Você está na página 1de 187

COBERTURA ESPIRITUAL DA FAMÍLIA: PROTEJA SUA CASA DOS

ATAQUES DO MAL
© 2016 de Carlito Paes
Publicado anteriormente sob o título de Cobertura Espiritual: Como proteger
sua casa do Inimigo

1ª Edição: setembro de 2011


2ª Edição: junho de 2016

Todos os direitos reservados por:


EDITORA INSPIRE
Rua Euclides Miragaia, 548 – Centro
São José dos Campos – SP
CEP: 12245-820
Tel.: (12) 4009.4300
www.editorainspire.com.br
@editorainspire

Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei n° 9.610, de 19/02/1998.


Nenhuma parte desta publicação poderá ser utilizada ou reproduzida – em
qualquer meio ou forma, seja mecânico, fotocópia, gravação etc. – nem
apropriada ou estocada em banco de dados sem a expressa autorização do
autor.

Todas as citações bíblicas foram extraídas da Nova Versão Internacional


(NVI), salvo indicação em contrário.

Editora: Mariana C. Madaleno


Coordenação editorial: Heliete Oliveira
Preparação de texto: Mariana C. Madaleno
Revisão de texto: Lucas Pereira, Pedro Pinto e Ana Carolina A. Paes
Capa: Agência 3.16
Projeto gráfico: Jamille Almeida
Impressão: Copiart

Paes, Carlito.
P126c
Cobertura espiritual da família [recurso eletrônico] : proteja
sua casa dos ataques do mal / Carlito Paes. – 2. ed. – São
José dos Campos, SP: Inspire, 2020.

Formato: ePUB
Requisitos de sistema: Adobe Digital Editions
Modo de acesso: World Wide Web
ISBN 978-65-86516-04-3

1. Bíblia. 2. Família – Vida religiosa. 3. Filosofia cristã. I.


Título.
CDD 230.1
Da minha família
____________________________________
____
Para a querida família
____________________________________
____
Com a cobertura espiritual da fé em Cristo
encontramos
o segredo da vitória diante do mundo
maligno!
DEDICATÓRIA

Dedico esta obra às novas famílias convertidas à fé cristã e que


iniciaram um novo projeto de vida familiar sob a proteção espiritual
de Jesus Cristo, reescrevendo as histórias de suas vidas e a de
seus descendentes.
AGRADECIMENTOS

À minha casa, esposa e filhos que, junto comigo, desfrutam de um


lar que vive diariamente sob a cobertura espiritual do grande e Todo-
Poderoso Deus, El Shaddai é Seu nome!
Aos amigos e colegas de ministério que pregaram em nossa
comunidade mensagens da série que serviu de base para este livro.
À minha editora Mariana C. Madaleno, que, com dedicação e zelo,
preparou este texto com muita graça e beleza e a toda equipe da
Editora Inspire, Heliete Oliveira e Jamille Almeida, que me ajudaram
a viabilizar este novo e abençoado projeto editorial.
“Quem nasce de Deus está acima da
influência do
mundo. O poder que põe o mundo de joelhos
é a nossa
fé. A pessoa que se põe acima da influência
do mundo
acredita que Jesus é o Filho de Deus.”
1 João 5.4-5 (AM)

“É preciso ter sabedoria para construir uma


casa
e entendimento para edificá-la sobre
fundamento sólido.”
Provérbios 24.3 (AM)

“Meu povo foi destruído por falta de


conhecimento (...)
Conheçamos o Senhor; esforcemo-nos em
conhecê-lo.”
Oseias 4.6 e 6.3a
“O deus desta era cegou o entendimento dos
descrentes, para que não vejam a luz do
evangelho
da glória de Cristo, que é a imagem de
Deus.”
2 Coríntios 4.4
SUMÁRIO

Capa
Folha de rosto
Ficha catalográfica
Dedicatória
Agradecimentos
Prefácio
Introdução
1. Casa de luz ou de trevas?
2. A ação das trevas espirituais
3. A Batalha no lar.
4. Desenvolva o discernimento espiritual
5. Elimine pontos de apoio da ação maligna
6. Protegendo seus filhos das trevas espirituais
7. Chaves para a proteção espiritual do seu lar
Palavras finais
Referências bibliográficas
Colofão
Notas
PREFÁCIO

A Bíblia é bastante clara ao alertar-nos que Satanás, o arqui-inimigo


da humanidade, maquina noite e dia contra nós e nossas famílias.
Revela que ele nos rodeia e ruge como um leão, procurando a quem
possa envolver e devorar. Lutamos contra um reino espiritual
altamente organizado.
Se, no início da história da igreja, a sua principal estratégia era a
morte de milhares de crentes, hoje o que o diabo mais quer é
amedrontar a igreja, ferir e desmoralizar os cristãos, induzindo-os,
através da mentira e do engano, a uma vida derrotada e infeliz.
Cristãos que não experimentam a esperada vida abundante no seu
dia a dia e que saem por aí desfilando uma vidinha triste e
derrotada, são a principal antipropaganda do diabo contra o plano
salvador de Deus.
Por isso mesmo, Cobertura Espiritual da Família é um livro muito
especial para mim e creio que será para tantos que precisam de
discernimento espiritual e que desejam ter uma vida plena. Engajar-
se na batalha espiritual não é uma opção, mas uma exigência a
todos os cristãos. É uma questão de vida ou morte. É dever de cada
cristão conscientizar-se do perigo, entender as estratégias do
Inimigo e aprender a arte de combatê-lo. Este livro revela o que o
Inimigo pode e não pode fazer contra nós, explica as verdades
fundamentais que devem tornar-se nossas atitudes diárias e ainda
revela as chaves espirituais para a nossa proteção e, em especial,
para a segurança espiritual dos nossos lares e da vida de nossos
filhos.
Dou graças a Deus pela inspiração que o Senhor concedeu ao
Pastor Carlito Paes na produção deste trabalho. Trata-se de um
pastor e amigo que aprecio muito e que escreve com a autoridade
de quem há anos batalha pelo crescimento e amadurecimento de
seu próprio rebanho, ao mesmo tempo em que ama e doa-se a toda
igreja brasileira. Carlito Paes apresenta as várias facetas da guerra
espiritual, expondo Satanás e suas estratégias para atingir o ser
humano, a ação das trevas em nosso meio e, em especial, os
ataques malignos à família. Ele encoraja e ensina como nós
podemos experimentar a vitória contra as forças espirituais da
maldade através da autoridade das Escrituras Sagradas e da
libertação que Jesus Cristo oferece. Cremos que este ensino bíblico
é equilibrado, sem exageros, corajoso e repleto de sugestões
práticas. Trará aos seus leitores o despertamento espiritual, a
sabedoria e o discernimento necessários para a vitória na intensa
batalha espiritual dos nossos dias.
Este livro chega em hora muito oportuna. A expectativa geral é que
as manifestações e os ataques de poder demoníaco aumentarão
ainda mais em nosso país. Mas, com certeza, aumentará também o
conhecimento do Inimigo, das estratégias de como derrotá-lo e do
caminho até o trono da graça que nos capacitará a vencer o Inimigo
e desfazer suas artimanhas.
Recomendo, de coração, a leitura deste livro, convencido de que
todos os leitores, ao escolherem praticar os princípios ensinados,
serão grandemente abençoados e coroados de vitória pessoal e
familiar.

Boa leitura e um grande abraço!

Paulo Mazoni
Pastor Sênior da Igreja Batista Central de Belo Horizonte (MG)
INTRODUÇÃO
S
ob a inspiração de Deus, Paulo escreveu aos cristãos de
Éfeso que iríamos enfrentar tempos difíceis e que, diante
disso, nossa melhor resposta deve ser uma vida de
sabedoria. “Tenham cuidado com a maneira como vocês vivem; que
não seja como insensatos, mas como sábios, aproveitando ao
máximo cada oportunidade, porque os dias são maus” (Efésios
5.15-16). Creio ser esta uma referência aos últimos dias. A grande
necessidade atual é de que, para viver em tempos como estes e
estarmos protegidos espiritualmente, precisamos mais do que,
simplesmente, ir à igreja. Precisamos de conhecimento, sabedoria e
discernimento, pois vivemos dias de intensa batalha espiritual.
Se você recebeu o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, então
também declarou rebelião contra Satanás. Talvez você não perceba
ou não saiba que a Bíblia ensina que ele é o príncipe da potestade
do ar: “Quando seguiam a presente ordem deste mundo e o príncipe
do poder do ar, o espírito que agora está atuando nos que vivem na
desobediência” (Efésios 2.2). Ele é citado como o deus deste
século: “O deus desta era cegou o entendimento dos descrentes,
para que não vejam a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a
imagem de Deus” (2 Coríntios 4.4). Antes de você ser salvo,
Satanás trabalhava em sua vida, pois, antes de Cristo, todos
éramos filhos da desobediência.
Uma vez salvo, porém, você se tornou um soldado importante na
maior guerra a ser combatida: a guerra espiritual que se estabelece
entre o poder de Deus, o poder da luz, e as forças de Satanás, o
poder das trevas. Como descobriremos nas próximas páginas, a
Bíblia claramente ensina todas essas verdades. Além disso, aponta
que cada cristão tem que aprender como guerrear e vencer essa
batalha, inclusive, livrando o seu lar da interferência maligna.
A Bíblia é nosso manual de combate, no qual encontramos as
instruções vitais de que precisamos para combater Satanás e seus
dois grandes aliados, o sistema mundano e a natureza pecaminosa.
A ignorância espiritual será uma forte arma usada contra as famílias.
Portanto, para guerrear e vencer, é necessário conhecer as
estratégias que Satanás poderá usar, de forma que você esteja
sempre alerta, como bom soldado de Cristo.
Hoje, muitos crentes estão perdendo a batalha na guerra espiritual
porque não têm um conhecimento adequado da Palavra de Deus.
Isso tem levado alguns às práticas ocultas e enganosas, habilmente
disfarçadas como técnicas neutras ou mesmo de autoajuda. Outros
não refletem em suas atitudes o compromisso com a Bíblia e não
conseguem entender porque princípios bíblicos não funcionam para
eles. A derrota é comum porque suas vidas não estão
fundamentadas em princípios verdadeiramente bíblicos, mas sim no
alicerce movediço da experiência humana.
À medida que observamos boa parte da literatura contemporânea
voltada para cristãos, encontramos argumentações que parecem
boas a respeito do assunto guerra espiritual, mas que, na verdade,
não têm base bíblica sólida. Como descobrir nosso caminho nesse
labirinto de ideias e encontrar verdades eternas sobre as quais
poderemos construir nossas vidas?
Em minha experiência de vida cristã e ministério pastoral, estudos
da Palavra e de materiais sobre o assunto, cheguei a algumas
conclusões e experiências que desejo compartilhar com você por
meio desta obra. Creio que Deus usará este livro para esclarecer
verdades bíblicas que protegem sua vida e sua casa das terríveis e
sutis estratégias que Satanás tem usado para destruir famílias. Você
entenderá o que é uma casa cheia de luz ou cheia de trevas e
perceberá de forma clara como acontece a ação maligna nesses
meios. Também fortalecerá sua consciência sobre os ataques
malignos à família, aprenderá como ela ficará protegida por meio do
discernimento espiritual, saberá eliminar os pontos de apoio da ação
maligna na sua vida e na sua casa e poderá proteger seus filhos das
trevas espirituais. Por fim, poderá se apropriar das chaves
espirituais para a proteção espiritual do seu lar.
Creio que a Bíblia é nossa autoridade suprema e que só Deus tem
conhecimento e entendimento suficientes, tanto dos nossos inimigos
quanto da nossa natureza humana. Só Ele poderá nos informar
corretamente acerca do conflito espiritual e o que fazer a respeito
dele. O cristão deve sempre ser como os homens e mulheres de
Bereia, que receberam o mais alto elogio do apóstolo Paulo, pois
não apenas receberam sua palavra, mas examinaram as Escrituras
diariamente a fim de verificar seu ensino: “Os bereanos eram mais
nobres do que os tessalonicenses, pois receberam a mensagem
com grande interesse, examinando todos os dias as Escrituras, para
ver se tudo era assim mesmo” (Atos 17.11).
Muitos erros infiltrados nas igrejas, alguns muito populares, são
baseados na má compreensão e na pobre interpretação das
Escrituras. Por vezes, isso resulta da falta de consideração ou do
mau uso das línguas utilizadas nos originais da Bíblia. Portanto, é
importante que, ocasionalmente, consultemos os originais grego e
hebraico das Escrituras para interpretar mais corretamente a
Palavra de Deus e aplicá-la ao contexto contemporâneo.
Antes de termos qualquer esperança de vitória sobre o pecado e
sobre o Maligno, temos que entender primeiramente o papel da
Palavra de Deus e ficarmos muito atentos à realidade do mundo
espiritual ao nosso redor. Muito do que é ensinado hoje contém
testemunhos de experiências individuais ou de terceiros que podem
ou não conter ensinamentos saudáveis. Temos que descobrir como
considerar esses testemunhos e determinar continuamente uma
maneira verdadeira e bíblica de encarar a batalha espiritual. A
negligência em fazer isso é uma razão pela qual tantos cristãos são
impotentes na batalha: ou perderam o firme fundamento da Palavra
de Deus, ou enfraqueceram-no drasticamente, por confiar em
interpretações de experiências que são contrárias ao que a Bíblia
claramente ensina.
Deixemos a religiosidade, que não nos fortalece na fé bíblica, e
prossigamos com bom senso e equilíbrio, rompendo com o
tradicionalismo que ignora em muitos casos a realidade do mundo
espiritual e, ao mesmo tempo, refutando as atitudes exageradas de
algumas correntes evangélicas. Vamos nos firmar na Palavra; ela é
a rocha e a luz que nos conduz ao caminho certo!
Cresçamos em conhecer o Senhor e Sua Palavra e assim
resistiremos firmes contra todos os intentos do Inimigo contra nós.
Vivendo em santidade com Jesus, já vencemos!
1
CASA DE LUZ
OU DE TREVAS?

“Ele trará à luz o que está oculto nas trevas


e manifestará as intenções dos corações.
Nessa ocasião,
cada um receberá de Deus a sua aprovação.”
1 Coríntios 4.5b
O conceito de luz e trevas é muito compreensível para nós. É parte
de nossa percepção como humanos lidarmos com essa realidade do
mundo natural. No entanto, existe uma esfera espiritual em que
estamos inseridos e nela também existe uma clara distinção entre a
luz e as trevas, com consequências diretas em nossas vidas.
Ninguém gosta de uma casa que vive na escuridão. Procuramos
sempre luminosidade e claridade nos ambientes, de forma que
estejamos em um lugar agradável e apropriado para estarmos com
nossa família, realizando bem as atividades de nosso cotidiano.
Uma casa cheia de escuridão lembra-nos incômodo, sujeira e frieza:
um lugar em que não desejamos permanecer.
Da mesma forma, você deve buscar uma casa cheia de luz
espiritual. Uma casa agradável, um ambiente apropriado para que
seus filhos, seu cônjuge, seus pertences e todos os aspectos da sua
vida familiar estejam bem, prosperem e caminhem para uma vida
abençoada.
Você e sua família foram criados com esse propósito. Foram feitos
para glorificar, honrar e agradar a Deus. De fato, Seu Reino é um
Reino de luz. Como dizem as Escrituras: “Deus é luz; nele não há
treva alguma” (1 João 1.5b).
Deus é a fonte de luz em sua casa. A presença da luz divina em
seu lar é capaz de invadir cada área de sua vida, desenvolvendo
intimidade com Ele e fazendo com que você e a sua casa reflitam a
realidade de Sua presença de forma visível ao mundo. Isso
acontecerá em tudo o que são, têm e fazem. Toda casa precisa
dessa luz espiritual!
No entanto, existem também as trevas espirituais. Elas estão em
todo lugar. Ainda que invisíveis a olho nu, sua existência não deixa
de ser uma realidade.

Deus é a fonte de luz em sua casa.

