar o peito, desta forma a amamentação
transforma-se num momento de grande desespero e temor. Diante destas e
outras situações em que a mãe não percebe-se apta a cuidar da criança,
recorre à uma babá e vai aos poucos se afastando de seu filho, referindo-se a
ele como a “ferinha indomável”. Em consulta ao pediatra, também psicanalista
winnicottiano, recebe uma indicação para algumas sessões de psicoterapia."
A partir do referencial winnicottiano, verifique abaixo o porquê desta indicação. 
Resposta:
Justificativa:
5 - Leia abaixo a conclusão do artigo de Bordim e Offord (2000)
"Comportamentos anti-sociais são freqüentemente observados no período da
adolescência como sintomas isolados e transitórios. Porém, estes podem surgir
precocemente na infância e persistir ao longo da vida, constituindo quadros
psiquiátricos de difícil tratamento. Fatores individuais, familiares e sociais estão
implicados no desenvolvimento e na persistência do comportamento
antissocial, interagindo de forma complexa e ainda pouco esclarecida. Como o
comportamento antissocial torna-se mais estável e menos modificável ao longo
do tempo, crianças e adolescentes com transtorno da conduta precisam ser
identificados o mais cedo possível para que tenham maior oportunidade de
beneficiar-se de intervenções terapêuticas e ações preventivas. O tratamento
mais efetivo envolve a combinação de diferentes condutas junto à
criança/adolescente, à família e à escola. Quando não é possível o acesso a
intervenções complementares, o profissional de saúde mental deve identificar a
conduta terapêutica prioritária em cada caso específico." (Bordin e Offord,
2000)

BORDIN, Isabel AS; OFFORD, David R. Transtorno da conduta e


comportamento antissocial. Rev. Bras. Psiquiatr.,  São Paulo ,  v. 22, supl.
2, Dec.  2000 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S1516-44462000000600004&lng=en&nrm=iso>. access
on  18  Oct.  2013.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462000000600004.
 
Winncott dá uma interpretação bastante específica dos comportamentos
antissocial destrutivo, ligando sua ocorrência à detecção dos seguintes
elementos:- 
I.   Uma falha ambiental, na medida em que ocorreu anteriormente uma
frustração maior do que o ego da criança podia tolerar. 
II.   Uma falha ambiental, na medida em que não foi criada a ilusão do bebê de
que algo criado por ele é real. 
III. Representa a aceitação e submissão à condição de perda do bom objeto.  
IV. Uma separação entre os instintos libidinais e os agressivos. 
V.   Uma esperança de que a pressentida falha ambiental, possa ser corrigida
por um ambiente continente.
A partir destas afirmações identifique abaixo a alternativa correta nos
pressupostos do autor: -
Resposta:
Justificativa:
6 - Leia a matéria da reportagem: - 
Adesão ao pré-natal é menor entre depressivas que não se tratam (Revista
VEJA 21/05/2012 – 17:25 hs)
São Paulo - Tratar ou não um transtorno psiquiátrico durante a gravidez não é
uma decisão fácil. Se por um lado não há medicações psiquiátricas 100%
seguras na gestação, de outro há um risco maior ainda na retirada abrupta dos
remédios, sem orientação médica. Nem mesmo o Ministério da Saúde tem
diretrizes gerais definidas sobre o assunto, uma vez que as recomendações
são diferentes para cada paciente.

