Você está na página 1de 21

A ARTE NKANDA

INFORMAÇÕES DO POVO NKANU

TATA KAMBONDU RUMBE


A arte
Nkanda.
Retirado de exibição "espetacular". 2001.

Uma das características mais marcantes é a sua grande


decoração policromada arte Nkanda, que os artistas usam para
adicionar painéis de madeira, esculturas humanas e animais,
máscaras, detalhes não esculpidas, roupas, cabelos e detalhes
das decorações corporais e faciais. Os artistas Nkanda possuir um
grande número de desenhos distintos a ser realizada nas
superfícies ou desenhos para ser impresso em superfícies
bidimensionais dos painéis de parede de madeira. Estes projetos
e seu simbolismo serão examinados a seguir.

Eles importante notar que as cores específicas utilizadas em


decorações de superfície não são arbitrárias. A seleção,
combinação, e cor ao lado destinada claramente para sugerir
significados adicionais no contexto da Nkanda. Uma ressalva
precisa ser feito, no entanto, no que diz respeito à corrente
compartilhada entendimento entre os Nkanda idosos sobre o
simbolismo da cor e design. Com a diminuição da importância e
frequência de Nkanda e o declínio quase total de ritual de
iniciação no contexto da composição ideográfica, idosos muito
experientes na cor de elementos simbólicos e ideográficos é,
sem dúvida diminuída. Alguns gráficos foram reduzidos a
padrões decorativos simples, enquanto outros ainda estão em
uso, mas em diferentes rituais. Alguns curandeiros Nkanu
admitem a perda de conhecimento no ritual e afirmam não
entender mais plenamente o significado de determinadas ações
que podem desempenhar. Eles acrescentam que você está
executando atos, gesto ou rituais de sinais “de acordo com os
hábitos que nos deixaram os antepassados”.

Embora os artistas empreguem uma paleta de multicor,


incluindo terras corantes diferentes que variam do amarelo ao
rosa, ocre ao castanho, as três cores dominantes na iniciação de
painéis são o preto, branco e vermelho. As nuances e descrições
de cores Nkanu são muitas vezes reduzidos a uma das três cores
principais. O amarelo, por exemplo, é referido como vermelho,
sugerindo que o simbolismo da cor é restrito às três cores
dominantes.

Branco (Mpemba), que simboliza a masculinidade, conhecimento


e sabedoria, é, de acordo com informantes Nkanu, a cor do
espírito supremo Nzambi e espíritos benevolentes (bakulu,
bankita e bisimbi). Branco também é a cor da morte, porque os
ossos dos mortos se tornam branco. Mpemba é o nome do
espírito ancestral do mundo. Durante a Nkanda, os iniciados são
como espíritos no mundo Mpemba: eles também estão no
"limiar" e se esfregam com caulim para representar o estágio
liminar onde eles estão. Decência, justiça moral e estabilidade
são também as qualidades incorporadas pela cor branca. Branco
como um símbolo da luz, pureza e inocência contrastes com
preto.

O preto é a cor da “escuridão”, sujeira e culpa. É a cor do carvão


e do tabaco e de resto do cachimbo , que são interpretados
como símbolos de culpa. A escuridão e as trevas estão associadas
com as forças do mal que vagueiam durante toda a noite e são
personificadas durante o Nkanda ritual. Quando o Nkanda chega
ao fim, os novatos são pintados de preto com carvão e entram
na aldeia, a espera do pôr do sol para roubar galinhas e outros
alimentos.

