Você está na página 1de 7

Atividade de História, Colégio Naval.

(2020)

1. No Brasil colônia, a pecuária teve um papel decisivo na

a) ocupação das áreas litorâneas.

b) expulsão do assalariado do campo.

c) formação e exploração dos minifúndios.

d) fixação do escravo na agricultura.

e) expansão para o interior.

2. "Como não se tratava de regiões aptas para a produção de gêneros


tropicais de grande valor comercial, como o açúcar ou outros, foi-se
obrigado para conseguir povoadores (...) a recorrer às camadas pobres
ou médias da população portuguesa e conceder grandes vantagens aos
colonos que aceitavam irem-se estabelecer lá. O custo do transporte
será fornecido pelo Estado, a instalação dos colonos é cercada de toda
a sorte de providências destinadas a facilitar e garantir a subsistência
dos povoadores; as terras a serem ocupadas são previamente
demarcadas em pequenas parcelas, (...) fornecem-se gratuitamente ou
a longo prazo auxílios vários (instrumentos de trabalho, sementes,
animais, etc)".

(Prado Júnior, C. História econômica do Brasil. 27 ed. S. Paulo: Brasiliense,


1982. p. 95-6)

Com base no texto, é possível afirmar que o autor se refere:

a) à colonização do sertão nordestino através da pecuária.

b) à ocupação da Amazônia através das drogas do sertão.

c) à expansão para o interior paulista pelas entradas e bandeiras.


d) à colonização do Sul através da pecuária.

e) ao povoamento das Capitanias Hereditárias.

3. A ocupação do território brasileiro, restrita, no século XVI, ao litoral e


associada à lavoura de produtos tropicais, estendeu-se ao interior
durante os séculos XVII e XVIII, ligada à exploração de novas atividades
econômicas e aos interesses políticos de Portugal em definir as
fronteiras da colônia.

As afirmações abaixo relacionam as regiões ocupadas a partir do século XVII e


suas atividades dominantes.

1) No vale amazônico, o extrativismo vegetal – as drogas do sertão – e a


captura de índios atraíram os colonizadores.

2) A ocupação do Pampa gaúcho não teve nenhum interesse econômico,


estando ligada aos conflitos luso-espanhóis na Europa.

3) O planalto central, nas áreas correspondentes aos atuais estados de Minas


Gerais, Goiás e Mato Grosso, foi um dos principais alvos do bandeirismo, e sua
ocupação está ligada à mineração.

4) A zona missioneira no Sul do Brasil representava um obstáculo tanto aos


colonos, interessados na escravização dos indígenas, quanto a Portugal,
dificultando a demarcação das fronteiras.

5) O Sertão nordestino, primeira área interior ocupada no processo de


colonização, foi um prolongamento da lavoura canavieira, fornecendo novas
terras e mão de obra para a expansão da lavoura.

As afirmações corretas são:

a) somente 1, 2 e 4.
b) somente 1, 2 e 5.
c) somente 1, 3 e 4.
d) somente 2, 3 e 4.
e) somente 2, 3 e 5.

4. Os fatores que levaram ao desenvolvimento e à ampliação das


atividades econômicas periféricas da colônia, tais como, a pecuária, o
tabaco, as drogas do sertão e mesmo o pau-brasil, em detrimento da
lavoura de cana-de-açúcar, após a expulsão dos holandeses, em 1654,
foram:

a) a criação de um mercado interno fomentado pelo descobrimento das minas


de ouro no final do século XVI e sua ampliação para as cidades litorâneas da
colônia.

b) a inversão significativa da utilização da mão de obra escrava pela mão de


obra livre na região das minas, criando, assim, um mercado consumidor
expressivo.

c) estagnação econômica do Centro-Oeste, em função do renascimento


agrícola no Nordeste, ao longo do século XVII.

d) o acompanhamento destas atividades, primeiro como complemento da


atividade açucareira e, posteriormente, como núcleos abastecedores da
atividade mineradora e seus desdobramentos.

e) todas as alternativas anteriores estão corretas.

5. “A sociedade colonial brasileira "herdou concepções clássicas e


medievais de organização e hierarquia, mas acrescentou-lhe sistemas
de graduação que se originaram da diferenciação das ocupações, raça,
cor e condição social. (...) As distinções essenciais entre fidalgos e
plebeus tenderam a nivelar-se, pois o mar de indígenas que cercava os
colonizadores portugueses tornava todo europeu, de fato, um gentil-
homem em potencial. A disponibilidade de índios como escravos ou
trabalhadores possibilitava aos imigrantes concretizar seus sonhos de
nobreza. (...) Com índios, podia desfrutar de uma vida verdadeiramente
nobre. O gentio transformou-se em um substituto do campesinato, um
novo estado, que permitiu uma reorganização de categorias
tradicionais. Contudo, o fato de serem aborígenes e, mais tarde, os
africanos, diferentes étnica, religiosa e fenotipicamente dos europeus,
criou oportunidades para novas distinções e hierarquias baseadas na
cultura e na cor." (Stuart B. Schwartz, SEGREDOS INTERNOS).

