Você está na página 1de 32

Manuel Castells e a Sociedade em Rede

O poder na sociedade em rede é o poder da comunicação


Manuel Castells

Manuel Castells é um sociólogo espanhol e um dos estudiosos da comunicação


contemporânea mais proeminentes. Sua obra mais importante é intitulada "A sociedade em
rede", primeiro volume da trilogia Era da Informação.

Durante os anos 1970, Castells participou no desenvolvimento da sociologia urbana Marxista.


Nesse momento desenvolveu o conceito de "consumo coletivo" para compor um amplo
alcance dos esforços sociais, deslocado do campo econômico para o campo político pela
intervenção do Estado.

Na década seguinte, no entanto, o abandona as estruturas Marxistas e passa a estudar as novas


tecnologias de informação e comunicação na reestruturação econômica. Nos anos 1990, lança
sua trilogia Era da Informação.

Sociedade em Rede
A confluência de fatores sociais, políticos e econômicos que, conjugados com as novas
tecnologias da comunicação, permitiu a ascensão da sociedade pós-industrial para a atual
sociedade em rede. A sociedade em rede, caracterizada por uma mudança na forma de
organização social, foi possibilitada pelo surgimento das tecnologias de informação num
período de coincidência temporal com uma necessidade de mudança econômica (a
globalização das trocas e movimentos financeiros) e social (a procura de afirmação das
liberdades e valores de escolha individual).

Em A Sociedade em Rede, Castells mapeia um cenário mediado pelas novas tecnologias de


informação e comunicação e como estas interferem nas estruturas sociais, além de propor o
conceito de Capitalismo Informacional:

Capitalismo Informacional: A sociedade da virada do século XX para o século XXI


vivencia uma realidade de novas práticas sociais geradas pelas mudanças decorrentes
da “revolução tecnológica” concentrada nas tecnologias de informação. A tecnologias,
inicialmente impulsionadas pelas pesquisas militares, foram amplamente utilizadas
pelo setor financeiro quando houve a necessidade de reestruturação do capitalismo.
Segundo Castells, a tecnologia da informação é o paradigma das mudanças sociais
que reestruturaram o modelo capitalista a partir dos anos 80.

No capitalismo informacional há uma interação dialética entre tecnologia e sociedade,


na qual a importância da tecnologia está em incorporar a sociedade. Nesse contexto, a
sociedade utiliza a inovação tecnológica, mas não a determina. (Em oposição ao
conceito de indústria cultural, da Escola de Frankfurt, no qual a sociedade determina a
produção da cultura, ou seja, a cultura está subjugada às leis capitalistas da "oferta e
demanda" sociais.)

Castells apresenta também uma formulação teórica que chama de Cultura da Virtualidade
Real:

Cultura da Virtualidade Real - Uma vez que as culturas consistem processos de


comunicação e que a comunicação é baseada em sinais, não há separação entre
"realidade" e representação simbólica. Por isso, as relações humanas ocorrerão cada
vez mais em um ambiente multimídia. Para Castells, a cultura da virtualidade real é
formada por processos de comunicação digital nas quais o domínio está na
diversidade, na construção de um novo ambiente simbólico no qual todas as
expressões culturais, da pior à melhor, da mais elitista à mais popular, vêm juntas
nesse universo digital que liga, em um supertexto histórico gigantesco, as
manifestações passadas, presentes e futuras da mente comunicativa. Castells
demonstra que não existe muita diferença entre real e virtual e a influência de um
sobre o outro. O que caracteriza o novo sistema de comunicação, baseado na
integração em rede digitalizada de múltiplos modos de comunicação, é sua capacidade
de inclusão e abrangência de todas as expressões culturais. Esse novo sistema de
comunicação transforma radicalmente o espaço e o tempo, que são as dimensões
fundamentais da vida humana. Localidades ficam despojadas de seu sentido cultural,
histórico e geográfico e reintegram-se em redes funcionais ou em colagens de
imagens, ocasionando um espaço de fluxos que substitui o espaço de lugares. O tempo
é apagado no novo sistema de comunicação já que passado, presente e futuro podem
ser programados para interagir entre si na mesma mensagem. A realidade é
inteiramente captada, totalmente imersa em uma composição de imagens virtuais no
mundo do faz-de-conta. Nele, as aparências não apenas se encontram na tela
comunicadora da experiência, mas se transformam na experiência.

Castells trata ainda do conceito de Governança Transnacional

Governança Transnacional - Entre os desdobramentos marcantes verificados em


decorrência de a sociedade estar conectada em redes, pode-se destacar que sua
influência reforça o conceito de partilha de soberania entre os Estados (então
soberanos), para resolver assuntos complexos de dimensão internacional. Para
Castells estamos em um período de transição no qual a sociedade está conectada em
nível global e os Estados organizados em nível nacional. Nesse cenário, vislumbra-se
uma relativização da soberania dos Estados e uma governança transnacional, como
forma de tratar conjuntamente os assuntos de interesse global. Esse novo tipo de
estado Castells chama de Estado em Rede:

Estado em Rede - Nele, a governação é realizada numa rede, de instituições políticas


que partilham a soberania em vários graus, que se reconfigura a si própria numa
geometria geopolítica variável. A influência tecnológica global do Século XXI está a
adentrou a esfera da soberania dos Estados contemporâneos, devido à complexidade
de determinados assuntos de interesse mundial quem transbordam os limites físicos e
espaciais de determinado Estado e exigem a relativização da sua soberania, a fim de
possibilitar a atuação concertada em assuntos cuja solução depende de todos.

Conceito de Rede
Castells dedica as primeiras páginas da conclusão de seu livro “A sociedade em rede” na
definição de Rede:

“A rede desempenha papel central na sociedade da era da informação. Rede é um


conjunto de nós interconectados. Nó é o ponto no qual uma curva se entrecorta.
Concretamente, o que um nó é depende do tipo de redes concretas de que falamos. [...]
São sistemas de televisão, estúdios de entretenimento, meios de computação gráfica,
equipe para a cobertura jornalística e equipamentos móveis gerando, transmitindo e
recebendo sinais na rede global da nova mídia no âmago da expressão cultural e da
opinião pública, na era da informação. A topologia definida por redes determina que a
distância (ou intensidade e frequência da interação) entre dois pontos (ou posições
sociais) é menos (ou mais frequente, ou mais intensa), se ambos os pontos forem nós.
Portanto, a distância (física, social, econômica, política, cultural) para um
determinado ponto ou posição varia entre zero (para qualquer nó da mesma rede) e
infinito (para qualquer ponto externo à rede). A inclusão/ exclusão em redes e a
arquitetura das relações entre redes, possibilitadas por tecnologias da informação que
operam à velocidade da luz, configuram os processos e funções predominantes em
nossas sociedades.

Redes são estruturas abertas capazes de expandir de forma ilimitada, integrando novos
nós desde que consigam comunicar-se dentro da rede, ou seja, desde que
compartilhem os mesmos códigos de comunicação (por exemplo, valores ou objetivos
de desempenho). Uma estrutura social com base nas redes é um sistema aberto
altamente dinâmico suscetível de inovação sem ameaças ao seu equilíbrio. Redes são
instrumentos apropriados para:

 a economia capitalista baseada na inovação, globalização e concentração


descentralizada;

 o trabalho, trabalhadores e empresas voltadas para a flexibilidade e adaptabilidade;

 uma cultura de desconstrução e reconstrução contínuas;

 uma política destinada ao processamento instantâneo de novos valores e humores


públicos;

 uma organização social que vise a suplantação do espaço e invalidação do tempo.

