Você está na página 1de 37

0

PREFEITURA MUNICIPAL DE GURUPI


FUNDAÇÃO UNIRG
CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIRG
CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE


E MEIO AMBIENTE

Acadêmicos: Aldair R. Aguiar


Jessé Milhomens de Abreu
Professor orientador: Donária Coelho Duarte, Dra.

Gurupi, novembro de 2008


1

ALDAIR R. AGUIAR
JESSÉ MILHOMENS DE ABREU

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE


E MEIO AMBIENTE

Relatório organizacional apresentado ao


Centro Universitário UNIRG, como requisito
parcial para a disciplina Estágio
Supervisionado I.

Orientador: Profª. Donária Coelho Duarte, Dra.

Gurupi, novembro de 2008.


2

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO................................................................................................................... 03
2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS..................................................................... 05
2.1 DELINEAMENTO DA PESQUISA................................................................................. 05
2.2 TÉCNICAS DE PESQUISA............................................................................................. 06
2.3 ANÁLISE DE DADOS.................................................................................................... 07
3 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE.......................... 08
3.1 AMBIENTE INTERNO.................................................................................................... 08
3.1.1 Aspectos estratégicos..................................................................................................... 09
3.1.2 Aspectos financeiros...................................................................................................... 15
3.1.3 Aspectos mercadológicos ............................................................................................. 18
3.1.4 Aspectos de Recursos Humanos ................................................................................. 20
3.1.5 Aspectos de prestação de serviços ............................................................................... 25
3.2 AMBIENTE EXTERNO .................................................................................................. 27
4 CONCLUSÃO .................................................................................................................... 31
4.1 SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA ...................................................................................... 32
REFERÊNCIAS ................................................................................................................... 33
ANEXO A – Campanha de vacinação contra Rubéola ..................................................... 35
ANEXO B – Campanha de vacinação contra a Paralisia Infantil .................................... 36
ANEXO C – Mandado de Citação e Intimação .................................................................. 37
ANEXO D – Campanha de vacinação do idoso ................................................................. 52
3

1 INTRODUÇÃO

Toda empresa, entidade ou instituição, de grande ou pequeno porte, tem a


necessidade de ter em seu quadro funcionários administrativos para exercerem a
administração. Na administração, a cada ano que passa, surgem vários obstáculos para serem
superados desde uma pequena tarefa até uma tecnologia adquirida pelo mercado.
Essas mudanças que o mercado oferece afetam a organização tanto internamente
como externamente e abala toda a estrutura da empresa. Usa-se adaptar o homem para
determinado cargo, seus objetivos situados em curto prazo são restritos e imediatos, visando
dar ao homem os elementos essenciais para o exercício do cargo, preparando-o
adequadamente para ele e podendo ser aplicado a todos os níveis e setores da instituição.
O estágio se reveste de vital importância, por proporcionar ao futuro administrador
condições de avaliar o seu desempenho como profissional. É através desse conhecimento
prévio dessa empresa como estrutura física administrativa que o estagiário se apoiará de uma
postura crítico-reflexivo da organização.
A Secretaria Municipal de Saúde tem como objetivo maior, elucidar para o
acadêmico, como funciona uma empresa não só na teoria, mas também na prática mostrando a
realidade dos servidores públicos municipais. O estágio realizou-se na Secretaria Municipal
de Saúde.
A tarefa do administrador consiste em desenvolver não uma única capacidade de
pensar, mas muitas capacidades particulares de ponderar em campos diferentes; não em
reforçar a capacidade de prestar atenção, mas em desenvolver diferentes faculdades de
concentrar a atenção sobre diferentes materiais.
Mudar a atitude das pessoas, com várias finalidades, entre as quais, criarem um
clima mais satisfatório entre funcionários, aumenta-lhes a motivação. Deste modo, objetiva-se
com este diagnóstico conhecer diversos aspectos a que uma empresa está sujeita.
Além desta introdução, este diagnóstico contém os procedimentos metodológicos
como delianeamento de pesquisa que fornecerá dados relativos a linha de pensamento e a
finalidade da pesquisa. Há também a descrição das técnicas utilizadas para construção deste
estudo. A forma de como os dados serão analisados serão apresentados, também, neste
capítulo.
A Secretaria Municipal de Saúde será caracterizada em dois ambientes. No ambiente
interno haverá a descrição dos aspectos estratégicos, financeiros, mercadológicos, recursos
humanos e prestação de serviços. Além da análise do ambiente externo com a observação dos
4

concorrentes, economia da cidade onde a empresa está inserida, legislação específica, clientes
foco, dentre outros aspectos pertinentes a este ambiente.
Ver-se-á os procedimentos metodológicos a seguir.
5

2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Este capítulo tem como objetivo mostrar os procedimentos que foram utilizados para
desenvolvimento da pesquisa para análise dos controles administrativos da Secretaria
Municipal de Saúde, além de verificar os métodos de pesquisa que foram aplicadas.
Para Cervo e Bervian (2007, p.27), método é a “ordem que se deve impor aos
diferentes processos necessários para atingir certo fim ou um resultado desejado”. Nas
ciências, entende-se por método o conjunto de processos empregados na investigação e na
demonstração da verdade.
A seguir poderá ser observado o delineamento da pesquisa que compõe os
procedimentos metodológicos.

2.1 DELINEAMENTO DA PESQUISA

Para confecção deste diagnóstico da Secretaria Municipal de Saúde, no tocante ao


delineamento da pesquisa, é necessário a utilização do método indutivo que permite conhecer
os fatos e fenômenos que envolvem a organização estudada.
Em uma mesma linha, Marconi e Lakatos (2006, p.106) afirmam que “o método se
caracteriza por uma abordagem mais ampla, em nível mais elevado, dos fenômenos da
natureza e da sociedade”.
Marconi e Lakatos (2006, p.54), comentam que existem três elementos importantes
para toda indução. Assim, esses autores afirma que o método indutivo:

Conduzem apenas as conclusões prováveis [...] é conjunto de processos por


meio dos quais se passa dos dados as leis, trata-se de saber como se obtém
uma proposição objetiva [...] ela não consiste em apenas perceber, mas
também em apreender os caracteres do fenômeno, por meio da atenção e da
análise dos fatos

Portanto, como primeiro passo a ser seguido é a observação para, então, partir para
classificação. Desta forma, a pesquisa exploratória envolve aspectos como exploração dos
elementos que são estudados, pois tenta-se descobrir e revelar os dados que permitem redigir
um diagnóstico correto e confiável.
6

Cervo e Bervian (2007, p. 63), comentam que a pesquisa exploratória “realiza


descrições precisas da situação e quer descobrir as relações existentes entre seus
elementos componentes”.
Nete delianeamento também, há a utilização da pesquisa descritiva que tem como
objetivo, de acordo Cervo e Bervian (2007, p. 61), “a pesquisa descritiva observa, registra,
analisa, e correlaciona fatos ou fenômenos (variáveis) sem manipulá-los”.
Este tipo de pesquisa é importante para o trabalho, pois este visa descrever
claramente os ambientes da organição foco de estudo. Este método favorece a descrição
correta dos fatos e fenômenos percebidos ao longo do estágio.
A partir do delineamento da pesquisa é possível ter clara idéia sobre o que e como
pretende-se escrever, isto é, já sabe-se que pode utilizar a indução, a pesquisa exploratória e
descritiva para obter dados relativos a instituição.
A seguir ver-se-á as técnicas de pesquisa utilizadas para elaboração deste estudo.

2.2 TÉCNICAS DE PESQUISA

As técnicas de pesquisa influenciam o andamento do trabalho, como poderá ser


observado ao longo deste item.
São de grande importância as pesquisas bibliográficas, pois auxilia a fazer uma
comparação com diversas áreas observadas com base teórica, de que se estima ser o ideal para
a Secretaria de Saúde.
De acordo com Prestes ( 2003, p. 26):

Pesquisa bibliográfica é capaz de atender aos objetivos tanto do aluno,


em sua formação acadêmica, quanto de outros pesquisadores, na
construção de trabalhos inéditos que objetivem rever, reanalisar, interpretar
e criticar considerações teóricas ou paradigmas, ou ainda criar novas
preposições na tentativa de explicar a compreesão de fenômenos relativos
às mais diversas áreas do conhecimento.

