Você está na página 1de 28

Avaliação objetiva da influência da presença parental sobre o medo e o

comportamento das crianças ansiosas durante sua primeira visita dentária


restauradora.

Resumo de metas e objetivos: os pais desempenham um papel importante no


comportamento dental de um paciente criança. Este estudo teve como objetivo avaliar
o efeito da presença dos pais sobre o comportamento da criança e medir
objetivamente o comportamento usando a oximetria de pulso.
Materiais e métodos: O estudo foi registrado com o registro de ensaios clínicos da
National Institutes of Health (NCT02619981).As crianças foram divididas em três
grupos, quem não tinha nenhum pai que acompanha, aqueles acompanhados de
seus pais e aqueles acompanhados de suas mães.Os escores de ansiedade e
comportamento foram usados para medições subjetivas, Considerando que a medida
objetiva do medo foi feita medindo-se a taxa de coração usando um oxímetro de pulso
portátil em seis situações clínicas críticas. Análise estatística foi realizada utilizando
o pacote estatístico para a ciências sociais versão 21 (IBM Corp Armonk, NY, EUA).
Resultados: Cento e vinte e duas crianças com idade entre 6 anos e 8 anos
completaram o estudo. A maioria das crianças acompanhadas pelos pais eram
meninos, enquanto a maioria das crianças acompanhadas por sua mãe eram
meninas. Foi visto que as mulheres mostraram uma frequência cardíaca média maior
que os homens em todas as etapas.Crianças que tiveram seus pais fora do ambiente
operatório exibiram menor pontuação de ansiedade e comportamento do que aqueles
cujos pais estavam presentes; no entanto, eles mostraram uma taxa de pulso
significativamente superior em todos os procedimentos.Meninos tiveram escores
mais altos de ansiedade e comportamento do que as meninas, no entanto, estas
diferenças não foram estatisticamente significativas.
Conclusão: os resultados deste estudo sugerem que a presença do pai no operatório
reduz as manifestações fisiológicas da ansiedade em crianças em sua primeira
consulta dentária restauradora.

INTRODUÇÃO
O comportamento da criança na primeira visita odontológica geralmente molda o
comportamento da criança em visitas subsequentes. [1,2] o conhecimento do
comportamento da criança e os fatores que influenciam esse comportamento são,
portanto, uma ferramenta inestimável para o dentista. [3,4] os pais desempenham um
papel importante no comportamento dentário de um paciente infantil, e é por essa
razão que o papel do pai no medo dentário permanece um tema de interesse para
dentistas pediátricos. [3-6] No início da década de 1990, citando a crescente
participação parental no tratamento dental, reconheceu-se que a aproximação
tradicional de manter o pai fora do pós-operatório não pode ser praticável ou eficaz
em todos os casos. [7] o desejo parental de ser uma parte do processo, combinado
com medos de litígio também desempenhou um papel em um número aumentado de
dentistas optando por manter os pais dentro do consultório. [7,8] a natureza subjetiva
do medo tem muitas vezes feito a medição exata do medo difícil. [9] o monitoramento
da freqüência cardíaca foi mostrada para oferecer uma medida válida da ansiedade
dental nas crianças e é sensível às mudanças no nível de ansiedade dental durante
o curso do tratamento. [10,11] recentemente, o uso de oxímetros de pulso portáteis
que medem a frequência cardíaca e a saturação de oxigênio das crianças tem
encontrado uso crescente em pesquisas sobre o comportamento dentário pediátrico.
9O medo e o comportamento, embora relacionados, são duas entidades distintas e o
papel da presença parental no medo e no comportamento tem recebido alguma
análise subjetiva na literatura. [3, 6] no entanto, o papel do pai acompanhante e se há
uma diferença no comportamento da criança com a mãe ou o pai no interior do
consultório tem recebido pouca atenção na literatura. Além disso, houve poucas
tentativas na literatura de analisar objetivamente o papel da presença parental no
medo percebido por uma criança. Diante dessa lacuna nos dados, o objetivo do nosso
estudo é usar oximetria de pulso de saturação de oxigênio para avaliar o medo
dentário durante a primeira visita dentária restauradora de crianças sauditas com
idade entre 6 e 8 anos e avaliar o efeito da presença parental no medo.

Notas:
O artigo refere-se a medição da pulsação cardíaca para validar a ansiedade do
paciente e do responsável acompanhante durante a primeira consulta no consultório
odontológico para tratamento restaurador.
Não trata sobre manejo.

Aceitação parental de técnicas avançadas de gestão do comportamento em


tratamento normal e em situações deemergência utilizadas em Odontopediatria

Resumo: Técnicas de manejo comportamental (TMO) em crianças são essenciais


para alcançar um tratamento odontológico bem-sucedido, mas os pais não estão
aceitando igualmente BMT.
Objetivo: investigar a aceitação parental de técnicas avançadas de manejo do
comportamento utilizadas em Odontologia pediátrica em situações normais e em
situação de emergência na Alemanha. Métodos os pais que trazem seus filhos para
atendimento odontológico responderam a um questionário sobre a aceitação de
quatro TMO avançados: contenção passiva, contenção ativa, sedação de óxido
nitroso e analgesia geral. O estudo foi conduzido em cinco clínicas odontológicas
universitárias na Alemanha. Os pais avaliaram a aceitação geral de cada técnica
usando uma escala Likert de cinco pontos. Resultados 136 os pais responderam ao
questionário. A aceitação de todos os TMO avançados foi significativamente maior
quando o tratamento foi urgente (p < 0, 1, teste t de amostra pareado). A sedação do
óxido nitroso foi classificada como a técnica mais aceitável no tratamento normal
(52,6%) e em situação de emergência (68,2%), enquanto a contenção passiva foi a
técnica menos aceitável em ambos os normais (19,9%) situação de emergência
(37,8%). Conclusões os pais na Alemanha estão mais dispostos a aceitar BMT
avançado em situações de emergência, com o óxido nitroso sendo geralmente a
técnica mais preferida.

Introdução
Crianças com medo e ansiedade dentais geralmente não cooperam durante o
tratamento odontológico (Gao et al. 2013). Infelizmente, essas crianças
freqüentemente experimentam cárie e dor de dente (Torriani et al. 2014). Portanto, a
gestão de crianças ansiosas é um dos aspectos mais desafiadores da odontologia
Pediátrica (gazal et al. 2016). As técnicas de manejo comportamental (TMO) são de
grande importância na Odontologia pediátrica, a fim de reduzir o medo e a ansiedade
durante o tratamento odontológico e promover uma atitude dentária positiva para os
cuidados de saúde bucal (Elango et al. 2012). A academia americana de Odontologia
Pediátrica (AAPD) dividiu as técnicas de gestão de comportamentos em duas
categorias: "técnicas de comportamento básico" e "técnicas de comportamento
avançado". As técnicas básicas de comportamento incluem técnicas de comunicação
como; dizer-mostrar-fazer, distração, reforço positivo, controle de voz, e
presença/ausência parental (AAPD 2016). Infelizmente, há uma pequena
percentagem de crianças que não podem ser geridas através do BMT básico, estas
crianças necessitam de outras técnicas alternativas (Webb e Moore 2002). A AAPD
reconhece a necessidade de TMO avançado, que inclui estabilização protetora
(contenção ativa e passiva), sedação [por exemplo, com óxido nitroso (N2O) e
analgesia geral (GA) (AAPD 2016)]. O tratamento da criança técnicas farmacológicas
(sedação, GA) é considerado aceitável e desejável na Odontologia Pediátrica (Wilson
2004). Além disso, as técnicas farmacológicas ajudam a evitar experiências
traumáticas psicológicas, especialmente em crianças não cooperantes (Webb e
Moore 2002). Outras BMT avançadas, como a estabilização protetora (contenção
ativa e passiva), podem ser usadas em situações específicas, como emergências
dentárias de curta duração, caso a criança não coopere suficientemente para o
tratamento odontológico (Machado et al. 2015).Curiosamente, alguns dispositivos
utilizados para a contenção, como a placa de Papoose são mesmo proibidos em
países nórdicos europeus (Hallonsten et al. 2013),enquanto freqüentemente usado
em outros países no Oriente Médio e extremo, como o sul da Tailândia, onde metade
dos pais considerou-o como uma técnica aceitável (Kamolmatayakul e Nukaw 2002).
O objetivo deste estudo foi investigar as possíveis diferenças de aceitação parental
de técnicas de manejo de comportamentos avançados utilizadas em odontopediatria
em tratamento normal e em situações de emergência na Alemanha.

Materiais e métodos

O presente estudo foi uma pesquisa transversal. Os participantes foram selecionados


consecutivamente e os questionários foram entregues dentro de um período de 6
meses (julho de 2016 a dezembro de 2016) para avaliar a aceitação parental de
técnicas de manejo de comportamento avançado durante o tratamento normal e em
situações de emergência. A permissão para realizar o estudo foi obtida do Comitê de
ética da Universidade de Greifswald (no. BB 081/16). Uma amostra de conveniência
consistiu em 136 pais que foram selecionados por acaso de um grupo disponível de
pais que acompanhavam seus filhos em um departamento de Odontopediatria de
cinco universidades na Alemanha: Universidade de Greifswald, Universidade de
Berlim ( Charité), Universidade de Leipzig, Universidade de Dresden e Universidade
de Mainz. Os critérios de participação foram: parentalidade, alfabetização e
entusiasmo para participar. Os pais de crianças com necessidades especiais de
atenção à saúde não foram selecionados para o estudo. O questionário usado para
examinar a aceitação parental do BMT avançado foi escrito na língua alemão, e
consistiu em 12 perguntas divididas em duas porções; a primeira parte do inquérito
(quatro questões) incluiu informações demográficas dos pais, na segunda parte do
inquérito, os pais foram solicitados a avaliar o seu nível de aceitação em cada BMT
avançado (contenção passiva, contenção ativa, sedação de óxido nitroso e analgesia
geral) para tratamento normal e em situação de emergência. A situação de
emergência foi definida como uma criança com dor de dente aguda ou com trauma
dentário. A classificação de aceitação foi determinada pela escala do tipo Likert de
cinco pontos, variando de um (altamente inaceitável) a cinco (altamente aceitável).
Os códigos quatro e cinco foram considerados nos resultados como técnica aceitável.
As técnicas foram explicadas no questionário; Definição da técnica de acordo com as
diretrizes clínicas atuais da Academia Americana de Odontologia Pediátrica (AAPD
2016) e da Academia Européia de Odontologia Pediátrica (Hallonsten et al. 2013)
sobre técnicas de manejo de comportamento, apoiadas por fotos tomadas nas
clínicas. O consentimento parental foi obtido para as fotos utilizadas nesta pesquisa.
O estudo foi conduzido de acordo com a declaração de Helsínquia (Associação
Médica Mundial 2009). Todos os pais que concordaram em participar do estudo
receberam informações verbais e escritas sobre a natureza e o propósito do estudo
e foram informados de que a participação foi voluntária. Os pais responderam à
pesquisa na sala de espera ou na sala de tratamento durante o tratamento de seu
filho e foram autorizados tempo suficiente para responder o questionário sozinho sem
qualquer explicação do examinador. Caso os pais tivessem dúvidas sobre o TMO, o
examinador explicou-lhes a técnica antes de responder à pergunta na pesquisa.