Mas a morfologia da rede também é uma fonte de drástica reorganização das relações de
poder. As conexões que ligam as redes (por exemplo, fluxos financeiros assumindo o
controle de impérios da mídia que influenciam os processos políticos) representam os
instrumentos privilegiados do poder. Assim, os conectores são os detentores do poder.
Uma vez que as redes são múltiplas, os códigos interoperacionais e as conexões entre
redes tornam-se as fontes fundamentais da formação, orientação e desorientação das
sociedades. A convergência da evolução social e das tecnologias da informação criou uma
nova base material para o desempenho de atividade em toda a estrutura social. Essa base
material construída em redes define os processos sociais predominantes,
consequentemente dando forma à próprias estrutura social”. (CASTELLS, 2012)
Paradigma tecnológico
O conceito de paradigma tecnológico ajuda a organizar a essência da transformação
tecnológica atual à medida em que ela interage com a economia e a sociedade. Para Castells
os aspectos centrais do paradigma da tecnologia da informação que influenciam a
transformação social e que representam a base material da sociedade da informação são:

 A informação como matéria-prima - As tecnologias agem sobre a informação e não


somente o contrário, como ocorreu em revoluções anteriores;

 Penetrabilidade dos efeitos das novas tecnologias - A informação é parte integral da


atividade do homem e, desta forma todos os processos relacionados com a sua
existência (individual e coletiva) se moldam pelo meio tecnológico;

 Predomínio da lógica de redes - A rede pode ser implementada materialmente em


todos os tipos de processos e organizações graças a recentes tecnologias da
informação. A lógica de redes é necessária para estruturar o não-estruturado (força
motriz da inovação na atividade humana), preservando a flexibilidade. O que
distingue a configuração do novo paradigma tecnológico é sua capacidade de
reconfiguração, um aspecto decisivo em uma sociedade caracterizada por constante
mudança e fluidez organizacional. Essa lógica de redes é necessária para estruturar o
não-estruturado, porém preservando a flexibilidade, pois o não-estruturado é a força-
motriz da inovação da atividade humana. As vantagens de estar em redes, com a sua
expansão, crescem na mesma proporção – a penalidade por estar fora da rede está no
fato de que se diminui a possibilidade de alcançar elementos fora dela, na medida em
que muitos estão já conectados (CASTELLS);

 Flexibilidade - O Paradigma da tecnologia da informação se baseia no conceito de


flexibilidade. Não apenas os processos são reversíveis, mas organizações e
instituições podem ser modificadas, e até mesmo fundamentalmente alteradas, pela
reorganização de seus componentes. A flexibilidade tanto pode ser uma força
libertadora como também uma tendência repressiva, se os definidores das regras
sempre forem os poderes constituídos. “As redes são criadas não apenas para
comunicar, mas para ganhar posições, para melhorar a comunicação (MULGAN,
1991)”; e
 Convergência Tecnológica - A convergência de tecnologias específicas para um
sistema altamente integrado, que se caracteriza pela impossibilidade de distinguir, em
separado, as etapas da evolução tecnológica no passado. Pode se considerar, portanto,
como integrados no sistema de informação, a microeletrônica, as telecomunicações, a
optoeletrônica e os computadores. Para Castells, haverá um tempo em que um desses
elementos não poderá ser imaginado sem se considerar o outro. O desenvolvimento da
Internet está invertendo a relação entre a comutação de circuitos e troca de pacotes
nas tecnologias da comunicação, para que a transmissão de dados se torne uma forma
de comunicação predominante e universal.

Cultura da Internet

A cultura da Internet é a cultura dos criadores da Internet. Por cultura entende-se um conjunto
de valores e crenças que formam o comportamento; padrões repetitivos de comportamento
geram costumes que são repetidos por instituições, bem como por organizações sociais
informais.

Em seu livro, A Galáxia da Internet (2001), Castells define a cultura da Internet em quatro
camadas ou níveis:

 cultura tecnomeritocrática;

 cultura hacker;

 cultura comunitária virtual; e

 cultura empresarial.

O conceito de tecnomeritocrácia surge a partir da ideia de que o desenvolvimento científico e


tecnológico é elemento decisivo no progresso da humanidade, que se relaciona às ideias do
Iluminismo, envolvendo a obtenção de conhecimentos acadêmicos para o desenvolvimento
das redes. A cultura tecnomeritocrática pode ser definida como "uma cultura hacker ao
incorporar normas e costumes a redes de cooperação voltadas para projetos tecnológicos". O
termo tecno, que se refere ao meio digital, é colocado no âmbito da meritocracia.
Geografia da internet

O termo estabelece conceitos geográficos que servem de ferramentas de aprofundamento nos


estudos das redes que conectam o mundo. Com isso, é possível esquematizar um formato que
permite separar as diferentes ideias e conceitos, que, no fim, acabam por tomar uma forma
geral, por estarem inseridas num mesmo contexto e teoria. Castells divide sua teoria em três
partes:

 Geografia técnica;

 Geografia dos utilizadores; e

 Geografia econômica.

O Poder da Comunicação
o “código fonte” de qualquer sociedade está nas relações de poder.

Nessa obra, Castells detalha os fios que unem a sociedade em rede: a comunicação e a
informação, relacionando-as com os conceitos de poder e política. Nesse contexto, o poder
estaria baseado no controle da informação e da comunicação, seja ele o poder macro do
Estado e da mídia, ou o poder micro de organizações, como os movimentos sociais.
Para o autor, onde há poder, há contrapoder. Onde há dominação há resistência. E dessas
relações surgem compromissos parciais que geram mudanças e novas normas. Por isso, não
se toma o poder, porque ele é uma relação. E esse poder, essa capacidade relacional é usada
para influenciar os valores e interesses dos que possuem poder. Nesse momento surge o que
chama de “batalha para influenciar nossas mentes”.
O autor aborda por que, como e por quem as relações de poder são construídas e exercidas na
sociedade, e de que forma elas podem ser alteradas por atores sociais que desejam mudanças
sociais e se mobilizam para enfrentar à institucionalização de normas e regras visando
provocar mudanças sociais. É estabelecida então, uma dinâmica de poder e contrapoder, entre
o poder já estabelecido na sociedade, suas instituições e capacidade reprodutiva, e os
desafiantes desse poder, os atores sociais (indivíduos, comunidades, organizações) que não
vêm seus interesses e valores representados, mas podem se reunir em movimentos sociais
que, “através da história, [...] foram, e continuam sendo, as alavancas de mudança social”

A obra se divide em 5 capítulos:


1. O poder na sociedade em rede

2. A comunicação na era digital


3. Redes de mente e poder

4. Programando as redes de comunicação: política mediática, política do escândalo e


crise da democracia
5. Reprogramando as redes de comunicação: movimentos sociais, política insurgente e o
novo espaço público

1. O poder na sociedade em rede


“Construir uma teoria sobre o poder da sociedade em rede, equivale a uma teoria do poder da
comunicação”.

O poder da comunicação está no âmago da estrutura e da dinâmica da sociedade. A


comunicação de massa é moldada e administrada por relações de poder e tem raízes nos
negócios da mídia e nas políticas do Estado. Nesse capítulo, Castells discute sobre a Teoria
do Poder buscando entender a realidade social e relacionar com os conceitos de redes e
sociedade em rede.

Com o surgimento das redes digitais globais de comunicação o processo de formação e


exercício das relações de poder é transformado de forma decisiva.

As relações de poder são caracterizadas pela dinâmica entre poder e contra poder, ou seja,
entre a reprodução do poder incorporado as instituições e os desafios a esse poder oriundos
de atores sociais não veem seus interesses e valores suficientemente representados por elas.
Ou seja, o poder depende do controle da comunicação, assim como o contrapoder depende do
rompimento desse controle.

Para Castells, as relações de poder são construídas nas mentes humanas por meio de
processos de comunicação, a moldagem das mentalidades das pessoas é uma forma decisiva
e duradoura de dominação. Mais que a intimidação ou violência.

O poder é imposto pelas instituições. O contra poder é mais frequentemente exercitado pela
ascensão dos movimentos sociais. Que continuam sendo as alavancas de mudança social.

A mudança social envolve uma ação, individual e/ou coletiva, que, em sua raiz, tem
motivação emocional. Como acontece com todo o comportamento humano.