O que são, exatamente, as trevas espirituais? Podemos defini-las


como os aspectos do reino de Satanás e seus demônios: seu
domínio, governo e atuação. O reino das trevas espirituais
manifesta-se nos mais distintos segmentos da sociedade e do
mundo.
Essa é uma realidade tão profunda quanto a luz e a escuridão do
mundo natural. A despeito de tão importante fato, a verdade é que
muitas pessoas preferem negligenciar essa verdade. Escolhem
estar no mundo do aqui e agora, do hedonismo e do prazer a
qualquer custo, no reino da autossatisfação e da gratificação
instantânea. Muitas pessoas vivem tanto tempo concentrando seus
esforços no mundo temporal, ou seja, naquilo que diz respeito
somente ao mundo físico, que se esquecem de prestar um pouco
mais de atenção na realidade do mundo espiritual.
O apóstolo Paulo trata justamente dessa questão ao escrever de
modo claro e enfático: “Não atentando nós nas coisas que se veem,
mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e
as que se não veem são eternas” (2 Coríntios 4.18 – ARA).
Sua casa está cheia de luz ou de trevas? Você acredita e
considera o mundo das trevas espirituais? O mundo de trevas existe
e tem trazido consequências às famílias, ainda que não
contemplado fisicamente. Por outro lado, temos um Deus de luz que
deseja que você viva com Ele nessa condição. A escuridão
espiritual muitas vezes dificulta que a realidade da vida abundante e
intensa de Deus concretize-se na vida das pessoas.
A Bíblia diz que o Diabo veio para roubar, matar e destruir [ 1 ].

Veio, enfim, trazer uma vida de miséria para todas as pessoas que
habitam neste mundo. Certamente, você e membros da sua família
já presenciaram, ou estão presenciando, fatos e situações
incontestáveis que comprovam a ação das trevas no seu dia a dia.
Não será exatamente esta a razão pela qual tantas famílias,
incluindo as cristãs, vivem sofrendo em consequência da angústia,
da opressão, da desesperança, da frustração, do desânimo, do
medo, da violência doméstica, do divórcio, do abuso e da tirania de
pensamentos e comportamentos incontroláveis? Você consegue
identificar a influência desse reino obscuro nessas situações?

Cristo quer que as famílias vivam uma vida


de completa abundância, liberdade e
proteção espiritual.
Dentro desta realidade, precisamos enfatizar que existe uma
grande diferença entre a pessoa que conhece Jesus em um
relacionamento pessoal com Ele e aquela que não O conhece dessa
forma. Aqueles que vivem e constroem uma história de intimidade
diária com Deus enquadram-se dentro desta linda referência bíblica:
“Filhinhos, vocês são de Deus e os venceram, porque aquele que
está em vocês é maior do que aquele que está no mundo” (1 João
4.4).
Essa afirmação mostra-nos que todos estão sujeitos à ação do
reino das trevas, mas aquele que decide escolher Deus tem uma
armadura que o protege. Assim, a ação maligna pode ser vencida e
eliminada de sua vida. Se a pessoa “é de Deus”, como mencionado
no versículo acima, tudo será diferente. Pertencer a Deus dá a
prerrogativa da vitória antecipada, a garantia do triunfo contra a
ação das trevas. Contudo, aqueles que não conhecem Jesus Cristo
intimamente, como talvez alguns de seus familiares, parentes,
amigos e vizinhos, estão em grande desvantagem. Quais são as
armas que eles têm? Pessoas nessa condição estão integralmente
vulneráveis às forças negativas e destrutivas da ação maligna.
Entretanto, existem boas-novas! Cristo quer que as famílias vivam
uma vida de completa abundância, liberdade e proteção espiritual.
Almeja a saúde genuína e a felicidade do seu lar. Você vive em um
mundo que está sob a ação do Maligno, mas não é necessário viver
sob essa ação. Você pode pertencer a Deus.
Em contrapartida, o Inimigo deseja escravizar as pessoas,
especialmente as famílias, e mantê-las submersas em absolutas
trevas espirituais, distanciadas de Deus. Seu objetivo é a própria
destruição dos lares e da união conjugal, a completa
desestruturação familiar. O pastor C. Peter Wagner escreve em seu
livro “Oração de Guerra” [ 2 ]:

“O objetivo básico de Satanás é impedir que Deus seja


glorificado ao impedir que os perdidos sejam salvos. (...) O
objetivo secundário de Satanás é fazer com que os seres
humanos e a sociedade sejam tão miseráveis quanto possível
nesta vida.”

Essa é uma grande verdade. Na realidade, o nome Satanás


significa “acusador”, “adversário”, ou “aquele que separa”.
Obviamente, Satanás não pode fazer isso sozinho, já que não tem
todo o poder nem todo o saber, tampouco está em todos os lugares
ao mesmo tempo. Por essa razão, ele delega poderes a espíritos
subordinados ao seu domínio, conhecidos como demônios. Esses
são, na realidade, anjos caídos, seguidores de Lúcifer [ 3 ].
Precisamos tomar conhecimento acerca das iniciativas constantes
e incansáveis do Inimigo sobre nossa casa. Ao escrever sua carta
direcionada aos Colossenses, o apóstolo Paulo mostra-nos, logo no
primeiro capítulo, o ponto de partida para a nossa conscientização
diária acerca da existência das trevas espirituais:
“E isso para que vocês vivam de maneira digna do Senhor e
em tudo possam agradá-lo, frutificando em toda boa obra,
crescendo no conhecimento de Deus e sendo fortalecidos com
todo o poder, de acordo com a força da Sua glória, para que
tenham toda a perseverança e paciência com alegria, dando
graças ao Pai, que nos tornou dignos de participar da herança
dos santos no reino da luz. Pois Ele nos resgatou do domínio
das trevas e nos transportou para o Reino do seu Filho amado,
em quem temos a redenção, a saber, o perdão dos pecados.”
Colossenses 1.10-14

De acordo com o apóstolo Paulo, vivendo na presença de Jesus,


você é fortalecido com todo o poder do Espírito Santo. Você foi
liberto do império das trevas e conduzido para um novo reinado, o
Reino de Jesus, que é um governo de paz, de amor e de alegria.
Você e sua família possuem, portanto, uma herança, que é
peculiar àqueles que foram transportados para o Reino da luz, onde
tudo é transparente, real, genuíno e verdadeiro. Essa herança é
sua, dos seus filhos, dos seus pais e dos seus irmãos, enfim, de
toda a sua família e de todos os que aceitam e vivem o plano
redentor do Pai.
Evidentemente, se você é fortalecido para viver dignamente para o
Senhor, retirado do domínio das trevas espirituais para o Reino de
Deus, é porque também existe o outro lado. Não podemos negar
sua existência, natureza e atividade.
Você foi liberto do império das trevas e
conduzido para um novo reinado, o Reino
de Jesus, que é um governo de paz, de
amor e de alegria.

O Inimigo quer lutar contra você e sua família porque sabe de


onde você já foi transportado, bem como onde você habita agora.
Seu alvo é arruinar tudo o que foi conquistado em sua vida e, em
última instância, contrapor-se, prejudicando o Reino dos céus.
Nos capítulos a seguir, estudaremos com mais detalhes como
estas oposições malignas acontecem em nossas vidas e de que
forma podemos proteger nossos lares destes ataques. Acima de
tudo, precisamos saber quem somos e a qual reino pertencemos.
Só assim teremos plena consciência dos ataques do Inimigo e uma
posição de vencedores sobre estas investidas. Esta é a vontade de
Deus para nós.
2
A AÇÃO DAS
TREVAS ESPIRITUAIS

“Porque outrora vocês eram trevas, mas


agora
são luz no Senhor. Vivam como filhos da luz.”
Efésios 5.8
A Bíblia Sagrada declara: “Sabemos que somos de Deus e que o
mundo todo está sob o poder do Maligno” (1 João 5.19). Esse é um
versículo esclarecedor, pois mostra-nos que o mundo – o nosso
meio e os lugares físicos em que habitamos – está constantemente
sob a influência do Maligno. “Mundo”, nesta passagem, também
refere-se às pessoas que vivem no mundo, ou seja, a sociedade
como um todo. De um ponto de vista bem prático, podemos dizer
que toda pessoa, de uma maneira ou de outra, sofre ataques e
influência maligna e opressiva do Inimigo. Esses ataques
acontecem individualmente e também revelam-se na coletividade.
Como consequência, a cultura em geral está permeada da ação
maligna em diferentes formas e níveis.
A cultura contemporânea está estabelecida sobre pilares que
representam verdadeiros modeladores da mentalidade atual. Estes
pilares constituem grandes áreas responsáveis pela formação de
opinião em todo o mundo e são conhecidos como “As sete
montanhas”. São eles:

1. Artes & entretenimento


2. Mídia & comunicação
3. Governo & política
4. Economia & negócios
5. Educação & ciência
6. Família & relacionamentos
7. Igreja & religião
A cultura de uma sociedade pode ser muito bem definida e
entendida quando analisamos cada uma dessas esferas. As
instituições, as manifestações culturais e os meios de comunicação
estão todos dispostos dentro desses sete grandes aspectos de uma
sociedade.
O que a Bíblia nos diz é que o poder do Maligno encontra-se
presente em cada uma dessas “montanhas”. De fato, você pode
pensar em exemplos contundentes de como as trevas espirituais – a
ação do Inimigo no mundo – estão presentes em cada um deles,
seja pela corrupção, pela violência, pela exploração ou pela
destruição de valores morais.
Por essa mesma razão, como cristãos, devemos entender a
necessidade da Igreja de Cristo contextualizar-se à cultura
prevalecente de seu tempo, esforçando-se, segundo o Espírito
Santo, para estar presente em cada um desses aspectos da
sociedade. Lembre-se de que a Igreja de Cristo não será vencida,
pois é parte do Reino superior de Luz, o Reino de Jesus Cristo [ 4 ].
Como seguidor de Jesus, você pode exercer sua influência de luz
em meio às trevas: como profissional, cidadão, membro de uma
igreja e membro de sua família. Aja como um influenciador,
apontando sempre para a pessoa de Cristo, em meio à sociedade e
à cultura.
Ainda que essas sete áreas da sociedade, caracterizadas como
“montanhas”, sejam bem visíveis em seu aspecto físico e temporal,
elas são campo de uma batalha de ordem espiritual. As forças
espirituais malignas atuam fortemente no mundo, em cada uma
dessas áreas, mas com especial foco no que atinge a família e os
relacionamentos humanos.
A questão dos valores familiares é uma das áreas incontestáveis
da batalha espiritual que se trava em nosso mundo.
Indiscutivelmente, o Diabo trabalha de forma incansável para
difundir seus intentos perniciosos, com o objetivo de combater a
família e tudo o que nela representa a bondade de Deus com as
pessoas.
As evidências são vastas: sistemas de valores e princípios
corrompidos estão alastrados por todos os meios de comunicação e
entretenimento, seja em filmes, programas de TV, livros, na
educação e nas instituições humanas. Uma justiça cega e uma
política corrupta, tráfico e uso crescente de drogas, o tráfico e abuso
de crianças e adultos, o abandono de crianças e abortos resultantes
de gravidez indesejada, o alto nível de divórcio, a violência
doméstica e tantos outros exemplos. Todos esses sintomas
compõem uma lista quase interminável das formas como a
sociedade e a família têm sido atacadas e vêm sofrendo as
consequências do pecado e da ação maligna.

Aja como um influenciador, apontando


sempre para a pessoa de Cristo, em meio
à sociedade e à cultura.
Pense por um momento em algumas situações que acontecem no
mundo. Estudos apontam, por exemplo, que a cada sete segundos,
uma criança morre de fome no mundo. Mais de 27 milhões delas
vivem abaixo da linha da pobreza, somente no nosso país [ 5 ].

Segundo a ONU, 70% dos casos de tráfico de pessoas no mundo


envolvem mulheres adultas e meninas [ 6 ].
Também é possível observar a influência espiritual maligna agindo
mais diretamente em diversos aspectos da sociedade e cultura. Um
exemplo claro é o aumento da taxa de sacrifícios humanos em
diversos países. O sangue humano, em especial de crianças, é
oferecido a curandeiros como forma de sacrifícios a demônios.
Existem ainda influências que se proliferam de outras maneiras e
que são vistas tão somente como manifestações de ordem cultural.
É o caso do xamanismo, por exemplo, que entende que todas as
coisas são formas de energia, ou o animismo, que atribui alma a
todos os seres. Vemos que tais manifestações abrem espaço para a
ação clara de espíritos malignos dentro das famílias e da sociedade.
Algumas dessas ações são ainda mais descaradas e estão bem
próximas de nós. Em 2007, por exemplo, uma revista de grande
circulação divulgou o contrato assinado pela Prefeitura do Rio de
Janeiro com a entidade espírita Fundação Cacique Cobra Coral,
também atrelada a mais dois Estados, Santa Catarina e Rio Grande
do Sul. O objetivo do contrato, por mais estranho que pareça, seria
o de evitar catástrofes naturais por meio da incorporação de um
espírito vinculado ao cacique que dá nome à instituição [ 7 ].

Justamente os três estados em questão, que sofreram grandes


desastres naturais nos últimos anos! A principal líder da entidade,
filha de seu fundador, foi convidada em 2001 para fazer preces em
favor da desobstrução do Túnel Rebouças, no Rio de Janeiro, além
de outros convites para realizar despachos pelo clima em obras
públicas e eventos como réveillon e Carnaval, do qual participou do
camarim da prefeitura do Rio de Janeiro nessa ocasião. O contrato
com a entidade foi renovado em 2010.
Tudo se discerne espiritualmente. Portanto, ao ler as notícias nos
jornais e ao ver as diversas influências sobre a sociedade e a
cultura, lembre-se de que estamos em uma constante batalha
espiritual. Por isso, a Bíblia orienta-nos:

“Vistam toda a armadura de Deus, para poderem ficar firmes


contra as ciladas do Diabo, pois a nossa luta não é contra
seres humanos, mas contra os poderes e autoridades, contra
os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças
espirituais do mal nas regiões celestiais.” Efésios 6.11-12

A BATALHA DENTRO DE NOSSAS CASAS

O núcleo familiar é a célula mater, o elemento primordial de


qualquer sociedade. A ação maligna trava forte ataques em nosso
âmbito familiar, pois se a família é afetada, consequentemente todos
os demais segmentos da sociedade sofrerão os efeitos.
No entanto, milhares de famílias não possuem essa percepção.
Quando não há o entendimento desta arena que se forma em
nossas próprias casas, muitas vezes sobra apenas o ato de
remediar, quando se poderia prevenir. As trevas espirituais são uma
realidade e não uma ficção. É preciso que cada família dê um basta
nas obras malignas que tentam afligir seu lar, declarando que ela
pertence ao Senhor.
Algumas pessoas até identificam elementos em seu
comportamento pessoal e na dinâmica familiar que indicam uma
atmosfera espiritualmente “pesada”, incômoda e em combate.
Algumas famílias, de fato, experimentam situações dessa natureza,
geração após geração, mas nunca chegam a quebrar os ciclos de
negativismo, violência, pessimismo, miséria e destruição que
resultam da ação maligna.
Veja alguns exemplos práticos que podem indicar a presença de
forças espirituais malignas no âmbito familiar:

Doença crônica repentina, por vezes sem explicação ou


diagnóstico.
Pesadelos e sonhos ruins recorrentes.
Sons e visões aterrorizantes durante a noite.
Insônia ou sonolência incomum.
Problemas comportamentais e relacionais constantes.
Ansiedade e falta de paz duradouras.
Crianças perturbadas e sem nenhum diagnóstico claro.
Movimento de objetos físicos de forma não natural.
Presença de odores nauseantes, estonteantes e inexplicáveis.
Atmosfera ofegante, pesada, impossibilitando uma respiração
tranquila.
Náuseas e dores de cabeça contínuas e sem explicação.

Situações como essas não são estranhas à algumas famílias.


