Você está na página 1de 10

Assine o DeepL Pro para poder editar este documento.

Visite www.DeepL.com/Pro para mais informações.

[INTERNACIONALISMO] O temido cisne


negro (uma nova crise) chegou. Que
seja o canto do cisne do capitalismo
decadente!
14 de março de 20200

Esta crise sanitária e social, que está provocando as primeiras greves espontâneas nas fábricas
depois de décadas, e agora está se tornando também uma crise econômica e financeira, está
colocando os sistemas capitalistas, na Itália e no mundo, à prova e sacudindo as consciências em
setores da nossa classe que estão sendo solicitados a trabalhar de qualquer forma, mesmo na
ausência das condições de segurança que estão sendo impostas ao resto da população.
Pela primeira vez em décadas estamos assistindo a greves espontâneas em fábricas.
Mesmo na luta por ambientes de trabalho seguros e equipamentos de proteção individual
adequados, e nas dificuldades dos que ficam em casa com um futuro incerto, a consciência da
necessidade de lutar para superar esta sociedade dividida em classes deve crescer.
Contra as ideologias da "unidade nacional" entre explorados e exploradores.
O vírus globalizado também deixa clara a inconsistência das perspectivas de autonomia
local/localista e de atalhos "soberanos".

1
A única maneira é a internacionalista, da união entre os proletários de todo o mundo.
H.I. Cobas

O temido "cisne negro" (uma nova crise) chegou.


Que seja o canto do cisne do capitalismo decadente!

Sob o surto da epidemia do coronavírus, uma nova crise produtiva e financeira do sistema capitalista
internacional tornou-se mais uma vez extremamente próxima e, nunca foi tão apropriada, virulenta.
Se foram as hipotecas sub-prime que incendiaram o pó em 2007/2008, hoje é a covida-19 que abre
as danças, ou seja, um choque exógeno, mesmo que este adjetivo só seja correto se usado no sentido
estrito, ou seja, independentemente de toda a devastação que o modo de produção capitalista tenha
infligido ao meio natural, no sentido mais amplo do termo, e que, nas últimas décadas, se
estenderam e aprofundaram com uma progressão exponencial.
Em qualquer caso, o coronavírus tem desempenhado o papel de detonador de contradições e
problemas que a economia capitalista vem carregando há algum tempo e que, apesar de sua
tendência cíclica - composta de recessões/crise financeira e sucessivas recuperações e apesar da
situação diferente em que as diferentes áreas estão localizadas - é caracterizada por uma dificuldade
crescente de reprodução capitalista em escala global, que tem a sua raiz na crescente dificuldade de
valorização, da qual os artifícios mais sofisticados das finanças especulativas e o uso de todos os
recursos dos Bancos Centrais, capazes de criar dinheiro - mas não valor - a partir do nada, não são
capazes de chegar ao fim.
O colapso das bolsas mundiais, que começou nos mercados asiáticos nas últimas semanas e agora
se espalhou por todo o mundo ocidental, de Wall Street aos mercados financeiros europeus (Milão,
o "centro epidémico", chegou a mergulhar no recorde negativo de todos os tempos: -17% num único
dia, mas mesmo Londres, Frankfurt, Paris e Nova Iorque sofreram pesadas perdas), relata com um
poder disruptivo que uma nova edição da crise sistémica do capitalismo mundial está a bater à porta,
ridicularizando as leituras minimalistas que há apenas alguns dias os porta-vozes do capitalismo
global estavam a lutar para propor.
As Perspectivas Económicas Interinas da OCDE, por exemplo, previram um abrandamento da
economia mundial de 2,9% para 2,4% e mantiveram previsões optimistas para o PIB mundial em
2021, confirmando que as análises dos organismos internacionais, em vez de "prever"
acontecimentos, se esforçam por influenciá-los, condicionando o comportamento dos agentes
económicos.
Mas obviamente algo não cabia neste fresco, se no seu A economia mundial em risco a própria
OCDE hipóteseva uma possível redução para metade do crescimento (1,5%) num quadro de
"elevada incerteza da economia mundial".
E um dos principais expoentes de tais organismos, Kenneth Rogoff - antigo economista-chefe do
FMI e membro do conselho do Fed - chegou ao ponto de falar sobre a recessão mundial, evocando
o choque petrolífero de 1973.
Embora o paralelo com 1973 pareça zombador, dada a situação oposta do preço do petróleo bruto
de então e de agora, o cheiro de uma queda iminente também apareceu, portanto, nos membros
qualificados do estabelecimento.
O facto é que os factores de crise têm vindo a acumular-se muito rapidamente na economia,
recordando cenários dramáticos.