Quando o processo de ação comunicativa induz a ação coletiva e a mudança é promovida, a


emoção positiva mais potente prevalece; o entusiasmo, que alimenta a mobilização social
propositada. A mudança social resulta da ação comunicativa que envolve a conexão entre
redes de redes neurais dos cérebros humanos estimuladas por sinais de um ambiente
comunicativo por meio das redes de comunicação.

Ascensão das redes de comunicação digital como forma prevalente de interação humana
mediada fornece o novo contexto, no cerne da sociedade em rede como uma nova estrutura
social, na qual os movimentos sociais do século XXI estão sendo formados.

2. A comunicação na era digital


“a internet agora se tornou uma política de ferramenta institucional tão central quanto a
televisão”.

Castells coloca o poder como “o processo mais fundamental na sociedade, já que a sociedade
é definida em torno de valores e instituições e o que é valorizado e institucionalizado é
definido pelas relações de poder”.

Para o autor, o poder atua sobre a mente humana por meio de mensagens comunicativas
(informação). Desse modo, é necessário entender como a mente humana processa essas
mensagens e como isso se traduz em ações na esfera política, desde a dimensão política
individual até a dimensão política coletiva.

Nesse contexto, a internet permanece como um modo de comunicação bastante autônomo aos
seus usuários, mesmo estando nas mãos de grandes organizações privadas. Isso ocorre porque
essa tecnologia digital permite que indivíduos e outras organizações “menores” gerem seus
próprios conteúdos informacionais e os distribuam no ciberespaço, rompendo esse controle
comercial e governamental.

Trata-se de uma sociabilidade reconstruída na relação entre individualismo conectado e


comunidade, por meio da busca de indivíduos que possuem mentes semelhantes em um
processo que combina interação on line com interação off line, ciberespaço e espaço local.

Autocomunicação de Massa

Com a difusão da internet, surgiu uma nova forma de comunicação interativa, caracterizada

pela capacidade de enviar mensagens de muitos para muitos, em tempo real ou no tempo
escolhido, e com a possibilidade de usar a comunicação entre dois pontos em transmissões

especializadas. Castells denominou essa forma de comunicação de autocomunicação de

massa. É comunicação de massa porque tem um potencial de atingir um público global, e ao

mesmo tempo é autocomunicação porque a produção da mensagem é autogerada, a definição

dos receptores potenciais é autodirecionada e a recuperação das mensagens específicas, do

conteúdo da Internet e de redes eletrônicas de comunicação é autosselecionada.

As três formas de comunicação interpessoal, comunicação de massa e autocomunicação de

massa coexistem, interagem e se complementam em vez de ser substituirem.

Castells denomina autocomunicação como uma maneira de produzir, acessar e compartilhar

mensagens (conteúdos) sem mediação. Em oposição aos meios de comunicação (à mídia), é

baseada nas redes sociais. A autocomunicação é um conceito devedor da Internet, dos

dispositivos móveis. O fundamento de uma nova comunidade, uma nova comunicação, pode

ser buscado nas redes sociais.

Redes de mente e poder

Castells analisa as relações entre três conceitos: emoção, cognição e política. O autor coloca
ainda que a mudança social tem sua raiz na motivação emocional, individual ou coletiva. Um
dos “gatilhos” sociais para a mobilização pode ser a raiva, constantemente aumentada pela
percepção de uma injustiça e pela necessidade da identificação do responsável pela situação.
A partir do compartilhamento e da descoberta de outras pessoas com o mesmo sentimento, a
interação e a ação comunicativa crescem e induzirá na proposição de ações coletivas.

Programando as redes de comunicação: política mediática, política do escândalo


e crise da democracia

No quarto capítulo Castells explica por que na sociedade em rede a política é


fundamentalmente a política da mídia (e do escândalo), e as mensagens, as organizações e os
líderes que não têm uma presença na mídia não existem na mente pública. Assim, aqueles que
transmitem suas mensagens aos cidadãos, através das tecnologias disponíveis, têm a
oportunidade de influenciar suas decisões de maneiras que levam a seu próprio acesso às
posições de poder no Estado.

Essa política do escândalo, para Castells acabou produzindo efeitos variáveis. As crises de
legitimidade, o descrédito da política e a desconfiança generalizada, efeitos que se buscam
com essa política, acabam colidindo com o que o autor chama de “fadiga do escândalo”,
efeito colateral que faz com que todos apareçam como igualmente corruptos. Novas formas
surgem, então, deste desgaste da relação entre comunicação e poder, de uma crise de
legitimidade da política midiática, institucionalizada.

Contudo, Castells é confiante em uma autocomunicação de massas, numa sociedade disposta


a produzir mudanças. Para ele não há separação entre o mundo virtual e o real, pois vivemos
num mundo híbrido. Tudo que fazemos é ao mesmo tempo virtual é físico, real, concreto.
Cada vez mais o debate das questões do poder e da comunicação ser fará via Internet. O
grande passo, para Castells, está na passagem da esfera institucional para a esfera
comunicativa.

Reprogramando as redes de comunicação: movimentos sociais, política


insurgente e o novo espaço público

O capítulo 5 explora como os movimentos sociais e outros agentes de transformação social


atuam em nossa sociedade por meio da reprogramação das redes de comunicação, ao
transmitirem mensagens que introduzem novos valores nas mentes das pessoas, inspirando a
esperança de mudança.

Para Castells, os movimentos sociais que têm como objetivo a mudança cultural deveriam
propor uma política insurgente, incorporando atores mobilizados para a mudança em um
sistema que eles seguiam antes, resistindo contra ações que agora consideram injustas,
imorais ou mesmo ilegítimas.

Castells ressalta que o surgimento das novas formas de comunicação em rede aumenta as
oportunidades de mudança social, dependendo obviamente da cultura, da organização, e da
cognição do indivíduo (como ele constrói, em sua mente, as relações de poder que podem ser
resultantes dessas oportunidades). Castells explora as fontes das relações de poder político
em nosso mundo, tentando conectar a dinâmica estrutural da sociedade em rede e a
consequente interação entre emoção, cognição e comportamento.

Bibliografia
CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede (a era da informação: economia, sociedade e
cultura). São Paulo: PAz e Terra, 1999.
CASTELLS, Manuel. O poder da comunicação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.
21/05/2019 Imprimir questões

Prova: Fundunesp

1 Ano: 2012    Banca: VUNESP    Cargo: Jornalismo/ Repórter


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

As novas tecnologias são fatores de aceleração da globalização. Elas permitem a combinação de


textos, imagens e sons no mesmo sistema, e possibilitam o acesso dessas informações em
lugares remotos. São causa de uma nova ordem social chamada por Manuel Castells de
a) Transnacionalidade.
b) Sociedade em Rede.
c) Comunidade Digital.
d) Hiperlocalidade.
e) Sociedade da Informação.

Prova: SERPRO

2 Ano: 2008    Banca: CESPE    Cargo: Comunicação Social


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

A concepção historicamente determinada do conceito de indústria cultural atualmente é


reforçada pelo conceito de capitalismo informacional, citado por Manuel Castells (A Sociedade
em Rede), com os mesmos pressupostos da Escola de Frankfurt.
a) Errado
b) Certo

Prova: Ministério Público do Estado de Rondônia

3 Ano: 2005    Banca: CESGRANRIO    Cargo: Jornalismo


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Apoiado em conceitos de Barthes e Beaudrillard, o sociólogo espanhol Manuel Castells a rma


que as culturas são formadas por processos:
a) econômicos.
b) sociais.
c) jurídicos.
d) populares.
e) de comunicação.

