Você está na página 1de 15

Análise de Projectos

ESAPL / IPVC
Estrutura e Processo de
Elaboração do Cash-Flow
A necessidade do Cash Flow

z Sempre que um investimento possa ter uma incidência


significativa sobre o sistema de produção da empresa para onde
está projectado, ou ainda sempre que o seu período de
maturação seja longo, impõe-se, nos métodos de análise,
valorização e selecção de investimentos, o recurso a
orçamentos de exploração de tipo plurianual e, como veremos
mais tarde, a critérios que levem em consideração o factor
tempo.
z Se a análise visar a avaliação da rentabilidade empresarial do
projecto, então teremos de recorrer ao Cash Flow.
z Se a análise visar a avaliação da viabilidade financeira, então
teremos de recorrer ao Cash Flow Pós-Financiamento, ou ainda,
ao Funds Flow do projecto, a partir do qual se pode avaliar e
analisar a evolução do saldo de tesouraria.
O Cash Flow em esquema
Valor Bruto da Vendas
Produção Autoconsumo

Outros Subsídios Directos


Inflows Rendimentos Rendimentos Obtidos fora da Exploração

Valor Residual

Cash Flow Investimentos

antes do Outflows Encargos de Exploração

Financiamento Capital de Exploração Adicional


Sem Projecto
Benefício Líquido Total
Com Projecto
Antes do
Financiamento Adicional

Autofinanciamento
Cash Flow
Financiamento Sem Projecto
após o Líquido
Empréstimos
Com Projecto
Financiamento Serviço de Dívida
Reembolso
Juros

Total
Benefício Líquido
Após o
Financiamento Adicional
Elementos do Cash Flow
z O esquema do diapositivo anterior apresenta, de forma resumida,
os vários elementos constituintes dum Cash Flow.
z Designa-se por Entradas ou Inflows o fluxo de receitas,
rendimentos e benefícios que afluem à empresa em consequência
da realização do projecto cuja rentabilidade se pretende analisar.
Nelas incluem-se:
z O Valor Bruto da Produção, que inclui não só as receitas obtidas com a
venda de produtos como também o valor da produção destinado ao
autoconsumo.
z Outros Rendimentos da Exploração, que incluem subsídios que a
empresa possa receber e que não vêm integrados nos preços dos
produtos e factores, e rendimentos obtidos fora da exploração pelos
elementos do agregado familiar.
ƒ Estes últimos só se justificam no caso de estarmos perante uma empresa
familair e se, por causa do investimento se vierem a verificar variações nos
referidos rendimentos. Nuns casos a família pode ter de trabalhar mais na
empresa devido ao projecto e assim auferir menos rendimentos fora. Este
rendimento deixado de auferir deve integrar os Inflows sem Projecto. Noutros
casos a família pode trabalhar menos na empresa, ficando mais disponível
para auferir maiores rendimentos fora. Estes novos rendimentos entram nos
Inflows com Projecto.
Elementos do Cash Flow (cont.)
z Valor Residual, que representa o valor da venda dos capitais de
exploração fixos que não estejam totalmente utilizados no fim da vida útil
do projecto, mais o somatório dos valores assumidos pelo Capital de
Exploração Adicional ao longo da vida do projecto.
z Designa-se por Saídas ou Outflows o fluxo de despesas e
encargos a que a empresa tem de fazer face em consequência da
realização do investimento. Incluem:
z Investimento, que inclui todas as despesas de investimento inicial e de
substituição previstas no âmbito do projecto.
ƒ Investimentos de substituição devem ser considerados sempre que certas
componentes do investimento inicial tenham uma vida útil inferior à do projecto,
ou sempre que haja a necessidade de substituir bens do capital fixo já
existente, mas de cuja renovação dependam em parte os resultados dos novos
investimentos.
z Encargos de Exploração, que são o conjunto de despesas suportadas
anualmente pela exploração, para que o seu funcionamento se possa
processar normalmente.
Elementos do Cash Flow (cont.)
z Capital de Exploração Adicional, que reflecte os acréscimos de fundo de
maneio necessários para fazer face aos aumentos anuais que se prevê
venham a ocorrer nos encargos de exploração da empresa desde o ano
em que se inicia a realização dos investimentos e até ao ano a partir do
qual os encargos de exploração se tornem constantes.
CEAt = (EEt+1 – EEt) . K , onde
CEAt é o Capital de Exploração Adicional no ano t
EEt+1 e EEt são os encargos de exploração do projecto nos anos t+1 e t
K é um factor de ajustamento que reflecte a duração do período de tempo que, em
cada ano, medeia entre a realização dos encargos e a obtenção das
respectivas receitas:
K = 1 em culturas permanentes
0,8 < K < 1 em culturas anuais com uma cultura por ano
0,4 < K < 0,6 em culturas anuais com duas culturas por ano
0,2 < K < 0,4 em actividades de produção contínua
CEA torna-se nulo quando se atinge uma situação de estabilidade nos encargos
de exploração.
O valor atribuído a CEA em cada ano constitui uma antecipação dos encargos que
virão a ser contabilizados no ano seguinte. Por isso o seu somatório tem de vir
incluído nos inflows no valor residual do projecto.
Elementos do Cash Flow (cont.)

z Designa-se por Benefício Líquido (antes do financiamento) à


diferença entre inflows e outflows. A diferença entre os Benefícios
Líquidos referentes às situações com e sem projecto permite
determinar o Benefício Líquido Adicional do projecto.
z Deve-se incluir o Benefício Líquido Sem Projecto sempre que a
empresa já está em actividade. Nessa situação ele representa:
z O custo de oportunidade do factor terra para os projectos em empresas
agrícolas por conta própria;
z O custo de oportunidade do trabalho familiar para as empresas agrícolas
deste tipo;
z O lucro antes da realização do investimento.
z O Benefício Líquido antes do financiamento representa o flux de
benefícios correspondentes à recuperação e remuneração do
conjunto de capitais investidos, constituindo a base para os
diferentes critérios de rentabilidade empresarial.
O aspecto do Cash Flow antes
do Financiamento