Vermelho é a cor de emoções e traços Nkanu associados com as


mulheres. Devido a esta ambiguidade, vermelho também está
correlacionado com a instabilidade física e mental e com
períodos de transição de vida. Também simboliza a modéstia e
maturidade que ocorrem com todas as mulheres Nkanu,
particularmente no período da puberdade, também são
aplicadas nas bochechas femininas "rouge" feito das sementes
de "Ndala Menga". No contexto do Nkanda rituais, incorpora a
cor vermelha a transição da infância para a idade adulta.
Jacobson-Widding (1979) descreve o vermelho como "uma
intensificação do instrumento de desejo sexual" quando
iniciados esfregar seus corpos com uma mistura de pigmentos
vermelhos e óleo de palma, no final do Nkanda. A combinação
de branco e vermelho significa diferente. Através da combinação
de qualidades femininas como sensibilidade e emoção, com
características masculinas (vermelho), como inteligência e
discernimento (branco), o Nkanu busca a manutenção da ordem
social. Vermelho e branco, respectivamente, ligam as forças da
terra com os do mundo ancestral. Widding-Jacobson nota que a
combinação de vermelho e preto, entre Kongo ocidental
simboliza as forças malévolas. Toques de preto e branco são
valores opostos: o bem contra o mal, a luz contra a escuridão, a
força contra a fraqueza, a ordem social contra o caos. Entre os
Kongo ocidental a combinação de preto, branca e vermelha está
ligada aos ancestrais míticos de clãs e o estabelecimento de
políticas sociais e as leis atuais (Jacobson-Widding). As
ilustrações e desenhos reunidos em motivos decorativos que
embelezar as Nkanda arte revelar muito sobre a visão Nkanu.
Para aqueles que são capazes de compreendê-los, sua
iconografia, desenhos ou elementos gráficos são o equivalente
de documentos escritos. Curiosamente, "binuatu" e "Bisono," as
palavras que Nkanu usa para identificar padrões, tem o mesmo
significado duplo: tanto se referem a "desenhos" e "letras".
"Binuatu" (singular kinuatu) é derivado a partir de "kunwata"
verbo, que Dereau (1957) define-o como a escrita, o impacto, o
tatuado. "Bisono" (singular (ki) são) é derivada de "kusona"
verbo e é definida como a desenhar. (Butuye de 1910) "fazer
uma marca, escrever." (Bentley 1887). Se um desenho é como
uma carta, em conjunto, um padrão de desenhos pode ser lido
como um texto. Assim, o artista que cria objetos e emprega uma
linguagem artística de formas e cores que permitem que você
enfatize ou expanda o valor simbólico de uma representação. Há
exemplos de artistas de Nkanu traduzem diretamente o mundo
visual em poderosas representações esculturais. O Nkanu
também parece aderir ao princípio da metonímia em que um
único ou um projeto de repetição evoca o seu significado
metafórico e animais. Por exemplo, a banda de triângulos na
parte de trás de uma víbora pode ser usada independentemente
como um modelo para representar o réptil.

A fim de compreender o significado mais profundo por trás


desses gráficos, um breve esboço da visão de mundo Nkanu é
necessário (figura 14).
O espírito supremo Nzambi é dito ter criado três céus. *O
primeiro era a sua casa e de que era composta de corpos
celestes; *o segundo era conhecido como Mpemba, um lugar
para as almas dos mortos que tinha vivido uma vida virtuosa na
terra; *a terceira era a terra (Ntoto). Mpemba (vida após a
morte) é a imagem espelho exato da vida na Terra. Nzambi criou
a Terra como uma superfície convexa com uma crosta dura como
um cupim se tornar a "casa" de pessoas, feiticeiros e espíritos.
Nzambi fez os animais e plantas que habitam a Terra hoje.

Na cosmovisão terra para o Nkanu é cercada por água. A linha


divisória entre os dois primeiros céus é feita a partir do
horizonte, da costa, e a fronteira entre a vida e a morte. Quatro
pilares, ligados por uma rede na parte superior (o céu),
suportando o céu. Em princípio, esta aranha assegurado o
contato direto entre Nzambi e da humanidade. Isto terminou
quando a linha de contato é quebrada. Nzambi forjou corpos
celestes que cercam o imóvel chão. O sol e a lua foram
concebidos como marido e mulher; As estrelas as suas filhas. O
adultério do sol (alguns dizem que uma briga) com a estrela da
manhã levou à separação do sol e da lua. Agora eles perseguem
uns aos outros, aparecendo por sua vez no céu.