Como cristãos, é importante também ressaltar que o Inimigo tentará
levantar-se ainda mais fortemente contra a casa daqueles que são
do Senhor. Por isso, é importante que você estabeleça uma posição
firme.
A ação maligna também pode tomar lugar na forma de influência e
possessão de corpos humanos ou animais, ou ainda, de lugares
físicos. Por isso, a Palavra de Deus exorta-nos à necessidade de
estarmos preparados e conscientes para enfrentar situações dessa
natureza.
O Evangelho de Marcos, capítulo 5.1-15, relata a história de um
homem que fazia dos sepulcros a sua moradia. Aquele homem, que
habitava na região palestina de Gadara, sofria a possessão de uma
legião de demônios e, por isso, morava em total isolamento do
convívio social. O texto relata que, após o encontro do gadareno
com Jesus, o esquadrão de demônios que ocupava seu corpo pediu
a Ele que não os mandasse sair daquela região. Observa-se que
eram demônios ligados àquela área, espíritos territoriais. Imploraram
para que Jesus os mandasse entrar na manada de dois mil porcos
que estava nas proximidades, sendo este pedido consentido por
Jesus. A manada de porcos, então, se lançou ao mar e morreu
afogada.

Quando não há o entendimento desta


arena que se forma em nossas próprias
casas, muitas vezes sobra apenas o ato de
remediar, quando se poderia prevenir.

Como vemos neste texto bíblico, os espíritos malignos querem


possuir todo tipo de coisas, vindo a ocupar animais e territórios,
porém seu intuito final será sempre o coração das pessoas. Quando
uma pessoa não vive com Jesus, está sujeita ao poder de opressão,
influência e até mesmo de possessão demoníaca, caso dê lugar a
essa manifestação. Este é o objetivo do Inimigo: escravizar,
controlar e possuir para, então, destruir, anular e matar.
Por essa razão, a Bíblia Sagrada, tão sabiamente, exorta-nos a
não darmos lugar para o Inimigo, pois tudo o que ele quer é apenas
uma pequena fresta para introduzir-se. “Não deem lugar ao Diabo”,
lemos em Efésios 4.27. Não abra a porta do seu coração ou da sua
família para as forças espirituais malignas. Cuidado com certos
programas de TV, shows, vídeos, músicas, filmes, leituras, lugares e
relacionamentos que esboçam a aparência e a essência do mal.
Fique atento ao uso impróprio da internet ou dos canais de televisão
por assinatura. Atente para objetos consagrados a ídolos e a santos.
Se você tem filhos, saiba o que eles estão vendo, lendo, ouvindo,
assistindo e fazendo. Não dê brechas e oportunidades ao Inimigo no
seio de sua família.

ESTRATÉGIAS SUTIS

A razão pela qual muitas vezes é difícil identificar a ação das


trevas espirituais no nosso mundo é porque Satanás faz uso do
disfarce para agir. Cheio de sutileza e inteligência, ele busca revelar
características atraentes às pessoas. A Bíblia descreve essa
realidade quando diz: “Pois o próprio Satanás se disfarça de anjo de
luz” (2 Coríntios 11.14b).
Os autores Noel e Phyl Gibson colocam muito bem esse traço da
ação maligna quando afirmam: “Os demônios escondem sua
existência por meio do engano e da ilusão para que as pessoas se
concentrem no que elas veem ou em como se sentem, ignorando as
causas espirituais” [ 8 ].

O Inimigo não se apresenta como um “bicho de sete cabeças”, um


monstro de cauda comprida e chifres pontudos. Pelo contrário, é o
mestre da dissimulação e do engano, usando aquilo que chama a
atenção dos olhos, dos ouvidos e do coração humano.
Muitas vezes, conceitos e insinuações essencialmente malignos
colocam-se diante de nós de forma bela, atraente e, até mesmo,
politicamente correta. Ao assistirmos os crescentes e necessários
debates acerca da sustentabilidade, não é raro vermos citações e
apologias à chamada “Mãe Natureza” ou “Mãe Terra”, que sugerem
a existência de uma força mística indiferente ao Criador do mundo e
único Deus. Filmes como “Avatar” [ 9 ], por exemplo, que contêm
essa tônica, retratam uma sociedade em equilíbrio com o meio
ambiente, mas que também se relaciona com ele por meio de rituais
com claras influências xamanistas e ocultistas. Aliás, segundo o
próprio hinduísmo, a palavra “avatar” vem do sânscrito avatara que
significa “descida”’ e refere-se à manifestação corporal de um ser
imortal.
Os exemplos das sutilezas e ofertas atraentes lançadas por
Satanás são inúmeros. Estes exemplos não estão somente naquilo
que consumimos nos meios de comunicação, mas também em
nossas estruturas de pensamento. São influências que permeiam
nossos conceitos acerca de relacionamentos, casamento, dinheiro,
caráter e tantos outros. As propostas atraentes de Satanás infiltram-
se nas famílias de forma sutil e não encontram resistência em
muitos lares.
A Bíblia adverte-nos sobre como agir em meio a essas estratégias
malignas: “Eu os estou enviando como ovelhas entre lobos.
Portanto, sejam astutos como as serpentes e sem malícia como as
pombas” (Mateus 10.16). Entendemos que não podemos ser
negligentes e passivos em relação às estratégias sutis do Inimigo.
Pelo contrário, devemos estar atentos ao que está ocorrendo em
nossos lares e não nos rendermos às ilusões descaradas e
mascaradas de Satanás.

Muitas vezes, conceitos e insinuações


essencialmente malignos colocam-se
diante de nós de forma bela, atraente e,
até mesmo, politicamente correta.

O Inimigo procura espaços para manipular relacionamentos,


escravizar filhos às drogas, atrair cônjuges para o adultério ou
pornografia e para cegar o entendimento. Não se deixe encobrir
pelas trevas espirituais. Caminhe ao lado do Senhor, resista ao
Diabo e ele fugirá de você!
Lute, mas nunca sozinho. Desfrute a comunhão dos santos, dos
filhos da luz e da família de Jesus. Peça conselhos quando precisar.
Como dizem as Escrituras: “Quem sai à guerra precisa de
orientação, e com muitos conselheiros se obtém a vitória”
(Provérbios 24.6).
As trevas podem vir a agir em sua família, mas você é da luz.
Proteja a sua casa das trevas, brilhando com a luz de Cristo em
você. Você e eu somos família de Deus, integrantes de seu Reino.
Somos o povo santo e escolhido, sacerdócio real, chamado para ser
levantado e guerrear contra as forças das trevas espirituais. Somos
chamados para vencer e proteger a nossa casa desta atuação.
3
A BATALHA
NO LAR

“Disse Jesus: O ladrão vem apenas


para roubar, matar e destruir.”
João 10.10a
O
s ataques do Inimigo acontecem de forma constante na
sociedade e, em especial, dentro das famílias. Então,
como podemos identificar exatamente se esta atuação
está acontecendo de forma pontual em nosso próprio lar?
O primeiro passo é ter a consciência de que as trevas espirituais
existem e que podem estar agindo em nossa casa. É preciso
desenvolver e manter uma percepção espiritual acerca das
influências espirituais que nos cercam. Uma postura de vigilância é
necessária em nossos lares.
Este entendimento pode ser desenvolvido em nossas vidas
mediante algumas posturas e hábitos que nos auxiliam e orientam.
Você precisa conhecer a Palavra de Deus, buscar e cultivar a
maturidade espiritual, reconhecer a presença de seres espirituais
malignos, abster-se da prática consciente do pecado e estar atento
às áreas de atuação de Satanás.

CONHEÇA A PALAVRA DE DEUS

A consciência é resultado do conhecimento da verdade. A


resposta para desenvolver uma consciência clara a respeito das
trevas não está em outro lugar, mas somente na Palavra de Deus.
Não está em buscar alguém que leia mãos ou preveja o futuro,
tampouco em horóscopos ou qualquer outra fonte, ao contrário do
que, infelizmente, milhares de famílias acreditam em nosso país. A
solução está na Bíblia, pois ela é a verdade. Como as próprias
palavras de Jesus revelam: “E conhecerão a verdade, e a verdade
os libertará” (João 8.32).
Pessoas veem a Bíblia de diferentes maneiras: como uma fonte de
recursos literários e culturais, como um registro histórico, ou, ainda,
simplesmente como um livro que trata de lendas religiosas e
sabedoria popular. Há também aqueles que até a reconhecem como
Palavra revelada de Deus, mas que não buscam conhecê-la e
praticá-la em sua vida, deixando apenas para abri-la aos domingos
ou poucas vezes ao ano! Contudo, há aqueles que honram a
Palavra de Deus, buscando-a e obedecendo-a.
É fato que muitas famílias não têm adquirido o conhecimento
necessário para que tenham uma consciência clara acerca daquilo
que as afeta, e está aí um grave problema. Certa vez, o capuchinho
franciscano Frei Herculano Alves declarou que 90% dos católicos
não conhecem a Bíblia e apenas 3% dos praticantes afirmam ler a
Bíblia todos os dias [ 10 ]. Muitos cristãos, de fato, não conhecem a
Bíblia. Agora pense sobre a sua própria vida: em qual posição você
enquadraria a si mesmo nessa pesquisa? Como está a sua vida em
relação à fonte de recursos para a sua vitória contra o reino das
trevas?
Atualmente, existe uma ampla gama de informações e recursos
relativos à espiritualidade e religiosidade nos mais diversos
segmentos da sociedade. As estantes de Autoajuda e
Espiritualidade ganham cada vez mais espaço em livrarias.
Entretanto, a maioria dessas informações é contrária à autenticidade
das informações bíblicas e tem causado mais confusão do que
esclarecimento. Definitivamente, muita informação não é sinônimo
de boa informação!
Hoje em dia, pessoas sabem muito sobre bruxaria, mediunidade,
mentalismo (poder da mente), telepatia, magia, esoterismo, tarô,
cabala, tabuleiro ouija, entre outros assuntos, mas, infelizmente, não
sabem o verdadeiro significado dessas práticas e muito menos o
que elas ocasionam na vida daqueles que se envolvem com elas.
A consciência acerca das trevas espirituais só acontecerá de
forma clara e produtiva quando se basear naquilo que Deus revelou
a nós: a Sua Palavra. A Bíblia é a fonte de informação fidedigna
sobre a natureza e as atividades das trevas espirituais. Através de
Jesus, que é a Verdade, descobrimos a maneira adequada de
confrontar a dissimulação do Diabo.

Como está a sua vida em relação à fonte


de recursos para a sua vitória contra o
reino das trevas?

A falta de consciência espiritual também pode acontecer por


ignorância, negligência ou mesmo apatia em relação à Palavra.
Portanto, faça justamente o contrário em sua casa. Existem várias
formas de ensinar sua família acerca da Palavra de Deus e de
incentivá-la diariamente a estar perto dela.
Busque aprender mais sobre a Bíblia e compartilhe o que
aprendeu com a sua família. Faça disso um hábito e um princípio
em sua casa e no convívio familiar. Nunca é tarde para plantar a
Palavra da Verdade nos mais próximos.

BUSQUE E CULTIVE A MATURIDADE ESPIRITUAL

A vida cristã é um processo dinâmico de relacionamento com Deus


e de crescente desenvolvimento espiritual. É preciso desenvolver,
neste processo, uma postura positiva, alerta e proativa. O apóstolo
Pedro escreve com propriedade quando diz: “Estejam alertas e
vigiem. O Diabo, o inimigo de vocês, anda ao redor como leão,
rugindo e procurando a quem possa devorar. Resistam-lhe,
permanecendo firmes na fé” (1 Pedro 5.8-9a).
Quando buscamos ampliar nosso relacionamento com Deus,
conhecer mais Sua Palavra e cultivar nossa sabedoria e
discernimento, somos capazes de distinguir melhor todas as esferas
de nossas vidas. O contrário também é verdadeiro. Quando não
somos capazes de identificar a ação específica do Inimigo, tornamo-
nos pessoas mais vulneráveis e suscetíveis à sua influência e
opressão em nossas vidas, à medida que lhe abrimos espaço.
Busque aprender mais sobre a Bíblia e
compartilhe o que aprendeu com a sua
família.

A Bíblia adverte-nos a estarmos alertas. O Inimigo está rugindo e


rodeando-nos com a intenção constante de derrotar-nos. Vigie e
resista, permaneça firme! Desenvolva uma vida de oração, jejum e
de busca pela Palavra. Exercite seu conhecimento e percepção
acerca das verdades bíblicas e do mundo espiritual, pois “Quem se
alimenta de leite ainda é criança, e não tem experiência no ensino
da justiça. Mas o alimento sólido é para os adultos, os quais, pelo
exercício constante, tornaram-se aptos para discernir tanto o bem
quanto o mal” (Hebreus 5.13-14).
Se você deseja ser genuinamente bem-sucedido em sua
caminhada com Cristo, precisa crescer espiritualmente. A
maturidade espiritual é resultado do relacionamento diário com Deus
e com Sua Palavra. Essa maturidade trará a percepção que você
necessita para discernir o império das trevas e, consequentemente,
para ser vitorioso em todos os aspectos de sua vida.

RECONHEÇA A EXISTÊNCIA DE PODERES


ESPIRITUAIS MALIGNOS
Muitas pessoas preferem negar a existência e a atividade das
trevas espirituais por ficarem amedrontadas ao tratarem desse
assunto. No entanto, o medo dessa realidade faz de uma pessoa
alguém ainda mais vulnerável à ação espiritual maligna. Seus
intentos, que já são invisíveis e fora do controle natural, passam a
ser algo desconhecido e negligenciado.
O medo não leva a lugar algum e, certamente, não protege ou
evita que esses ataques aconteçam. Jamais tenha receio de admitir
a existência das trevas espirituais! Elas estão manifestas em muitos
lugares deste mundo. O fato de ignorá-las ou negá-las não faz com
que deixem de existir!
O que encontramos como uma postura clara de consciência
espiritual é o reconhecimento de sua existência. Não podemos ser
subjugados pelo pavor, mas devemos, sim, estar submetidos a Deus
e à Sua vontade, lembrando o que nos dizem as Escrituras:
“Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao Diabo e ele fugirá de
vocês” (Tiago 4.7).
Recuse o medo e substitua-o pelo temor a Deus. Assuma sua
postura de um vencedor em Cristo, pois é isso que somos quando
reconhecemos quem Ele é em nossas vidas. Adote uma postura de
dependência em Deus em todas as suas batalhas e você descobrirá
o real sentido de ser vencedor em Cristo.

Recuse o medo e substitua-o pelo temor a


Deus.
Deposite suas vontades, fraquezas, deficiências e inaptidões ao
pé da cruz de Cristo. Entregue-se integralmente a Deus. Ao
abrirmos mão de tudo isso perante Ele, encontramos toda a
munição necessária para resistirmos ao Diabo e ainda fazê-lo bater
em retirada. É isso que este precioso texto da Palavra de Deus
ensina.

ABSTENHA-SE DA PRÁTICA CONSCIENTE DO


PECADO

Mais importante do que resistir a Satanás é aprender a viver livre


do pecado. A prática do pecado abre as portas, dá a brecha e
oferece o espaço para que forças malignas atuem em nossas vidas.
O pecado enfraquece e cauteriza a consciência espiritual. Sua
ação inevitavelmente fragiliza a percepção e os sentidos sobre o
que está acontecendo à nossa volta. À medida que concessões são
feitas, rapidamente tudo passa a parecer muito normal. A pessoa
perde o temor a Deus, baixa a guarda e fica aberta para as
investidas do Maligno.
O segredo é não pecar, manter-se distante do pecado, de sua
causa ou sua origem. Abstinência irrestrita do pecado é a melhor
opção para contrariar o poder das trevas. Como você pode fazer
isso? Por meio de uma vida de intimidade com Jesus Cristo,
cultivada mediante a oração, o jejum, a comunhão, a leitura da
Palavra de Deus, a adoração e o serviço cristão; enfim, uma vida na
presença de Jesus, vinte e quatro horas por dia, sete dias por
semana.

