Você está na página 1de 1

OS CIGANOS E A ARTE!

Lá pelos séculos XVII e XVIII, em toda a Europa era considerado muito


galante ser artista, nem que fosse apenas no modo de se vestir, ser
escritor, poeta ou declamador.
Nesta época os nobres que eram poetas e artistas, ocultavam essas
aptidões e talentos usando pseudônimos ou até cediam suas
produções a verdadeiros artistas, pois entre os da mais alta nobreza os
artistas jamais se revelavam, ocultando seus talentos e gostos, como
se fossem qualidades impróprias da classe.
Seria muito raro um fidalgo mostrar-se na ribalta. Mas era considerado
de muito bom gosto e luxo requintado, a nobreza manter um jogral,
grupo de atores ou menestréis, para divertirem as famílias e os
convivas em dias de festa.
Os cantores e músicos eram considerados quase que seres a parte
dentro da natureza, eram privilegiados e obtinham verdadeira
admiração, pois nessa época raros eram os artistas e os bons artistas
mais raros ainda, (com exceção dos pintores e
arquitetos, pois tiveram nessa época a sua fase áurea).
Qualquer jogral ou menestrel era disputado com muita insistência
pelas casas mais nobres, recebendo os melhores salários da época
sem contar os privilégios nos palácios e castelos, invejados, mesmo
por muitos nobres.
Por isso mesmo, as ciganas, cantadeiras das ruas, como seus
companheiros de arte primitiva, eram muito aclamados pelo encanto
das suas canções alegres, saltitantes ou suaves e melancólicos.
Muitas delas sofreram o implacável ciúme e inveja de muitas damas
que descobriam seus maridos ou amantes interessados na pessoa
daquelas ciganas atrativas e cheias de talento, outras vezes, eram os
cavaleiros que se viam desprezados pelas mesmas por causa de outro
amor e se vingavam terrivelmente, acusando-as de feiticeiras ou de
hereges, para eliminá-las na forca e até mesmo nas fogueiras,
enquanto outros, simples jograis e menestréis contavam com a
proteção amorosa de cavaleiros e damas da mais alta nobreza,
encantados com o talento criativo desses artistas que eram os
intelectuais da época.
Esses artistas eram os filhos do povo, as almas sofredoras e sensíveis,
que em vez de manejarem espadas, manejavam as forças do
sentimento e da mente, foram eles os pioneiros da arte ainda primitiva
que através do tempo, fez surgir grandes teatrólogos e musicistas,
mestres da arte dos espetáculos e da cinematografia moderna que
hoje conhecemos.
Viva os ciganos, povo talentoso que através da arte, sempre levou
alegria e beleza à secura das almas no mundo!

Pesquisa baseada em estudos e elaborada através de vários livros psicografados.


por Socigana.

Interesses relacionados