Os desenhos Nkanda.
É evidente, portanto, que tanto a cor e os desenhos aplicados
nos fundos da parede painéis, esculturas e máscaras não são
simplesmente decorações: eles assumem uma série de
significados. Os desenhos seguintes são alguns dos mais
importantes que aparecem repetidamente nos painéis de
parede.

A cruz.

Entre os palestrantes e os povos Kongo Nkanu, o conceito da


jornada eterna do sol e do indivíduo é simbolizado por uma cruz
(figura 15).

Este glifo é também uma encruzilhada. A interseção das estradas


é um importante lugar mágico. Especificações fases rituais têm
lugar aqui. A doença, má sorte, um feiticeiro ou nganga
enterrado em uma encruzilhada ou em uma intersecção de
linhas, isola as forças malévolas. Neste isolamento, chamada
"kusa konda ku" (criando uma teia de aranha), todas as forças do
mal será capturada. Os cruzamentos também purificando efeito
tende a restaurar a ordem em situações de desordem. Uma
intersecção é uma porta de acesso a partir do primeiro para o
segundo mundo em que um eixo vertical central estabelece um
contato com as forças do “inferno” e o mundo acima. O
conteúdo semântico da cruz é, portanto, bastante complexo e
global para Nkanu. É um elemento estático (cruz, cruzamento) e
também uma máquina de movimento contínuo, Um símbolo em
forma de cruz de Santo André estabelece um limite artificial
(Kikaku). Bloqueios na forma de varas de madeira cruzada avisa
aos que não são iniciados um ritual está a em lugar próximo e
que a sua presença ali não é desejada. Duas linhas diagonais em
um quadrado (figura 16), de acordo com informantes, estão
ligadas com as fibras "Masamba" que inicia Nkanda desgaste
cruzados no peito.

Eles são um símbolo de fertilidade e maturidade sexual do


utente. Eles também têm poderes protetores.

A espiral.

A espiral está ligada com a cíclica tornando-se do tempo e da


vida humana. Sua importância é realçada por "MVU" a palavra
Nkanu que identifica este formulário. Bentley (1887) revela a
riqueza semântica deste termo: “MFU: a temporada, um ano,
uma vez; a velhice, cabelos grisalhos, a espiral, a espiral da vida,
o ciclo de um verme (figura 17)”.
“A hélice espiral “. "Nzioku-nzioku", "zingu", e "nzingu-nzingu"
também estão associados com este projeto. As duas últimas
palavras são derivadas de “kuzinga” significa bandagem ou
trança. "Nzinga", outro derivado do verbo, é dado como um
nome próprio de uma criança que nasceu com o cordão umbilical
em volta do pescoço. Acredita-se que tal criança um terá uma
vida longa, a espiral, o que os informantes que liga as espirais do
grande concha de caracol "achatina" são, portanto, também um
símbolo de longevidade. Elementos da natureza ou cultura (por
exemplo, o bracelete trançado líder tradicional) é esperado que
têm uma forma circular ou em espiral de possuir extraordinários
poderes mágicos. Desde a forma básica das espirais repete o
movimento criativo de Nzambi ou Mahungu, É utilizado um
invólucro de Achatina ou um chifre de antílope como um
recipiente para porções. A nganga procurando um rolo para
mergulhar sua parafernália ocorre porque o carretel pode ser
equipado com poderes sobrenaturais, que podem ser
encontrados em águas mais profundas. O movimento
ininterrupto que produz energia também é defendido pelo
curador no envoltório em torno de lianas paciente emaranhados
na esperança de acelerar a sua cura.
Um projeto complexo espiral consiste em um retângulo com uma
espiral para os quatro cantos de um chefe representante ou seu
banco ou encosto de cabeça (fig.18).