A pesquisa bibliográfica fornece elementos que auxiliam na confecção de estudo.


Em conjunto a esta também há a utilização de documentos que permite melhor visualização
das estratégias usadas pela organização.
Por meio deste diagnóstico pretende-se responder sobre questões referentes a
organização, mas para que isso seja corretamente respondido é necessário que haja um
7

observação sistemática dentro da instituição, pois é por meio desta se pode obter as respostas
mais adequadas.
De acordo com Marconi e Lakatos (2002, p. 90), “a observação sistemática realiza-
se em condições controladas, para responder a propósitos pré-estabelecidos.”
A entrevista realizada com o Secretário de Saúde, transcorreu por meio de conversa
informal e dialogo aberto, onde facilitou esclarecimento que fora abordado. O roteiro de
entrevista foi elaborada pela Professor Orientadora Dra. Donária Coelho Duarte.
Marconi e Lakatos (2002, p. 91) afirmam que “a entrevista é um procedimento
utilizado na investigação social, para a coleta de dados ou para ajudar no diagnostico ou no
tratamento de problema social”.
Foi utilizado, também, a observação participante como complemento às técnicas já
mencionadas, logo, a autora deste trabalha na organização diagnosticada. Cervo e Bervian
(2007, p. 69), comentam que:

A observação participante consiste na real participação do pesquisador com


a comunidade, grupo. Ele se incorpora ao grupo, confunde-se com ele.
Ficando tão próximo quanto um membro do grupo que está estudando e
participa das atividades normais deste.

Essa tecnica permite que haja uma melhor alocação dos dados obtidos. Vê-se a
seguir a análise dos dados.

2.3 ANÁLISE DE DADOS

Tratando de um diagnóstico, onde o objetivo é descrever a organização, suas


características e o meio ambiente que o cercam, não serão desenvolvidos os dados estatísticos.
De acordo com Oliveira (2002, p.115), a “abordagem qualitativa não emprega dados
estatísticos como centro do processo de analise do problema”.
A intenção desse método de pesquisa foi aprimorar as idéias e saber se sua aplicação
se tornou adequada para os fins que foram desejados.
O estabelecimento destes procedimento permite que seja traçada uma linha que deve
ser seguida para que as idéias sejam corretamente expressadas possibilitando responder
adequadamente as questões propostas por meio deste diagnóstico.
Na sequência poderá ser observado o ambiente interno da Secretaria Municipal de
Saúde.
8

3 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE

O ambiente interno consiste no processo de controlar e monitorar o ambiente da


organização para identificar os pontos fortes e fracos e que possam influenciarem ao bom
andamento da instituição e atingir suas metas.
A economia do Município de Gurupi é bastante abrangente e está voltada para o
comércio e agropecuária. O desenvolvimento da cidade está crescendo a cada dia, o que mais
impulsiona é o Centro Universitário, gerando movimento no comércio, pois atualmente
Gurupi esta sendo pólo industrial e comercial da região Sul.
Este aspecto está inserido no ambiente externo da empresa, ou seja, são todas as
forças relevantes além dos limites da empresa. Dentro disso, há também os concorrentes que
também está além dos limites da Secretaria Municipal de Saúde.
Comenta Costa (2005, p.85), teoricamente, “concorrentes são outras organizações
que disputam o atendimento das mesmas necessidades do mercado ou do público-alvo”.
A partir disso, pode-se dizer que muitos fatores são incontroláveis. Mas isso não
significa que os administradores devem ignorar tais forças. Toda empresa opera em um macro
ambiente que pode influenciar nas decisões estratégicas. O ambiente econômico afeta
intensamente a habilidade das empresas operarem eficazmente. A tecnologia é um fator muito
importante na medida em que ela exclui novos setores. A demografia constitui de
imensuraçoes de várias características de pessoas que compõem grupos ou outras unidades
sociais.
A Secretaria Municipal de Saúde disponibiliza seus serviços a toda sociedade
Gurupiense por meio da parceria com o Sistema Único de Saúde (SUS). Estes e outros
aspectos serão discutidos no item 3.1.

3.1 AMBIENTE INTERNO

A Secretaria Municipal de Saúde de Gurupi, encontra-se prestando serviços de


atendimento à comunidade por mais de dezessete anos. Assim, cabe conhecer os aspectos que
envolvem este estudo. Ver-se-á em seguida os aspectos estratégicos.
9

3.1.1 Aspectos estratégicos

A empresa foco deste estudo é a Secretaria Municipal de Saúde e Meio Ambiente,


localizada na Avenida Pernambuco, 1345, Gurupi - Tocantins, CEP: 77410-040. Inscrita sob
o CNPJ nº 018.036.181/0001-52. Data de Fundação: 14 de novembro de 1958. Ramo de
atividade: administração e coordenação das atividades oferecidas em relação à saúde pública e
o meio ambiente de Gurupi – To.
O público-alvo da Secretaria não é o consumidor final e sim os
Postos/Unidades/Centros de Saúde que prestam serviços a população. Dentre ele cabe
destacar:
Posto de saúde Vila Íris, Sol Nascente, Waldir Lins, Pq. das Acácias, Vila Nova,
Sevilha, São José, Pedroso, Casego;
Ambulatório Unirg;
Centro de Controle de Zoonose (CCZ);
Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU);
Pronto Atendimento (PA);
Policlínica;
Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS);
Farmácia popular.

A Secretaria Municipal de Saúde possui 784 (setecentos e oitenta e quatro)


funcionários compreendidos nas três esferas do governo e são distribuídos em coordenadorias:
administração; epidemiologia, Programa dos Agentes Comunitários da Saúde, núcleos de
saúde, prevenção da saúde da mulher, coordenação de saúde bucal, gabinete do secretario,
educação em saúde, vigilância sanitária.
Las Casas (2001, p. 53), comenta que público-alvo é “quem a empresa quer
atingir, análise de ameaças e oportunidades poderá determinar quem serão os clientes de
uma empresa”.
A Secretaria Municipal de Saúde e Meio Ambiente de Gurupi – TO, fundada
inicialmente apenas como uma unidade de saúde, denominada de Organização de Saúde do
Estado de Goiás (OSEGO), naquela época não havia criado e constituído o estado do
Tocantins, ficando a serviço a cargo da 4ª regional de saúde. Não se sabe ao certo a data de
fundação, os estagiários foram atrás de pessoas que trabalharam neste instituição ainda
10

quando o estado era Goiás e nenhum deles sabe uma data nem a década que foi criada a
Secretaria.
Ao longo dos anos foi expandido e aumentando a população e a necessidade de mais
atendimento na rede pública. Com o evento do Sistema Único de Saúde aconteceram as
pactuações, convênios e parcerias com as esferas do governo federal e estadual adquirindo
novos serviços e entidades de saúde.
As atividades desenvolvidas pela Secretaria têm como finalidade oferecer serviço de
atendimento preventivo e curativo no âmbito SUS para toda comunidade, como também
atendimento permanente como saúde da família, serviços de urgência e emergência.
A instituição, desde a sua implantação, vem sempre buscando aprimorar e buscar
recursos para que haja um bom funcionamento, desenvolvendo ações que qualificam os
servidores, promover cursos de capacitação em cada área específica com parceiros, preparar o
pessoal para execução imediata das diversas tarefas peculiares à instituição.
Existe planejamento estratégico aprovado, pois para que seja utilizado as verbas
vindas do recurso público, há a necessidade de elaborar um projeto com a participação dos
colaboradores, neste caso, somente dos coordenadores – nenhum outro funcionário ajuda na
elaboração deste, pois não há espaço para colaborarem – por meio de reuniões fechadas entre
eles e o Secretário de Saúde. Demora em média 60 dias para ser aprovado.
Oliveira (2006, p. 47), comenta que o planejamento estratégico:

É um processo administrativo que proporciona sustentação metodológica


para se estabelecer a melhor direção a ser seguida pela empresa, visando
ao otimizado grau de interação com o ambiente e atuando em forma
inovadora e diferenciada.