2
Mais uma vez, foi preciso muito pouco para desencadear uma reacção em cadeia mortal da qual
estamos a ver o início e da qual ninguém conhece o verdadeiro alcance e o possível ponto de
chegada.
O que é certo é que o próprio mecanismo de propagação da desestabilização econômica mostra um
surpreendente paralelismo com a dinâmica de contágio do vírus que constituiu o detonador
"externo".
Se este é o caso, é porque na reprodução do capital global, os materiais inflamáveis prontos para
incendiar a pradaria na primeira oportunidade não só não foram eliminados, como também se
acumularam mais.
A "grande crise" que as classes dominantes de todos os países declararam estar definitivamente
atrás deles foi, de fato, superada (ou tamponada) sem remover os fatores desencadeantes, ou melhor,
com o seu fortalecimento.
Há doze anos, a intervenção maciça dos Bancos Centrais de todos os grandes Estados salvou um
sistema financeiro mundial agora praticamente em inadimplência, inundando a economia com
dinheiro, substituindo os bancos comerciais agora paralisados e mantendo taxas de juros
extremamente baixas, se não negativas, como no caso do BCE.
Este facto, embora evitando a deflagração do sistema económico, reforçou ainda mais a sua
financeirização, embora economistas académicos e agentes de capital sob diversas formas tenham
tentado dizer que a causa da crise se encontrava nas finanças "sem regras" que já não serviam a
chamada "economia real".
Este é um dos nós que hoje se apresentam nesta nova crise.
Nos últimos anos, a economia mundial tem beneficiado de taxas próximas de zero e de liquidez
abundante fornecida pelos Bancos Centrais, quer directamente (como no caso do FED, do Banco
de Inglaterra, do Banco Central japonês), quer indirectamente, como no caso do BCE, que fez o
mesmo com a flexibilização quantitativa de Draghi, que contornou as restrições estatutárias sobre
as quais foi construído o edifício do euro.
É esta política monetária que tem permitido que todas as grandes empresas do mundo se endividem
massivamente.
Il Sole 24 Ore, de 10 de Março, apresenta um número muito significativo: actualmente, só a dívida
das empresas não financeiras globais ascende a 74 mil milhões de dólares, o que equivale a 94% do
PIB mundial.
Uma dívida de tais proporções, é claro, é uma mina pronta para explodir assim que algo dê errado,
seja uma queda nos lucros, um aumento nas taxas de juros ou qualquer fator de instabilidade que
mude a economia de forma desfavorável.
Em todas as grandes empresas, mesmo quando se trata de empresas industriais, a dimensão
financeira e especulativa tem crescido enormemente.
Eles não só gerem especulativamente os excedentes de moeda, ou seja, o capital monetário
temporariamente inactivo, mas também transferem as quotas crescentes dos lucros gerados no
processo de produção para o campo financeiro, criando as suas próprias divisões ad hoc, que não
raras vezes se tornam o verdadeiro core business da empresa.
Trata-se de um processo irreversível, que desde a superação da crise de 2007/2008 tem se
fortalecido ainda mais, utilizando os canais bancários, o mercado obrigacionista, a especulação
sobre os títulos derivados.
O mesmo processo também envolve empresas financeiras, instituições de crédito, o sistema
bancário sombra construído em torno do mercado OTC, fundos hedge, etc.

