Você está na página 1de 161

ASPECTOS

SEMIOLÓGICOS
DO DISCURSO

HILDA MONETTO FLORES DA SILVA

1ª edição
SESES
rio de janeiro  2017
Conselho editorial  roberto paes e luciana varga

Autor do original  hilda monetto flores da silva

Projeto editorial  roberto paes

Coordenação de produção  luciana varga, paula r. de a. machado e


aline karina rabello

Projeto gráfico  paulo vitor bastos

Diagramação  thiago lopes

Revisão linguística  cristina de sá

Revisão de conteúdo  marilda franco de moura

Imagem de capa  mind and i  |  shutterstock.com

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida ou transmitida
por quaisquer meios (eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e gravação) ou arquivada em
qualquer sistema ou banco de dados sem permissão escrita da Editora. Copyright seses, 2017.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (cip)

s586a silva, hilda monetto flores da


aspectos semiológicos do discurso. / hilda monetto flores da silva.
rio de janeiro: seses, 2017.
136 p: il.

isbn: 978-85-5548-460-5

1.semiologia. 2. semiótica. 3. leitura interpretativa.


4.sistemas de linguagem. i. seses. ii. estácio.

cdd 616.075

Diretoria de Ensino — Fábrica de Conhecimento


Rua do Bispo, 83, bloco F, Campus João Uchôa
Rio Comprido — Rio de Janeiro — rj — cep 20261-063
Sumário

Prefácio 5

1. Aspectos semiológicos do discurso 7


Sistemas de linguagens 8

Portanto, a linguagem é multiforme. 10

Semiologia e semiótica: as contribuições de Ferdinand de


Saussure e Charles Sanders Peirce 12

Signo 16

Leitura: um conceito polissêmico 21

Os elementos da comunicação 24
Comunicação é um processo que realiza atos sêmicos 24

2. O sentido social da linguagem 33


Análise dos discursos sociais 37

Construção do discurso verbal a partir das visões social


e histórico-cultural 42

3. Coerência e discurso 49
Formas básicas do discurso: textos concretos e textos abstratos 50

Textos temáticos 51

Textos figurativos 54

Elementos de coerência 64

4. Formação discursiva e formação


ideológica do discurso 71
Heterogeneidade discursiva 78

Polifonia 81

Dialogismo: Baktin 83

Intertextualidade 85

5. Da obra ao texto - discurso, poder e cultura 103


Roland Barthes: a crítica literária 109

Texto literário e texto não literário 111

Função estética e função utilitária 118

Plano da expressão e plano do conteúdo 123

Linguagem simbólica 125

Autor e leitor: da semiótica aos limites da interpretação 127

Tipologias textuais 131

A pós-modernidade e a crítica contemporânea 143


Prefácio

Prezados(as) alunos(as),

A disciplina Aspectos Semiológicos do Discurso tem como objetivo dinamizar


o conceito de leitura, apresentando referenciais teóricos e práticos a partir dos
quais o aluno poderá compreender e intervir na realidade mediante o texto. Para
tanto, serão apresentados conceitos da semiótica, da linguística, da narratologia,
da crítica literária e dos estudos culturais.
Assim, o aspecto híbrido da disciplina pretende estimular o olhar crítico do
aluno em relação aos textos produzidos pela sociedade, sejam eles verbais ou não,
bem como promover o aprimoramento de sua produção textual.
Os conteúdos serão observados em textos teóricos e práticos, contextuali-
zando socialmente as demandas interpretativas do discurso e procurando instru-
mentalizar a compreensão a partir de óticas diversas, advindas dos estudos de
autores renomados.
A disciplina se define não somente pelo objeto, mas também pelo ponto de
vista que se é capaz de projetar sobre esse objeto. Utilizar estratégias de leituras
que levem à aquisição de linguagens viabilizará a arquitetura de informações no-
vas ou releitura de textos. Isto é parte da viagem pelo mundo da Semiótica e da
Semiologia. A leitura com olhares diversos como o do fotógrafo que vê além da
imagem, o do arquiteto que vê além do espaço, o do escritor que faz da ficção uma
realidade ou o do pintor que retrata muito além das cores e somente depois esqua-
drinham ou investigam os sentidos ali presentes em busca de uma nova estética;
todas as possibilidades sígnicas constituem uma leitura semiológica.

Bons estudos!

5
1
Aspectos
semiológicos do
discurso
Aspectos semiológicos do discurso

Sistemas de linguagens

O homem, desde os primórdios, interage com o meio e com os outros seres em


sua necessidade de sociabilização. Surgem as diversas formas de linguagem, mas
não há dúvida de que a forma linguística se torna sofisticada e, consequentemente,
precisa muitas vezes de uma análise mais cuidadosa.
Essa análise passa pela prática escolar e, como afirma Maingueneau (1997, p.
10), é “ a ‘explicação de textos’, presente sob múltiplas formas em todo o aparelho
de ensino, da escola à universidade”.
Esse autor ainda menciona que:

“(...) nos dias de hoje, análise do discurso praticamente pode designar


qualquer coisa (toda produção de linguagem pode ser considerada
‘discurso’), isto provém da própria organização do campo da linguística”
(MAINGUENEAU, 1997, p. 11).

Assim começa a relação das linguagens com o estudo delas. Costuma-se dizer
que se ingressa em uma viagem que tem começo, mas não tem fim, pois surgem
sempre novas formas de comunicação que se dão de modo cíclico e o homem,
com sua grande capacidade criativa, multiplica a cada dia as possibilidades de
novas leituras.

Como se deve entrar nesse mundo de linguagens?

Ferdinand de Saussure, pai da linguística, como é conhecido, preparou esse


caminho. Começou fazendo diferenciação entre linguagem, língua e fala.
Tomada em seu todo, a linguagem é multiforme e heteróclita […] ao
mesmo tempo física, fisiológica e psíquica, ela pertence além disso ao
domínio individual e ao domínio social: não se deixa classificar em
nenhuma categoria de fatos humanos, pois não se sabe como inferir sua
unidade. (SAUSSURE, 1975, p. 17)
Parece complexo, não é?

capítulo 1 •8
Por que multiforme?

Porque não se apresenta de uma única forma.


Vejam:

Copyright: Rashad Ashurov

Ao se visualizar essa imagem, percebe-se que há uma relação dela com nossos
conhecimentos, uma determinada cultura e, provavelmente, será descrita por
um ornitólogo de uma maneira, por um religioso de outra, por uma criança com
olhar de alegria.

É “uma ave da família dos Columbídeos, de bico


É uma pomba. curto e com cera na base, e de cor que varia
segundo as espécies”.

É o espírito santo! É o símbolo da paz.

Pode-se concluir que a linguagem tanto pode ser expressa com uma imagem
ou com palavras ou expressões e, ainda, com sentidos diferentes.

capítulo 1 •9
Portanto, a linguagem é multiforme.

Também é heteróclita, porque não apresenta regras definidas, está sempre se


recriando de acordo com as perspectivas humanas.
Se vocês repararam, mesmo usando as palavras, a imagem foi descrita de
maneiras diferentes.
Nesse ponto, Saussure aponta um novo conceito: língua e fala.
Estudiosos de Saussure apresentam algumas características que irão resumir o
conceito de língua, analisando o Curso de Linguística Geral.

A língua funciona como um acervo, visto que armazena no cérebro uma série de hábitos
linguísticos tanto sob a forma de léxico (vocabulário) quanto sob a de combinações
possíveis regidas por regras de uso consagrado. Há nesse acervo toda a história de
um povo e de uma língua de origem que permite ao falante expressar-se de diferentes
maneiras, mas dentro de uma cultura preexistente.

Segundo Castelar (2003, p. 22),

Como instituição social, a língua “não está completa em nenhum


[indivíduo], e só na massa ela existe de modo completo” (p. 21), por
isso, ela é, simultaneamente, realidade psíquica e instituição social.
Para Saussure, a língua “é, ao mesmo tempo, um produto social da
faculdade da linguagem e um conjunto de convenções necessárias,
adotadas pelo corpo social para permitir o exercício dessa faculdade
nos indivíduos” (p. 17); é “a parte social da linguagem, exterior ao
indivíduo, que, por si só, não pode nem criá-la nem modificá-la; ela
não existe senão em virtude de uma espécie de contrato estabelecido
entre os membros da comunidade”.

capítulo 1 • 10
A língua que se fala, e da qual se faz uso para escrever, não é a única e exclusiva
forma de linguagem que se é capaz de produzir, criar, reproduzir e consumir, ou
seja, é preciso ver-ouvir-ler, para que se possa estabelecer comunicação uns com
os outros.
A linguística proposta por Ferdinand Saussure é a ciência que estuda a
linguagem verbal: a língua e a fala.

E, então, o que é a fala?

Basta lembrar-se de como se representou linguisticamente a imagem da ave


e logo se perceberá que a estrutura da língua é a mesma, pois os caracteres que a
representam são aqueles guardados na memória, mas a forma como se expressa
o pensamento varia de acordo com cada indivíduo a partir de suas experiências,
crenças e conhecimentos.

É a fala que concretiza a língua.

Até aqui se demonstrou que linguagem (sentido amplo), língua (sentido


restrito) e fala (uso particular) apresentam características próprias, mas não se
pode deixar de lado uma questão fundamental que são as significações presentes
em cada uma delas.

Há um estudo particular das significações?

Nesse ponto, além de Ferdinand de Saussure, convém também mencionar


Charles Sanders Peirce e os conceitos de semiologia e semiótica.

capítulo 1 • 11
Semiologia e semiótica: as contribuições de Ferdinand de Saussure
e Charles Sanders Peirce

Aqui serão apresentados os dois autores.


Saussure foi professor em diversas universidades
europeias (Leipzig, Berlim, Paris, Genebra) e,
entre 1907 e 1911, ministrou alguns cursos que
constituíram a base do que seria a obra seminal
da linguística moderna, o Curso de Linguística
Geral, publicado postumamente em 1916 por
seus discípulos Charles Bally e Albert Sechehaye,
com a colaboração de Albert Riedlinger (http://
revistalingua.com.br/textos/fixos/o-centenario-de-
saussure-295989-1.asp).
Charles Sanders Peirce nasceu em 10 de
setembro de 1839, em Cambridge, Massachussets,
Estados Unidos. Filho do matemático, físico
e astrônomo Benjamin Peirce, Charles, sob
influência paterna, formou-se na Universidade
de Harvard em física e matemática, conquistando
também o diploma de químico na Lawrence
Scientific School.
Paralelamente ao seu trabalho no observatório astronômico de Harvard,
Charles Peirce se dedicava ao estudo da filosofia, principalmente à leitura de A
Crítica da Razão Pura, de Kant. Entre 1879 e 1884 lecionou na Universidade
John Hopkins. A semiótica, como é estudada hoje, nasceu na sua quase-totalidade
dos estudos de Peirce, pois as suas teorias influenciam profundamente as correntes
contemporâneas da filosofia da ciência (http://educacao.uol.com.br/biografias/
charles-sanders-peirce.htm).

Nomenclatura

Ao estudar a origem dos termos semiótica e semiologia, encontra-se nas


palavras de Noth (1995) uma explicação interessante, demonstrando que ambos
se originam do grego semeîon, ‘signo’, e sema, ‘sinal’, ‘signo’, e que, nas suas
origens, são os campos de estudo dos signos e dos sinais.

capítulo 1 • 12
O autor (1995) afirma, ainda, que Saussure definiu a semiologia como

“[...] uma nova e futura ciência geral da comunicação humana,


que estudaria a ‘vida dos signos como parte da vida social’. A base
dessa nova semiologia seria a linguística estrutural, o seu programa
seria a extensão do campo da linguística da linguagem verbal para a
comunicação não verbal, cultural e textual.”

Com Charles Sanders Peirce, a corrente americana usa o termo semiótica para
a pesquisa dos processos sígnicos, e, segundo Noth, o termo semiótica é hoje o
nome internacionalmente mais comum para designar o campo de pesquisa dos
signos, sistemas e processos sígnicos.

O que é semiologia?

Semiologia é a vertente neolatina da cultura europeia, proposta pelo linguista suíço


Ferdinand de Saussure (1857-1913).

Saussure (1999, p. 41) teve uma visão mais avançada sobre os estudos da
linguagem e observou que “a língua não é uma função do sujeito, é o produto
que o indivíduo registra passivamente; ela nunca supõe premeditação (…). A fala
é, pelo contrário, um ato individual da vontade e da inteligência (...)”. Com isso,
observou a necessidade de haver uma ciência mais abrangente que a linguística,
a que denominou semiologia, e que abarcasse os possíveis sentidos que os signos
pudessem ter, fossem verbais ou não verbais, mas produzidos pelo homem.
Como se viu anteriormente, a necessidade de comunicação levou o homem a
criar mecanismos que o levassem a interagir socialmente; logo, com o surgimento
das línguas, os sentidos deveriam ser partilhados para que, além da forma, o
conteúdo fosse comum aos falantes. Tendo Saussure começado a estudar a língua
de modo mais abrangente, isso levou seus seguidores a questionamentos e à
ampliação de seus conceitos.

capítulo 1 • 13
Roland Barthes (1997, p. 13) diz:
A linguística não é uma parte, menos privilegiada, da ciência dos signos:
semiologia é que é parte da linguística; mais precisamente, a parte que se
encarregaria das grandes unidades significantes do discurso.
Nesse conceito está a palavra discurso, que é uma manifestação da fala, visto
que não se empregam palavras isoladamente, e sim em construções linguísticas.
Esse termo, na concepção de Stubbs (1983), é um:
Acontecimento estrutural manifestado em comportamento linguístico
e não linguístico. Do ponto de vista da pragmática, discurso refere o
modo como os significados são atribuídos e trocados por interlocutores
em contextos reais. Num discurso particular, os enunciados são
compreendidos por meio de referência a um conjunto particular de
ideias, valores ou convenções que existem fora das palavras trocadas.
Percebe-se, então, a importância da semiologia, a qual pretende examinar em
todas as suas consequências a presença e inserção do signo na vida humana.

O que é semiótica?

Semiótica é a designação de origem anglo-saxã proposta pelo filósofo norte-


americano Charles Sanders Peirce (1839-1914).

REFLEXÃO
A semiótica, por suas várias perspectivas, pretende levar o indivíduo a inserir-se no
mundo da leitura como prazer, pelos efeitos extraordinários que os conhecimentos advindos
dela podem proporcionar. Os estudos semióticos vêm trazendo cada vez mais contribuições
teóricas e práticas para a exploração dos significados presentes nos mais diversos códigos
à disposição, em um universo cada vez mais em rotação.
A leitura de mundo pelo caminho da semiótica conduzirá à decifração de textos verbais
e não verbais, abrangendo a comunicação e diversas áreas afins, pois a abrangência da
diversidade de domínios irá nos possibilitar viajar pelos sentidos em diferentes graus na
metodologia de análise de discursos e textos, além de trabalhar o lúdico, envolvendo os
leitores com seus possíveis olhares.

capítulo 1 • 14
Segundo Santaella (1983, p. 8), “a Semiótica se apresenta como alguma coisa
frágil e delicada, campo aberto a muitas possibilidades ainda não inteiramente
consumadas e consumidas”.
A semiótica é uma ciência, um território do saber e do conhecimento ainda
não sedimentado, com indagações e investigações em progresso.
Ainda, segundo Santaella (1992, p. 43), “a Semiótica peirceana não é uma ciência
aplicada, nem é uma ciência teórica especial, ou seja, especializada”. A semiótica
ou lógica “é uma ciência formal e abstrata, num nível de generalidade ímpar”.
A semiótica como se conhece hoje surgiu em fins do século XIX, começo
do século XX. Peirce na América, Marr na então União Soviética e Saussure na
França. No entanto, muito antes deles, já se falava sobre signos e representação,
ainda que indiretamente e de modo não sistematizado.
Segundo Santaella (1983, p. 9), “o homem ‒ na sua inquieta indagação para a
compreensão dos fenômenos ‒ desvela significações. É no homem e pelo homem
que se opera o processo de alteração dos sinais (qualquer estímulo emitido pelos
objetos do mundo) em signos ou linguagens (produtos da consciência).
Diferença entre os dois conceitos
Percebe-se que, embora alguns autores usem as duas nomenclaturas como
sinônimos, há diferenças objetivas entre semiologia e semiótica, pois elas advêm
de tradições diferentes:

SEMIOLOGIA SEMIÓTICA

VEM DA TRADIÇÃO LINGUÍSTICA. VEM DA TRADIÇÃO FILOSÓFICA.

Segundo Jürgen Trabant (1980, p. 13- Já a semiótica de origem americana


14), os estudos semiológicos da tradição tem base filosófica e estuda o papel da
europeia referem-se à aplicação de linguagem no conhecimento, abordando,
processos e princípios linguísticos e portanto, o papel da linguagem das
outros domínios da língua. ciências, sendo mais abrangente.

Para Peirce (1977, p. 45), a lógica, em sentido geral, é apenas um outro nome
para a semiótica, a quase-necessária, ou formal, doutrina dos signos.

capítulo 1 • 15
As linguagens estão no mundo e nós estamos na linguagem.

A semiótica é a ciência que tem por objeto de investigação todas as linguagens


possíveis, ou seja, examinar os modos de constituição de todo e qualquer fenômeno
de produção de significação e de sentido.
A linguagem humana se relaciona com a própria vida e esta possui dois
ingredientes fundamentais:

ENERGIA INFORMAÇÃO

Que comanda, controla, coordena, repro-


Que torna possíveis os processos
duz e, eventualmente, modifica e adapta o
dinâmicos.
uso da energia.

Com base nessas características, serão firmados os estudos de aspectos


semiológicos do discurso, isto é, na linguagem verbal (oral e escrita), na
linguagem não verbal produzida pelo homem (visual, plástica, gestual, musical
etc.) e sincrética, como, por exemplo, o cinema, que agrupa algumas dessas
linguagens. A união dos planos da expressão e do conteúdo será abordada.

Signo

Você deve ter reparado que, tanto na semiologia quanto na semiótica, falou-
se em estudo dos signos. Hoje, pode-se dizer que o mundo resulta da ação do
homem e que a cultura resulta de um conjunto de signos, organizados em uma
sociedade que se expressará culturalmente por meio das tradições, do senso
comum, da mitologia, da filosofia ou de expressões artísticas. São várias as formas
como as culturas se apresentam, já que são múltiplas as maneiras de pensar, agir,
interpretar e valorar.

capítulo 1 • 16
Signo do ponto de vista de Saussure

Segundo Saussure, a língua é um sistema de signos que se formam pela união


do sentido e da imagem acústica.

A relação entre significante e significado, segundo Saussure, é arbitrária, como


se pode verificar no conceito do autor:
Assim a ideia de “mar” não está ligada por relação alguma interior
à sequência de sons m-a-r que lhe serve de significante; poderia ser
representada igualmente bem por outra sequência, não importa
qual; como prova, temos as diferenças entre as línguas e a própria
existência de línguas diferentes: o significado da palavra francesa
boeuf (“boi”) tem por significante b-ö-f de um lado da fronteira
franco-germânica, e o-k-s (Ochs) do outro.

capítulo 1 • 17
Signo do ponto de vista de Peirce

O signo é uma coisa que representa outra: seu objeto. Só há signo quando houver
essa representação. O signo só não é o objeto, ele está no lugar do objeto.

Lápis: o objeto, o corpo, a ponta, a cor, são signos


do objeto lápis. Estes signos não são o próprio lápis,
mas dependem da natureza do signo.

Um signo ou representamen é tudo aquilo que, sob um certo aspecto ou


medida, está para alguém em lugar de algo. Dirige-se a alguém, isto é, cria na
mente dessa pessoa um signo equivalente ou talvez um signo mais desenvolvido.
Chamo esse signo que ele cria o interpretante do primeiro signo. O signo está no
lugar de algo, seu objeto. Está no lugar desse objeto, porém, não em todos os seus
aspectos, mas apenas com referência a uma espécie de ideia. (PEIRCE, 2. 228
apud NOTH, 1998, p. 65)

ATENÇÃO
O representamen do signo seria o significante na nomenclatura de Saussure. No caso, o
representamen seria a percepção do signo, isto é, como uma pessoa o percebe.
Nas palavras de Peirce, é “o veículo que traz para a mente algo de fora”.

Segundo Claudio Manoel de Carvalho Correia, em um artigo publicado


pela PUC-SP:
O signo nesta perspectiva, destina-se ao crescimento e desenvolve-se
em um interpretante que irá, posteriormente, desenvolver-se em outro
e assim, nos termos de Peirce, ad infinitum. A ação sígnica é uma
atividade evolutiva, crescente, em que um signo transforma-se em outro
signo em um processo de relações lógicas. O interpretante, terceiro
elemento da cadeia semiótica, realiza o processo de interpretação
sendo, também, elemento constituinte da própria cadeia sígnica.

capítulo 1 • 18
SIGNO - MAÇÃ

Representamen: Objeto: Interpretante:


Representação do signo, Alimento a ser comprado Pecado original –
como uma pessoa o (corresponde ao religiosidade (é a
percebe.. referente, à coisa em si). interpretação do signo. É
o que se cria na mente
como efeito do signo).

Signo e cultura

Os seres humanos, segundo Marilena Chauí, variam em consequência das


condições sociais, históricas, econômicas, políticas em que vivem. E assim se
adaptam às mais variadas realidades, isso é próprio da natureza humana. Essas
formas de subsistência vão se universalizando e fornecendo ao homem saberes.
Outros autores assim se manifestam:
O mundo que resulta do pensar e do agir humano não pode ser
chamado de natural, pois se encontra modificado e ampliado por
nós. Portanto, as diferenças entre ser humano e animal não são
apenas de grau. O homem é capaz de transformar a natureza em
cultura. (ARANHA & MARTINS, 2009, p. 4)
Hoje, pode-se dizer que se tem um mundo resultante da ação do homem e que
a cultura resulta de um conjunto de símbolos, organizados numa sociedade que
se expressará culturalmente através das tradições, do senso comum, da mitologia,
da filosofia ou de expressões artísticas. São várias as formas como as culturas se
apresentam, já que são múltiplas as maneiras de pensar, agir, interpretar e valorar.
Se os objetos feitos pelo homem, as motivações e ações e a fala humana
têm significado é porque são elementos culturais e, tendo significado, são
signos. Logo, as culturas podem ser chamadas de sistemas de símbolos
(SANTAELLA, 2003, p. 46).

capítulo 1 • 19
O percurso que se vai percorrer nesse estudo tem as diversas linguagens como
foco e é preciso que se verifique como a narratologia presente nos discursos
representa o eco de outros textos, de outros espaços, de muitas vozes e tradições.

Cultura é um termo utilizado de diversas formas pelos que lhe atribuem sentido, indo
do mais genérico, que é aquela que se começa a cultivar desde o nascimento, dentro
da família e da comunidade, constituindo todo o sentido social que forma cada cidadão
até as especificidades dos novos conhecimentos que se adquire.

Ao se visualizar uma imagem publicitária, por exemplo, o que é preciso?

Será que todos seriam capazes


de entender essa linguagem? O que
será preciso?
Todos poderão olhar e detectar
alguns signos, não é? Certamente,
o objeto não será necessariamente
decodificado por todos aqueles que
não tenham a cultura da tecnologia.
Se você abrir o dicionário
irá encontrar:

Cultura significa todo aquele complexo que inclui o conhecimento, a arte,


as crenças, a lei, a moral, os costumes e todos os hábitos e aptidões adquiridos
pelo ser humano não somente em família, como também por fazer parte de
uma sociedade da qual é membro. Cada país tem a sua própria cultura, que é
influenciada por vários fatores.

capítulo 1 • 20
Leitura: um conceito polissêmico

A palavra “leitura” tem sido discutida em seus mais diversos âmbitos e parece
ter um significado indefinido, pois se apresenta como uma colcha de retalhos
mal construída quando se quer defini-la como algo pronto e sedimentado. É
preciso levar em conta que leitura é uma prática social que nos leva a caminhos
diversos, desde a leitura de mundo à leitura de grandes autores.
Para começar, eis a visão de dois autores sobre o tema:

ORLANDI (2003, P. 200) FREIRE (2005, P. 11)


A leitura é a “atribuição de múltiplos Considera que a “leitura não se esgota
sentidos ao texto”. Isto se aproxima do na decodificação pura da palavra escrita,
que se chama polissemia, pois leva o mas que se antecipa e se alonga na
leitor a perceber a multiplicidade de inteligência do mundo”.
significados de que pode revestir-se a
palavra na comunicação humana que se
dará a partir dos muitos aspectos do real.

Mas, o que é polissemia?

No dicionário, polissemia é um conceito da área da linguística com origem


no termo grego polysemos, que significa “algo que tem muitos significados”.
Uma palavra polissêmica é uma palavra que reúne vários significados (grifos
do autor).

POLI = MUITOS + SEM (IA): sentidos = uma palavra que tem muitos significados.

Isto faz lembrar que a palavra pode ter um significado denotativo (sentido
original, a primeira definição no dicionário) e um conotativo (sentido figurado).

capítulo 1 • 21
EXEMPLO
Sentido denotativo: Há 2 mil anos, o gato era um animal sagrado no Antigo Egito.
Sentido conotativo: Cortaram a luz do vizinho porque ele fizera um “gato”.

Procurando no dicionário:
Gato: 1. pequeno mamífero carnívoro, doméstico, da família dos felídeos (Felis catus),
que descende do gato selvagem encontrado na África e no Sudoeste da Ásia (Felis
silvestris libyca).
2. Brasileirismo (gíria). Ligação irregular feita para furtar energia elétrica.

No primeiro caso, tem-se o sentido denotativo e, no segundo, o conotativo. Isto


é polissemia.
Drummond (1985), em seu texto “Eterna imprecisão de linguagem”, demonstra como
isso pode acontecer. Veja o trecho:
“ Que pão!
Doce? de mel? de açúcar? de ló? de ló de mico? de trigo? de milho? de mistura? de rapa?
de saruga? de soborralho? do céu? dos anjos? brasileiro? francês? italiano? alemão? do
Chile? de forma? de bugio? de porco? de galinha? de pássaros? de minuto? ázimo? bento?
branco? dormindo? duro? sabido? saloio? seco? segundo? nosso de cada dia? ganho com o
suor do rosto? que o diabo amassou?
Uma uva!
Branca? preta? tinta? moscatel? Isabel? maçã? japonesa? ursina? mijona gorda? brava?
bastarda? rara? de galo? de cão? de cão menor? do monte? da serra? do mato? de mato
grosso? de facho? de gentio? de joão pais? do nascimento? do inverno? do inferno? de
praia? de rei? de obó? da promissão roxa? verde da fábula de La Fontaine? espim? do diabo?”

A relação entre a palavra e o texto, a palavra e a cultura nos leva à clara


percepção do que é polissemia e permite dizer que a leitura de qualquer texto
coloca em ação um sistema que contém crenças, valores, experiências que vão
refletir um grupo social ou cultural.
Ler um texto é fazer a reconstrução do que está proposto a partir dos
mecanismos de codificação e ativação dos conhecimentos que todo falante tem
arquivado em sua memória.

capítulo 1 • 22
ATENÇÃO
Cuidado! Não confunda polissemia com homonímia.
A homonímia está inserida nos estudos semânticos da língua portuguesa.
Etimologicamente, esse termo surgiu do grego homós, que quer dizer “igual”, e ónymon, que
significa “nome”.