A empresa apresenta como missão:

Fornecer serviços de atendimento ao público em geral com eficiência e boa


qualidade, respeitando o que é pactuado entre as três esferas do governo que
é levar e manter a saúde até o paciente, tanto preventiva como curativa e que
este paciente tenha um bom atendimento em todas as unidades existentes,
tais como: serviços odontológicos, prevenção de câncer de mama e útero,
acompanhamento às gestantes, aos idosos, pessoas portadoras de hipertensão
arterial, diabetes, hanseníase, dentre outros, pois esta é a política do Sistema
Único de Saúde – SUS. (SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, 2008)
11

Para Drucker (2006, p.32), “toda entidade existe para cumprir determinada
finalidade e missão, uma função social especifica. Na empresa privada, essa função traduz-se
no desempenho econômico”.
Conforme Drucker (2006, p.72), só com uma clara determinação da missão e
finalidade da empresa se poderá ter objetivos empresariais límpidos e realísticos. “Essa
determinação constitui o fundamento das prioridades, estratégias, planos e atribuições de
serviços. Ela constitui um ponto de partida para a concepção dos cargos de direção, e acima
de tudo, para a concepção das estruturas ‘da direção’”.
A visão é a imagem que a organização tem a respeito de si mesmo no seu futuro e o
ato de ver a si próprio projetado no espaço e no tempo. Portanto, a visão da Secretaria é “Ser
reconhecido como referência pela qualidade de trabalho prestado e pelo cumprimento das
metas alcançadas” (SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, 2008).
Oliveira (2006, p. 88), comenta que “a visão é conceituada como os limites
que os proprietários e principais executivos da empresa conseguem enxergar dentro de um
período de tempo mais longo e uma abordagem mais ampla”.
A política da organização consiste em “Todos os funcionário devem exprimir o
máximo de eficiência em seus cargos. A qualidade do atendimento deve ser melhorada a cada
dia” (SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, 2008).
No tocante a política da empresa, Oliveira (2006, p. 236) afirma que “são
parâmetros ou orientações que facilitam a tomada de decisões pelo executivo”.
Os valores consistem na “Valorização do ser humano e elevação do nome da
Secretaria no âmbito Municipal” (SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE, 2008).
Quanto aos valores, Oliveira (2006, p. 89) comenta que eles “representam o
conjunto dos princípios e crenças fundamentais de uma empresa, bem como fornecem
sustentação a todas as suas principais decisões”.
O organograma representa as posições na empresa e como estão organizadas,
fornece também um quadro de estrutura de autoridade quem responde a quem é a divisão de
trabalho. A maioria das empresas possui organogramas oficiais para oferecer essas
informações as pessoas.
A Secretaria possui um organograma que determina a hierarquia das atividades
exercidas. Na figura 1 poderá ser melhor visualizado esse organograma.
Para Lacombe e Heilborn (2003, p.103), “o organograma é a apresentação gráfica da
estrutura organizacional que mostra seus órgãos, níveis hierárquicos e as principais relações
formais entre eles”.
12

Secretário Municipal de Saúde

Gabinete do Secretaria

Assessoria Coord. do Dep. de Compras Departamento Administrativo Departamento de Departamento de Vigilância


Técnica e Serviços Gerais e Financeiro Saúde Pública Sanitária e Epidemiológica

Divisão de Centro de Saúde Coordenadoria do Núcleo de


Controle Financeiro Policlínica Dr. Luiz Santos Filho Vigilância Sanitária

Divisão de Contabilidade Coordenadoria do Núcleo de Coordenadoria do Núcleo de


Agentes de Saúde Vigilância Epidemiológica

Divisão de Pessoal e Coord. do Núcleo de Orientação e Coordenadoria Administrativa do


Lançamento Contábeis Acompanhamento de Prog. Especiais Centro de Controle de Zoonoses

Auditoria e Avaliação Coordenadoria do Núcleo Coordenadoria de Fiscalização


de Saúde Bucal e Produção

Divisão de Regulação Coordenadoria do Núcleo dos


Postos de Saúde

Divisão SAMU

Divisão de Controle Interno do PA

Figura 1: Organograma da Secretaria Municipal de Saúde e Meio Ambiente.


Fonte: Dados primários (2008)

A estrutura organizacional é adequada a estratégia da empresa, pois se houver a


necessidade de contratar funcionários para que seja alcançado as metas haverá a contratação.
Principalmente de profissionais como médicos, enfermeiros e odontólogos.
A Secretaria Municipal de Saúde de Gurupi tem como objetivo principal estabelecer
normas de políticas públicas voltadas à promoção e proteção da saúde da população
gurupiense, a partir de diretrizes do SUS. Os funcionários conhecem os obejtivos da empresa,
sendo que eles colaboram atuando de forma eficiente. Essa atuação permite que os serviços
sejam prestados com qualidade.
Segundo Oliveira (2006, p.78), “objetivo é alvo ou situação que se pretende atingir e
para onde a empresa deve dirigir seus esforços. Já às metas correspondentes aos passos ou
etapas quantificadas e com prazos para alcançar os desafios e objetivos”.
13

Cada plano de ação da Secretaria é caracterizada por um estratégia. Por exemplo, no


mês de setembro houve a Campanha de Vacinação Contra Rubéola (ANEXO A) para homens
e mulheres com idade entre 18 e 39 anos. Para que essa campanha obtivesse êxito foi
necessário que o Governo Federal enviasse recursos para compra da vacina, vinculasse
campanha na televisão, a Secretaria teve que disponibilizar agentes de saúde para vacinarem
nas principais avenidas da cidade e na zona rural. Mas para que isso acontecesse foi
necessário a elaboração de um plano para esta campanha.
Oliveira (2006, p. 62), afirma que o “planejamento estratégico é um processo
gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido pela empresa,
com vistas a obter um nível de otimização na relação da empresa com o seu ambiente”.
Neste caso obteve êxito, mas há campanha como a da Paralisia Infantil (ANEXO B)
que não atingiu a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde (MS). Quando não atinge as
metas estabelecidas é necessário que justifique, embora, haja essa justificatica o município
perde verba, pois, em casos específicos como vacinação o recurso destinado está baseada no
resultado das campanhas.
Oliveira (2006, p. 159), afirma que a “meta é a quantificação do objetivo,
representa as etapas realizadas para alcançar os objetivos”.
O sistema de informação da secretaria é a internet, é trabalhado através de
programas/sistemas Centro de Processamento de Dados (CPD). Ele funciona em um sistema
interligado com a central da prefeitura. No caso específico, do SUS há computadores
interligados pelo Sistema de Informação Ambulatorial do SUS (SIASUS). Somente o CPD
tem acesso a estes dados. Há falhas, ou seja, não há um sistema que interligue todas as
coordenadorias, isso afeta a análise de dados.
Freitas et al (1997, p. 33), comenta que:

O sistema de informação da empresa é o conjunto interdependente das


pessoas, das estruturas da organização, das tecnologias de informação –
hardware -, dos procedimentos e métodos que deveriam permitir à
empresa dispor – no tempo desejado – das informações de que
necessita – ou necessitará – para seu funcionamento atual e para a sua
evolução (FREITAS et al, 1997, p. 33).

Não há planejamento para aquisição/renovação de sistemas ou manutenção dos


mesmo. Quando ocorre algum problema é informado a Prefeitura Municipal que
disponibilizará, de acordo com a necessidade, estes recursos. Também, não existe nenhum
departamento responsável.
14

A compra e aquisição de equipamento também é realizado pela Prefeitura por meio


de solicitação, mas nem sempre é atendido rapidamente, por exemplo, há momento em que
falta cartucho de tinta ou até mesmo caneta para escrever. Esse processo é demorado.
Na Secretaria Municipal de Saúde os pontos fortes são:
A agilidade no atendimento;
Informações com qualidade;
Treinamento, capacitação da equipe de trabalho;
Cooperação entre funcionários.

De acordo com Oliveira (2006, p.326):

Os pontos fortes oferecem uma situação adequada controlada pela empresa


que lhe proporciona uma vantagem perante as oportunidades e ameaças do
ambiente, já os pontos fracos proporcionam uma desvantagem perante o
ambiente.

Já os pontos fracos na Secretaria são:


A desinformação interna;
Falta de autonomia dos funcionários:
Condições de trabalho.