Prova: Defensoria Pública do Estado de São Paulo

4 Ano: 2009    Banca: FCC    Cargo: Comunicação Social


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Segundo Manuel Castells, as transformações que nos levam à sociedade da informação, estão
em estágio avançado nos países industrializados e de nirão um paradigma, o da tecnologia da
informação, que interfere nas relações sociais e na economia. Para o autor, as características

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%5D=&q%5Bproof_competitio… 1/5
21/05/2019 Imprimir questões

fundamentais desse paradigma são: 


a) a comunicação interativa é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm média penetrabilidade;
predomínio da lógica de redes comunitárias; exibilidade; crescente convergência de tecnologias.
b) a informação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm alta penetrabilidade política; predomínio
da lógica de redes na economia; exibilidade das relações políticas; crescente convergência de tecnologias.
c) a comunicação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm alta penetrabilidade; predomínio da
relação pessoal face-a-face; in exibilidade tecnológica; crescente convergência de tecnologias.
d) a educação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm baixa penetrabilidade; predomínio da
lógica de redes; exibilidade; crescente convergência de tecnologias.
e) a informação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm alta penetrabilidade; predomínio da
lógica de redes; exibilidade; crescente convergência de tecnologias.

Prova: Câmara dos Deputados

5 Ano: 2007    Banca: CESPE    Cargo: Técnico em Comunicação Social/ Divulgação Institucional
Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Um dos pilares da obra de Manuel Castells (A Sociedade em Rede) está na conclusão de que “a
presença na rede ou a ausência dela e a dinâmica de cada rede em relação às outras são fontes
cruciais de dominação e transformação de nossa sociedade: uma sociedade que, portanto,
podemos apropriadamente chamar de sociedade em rede, caracterizada pela primazia da
a) morfologia social sobre a economia”.
b) responsabilidade social sobre a ação social”.
c) morfologia social sobre a ação social”.
d) economia sobre os conceitos de responsabilidade social”.
e) ação social sobre a morfologia social”.

Prova: Petrobras

6 Ano: 2005    Banca: CESGRANRIO    Cargo: Jornalismo Jr.


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Segundo CASTELLS, a cultura contemporânea é formada por processos: 


a) comunicacionais.
b) produtivos.
c) educacionais.
d) comunitários.
e) constitucionais.

Prova: Secretaria de Estado da Administração, Recursos Humanos e Previdência

7 Ano: 2005    Banca: CESGRANRIO    Cargo: Comunicador Social


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Na era digital, empresas públicas e privadas, fazem uso do uxo de informações existentes na
Internet, caracterizando o que Castells (1988) chama de cidade global. Isto signi ca que os(as): 
a) conexões se enchem de ruídos, impedindo um uxo democrático das informações de interesse comunitário.
b) nós informativos atrapalham o desenvolvimento regional e transmitem preconceitos sobre as localidades.

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%5D=&q%5Bproof_competitio… 2/5
21/05/2019 Imprimir questões

c) regiões e as localidades subsistem e cam integradas nas redes internacionais que ligam seus setores mais
dinâmicos.
d) sistemas de vida das periferias perdem espaço na mídia e só reproduzem o que as redes informativas produzem.
e) sistemas locais e regionais cam subordinados a um centro gerador de informações de interesse especí co.

Prova: Defensoria do Estado de São Paulo

8 Ano: 2009    Banca: FCC    Cargo: Comunicação Social


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Segundo Manuel Castells, as transformações que nos levam à sociedade da informação, estão
em estágio avançado nos países industrializados e de nirão um paradigma, o da tecnologia da
informação, que interfere nas relações sociais e na economia. Para o autor, as características
fundamentais desse paradigma são: 
a) a comunicação interativa é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm média penetrabilidade;
predomínio da lógica de redes comunitárias; exibilidade; crescente convergência de tecnologias.
b) a informação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm alta penetrabilidade política; predomínio
da lógica de redes na economia; exibilidade das relações políticas; crescente convergência de tecnologias.
c) a comunicação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm alta penetrabilidade; predomínio da
relação pessoal face-a-face; in exibilidade tecnológica; crescente convergência de tecnologias.
d) a educação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm baixa penetrabilidade; predomínio da
lógica de redes; exibilidade; crescente convergência de tecnologias.
e) a informação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm alta penetrabilidade; predomínio da
lógica de redes; exibilidade; crescente convergência de tecnologias.

Prova: Dataprev

9 Ano: 2009    Banca: COSEAC    Cargo: Analista de Tecnologia da Informação - Jornalismo


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Castells, o autor de O ser em rede, citado por Barbeiro, diz que o capitalismo está passando por
uma nova fase, a da economia apoiada na comunicação e no desenvolvimento tecnológico, a
que deu o nome de: 
a) enredamento comunicacional.
b) rede de próteses virtuais;
c) capitalismo globalizado;
d) rede tecno- nanceira;
e) capitalismo informacional;

Prova: Assembléia Legislativa do Estado de Tocantins

10 Ano: 2005    Banca: CESGRANRIO    Cargo: Consultor Legislativo - Relações Públicas


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Assinale a a rmação correta a respeito da fase por que passa, atualmente, a Internet, de acordo
com o sociólogo Manuel Castells. 
a) Com a ligação internacional em rede dos computadores, a mídia está sendo muito usada por todas as classes
sociais, o que favorece mais oportunidades de as pessoas se informarem.

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%5D=&q%5Bproof_competitio… 3/5
21/05/2019 Imprimir questões

b) Com a produção de um aparato multimídia facilitado pela tecnologia, a Internet está possibilitando, no Brasil, a
pirataria de textos e di cultando a qualidade dos sites jornalísticos.
c) A popularização da Internet é democrática para todas as classes sociais pelo mundo afora, inclusive no Brasil,
facilitando a comunicação entre ricos e pobres.
d) A Internet está proporcionando a globalização dos veículos de comunicação sem acréscimos criativos para a
produção de reportagens na mídia.
e) A difusão da máquina impressora no Ocidente criou o que Marshall McLuhan (1912-80) chamou de “Galáxia de
Gutenberg”, enquanto agora se ingressou na “Galáxia da Internet”, com a difusão da tecnologia multimídia.

Prova: Assembléia Legislativa do Estado de Tocantins

11 Ano: 2005    Banca: CESGRANRIO    Cargo: Consultor Legislativo - Relações Públicas


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

A Internet é uma grande aliada do trabalho do pro ssional de Relações Públicas, ajudando-o na
comunicação dentro e fora da empresa. Segundo o sociólogo Manuel Castells, a Internet foi
criada: 
a) nos EstadosUnidos,com a disseminação do world wide web (www), em 1995.
b) a partir de uma rede de computadores montada pela Advanced Research Projects Agency (ARPA), em 1969, nos
Estados Unidos.
c) com a intenção de uso militar por parte de governos europeus, na década de 50 do séc. XX.
d) com a espionagem aos programas soviéticos na década de 50 do séc. XX.
e) como conseqüência das pesquisas cientí cas européias na área de processamento de dados.

Prova: Defensoria Pública da União

12 Ano: 2010    Banca: CESPE    Cargo: Publicidade e Propaganda


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Considerando a atual revolução tecnológica, segundo Castells,

a) a tecnologia da informação é, para esta revolução, o que as novas fontes de energia foram para as revoluções
industriais sucessivas, visto que a geração e a distribuição de energia foram elementos essenciais na base da
sociedade industrial.
b) o cerne da transformação que a sociedade está vivendo na atual revolução tecnológica está ligado aos produtos,
à ciência e à comunicação.
c) uma das características dessa revolução é a centralidade de conhecimentos e informação.
d) as novas tecnologias da informação se constituem de ferramentas autônomas, aplicadas de maneira
independente, pouco atreladas aos processos decorrentes do uso dessas mesmas ferramentas.
e) computadores, sistemas de comunicação, decodi cação e programação genética tornam-se dispositivos cada vez
mais distanciados da ação e do pensar humano.

Prova: Defensoria Pública da União

13 Ano: 2010    Banca: CESPE    Cargo: Publicidade e Propaganda


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%5D=&q%5Bproof_competitio… 4/5
21/05/2019 Imprimir questões

A rmo que, por meio da poderosa in uência do novo sistema de comunicação, mediado
por interesses sociais, políticas governamentais e estratégias de negócios, está surgindo
uma nova cultura: a cultura da virtualidade real. Manuel Castells. A sociedade em rede. São
Paulo: Paz e Terra, 2008 (com adaptações).