Os termos classificados como homônimos consistem em duas ou mais palavras


com origem e significados distintos, mas com a grafia ou a pronúncia iguais.
Veja bem:

1. A grama da praça precisa ser aparada imediatamente.


2. Pedi ao atendente que pesasse duzentos gramas de presunto.

Como se pode verificar, não se pode confundir um termo com o outro,


inclusive o primeiro é do gênero feminino e o segundo do gênero masculino.
No dicionário aparecem em verbetes diferentes:

SIGNIFICADO DE GRAMA
Grama - nome masculino Grama - nome feminino

1. (Botânica) Planta rasteira, nociva às 2. Unidade de medida usada para


culturas, que surge espontaneamente; mensurar a massa ou peso de
também é designada por erva daninha ou algo; corresponde a 0,001 kg e é
gramão; (Brasil) Do mesmo significado de representada pela letra “g”
relva. (Etm. do latim: gramĭna) Atenção: por ser um substantivo
masculino, diz-se “o grama” e não “a
grama”. (Etm. do grego: grámma; do
francês: gramme)

capítulo 1 • 23
Os elementos da comunicação

Comunicação é um processo que realiza atos sêmicos.

O que é isto?

É o trabalho da significação. É quando se pretende saber o que se passa no


espírito dos outros seres. Para isso, é preciso “colaboração”, “compartilhamento”.
Socialmente, tenta-se influenciar o outro recorrendo a meios convencionais, são
as pistas de quem tem a intenção de ser compreendido.
Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber
uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação. É certo que, para
comunicar, é preciso enviar mensagens, mas enviar mensagens não é comunicar.

Comunicar é partilhar sentido (Pierre Lévy).

Para que a comunicação ocorra, são necessários seis elementos:

Se um desses elementos falhar haverá ruído e a comunicação não se completará.

As funções da linguagem

Integrar os vários níveis de sentidos não é tarefa fácil nem para o leitor nem
para quem escreve. A reflexão tão importante nessas situações somente ganhará
eficácia se vier acompanhada de experiências e fatos significativos.
O sentido resulta da construção de conhecimento, integrando o leitor ao
texto, isto é, efetiva relações do texto e do leitor, fruto de uma atividade inferencial
e colaborativa. As condições contextuais determinam o acesso ao sentido.

capítulo 1 • 24
É certo que o discurso, muitas vezes, privilegia um dos elementos ou mistura
mais de um. São as funções da linguagem.

A ênfase no fator determina a função

Mensagem -> Referencial

Emissor -> Emotiva

Receptor -> Apelativa (ou Conativa)

Contexto -> Poética

Canal -> Fática

Código -> Metalinguística

Função referencial

A mensagem está apoiada em informações definidas, claras, transparentes,


sem ambiguidade.

capítulo 1 • 25
Fonte: https://goo.gl/pMcUvB

Função emotiva
Aponta para um ponto de vista ou estado de espírito. Centrada no emissor,
uso da 1a pessoa.

Fonte: goo.gl/VDbvOn Fonte: goo.gl/VDbvOn

Função apelativa ou conativa

Centrada no receptor. Representa um esforço de tentar convencer o receptor


por meio de uma ordem, um chamamento, uma saudação.

capítulo 1 • 26
Função poética

Centrada no contexto. Trabalha a sonoridade, o ritmo. A disposição gráfica


das palavras na página.

Fonte: https://goo.gl/02N4yV

capítulo 1 • 27
Função fática

Centrada no canal. O
objetivo desta função é testar o
canal, interromper ou reafirmar
a comunicação, não no sentido
de informar, mas de assegurar a
transmissão da mensagem.
No cotidiano, certos tiques
linguísticos como “Entende?”,
“Tá?”, “Certo?”, “Com certeza!”
são elementos conectores que
reforçam a mensagem, embora
não transmitam informação.

Função metalinguística

Centrada no código. A língua fala da própria língua. É a linguagem dos


dicionários, das traduções.
Veja como, muitas vezes, em uma visita ao nordeste, o carioca, por exemplo,
precisa de ajuda para entender certas palavras.
Abestalhado ‒ bobo, besta, pateta
Abilolado – “abestalhado”
Acochado ‒ apertado (p. ex: Se aperreie não, doutor. Vou deixar os parafusos
da roda do carro bem acochadinhos)
A como é ‒ quanto custa (p. ex: A como é o quilo do tomate, seu Biu? Prá
senhora é de graça, freguesa)
Afolosado ‒ frouxo, quebrado (p. ex: Não sente na cadeira, doutor, que ela
está afolosada)
Alcatifa ‒ carpete
Alpercata ‒ sandália de couro
Altear ‒ aumentar o volume da TV ou do aparelho de som
Aperreado ‒ preocupado, com problemas, agoniado
A pulso ‒ à força, na marra (também se usa “na lei do apulso”)
(Dicionário do nordeste)

capítulo 1 • 28
A interpretação discursiva

O texto, segundo Bakhtin (2000, p. 329), “representa uma realidade imediata


(do pensamento e da emoção)” e o discurso do homem, no tempo e no espaço,
expõe ideias, anseios, temores, expectativas do grupo social.
Existe uma lógica comum a todos os sistemas de signos linguísticos, por isso é
observada uma relação entre o texto (objeto de análise e reflexão) e o contexto em
que se insere. Reflete a ideologia de quem o reproduz.
Segundo Antunes (2010, p. 29):
[...] em qualquer língua, e em qualquer situação de interação verbal, o
modo de manifestação da atividade comunicativa é a textualidade ou,
concretamente, um gênero de texto qualquer. Daí que nenhuma ação de
linguagem acontece fora da textualidade.
Tudo o que existe e prevê leituras interpretativas é referência para uma
série de direções. Cada direção é um referente, logo é um signo. Todas as coisas
que estão em rotação no mundo possuem significados latentes, dependem do
olhar interpretante.
O enunciado apresenta marcas de uma enunciação individual, em um
momento e espaço precisos e é o resultado da produção individual. A literatura
nos aponta para isso.

EXEMPLO
Observe os trechos de alguns autores:
1. “Tudo no mundo começou com um sim. Uma molécula disse sim a outra molécula
e nasceu a vida. Mas antes da pré-história havia a pré-história e havia o nunca e havia o sim.
Sempre houve. Não sei o quê, mas sei que o universo jamais começou.” (LISPECTOR, 1977)
2. “— Por que ele fugiu? — indagou a menina.
— Não sei — respondeu dona Carochinha — mas tenho notado que muitos dos personagens
das minhas histórias já andam aborrecidos de viverem toda vida dentro delas. Querem novidade.
Falam em correr o mundo a fim de se meterem em novas aventuras. Aladino queixa-se de que
sua lâmpada maravilhosa está enferrujando. A Bela Adormecida tem vontade de espetar o
dedo noutra roca para dormir outros cem anos. O Gato de Botas brigou com o Marquês de
Carabás e quer ir para os Estados Unidos […].” (LOBATO, 1993, p. 11)
3. “Na planície avermelhada os juazeiros alargavam duas manchas verdes. Os infelizes
tinham caminhado o dia inteiro, estavam cansados e famintos. Ordinariamente andavam

capítulo 1 • 29
pouco, mas como haviam repousado bastante na areia do rio seco, a viagem progredira bem
três léguas. Fazia horas que procuravam uma sombra. A folhagem dos juazeiros apareceu
longe, através dos galhos pelados da catinga rala.
Arrastaram-se para lá, devagar, sinhá Vitória com o filho mais novo escanchado no quarto
e o baú de folha na cabeça, Fabiano sombrio, cambaio, o aió a tiracolo, a cuia pendurada
numa correia presa ao cinturão, a espingarda de pederneira no ombro. O menino mais velho
e a cachorra Baleia iam atrás.” (RAMOS, 1938)

O “leitor-interpretante” não pode deter-se no valor denotativo da palavra. É


preciso refletir, perceber o contexto e as possíveis intenções.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Livros:
ANDRADE, Carlos Drummond de. Caminhos de João Brandão. 3. ed. Rio de Janeiro: Record; 1985.
ANTUNES, Irandé. Análise de Textos. São Paulo: Parábola; 2010.
ARANHA, Maria Lucia da Silva; MARTINS, Maria Helena. Filosofando: Introdução à Filosofia. São Paulo:
Editora Moderna; 2009.
BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Estética da Criação Verbal. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
BARTHES, Roland. Elementos de Semiologia. 17. ed. São Paulo: Cultrix; 1997.
CARVALHO, Castelar de. Para Compreender Saussure. Rio de Janeiro: Editora Rio; 1976.
CORREIA, Claudio Manoel de Carvalho. Fundamentos da Semiótica Peircena. Disponível em: http://
www.filologia.org.br/ixfelin/trabalhos/pdf/38.pdf.
FREIRE, P. A Importância do Ato de Ler. São Paulo: Cortez; 2005.
LISPECTOR, Clarice. A Hora da Estrela. Rio de Janeiro: Rocco; 1977.
LOBATO, Monteiro. Reinações de Narizinho. Rio de Janeiro: Editora Globinho, 2012.
MAINGUENEAU, Dominique. Novas Tendências em Análise do Discurso. Campinas: Pontes – Editora
da Unicamp; 1997.
NOTH, Winfried. A Semiótica no Século XX. São Paulo: Annablume; 1998.
ORLANDI, Eni Puccinelli. A Linguagem e seu Funcionamento. As formas do discurso. Campinas: Pontes
– Editora da Unicamp; 2003.
PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. São Paulo: Editora Perspectiva; 1977.
SANTAELLA, Lúcia. A Assinatura das Coisas: Peirce e a Literatura. Rio de Janeiro: Imago; 1992.
__________. O que é Semiótica. São Paulo: Brasiliense; 1983.

capítulo 1 • 30
SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix; 1975.
STUBBS, Michael. Discourse Analysis: the Sociolinguistic Analysis of Natural Language. Oxford:
Blackwell; 1983.
TRABANT, Jürgen. Elementos de Semiótica. Lisboa: Presença; 1980.

Sites:
The Best Stock Photos, Images & Illustrations. Disponível em: https://www.dreamstime.com/best-
stock-photos?gclid=CKb7yK25880CFU6AkQodQcUNpg#ref401
Pôr do sol. Disponível em: https://pixabay.com/pt/p%C3%B4r-do-sol-sun-abendstimmung-1365830/
http://st2.depositphotos.com/1855189/8269/i/450/depositphotos_82691140-Many-letters-in-
the-box.jpg
https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQE2c_1iEaLDuTjuaobDnqXk5COsK73SC-
E0oHjN6qQyb8uwuPa
https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQE2c_1iEaLDuTjuaobDnqXk5COsK73SC-
E0oHjN6qQyb8uwuPa
https://www.google.com.br/search?q=sites+livres+de+imagem+sobre+comunicação+interpessoal
http://www.culturamix.com/wp-content/uploads/2013/12/Comunica%C3%A7%C3%A3o-
Interperssoal.jpg
http://noticias.unisanta.br/wp-content/uploads/2012/01/A-Tribuna-B4-Renata-Agondi-11-2-2012-.jpg
https://encrypted-tbn0.gstatic.com/
images?q=tbn:ANd9GcTvewqosdiMtVjJ13NZJLIN1w2Gg8qqU72kASbHhLADj_NR38XO
http://1.bp.blogspot.com/-LyIB3YVrF_Q/U4USclfL15I/AAAAAAAAADQ/-Xc8evArniw/s1600/60816.jpg
https://pixabay.com/static/uploads/photo/2016/06/20/13/16/greengrocers-1468809__180.jpg
https://encrypted-tbn0.gstatic.com/
images?q=tbn:ANd9GcTEYogBnSga8VWrnP0DOOYd8ujV6kqXwu__agoqiVGdwMi-G25G
http://www.projetocordel.com.br/xilo2.jpg
http://mensagens.culturamix.com/blog/wp-content/uploads/2012/09/poesia-concreta-12.jpg
https://encrypted-tbn2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTxPu9HPJj2BW5hIGfqE6Tht_S_
rne8XgUILiK-hvPiUPtMgsnJ
http://3.bp.blogspot.com/-w051Zwq1lPQ/UWvhdencE1I/AAAAAAAAAPw/AO5nANBlAkk/s1600/
cores_principais.jpg

capítulo 1 • 31
capítulo 1 • 32
2
O sentido social da
linguagem
O sentido social da linguagem

Discursos são atividades comunicativas, e a construção do sentido dos enunciados


ou dos discursos não depende apenas da escolha das palavras. Depende de um
conjunto de outros elementos e da situação em que eles são produzidos. Interações
comunicativas são realizadas usando-se a linguagem em diversas ocasiões ou práticas
sociais para construir sentidos.

Essas atividades que preveem uma intenção do enunciador com determinada


finalidade é o discurso, ou seja, produzem-se efeitos de sentido em um dado
momento da interação, orientados para se alcançar determinado objetivo.
O sentido de um enunciado pode ser definido apenas na inter-relação com
outros enunciados. Para Ducrot (1987), o texto está relacionado com a entidade
abstrata e o discurso é concebido como a realização do texto.

O que é o texto?

Para Fiorin (2006, p. 13),

[...] o texto não deve ser entendido como um amontoado de frases com
significados autônomos. Os significados das partes de um texto não
podem ser considerados de forma isolada e sim, dentro de correlações
que vão se articulando internamente para criar uma trama de sentido.

Utilizar a linguagem é, enfim, interagir a partir do intercâmbio de textos.


Estes, por sua vez, envolvem uma teia de relações, recursos, estratégias e operações
que possibilitam a construção temática.
Como é possível perceber, a linguagem do discurso, por buscar a interação,
traz em sua essência o sentido social, pois precisa de partilhamento com o outro.
Orlandi (2008), citando Pêcheux, que primeiro priorizou a análise do discurso,
afirma que, na visão desse autor, há elementos que vão além do ato comunicativo,

capítulo 2 • 34
pois o homem, mesmo transmitindo informações, não o faz apenas como se
anunciasse algo, ele também considera na sua linguagem os contextos social,
histórico e ideológico em que aquele texto está sendo produzido. Nas palavras
de Pêcheux, citado por Orlandi, “O discurso transpassa uma exterioridade da
linguagem e abarca elementos ideológicos e sociais” (Fonte: Site webartigos –
Análise do Discurso: linguagem como prática social).
Por isso, é preciso ler os explícitos e os implícitos de um texto. Para sentir,
perceber e refletir sobre os possíveis sentidos nele contidos.
Segundo Koch (2002), a manifestação de discurso se dá no texto, e, para
ser compreendido, deve conter todos os elementos implícitos ou explícitos bem
estruturados para que haja a coerência necessária.
A intencionalidade implícita do discurso reflete a argumentatividade e está
presente nas pistas deixadas pelo autor.

Somente é possível interagir linguisticamente movido por


uma intenção argumentativa.

Portanto, qualquer tipo de texto ‒ dissertação, narração ou descrição ‒,


pertença a qualquer gênero ‒ jornalístico, didático ou religioso, literário ou
infantil, publicitário ou charges ‒, é dotado de argumentatividade em maior ou
menor grau.
Orlandi (2001, p. 59) reforça a ideia de que a noção de texto incorpora uma
“memória discursiva ou interdiscurso” que leva à reflexão de que o inconsciente se
faz presente na leitura ou em sua construção, o que permite a leitura de implícitos.
Ainda segundo essa autora, “o interdiscurso é o conjunto de dizeres já ditos e
esquecidos que determinam o que dizemos, sustentando a possibilidade mesma
do dizer” (2001, p. 59).
Certamente há uma relação entre o que se lê e o inconsciente quando, por
exemplo, o leitor se vê diante de uma situação que o leva a dizer “já li isso em
algum lugar” ou “essa situação é conhecida”, pois o que está vindo à tona é sua
memória discursiva.
Sobre as práticas de leitura, Orlandi chama a atenção para a interpretação,
que é possível quando se percebe a “presença do não dito no que é dito”. A

capítulo 2 • 35
autora sustenta essa ideia, apoiando-se em texto de Pêcheux (1982, apud
Orlandi, 2001, p. 60):
Pode haver ligação, identificação ou transferência, isto é, existência
de uma relação abrindo a possibilidade de interpretar. E é porque há
essa ligação que as filiações históricas podem organizar em memórias,
e as relações sociais em redes de significantes.

REFLEXÃO
Para interpretar um texto, o leitor precisa levar em conta as referências históricas e
sociais de seu cotidiano, seja na cidade ou na comunidade, na cidade ou no campo, na
escola ou em casa, no urbano ou no rural. Nesse ponto, convém destacar a importância da
leitura na vida de cada nativo, que será um bom interpretante apenas quando entender o
funcionamento da língua e perceber sua função social e ideológica.
Isto se torna evidente quando se percebe que, ao ler um texto pela primeira vez, tem-
se uma interpretação, mas cada leitura, feita pela mesma pessoa em épocas diferentes,
terá uma nova interpretação, pois cada dia da vivência do leitor será acrescido de novas
experiências, novos olhares, e isso permitirá releituras.

Retomando o conceito de Orlandi (p. 63) sobre a interpretação de textos:


[...] a interpretação torna visível a relação da língua com a história,
o funcionamento da ideologia. Não há sentido sem interpretação. A
rigor, não há língua, sem interpretação, e, ao interpretar, ancoramos
na textualidade.
Ao olhar para a imagem adiante, você poderá dizer:

•  Preciso comprar os livros deste ano.


•  Que livro vim procurar?
•  Será que aqui eu encontro livros de
Guimarães Rosa?
•  Só de olhar a estante me dá tédio.
•  Preciso estudar para aumentar meu CR.
•  Que livros devo procurar para fazer a
pesquisa sobre ecologia?

capítulo 2 • 36
Você estará fazendo uma interpretação de acordo com as situações em que está
inserido naquele momento.
A interpretação está presente em toda e qualquer manifestação da linguagem.
Não há sentido sem interpretação. Mais interessante ainda é pensar os diferentes
gestos de interpretação, uma vez que linguagens, ou as diferentes formas de
linguagem, com suas diferentes materialidades, significam de modos distintos.
(ORLANDI, 1996, p. 9).

Análise dos discursos sociais

“O texto é um evento comunicativo em que convergem ações linguísticas, sociais e


cognitivas” (BEAUGRAND, 1997, p. 10, apud MARCUSCHI, 2008, p. 72).

Pode ser reconhecido como um tecido estruturado, uma entidade de


comunicação e um artefato sócio-histórico. É uma reconstrução do mundo.

A leitura do texto implica sentido e conteúdo. Este é aquilo que se


diz ou descreve ou designa no mundo, mas o sentido é um efeito
produzido pelo fato de se dizer de uma ou outra forma esse conteúdo.
O sentido é um efeito do funcionamento da língua quando os falantes
estão situados em contextos sócio-históricos e produzem textos em
condições específicas. (MARCHUSCHI, 2008, p. 74)

Daqui em diante, serão apresentados alguns textos sobre os quais será preciso
refletir e analisar a partir dos estudos apresentados até então.

capítulo 2 • 37
ESPORTES

Matéria publicada em 26/07/16 – por Marcio Dolzan e Nathalia Garcia, do


Rio, Estadão Conteúdo.
Jogos Olímpicos

Aos poucos, australianos começam a ocupar a Vila Olímpica

Imagem: foto de Wilton Junior/Estadão.

Expectativa é de que atletas cheguem ao local a partir desta quarta


Dois dias após se negar a entrar na Vila dos Atletas por considerar seu edifício
“inabitável”, parte da delegação da Austrália começou a ocupar seu espaço no
alojamento nesta terça-feira. O local passou por reformas desde o início da segunda-
feira e a expectativa é de que fique inteiramente pronto até quarta. Por enquanto,
apenas os chefes de equipes do país estão chegando à vila. Os primeiros atletas deverão
entrar na quarta-feira.
Na manhã desta terça [26/07/2016], o diretor de comunicação da equipe
australiana, Mike Tancred, circulava animado pela área internacional da Vila
Olímpica. “Como brinquei, é como o hotel Hilton, porque do outro lado da minha
varanda tem uma bonita piscina, é magnífico. É uma pena que algumas coisas no
interior tiveram problemas. Estive em nove Olimpíadas, contando os Jogos de Inverno,
e essa é provavelmente a melhor Vila que já estive”, afirmou.

capítulo 2 • 38
Delegação australiana se queixou muito das instalações da Vila Olímpica

Tancred é o mesmo que, no último domingo, afirmara que a equipe australiana


“precisava de encanadores, não de cangurus”, ao responder a um comentário de gosto
duvidoso do prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB).
O australiano disse que os atletas que já estão no Brasil e se hospedaram em
hotéis da região devem ir para a vila na quarta-feira. Outros competidores da
Austrália desembarcam no Rio durante a madrugada. “Provavelmente teremos
100 atletas até amanhã (quarta)”, disse Tancred.
Os trechos foram destacados em itálico a fim de que você pudesse notar que
os autores da reportagem deixaram pistas que deixam clara a intenção de levar o
leitor a perceber certas contradições na fala das personagens.
Foram marcadas passagens de tempo, ironia e pontos de vista.
Na manchete, houve a generalização “australianos”. Todos os que vão participar
como atletas?
Observe:

•  Parte da delegação da Austrália.


•  Apenas os chefes de equipes.
•  O diretor de comunicação da equipe australiana.
A seguir, observe a fala do personagem central:
•  Edifício “inabitável”.
•  Circulava animado pela área internacional.
•  Como brinquei.
•  É magnífico.
•  É provavelmente a melhor Vila que já estive.

Há, ainda, um trecho de confronto entre o diretor de comunicação e o prefeito


do Rio de Janeiro:
a equipe australiana “precisava de encanadores, não de cangurus”
X
gosto duvidoso do prefeito do Rio
Cada uma dessas pistas leva o leitor a se inserir no mundo de controvérsias
presentes no ambiente cultural, social e histórico do momento vivido.

capítulo 2 • 39
CHARGES

Apesar de não apresentar palavras, o texto não verbal pode indicar uma
situação social, um problema cultural.
A análise dessas duas charges coloca o leitor diante de fatos do dia a dia, de
uma sociedade que precisa ser repensada, e essa leitura leva o interpretante a uma
tradução verbal, pois há argumentos inseridos nas imagens que, certamente, são
reconhecidos e fazem parte do cotidiano ideológico de cada um.

NA LITERATURA

A) “‘Não entender’ era tão vasto que ultrapassava qualquer entender ‒ entender
era sempre limitado. Mas não entender não tinha fronteiras e levava ao infinito,
ao Deus. Não era um não-entender como um simples de espírito. O bom era ter
uma inteligência e não entender. Era uma bênção estranha como a de ter loucura
sem ser doida. (...) Mas de vez em quando vinha a inquietação insuportável:
queria entender o bastante para pelo menos ter mais consciência daquilo que
ela não entendia. Embora no fundo não quisesse compreender. Sabia que aquilo
era impossível e todas as vezes que pensara que se compreendera era por ter
compreendido errado. Compreender era sempre um erro ‒ preferia a largueza
tão ampla e livre e sem erros que era não-entender” (CLARICE LISPECTOR.
Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres.)

capítulo 2 • 40
B) Não há vagas

O preço do feijão
não cabe no poema.
O preço do arroz
não cabe no poema.

Não cabem no poema o gás


a luz o telefone
a sonegação
do leite
da carne
do açúcar
do pão

O funcionário público
não cabe no poema
com seu salário de fome
sua vida fechada
em seus arquivos.

Como não cabe no poema


o operário
que esmerila seu dia de aço
e carvão
nas oficinas escuras.
- porque o poema, senhores,
está fechado:
“não há vagas”

Só cabe no poema
o homem sem estômago
a mulher de nuvens
a fruta sem preço

O poema, senhores,
não fede nem cheira.

(FERREIRA GULLAR. Não há vagas)

capítulo 2 • 41
O discurso social na literatura é percebido nesses dois autores como um
autêntico corpo a corpo com a expressividade, demonstrando o sofrimento do
ser humano em seu cotidiano, suas dúvidas, suas necessidades, sem camuflar
sentimentos; a meta está em apresentar a realidade de modo crítico, as aflições nas
dores e nas incertezas, os fatos sociais de maneira geral e real.

CAMPANHAS

Imagens: goo.gl/n4VWsa e goo.gl/PxnOG2.

As campanhas são uma rica fonte de discurso social. Normalmente aliam


textos verbal e não verbal, com imagens contundentes e palavras que soam como
um alerta ao interpretante.

Construção do discurso verbal a partir das visões social e histórico-cultural

Esse caminho nos leva a Vygotsky, que trata o discurso no plano psicológico, e
a Bakhtin, que apresenta uma crítica às posições empíricas e ideológicas previstas
nas teorias do fenômeno linguístico. A perspectiva dialógica de Bakhtin realça
a natureza viva da língua, que se constrói e reconstrói pela interação verbal. A
palavra, por sua multipluralidade significativa, é tratada com destaque nas ideias
bakhtinianas, exercendo a função sígnica. Já a ideologia linguística está centrada
no contexto que terá tantos sentidos quanto o homem é capaz de produzir.

capítulo 2 • 42
É importante retomar algumas nomenclaturas.

Enunciação, segundo Bakhtin (1992), é um produto social, pois necessita da interação,


ou seja, é necessário haver indivíduos que atuem em uma sociedade organizada social e
ideologicamente e que eles estejam inseridos em um processo histórico-cultural. Isso torna a
comunicação verbal cíclica, pois permite réplicas, reações de quantos participem da situação.

Ainda do ponto de vista de Bakhtin, o dialogismo prevê que o emissor,


ao elaborar seu discurso, tenha a intenção de enunciar para um receptor, real
ou virtual, disposto a ter uma atitude responsiva, seja imediata, seja com a
possibilidade de recuperá-lo a qualquer momento, pois será capaz de decodificar o
enunciado, concordando, replicando, refletindo e fazendo-o circular socialmente.
Essa aceitação e interpretabilidade se dá pela natureza significativa do enunciado,
o que lhe dá característica dialógica.

EXEMPLO

Como exemplo, Machado de Assis, em Dom Casmurro, dialoga com o leitor previsível:
“Agora que expliquei o título, passo a escrever o livro, antes disso, porém, digamos
os motivos que me põem a pena na mão [...]. Quis variar, e lembrou-me escrever um livro.
Jurisprudência [...] tive outras muitas, melhores e piores, mas aquela nunca se apagou do
espírito. É o que vais entender, lendo” (ASSIS, 1982, p. 178/9).
Ou:
“Abane a cabeça leitor; faça todos os gestos de incredulidade. Chegue a deitar fora este
livro, se o tédio já o não obrigou a isso antes; tudo é possível. Mas, se o não fez antes e só
agora, fio que torne a pegar do livro e que o abra na mesma página, sem crer por isso na
veracidade do autor. Todavia, não há nada mais exato. Foi assim mesmo que Capitu falou,
com tais palavras e maneiras. Falou do primeiro filho, como se fosse a primeira boneca.
Quanto ao meu espanto, se também foi grande, veio de mistura com uma sensação
esquisita. Percorreu-me um fluido. Aquela ameaça de um primeiro filho, o primeiro filho de
Capitu, o casamento dela com outro, portanto, a separação absoluta, a perda, a aniquilação,
tudo isso produzia um tal efeito, que não achei palavra nem gesto; fiquei estúpido. Capitu
sorria; eu via o primeiro filho brincando no chão [...]” (https://goo.gl/j16sei).

capítulo 2 • 43
É certo que o autor chama o leitor a participar do texto, dialogando com ele,
para que concorde ou não com sua afirmação, mas o faz de modo persuasivo,
pois pretende que o seu pensamento prevaleça e, por isso, usa palavras ou
expressões fortes como:

•  Abane a cabeça, leitor;


•  Gestos de incredulidade;
•  O tédio, o espanto, sensação esquisita.