3
A actual epidemia deu origem a uma convulsão que abala este enorme castelo de dívidas e aguarda
agora o início de uma temível cadeia de incumprimento à escala internacional, devido à estagnação
do mercado obrigacionista, à vulnerabilidade do sistema bancário - apesar das numerosas
intervenções nos últimos anos destinadas a sustentar a sua estabilidade - e à interrupção forçada de
toda a cadeia de fornecimento de liquidez e financiamento às empresas.
Antecipando estes choques telúricos, o FED tentou jogar cedo, reduzindo as taxas em até 1-1,25%.
Wall Street agradeceu, mas logo em seguida continuou a sua corrida descendente, provando que
uma fenda de texugo não é suficiente para endireitar a situação.
Além disso, a intervenção do FED mostrou a sua ineficácia (Trump teria desejado um corte ainda
mais decisivo), uma situação pior agarra o BCE, uma vez que as taxas de juro no velho continente
já são negativas e, portanto, a política monetária não tem praticamente qualquer margem de
manobra.
E isto foi claramente visto na primeira ocasião em que Lagarde teve de intervir, com o efeito de
acentuar a queda ruinosa das bolsas europeias (todas elas) no dia 12 de Março.

A guerra do petróleo
O outro elemento devastador é a guerra do petróleo entre a Rússia e a Arábia Saudita.
Com o preço do barril a cair para pouco mais de 30 dólares (como durante a primeira Guerra do
Golfo), as acções das companhias petrolíferas entraram em colapso, arrastando a maior parte das
listas do mercado de acções e acelerando a corrida para o poço de abrigo. Não é por acaso que o
ouro subiu acima dos $1.700 a onça pela primeira vez em sete anos e, ao mesmo tempo, as taxas
pagas pelos Títulos do Tesouro a dez anos (considerados os mais seguros) para que a corrida os
agarrasse caíram ao mínimo, o que fez com que o preço de compra subisse, o que fez com que os
retornos fossem deprimentes.
Grandes operadores do mercado, tubarões da bolsa e gestores de fundos, incluindo fundos de
cobertura habituados a lucrar com o risco e a especulação, começaram a olhar para outro lado,
escapando mesmo ao mercado de obrigações corporativas praticamente paralisado.
As licenças das empresas petrolíferas ligadas à produção de óleo de xisto (o extraído pela técnica
de fracking) registaram perdas entre 40% e 80%. Mas não se trata apenas de uma queda temporária
no preço das acções, mas também de um colapso na rentabilidade que põe em risco a sua própria
existência e corre o risco de se transmitir muito rapidamente aos bancos que os financiaram - com
efeitos evidentes também na política dos EUA e na própria reeleição do Trump.
Os custos de extração do petróleo bruto para a OPEP e Rússia são mais baixos do que nos EUA e,
de fato, a produção nativa dos EUA sempre experimentou uma parada e vai ligada aos preços e à
demanda internacional.
Quando este último só pode ser satisfeito pela quantidade injectada pelos produtores ianques, os
preços suficientemente elevados também recompensam as piores condições de produtividade.
Isto leva à formação de um rendimento diferencial para os países da OPEP e, ao mesmo tempo,
permite às empresas norte-americanas, sobrecarregadas por custos de produção mais elevados,
obter pelo menos o lucro médio, ou seja, um lucro "normal" quando comparado com o capital que
investem.
Este mecanismo é ainda mais válido para o óleo de xisto, que tem custos de extracção ainda mais
elevados e, portanto, precisa de preços internacionais suficientemente elevados para tornar a sua
exploração rentável.
A actual guerra do petróleo (em que as empresas de fracionamento dos EUA foram as primeiras a
disparar, compensando sistematicamente os cortes de produção da OPEP e da Rússia com aumentos

