Você está na página 1de 5

Fator de Potência

Pela lei de Ohm, temos que a potência desenvolvida em um circuito é:

R x I² = W (watts)

Por outro lado, se substituirmos, na expressão acima, a resistência pela


reatância total, teremos:

XL x I² = Var

Que é a expressão da potência reativa desenvolvida no circuito e que


depende das reatâncias existentes.

Ao produto Z x I² = VA chamamos de potência aparente, que é a soma


vetorial das duas potências.

Assim temos:

P = R x I² = W Pr = X x I² = Var PA = Z x I² = Va

a) W → Potência ativa
b) Var → Potência reativa
c) Va → Potência aparente

Triangulo das Potências

Kva² = Kw²+Kvar² Cosφ = kW Senφ = Kvar tg = Kvar


kva Kva Kw

Kva = √ Kva² + Kvar² Kva = Kw Kva = Kvar .

Cosφ Senφ
Exercício:

Qual é a potência do transformador, necessária para se ligar um motor


de 10Kw com Cos φ = 0,50 e qual é a corrente que circula pelo circuito para a
tensão igual a 220V? ( Calcular também para fator de potência igual a 1,00).

Para Fator de Potência = 0,50 Para Fator de Potência = 1,00

kVa = kW kVa = kW
Cos φ Cos φ

kVA = 10 kVa = 10
0,50 1

kVA = 20 kVa = 10

I = Va I = Va
V V

I = 20.000 = 90A I = 10.000 = 45A


220 220

Transformador de 20kVa Transformador de 10kVa


Corrente de 90A Corrente de 45A
Correção de Fator de Potência

É sabido que os equipamentos que têm o seu funcionamento


baseado nas ações eletromagnéticas é compreensível que estes
possuam campos magnéticos intensos, constituindo assim, cargas
indutivas, com Fator de Potência Cos φ <1.

Assim sendo, compreende-se que estes campos magnéticos


absorvam das linhas que os alimentam elevadas potências reativas,
as quais não criam trabalho útil algum, e são, pelo contrário, danosas,
pois sobrecarregam inutilmente as linhas, reduzindo a capacidade
das mesmas.

De acordo com o que foi exposto, surge a necessidade de


corrigir o fator de potência das instalações quando este for muito
baixo. Para tal fim usam-se bancos de capacitores colocados em
paralelo com as instalações a serem refasadas.

A figura mostra uma corrente I defasada com atraso sobre a


tensão do ângulo φ. Tal corrente pode ser considerada composta
pelas duas componentes Ig e Ib, das quais Ig fornece potencial real,
enquanto a outra ocupa a linha sem nenhum proveito econômico.

Ic

0 )φ

Ib

Corrente Ib pode ser anulada se a capacidade do capacitor for


tal que absorva da linha uma corrente Ic = ωV igual e contrária à
corrente IB. Se a compensação entre IB e Ic se verificar
totalmente, a linha transmitirá somente a corrente Ig, isto é, a
instalação absorverá da linha exclusivamente a potência real W = VI
Cos φ = VIg. Obtém-se a compensação completa das potências
reativas quando a potência reativa Qc relativa ao capacitor é igual à
potência reativa da instalação utilizadora Q = Va Sen φ.

Para obter o refasamento completo da linha, isto é, o Cos φ = 1,


é preciso um banco de capacitores que possua uma capacidade
determinada pela relaçã: ωV² = Va Sem φ mas sendo Va = W .
substituindo a relação precedente, obtém-se: Cos φ

ωV² = W Sen φ = Wtg φ


Cos φ

Se em vez de atingir o refasamento completo da linha, se


pretende somente reduzir o ângulo de defasagem entre a tensão e a
corrente de linha do valor φ a um valor φ1 < φ, o banco de capacitores
deve absorver a corrente Ic. A capacidade do banco de capacitores
fica determinada em tal caso pela relação:

Qc = ωV² = W (tg φ – tg φ1)

A qual pode obter-se diretamente pelo diagrama da fig. abaixo,


diagrama das potências. Neste diagrama, os catetos W e Q e a
hipotenusa Pa representam, respectivamente, a potência ativa, a
potência reativa e a potência aparente relativa ao circuito
utilizador.

Ic W
0

Ig V ) )φ1 Q1

0 ) φ )φ1 Pa1 Q
Pa Qc
I1

I
Querendo reduzir o ângulo de defasagem, entre a tensão e a
corrente da linha do valor φ ao valor φ1, necessário reduzir a
potência reativa, transmitida pela linha, do valor Q = W tg φ ao valor
Q1 = W tg φ1. É preciso, portanto, uma bateria de capacitores que
forneça a potência reativa Qc = Q – Q1. A capacidade desta bateria
fica determinada por C = Q – Q1 correspondente a potência
ω V²
aparente transmitida pela linha será reduzida do valor Pa = √ W² + Q²
ao valor Pa1 = √ W² + (Q – Q1)², e a corrente na linha diminui em
proporção do valor I = Pa no valor I1 = Pa1 .
V V

ω = 2π.f