Bakhtin (1993, p. 98) explica:


Em cada momento de sua existência, a língua é totalmente
pluridiscursiva; é coexistência de contradições ideológico-sociais
do presente, entre as correntes, as escolas, os círculos etc. É no
romance, precisamente, que vamos encontrar uma disposição
especial à bivocalidade dialógica e à pluridiscursividade a fim de
mostrar, irrefutavelmente, contradições e conflitos ideológicos e
sociais que transcendem cada universo diegético particular.
Contudo, não é apenas na literatura que há dialogismo. Veja:

Imagem: goo.gl/L8vPzD.

capítulo 2 • 44
“Este número de ISTO É, que você tem nas mãos, nos traz vários motivos de satisfação.
O principal é justamente o fato de ele estar em suas mãos. O resto é consequência
disso. Esta edição ultrapassa o meio milhão de exemplares e o fato de cada vez mais
leitores escolherem ISTOÉ como sua semanal preferida faz com que nós, os jornalistas
que a produzem, trabalhemos cada vez com mais ânimo e prazer. E como o nosso
trabalho é feito justamente para você, esse constante aumento da tiragem nos
chega como prêmio, como um reconhecimento e, ao mesmo tempo, um importante
componente do combustível para aprimorarmos sempre mais o nosso trabalho. Ou
seja, fazer, toda semana, uma revista útil, agradável, indispensável e independente. E
que busca apontar caminhos para chegarmos um dia a um País mais digno, ético e
justo” (ISTO É, n. 1572, 1999)

Como se pode observar, o sentido de um discurso depende do conteúdo


linguístico e da relação do leitor com o texto, relação essa que depende da realidade
extralinguística que se insere em determinado contexto sociocultural de situação
em que os interlocutores interagem. É preciso haver referências que consistem
em se integrar entidades, processos partilhados. O contexto verbal, geralmente,
remete a experiências, conhecimentos e situações vividas e conhecidas.

ATENÇÃO
O saber compartilhado precisa de representação/apreciação/conhecimento de mundo,
saberes culturais, históricos, regionais, étnicos que fazem parte da memória do falante a fim
de que seja capaz de interpretar e reconstruir discursos.

“Meu caro leitor amigo


leia bem sem soletrar
coloque a mão na cabeça
pra melhor mentalizar
o triste padecimento dos índios Xacriabá.
Muito tempo esses índios sofrem de decepção
grileiro tomando terra formando perseguição
pra acabar com os índios e tomar conta do chão.

capítulo 2 • 45
Mas como a terra é sagrada
tinha uma doação marcando todo limite
que pertencia à nação
e por capricho da sorte se encontra em boa mão.
As boas mãos que eu falo do cacique Rodrigão
que lutou todo esse tempo
tendo até perseguição
muitos lhe deram fazendas pra deixar o seu irmão
Mas ele não aceitava a oferta que lhe fazia
e continuou lutando pra ver o que acontecia
no peito uma esperança de bom resultado um dia.
Foi quando teve notícia de um tal SPI
procurou denunciar todas invasões daqui da área Xacriabá
perto de Itacarambi.
O órgão lhe deu uma carta
dizendo este cidadão pode rodar pelo Brasil
sem nenhuma interdição
essa carta foi tomada por um forte capitão.
Quando todos os fazendeiros começaram a descobrir
Rodrigo pra viajar tinha às vezes de fugir
sem dizer pra onde iria pra ninguém lhe perseguir.
Eles diziam um pro outro ouça o que vamos fazer
Rodrigo sem essa carta nada poderá fazer
então mandamos prendê-lo para nada resolver.
Rodrigo dizia eu sei que eles vão me pegar
mas não ligo para isso e nem paro de lutar
enquanto livre estiver pretendo continuar.
O leitor pode bem ver que tamanha paciência
dispensar uma fazenda pra viver na sofrença
são poucos homens que têm essa tal de consciência.
Mas que luta desastrosa desse pobre cidadão
andou até mal vestido e às vezes de pé no chão
só pra tomar nossas terras da unha do tubarão.
(...)
Agradeço a meu irmão José
Por ter me ajudado
Colocando a minha história

capítulo 2 • 46
No seu livro publicado
E a todos os leitores
Deixo meu muito obrigado.”
(DOMINGOS NUNES DE OLIVEIRA)

Esse trecho de texto, publicado em “O tempo passa e a história fica” – Fonte: site
Domínio Público, demonstra a riqueza de uma história cuja leitura, para ser bem sentida
e interpretada, precisa do saber sobre índios brasileiros e toda a sua “sofrência”, como
disse o autor.
Desse modo, o sentido do enunciado produzido depende simultaneamente de elementos
extralinguísticos e de mecanismos linguísticos utilizados na produção do discurso.

Para concluir este capítulo, a palavra de um professor sobre sua atuação


profissional que explica bem o que significa uma ação dialógica:
“Este estudo toma como referência a ação dialógica do professor contemporâneo
de escolas públicas na construção da identidade dos sujeitos. A inquietação básica
é a articulação do aluno-professor como proposta de construção do conhecimento
que prioriza o diálogo como elemento primordial ao desenvolvimento das práticas
pedagógicas e construção de identidade que se efetivam em sala de aula, possibilitando
por meio da ação dialógica a formação de sujeitos reflexivos e atuantes no mundo
globalizado. Partindo do pressuposto que ensinar não é transferir conhecimentos e
conteúdos, para meramente formar o cidadão, mas sim uma ação à qual o sujeito dá
forma e estilo, não se reproduzindo à condição de objeto um do outro –

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.

A pesquisa aqui apresentada trata de uma experiência construída a partir das


diversas leituras de vários sujeitos, indo desta forma, para além de uma experiência:
um acontecimento plural, motivador, concebido a partir de semelhanças e
diferenças com: Os Batuques do Pelourinho” (JOSÉ HENRIQUE MANHÃES.
Ação Dialógica, jun. 2006. Fonte: Site Domínio Público.

capítulo 2 • 47
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/
texto/bv00180a.pdf>.
BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. O problema do texto (1959-1961). In: Estética da Criação Verbal. Trad.
Maria Ermantina Galvão Gomes e Pereira. São Paulo: Martins Fontes; 1992.
DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Campinas: Pontes; 1987.
EDITORIAL. ISTO É, São Paulo, n. 1572, nov. 1999.
FIORIN, José Luiz de. Introdução ao Pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática; 2006.
GULLAR, Ferreira. Não Há Vagas. Disponível em: <http://www.espacoacademico.com.
br/035/35cult_poesia.htm>.
KOCH, Ingedore G. Villaça. Desvendando os Segredos do Texto. São Paulo: Cortez; 2002.
LISPECTOR, Clarice. Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres. Rio de Janeiro: Rocco; 1988.
MANHÃES, José Henrique. Ação Dialógica. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/
pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=34194>.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção Textual, Análise de Gêneros e Compreensão. 3 ed. São Paulo:
Parábola Editorial; 2008.
OLIVEIRA, Domingos Nunes de. O Tempo Passa e a História Fica. Disponível em: <http://www.
dominiopublico.gov.br/download/texto/me002744.pdf>.
OLIVEIRA, Hélia. Análise do Discurso: Linguagem como Prática Social. Disponível em: <http://www.
webartigos.com/artigos/analise-do-discurso-linguagem-como-pratica-social/26229>.
ORLANDI, Eni Pulcinelle. Discurso e Leitura. 4 ed. São Paulo: Cortez; 2008.
______________. Sentidos em fuga: efeitos da polissemia e do silêncio. In: CARROZA, Guilherme;
SANTOS, Mirian dos; DAILVA, Telma Domingues (Orgs.). Sujeito, Sociedade, Sentidos. Campinas: RG, 2012

Sites:
http://analisedecharges.blogspot.com.br/
http://futurodopresente.com.br/blog/wp-content/uploads/2011/09/3facasuaparte.jpg
http://lh3.ggpht.com/_YZq1GuzpBRY/TC1M23yWfyI/AAAAAAAAFUI/OGa82pcAdYo/
Campanha%20Publicitaria%20Conscientizacao%20(25)_thumb%5B1%5D.jpg?imgmax=800
http://1.bp.blogspot.com/-27QNA290SbU/Tf-tFtrds-I/AAAAAAAAAOQ/d_4Q_QuEC4I/s1600/
Cartaz%2BFRIO1.jpg
https://www.google.com.br/search?q=caro+leitor&espv=2&biw=1900&bih=875&tbm=isch&imgil=9f
sH-3LZGlabjM%253A%253Bfwfh_1idOI7_6M%253Bhttp%25253A%25252F%25252Fwww.arazao.
net%25252F06index-junho07.html&source=iu&pf=

capítulo 2 • 48
3
Coerência e
discurso
Coerência e discurso
A leitura e compreensão de textos tem sido alvo de muitas discussões tanto em
projetos educacionais quanto em concursos. Redações também vêm provocando
propostas de mudança nas formas de ensino. O que está faltando afinal? Criatividade
não é. O que falta é saber como estruturar as ideias de modo organizado.
Segundo Marcuschi (2008), o texto é uma unidade comunicativa que deve
obedecer a um conjunto de critérios de textualização (esquematização e figuração),
pois não é um conjunto aleatório de frases. Esses critérios são a coesão e a coerência
textuais, principalmente.

Um texto precisa de organização interna para que possamos entendê-lo. Todas as


partes do texto devem estar encaixadas, relacionadas entre si. Somente assim o leitor
será capaz de identificar a mensagem.

Conhecer muitas palavras é suficiente para


escrever um texto?

O texto estará desconstruído se essas palavras não forem escolhidas com o


sentido que o autor pretende dar e de modo que o leitor possa interpretá-lo, além
de ser necessária uma ligação funcional entre os termos. Portanto, conclui-se que
é preciso saber usar os recursos existentes na língua para que haja uma composição
harmoniosa de um texto.

Formas básicas do discurso: textos concretos e textos abstratos

Em primeiro lugar, deve-se observar o que seria concreto e abstrato em textos, e


isso leva ao estudo dos substantivos, elementos nucleares dessa construção textual.
É importante lembrar que aqui não entram critérios de realidade como
“existe ou não existe, acredita-se ou não”. Toma-se como exemplo o substantivo
Deus. Muitas vezes, ouve-se dizer que é abstrato, pois não pode ser visto e outros
ainda dizem “eu não creio em Deus”. Aí está a grande questão, não é preciso ver

capítulo 3 • 50
nem pegar e muito menos acreditar. É concreto por se tratar de um “ser”. Os
substantivos abstratos são aqueles que dependem de um ser para existir como
os sentimentos: divindade, beleza, coragem. Conclui-se, então, que essa é uma
questão linguística e não de real ou irreal, de acreditar ou não, de ocupar lugar no
espaço ou ser fruto de ficção.
Os textos concretos se organizam em torno de substantivos concretos,
enquanto os textos abstratos se baseiam em substantivos abstratos.

Os atributos, posto que sejam inerentes aos seres, são considerados


muitas vezes como se existissem separados deles, como se fossem
outras entidades. Os substantivos que os representam chamam-se
abstratos; são concretos os nomes de referência direta aos seres.
Alegria, tristeza, formosura, probidade são substantivos abstratos; casa,
mulher, jardim, homem são substantivos concretos. (SAID ALI, 2008)

A partir desses conceitos, tem-se a classificação dos textos em:

Textos temáticos

Os textos temáticos pretendem expor situações do mundo em uma relação de


dependência, pois conceituam, comentam, emitem opiniões e muitas vezes levam
o leitor, como interpretante, a perceber os implícitos, o que exige conhecimentos
sobre o tema tratado.
Então, basta reconhecer os substantivos abstratos para entender que o texto é
temático? Não é tão simples assim.
Veja um trecho de texto publicado site do UNRIC (Centro Regional de
Informações das Nações Unidas), acessado em 18/08/2016

capítulo 3 • 51
Causas e fatores de risco

A origem da violência contra as mulheres reside na desigualdade histórica das relações


de poder entre homens e mulheres e na discriminação geral de que as mulheres
são objeto tanto na esfera pública como na privada. As disparidades patriarcais de
poder, as normas culturais discriminatórias e as desigualdades económicas negam às
mulheres os seus direitos fundamentais e perpetuam a violência. A violência contra
as mulheres é um dos principais meios de que os homens se servem para controlar a
capacidade de agir e a sexualidade das mulheres.
No contexto mais vasto da subordinação das mulheres, as causas específicas incluem
o recurso à violência para resolver conflitos, as doutrinas sobre a vida privada e a inércia
do Estado. Os padrões de comportamento individual ou familiar, nomeadamente os
maus tratos, estão igualmente relacionados com um aumento do risco de violência.
A violência contra as mulheres não se limita a uma cultura, região ou país nem a
um grupo específico de mulheres numa sociedade. As diversas manifestações dessa
violência e as experiências pessoais das mulheres dependem, porém, de fatores
como a origem étnica, a classe social, a idade, a orientação sexual, a incapacidade, a
nacionalidade e a religião.

capítulo 3 • 52
Pode-se dizer que se trata de um texto temático, pois é predominantemente
dissertativo. Os substantivos abstratos como violência, desigualdade, relações
de poder, discriminação, direitos fundamentais estão presentes a fim de levar
o leitor a refletir sobre o problema, levantando argumentos que fundamentem
o tema. Em geral, é redigido em tom impessoal e é dinâmico, demonstra uma
questão histórica que indica a presença de fatos do mundo natural, focado em
conceitos e prestando-se à interpretação e à conscientização do leitor.
Veja outro texto:

Agora o Oriente encontrou a arma que desengatilhou a arrogância Ocidental:


o Terrorismo.
Terrorismo não é ação, é reação. É igual ao medo que os feitiços dos escravos negros
opunham ao pavor que a cultura de seus senhores lhes provocava.
O fenômeno mais recente e emblemático antiterror é a reação do povo da França ao
assassinato dos cartunistas do Charlie Hebdo.
Não é a reação de indignação, é uma reação de medo. O Ocidente esqueceu que o
berço da civilização é o Oriente e que de lá acabaria vindo a solução para o choque
de civilizações.
te momento, os chefes de estado ocidentais apareceram com um discurso conciliatório:
é possível a convivência pacífica entre Oriente e Ocidente. Vamos esquecer nossas
diferenças e conviver pacificamente.
(Gilson Nazareth. O choque de civilizações. 2015).

Nesse texto, o leitor precisa ler também os implícitos, isto é, lembrar-se do que
aconteceu no episódio relatado, conhecer a cultura que opõe Oriente × Ocidente,
questões relativas a ação e reação.

O que significa ler implícitos?

Segundo Orlandi (2008), o implícito consiste naquilo que não está dito e
que também está significando: (a) o que não está dito, mas que, de certo modo,
sustenta o que está dito; (b) o que está suposto para que se entenda o que está dito;
(c) aquilo a que o que está dito se opõe; (d) outras maneiras diferentes de se dizer
o que se disse e que significa com nuances distintas etc.

capítulo 3 • 53
Textos figurativos

Os textos figurativos, que têm função representativa, apresentam


predominantemente substantivos concretos que buscam efeito de realidade e
demonstram uma imagem do mundo e os diversos tipos de ações do homem,
relatam acontecimentos.
Esses textos podem estar presentes em reportagens, como:

Anvisa quer proibir remédios que aumentam a inteligência. Você concorda?

Após polêmica sobre a existência de suplementos para inteligência, órgão que


regulamenta os medicamentos no Brasil, a Anvisa estuda proibir a comercialização
destes produtos no país. Estudantes, concurseiros, celebridades e até muitos
empresários de sucesso que já alegaram ter obtido resultados com os tais
medicamentos contestam. Confira na matéria:

Depois de muitos processos judiciais e confusões envolvendo concursos, universidades


e escolas e o uso destes suplementos por parte de alguns candidatos e alunos, a
Anvisa estuda proibir a comercialização das Pílulas da Inteligência para erradicar estes
escândalos motivados por supostos casos de dopping.
Uma história que tem causado muita polêmica entre as pessoas e que até já tomou
espaço da mídia nacional, como mostrado no Fantástico, agora o assunto chega ao
órgão máximo de controle de medicamentos no Brasil, a Anvisa. Regulador estuda
a proibição da fabricação e comercialização das chamadas pílulas da inteligência,
produtos que prometem aumentar a inteligência e o foco, transformando o cérebro
humano em uma supermáquina.

capítulo 3 • 54
Inspirados pelo filme americano Sem Limites - em que o personagem principal, um
escritor fracassado que tomou uma pílula da inteligência (chamada NZT48), tornou-se
bem-sucedido e rico rapidamente graças ao seu aumento de inteligência, muitos
boatos sobre um suplemento natural que permite a pessoas “comuns” ficarem
superinteligentes quase que do dia para a noite surgiram na internet. As histórias
começaram a vir à tona quando muitos concurseiros, como o caso do gari que
passou na Receita Federal, estudantes, vestibulandos e candidatos do Enem (com o
conhecido caso do Bernardo, que chegou a ser detido pela polícia) foram vítimas de
processos para anulação de seus resultados por dopping, uma vez que eles utilizaram
tais suplementos (todos os casos utilizando o mesmo produto, o Optimemory) e
obtiveram sucesso impressionante, alguns até como primeiros colocados em suas
respectivas disputas.
Mesmo que todos os casos noticiados fossem reais, pois os candidatos e alunos foram
inocentados e ficaram livres para continuarem com seus cargos e estudos, a Anvisa
quer acabar com este tipo de escândalo e evitar processos desta natureza. O órgão
admite que não teria motivos clínicos para proibir o uso de tais pílulas da inteligência,
como o Optimemory, único que até hoje apresentou os resultados de real aumento de
inteligência e foco, pois em pesquisa descobriu-se que se trata de um nootrópico, uma
substância usada para aumentar o potencial cognitivo do cérebro humano. A fórmula
já é comercializada nos Estados Unidos e agora está sendo distribuída no Brasil pela
empresa Qualydade Vida, única distribuidora e detentora da fórmula original no país.
Nos Estados Unidos, a fórmula já deu muito o que falar, e megaempresários, cientistas
proeminentes e diversas celebridades de Hollywood declararam utilizá-la. Alguns
cientistas chegaram a afirmar que a pílula oferece uma vantagem injusta àquelas
pessoas que a tomam, e querem que o suplemento seja proibido. Ainda nos Estados
Unidos, estudantes das melhores universidades do país, como Harvard e Stanford,
afirmam que fazem uso diário do suplemento para aumentar seu desempenho.
O lançamento da pílula também causou polêmica aqui no Brasil, quando empresários
e banqueiros (que já faziam uso da fórmula) resolveram processar a empresa
responsável pela venda de Optimemory. A alegação era a de que o preço do composto
deveria ser mantido a valores altos, pois caso a chamada “fórmula do sucesso” fosse
vendida a preços muito acessíveis, poderia haver um desequilíbrio na economia. O
processo ainda corre na justiça, mas Optimemory continua sendo vendido pelo seu
preço original, segundo o fabricante.

capítulo 3 • 55
Observa-se que a reportagem trata de problemas atuais e nela predominam
substantivos concretos, o que torna o texto figurativo, embora se perceba que
subliminarmente o tema apresente opiniões e relatos.
A literatura também exemplifica textos figurativos como as narrativas. Elas
podem aparecer como poesia ou prosa.

Texto 1
JOSÉ
E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?
Você que é sem nome,
que zomba dos outros,
Você que faz versos,
que ama, protesta?
e agora, José?

Está sem mulher,


está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?

capítulo 3 • 56
E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio, - e agora?

Com a chave na mão


quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais!
José, e agora?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse,
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse...
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja do galope,

capítulo 3 • 57
você marcha, José!
José, para onde?
(Carlos Drummond de Andrade)

Texto 2
Bruxas não existem
Quando eu era garoto, acreditava em bruxas, mulheres malvadas que passavam o
tempo todo maquinando coisas perversas. Os meus amigos também acreditavam nisso.
A prova para nós era uma mulher muito velha, uma solteirona que morava numa
casinha caindo aos pedaços no fim de nossa rua. Seu nome era Ana Custódio, mas nós
só a chamávamos de “bruxa”.

Era muito feia, ela; gorda, enorme, os cabelos pareciam palha, o nariz era
comprido, ela tinha uma enorme verruga no queixo. E estava sempre falando sozinha.
Nunca tínhamos entrado na casa, mas tínhamos a certeza de que, se fizéssemos isso, nós
a encontraríamos preparando venenos num grande caldeirão.
Nossa diversão predileta era incomodá-la. Volta e meia invadíamos o pequeno
pátio para dali roubar frutas e quando, por acaso, a velha saía à rua para fazer
compras no pequeno armazém ali perto, corríamos atrás dela gritando “bruxa, bruxa!”.

Um dia encontramos, no meio da rua, um bode morto. A quem pertencera esse


animal nós não sabíamos, mas logo descobrimos o que fazer com ele: jogá-lo na casa
da bruxa. O que seria fácil. Ao contrário do que sempre acontecia, naquela manhã, e
talvez por esquecimento, ela deixara aberta a janela da frente. Sob comando do João
Pedro, que era o nosso líder, levantamos o bicho, que era grande e pesava bastante, e
com muito esforço nós o levamos até a janela. Tentamos empurrá-lo para dentro, mas
aí os chifres ficaram presos na cortina.

‒ Vamos logo ‒ gritava o João Pedro ‒, antes que a bruxa apareça. E ela apareceu.
No momento exato em que, finalmente, conseguíamos introduzir o bode pela janela,
a porta se abriu e ali estava ela, a bruxa, empunhando um cabo de vassoura. Rindo,
saímos correndo. Eu, gordinho, era o último.

E então aconteceu. De repente, enfiei o pé num buraco e caí. De imediato senti


uma dor terrível na perna e não tive dúvida: estava quebrada. Gemendo, tentei me
levantar, mas não consegui. E a bruxa, caminhando com dificuldade, mas com o cabo

capítulo 3 • 58
de vassoura na mão, aproximava-se. Àquela altura a turma estava longe, ninguém
poderia me ajudar. E a mulher sem dúvida descarregaria em mim sua fúria.

Em um momento, ela estava junto a mim, transtornada de raiva. Mas aí viu


a minha perna, e instantaneamente mudou. Agachou-se junto a mim e começou a
examiná-la com uma habilidade surpreendente.

‒ Está quebrada ‒ disse por fim. ‒ Mas podemos dar um jeito. Não se preocupe, sei
fazer isso. Fui enfermeira muitos anos, trabalhei em hospital. Confie em mim.
Dividiu o cabo de vassoura em três pedaços e com eles, e com seu cinto de
pano, improvisou uma tala, imobilizando-me a perna. A dor diminuiu muito e,
amparado nela, fui até minha casa. “Chame uma ambulância”, disse a mulher à
minha mãe. Sorriu.

Tudo ficou bem. Levaram-me para o hospital, o médico engessou minha perna e
em poucas semanas eu estava recuperado. Desde então, deixei de acreditar em bruxas.
E tornei-me grande amigo de uma senhora que morava em minha rua, uma senhora
muito boa que se chamava Ana Custódio.
(Moacyr Scliar)

ATENÇÃO
Figuras ‒ são os elementos concretos presentes no texto, são palavras ou expressões
que correspondem a algo existente no mundo natural. O mundo natural não quer dizer apenas
o mundo realmente existente, mas também os mundos fictícios criados pela imaginação
humana. (FIORIN, 2003).

Na lição 8 – Temas e figuras: a depreensão do tema ‒ na obra Para entender


o texto: leitura e redação, de Platão & Fiorin, pode-se constatar que um esquema
narrativo pode ser revestido de termos abstratos e construir um texto. Ou pode-se
concretizar um texto abstrato com elementos concretos que representam coisas,
ações e qualidades encontradas no mundo natural e perceptíveis pelos sentidos.

capítulo 3 • 59
Pode-se concluir que esses textos se relacionam e que figuras podem trazer
fortemente a questão conceitual, portanto temática, e que elementos abstratos
podem vir travestidos de figuras.
Observem-se, por exemplo, os ditados populares, as fábulas e até alguns contos:

Ditados populares

QUEM COM FERRO FERE, COM FERRO SERÁ FERIDO.

ÁGUA MOLE EM PEDRA DURA TANTO BATE ATÉ QUE FURA.

CASA DE FERREIRO, ESPETO DE PAU.

NÃO ADIANTA CHORAR PELO LEITE DERRAMADO.

QUEM MEU FILHO BEIJA MINHA BOCA ADOÇA.

Fábulas

O leão e o ratinho
Um leão, cansado de tanto caçar, dormia espichado debaixo da sombra boa de
uma árvore.
Vieram uns ratinhos passear em cima dele e ele acordou.
Todos conseguiram fugir, menos um, que o leão prendeu debaixo da pata.
Tanto o ratinho pediu e implorou que o leão desistiu de esmagá-lo e deixou que
fosse embora.
Algum tempo depois o leão ficou preso na rede de uns caçadores.
Não conseguindo se soltar, fazia a floresta inteira tremer com seus urros de raiva.
Nisso apareceu o ratinho, e com seus dentes afiados roeu as cordas e soltou o leão.
Moral: uma boa ação gera outra.

capítulo 3 • 60
A raposa e corvo
Um dia um corvo estava pousado no galho de uma árvore com um pedaço de queijo no
bico quando passou uma raposa. Vendo o corvo com o queijo, a raposa logo começou
a matutar um jeito de se apoderar do queijo. Com esta ideia na cabeça, foi para debaixo
da árvore, olhou para cima e disse:
Que pássaro magnífico avisto nessa árvore! Que beleza estonteante! Que cores
maravilhosas! Será que ele tem uma voz suave para combinar com tanta beleza! Se
tiver, não há dúvida de que deve ser proclamado rei dos pássaros.
Ouvindo aquilo o corvo ficou que era pura vaidade. Para mostrar à raposa que sabia
cantar, abriu o bico e soltou um sonoro “Cróóó!”. O queijo veio abaixo, claro, e a raposa
abocanhou ligeiro aquela delícia, dizendo:
Olhe, meu senhor, estou vendo que voz o senhor tem. O que não tem é inteligência!
Moral: cuidado com quem muito elogia.