A partir do texto, pode-se concluir que:

a) a diferenciação clássica e medieval entre clero, nobreza e campesinato,


existente na Europa, foi transferida para o Brasil por intermédio de Portugal e
constituiu-se no elemento fundamental da sociedade brasileira colonial.

b) a presença de índios e negros na sociedade brasileira levou ao surgimento


de instituições como a escravidão, completamente desconhecida da sociedade
europeia nos séculos XV e XVI.

c) os índios do Brasil, por serem em pequena quantidade e terem sido


facilmente dominados, não tiveram nenhum tipo de influência sobre a
constituição da sociedade colonial.

d) a diferenciação de raças, culturas e condição social entre brancos e índios,


brancos e negros, tendeu a diluir a distinção clássica e medieval entre fidalgos
e plebeus europeus na sociedade colonial.

e) a existência de uma realidade diferente no Brasil, como a escravidão em


larga escala de negros, não alterou em nenhum aspecto as concepções
medievais dos portugueses durante os séculos XVI e XVII.

6. No contexto da independência política do Brasil de Portugal, é correto


afirmar que:

a) no Congresso de Viena, os adversários de Napoleão I tomaram várias


decisões a favor do liberalismo.

b) a Revolução Constitucionalista do Porto (1820) defendia a ampliação do


poder real.
c) o regresso de d. João IV a Lisboa significou a vitória da burguesia liberal
portuguesa.

d) ao jurar a constituição de 1824, d. Pedro I aderiu às teses democráticas de


Gonçalves Ledo.

e) a abertura dos Portos e os tratados de 1810 favoreceram os comerciantes


portugueses.

7. A transferência do governo português para o Brasil, em 1808, teve


ligação estreita com o processo de emancipação política da colônia
porque:

a) introduziu as ideias liberais na colônia, incentivando várias rebeliões.

b) reforçou os laços de dependência e monopólio do sistema colonial,


aumentando a insatisfação dos colonos.

c) incentivou as atividades mercantis, contrariando os interesses da grande


lavoura.

d) instalou no Brasil a estrutura do Estado português, reforçando a unidade e a


autonomia da colônia.

e) favoreceu os comerciantes portugueses, prejudicando os brasileiros e os


ingleses ligados ao comércio de importação.

8. “... quando o príncipe regente português, D. João, chegou de malas e


bagagens para residir no Brasil, houve um grande alvoroço na cidade
do Rio de Janeiro. Afinal era a própria encarnação do rei (...) que aqui
desembarcava. D. João não precisou, porém, caminhar muito para
alojar-se. Logo em frente ao cais estava localizado o Palácio dos Vice-
Reis”. (Lilia Schwarcz. As Barbas do Imperador.)

O significado da chegada de D. João ao Rio de Janeiro pode ser resumido


como:
a) decorrência da loucura da rainha Dona Maria I, que não conseguia se impor
no contexto político europeu.

b) fruto das derrotas militares sofridas pelos portugueses ante os exércitos


britânicos e de Napoleão Bonaparte.

c) inversão da relação entre metrópole e colônia, já que a sede política do


império passava do centro para a periferia.

d) alteração da relação política entre monarcas e vice-reis, pois estes


passaram a controlar o mando a partir das colônias.

e) imposição do comércio britânico, que precisava do deslocamento do eixo


político para conseguir isenções alfandegárias.

9. O Brasil integrou-se ao quadro econômico europeu como uma


colônia de exploração. Com relação à economia colonial
brasileira, é INCORRETO afirmar que
a) durante o período pombalino, com o objetivo de fortalecer o erário régio,
houve um aumento da carga tributária e a consolidação dos monopólios
(criação das Companhias Gerais do Comércio do estado do Grão-Pará e
Maranhão e de Pernambuco e Paraíba).
b) a pecuária nordestina se caracterizou por ser uma atividade
econômica subsidiária à economia açucareira, voltada para o mercado
interno, organizada de forma extensiva e que comportou
predominantemente a mão de obra escrava.
c) as "drogas do sertão" se caracterizam pela coleta de recursos
florestais da Amazônia, tais como o cacau e o guaraná, organizada
pelos jesuítas, tendo como mão de obra predominante a indígena.
d) o açúcar tornou-se o carro-chefe de nossa economia colonial porque
possuía alto valor no mercado externo e viabilizava a ocupação territorial, além
de contribuir para a estruturação da classe senhorial.
e) a mineração provocou um grande aumento demográfico, o aparecimento de
vilas e cidades, a articulação de um mercado interno e uma maior
diversificação no estrato social e econômico.
10. A União Ibérica foi um importante estímulo à expansão territorial
portuguesa sobre o território que legalmente pertencia à
Espanha, segundo o Tratado de Tordesilhas. Com isso,
aconteceram vários conflitos entre os dois países e foram
necessários alguns tratados de limites para que as novas
fronteiras se definissem. Sobre os tratados de limites que
definiram o território brasileiro, pode-se afirmar que:
a) o Tratado de Lisboa foi assinado entre Portugal e Espanha e restabeleceu
os limites territoriais existentes à época do Tratado de Tordesilhas.
b) o Tratado de Madri, assinado entre Portugal e Espanha, usando o
princípio da restauração, restabeleceu as fronteiras existentes antes da
União Ibérica.
c) com o Tratado de Santo Ildefonso, Portugal recebeu o domínio dos
Sete Povos das Missões, o que provocou a chamada Guerra
Guaranítica.
d) o Tratado de Methuen, assinado entre Portugal e Inglaterra, definiu
as fronteiras ao norte do Brasil, e a Guiana ficou sob domínio inglês.
e) o Tratado de Badajós foi o último a ser assinado e praticamente
definiu os limites territoriais brasileiros. A única alteração, desde aquela
época, foi à anexação do Acre.

Você também pode gostar