O dilema da gestante com transtornos psiquiátricos foi discutido neste mês no


8º Congresso Brasileiro de Cérebro, Comportamento e Emoções, em São
Paulo. Mulheres são, justamente, as mais afetadas por doenças desse tipo:
correm um risco 50% maior que os homens de ter depressão, por exemplo, o
distúrbio psiquiátrico mais comum. O Instituto de Psiquiatria (IPq) do Hospital
das Clínicas da Universidade de São Paulo (USP) tem até um ambulatório
específico para gestantes, comandado pela psiquiatra Vera Tess.
Por total falta de informação, a maioria para de tomar o remédio por conta
própria ou por pressão da família quando se descobre grávida, diz Vera. A
psiquiatra conta que as mulheres não imaginam que a própria doença pode
trazer sérios riscos para a gestação. Quando uma paciente com depressão
abandona os remédios sem orientação, ela pode piorar, pois a gravidez já é um
momento de maior vulnerabilidade para a eclosão de problemas psiquiátricos.
Nos casos de depressão, a adesão ao pré-natal também é menor entre
aquelas que não se tratam, o que leva a um mau prognóstico para o bebê.
“Também é frequente que essas mulheres fumem mais, bebam mais e usem
drogas”, completa. Ela cita, ainda, o risco de crises após o parto. E observa
que a depressão da mãe, nesse período, pode provocar falhas no
desenvolvimento cognitivo e emocional do bebê. As informações são do Jornal
da Tarde. 
Disponível em http://veja.abril.com.br/noticia/saude/adesao-ao-pre-natal-e-
menor-entre-depressivas-que-nao-se-tratam/ Acesso em 25/10/2013
  
A reportagem revela preocupações relacionadas à sanidade mental da mãe
como figura que precisa ser cuidada para poder cuidar. Considerando a teoria
do amadurecimento de Winnicott e a importância atribuída à figura materna, é
certo o que se afirmar em: -

Resposta:
Justificativa:
7 - Leia matéria do portal da Educação...
 
Quarta-feira, 26 de dezembro de 2012
 
DELINQUÊNCIA JUVENIL (SERÁ QUE EXISTE SOLUÇÃO?)
(...) Por tudo que foi exposto, não há dúvidas de que estamos diante de um
grande dilema. Como observamos a problemática do menor no Brasil não é de
natureza jurídica, em grande maioria é de natureza política e socioeconômica. 
A recuperação de adolescentes infratores, em especial quando envolve a
privação de liberdade, ainda é o maior ponto fraco da aplicação do estatuto. 
Nossa consciência coletiva está ficando cada vez mais perdida diante de tantos
acontecimentos bárbaros, fazendo com que a sociedade não saiba mais de
que lado ficar, para onde seguir. E, tudo isso, chegou nesse estágio porque os
valores fundamentais, previstos na Constituição e no Estatuto da Criança e do
Adolescente, estão desacreditados, afinal não acontecem, parece que não
existem. 
No Brasil, as maiores cidades do país vivem tendo problemas com seus
adolescentes infratores. O que fazer quando criminosos perversos nesse país
são menores de idade? Que medidas podem ser tomadas para que a
sociedade não fique à mercê de jovens de natureza tão ruim? Reduzir a
maioridade penal? Criar novas leis? Ou tentar uma melhor solução? 
Fonte: PORTAL EDUCAÇÃO. Disponível
em:- http://www.portaleducacao.com.br/direito/artigos/24932/delinquencia-
juvenil-sera-que-existe-solucao#ixzz2i4sqqfWN  - Acessado em 15/10/2013
As formulações de Winnicott sobre a tendência antissocial representam uma
nova maneira de se olhar o problema antissocial, de acordo com estas
formulações, como o autor pensa tal tendência? Leia as afirmativas abaixo e
depois assinale a alternativa correta:  
 I.   A tendência social normalmente está relacionada a uma privação
importante do passado do sujeito, por exemplo o nascimento de um irmão... 
II.  A tendência antissocial invariavelmente desemboca na delinquência. 
III. O comportamento antissocial é um pedido de “moldura” ao ambiente. Ele só
acontece porque ainda há esperança. 
IV. Esta tendência só acomete indivíduos com problemas psicóticos. 
V. Uma instituição, ou os próprios pais, podem oferecer terapia a uma criança
com tendência antissocial.
  