Contos

Maneiras de amar
O jardineiro conversava com as flores, e elas se habituaram ao diálogo. Passava manhãs
contando coisas a uma cravina ou escutando o que lhe confiava um gerânio. O girassol
não ia muito com sua cara, ou porque não fosse homem bonito, ou porque os girassóis são
orgulhosos de natureza.
Em vão o jardineiro tentava captar-lhe as graças, pois o girassol chegava a voltar-se contra
a luz par não ver o rosto que lhe sorria. Era uma situação bastante embaraçosa, que as
outras flores não comentavam. Nunca, entretanto, o jardineiro deixou se regar o pé de
girassol e de renovar-lhe a terra, na ocasião devida.
O dono do jardim achou que seu empregado perdia muito tempo diante dos canteiros,
aparentemente não fazendo coisa alguma. E mandou-o embora, depois de assinar a
carteira de trabalho.
Depois que o jardineiro saiu, as flores ficaram tristes e censuravam-se porque não tinham
induzido o girassol a mudar de atitude. A mais triste de todas era o girassol, que não se
conformava com a ausência do homem. “Você o tratava mal, agora está arrependido?”
“Não, respondeu, estou triste porque agora não posso tratá-lo mal. É a minha maneira de
amar, ele sabia disso, e gostava”.
(Carlos Drummond de Andrade. Contos plausíveis) arrependido?” “Não, respondeu, estou triste
porque agora não posso tratá-lo mal. É a minha maneira de amar, ele sabia disso, e gostava”.
(Carlos Drummond de Andrade. Contos plausíveis)

capítulo 3 • 61
Um apólogo
Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha:
Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda enrolada, para fingir que vale
alguma cousa neste mundo?
Deixe-me, senhora.
Que a deixe? Que a deixe, por quê? Porque lhe digo que está com um ar insuportável?
Repito que sim, e falarei sempre que me der na cabeça.
Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agulha. Agulha não tem cabeça. Que
lhe importa o meu ar? Cada qual tem o ar que Deus lhe deu. Importe-se com a sua vida
e deixe a dos outros.
Mas você é orgulhosa.
Decerto que sou.
Mas por quê?
É boa! Porque coso. Então os vestidos e enfeites de nossa ama, quem é que os cose,
senão eu?
Você? Esta agora é melhor. Você é que os cose? Você ignora que quem os cose sou
eu e muito eu?
Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um pedaço ao outro, dou feição
aos babados...
Sim, mas que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adiante, puxando por você, que vem
atrás obedecendo ao que eu faço e mando...
Também os batedores vão adiante do imperador.
Você é imperador?
Não digo isso. Mas a verdade é que você faz um papel subalterno, indo adiante; vai
só mostrando o caminho, vai fazendo o trabalho obscuro e ínfimo. Eu é que prendo,
ligo, ajunto...
Estavam nisto, quando a costureira chegou à casa da baronesa. Não sei se disse que
isto se passava em casa de uma baronesa, que tinha a modista ao pé de si, para não
andar atrás dela. Chegou a costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da
linha, enfiou a linha na agulha, e entrou a coser. Uma e outra iam andando orgulhosas,
pelo pano adiante, que era a melhor das sedas, entre os dedos da costureira, ágeis
como os galgos de Diana para dar a isto uma cor poética. E dizia a agulha:

capítulo 3 • 62
Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco? Não repara que esta distinta
costureira só se importa comigo; eu é que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a eles,
furando abaixo e acima...
A linha não respondia; ia andando. Buraco aberto pela agulha era logo enchido por ela,
silenciosa e ativa, como quem sabe o que faz, e não está para ouvir palavras loucas. A
agulha, vendo que ela não lhe dava resposta, calou-se também, e foi andando. E era
tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-plic-plic-plic da agulha
no pano. Caindo o sol, a costureira dobrou a costura, para o dia seguinte. Continuou
ainda nessa e no outro, até que no quarto acabou a obra, e ficou esperando o baile.
Veio a noite do baile, e a baronesa vestiu-se. A costureira, que a ajudou a vestir-se,
levava a agulha espetada no corpinho, para dar algum ponto necessário. E enquanto
compunha o vestido da bela dama, e puxava de um lado ou outro, arregaçava daqui ou
dali, alisando, abotoando, acolchetando, a linha para mofar da agulha, perguntou-lhe:
Ora, agora, diga-me, quem é que vai ao baile, no corpo da baronesa, fazendo parte do
vestido e da elegância? Quem é que vai dançar com ministros e diplomatas, enquanto
você volta para a caixinha da costureira, antes de ir para o balaio das mucamas?
Vamos, diga lá.
Parece que a agulha não disse nada; mas um alfinete, de cabeça grande e não menor
experiência, murmurou à pobre agulha:
Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da vida,
enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze como eu, que não abro caminho para
ninguém. Onde me espetam, fico.
Contei esta história a um professor de melancolia, que me disse, abanando a cabeça:
Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária!
(Machado de Assis)

capítulo 3 • 63
De acordo com Fiorin (2003, p. 71),
Como o nível temático e o nível figurativo são dois níveis sucessivos
de concretização, podemos ter textos temáticos, isto é, sem a
cobertura figurativa, mas todo texto figurativo pressupõe, sob as
figuras, um tema. Assim para entender um texto figurativo é preciso
alcançar seu nível temático. Se um leitor ingênuo, ao ler o primeiro
texto permanecesse apenas no nível figurativo, poderia dizer que o
texto não passa de uma grosseira mentira, pois os asnos não têm
indecisões. Um leitor mais avisado, porém, procuraria logo um
significado mais amplo para o texto, que fosse além desses fatos mais
concretos e mentirosos. Um texto figurativo joga sempre com dados
concretos para, por meio deles, revelar significados mais abstratos.
Classificar os textos em figurativos ou temáticos depende dos elementos
concretos ou abstratos predominantes.

Elementos de coerência

Cabe fazer algumas observações para que se construa a coerência textual.


O eixo paradigmático que se constitui da seleção lexical, e, portanto, de uma
adequação vocabular que deixe pistas de interpretação ao leitor, pode ocorrer por
equivalências, contiguidades e associações a fim de se obter a unidade semântica e
também a comunicabilidade.
Segundo Antunes (2010, p. 181),

“(...) as palavras têm suas companhias preferidas. Formam pares,


selecionam-se mutuamente; por vezes, até se convertem em
expressões fixas, em construções cristalizadas que passam a funcionar
como se fossem palavras compostas”.

Segundo Silva (2006), lendo um texto de Manoel de Barros em que ele dizia
que as palavras eram conchas de clamores antigos e que as palavras possuem
no corpo muitas oralidades remontadas e muitas significâncias remontadas,
percebemos o porquê do fascínio pelo estudo da língua. “Escovar palavras”, como
disse esse mestre da narrativa, é um mistério que encanta e nos faz mergulhar em
um mundo inesgotável de descobertas.
Certamente alguns perguntarão:

capítulo 3 • 64
“E o que isto tem a ver com o tema?”
Tudo, responde-se, pois “escovar palavras” é buscar o significado das coisas, é
perceber a sabedoria do povo em suas formas de dizer.
O homem, na busca da comunicação, é um recriador de palavras e expressões e
quanto mais ele se expõe através da linguagem, novas formas de dizer vão surgindo.
Nada disto é novidade, apenas é preciso que, na procura de regularidades, não se
criem fórmulas de aprisionamento para o estudo da língua (SILVA, 2006).
A seleção vocabular na formação de um texto está ligada à cultura, à comunicação
e à percepção pelo leitor da intencionalidade discursiva. É preciso destacar as
competências textuais, interacionais que permitirão ao leitor inferir sentidos.

CURIOSIDADE
O que significa inferir?
As inferências são informações propositivas que não precisam ser explicitadas no
momento da produção do texto, por isso são também chamadas de subentendidos, ou seja,
“inferências são proposições que derivam, por alguma regra específica, de outra proposição”
(MOURA, 2007, p. 33). Segundo Moura (2007, p. 33), as inferências podem ser “(…)
baseadas no conhecimento linguístico (situadas, portanto, no campo da semântica)” quanto
“(…) no conhecimento do mundo (situadas, portanto, no campo da pragmática).”
Fonte: http://200.17.141.110/periodicos/interdisciplinar/revistas/ARQ_INTER_16/INTER16_005.pdf

O falante nativo reconhece semanticamente determinadas construções.


Por exemplo:

O homem velho teve O velho homem teve


Vem cá, meu velho.
dificuldades para se dificuldades para se
(velho = sentido
comunicar. comunicar.
afetivo)
(velho = relativo à idade) (velho = uso afetivo)

O marinheiro holandês admi- O holandês marinheiro admirou-se diante de


rou-se diante de tanta beleza. tanta beleza.
(privilegiou-se a profissão) (privilegiou-se a nacionalidade)

capítulo 3 • 65
Além disso, metáfora e a metonímia também são recursos da linguagem que
podem modificar semanticamente o texto e o leitor precisa decodificá-las.
Koch e Travaglia (1993, p. 38) afirmam que:
Tome-se o seguinte exemplo:

“a coerência não é apenas uma característica do texto, mas depende


fundamentalmente da interação entre o texto, aquele que o produz e
aquele que busca compreendê-lo”.

EXEMPLO
Modos de xingar
Biltre!
O quê?
Biltre! Sacripanta!
Traduz isso para português.
Traduzo coisa nenhuma. Além do mais, charro! Onagro!
Parei para escutar. As palavras estranhas jorravam do interior de um Ford de bigode.
Quem as proferia era um senhor idoso, terno escuro, fisionomia respeitável, alterada pela
indignação. Quem as recebia era um garotão de camisa esporte, dentes clarinhos emergindo
da floresta capilar, no interior de um fusca. Desses casos de toda hora: o fusca bateu no
Ford. Discussão. Bate-boca. O velho usava o repertório de xingamentos de seu tempo de sua
condição: professor, quem sabe? Leitor de Camilo Castelo Branco.
(Carlos Drummond de Andrade)

A coerência pode depender da faixa etária de quem fala. Depende, também,


das condições de produção, de determinada situação, do gênero textual produzido
e dos contextos sócio, cultural e histórico.

capítulo 3 • 66
Veja a linguagem do sertanejo em produção literária:

Compadre meu Quelemém me hospedou, deixou meu contar minha história inteira.
Como vi que ele me olhava com aquela enorme paciência calma de que minha dor
passasse; e que podia esperar muito longo tempo. O que vendo, tive vergonha, assaz.
Mas, por fim, eu tomei coragem, e tudo perguntei:
“O senhor acha que a minha alma eu vendi, pactário?!”
Então ele sorriu, o pronto sincero, e me vale me respondeu:
“Tem cisma não. Pensa para diante. Comprar ou vender, às vezes, são as ações que
são as quase iguais...”
(...)
Cerro. O senhor vê. Contei tudo. Agora estou aqui, quase barranqueiro.
(...) Amável senhor me ouviu, minha ideia confirmou: que o Diabo não existe. Pois não?
O senhor é um homem soberano, circunspecto. Amigos somos. Nonada. O diabo não
há! É o que eu digo, se for... Existe é homem humano. Travessia.
(Guimarães Rosa. Grande Sertão: Veredas)

A coerência pode se dar por uma sequência comum ao leitor, embora pareçam
palavras desconectadas, sem coesão.

Veja alguns exemplos, a seguir:

Circuito fechado
Chinelo, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, cre-
me de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente,
toalha. Creme para cabelo, pente. Cueca, camisa, abotoadura, calça, meias, sapatos,
gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio. Jornal.
Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapo. Quadros. Pasta, carro.
Mesa e poltrona, cadeira, papéis, telefone, agenda, copo com lápis, canetas, bloco de
notas, espátula, pastas, caixas de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis,
telefone. Bandeja, xícara pequena. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vale, che-
ques, memorando, bilhetes, telefone, papéis. Relógio, mesa, cavalete, cadeiras, esboços
de anúncios, fotos, bloco de papel, caneta, projetor de filmes, xícara, cartaz,

capítulo 3 • 67
lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia, água. Táxi. Mesa, toalha,
cadeira, copo, pratos, talheres, garrafa, guardanapo, xícara. Escova de dentes, pasta,
água. Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, telefone interno, exter-
no, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, telefone, papéis, prova de anúncio, caneta
e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta. Carro. Paletó, gravata.
Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesas, cadeiras, prato, talheres, copos, guardanapos.
Xícaras. Poltrona, livro. Televisor, poltrona. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça,
cueca, pijama, chinelos. Vaso, descarga, pia, água, escova, creme dental, espuma, água.
Chinelos. Coberta, cama, travesseiro.
Ricardo Ramos (www.pucrs.br/gpt/substantivos.php)
(Guimarães Rosa. Grande Sertão: Veredas)

(Fonte: Millôr Fernandes. Disponível no site UOL Educação. Acesso em 19/08/2016)

Fonte: site do Museu da Língua Portuguesa.

capítulo 3 • 68
Como se pode verificar pelos exemplos, o estudo do léxico deve superar a
significação das palavras apenas pelo dicionário, pois muitas delas se recriam, se
expandem, ganham sentidos locais. É preciso “escovar as palavras” para encontrar
em seu âmago o que elas significam realmente no plano do texto.
Segundo Antunes (2010, p. 186), “somente a instância dos textos reais
propicia o conhecimento de todas as possibilidades de sentido que o léxico de
uma língua pode abranger”.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALI, M. Said. Dificuldades da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras; 2008.
ANDRADE, Carlos Drummond de. Os velhos xingamentos. De notícias & não notícias faz-se a
crônica. Rio de Janeiro: José Olympio; 1975.
______________. Contos plausíveis. São Paulo: Companhia das Letras; 2012.
______________. José. Disponível no site Jornal de Poesia. Acesso em: 07/11/2016.
ANTUNES, Irandé. Análise de textos. São Paulo: Parábola; 2010.
ASSIS, Machado de. Apólogo. Texto extraído do livro “Para Gostar de Ler. Vol. 9 Contos”. São Paulo:
Ática; 1984.
FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto – leitura e redação. 16 ed. São
Paulo: Ática; 2003.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção Textual, análise de gêneros e compreensão. 3 ed. São
Paulo: Parábola Editorial; 2008.
ORLANDI, Eni Pulcinelle. Discurso e leitura. 4. ed. São Paulo: Cortez; 2008.
ROSA, Guimarães. Grande sertão: veredas. Obra completa. São Paulo: Nova Aguilar; 1994.
SILVA, Hilda Monetto Flores da. Verbo suporte e expressões cristalizadas. Um enfoque sintático-
semântico-discursivo. Tese de doutorado. Rio de Janeiro, UERJ, 2006.
Sites
Pôr fim à violência contra as mulheres: das palavras aos actos Relatório do secretário-Geral
(sinopse). Disponível no site do Centro Regional de Informação das Nações Unidas. Acesso em:
18/08/2016.
PUCRS — Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Como redigir um texto só com
substantivos. Guia de produção textual. Manual de Redação. Disponível no site da PUC RS. Acesso
em: 07/11/2016.
SCLIAR, Moacir. Bruxas não existem. Disponível no site Nova Escola. Acesso em 07/11/2016.

capítulo 3 • 69
capítulo 3 • 70
4
Formação
discursiva e
formação ideológica
do discurso
Formação discursiva e formação
ideológica do discurso

Como já se observou em capítulos anteriores, o fato de falar ou escrever


uma língua está condicionado à produção de sequências dotadas de significado,
portanto deve-se levar em consideração que há uma face sensível da linguagem
‒ o significante ‒, que é o plano da expressão; sendo que, junto a este, há a face
psíquica ‒ o significado ‒, que é o plano do conteúdo.

Usar a linguagem é uma maneira de agir socialmente, de interagir com os outros.


O conteúdo implica muitas vezes conhecimento cultural, identificação da ideologia
disposta nas entrelinhas.

Observe a seguinte campanha:

Foto: Antonio Cruz/Abr

capítulo 4 • 72
Embora haja texto verbal como:

O preconceito isola.
“Há uma coisa dentro de mim, contagiosa e mortal, perigosíssima, chamada vida, lateja
como desafio” (Herbert Daniel)

Os planos da expressão e do conteúdo foram intencionalmente manipulados


pelo sujeito produtor para produzir determinados efeitos de sentidos no
seu interlocutor.
Também há símbolos e ícones a serem identificados e o leitor deve inferir* que:

O sujeito produtor pretende levar à


Há um alerta acerca do “vírus HIV”.
reflexão sobre o preconceito, marcado
Nesse intuito, ele utiliza o símbolo da fita
pela bolha em que o homem está envolto
representando a campanha.
e que o isola dos outros cidadãos.

CONEXÃO
*Inferir significa deduzir, concluir. É chegar a uma conclusão final sobre algum fato
ocorrido por intermédio de seguidas deduções. É formar uma ideia final, de algumas informações,
mediante raciocínio, exame dos fatos. Uma informação pode ser passada e conter ideias que estão
subentendidas e para entendê-las temos que buscar o raciocínio (http://www.significados.com.br)

Existe uma troca entre autor e leitor, entre


produção do texto e leitura dele.

A leitura e a interpretação dependem das condições socioculturais, do estado


mental e emotivo do leitor. Isso significa que o mesmo texto pode ser lido de
diversas maneiras pelo mesmo interlocutor que completará o sentido do texto.

capítulo 4 • 73
Os sentidos não se esgotam, reajustam-se, reproduzem-se, cabendo, por isso,
novas interpretações de acordo com as leituras que são feitas do texto.
Você poderá pensar, então, que o texto pode significar o que você quiser.
Não é bem assim. Há uma cadeia de referências a qual se baseia em uma série
de fatores que se associam para fornecer pistas de identificação das significações
possíveis; são os implícitos presentes nas relações linguagem, língua, mundo e que
dependem das inferências que deverão ser feitas pelo interlocutor.
Como se pode verificar, é uma campanha cujo objetivo é conscientizar contra
o preconceito e, nesse caso, o vírus da AIDS. Geralmente as campanhas são
institucionais e tratam de problemas sociais.

EXEMPLO
Outras situações podem ser encontradas em fotos, sem linguagem verbal:

Fonte: http://fotospublicas.com (acesso em 20 de agosto de 2016)

A situação precisa ser decodificada:

Forças armadas na rua? O que está acontecendo? É apenas uma corrida? Por
que o isolamento? Há tumulto na favela?

E lá no fundo se vê o símbolo das Olimpíadas. Não há guerra, e sim uma disputa por
medalha, por prêmio, às vezes por superação dos atletas. A medalha não precisa ser física, é
a importância da chegada que tem significação.

capítulo 4 • 74
O atleta está com raiva?
Por que morde a medalha?

Fonte: goo.gl/yS3NA2

Há um texto verbal que se forma na cabeça do interpretante o qual se prende aos


detalhes, ao momento histórico, à ideologia, à religião, à crítica, a desabafo.
O processo de interpretação é interativo e depende de um compartilhamento entre o
autor (aquele que escreve ou fala) e o leitor (o sujeito interpretante). O processo discursivo,
portanto, não pode dissociar-se dos falantes e de seus atos, das esferas sociais nem dos
valores ideológicos.
Isso pode ser observado nas charges que demonstram momentos vividos em
determinada época:

Fonte: https://goo.gl/mH3P7 - https://goo.gl/WNV5ke

Fonte: https://goo.gl/HM6l02 - Fonte: https://goo.gl/n7RKeX

capítulo 4 • 75
Em textos literários:

A Viuvinha
“Janeiro de 1857.
Se passasse há dez anos pela Praia da Glória, minha prima, antes que as novas ruas
que se abriram tivessem dado um ar de cidade às lindas encostas do morro de Santa
Teresa, veria de longe sorrir-lhe entre o arvoredo, na quebrada da montanha, uma
casinha de quatro janelas com um pequeno jardim na frente.
Ao cair da tarde, havia de descobrir na última das janelas o vulto gracioso de uma
menina que aí se conservava imóvel até seis horas, e que, retirando-se ligeiramente,
vinha pela portinha do jardim encontrar-se com um moço que subia a ladeira, e
oferecer-lhe modestamente a fronte, onde ele pousava um beijo de amor tão casto
que parecia antes um beijo de pai.
Depois, com as mãos entrelaçadas, iam ambos sentar-se a um canto do jardim, onde
a sombra era mais espessa, e aí conversavam baixinho um tempo esquecido; ouvia-se
apenas o doce murmúrio das vozes, interrompidas por esses momentos de silêncio em
que a alma emudece, por não achar no vocábulo humano outra linguagem que melhor
a exprima.
O arrulhar destes dois corações virgens durava até oito horas da noite, quando uma
senhora de certa idade chegava a uma das janelas da casa, já então iluminada, e
debruçando-se um pouco, dizia com a sua voz doce e afável:
Olha o sereno, Carolina!”
(José de Alencar)

O Cabeleira
A Meu amigo,
A casa onde moro está situada ao lado de uma rua de bambus, em um dos cantinhos
mais amenos da bacia de Botafogo.
Vejo daqui uma grande parte da baía, os morros circunstantes cravando seus cumes
nas nuvens, o céu de opala, o mar de anil. Infelizmente este belo espetáculo não
é imutável.
De súbito o céu se torna brusco, e só descubro cabeços fumegantes em torno de mim;

capítulo 4 • 76
ribomba o trovão nos píncaros alcantilados; a chuva fustiga as palmeiras e casuarinas;
a ventania brame no bambuzal; a casa estala. Parece que tudo vai derruir-se.
Estas tormentas duram horas, noites, dias inteiros, e reproduzem-se com mais ou me-
nos frequência.
Quando elas têm passado de todo, o céu mostra-se mais puro e belo, o mar mais azul,
as árvores mais verdes, a viração tem mais doçura, as flores mais deliciosos aromas.
Pela face das pedreiras correm listões d’água prateada, que refletem a luz do sol, for-
mando brilhantes matizes. Coberta de frescas louçanias, a natureza sorri com suave
gentileza depois de haver esbravejado e chorado como uma criança.
É tempo de cumprir a promessa extorquida pela amizade, que não atendeu às mais
legitimas escusas. Essa natureza brilhante e móvel estava a cada instante convidando
o meu desânimo a romper o silêncio a que vivo recolhido desde que cheguei do extre-
mo norte do império.
Depois de cerca de dois anos de hesitações, dispus-me enfim a escrever estas pálidas
linhas — notas dissonantes de uma musa solitária, que no retiro onde se refugiou com
os desenganos da vida não pode esquecer-se da pátria, anjo das suas esperanças e
das suas tristezas.
Tive porém que melhor seria leres umas centenas de páginas na estampa, do que
traduzires um volumoso in-fólio inçado de tantas emendas e entrelinhas que a mim
mesmo custa às vezes decifrá-las, pela razão de que tudo aqui se escreveu sem ordem,
sem arte, sem se atender a ideal, por aproveitar momentos vagos e incertos de uma
pena que pertence ao Estado e à família.”
(Franklin Távora)

O Bicho
Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,


Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

capítulo 4 • 77
O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.


(Manuel Bandeira)

Nos textos literários também se encontra o papel social como manifestação


de arte que induzirá à formação cultural dos leitores. Afinal, o escritor é um ser
social que precisa manter com o leitor um ambiente em que recria uma realidade
que, muitas vezes, aparece transfigurada a fim de levar o interpretante a sentir
as situações vividas não só por ele, mas também por toda a sociedade que, de
acordo com a época, apresenta dificuldades que tanto conduzem a lutas de classe
ou a questões político-ideológicas quanto a situações cotidianas como pobreza,
preconceito etc. Já dizia Fernando Pessoa: “O poeta é um fingidor/ finge tão
completamente/ que finge sentir que é dor/ a dor que deveras sente”.

Heterogeneidade discursiva

Um discurso, em geral, tem o rumor de outros discursos, isto é, ele resulta


de vivências, leituras de autores sobre o assunto, debates, discussões ‒ é o que
chamamos heterogeneidade discursiva. Esse rumor de que se fala é o que Bakhtin
chama de dialogismo.
De acordo com Bakhtin (1997, p. 113), “a palavra é uma espécie de ponte
lançada entre o locutor e o interlocutor. Se ela se apoia sobre o locutor numa
extremidade, na outra apoia-se sobre o interlocutor”.
Para desenvolver melhor o assunto, é preciso lidar com as linhas tênues que
separam as nomenclaturas heterogeneidade, dialogismo e polifonia.
Bakhtin foi o precursor desse debate sobre o discurso e sua heterogeneidade,
afirmando que todo discurso é dialógico por natureza.

capítulo 4 • 78
Segundo o autor:

A verdadeira substância da língua não é constituída por um sistema


abstrato de formas linguísticas, nem pela enunciação monológica
isolada, nem pelo ato psicofisiológico de sua produção, mas pelo
fenômeno social da interação verbal, realizada através da enunciação
ou das enunciações. A interação verbal constitui assim a realidade
fundamental da língua. (BAKHTIN, 1992, p. 123).

Silva (2006) afirma que:

•  Nenhum enunciado é totalmente novo, pois está repleto dos ecos e


lembranças de outros;
•  O objeto do discurso de um locutor não é inédito, é o lugar em que se
cruzam, encontram-se e se separam diferentes pontos de vista, visões de mundo,
tendências;
•  São as tonalidades dialógicas que preenchem um enunciado. E o discurso
se firma sob forma de reflexão, interação, escolha de expressões contundentes ou
suavizadas, tom provocante, reiteração, polemização.
•  É complexo, polimorfo, apresenta ressonância longínqua e quase inaudível
da alternância dos sujeitos.

O texto é polissêmico e polifônico. Aí está a heterogeneidade do discurso.


A heterogeneidade e o princípio da dialogia, portanto, ligam-se conceitualmente
e, ainda sob a ótica de Bakhtin, há duas situações dialógicas: a que existe entre os
interlocutores e a que existe entre textos (intertextualidade).
Em cada falante há um texto construído a partir de vivências que o tornam
um sujeito inserido na história humana, com ideologias que refletem várias vozes.
Há uma série de exemplos em nosso cotidiano. Veja as tirinhas:

capítulo 4 • 79
EXEMPLO

Fonte: https://goo.gl/BPPQlNii

Fonte: https://goo.gl/DhYzii

Segundo Orlandi (2001, p. 115):

Todo texto é heterogêneo do ponto de vista de sua constituição


discursiva: ele é atravessado por diferentes formações discursivas, ele
é afetado por diferentes posições do sujeito, em sua relação desigual e
contraditória com os sentidos, com o político, com a ideologia.