Mais importante do que resistir a Satanás é


aprender a viver livre do pecado

E se você praticar o pecado inadvertidamente? O que fazer se


fraquejou, tropeçou e, irrefletidamente, errou o alvo? Não se deixe
abater nem desanime de sua jornada espiritual. Arrependa-se e
volte ao caminho do Senhor. Mesmo depois do pecado, você pode
escolher continuar nele ou mudar de caminho. Lembre-se de que
Deus te recebe de volta: “Meus filhinhos, escrevo-lhes estas coisas
para que vocês não pequem. Se, porém, alguém pecar, temos um
intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo” (1 João 2.1).
Temos um intercessor junto ao Pai: Jesus Cristo, o Justo. Então,
prostrado diante Dele, confesse a sua fraqueza e erro e receba o
perdão do Pai. Então, levante a cabeça e siga em frente. Professe
as palavras que encontramos nas Escrituras: “Tudo posso naquele
que me fortalece” (Filipenses 4.13).
ESTEJA ATENTO ÀS ÁREAS DE ATUAÇÃO DE
SATANÁS

Em João 12.31, Jesus diz que o Inimigo é o príncipe desse mundo.


Portanto, ele usará as armas que são desse mundo para desvirtuá-
lo daquilo que Deus tem dado a você. Ele insistirá que não existem
absolutos e que o certo e o errado não têm limitações definidas. Ele
dirá: “Você pode desejar e conquistar o que quiser, não importa a
maneira como o faz”. É preciso que você esteja atento
constantemente a essas insinuações, de forma a proteger e evitar
que sua família sofra os ataques de tais armas. Lemos em 1 João
2.16: “Pois tudo o que há no mundo – a cobiça da carne, a cobiça
dos olhos e a ostentação dos bens – não provém do Pai, mas do
mundo”.
Não permita que o Inimigo venha contaminar seu pensamento ou
coração. Fazemos isso por meio da oração. Satanás atua de
diversas formas para tentar derrubar você e a sua família.
Identifique o ponto de entrada, a brecha, e coloque ali um lacre.

Em todos os aspectos de sua vida e de sua


família, vigie e ore.

Tudo o que diz respeito ao mundo espiritual que não está sob o
domínio direto de Deus, está, consequentemente, debaixo da
influência do Maligno. O Diabo joga sujo e fará de tudo para
conseguir abrir esses espaços.
Apesar de todas as tentativas, você pode adotar uma postura que
demonstre consciência e discernimento em relação ao Inimigo. Você
tem a marca da promessa: o sangue de Jesus em sua vida e a
presença do Espírito Santo em você. Isto lhe permite militar contra
essas forças, fornecer o abrigo que sua família necessita e caminhar
para a vitória.
A palavra de Deus declara: “Filhinhos, vocês são de Deus e os
venceram, porque aquele que está em vocês é maior do que aquele
que está no mundo” (1 João 4.4).
O poder do Maligno está no mundo, mas o poder do Espírito Santo
está em você. Deus habita em você por meio do Espírito Santo, por
isso, somos vencedores!

“Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por


meio daquele que nos amou. Pois estou convencido de que
nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o
presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem
profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz
de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus,
nosso Senhor.” Romanos 8.37-39

Os ataques das trevas podem acontecer nas mais diversas áreas:


em seus relacionamentos, amizades, área de trabalho, estudos e
recursos materiais. Por isso, em todos os aspectos de sua vida e de
sua família, vigie e ore. O espírito está sempre pronto, mas a carne
é fraca, diz a Bíblia. Com conhecimento, consciência e
discernimento espiritual adquiridos pela presença do Espírito Santo
em sua vida, você poderá proteger sua família de influências e
ataques malignos.
4
DESENVOLVA O
DISCERNIMENTO
ESPIRITUAL

“Com sabedoria se constrói a casa,


e com discernimento se consolida.”
Provérbios 24.3
D
eus deixa claro em Sua Palavra que o conhecimento, ou
seja, aquilo que a mente humana pode apreender do
mundo natural, procede Dele. Mas, além do conhecimento
natural, é preciso ter também discernimento espiritual. E isto
também procede de Deus. Além de conhecimento e consciência,
precisamos desenvolver discernimento.
Deus usa esse discernimento para proteger nossos caminhos e
dar-nos um andar abençoado e vitorioso. Veja o que as Escrituras
dizem sobre isso:

“Pois o Senhor é quem dá sabedoria; de sua boca procedem o


conhecimento e o discernimento (...) como um escudo protege
quem anda com integridade, pois guarda a vereda do justo e
protege o caminho dos seus fiéis.” Provérbios 2.6-8

Deus deseja que tenhamos discernimento espiritual em nossa


caminhada com Ele; deseja que estejamos tão conectados e
próximos às Suas palavras e presença, que sejamos capazes de
ouvir e discernir Sua voz e orientações em toda e qualquer situação
que enfrentarmos.
O discernimento espiritual é tão importante quanto o conhecimento
porque tornará situações, antes obscuras, bem claras para você.
Podemos comparar uma pessoa que leva sua vida sem
discernimento a um jogador de futebol que não sabe para que lado
deve chutar a bola! É como um jogador que nem mesmo sabe quem
é parte do time adversário e quem é parte do seu próprio time.
Quem não exerce discernimento espiritual encontra-se em uma
situação de grande confusão em sua vida cotidiana e familiar.
A falta de discernimento espiritual é uma lacuna grave. Como o
pastor e escritor A. W. Tozer certa vez afirmou:

“Só posso dizer que tenho observado uma carência entre


cristãos evangélicos e que pode muito bem ser a causa real da
maioria de nossos problemas espirituais. (...) A grande
deficiência a que estou me referindo é a falta de discernimento
espiritual. (...) De que forma pode haver tanto conhecimento
bíblico e tão pouca visão. (...) Precisamos desesperadamente
de profetas que possam enxergar por entre a névoa. A menos
que eles venham logo, será tarde demais para esta geração.” [
11 ]

Toda família precisa de discernimento espiritual em seu dia a dia.


Não podemos viver com esta grande deficiência. O discernimento é
algo que deve ser entendido, buscado, cultivado e ensinado – deve
ser uma marca dentro de nossa casa. É vontade do Pai que
vivamos com sabedoria e com os olhos iluminados pelo
discernimento espiritual, por isso, esta será uma competência que
Ele mesmo trará em nossas vidas.

O QUE É DISCERNIMENTO ESPIRITUAL?


Podemos definir o discernimento espiritual como a graça de ver o
que é invisível, conforme define o escritor Francis Frangipane [ 12 ].

Trata-se de um dom do Espírito para perceber algo no espírito. O


propósito do discernimento espiritual é o de compreender a natureza
daquilo que é revelado.
O discernimento espiritual vê por meio dos olhos espirituais e não
apenas com os olhos físicos. O que isso quer dizer? Que existirão
certas situações que Deus dará a graça de compreendê-las, as
quais, aos olhos naturais, não seria possível entender.

O discernimento é algo que deve ser


entendido, buscado, cultivado e ensinado –
deve ser uma marca dentro de nossa casa.

Para os que não possuem o discernimento do Espírito, isso pode


parecer uma loucura. Mas este é um fato já sabido, como fica muito
claro em 1 Coríntios 2.14: “Quem não tem o Espírito não aceita as
coisas que vêm do Espírito de Deus, pois lhe são loucura; e não é
capaz de entendê-las, porque elas são discernidas espiritualmente”.
Existem situações que são discernidas apenas na esfera espiritual.
A Bíblia ensina-nos este princípio de forma clara e pontual. Trata-se
de algo necessário à vida cristã, pois, com discernimento, podemos
distinguir as situações como elas realmente são, bem como de onde
vêm e se procedem de Deus ou não, sem confundir as coisas.
Será realmente possível confundir situações que surgem ao nosso
redor? Precisamos realmente de um discernimento espiritual
separado do conhecimento mental? Acredito que sim. Você sempre
deve contar com seu conhecimento, bom senso e sabedoria, mas,
certamente, você lidará com situações em que nenhum deles,
baseando-se tão somente nos fatores físicos e visíveis, fornecerá a
resposta do que fazer ou como agir. Será necessário o
discernimento espiritual.

Existem situações que são discernidas


apenas na esfera espiritual.

Você já passou por uma circunstância em que se perguntou: “Será


que isso vem de Deus para mim”? Ou será que aquela situação –
apesar de ter sido permissão de Deus sobre a sua vida – é o
resultado de uma escolha que você fez no passado? Ou será, de
fato, uma situação em que está acontecendo um ataque maligno?
Existem circunstâncias que são permitidas por Deus em nossas
vidas para trazer-nos crescimento e amadurecimento. Você pode
estar passando por um processo de crescimento e de poda,
conforme narrado em João 15. Mas quem não sabe entender que
determinada situação é advinda do Pai, poderá cair no erro de
confundir as coisas, achar que essa circunstância é um ataque
direto do Inimigo. Essa pessoa pode até tentar rejeitar ou “expulsar”
o causador daquela situação, quando, na verdade, trata-se de um
cuidado do próprio Deus em sua vida.
Por outro lado, essa mesma pessoa pode ser tentada por Satanás
e, sem o discernimento de que se trata de uma armadilha, entregar-
se ao pecado. Outras situações, no entanto, são, simplesmente,
consequências de nossas ações e, sem discernimento, acusamos o
Inimigo como o grande causador delas. Em resumo, podemos dizer,
com toda certeza, que, sem discernimento, só encontraremos
confusão!
Deus não deseja que nossos lares sejam cheios de desordem. Ele
não é Deus de confusão, mas de sabedoria e entendimento. Ele
quer que você tenha discernimento para agir na hora e na forma
correta, dependendo Dele em cada decisão.

O DISCERNIMENTO E A NATUREZA ESPIRITUAL DOS


SERES

Todas as pessoas são, em sua natureza, seres espirituais. Todos


possuímos um espírito, uma alma e um corpo. E, enquanto seres
triúnos, precisamos saber discernir se certas situações têm origem
humana – na vontade, no corpo ou no espírito humano. É preciso
enxergar com olhos espirituais aquilo que é espiritual em sua
natureza.
É preciso enxergar com olhos espirituais
aquilo que é espiritual em sua natureza.

Assim como os seres humanos são seres espirituais, a Bíblia


também revela a existência de outros seres de natureza espiritual:
Satanás e espíritos malignos, os anjos e o próprio Deus. Nosso
discernimento precisa estar ciente da existência, ação, propósito e
poder de cada um deles.

1. Satanás e espíritos malignos. A Bíblia relata a existência de


seres espirituais malignos, chamados de demônios ou espíritos
imundos. Aponta que estes espíritos são anjos caídos, seguidores
de Satanás (ou Lúcifer), que também é um anjo caído.

“Você foi ungido como um querubim guardião, pois para isso eu


o designei. (...) Você era inculpável em seus caminhos desde o
dia em que foi criado até que se achou maldade em você (...)
Seu coração tornou-se orgulhoso por causa da sua beleza, e
você corrompeu a sua sabedoria por causa do seu esplendor.
Por isso eu o atirei à terra; fiz de você um espetáculo para os
reis.” Ezequiel 28.14-15, 17

O nome Diabo, também muito utilizado, vem da tradição judaico-


cristã e literalmente significa aquele que separa. O nome Satanás,
que é uma transliteração do hebraico satan, significa o acusador.
Satanás também é chamado de Tentador, a Antiga Serpente, o
Maligno, o príncipe deste mundo e príncipe das potestades do ar [ 13
].

As Escrituras ainda relatam diversos episódios nos quais Jesus


libertou pessoas de espíritos opressores, como foi o caso de Maria
Madalena: “Os Doze estavam com ele, e também algumas mulheres
que haviam sido curadas de espíritos malignos e doenças: Maria,
chamada Madalena, de quem haviam saído sete demônios” (Lucas
8.1b-2).

2. Os Anjos. As Escrituras também falam de seres espirituais que


estão a serviço de Deus. Os anjos de Deus são seres espirituais
que estão sob a autoridade do Senhor e para os propósitos
designados por Ele. Lemos em textos como o Salmo 103, e em
tantos outros, sobre a existência e a instrumentalidade desses
seres: “Bendigam o Senhor, vocês, seus anjos poderosos, que
obedecem à sua palavra” (Salmo 103.20).

Adoramos a Deus e o Seu Santo Espírito,


a quem os anjos também adoram e
servem.

Note, portanto, que os filhos de Deus e Seus anjos estão sob o


mesmo domínio: o do Deus vivo. Por isso, não devemos adorar
anjos, tampouco buscá-los para que nos deem qualquer tipo de
resposta. Adoramos a Deus e o Seu Santo Espírito, a quem os
anjos também adoram e servem.

3. Espíritos humanos. Dito anteriormente, seres humanos são


corpo, alma e espírito. A Bíblia fala sobre como nos relacionamos
nessa esfera, a espiritual, que é a mais profunda do ser humano
com o próprio Deus: “O próprio Espírito testemunha com o nosso
espírito que somos filhos de Deus” (Romanos 8.16). Ou ainda: “É
necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em
verdade” (João 4.24).

4. O Espírito Santo de Deus. O Espírito Santo de Deus é uma


pessoa divina. Parte da Trindade Santa e presente desde a criação
do mundo, o Espírito de Deus deseja relacionar-se conosco de
forma intensa e pessoal. Jesus afirma em João 14.26: “Mas o
Conselheiro, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, lhes
ensinará todas as coisas e lhes fará lembrar tudo o que eu lhes
disse”.
Vem do próprio Espírito de Deus a capacidade de termos o
discernimento espiritual – ou seja, de sabermos ver e ouvir com
discernimento espiritual.

QUEM TEM O DISCERNIMENTO ESPIRITUAL?


A capacidade de ouvir o Espírito e discernir espiritualmente é
comum a todos os cristãos. Se você tem Cristo Jesus em seu
coração, você possui a capacidade de discernimento espiritual. De
acordo com as Escrituras:

“Só o espiritual pode reconhecer o Espírito – o Espírito de Deus


e o espírito humano em plena comunhão. Espiritualmente
vivos, temos acesso a tudo o que o Espírito de Deus está
fazendo.” 1 Coríntios 2.15 (AM)

Deus pode falar com qualquer um de Seus filhos, desde o mais


novo na fé até o que está em sua caminhada com Deus por
décadas. À medida que o Espírito Santo habita dentro de uma
pessoa, por meio de sua fé em Cristo Jesus, ela tem dentro de si a
capacidade de ouvir e discernir espiritualmente.

Se você tem Cristo Jesus em seu coração,


você possui a capacidade de
discernimento espiritual.

Assim, Deus poderá trazer a cada situação a percepção espiritual


de que algo está errado, de que algo não veio Dele, ou de que há
espíritos malignos atuando, como por exemplo, por meio de objetos
consagrados ou pessoas. Da mesma forma, pode trazer a revelação
e o discernimento de que algo veio Dele.
As Escrituras também apontam para o chamado dom de
discernimento. Como está escrito na carta do Apóstolo Paulo à
igreja de Corinto:

“Pelo Espírito, a um é dada a palavra de sabedoria; a outro,


pelo mesmo Espírito, a palavra de conhecimento; a outro, fé,
pelo mesmo Espírito; a outro, dons de curar, pelo único
Espírito; a outro, poder para operar milagres; a outro, profecia;
a outro, discernimento de espíritos.” 1 Coríntios 12.8-10

Pessoas com o dom de discernimento espiritual podem exercê-lo


de forma profunda e específica. Quando maduras espiritualmente,
são capazes de discernir a realidade espiritual em torno de uma
situação ou de uma pessoa de forma muito precisa. Pessoas com o
dom de discernimento também são capazes de discernir
características específicas de espíritos malignos ou, ainda, de anjos
que estejam ministrando da parte de Deus.
Podemos ver na própria pessoa de Jesus exemplos de como o
discernimento espiritual acontece. Podemos citar, dentre tantas
outras, certa ocasião quando Jesus expulsou um demônio de um
jovem. A Bíblia relata: “Quando Jesus viu que uma multidão estava
se ajuntando, repreendeu o espírito imundo dizendo: Espírito mudo
e surdo, eu ordeno que o deixes e nunca mais entre nele” (Marcos
9.25). Nesta situação, vemos claramente que Jesus identificou
características específicas daquele espírito (mudo e surdo) que
estava se manifestando na vida daquela pessoa.

