Você está na página 1de 2

AVALIAÇÃO NO ENSINO DA FILOSOFIA

A etimologia dos conceitos e a sua definição

A palavra avaliar vem do latim a+valare, que significa atribuir valor e mérito ao objecto
em estudo; assim, avaliar é atribuir juízo de valor sobre uma acção ou uma matéria. Em
se tratando de avaliar o processo de ensino e aprendizagem, o seu significado tem sido
pautado pela lógica da mensuração, isto é, associa-se o significado de avaliar ao de
medir os conhecimentos adquiridos pelos alunos.

O verbo ensinar, do latim, insignare, significa marcar com um sinal, que deveria ser de
vida, de busca e de despertar para o conhecimento. Ensinar é apresentar ou explicar o
conteúdo numa exposição, o que a grande maioria dos docentes procura fazer com a
máxima habilidade de que dispõe; daí a busca por técnicas de exposição ou oratória,
como sendo o elemento essencial para a competência docente. Ensinar é uma actividade
incentivadora e orientadora do processo de aprendizagem dos alunos (OLIVEIRA,
citado por Gonçalves e Larchert, 1988).

Vimos que para a pedagogia tradicional e tecnicista aprender é sinónimo de memorizar,


sendo que o ensinar significa verbalizar conteúdos e tomar a lição do dia. Para essas
concepções o ensino e a aprendizagem são processos paralelos, mas que não estão
estreitamente relacionados. Para a pedagogia progressista, aprender é um processo
complexo, reflexivo e activo que se efectiva durante as experiências de assimilação de
conhecimentos ou aquisição de competências e habilidades.

A prática avaliativa foi adoptada desde o seu princípio como via de controle, destinada à
selecção, ou seja, a inclusão de alguns e exclusão de outros. Mas esse termo ‘avaliação’
é recente, pois por muito tempo usou-se o chamado ‘exame’.

Os princípios da pedagogia do exame são: ‘qualidade da educação, eficiência e eficácia


do sistema educativo, maior vinculação entre sistema escolar (entenda-se currículo) e
necessidades sociais (entenda-se modernização e/ ou reconversão industrial) ‘ (Esteban,
citado por Gonçalves e Larchert, 2002). Neste momento, são depositados no exame
grandes esperanças para a melhoria da educação, pois através dele se consegue a
promoção e a certificação da aprendizagem. A pedagogia do exame é articulada em prol
da certificação e promoção dos sujeitos, colocando o exame como elemento inerente a
toda acção educativa.

Caracterização do conceito de avaliação

Participação do aluno através de perguntas, respostas, comentários. Obtenção de síntese


escrita ou oral da aula e construção de mapa conceitual (aula expositiva e dialogada).
Produção escrita ou oral, com comentários apresentando a compreensão, análise,
síntese, julgamento, inferências e interpretação dos conteúdos do aluno sobre o texto
estudado (estudo de texto).

Organização e cientificidade da acção do aluno e do professor, clareza nas ideias na


produção escrita, objectividade na apresentação dos conceitos básicos. A escrita é
construída e reconstruída durante o processo (portfolio). Apresentação dos conceitos de
forma clara, relações entre conceitos pertinentes, riqueza de ideias, criatividade na
organização e representatividade do conteúdo estudado (mapa conceitual).

Acompanhamento das participações, da qualidade das inclusões, pertinência das


elaborações (plataformas). Clareza e coerência na apresentação, utilização do tempo e
de recursos adequados, criatividade e espontaneidade. Avaliação do professor, avaliação
dos colegas e autoavaliação (dramatização).

Avaliação individual e grupal. Clareza e coerência na apresentação, qualidade na


diversidade do material utilizado e nas fontes de pesquisa, domínio de conteúdo,
participação do grupo durante a apresentação (seminário). Participação nas actividades
propostas, demonstração das habilidades expressas nos objectivos. Autoavaliação no
final da oficina (oficina). Acompanhamento das fases da pesquisa. Atendimento ao
cronograma planejado em grupo, qualidade das informações, pesquisas das
interpretações (ensino com pesquisa).