4
das suas quotas) está cheia de implicações muito graves, não só para as listas da bolsa, mas para a
estabilidade da economia capitalista no seu conjunto e para a agitação que pode produzir nas
relações de poder a nível internacional, nas alianças entre Estados e nas estruturas de uma área
crucial para o equilíbrio mundial, como o Médio Oriente.
A guerra entre a Rússia e a Arábia Saudita será uma guerra sem limites. As declarações de Moscou
não deixam dúvidas, com o ministro Novak tendo o cuidado de apontar que o fracasso do acordo
com Riad põe fim, de ambos os lados, às restrições de produção, em suma, a um "tudo livre" que
soa como um aviso claro.
E de facto, a Rússia prepara-se para a batalha, pronta a pôr em jogo as enormes reservas cambiais
acumuladas pelo seu fundo soberano (fontes oficiais falam de 570 mil milhões de dólares) e a
vontade/possibilidade de deixar o rublo oscilar para baixo, dando mais espaço à competitividade
das suas exportações de petróleo bruto.
É claro que esta última arma deve ser usada com moderação, porque o nível da taxa de câmbio tem
consequências para toda a economia, mesmo no lado doméstico.
Uma desvalorização excessiva do rublo, na verdade, poderia reacender a inflação interna, mas
mesmo deste lado, a margem de manobra da Rússia é uma coisa, porém, uma grande potência
imperialista, outra da Arábia Saudita, cuja moeda depende do dólar (tal como a sua segurança a
partir do Pentágono) e reflecte a limitada margem de manobra de um Estado construído em torno
da oligarquia financeira da Arábia Saudita e da exploração dos enormes rendimentos petrolíferos
(cuja magnitude é bem medida pelos dados que circulam hoje em dia, que dizem de uma perda, aos
preços actuais do petróleo bruto, de cerca de 2 mil milhões de dólares por dia para todos os países
da OPEP).

O esgotamento do "impulso propulsivo" chinês


Por mais breve que seja, o quadro dos fatores de crise convergindo para um novo colapso do sistema
capitalista mundial não estaria completo se não detectássemos outro elemento de grande
importância, a desaceleração da economia chinesa, que foi violentamente agravada pela atual
epidemia, mas que começou bem antes dos últimos acontecimentos.
Não é surpreendente, o site Chuangcn.org, ao qual nos referimos para uma leitura completa do texto,
em um artigo de 2016, relatou de fontes oficiais do PCC a profunda preocupação do estabelecimento
de Pequim por um crescimento sustentado pela dívida e estímulo financeiro, advertindo que tais
métodos poderiam levar o país à catástrofe (incluindo a destruição da "poupança popular"), que o
aumento e posterior estouro das bolhas especulativas produziria uma crise sistêmica, que o
problema que estava sendo colocado era a redução da sobrecapacidade através da necessária
falência das empresas "decotadas", mesmo à custa de um período de estagnação do crescimento
econômico.
Ironicamente, o pessimismo extremo nos escalões superiores de Pequim contrasta com o otimismo
econômico de muitas análises aqui no Ocidente, também retomadas por círculos militantes, nas
quais a economia chinesa foi/é apresentada como um apoio inesgotável para o processo global de
acumulação capitalista.
A guerra de direitos iniciada por Trump, com as suas consequências no comércio mundial e a
inversão do longo ciclo baseado na liberalização absoluta dos movimentos de capitais, tornou-se
assim um factor agravante dos problemas estruturais já presentes na economia chinesa, problemas
que denunciam a inconsistência de interpretações baseadas na alegada diversidade do gigante
asiático e na sua função de revitalizar economias maduras.
Pelo contrário, a China chegou muito rapidamente aos problemas dos antigos países imperialistas,
mostrando que o carácter historicamente ultrapassado do modo de produção capitalista não é uma

