Você está na página 1de 39

DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS ELÉTRICOS EM BAIXA TENSÃO (V <= 1,0 kV)

PARA CARGAS MOTORAS

1 OBJETIVO

Esta memorial de cálculo tem por objetivo apresentar os critérios utilizados no dimensionamento de
circuitos elétricos em baixa tensão (Vn ≤ 1,0kV em corrente alternada) utilizando cabos isolados.

2 PREMISSAS ADOTADAS

2.1 NORMAS APLICÁVEIS

- NBR-5410/2004 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão

2.2 CARACTERÍSTICAS DOS CABOS ELÉTRICOS

2.2.1 Construção

 Cabos para circuitos de baixa tensão:


- isolação : PVC/ EPR / XLPE
- cobertura : PVC / PE

2.2.2 Temperaturas Máximas Admitidas nos Cabos

 Em regime:
- PVC: 70 0C - EPR / XLPE: 90 0C
 Em curto-circuito:
- PVC: 160 0C para cabos até 300 mm² e 1400C para cabos maiores que 300 mm²
- EPR / XLPE: 250 0C

2.2.3 Formação dos Circuitos Alimentadores:

 Os cabos podem ser unipolares ou multipolares.

2.3 CARACTERÍSTICAS DA INSTALAÇÃO

Devem ser conhecidas e/ou definidas as características da instalação para o correto


dimensionamento dos condutores. Entre estas características estão a maneira de instalar,
quantidade de circuitos, temperatura (ambiente ou no solo), resistividade do solo, comprimento
do circuito, limites de queda de tensão, nível de curto-circuito, etc.

2.4 CRITÉRIOS UTILIZADOS DO DIMENSIONAMENTO DE CIRCUITOS

A NBR-5410 trata dos critérios que devem ser adotados para dimensionamento de circuitos:

Com relação a queda de tensão, para o caso de cargas motoras, temos:


- Queda de tensão na partida
- Queda de tensão em regime

2.4.1 CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE:

Os métodos de referência são os métodos de instalação, indicados na IEC 60364-5-52, para os quais
a capacidade de condução de corrente foi determinada por ensaio ou por cálculo. São eles:
 A1: condutores isolados em eletroduto de seção circular embutido em parede termicamente
isolante;
 A2: cabo multipolar em eletroduto de seção circular embutido em parede termicamente
isolante;
 B1: condutores isolados em eletroduto de seção circular sobre parede de madeira;
 B2: cabo multipolar em eletroduto de seção circular sobre parede de madeira;
 C: cabos unipolares ou cabo multipolar sobre parede de madeira;
 D: cabo multipolar em eletroduto enterrado no solo;
 E: cabo multipolar ao ar livre;
 F: cabos unipolares justapostos (na horizontal, na vertical ou em trifólio) ao ar livre;
 G: cabos unipolares espaçados ao ar livre.
NOTAS
1 Nos métodos A1 e A2, a parede é formada por uma face externa estanque, isolação térmica e uma
face interna em madeira ou material análogo com condutância térmica de no mínimo 10 W/m2.K. O
eletroduto, metálico ou de plástico, é fixado junto à face interna (não necessariamente em contato
físico com ela).
2 Nos métodos B1 e B2, o eletroduto, metálico ou de plástico, é montado sobre uma parede de
madeira, sendo a distância entre o eletroduto e a superfície da parede inferior a 0,3 vez o diâmetro do
eletroduto.
3 No método C, a distância entre o cabo multipolar, ou qualquer cabo unipolar, e a parede de madeira
é inferior a 0,3 vez o diâmetro do cabo.
4 No método D, o cabo é instalado em eletroduto (seja metálico, de plástico ou de barro) enterrado
em solo com resistividade térmica de 2,5 K.m/W, a uma profundidade de 0,7 m.
5 Nos métodos E, F e G, a distância entre o cabo multipolar ou qualquer cabo unipolar e qualquer
superfície adjacente é de no mínimo 0,3 vez o diâmetro externo do cabo, para o cabo multipolar, ou
no mínimo uma vez o diâmetro do cabo, para os cabos unipolares.
6 No método G, o espaçamento entre os cabos unipolares é de no mínimo uma vez o diâmetro externo
do cabo.

A seleção e a instalação de linhas elétricas são definidas pela Norma NBR-5410/04. As maneiras
de instalar são referidas na tabela 33 da NBR-5410.
A capacidade de condução de corrente, em função das diferentes maneiras de instalar é
indicada nas tabelas 36 a 39 da NBR 5410/04.
Para o cálculo da corrente nominal em circuitos contendo motores de indução trifásicos utiliza-
se a seguinte equação:
P
In  * FS eq.[ 1 ]
3  Vn  cos   
Onde:
P = Potência da motor em kW
VN = Tensão nominal do circuito alimentador(kV)
cos Ø = Fator de potência do motor
η = Rendimento do motor
FS = Fator de serviço (quando não informado é igual a 1)

Fatores de correção de corrente:

 Temperatura:
Segundo a tabela 40 da NBR 5410/04 – Fatores de correção para temperaturas, aplica-se:
Temperatura de referência para linhas subterrâneas : 20° C
Temperatura de referência para linhas não subterrâneas: 30 °C
 Agrupamento:
Fatores de correção conforme tabelas 42 a 45 da NBR 5410/04 – Fatores de correção para
agrupamentos, em função da maneira de instalar e da quantidade de circuitos.
2.4.2 QUEDA DE TENSÃO

A queda de tensão nos circuitos é calculada pela seguinte fórmula:

V (%)  ( 3 * I * L * Rca * cos   Xl * sen   100)  Vn


Onde:
 ΔV(%) = queda de tensão percentual
 I = corrente nominal do circuito em A (para queda de tensão em regime) ou corrente de
partida (para queda de tensão na partida)
 L = comprimento do circuito em km
 Rca = resistência do cabo em Ω/km
 Xl = reatância do cabo em Ω/km
 cos  = fator de potência (“+” para FP indutivo e “–“ para FP capacitivo).
 Vn= tensão nominal da fonte de alimentação
Para queda de tensão em regime utiliza-se o fator de potência em regime e a corrente nominal.
Para queda de tensão na partida utiliza-se o fator de potência de partida (quando não informado
usar 0,3) e a corrente de partida.

Conforme NBR-5410:

Queda de tensão na partida x conjugado do motor:


Para uma queda de tensão de 15% até os terminais do motor durante a partida (desde o
secundário do transformador até o motor) e considerando uma queda de 5% entre o secundário
do transformador e o dispositivo de partida, ficaria então 10% de queda de tensão entre
dispositivo de partida (CCM) e o motor durante a sua partida.

2.4.3 CURTO CIRCUITO

As seções dos cabos serão dimensionadas de modo a suportar as correntes de curto-circuito


previstas. A seção mínima será calculada de acordo com a equação abaixo:

S I x t Eq. [ 3 ]
K
Onde:
I = corrente de curto-circuito (A)
S = seção transversal (mm²)
t = tempo de duração do curto (s)
K = constante em função do tipo de isolação, cobertura protetora e material do cabo. Para cabos EPR
com cobertura em PVC em cobre o valor é 143 (tabela 30 da NBR 5410/04).
Disjuntores Limitadores
Exemplo de disjuntor limitador
Exemplo de limitação de curto circuito em fusíveis
2.4.4 SEÇÃO MÍNIMA

Com relação à seção mínima a NBR-5410 cita:

2.4.5 PROTEÇÃO POR SECCIONAMENTO AUTOMÁTICO

Com relação à proteção por seccionamento automático da alimentação a NBR-5410 cita:


If = V0 / (Zfonte + Zfase + Zpe)
Considerando Zfonte <<< Zfase e Zpe; e uma queda de tensão de 20% na fonte em relação à tensão
nominal:
If = 0,8 x V0 / (Zfase + Zpe)

O dispositivo de proteção (DP) deve atuar para a corrente If em um tempo menor que os tempos de
seccionamento indicados na tabela 25.
2.4.6 PROTEÇÃO POR SOBRECARGA

Com relação à sobrecarga a NBR-5410 cita:


Conforme NBR IEC 60947-2: I2 disjuntor = 1,30 x In disjuntor

Conforme NBR IEC 60898: I2 disjuntor = 1,45 x In disjuntor

Para fusíveis as características de correntes convencionais de fusão são apresentadas na tabela


abaixo:
Resumo do critério de sobrecarga para disjuntores e fusíveis:
2.5 DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES DE PROTEÇÃO (PE)

Conforme NBR-5410:
3 EXEMPLO DE DIMENSIONAMENTO

Alimentador de um motor indução trifásico para uma bomba centrífuga:


Dados:
 PN = 100 cv (Fator de serviço 1)
 cos Ø = 0,85 regime
 η=0,92
 método de instalação - Cabos multipolares em eletroduto enterrado no solo, considerar que além
deste ramal alimentador serão instalados mais cinco circuitos (cada circuito em eletroduto
exclusivo – espaçamento nulo entre eletrodutos). Utilizar cabos com isolação em EPR. Cabo de
proteção (PE) deve ser unipolar (isolação em PVC) instalado em contato com os cabos
multipolares.
 Temperatura no solo = 30°C
 Distância: 150m
 cos Ø = 0,15 partida
 Tensão alimentação: 380 V
 Método de partida = soft starter (Ip= 3 x In)
 Corrente curto-circuito no condutor: 32 kA
 Tempo de atuação da proteção: 40 ms

a) Dimensionamento pela IN
Aplicando a equação eq.[ 1 ], temos:

IN = 143 A
 Fator de correção de temperatura = 0,93 (tabela 40)
 Fator de correção de agrupamento = 0,60 (tabela 45 – verificar porque não foi usada tabela 42)

143
Icorrig.   256 A
0,93  0,60

Escolha pela capacidade de corrente:


Cabo de cobre isolação EPR 0,6/1 kV, seção de 150mm2 (conforme tabela 37 da NBR
5410/04 – cabo 150 mm2 EPR tem capacidade de condução de 271A no modo de instalar D).

b)- Cálculo da suportabilidade do cabo em relação ao curto circuito

S I x t_
K
I = 32000 (A) – valor de Icc do painel que alimenta o motor
T = 0,04 (s) – considerado atuação do disjuntor em 40 ms
K = 143 (tabela 30)
S  44,76 mm2
Escolha pelo curto circuito: A seção mínima calculada para o nível de curto circuito é 50 mm2
.

c)- Cálculo da queda de tensão na partida (considerando o cabo de 150 mm2)

V (%)  ( 3 * I * L * Rca * cos   Xl * sen   100)  Vn


Onde:
ΔV(%) = queda de tensão percentual
Rca = 0,1612 Ω/km
Xl = 0,084 Ω/km
Ip = 3 x In = 429 A (Considerando corrente de partida 3 vezes a corrente nominal através de
soft starter)
L = 0,15 km
cos  = 0,15
Vn = 380V
ΔV (%) = 3,15 %
A queda de tensão percentual calculada na partida é 3,15 %. Aqui deve ser verificada a queda
de tensão desde o secundário do transformador até o dispositivo de partida (conforme NBR-
5410 este valor deve ser menor que 10%). A NBR-5410 não cita a queda de tensão limite na
partida entre o dispositivo de partida e o motor, ou seja, no circuito alimentador do motor. O valor
de referência utilizado é de 10%, então os 3.15% atendem (desde que a queda de tensão desde
o secundário do transformador até o dispositivo de partida seja menor de 10%).

d)- Cálculo da queda de tensão em regime (considerando o cabo de 150 mm2)

V (%)  ( 3 * I * L * Rca * cos   Xl * sen   100)  Vn

Onde:
ΔV(%) = queda de tensão percentual
Rca = 0,1612 Ω/km
Xl = 0,084 Ω/km
in = 143 A
L = 0,15 km
cos  = 0,85

Vn = 380V
ΔV(%) = 1,78
A queda de tensão percentual calculada em regime é de 1,78 %. Aqui deve ser verificada a
queda de tensão total desde o secundário do transformador até a carga final (valor deve ser
menor que 7%). A NBR-5410 cita que circuitos terminais devem possuir no máximo 4% de queda
de tensão, então os 1,78% atendem (desde que a queda total até o secundário do transformador
seja menor que 7%).

e)- Cálculo do condutor de proteção (PE)

S I x t_
K
I = 32000 (A) – valor de Icc do painel que alimenta o motor
T = 0,04 (s) – considerado atuação do disjuntor em 40 ms
K = 115 (tabela 55)
S  55,65 mm2
Escolha pelo cálculo: 70 mm2 .
Escolha pela tabela 58: S/2 = 150 / 2 = 75mm2 95mm2
Cabo PE escolhido: 70 mm2

f) Verificação do critério de sobrecarga

Ib (corrente de projeto) = 143A


Iz (capacidade de condução de corrente dos condutores) = 271 x FCA x FCT = 151,2
In (corrente nominal disjuntor)

Primeira condição: Ib =< In =< Iz

In disjuntor escolhido = 150A

Segunda condição: I2 =< 1,45 Iz

Disjuntor 150A fabricado conforme NBR-IEC-60.947-2


I2 = 1,3 x In

1,3 x In =< 1,45 x Iz


1,3 x 150 =< 1,45 x 151,2
195A <= 219,2A (OK condição atendida)

f) Verificação do critério de seccionamento automático

U0 = tensão fase neutro (V) = 220V


Sfases = seção nominal das fases = 150 mm2
Zfases = 0,16 Ω/km + j0,08 Ω/km
L = 0,15 Km
Zfases = 0,024 + j 0,012 Ω
Spe = seção nominal do condutor de proteção = 70 mm2
Zpe = 0,32 Ω/km + j0,10 Ω/km
L = 0,15 Km
Zpe = 0,048 + j 0,015 Ω

If = 0,8 x U0 / Zfase + Zpe

If = 0,8 x 220 / ((0,024 + j 0,012) + (0,048 + j0,015))

If = 2289 A

O dispositivo de proteção (disjuntor) deve seccionar o circuito para uma corrente de 2289 A em
um tempo menor que 200 ms (U0 = 220V para condição 2 – corpo molhado)
A corrente de disparo instantâneo do disjuntor (conforme exemplo de um fabricante) é 12 x In =
12 x 150 = 1800A. O tempo de secionamento instantâneo do disjuntor é da ordem de 20ms.
Logo, para uma corrente de 2289 este disjuntor fará o seccionamento em um tempo menor que
200 ms.

4 CABOS DEFINIDOS

Cabo de cobre isolação EPR 0,6/1 kV, seção #150mm2, tipo multipolar, classe 5 de
encordoamento. Cabo terra #70mm2 PVC 750V.