Alguns espirais são os braceletes de um líder que mantém a


fertilidade e bem-estar durante o dia (fezes) e noite (encosto) de
seus familiares. Outros acreditam que as espirais no sentido
horário representam os descendentes do sexo masculino da
cabeça e espirais anti-horário dela descendentes do sexo
feminino.

O círculo.

O valor simbólico do círculo concêntrico está relacionado com a


da bobina, como mostra a terminologia: "kizunguluku" significa
algo sinuoso, envolvente; sinónimos "(ki) nziunga" e "nzunga"
círculo significativo ou circunferência (fig.19). Várias fontes
Nkanu conectar "Ntangu" (sol, tempo, ponto no tempo) com o
projeto. Artigos com um círculo como a forma básica, a pulseira
da cabeça, o anel da coxa, um anel liso, corte real, contém um
poder especial. O mesmo reside energia em uma turbina ou de
uma banheira de hidromassagem, Eddy. Um círculo vazio com
um halo-símbolo do sol- é um padrão recorrente nos painéis de
iniciação (Fig.20). Algumas fontes associar o círculo com uma teia
de aranha, outros com a noção de "kati-kati" ou centro.
Os lobos.

A lua aparece nos lóbulos ou semicírculos dentro de um círculo


ou de um retângulo (fig.21)

" Ngonda" a palavra Nkanu para a lua, isso também significa um


ponto no tempo, o mês e o ano. Desde a sua aparência muda
ciclicamente, a lua é um excelente calendário para programar
algumas atividades. Detalhes grupos sociais-geralmente
femininos, iniciados participam em rituais de caçadores, saber ler
as posições da lua. Negócio importante que tem a ver com lucro,
as relações sexuais e da fertilidade, são realizados e geridos com
a lua crescente. Objetivos e metas obscuras, como a feitiçaria,
são mais bem alcançados sob uma lua minguante. Toda lua nova
conclui um período e é acreditado para ter um efeito positivo
sobre determinadas situações ou condições.
O arco.

Informantes interpretar um simples arco ou curva (fig.22) como


um arco-íris ou uma montanha. O desenho consiste de
semicírculos adjacentes (fig. 23) mostra a atração universal entre
o homem (linha horizontal) e mulher (arco), terra (horizontal) e
céu (arco), procriação genital (horizontal) e receptivo genital
(arco).

Várias fontes mencionaram o verbo "kubindasa", que significa


combinar ou trança, quando viram essas composições.
Tecelagem é uma metáfora para o casamento ou relação sexual.
Uma série de semicírculos ou arcos representam os pares.
Semicírculos ladeados preenchido círculos (fig. 24) casais
simbolizam Com sua prole. Uma série de arcos, alternadamente
cheio com pontos e linhas inclinadas (fig. 25), evocar um
equilíbrio perturbado.
O quadrado ou retângulo.

Um simples quadrado (fig. 26) é uma imagem tridimensional


para Nkanu e deve ser visto a partir de diferentes perspectivas (a
partir do topo e do lado). Os quatro cantos representam os
pontos de terra onde eu plantei os quatro pilares que sustentam
o universo. A linha horizontal inferior é a superfície da terra, a
uma parte superior é o céu. A linha direita vertical é associada
com o sol e do Leste, para a esquerda com a lua e oeste. Um
retângulo dividido (Fig. 27) com dois contrastantes triângulos
cores representa o contato entre dois mundos: os homens e
poderes sobrenaturais, o patrilinear e clãs matrilineares, o
homem e a mulher.
De acordo com nossas fontes, brancos e negros alternando
triângulos têm a representação de forças opostas. Os
movimentos durante a relação sexual, a excitação sexual, e
fertilização de mulheres (com o esperma significantes círculos)
são representados por retângulos divididos (Fig. 28). Os órgãos
genitais masculinos aparecem no triângulo superior, a genitália
feminina no triângulo inferior e os lábios nos triângulos esquerda
e direita. Um design com zig-zag no interior de um retângulo (Fig.
29) é de vagina aberta. O pequeno triângulo colocado na parte
inferior do primeiro desenho e para a direita no segundo
representa o ânus. Os pontos (círculos) delinear a pele e pelos
pubianos. A composição de dois triângulos e triângulo tracejada
com um padrão quadriculado (Fig. 30),
O Diamante