A partir destas afirmações identifique a alternativa correta: -
Resposta:
Justificativa:
8 - A noção de holding na teoria winnicottiana é de extrema importância seja no
processo de amadurecimento, seja depois na consideração do manejo clínico.
Enquanto elemento que remete a “constituição do ser humano”, como se
definiria nos momentos iniciais de vida do ser humano?
 Resposta:
Justificativa:

Módulo 7 - Objeto Transicional e Fenômenos Transicionais -


Falso e Verdadeiro SELF – Exercícios
1-  Leia o recorte da reportagem:-
Objetos de estimação ensinam a criança a lidar com separação
"Os chamados objetos transicionais –cobertores adorados, bichos de pelúcia
esfarrapados, roupas insubstituíveis– são frequentes na sala de exames
pediátricos. Algumas crianças se agarram a eles para aliviar o estresse de
serem examinadas ou vacinadas, enquanto outras simplesmente nunca saem
de casa sem seus favoritos. Pergunte a qualquer grupo de pais sobre os
objetos transicionais e você vai ouvir ótimas histórias, geralmente, sobre um
item precioso que foi extraviado ou perdido em algum momento crítico..." 
Disponível em: http://mulher.uol.com.br/gravidez-e-
filhos/noticias/redacao/2013/03/15/objetos-de-estimacao-ensinam-a-crianca-a-
lidar-com-separacao.htm
A partir deste recorte, remetendo-nos às ideias de Winnicott acerca do objeto
transicional, analise as afirmações abaixo:  
 I. O desenvolvimento e a criação de um objeto transicional é condição de
saúde para toda criança, sem distinção, já que todas as crianças vivem
ansiedades de separação e por isso elegem um objeto transicional.
II. Permitir que uma criança exercite a criatividade que faz nascer seus objetos
transicionais é alimentar o desenvolvimento da área de onipotência pessoal,
necessária para a condição de saúde psíquica. 
III. Na vida adulta, a ampliação da experiência da transicionalidade pode ser
exemplificada através do fetiche, da mentira, da adição às drogas e de rituais
obsessivos. 
IV. O objeto transicional permite à criança, por meio da experimentação,
cumprir a travessia desde a subjetividade até a objetividade.
 Assinale a alternativa correta:
Resposta:
Justificativa:
2 - Há pessoas que se queixam de não serem elas mesmas. Queixam-se de
não saberem o que querem, de não saberem quem são, de não saberem se
gostam de homens ou mulheres. Mostram uma propensão a se envolverem em
relacionamentos intensos e instáveis. Sentem um grande vazio interior, mesmo
quando são relativamente bem-sucedidas. Vivem como se não habitassem o
próprio corpo. Estas pessoas, que estão na fronteira da neurose com a
psicose, desenvolveram uma das organizações defensivas mais bem-
sucedidas: o falso Self. Este falso Self, que o analista enfrenta clinicamente,
resulta:
Resposta:
Justificativa:
3 - Por mais estranho que possa parecer, podemos pensar num processo de
inversão precoce de papéis, pois a mãe, que deveria proteger, acaba por
mostrar-se ausente e/ou insuficiente da sua função protetora, sem que consiga
prover a adaptação às necessidades da criança. Enquanto isso a criança é
quem tentará adaptar-se às estranhezas do mundo e do desconhecido, sem,
contudo, ter a condição para esta adaptação, o que a conduzirá, de acordo
com sua maior ou menor adaptação, a condições de saúde mental precária.
Este comentário nos aponta para quais fenômenos ricamente desenvolvidos
por Winnicott: -
Resposta:
Justificativa:
4 - O termo "espaço" em Winnicott é de fundamental importância, isto se
evidencia quando encontramos noções como espaço transicional, espaço
relacional, espaço potencial.
Verifique abaixo qual das alternativas expressam esta importância, assinale a
alternativa correta:
Resposta:
Justificativa:
5 – Winnicott desenvolve em sua teoria a noção de falso e verdadeiro self e
nesta construção enfatiza como estas versões podem se refletir na vida de
cada um, fazendo-nos demonstrar uma forma de ser e de viver que podem se
distanciar do verdadeiro ser (self verdadeiro)... 
Desta forma, examine as afirmações abaixo e identifique, tendo como ponto de
discussão o papel materno no desenvolvimento do falso self, quais são as
afirmativas corretas:-
I. O papel da mãe na construção do falso self é essencial, pois tendo se
tornado incapaz de desempenhar suas funções de forma suficientemente boa
não consegue complementar a onipotência do bebê.
II. O falso self está diretamente ligado ao não acolhimento do gesto
espontâneo, por parte da mãe.
III. Diríamos que não são as falhas maternas que ocorrem na construção do
verdadeiro self que fornecem as condições para que se ativem defesas na
criança.
IV. A onipotência da criança em sua fase mais primitiva deve ser acolhida por
uma atitude materna suficientemente boa que se adequa e se adapta às
necessidades da criança.
Assinale a alternativa correta:

Resposta:
Justificativa:
6 – Leia atentamente o recorte de um fato do cotidiano... 
"Uma menina brincava com sua casinha de bonecas, numa cena de cuidados
maternos à sua boneca, à quem acalenta, alimenta, faz adormecer... Seu pai,
ao entrar, sem querer, tropeça numa cadeira e a menina o repreende: “Papai,
não viu que assim você acorda o bebê? O pai, sem entender o que se passava
é surpreendido pela mãe que diz: “Desculpas vizinha, prometemos não mais
atrapalhar o sono de seu bebê!”. Em seguida foi para o quarto. A menina feliz,
recebe as desculpas e volta à brincadeira, esquecendo-se do tropeço do pai.
Passado algum tempo, a mãe interrompe a brincadeira e diz: “Mariana, chega
de brincar, é hora de tomar o seu banho. A menina aceita e vai ao encontro da
mãe."
Em alusão aos ensinamentos de Winnicott, responda que tipo de fenômeno se
passou entre mãe e filha? 
Resposta:
Justificativa:
7- Fenômenos transicionais são atividades que ocupam um espaço
intermediário, entre a realidade interna e a externa, com a finalidade de
amortecer o choque da conscientização de uma realidade externa. Para
Winnicott, é correto afirmar que:
Resposta:
Justificativa:
8 – Paciente de 30 anos relata que está muito envergonhada, pois irá viajar
com seu namorado e não sabe como fará para usar seu paninho de dormir que
trouxe com ela desde pequena. Relata que não consegue ficar sem ele, sente
o cheiro de quando era pequena, está até desbotando, quase rasgando, mas
não consegue se livrar dele. Disse ter melhorado muito depois que começou
fazer análise, mas ainda não conseguiu ficar sem seu paninho. No
texto Objetos transicionais e fenômenos transicionais, Winnicott (1957) faz
algumas observações a respeito da importância desse fenômeno na vida do
indivíduo.
Assinale a alternativa que corresponde com uma representação desse
fenômeno. 
Resposta:
Justificativa:

Módulo 8 - Clínica Winnicottiana - Exercicios

1 – Leia com atenção o relato:-


 
"A mãe de João procura o CPA por estar em dúvida sobre o que fazer com o
comportamento de seu filho de 1ano e 8 meses. Relata que João foi
alimentado ao seio até os 7 meses e foi desmamado sem dificuldade. Nessa
época, João começou a chupar o dedo e logo depois, por volta dos 8 meses,
adotou a ponta de um cobertorzinho e o usava para acariciar o rosto. Próximo a
completar 1 ano, trocou a ponta do cobertor por um pequeno ursinho de
pelúcia, do qual gosta muito e quando lhe é oferecido, quando está muito
manhoso, encosta-o no rosto e adormece. A mãe procurou ajuda para saber o
que fazer, pois o urso está velho, mas a mãe tem receio de jogá-lo fora e isso
provocar um “trauma” em João."
Considerando o relato acima e supondo que você estivesse no lugar da
terapeuta-estagiária, assinale a alternativa que corresponde às afirmações
você faria à mãe de João:
 
I.  Que deveria fazer de tudo para que João abandonasse o ursinho, pois seu
comportamento vai provocar fixações e dificuldades futuras, já que o urso não
é um objeto transicional. 
II. Que a mãe não deveria estimular o uso do ursinho, já que é evidente que
João está dependente desse objeto, considerando que o cobertor sim, foi seu
objeto transicional em função de ter sido adotado na época do desmame. 
III.  Que a mãe encare com naturalidade o apego de João ao ursinho e deixar
que o abandone naturalmente. 
IV. O objeto transicional nunca deve mudar, a menos que seja mudado por
João. 
V.  Que a mãe lave bem o ursino, fazendo o possível para descaracterizá-lo,
sendo que dessa forma João se desapegará dele.
 
