Você está na página 1de 5

Mestranda Nome: Rita Celso Adriano

AUTORES ORIGINAIS

Carol L. Vinton, Carly E. Starke, Alexandra M. Ortiz, Stephen H. Lai, Jacob K. Flynn, Ornella
Sortino, Kenneth Knox, Irini Sereti, Jason M. Brenchley’

TEMA: Biomarcadores de estresse celular não Associados ao sCD14 em infecções

progressivas por HIV e SIV nos seres vivos.

RESUMO

A barreira estrutural e / ou imunológica do trato gastrointestinal (GI) quando sofre danos faz com
que ocorra a translocação microbiana, desta forma contribuindo para inflamacao, podendo até a
translocação se tornar cronica, trazendo consequências mais severas.

Durante a infecção aguda pelo HIV e a infecção por SIV de macacos asiaticos podem criar
danos ao GI, levando a à translocação de produtos microbianos do lúmen do trato GI para a
circulação, com isso levando a reducao das celulas T CD4 + residentes no trato GI, diminuição
da produção de citocinas efetoras de IL-17 e IL-22 por linfócitos GI residentes, alteração na
paisagem das células apresentadoras de antígenos, perda de integridade epitelial.
A contribuição do HIV / SIV para a inflamação pode seravaliados, em grande medida, tratando
pessoas vivendo com HIV (PLWH) e NHPs infectados por SIV com terapia anti-retroviral
(TARV).
A medição do grau de translocação microbiana que ocorre no ser vivo tem sido difícil. O DNA
bacteriano pode ser detectado por PCR quantitativo usando iniciadores que detectam sequências
conservadas no DNA que codifica o RNA ribossômico bacteriano e níveis elevados de DNA
bacteriano foram observado em PVHS, uma vez que a sensibilidde deste ensaio ee muito baixa
pode degradar o DNA extracelular

para determinar os níveis de translocação microbiana podemos utilizar imuno-histoquímica


coloração para produtos microbianos em seções de tecido embebidas em parafina, Isso requer
tecidos obtidos na necropsia ou após procedimentos invasivos de biópsia, maspermite uma
determinação inequívoca de onde os produtos microbianos residem, se eles se localizam com
mediadores pró-inflamatórios, como efetivamente, eles estão sendo eliminados pelos fagócitos e
podem ser usados para enumerar com precisão os produtos da translocação microbiana com
análise quantitativa de imagens.
No entanto, dada a quantidade de tecido necessária, essa abordagem não é facilmente adaptada a
grandes coortes ou a estudos longitudinais. Portanto, embora haja um interesse considerável em
entender as causas e conseqüências da translocação, os ensaios para determinação quantitativa
precisa permanecem indefinidos
após a realização do estudo foram produzidas mostras para a su precepção, onde consistiram em
amostras longitudinais de 34 PLWH amostradas antes da administração da TARV e um ou
quatro anos após 9 macaque pigtail, macacos (PTs) e 11 macacos rhesus (RMs) seguiram
infecção longitudinalmente pré-SIV e durante infecção aguda (dia 28 ou 29 após infecção por
SIV) e infecção crônica (dia 197 ou mais tardeinfecção pós-SIV). Todos os NHPs deste estudo
foram experimentalmente infectado com o SIVmac239.

para a realização do estudo em humanos foi necessario que fosse concentido por escrito por
todos os visados antes do estudo sob o protocolo aprovado pelo conselho de revisão institucional:
Síndrome de reconstituição imunológica em pacientes infectados pelo HIV pacientes em uso de
terapia antirretroviral (IRIS, NCT00286767) para NIAID e número do protocolo 1011003018,
repovoamento de células T CD4 pulmonar na síndrome de reconstituição imune na Universidade
de Indiana.

Mediu-se os níveis plasmáticos de HMGB1, sCD14, RAGE, IFABP e zonulina por meio de

enzimas ensaio imunossorvente (ELISA) em amostras de primatas humanos e não humanos

Analyte Species C ompany Catalog Plasma Dilution

HMGB1 Human, RM, Antibodies #abx151824 1:20


PT Online

sCD14 Human, RM, R&D Systems #DC140 1:300


PT

RAGE Human R&D Systems #DRG00 undiluted

RAGE RM, PT My Biosource #MBS746886 undiluted

IFABP Human Hycult #HK406-02 1:4

IFABP RM, PT My Biosource #MBS740424 undiluted

Zonulin Human, RM, Alpco #30-ZONSHU- 1:20


PT E01

Os níveis de RNA viral do SIV no plasma foram determinados por RT-PCR em tempo real
(ABIPrism Sequência 7900 sistema de detecção; Applied Biosystems) usando pares de
iniciadores correspondentes ao gene gag SIVmac239 seqüências (frente, nucleotídeos 1181-1208
e reverso, 1338-1317). Os níveis de RNA viral do HIV em O plasma foi determinado por um
ensaio RTPCR COBAS 1.5 HIV (Roche, com um limite inferior de detecção de 50 cópias de
HIV / mL) ou um RealTime HIV Assay (Abbott, com um limite inferior de detecção de 40
cópias de HIV / mL).