Um diamante é desenhado na areia por alguém que requer


assistência aos poderes superiores (foto 31). Ele cria
automaticamente um espaço ritual que permite ao requerente
para estabelecer um contato com as diferentes forças mundos.
Ao mesmo tempo, a pessoa ou coisa trazida para o projeto são
bem protegidas por feiticeiros. Informantes Nkanu associam um
desenho de uma série de diamantes unidos ou um desenho de
oscilação (fig. 32) com víbora do Gabão ou a espinha dorsal do
mesmo motivo.

As linhas dentadas ou escadas.

As linhas dentadas ou escadas (fig. 33) inseridas numa superfície


ou no corpo de umas predadoras felinas ou umas tartarugas
estão localizadas em algumas das iniciações no painel de
alvenaria. O símbolo também é identificado como as escamas do
pangolim(um tipo de Tatu) . Como o leopardo, pangolin está
associada com a liderança tradicional. O Informante mostrou
porque representado na fig.34 citando o provérbio: "Mfumu ngo
makedi, Bantu, yuna Ukwe twaadi niku mu mwe kadi mbongo
Bantu" (O rei do leopardo casaco; para as pessoas, aquele que
anda deve ter indivíduos).

O triângulo.

Os três pontos que definem um triângulo (desenho de tatuagem)


e a forma geométrica fechada (fig. 35) evocar a imagem da
térmita. O triângulo simboliza a forma do monte ao fungo tríplice
(makuku) ou rochas que sustentam a panela no fogo
Isto é surpreendentemente expressado no provérbio: "Makuku
matatu mabidilanga nzungu, rodas nlama. Mwana kiyaya,
Mwana kitata, Mwana kinkaka “(três torrões dar suporte sólido
para o pote cria dois problemas. Um deles é o filho de um clã
matrilinear de uma família patrilinear, e seu avô materno)”. A
base do triângulo representa os clãs matrilineares, o lado direito
da família patrilinear, e do lado esquerdo do seu avô materno.
Estes são os três pilares da vida social. Uma pessoa pode sempre
recorrer a um destes membros da família, mas ela ou ele que lhe
são dirigidas também têm obrigações para com eles. Quando os
pontos (círculos) são representados para o topo, o motivo
geométrico simboliza o primeiro ser humano ou o órgão sexual
masculina; motivo invertido simboliza o sexo feminino.

Os desenhos fitomorfos.

Quase todas as fontes Nkanu identificam os símbolos com quatro


ou mais folhas (Fig. 36) como os desenhos fitomorfos. Eles
associam os desenhos com as palavras "Mvuma" (flor), "paka-
paka" (taça), "lukaya" (folha), e "lukaya nsaki Mo" (folhas de
mandioca). Estes são flores estilizadas de uma planta mandioca,
que tem um grande valor simbólico para Nkanu: a folha
simboliza o princípio feminino, enquanto a raiz é uma metáfora
do órgão masculino. As flores Trevo (Fig. 37) representam o fruto
aberto da planta "n'titi" ou "mbatakala", na qual são
identificados os machos de órgãos, testículos, e ânus. Durante a
circuncisão ritual uma folha "n'titi" é usada para embrulhar o
pénis circuncidado. O suco branco secretado pela planta é
comparado com esperma. Os iniciados também são feitos
mastigar as raízes amargas de 'n'titi.
TATA RUMBE

2019