Você, agora, poderá refletir sobre as sutis diferenças entre os conceitos de


polifonia, dialogismo e intertextualidade.

capítulo 4 • 80
Polifonia

Polifonia é uma noção que deriva da língua grega. O conceito refere-se à simultaneida-
de de sons diferentes que formam uma harmonia. Deste modo, apesar de serem sons
independentes, o ouvinte percebe-os com um todo.
Leia mais em: Conceito de polifonia O que é, definição e significado.
Disponível no site Conceito.de. Acesso em 18/11/2016

Como se pode perceber, a nomenclatura está ligada à música e foi tomada


metaforicamente pela linguística na palavra de Bakhtin, que considera “o
dialogismo o princípio constitutivo da linguagem que é, para ele, por constituição,
dialógica, num cruzamento constante de discursos”. Esse pluralismo discursivo é
que oferece o caráter polifônico. Ao falar ou escrever, o sujeito sabe que do outro
lado haverá um interlocutor e não apenas um receptor.
E qual a diferença?
O interlocutor poderá ser mais de um sujeito e deverá ser capaz de decodificar
o que foi “dito”, isto é, deve perceber as “vozes” presentes no discurso. Não será
um receptor passivo.
O texto de que se irá tratar é um trecho de uma polêmica publicação de 2009:

A DIPIRONA E AS OLIMPÍADAS
Marcelo Câmara
Fábula desmoralizante e corruptora

Rio, 5.10.2009 – Na última sexta-feira, dia 2 de outubro, o Rio de Janeiro carnavalizou-


se. Ansiedade e catarse, alegria e samba, travestismo e delírio. A dinamarquesa
Kopenhagen anunciava: o Brasil hospedaria os jogos olímpicos e paraolímpicos de 2016.
A festa inundou zonas sul, norte, oeste, subúrbios, arrabaldes rurais remanescentes.
Foguetes, cerveja, shows na praia de Copacabana. Parecia que tínhamos governos
honestos, de mínima e natural corrupção, em todos os níveis, que cumpriam
compromissos ideológicos e programáticos dos seus respectivos partidos políticos.

capítulo 4 • 81
Podia-se até imaginar que estávamos numa democracia e vivíamos num país onde os
indivíduos eram respeitados nos seus fundamentais direitos e comiam relativamente
bem; se vestiam e tinham saúde, eram humanamente atendidos nas unidades de
saúde e hospitais; estudavam em escolas decentes, iam e vinham no seu cotidiano
sem assaltos, a salvo das balas perdidas e estupros; o esporte e o lazer eram
generalizados; os direitos culturais estavam garantidos e eram amplamente exercidos;
havia transportes públicos seguros e eficazes; trabalhavam dignamente; enfim, as
pessoas viviam e conviviam em paz, felizes. Sonhavam, criavam, produziam. Os serviços
públicos eram públicos, atendiam à população.
Naquela manhã, as edições dos jornais e revistas, os telejornais e a Internet não
recuperavam as pautas dos últimos meses: as irregularidades de toda ordem, a lama
pútrida que lambuzou todas as instituições públicas que planejaram, organizaram e
realizaram os Jogos Pan-Americanos no Rio de Janeiro em 2007. Corrupção ativa,
peculato, licitações fraudadas, projetos não executados ou mal realizados, desvio
de dinheiro público, incúria, prevaricação, furtos, formação de quadrilha, falsidade
ideológica, superfaturamento de obras e serviços, que, quando prestados eram
insuficientes ou criminosos.

Há palavras que já antecipam os argumentos, a começar pelo título, e já no


primeiro parágrafo o autor apresenta o assunto, a localização e a temporalidade. A
ironia está presente em todos os parágrafos e isto custou ao jornalista e consultor
cultural Marcelo Câmara a negativa da mídia em publicar o artigo, considerando-o
“um insulto à boa-fé das autoridades, um escárnio, um deboche, antinacional,
muito pessimista etc.”. Além disso, suas ideias iam de encontro às perspectivas
políticas, ideológicas de marketing, o que já implica polifonia. Há muitas vozes
perceptíveis nas palavras de um lado e do outro.

REFLEXÃO
A seleção vocabular feita pelo autor incorpora essas vozes: “carnavalizou-se, a festa,
shows na praia de Copacabana. governos, compromissos ideológicos”, entre outras.
Os receptores iriam ou não se solidarizar com o jornalista, mas o texto polifônico marcou
toda a ideologia possível.

capítulo 4 • 82
O site começa com a seguinte imagem e título, apresentando o texto publicado em 2009
e os acontecimentos de 2016.
A tragédia anunciada da Olimpíada no Rio, em um texto escrito em 2009
Postado em julho 26, 2016 por Tribuna da Internet

Em outro site encontra-se o seguinte:

“Da abertura que encantou o mundo ao título inédito no futebol e o tri no vôlei, a Rio
2016 foi histórica também pela festa nas ruas e na praia, bom humor nas arquibancadas
e na internet, a água verde e alguns casos de violência. O G1 levantou 20 temas que
marcaram os Jogos.”
(Publicado em 21/08/2016, atualizado em 22/08/2016 http://especiais.g1.globo.com/rio-de
janeiro/olimpiadas/rio2016/2016/olimpiada-rio-2016/)

Pode-se perceber a retomada de alguns elementos sugeridos no primeiro texto


como “festa nas ruas e na praia” e a ironia minimizada em “a água verde e
alguns casos de violência”.

Dialogismo: Baktin

Dialogismo:
“De acordo com a teoria bakhtiniana, o dialogismo reafirma a natureza sociocultural
do enunciado. O indivíduo, ao mesmo tempo que negocia com seu interlocutor, recebe
influências deste, as quais interferirão na estrutura e na organização do enunciado.”
Fonte: Puc Rio

As teorias de dialogismo e polifonia interagem,


embora uma nomenclatura não substitua a outra.

capítulo 4 • 83
Como se tem visto, o discurso é uma prática social, e os textos, por fazerem
parte de um contexto sócio-histórico-cultural, refletem uma determinada visão
de mundo.
As palavras organizadoras do discurso participam da construção do sentido
junto com os leitores ou coprodutores interpretantes.
Segundo Bakhtin (1992), a enunciação é o produto da interação de dois ou
mais indivíduos socialmente organizados, pois sua natureza é social. A enunciação
não existe fora de um contexto socioideológico.
Qualquer enunciação propõe uma réplica, uma reação. Desse modo, não
existe um discurso que já não contenha outro ou a ideia de outro. Pode-se dizer
com Bakhtin (1999) que a palavra vai à palavra.
A polifonia em textos verbais pressupõe recursos, estratégias argumentativas
presentes na comunicação linguística que visam à formação de opinião.
As estratégias argumentativas têm, em textos jornalísticos, bons exemplos.
Veja:

EXEMPLO
Brasileiros estão gastando menos em Lisboa
POR GIULIANA MIRANDA

Uma pesquisa acaba de confirmar aquilo que comerciantes e profissionais do turismo já


suspeitavam: os brasileiros pisaram no freio na hora das compras e estão gastando menos
dinheiro nas visitas a Lisboa.
Nos últimos anos, os viajantes do Brasil ficaram conhecidos pelos gastos. Estima-se que
sejam responsáveis por 15% do mercado de compras dos estrangeiros não europeus.
Mas, nos primeiros seis meses de 2016, houve uma queda de 24% em relação ao mesmo
período de 2015. Em média, o brasileiro gastou 256€ (R$ 923) em compras em Portugal.
O levantamento foi feito pela empresa Global Blue, que gerencia operações do chamado
tax free ‒ a devolução de parte dos impostos sobre as compras para estrangeiros.
Mas a maré de economia não atingiu apenas os brasileiros. As compras dos não europeus
(que têm, portanto, direito ao reembolso de parte dos impostos) caíram como um todo: o valor
médio das compras em Portugal foi de 318€, uma queda de 8% em relação ao primeiro
semestre de 2015.
O número total de compras caiu 18%.
Das nacionalidades analisadas, apenas os americanos aumentaram os gastos: alta de
26%, chegando a um valor médio de compras de 519€.

capítulo 4 • 84
Mesmo com a queda, as receitas do turismo e das atividades relacionadas a ele vão
muito bem em Portugal como um todo: alta de 10,4% em junho de 2016, em comparação
com o mesmo período de 2015.
Entre os lojistas, há a expectativa que a recuperação do valor do real frente ao euro volte
a impulsionar o lado mais consumista do brasileiro.
Fonte: Ora Pois – blog da Folha de São Paulo. Acesso em 18/11/2016

Ao propor o assunto, a autora apresenta uma série de estratégias argumentativas


(tempos verbais, porcentagens, conectores de oposição, locuções adverbiais e a pontuação
significativa) e dá voz a vários participantes, o que confere ao texto a polifonia.

Intertextualidade

Você provavelmente já se deparou com as imagens:

Fonte: https://goo.gl/UzCf9k

capítulo 4 • 85
A criatividade nessas peças publicitárias está em usar textos da literatura, da
música e do cinema para interagir com os consumidores, seduzindo-os. Esses
novos textos com trechos de outros constituem a intertextualidade.

EXEMPLO
1. Dois milhos de Francisco - Dois filhos de Francisco (filme brasileiro lançado em
2005, do gênero drama, dirigido por Breno Silveira).
2. O aipo da compadecida - O auto da compadecida (romance de Ariano Suassuna).
3. O que é que a banana tem? - O que é que a baiana tem? (música de Dorival Caymmi).

Reconhecer a intertextualidade requer conhecimento do texto aludido.

CONCEITO
Retomando o conceito de intertextualidade:
“Relação de copresença entre dois ou vários textos, que se concretiza, mais
frequentemente, pela ‘presença efetiva de um texto em outro.” (Gerard Genette)

Portanto:
Um texto está inserido no outro e há algumas maneiras de se encontrar a
intertextualidade:

EXPLÍCITA IMPLÍCITA
Nesse caso há uma citação O leitor deve reconhecer o
do texto entre aspas ou sem texto-fonte, visto que este deve fazer
aspas, quando de domínio público. parte da memória coletiva, do senso
comum ou da bagagem cultural de
uma sociedade.

capítulo 4 • 86
Na estrutura do termo textualidade tem-se:
(...) o sufixo inter, de origem latina, que se refere a uma noção
de relação, dependência. Dessa forma, podemos dizer que a
intertextualidade acontece quando os textos conversam entre si,
estabelecendo assim uma relação dialógica, representada em citações,
paródias ou paráfrases. Sua importância é inquestionável para a
leitura e a produção de sentidos, pois realça o estudo da coerência
através do conhecimento declarativo ou através do conhecimento
construído a partir de nossas vivências. (grifos do autor)
(Fonte: site Português UOL. Acesso em 01/09/2016)

Analisando textos, para encontrar os tipos de intertextualidade:

Mania de Você
(Rita Lee)
Meu bem você me dá água na boca
Vestindo fantasias, tirando a roupa
Molhada de suor
De tanto a gente se beijar
De tanto imaginar loucuras (...)

“A intertextualidade subdivide-se em explícita (citação na íntegra de


EXPLÍCITA
Na música

verso(s), provérbio, fragmentos de texto) ou implícita (citação parcial,


modificada). A intertextualidade externa é mais utilizada que a interna e a
implícita tem mais complexidade que a explícita” (Valente, 2003, p. 181).
Nos exemplos, tem-se a frase:
• Na publicidade: “Meu bem você me dá (...) água na boca”, em referência
ao pudim feito com o produto anunciado.
• No primeiro verso da música de Rita Lee: “Meu bem você me dá água
na boca”, em uma declaração de amor.

A repetição na íntegra, sem nenhuma mudança, é uma intertextualidade


explícita. No caso, não foram usadas aspas para a citação por ser uma
referência a uma música conhecida do público.

capítulo 4 • 87
Haiti
(Caetano Veloso e Gilberto Gil)

Não importa nada


Nem o traço do sobrado, nem a lente do Fantástico
Nem o disco de Paul Simon
Na música

Ninguém
Ninguém é cidadão
Se você for ver a festa do Pelô
E se você não for
Pense no Haiti
Reze pelo Haiti
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui

“No princípio era o verbo, e o verbo estava com Deus, e o verbo era Deus”
Na música

(João, 1:1).
EXPLÍCITA

“No princípio era o verbo. Depois o sujeito e outros predicados. Depois,


Em publicação

veio o sujeito e os outros predicados: os objetos, os adjuntos, os


complementos, os agentes, essas coisas. E Deus ficou contente. Era a
primeira oração”

(Jornal de Letras, Portugal, 9 a 22/5/07)

O Haiti é aqui
As chuvas destruíram 17 cidades em Alagoas e Pernambuco e, outra
vez, a falta de preparo e o descaso das autoridades deixam milhares de
vítimas abandonadas à própria sorte
No texto jornalístico

Quando a terra tremeu no Haiti, no dia 12 de janeiro deste ano, 1.200


soldados brasileiros, integrantes das Forças de Paz da ONU, já estavam
lá e imediatamente passaram a auxiliar no resgate das vítimas do terrível
terremoto que matou 200 mil pessoas. Na sexta-feira 18, as populações
de mais de 100 cidades de Pernambuco e Alagoas não tiveram apoio
nem parecido com este para enfrentar as enchentes que desabrigaram
154 mil pessoas. Os nordestinos contaram apenas com a própria sorte.

(Site Isto é. Acesso em 01/09/2016)

capítulo 4 • 88
Este tipo de intertextualidade pode estar também presente nas resenhas de
trabalhos acadêmicos como dissertações e teses, em livros e também em diversos
anúncios publicitários.

1. Implícita (citação parcial, modificada)


Nesse tipo de intertextualidade são necessários alguns conhecimentos para
fazer a identificação. Veja:

Quadrilha
João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.

João foi pra os Estados Unidos, Teresa para o convento,


Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.
(Carlos Drummond de Andrade)

Flor da Idade
(Chico Buarque)
A gente faz hora, faz fila na vila do meio dia
Pra ver Maria
A gente almoça e só se coça e se roça e só se vicia
A porta dela não tem tramela
A janela é sem gelosia
Nem desconfia
Ai, a primeira festa, a primeira fresta, o primeiro amor

Carlos amava Dora que amava Lia que amava Léa que amava Paulo que amava Juca que amava
Dora que amava
Carlos amava Dora que amava Rita que amava Dito que amava Rita que amava Dito que amava
Rita que amava
Carlos amava Dora que amava Pedro que amava tanto que amava a filha que amava Carlos que
amava Dora que amava toda a quadrilha

capítulo 4 • 89
Percebe-se a conversa entre a poesia de Drummond e a letra de Chico Buarque,
mas não se trata de uma citação direta e sim de uma alusão. Não se trata de plágio
por ser a poesia de domínio público e a música, usada como referência, também.
Veja outro exemplo bastante rico em intertextualidade explícita e implícita ao
mesmo tempo:

Gosto de sentir a minha língua roçar


A língua de Luís de Camões
Gosto de sentir e de estar
E quero me dedicar
A criar confusões de prosódia
E uma profusão de paródias

Que encurtem dores


1. Língua
E furtem cores como camaleões

(Caetano Veloso) Gosto do Pessoa na pessoa*


Da rosa no Rosa*
E sei que a poesia está para a prosa
Assim como o amor está para a amizade
E quem há de negar que esta lhe é superior
E deixa os portugais morrerem à mingua
“Minha pátria é minha língua”
Fala Mangueira!
Fala! (*grifos meus)

Fala mangueira, fala


Mostra a força da sua tradição,
Com licença da Portela, favela,
Mangueira mora no meu coração
2. Fala Mangueira

(Mirabeau e Milton de Oliveira) Suas cabrochas gingando,


Seus tamborins repicando,
É monumental.
Estou falando da Mangueira
A velha Mangueira tradicional.

capítulo 4 • 90
Sou Mangueira... uma poesia singular
Fui ao Lácio e nos meus versos canto a última flor
3. Minha pátria é ...............................
minha língua
Cantando eu vou
mangueira meu
grande amor. Do Oiapoque ao Chuí ouvir
Meu samba A minha pátria é minha língua
vai ao Lácio
e colhe Idolatrada obra-prima te faço imortal
a última flor Salve... Poetas e compositores
Salve também os escritores
(Lequinho, Júnior
Fionda, Anibal Que enriqueceram a tua história
e Amendoim do Ó meu Brasil
Samba)
Dos filhos deste solo és mãe gentil
Hoje a herança portuguesa nos conduz

Última flor do Lácio, inculta e bela,


És, a um tempo, esplendor e sepultura:

4. Língua Ouro nativo, que na ganga impura


Portuguesa A bruta mina entre os cascalhos vela...
Amo-te assim, desconhecida e obscura.
(Olavo Bilac)
Tuba de alto clangor, lira singela,
Que tens o trom e o silvo da procela,
E o arrolo da saudade e da ternura!

“Não tenho sentimento nenhum politico ou social. Tenho, porém,


num sentido, um alto sentimento patriotico. Minha patria
é a lingua portuguesa. Nada me pesaria que invadissem
ou tomassem Portugal, desde que não me incommodassem
5. Lívro do
Desassossego pessoalmente. Mas odeio, com odio verdadeiro, com o unico odio
que sinto, não quem escreve mal portuguez, não quem não sabe
(Fernando Pessoa)
syntaxe, não quem escreve em orthographia simplificada, mas a
pagina mal escripta, como pessoa própria, a syntaxe errada, como
gente em que se bata, a orthographia sem ípsilon, como escarro
directo que me enoja independentemente de quem o cuspisse.”

capítulo 4 • 91
Lendo atentamente esses textos, pode-se encontrar o eco de um em outros:
1. Em Língua, de Caetano Veloso, encontra-se o eco de Fenando Pessoa
(minha pátria é minha língua), Guimarães Rosa, Jamelão (Fala Mangueira! Fala!) e
ainda colocando em destaque a semelhança entre a língua do Brasil e a de Portugal
na citação do nome de Camões (a minha língua roçar a língua de Luís de Camões).
2. No samba-enredo da escola de samba Mangueira, há presença de Fernando
Pessoa (minha pátria é minha língua), Olavo Bilac (Fui ao Lácio e nos meus
versos canto a última flor), além da letra do Hino Nacional (Dos filhos deste
solo és mãe gentil).
3. Da poesia de Olavo Bilac saiu o verso retomado pelo samba-enredo.
4. O texto de Fernando Pessoa aparece não apenas na letra de Caetano, mas
também no samba da Mangueira.
A intertextualidade pode ser encontrada também com outras nomenclaturas
além da citação: epígrafe, paráfrase, paródia.

Epígrafe

Na literatura, epígrafe é uma frase, um título ou um poema que está presente


no início de um documento. Pode servir como prefácio, resumo ou como uma
ligação da obra à outra obra literária mais ampla.
A epígrafe, que é opcional, geralmente é escolhida de acordo com a opinião
do autor. Por isso, fica a seu critério o que irá colocar como epígrafe em seu livro,
monografia, dissertação ou tese.
Fonte: site Significados BR

A epígrafe pode servir como uma homenagem a pessoas queridas, reverência


religiosa, demonstração de algum ideal e outras manifestações por parte do autor.

Você vai observar a epígrafe no trabalho final de pós-graduação de Luciana


Fidelis de Souza: Leituras de Capitu: novas narrativas, outros olhares,
apresentado na Universidade de Santa Catarina, em 2005 e encontrado no site
Scribd. Acessado em 01/09/2016:

capítulo 4 • 92
Olhos de ressaca? Vá, de ressaca. É o que me dá ideia daquela feição
nova. Traziam não sei que fluido misterioso e enérgico, uma força
que arrastava para dentro, como a vaga que se retira da praia, nos
dias de ressaca. “...” mas tão depressa buscava as pupilas, a onda que
saía dela vinha crescendo, cava e escura, ameaçando envolver-me,
puxar-me e tragar-me.

Introdução

A epígrafe anterior descreve o pensamento de Bentinho, sobre a definição de


José Dias, ao tentar falar dos olhos de Capitu. Metaforicamente, para Bentinho,
Capitu é essa “ressaca” que vem e o arrasta, não resistindo à “força que arrasta para
dentro” dos “olhos de ressaca” de Capitu. O “fluido misterioso e enérgico” que
vem desses “olhos de ressaca” desafia e ameaça Bentinho, querendo envolvê-lo,
puxá-lo e tragá-lo “como a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca”. Essa
“força que arrasta” Bentinho para dentro de Capitu não se limita ao romance de
Machado de Assis, conforme afirma o personagem homônimo na obra Capitu, de
Lygia Fagundes Telles e Paulo Emilio Salles Gomes: “Acho que são olhos de mar
na ressaca... Aquele mar que vem e me arrasta e me puxa para dentro de você”.

Além da epígrafe, encontram-se entre aspas


citações, outro tipo de intertextualidade.

capítulo 4 • 93
Citação: Referência a uma passagem do discurso de um autor conhecido ou não no
meio de um texto. Apresenta-se entre aspas e acompanhada da identidade do criador.
Como disse Antonio Gramsci, filósofo italiano, "Todos os homens são intelectuais –
pode-se dizer, mas nem todos os homens têm na sociedade a função de intelectuais.
Não se pode separar o homo faber do homo sapiens. " Em nossos estudos, há vários
exemplos de citação.

Paráfrase

A paráfrase é um discurso ou um texto que pretende explicar e ampliar uma


informação, com o objetivo de tornar os dados mais fáceis de entender e assimilar
pelo receptor. O conceito deriva de paraphrăsis, que é um termo latino.
A paráfrase pretende esclarecer as várias dimensões de uma mensagem. Para
tal, faz uma espécie de imitação do discurso original, ainda que recorrendo a uma
linguagem diferente.
Leia mais em: Conceito de paráfrase ‒ O que é, Definição e Significado.
Disponível no site Conceito.de
É importante lembrar que, embora sejam usadas outras palavras, a paráfrase
utiliza a ideia de outra pessoa que não pode deixar de ser citada.

EXEMPLO
TEXTO ORIGINAL PARÁFRASE
Canção do Exílio “Meus olhos brasileiros se
fecham saudosos
“Minha terra tem palmeiras Minha boca procura a ‘Canção do Exílio’
Onde canta o sabiá Como era mesmo a ‘Canção do Exílio’?
As aves que aqui gorjeiam Eu tão esquecido de minha terra…
Não gorjeiam como lá” Ai terra que tem palmeiras
Onde canta o sabiá!”
(Gonçalves Dias)
(Carlos Drummond de Andrade)

O texto parafraseado pode funcionar como homenagem ao autor original ou


ser uma atualização da obra.

capítulo 4 • 94
A paráfrase também é usada em resumos, sinopses e trabalhos acadêmicos.

EXEMPLO
Exemplo de resumo:
O livro narra inicialmente a saga de João Romão rumo ao enriquecimento. Para acumular
capital, ele explora os empregados e se utiliza até do furto para conseguir atingir seus
objetivos. João Romão é o dono do cortiço, da taverna e da pedreira. Sua amante, Bertoleza,
o ajuda de domingo a domingo, trabalhando sem descanso.
Em oposição a João Romão, surge a figura de Miranda, o comerciante bem estabelecido
que cria uma disputa acirrada com o taverneiro por uma braça de terra que deseja comprar
para aumentar seu quintal. Não havendo consenso, há o rompimento provisório de relações
entre os dois.
Com inveja de Miranda, que possui condição social mais elevada, João Romão trabalha
ardorosamente e passa por privações para enriquecer mais que seu oponente. Um fato, no
entanto, muda a perspectiva do dono do cortiço. Quando Miranda recebe o título de barão,
João Romão entende que não basta ganhar dinheiro, é necessário também ostentar uma
posição social reconhecida, frequentar ambientes requintados, adquirir roupas finas, ir ao
teatro, ler romances, ou seja, participar ativamente da vida burguesa.
No cortiço, paralelamente, estão os moradores de menor ambição financeira. Destacam-
se Rita Baiana e Capoeira Firmo, Jerônimo e Piedade. Um exemplo de como o romance
procura demonstrar a má influência do meio sobre o homem é o caso do português
Jerônimo, que tem uma vida exemplar até cair nas graças da mulata Rita Baiana. Opera-se
uma transformação no português trabalhador, que muda todos os seus hábitos.
A relação entre Miranda e João Romão melhora quando o comerciante recebe o título de
barão e passa a ter superioridade garantida sobre o oponente. Para imitar as conquistas do rival,
João Romão promove várias mudanças na estalagem, que agora ostenta ares aristocráticos.
O cortiço todo também muda, perdendo o caráter desorganizado e miserável para se
transformar na Vila João Romão.
O dono do cortiço aproxima-se da família de Miranda e pede a mão da filha do comerciante
em casamento. Há, no entanto, o empecilho representado por Bertoleza, que, percebendo as
manobras de Romão para se livrar dela, exige usufruir os bens acumulados a seu lado.
Para se ver livre da amante, que atrapalha seus planos de ascensão social, Romão a
denuncia a seus donos como escrava fugida. Em um gesto de desespero, prestes a ser
capturada, Bertoleza comete o suicídio, deixando o caminho livre para o casamento de Romão.
Fonte: site Guia do Estudante

capítulo 4 • 95
Sinopse

EXEMPLO
A arte da conquista
Marcadores: amor, arte, escola, solidão, vida
George Zinavoy (Freddie Highmore) é um jovem solitário que não vê sentido na vida nem
na escola, ele acredita que o ser humano nasce e morre sozinho, para ele tudo é uma grande
ilusão. Mergulhado em sua amargura, ele acaba conhecendo a bela Sally Howe (Emma
Roberts) e algo de diferente acontece, ele faz novas amizades e começa a sentir novas
sensações, sem saber ainda ao certo o significado. No meio do caminho, os dois conhecem
Dustin (Michael Angarano), um artista de sucesso apresentado pelo professor de arte, dando
início a um inesperado triângulo amoroso.
Fonte: site Scribd. Acesso em 01/09/2016)

Paródia

Recriação de texto conhecido com intenção de contestar, ironizar, zombar,


criticar, criando um desvio para chamar atenção com humor ou parodiar como
crítica e chamada à reflexão.

EXEMPLO
Exemplo 1:

VOU ME EMBORA PRA PASÁRGADA VOU ME EMBORA DE PASÁRGADA

Vou me embora pra Pasárgada Que Manoel Bandeira me perdoe, mas


Lá sou amigo do rei Vou me embora de Pasárgada
Lá tenho a mulher que eu quero Sou inimigo do rei
Na cama que escolherei Não tenho nada que eu quero
Vou me embora pra Pasárgada Não tenho e nunca terei
(...) (...)
Em Pasárgada tem tudo Pasárgada já não tem nada
É outra civilização Nem mesmo recordação

capítulo 4 • 96
Tem um processo seguro E nem fome nem doença
De impedir a concepção Impedem a concepção
Tem telefone automático Telefone não telefona
Tem alcalóide à vontade Drogas são falsificadas
Tem prostitutas bonitas E prostitutas aidéticas
Pra gente namorar São as nossas namoradas
(...) (...)
Manoel Bandeira Millôr Fernandes

Fonte: site Notícias num click

Exemplo 2:

Paródia a uma foto dos Beatles em


uma rua de Londres na figura dos
Simpsons.

Fonte: https://goo.gl/jKlJYF

Exemplo 3:

Fonte: https://goo.gl/4jy7Ye

capítulo 4 • 97
Eis uma paródia ao quadro O grito, obra de arte expressionista de Edvard Munch que
simboliza o sentimento de angústia do ser humano.

Exemplo 4:

A tirinha humorística
faz referência a
Van Gogh.

Fonte: https://goo.gl/mCixfT

Exemplo 4:
Sobre a Canção de Exílio, de Gonçalves Dias, da qual há paródias e paráfrases, veja
alguns exemplos:

Canto de regresso à pátria


Minha terra tem palmares
Onde gorjeia o mar
Os passarinhos daqui
Não cantam como os de lá
Minha terra tem mais rosas
E quase que mais amores
Minha terra tem mais ouro
Minha terra tem mais terra
Ouro terra amor e rosas
Eu quero tudo de lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte pra São Paulo
Sem que eu veja a Rua 15
E o progresso de São Paulo
(Oswald de Andrade)

capítulo 4 • 98
Uma Canção
Minha terra não tem palmeiras...
E em vez de um mero sabiá,
Cantam aves invisíveis
Nas palmeiras que não há.