Assinale a alternativa CORRETA

Resposta:
Justificativa:
2 – Winnicott divide o trabalho de Freud em duas partes: a técnica
psicanalítica, na qual o material do paciente deve ser compreendido e
interpretado, e o contexto (setting) no qual esse trabalho é realizado. Freud era
cuidadoso com o contexto – setting – por acaso; nunca teorizou profundamente
e nem pensou de forma deliberada sobre este assunto. Ele simplesmente era
atencioso em relação aos detalhes do setting porque, segundo Winnicott, era
uma pessoa madura, que se preocupava com o bem-estar de seus pacientes.
Esse contexto é minuciosamente estudado por Winnicott, que o considera
essencial em determinados casos clínicos, ultrapassando, muitas vezes, a
importância das interpretações. A que se deve tal relevância dada ao contexto
pelo psicanalista inglês?
Resposta:
Justificativa:
3 – Luiz Claudio Figueiredo, em seu livro Elementos para a Clínica
Contemporânea, faz a seguinte afirmação:  “O termo contratransferência
refere-se a uma dimensão fundamental do modo do analista colocar-se
diante – ou melhor dizendo, deixar-se colocar diante – do analisando...”.
(2003, p. 127).
A noção de contratransferência marca diferenças entre as escolas
psicanalíticas. Em Winnicott podemos considerar que:

Resposta:
Justificativa:
4 – A clínica winnicottiana guarda reservas e diferenças da clínica freudiana,
entre suas especificidades, podemos identificar como corretos o que se afirma
em:-
I.  A clínica winnicottiana acredita que o tratamento analítico é indicado
principalmente para aqueles pacientes que querem uma análise, mas é
importante saber se o paciente necessita e se ele pode tolerar tal procedimento
terapêutico. 
II.  Para o autor, tanto o papel do analista quanto o uso das interpretações
variam segundo a idade emocional do paciente.
III. O trabalho psicanalítico winnicottiano visa o crescimento e o
desenvolvimento emocional, para isso a principal premissa é a compreensão
do processo de amadurecimento emocional do paciente, independentemente
de sua idade cronológica.
IV. Winnicott é adepto de uma postura clínica mais ativa, permeada por muitas
e extensas interpretações. Em função do trabalho com crianças, suas
interpretações têm um caráter fortemente didático.
 
A partir destas considerações podemos identificar como correta a alternativa: - 

Resposta:
Justificativa:
5 – Winnicott fala das “angústias impensáveis” originadas de falhas ambientais,
nas quais a mãe por algum motivo não conseguiu assegurar a evolução da
criança rumo à integração. Estas angústias estão diretamente relacionadas à
etiologia das psicoses, o que determina a necessidade de sua consideração na
clínica winnicottiana da psicose.
Sobre a atuação analítica com pacientes psicóticos, segundo a teoria
winnicottiana, analise as afirmações e assinale a alternativa correta:

Resposta:
Justificativa:
6 – Leia o trecho a seguir:-
"A análise não consiste apenas no exercício de uma técnica. É algo que nos
tornamos capazes de fazer quando alcançamos um certo estágio na aquisição
da técnica básica. Aquilo que passamos a poder fazer é cooperar com o
paciente no seguimento de um processo, processo este que em cada paciente
possui o seu próprio ritmo e caminha no seu próprio rumo. Todos os aspectos
importantes desse processo originam-se no paciente, e não em nós enquanto
analistas." (WINNICOTT, 1955/2000, p.374)
Este trecho remete ao cuidado que Winnicott considera importante de ser feito
por cada analista ao assumir o trabalho analítico. No aspecto da regressão,
quando o paciente se encontra regredido, a análise winnicottiana considera que
sua eficácia depende:

Resposta:
Justificativa:
7 – Alguns pacientes procuram análise em decorrência de vivências
angustiantes, que superam sua capacidade de suportar, entender e nomear os
eventos da realidade, e sem que consigam atribuir um significado pessoal,
vivenciam estranhas sensações de incompreensão de si, um não saber, uma
ausência de sentido de si mesmo. Na clínica winnicottiana, observamos certas
condições que são manejadas de forma diferentes nas clínicas de Freud e
Klein, identifique abaixo a alternativa correta do que acontece na clínica
winnicottiana:-
Resposta:
Justificativa:
8 – Leia com atenção os textos abaixo:
 
.....“A mãe desenvolve ritmos e padrões de maternagem, adaptando-se ao seu
bebê. Procura uma forma confortável e segura de ter um contato de seu corpo
com o corpo do bebê. Desenvolve um modo de pegá-lo durante as mamadas,
no banho, para dormir e para aliviar suas cólicas. Ela aprende como niná-lo
balançando com suavidade e ritmo o seu corpo”.
 
“Camila tem 29 anos e faz análise há aproximadamente 3 anos. É filha de pais
separados (quando a paciente completou 7 anos, o pai abandonou a família e
foi morar com outra mulher), esse fato é marcante em sua vida, pois por muito
tempo idealizou a figura do pai e ainda tinha a esperança de que um dia ele
voltaria para a sua família. A mãe é extremamente autoritária, frustrada com a
situação da traição, o que a torna controladora e amarga. Tenta, sempre que
possível, comandar os passos da filha. Esta, por sua vez, é dependente
emocionalmente de sua mãe, teme ser desaprovada pelos seus atos
(principalmente desaprovada pela mãe). Todos seus relacionamentos foram
conturbados, se relacionou com vários homens, mas todos eles apresentavam
um funcionamento psíquico complicado. Um dia, Camila chega à análise
dizendo ao analista que precisa falar, ser escutada, pois tem muito a
desabafar, relata que se encontra com “os pensamentos confusos”, cada hora
pensa uma coisa, sente medo, raiva, angústia, intensa ansiedade...Em
seguida, comenta que se sente culpada por não conseguir progredir na vida
sentimental, sente culpa pelos homens somente a desejarem na cama e não
enxergá-la como companheira.... O analista atende o seu desejo, e escuta-a
até o final da sessão."
 
Analisando os textos acima de acordo com o referencial winnicottiano, nota-se
um importante conceito desenvolvido em sua teoria, escolha-o entre as
alternativas abaixo:
Resposta:
Justificativa:

1– Clara de 7 anos, em análise há 18 meses, chega mais cedo a sua sessão e presencia sua
analista com outras crianças atendidas em grupo. Já na sala de atendimento, muito brava diz
para a analista:
Clara - Você não cuida direito das coisas dessa sala, fica aí só atendendo essas crianças e
nem vê a confusão que elas fazem... Aí, quando eu chego aqui tenho que colocar tudo no
lugar, porque você nem liga pra bagunça que elas fazem...
Analista – Você parece muito brava hoje...
Clara – Eu não tô brava não, eu só não consigo achar meu brinquedo, que deixei aqui no
cantinho. Onde eles colocaram? Você tem que me ajudar, ou vai deixar só pra eles?
Analista – Você está sugerindo que eu não lhe cuido direito e deixo suas coisas para que
qualquer um delas se aposse...
Clara – Você fala muito, quer saber... se eu tivesse alguém eu poderia jogar damas....
Ergue os ombros e fica jogando sozinha.
Utilizando o recorte clínico como pano de fundo, verifique a que fenômenos clínicos referem-se
as reações de Clara durante a sessão acima: 

       Resposta: C - Clara inveja as possíveis vivências das outras


crianças na sessão grupal e mostra sua raiva por sentir-se preterida por
meio de transferência negativa.

Justificativa: De acordo com Klein, a inveja é algo que


sentimos logo quando percebemos que somos dependentes
de nossas mães , contudo o sentimento de raiva, é algo que
aprendemos a guardar.
2– Leia o recorte do artigo... 