Análises de dados

A entrada de dados para o pacote estatístico SPSS (versão 20) foi dupla verificada
por outro pesquisador antes da realização das análises. As tabelas de frequência
foram geradas para mostrar as estatísticas descritivas. O teste t de amostra pareado
foi utilizado para encontrar diferenças significativas entre os níveis de aceitação para
cada TMO avançado em tratamento normal e em situação de emergência. O nível de
significância foi definido como p ≤ 0, 5.

Resultados

136 pais concordaram em participar do estudo e retornaram o questionário. Os dados


demográficos são resumidos na tabela 1, mostrando um amplo espectro social. A
aceitação parental dos diferentes TMO avançados é mostrada nas tabelas 2 e 3. No
tratamento normal, a sedação de N2O foi classificada como a técnica mais aceitável
(aceitável e altamente aceitável) (52,6%) seguido por ordem decrescente de
aceitação por contenção ativa (39,3%), GA (28%) e contenção passiva (19,9%). Em
situações de emergência, a técnica mais aceitável foi também sedação de N2O
(68,2%), seguida de GA (62,8%), contenção ativa (54%) e na última contenção
passiva (37,8%). A diferença de aceitação parental entre o tratamento normal e a
situação de emergência foi mais pronunciada para GA (∆ 35%). Todos os TMO
avançados, exceto a sedação com N2O, não foram aceitos por uma maioria clara no
tratamento normal (< 40% dos pais classificados como aceitáveis ou altamente
aceitáveis). Entretanto, em uma situação de emergência todos os BMTs avançados
foram avaliados como aceitáveis pela maioria dos pais que excluem a limitação
passiva (aceitável 37,8%) resultando em aceitação significativamente maior do que
no tratamento normal para cada BMT avançado (p < 0, 1, teste t de amostra pareado,
tabelas 2, 3). A Figura 1 mostrou uma tendência clara de que os pais foram mais
aceitos para técnicas avançadas de manejo do comportamento em situação de
emergência do que no tratamento normal (p < 0, 1, teste t de amostra pareado, Fig.
1).

Discussão

O estudo atual avaliou a aceitação de BMTs avançados pelos pais que procuram o
tratamento para seus filhos em clínicas universitárias na Alemanha. Ao lado de
algumas crianças medicamente comprometidas, as clínicas da Universidade de
odontologia estavam abertas para os pacientes regulares que são consultados na
maior parte por dentistas gerais devido à não-cooperação. No presente estudo, a
técnica foi explicada pela definição da técnica e pelas fotos de esclarecimento. Não
houve diferenças significativas na aceitação parental do BMT se eles apenas lerem
informações escritas sobre a técnica ou mostrarem um filme de vídeo (Paryab et al.
2014). A tendência de aceitação parental para técnicas de manejo farmacológico
parece ter mudado em relação aos resultados de outros estudos em que a sedação
e a GA foram a técnica menos aceitável (Fields et al. 1984; Lawrence et al. 1991):
neste estudo, a sedação do óxido nitroso foi a técnica de manejo de comportamento
avançado mais aceitável em situações normais e de emergência. GA foi avaliado mais
aceitável do que a limitação ativa e passiva em uma situação de emergência. Os
possíveis racionales para uma mudança na aceitação parental às técnicas
farmacológicas poderiam ser um aumento na consciência parental para os benefícios
das técnicas farmacológicas. Pelo contrário, um estudo realizado no Irã constatou que
os pais classificaram o GA como a técnica de manejo do comportamento menos
aceitável. Os autores iranianos explicaram este achado pela crença parental de que
o GA pode afetar negativamente a função cerebral e a inteligência da criança. Os
diferentes resultados podem ser também devido a diferenças culturais entre a
Alemanha eo Irã. Portanto, o dentista deve se comunicar com os pais e explicar
detalhadamente a técnica farmacológica para melhorar a aceitabilidade parental
(Scott e Garcia-Godoy 1998; Abushal e Adenubi 2003). Um estudo realizado na
Jordânia revelou que a maioria dos pais recusou sedação de óxido nitroso e GA,
porque eles não tinham uma compreensão clara dos benefícios e riscos dessas
técnicas, e possivelmente também por causa de seus altos custos como o seguro de
saúde fez Não o cubra (Alammouri 2006). Na Alemanha, o GA foi mais aceito
especialmente em casos de emergência, onde o custo para o tratamento foi coberto
pelo sistema de seguro de saúde. Em consonância com outros estudos, a contenção
passiva foi classificada como a técnica de manejo do comportamento avançado
menos aceitável na Alemanha, tanto em situações normais de tratamento como de
emergência (Lawrence et al. 1991; Elango et al. 2012; Boka et al. 2014; Patel et al.
2016). A contenção ativa foi mais aceitável para os pais em comparação com a
contenção passiva. Provavelmente porque os pais percebem a contenção ativa como
um tipo de assistência para guiar a criança durante o tratamento dental. Isso é
importante na clínica, a fim de realizar o aconselhamento adequado para as
indicações, riscos e benefícios da técnica e obter o consentimento informado antes
da sua utilização. Os resultados deste estudo indicaram que a aceitação parental do
TMO avançado aumentou significativamente na situação de emergência (por
exemplo, dor ou trauma dentário). Isso é consistente com outros estudos relatados
que os pais estão mais dispostos a aceitar as técnicas avançadas quando a criança
está experimentando dor ou desconforto (Fields et al. 1984; Patel et al. 2016). A
restrição passiva foi classificada como a técnica menos aceitável para o tratamento
normal (19,9%) e mesmo com um aumento acentuado na aceitação de situações de
emergência, permaneceu uma técnica bastante inaceitável (37,8%). Uma revisão
recente apontou que o uso de contenção passiva deve ser limitado a situações de
emergência específicas por um curto período de tempo. Nesse caso, o cirurgião-
dentista deve esclarecer a técnica aos pais antes de utilizá-lo (Machado et al. 2015).
Limitações do estudo
Esta pesquisa apresentou o TMO avançado em uma ordem padrão (contenção
passiva, contenção ativa, sedação de óxido nitroso, GA) que pode afetar os
resultados, pois a ordem das técnicas foi encontrada para afetar a percepção dos pais
à técnica (Patel et Al. 2016). Por exemplo, quando a contenção passiva foi mostrada
por último, ela foi classificada como menos aceitável do que quando foi mostrada
primeiro. Isso pode ser devido a comparações subconsciente com o gerenciamento
anterior. Além, os pais das crianças tratadas em clínicas da Universidade foram
perguntado que representam uma amostra selecionada de pacientes não
cooperativos com necessidades de tratamento elevadas ou especiais, mas estes são
os alvos principais do BMT avançado.
Conclusões
Os pais na Alemanha preferem aceitar BMT avançado em situações de emergência
em comparação com o tratamento normal (p < 0, 1), de modo que o dentista deve
estar ciente de que a urgência da situação desempenha um papel importante na
aceitação parental do BMT avançado. No tratamento normal, o óxido nitroso foi
classificado como o BMT avançado mais aceitável, seguido de contenção ativa, GA,
e a técnica menos aceitável foi a contenção passiva. Em situação de emergência os
pais preferem técnicas farmacológicas (sedação de N2O, GA) sobre estabilização
protetora (contenção ativa e passiva).

Pró-actividade dos pais na aceitação de técnicas de manejo comportamental:


estudo avaliativo transversal

Resumo
Introdução: os pais contemporâneos são mais ativos e participam da tomada de
decisão durante o tratamento odontológico. Objetivo: avaliar a aceitação dos pais em
relação às técnicas de manejo comportamental comumente utilizadas na Odontologia
pediátrica em diferentes situações odontológicas. Materiais e métodos: 51 pais
participaram do estudo. O medo dentário das crianças foi avaliado pelos pais antes
da apresentação do Power Point, utilizando-se a subescala dentária do cronograma
de pesquisa do medo das crianças (CFSS-DS). Os pais viram a apresentação do
ponto de poder de oito técnicas da gerência do comportamento que estão sendo
usadas durante o tratamento dental pediatra. As técnicas foram: 1) controle de voz;
2) Dizer-mostrar-fazer; 3) reforço positivo; 4) presença ou ausência parental; 5) Mão
sobre a boca; 6) contenção física; 7) sedação N2O-O2; 8) anestesia geral. Os pais
foram solicitados a organizar várias técnicas de manejo do comportamento da técnica
mais aceita para a técnica menos aceita em várias situações odontológicas de acordo
com sua visão. Resultados: todos os pais completaram o questionário. A maioria das
crianças mostra maior ansiedade relacionada ao componente dentário da escala
CFSS-DS, particularmente durante a administração de anestésico local. No estudo
atual a maioria de técnica preferida da gerência do comportamento era dizer- mostrar
- fazer seguido pelo reforço positivo e pela técnica menos preferida da gerência do
comportamento era anestesia geral seguida pela limitação física. Conclusão: o nível
de ansiedade das crianças aumenta durante a condição relacionada à odontologia
que pode ser superada através do desenvolvimento de uma abordagem positiva em
crianças e pais em relação à odontologia e utilizando várias estratégias de manejo do
comportamento. Um baixo nível de tolerância parental generalizado para técnicas de
gerência firmes foi considerado na população atual do estudo.