Oliveira (2006, p. 90), afirma que ponto fraco são as “variáveis internas e
controláveis que provocam um a situação desfavorável para a empresa, em relação a seu
ambiente”.
O conceito responsabilidade social sempre faz parte de todas as atividades da
Secretaria de Saúde, a respeito ao ser humano e á natureza é constante em sua atuação. Por
isso a Secretaria desenvolve diversas iniciativas em busca de melhor qualidade de vida e do
futuro dos seus funcionários, dos prestadores de serviço, aos usuários e a sociedade em geral.
Dessas iniciativas destacam-se parcerias, convênios, pactuações, participação e incentivo.
Uma empresa pública ou privada pode ser afetada por tudo o que ocorre em sua
volta e em seu interior, e passa a adquirir hábitos que envolvem a sociedade e o meio
ambiente.
Drucker (2006, p.38), fala que a sociedade “procura na administração a realidade de
suas crenças e valores básicos. Seu lado entende que administrar as repercussões sociais da
15

empresa é importante porque nenhum órgão pode sobreviver ao corpo a que serve; e a
empresa é um órgão da sociedade e da comunidade”.
Kotler (1998, p. 97) afirma que:

Responsabilidade social se traduz na forma como uma instituição conduz


suas atividades de maneira que se torne co-responsável pelo
desenvolvimento da sociedade. A idéia de responsabilidade social
incorporada aos negócios é, portanto, relativamente recente, mas leva as
empresas a adotarem uma postura mais responsável em suas ações.

O autor inclui ainda que os empregados devam ser pagos a um determinado nível
que não signifique pobreza total, e que certos tipos de poluição devem ser adequadamente
controlados e as mudanças sociais devem ser respeitadas.
Chiavenato (1999, p. 495) explica:

Nenhuma organização é completamente autônoma ou auto-suficiente. Toda


organização depende de outras organizações e da sociedade em geral em função das
complexas interações entre elas. E algumas das conseqüências dessa
interdependência são mudanças freqüentes nos objetivos organizacionais á medida
que ocorrem mudanças no ambiente externo e certo controle ambiental sobre a
organização o que limita sua liberdade de agir.

Assim, os aspectos estratégicos foram demonstrados, a seguir poderá ser observado


os aspectos financeiros da Secretaria Municipal de Sáude.

3.1.2 Aspectos financeiros

Na empresa estagiada quem responde pelas finanças é o departamento financeiro


que é responsável pelo despacho de notas fiscais, controle de contratos, convênios,
solicitações, serviços de banco, faturas de laboratório, no caso da Secretaria possuem uma
Assessoria Técnica para esses fins.
Segundo Colenghi (2003, p. 275):

Financeiro consiste basicamente no gerenciamento de capitais, seja


captando, transformando, aplicando e administrando recursos financeiros de
tal forma a diminuir as despesas, minimizar os custos e obter lucros
desejados sem comprometer a qualidade dos serviços.
16

O perfil da pessoa que responde pelas políticas gerais de finanças é adequado com o
cargo que exerce. Sendo que essa é uma das exigências para o funcionamento da Secretaria,
ou seja, tem que haver pessoas especializadas para cada coordenação ou departamento para
responder por ele. Uma vez que, é exigido conhecimento para implantar ações que venham a
beneficiar a população.
Gitman (2001, p.34), afirma que “as finanças podem ser definidas como a arte e a
ciência de gerenciamento de fundos”.
A captação de recurso ocorre por meio do Ministério da Saúde e nas três esferas do
poder – federal, estadual e municipal – que enviam recursos mediante o planejamento e
aprovação. Nenhum valor é enviado como reserva. Nem sempre os recursos são suficiente
para desenvolver a estratétegia ou mesmo, manter a Secretaria.
Se o recurso fosse diretamente para Secretaria Municipal de Saúde os objetivos e
estratégias financeiras seriam adequadas, mas sem recursos não tem como desenvolver muitas
estratégias. Um fato é que o dinheiro que é direcionado para saúde nem sempre chega até ela.
Aqui em Gurupi não é diferente.
Os resultados econômicos-financeiros recentes não são adequado para suportar os
programas de investimento para atingir as metas, pois a verba não vai diretamente para
organização. O Conselho cobra mas não resolve, enquanto a Prefeitura cuidar destes recursos,
dificilmente conseguirá atingir as metas.
A empresa possui demonstrativos financeiros, sabe interpretá-os a apurá-los. O
departamento financeiro é responsável por esta análise. Os dados são auditados na Secretaria
e quando chega a Prefeitura ocorre nova auditoria. As contas tem que estar corretas, não pode
faltar e nem sobrar. Toda verba deve ser aplicada no seu destino.
Gitman (2001, p. 66), comenta que:

As demonstrações financeiras fornecem uma rápida visão intuítiva da


situação da empresa, um ponto de partida para análises posteriores.
Também são as bases para planejar os negócios e elaborar os
orçamentos internos.

Dentro da Prefeitura há o departamento de auditoria que fiscaliza todos os processos


que envolvem as licitações, bem como a destinação da verba. Há auditoria nos contratos,
licitações, faturas de laboratórios. Na Secretaria Municipal de Saúde existe assessoria técnica
que faz o controle de todos os gastos para então ser enviado à Prefeitura.
17

Cobra (1992, p. 165) comenta que “auditoria externa permite estimar a participação
de mercado de um produto com relação aos seus concorrentes, e pode indicar se essa
participação esta caindo, mantendo-se ou subindo”.
Não é confeccionado nenhum plano de contas. Segundo Cobra (1992, p. 82), um
plano de conta “importante também que os recursos estejam disponíveis e sejam
devidamente alocados, principalmente, que os objetivos sejam priorizados dentro de um
cronograma de programa táticos de realização”.
O processo orçamentário é controlado pela Prefeitura e executado pela Secretaria
Municipal de Saúde, ou seja, esta última faz uma licitação que contém um levantamento de
preços, envia para Prefeitura que deverá analisar e compra, o setor de compras da Prefeitura é
responsável por essas compras. A Secretaria não tem acesso aos recursos destinados a ela,
quem faz todas as operações financeiras é a Prefeitura.
Segundo Ribeiro (2005, p. 75):

O processo orçamentário pode ser definido como um processo de caráter


contínuo e simultâneo, através do qual se elabora, aprova, executa, controla
e avalia a programação de dispêndios do setor púbico nos aspectos físico e
financeiro.

Não há cobrança de pagamentos, pois a empresa não vende nenhum produto, ela é
intermdiária. As aplicações financeiras e contratos bancários, como foi dito anteriormente, é
realizado pelo poder executivo municipal. O planejamento fiscal e tributário e realizado,
também, pela Prefeitura.
Chiavenato (1999, p. 69) comenta que:

O planejamento é um processo que começa com objetivos e define os


planos para alcançá-los. Esta definição faz do estabelecimento dos
objetivos a serem alcançados o ponto de partida do planejamento. A
fixação dos objetivos é a primeira coisa a ser feita onde se pretende chegar
para se saber exatamente como chegar até lá.

Não existem normas na área financeiras. É estabelecido pela empresa um


planejamento financeiro, definindo metas de despesas e investimentos com base nas metas
estabelecidas pelo Ministério da Saúde. Todos os colaboradores conhecem e são eles que
ajudam no cumprimento desta. Sem eles nada aconteceria. O próprio MS estipula quando vai
ser gasto com cada campanha.
18

A empresa não utiliza nenhum mecanismo formal de fluxo de caixa, pois não
gerencia seu próprio recurso. Ross et al (2000, p. 65), afirma que fluxo de caixa “é o que
determina o sucesso de uma decisão econômica [...] decisões baseadas em lucro contábil,
analisam o projeto ano a ano”.
A empresa identifica a necessidade do capital do giro e, principalmente, de gerenciar
seu próprio recurso, mas isso depende de fatores alheios a este diagnóstico. Gitman (2001, p.
81), comenta que “capital de giro, é normalmente usado para medir a liquidez global da
empresa”.
É necessário compreender que os recursos financeiros destinados pelos governos não
são para o benefício da Secretaria e sim da população que necessita de saúde e de qualidade
no atendimento. Ver-se-á os aspectos mercadológico em seguida.