Situação com Projecto


Situação sem
Projecto Ano Ano Ano Ano Ano Ano
1 2 3 4 5 6
Entradas ou Inflows:
Valor Bruto da Produção
Outros Rendimentos
Valor Residual
Total de Entradas

Saídas ou Outflows:
Investimentos
Capital de Exploração Adicional
Encargos de Exploração
Total de Saídas

Benef. Líq. Antes do Financiamento:


Total
Adicional
Escalonamento no Tempo dos
Inflows e dos Outflows
z Na coluna referente ao Ano 1 do Cash Flow deve colocar-se:
z Os valores de produção e os encargos de exploração da situação antes do
projecto;
z O investimento inicial (quando se realiza integralmente no 1º ano) ou,
z parte do investimento inicial (quando se escalona em dois ou mais anos);
z O capital de exploração adicional correspondente ao acréscimo de encargos de
exploração ocorridos entre a situação antes do investimento e o ano 1 do
projecto.
z Nas colunas referentes ao Ano 2 e seguintes:
z Os valores de produção e os encargos de exploração da situação com projecto;
z Os investimentos iniciais enquanto se forem concretizando;
z Os investimentos de substituição (quando necessários);
z O capital de exploração adicional para os diferentes anos em que se justifique.
z No último ano:
z Os valores de produção e os encargos de exploração referentes a esse ano;
z O valor residual correspondente aos valores dos bens de capital fixo cuja
duração ainda não tenha terminado;
z O valor correspondente à totalidade do Capital de Exploração Adicional
estabelecidos ao longo da vida do projecto.
Processo de Integração dos
Fluxos Financeiros

z Sempre que se recorre a capitais alheios para financiamento de um


investimento, torna-se indispensável levar em consideração os
fluxos financeiros que daí decorrem, em ordem ao estabelecimento
do Cash Flow do Projecto Após Financiamento. Com base nele
pode-se determinar:
z A rentabilidade dos capitais próprios investidos;
z E recolher-se um primeiro conjunto de informações sobre a viabilidade
financeira do projecto.
z Para se calcular o Benefício Líquido Após Financiamento, é
necessário calcular primeiro o Financiamento Líquido do projecto
ao longo da sua vida e adicioná-lo (se for positivo) ou subtraí-lo (se
for negativo) aos Benefícios Líquidos Adicionais Antes do
Financiamento.
Processo de Integração dos
Fluxos Financeiros (cont.)

z O Financiamento Líquido deve integrar:


z O Autofinanciamento
z Os Empréstimos
z O Serviço de Dívida

z O Autofinanciamento corresponde à fracção do conjunto dos


capitais investidos que é financiada pelo próprio empresário
z Deve ser incluído no 1º ano da situação com projecto.
z Mas não deve ser considerado aquando do cálculo dos diferentes
critérios de rentabilidade para a situação após financiamento. De facto,
o autofinanciamento constitui precisamente a componente principal dos
capitais próprios investidos, cuja taxa de remuneração se pretende
avaliar.
Processo de Integração dos
Fluxos Financeiros (cont.)

z Os Empréstimos, são os recursos financeiros postos à disposição


do empresário por entidades exteriores à empresa, para o
financiamento de determinado projecto de investimento. São
recursos que mais tarde ou mais cedo têm de ser pagos.
Consideram-se normalmente de dois tipos:
z Os de Longo Prazo, que se devem destinar às despesas de
investimento inicial;
z Os de Curto Prazo, que se devem destinar a permitir a viabilidade
financeira dos investimentos nos primeiros anos após a sua realização.
z A componente de Longo Prazo dos empréstimos deve ser incluída no(s)
ano(s) em que se procede à realização do investimento.
z A componente de Curto Prazo deve ser estimada anualmente em função
das condições consideradas adequadas à viabilidade financeira do
projecto.
Processo de Integração dos
Fluxos Financeiros (cont.)

z Essas condições adequadas à viabilidade financeira do projecto


dependem do tipo de empresa em causa:
z Nas empresas familiares: o benefício líquido com projecto e após o
financiamento deve ser no mínimo igual ao benefício líquido sem
projecto.
z Nas empresas patronais: o benefício líquido com projecto e após o
financiamento não deve apresentar valores negativos.
z Se houver subsídios em capital eles devem integrar uma nova rubrica
nos inflows (Financiamento) – conforme figura num dos slides
seguintes.
z O Serviço de Dívida corresponde ao pagamento dos juros e do
reembolso do capital que o empresário obteve de empréstimo para
financiamento do investimento
Resumindo
+ Autofinanciamento
+ Empréstimos
+ Subsídios
– Serviço de Dívida
= Financiamento Líquido
+ Benefício Líquido Adicional Antes do
Financiamento
= Benefício Líquido Adicional Após o
Financiamento
O aspecto do Cash Flow após
o Financiamento
Situação com Projecto
Situação sem Projecto

Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6

Benef. Líq. Antes do Financiamento:


Total
Adicional
Financiamento:
Autofinanciamento
Empréstimos:
Longo Prazo
Curto Prazo
Subsídios
Sub total
Serviço de Dívida:
Longo Prazo
Juros
Amortizações
Curto Prazo
Juros
Amortizações
Financiamento Líquido

Benef. Líq. Após o Financiamento:


Total
Adicional