Você está na página 1de 52

Prof.

Walter Cortez

 Graduado em Educação Física ------------- UNIFOR – CE

 Esp. Fisiologia do Exercício ---------------- UNIFMU – SP


 Esp. Ativ. Físicas p/ Grupos Especiais --- UNIGRANRIO – RJ

 Mestrando em Saúde Coletiva -------------- UNIFOR - CE


Conteúdo

 Bases:
 Aspectos cinesiológicos e biomecânicos

 Aspectos fisiológicos

 Prescrição de treinamento
Cinesiologia e Biomecânica

Prof Walter Cortez


- Aspectos microscópicos
- Fibras musculares
- Aspectos macroscópicos
- Segmentos corporais
Observações Mecânicas da
disposição das fibras nos músculos

Comprimento das fibras


X
Comprimento dos músculos
Grau de “Penação”
 Afeta diretamente o número de sarcômeros por
área muscular em corte transversal.

 Faz com que cada fibra permaneça curta,


enquanto o músculo mantém um certo
comprimento.
Ângulo de Penação
X
Geração de Força
Penação de 30 graus

Perda de 13% na capacidade


geradora de força de
cada fibra muscular
Mas...

 Aumento grande na capacidade de compactação


de fibras musculares no mesmo ventre muscular.

 Resulta num grande número de fibras


compactadas numa menor área de corte
transversal.

 Mais fibras musculares = mais capacidade de


gerar força na contração.
BIO-
ALAVANCAS
 Nossos movimentos corporais são realizados
através de sistemas de alavancas (as Bio-
alavancas)
 Temos sempre um aspecto da física envolvido
em nossos movimentos, como:
 Força , aceleração, desaceleração, inércia, torque,
tração, compressão, etc.
 A correta compreensão desses aspectos nos
possibilita uma correta lida com os exercícios
(de musculação, ginástica, etc) e também com os
demais movimentos corporais.
Componentes de um sistema de alavancas

 Haste da alavanca: estrutura rígida na qual a força incide.

 Ponto fixo: ponto sobre o qual a alavanca se apóia.

 Forças aplicadas sobre a alavanca:

 Força Ativa Potente / motriz


 Força Passiva Resistente
TIPOS DE ALAVANCAS:

 INTER-FIXA

 INTER-RESISTENTE

 INTER-POTENTE
INTER-FIXA

R
INTER-RESISTENTE

R
INTER-POTENTE

R
Elementos Mecânicos das Alavancas

Estruturas Corporais
 Aste da alavanca OSSO

 Ponto Fixo ARTICULAÇÃO

 Força Potente INSERÇÃO MUSCULAR

 Resistência CG DO SEGMENTO
+
IMPLEMENTO
EXEMPLOS
PRÁTICOS
Flexão do cotovelo
Interpotente

Delavier
Extensão do cotovelo
Interfixa

Delavier
Flexão plantar
Interresistente

Delavier
 Braço de Potência:

 Braço de Resistência:
Vantagem Mecânica

VM = Potência
Resistência
Variações angulares durante os
movimentos corporais afetam
continuamente a VM das
alavancas corporais.
Movimento
Movimento
Movimento
Movimento

Braço
Potência
Movimento

Braço
Potência
Movimento

Braço
Potência
Movimento

Braço
Resistência
Movimento

Braço
Resistência
Movimento

Braço
Resistência
Consequentemente

 Seus Motores Primários e Acessórios ajustam


continuamente os níveis de força gerada
durante os movimentos articulares.

 Diferentes níveis de força necessitam


recrutamentos de padrões variados nas
Unidades Motoras
Na prática dos exercícios:
 Movimentos simples:
 Flexões, extensões aduções, abduções, etc.

 Movimentos complexos ou globais:


 Supinos, remadas, puxadas, desenvolvimentos,
agachamentos, leg-presses, etc.
Movimentos complexos ou globais
Movimentos complexos ou globais
Movimentos complexos ou globais
Movimentos complexos ou globais

Força Força
Movimentos complexos ou globais

Força Força
Movimentos complexos ou globais

Força Força