Introdução

O "tri-pé" é dividido igualmente entre a criança, os pais e o dentista, devendo haver


um diálogo permanente entre todas as partes do triângulo para uma melhor prestação
de cuidados dentários [1]. As técnicas de manejo comportamental controlam e alteram
o comportamento da criança e ajudam a construir relacionamentos entre criança, pai
e médico, ao mesmo tempo que eliminam o medo e a ansiedade provocados pela
visita odontológica e, finalmente, constroem confiança. Para ser um odontopediatra
bem sucedido, controlar crianças uncooperative é uma parte importante da prática e
depende da habilidade do dentista de adquirir e manter a cooperação. Para realizar
o tratamento com sucesso, a variedade de técnicas pode ser usada. Dizer- mostrar-
fazer (TSD), reforço positivo, modelagem, controle de voz, contenção física, sedação
N2O-O2 e anestesia geral são algumas das técnicas utilizadas na prática para
administrar o comportamento do paciente criança. Um dos conceitos fundamentais
da assistência odontológica infantil é fornecer informações prévias de técnicas de
manejo comportamental aos pais. Essas informações ajudam os pais a participarem
de decisões de tratamento com a compreensão dos fatores relacionados ao cuidado
odontológico proposto pela criança. Isso ajuda na redução da ansiedade parental
situacional. Assim, a consciência dos fatores que influenciam a percepção parental é
necessária [2]. As necessidades da criança no momento do tratamento e o tipo e a
urgência do tratamento determinam a aceitabilidade de uma técnica de manejo
comportamental pelos pais. Tem havido uma tendência nacional na lei para a
expansão do direito do paciente e a crescente demanda por consentimento informado
dos pais, os dentistas não podem mais supor que os pais aprovarão qualquer forma
de técnica de gestão do comportamento sem prévio informado Consentimento. O
objetivo do presente estudo foi avaliar a atitude dos pais em relação às técnicas de
manejo comportamental comumente utilizadas na Odontologia pediátrica em
diferentes situações odontológicas.

Materiais e métodos
O presente estudo foi desenhado como um estudo transversal para avaliar a
participação parental na aceitação da técnica de manejo comportamental para o
cuidado oral da criança. A permissão para realizar o estudo foi obtida da escola de
Smartkidz, de Ahmedabad e de escola do Reino de Kidz, Ahmedabad, Gujarat, India.
O consentimento informado foi obtido dos pais após delineando o objetivo do estudo.
O total de 51 pais (20 a 40 anos de idade) que acompanharam seus filhos (de 2 a 4
anos) à escola Smartkidz e à escola do Reino de Kidz foram convidados a participar
do estudo. Uma apresentação e um questionário de Power Point foram utilizados para
examinar as atitudes dos pais em relação a determinadas técnicas de manejo
comportamental. A atitude para as seguintes técnicas da gerência do comportamento
foi examinada. 1) controle de voz, 2) DIZER - MOSTRAR- FAZER, 3) reforço positivo,
4) presença ou ausência parental, 5) casa, 6) contenção física, 7) sedação N2O-O2,
8) anestesia geral. Cada uma das técnicas de manejo do comportamento utilizadas
neste estudo foi aprovada pela Academia Americana de Odontologia Pediátrica
(AAPD). De acordo com as diretrizes da AAPD de técnicas de manejo
comportamental, as técnicas foram divididas em duas grandes categorias: (1) manejo
do comportamento básico e (2) gestão do comportamento avançado [3].
Todas as análises estatísticas foram realizadas com o programa de software SPSS
(Statistical Package for Social Sciences) 15,0. A diferença entre a resposta
relacionada à condição geral e a condição dentária foi avaliada pelo teste de Mann
Whitney.

Resultados
Todos os pais que foram convidados a participar concordaram em completar os
questionários (100% de conformidade). Entre 51 crianças, 30 crianças (N = 58,8%)
variou na idade de 2 a 3 anos e 21 crianças (N = 41,2%) variou na idade de 3 a 4
anos. Entre 51 pais, 33 (N = 64,7%) os pais variaram na idade de 20 a 30 anos e 18
(N = 35,3%) os pais variaram na idade de 30 a 40 anos. Os níveis de ansiedade das
crianças foram avaliados por meio da escala CFSS-DS. O componente da escala
CFSS-DS foi Categorizado em situação geral e situação relacionada à odontologia. A
maioria das crianças apresentou maior ansiedade relacionada ao componente
dentário da escala CFSS-DS, particularmente durante a administração de anestésico
local [tabela/Fig-1]. A diferença no nível de ansiedade entre componente geral e
componente dental da escala CFSS-DS foi estatisticamente significante [tabela/Fig-
2]. Na situação dental diferente os pais classificam a técnica da gerência do
comportamento para suas crianças. Na população estudada, a técnica de manejo do
comportamento mais preferencial foi a de dizer-mostrar-fazer seguida de reforço
positivo e a técnica de manejo do comportamento menos preferencial foi a anestesia
geral seguida de contenção física [tabela/Fig-3].

Discussão

No presente estudo para avaliar o medo dentário da criança, utilizou-se a escala


CFSS-DS. A confiabilidade da escala em assuntos indianos foi encontrada para ser
0,92. Assim a escala foi encontrada para ser de confiança [4]. A alta confiabilidade da
escala pode ser atribuída às suas características focais e perguntas altamente
específicas, mas facilmente compreensíveis. O número de fatores emergentes no
presente estudo foi-medo da injeção, medo da broca do dentista e medo do
procedimento dentário. Um dentista pediatra deve primeiramente tentar construir um
rapport com o paciente antes de começar o tratamento e tentar incutir um
comportamento positivo. A maioria dos pais no presente estudo preferiu dizer -
mostrar-fazer seguido pelo reforço positivo a ser empregado em seus filhos. Este
achado foi consistente com o estudo de Abushal, Adenubl, no qual a maioria das
técnicas preferidas foram Tell-show-do, reforço positivo e distração [5]. Os achados
também foram consistentes com o estudo de Benjamin Peretz et al., constataram que
a maioria dos pais preferiu uma explicação como abordagem adequada para o
tratamento de seus filhos [6]. A maioria dos pais no presente estudo não preferiam
GA seguida de contenção física e Mão sobre boca. Esses achados foram
consistentes com o estudo de Henry W. Fields em que a técnica de contenção física
era inaceitável pelos pais, mas os pais aceitaram GA em situação odontológica de
emergência [7]. Este achado foi inconsistente com o presente estudo. No presente
estudo, os pais foram explicados várias técnicas de manejo comportamental que o
dentista pretende usar. É por isso que os pais mostraram aceitabilidade geral para
várias técnicas de manejo comportamental. Este achado é coerente com o achado do
estudo de Scott M. Lawrence et al., e Carole Havelka [8,9]. No presente estudo nós
supomos que os pais na condição dental que exigiram o LA ou o tratamento de
emergência preferiram as técnicas de gerência a serem empregadas pelo dentista
mas estes resultados sugerem um baixo nível parental generalizado da tolerância
para o emprego de técnicas de manejo na população estudada. Devido ao número
crescente de pais de trabalho e de famílias nucleares menores as atitudes parentais
mudaram e os pais mostraram ansiedades aumentadas para seus filhos [10]. A
técnica de Tell-show-do foi mais aceitável e o GA foi menos aceitável pelos pais
contemporâneos no presente estudo. Jonathan J. Eaton et al., mostraram alto nível
de aceitação da anestesia geral em comparação com estudos anteriores podem
sugerir que a aceitação parental desta técnica está aumentando [11]. [Tabela/Fig-4]
resume os resultados de estudos semelhantes.

Limitação

No presente estudo o tamanho amostral foi pequeno. A pesquisa pode ser conduzida
para incluir a população grande para compreender a participação parental durante o
cuidado oral da criança e a aceitação da técnica da gerência do comportamento. Os
pais contemporâneos aceitaram a técnica de manejo do comportamento mais positivo
no presente estudo. Este papel auxilia na escolha das técnicas de manejo do
comportamento a serem empregadas no tratamento de crianças jovens na população
estudada e ajudam a construir a confiança dos pais e da criança.

Conclusão

O nível de ansiedade aumenta durante a condição relacionada à odontologia,


conforme confirmado pela escala CFSS-DS. O aumento da ansiedade pode ser
superado através do desenvolvimento de uma abordagem positiva para a Odontologia
e pelas várias técnicas de manejo comportamental. Os pais preferiram abordagens
mais positivas e técnicas de manejo mesmo na condição odontológica de emergência.
Um nível baixo generalizado da tolerância parental para técnicas de gerência firmes
na população atual do estudo foi visto.

Aceitação parental das técnicas de gestão do comportamento utilizadas na


Odontologia pediátrica e da sua relação com a ansiedade e a experiência
dentária parental

RESUMO: O objetivo deste estudo foi examinar a aceitação por parte dos pais gregos
de nove técnicas de manejo comportamental e sua associação com diversos
possíveis fatores de confundimento. Projeto do estudo após a aprovação ética, 106
pais cujas crianças de 3 a 12 anos estavam recebendo tratamento em uma clínica
odontológica pediátrica de pós-graduação universitária, e 123 pais de crianças de
uma prática odontológica pediátrica privada concordaram em participar .
Métodos: Depois de mostrar um vídeo com nove técnicas de manejo, os pais
avaliaram a aceitação de cada técnica em uma escala de 0 a 10. Foram então
solicitados a preencher um questionário sobre demografia, sua experiência
odontológica prévia e ansiedade dentária (escala de ansiedade dentária modificada
de Corah). Resultados a técnica mais bem aceita foi a de dizer – mostrar – fazer
(9,76 ± 0,69), seguida pela técnica de presença/ausência parental (PPA) (7,83 ± 3, 6)
e sedação por inalação de óxido nitroso (7, 9 ± 3, 2). As técnicas menos aceitas foram
a contenção passiva (4,21 ± 3,84) e a anestesia geral (4,21 ± 4, 2). Não foram
encontradas correlações entre aceitação de qualquer técnica de manejo individual e
idade parental, gênero, renda, escolaridade, experiência odontológica e ansiedade
dentária ou idade da criança, sexo e experiência odontológica. Os pais cujos filhos
haviam sido atendidos na clínica universitária tinham menor renda e escolaridade, e
avaliaram a contenção passiva, sedação oral e anestesia geral superior à da prática
privada. Quando os pais foram especificamente solicitados a escolher entre anestesia
geral sobre qualquer uma das restrições ativas ou passivas, mão-sobre-boca e
técnicas de controle de voz, 10% preferencial anestesia geral, e esses pais relataram
estatisticamente significativo experiência dentária mais negativa, mas não maior
ansiedade dentária. Estatística o significado estatístico das diferenças foi explorado
pelo método de Tukey-Kramer. Conclusão não houve correlação entre a experiência
odontológica parental e a ansiedade dentária e a aceitação de qualquer técnica
específica de manejo comportamental. Entretanto, os pais com experiência dental
negativa prefeririam o anestesia geral sobre alguns da limitação ativa ou passiva, da
mão-sobre-boca e das técnicas do controle da voz. PPA é uma técnica altamente
aceitável para os pais gregos.