Minha terra tem relógios,


Cada qual com sua hora
Nos mais diversos instantes...
Mas onde o instante de agora?

Mas onde a palavra "onde"?


Terra ingrata, ingrato filho,
Sob os céus da minha terra
Eu canto a Canção do Exílio!
(Mário Quintana)

Sobre a intertextualidade, Charaudeau e Maingueneau afirmam que:

Designa ao mesmo tempo uma propriedade constitutiva de qualquer


texto e o conjunto de relações explícitas ou implícitas que um texto ou
um grupo de textos determinado mantém com outros textos. Na primeira
acepção, é uma variante da interdiscursividade. (2004, p. 288-289).

Ainda se pode falar em intertextualidade externa (em que o autor cita outro[s]
autor[es]), e interna (em que cita a si mesmo).
Exemplo de intertextualidade externa que é a mais comum e da qual
foram apresentados vários textos.

capítulo 4 • 99
Fonte: https://goo.gl/4EE5gt

Monte Castelo
Ainda que eu falasse a língua dos homens
e falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria.

É só o amor, é só o amor
Que conhece o que é verdade
O amor é bom, não quer o mal
Não sente inveja ou se envaidece.

O amor é o fogo que arde sem se ver


É ferida que dói e não se sente
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.

O texto da música do grupo Legião Urbana apresenta relação de intertextualidade


com o soneto de Camões e a epístola de São Paulo aos Coríntios.

Intertextualidade interna:

Drummond é um dos autores que citam a si mesmo, fazendo uma nova leitura
de um de seus versos em outro poema.

capítulo 4 • 100
“No meio do caminho tinha uma pedra “Uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra no meio do caminho Ou apenas um rastro, não importa.
tinha uma pedra Estes poetas são meus. De todo o orgulho,
no meio do caminho tinha uma pedra. [...]” De toda a precisão se incorporam
Ao fatal meu lado esquerdo. Furto
a Vinícius
Sua mais límpida elegia. Bebo em Murilo.
Que Neruda me dê sua gravata
Chamejante. Me perco em Apollinaire.
Adeus Maiakovski.”

(ANDRADE, 1967, p. 64) (ANDRADE, 1967, p. 137)

Esses recursos enriquecem os textos e, muitas vezes, provocam no leitor o


interesse pelo texto original.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALENCAR, José de. A Viuvinha. Texto proveniente de: A Biblioteca Virtual do Estudante Brasileiro A
Escola do Futuro da Universidade de São Paulo.
ANDRADE, Carlos Drummond de. Nova Reunião. Rio de Janeiro: José Olympio; 1985.
BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Marxismo e Filosofia da Linguagem. 6 ed. São Paulo: Hucitec; 1992.
BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes; 1997.
BILAC, Olavo. Língua Portuguesa. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/
PesquisaObraForm.do?select_action=&co_autor=99. Acesso em: 11/11/2016
CHARAUDEAU, Patrick; MAINGUENEAU, Dominique. Dicionário de Análise do Discurso. 3 ed. São
Paulo: Contexto; 2004.
FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para Entender o Texto – Leitura e Redação. 16 ed.
São Paulo: Ática; 2003.
FIORIN, José Luiz. Linguagem e Ideologia. São Paulo: Ática; 2007.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso e Texto. Formulações e Circulação dos Sentidos. Campinas:
Pontes; 2001.

capítulo 4 • 101
ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: Princípios & Procedimentos. 8 ed. Campinas:
Pontes; 2009.
VALENTE, André (Org.). Aulas de Português - Perspectivas Inovadoras. Petrópolis: Vozes; 1999.

Sites:

https://www.letras.mus.br/chico-buarque/84969, acesso em 01/09/2016


https://www.letras.mus.br/caetano-veloso/44738/
https://pt.scribd.com/doc/306956924/CAPITU-pdf, acesso em 01/09/2016:
http://2.bp.blogspot.com/-nAxC-KY4yWg/TmBNkrC0kGI/AAAAAAAAALg/HeGxd8Chl0w/s1600/
Imagem1.png
http://guiadoestudante.abril.com.br/estudar/literatura/cortico-resumo-obra-aluisio-azevedo-700291.shtml
http://image.slidesharecdn.com/teorialiterria2013-130504163052-phpapp02/95/teoria-
literria-2013-30-638.jpg?cb=1367685127
https://4.bp.blogspot.com/-1l63N_hZ_5M/UQiNraqVHPI/AAAAAAAAAHA/43e0EejV17E/s640/ddd.jpg
http://ninitelles.blogspot.com.br/2011/10/as-varias-cancoes-do-exilio-9-mario.html )
https://encrypted-tbn1.gstatic.com/
images?q=tbn:ANd9GcRkY4zQAkXLwDRs3AmIHEDIZkoAFTp2NZmbo8YbLhx10M1nT5lOXw
http://www.zupi.com.br/wp-content/uploads/2013/08/personagens-zupi4.jpg
http://4.bp.blogspot.com/-VkNklmIhgWo/ToEH6mVEBLI/AAAAAAAAAJI/lOKAyk_JOho/s1600/
untitled1.bmp
http://www.noticiasnumclick.com.br/wp-content/uploads/intertextualidade.jpg
Conceito de paráfrase - O que é, Definição e Significado http://conceito.de/parafrase#ixzz4J2kAHwbB
https://www.letras.mus.br/legiao-urbana/22490/
http://www.significados.com.br

capítulo 4 • 102
5
Da obra ao texto -
discurso, poder
e cultura
Da obra ao texto - discurso, poder e cultura
Neste capítulo, o enfoque é a relação entre o texto e a obra, como o discurso se
estrutura de maneira significante (linguística) e situacional (o homem e o mundo:
atores sociais e sujeitos comunicativos na nomenclatura de Charaudeau).
Segundo esse mesmo autor (2006, p. 7):

Ele (o sentido) não se constrói somente na relação língua/mundo,


mas numa relação triangular que subordina a referência ao mundo (a
proposicional) à intersubjetividade dos interlocutores (a relacional).

A questão sociocultural, como abordado em capítulos anteriores, está presente


em toda a construção discursiva, e é necessário que se identifiquem as marcas
presentes em sua estrutura.

Qual a relação entre discurso e poder?

O falante, subliminarmente, reproduz o poder quando, em seu discurso,


mobiliza o outro no sentido de questionar, refletir, aceitar ou não o que foi dito.
Tomem-se, como exemplo, os textos escritos no período da ditadura em que
os autores precisavam usar artifícios para que fossem liberados pela censura.

NAS LETRAS DE MÚSICA


Pai, afasta de mim esse cálice (cale-se)
Pai, afasta de mim esse cálice
Pai, afasta de mim esse cálice
De vinho tinto de sangue (morte sob tortura, derramamento de sangue)

A religiosidade aparente deixa entrever a crítica ao poder, usando a palavra como não
aceitação ao que ocorria no momento.

capítulo 5 • 104
NAS CHARGES

As charges e as reportagens também trazem essa questão discursiva para análise:

Nessas charges observa-se o discurso de poder e, ao mesmo tempo, uma críti-


ca ideológica.

capítulo 5 • 105
NAS REPORTAGENS
Chefe de direitos humanos da ONU critica político que
nutre preconceito

Trump, Marine Le Pen, Farage e Geert Wilders foram alvo da reprovação.

Al Hussein disse que Trump dissemina preconceito racial e religioso.


O mais alto representante de direitos humanos da Organização das Nações Unidas
(ONU) acusou o candidato presidencial republicano dos Estados Unidos, Donald
Trump, de disseminar “preconceitos raciais e religiosos humilhantes” e alertou para o
crescimento de políticas populistas que podem se tornar violentas.
Nos comentários feitos durante uma conferência de segurança e justiça, na segunda-feira
(5), o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein,
disse estar se dirigindo ao líder holandês de extrema direita Geert Wilders e a outros
“populistas, demagogos e fantasistas políticos”.
Mencionando Trump, o britânico Nigel Farage e a francesa Marine Le Pen, Al Hussein
os acusou de usar táticas de “medo” parecidas com as do Estado Islâmico, também
conhecido como Daesh.
Já na manchete, encontra-se a proposta de crítica ao discurso preconceituoso quanto a
raças e religiões, no poder da palavra do candidato e nos comentários do sujeito falante,
ambos mencionados na reportagem.
Fonte: site G1. Acesso em 06/09/2016)

NAS IMAGENS

A cultura também se faz presente nos discursos e cabe ao interpretante decodificá-la.


O discurso de Ana de Hollanda, Ministra de Estado da Cultura (2012), é um bom
exemplo disso. (Publicado no site do Ministério da Cultura. Acesso em 06/09/2016)

“Só um sentimento grandioso que extrapola o limite do lúdico, do brincar, pode manter
vivo um bem cultural por tanto tempo, resistindo ao preconceito pelo qual passaram as
brincadeiras de Boi no século XIX e atravessando o século XX para chegar ao Século XXI,
apesar dos limites territoriais impostos às brincadeiras que ficavam circunscritas aos arra-
baldes da cidade até os anos 60. Hoje os desafios são outros. Mas o Boi resiste tal como
um TOURO, como muitos de nossos boieiros o denominam. Valente, poderoso, altivo.

capítulo 5 • 106
A diversidade do Bumba-meu-boi do Maranhão, com a variedade de estilos, de formas
de brincar uma única manifestação cultural, o forte sentimento de pertencimento dos
atores dessa prática cultural popular e a grande carga simbólica do Bumba maranhen-
se, articulando significados, seja no plano ritual, expressivo ou material, presentes na
vida cotidiana daqueles que o praticam, foram fundamentais para a patrimonialização
do Bumba-meu-boi.”

Fonte: https://goo.gl/czZnT8

NA PINTURA

O quadro “Os Operários”, de Tarsila do Amaral, mostra a diversidade do povo brasileiro.

Fonte: https://goo.gl/tBlU67

capítulo 5 • 107
NA CULINÁRIA

Fonte: Shutterstock

NA DANÇA

Fonte: Shutterstock

capítulo 5 • 108
Roland Barthes: a crítica literária

Roland Barthes (2007, p. 38) refere-se ao semiólogo com as seguintes palavras:


“ele joga com os signos como um logro consciente, cuja fascinação saboreia, quer
fazer saborear e compreender”.
Falar desse autor leva imediatamente à questão da semiótica e da semiologia
como se viu em capítulos anteriores e, consequentemente, aos sentidos dos textos.
Antes de retomar essa nomenclatura, há uma declaração muito interessante em
que Barthes fala de “a morte do autor”, referindo-se à crítica literária que procura
situar o sentido no autor, mitificando-o. Para reforçar esse ponto de vista de que
o autor deve manter um afastamento da obra, cita-se Mallarmé (1945, p. 366),
que disse: “a obra pura implica no desaparecimento elocutório do poeta, que cede
a iniciativa às palavras”. Nesse ponto, entra a questão semiótica do interpretante
e do signo.

ATENÇÃO
O termo “crítica”, do grego “julgar”, “discriminar”, encerra em si a noção de “avaliação”;
assim, a crítica literária seria um processo de avaliação de uma obra ou de obras literárias,
e o “crítico” alguém que enuncia juízos críticos ou exerce a crítica literária. (http://www.
seminariosmv.org.br/2009/textos/09_eduardo.pdf)

Dito isso, convém recordar que Saussure propôs o termo semiologia e Peirce,
semiótica. Nesse estudo, prevalece a concepção de Peirce (2000) que estabelece
três níveis: o sintático, o semântico e o pragmático.

capítulo 5 • 109
A relação entre:

Santaella (2002, p. 24) aponta que:

E o signo pode provocar, em um interpretante, sentimentos, isto é,


o emocional presente na interpretação. Ícones tendem a produzir
esse tipo de interpretante com mais intensidade. Os interpretantes
emocionais estão sempre presentes em quaisquer interpretações,
mesmo quando não nos damos conta deles.

No ato criativo, os processos internos do ato criador conduzem à natureza do


signo. A mistura de materiais, suportes e meios está cada vez mais acentuada.
É preciso ter um olhar diferenciado para essas perspectivas, refletir sobre
essas matrizes que estão nas linguagens agora realizadas e para as novas
possíveis realizações.
Roland Barthes fala da obra como algo fechado em si, acabado, enquanto
o texto seria o que ultrapassa a obra, pois se estende à construção do sentido.
Para esse autor, a obra estaria condicionada a fatores históricos, políticos, sociais

capítulo 5 • 110
e, portanto, precisaria acompanhar o conceito de literatura vigente em um
determinado contexto. É simbólica. O texto, ao contrário, precisa ser revisitado,
pois “pratica o recuo infinito do significado” (BARTHES, 1987, p. 56), deve
passar por constante revisão e ampliação. O texto é dinâmico, plural.
Assim, precisa-se ler o texto pelo texto, tomando-se os signos nele colocados:
o significante e os significados.

Texto literário e texto não literário

O texto necessita da interação com o leitor, é um processo ativo que não


está apenas no sentido literal. A interação vai depender tanto da habilidade do
produtor quanto da habilidade do leitor (e aí se inclui a bagagem cultural).

Qual a diferença entre um texto literário e um não literário? Como você


deve identificá-lo?

No dia a dia, lidamos com textos diferentes em suas características e não


se trata de tipos de texto (narração, descrição, dissertação), mas da linguagem
utilizada. Uns têm musicalidade, são criativos, usam linguagem figurada; outros
são objetivos, neles prevalece a denotação, a lógica.
Observe os textos:

1. Congresso Internacional do Medo


Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,
não cantaremos o ódio, porque este não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte.
Depois morreremos de medo
e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas

(Drummond. https://goo.gl/t6XxAt. Acesso em 08/09/2016))

capítulo 5 • 111
2. Medo de intervenção na Amazônia é “paranoia”, dizem americanos
Pesquisadores ouvidos pelo G1 dizem que Brasil é desconfiado demais.
Eles alegam não existir risco de 'internacionalização' da floresta.
Quando visitou o Brasil em 2003, no início da invasão do Iraque, o advogado
americano Mark London ficou chocado com faixas que viu penduradas pela
capital do país. O pesquisador estudava a Amazônia brasileira havia décadas, era
autor de um livro pioneiro sobre o assunto nos Estados Unidos, e se viu diante de
frases que alegavam que, depois do Iraque, o alvo dos americanos seria o Brasil,
por conta da floresta e das suas reservas de água, o que achou absurdo.
A experiência dele é comum entre quase todos os estudiosos norte-americanos
que se debruçaram sobre a importância da região amazônica para o Brasil para o
mundo. O G1 entrevistou mais de dez pesquisadores brasilianistas e de geopolítica
que estudam a Amazônia sob a ótica americana e constatou que eles sempre dizem
se ver diante do que consideram uma desconfiança excessiva e desnecessária, fruto
do que acham ser “paranoia” dos brasileiros.

(Fonte: site G1. Acesso em 08/09/2016)

3. JM: ‘Não tive tempo para ter medo’, disse Marighella.


No dia em que completaria 100 anos, o revolucionário baiano Carlos
Marighella foi agraciado com a anistia do governo. E o Jornal da Metrópole
publica uma matéria especial com a história do baiano que morreu nas mãos da
Ditadura Militar. O JM desta semana noticia ainda o estado de abandono da
saúde em Camaçari e muito mais.

(Fonte: site Bahia Notícias. Acesso em 08/09/2016)

A palavra medo está presente nos três exemplos, no entanto em cada um é


usada com objetivos diferentes, o que leva a sentidos também diferentes.

1
No primeiro, o medo é tratado de modo emotivo, prevalece a linguagem metafórica,
em que se aproxima o imaginário do real. O objetivo é fazer com que o leitor vá além das
palavras. Constrói-se com harmonia, ritmo, arte e subjetividade.

capítulo 5 • 112
2
O segundo texto trata do medo de modo objetivo, como perspectiva de uma realidade.
É informativo e traz relatos a fim de informar, por isso emprega linguagem direta, em 3a
pessoa, com função referencial.

3
O terceiro texto alia a imagem à palavra, apresenta uma declaração com motivação
histórica e a linguagem busca informar.

O texto literário pretende levar o leitor a “sentir”, pela organização das


palavras, pela expressividade, o tema tratado, prevalece a estética da linguagem,
a musicalidade.

Mais exemplos de textos literários:

EXEMPLO
1. “Três personagens me ajudaram a compor estas memórias. Quero dar ciência
delas. Uma, a criança; dois, os passarinhos; três, os andarilhos. A criança me deu a semente
da palavra. Os passarinhos me deram desprendimento das coisas da terra. E os andarilhos, a
preciência (sic) da natureza de Deus”
(BARROS, 2008).
Sobre Manoel de Barros, em Memórias inventadas. A terceira infância. É importante explicar
que os textos vêm em folhas destacadas, sem numeração de página, amarradas com uma fita,
dentro de uma caixinha de papelão. O autor procura desconstruir a sequencialização, deixando
ao leitor a incumbência de ler como quiser, de acordo com sua sensibilidade. É um texto literário
por excelência, pois cria neologismos, arruma as palavras de acordo com a emoção.
O interpretante tem papel destacado na organização dos sentidos.

2. Com licença poética


Quando nasci um anjo esbelto,
Desses que tocam trombeta, anunciou:
Vai carregar bandeira.

capítulo 5 • 113
Cargo muito pesado pra mulher,
Esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
Sem precisar mentir.
Não sou tão feia que não possa casar,
Acho o Rio de Janeiro uma beleza e
Ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto, escrevo. Cumpro a sina.
(Adélia Prado)

A autora, que usou a intertextualidade com o texto de Drummond, Poema de sete


faces, chama a atenção para a posição da mulher na sociedade, faz uma crítica, embora
velada, à aceitação do que é imposto ao sexo feminino e começa com “um anjo esbelto”
como estilização estética, enquanto Drummond fala de um “anjo torto” que manda para o
mundo um ser “gauche”, isto é, à margem do que a sociedade considera correto.
O emprego das palavras busca no interpretante um coparticipante da situação colocada.
Os textos, embora escritos com pessoalidade (1a pessoa), buscam tratar de temas universais.

3. Rachel de Queirós, em uma crônica, resolveu conversar com o leitor. Veja um trecho:
“Tanto neste nosso jogo de ler e escrever, leitor amigo, como em qualquer outro jogo,
o melhor é sempre obedecer às regras. Comecemos, portanto, obedecendo às da cortesia,
que são as primeiras, e nos apresentemos um ao outro. Imagine que pretendendo ser
permanente a página que hoje se inaugura, nem eu nem você, ‒ os responsáveis por ela, ‒
nos conhecermos direito. É que os diretores de revista, quando organizam as suas seções,
fazem como os chefes de casa real arrumando os casamentos dinásticos: tratam noivado e
celebram matrimônio à revelia dos interessados, que só se vão defrontar cara a cara na hora
decisiva do “enfim sós”.
Cá estamos também os dois no nosso “enfim sós” ‒ e ambos, como é natural, meio
desajeitados, meio carecidos de assunto: Comecemos, pois, a falar de você, que é tema mais
interessante do que eu. Confesso-lhe, leitor, que diante da entidade coletiva que você é, o meu
primeiro sentimento foi de susto ‒, sim, susto ante as suas proporções quase imensuráveis.
Disseram-me que o leitor de O CRUZEIRO representa pelo barato mais de cem mil leitores,
uma vez que a revista põe semanalmente na rua a bagatela de 100.000 exemplares”.
Fonte: site Contos, Crônicas e Poesias.

capítulo 5 • 114
A linguagem figurada alia-se à linguagem coloquial, como pede uma conversa,
e pretende seduzir o leitor com o uso da conotação em expressões como “enfim
sós, o uso da 1ª pessoa do plural, o vocativo “leitor amigo”, por exemplo.
O texto literário, tem como foco o plano da expressão que predomina sobre
o do conteúdo. Ele recria a realidade, o mundo, é polissêmico, usa recursos
sonoros e figurados. A função do texto literário é a estética e predomina a
forma como se diz e não o que é dito.
São exemplos de textos literários:

•  Lendas;
•  Romances;
•  Novelas;
•  Poemas;
•  Contos;
•  Peças teatrais;
•  Crônicas.

Textos não literários:

O texto não literário direciona a leitura para obtenção de informações que


tanto podem ser notícias de jornais ou revistas quanto culturais como os livros
didáticos ou científicos. Nesse caso temos a função utilitária do texto e prevalece
o plano do conteúdo.
Alguns exemplos para serem analisados:

EXEMPLO
1. Rumo à Ecologia Profunda, de Fritjof Capra

O físico austríaco Fritjof Capra acredita que a humanidade está passando por diversas
crises que convergem em uma única: a crise de percepção. O desafio é enxergar os problemas
de maneira integrada, como parte de um único sistema.
O texto “Rumo à Ecologia Profunda” é parte do primeiro capítulo do seu livro A Teia da
Vida – Uma Nova Compreensão Científica dos Sistemas Vivos (Editora Cultrix). A obra aborda
a urgência de mudança do paradigma antropocêntrico (ser humano como centro) para o
ecocêntricos (com valores centralizados na Terra), com uma visão de mundo que reconhece

capítulo 5 • 115
o “valor inerente da vida não humana”. A ecologia profunda enxerga o mundo como rede de
fenômenos que estão fundamentalmente interconectados e são interdependentes.
Fonte: site Super Interessante. Acesso em 08/09/2016

Esse texto é informativo, explicativo e tem como objetivo ser claro quanto a determinado
tema, apresentando um livro que trata de assunto relevante.

2. Abuso de direito
Revista deve indenizar delegados por texto “em desacordo com a verdade”
21 de julho de 2015, 17h05
Por Felipe Luchete
É dever da imprensa comprovar a veracidade da informação obtida antes de publicar
acusações, ainda mais quando os casos citados tramitam em segredo de Justiça. Esse foi o
entendimento do juiz Nilson Ivanhoé Pinheiro, da 38a Vara Cível de São Paulo, ao determinar
que a revista IstoÉ pague R$ 200 mil (R$ 425,3 mil com correção monetária) a dois ex-
secretários de Segurança do Rio de Janeiro.
Os delegados da Polícia Federal Roberto Precioso e Marcelo Itagiba foram citados
em reportagem publicada em 2006 sobre a operação cerol. Na época, eram investigados
policiais federais suspeitos de obter vantagens em troca de benefícios a pessoas acusadas
de fraudar o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). A IstoÉ escreveu que Precioso,
então secretário de Segurança Pública do Rio, e Itagiba, seu antecessor no cargo, também
eram alvos da operação.
Fonte: site Consultor Jurídico. Acesso em 08/09/2016)

O texto trata de questões relativas à lei e, para isso, usa linguagem denotativa, objetiva,
explicando os fatos expostos.

3. A festa junina e seus símbolos


Heranças europeias e reinterpretações locais se unem na dança, vestuário,
comidas e até nas brincadeiras
21 de junho de 2016
Por Murilo Roncolato, Ariel Tonglet e Simon Ducroquet
No mês que marca o início do inverno no hemisfério sul, as diferentes regiões do Brasil
fazem, cada uma à sua maneira, as chamadas festas juninas. De origem pagã e europeia, os
festejos no país acabaram por assumir roupagem religiosa ao longo dos séculos e, por isso,
carregam hoje símbolos que remetem justamente a essa história.

capítulo 5 • 116
De que se tem registro, as festas que celebram Santo Antônio, São João e São Pedro
passaram a fazer parte do calendário brasileiro em 1583. O costume foi importado dos
portugueses. Na Europa, entretanto, essas celebrações não marcavam o início do inverno,
mas sim do verão. O dia 21 de junho é importante nessa história. Na data, ocorrem os
solstícios de verão no hemisfério norte e de inverno no sul, quando tais regiões contam,
respectivamente, com o dia e a noite mais longos do ano.
Fonte: site Nexo.

Nesse caso, o texto aborda o significado e a origem de uma das mais tradicionais festas
que, em determinadas regiões do Brasil, chega a ter calendário turístico e apresenta danças,
vestuário e comidas típicas. É uma linguagem denotativa, que se preocupa com o conteúdo
passado ao leitor.

4. Bolo cremoso de milho


Modo de Preparo:
Em um liquidificador, coloque leite, leite condensado, ovos, açúcar, fubá, farinha
de trigo manteiga, queijo parmesão ralado e pitada de sal e bata bem até formar uma
mistura homogênea.
Acrescente o fermento em pó, bata até misturar.
Coloque a mistura em uma assadeira untada e enfarinhada e leve ao forno médio pré-
aquecido por aproximadamente 50 minutos.
Retire do forno e deixe esfriar.
Sirva em seguida.

Ingredientes:
2 xícaras (chá) de leite
1 lata de leite condensado
3 ovos
1 e ½ xícaras (chá) de açúcar
1 xícara (chá) de fubá pré-cozido
3 colheres (sopa) de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de manteiga (30 g)
1 colher (sopa) de fermento em pó
1 xícara (chá) de queijo minas meia cura ralado
1 pitada de sal

capítulo 5 • 117
As receitas culinárias são didáticas e precisam de um passo a passo para que o
resultado seja o esperado. Usa-se linguagem com função utilitária.

Esses exemplos de texto não literário demonstram que o objetivo é apenas


informar, por isso a linguagem é clara, objetiva. Podem ser encontrados em artigos
científicos, receitas, noticiários de jornais, revistas, anúncios publicitários, bulas
de remédios, conteúdos educacionais, textos de livros didáticos, cartas comerciais,
manuais de instrução, guias de beleza etc.

Função estética e função utilitária

Ao abordar texto literário e não literário, mencionou-se função estética


e função utilitária, por isso esse subcapítulo vai discorrer um pouco sobre
essa nomenclatura.
No Capítulo 1 foram estudadas as funções da linguagem.

O estudo das funções da linguagem é muito importante para


percebermos as diferenças e semelhanças existentes entre os vários
tipos de mensagem. Analisando o modo como essas funções se
organizam nos textos alheios, podemos detectar as finalidades que
orientaram sua elaboração. Aplicando-as em nossos próprios textos,
podemos planejar o que escrevemos, de modo a fortalecer a eficácia e a
expressividade das mensagens. (INFANTE, 1998, p. 217)

No entanto, aqui uma nova nomenclatura está sendo abordada e por isso é
preciso comentá-la.
O que se entende por função estética?
Ao analisar a imagem, pode-se observar que,
primeiro, os nossos sentidos são mobilizados ‒ no
caso a visão (é a primeiridade de que nos fala Peirce)
‒, é o sentir. É preciso destacar que estética não
está vinculada necessariamente ao belo, pois isso
é uma questão subjetiva, mas sim ao domínio da
sensibilidade, à percepção do objeto.

capítulo 5 • 118
Estética se origina do grego aisthesis e significa o que é sensível ou o que se
relaciona com a sensibilidade. Assim se fundamenta o termo.
Voltando à imagem, tem-se como primeira sensação a forma, a cor, o volume.
No entanto, a visualização do objeto passa por outra fase que está subordinada
a aspectos socioculturais e corresponde à vivência do interpretante que busca o
equilíbrio, a harmonia, o conforto ‒ é o critério da beleza.
O que é belo?
A percepção depende dos
aspectos momentâneos. É o
julgamento estético, é o que
se transforma em significado
e pode ser um processo
individual ou de grupo.
Voltando ao texto
literário em que a função
estética se evidencia, mas de forma simbólica, isto é, passando do sensorial às
relações com o experimental, com o psicológico, com a abstração, tem-se a
linguagem figurada, conotativa e é envolvida por fatores sociais, políticos,
ideológicos, emotivos.
Exemplos da função estética em textos literários:

EXEMPLO

1. Poeminha Cinético (Millôr Fernandes).


O poema descreve o percurso de um bêbado e seus passos
pelo caminho, como visualizava as coisas e, embora não use
linguagem figurada, usa os movimentos para construir o tema.