COMO DEUS CONCEDE O DISCERNIMENTO


ESPIRITUAL?

Deus pode nos dar o discernimento espiritual de diversas


maneiras. Em Sua Palavra, podemos identificar diferentes formas de
como Deus concede discernimento espiritual a Seus filhos.
A primeira fonte de discernimento espiritual que devemos citar é a
Bíblia. Por isso, devemos estudá-la, conhecê-la e aplicá-la em
nossa vida. Como lemos: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e
útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a
instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e
plenamente preparado para toda boa obra” (2 Timóteo 3.16-17).
Assim, tanto a leitura, quanto o estudo e, de forma especial, a
pregação da Palavra são formas pelas quais adquirimos o
discernimento espiritual (Romanos 16.25).
Podemos elencar outras formas pelas quais Deus nos concede
entendimentos específicos por meio do discernimento espiritual.
Existem sonhos, por exemplo, que são de natureza espiritual,
caracterizados por serem vívidos, lúcidos, detalhados e com
linearidade clara. Existem muitos exemplos bíblicos acerca de
sonhos espirituais, como o relatado a seguir:
“E, tendo sido advertidos em sonho para não voltarem a
Herodes, retornaram a sua terra por outro caminho. Depois que
partiram, um anjo do Senhor apareceu a José em sonho e lhe
disse: Levante-se, tome o menino e sua mãe, e fuja para o
Egito. Fique lá até que eu lhe diga, pois Herodes vai procurar o
menino para matá-lo.” Mateus 2.12-13

Além dos sonhos, existem também visões, que são dadas por
Deus. Foi o que aconteceu com Pedro, conforme narrativa de Atos:
“E, saindo, Pedro o seguiu, não sabendo que era real o que se fazia
por meio do anjo; tudo lhe parecia uma visão” (Atos 12.9). A Palavra
também mostra o exemplo de Paulo:

“Durante a noite Paulo teve uma visão, na qual um homem da


Macedônia estava em pé e lhe suplicava: Passe à Macedônia e
ajude-nos. Depois que Paulo teve essa visão, preparamo-nos
imediatamente para partir para a Macedônia, concluindo que
Deus nos tinha chamado para lhes pregar o evangelho.” Atos
16.9-10

A Palavra de Deus também nos diz que Deus traz palavras


proféticas que fornecem entendimentos específicos para nossa vida.
O conselho bíblico é: “Não tratem com desprezo as profecias, mas
ponham à prova todas as coisas e fiquem com o que é bom” (1
Tessalonicenses 5.20-21). Também podemos receber o
discernimento espiritual por meio de palavras de conhecimento ou
de revelação.
“Portanto, que diremos, irmãos? Quando vocês se reúnem,
cada um de vocês tem um salmo, ou uma palavra de instrução,
uma revelação, uma palavra em uma língua ou uma
interpretação. Tudo seja feito para a edificação da igreja.” 1
Coríntios 14.26

O discernimento espiritual também é recebido por meio de nossa


paz interior, que resulta do testificar do Espírito Santo no coração
humano, como lemos em Colossenses: “Que a paz de Cristo seja o
juiz em seu coração, visto que vocês foram chamados para viver em
paz, como membros de um só corpo. E sejam agradecidos”
(Colossenses 3.15).
Em todas essas circunstâncias, tenha consciência de que Deus
sempre falará de acordo com a Sua Palavra. Qualquer coisa que
não esteja pautada nas Escrituras certamente não provém Dele.
Deus também usa frequentemente conselheiros, pessoas que
falam impelidas por Ele. Se você adotar uma postura extremamente
fechada e independente sobre uma situação em que uma pessoa
comunica algo de Deus, você pode deixar de receber aquilo que o
Espírito Santo tem a dizer por meio dela. Esteja aberto e saiba que
o que for de Deus permanecerá. É preciso discernimento e
sabedoria também nesse sentido. Devemos cuidar para nunca
ignorar o Espírito.
Em todas essas circunstâncias, tenha
consciência de que Deus sempre falará de
acordo com a Sua Palavra.

Seja qual for a forma pela qual Deus escolher falar com você, Ele
sempre confirmará a Sua palavra. Ele não fala apenas por meio de
uma profecia, ou apenas por meio de sonhos, por exemplo. Pelo
contrário, Ele cuida para que Sua Palavra de revelação, de
exortação ou de encorajamento seja bem clara. Somos nós quem
devemos aprender a ouvi-Lo e desfrutar do discernimento espiritual
em nossos dias. Ele tem palavras de conselho para você: “Eu louvo
a Deus, o Senhor, pois ele é o meu conselheiro” (Salmo 16.7a –
NTLH). Portanto, recebamos tudo aquilo que Deus tem a nos
ensinar.

SUA CONEXÃO COM DEUS DETERMINA SEU


DISCERNIMENTO ESPIRITUAL

O discernimento espiritual sempre será um efeito do seu


relacionamento com Deus. Quanto mais profunda a sua conexão e
sua intensidade de busca a Deus, maior será o seu discernimento.
Quando seus olhos espirituais estiverem próximos ao Espírito, o
discernimento espiritual virá livre e naturalmente.
Estêvão foi um homem que viveu dessa forma. A Bíblia relata no
livro de Atos a intensidade de sua conexão com Deus e como seu
entendimento e suas palavras mostravam um profundo e irresistível
discernimento espiritual:

“Estêvão, homem cheio da graça e do poder de Deus, realizava


grandes maravilhas e sinais entre o povo. Contudo, levantou-se
oposição (...) começaram a discutir com Estêvão, mas não
podiam resistir à sabedoria e ao Espírito com que ele falava.”
Atos 6.8-10

Quando a oposição confrontou Estêvão, não pôde resistir ao


Espírito Santo de Deus que agia através dele. A vitória de Estevão
contra seus acusadores foi um resultado direto de sua intimidade
com o Espírito.
Charles Spurgeon, pastor batista britânico, chamado de Príncipe
dos Pregadores, certa vez afirmou, acertadamente: “Se você for
fraco na sua comunhão com Deus, você será fraco em tudo”. Não
haverá discernimento espiritual longe da intimidade com Deus.

Quando seus olhos espirituais estiverem


próximos ao Espírito, o discernimento
espiritual virá livre e naturalmente.
Esta é uma realidade a ser vivida também no âmbito familiar. Uma
esposa com relacionamento intenso com Deus abençoará o seu
marido. Um marido forte espiritualmente abençoará sua esposa e
seus filhos. Os filhos, por sua vez, quando amam a Deus, abençoam
seus pais e irmãos. Um relacionamento intenso com Deus edificará
lares abençoados.
Por outro lado, a murmuração, as discussões, a mágoa, a
vingança e a violência nascem e aprofundam-se em uma vida
distante dos caminhos de Deus. Uma forte conexão com o Espírito
de Deus, porém, trará entendimento, discernimento e vida.
Seja você um cônjuge, um pai ou um filho, essa será uma decisão
que terá que tomar: o quão profundamente você deseja andar com o
Espírito Santo? É disso que é feita a proteção espiritual que
envolverá a sua casa.
Quando vemos um embrulho ou um pacote, logo podemos
identificar se ele é fácil de abrir ou não. Podemos deduzir que tipo
de ferramenta será necessária para romper suas amarras ou laços.
Talvez você consiga desatá-lo somente com as mãos, mas para
outros embrulhos, você precisará de uma tesoura, uma faca ou até
de um maçarico.
Assim também acontece espiritualmente. Quando o Inimigo olha
para você e sua conexão com Deus, sabe que tipo de força
precisará usar contra a sua casa. Infelizmente, algumas conexões
são tão fracas que o mínimo esforço é bem-sucedido. Que você e
sua família tenham uma conexão tão forte com Deus de forma que
nenhuma investida do inferno atinja a sua vida!

INTENSIFIQUE SUA CONEXÃO COM DEUS

Para que você intensifique sua conexão com Deus, você deve
lembrar-se dos seguintes fatores:

Palavra de Deus + oração e jejum + unidade com a igreja =


conexão forte com Deus

Essa fórmula é revelada pela Palavra de Deus e é bem conhecida


pelos cristãos. Nada aqui é novidade para você, que conhece a
Deus. Contudo, se vivenciada constantemente, com sinceridade e
não como religião ou meta pessoal, mas como disciplina espiritual
para o crescimento no conhecimento de Cristo, o resultado sempre
será surpreendente.
Busque diligentemente conhecer a Palavra de Deus. Desafie a sua
família a orar e jejuar juntos para obter discernimento sobre os
assuntos que desafiam a sua casa. Estejam conectados a uma
igreja local em unidade de coração. Deus certamente não deixará
sua família sem resposta!
Veja o exemplo de Jesus. Quando Ele saiu de seu período de
jejum e consagração, disse a Satanás, após a sua tentação: “Retire-
se, Satanás! Pois está escrito: Adore o Senhor, o seu Deus, e só a
ele preste culto. Então, o Diabo o deixou e anjos vieram e o
serviram” (Mateus 4.10-11).
Siga o exemplo de Jesus. Busque o Senhor e Ele lhe dará
discernimento. Seus anjos abençoarão a sua casa e a Sua
autoridade estará sobre a sua vida e sua família.

OLHOS ESPIRITUAIS PARA ENFRENTAR


ARMADILHAS

Precisamos de olhos espirituais para enxergar todas as situações


que se colocam em nossas vidas. O discernimento espiritual será
necessário justamente porque haverá situações que,
aparentemente, não acarretam mal algum.
A Bíblia conta como Deus advertiu o povo de Israel que andasse
em pureza e santidade, de forma que ficasse livre de situações
similares. Leia o texto a seguir:

“Vocês queimarão as imagens dos deuses dessas nações. Não


cobicem a prata e o ouro de que são revestidas; isso lhes seria
uma armadilha. Para o Senhor, o seu Deus, isso é detestável.
Não levem coisa alguma que seja detestável para dentro de
casa, se não também vocês serão separados para a
destruição. Considerem tudo isso proibido e detestem-no
totalmente, pois está separado para a destruição.”
Deuteronômio 7.25-26

Neste texto, Deus mostra-nos claramente que o Inimigo usará


situações contra nós e nossa família que são verdadeiras
armadilhas. A palavra utilizada que se refere a armadilha no
hebraico é moqesh. Ela aparece quarenta vezes no Antigo
Testamento e significa, literalmente, “uma armadilha para apanhar
algum animal desprevenido” ou, em um sentido metafórico,
“apanhar uma pessoa de maneira ardilosa”.
Deus orienta que nem o ouro do qual aqueles objetos para
consagração aos demônios foram feitos poderia ser derretido ou
reutilizado. Eles não deveriam cobiçá-lo, pois já estava separado
para destruição. Da mesma forma, tenha este princípio em sua vida.
Existem coisas que serão uma verdadeira armadilha em sua casa.
Portanto, não leve semelhantes objetos para dentro dela.
Pelo contrário, vivam de maneira sábia diante de Deus: “Tenham
cuidado com a maneira como vocês vivem; que não seja como
insensatos, mas como sábios” (Efésios 5.15).
As ciladas atraentes de Satanás precisam ser discernidas
espiritualmente. É por isso que fugir ou negar a realidade espiritual
não ajudará sua casa. Certamente, não foi assim que Jesus e Seus
discípulos viveram. Eles tinham consciência e prepararam-se para
enfrentar Satanás, como vemos em constantes exemplos nas
Escrituras.
Os alvos de tais armadilhas espirituais são muito claros. O Diabo
sempre se levantará contra a Igreja de Jesus e contra a família, pois
são instituições divinas. Por isso, todo filho de Deus deve ser
prudente e vigilante para perceber como o Diabo tenta adentrar em
sua vida. Quando temos esta percepção, é possível resistir, opor-se
espiritualmente, ou mesmo desviar-se daquilo que foi colocado em
seu caminho para prejudicá-lo.
Mas, afinal, qual a consequência de cair nessas ciladas? Como o
texto bíblico acima aponta, quando não percebemos uma armadilha
espiritual, estamos muito mais expostos a cair no erro de fazer
alianças com ídolos. E essa é uma prática completamente
abominável biblicamente, gerando resultados desastrosos em sua
vida.
Alianças com o Inimigo, por meio de falsos deuses, podem ser
estabelecidas de diferentes formas. A seguir, estão algumas práticas
dessa natureza apontadas pela Bíblia:

Adorar a falsos deuses (Êxodo 20.5).


Seguir a outros deuses (Deuteronômio 8.19).
Prestar culto a ídolos (Êxodo 20.5).
Fazer imagens de ídolos (Êxodo 20.4, 23).
Proferir o nome de deuses (Êxodo 23.13; Josué 23.7).
Inclinar-se perante deuses (Êxodo 20.5).
Apegar-se a deuses (1 Reis 9.9).
Comer comida consagrada a deuses (Êxodo 34.15).
Tomar bebida na casa de deuses (Amós 2.8).
Louvar a deuses (Daniel 5.4, 23).
Clamar a deuses (Juízes 10.14).
Jurar pelos deuses (Josué 23.7).

Tenha discernimento espiritual para que você não estabeleça


nenhuma aliança com demônios! Por falta de discernimento, esse
tipo de ligação infelizmente pode acontecer.
Certa vez, em um acampamento da juventude de nossa igreja, a
cama de uma jovem movimentou-se sozinha durante a noite,
chegando a ser arremessada em direção a outra pessoa que estava
ao seu lado. Após orarmos com esta jovem, que já mostrava sinais
marcantes de opressão maligna, ela lembrou-se de um fato
inusitado. Enquanto cursava a faculdade, ela participou de jogos
universitários e a torcida de sua universidade tinha como mascote
uma caveira. Antes dos jogos, de forma leviana e como diversão, os
alunos reverenciavam a bandeira da mascote e pediam a ele que
lhes desse a vitória nos jogos. Quando o time ganhava, a torcida
também fazia reverências a ela. Com esse fato vindo à sua
memória, a jovem renunciou àquela prática, além de desfazer-se
das camisetas com aquele símbolo. Ao fazer isso, ela foi liberta de
toda a opressão e aliança que fizera com aquele demônio que
encontrou espaço naquela prática.
Com certeza, aquela jovem caíra em uma cilada. Talvez, se tivesse
sido orientada espiritualmente dentro da família e exercido o
discernimento espiritual, não teria caído nesse tipo de armadilha.
Precisamos ver todas as situações com olhos espirituais. Devemos
nos perguntar se uma situação, prática, objeto ou decisão vem do
Senhor e se é apropriado para a nossa casa. Antes de tudo,
devemos pedir a orientação de Deus e crer que Ele falará conosco.