3.1.3 Aspectos mercadológicos

A Secretaria Municipal de Saúde gerencia os Posto/Unidades/Centros de Saúde,


SAMU, CAPS, PA, Policlínica entre outros. É necessários que eles consigam saciar os
desejos e as necessidades da sua clientela.
Assim, precisa ter uma boa imagem diante da população gurupiense e proporcionar
serviços que supram suas necessidades.
Na organização existe um setor responsável pelo marketing, a formação da pessoa
responsável por este setor é Jornalismo. No papel este setor existe, mas na pratica não. Assim,
essa pessoa ajuda em outra seção desempenhando outra atividade.
De acordo com Kotler (1998, p. 27), “marketing é um processo gerencial pelo qual
indivíduos e grupos obtém o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de
produtos de valor com outros”.
Por meio do contato direto com o consumidor final – pessoa que recebe os serviços
prestados pelas organizações gerenciadas pela Secretaria – é observado se eles estão
satisfeitos. Um fato curioso é que eles vão até a Secretaria para reclamar se algo não acontece
de acordo com as expectativas deles.
Kotler e Armstrong (2003, p. 4), comenta que :

São as necessidades que resultam de situações de privação. Entre essas


necessidades estão: necessidades fisícas básicas de alimentação,
vestuário, abrigo e segurança; necessidades sociais de bens e afeto; e
necessidades individuais de conhecimento e auto-expressão.
19

Ainda segundo estes autores, os desejos “são as formas que as necessidades


humanas assumem quando são particularizados por determinada cultura e pela personalidade
individual” (KLOTER; ARMOSTRONG, 2003, p. 4)
A organização tem procedimento estruturado para ouvir reclamações e/ou ajudar,
mas nem sempre o fazem, como exemplo, pode-se citar o uso frequente da Promotoria pela
população para conseguir medicamentos ou suporte para viver melhor. É comum o Diretor
Adminstrativo da Secretaria Municipal de Saúde receber mandados (ANEXO C) e ofícios da
promotoria onde consta reinvidicação da população para ter acesso a medicamentos para
pressão arterial, diabetes e outros e necessidades especiais como fralda descartável, luvas,
sonda entre outros itens necessários ao bem estar do paciente.
A empresa, ao lançar novo serviço, realiza acompanhamento por meio da quantidade
de pessoas que foram atendidas, por exemplo, a Campanha de Vacinação do Idoso (ANEXO
D).
Kotler (1998, p. 35), comenta que o “conceito de produto assume que os
consumidores favorecerão aqueles produtos que oferecem mais qualidade, desempenho ou
características inovadoras”.
Os serviços prestados pela organização são divulgados por meio de rádio e televisão,
panfletos, cartazes, esta divulgação é paga pela Prefeitura com o orçamento voltado para
saúde. Os agentes de saúde, também, fazem esta divulgação. A mensuração é feita por meio
dos dados obtidos na Unidade Básica de Saúde (UBS), Pronto Atendimento (PA). E demais
órgãos pertencentes a Secretaria.
Etzel et al (2001, p. 446), diz que “divulgação é a comunicação impessoal paga na
qual o produto/serviço é claramente definido, as formas mais comuns de divulgação são:
radio, tv, jornais, revistas, mala-direta, outdoor e internet”.
Não há distribuição dos produtos. Nem aprovação de preços, logo, tudo é financiado
pela três esferas do governo. Não tem como ser identificadas as novas oportunidades de
negócios, logo, o setor da saúde precisa de políticas voltadas para sua reavivação ante a
população para depois colocar novos serviços em vigor. Não há estratégias para diferenciação
dos serviços.
Kotler e Armstrong (2003, p. 263) comentam que preço “é a soma de todos os
valores que os consumidores trocam pelos benefícios de obter ou utilizar o produto ou
serviço”.
20

Kotler (1998, p. 254) afirma que diferenciação “é o ato de desenvolver um


conjunto de diferenças significativas para distinguir a oferta da empresa das ofertas
concorrentes de seus concorrentes”.
Atualmente, foi lançado em Gurupi o atendimento noturno em alguns postos de
saúde. Isso tem ajudado a quem trabalha de dia buscar auxílio médico a noite. Ocorreu por
meio da parceria com o Centro Universitário Unirg.
Não existem mecanismo de vendas nem comércio eletrônico. Richers (2000, p.
251), diz que “comércio eletrônico é a transação de bens/serviços por intermédio de meios
eletrônicos hoje comumente clamado e-commerce”.
Existem metas para os postos de saúde, por exemplo, este ano foi estabelecido uma
meta de 12.618 homens para vacinar contra rubéola. Não há nenhum sistema de premiação se
atingirem ou ultrapassarem esta meta. Conta-se somente com a colaboração dos funcionários.
Não existem estudo de viabilidade técnica, econômica e comercial para novos
serviços. Quanto ao atendimento, não possui nenhuma política de atendimento claramente
definida.
Existe cadastramento, pois os postos de saúde tem a ficha de cada paciente que
frequenta ou já utilizou os serviços do posto de saúde. Quanto a insatisfação ou problemas a
Secretaria orienta mas não obtém êxito, por exemplo, os médicos recebem qualificação mas
não seguem.
Kotler (1998, p. 96), comenta que o objetivo da fidelização “é reter os clientes,
evitando que migrem para a concorrência, e aumentar o valor dos negócios que eles
proporcionam. As empresas desejam clientes fiéis para obter vantagens financeiras”.
Os aspetcos relativos aos recursos humanos serão apresentados no item posterior.

3.1.4 Aspectos de Recursos Humanos

O conjunto de colaboradores compõe o recursos humanos de uma organização. Nesta


seção poderá ser visualizada alguns aspectos pertinentes a esta parte tão fundamental para
qualquer empresa.
Na Secretaria Municipal de Saúde (SMS) existe uma pessoa responsável pelas
políticas gerais da empresa. Esta pessoa é formada em Direito.
Chiavenato (1999, p. 08), comenta que:
21

Recursos humanos é o conjunto e práticas necessárias para produzir os


aspectos da posição gerencial relacionado com as pessoas ou recursos
humanos, incluindo recrutamento, seleção, treinamento, recompensas e
avaliação de desempenho.

A Secretaria é um órgão público e por isso segue as normas da Lei Municipal 827/90
e da 980/92, ambas são disciplinadoras do funcionalismo público do município de Gurupi.
Dentro da instituição não existem normas pré-estabelecidas quanto a higiene pessoal, sabe-se
de ofício que tudo tem que estar limpo.
Os gestores da SMS têm como características predominantes a perseverança, o
empreendedorismo e o amplo conhecimento em gestão pública, que é de fundamental
importância para o nom funcionamento da instituição. O dinamismo e a democracia nos atos
deles é presente a cada decisão.
De acordo com Lacombe e Heilborn (2003, p. 19) os administradores dos recursos
humanos são os chefes, os gerentes de cada unide da empresa e são responsáveis pelo:

a) Pelos resultados de sua área e os de seus subordinados;


b) Por distribuir os trabalhos, planejar e controlar os resultados;
c) Por motivar e avaliar os subordinados e lhes dar feedback sobre seu
desempenho;
d) Por decidir quem deve ser admitido, promovido e demitido;
e) Pela orientação e educação dos novos empregados;
f) Pelo treinamento de seus subordinados;
g) E, sobretudo, por zelar pela segurança no trabalho de todo o seu
pessoal.

Pode-se perceber que a principal função de um gestor de recursos humanos é formar


uma boa equipe e liderá-la com dinamismo e democracia, tudo mais é consequência.
Como a empresa é de natureza pública, os cargos e funções são determinados nos
editais dos concursos elaborados para a ascenção na SMS e nem todos os casos são
executados conforme disposto em edital. Para ingressar nos cargos é exigido que tenha a
formação adequada a ele, mas nem sempre isso acontece, no item mesmo pode-se observar
que a pessoa responsável pelo recursos humanos tem formação em direito. Embora exista
funções compatíveis com a formação na teoria na prática isso nem sempre ocorre. Quanto a
cargos como enfermeiro, médico e odontólogo que exige formação específica não tem como
haver essas ‘adaptações’.
Os colaboradores são comprometidos com o trabalho, onde o mais importante é a
seriedade na execução do trabalho e, sem dúvida, o próprio comprometimento. A área da
saúde é complexa e exige pessoas voltadas para o trabalho com o objetivo de proporcionar o
22

melhor resultado para os pacientes. Os colaboradores são muito engajados, se necessário