5
característica que possa ser "desempacotada" país por país, como se todos pudessem reconstituir,
num quadro de pretensa autonomia nacional, a longa marcha desde a produção do século XIX até
ao capitalismo financeiro do nosso tempo, mas diz respeito ao sistema capitalista mundial como um
todo.
Quando uma nação como a China aparece entre os países mais industrializados que dominam o
mercado mundial, mesmo com as contradições que ainda a dominam, ela rapidamente herda todos
os males que definem a etapa imperialista como a última fase do capitalismo, aquela em que o
sistema econômico e social do qual a classe capitalista é portadora, não desempenha mais nenhum
papel progressista, mas é apenas um lastro reacionário para toda a sociedade.
A epidemia do coronavírus amplificou as dificuldades em Pequim, queimando o tempo do processo.
Nem poderia ser de outra forma. Wuhan e a província de Hubei estão entre as mais
industrializadas...
da China.
Muitas indústrias eletrônicas estão concentradas lá, há o maior pólo automotivo do país.
A paragem na actividade deu um rude golpe na produção chinesa.
Mas já em fevereiro os dados oficiais falavam de um índice composto de atividade manufatureira
que caiu para uma estimativa de 35,7 a 27,8 pontos, inferior ao nível alcançado em 2008 em meio
à crise financeira global.
Um declínio semelhante no sector dos serviços.
Estes índices levam em conta uma série de fatores: pedidos, produção e entrega de mercadorias,
níveis de estoque, etc. e, para valores abaixo de 50, indicam uma desaceleração econômica.
Uma situação que já está afetando, e que o fará ainda mais no futuro próximo, as cadeias de
abastecimento que dependem do abastecimento chinês, tanto mais que o capitalismo just-in-time
prevê a tendência para o inventário zero para economizar nos custos de inventário.
Para completar o quadro, é preciso lembrar que a China é o maior comprador mundial de matérias-
primas e energia.
Em 2018 importou cerca de 500 bilhões de dólares, com uma queda significativa para 300 bilhões
de dólares em 2019. No entanto, apesar da queda nas importações de matérias-primas - que terá um
impacto negativo especialmente para a Austrália, Brasil e Rússia, países para os quais a China é o
principal "cliente" - as exportações de Pequim caíram muito mais, resultando, pela primeira vez,
num défice comercial de mais de 7 mil milhões de dólares.
Dados similares podem ser encontrados na diminuição do consumo de carvão, o que também indica
uma contração na atividade de produção.
Ao sublinhar esta dinâmica, esta linha de tendência e, portanto, excluir que a China possa voltar a
agir como um amortecedor contra a crise global, como foi parcialmente o caso nos anos posteriores
a 2008, não excluímos de modo algum que, paradoxalmente, o impacto mais duro da nova crise
possa ocorrer na Europa (já estamos a ver sinais disso) e nos próprios Estados Unidos.
E se isso acontecesse de verdade, sejam republicanos ou democratas na Casa Branca, as tensões
comerciais e tecnológicas entre a China e os Estados Unidos ficariam ainda mais tensas do que hoje,
com os Estados Unidos forçados, pela lógica do capitalismo imperialista, a atacar em toda parte,
opositores e aliados, com mais força do que hoje.
Só por meios económicos e diplomáticos?
O grande renascimento dos gastos da guerra e da indústria militar nos Estados Unidos e em todo o
lado deixa a questão em aberto, muito em aberto.

