Você está na página 1de 4

O estudo dos santos padres da Igreja na formação sacerdotal.

Caracteriza-se pela tradição do magistério da Igreja, e a formação dos


professores; porém existem uma diferença quanto a metodologia, em relação
aos países e as dioceses na formação de seu clero; percebemos grandes
eruditos que mostram um nexo entre a tradição e alguns problemas pastorais e
que a teologia tem aproveitado mais para expor o assunto. “a exegese
moderna, que recorre à ajuda da crítica histórica e literária, lança uma sobra
sobre a contribuição exegética dos Padres, os quais são considerados
simplistas e, em substancia, inúteis para um conhecimento aprofundado da
sagrada escrituras”1.

O baixo nível da formação das escolas teológicas como a falta de


cultura, da nossa sociedade levam o teologia a uma formação superficial;
muitas vezes por se adaptar as exigências de novas disciplinas, diminuir a
qualidade da formação. A patrística é base para uma renovação teológica
pastoral, deve confrontar-se o seu com o anuncio. elas são testemunhas
qualificadas a tradição na Igreja. os padres aparecem sempre ligados a
tradição, protagonista, testemunhas mais perto da pureza. Muitos deram
testemunhos com suas próprias vidas para purificar.

A tradição nos ajuda a preparar o processo já vivido por outras citações.


Não é voltar ao passado mas sim sintetizar os duas realidades que questionam
assim chegamos a um conhecimento mais amplo dos santos padres e da
doutrina ensinadas por eles. os padres são portanto testemunhas e garantias
de uma autêntica tradição católica.Todo o trabalho dos sacerdotes com o intuito
reconhecer o caminho sem perder o conteúdo da fé e buscando um meio
amplo para difundir a revelação contida na história da Igreja e como apresentar
como ideal já passado e luz para o futuro presente isso nos ensinamentos dos
santos padres.

A teologia nasceu da atividade exegética dos Padres, e especialmente


nas assembléias litúrgicas, se busca uma intima relação entre a necessidade

1
Cf. documentos pontifícios 233 pag 12 № 9.
espiritual das pessoas e uma reflexão racional tendo no centro o mistério de
Cristo em busca da economia da salvação. Mas para isso é necessário superar
os preconceitos que vem desde muito tempo em nós. Não podemos perder
aquilo que é nosso, como a essência do ser, mas é necessário respeitar o
diferente, ver traços de Deus em outras cultoras isso os santos Padres
conseguira. No encontro da razão que muitas vezes questiona a fé, dentro dos
vários temas da teologia e tratados os Padres, ao defenderem as verdades que
tocam a própria essência da fé, foram os autores de um grande avanço na
compreensão dos conteúdos dogmáticos dando um serviço valido ao progresso
da teologia. O processo de estruturação dogmática e intelectual foi se
formando naturalmente no seio da Igreja, a vivencia dos pastores, e na
interpretação que se realizava para as comunidades e sempre usando o
máximo de respeito e fidelidade na fundamentação bíblica, e as novas
necessidades devido novas culturas, tendo presente a não rotura entre Oriente
e Ocidente.

Diante do mistério de Deus preferem ser simples, humildes uma atitude


de respeito, essa maneira da não onisciência leva a um estar com Deus sem
querer colocá-lo a prova, “quando se trata de Deus é uma grande ciência
confessar a ignorância”; há uma familiaridade com Deus na vida dos santos
Padres na vida espiritual, ainda nos dias de hoje se produz muita reflexão
teológica mas o ponto de partida sempre temos os santos padres, como
conteúdo e pratica da vivencia espiritual na vida da Igreja isso é essencial para
os teólogos em formação e aqueles que buscam o conhecimento catedrático
ser fiel a essa linha de pensamento e vivência do cristianismo.

Essa maneira de ver e viver a fé cristão vale para toda a Igreja universal,
a expansão progressiva e silenciosa, do fermento evangélico na sociedade
principalmente pagã um fervor missionário um amor que orientava as almas
para o heroísmo da vida quotidiana pessoal e comunitária, social
principalmente nas necessidades do irmão, mas com a preocupação sempre
em seus escritos dar uma finalidade pastoral, catequese, homilias e refutações
de heresias alem de exortações espirituais para a instrução dos fiéis. A igreja
diante das varias dificuldades tanto em seu próprio seio como fora dele sempre
conseguiu levar em frente o projeto de Jesus que Ele seja conhecido por todos
os povos, graças a vivencia do evangelho nas sagradas escrituras pelos santos
padres; “eles foram plantadores, os irrigadores, os edificadores, os pastores, os
nutridores da Igreja que cresceu mediante a sua ação vigilante”.

Para estudarmos os padres é preciso termos uma visão geral de nosso


tempo, para depois entrarmos em uma outra compreensão de outro tempo de
pensar e viver a fé cristã, contudo quando falamos em estudar os santos
padres devemos ter presente que a patrística, trata do pensamento teológico
dos Padres, e por outro lado a Patrologia, a vida e os escritos dos mesmos
uma é doutrinal e faz relação com a dogmática, moral, espiritual, a segunda
mais a nível de investigação histórica e literária mas esta ligada intimamente
com a Historia da Igreja antiga. Patrística e Patrologia disciplinas
independentes com seu método no âmbito do teológico.

A patrística tem por objetivo “consiste em delinear e determinar o


trabalho de mediação da revelação de Deus realizado pelos padres na Igreja e
no mundo do seu tempo”; quando estudamos os Santos Padres podemos ter e
buscar muitos subsídios, mas quando são questões difíceis é melhor nunca
substituir o recurso direto do textos dos Padres isso vale para os professores e
aos estudantes, para não formarem conceitos fracos em teologia ou até chegar
a formular heresias contra a Igreja de Cristo; o cuidados com os juízos pré-
fabricados e de preconceitos, não deixar de lado a tradição viva da igreja
mesmo pós patrística até hoje como decadência progressiva.

O conteúdo dentro da Patrística-Patrologia é muito amplo isso é bom


porque nos leva a perceber o amor dos Santos Padres pela Igreja, também
demostra a grande quantidade pessoas que viveram e escreveram suas
experiência espiritual e doutrinal para Igreja; porém quando se trata de passar
esse conteúdo de forma estruturada, é necessário limitar a sua amplitude e
fazer opções, dentro da transmissão dar ênfase ao amor aos Padres e não só o
conhecimento. Quanto a metodologia vai depender da escola onde o professor
faz sua especialização, e a linha da instituição onde ele exercer a profissão. É
necessário ser um grande conhecedor da história da igreja, mas com uma
visão unitária dos problemas, acontecimentos, experiências, doutrinais,
espirituais, pastorais, e sociais nas várias épocas.
É necessário que a formação dos teólogos sejam imbuídos da
importância do conhecimento sobre a patrística e a patrologia, tanto nas
faculdades como seminários sobre a mesma, levando o teólogo a ter mais
amor a Igreja e compreender o seu processo histórico e evolutivo no passar
dos séculos; os que ensinam é necessário ser uma especialização adequada
para teórico e prática, buscar subsídios adequados como uma boa biblioteca;
porém que todos quanto puderem ir adquirindo o habito da leitura dos Santos
Padres.