assumem o risco por algo que necessita ser feito naquele instante.
Na SMS cada Unidade de Saúde, possui uma coordenadora que tem o papel de
gerenciar, coordenar, observar o rendimento e aproveitamento do cargo ou função exercida
pelo funcionário, sendo possível, dessa forma a identificação do interesse dos colaboradores
com os da empresa. Embora haja esse esforço, a SMS não tem condições de dar qualquer
suporte relativo a recursos seja financeiro ou de pessoal, pois esbarra na burocracia e na
escassez de recurso.
São identificados e controlados o clima organizacional pelo coordenador de cada
lotação, ou seja, o coordenador dos postos que fiscalizam o P.A., nesta observação tenta
descobrir como está o bem estar, a segurança, a saúde, a satisfação, a motivação e o ambiente
de trabalho, embora isso não resolva, pois é necessário um esforço mútuo da equipe para que
este clima deixe o ambiente de trabalho mais agradável. Quando se lida com pessoas, como é
o caso da SMS, é difícil, logo, os funcionário tem que atender grande quantidade de pessoas
ao longo do dia, e estes indivíduos tem a sua variação de humor, principalmente, se não
receberem o atendimento que eles acham que merecem. A política salarial está condizente
com as normas, mas não motiva os colaboradores que acham que deve ganhar mais.
Chiavenato (1999, p. 63), comenta que “motivação é tudo aquilo que
impulsiona a pessoa a agir de determinada forma, ou pelo menos, que da origem a
uma propensão a um comportamento específico”.
A SMS é uma empresa não possui competitividade, pelo motivo de pertencer à
Administraçã Pública, mas a sua cultura é voltada pra o trabalho em equipe como foi citado
anteriormente. Como cultura da empresa entende-se com base em Chiavenato (1999, p. 99),
como “modo como as pessoas interagem em uma organização, as atitudes predominantes, as
pressuposições subjacentes, as aspirações e os assuntos relevantes nas interações entre os
membros que fazem parte da cultura organizacional”.
A Secretaria dá liberdade a cada coordenador de setor das lotações para cultivar e
proteger o capital intelectual, pois na saúde é necessário pensamento inovador para lidar com
as mazelas do povo, isto é, muitos deles vão a uma Unidade de Sáude se consultar mas
quando chagem lá a doença é psicológica e não física, então é necessário habilidade para lidar
com estes casos. Outro exemplo que pode ser dado é a adaptação de frascos de refrigerante
para guardar canetas ou acondicionar esparadrapo. Se não houve o estímulo do capital
intelectual dificilmente haveria adaptações para a escassez de recursos. O que falta é esses
profissionais serem melhor remunerados.
23

Chiavenato (1999, p. 85), comenta que capital intelectual “são talentos e


competências capazes de agregar valor à organização e torná-la mais ágil e competitiva”.
Na Secretaria Municipal de Sáude não tem Comissão Interna de Prevenção de
Acidentes (CIPAS), mas são tomados alguns cuidados como extintor de incêndio nos
corredores, como não há perigo quanto a integridade física dos colaboradores não existem
uniformes e nem proteção, eles utilizam suas próprias roupas.
Marras (2000, p. 215), comenta que a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes
“é uma comissão que objetiva controlar ações relativas a HSMT e assessorar a empresa na
prevenção ou solução de problemas relacionados a essa área, enquanto o corpo de segurança
da empresa é que responde direta e tecnicamente por essas políticas e programas”.
Na Secretaria há um mecanismo de comunicação interna da empresa com os
colaboradores, ou seja, sempre os recebe para que seja possível adequar as suas ações ao bom
desempenho do trabalho. A instituição utiliza alguns meios de comunicação como: reuniões,
diálogos, memorando e ofício. Essa comunicação funciona mais como meio de melhoria do
atendimento aos clientes/pacientes.
Como foi visto anteriormente, ainda neste item, a seleção é feita através de
aprovação e classificação em concurso público e o recrutamento de acordo com as
necessidades da empresa. No setor público a contratação de um novo funcionário é
controverso e implica em entender como a política do município funciona e como este não é o
foco deste trabalho não há porque entrar neste mérito.
Chiavenato (1999, p. 91), coment que “o recrutamento corresponde ao processo
pelo qual a organização atrai condidatos no MRH para abastecer seu processo seletivo”.
Quanto a selação, Chiavenato (1999, p. 107), comenta que a seleção “busca, entre os
vários candidatos recrutados, aqueles que são adequados aos cargos existentes na organização,
visando manter ou aumentar a eficiência e o desempenho do pessoal bem como a eficácia”.
Os treinamento são oferecido pela própria SMS, com o apoio do Estado e da União,
que servem para a capacitação funcionários às novas necessidades do serviço. São
disponibilizados em forma de cursos, palestras, congressos, seminários, com as despesas
custeadas pela própria SMS ou pela capital do estado ou pela União.
Municucci (1995, p. 182), comenta que “o treinamento pode ser considerado um
esforço planejado, organizado, especialmente projetado para auxiliar os indivíduos a
desenvolverem suas capacidades”.
A Secretaria é um ente público e seus funcionários passam por um período de
avaliação chamado estágio probatório, que tem a duração de 02 (dois) anos. A avaliação é
24

realizada pelos coordenadores. Após este período o funcionário torna-se efetivo só podendo
ser desabonado se houver alguma falha que resultará em abertura e conclusão de processo
administrativo. Esta forma de avaliação é válida somente para funcionários concursados,
quanto ao contratados não existe uma avaliação específica, pois mais uma vez, esbarra na
política do município.
Existe plano de capacitação e desenvolvimento, onde são oferecidas capacitações
para os colaboradores, elas ocorrem conforme haja mudança em algum procedimento no
âmbito da saúde. Os funcionários a serem capacitados são indicados por seus coordenadores.
Existe plano de cargos, carreira e vencimentos dos servidores públicos municipais,
só que no momento, encontra-se em tramitação na Câmara dos Vereadores aguardando
aprovação para que seja dado início às ascenções.
Cobra (1992, p. 394), comenta que “um plano de carreiras, apoiado em um
plano de remuneração eficaz, ajuda a dirigir os esforços dos homens à consecução dos
objetivos e estratégias da empresa”.
Embora não tenha sido aprovado pela Câmara dos Vereadores o plano de cargos,
carreira e vencimentos, a instituição obedece alguns critérios na hora de definir a remuneração
como: abono salarial, insalubridade, adicional noturno e horas extras para os servidores que
trabalham em horário extraordinário.
O ponto é controlado através de caderno de ponto e folha de frequência que são
assinados em todos os dias trabalhados, conferidos e assinados por seus coordenadores e
entregues ao Departamento de Recursos Humanos (R.H.) para que este faça a informação da
frequência para o R.H da Prefeitura, que é responsável pelo pagamento dos servidores.
Dentro da organização não há grande absenteísmo porque o ponto é ‘cortado’ e além
do mais, os colaboradores são engajados dentro da função que exerce. Dentro da própria
organização não há muita rotatividade, mas nos órgãos anexos como P.A, SAMU, Unidades
Básicas isso é recorrente.
Marras (2000, p. 191), explica que o absenteísmo “sob este título reconhece-se
o montante de faltas no trabalho, bem como atrazos e saídas antecipadas acontecidas
durante um determinado período”.
Marras (2000, p.191), comenta ainda que a rotatividade “é o intercâmbio de
pessoas entre a organização e o ambiente, é definido pelo volume de pessoas que
ingressam e que saem da organização”.
A folha de pagamento é processada pela Prefeitura como foi citado anteriormente.
25

Marras (2000, p. 193), comenta que folha de pagamento “ resume-se em calcular,


registrar e pagar salários e efetivar o recolhimento dos impostos respectivos”.
Estes aspectos revelam como funciona o recursos humanos da Secretaria Municipal
de Sáude.
No item 3.1.5 poderá ser observado os aspectos de prestação de serviços.

3.1.5 Aspectos de prestação de serviços

A prestação de serviços é caracterizada pela realização de um trabalho e tem como


finalidade atender os desejos e necessidades dos cliente. (LAS CASAS, 2001)
Existe uma pessoas responsável pelos procedimentos a serem adotados na prestação
de serviços da empresa, ela é formada em administração, pelo Centro Universitário Unirg.
Esta pessoa apresenta como característica fundamental dinamismo e boa oralidade.
A seguir serão apresentados de forma geral os serviços prestados pela Secretaria
Municipal de Saúde por meio de um fluxograma.
Para Chiavenato (1999, p. 263), o fluxograma apresenta vantagens “facilitar a
simplificação do trabalho pela combinação adequada das fases ou etapas de cada
tarefa; permite localizar e eliminar ações inúteis ou desnecessárias”.