Introdução

O manejo comportamental de pacientes odontológicos infantis é essencial, e os


dentistas pediátricos utilizam uma variedade de técnicas comportamentais e
farmacológicas (Adair et al. 2004; Roberts et al. 2010; Diretrizes clínicas da AAPD
2011). Estas técnicas passam por uma reavaliação ao longo do tempo e algumas
delas podem já ter sido abandonadas. Um dos fatores mais freqüentemente citados
para essas mudanças é a aceitação parental (Davis 1988; Houpt 1993; Kuhn e Allen
1994; V. Boka (&) K. Arapostathis N. Kotsanos departamento de Odontologia
pediátrica, faculdade de Odontologia, faculdade de Odontologia, Universidade
Aristóteles de Tessalónica, 54124 Tessalonı ́Ki, Grécia e-mail:
vanessaboka@yahoo.gr N. Vretos centro de pesquisa e tecnologia Hellas,
Information Technologies Institute, 6th km Charilaou-Thermi Road, Tessalonı K ́ i,
Grécia 123 EUR Arch Pediatr Dent DOI 10.1007/s40368-014 -0119-y Seale 2004;
Roberts et al. 2010; Diretrizes clínicas da AAPD 2011). Isto sublinha a importância de
que os dentistas pediátricos compreendam quais as técnicas de gestão do
comportamento que ainda são aceitáveis para os pais e identificam os fatores que
influenciam a sua aceitabilidade. Poucos estudos nos últimos anos têm explorado por
que os pais podem encontrar uma técnica mais aceitável do que outra, e nenhum
deles envolveu a população grega. Tell – show – do é relatado como a técnica mais
aceita na maioria dos estudos anteriores (Murphy et al. 1984; Lawrence et al. 1991;
Abushal e Adenubi 2003; Eaton et al. 2005; Alammouri 2006; Luis de Leo n ́ et al.
2010; Muhammad et al. 2011). A anestesia geral, a sedação consciente, a contenção
física e a mão-sobre-boca são sempre relatadas, embora em ordem diferente, como
as técnicas menos aceitas (Murphy et al. 1984; Lawrence et al. 1991; Abushal e
Adenubi 2003; Eaton et al. 2005; Alammouri 2006; Luis de Leo ́n et al. 2010;
Muhammad et al. 2011). Todos os estudos anteriores foram realizados em clínicas
universitárias ou centros comunitários de saúde e nenhum envolveu uma prática
privada. Nenhuma associação foi encontrada entre a aceitação e o sexo e a idade de
ambos os pais (Murphy et al. 1984; Lawrence et al. 1991; Peretz e Zadik 1999; Eaton
et al. 2005; Luis de Leo ́n et al. 2010; Muhammad et al. 2011) ou a criança (Luis de
Leo ń et al. 2010; Muhammad et al. 2011). Há achados controversos sobre a
aceitação parental e o nível educacional e o status socioeconômico dos pais (Peretz
e Zadik 1999; Eaton et al. 2005; Luis de Leo ́n et al. 2010; Muhammad et al. 2011).
Além disso, não foi encontrada correlação entre a aceitação parental e a experiência
dentária prévia de crianças ou pais (Peretz e Zadik 1999; Luis de Leo ́n et al. 2010).
Entretanto, a explanação prévia de cada técnica foi encontrada para aumentar a
aceitação parental (Peretz e Zadik 1999; Abushal e Adenubi 2003; Eaton et al. 2005).
Os pais são um fator muito importante para o sucesso do tratamento odontológico de
uma criança, uma vez que ele/ela é responsável pela criança, traz a criança ao
dentista e toma as decisões finais sobre o tratamento para a criança (Themessl-Huber
et al. 2010; Roberts et al. 2010; Diretrizes clínicas da AAPD 2011). A ansiedade
dentária parental pode estar associada ao comportamento dentário da criança
(Roberts et al. 2010; Diretrizes clínicas da AAPD 2011). A ansiedade dental parental
e sua vacância do tratamento dental foram encontradas para ser associadas com as
nomeações dentais faltantes e um risco mais elevado de cárie dental para suas
crianças (Wigen e outros 2009). Há uma literatura limitada a respeito da relação entre
a ansiedade dental parental e a aceitação das técnicas diferentes do comportamento-
gerência. As hipóteses do presente estudo foram: (1) existe uma possível associação
entre a ansiedade dentária dos pais e/ou a experiência odontológica e sua aceitação
de diferentes técnicas de manejo do comportamento aplicadas à sua crianças (2) há
uma diferença na aceitação parental entre crianças tratadas na clínica universitária
ou em uma prática privada; (3) a aceitação do uso da presença/ausência parental
(PPA) como técnica na gestão da criança é alta. O objetivo do presente estudo foi
examinar a aceitação dos pais gregos de nove técnicas de manejo comportamental
utilizadas na prática clínica cotidiana da odontologia pediátrica e a associação dessa
aceitação com diversos possíveis fatores de confundimento, incluindo ansiedade
dentária parental e experiência.

Materiais e métodos

Aprovação ética
O estudo foi aprovado pelo Comitê de ética da faculdade de Odontologia da
Universidade de Aristóteles de Tessalónica. Após um examinador ter explicado o
processo, cada pai assinou voluntariamente um termo de consentimento livre e
esclarecido.
Amostra do estudo
O estudo foi conduzido em dois locais; a clínica de pós-graduação do departamento
de Odontologia Pediátrica (Universidade Aristóteles de Tessalónica) e a prática
odontológica pediátrica privada de um dos autores (a). Os pais gregos falantes de
todas as crianças de 3 a 12 anos de idade que visitaram esses dois contextos clínicos
durante um período de 2 meses foram convidados a participar do estudo. Os pais de
crianças com deficiência mental ou física foram excluídos da amostra. Vídeo
Devido a restrições de direitos autorais sobre o uso de uma cópia do vídeo utilizado
nos estudos de Lawrence et al. (1991), Eaton et al. (2005) e Luis de Leo n ́ et al.
(2010), um vídeo muito semelhante com uma introdução a cada técnica de gestão de
comportamento em grego, explicando a técnicas, uma a uma, foi feita para uso neste
estudo. Três crianças (duas meninas 7 anos velho, e um menino 8 anos velho, similar
na idade às crianças que actuam no vídeo usado nos estudos precedentes) actuaram
no vídeo novo com o consentimento informado escrito de seus pais. As crianças foram
instruídas a reagir como se estivessem realmente recebendo o tratamento dental. O
vídeo, que durou 10 min, foi registrado na pós-graduação. As técnicas de manejo do
comportamento incluídas no vídeo foram: (1) dizer – mostrar – fazer, (2) sedação por
inalação de óxido nitroso, (3) contenção passiva por placa de Papoose, (4) controle
de voz, (5) mão-na-boca, (6) sedação oral, (7) contenção ativa, (8) anestesia geral e
(9) PPA. As técnicas foram apresentadas na mesma ordem como no vídeo utilizado
nos estudos anteriores, enquanto o PPA foi adicionado por último, e apresentado
como uma técnica na forma explicada por Kotsanos et al. (2005).
Classificação
Enquanto assistia o vídeo sozinho, antes do tratamento odontológico da criança, os
pais receberam 10 s entre cada apresentação sucessiva de uma técnica para avaliar
a técnica apenas visualizada em uma escala de 0 – 10, como medida de sua
aceitação. A classificação 0 significava que o pai se opôs completamente à técnica e
10 significava que o pai aceitou completamente seu uso para seu filho (Eaton et al.
2005; Luis de Leo ́n et al. 2010).
Questionário
Depois de assistir ao vídeo, os pais foram convidados a preencher um questionário
anônimo em grego, semelhante em forma aos utilizados por Eaton et al. (2005) e Luis
de Leo ́n et al. (2010). O questionário incluiu informações sobre sexo, idade e
experiência odontológica prévia (positiva, negativa, nunca foi ao dentista antes) dos
pais e das crianças e também sobre a renda familiar e escolaridade dos pais. Uma
renda familiar anual para os pais de menos de $12000 foi considerada baixa, 12000
– 30000 € foi classificada como média e a de mais de $30000 foi considerada alta. O
questionário incluiu a versão grega da escala de ansiedade dentária modificada de
Corah (MDAS) para medir a ansiedade dentária parental (Coolidge et al. 2008). No
final do questionário, solicitou-se ao pai que respondesse à seguinte pergunta: ' ' na
situação em que o seu filho não era suficientemente cooperativo para completar o
tratamento odontológico, e o odontopediatra recomendou o uso de (1) anestesia geral
ou (2) um de conter ativo ou passivo, controle de voz ou mão-sobre a boca como
técnicas, o que você prefere? O pai foi solicitado a escrever o número 1 ou 2 para
indicar a resposta.

Análise estatística
O método de Tukey-Kramer foi aplicado para testar a significância estatística das
diferenças no nível p.05 (MATLAB R2011a Statistics ToolBox) (Hayer 1984). O
método de Tukey-Kramer (também conhecido como teste de Tukey ou teste de
significância de Tukey) foi usado em conjunto com a ANOVA para descobrir quais
médias foram significativamente diferentes umas das outras. Isso permite comparar
os valores médios de cada grupo (ou seja, cada técnica de manejo comportamental
neste caso), evitando o erro tipo i na análise estatística. Para a inter-relação entre as
diferentes técnicas de manejo do comportamento, utilizou-se a correlação de Pearson
para descobrir qualquer padrão entre a classificação de diferentes técnicas.