Com relação ao conceito de cultura da virtualidade real, de Castells, assinale a opção


correta.

a) É importante para os diferentes tipos de efeitos sociais que haja o desenvolvimento de um sistema multimídia
centralmente distribuído como na con guração do vídeo sob demanda.
b) A realidade é inteiramente captada, totalmente imersa em uma composição de imagens virtuais no mundo do
faz-de-conta. Nele, as aparências não apenas se encontram na tela comunicadora da experiência, mas se
transformam na experiência.
c) Nesse novo sistema de comunicação, os interagentes e os receptores da interação - conforme de nição do
próprio Castells - são aqueles que mais sofrem as consequências dos processos de dominação da sociedade
informacional contemporânea.
d) Em razão da existência desse novo sistema de comunicação, todas as espécies de mensagens do novo tipo de
sociedade funcionam em um modo unitário, fortalecendo sua presença no sistema multimídia de comunicação.
e) O espaço de uxos e o tempo intemporal, de nidos por Castells, são as bases principais de uma cultura que
combate a diversidade dos sistemas de representação historicamente transmitidos.

Prova: Ministério Público da União

14 Ano: 2010    Banca: CESPE    Cargo: Comunicação Social


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Manuel Castells considera que, em uma sociedade em redes, o poder de comunicação do


público é relacional, por isso, ele recomenda que se exerça in uência e se defendam
valores nos espaços comunais.
a) Errado
b) Certo

Gabarito
1: b 2: a 3: e 4: e 5: c 6: a 7: c 8: e 9: e 10: e 11: b 12: a 13: b 14: b

Comuniqueiro comuniqueiro.com.br

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%5D=&q%5Bproof_competitio… 5/5
21/05/2019 Imprimir questões

Prova: Fundunesp

1 Ano: 2012    Banca: VUNESP    Cargo: Jornalismo/ Repórter


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

As novas tecnologias são fatores de aceleração da globalização. Elas permitem a combinação de


textos, imagens e sons no mesmo sistema, e possibilitam o acesso dessas informações em
lugares remotos. São causa de uma nova ordem social chamada por Manuel Castells de
a) Transnacionalidade.
b) Sociedade em Rede.
c) Comunidade Digital.
d) Hiperlocalidade.
e) Sociedade da Informação.

Gabarito: b

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |
- Sociedade em Rede -

A con uência de fatores sociais, políticos e econômicos que, conjugados com as novas tecnologias da comunicação, permitiu a
ascensão da sociedade pós-industrial para a atual sociedade em rede. A sociedade em rede, caracterizada por uma mudança na
forma de organização social, foi possibilitada pelo surgimento das tecnologias de informação num período de coincidência
temporal com uma necessidade de mudança econômica (a globalização das trocas e movimentos nanceiros) e social (a procura
de a rmação das liberdades e valores de escolha individual).

Em A Sociedade em Rede, Castells mapeia um cenário mediado pelas novas tecnologias de informação e comunicação e como
estas interferem nas estruturas sociais.

Prova: SERPRO

2 Ano: 2008    Banca: CESPE    Cargo: Comunicação Social


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

A concepção historicamente determinada do conceito de indústria cultural atualmente é


reforçada pelo conceito de capitalismo informacional, citado por Manuel Castells (A Sociedade
em Rede), com os mesmos pressupostos da Escola de Frankfurt.
a) Errado
b) Certo

Gabarito: a

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |

ERRADO - Os conceitos de Indústria Cultural e Capitalismo Informacional não possuem os mesmos pressupostos.

- Indústria Cultural -

Na indústria cultural, o indivíduo deixa de decidir autonomamente e adere acríticamente aos valores impostos. Para Adorno, o
www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&comments_enabled=true&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%… 1/10
21/05/2019 Imprimir questões

consumidor não é soberano, como a industria cultura queria fazer crer, é o seu objeto. A pessoa passa a ter uma pseudo-
indivudualidade, na qual sua identidade está vinculada à sociedade. Os produtos seriam feitos para impedir a atividade mental do
espectador. A estratégia de manipulação da Indústria Cultural se re ete na estrutura multiestrati cada das mensagens. Ou seja, a
mensagem oculta pode ser mais importante do que a que se vê (Adorno). A manipulação do público ocorre nos níveis latentes das
mensagens (médio e longo prazo).

- Capitalismo Informacional -

O conceito de Capitalismo informacional foi proposto na obra "Sociedade em Rede", pelo sociólogo Manuel Castells, e elege a
tecnologia de informação como o paradigma das mudanças sociais que reestruturaram o modo de produção capitalista, a partir
de 1980. É uma teoria que observa a sociedade da virada do século XX para o século XXI, e assinala uma nova realidade de
práticas sociais geradas pelas transformações decorrentes da “revolução tecnológica concentrada nas tecnologias de informação”.

É formulado a partir de dois eixos analíticos para a compreensão das dinâmicas das sociedades: modos de produção (capitalismo
e estatismo), e modos de desenvolvimento (agrário, industrial e informacional).

Pressupõe o caráter transformador das novas práticas sociais advindas da revolução tecnológica, principalmente no campo das
tecnologias da informação, que resultariam na criação de uma nova estrutura social que se manifesta de acordo com a
diversidade cultural e de acordo com as instituições existentes.

É uma interpretação que propõe o rejuvenescimento do capitalismo a partir do informacionalismo, e, portanto, crê que a ausência
da tecnologia de informação teria limitado a realidade do próprio capitalismo. Para melhor compreensão do conceito, é possível
perceber a diferença entre as palavras “indústria” e “industrial”, quando se observa que a sociedade industrial não signi ca uma
sociedade que tenha indústrias, mas sim aquelas nas quais as formas sociais, tecnológicas e os hábitos da vida cotidiana são por
ela in uenciados. Analogicamente, Castells distingue o termo “informação” (fundamental em todas as sociedades) do termo
“informacional”, uma espécie de atributo de organização social.

Prova: Ministério Público do Estado de Rondônia

3 Ano: 2005    Banca: CESGRANRIO    Cargo: Jornalismo


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Apoiado em conceitos de Barthes e Beaudrillard, o sociólogo espanhol Manuel Castells a rma


que as culturas são formadas por processos:
a) econômicos.
b) sociais.
c) jurídicos.
d) populares.
e) de comunicação.

Gabarito: e

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |

Manuel Castells no livro "O poder da comunicação" a rma que a certeza de que as relações de poder que estruturam a cultura, a
economia e especialmente a política são sustentadas por processos de comunicação. Esses processos moldam mentalidades de
forma profunda e duradoura. “O reino da comunicação é a esfera social onde valores e interesses de atores con itantes estão
comprometidos em disputa e debate para reproduzir a ordem social, para subvertê-la, ou para acomodar novas formas
resultantes de interação entre o velho e o novo, o passado de dominação cristalizado e o futuro de projetos alternativos para a
existência humana promovidos por aqueles que aspiram a mudar o mundo”.

Prova: Defensoria Pública do Estado de São Paulo

4 Ano: 2009    Banca: FCC    Cargo: Comunicação Social


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação
www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&comments_enabled=true&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%… 2/10
21/05/2019 Imprimir questões

Segundo Manuel Castells, as transformações que nos levam à sociedade da informação, estão
em estágio avançado nos países industrializados e de nirão um paradigma, o da tecnologia da
informação, que interfere nas relações sociais e na economia. Para o autor, as características
fundamentais desse paradigma são: 
a) a comunicação interativa é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm média penetrabilidade;
predomínio da lógica de redes comunitárias; exibilidade; crescente convergência de tecnologias.
b) a informação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm alta penetrabilidade política; predomínio
da lógica de redes na economia; exibilidade das relações políticas; crescente convergência de tecnologias.
c) a comunicação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm alta penetrabilidade; predomínio da
relação pessoal face-a-face; in exibilidade tecnológica; crescente convergência de tecnologias.
d) a educação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm baixa penetrabilidade; predomínio da
lógica de redes; exibilidade; crescente convergência de tecnologias.
e) a informação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm alta penetrabilidade; predomínio da
lógica de redes; exibilidade; crescente convergência de tecnologias.