2. “Uma vez, há muitos, muitos anos, um menino olhou


o mundo com olhos interrogadores. Tudo era mistério em
torno dele. Era numa casa grande. O arvoredo que a cercava
amanhecia sempre cheio de cantos de pássaros. O mundo não
terminava ali no fim daquela rua quieta, que tinha um cego que
tocava concertina, um cachorro sem dono que se refestelava
ao sol, um português que pelas tardinhas se sentava à frente

capítulo 5 • 119
de sua casa e desejava boa tarde a toda a gente. Não. O mundo ia além. Além do horizonte
havia mais terras, e campos, e montanhas, e cidades, e rios e mares sem fim. Dava em nós
vontade de correr mundo, andar nos trens que atravessavam as terras, nos vapores que
cortam os mares. Nos olhos do menino havia uma saudade impossível, a saudade de uma
terra nunca vista”.
(VERISSIMO. Clarissa; páginas 34-35)

O autor se preocupou em criar um clima bucólico para envolver o leitor, a fim de que este
o visualizasse. Para isso organizou as palavras de maneira harmoniosa: olhos interrogadores,
mistério, cantos de pássaros, um cego que tocava concertina entre outras expressões.

3. Falta de Condescendência
Fabrício acaba de cometer um grave erro e que para ele será de más consequências.
Quem pede e quer ser servido, deve medir bem o tempo, o lugar e as circunstâncias, e Fabrício
não soube conhecer que o tempo, o lugar e as circunstâncias lhe eram completamente
desfavoráveis. Vai exigir que Augusto o ajude a forjar cruel cilada contra uma jovem de
dezessete anos, cujo único delito é ter sabido amar o ingrato com exagerado extremo. Ora,
para conseguir semelhante torpeza, preciso seria que Fabrício aproveitasse um momento de
loucura, um desses instantes de capricho e de delírio em que Augusto pensasse que ferir a
fibra mais sensível e vibrante do coração da mulher, a fibra do amor, não é um crime, não é
pelo menos louca e repreensível leviandade; é apenas perdoável e interessante divertimento
de rapazes; e nessa hora não podia Augusto raciocinar tão indignamente. Ainda quando não
houvesse nele muita generosidade, estava para desarmá-lo o poder indizível da inocência, o
poderoso magnetismo de vinte olhos belos como o planeta do dia, a influência cativadora da
formosura em botão, de beleza virgem ainda, de um anjo, enfim, porque é símbolo de um anjo
a virgindade de uma jovem bela.
(Joaquim Manuel de Macedo. A Moreninha.)

No trecho de A Moreninha pode-se encontrar o ambiente lírico criado pelo Romantismo,


que com minúcias descreve as personagens em foco.

E o que é função utilitária?


Ao contrário da função estética, a função utilitária pretende informar, explicar
ao leitor de modo direto, objetivo e claro, portanto usa a linguagem denotativa.
Deve evitar ambiguidade de sentido para não causar mal-entendidos.

capítulo 5 • 120
Textos não literários com função utilitária:

EXEMPLO
Reportagem:
Um desastre chamado Banco Central
O erro central do BC é ter interlocução única e exclusivamente com o mercado
Por Luis Nassif, publicado 21/01/2016 11h01, Marcelo Camargo/Agência Brasil
O dia em que se fizer o inventário da atuação do Banco Central na gestão Alexandre
Tombini, provavelmente se terá o retrato de uma das mais desastradas gestões da história
pós-estabilização, só superada pela de Gustavo Loyolla e seus 45% de taxa básica ao ano.
Desde o primeiro governo Dilma, avaliações incorretas do BC sobre a economia
comprometeram a política econômica e ajudaram a jogar a economia nesse buraco.
O erro fundamental foi a reversão da política monetária em fins de 2012, voltando a subir
a Selic justo em um momento em que se iniciava um remanejamento dos investimentos ‒
dos fundos de pensão e dos grandes gestores de fortunas – em direção à infraestrutura e a
investimentos de longo prazo.
Fonte: site Carta Capital. Acesso em 12/09/2016

Notícia:
Pela primeira vez, cientistas registram lesão cerebral por zika em feto de
macaco. Antes disso, microcefalia por zika só tinha sido reproduzida em roedores.
Malformação foi detectada em feto cuja mãe foi infectada na gravidez.
Mariana Lenharo

Imagem de ressonância magnética


mostra cérebro de feto de um maca-
co cuja mãe foi infectada pelo vírus
da zika durante a gestação; a região
branca é anormal e indica acúmulo
de líquido no cérebro (Foto: Univer-
sidade de Washington/Divulgação)

Pela primeira vez, cientistas conseguiram registrar a ocorrência de lesões cerebrais em


um feto de macaco cuja mãe foi infectada pelo vírus da zika. Antes disso, pesquisadores só

capítulo 5 • 121
haviam conseguido reproduzir a microcefalia por zika em camundongos, em um importante
estudo brasileiro publicado em maio na revista Nature.
Pesquisas anteriores também já tinham sido bem sucedidas em infectar primatas não
humanos com o vírus da zika, mas esta é a primeira vez que se consegue reproduzir as
malformações decorrentes do vírus nesses animais.
Trata-se de um avanço importante já que primatas humanos e não humanos têm muitas
similaridades, por isso os macacos podem servir para testar estratégias terapêuticas contra
o vírus de forma mais eficiente do que os roedores.
O estudo atual, liderado por pesquisadores da Universidade de Washington, nos Estados
Unidos, foi publicado na revista Nature Medicine nesta segunda-feira (12).
“Nossos resultados eliminam qualquer dúvida que possa ter restado de que o vírus da zika
é incrivelmente perigoso para o feto em desenvolvimento e dá detalhes de como as lesões
cerebrias se desenvolvem”, afirmou a pesquisadora Kristina Adams Waldorf, professora da
Universidade de Washington e principal autora do estudo, em um comunicado divulgado
pela instituição.
Segundo os pesquisadores, os problemas observados no desenvolvimento cerebral
dos fetos de primatas são compatíveis com a síndrome congênita do zika observada em
humanos. “Ficamos chocados quando vimos a primeira imagem de ressonância magnética
do cérebro fetal 10 dias após a inoculação do vírus. Não tínhamos previsto que uma área
tão grande do cérebro fetal seria danificada tão rapidamente”, disse a pesquisadora Lakshmi
Rajagopal, também professora da Universidade de Washington e uma das autoras do estudo.
Fonte: site G1. Acesso em 12/05/2016

Anúncio

Analisando os textos, é
possível destacar informações,
pesquisa, apuração de dados,
numa linguagem objetiva,
informativa que pretende ser
de utilidade pública.

Fonte: https://goo.gl/k5D6ZB

capítulo 5 • 122
Plano da expressão e plano do conteúdo

Para tratar do plano da expressão e do plano do conteúdo, nomenclaturas


adotadas por Hjelmslev, é preciso retornar a Saussure, que diz que a língua é
forma, não é substância e o sentido que tinha isso para o autor. A forma seria a
configuração de uma língua e a substância estaria ligada às significações.
Hjelmslev (1975), partindo dessa distinção feita por Saussure, aponta que
uma língua deve ser vista no plano da expressão (fonética, morfologia ‒ a forma,
enfim) e também no plano do conteúdo que corresponderia à substância, isto é, à
significação. Dificilmente os signos de uma língua têm o mesmo sentido que em
outra, e até em uma mesma língua pode haver distinções significativas.
O falante expressa suas ideias, usa a forma, mas o conteúdo deve interagir com
o ouvinte/interpretante que compartilhará o conteúdo a partir das relações sociais,
históricas, político-ideológicas.
Orlandi (2001, p.129) propõe:

A textualização, a colocação do discurso em palavras, tem uma relação


necessária com o político. Em todo dizer há confronto do simbólico com
o político: todo dizer tem uma direção significativa determinada pela
articulação material dos signos com as relações de poder. Essas relações
se definem por sua inscrição em diferentes formações discursivas
que representam diferentes relações com a ideologia, configurando o
funcionamento da língua regida pelo imaginário.

Em uma peça publicitária:

Fonte: https://goo.gl/RhWIYN

capítulo 5 • 123
Aí há textos verbal e não verbal. Em ambos há o plano da expressão e o
do conteúdo. O primeiro pode ser analisado na imagem e nas palavras, mas o
conteúdo está no conjunto, nas inferências que se faz a partir do conhecimento
que se tem do assunto, nas significações possíveis a partir da proposta. Parte-se das
formas (cores, imagens, movimentos, seleção de objetos e palavras) ‒ é o plano
da expressão ‒ e há ainda os valores sociais e ideológicos que naturalmente essas
formas vão provocar no interpretante, visto que existe uma situação enunciativa
que compõe o conteúdo, o conjunto de ideias que se articulam na mente do
observador ‒ é o plano do conteúdo.

Veja outros exemplos:

Fonte: https://goo.gl/RhWIYN

Fonte: https://goo.gl/SNqpMM

capítulo 5 • 124
Os signos verbais e não verbais (formas de expressão) das peças publicitárias podem
ser analisados no plano do conteúdo porque, de alguma forma acionam discursos
anteriores conhecidos e conceitos pré-construídos (MAINGUENEAU, 2002).

Linguagem simbólica

Lembrando o que se apontou neste capítulo, o texto literário, em que a função


estética se evidencia, apresenta-se de forma simbólica, isto é, passando do sensorial
às relações com o experimental, com o psicológico, com a abstração.
Vygotski (1989, p. 4) diz:

O significado das palavras é um fenômeno de pensamento apenas na


medida em que o pensamento ganha corpo por meio da fala *(discurso),
e só é um fenômeno da fala na medida em que esta é ligada ao
pensamento, iluminado por ele. É um fenômeno do pensamento verbal
ou da fala significativa uma união da palavra e do pensamento.

O homem tem um sistema simbólico básico para se comunicar que é a


língua, expressa no discurso, e se vale também da linguagem não verbal como
forma de troca simbólica e dialógica. A criação desse sistema simbólico foi
necessária para que houvesse intercâmbio, isto é, troca sócio-histórica.
Os significados se transformam porque há uma relação entre o significado
propriamente dito e o sentido partilhado das palavras em determinado contexto.

É proibido fumar

Um signo (sinal) não tem significação: uma


seta, isolada das placas de sinalização de trânsito,
nos lembra diferentes semas concernentes à
direção dos veículos; mas sozinha esta seta não
permite a concretização de um estado de
consciência; para que isto aconteça, deverá ter
uma determinada cor, uma determinada direção
e figurar numa determinada placa colocada
num determinado lugar; o mesmo acontece

capítulo 5 • 125
com o termo isolado, como por exemplo tavola (mesa): ele se nos apresenta como
membro virtual de diferentes frases em que se fala de coisas diferentes; sozinho,
porém, não permite reconstruir o estado de consciência de que se fala. (BUYSSENS,
1943, p. 38, apud ECO, 1991)

É simbólica tanto a linguagem verbal quanto a


não verbal, desde que partilhada pelos falantes.

Veja:

O outdoor usa palavras


para expressar um conceito.

Fonte: https://goo.gl/SNqpMM

A ISO 26000, lançada


no final de 2010, servirá
simplesmente como uma
referência daquilo que é
entendido e compreendido
como responsabilidade
social no mundo.

Fonte: https://goo.gl/SNqpMM

capítulo 5 • 126
Após cinco anos de debates internacionais e de trabalho que envolveu
especialistas, autoridades, personalidades, organizações e entidades de todo o
mundo, foi oficialmente lançada no final de 2010 a ISO 26000, conhecida como
a norma da responsabilidade social.
De uma cultura para outra os sentidos mudam, por isso é necessária a
compreensão da cultura em que os símbolos são criados para que a comunicação
seja eficaz.
A relação entre a imagem e o conceito precisa ser criada para que haja
partilhamento do conteúdo expresso.

Fonte: Shutterstock

As formas de expressão do luto podem se apresentar por simbologias diversas.

Autor e leitor: da semiótica aos limites da interpretação

Como se tem discutido ao longo dos capítulos, a interpretação é alvo de


debate e de procura de caminhos. Barthes fala da “morte do autor” com o objetivo
de deslocar para o texto a leitura interpretativa, critica a tendência de se considerar
a identidade do autor como base do significado de sua obra.
Para o crítico francês:

capítulo 5 • 127
Em seu caráter aberto, o texto não tem um significado “teológico” (o que
Barthes chama de a mensagem do Autor-Deus), mas se constitui num
“espaço de muitas dimensões, no qual estão casados e contestados
vários tipos de escrituras, não sendo nenhum deles original: o texto é
um tecido de citações que resulta de milhares de fontes de cultura.”
(BARTHES, 1988, p. 68-69, apud SANTOS, 2007)

Para tratar do tema semiótica e os limites da interpretação, é preciso voltar a


Peirce e à questão da semiose.
Lembrando:

1. Palavra: signo linguístico, arbitrário 2. Na semiologia ou na semiótica, a


e convencional, pertence ao sistema produção de significados relaciona a
de uma língua. As palavras são signos linguagem com outros sistemas de signos
quando se manifestam em um discurso. de natureza humana ou não: O processo
Estão subordinadas a leis e convenções de criação é um processo de semiose
do sistema, do código. ilimitada. [Termo criado por Charles
O objeto de uma palavra não é alguma Sanders Peirce (1839-1914), filósofo,
coisa existente, mas uma ideia, isto é, um cientista e matemático americano.]
registro mental, armazenado pela criação
de um hábito linguístico no cérebro [F.: semio- + -ose]
humano. Ao serem inseridas em uma (http://www.aulete.com.br/semiose)
frase, as palavras são símbolos-indiciais,
pois precisam ter um apoio de referência.

O ponto de vista de Umberto Eco

A interpretação de textos é assunto sempre em discussão e aqui vamos buscar


uma análise do ponto de vista semiológico, ou mais precisamente com novos
olhares, novas perspectivas ‒ o texto pelo texto.

capítulo 5 • 128
Cabe lembrar Umberto Eco, que em Obra Aberta (1960) chamava a atenção
para os possíveis desdobramentos interpretativos, pois, ao tornar público um texto,
o autor passa ao leitor a incumbência de coautor. Cada leitura é uma reinvenção
de cenas, de emoções, deixa-se de ter um eu-autor e passa-se ao eu-lírico, ao eu-
interpretante, ao eu-possível.
Embora possa parecer, as interpretações não são aleatórias; há uma estrutura
reguladora. Eco (1991) propõe que o signo é “aquilo que sempre nos faz conhecer
algo mais”.

E, como veremos, o signo é instrução para a interpretação, mecanismo


que, de um estímulo inicial, conduz a todas as suas mais remotas
consequências ilativas. Parte-se de um signo para percorrer toda a
semiose para chegar ao ponto em que o signo pode gerar a própria
contradição (de outro modo não seriam possíveis aqueles mecanismos
textuais chamados de ‘literatura’). (ECO, 1991, p. 32-33)

Há um texto cuja origem é discutida e que permite a leitura dos versos do


primeiro para o último e vice-versa, e assim é possível ter dos mesmos significantes
significados contrários:

Não te amo mais.


Estarei mentindo dizendo que
Ainda te quero como sempre quis.
Tenho certeza que
Nada foi em vão.
Sinto dentro de mim que
Você não significa nada.
Não poderia dizer jamais que
Alimento um grande amor.
Sinto cada vez mais que
Já te esqueci!
E jamais usarei a frase
Eu te amo!
Sinto, mas tenho que dizer a verdade
É tarde demais...

capítulo 5 • 129
Nota: O original, de autoria desconhecida, parece ter sido escrito em espanhol e a tradução para português é muitas
vezes atribuída, de forma errônea, a Clarice Lispector.

Fonte: site O Pensador.

“(...) não há “interpretante que, ao conformar o signo que interpreta, não


modifique, mesmo que só um pouco, seus limites.”

Eco, de certo modo, retoma Peirce quando diz:

Signo é aquilo que, sob certo aspecto ou modo, representa algo para
alguém. Dirige-se para alguém, isto é, cria, na mente dessa pessoa, um
signo equivalente, ou talvez um signo mais desenvolvido. Ao signo assim
criado denomino interpretante do primeiro signo. O signo representa
alguma coisa, seu objeto. Representa seu objeto não em todos os seus
aspectos, mas como referência a um tipo de ideia que eu, por vezes
denominei fundamento do representâmen. (PEIRCE, 2003, p. 46)

Percebe-se, então, que, embora haja no discurso o ato de reconhecimento


recíproco entre aquele que enuncia e aquele que recebe a enunciação, pois deve se
tratar de um saber comum, há ainda toda a questão do conhecimento prévio sobre
a leitura de mundo e os comportamentos sociais do homem que nem sempre estão
expressos formalmente. Aqui fica a possibilidade de mais de uma interpretação,
visto que o interpretante fará a leitura de acordo com os conhecimentos que detém
naquele momento ou das inferências que poderá fazer.
Para Beaugrande (1997, p. 11 apud MARCUSCHI, 2010, p. 81),

“As pessoas usam e partilham a língua tão bem precisamente porque


ela é um sistema em constante interação com seus conhecimentos
partilhados sobre seu mundo e sua sociedade”

capítulo 5 • 130
Tipologias textuais

Os textos se apresentam sob diferentes tipos e podem ser reconhecidos


facilmente por suas características distintas como construções frasais, relações
lógicas, tempos verbais e vocabulário, entre outras.
A tipologia tem sido confundida com gêneros textuais. Os tipos textuais
são cinco: narrativos, argumentativos, expositivos, descritivos e injuntivos. Já os
gêneros são muitos e seguem determinadas ações sociocomunicativas, isto é, a
forma como no cotidiano ocorrem os tipos de texto.
Explicando:
Uma narração (tipo de texto) pode apresentar-se sob diversos gêneros tais
como: história em quadrinhos, letra de música, fábula, conto ou novela.
Texto narrativo: essa tipologia textual, muito comum em nosso dia a dia,
conta um fato (fictício ou real) que pode ocorrer entre pessoas, tomadas como
personagens, em um determinado tempo e lugar. Geralmente em prosa, pode
também estar sob a forma de poesia e busca comunicar qualquer acontecimento
ou situação.

Exemplos de Manuel Bandeira:

EXEMPLO
POEMA TIRADO DE UMA NOTÍCIA DE JORNAL:

JOÃO GOSTOSO era carregador de feira livre e morava no morro da Babilônia num
barracão sem número.
Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro
Bebeu
Cantou
Dançou
Depois se atirou na lagoa Rodrigo de Freitas e morreu afogado.
(BANDEIRA, Manuel. Libertinagem)

capítulo 5 • 131
Tragédia brasileira

Misael, funcionário da Fazenda, com 63 anos de idade.


Conheceu Maria Elvira na Lapa prostituída com sífilis, dermite nos dedos, uma aliança
empenhada e os dentes em petição de miséria.
Misael tirou Maria Elvira da vida, instalou-a num sobrado no Estácio, pagou médico,
dentista, manicura. Dava tudo quanto ela queria.
Quando Maria Elvira se apanhou de boca bonita, arranjou logo um namorado.
Misael não queria escândalo. Podia dar urna surra, um tiro, urna facada. Não fez nada
disso: mudou de casa.
Viveram três anos assim.
Toda vez que Maria Elvira arranjava namorado, Misael mudava de casa.
Os amantes moraram no Estácio, Rocha, Catete, Rua General Pedra, Olaria, Ramos, Bom
Sucesso, Vila Isabel, Rua Marquês de Sapucaí, Niterói, Encantado, Rua Clapp, outra vez no
Estácio, Todos os Santos, Catumbi, Lavradio, Boca do Mato, Inválidos...
Por fim, na Rua da Constituição, onde Misael, privado de sentidos e inteligência, matou-a
com seis tiros, e a polícia foi encontrá-la caída em decúbito dorsal, vestida de organdi azul.

O autor fez narrações em 3a pessoa:

Em prosa, na qual conta a história de


Em poesia, narra um fato corriqueiro, um casal que termina de maneira trágica,
visto que foi tirado de uma notícia de como tantos outros fatos que estão no
jornal em que o autor coloca em ação um noticiário todo dia. É uma forma crítica
homem simples que se suicida. de retratar uma questão social como uma
paródia a notícias jornalísticas.

capítulo 5 • 132
Narração em 1a pessoa:

“Termino o livro e fecho o computador sabendo que por mais que os escritores
escrevam, os músicos componham e cantem, os pintores e escultores joguem
com formas, cores e luzes -, por mais que o contexto paralelo da arte expresse o
profundo contraditório sentimento humano, embora dance à nossa frente e
nos convoque até o último fio de lucidez, o essencial não tem nome nem forma: é
descoberta e assombro, glória ou danação de cada um”.
(LUFT, Lya. Perdas e Ganhos. 34 ed. Rio de Janeiro: Record, 2009, p. 24)

A narração em primeira pessoa pressupõe a participação do narrador (narrador


personagem) em que conta suas experiências, emoções.

“Manuelzão, em meio à festa, descobre-se numa encruzilhada. Sua saúde já não é tão
boa, a morte não é tão remota, ele tem medo de retornar à miséria na qual nasceu,
e pesa-lhe não ser o dono do lugar, ainda que respeitado. Tem um filho do qual não
gosta nem respeita, numa atração inequívoca pela nora. Mas o que a festa começa a
desmanchar nele é a alienação de si mesmo, de quem sublimou no trabalho ininterrupto
todas as perplexidades da vida. Nem novo (como os vaqueiros que se divertem) nem
velho (como Seo Camilo, a quem recolhe como agregado ou o Senhor de Vilamão, um
latifundiário caduco), ele sente solidão de quem tem que estar em atividades constantes
para não cair na angústia. Enquanto Miguilim descobria o mundo, Manuelzão tenta
redescobrir o seu sabor dificultosamente, através das estórias contadas na festa pelos
representantes daqueles seres que não se consomem na luta pela vida, párias de uma
sociedade obcecada pelo produtivo: Joana Xaviel e Seo Camilo, figuras que atraem
Manuelzão assim como o irmão de sua nora, Promitivo, com sua vadiagem simpática,
enquanto o filho trabalhador lhe causa antipatia”.
(ROSA, 1970)

A narração, no trecho de Guimarães Rosa, traz um narrador onisciente que conta a


história em 3a pessoa e sabe tudo sobre personagem e enredo, conhece as emoções
e os pensamentos e se antecipa aos fatos. O autor usa um vocabulário próprio, muitas
vezes criando neologismos.

capítulo 5 • 133
Descrição: nessa tipologia, o objetivo principal é descrever pessoas, lugares,
situações ou até objetos. Na literatura pode apresentar-se como descrição subjetiva
e deve fazer o leitor criar uma imagem mental do que foi descrito, por isso, quanto
mais detalhes forem empregados, melhor interação com o leitor.
Esse tipo de texto não se limita ao espaço e nele predominam substantivos,
adjetivos e, quando são usadas formas verbais, geralmente, ocorrem com verbos
de estado. Há também o emprego de linguagem figurada de modo a torná-lo
mais criativo.

Na poesia:

Retrato
Cecília Meireles

Eu não tinha esse rosto de hoje,


assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.
Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.
Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
Em que espelho ficou perdida
a minha face?

Na prosa:

“Eu sou um menino maior que muitos e menor que outros. Na cabeça tenho cabelo que
mamãe manda cortar muito mais do que eu gosto e, na boca, muitos dentes, que doem.
Estou sempre maior que a roupa, por mais que a roupa do mês passado fosse muito
grande. Só gosto de comer o que a mãe não me quer dar e ela só gosta de me dar o
que eu detesto. Em matéria de brincadeiras as que eu gosto mais são as perversas, mas
essa minha irmãzinha grita muito”. (Millôr Fernandes)

capítulo 5 • 134
Os autores se descrevem de forma subjetiva. Na poesia, há muita sensibilidade diante
de uma visão mais amarga. Na prosa, o autor se coloca numa posição mais infantil e uma
linguagem simples e tratada com humor.

Bocatorta
“Bocatorta excedeu a toda pintura. A hediondez personificara-se nele, avultando,
sobretudo, na monstruosa deformação da boca. Não tinha beiços, e as gengivas largas,
violáceas, com raros tocos de dentes bestiais fincados as tontas, mostravam-se cruas,
como enorme chaga viva. E torta, posta de viés na cara, num esgar diabólico, resumindo
o que o feio pode compor de horripilante. Embora se lhe estampasse na boca o quanto
fosse preciso para fazer aquela criatura a culminância da ascosidade, a natureza malvada
fora além, dando-lhe pernas cambaias e uns pés deformados que nem remotamente
lembrariam a forma de um pé humano. E os olhos vivíssimos, que pulavam das órbitas
empapuçadas, veiados de sangue na esclerótica amarela. E pele grumosa, escamada de
escaras cinzentas. Tudo nele quebrava o equilíbrio normal do corpo humano, como se a
teratologia caprichasse em criar a sua obra-prima”.
(Monteiro Lobato)

O autor desconstrói a imagem da descrição física comum e cria uma visão grotesca do
personagem.

OS AVENTUREIROS
I CENÁRIO

“De um dos cabeços da Serra dos Órgãos desliza um fio de água que se dirige para o norte, e
engrossado com os mananciais que recebe no seu curso de dez léguas, torna-se rio caudal.
É o Paquequer: saltando de cascata em cascata, enroscando-se como uma serpente, vai
depois se espreguiçar na várzea e embeber no Paraíba, que rola majestosamente em seu
vasto leito.
Dir-se-ia que, vassalo e tributário desse rei das águas, o pequeno rio, altivo e sobranceiro
contra os rochedos, curva-se humildemente aos pés do suserano. Perde então a beleza
selvática; suas ondas são calmas e serenas como as de um lago, e não se revoltam contra
os barcos e as canoas que resvalam sobre elas: escravo submisso, sofre o látego do senhor.

capítulo 5 • 135
Não é neste lugar que ele deve ser visto; sim três ou quatro léguas acima de sua foz,
onde é livre ainda, como o filho indômito desta pátria da liberdade.
Aí, o Paquequer lança-se rápido sobre o seu leito, e atravessa as florestas como o tapir,
espumando, deixando o pelo esparso pelas pontas do rochedo, e enchendo a solidão
com o estampido de sua carreira. De repente, falta-lhe o espaço, foge-lhe a terra; o
soberbo rio recua um momento para concentrar as suas forças, e precipita-se de um só
arremesso, como o tigre sobre a presa.”
(ALENCAR. O Guarani)

Esse trecho apresenta uma visão metafórica do local descrito. Há muitas linguagens
figuradas próprias da literatura do Romantismo.