Resultados

Um total de 229 pais (106 da clínica universitária e 123 da prática privada)


concordaram em participar deste estudo. Três pais (um pai e duas mães, todos na
prática privada) se recusaram a participar do estudo. 60 pais eram do sexo masculino
(26%) e 169 mulheres (74%). Suas idades variaram de 28 a 59 anos com uma idade
média de 40,31 anos. Os pais da clínica universitária apresentaram renda mais baixa
estatisticamente significante (p,05) e escolaridade (p,05) do que os da prática privada
(tabelas 1,2). A aceitação de cada técnica de manejo comportamental não foi
relacionada à idade parental, sexo, escolaridade ou renda familiar. Fora de 229
crianças, 104 (45,5%) eram meninas enquanto 125 (54,5%) eram garotos. A média
de idade das crianças foi de 7,8 anos. Não foi encontrada correlação estatisticamente
significante entre a classificação parental de cada técnica e a idade da criança, sexo
ou experiência odontológica (90% positiva, 8,7% negativa, 1,3% nunca foi ao dentista
antes), seja para crianças tratadas na Universidade clínica ou aqueles tratados na
prática privada. De todas as técnicas de manejo comportamental propostas, dizer-
mostrar-fazer foi classificado como maior que qualquer outro por todos os pais (m =
9,76 ± 0,69). A PPA foi a segunda técnica mais aceita, com média de 7,83 (± 3, 6),
seguida de sedação por inalação de óxido nitroso (m = 7, 9 ± 3, 2). As técnicas menos
aceitas foram a contenção passiva por placa de Papoose (4,21 ± 3,84) e anestesia
geral (4,21 ± 4, 2).
A Figura 1 ilustra os valores médios (± DP) de aceitação de todas as técnicas em
ambos os locais. A Figura 2 ilustra os resultados das relações estatísticas entre os
valores médios de aceitação entre as várias técnicas. dizer-mostrar-fazer e PPA
valores médios foram estatisticamente e significativamente diferentes de todas as
outras técnicas, enquanto o valor médio dizer-mostrar-fazer foi estatisticamente
significativamente maior do que o valor médio da aceitação do PPA. Os pais da clínica
universitária avaliaram a restrição passiva pela placa Papoose (5,99 ± 3,25), sedação
oral (6,70 ± 3,26) e anestesia geral (5,78 ± 3,4) estatisticamente significativamente
maior do que na prática privada, onde os respectivos valores médios foram 2,67 (±
3,71), 3,56 (± 3,40) e 2,88 (± 4, 9) (Fig. 1). Não foram encontradas correlações
estatisticamente significantes entre a aceitação das diferentes técnicas. No entanto,
a contenção passiva por placa de Papoose, controle de voz, mão-sobre-boca e
sedação oral foram fracamente correlacionadas (0.5 q.8), de acordo com a
classificação parental atual. A ansiedade dentária parental (média MDAS = 10, 9 ±
4,87, intervalo = 5 – 25) não foi associada à sua aceitação de técnicas de gestão do
comportamento. O escore médio de MDAS para os pais da prática privada foi de 10,1
± 4,41 e para os pais da clínica universitária 10, 8 ± 5,38, não sendo estatisticamente
diferente. A experiência dental prévia parental (86% positivo, 10% negativa, 4% nunca
foi ao dentista antes) não foi associada com sua aceitação de técnicas individuais do
comportamento-gerência. No entanto, 10% dos pais de ambos os locais de estudo
selecionaram (1) anestesia geral ao responder à última pergunta descrita acima.
Esses pais declararam uma experiência odontológica mais negativa estatisticamente
significante (p,05), mas não diferiram estatisticamente em nenhum outro fator dos
demais 90% dos pais.
Discussão

No presente estudo, a falta de correlação encontrada entre a aceitação parental de


várias técnicas de gestão de comportamento; a idade e o sexo dos pais ou da criança
estão de acordo com a literatura relevante (Murphy et al. 1984; Lawrence et al. 1991;
Peretz e Zadik 1999; Eaton et al. 2005; Luis de Leo n ́ et al. 2010). Houve diferença
estatisticamente significante entre os pais da clínica universitária e a prática privada
em relação ao nível educacional e renda familiar, uma vez que uma das principais
razões para as famílias que visitavam a clínica universitária foi a taxa reduzida (quase
1/3) Nível. A preferência dos pais não se relacionou com a renda familiar ou
escolaridade e isso está de acordo com estudos americanos anteriores (Murphy et al.
1984; Lawrence et al. 1991; Eaton et al. 2005), mas não com o único estudo europeu
(Luis de Leo n ́ et al. 2010). As únicas diferenças foram na contenção passiva pelo
quadro de Papoose, sedação oral e anestesia geral, que foram avaliados
estatisticamente significativamente maiores pelos pais universitários. A experiência
odontológica prévia do pai ou da criança não apresentou associação estatisticamente
significante com a aceitação de técnicas específicas de manejo do comportamento
individual, e isso está de acordo com os resultados de outros estudos (Peretz e Zadik
1999; Luis de Leo n ́ et al. 2010). Na Grécia, o uso da sedação por inalação de óxido
nitroso e sedação oral são proibidos por lei na prática privada e seu uso é restrito a
clínicas e hospitais. Neste estudo, o uso de sedação com óxido nitroso surgiu como
a terceira técnica mais aceita, enquanto a anestesia geral foi considerada a segunda
técnica menos aceita. Os pais foram convidados a escolher se prefeririam o anestesia
geral ou uma técnica invasora no caso onde sua criança não era cooperativa bastante
para terminar o tratamento dental. Somente 10% indicaram uma preferência para o
anestesia geral e estes pais foram encontrados para ter uma experiência dental
negativa precedente estatisticamente significativa mais elevada, mas não uma
ansiedade dental mais elevada. Uma possível explicação é que, esses pais com base
em sua experiência dentária negativa anterior, esperar anestesia geral para ser
menos estressante para seus filhos ou eles acreditam que a implementação dessas
técnicas invasivas seria uma experiência negativa para eles.
A ansiedade dentária parental não apresentou associação estatisticamente
significante com a aceitação das diferentes técnicas de manejo. O escore médio de
MDAS encontrado no presente estudo foi semelhante ao de outro estudo de pais
gregos (Coolidge et al. 2008). Pode-se esperar uma diferença na preferência por
diferentes técnicas de manejo do comportamento entre os pais com níveis baixos ou
altos de ansiedade dentária, mas essa diferença não apareceu na população
estudada. A diferença nos níveis de ansiedade dentária encontrada entre os pais
preferindo a anestesia geral sobre outras técnicas em estudos prévios (Arch et al.
2001; Balmer et al. 2004) não foram confirmados pelo presente estudo, mesmo
quando os pais foram solicitados a escolher entre anestesia geral e outros
comportamentos invasivos técnicas de gestão. Sheller (2004) constatou que os pais
exigiram que a anestesia geral fosse dada a seus filhos para qualquer procedimento
dentário em maior medida, pois acreditavam que seus filhos não cooperariam durante
o tratamento odontológico. Parece que, embora a aceitação parental de técnicas de
gestão comportamental possa não estar diretamente associada à ansiedade dentária
parental, a sua relação com as expectativas parentais da cooperação dos seus filhos
poderia ser investigada. A técnica mais aceita foi dizer – mostrar – fazer, como na
maioria dos estudos anteriores (Murphy et al. 1984; Lawrence et al. 1991; Peretz e
Zadik 1999; Abushal e Adenubi 2003; Eaton et al. 2005; Alammouri 2006; Luis de
Leo ń et al. 2010). A classificação muito alta encontrada para Tell – show – do era
esperada, já que está entre as técnicas de manejo de comportamento mais seguras
e menos invasivas e sua aceitabilidade parece relativamente estável ao longo do
tempo (Eaton et al. 2005; Roberts et al. 2010; Diretrizes clínicas da AAPD 2011). A
segunda técnica mais aceita foi o PPA, que não foi incluído em nenhum estudo prévio.
A presença parental continua a ser uma questão de preferência pessoal e tem sido
uma questão controversa entre dentistas pediátricos (Adair et al. 2004; Roberts et al.
2010; Diretrizes clínicas da AAPD 2011). A separação parental foi classificada como
técnica menos aceita no estudo de Abushal e Adenubi (2003) e em oitavo lugar (de
14 técnicas) em um estudo recente de Muhammad et al. (2011). Com o PPA sendo
usado como técnica, quando o comportamento inicial da criança é negativo, tanto a
criança quanto o pai são informados de que o pai pode ser obrigado a sair
temporariamente da sala e retornará assim que a criança começar a se comunicar
positivamente com o dentista ( Kotsanos et al. 2005). PPA foi encontrado bem
sucedido para as crianças inicialmente não cooperantes quando aplicado em uma
forma empática (centrada na criança) (Kotsanos et al. 2009). No entanto, isso é muito
influenciado pelas preferências e treinamento do dentista pediátrico (Roberts et al.
2010).
As técnicas menos aceitas no presente estudo foram a contenção passiva por tábua
de Papoose, anestesia geral, sedação oral e mão-sobre-boca. Estes também foram
encontrados como as técnicas menos aceitas em outros estudos, embora não na
mesma ordem (Murphy et al. 1984; Lawrence et al. 1991; Peretz e Zadik 1999;
Abushal e Adenubi 2003; Eaton et al. 2005; Alammouri 2006; Luis de Leo n ́ et al.
2010) (tabela 3). A contenção passiva por meio de um quadro de Papoose,
denominada também de ' ' estabilização protetora ' ' (diretrizes clínicas da AAPD
2011), é uma técnica controversa entre os clínicos, uma vez que seu uso tem sido
sugerido para ter o potencial de produzir conseqüências sérias, como danos físicos
ou psicológicos, perda de dignidade e violação dos direitos do paciente (Roberts et
al. 2010; Diretrizes clínicas da AAPD 2011). A mão-sobre-boca é uma técnica
controversa e não está mais incluída nas orientações da AAPD, nem sempre foi
favorável em alguns países europeus (Roberts et al. 2010; Diretrizes clínicas da
AAPD 2011). No entanto, uma pesquisa recente de 2.600 membros da AAPD
registrou que 350 dos 704 entrevistados (50%) acreditava que a mão-sobre-boca
ainda era uma técnica aceitável (Oueis et al. 2010). Na aceitação geral de todas as
técnicas, não houve correlações estatisticamente significantes entre elas. Entretanto,
na maneira como os pais avaliaram a contenção passiva pela placa de Papoose,
controle de voz, mão-sobre-boca e sedação oral, estas técnicas foram
correlacionadas fracamente. Isso significa que os pais que preferem uma técnica mais
invasiva, também tendem a classificar outras técnicas invasivas mais altamente. Uma
possível explicação é que cada pai tem um temperamento específico e atitude em
educar o seu filho e isso também é expressado em suas preferências para a gestão
do comportamento da criança (Krikken et al. 2013). A principal limitação do presente
estudo foi que não foi possível utilizar o mesmo vídeo utilizado em outros estudos por
motivos de direitos autorais e linguísticos. O modo e a ordem de apresentação das
técnicas podem afetar a aceitação parental e o vídeo deste estudo foi semelhante,
em todas essas características, ao vídeo utilizado em estudos prévios (Lawrence et
al. 1991; Eaton et al. 2005; Luis de Leo ́n et al. 2010). Embora os resultados de
estudos sobre diferentes populações e culturas sejam semelhantes ao usar diferentes
métodos de gravação, ainda é importante ter uma ferramenta validada para
resultados confiáveis e comparativos.