Figura 2: Fluxograma de atividades


Fonte: Dados primários (2008)
26

Não existe ninguém responsável pela análise da qualidade na prestação de serviços.


A Secretaria conta somente com a colaboração dos funcionário para prestarem um serviço de
qualidade e voltado para atender as necessidades da população. Há casos de pacientes que
estão precisando de medicação e não conseguem, pois não tem pessoas que o atenda naquel
instante e quando recebem o atendimento o tempo estimado para liberação deste pela
Prefeitura Municipal é de 15 dias.
Las Casas (2001, p.89), comenta “que um serviço bem feito gera satisfação aos
clientes atendidos, que voltam a comprar ou indicam outros de seu relacionamento. Com isso
aumenta a demanda e os lucros aumentam”.
Também, não há padronização no atendimento, fica a cargo de cada colaborar
atender da melhor forma e solucionar os problemas que surgem. Dentro da instituição estes
aspectos necessitam ser melhorados.
Não há preocupação com os uniformes, como foi dito no item 3.1.4, os
colaboradores utilizam suas próprias roupas. Por não participar de nenhum processo de
produção, não há necessidade de roupas especiais. Também não crachás para identificar os
colabordores nem sua função.
A Secretaria Municipal não utiliza nenhum sistema informatizado. Embora seja
necessário estar disponível todos os serviços prestados, por exemplo, no caso de intervenção
por parte da Promotoria, existe um setor responsável por receber esta e outro para entregar os
medicamentos, isso seria mais fácil se tivesse um sistema informatizado além de possibilitar
maior controle dos atos e ações dos funcionários.
Não existe estratégia adotada pela empresa para prestação de serviços. Sabe-se que o
único foco da instituição é gerenciar e regular os órgãos anexos demonstrados no
organograma do item 3.1.1.
Os funcionários linha-de-frente não tem autonomia para tomar decisão imediata.
Somente o Diretor Administrativo, na ausência do secretário de Saúde Municipal assume por
meio de portaria as funções de Secretário, ficando como Secretário Interino
O procedimento utilizado para o gerenciamento de filas consiste no agendamento
manual nas Unidades de Saúde. Dentro da própria Secretaria não existem filas. Mas recebe
algumas reclamações dos pacientes dos postos de saúde por causa de filas. Neste caso, não
tem como atender a esta reclamação, logo, seria necessário ter maior número de postos de
saúde e mais profissionais para atendê-los.
27

Gianesi e Corrêa (1994, p.167), conceituam o gerenciamento de filas como


“aspectos dos mais sensíveis e importantes na percepção do cliente quanto à qualidade
do serviço prestado, devendo merecer, numa maioria de vezes, grande atenção gerencial”.
Esse dados revelam que a prestação dos serviços pela Secretaria de Saúde são
aleatórios, não obedecem a nenhuma norma e nem a requisitos, também não há sistema
informatizado e estratégias. Isso demonstra que este setor é deficiente e que necessita de
maior atenção.
A seguir serão apresentados ambiente externo da Secretaria Municipal de Saúde.

3.2 AMBIENTE EXTERNO

Compreender o ambiente externo permite conhecer como a Secretaria Municipal de


Saúde se comporta diante de aspectos que não estão sob o seu controle, como no caso do
ambiente interno que é totalmente controlável pela organização.
A economia do Município de Gurupi está em franca expansão. A cada dia novas
empresas se instalam e com isso eleva a movimentação de dinheiro na cidade. Na cidade
pode-se encontrar base distribuidora de combustíveis, a Petrotins; é possível utilizar os
serviços do maior posto de combustível do norte do país. A agropecuária também, representa
grande importância neste cenário, para tanto, na cidade encontra-se instalado o segundo maior
frigorífico da cidade, o Cooperfrigu. A cada dia novos empresários apostam no potencial da
cidade e isso faz com que haja geração de empregos. (PREFEITURA MUNICIPAL DE
GURUPI, 2008)
A Secretaria Municipal de Sáude não paga imposto, logo, é uma empresa pública,
devido a isso não há incidência de tributação.
Ross et al (2000, p. 247) definem tributos como sendo:

A obrigação imposta aos indivíduos e pessoas jurídicas de recolher valores


ao Estado, ou entidades equivalentes. É vulgarmente chamado por imposto,
embora tecnicamente este seja mera espécie dentre as modalidades de
tributos. Excluídos do conceito de tributo estão todas as obrigações que
resultem de aplicação de pena ou sansão, os tributos sempre são obrigações
que resultam de um fato regular ocorrido

Para este setor, dentro da Secretaria Municipal de Saúde, não há legislação


específica.
28

A Secretaria Municipal de Saúde tem como cliente a população gurupiense que


precisa utilizar os serviços públicos de saúde. Em anexo encontra-se órgãos como SAMU,
P.A., Unidade Básica de Sáude, Centro de Controle de Zoonoses, dentre outros como pode
ser observado no item 3.1.1.
A relação da empresa com o Sindicato é muito bom, existe uma parceria entre o
Gestor Municipal e a Associação. No mês de setembro foram realizadas duas reuniões para
efetuar o plano de carreira, cargos e salários e, foi possível contratar um advogado para
defender este interesse que é mútuo. O sindicato ao qual é filiado os colaboradores da
Secretaria é a Associação dos Servidores Públicos Municipais, localizado na Avenida
Espiríto Santo entre 5 e 6, na cidade de Gurupi – Tocantins. Essa Associação exerce um papel
importante, pois busca melhoria para os servidores municipais.
A relação da empresa com os fornecedores é ótima. Acontece da seguinte forma: a
Secretaria tem que fazer uma solicitação do bem a ser comprado, tem que ter assinatura do
solicitante que é o Secretário, tem que ser protocolado na Prefeitura Municipal, como já foi
dito anteriormente, quem realiza as compras é a Prefeitura e não a SMS. O departamento de
compras faz pelo menos 3 cotações de preço, depois passa para o Prefeito que autoriza a
compra.
Caso exista a autorização, o próximo passo é emitir a autorização de compra e
solicitar a nota fiscal. Então, passa para liquidação onde a tesouraria faz o pagamento. Essas
compras são realizadas quando são necessárias, não existe um período específico para realizá-
la, isso só é válido para um total até R$ 8.000,00 (oito mil reais) se exceder é necessário
realizar um levantamento, então é enviado um ofício a Comissão de Licitação que analisa o
processo e, deste modo, define como vai ser feita esta licitação. Existem três maneiras
utilizadas pela Secretaria: Licitação Carta Convite até R$ 80.000,00; Licitação Pública de
R$80.000,00 até R$ 150.000,00; e Pregão Presencial que é para quantia acima de R$
150.000,00.
A seguir será realizada breve explicação destas formas de compras.
a) Licitação Carta Convite - é feito a carta convite a 3 ou mais empresas que devem
enviar suas propostas em envelope lacrado com o preço do produto que está sendo
vendido. Esse documento deve ser publicado em diário oficial.
b) Licitação Pública – é feita por meio de edital em Diário Oficial, onde todas as
empresas que estiverem aptas a participar enviam envelope lacrado com suas
propostas;
29