“Para Melanie Klein (1937), há um verdadeiro relacionamento amoroso


da mãe com seu bebê, na mulher que conseguiu atingir uma
personalidade maternal. Desde criança, a menina tem fantasias
inconscientes de que o corpo de sua mãe está cheio de bebês,
colocados lá pelo pênis do pai. Os desejos experimentados durante a
infância persistem na idade adulta e influenciam o amor que a mulher
grávida tem pelo filho, o que a restitui da frustração por não ter podido
receber um filho de seu pai, na infância. Por ter realizado este desejo,
a mulher intensifica sua capacidade de amar o filho” (Farias e Lima,
2004).
FARIAS, Cynthia Nunes de Freitas; LIMA, Glaucineia Gomes de. A relação mãe criança:
esboço de um percurso na teoria psicanalítica. Estilos clin.,  São Paulo,  v. 9,  n. 16, jun. 
2004. Disponível em <http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S1415-71282004000100002&lng=pt&nrm=iso>. acessos em  27  ago. 
2012.
A partir das considerações do texto acima que foca a relação da mãe com seu bebê, podemos
afirmar que, nas primeiras experiências infantis:-

       Resposta: D Os processos mentais mais arcaicos do bebê têm


como foco a mãe e dele derivam o enraizamento para a capacidade de
amar ou os sentimentos persecutórios.

Justificativa: De acordo com Klein, o bebê não espera da mãe


somente o alimento, mas também a compreensão e amor,
tanto esse amor que é recebido, quanto o sentimento de
perseguição tem marcas profundas nos primeiros meses de
vida do bebê.
3– Klein em seus estudos ocupou-se das relações objetais que ocorrem no
precoce desenvolvimento do ser humano, na primeira etapa da vida da criança. Seu
foco principal foi compreender a dinâmica da vida emocional e os mais primitivos
mecanismos de defesa que o bebê utiliza, bem como sua influência na formação da
personalidade. Estas vivências, necessárias à sobrevivência psíquica do bebê e a
forma como esta se processa, revelam...

       Resposta: E    A sobrevivência psíquica do bebê submetida ao interjogo das


capacidades e defesas de um ego primitivo, pouco especializado para lidar com
estímulos internos e externos do psiquismo.  

 
Justificativa: O bebê nasce necessitando de um adulto, para
realizar cuidados corporais, o deixar seguro, sendo assim
garantindo sua sobrevivência.
4– Matheus de 6 anos apresenta dificuldades de aprendizagem na escola, não consegue
acompanhar o ritmo da sala. Em casa já apresenta dificuldades semelhantes há algum tempo,
mas mostra-se agressivo, irreverente, autoritário e birrento, reagindo como uma criança menor,
quando contrariado. Para Klein, uma criança com inibição intelectual presume dificuldades em
seu desenvolvimento psicológico, pois para esta autora:

       Resposta: c O sadismo infantil excessivo na fase oral e anal é o


principal responsável pelo impedimento do desenvolvimento do impulso
epistemofílico. 

Justificativa: Ou seja, as manifestações sadísticas que a


criança apresenta, são consideradas consequências, em
sua maioria o ressentimento pelas punições ou repressão que
a criança sofre na criação de seus hábitos.
5– Uma criança de 30 meses brincando de pular de um sofá para o outro é repreendida pela
mãe, reage com muita ira e violência quando esta a impede de continuar a brincadeira.
Frustrada, chora, esperneia e depois joga-se no chão, pega os bonecos pai e mãe de sua
casinha de bonecos morde, rasga e arremessa-os contra a parede, por último evacua na roupa,
até que a mãe consegue acalma-la e faz sua troca de roupa. A partir deste relato podemos
correlacionar esta vivência às questões edípicas em Klein :

       Resposta: D A percepção da mãe como objeto total estabelece a


triangulação entre criança + mãe + um estranho (que marca a ausência da
mãe). 

