P. 1
Prova de História Brasil Período Colonial corrigida e comentada Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgondim.blogspot.com]

Prova de História Brasil Período Colonial corrigida e comentada Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgondim.blogspot.com]

5.0

|Views: 27.846|Likes:
Publicado porMarcoAurélioGondim
Prova de História Brasil Período Colonial corrigida e comentada Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgondim.blogspot.com].
Prova de História Brasil Período Colonial corrigida e comentada Prof. Marco Aurelio Gondim [www.mgondim.blogspot.com].

More info:

Published by: MarcoAurélioGondim on Sep 11, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/11/2014

pdf

text

original

Prof. Marco Aurélio Gondim www.mgondim.blogspot.

com

CORREÇÃO COMENTADA PROVA DE HISTÓRIA
BRASIL - PERÍODO COLONIAL 3° ENSINO MÉDIO
10/09/2009

Questão 1: “A produção se destinava fundamentalmente ao consumo da família, mas, ao mesmo tempo, essa família, estava obrigada a entregar ao mocambo1, como comunidade, um excedente depositado em paiol2 situado no centro da cidadela. O excedente se destinava ao sustento dos produtores não diretos e aos improdutivos em geral: chefes guerreiros, prestadores de serviço, crianças, velhos, doentes. Produzia-se, ainda, um excedente dedicado a acudir emergências, como secas, pragas, ataques externos.” FREITAS, Décio. Palmares, a guerra dos escravos. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1984, p. 37. A leitura do fragmento acima permite-nos compreender a gênese3 da organização produtiva de alimentos no Quilombo4 dos Palmares, que ainda caracteriza diversas comunidades remanescentes5 de quilombos e que pode ser resumida em produção: A - comunitária, com arrecadação e administração do uso de excedentes. B - comunitária, sem preocupação com a administração de excedentes. C - comunitária de baixo rendimento, o que não permitia a produção de excedentes. D - em larga escala, de poucos produtos para o comércio em localidades próximas. E - de produtos variados por todos os integrantes do quilombo, não havendo preocupação em controlar excedentes. Comentário:  Essa  é  mais  uma  questão  de  interpretação  de  texto  que  propriamente  de  História. O texto diz que, embora a produção fosse  familiar,  visava  atender  as  necessidades  da  comunidade,  inclusive  no  que  concerne  ao  excedente  que  era  guardado  para  os  dias  de  escassez. 

Questão 2: Foram respectivamente, razões e características de ocupação holandesa no Nordeste açucareiro: A - envolvimento da Holanda no Comércio de escravos e a proibição do catolicismo.
1 2

Couto de escravos fugidos, na floresta. Qualquer compartimento destinado à guarda ou ao armazenamento de materiais ou gêneros de qualquer espécie 3 Formação, constituição; origem 4 Esconderijo, aldeia, cidade ou conjunto de povoações em que se abrigavam escravos fugidos 5 Que remanesce; restante, remanente

1

Prof. Marco Aurélio Gondim www.mgondim.blogspot.com

B - expulsão dos holandeses das Antilhas e monopólio6 do comércio de escravos. C - exclusão dos holandeses do comércio do açúcar e o financiamento aos senhores de engenho. D - interesse da Holanda no pau-brasil e a proibição do trabalho escravo. E - participação da Holanda no refino do açúcar e o abandono de Recife. Comentário: Ao incorporar Portugal, por ocasião da  União Ibérica (1580‐1640), e aproveitando‐se do seu  controle  sobre  o  Brasil,  a  Espanha  impediu  que  os  holandeses  continuassem  a  comercializar  o  açúcar  brasileiro.  Era  uma  tentativa  de  sufocar  economicamente  a  Holanda  e  impedir  sua  independência  em  relação  à  Espanha.  No  governo  de  João  Maurício  de  Nassau  (1637  a  1644),  houve  uma  administração  eficiente  e  um  bom  relacionamento  com  os  senhores  de  engenho  da  região.  Desse  modo,  foram  colocados  a  disposição  dos  proprietários  de  engenho  recursos  financeiros,  para  serem  utilizados  na  compra  de  escravos  e  de  maquinário para o fabrico do açúcar. 

Questão 3: “O ser senhor de engenho é título a que muitos aspiram, porque traz consigo o ser servido, obedecido e respeitado por muitos”. Essa frase de João Antônio Andreoni (conhecido como Antonil), escrita no seu livro Cultura e Opulência7 do Brasil por suas drogas e minas, refere-se aos: A - ricos comerciantes que lidavam com os negócios de exportação e importação; B - proprietários das terras que formavam a aristocracia8 agrária, de grande poder econômico e político; C - lavradores assalariados que plantavam a cana-de-açúcar; D - trabalhadores livres dos engenhos: artesãos, barqueiros, capatazes; E - grandes proprietários das fábricas de manufaturas têxteis. Comentário:  A  principal  atividade  econômica  no  Brasil nos séculos XVI e XVII era o cultivo de cana‐de‐ açúcar  realizado  por  escravos  negros,  principalmente,  em  latifúndios.  Os  senhores  de  engenhos eram os ricos proprietários de terras que  acumulavam,  por  causa  disso,  grande  poder  político. 