6
A escalada do confronto entre as grandes potências
A epidemia do coronavírus acelerou e explodiu uma nova crise econômica e financeira no sistema
capitalista.
Com uma dinâmica à qual nos habituámos rapidamente, a interrupção da produção de bens e
serviços (do turismo aos transportes, da restauração aos espectáculos) e das finanças irá investir o
mundo inteiro, porque esse é agora (não só tendencialmente, mas imediatamente) o palco em que o
modo de produção capitalista joga as suas cartas.
Não há Estados, áreas, agregações que possam escapar à omnipresença, e por enquanto
incontestada, do domínio das relações capitalistas de produção, dos mecanismos do lucro e da
valorização do capital global.
Em comparação com a crise de 2007-2008, porém, o cenário das relações interinas e interestaduais
mudou ainda mais.
O declínio relativo do poder dos EUA já não permite a imposição de uma ordem americana ao
mundo.
As vicissitudes das guerras neocoloniais no Iraque e no Afeganistão estão lá para o sancionar
claramente: os EUA conseguiram "trazer esses países de volta à Idade da Pedra", mas não
conseguiram, no entanto, criar um equilíbrio estável, ainda que baseado na exploração e pilhagem
dos seus recursos.
Mas se esta capacidade de domínio global desapareceu, não é pela supremacia do colosso ianque,
que a Administração Trump decidiu relançar, agitando conflitos tanto com estados inimigos como
com aliados/competitores.
O trumplano "soberania", que não é a causa do modus operandi de Washington, mas é a
consequência destas profundas mudanças, move-se assim com a clara intenção de desmantelar todos
os factores que se acumularam ao longo dos anos para travar a sua acção e papel no mercado
mundial e no tabuleiro de xadrez internacional.
Se o inimigo estratégico continua a ser a China, e a guerra de tarifas só tem constituído o aperitivo
do que o futuro reserva, não menos exposto, no futuro imediato, é a UE e o seu projecto - cada vez
mais contraditório e problemático - de construir um pólo imperialista capaz, em perspectiva, de
competir com os EUA pela liderança do capitalismo mundial.
Nesta direcção vai, por exemplo, o trabalho pró-Brexit, uma expressão, ao mesmo tempo, da
vontade de infligir um golpe no velho continente e da incapacidade de manter Londres como um
peão capaz de travar os projectos europeístas, uma estratégia que preferiu o ovo da separação da
Grã-Bretanha da UE, hoje, à galinha, amanhã, do condicionamento de Bruxelas por Londres.
Mas o leque de conflitos abertos pela crescente agressividade dos EUA inclui muitas outras frentes
abertas, da Rússia ao Irão, à própria Arábia Saudita - já não tão intocável como outrora - ao mesmo
tempo que reforça a sua identificação com Israel e o seu desejo de aniquilar completamente o povo
palestiniano.
O Estado sionista, na verdade, não é apenas um aliado de ferro de Washington, mas pode-se dizer
um verdadeiro corte imperialista plantado no coração do mundo árabe, um posto avançado
qualitativamente diferente de todos os outros para manter todo o Oriente Médio sob controle.
E é precisamente no controle desta área crucial para a estabilidade do sistema que os eventos da
crise econômica na gestação irão interferir, acreditamos, de forma perturbadora.

7
A guerra do petróleo começou entre Riade e Moscou, por exemplo, não só trai o desejo deste último
de golpear as companhias petrolíferas de xisto ianques, que minam os mercados energéticos na
órbita russa, mas também o desejo de fortalecer o quadro de alianças na região, sustentando o
trabalho de fortalecimento do status de superpotência empreendido por Putin há muito tempo.
E pode-se ter certeza de que, se o nível atual dos preços do petróleo bruto continuasse, a queda nas
receitas do petróleo seria devastadora para muitos órgãos estatais e sua capacidade de lidar com os
grandes movimentos de massa que vêm contestando abertamente seu poder há mais de um ano.
Não é por acaso que, na sequência do desmembramento da cimeira da OPEC Plus em Viena, o
ministro argelino da Energia fez um apelo sincero aos concorrentes para que concordassem na
controversa questão dos cortes na produção.
Mais uma vez, a crise econômica capitalista e sua dimensão sistêmica estão profundamente
interligadas com a crise da ordem de Ialta, que há muito se dissolveu, mas também com o fim desse
longo parêntese realizado desde a primeira Guerra do Golfo e que parecia relançar o domínio
absoluto norte-americano.
Estamos claramente caminhando, embora de forma muito caótica, para a formação de dois lados
capitalistas opostos, um girando sobre os Estados Unidos, o outro sobre o eixo (cada vez mais
obrigado) China-Rússia, cada vez mais abertamente em contenda, com armas e métodos diferentes,
em cada canto da economia mundial.
Oposto, mas ambos igualmente interessados em esmagar as massas, para garantir com todos os
meios a estabilidade do sistema e a continuidade da exploração do proletariado.
Portanto, para o proletariado consciente não há "menos pior" a preferir.