Gabarito: e

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |
O conceito de paradigma tecnológico Manuel Castells ajuda a organizar a essência da transformação tecnológica atual à medida
em que ela interage com a economia e a sociedade. São eles:

A informação é sua matéria-prima - São tecnologias para agir sobre a informação e sobre a tecnologia, como foi o caso das
revoluções tecnológicas anteriores.

Penetrabilidade dos efeitos das novas tecnologias - Como a informação é uma parte integral de toda atividade humana, todos os
processos de nossa existência individual e coletiva são diretamente moldados (embora não determinados) pelo novo meio
tecnológico.

Predomínio da lógica de redes - A morfologia da rede é bem adaptada à crescente complexidade de interação e aos modelos
imprevisíveis do desenvolvimento derivado do poder criativo dessa interação. A rede pode ser implementada materialmente em
todos os tipos de processos e organizações graças a recentes tecnologias da informação. A lógica de redes é necessária para
estruturar o não-estruturado (força motriz da inovação na atividade humana), preservando a exibilidade.

Flexibilidade - Referente ao sistema de redes, mas sendo um aspecto claramente distinto. Não apenas os processos são
reversíveis, mas organizações e instituições podem ser modi cadas pela reorganização de seus componentes. O que distingue a
con guração do novo paradigma tecnológico é sua capacidade de recon guração, um aspecto decisivo em uma sociedade
caracterizada por constante mudança e uidez organizacional.

Crescente convergência de tecnologias - Especí cas para um sistema altamente integrado, no qual trajetórias tecnológicas antigas
cam literalmente impossíveis de se distinguir em separado. Assim, a microeletrônica, as telecomunicações, a optoeletrônica e os
computadores são todos integrados nos sistemas de informação.

Prova: Câmara dos Deputados

5 Ano: 2007    Banca: CESPE    Cargo: Técnico em Comunicação Social/ Divulgação Institucional
Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Um dos pilares da obra de Manuel Castells (A Sociedade em Rede) está na conclusão de que “a
presença na rede ou a ausência dela e a dinâmica de cada rede em relação às outras são fontes
cruciais de dominação e transformação de nossa sociedade: uma sociedade que, portanto,
podemos apropriadamente chamar de sociedade em rede, caracterizada pela primazia da
a) morfologia social sobre a economia”.

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&comments_enabled=true&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%… 3/10
21/05/2019 Imprimir questões

b) responsabilidade social sobre a ação social”.


c) morfologia social sobre a ação social”.
d) economia sobre os conceitos de responsabilidade social”.
e) ação social sobre a morfologia social”.

Gabarito: c

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |

Morfologia Social sobre Ação Social

Em "A sociedade em rede" de Manuel Castells, defende a tese de que há uma tendência histórica dos processos dominantes na
era da informação de se organizar em torno de redes. Para Castells, as redes constituem "a nova morfologia social de nossas
sociedades, e a difusão da lógica de redes modi ca de forma substancial a operação e os resultados dos processos produtivos e
de experiência, poder e cultura.”

Segundo Castells, não importa o conteúdo circulante da rede, o importante é sua circulação e seu consumo rápidos e geradores
de enormes lucros. Na sociedade em rede de Castells há primazia da morfologia sobre a ação social, espécie de estruturalismo
globalista. Essa lógica de redes gera “uma determinação social em nível mais alto que a dos interesses sociais especí cos
expressos por meio das redes: o poder dos uxos é mais importante que os uxos do poder”

Prova: Petrobras

6 Ano: 2005    Banca: CESGRANRIO    Cargo: Jornalismo Jr.


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Segundo CASTELLS, a cultura contemporânea é formada por processos: 


a) comunicacionais.
b) produtivos.
c) educacionais.
d) comunitários.
e) constitucionais.

Gabarito: a

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |

- Processos Comunicacionais -

Segundo Manuel Castells, a cultura contemporânea é formada por processos comunicacionais. Isso porque as transformações
sociais em curso nos âmbitos global e local são estruturadas sobre a evolução das tecnologias de informação e comunicação e
estabelecimento de processos comunicacionais mediados por computadores interconectados por meio de tecnologias de
telecomunicações. Esses avanços ocorreram a partir das últimas décadas do século XX e conduziram a sociedade a uma evolução
tecnológica e a ascensão da economia da informação e do conhecimento que Castells chamou de “sociedade em rede”.

"Os processos comunicacionais tradicionais, por meios ou veículos que permitiam a homogeneização da comunicação, evoluíram
no sentido de abrir caminhos para mudanças estruturais que permitem interatividade, de forma particularizada, e sintonia em
rede entre sujeitos (pessoas, instituições, empresas, organizações, governos, entre outros) com interesses comuns (tanto políticos,
como econômicos, culturais etc.) por meio de interligações de alcance global". Almeida

Na formatação da sociedade em rede, Castells cita a importância dos meios de comunicação e dos processos comunicacionais na
cultura contemporânea ao mostrar a mídia como expressão da nossa cultura que funciona principalmente por materiais
propiciados por ela.

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&comments_enabled=true&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%… 4/10
21/05/2019 Imprimir questões

Sobre o poder no universo dos processos comunicacionais, ou ao “poder comunicacional”, nas transformações dos processos
comunicacionais observa-se uma tensão entre novas empresas de mídia e as tradicionais, que, embora alguns grupos (ou
conglomerados) de mídia ainda exerçam grande poder e força na esfera econômica, política e social, os re exos da digitalização
das informações têm os conduzido a reverem seus planos corporativos para tentarem se manter no topo da pirâmide do poder
comunicacional.

Prova: Secretaria de Estado da Administração, Recursos Humanos e Previdência

7 Ano: 2005    Banca: CESGRANRIO    Cargo: Comunicador Social


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Na era digital, empresas públicas e privadas, fazem uso do uxo de informações existentes na
Internet, caracterizando o que Castells (1988) chama de cidade global. Isto signi ca que os(as): 
a) conexões se enchem de ruídos, impedindo um uxo democrático das informações de interesse comunitário.
b) nós informativos atrapalham o desenvolvimento regional e transmitem preconceitos sobre as localidades.
c) regiões e as localidades subsistem e cam integradas nas redes internacionais que ligam seus setores mais
dinâmicos.
d) sistemas de vida das periferias perdem espaço na mídia e só reproduzem o que as redes informativas produzem.
e) sistemas locais e regionais cam subordinados a um centro gerador de informações de interesse especí co.

Gabarito: c

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |

- Cidade Global -

A cidade global é um processo que conecta serviços avançados, centros produtores e mercados em uma rede global com
intensidade diferente e em diferente escala, dependendo da relativa importância das atividades localizadas em cada área vis-a-vis
a rede global. Em cada pais a arquitetura de formação de redes reproduz-se em centros locais e regionais, de forma que o sistema
todo que interconectado em âmbito global. Nesse contexto, as regiões e localidade subsistem e cam integradas em redes
internacionais que ligam seus setores mais dinâmicos. Castells analisa o uxo de capital e de serviços avançados por diversas
regiões e países, mostrando como tem ocorrido essa descentralização, concluindo então que a dita cidade global não se trata de
um lugar, mas um processo. Um processo por meio do qual os centros produtivos e de consumo de serviços avançados e suas
sociedades auxiliares locais estão conectados em uma rede global com base em uxos de informação.