Justificativa: A criança irá descontar sua raiva no objeto em


que faz semelhança a sua mãe, uma vez que não pode
descontar essa raiva na mãe propriamente dita, tudo isso se
desencadeia pelo fato da mãe ter repreendido a criança.
6 – Leia o recorte do cotidiano abaixo:- 
Uma criança de 30 meses brincando de pular de um sofá para o outro é
repreendida pela mãe, reage com muita ira e violência quando esta a impede
de continuar a brincadeira. Frustrada, chora, esperneia e depois joga-se no
chão, pega os bonecos pai e mãe de sua casinha de bonecos morde, rasga e
arremessa-os contra a parede, por último evacua na roupa, até que a mãe
consegue acalmá-la e faz sua troca de roupa. 
 
Poderíamos considerar que:-

       Resposta: B A criança em sua reação expressa tendências sádico-


orais e sádico-uretrais que dominam as etapas pré-genitais.     

Justificativa: As punições e repressões, são fatores que


desencadeiam o sadismo, sendo assim consequências do
ressentimento infantil.
7–
       Resposta:
Justificativa:
8–
       Resposta:
Justificativa:
9–
       Resposta:
Justificativa:
10 –
       Resposta:
Justificativa:
11 –
       Resposta:
Justificativa:
12 –
       Resposta:
Justificativa:
13 –
       Resposta:
Justificativa:
14 – Winnicott (1951/1978) nos ensina que o objeto transicional mostra a transição do bebê
de um “estado de fusão com a mãe” a um estado em que o bebê se “mantém em relação com
a mãe”, como objeto externo e destacado dele. Complementa que, para isso, é necessário que
a criança evolua do estado de “dependência absoluta” para uma condição de certa
“autonomia”, devendo primeiro certificar-se de que em sua existência pode existir algo que não
faz parte dela... O que equivale dizer : 
I. A condição acima descrita constitui-se no campo transicional, cuja referência é a
interface entre subjetivo e objetivo. 
II. Os objetos e fenômenos transicionais situam-se fora do domínio da ilusão, que
marca o desenvolvimento emocional precoce e está na base do início das experiências
infantis no mundo real.
III. Por meio desta vivência o bebê torna-se capaz de suportar as situações precoces
de separação, de perda, de privação.
IV. Por sua especificidade é impossível  comparar o "objeto transicional" à “primeira
possessão não-eu”.

 
 Assinale a alternativa correta:

       Resposta: C- São corretas as afirmativas I e III.

Justificativa: Se faz necessário um objeto de transição para


que a ansiedade da separação seja diminuída, e a criança
tenha confiança e consiga lidar com a ausência da mãe, para
que se desenvolva a independência.
15 – Por comparação, as teorias Kleiniana e Winnicottiana guardam algumas diferenças.
Assim, considerando as diferenças teóricas dos autores, observe as afirmativas abaixo e
responda... 
 I. O centro da teoria Winnicottiana situa-se na ideia de que um ambiente representado
na figura da mãe é essencial à constituição do “ser”, possibilitando a base da existência
e integração para o bebê e, com este pressuposto, assume uma posição em que os
problemas do desenvolvimento têm prioridade e a sexualidade deixa de ocupar o lugar
central para explicar os distúrbios psíquicos.
II. Para Klein o mundo real contribui para que a mente infantil funcione desde o
princípio orientado pelo pensamento racional, pois a criança já possui
um ego rudimentar.
III. Para Winnicott a influência dos aspectos hereditários e/ou genéticos não interferem
ou impedem um desenvolvimento emocional saudável, uma vez que o ambiente é que
tem maior preponderância.
IV. A teoria kleniana refere que as principais funções da fantasia são: a realização de
desejos, a negação de fatos dolorosos, o reasseguramento de fatos aterrorizadores do
mundo externo, o controle onipotente e a reparação.
V. Winnicott considera que o ambiente assume papel fundamental, pois para este autor
a fantasia não é inata, mas elaborada na experiência da ilusão.  
 Assinale a alternativa correta:

       Resposta: A São corretas as afirmativas I, IV e V. 

Justificativa: A psicanálise como sempre discutida como um desejo sexual,


passa a ser vista como um cuidado emocional. Os autores concordam que é
necessário a satisfação do bebê, contudo é necessária a proximidade da mãe
para que isso ocorra, uma vez que o bebê tem sua confiança toda depositada
na mãe, e é com essa experiência que surge a possibilidade da dependência
se tornar independência.