Você está na página 1de 2

When the subject of drug use comes up, it is often in relation to young people.

This makes
some sense, for while there are significant drug issues among other populations, it is during
the younger years that most substance use begins...

Young people in almost all countries tend to use these substances to a greater extent and in
riskier ways than do older people, and this behaviour can result in significant problems in the
short and long terms.

People use substances to satisfy a need or to serve a function. A drug may meet certain needs
or desires through its effects (including pain relief and pleasurable feelings) or through the
symbolism associated with its use (a sense of rebellion or feeling of belonging, for example).

But it is difficult to quantify the rate of increase. It is difficult to estimate the prevalence of this
behaviour and its adverse health consequences in individual societies because this behaviour is
illicit and therefore often hidden.

É de grande dificuldade identificar prevalência ou quantificar o crescimento no consumo de


drogas, e é mais difícil ainda prever os padrões desse comportamento que tem como
consequência o crescimento de problemas de saúde pública justamente porque é um
comportamento ilícito, portanto, escondido.
https://www.un.org/esa/socdev/unyin/documents/ch06.pdf

https://www.who.int/publications/cra/chapters/volume1/1109-1176.pdf

Em busca de suprir algo que lhes falta, as drogas são vistas como solução para satisfazer certas
necessidades ou desejos através de seus efeitos (incluindo alívio da dor e sentimentos
prazerosos) ou através do simbolismo associado ao seu uso (um sentimento de rebelião ou
sentimento de pertencimento, por exemplo). Por isso, embora existam problemas
significativos de drogas entre outras populações em idades diferentes, os jovens são os
primeiros ao qual atribuímos esse comportamento.

Mas é difícil quantificar a taxa de aumento. É difícil estimar a prevalência desse


comportamento e suas consequências adversas para a saúde em sociedades individuais,
justamente porque é um comportamento ilícito, portanto, muitas vezes oculto.

Um Estudo transversal de natureza quantitativa, realizado no CAPS-ad Gregório de Matos,


localizado na Faculdade de Medicina da Bahia/UFBA indica que o maior número de usuários
inativos é de homens, entendo-se que epidemiologicamente o uso é maior neste grupo.

O que foi observado em todos os estudos abordados na sessão é que embora o foco fosse
abordadagem direcionada à drogas ilícitas, todos os dados encontrados chegam a mesma
conclusão:

A dependência de álcool é soberana entre a população adulta geral, sendo considerada a


substância psicotrópica mais consumida no país, provocando elevada busca por assistência
médica para os dependentes.

Segundo o Ministério da Saúde, o alcoolismo é responsável por 50% das internações


psiquiátricas masculinas, 20% em unidade de gastroenterologia e 90% das internações por
dependência de drogas em hospitais psiquiátricos brasileiros

Elbreder e colaboradores ressaltam diferenças no consumo de álcool relacionadas ao gênero,


salientando que embora haja maior frequência do uso abusivo entre homens, há evidências de
que a diferença entre os gêneros vem se reduzindo gradualmente (Elbreder et al., 2008).
Todavia, o preconceito e o estigma, faz com que as mulheres retardem a procura por ajuda.
acrescentam que, por apresentarem características distintas dos homens, as mulheres
necessitam de tratamento adequado, respondendo às suas peculiaridades