Prova: Defensoria do Estado de São Paulo

8 Ano: 2009    Banca: FCC    Cargo: Comunicação Social


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Segundo Manuel Castells, as transformações que nos levam à sociedade da informação, estão
em estágio avançado nos países industrializados e de nirão um paradigma, o da tecnologia da
informação, que interfere nas relações sociais e na economia. Para o autor, as características
fundamentais desse paradigma são: 
a) a comunicação interativa é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm média penetrabilidade;
predomínio da lógica de redes comunitárias; exibilidade; crescente convergência de tecnologias.
b) a informação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm alta penetrabilidade política; predomínio
da lógica de redes na economia; exibilidade das relações políticas; crescente convergência de tecnologias.
c) a comunicação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm alta penetrabilidade; predomínio da
relação pessoal face-a-face; in exibilidade tecnológica; crescente convergência de tecnologias.

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&comments_enabled=true&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%… 5/10
21/05/2019 Imprimir questões

d) a educação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm baixa penetrabilidade; predomínio da
lógica de redes; exibilidade; crescente convergência de tecnologias.
e) a informação é sua matéria-prima; os efeitos das novas tecnologias têm alta penetrabilidade; predomínio da
lógica de redes; exibilidade; crescente convergência de tecnologias.

Gabarito: e

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |
- Paradigma tecnológico -

O conceito de paradigma tecnológico ajuda a organizar a essência da transformação tecnológica atual à medida em que ela
interage com a economia e a sociedade. Para Castells os aspectos centrais do paradigma da tecnologia da informação que
in uenciam a transformação social e que representam a base material da sociedade da informação são:

A informação como matéria-prima - As tecnologias agem sobre a informação e não somente o contrário, como ocorreu em
revoluções anteriores;

Penetrabilidade dos efeitos das novas tecnologias - A informação é parte integral da atividade do homem e, desta forma todos os
processos relacionados com a sua existência (individual e coletiva) se moldam pelo meio tecnológico;

Predomínio da lógica de redes - A rede pode ser implementada materialmente em todos os tipos de processos e organizações
graças a recentes tecnologias da informação. A lógica de redes é necessária para estruturar o não-estruturado (força motriz da
inovação na atividade humana), preservando a exibilidade. O que distingue a con guração do novo paradigma tecnológico é sua
capacidade de recon guração, um aspecto decisivo em uma sociedade caracterizada por constante mudança e uidez
organizacional. Essa lógica de redes é necessária para estruturar o não-estruturado, porém preservando a exibilidade, pois o
não-estruturado é a força-motriz da inovação da atividade humana. As vantagens de estar em redes, com a sua expansão,
crescem na mesma proporção – a penalidade por estar fora da rede está no fato de que se diminui a possibilidade de alcançar
elementos fora dela, na medida em que muitos estão já conectados (CASTELLS);

Flexibilidade - O Paradigma da tecnologia da informação se baseia no conceito de exibilidade. Não apenas os processos são
reversíveis, mas organizações e instituições podem ser modi cadas, e até mesmo fundamentalmente alteradas, pela
reorganização de seus componentes. A exibilidade tanto pode ser uma força libertadora como também uma tendência
repressiva, se os de nidores das regras sempre forem os poderes constituídos. “As redes são criadas não apenas para comunicar,
mas para ganhar posições, para melhorar a comunicação (MULGAN, 1991)”; e

Convergência Tecnológica - A convergência de tecnologias especí cas para um sistema altamente integrado, que se caracteriza
pela impossibilidade de distinguir, em separado, as etapas da evolução tecnológica no passado. Pode se considerar, portanto,
como integrados no sistema de informação, a microeletrônica, as telecomunicações, a optoeletrônica e os computadores. Para
Castells, haverá um tempo em que um desses elementos não poderá ser imaginado sem se considerar o outro. O
desenvolvimento da Internet está invertendo a relação entre a comutação de circuitos e troca de pacotes nas tecnologias da
comunicação, para que a transmissão de dados se torne uma forma de comunicação predominante e universal.

Prova: Dataprev

9 Ano: 2009    Banca: COSEAC    Cargo: Analista de Tecnologia da Informação - Jornalismo


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Castells, o autor de O ser em rede, citado por Barbeiro, diz que o capitalismo está passando por
uma nova fase, a da economia apoiada na comunicação e no desenvolvimento tecnológico, a
que deu o nome de: 
a) enredamento comunicacional.
b) rede de próteses virtuais;
c) capitalismo globalizado;
d) rede tecno- nanceira;

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&comments_enabled=true&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%… 6/10
21/05/2019 Imprimir questões

e) capitalismo informacional;

Gabarito: e

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |

- Capitalismo Informacional -

A sociedade da virada do século XX para o século XXI vivencia uma realidade de novas práticas sociais geradas pelas mudanças
decorrentes da “revolução tecnológica” concentrada nas tecnologias de informação. A tecnologias, inicialmente impulsionadas
pelas pesquisas militares, foram amplamente utilizadas pelo setor nanceiro quando houve a necessidade de reestruturação do
capitalismo. Segundo Castells, a tecnologia da informação é o paradigma das mudanças sociais que reestruturaram o modelo
capitalista a partir dos anos 80.

No capitalismo informacional há uma interação dialética entre tecnologia e sociedade, na qual a importância da tecnologia está
em incorporar a sociedade. Nesse contexto, a sociedade utiliza a inovação tecnológica, mas não a determina. (Em oposição ao
conceito de indústria cultural, da Escola de Frankfurt, no qual a sociedade determina a produção da cultura, ou seja, a cultura está
subjugada às leis capitalistas da "oferta e demanda" sociais.)

Prova: Assembléia Legislativa do Estado de Tocantins

10 Ano: 2005    Banca: CESGRANRIO    Cargo: Consultor Legislativo - Relações Públicas


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Assinale a a rmação correta a respeito da fase por que passa, atualmente, a Internet, de acordo
com o sociólogo Manuel Castells. 
a) Com a ligação internacional em rede dos computadores, a mídia está sendo muito usada por todas as classes
sociais, o que favorece mais oportunidades de as pessoas se informarem.
b) Com a produção de um aparato multimídia facilitado pela tecnologia, a Internet está possibilitando, no Brasil, a
pirataria de textos e di cultando a qualidade dos sites jornalísticos.
c) A popularização da Internet é democrática para todas as classes sociais pelo mundo afora, inclusive no Brasil,
facilitando a comunicação entre ricos e pobres.
d) A Internet está proporcionando a globalização dos veículos de comunicação sem acréscimos criativos para a
produção de reportagens na mídia.
e) A difusão da máquina impressora no Ocidente criou o que Marshall McLuhan (1912-80) chamou de “Galáxia de
Gutenberg”, enquanto agora se ingressou na “Galáxia da Internet”, com a difusão da tecnologia multimídia.

Gabarito: e

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |

"A Internet é um meio de comunicação que permite, pela primeira vez, a comunicação de muitos com muitos, num momento
escolhido, em escala global. Assim como a difusão da máquina impressora no Ocidente criou o que MacLuhan chamou de a
“Galáxia de Gutenberg”, ingressamos agora num novo mundo de comunicação: a Galáxia da Internet. O uso da Internet como
sistema de comunicação e forma de organização explodiu nos últimos anos do segundo milênio.". (CASTELLS, 2004)

Prova: Assembléia Legislativa do Estado de Tocantins

11 Ano: 2005    Banca: CESGRANRIO    Cargo: Consultor Legislativo - Relações Públicas


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&comments_enabled=true&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%… 7/10
21/05/2019 Imprimir questões

A Internet é uma grande aliada do trabalho do pro ssional de Relações Públicas, ajudando-o na
comunicação dentro e fora da empresa. Segundo o sociólogo Manuel Castells, a Internet foi
criada: 
a) nos EstadosUnidos,com a disseminação do world wide web (www), em 1995.
b) a partir de uma rede de computadores montada pela Advanced Research Projects Agency (ARPA), em 1969, nos
Estados Unidos.
c) com a intenção de uso militar por parte de governos europeus, na década de 50 do séc. XX.
d) com a espionagem aos programas soviéticos na década de 50 do séc. XX.
e) como conseqüência das pesquisas cientí cas européias na área de processamento de dados.