Conclusão

A aceitação de técnicas de gestão comportamental por pais gregos foi semelhante a


outros estudos de diferentes países. O PPA foi uma técnica altamente aceita pelos
pais gregos. Os pais da clínica universitária apresentaram menor renda e
escolaridade e avaliaram a contenção passiva, sedação oral e anestesia geral
superior à prática privada. A ansiedade dental parental não foi associada com a
aceitação. A experiência dental prévia parental não foi associada com a aceitação de
nenhuma técnica individual do comportamento, embora os pais com experiência
dental negativa prefeririam o anestesia geral sobre toda a limitação ativa ou passiva,
mão-sobre-boca e técnicas de controle de voz.

Agradecimentos

Agradecemos ao Dr. Eaton por suas informações sobre o vídeo e o questionário


usado em seu estudo nos EUA. Expressamos nossos agradecimentos ao professor
Guinot Jimeno por nos fornecer o vídeo e o questionário usado em seu estudo na
Espanha.

Aceitação parental de técnicas de manejo do comportamento pediátrico: um


estudo comparativo

Resumo

Objetivos: Avaliar e comparar a atitude em relação às técnicas comportamentais


entre pais de crianças saudáveis e especiais na subpopulação indiana. Materiais e
métodos: os pais de saudáveis (grupo A) e crianças especiais (grupo B) assistiram
a vinheta de fita de 10 técnicas de manejo de comportamento (BMTs) em grupos e
as classificaram usando a escala visual analógica (EVA). Os pais do grupo B foram
subagrupados como: grupo B1 (34 pais de crianças medicamente comprometidas),
grupo B2 (34 pais de crianças fisicamente comprometidas) e grupo B3 (34 pais de
crianças com transtornos neuropatológicos). Resultados: os indivíduos do grupo A e
do grupo B julgavam todas as técnicas como "aceitáveis". Os pais do grupo B estavam
menos aceitando técnicas do que os pais do grupo A, exceto modelagem ao vivo. O
escape contingente e a modelagem ao vivo foram as primeiras técnicas classificadas
nos pais do grupo A e do grupo B, respectivamente. O controle vocal (VC) e o
exercício mão-sobre-boca (HOM) foram as técnicas menos aceitas em ambos os
grupos. Os pais com baixa renda e menor escolaridade foram mais receptivos às
técnicas estudadas. Um total de 25,49% dos pais em cada grupo não consentiu com
o uso de HOM. Conclusão: fatores como ter uma criança deficiente, baixa renda e
menor escolaridade influenciaram a aceitabilidade parental. Mão sobre a boca deve
ser usado com grande cautela e os médicos devem abordar a questão do
consentimento informado em uma base individual.

Introdução

O gerenciamento do comportamento é uma metodologia contínua abrangente


destinada a construir relacionamentos entre crianças, pais e médicos, visando
eliminar o medo e a ansiedade e, finalmente, construir confiança. Ele permite que o
dentista para evitar uma atitude dentária positiva, para orientar a criança através de
sua experiência odontológica, e para realizar o tratamento de qualidade com
segurança. Outro aspecto integral da assistência odontológica infantil é fornecer aos
pais informações prévias sobre técnicas de manejo comportamental (BMTs). [1] esta
entrega da informação fornece um mecanismo por que os pais podem participar em
decisões do tratamento com compreensão cheia dos fatores relativos ao cuidado
dental proposto da sua criança e ajuda em reduzir a ansiedade parental situacional.
[2] assim, as introspecções em fatores que influenciam percepções parentais são
necessárias. A literatura dental tem vários estudos relatando aceitabilidade parental
de BMTs, [3-10] mas nenhum estudo relatou a atitude de pais indianos. Além disso,
há uma escassez de dados científicos a respeito da atitude do pai infantil especial em
relação a várias técnicas empregadas na Odontologia pediátrica. Um maior
conhecimento nesta área poderia levar a uma melhor comunicação entre o dentista e
os pais, melhor educação dos pais, e, finalmente, melhor cuidado de uma criança
especial. Assim, este estudo foi realizado para avaliar e comparar a atitude e
aceitação em relação a BMTs entre pais de crianças saudáveis e especiais. Os
objetivos do estudo foram: 1) avaliar a classificação média e classificação para cada
BMT, 2) avaliar a aceitação de cada técnica por pais de crianças saudáveis, 3) avaliar
a aceitação de cada técnica por pais de crianças especiais e 4) comparar o grau de
aceitabilidade entre os pais de crianças saudáveis e especiais.

Materiais e métodos
Os indivíduos foram selecionados aleatoriamente a partir do grupo de pais que
relataram o departamento de Pedodontia e odontologia preventiva, PMNM dental
College and hospital, Bagalkot; Departamento de Pediatria, Shri Hanagal
Kumareshwar Medical College, Bagalkot; e o centro de Usha para crianças
excepcionais, Hubli. Os sujeitos do estudo foram selecionados por meio dos seguintes
critérios: parentalidade (pais de crianças de 3-15 anos de idade sem exposição prévia
a BMTs), disposição para participar e capacidade de ver e compreender a fita. Foram
incluídos os pais de todos os níveis socioeconômicos, independentemente de sua
idade, gênero, renda, escolaridade e ocupação. A seleção continuou até 102 pais de
crianças saudáveis (grupo A) e 102 pais de crianças especiais (grupo B). Os pais do
grupo B foram agrupados como: grupo B1 (34 pais de crianças medicamente
comprometidas), grupo B2 (34 pais de crianças fisicamente comprometidas) e grupo
B3 (34 pais de crianças com transtornos neuropatológicos). Uma fita mestra do vídeo
que descreve 10 técnicas com explanação prévia [tabela 1] foi feita usando um
registrador de VHS (Panasonic MD – 900) e um microfone do lapela incorporado na
fita VHS mestra. As técnicas foram apresentadas em seqüência idêntica a todos os
pais, como segue: Tell-show-do (TSD), reforço positivo (RP), modelagem ao vivo
(LM), escape contingente (CE), suporte bucal (MP), controle de voz (VC), contenção
física pelo dentista (PRD), exercício da mão-sobre-boca (HOM), sedação oral (OS), e
anestesia geral (GA). A fita de vídeo foi de 10 min de comprimento, com a duração
de cada técnica variando de 35 a 60 seg. o consentimento para a filmagem e o uso
da fita de vídeo para o objetivo do estudo foi obtido dos pais de cada criança mostrada
na fita de vídeo. As crianças que aparecem na fita foram instruídas a modelar
conforme instruído/demonstrado ao registrar a técnica e a idade das crianças que
aparecem na fita variou entre 4 e 9 anos. As sessões de Taping foram repetidas até
que os exemplos aceitáveis de todas as técnicas estiveram gravados. A fita continha
comentários introdutórios (dado por um investigador diferente) descrevendo cada
técnica em uma instalação clínica dental idêntica (à exceção do GA). Um único
investigador executou todas as técnicas na vinheta (à exceção do GA). Quatro
membros do corpo docente do departamento de Pedodontia e odontologia preventiva,
PMNM dental College and hospital, revisaram as fitas para validade e precisão da
apresentação. Duas técnicas foram regravadas com a recomendação deste grupo. O
conteúdo final da fita de vídeo incluiu 10 técnicas, nas quais o nome de cada técnica
foi exibido por 5 seg, seguido por três imagens visuais estáticas. Esta foi
acompanhada por uma breve explicação e demonstração real da técnica com seus
objetivos. As descrições e os objetivos apresentados na fita de vídeo foram
consistentes com os objetivos e as diretrizes delineadas pela Academia Americana
de Odontologia pediátrica. 1 As variáveis demográficas (nome, idade, sexo, endereço
permanente, escolaridade, renda e número de filhos) e consentimento informado
foram obtidas por meio do formulário de informações dos pais. Solicitou-se aos pais
que classificariam as técnicas utilizando a escala visual analógica (Eva; proposta por
Clark e Spear, 1964). A VAS tem amplo uso em disciplinas comportamentais e
neurofisiológicas. Vários estudos utilizaram VAS [5-7,10-12] e o consideraram
confiável na mensuração da aceitação parental.Essa escala também possibilita que
alguma forma de dados não paramétricos seja expressa em forma paramétrica. 7
VAS é uma linha horizontal de 100 mm com palavras "completamente aceitáveis" e
"completamente inaceitável" nas extremidades esquerda e direita da linha. As
palavras "completamente aceitáveis" e "completamente inaceitável" foram ilustradas
usando imagens – rosto de cor verde (feliz) e rosto de cor vermelha (glum) – nas
extremidades esquerda e direita da VAS para facilitar a compreensão da escala. Os
pontos de ancoragem representados por xícaras de café com diferentes volumes do
líquido nos respectivos locais foram incorporados em intervalos regulares de 25 mm
para marcação exata das percepções [Figura 1]. As vinhetas gravadas foram
projetadas usando um projetor de laptop/LCD na sala de aconselhamento dos pais, e
os parentes os classificaram em grupos (3-5). Os sujeitos foram solicitados a marcar
sua opinião usando uma marca vertical que cruzou a linha de referência horizontal.
Após cada técnica, 10 seg foram alocados para os sujeitos classificarem a técnica
utilizando VAS (i.e., como esta técnica é aceitável?), bem como expressar seu
consentimento para o uso de técnica com a criança deles/delas se julgou essencial
durante o procedimento dental.
Informação demográfica foi tabulada e o número de milímetros do ponto de âncora
esquerdo para a marca vertical colocada pelo pai estava medido. A avaliação mais
aceitável possível era 1 e o menos aceitável possível era 99. as avaliações na balança
eram dependendo aceitável / inaceitável considerados na posição deles/delas relativo
para 50. uma contagem debaixo de 50 era considerada aceitável; abaixe a contagem,
o mais aceitável a técnica e a conversação era verdade.[11] contagem de VAS má
era calculada para cada técnica em ambos os grupos.
Variáveis como gênero de idade (20-30 anos; 31-40 anos; 41 + anos), número de
crianças (um, dois e tres), nível educacional (nenhuma educação.abaixo da escola
secundária; educação de escola secundária; grau educação nivelada) e estado social
foi examinado para a influência deles/delas em avaliação parental. Só renda foi usada
para determinar o estado social do pai.
Seis categorias de classe social descritas por Agarwal, [13] que uniu a classificação
de Prasad para Toda a Índia que Venda Preço Índice (AIWPI) Séries Inteiras
desenvolveram em relação ao ano 1993-1994 básico, era combinado em grupo "alto
(quais níveis altos altos e superiores incluídos)", grupo "médio (qual meio superior
incluído)", e "baixo se agrupa" para aumentar (que incluiu meio inferior e pobre) o
poder de análise estatística. Foram analisados dados usando "t" teste, análise de mão
única de discrepância (ANOVA) e a Diferença Significante Honesta de Tukey
procedimento de teste de comparação múltiplo.