Questão 4: No Brasil, a sociedade colonial foi marcada pela dominação de preconceitos e pelo poder do Catolicismo. Essa sociedade

6 7

Situação de mercado em que um só vendedor controla toda a oferta de uma mercadoria ou de um serviço Abundância de riquezas; grande riqueza 8 Grupo de indivíduos que se distinguem pelo saber e merecimento real; casta, nata

2

Prof. Marco Aurélio Gondim www.mgondim.blogspot.com

A - era sustentada pelo trabalho escravo, não havendo mão-de-obra livre em nenhum setor da economia. B - dependia de investimentos europeus, com destaque para os holandeses em relação ao açúcar. C - aceitava o trabalho escravo como base de produção até o começo do século XIX. D - submetia-se às ordens da metrópole9, sem haver rebeliões políticas ou movimentos sociais. E - tinha autonomia econômica, negociando com as grandes potências europeias. Comentário:  A  coroa  portuguesa,  ao  iniciar  o  empreendimento  colonial,  não  possuía  recursos  financeiros.  Por  isso,  o  capital  necessários  aos  grandes investimentos na colônia eram oriundos de  outros  países,  por  intermédio  de  Portugal,  principalmente Holanda. 

Questão 5: A respeito da época pombalina, analise as afirmativas a seguir: I. A competição entre as potências hegemônicas10 europeias, durante o século XVII, aumentou a subordinação das que “se atrasaram”, como Portugal, o que ameaçava o seu domínio sobre as colônias e a sua própria independência. II. O absolutismo ilustrado buscava evitar que o privilégio da ordem jesuíta e a emergência de novas forças sociais, desejosas de maior representação política, viessem a ameaçar o regime. III. Com a expulsão dos jesuítas, Pombal buscava promover o desenvolvimento econômico, assegurar o poder político e controlar a população indígena da Região Amazônica. Assinale: A - se somente a afirmativa I estiver correta. B - se somente as afirmativas I e II estiverem corretas. C - se somente a afirmativa II estiver correta. D - se somente as afirmativas I e III estiverem corretas. E - se todas as afirmativas estiverem corretas. Comentário:  Pombal  torna‐se  ministro  de  Portugal  em  um  momento  em  que  o  país  estava  enfraquecido  pelas  relações  econômicas  desvantajosas  que  mantinha  principalmente  com  a  Inglaterra  (Tratado  de  Methuen  –  1703).  Promove,  então, um processo de centralização do poder e de  fortalecimento das instituições portuguesas.  A  sua  forma  de  governar  ficou  conhecida  como  absolutismo  ilustrado  ou  despotismo  esclarecido  e  um  dos  seus  principais  inimigos  foram  os  jesuítas  que  eram  acusados  de  ajudarem  os  índios  em  sua  resistência contra os portugueses. O alvo de Pombal  era  fortalecer  a  presença  portuguesa  na  região  platina. 
9 10

Nação, em relação às suas colônias Relativo a hegemonia. Hegemonia: Preponderância de uma cidade ou de um povo sobre outras cidades ou outros povos

3

Prof. Marco Aurélio Gondim www.mgondim.blogspot.com

Questão 6: O poder local era exercido na Colônia pelos chamados homens-bons, que na verdade eram os grandes proprietários rurais, comerciantes, de Religião Católica, sem ascendência judaica ou africana. Era feita uma escolha a partir de uma lista local dos homensbons que exerciam seu poder político na forma institucional: A - no Governo-Geral. B - nas Capitanias Hereditárias. C - nos Tribunais Eclesiásticos11. D - nas Câmaras Municipais. E - nas Prefeituras. Comentário:  As  Câmaras  Municipais  eram  órgãos  políticos  compostos  pelos  "homens‐bons".  Estes  eram  os  ricos  proprietários  que  definiam  os  rumos  políticos  das  vilas  e  cidades.  Para  ser  um  “homem  bom, o indivíduo teria que comprovar a propriedade  das  terras  e  não  exercer  nenhum  tipo  de  trabalho  manual.  Portanto,  o  povo  não  podia  participar  da  vida pública nesta fase. 