As perspectivas do confronto de classes


Muito provavelmente, a recessão no horizonte será uma pandemia econômica que atingirá a ordem
capitalista mundial como um tsunami.
Como já dissemos, esta é a escala em que as transformações do modo de produção capitalista e as
revoltas da sua ordem estão agora a avançar, uma ordem sustentada por uma dose crescente de
militarismo para as periferias do sistema e de repressão e disciplina social nas metrópoles do
imperialismo ultra-desenvolvido (o uso que está a ser feito da crise pela Covid-19 é um verdadeiro
campo de experimentação nesta direcção).
Embora as classes dominantes de todos os países se movam pragmaticamente, sem um "plano pré-
estabelecido cientificamente", mas respondendo às contribuições transmitidas pelas contradições
do sistema capitalista, isso não significa que estejam à mercê dos acontecimentos.
Dentro delas, porém, amadureceram aquelas linhas de ação que - embora desencadeadas pelos
interesses conflitantes das diversas frações burguesas - são capazes, contudo, a experiência nos
ensina, de encontrar sínteses provisórias, capazes de centralizar os interesses de todos os estratos
de exploradores, destinadas a esmagar o proletariado, sua submissão social e política, a oposição de
seus componentes internos para aniquilá-lo como uma classe independente.
No entanto, mesmo que não estejamos certamente numa fase de conflito generalizado,
particularmente na Itália onde o conflito imediato se encontra em níveis muito baixos, os
acontecimentos actuais apenas acentuarão a polarização social, polarização que já explodiu nas
periferias do sistema ("periferias" exterminadas, no entanto, que vão desde a América Latina ao
Magrebe até ao Médio Oriente) mesmo que ainda seja difícil manifestar-se aqui no nosso país, no
coração da besta.

8
Para a classe capitalista, a polarização do choque social representa um risco do qual os mais
avisados entre os seus representantes estão conscientes e que eles se esforçam por prevenir e
neutralizar.
Cabe aos revolucionários organizarem-se e moverem-se com pelo menos o mesmo nível de
consciência dos nossos inimigos de classe, começando a cerrar fileiras dentro de nós e a propor à
vanguarda da luta da nossa classe uma estratégia que se move na mesma escala que a do sistema
que queremos derrubar.
Devemos responder à crise mundial da ordem capitalista com uma estratégia que tem o mesmo
alcance e é internacionalista nos seus fundamentos e princípios teóricos mas também,
inseparavelmente, no seu plano concreto de batalha política.
Se algo emerge claramente dos acontecimentos atuais, é que qualquer perspectiva que afirma ser de
classe e anti-capitalista, mas continua a se mover no terreno do localismo, da pequena cabotagem,
se afundando na ilusão de que é possível contrariar o rolo compressor da ofensiva burguesa
rasgando aqui e ali pedaços de "autonomia", só pode ter um efeito desarmante sobre o movimento
das lutas, contribuindo para sua derrota.
A dimensão global da crise nos diz claramente que não existem caminhos fechados de libertação
dentro das fronteiras nacionais, muito menos locais e localistas, para o proletariado.
A classe capitalista de cada país move-se no quadro de um sistema de relações globais, e é
estritamente condicionada por eles.
O proletariado, e primeiro os revolucionários, devem tomar consciência disso, rompendo com
qualquer perspectiva estritamente nacional ou "soberanista" que suponha a possibilidade de avançar
no campo da emancipação de classe, apoiando esta ou aquela "solução da crise" que depende de
uma suposta convergência transitória de interesses com os exploradores da nossa casa.
Isto é verdade para aqueles que, por exemplo, falam em abandonar o euro e recuperar a "nossa"
soberania monetária como uma condição prévia para se defenderem melhor e assim capitularem
perante o nacionalismo, que é precisamente o terreno em que as classes dirigentes concentram a sua
iniciativa de cerrar fileiras e impor uma subordinação ainda mais despótica aos interesses dos seus
senhores e do seu Estado.
É evidente que, apesar das diferenças retóricas e de fachada entre "progressista" e "populista" na
Itália entre o governo Conte-bis (Pd-Cinquestelle) e a oposição de direita, Ambos os lados marcham
em fileiras compactas para martelar as consciências do proletariado de que não há hipótese de
sobrevivência se não relançar a sagrada união entre a classe capitalista e o proletariado, que a nação
deve compactar-se, hoje, para se defender da actual epidemia, e amanhã, para manter o confronto
económico, e numa perspectiva militar, com "os nossos inimigos".
A luta entre estes dois lados, ambos inteiramente reacionários, também será decidida não em nosso
próprio quintal, mas em relação ao confronto mais geral que está amadurecendo no cenário mundial
e verificando qual das diferentes políticas de escravidão do proletariado é capaz de oferecer mais
chances de sucesso para a burguesia.
Se a "soberania esquerdista" sair derrotada e ridicularizada pelos acontecimentos actuais, isso não
significa de todo que a soberania tout-court - a soberania hiper-capitalista da chamada direita
"populista" - tenha queimado todas as suas cartas.
Neste terreno, a evolução da crise e o reacender das lutas dos explorados poderia também impor
medidas extraordinárias às classes dirigentes, capazes também de atingir alguns privilégios
limitados das classes dirigentes com o objetivo de consolidar a estabilidade geral do sistema
capitalista.
A direita abertamente reacionária, aqueles que, por experiência histórica, sabem misturar
demagogia popular, crítica à rapacidade das finanças e pedidos de ordem, mas também uma