SANTIFICAÇÃO: SUA MAIOR ARMA CONTRA AS


TREVAS

A santificação de nossa vida e de nossa família é a maior arma


que temos contra as trevas. Quando deixamos de tratar nossas
vidas, tornamo-nos vulneráveis a essas investidas. Como lemos nas
Escrituras Sagradas:

“Vá, santifique o povo! Diga-lhes: Santifiquem-se para amanhã,


pois assim diz o Senhor, o Deus de Israel: Há coisas
consagradas à destruição no meio de vocês, ó Israel. Vocês
não conseguirão resistir aos seus inimigos enquanto não as
retirarem.” Josué 7.13

A santificação, que é o resultado de sua caminhada com Deus,


trará proteção para a sua casa. Santificar-se significa separar-se,
manter-se puro. E onde há pureza, não haverá condições favoráveis
a espíritos imundos. Como bem explica o autor Charles A. Kraft:
“Os demônios são como ratos: a habilidade dos ratos de ficar
em um lugar depende da presença de lixo no local. Já com os
demônios, é presença de lixo espiritual e emocional que lhes
dá o direito legal de habitar no interior de uma pessoa. Os
demônios não conseguem criar problemas do nada. Só
conseguem vincular-se a problemas que já existem. O trabalho
deles é tornar esses problemas piores e usá-los para manter a
pessoa em prisão.” [ 14 ]

De nada adiantará levantar-se para lutar espiritualmente em sua


casa, se você estiver com a vida suja. De nada adiantará opor-se
aos ataques das trevas, se a sua vida está cheia de lixo espiritual.
Esse lixo pode ser definido como aquilo que você até gosta ou acha
que “não tem nada a ver” possuir, ouvir, ver e experimentar em sua
casa, mas que são detestáveis para Deus e espiritualmente
impuras. Não se engane: não é possível vencer, tendo legalidades
malignas dentro da sua vida.
Portanto, se você quer vencer, santifique-se. Separe a sua vida e a
vida da sua família para o uso exclusivo da pessoa de Jesus. Não
permitir a entrada de qualquer coisa que interfira na sua comunhão
com Deus. Afinal, não existe comunhão entre luz e trevas. Escolha,
então, aquilo que é puro, tirando todo lixo espiritual da sua vida e da
sua casa. O apóstolo Paulo adverte os cristãos:

“Vocês não podem beber do cálice do Senhor e do cálice dos


demônios; não podem participar da mesa do Senhor e da mesa
dos demônios. Porventura provocaremos o ciúme do Senhor?
Somos mais fortes do que ele? (...) Assim, quer vocês comam,
bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória
de Deus.” 1 Coríntios 10.21-22, 31

É tempo de intensificar a santidade. Isso pode significar reformas


completas em seu estilo de vida! Talvez você tenha muitas coisas
para deixar para trás, no entanto, dê o primeiro passo e persista.
Esteja disposto a fazer as reformas necessárias que Deus revelar a
você.

A santificação, que é o resultado de sua


caminhada com Deus, trará proteção para
a sua casa.

Caminhe em santidade, buscando o Senhor. Intensifique sua vida


de oração. O que A. W. Tozer afirma é a mais pura verdade: “Se não
pretendemos nos reformar, também não devemos orar”. Você está
disposto a fazer as reformas necessárias? Caminhe em santidade e
caminhe para a vitória!

CREIA NO PODER DA UNIDADE DO EXÉRCITO DE


DEUS
Sua conexão com o Senhor também será fortalecida por meio da
unidade com a sua Igreja. De fato, a Igreja do Senhor possui uma
autoridade espiritual concedida por Ele: “Eu lhes dei autoridade para
pisarem sobre cobras e escorpiões, e sobre todo o poder do inimigo;
nada lhes fará dano” (Lucas 10.19).
Os discípulos agiram debaixo da autoridade e do envio de Jesus e
cumpriram com sucesso a sua missão. As forças espirituais divinas
não são desorganizadas, desorientadas e independentes. Existe
uma orientação clara, uma ordem definida na forma de agir, uma
estrutura da qual a Igreja é parte. Precisamos incluir-nos nesse
princípio do governo do Senhor, do Reino de Deus.
Dentro da unidade do exército de Deus, Ele delegou autoridade
espiritual às pessoas. Reconheça isso na sua realidade local! Existe
uma autoridade espiritual em sua casa, em sua igreja, em sua vida
civil e em seu trabalho. A Bíblia fala, inclusive, que não há
autoridade que não seja constituída por Deus.
Assim, agir contra a autoridade instituída por Deus é agir fora da
Sua proteção. Gosto de ilustrar essa realidade com um guarda-
chuva. A Bíblia fala que o mundo está sob o poder do Maligno, o
príncipe das potestades do ar que age em todos os lugares. Quando
você encontra-se debaixo da autoridade de Deus, é como se
estivesse debaixo de Seu guarda-chuva, onde o Inimigo não pode
atingir você e sua família.
O contrário também é verdadeiro: agir de forma independente e
sem reconhecimento da autoridade divina sempre resultará em
confusão e derrota. Se você tem o hábito de falar mal das
autoridades instituídas por Deus na igreja na frente de seus filhos,
está expondo a sua família. Esse tipo de atitude baseia-se em um
princípio de confusão e faz com que você saia da cobertura
espiritual que lhe proporcionará a vitória quando for preciso.
Jesus sempre falou que fazia apenas aquilo que o Pai o tinha
enviado para fazer. Diante das autoridades terrenas, Jesus
humilhou-se e entregou-se. Ele só reagiu quando o nome de Deus
foi afrontado. Foi obediente até a humilhante e terrível morte na
cruz.
Reconhecer a autoridade espiritual é parte do discernimento do
filho de Deus. De acordo com o escritor Watchman Nee, toda
autoridade deve ser recebida, assumida e representada: “Todo
reino, autoridade e glória pertencem a Deus e somente a Ele. O que
nos liberta totalmente de Satanás é a percepção desta
preciosíssima verdade: o Reino é de Deus” [ 15 ].

Quando você encontra-se debaixo da


autoridade de Deus, é como se estivesse
debaixo de Seu guarda-chuva.

Um ponto importante nesse aspecto é que devemos agir somente


no que está sob a nossa autoridade. Por exemplo, se você tiver o
discernimento de que há pertences em sua casa que não glorificam
a Deus, você deve eliminar somente aquilo que você possui e que
está debaixo da sua autoridade (Atos 19.19). Se o seu marido, pai
ou mãe possuem pertences consagrados ou imundos
espiritualmente, de nada adiantará jogá-los fora sem a autorização e
renúncia pessoal de seus donos, pois a legalidade continuará em
sua mente e coração. Além disso, uma prática errada nesse sentido
abrirá outras legalidades através das contendas, intrigas, mágoas e
ódio. No entanto, em situações como essas você pode, sim, opor-se
espiritualmente. Interceda, ore sobre esses objetos e por essas
pessoas, no quarto, no travesseiro, em toda casa, nos pertences
dos seus filhos e onde o Senhor mostrar.

O DISCERNIMENTO PREPARA SUA FAMÍLIA COM


ARMAS ESPIRITUAIS

É preciso discernimento espiritual para munir nossa família com


armas espirituais capazes de oporem-se ao ataque das trevas.
Nossa luta é espiritual, portanto, precisamos de armas espirituais:

“Tornem-se cada vez mais fortes, vivendo unidos com o Senhor


e recebendo a força do seu grande poder. Vistam-se com toda
a armadura que Deus dá a vocês, para ficarem firmes contra as
armadilhas do Diabo. Pois nós não estamos lutando contra
seres humanos, mas contra as forças espirituais do mal que
vivem nas alturas, isto é, os governos, as autoridades e os
poderes que dominam completamente este mundo de
escuridão.” Efésios 6.10-12 (NTLH)

Nossa principal arma espiritual é a Palavra de Deus; sua casa


precisa estar cheia dela. Incentive seu cônjuge e filhos a aprender
sobre a Bíblia, a decorar versículos e a obedecê-la na prática do seu
dia a dia. A ferramenta para educar e opor-se espiritualmente às
forças das trevas em sua família é a Palavra de Deus. Valorize,
cultive e inclua a Bíblia na vida da sua família.
A Palavra de Deus também fala de outras armas espirituais das
quais devemos estar revestidos para estarmos prontos nessa
batalha:

“Por isso, vistam toda a armadura de Deus, para que possam


resistir no dia mau e permanecer inabaláveis, depois de terem
feito tudo. Assim, mantenham-se firmes, cingindo-se com o
cinto da verdade, vestindo a couraça da justiça e tendo os pés
calçados com a prontidão do evangelho da paz. Além disso,
usem o escudo da fé, com o qual vocês poderão apagar todas
as setas inflamadas do Maligno. Usem o capacete da salvação
e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus.” Efésios 6.13-
17

Aqui, vemos que os filhos de Deus devem revestir-se do capacete


da salvação, da couraça da justiça e do escudo da fé para apagar
os dardos inflamados do Maligno. Exercer sua fé é tirar da sua vida
toda a raiz de incredulidade e ceticismo. Sua fé protegerá você dos
ataques das trevas, assim como faz um escudo.
A Palavra continua citando o cinto da verdade. Ao ler esse trecho,
lembre-se que você deve fugir de exageros e suposições.
Mantenha-se sempre e tão somente na verdade da Palavra. Os
excessos e exageros são uma forma de mentira e omissão, que se
opõem ao princípio da verdade. Tudo o que carregamos conosco
que não seja a verdade, passa a ser um peso desnecessário. O
texto bíblico ainda continua citando as sandálias calçadas com a
prontidão do evangelho da paz e a espada do Espírito, que é a
Palavra: “Por isso, vistam toda a armadura de Deus, para que
possam resistir no dia mau e permanecer inabaláveis, depois de
terem feito tudo” (Efésios 6.13).

Valorize, cultive e inclua a Bíblia na vida da


sua família.

A Palavra de Deus é imperativa quando diz: “vistam”, ou seja,


vistam-se vocês mesmos. Não é Deus quem faz isso por você,
porque a armadura já está disponível no reino espiritual. Quando
você enche-se do Senhor e pratica as boas obras que o revestem
com essas armas, você está apenas apropriando-se daquilo que
Deus já deu.
Ao vestir-se da armadura de Deus, você estará pronto para agir
com uma atitude vitoriosa e com discernimento para sujeitar-se a
Deus e resistir ao Diabo. Como a Bíblia ensina: “Portanto,
submetam-se a Deus. Resistam ao Diabo, e ele fugirá de vocês”
(Tiago 4.7).
Estabeleça essas virtudes como práticas e estilo de vida na sua
casa. Não aceite a mentira, mas viva pela fé; persiga a justiça e a
paz. Tenha convicção da obra redentora de Jesus e estimule o
evangelismo pessoal.

ATITUDE DE VITÓRIA

O povo de Deus é o povo da vitória. Já vencemos em Cristo, já


sabemos o resultado da batalha. Assuma essa atitude na vida
pessoal e familiar. Viva em função do sangue de Jesus, dando bom
testemunho de Cristo e não em função do que o Inimigo tenta
realizar em sua vida. Como lemos nas Escrituras: “O Senhor me
livrará de toda obra maligna e me levará a salvo para o seu Reino
celestial. A ele seja a glória para todo o sempre. Amém” (2 Timóteo
4.18).
Celebre a vida em Jesus, mesmo sabendo que a ação das trevas
está rondando nossas vidas. Isto significa viver em função do Reino
de Deus, do que Ele está fazendo. Não valorize demasiadamente
Satanás, pois ele fará com que você perca muito tempo com ele.
Enquanto isso, o Reino de Deus está progredindo e a Palavra de
Deus está disponível para você: “Eles o derrotaram pelo sangue do
Cordeiro e pelo testemunho deles, pois não amaram suas vidas,
nem diante da sua própria morte” (Apocalipse 12.11 – NBV).

Não valorize demasiadamente Satanás,


pois ele fará com que você perca muito
tempo com ele.

Um grande problema do povo de Deus diante de uma batalha é o


desequilíbrio. Precisamos ser sóbrios e vigilantes; não com medo,
mas com cautela, focados nas coisas que são do alto,
permanecendo em Jesus e celebrando a vitória.
Quem vive em função do reino das trevas vê o Diabo em tudo e,
muitas vezes, vive com medo. É preciso que sejamos sensíveis e
jamais desconsideremos o mundo espiritual, como falamos
anteriormente. Existe sim uma batalha acontecendo e o Inimigo quer
encontrar espaços para atuar em nossas vidas. Mas a vitória não
está na supervalorização do Diabo e no seu reino. A vitória está na
rendição completa a Deus e em uma devoção e sensibilidade
provenientes da sua intimidade com Ele.

“Venham! Adoremos prostrados e ajoelhemos diante do


Senhor, nosso Criador; pois ele é o nosso Deus, e nós somos o
povo do seu pastoreio, o rebanho que ele conduz. Hoje, se
vocês ouvirem a sua voz, não endureçam o coração.” Salmo
95.6-8a

O conhecimento e o discernimento espiritual concedidos por Deus


serão o resultado da sua intimidade e integridade diante do Pai, que
nos conduzirá a todo instante. Esta é a atitude do povo da vitória.
5
ELIMINE
PONTOS DE APOIO
DA AÇÃO MALIGNA

“Não deem oportunidade para o Diabo.”


Efésios 4.27 (NBV)
E
m qualquer ação de ataque organizada, os agentes de uma
determinada força estabelecerão estratégias e táticas para
avançar e alcançar espaço sobre o inimigo. Isso é muito
fácil de entender quando falamos em um contexto militar, policial ou
de guerrilha. Como cristãos, se entendemos que estamos em meio
a um embate espiritual, devemos saber identificar como se dão tais
estratégias de avanço e quais são os pontos de apoio a partir dos
quais as forças malignas ganham espaço em nossa vida e família.
Muitas pessoas têm dificuldades ou conceitos pouco definidos e
claros sobre o termo “batalha espiritual”. Portanto, é importante
entender claramente o que ela significa, em quais esferas de nossa
vida ela acontece e, mais especificamente, quais são as táticas de
ação do Inimigo. A forma pela qual podemos analisar esse contexto
acontecerá sempre por meio do discernimento espiritual.
Um dos maiores gênios da estratégia militar da história mundial foi
o general francês Napoleão Bonaparte. E como todo excelente
estrategista, ele sabia que conhecer o inimigo é algo imprescindível
para qualquer vitória em uma batalha, como certa vez afirmou:
“Vencer uma batalha é conhecer o inimigo, o terreno e as forças
próprias e saber exatamente as condições que você tem para
triunfar perante ele”.
Não se engane: você e sua família passarão por situações em que
será necessário exercer o discernimento espiritual. Precisarão
identificar quais são as táticas ou os pontos de apoio nos quais a
ação maligna pode encontrar espaço em suas vidas.
Vamos supor que você e sua família decidam adquirir um imóvel.
Ao pesquisarem mais sobre aquele local, são informados de que os
proprietários anteriores realizavam ali práticas malignas, como a
vidência ou o culto aos mortos. Você, como cristão, prosseguiria
com a compra? Saberia identificar se naquele espaço físico existe
um domínio ou influência das trevas? Mediante discernimento
espiritual e bom senso, você deveria repensar seriamente sobre a
aquisição do local e agir sobre a questão de forma intencional e
específica, de forma a tomar uma decisão acertada.
Por causa de exemplos assim, tão comuns no nosso dia a dia,
precisamos entender e exercer o princípio da consagração
espiritual, que é o afirmar: “Isso pertence ao Senhor”. Esse
procedimento aplica-se não só em casos de transações com
imóveis, mas em praticamente todos os processos com os quais
lidamos, enquanto cidadãos em nossa sociedade: na aquisição de
bens e até mesmo nos relacionamentos interpessoais em que
estamos envolvidos.
Algo muito importante que precisamos destacar é que não
estamos falando de uma batalha, ou mesmo de uma guerra, em que
não se sabe quem será o lado vencedor. Conhecer o nosso Inimigo
também implica entender sua posição: o Diabo já sabe que está
com seus dias contados e que sua derrota já foi declarada. Sua
posição é a de um inimigo em desespero que, antes de sua
derrocada final, pretende desfalcar, destruir e atingir o máximo que
puder o Reino de Deus. Ele usará de estratagemas para isso,
buscando ganhar espaços onde consiga agir – a partir de
determinados pontos de apoio por onde entra, age, ganha espaço e
traz prejuízos sem medida às pessoas daquela família.

Entender e exercer o princípio da


consagração espiritual, que é o afirmar:
“Isso pertence ao Senhor”.