Questão 7: Leia o texto É no regime do comércio entre metrópoles e colônias que se situa o elemento essencial desse mecanismo (do Antigo Sistema colonial mercantilista12). Reservando-se a exclusividade do comércio com o Ultramar, as metrópoles europeias na realidade realizavam um quadro institucional de relações tendentes a promover necessariamente um estímulo à acumulação primitiva de capital na economia metropolitana a expensas das economias periféricas coloniais. (Fernando A Novais. Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial. São Paulo: Hucitec, 1983. p. 72) O texto comprova a ideia de que, no processo de colonização do Brasil, A - a “circulação de mercadorias” tinha certa autonomia, principalmente a realizada com produtos manufaturados produzidos na própria colônia. B - os fazendeiros podiam instalar nas suas propriedades “produção manufatureira”, que gerava lucro para a classe dominante da colônia. C - o “exclusivo comercial” garantia à burguesia mercantil metropolitana a apropriação da maior parte da renda gerada na colônia. D - a metrópole admitia o “comércio colonial” de produtos agrícolas com outras colônias, já que proporcionava fonte de renda para os colonos. E - a colônia poderia produzir livremente produtos que os colonos considerassem lucrativos, o que contribuiu para a formação de capital no Brasil. Comentário:  A  expressão  “exclusivo  comercial”  designa  o  pacto  colonial  que  pode  ser  definido 
11 12

Pertencente ou relativo à Igreja; eclesial Mercantilismo: Doutrina econômica, em voga no século XVII, que enfatizava a importância do comércio exterior para a economia de um país, e que defendia a ação do Estado em favor da expansão das exportações e de seu monopólio por companhias de comércio, e da restrição às importações.

4

Prof. Marco Aurélio Gondim www.mgondim.blogspot.com

como  um  sistema  no  qual  os  países  da  Europa  que  possuíam  colônias  na  América,  mantinham  o  monopólio da importação das matérias‐primas mais  lucrativos  dessas  possessões,  bem  como  da  exportação de bens de consumo para as respectivas  colônias. 

Questão 8: Acerca das atividades econômicas desenvolvidas no Brasil durante o período colonial, assinale a alternativa correta. A - A atividade açucareira estava restrita à região nordeste da Colônia. B - A descoberta de ouro na região das Minas Gerais dinamizou o mercado com sua demanda por produtos manufaturados. C - O tabaco, produzido principalmente na região sul da colônia, era utilizado na troca por escravos africanos. D - Apesar das restrições régias13, a colônia exportou produtos manufaturados para a Europa. E - A pecuária tornou-se, já nos séculos XVI e XVII, a atividade econômica mais rentável na colônia. Comentário: (a) Na região sudeste também havia a  produção  de  cana‐de‐açúcar.  (c)  O  tabaco  era  produzido  somente  no  nordeste  para  ser  utilizado  na  troca  por  escravos  africanos.  (d)  As  restrições  régias  proibiam  a  instalação  de  quaisquer  manufaturas no Brasil. (e) Nos séculos XVI e XVII a  principal riqueza do Brasil foi a cana‐de‐açúcar. 

Questão 9: “Foi criada uma companhia de comércio monopolista para o Estado do Maranhão, com a obrigação de fornecer 500 escravos por ano, durante 20 anos, aos colonos nortistas. Procurava-se conciliar, assim, as duas posições: a dos colonos, que precisavam de braços escravos para suas terras, e a dos jesuítas, que queriam impedir a escravização indígena.” (Mendes Jr., Roncari e Maranhão. Brasil História, Texto e Consulta.) Assinale a alternativa correta a respeito dos conflitos coloniais. A - A Revolta de Beckman foi um conflito localizado, hostil aos jesuítas e aos privilégios dos comerciantes portugueses, mas não ao Pacto Colonial. B - A revolta de Beckman, ao contestar o monopólio da companhia e depor a autoridade metropolitana, foi o primeiro episódio separatista no processo de independência, como a Conjuração Mineira. C - O processo de independência do Brasil começou com a guerra de Palmares, por ameaçar a escravidão e por ser completamente autônoma em relação ao governo, às leis e ao domínio luso-brasileiro14. D - A Guerra dos Mascates em Pernambuco, por volta de 1710, foi um efêmero15 movimento separatista, em que o governo independente do bispo de Olinda proibiu execuções das dívidas dos colonos pernambucanos.
13 14

Relativo ao, ou próprio do rei; real De, ou pertencente ou relativo a Portugal e ao Brasil, ou de origem portuguesa e brasileira 15 De pouca duração; passageiro, transitório