9
esquerda social-democrata um pouco menos ajoelhada aos pés dos grandes bancos do que a italiana
de hoje, jogarão este mesmo jogo.
Assim, a única resposta possível aos desastres de todo tipo produzidos pelo sistema capitalista, a
única resposta possível à ofensiva que os exploradores e as forças políticas a seu serviço se preparam
para descarregar sobre os trabalhadores e trabalhadoras as conseqüências destes desastres, é que as
classes trabalhadoras tomem o campo em massa, se defendam ferozmente contra a agressão às suas
condições de vida e de trabalho e, finalmente, lhes apresentem o relato histórico e definitivo deste
sistema social apodrecido.
Neste caminho de luta e saída do atual estado de nulidade política, começando com as tarefas mais
imediatas de luta para subir às de perspectiva, dissemos algo no documento sobre a crise do
coronavírus.
Não nos estamos a repetir.
Quanto aos profissionais do derrotismo anti-revolucionário que gostam de zombar da nossa certeza
inabalável na redenção do proletariado, no momento em que são apanhados pela bofetada da
agitação do trabalhador forte que irrompeu nestes dias em muitas fábricas contra a imposição dos
patrões de trabalhar sempre e em qualquer caso com risco de saúde e de vida.
O resto virá, para eles e sobretudo para os seus superiores - e não virá com uma dinâmica muito
lenta e "secular" de acumulação de forças, mas com uma progressão exponencial semelhante àquela
com que esta nova crise se abateu sobre nós.
A única coisa que gostaríamos de repetir aqui, e que não nos cansaremos de repetir devido à sua
importância decisiva, é que diante de uma crise que promete ser ainda mais global que a de 2008, a
única força na qual o proletariado italiano, tanto indígena como imigrante, poderá contar é a dos
explorados e explorados de todos os outros países do mundo.
E é uma força que, se organizada e consciente, se autônoma dos dois lados capitalistas-imperialistas
em formação, é capaz de superar qualquer obstáculo.
Fique de olho nas grandes manifestações de 8 de março no Chile, México e Argélia, mantenha uma
mente local sobre o retorno das revoltas das massas árabes em 2018-2019, sobre a continuação das
fortes lutas proletárias e populares na França, e você terá uma amostra delas numa época em que as
temperaturas sociais ainda não estão fervilhando...
13 de março
A Cunha Vermelha - Gcr - Páginas Marxistas
Tendência revolucionária internacionalista
Laboratório Político Iskra

10