c) Pregão Presencial – deve ser comunicado em edital oficial os bens a serem


adquiridos, com data já marcada para o dia do pregão que será administrado pela
Comissão de Administração, sendo que deverá conter um Pregoeiro oficial, o qual
deverá abrir a cessão aceitando as propostas que serão feitas no momento do
pregão.
O comércio é o grande fornecedor, mas para que consigam vender para Prefeitura é
necessário estar cadastrado e não pode constar nenhuma pendência junto aos Tributos
estaduais. O tempo gasto para finalizar a compra é de 8 (oito) dias úteis.
A empresa é classificada como empresa pública, pois depende de recursos das três
esferas do poder para se manter. É caracterizada como grande, logo, abrange diversos órgãos
como pode ser observado no item 3.1.1, mais precisamento no organograma da empresa.
De acordo com Kotler (1998, p. 68) empresa pública “é uma empresa criada pelo
Estado com capitais próprios ou fornecidos por outras empresas públicas para a exploração de
atividades de natureza econômica ou social.
As tecnologias utilizadas pela empresa são defasadas. Não existem computadores e
nem programas para ajudar a gerenciar a Secretaria. Existe um CPD como foi citado no item
3.1.1 que trabalha somente com uma parte da demanda da instituição.
No ramo da saúde pública, toda e qualquer política econômica do goveno é bem
vinda, é um setor muito carente de recursos financeiros. O recurso destinado pelo governo é
insuficiente para gerenciar todos os órgão ligados a SMS. Se houve maior volume de dinheiro
e se a Secretria tivesse o controle dele, haveria maior aproveitamento e alocação adequada
destes.
A empresa não tem nenhum concorrente. Somente ela mesma, isto é, se os serviços
prestados não estão de acordo prejudica os pacientes que procuram por ela. Chiavenato
(2001, p. 360), comenta que “concorrentes são empresas que atuam no mercado,
disputando os mesmos clientes, consumidores ou recursos”.
Como o ramo de atuação é a prestação de serviços ela não desenvolve produção
compartilhada com outras empresas do setor. Mesmo porque não existe outra empresa pública
voltada para saúde.
Não há procedimentos definidos para gerenciamentos da capacidade da demanda
como sazonalidade, preços diferenciados, turno de trabalho, treinamento. Este é outro setor
que apresenta falhas e que merece atenção especial.
Slack et al (1997, p.374), comenta que sazonalidade:
30

É o tipo mais comum de flutuação da demanda, com o qual a produção deve


lidar. Esta flutuação pode ser causada por fatores climáticos, econômicos,
sociais, políticos e festivos, podendo apresentar uma flutuação de
demanda do tipo sazonal do ciclo mais curto, mês, semana ou mesmo em
base horária.

A análise do ambiente externo permite que seja conhecido como os fatores externos
influencia a instituição. Esses fatores não são conttroláveis pela organização como pode ser
visto ao longo dessa discussão.
A seguir poderá ser apreciada conclusão deste estudo.
31

4 CONCLUSÃO

A elaboração deste estudo permitiu conhecer como uma organização funciona dentro
de seu ambiente, principalmente, uma instituição voltada para saúde onde os recursos para
sua manutenção vem do fundo do governo.
Pode-se perceber que a Secretaria Municipal de Saúde presta serviços a comunidade
a mais de dezessete anos, estratégicamente necessita de elaboração de projeto para que seja
liberado recursos para gestão dos órgão vinculados a instituição. Apresenta, ainda, missão,
valores, política e visão bem definidos. As suas atividades são bem demarcadas, logo,
possibilita melhor atendimento aos clientes e órgãos vinculados. Apresenta falhas no sistema
de informação, logo, não atende toda a instituição. Não há planejamento para
aquisição/renovação de sistemas de manutenção. Deste modo sugere-se que haja implantação
interligando todas as coordenações e setores, facilitando ao acesso de informações. Há
sugestão, também, de planejamento para aquisição/renovação de sistemas, essa previsão
permitirá que todos os sistemas estejam funcionando completamente.
Financeiramente, a instituição é prejudica, logo, não gere os próprios recursos, tem
que fazer solicitações para Prefeitura Municipal até mesmo para comprar caneta. Os
resultados econômicos-financeiros não são adequados para suportar a necessidade que órgãos
como postos de saúde, que precisam de constante manutenção e equipamentos, para atender
melhor os clientes. Não há confecção de nenhum plano de contas, sendo que se houvesse esse
controle facilitaria a alocação dos recursos. Em suma, a Secretaria Municipal de Saúde deve
ser desvinculada da Prefeitura para que tenha autonomia sobre suas ações.
Os aspectos mercadológicos observados na empresa, permite constatar que a pessoa
que cuida da comunicação não o faz, pois este setor só existe no papel. Não há distribuição de
produtos, pois presta serviços. E em relação a estes serviços não há estratégia para
diferenciação. Pode-se observar que falta maior cuidado em relação a este setor na empresa.
O recursos humanos é um setor que merece especial atenção dos coordenadores,
logo, não há política para: motivar, segurança, bem estar dos colaboradores. Notou-se que
necessita de concurso, pois existem muitas pessoas contratadas sem concurso.
Os serviços são prestados pelos colaboradores sem qualquer padronização no
atendimento, não existem uniformes, nenhum sistema informatizado, os funcionários de
linha-de-frente não tem autonomia para resolver qualquer problema. Segure-se que estas
dificuldades seja sanadas, pois isso garantirá melhor atendimento.
32

No ambiente externo não há concorrentes, não existe incidência de impostos e nem


legislação específica para este ramo de atividade. A relação com os fornecedores é ótima.
Para este ambiente sugere-se que sejam utilizadas tecnologias atuais.

4.1 SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA

A Secretaria Municipal de Saúde atende todo o sistema público de saúde da cidade


de Gurupi. Os seus colaboradores tem grande papel para que este serviço seja realizado de
forma adequada e para que supra as necessidades e desejos dos clientes.
Os colaboradores que atuam na instituição buscam satisfação, logo, se conseguem
atender aos clientes de forma correta e atendem as suas próprias necessidades, sabendo que
desempenharam bem as suas funções ficam satisfeitos, principalmente, na área da saúde que é
um setor muito marginalizado.
Assim indaga-se: Como são motivados os colaboradores da Secretaria Municipal de
Saúde?
33

REFERÊNCIAS

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 5. ed. Rio de


Janeiro: Campus, 1999.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia científica. 5. ed. São
Paulo: Prentice Hall, 2002.

COBRA, Marcos. Administração de marketing. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1992.

COLENGHI, Vitor Mature. O&M e qualidade total: uma integração perfeita. 2. ed. Rio de
Janeiro: Qualitymark, 2003.

DRUCKER, Peter Ferdinand. Introdução à administração. Trad. Carlos Malferrari. São


Paulo: Thomson Learning, 2006.

ETZEL et al. Marketing. Tradução técnica Arão Sapiro. São Paulo: Makron Books, 2001.

FREITAS, H. BECKER, J. L; KLADIS, C.M; HOPPEN, N. Informação e decisão: sistema


de apoio e seu impacto. Porto Alegre: Ortiz, 1997.

GIANESI, Irineu G. N.; CORREA, Henrique Luiz. Administração estratégica de serviços:


operações para a satisfação do cliente. São Paulo: Atlas, 1996.

GITMAN, Lawrence Jeffrey. Princípios da administração financeira. 10. ed. São


Paulo: Pearson Addison Wesley, 2001.

KOTLER, P. Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e


controle. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

KOTLER, Philip; GARY, Armstrong. Princípios de marketing. 7. ed. Rio de Janeiro:


Prentice Hall do Brasil, 2003.

LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Qualidade total em serviços: conceitos, exercícios, casos
práticos. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

KWASNICKA, Eunice Laçava. Introdução à administração. São Paulo: Atlas, 1995.

LACOMBE, F.J.M.; HEILBORN, G.L.J. Administração: Princípios e tendências. São Paulo:


Saraiva, 2003.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho


científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações
e trabalhos científicos. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

MARRAS, Jean Pierre. Administração de recursos humanos: do operacional ao estratégico.


34

7. ed. São Paulo: Futura, 2000.

OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de metodologia científica: Projetos de pesquisas, TGI,
TCC, monografias, dissertação e teses. São Paulo: Pioneira, 2002.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças. Sistemas organizações e métodos: uma abordagem


gerencial. 16. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

PREFEITURA MUNICIPAL DE GURUPI. Histórico. Disponível em; <www.prefeitura


municipaldegurupi.com.br>. Acesso em 10 out 2008.

PRESTES, Maria Luci de Mesquita. A pesquisa e a construção do conhecimento científico:


do planejamento aos textos, da Escola à Academia. 2. ed. Revisada Atualizada e Ampliada.
São Paulo: Rêspel, 2003.

RIBEIRO, Osni Moura. Estrutura e análise de balanços fáceis. 6. ed. São Paulo: Saraiva,
2005.

RICHERS, Raimar. Marketing: uma visão brasileira. São Paulo: Negócio, 2000.

ROSS, Stefhen A.; WESTERFIELD, Randolfph W.; JAFFE, Jefrey F. Administração


financeira. São Paulo: Atlas, 2000.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Visão, missão, valores e política. Gurupi, 2008.


35

ANEXO A -
This document was created with Win2PDF available at http://www.win2pdf.com.
The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.
This page will not be added after purchasing Win2PDF.