Outro ponto importante a ser considerado é que, apesar de


estarmos diante de uma batalha, não podemos ter o costume de
atribuir tudo ao Diabo. Decida todas as questões de sua vida com o
discernimento que provém da intimidade com Deus. Risque do seu
vocabulário a frase “não tem nada a ver”. Pelo contrário, passe a
considerar seriamente tudo aquilo que Deus diz sobre a sua vida e
sobre Ele mesmo.
Ao falarmos sobre alguns pontos de apoio comuns que podem ser
inseridos na vida de seus familiares, peça por discernimento e
revelação para a sua própria vida. Você não precisa ser alguém que
anda “apanhando” pesado e que não sabe de onde o golpe está
vindo. Há pessoas sofrendo porque não se voltam para a Bíblia,
para a oração e para o seu relacionamento com Jesus. Lembre-se
de que sua vida, suas decisões e sua família são espirituais, pois
você é um ser espiritual. À medida que você negligencia essa
realidade, está abrindo espaço para que pontos de apoio malignos
sejam estabelecidos. Veja o que o apóstolo Paulo adverte à igreja
de Éfeso:

“Portanto, cada um de vocês deve abandonar a mentira e falar


a verdade ao seu próximo, pois todos somos membros de um
mesmo corpo. Quando vocês ficarem irados, não pequem.
Apaziguem a sua ira antes que o sol se ponha, e não deem
lugar ao Diabo.” Efésios 4.25-27

Não dê lugar ao Diabo! Livre-se de qualquer espaço que exista em


sua família para que ele atue. Cultive seu relacionamento com
Jesus, busque e exerça seu discernimento e revista-se de sua
armadura espiritual. Desta forma, esses pontos nunca ganharão
espaço em sua vida e de sua família.

O QUE SÃO PONTOS DE APOIO PARA A ATUAÇÃO DE


SATANÁS?

Alguns cristãos questionam se é possível que o Diabo atue em


suas vidas. A resposta é: sim, é possível! Toda vez que você cede
às suas sugestões, escolhe o caminho do pecado e não discerne
espiritualmente as aberturas espirituais que possam existir dentro de
sua casa, você pode abrir espaços para que a ação maligna
aconteça. Como afirma o autor Chuck Pierce, muitos teólogos não
têm problemas com o conceito de Satanás tentando os cristãos.
Porém, se ele não obtivesse nenhum benefício a partir do pecado
dos cristãos por consequência desta tentação, por que ele iria nos
importunar? Obviamente, ele espera ganhar um espaço, um
domínio ou uma influência em suas vidas.

Decida todas as questões de sua vida com


o discernimento que provém da intimidade
com Deus.

Satanás fará uso dos espaços que encontrar em sua casa. Não
tenha dúvidas disso. Ele fará com o único intuito de prejudicar não
somente você, mas as pessoas da sua casa e o Reino de Deus
como um todo. E ele contenta-se com pouco! Se você não viver
100% de sua vida em Deus – ou seja, se não render todas as áreas
de sua vida a Ele – já é algo excelente para o Inimigo. Fomos
chamados para viver integralmente, conectados em nossa totalidade
em Deus, agarrando-nos firmemente a tudo o que Ele tem para nós.
A expressão “ponto de apoio”, em linguagem militar, refere-se a
uma posição segura em território inimigo. Ela fornece uma base de
ações a partir da qual é possível realizar avanços e progressos
contra aquele oponente.
Quando lemos em Efésios 4.27, “não deem lugar ao Diabo”,
podemos observar que é possível que pessoas façam exatamente
isso: forneçam uma base, um ponto a partir do qual o Diabo possa
agir em suas vidas. Existem situações em que o Inimigo ocupa
determinado espaço, seja no casamento, nos negócios ou mesmo
um espaço geográfico.

PROTEÇÃO CONTRA PONTOS DE APOIO MALIGNOS

Para que pontos de atuação maligna não ganhem espaço em sua


vida e em sua casa, é necessário que algumas condições e atitudes
estejam presentes.
A primeira e mais importante é que você tenha plena convicção de
sua salvação pessoal. Em segundo lugar, que você aja com
discernimento espiritual em sua vida.
É impossível estar protegido das obras das trevas espirituais sem
que Jesus esteja no centro da sua vida. É Dele o nome que
sobrepuja toda ação maligna. Para anular a ação demoníaca na sua
vida, você precisa, antes de tudo, ter a convicção da sua salvação
pessoal.
Avalie-se e faça essa pergunta com sinceridade. Você tem certeza
da sua salvação? Você reconhece que Jesus é o Filho de Deus e o
único caminho para reconciliar-se com Ele? Reconhece que Sua
morte na cruz aconteceu em favor de seus pecados e que hoje
Cristo vive e em breve voltará? Você tem um relacionamento real,
pessoal e verdadeiro com a pessoa de Jesus? Esse é o passo
número um para a sua proteção espiritual.
A grande questão, no fundo, é essa: você é uma pessoa
pertencente ao Reino de Deus? Você, de fato, está em Cristo? Se
sim, você vive para coisas novas: “Portanto, se alguém está em
Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que
surgiram coisas novas!” (2 Coríntios 5.17). Mas se a resposta for
não, você pode tomar essa decisão agora mesmo.

Para anular a ação demoníaca na sua vida,


você precisa, antes de tudo, ter a
convicção da sua salvação pessoal.

Note que, quem está em Cristo é nova criação. O Espírito Santo


habita nessa pessoa e ela pode demonstrar os frutos dessa
presença em sua vida. Você tem evidenciado os frutos do Espírito
Santo (Gálatas 5.22-23)? A presença desses frutos demonstra a
presença real e verdadeira de Jesus em você.
Da mesma forma, você tem demonstrado os dons espirituais para
edificar o corpo de Cristo (1 Coríntios 12)? É possível identificar em
sua vida a concretização dos dons espirituais, tais como o de liderar,
de profetizar, de curar e de evangelizar, dentre tantos outros? Uma
consequência natural de quem tem Jesus em sua vida é servir de
acordo com a forma pela qual Deus o criou em sua individualidade.
Será o servir aqueles de sua casa, de seus relacionamentos
pessoais, da sua igreja local ou da sociedade algo muito distante
para você? É possível discernir a ação do Espírito em você ou a
realidade de Seus frutos sendo compartilhados por meio de sua vida
é inexistente?

Avalie o histórico, a procedência, a


intencionalidade e consagre tudo a Deus.

Se todas essas descrições estão muito distantes do que você tem


vivido, talvez você esteja diante de duas realidades: precisa admitir
que ainda não tem Jesus de fato em sua vida ou que O conheça
apenas superficialmente, com base em religiosidade. Você pode
decidir convidá-Lo hoje mesmo a habitar em você e tê-Lo como seu
Salvador pessoal.
Em segundo lugar, você pode até ter escolhido Jesus em sua vida,
mas encontra-se atado, prejudicado pela ação maligna por conta de
pontos de apoio que você deixou que ficassem em sua vida,
permitindo que o Inimigo atrapalhasse sua caminhada. Mas Deus
concede-lhe as armas para lutar e para reverter esse quadro, na
medida em que você decide caminhar mais próximo a Ele e tomar
decisões em Sua direção.
Peça para que seus olhos espirituais sejam abertos. O apóstolo
Paulo intercedeu pelo povo de Éfeso nesse sentido: “Oro também
para que os olhos do coração de vocês sejam iluminados” (Efésios
1.18a).
A palavra “iluminados” significa que os que recebem Jesus e a
ação do Seu Santo Espírito têm os seus olhos espirituais abertos.
Temos uma máxima em nossa igreja que diz: “tudo se discerne
espiritualmente”. Portanto, ao lidar com uma situação – como uma
decisão em um relacionamento, a presença de determinado objeto
em casa, o tipo de entretenimento que escolhe, entre tantas outras –
tenha em mente o ponto de vista espiritual. Avalie o histórico, a
procedência, a intencionalidade e consagre tudo a Deus. Peça por
discernimento, por olhos iluminados, para que você seja capacitado
a perceber o que for necessário.

AGINDO COM AUTORIDADE

Para identificar quais pontos de apoio podem estar presentes, é


preciso que haja a ação reveladora do Espírito Santo e uma postura
sábia em relação a todos os aspectos de sua vida.
Quando falamos sobre bens materiais e locais geográficos
devemos colocar isso em prática. É necessário que você analise
sob dois pontos de vista, basicamente, tudo o que você chama de
seu. Em primeiro lugar, levante o histórico daquilo que está em
questão. Em que contexto determinado objeto ou imóvel foi
adquirido? Houve alguma atitude pecaminosa ou consagrada a
Satanás nesse processo? O que acontecia nesse lugar antes de
você o ocupar? Em segundo lugar, peça por discernimento espiritual
e revelação de Deus. Se você identificar algo específico, seja
preciso em sua oração, repare o que está ao seu alcance, livre-se
do que for necessário ou consagre aquilo a Deus. Neste capítulo,
falaremos com mais detalhes sobre esse processo.
A Bíblia dá-nos instruções claras de como agir em todas as
situações, com a consciência de que estamos em meio a uma
batalha espiritual:

“E a incomparável grandeza do seu poder para conosco, os


que cremos, conforme a atuação da sua poderosa força. Esse
poder Ele exerceu em Cristo, ressuscitando-o dos mortos e
fazendo-o assentar-se à sua direita, nas regiões celestiais,
muito acima de todo governo e autoridade, poder e domínio, e
de todo nome que se possa mencionar, não apenas nesta era,
mas também na que há de vir. Deus colocou todas as coisas
debaixo de seus pés e o designou cabeça de todas as coisas
para a igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que enche
todas as coisas, em toda e qualquer circunstância.” Efésios
1.19-23

O que aprendemos nesse texto, em suma, é que a Igreja de Cristo


– eu e você – pode agir com a autoridade espiritual que tem Nele
em meio às situações de nossa vida.
Quando você perceber que há alguma influência ou domínio
crescente do Inimigo em determinadas áreas de sua vida – sua
casa, sua família, seu casamento, seu negócio, seu ministério –,
oponha-se a isso com a autoridade que você tem em Jesus.
Aproprie-se dessa verdade e coloque em prática o que foi
depositado em você, pela graça de Deus. Um cristão não deve
andar intimidado por qualquer ação dessa natureza, mas, antes,
deve buscar a revelação do que está de fato acontecendo e agir
ativamente para banir investidas demoníacas em sua vida e família.
Note que a autoridade sempre tem algo a ver com a posição de
um indivíduo. Como filho de Deus, é outorgada a você essa
autoridade. Por outro lado, o poder sempre tem a ver com a ação do
próprio Espírito de Deus e nunca de nós mesmos. É Ele quem age,
por meio de seus filhos. Veja as palavras de Jesus:

“Estes sinais acompanharão os que crerem: em meu nome


expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão em
serpentes; e, se beberem algum veneno mortal, não lhes fará
mal nenhum; imporão as mãos sobre os doentes, e estes
ficarão curados.” Marcos 16.17-18

Creia nesta verdade e ande em santidade e proximidade com o


Espírito de Deus. Este é um importante princípio que deve ser
aprendido para agir contra qualquer espaço que o Inimigo tente
conquistar em sua vida.

EXEMPLOS PRÁTICOS
A seguir, citaremos de forma mais específica alguns pontos de
apoio muito comuns que podem ser encontrados nas casas e nas
famílias. É importante que os conheçamos, que vejamos exemplos
práticos e que, a partir do discernimento espiritual e da orientação
de Deus, possamos destruí-los, protegendo nossa vida e família
contra este tipo de abertura espiritual.
1. Pecados não confessados
O pecado é o seu maior inimigo. Nem mesmo Satanás é maior do
que ele, pois o pecado é o que permite a ação maligna em sua vida.
Se houver espaço, o Inimigo o ocupará. Se houver santidade, ele
não terá por onde agir e você estará caminhando para a vitória. Mas
quando você peca, está ferindo o coração de Deus, pois Jesus
morreu na cruz justamente pelos seus pecados.
Quando não há a confissão dos seus pecados a Deus, está aberto
um convite para ação do Inimigo em sua vida. Está aberto um
espaço para que um ponto de apoio seja estabelecido a partir
daquela iniquidade, abrindo uma oportunidade para que você e
todos aqueles que estão em aliança com você sejam prejudicados.
Uma verdadeira brecha por onde o mal instala-se e aprofunda-se.
Peça perdão e arrependa-se de seus pecados. Caso contrário,
você estará comprometendo não somente a sua vida, mas também
a sua posteridade.
Os pais devem atentar-se seriamente para esse ponto. Se você
tem filhos, saiba que suas escolhas em relação ao pecado afetarão
direta e profundamente a vida deles, nas esferas física, emocional e
espiritual. Quando você acerta como pai ou como mãe, todos em
sua casa ganham. Mas quando você erra, todos ao seu redor
perdem, e muito. A escolha pela infidelidade no casamento,
negligência na educação dos filhos, desonestidade nos negócios,
entre outras, têm trazido consequências desastrosas na vida de
muitos filhos e filhas.

Quando não há a confissão dos seus


pecados pessoais a Deus, está aberto um
convite para ação do Inimigo em sua vida.

Por isso, é necessário que você adote uma postura proativa em


relação à consagração dos seus. Esse aspecto de sua família é
muitíssimo importante. Decida assumir essa postura, pois você e
sua família vivem em meio a uma batalha espiritual.
Alguns pecados são bem conhecidos, você sabe seus nomes,
onde e quando acontecem. Existem iniquidades que são
premeditadas e intencionais. Quanto a esses pecados, decida
abandoná-los de vez, deixe que o velho homem morra. Peça perdão
e mude seus caminhos definitivamente.
Mas também existem outros pecados que talvez você desconheça.
Decisões e atitudes que ferem e desagradam o coração de Deus,
mas que você ainda não constatou que estão presentes em sua
vida. No entanto, isso não muda o fato de que são pecados e que
geram consequências.

É necessário que você adote uma postura


proativa em relação à consagração dos
seus.

É preciso, portanto, que você coloque diante de Deus também


seus pecados inconscientes, aquelas atitudes que você ainda não
detectou em sua vida. Precisamos de discernimento para entender
as coisas erradas que existem em nossa mente, para que não
estejam mais encobertas para nós. Ore pedindo pela revelação do
Espírito Santo sobre a sua vida também nesse sentido.
O salmista fala sobre essa atitude de coração quando diz: “Sonda-
me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as
minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo te ofende, e
dirige-me pelo caminho eterno” (Salmo 139.23-24).
Acredite, Deus revelará aquilo que está oculto, para que você
possa tomar a decisão de reconhecer o que precisa ser ajustado,
arrepender-se e trilhar um novo caminho.