Resultados

Distribuição de variáveis demográficas para cada um dos grupos de estudo é descrita


na tabela 2. ambos Grupo A e assuntos de B julgaram todas as técnicas como
"aceitável." Grupo que os pais de B estavam aceitando menos a todas as técnicas
quando comparou para Se agrupar UNS pais, com exceção de LM [Gráfico 1]. Foram
usadas contagens de VAS para classificar as técnicas. A técnica com o menos
contagem de VAS foi enfileirada primeiro e assim por diante. O primeiro enfileirou
técnica através de Grupo UNS assuntos eram CE, seguiu por TSD [Mesa 3],
considerando que LM e PR eram as técnicas mais preferidas através de Grupo que
B sujeita [Mesa 4].
Comparação par-sábia de Grupo que contagens de B demonstraram que todas as
técnicas tiveram diferenças significantes entre Grupo B1 e Grupo que B3 sujeita,
enquanto só PRD, OS e GA renderam diferença significante entre Grupo B1 e Grupo
os pais de B2. Exclua para OS e GA, todas as técnicas mostraram diferenças
significantes entre Grupo B2 e Grupo os pais de B3. HOM era considerado inaceitável
através de Grupo B3 [Mesa 5].
Em contraste com Grupo UNS pais, Grupo os pais de B exibiram diferenças de idade
significantes para técnicas como PARLAMENTAR, OS e GA. Em grupo UM, fêmeas
estavam concordando menos para BMT estudou e esta era conversação em Grupo
os pais de B. "Baixo" - os pais de grupo de renda estavam concordando
significativamente mais para PARLAMENTAR, agressivo e técnicas de
pharmacologic. Pais com nível alto de educação estavam concordando menos a
técnicas estudadas em ambos os grupos. As percepções de pais para BMTs não
foram influenciadas pelo número de crianças possuído pelos assuntos participando.
Um total de 25.49% de pais em cada grupo não consentiram ao uso da mão sobre a
boca. GA não era aprovado por 19.61% e 16.67% pais em Grupo UM e Grupo B,
respectivamente. Em grupo B 3.92% pais não consentiram para o uso de TSD e
1.96% pais não consentiram para o uso o PR [Mesa 6].

Discussão

Todas as técnicas eram consideradas "aceitável" através de grupos e isto era


semelhante ao que foi informado por Lawrence al de et.[7] e Abushal e Adenubi.[11]
hierarquias diferentes de aceitabilidade de BMT foram informadas para cada grupo
de estudo. A técnica que foi mais aceita entre Grupo UM e Grupo B seja CE e LM,
respectivamente. Baseado na Academia americana de Odontologia Pediátrica
(AAPD) chamada, identificar procedimentos de noninvasive para ajudar os dentistas
a lidar com crianças rompentes e não cooperativas, técnicas como CE e LM eram
incluídas para o estudo presente.[14] como estas técnicas não eram consideradas em
estudos prévios, comparação direta de hierarquia de aceitabilidade para outros
estudos não era possível.
Com exclusão de CE e LM, as técnicas as mais aceitas em ambos os grupos eram
TSD (dizer- mostrar - fazer ) e PR (reforço positivo). Estes resultados eram
consistentes com os resultados de muitos estudos como Murphy al de et.,[3] o
Lawrence al de et.,[5] Wilson et al.,[6] Scott-Garcia Godoy, [7] Abushal e Adenubi, [9]
e Havelka et al.[11]
As técnicas menos aceitas em ambos os grupos eram VC (controle de voz) e HOME
(mão sobre a boca). Estes resultados contradisseram alguns resultados mais cedo,
[3-6,11] mas era consistente com um estudo administrado em países Sauditas, [9]
que reivindicou que o tom agressivo incluso nesta técnica poderia ter afetado a
aceitação de pai negativamente. Isto foi revelado depois em um estudo através de
Eaton et al.[10] OS (sedação oral) foi aceito mais freqüentemente do que o GA
(anestesia geral) Os pais de crianças com transtorno neuropatológico foram mais
resistentes à aceitação de técnicas que os pais de crianças medicamente e
fisicamente comprometidos. HOME foi considerada inaceitável pelos pais de crianças
com transtorno neuropatológico. Assim, ter um filho deficiente pode influenciar a
classificação de aceitabilidade de BMTs. Nossos resultados foram conversar com os
relatados por Brandes et al. [ 12] que demonstrou que os pais de relatados por
Brandes et al. [ 12] que demonstrou que os pais de relatados por Brandes et al. [ 12]
que demonstrou que os pais de relatados por Brandes et al. [ 12] que demonstrou que
os pais de crianças com deficiência foram mais aceitar de BMTs do que os pais de
crianças saudáveis, mas este achado não foi estatisticamente significativa; Além
disso, este estudo não tentou especificar o tipo de incapacitante. Essa diferença pode
ter afetado a aceitação do pai da técnica negativamente no presente estudo.
Avaliação de técnicas em relação à idade e sexo produziram resultados variáveis. Tal
como foi relatado num estudo anterior, [ 8] o número de crianças não influencia as
atitudes dos pais. No entanto, os pais pertencentes ao grupo socioeconômico baixo
estavam mais aceitando a certas técnicas comportamentais. Isso estava de acordo
com um estudo realizado por Lawrence et al., que expressou que os pais de baixo
nível socioeconômico podem aceitar mais a opinião profissional e são menos
propensos a expressar insatisfação com um procedimento.Como foi mostrado
anteriormente o presente estudo também não conseguiu receber maior aprovação em
direção a algumas técnicas de pais com alta qualificação educacional. Isto está de
acordo com Kramer constatação que mostrou que os pais com baixa escolaridade
são mais receptivos ao aconselhamento profissional.
Todos os escores médios foram associados com alto desvio padrão, o que indicou
que existia uma grande variabilidade na atitude dos pais. Todas as técnicas
receberam aceitação dos pais, exceto HOME, que foi classificada como inaceitável
pelos pais de crianças com desordem neuropatológica. Quase um terço dos pais em
cada grupo não consentiu com o uso do HOME, que juntamente com o GA foi menos
provável de receber o consentimento informado em comparação com todas as
técnicas estudadas. Uma pequena porcentagem dos pais do Grupo B expressou
“Não” consentimento para TSD e PR. Essas observações sugerem que a
implementação de cada técnica deve ser considerada uma situação individual para o
consentimento informado em todos os casos.
Limitações do estudo

1. Etnia diferente dos pais participantes


2. Método de classificação dos vídeos
3. Falha ao analisar o nível de estresse dos pais durante a classificação da técnica 4.
Não foi feita nenhuma tentativa para especificar a gravidade da condição
incapacitante
Essas diferenças na metodologia poderiam ter influenciado o resultado deste estudo
atitudinal. A extensão dessas diferenças, bem como os fatores concomitantes a esta
metodologia de estudo, requerem resolução em estudos posteriores.

Conclusão

Técnicas como CE e LM foram bem aceitas do que TSD e PR. Assim, a


implementação e disseminação dessas técnicas são essenciais.. Os pais de crianças
especiais aceitaram menos técnicas do que os pais de crianças saudáveis, mas
diferenças significativas foram obtidas apenas para alguns TMOs. Assim, ter uma
criança deficiente pode ser um fator que influencia a classificação dos pais. A idade
dos pais, sexo e número de crianças não apresentaram influência de exaltação,
enquanto pais de baixa renda e pais com menor ou nenhuma qualificação educacional
foram mais receptivos e pais com menos ou nenhuma qualificação educacional foram
pais mais receptivos com menor ou nenhum a qualificação educacional foi mais
receptiva a alguns dos TMO investigados. O uso cauteloso do HOME e a rotina de
obtenção do consentimento informado com a explicação prévia da técnica precisam
ser enfatizados em nossa prática cotidiana.