5

Prof. Marco Aurélio Gondim www.mgondim.blogspot.com

E - A Conjuração Baiana não pertence ao processo de independência porque foi uma simples, embora violenta, rebelião popular, envolvendo mais os escravos do que os colonos. Comentário:  Em  1680,  a  Coroa  determinou  a  abolição  da  escravidão  indígena.  Para  contornar  a  questão  de  mão‐de‐obra,  os  senhores  de  engenho  locais  organizaram  tropas  para  invadir  os  aldeamentos  organizados  pelos  Jesuítas  e  capturar  indígenas  como  escravos.  Estes  indígenas,  evangelizados,  constituíam  a  mão‐de‐obra  utilizada  pelos  religiosos  na  atividade  de  coleta das chamadas drogas do sertão. Diante  das  agressões,  a  Companhia  de  Jesus  recorreu  à  Coroa,  que  interveio  e  proibiu  a  escravização  do  indígena,  uma  vez  que  esta  não  trazia  lucros  para  a  Metrópole  (Fonte  http://pt.wikipedia.org/wiki/Revolta_de_Beck man). 

Questão 10. Sobre as diferenças regionais do Brasil Colonial, é correto afirmar que: A - a Região Amazônica tinha como atividades econômicas principais: agricultura de exportação (cana e algodão) as drogas do sertão. B - a Região Centro-Oeste tinha como atividades econômicas principais: a mineração e agricultura de exportação (cana de açúcar). C - a Região Sudeste tinha como atividades econômicas principais: a plantação da cana de açúcar e da pecuária. D - a Região Nordeste tinha como atividades econômicas principais: a agricultura de exportação (cana e tabaco) e a pecuária. E - a Região Sul tinha como atividades econômicas principais: a agricultura de exportação (trigo e soja) e a pecuária. Comentário:  (a)  A  atividade  econômica  empreendida  na  regiao  Amazônica  era  o  extrativismo  das  drogas  do  sertão  (as  “especiarias”  brasileiras).  (b)  Os  bandeirantes,  no  início  do  século  XVIII,  descobrem  ouro  no  Mato  Grosso,  iniciando  um  lucrativo  empreendimento  de  mineração.  (c)  A  pecuária  era  desenvolvida  inicialmente  no Nordeste. Com a mineração, o Sul do país  como  grande  produtor  de  carne.  (d)  No  Nordeste,  a  cana  era  exportada  em  açúcar  para a Europa e o tabaco era exportado para  a  África  para  ser  trocado  por  escravos.  (e)  A  região  Sul  participa  do  empreendimento  6

Prof. Marco Aurélio Gondim www.mgondim.blogspot.com

colonial  como  fornecedora  de  carne  para  as  regiões mineradoras no século XVIII. 

Questão 11: No Brasil, a economia colonial sustentou-se com a predominância da mão-deobra escrava e a exportação de produtos para a Europa, conforme os princípios mercantilistas da época. Nesse contexto, a presença dos escravos: Marque a alternativa incorreta: A - influenciou na construção de hábitos culturais que perduraram até hoje na sociedade brasileira. B - foi economicamente importante não tendo, contudo, provocado repercussões16 significativas para a formação da religiosidade popular. C - contribuiu para a consolidação de preconceitos sociais e de discriminações políticas. D - trouxe a possibilidade de trocas culturais significativas para a constituição da sociedade brasileira. E - criou hierarquias sociais com repercussões nas relações de poder. Comentário:  A  participação  da  mão‐de‐obra  escrava  negra  foi  importante  do  ponto  de  vista  econômico  porque  viabilizou  o  empreendimento  açucareiro  em  terras  distantes  de  Portugal.  Além  disso,  não  se  pode  negar  a  importância  da  cultura  e  das  religiões  das  diversas  etnias  africanas  para  a  formação  da  cultura  brasileira.  O  sincretismo  é uma das principais contribuições dos negros  à cultura brasileira. De acordo com o Aurélio,  sincretismo é uma  “tendência à unificação de  idéias  ou  de  doutrinas  diversificadas  e,  por  vezes, até mesmo inconciliáveis” 

Questão 12: Foram características dominantes da colonização portuguesa na América: A - exportação de matéria-prima, minifúndio e escravidão. B - grandes unidades produtivas de exportação, monopólio do comércio e escravidão. C - latifúndio, produção monocultora e trabalho assalariado do indígena. D - pacto colonial, exploração de minerais e trabalho livre. E - pequenas unidades de produção diversificada, comércio livre e trabalho compulsório. Comentário:  O  sistema  colonial  brasileiro  (1500‐1822)  foi  caracterizado  pelo  exclusivo  comercial  (pacto  colonial)  e  pelo  trinômio  da  Grande  Lavoura  (Pe.  Antonil)  que  são  o  latifúndio, o escravismo e a monocultura para  exportação. 

16

Consequências

7

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->