Gabarito: b

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |

"As origens da Internet podem ser encontradas na Arpanet, uma rede de computadores montada pela Advanced Research
Projects Agency (ARPA) em setembro de 1969. A ARPA foi formada em 1958 pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos
com a missão de mobilizar recursos de pesquisa, particularmente do mundo universitário, com o objetivo de alcançar
superioridade tecnológica militar em relação à União Soviética na esteira do lançamento do primeiro Sputnik em 1957. A Arpanet
não passava de um pequeno programa que surgiu de um dos departamentos da ARPA, o Information Processing Techniques
O ce (IPTO), fundado em 1962 com base numa unidade preexistente. O objetivo desse departamento, tal como de nido por seu
primeiro diretor, Joseph Licklider, um psicólogo transformado em cientista da computação no Massachusetts Institute of
Technology (MIT), era estimular a pesquisa em computação interativa. Como parte desse esforço, a montagem da Arpanet foi
justi cada como uma maneira de permitir aos vários centros de computadores e grupos de pesquisa que trabalhavam para a
agência compartilhar on-line tempo de computação". (CASTELLS, 2004)

Prova: Defensoria Pública da União

12 Ano: 2010    Banca: CESPE    Cargo: Publicidade e Propaganda


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Considerando a atual revolução tecnológica, segundo Castells,

a) a tecnologia da informação é, para esta revolução, o que as novas fontes de energia foram para as revoluções
industriais sucessivas, visto que a geração e a distribuição de energia foram elementos essenciais na base da
sociedade industrial.
b) o cerne da transformação que a sociedade está vivendo na atual revolução tecnológica está ligado aos produtos,
à ciência e à comunicação.
c) uma das características dessa revolução é a centralidade de conhecimentos e informação.
d) as novas tecnologias da informação se constituem de ferramentas autônomas, aplicadas de maneira
independente, pouco atreladas aos processos decorrentes do uso dessas mesmas ferramentas.
e) computadores, sistemas de comunicação, decodi cação e programação genética tornam-se dispositivos cada vez
mais distanciados da ação e do pensar humano.

Gabarito: a

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |

"A Internet é o tecido de nossas vidas. Se a tecnologia da informação é hoje o que a eletricidade foi na Era Industrial, em nossa
época a Internet poderia ser equiparada tanto a uma rede elétrica quanto ao motor elétrico, em razão de sua capacidade de
distribuir a força da informação por todo o domínio da atividade humana. Ademais, à medida que novas tecnologias de geração e

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&comments_enabled=true&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%… 8/10
21/05/2019 Imprimir questões

distribuição de energia tornaram possível a fábrica e a grande corporação como os fundamentos organizacionais da sociedade
industrial, a Internet passou a ser a base tecnológica para a forma organizacional da Era da Informação: a rede.". (CASTELLS, 2004)
...

Prova: Defensoria Pública da União

13 Ano: 2010    Banca: CESPE    Cargo: Publicidade e Propaganda


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

A rmo que, por meio da poderosa in uência do novo sistema de comunicação, mediado
por interesses sociais, políticas governamentais e estratégias de negócios, está surgindo
uma nova cultura: a cultura da virtualidade real. Manuel Castells. A sociedade em rede. São
Paulo: Paz e Terra, 2008 (com adaptações).

Com relação ao conceito de cultura da virtualidade real, de Castells, assinale a opção


correta.

a) É importante para os diferentes tipos de efeitos sociais que haja o desenvolvimento de um sistema multimídia
centralmente distribuído como na con guração do vídeo sob demanda.
b) A realidade é inteiramente captada, totalmente imersa em uma composição de imagens virtuais no mundo do
faz-de-conta. Nele, as aparências não apenas se encontram na tela comunicadora da experiência, mas se
transformam na experiência.
c) Nesse novo sistema de comunicação, os interagentes e os receptores da interação - conforme de nição do
próprio Castells - são aqueles que mais sofrem as consequências dos processos de dominação da sociedade
informacional contemporânea.
d) Em razão da existência desse novo sistema de comunicação, todas as espécies de mensagens do novo tipo de
sociedade funcionam em um modo unitário, fortalecendo sua presença no sistema multimídia de comunicação.
e) O espaço de uxos e o tempo intemporal, de nidos por Castells, são as bases principais de uma cultura que
combate a diversidade dos sistemas de representação historicamente transmitidos.

Gabarito: b

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |

- Cultura da Virtualidade Real -

Uma vez que as culturas consistem processos de comunicação e que a comunicação é baseada em sinais, não há separação entre
"realidade" e representação simbólica. Por isso, as relações humanas ocorrerão cada vez mais em um ambiente multimídia. Para
Castells, a cultura da virtualidade real é formada por processos de comunicação digital nas quais o domínio está na diversidade,
na construção de um novo ambiente simbólico no qual todas as expressões culturais, da pior à melhor, da mais elitista à mais
popular, vêm juntas nesse universo digital que liga, em um supertexto histórico gigantesco, as manifestações passadas, presentes
e futuras da mente comunicativa. Castells demonstra que não existe muita diferença entre real e virtual e a in uência de um
sobre o outro. O que caracteriza o novo sistema de comunicação, baseado na integração em rede digitalizada de múltiplos modos
de comunicação, é sua capacidade de inclusão e abrangência de todas as expressões culturais. Esse novo sistema de comunicação
transforma radicalmente o espaço e o tempo, que são as dimensões fundamentais da vida humana. Localidades cam despojadas
de seu sentido cultural, histórico e geográ co e reintegram-se em redes funcionais ou em colagens de imagens, ocasionando um
espaço de uxos que substitui o espaço de lugares. O tempo é apagado no novo sistema de comunicação já que passado,
presente e futuro podem ser programados para interagir entre si na mesma mensagem. A realidade é inteiramente captada,
totalmente imersa em uma composição de imagens virtuais no mundo do faz-de-conta. Nele, as aparências não apenas se
encontram na tela comunicadora da experiência, mas se transformam na experiência.

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&comments_enabled=true&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq%… 9/10
21/05/2019 Imprimir questões

Prova: Ministério Público da União

14 Ano: 2010    Banca: CESPE    Cargo: Comunicação Social


Disciplina: Comunicação Social
Assunto: Teorias da Comunicação

Manuel Castells considera que, em uma sociedade em redes, o poder de comunicação do


público é relacional, por isso, ele recomenda que se exerça in uência e se defendam
valores nos espaços comunais.
a) Errado
b) Certo

Gabarito: b

Comentários
Por Equipe COMUNIQUEIRO |

Castells descreve o poder como o traço de nidor de uma sociedade, um processo fundamental, uma vez que a sociedade é
con gurada, basicamente, por valores e instituições derivados e constituídos através de relações com o poder.

Para ele, a arquitetura das redes provoca o deslocamento do poder de


produzir informação, que antes se concentrava nas mãos dos mass media, democratizando-o e difundindo-o, e gera outra forma
de poder que se fundamenta na capacidade relacional dos indivíduos.

Para Castells: poder é a capacidade relacional que proporciona a um ator social in uenciar assimetricamente as decisões de
outro(s) ator(es) social(is), sob formas que favorecem o fortalecimento (enpowered) de sua vontade, interesses e valores. O poder
é exercido por meios de coerção (ou por sua possibilidade) e/ou construção de signi cados. Relações de poder são estruturados
pela dominação, que é o poder manifesto das instituições sociais.

Gabarito
1: b 2: a 3: e 4: e 5: c 6: a 7: c 8: e 9: e 10: e 11: b 12: a 13: b 14: b

Comuniqueiro comuniqueiro.com.br

www.comuniqueiro.com/questoes/imprimir?aleatorias=&comments_enabled=true&page=1&per_page=20&q%5Bbook_questions_book_id_eq… 10/10