A aceitação dos pais de várias técnicas de gestão de comportamento usado em


Odontopediatria: estudo piloto em Odisha, Índia

Resumo
Objetivo: Para avaliar a aceitação dos pais para as técnicas de gerenciamento de
comportamento comumente utilizados na odontologia pediátrica. Materiais e
métodos: Cinquenta pais participaram do estudo. Os pais foram convidados para
ver uma apresentação em power-point sobre 10 técnicas de gestão comportamento:
1) Controle de voz, 2) Dizer-mostrar-fazer, 3) O reforço positivo, 4) abridor de boca,
5) Modelação, 6) Mão sobre a boca, 7) contenção física, 8) pré-medicação oral 9)
Uso de N2O-O2 e sedação 10) Anestesia geral. Os pais foram convidados a organizar
diversas técnicas de gerenciamento de comportamento, da técnica mais aceita para
técnica menos aceita. Resultados: Na presente população de estudo, a técnica de
gestão do comportamento preferida foi Dizer-mostrar-fazer, seguida por reforço
positivo e a técnica de gestão de comportamento menos aceita ficou em mão sobre
a boca, seguida de controle de voz e contenção física. Conclusão: A aceitação dos
pais de várias técnicas de gerenciamento de comportamento mudaram. Dizer-
mostrar-fazer ainda é a técnica mais aceitável; no entanto, a aceitação da sedação e
da anestesia geral aumentaram, como mostrado neste estudo.

Introdução
Houve uma mudança dramática na abordagem para com as crianças nos últimos
tempos no atendimento odontológico pediátrico. A principal barreira para qualquer
dentista pediátrico durante o tratamento é a gestão do comportamento do paciente
infantil. A profissão de dentista tem sido mais lenta na incorporação de abordagens
amigas da criança em cuidados dentários, embora lentamente, muitas mudanças
estão sendo vistas nos últimos tempos. técnicas de gestão de comportamento
controle e modificação do comportamento da criança e ajuda para construir um
relacionamento entre criança, pai e médico, mantendo assim uma boa relação entre
si e, finalmente, promovendo uma atitude dental positiva na criança. Melhorar as
competências de todos os dentistas e os membros do pessoal em técnicas básicas
de gestão de comportamento. As duas palavras-chave que são importantes para
qualquer técnica de gestão de comportamento para ser bem sucedido são -
capacidade e percepção [1].
As crianças têm diferentes capacidades para lidar com diferentes situações. Algumas
crianças têm capacidade zero, enquanto outros têm uma grande parte dela.
Percepção é outro componente importante na gestão de comportamento da criança.
É sempre útil se nós sabemos como as crianças percebem diferentes estímulos
estressantes em situações diferentes para saber como gerenciá-los. Todas as
técnicas de gerenciamento de comportamento não são igualmente aceitáveis a todos
os pais e alguns deles são inaceitáveis para muitos [2].
A aceitabilidade de técnicas de gestão de comportamento depende das necessidades
de tratamento da criança e sua urgência, o tipo de tratamento influenciam no tipo de
técnicas de gestão para ser usado e na sua aceitação por parte dos pais [3]. A atitude
dos pais estão mudando constantemente conforme a evolução da sociedade , por
isso é importante reavaliar regularmente as suas
crenças e atualizar a nossa compreensão de suas atitudes em relação a técnicas de
gerenciamento de comportamento [4]. Tem havido muitos estudos que avaliam a
aceitação dos pais e classificação de várias técnicas de gestão de comportamento
em crianças; No entanto, poucos estudos foram realizados sobre os pais indianos
[5,6].
Portanto, o objetivo deste estudo foi avaliar a aceitação dos pais para as técnicas de
gerenciamento de comportamento comumente utilizados na odontologia pediátrica.
Material e métodos

O presente estudo foi concebido como um estudo transversal para avaliar a


participação dos pais em aceitar técnicas de gerenciamento de comportamento para
higiene bucal de seus filhos. O estudo foi realizado no ambulatório da odontologia
pediátrica do nosso hospital. O consentimento informado foi obtido dos pais depois
de ter delineado o objetivo do estudo.

Seleção do participante

Um total de 50 pais (idade 20 a 40 anos) que acompanhavam seus filhos (com idades
entre 3 a 6 anos) para o ambulatório foram convidados a participar do estudo. A
apresentação em Power Point e do questionário foram utilizados para examinar as
atitudes dos pais para com certas técnicas de gerenciamento de comportamento.
variáveis sócio-demográficas foram avaliados, por exemplo,
educação, status sócio-econômico, etc. Atitude para com as seguintes técnicas de
gestão de comportamento foram examinados. 1) controle de voz, 2)Diga-mostrar-
fazer, 3) O reforço positivo, 4) abridor de boca, 5) Modelação, 6) mão sobre a boca,
7) Contenção física, 8) pré-medicação oral 9) Sedação por óxido nitroso e 10) A
anestesia geral. Cada uma das técnicas de gestão de comportamento utilizados neste
estudo foi aprovado pela Academia Americana de Odontopediatria (AAPD). De
acordo com as diretrizes AAPD de técnicas de gestão de comportamento, as técnicas
foram divididas em duas grandes categorias: (1) gestão de comportamento básico e
(2) a gestão do comportamento Avançado.
Várias técnicas de gerenciamento de comportamento foram explicados aos pais
através de apresentação em Power-Point individualmente. Os pais foram convidados
a organizar diversas técnicas de gerenciamento de comportamento de técnica mais
aceita para a técnica menos aceito, de acordo com seu ponto de vista. Os pais foram
solicitados a avaliar as técnicas que utilizam Escala Analógica Visual (VAS), que tem
sido amplamente utilizado em disciplinas comportamentais e neurofisiológicos. EVA
é uma linha horizontal de 100 mm com as palavras "completamente aceitáveis" e
"completamente inaceitáveis" no lado esquerdo e as extremidades direitas da linha.
As palavras "completamente aceitável" e "completamente inaceitável" foram
ilustrados por meio de imagens - o rosto de cor verde (feliz) e no rosto de cor vermelha
(triste) - nas extremidades esquerda e direita da VAS para facilitar a compreensão da
escala. Os pontos de ancoragem representados por copos de café com diferentes
volumes de líquido, a respectivos locais foram incorporados em intervalos regulares
de 25 mm para precisas marcação das percepções.
A seguir cada uma das técnicas, 10 seg foram distribuídos para os indivíduos para
avaliar a técnica utilizando EVA, bem como para expressar o seu consentimento para
utilizar a técnica no seu filho se for considerado essencial durante o procedimento
odontológico. A classificação mais aceitável possível era 1 e a classificação de menos
aceitável possível foi eram considerados 99. As
avaliações na escala aceitável / inaceitável em função da sua posição relativa a 50.
Uma pontuação inferior a 50 foi considerado aceitável; quanto menor a pontuação
mais aceitável foi a técnica, e vice-versa (Figura 1).

Resultados

Todos os pais convidados a participar concordaram em completar os questionários


(100% de adesão). Entre 50 crianças, 30 crianças (N = 60%) variaram na idade a
partir de 2 - 4 anos e 20 crianças (N = 40%) variaram na idade a partir de 4 - 6 anos.
Entre 50 pais, 32 (N = 64%) pais variaram em idade de 20 a 30 anos e 18 (N = 36%)
pais variaram na idade de 30 a 40 anos. Descrição das variáveis demográficas é
mostrada na Tabela 1.
No presente estudo, a técnica de gestão do comportamento preferido foi Diga-
mostrar-fazer (86%), seguido por reforço positivo (76%) e a técnica de gestão do
comportamento menos querido foi a mão sobre a boca seguido de controle de voz e
contenção física (Tabela 2) .

Discussão

Nas últimas décadas, a aceitabilidade de várias técnicas de gerenciamento de


comportamento mudaram com técnicas farmacológicas como sedação e anestesia
geral recebendo melhor aceitação do que o descrito anteriormente [7]. É interessante
notar que a aceitabilidade de algumas técnicas mudou, enquanto a aceitação de
outras técnicas permaneceu mais constante ao longo do tempo.
Examinando os resultados, a pré-medicação oral (sedação) e anestesia geral, foram
classificados técnicas menos aceitáveis em 1984 e 1991 [1]. No entanto, a
aceitabilidade para ambos os métodos farmacológicos aumentaram em estudos
subsequentes a partir de 2005 até 2015 [09/06]. Agora é bastante interessante
especular as razões desta mudança de paradigma para métodos
farmacológicos. A Mudança de atitudes para aceitabilidade de técnicas de gestão de
comportamento pode ser atribuído a mudanças no estilo parental nos últimos anos.
Um estudo recente relatou que os pais estão mais superprotetores e menos
propensos a estabelecer limites sobre o comportamento das crianças. Como
resultado, pode haver uma mudança no sentido de técnicas de gestão de
comportamento mais farmacológicos [10].
Além disso, tem havido um aumento significativo no número de centros cirúrgicos e
cirurgias ambulatoriais, devido a procedimentos mais simples e mais seguros; assim,
aumentando parental acessibilidade e familiaridade com anestesia geral ambulatorial.
Para além disto, o aumento da utilização da internet para a informação
e a tendência dos programas de televisão médicos podem ter aumento da exposição
e sensibilização de ambos anestesia geral e pré-medicação oral (sedação).
Alterações em medicamentos, com aumento perfis de segurança e eficácia, utilizados
para pré-medicação oral (sedação) ao longo dos anos podem também contribuir para
a aceitabilidade crescente. No geral, os pais podem perceber pré-medicação oral
(sedação) e anestesia geral para ser menos arriscado, mais rentável e mais
confortável para os seus filhos do que no passado [11-13].
A maioria dos pais no presente estudo não preferem a técnica da mão sobre a boca,
seguido de contenção física e controle de voz. Estes resultados foram consistentes
com outro estudo que encontrou técnica de contenção física inaceitável pelos pais,
no entanto, os pais aceitaram GA em situações de emergência dental [16]. A
aceitação de anestesia geral e sedação mostrou um aumento no presente estudo,
quando comparados outros estudos realizados em populações Indiana [5,6]. No
presente estudo, os pais receberam explicações sobre as várias técnicas de
gerenciamento de comportamento destinados a ser utilizados pelos dentistas
envolvidos na pesquisa, o que pode ser a razão pela qual os pais mostraram
aceitabilidade geral para várias técnicas de gestão de comportamento. Este resultado
é consistente com o achado dos estudos realizados anteriormente.
Conclusão

As novas tendências em estilos parentais têm influenciado na aceitação de técnicas


de gestão de comportamento em odontopediatria. Em nosso estudo, a técnica: dizer-
mostrar-fazer foi a técnica comportamento mais aceita e Mão sobre a boca, a técnica
de comportamento menos aceita. Os pais parecem estar aceitando mais os métodos
farmacológicos do que em estudos anteriores.