EU, O LIVRO (trecho)


Frei Betto

Sou muito especial. Minha tecnologia é insuperável. Funciono sem fios, bateria, pilhas
ou circuitos eletrônicos. Sou útil até mesmo onde não há energia elétrica. E posso ser
usado mesmo por uma criança: basta abrir-me.
Nunca falho, não necessito de manual de instruções, nem de técnicos que me consertem.
Dispenso oficinas e ferramentas. Sou isento a vírus, embora figure no cardápio das
traças. Se algo em mim o leitor não entende, há um similar que explica todos os
meus vocábulos.
Através de mim as pessoas viajam sem sair do lugar. Não é fantástico? Basta abrir-me e
posso levá-las a Roma dos Césares ou à Índia dos brâmanes, aos estúdios de Hollywood
ou ao Egito dos faraós, ao modo como as baleias cuidam de seus filhos e aos paradoxos
dos buracos negros.
Sou feito de papiro, pergaminho, papel, plástico e, hoje, existo até como matéria virtual.
Domino todos os ramos do conhecimento humano. E, ao contrário dos seres humanos,
jamais esqueço. Se me consultam, elucido dúvidas, respondo indagações, estimulo a
reflexão, desperto emoções e ideias.
Fonte: site Adital. Acesso em 17/09/2016)

Aqui se tem uma descrição subjetiva, na qual o autor se coloca no lugar do objeto descrito.

capítulo 5 • 136
Dissertação:

Argumentativa

Apresenta-se a partir de uma tese que resulta de um tipo de raciocínio, passa à


defesa de um questionamento ou um ponto de vista sobre determinado assunto. Precisa
de justificativas convincentes a fim de provocar o leitor a aceitá-las ou discuti-las.
Objetivo: Persuasão.
Precisa estar em sintonia com o perfil do interlocutor (faixa etária, nível
sociocultural, grupo profissional etc.).

A lei da Escola sem Partido é, sim, necessária


Não se trata de impor uma mordaça aos professores, mas garantir a liberdade
de opinião dos estudantes
Por Leandro Narloch 15/09/2016 às 9:49

Suponha que, na escola pública do seu filho, o professor de história é fã de Jair Bolsonaro.
Ele ensina que o governo militar não foi uma ditadura, e sim uma democracia que fez muito
bem ao matar comunistas. Na prova de fim de ano, seu filho dá uma opinião diferente – e
leva zero. Você reclama à diretoria, que dá razão ao professor e diz a você:

capítulo 5 • 137
– Escola sem pensamento crítico não é escola!
Intelectuais que eu admiro, como Joel Pinheiro da Fonseca e Luiz Felipe Pondé, acreditam
que o movimento Escola sem Partido acerta no diagnóstico (a doutrinação de esquerda das
escolas) mas erra na solução (leis contra a doutrinação que tornariam o professor um refém).
Discordo da segunda parte. Fará muito bem às escolas públicas uma lei para proteger
alunos contra o proselitismo de professores, sejam esses professores fãs de Che
Guevara ou do coronel Ustra. A lei não necessariamente restringirá a liberdade de
ensino e terá o poder de preservar alunos contra a discriminação ideológica.
Assim como o professor não pode agir com preconceito contra etnias ou preferências
sexuais, também não pode discriminar de acordo com a opção partidária.
No ensino público (falo apenas das escolas públicas; não acho que o governo deve se
meter nas escolas privadas), professores são pagos para preparar alunos ao debate,
para a tolerância a ideias divergentes. Geralmente contrários à privatização, professores
de esquerda privatizam o espaço público quando usam a sala de aula para pregação
política. Muitos deles mal percebem a diferença entre ensino e doutrinação.
A Constituição passa rápido pelo assunto. Determina que o ensino deve ser ministrado
com base no princípio do “pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas, e
coexistência de instituições públicas e privadas de ensino”. É pouco. Não faria mal uma
lei que estabelecesse critérios mais precisos e desse ferramentas para pais e alunos
reclamarem de professores abusivos.
É verdade que a tentação legiferante, a crença de que leis resolverão todos os
problemas do país, costuma resultar em tiros no pé. Não é o caso aqui. A lei só garantiria
uma liberdade negativa, o direito de não ser discriminado pelo professor. Os membros
do Escola sem Partido já disseram diversas vezes que estão abertos à discussão e
defendem uma lei que contenha abusos sem mexer na liberdade de ensino.
O apreço à divergência de ideias é o bem mais valioso que professores podem transmitir
aos alunos. Se tantos professores brasileiros não reconhecem esse bem, e pior, se
discriminam alunos por causa da opinião política, uma lei para proteger a livre opinião
nas escolas públicas viria muito bem a calhar. Fonte: site Veja.

Expositiva
Esse tipo de dissertação pretende informar sobre determinado assunto. Para
isso, é preciso enumerar características de modo claro e conciso. É a linguagem
própria de reportagens, resumos, artigos, seminários, fichamentos etc.

capítulo 5 • 138
EXEMPLO
1) Suspeito por explosões em Nova Jersey e Nova York é detido
Ahmad Khan Rahami foi detido pela polícia em Linden, Nova Jersey, após trocar
tiros com a polícia
(Da redação access_time 19 set 2016, 12h48. Atualizado em 19 set 2016, 14h25)
O cidadão americano nascido no Afeganistão e procurado por conexão com as explosões
em Nova York e Nova Jersey foi preso nesta segunda-feira após trocar tiros com a polícia,
informou a imprensa americana. Ahmad Khan Rahami foi detido pela polícia em Linden, Nova
Jersey, reporta o site do jornal The New York Times. Rahami foi levado em uma ambulância
depois de ficar ferido no tiroteio com a polícia, segundo imagens da rede CNN.
Fonte: site Veja.

2) A peça que faltava


Cientistas anunciaram em julho ter encontrado uma nova partícula subatômica
que se encaixa na descrição do bóson de Higgs.
N° Edição: 479
Texto: Equipe Planeta
01/08/2012
A localização da partícula com o perfil do bóson de Higgs foi o primeiro feito marcante
do Grande Colisor de Hádrons, em Genebra.
Em 1964, o físico Peter Higgs, da Universidade de Edimburgo (Escócia), enviou um
estudo à Organização Europeia de Pesquisa Nuclear (Cern, na sigla em inglês) no qual
propunha a existência de uma partícula subatômica que conferiria massa à matéria – um
ingrediente que daria o encaixe perfeito ao Modelo Padrão, a teoria que explica as partículas
e forças presentes no universo. Na época, a ideia gerou controvérsia – editores de uma das
mais importantes publicações científicas internacionais, o Physics Letters, avaliaram que ela
“não tinha relevância óbvia para a física”. Mas outros cientistas chegaram, por meios variados,
a conclusões semelhantes, e com o passar dos anos a procura pelo chamado “bóson de
Higgs” ganhou o status de mais importante meta da física nas últimas décadas.
A busca pode ter acabado, anunciaram cientistas do Cern no dia 4 de julho, em Genebra.
Depois de meses de suspense, eles declararam que dois experimentos independentes
realizados no Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês) – o maior acelerador de
partículas do mundo, localizado na fronteira entre Suíça e França – concluíram que existe
uma nova partícula subatômica, com massa de cerca de 125,5 gigaeletron volts (GeV), que

capítulo 5 • 139
se encaixaria no perfil delineado para o bóson de Higgs. A massa detectada é 133 vezes
mais pesada do que os prótons no centro de cada átomo.
Fonte: site Revista Planeta.

3) SINOPSE
PARATODOS
SUPERAÇÃO É SÓ O COMEÇO PARA ESSA HISTÓRIA

PARATODOS mergulha no cotidiano de alguns dos principais atletas paralímpicos


brasileiros para investigar os bastidores do esporte de alta performance e discutir a inclusão
da pessoa com deficiência na sociedade. No universo paralímpico, se superar não é uma
opção ou gesto de heroísmo, é somente o ponto de partida.
“Se você olhar para o que uma pessoa pode fazer em vez do que ela não consegue fazer,
a perspectiva muda e perde-se a visão de coitadinho”.
(Andrew Parsons, presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro)

Texto injuntivo
É indicado para se realizar uma ação qualquer, é instrucional. Usa linguagem
objetiva e simples com verbos no imperativo, no infinitivo ou no futuro do
presente. É encontrado em receitas, bulas, uso de aparelhos.

EXEMPLO
1)

Fonte: https://goo.gl/Smwngr

capítulo 5 • 140
2)

Gêneros textuais e leituras plurais


Conforme estudado anteriormente, a tipologia textual pode apresentar-se
sob formas diversas de gêneros, que se estruturam de forma oral ou escrita e são
reconhecidos facilmente pelo leitor, visto que têm determinadas características,
objetivam atingir intenções de comunicação e dependem de certas situações.
Circulam na sociedade com linguagens e estilos próprios.
Você irá identificar como as tipologias textuais são representadas em gêneros
diferentes, tais como:

GÊNERO PUBLICITÁRIO

Há a intenção de propagar informações,


procurando sensibilizar e emocionar o leitor.
Texto dissertativo-expositivo.

Fonte: https://goo.gl/6cmY1x

capítulo 5 • 141
GÊNERO TUTORIAL

Texto injuntivo que consiste em


um guia que tem por finalidade
explicar ao leitor, passo a passo
e de maneira simplificada como
fazer algo.

Fonte: https://goo.gl/qC6VZx

HISTÓRIA EM QUADRINHOS

É um texto narrativo que


apresenta enredos curtos em
quadros com diálogos em
balões, onomatopeias, gerando
uma espécie de conversação.

Fonte: https://goo.gl/EsVhdw

CHARGE

É um texto narrativo ilustrado,


em geral humorístico com o
objetivo de fazer uma crítica ou
um comentário sobre tema atual.

Fonte: https://goo.gl/qC6VZx

Como você pode perceber, no texto há o universo de referência em que se pode


identificar o campo social-discursivo em que ele atua, dependendo do gênero do
discurso (político, lúdico, didático, religioso, poético, jornalístico etc.). Portanto,

capítulo 5 • 142
são ainda gêneros textuais uma peça de teatro, uma entrevista, um poema, um
aviso, um e-mail, uma logomarca, um anúncio, um folheto, um banner, uma
carta, um romance, entre tantos outros.

A pós-modernidade e a crítica contemporânea

Roland Barthes fala da obra como algo fechado em si, acabado, enquanto
o texto seria o que ultrapassa a obra, pois se estende à construção do sentido.
Para esse autor, a obra estaria condicionada a fatores históricos, políticos, sociais,
portanto, precisa acompanhar o conceito de literatura vigente em um determinado
contexto. É simbólica. O texto, ao contrário, precisa ser revisitado, pois “pratica
o recuo infinito do significado”; deve passar por constante revisão e ampliação. O
texto é dinâmico, plural.
Para tratar do pós-modernismo, é preciso fazer um pequeno roteiro histórico
já que essa ideia surgiu pela primeira vez no mundo hispânico (1930), mas coube
a Jean-François Lyotard (1979), com a publicação “A condição pós-moderna”, a
expansão do conceito. A perda da historicidade e o fim da grande narrativa visavam
buscar novos espaços: feminismo, ecologia, intertextualidade, intersemiotização,
pluralidade cultural, polarização social etc.
A pós-modernidade se preocupa com o instantâneo, desaparecem fronteiras
e o mundo se globaliza ‒ é época da virtualidade, da imagem, do som e do texto
com diferentes graus de complexidade.
Rouanet (1987, p. 229) escreve:
(...) depois da experiência de duas guerras mundiais, depois de
Auschwitz, depois de Hiroshima, vivendo num mundo ameaçado
pela aniquilação atômica, pela ressurreição dos velhos fanatismos
políticos e religiosos e pela degradação dos ecossistemas, o homem
contemporâneo está cansado da modernidade. Todos esses males são
atribuídos ao mundo moderno. Essa atitude de rejeição se traduz na
convicção de que estamos transitando para um novo paradigma. O
desejo de ruptura leva à convicção de que essa ruptura já ocorreu, ou
está em vias de ocorrer (...). O pós-moderno é muito mais a fadiga
crepuscular de uma época que parece extinguir-se ingloriosamente
que o hino de júbilo de amanhãs que despontam. À consciência
pós-moderna não corresponde uma realidade pós-moderna.

capítulo 5 • 143
Nesse sentido, ela é um simples mal-estar da modernidade, um
sonho da modernidade. É literalmente, falsa consciência, porque
consciência de uma ruptura que não houve, ao mesmo tempo, é
também consciência verdadeira, porque alude, de algum modo, às
deformações da modernidade.
(apud Revista Espaço Acadêmico n. 35. Abril 2004)

Essas mudanças têm provocado perspectivas diversificadas nos novos textos


literários, pois os temas emergem de um novo contexto sociocultural e político,
o que faz os autores dessa fase pós-moderna perceberem o mundo e os seres em
novas maneiras de agir.
Como fica a crítica contemporânea a partir dessas novas perspectivas?
Eduardo Sterzi levanta a possibilidade de que talvez nunca tenha existido
tanta crítica literária no Brasil quanto na atualidade; e relaciona onde ela pode ser
encontrada: “Pode-se lê-la em livros, revistas ditas ‘acadêmicas’, revistas literárias,
revistas de cultura em sentido amplo, jornais alternativos como o Atual e Tabaré,
panfletos como o Sopro, sites dedicados à literatura, blogs, redes sociais. Pode-se
escutá-la em aulas, palestras, debates e programas de tevê em emissoras educativas.”
Fonte: site Saraiva Conteúdo.

Amplia-se, com isso, o espaço da crítica e da literatura nesses novos tempos. O


que antes era considerado produção marginal, como as histórias em quadrinhos,
a literatura de cordel, a arte popular, por exemplo, hoje é objeto de estudo, é a
fundação da teoria que amplia seus estudos com vistas à tradição. É um novo
modo de ler e de crítica mais abrangentes, é uma atitude intelectual que “olha”
para novos campos de cultura.
Segundo Fernandes (2010):

Embora seja difícil à consciência pós-moderna atribuir à arte missão


emancipadora, engajada em grandes projetos de revolução social, a
análise de muitas produções confirma como as diferentes linguagens da
arte ainda podem ter a função essencial de transformar sensibilidades,
alterar imagens e mudar a percepção do real.

capítulo 5 • 144
Ler textos dessa nova fase significa um novo leitor.
Alguns exemplos:

“Se houver uma camisa preta e branca pendurada no varal durante uma tempestade, o
atleticano torce contra o vento. Ah, o que é ser atleticano? É uma doença? Doidivana
paixão? Uma religião pagã? Bênção dos céus? É a sorte grande? O primeiro e único
mandamento do atleticano é ser fiel e amar o Galo sobre todas as coisas. Daí, que a
bandeira atleticana cheira a tudo neste mundo.

Cheira ao suor da mulher amada.


Cheira a lágrimas.
Cheira a grito de gol
Cheira a dor.
Cheira a festa e a alegria.
Cheira até mesmo perfume francês.
Só não cheira a naftalina, pois nunca conhece o fundo do baú, trêmula ao vento.

A gente muda de tudo na vida. Muda de cidade. Muda de roupa. Muda de partido político.
Muda de religião. Muda de costumes. Até de amor a gente muda. A gente só não muda
de time, quando ele é uma tatuagem com a iniciais C.A.M., gravada no coração. É um
amor cego e têm a cegueira da paixão.”

(Roberto Drummond)

Nesse texto, o autor traz o cotidiano, a loucura vivida por um torcedor de


futebol, a linguagem simples, os sentimentos efervescentes de quem não usa a
lógica, e sim vive o dia a dia.
Outro autor pós-moderno, Silviano Santiago passa ao público uma literatura
rica em sátiras, e Em Liberdade recria Graciliano Ramos em Memórias do Cárcere,
em forma de pastiche, para que se faça uma reflexão sobre a questão das ditaduras
e o papel do escritor em situações como essas.

capítulo 5 • 145
“Toda e qualquer política que repousa sobre a prisão e o ressentimento conduz a
nada, no máximo a uma ideologia de crucificados e mártires, que terminam por ser
os fracassados heróis da causa. Livrar-me do raciocínio que considera a experiência
como positiva para a luta política não significa cair em raciocínio oposto: aceitá-la como
negativa para a minha individualidade no campo social. Nem positiva para mim enquanto
homem político, nem negativa para a mim enquanto cidadão. Qualquer aproveitamento
político da prisão é sinal de imaturidade no plano psicológico e de fraqueza no campo
partidário: nada se constrói sobre os pilares da perseguição”
(SANTIAGO, 1994, p. 57).

Esse exemplo reforça as palavras de Barthes (1988, p. 75):

(...) o texto se realiza como rede de citações, retiradas de diversos


centros da cultura, constituindo um espaço de dimensões múltiplas,
onde várias escrituras, nenhuma delas original, se misturam e
se contradizem e a literatura não passa de um jogo de espelhos
entre textos.

Clarice Lispector, no livro A Maçã no Escuro, também nos traz um homem


contemporâneo, cheio de conflitos em um ambiente de sensações, um espaço
psicológico e denso em que o pensamento do personagem vai-se construindo ao
longo da narrativa junto com o leitor.

“Quando o silêncio se refez dentro do silêncio, Martim adormeceu ainda mais longe.
Embora no fundo do sono alguma coisa ecoasse difícil, tentando se organizar. Até que,
sem nenhum sentido e livre do incômodo de precisar ser compreendido, o ruído do carro
se refez na sua memória com as minúcias mais finamente discriminadas. A ideia do
carro despertou um aviso suave que ele não entendeu de pronto. Mas que já espalhara
pelo mundo um vago alarme, cujo centro irradiador era o próprio homem: ‘assim, pois,
eu’, pensou seu corpo se comovendo. Continuou deitado, remotamente gozando”
(LISPECTOR, 1961, p. 4).

capítulo 5 • 146
Também entram nesse contexto:

AS CHARGES

Fonte: https://goo.gl/VY8JFk

OS POEMAS

Haroldo Campos. Fonte: https://goo.gl/VY8JFk

Poesia Visual ‒ UOL Educação:

Fonte: https://goo.gl/U12Xj6

capítulo 5 • 147
Fonte: https://goo.gl/o2J6Hk

O design:

Fonte: https://goo.gl/EG22OT

capítulo 5 • 148
O interpretante e os argumentos
Na relação triádica de Peirce, o interpretante corresponde à relação entre o
rema, o dicente e o argumento.

NO REMA Tem-se uma hipótese interpretativa.

Há um signo de existência concreta que servirá como


NO DICENTE
base para a interpretação.

É o signo de lei, é um juízo, é uma proposição para que se


O ARGUMENTO
dê uma interpretação final.

Tomando a proposta de Santaella (1985), o rema corresponderia a uma palavra


qualquer da língua portuguesa fora de um contexto.

EXEMPLO
Por exemplo: pomba. É um termo, um enunciado que depende de averiguação para se
tornar verdade.
Caso a palavra seja inserida em uma frase, como “A pomba voou livre pela praça.”, em
lugar de um termo, tem-se uma sentença. Em Semiótica, essa sentença chama-se dicente
(dici-signo ou dissisigno). Há outros elementos além do termo “pomba” que permitem
averiguação da verdade.
No entanto, se a sentença for “Depois que foi solta da gaiola, a pomba voou livre pela
praça.”, há uma comprovação do que foi dito “Depois que foi solta da gaiola” ‒ é o argumento
que justifica o que foi dito.

Um argumento é um signo de raciocínio lógico que relaciona premissas


sugerindo uma conclusão verdadeira.
Logo, “os signos de que a língua é feita, os signos só existem na medida em
que são reconhecidos, isto é, na medida em que se repetem; o signo é seguidor,
gregário” (Barthes, 1978, p. 15).

capítulo 5 • 149
Munch, com sua arte na pintura “O Grito” trouxe
a questão do homem moderno angustiado, usou
a imagem para expressar o cidadão na pós-
modernidade com seus conflitos, incertezas.

O interpretante deve “ler” o quadro como uma


poesia, com os argumentos retratados na face, nas
cores, nos traços sinuosos. A emoção e a angústia
transbordam da tela para a realidade a partir dos
argumentos de vida na atualidade.

Revendo símbolos:
A cruz suástica é uma cruz cujos braços definem
um sentido giratório, em um movimento de rotação
em torno de um centro imóvel, uma vez que representa
um símbolo de ciclo, de manifestação, de ação e
de regeneração.

CURIOSIDADE
A suástica gamada
Símbolo antigo e universal do Sol, a suástica, também chamada de “Cruz Gamada”,
representa o ciclo do nascimento e do renascimento, sendo, portanto, o símbolo da
condição cósmica de contínuo movimento. Desse modo, esse símbolo místico corresponde
ao emblema do fogo divino, donde a energia criadora que constrói os mundos torna-se a
chave para o ciclo da ciência humana e divina. Note que, a despeito de ser um símbolo
solar, a suástica também está associada aos quatro pontos cardeais, aos quatro elementos,
aos quatro ventos.

Esse símbolo, no entanto, foi adotado na Alemanha


por organizações militares e nacionalistas e, a partir da
década de 1930, tornou-se símbolo do nazismo, pois
foi propagada em cartazes e bandeiras para que o povo a
tornasse prova de força.

capítulo 5 • 150
Ganhou um movimento diferente do símbolo original, mas, graças à
propaganda, foi o que ficou mais conhecido. Mudou o interpretante, mudaram o
símbolo e seu significado.

Segundo Orlandi (2012, p. 9):

Problematizar as maneiras de ler, levar o sujeito falante ou o leitor a


se colocarem questões sobre o que produzem e o que ouvem nas
diferentes manifestações da linguagem. Perceber que não podemos
não estar sujeitos à linguagem, a seus equívocos, sua opacidade. Saber
que não há neutralidade nem mesmo no uso mais aparente cotidiano
dos signos. A entrada no simbólico é irremediável e permanente:
estamos comprometidos com os sentidos e o político. Não temos como
não interpretar.

É interessante que os símbolos nos rodeiam e nem sempre nos damos conta de
que, para chegar a esse estágio, o interpretante valeu-se de argumentos.

CURIOSIDADE
Você sabia que o sabiá é símbolo do Brasil?

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos
DECRETO DE 3 DE OUTUBRO DE 2002.
Dispõe sobre o “Dia da Ave” e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso
II, da Constituição, DECRETA:

Art. 1º O “Dia da Ave”, instituído pelo Decreto no 63.234, de 12 de setembro de 1968,


será comemorado no dia 5 de outubro de cada ano.

capítulo 5 • 151
Art. 2º O centro de interesse para as festividades do “Dia da Ave” será o Sabiá (Turdus
Rufiventris), como símbolo representativo da fauna ornitológica brasileira e considerada
popularmente Ave Nacional do Brasil.

A ave faz parte de nossas poesias:

EXEMPLO
I. “Minha terra tem palmeiras
Onde canta o Sabiá
As aves que aqui gorjeiam
Não gorjeiam com lá”
(Gonçalves Dias)

II. Se eu tenho de morrer na flor dos anos


Meu Deus! Não seja já
Eu quero ouvir na laranjeira, à tarde,
Cantar o Sabiá!”.
(Casimiro de Abreu)

III. Vou voltar


Sei que ainda vou voltar
Para o meu lugar
Foi lá e é ainda lá
Que eu hei de ouvir cantar
Uma sabiá”
(Chico Buarque e Tom Jobim)

Conclui-se, portanto, que o interpretante tem papel fundamental na leitura,


uma vez que precisa de argumentos para chegar a determinadas significações; todo
texto-signo transforma-se em outro signo-texto depois que passa pelo interpretante,
além disso, conclui-se que há sempre um texto verbal atrás de qualquer texto seja
ele com palavras seja com uma imagem.

capítulo 5 • 152
Como exemplo, podem ser mencionados os emoticons que tanto sucesso fazem
hoje em dia:

EXEMPLO

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALVES, Marco Antônio Sousa. O autor em questão em Barthes e Foucault. Disponível em:
http://www.academia.edu/2543136/O_autor_em_questao_em_Barthes_e_Foucault. Acesso em:
16/09/2016.
BARROS, Manoel de. Memórias inventadas. A terceira infância. São Paulo: Planeta, 2008.
BARTHES, Roland. Aula. 13 ed. São Paulo: Cultrix, 2007.
ECO, Umberto. Semiotica e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Ática, 1991.
FOGAÇA, Zaqueu. Os dilemas da crítica literária contemporânea. Os críticos Alcir Pécora, Miguel
Sanches Neto, Eduardo Sterzi e Sérgio Alcides falam sobre os impasses que acometem a crítica
brasileira. Disponível em: http://www.saraivaconteudo.com.br/Materias/Post/58253. Acesso em:
11/11/2016
HJELMSLEV, Louis. Prolegômenos a uma Teoria da Linguagem. São Paulo: Perspectiva, 1975.
INFANTE, Ulisses. Do texto ao texto – curso prático de leitura e redação. São Paulo: Scipione, 1998.
LIMA, Raymundo de. Para entender o Pós-Modernismo. In: Revista Espaço Acadêmico, n. 35, 2004.
Disponível em: http://www.espacoacademico.com.br/035/35eraylima.htm. Acesso em: 11/11/2016
LISPECTOR, Clarice. A maçã no escuro. Rio de Janeiro: Rocco, 1961.
MAINGUENEAU, Dominique. Termos-chaves da análise do discurso. Belo Horizonte: UFMG, 2000.

capítulo 5 • 153
MARCUSCHI, Luiz Antonio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo:
Parábola, 2010.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 10. ed. Campinas:
Pontes, 2012.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso e texto. Formulação e circulação dos sentidos. São Paulo:
Pontes, 2001.
PEIRCE, Charles S. Semiótica. 3 ed. São Paulo: Perspectiva; 2000.
PEREIRA, Silvana Pimentel; MIRANDA, Cássio Eduardo Soares. O Discurso sobre a Criança na Mídia
Impressa do Vale do Aço. In: CARNEIRO, Agostinho Dias (Org.). Para uma nova análise do discurso.
Rio de Janeiro: Oficina do Autor, 1996.
PRADO, Adelia. Bagagem. São Paulo: Siciliano, 1993.
ROSA, Guimarães. Corpo de baile. Vol. I. Rio de Janeiro: José Olympio, 1970.
ROUANET, Sergio Paulo. As razões do iluminismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
SANTAELLA, Lúcia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 1985.
SANTAELLA, Lúcia. Semiótica aplicada. São Paulo: Pioneira Thomson Learning; 2002.
SANTAELLA, Lúcia; NÖTH, Winfried. Imagem: cognição, semiótica, mídia. 3 ed. São Paulo:
Iluminuras, 2001.
SANTIAGO, Silviano. Em liberdade. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.
SANTOS, Gerson Tenório dos. O leitor-modelo de Umberto Eco e o debate sobre os limites da
interpretação. Kalíope, São Paulo, ano 3, n. 2, jul./dez., s/d.
VERISSIMO, Erico. Clarissa; páginas 34-35. 5 ed. São Paulo: Companhia das Letras.

capítulo 5 • 154
ANOTAÇÕES

capítulo 5 • 155
ANOTAÇÕES

capítulo 5 • 156
ANOTAÇÕES

capítulo 5 • 157
ANOTAÇÕES

capítulo 5 • 158
ANOTAÇÕES

capítulo 5 • 159
ANOTAÇÕES

capítulo 5 • 160