Todas as análises estatísticas foram realizadas usando o Prism v8.0 (GraphPad Software). O
Wilcoxon t O teste (pares pareados, bidirecional, não paramétrico) foi utilizado para todas as
análises entre amostras longitudinais. Todas as análises correlacionais foram realizadas pelo teste
de Spearman rank. Dadas correlações foram medidas em três espécies diferentes de primatas,
comparações múltiplas correções não foram consideradas.

Analisou-se amostras do pré-tratamento de PLWH e após NHPs de ART (n = 34) e de macacos


asiáticos antes e durante a infecção por SIV (total de n = 20, 9 macacos pigtailed, PTs e 11
macacos rhesus, RMs) (Tabelas Suplementares 1-3). A PVHS teve uma contagem média de CD4
+ de 75 células / ml (intervalo de 0 a 444 células / ml) antes da TARV e exibiram um aumento
significativo após a TARV (P <0,0001, contagem média = 385 células / ml, intervalo de 149 a
759 células / ml). A coorte de PVHS apresentou média carga viral plasmática de 127.698 cópias
(c) / mL (variando de <50 (2 pacientes) a 609.435 c / mL), com todos os participantes do estudo
com cargas virais abaixo ou perto do limite de detecção após TARV de pelo menos 1 ano.
Consistente com vários estudos anteriores, observamos um aumento acentuado nos níveis
plasmáticos de sCD14 nos NHPs infectados com SIV, desde pré-SIV a SIV crônico e de infecção
aguda a crônica por SIV pontos no tempo (P = 0,04 e P <0,0001) e reduções significativas nos
níveis plasmáticos de sCD14 no plasma de PVHS após tratamento anti retroviral.

A translocação microbiana é um fenômeno bem descrito nas PVHS infectadas cronicamente e


Macacos asiáticos infectados por SIV.
Mesmo depois de décadas de TARV - especialmente se a TARV foi iniciada quando a contagem
de células T CD4 + nadir no sangue periférico era baixa - os danos que ocorreram para o trato
gastrointestinal não é completamente revertido,Inflamação residual que ocorre em esses
indivíduos tratados levam ao aumento da mortalidade por diferentes neoplasias e doenças
cardiovasculares e podem ser atribuídos, pelo menos parcialmente, a translocação microbiana em
andamento.

Aqui procuramos determinar como os níveis de determinados biomarcadores plasmáticos

associados à translocação e inflamação microbiana mudam ao longo da infecção por SIV dos

NHPs e após administração de TARV em indivíduos infectados pelo HIV-1. Também

procuramos determinar se HMGB1 e RAGE podem contribuir para os níveis plasmáticos

elevados de sCD14 observados em infecções progressivas por HIV / SIV. Nossos dados sugerem

que HMGB1 e RAGE não estão associados a níveis elevados de sCD14 observados em NHPs

infectados por PLWH e SIV, uma vez que nem HMGB1 nem Os níveis de RAGE mudaram de

maneira confiável ao longo do tempo, à medida que os NHPs foram infectados com SIV ou com

ARTs iniciados por PLWH. Assim, é improvável que sCD14 elevado seja atribuído à morte

celular nesses casos. Nós também não encontraram evidências de que marcadores de dano

epitelial intestinal se correlacionam com sCD14, sugerindo que esses marcadores epiteliais não

são biomarcadores suficientes de translocação microbiana e a renovação epitelial após a

administração da TARV poderia contribuir para níveis elevados de IFABP.


Os ensaios para detectar produtos bacterianos no plasma não têm sensibilidade e
reprodutibilidade e os ensaios medir produtos bacterianos no tecido requer procedimentos
invasivos. Enquanto nosso estudo incluiu uma pequena coorte de NHPs e PVHS, e se
beneficiariam da inclusão de biópsias de tecidos, acreditamos que nosso estudo demonstra que a
medição de sCD14 no plasma em conjunto com proteínas que são liberadas em circulação
quando as células epiteliais do trato GI são danificadas (IFABP e zonulina) são atualmente os
melhores substitutos disponíveis da translocação microbiana sistêmica. Nós Acreditamos
também que a medição tecidual de produtos microbianos continua sendo a medida mais robusta
de translocação microbiana. À medida que as abordagens de sequenciamento da próxima geração
se tornam mais disponíveis e acessível, a capacidade de detectar ácidos nucléicos
correspondentes a micróbios em circulação pode aliviar esses problemas