2. Objetos consagrados
Objetos também podem ser um ponto de apoio para a ação
maligna em sua casa: objetos consagrados a demônios ou objetos
que representam algo associado a uma prática pecaminosa pessoal
ou de terceiros.
Certa ocasião, tivemos a oportunidade de evangelizar uma moça
que estava passando por muitos dilemas pessoais. Ela tinha um
vocabulário bastante esotérico, algo que, desde o início, nos
chamou a atenção. Certo dia, fomos com outros irmãos à sua casa
para lhe fazer uma visita. Ao entrarmos na sala, deparamo-nos com
uma imensidão de objetos espiritualistas: bruxinhas penduradas,
cristais, incensos, livros esotéricos e muitos outros objetos. Aquele
provavelmente foi o metro quadrado mais infestado de objetos
consagrados espiritualmente em que já pisei.
A mãe havia percebido que sua filha, nosso alvo principal para
alcançar aquela família, já tinha passado por muitas mudanças em
sua vida. A senhora fazia questão de posicionar-se contra qualquer
abordagem cristã, mas a filha continuava firme em buscar suas
respostas sobre Deus. Um tempo depois, fui procurado por essa
moça, agora já uma irmã em Cristo. Ela entrou em contato,
desesperada, contando que sua mãe estava desacordada em casa.
Creio que, nessa situação específica, Deus fez com que aquela
moça procurasse uma ajuda espiritual, antes mesmo de uma ajuda
médica. Fomos imediatamente à sua casa, orando e repreendendo
a atuação maligna sobre aquela vida.
Quando vi a senhora desmaiada, rapidamente tive o discernimento
de que se tratava de uma opressão maligna. Começamos a orar e
buscar contato com ela. Quando recobrou os sentidos,
perguntamos: “Você sabe o que está acontecendo?” Ela respondeu:
“Sim!”. Logo em seguida, sugeri: “Podemos retirar todos estes
objetos consagrados a entidades e jogá-los fora?” Ela não tinha
forças para desfazer-se deles com as suas próprias mãos, mas
autorizou sua filha a começar aquela limpeza, que durou cerca de
quatro horas.
Foi impressionante notar que a cada saco de lixo cheio daquelas
coisas que saía da casa, melhor a mulher se sentia. Ao final daquele
processo, demos as mãos e ela confessou Jesus como o seu
Senhor e Salvador pessoal. Os objetos consagrados certamente
eram um forte ponto de apoio naquela casa. Objetos que tenham
esse significado espiritual sempre trazem danos à pessoa que os
possui.
Em Josué 7, vemos um exemplo claro de como objetos
consagrados trouxeram prejuízos ao povo de Israel. Conforme narra
o texto bíblico, os israelitas passaram a guardar em suas casas
ídolos e objetos ligados à idolatria a deuses pagãos. A presença
daqueles objetos abomináveis para Deus deu espaço para que o
povo de Israel perdesse a condição de vencer suas batalhas,
passando a enfrentar terríveis derrotas. Veja o que Deus disse a
Josué, líder de Israel na ocasião, acerca dessa atitude:
“Israel pecou. Violou a aliança que eu lhe ordenei. Apossou-se
de coisas consagradas, roubou-as, escondeu-as e as colocou
junto de seus bens. Por isso, os israelitas não conseguem
resistir aos inimigos; fogem deles porque se tornaram
merecedores da sua destruição. Não estarei mais com vocês,
se não destruírem do meio de vocês o que foi consagrado à
destruição. Vá, santifique o povo! Diga-lhes: Santifiquem-se
para amanhã, pois assim diz o Senhor, o Deus de Israel: Há
coisas consagradas à destruição no meio de vocês, ó Israel.
Vocês não conseguirão resistir aos seus inimigos enquanto não
as retirarem.” Josué 7.11-13

Será que em sua casa também existem coisas consagradas à


destruição? Objetos que, em sua natureza, significado e contexto,
não têm a ver com a nova vida de Cristo em você?
Decida caminhar em santidade diante do Senhor. Deixe para trás
aquilo que deve ficar no passado! Só assim você estará livre para
viver o melhor de Deus.
Não faça como Raquel, esposa de Jacó, que, ao deixar a casa do
pai por decisão do marido, roubou os ídolos de seu clã e escondeu-
os em suas coisas, em segredo. Raquel demonstrou que não quis
servir ao Deus de Israel. Ela tinha um plano “B”, pois quis levar
consigo os ídolos de seu pai (Gênesis 31.19). Podemos citar
exemplos comuns de objetos dessa natureza:
Imagens e representações de deuses estranhos, estatuetas e
santinhos.
Objetos referentes a seitas e heresias, como livros e objetos
ritualísticos, mesmo que tenham sido adquiridos como souvenirs.
Objetos místicos e esotéricos como sino de vento, fitinhas, figas,
cristais e outros.
Objetos relacionados e pertencentes a sociedades secretas.
Itens advindos de pirataria, como CDs, DVDs, games, softwares,
brinquedos ou mesmo medicamentos. A pirataria é um crime e
está relacionada à desonestidade e ao roubo.
Trajes indecentes, que remetem à sensualidade, luxúria e
promiscuidade.
Trajes com dizeres e mensagens impróprias, que remetem à
impureza e ao pecado.
Objetos pessoais relacionados a vínculos emocionais passados,
que precisam ser superados, perdoados e até mesmo
quebrados, tais como: fotografias, cartas, e-mails, mensagens
eletrônicas e presentes.
Desfazer-se deste tipo de objetos será um passo importante.
Como fizeram nossos irmãos no passado, os primeiros cristãos:

“Muitos dos que creram, vinham, confessavam e declaravam


abertamente suas más obras. Grande número dos que tinham
praticado ocultismo reuniram seus livros e os queimaram
publicamente. Calculado o valor total, este chegou a cinquenta
mil dracmas.” Atos 19.18-19

Em meio a tantos objetos com os quais lidamos no cotidiano,


podemos partir de alguns critérios de avaliação para discernir sobre
o que deve ser feito em relação a determinado item. Primeiramente,
se algo não glorifica a Deus de alguma forma, desfaça-se daquilo. E
se um objeto está relacionado diretamente a algo de natureza
espiritual maligna, da mesma forma, não o mantenha consigo.

Se algo não glorifica a Deus de alguma


forma, desfaça-se daquilo.

Existem coisas que são claramente impróprias para a sua nova


vida com Jesus, tais como os objetos relacionados a entidades
malignas. Mas também haverá certas coisas que Deus poderá
revelar a você especificamente, como consagradas e profanadas e,
por isso, não devem estar com você. Isto pode acontecer em
especial com objetos que estejam associados a relacionamentos
doentios. Aquele objeto ganhou um valor específico para a sua vida,
está atrelado a lembranças ruins ou mesmo ao pecado e pode ser
um ponto de apoio para a ação maligna. Logo, peça sempre por
discernimento espiritual.
Faça esse exercício agora mesmo. Peça a Deus que revele se
existe algo em sua casa, em seu quarto ou em seu local pessoal de
trabalho que está trazendo prejuízo para a sua vida. Se algo for
identificado, jogue-o fora. Se possível, destrua-o e remova-o de sua
casa completamente. Em seguida, ore repreendendo a ação
maligna sobre aquele objeto e consagre sua casa ao Senhor.
Tenha esse princípio em mente também quando comprar objetos
para sua casa, adquirir lembranças de uma viagem, ou mesmo
quando ganhar um presente para você ou para seus filhos.
Desfaça-se somente daquilo que pertence a você ou a seus filhos,
pois de nada adiantará jogar fora algo que não é seu. A pessoa que
é dona do objeto precisa entender essa realidade. Se ela não for
cristã, a atitude de jogar fora um objeto que lhe pertence pode gerar
conflitos e mais confusão ainda. Neste caso, ore sobre o assunto e
persista em apresentar aos de sua casa a salvação e a libertação
em Cristo Jesus.

3. Locais físicos
Como lemos anteriormente em Marcos 5.1-15, acerca do caso do
endemoninhado de Gadara, existe também uma esfera geográfica
associada à ação maligna. Os demônios relatados nesse trecho das
Escrituras pediram a Jesus que continuassem naquela região, pois
claramente estavam associados àquele lugar. Quando lemos em
Efésios 4.27 “não deem lugar ao Diabo”, a palavra lugar é traduzida
do grego topos, referente a um lugar geográfico, um território ou
uma localização específica.
Assim como espíritos demoníacos podem agir por meio de objetos
consagrados, fazendo desta presença um ponto de apoio para
opressão e ação perniciosa, espíritos demoníacos podem agir em
determinados locais físicos.
O princípio é o mesmo. Quando um determinado local é
consagrado ao Inimigo, surge um espaço para a ação demoníaca.
Quando um espaço físico traz em seu contexto uma realidade de
pecado, também haverá implicações.
Pense, por exemplo, em um terreno onde se pratica rituais de
invocação de espíritos ou outras práticas consagradas a demônios.
Ali, certamente existe uma legalidade para que a ação demoníaca
tome lugar. Como cristão, talvez você já tenha tido a sensação de
entrar em um lugar e sentir-se incomodado, mal e opresso. Isso tem
a ver com a ação maligna que domina no local, que age em aberta
oposição ao Espírito de Luz que habita em você. Não é à toa que
você sente-se mal.
Por isso, ao entrar em um quarto de hotel, ao alugar ou adquirir
uma casa ou apartamento ou ao alojar-se em determinado espaço
físico, tenha o discernimento para perceber se aquele lugar é ou já
foi consagrado ao Inimigo.
Na história de nossa igreja, passamos por uma experiência muito
interessante nesse sentido. Sempre tivemos em nosso coração
alcançar determinado bairro de nossa cidade, mas não tínhamos
encontrado, até então, a oportunidade certa. Em uma ocasião, fui
procurado pelo dono de um estabelecimento localizado em um
ponto estratégico do bairro, fazendo uma oferta para que a igreja
alugasse o local. O único detalhe era que o estabelecimento fora,
durante o último ano, usado como o mais famoso prostíbulo de luxo
da cidade, palco para o pecado, o adultério, a prostituição e tantas
outras coisas malignas.
Entramos em oração e jejum para discernirmos o que fazer. Deus
confirmou que era de Sua vontade que alugássemos o local,
transformando por completo aquele ambiente. Fechamos o contrato
e passamos a ocupar aquele espaço que fora construído com tanto
zelo e requinte inicialmente para o pecado, mas que agora seria
consagrado a Deus. Antes de ocuparmos o local, reformamos tudo o
que pudemos internamente. Desfizemo-nos de todos os objetos que
remetiam à boate, transformamos a iluminação, a pintura e outros
detalhes. Sobretudo, fizemos uma verdadeira faxina espiritual,
ungindo o local e realizando vigílias de oração com nossa equipe de
intercessão e liderança da igreja.
Um tempo depois, recebi o testemunho da primeira proprietária do
local, responsável por sua construção, inicialmente como um espaço
de eventos. Contou-nos que era cristã e que havia consagrado há
muitos anos aquele lugar a Deus. Mas, por conta de problemas nos
negócios, ela e sua sócia tiveram que desfazer-se do
estabelecimento, o qual veio a ficar nas mãos de outros
proprietários, sob cuja direção foi instalado o prostíbulo. Ela então
contou-me com lágrimas nos olhos a alegria de ver que aquele local
estava sendo usado para a glória de Deus.
O local foi usado durante alguns anos com programações
semanais e celebrações, um local de bênção e não de maldição. Há
alguns anos, deixamos de ocupá-lo devido à construção de nosso
campus e o espaço passou a ser usado por um novo proprietário
para celebrações de casamentos.
Em todas as situações, aja com intencionalidade e discernimento
ao ocupar qualquer espaço físico, a começar por sua própria casa,
local onde você dorme, come e descansa. Consagre-o inteiramente
a Deus.

4. Alianças
Como seres humanos, nós interagimos com muitas pessoas.
Somos seres sociais e relacionais. Amamos estar perto e conviver
com pessoas. Mesmo nos dias em que essa ênfase não é dada,
naturalmente atrelamo-nos a relacionamentos e em comunidade.
Por isso, envolvemo-nos naturalmente.
Somos assim, pois fomos criados à imagem e semelhança de
Deus. Ele é um ser relacional, fato especialmente expresso na
Trindade, na qual três pessoas interagem em perfeição: Pai, Filho e
Espírito Santo. Um relacionamento tão profundo que a ele foi dado o
nome de aliança.
Servimos a um Deus de aliança, cuja essência relacional está
ligada às alianças que Ele estabelece conosco. O Pai enviou Seu
Filho para morrer por nossos pecados e esse sacrifício com sangue
inclui-nos em Sua nova aliança como Seus filhos.
As alianças são acordos solenes, que ligam as partes em relações
permanentes, definidas, com promessas específicas e com
reivindicações e obrigações de ambos os lados.

Servimos a um Deus de aliança, cuja


essência relacional está ligada às alianças
que Ele estabelece conosco.

Veja que uma aliança é algo mais profundo do que um contrato.


Em um contrato, as partes podem dissociar-se mediante uma
anulação, mas a aliança pressupõe o envolvimento e união mais
profundos e definitivos.
As alianças são seladas com sangue. No mundo espiritual, o
sangue tem um valor inigualável e representa um alto preço pago.
Temos uma nova aliança com Deus por meio de Jesus e do Seu
sacrifício por nós na cruz.
Depois de nossa salvação, outras duas alianças mais importantes
para nossa vida são a aliança com o cônjuge, a aliança matrimonial,
e a aliança com nossos filhos, a aliança geracional. Toda aliança
traz implicações espirituais.
O casamento, a aliança matrimonial, é uma aliança entre um
homem e uma mulher, um elo profundo que visa a unidade completa
do casal, tornando-se uma só carne e vivendo dessa forma para
toda a vida.
Dada a profundidade de uma aliança e de seu aspecto espiritual, é
preciso entender que alianças desiguais não podem trazer bênçãos.
Quando existe o estabelecimento de uma aliança entre uma pessoa
cristã e uma pessoa não cristã, existe nessa ligação espiritual
estabelecida um espaço vulnerável à ação maligna. Não existe
comunhão entre trevas e luz.
Isto é válido para o casamento. Se hoje você está noivo(a) de uma
pessoa não cristã, precisa ter o conhecimento da profundidade da
aliança que está prestes a estabelecer e quão graves podem ser as
consequências. No âmbito espiritual, essa pessoa não possui uma
aliança com Deus e você estará aliançado a ela. A Bíblia diz em 2
Coríntios 6.14 para não nos submetermos a um jugo desigual: “Não
se ponham em jugo desigual com descrentes. Pois o que têm em
comum a justiça e a maldade? Ou que comunhão pode ter a luz
com as trevas?”. Em relação ao namoro, é muito importante
considerar isso. Não se comprometa voluntariamente com alguém
infiel a Deus. Isso poderá se tornar um ponto de apoio, uma porta de
entrada para a ação maligna em sua família. Por mais que a pessoa
seja bem intencionada, ela não possui uma aliança com Deus. Não
há garantia de que a pessoa irá voltar-se para Jesus. Se você já é
casado com alguém que não tem a Jesus como Salvador, peça
perdão a Deus por sua decisão no passado, mas persista em
oração e consagre sua família ao Senhor.

Toda aliança traz implicações espirituais.


O princípio da aliança ultrapassa os limites do contexto do
casamento e também é válida para outros tipos de associações.
O estabelecimento de sociedades em negócios, por exemplo, é um
tipo de aliança. De fato, o estabelecimento de sociedades com
pessoas não cristãs, ou mesmo fora daquilo que Deus o direcionou,
pode abrir grandes brechas para a atuação maligna em sua vida.
Sociedades dessa natureza podem fazê-lo tomar decisões e
comprometê-lo em situações que desagradam a Deus e que darão
espaço para a ação maligna em sua casa. Você pode ver-se
impelido a abrir um tipo de negócio que não agrada a Deus, a
financiar ações que promovam o pecado, a abrir concessões em
sua integridade e assim por diante.
O mesmo acontece com suas amizades. Existem amizades
profundas, que se caracterizam como alianças. Com que tipo de
pessoas você está comprometido e atrelou sua vida? Tome cuidado
com as alianças que você tem estabelecido.
Atente-se para o que é necessário em sua vida. No caso de
amizades e sociedades, se for necessário, quebre as alianças e
renuncie-as. No caso de namoros e noivados, esteja extremamente
atento para isto: qual é o tipo de família e o tipo de cobertura
espiritual que você estará voluntariamente trazendo para a sua
vida?

Antes de estabelecer qualquer tipo de


aliança, ore a Deus e peça por Sua
orientação.

Antes de estabelecer qualquer tipo de aliança, ore a Deus e peça


por Sua orientação, de forma que você não permita em sua vida
pontos de apoio para a ação maligna por meio de ligações
prejudiciais.

ANULANDO PONTOS DE APOIO

O que fazer quando identificamos pontos de apoio em nossa vida?


Como já dissemos, tudo parte de sua identidade em Jesus e do
discernimento que o Espírito Santo trará a você. A partir daí, tome
uma iniciativa específica e proativa em relação aos pontos de apoio:
desfazer-se de determinado objeto, consagrar sua casa ao Senhor,
dissolver ou evitar firmar alianças prejudiciais.

1. Renuncie
Um princípio importante nesse processo é o de renunciar em voz
alta toda e qualquer aliança firmada com forças demoníacas, seja
através do pecado, de objetos, de lugares ou de relacionamentos.
Orar em voz alta, declarando a sua renúncia àquela aliança, tem
um peso espiritual relevante. De fato, algumas pessoas até
encontram dificuldade em fazê-lo, por conta de uma opressão
maligna. Se encontrar dificuldades, você pode procurar ajuda.
O importante é aprendermos a desligar o que antes estava ligado
e que era canal para a ação maligna em nossas vidas. Esse
princípio é revelado nas Escrituras, em Mateus 16.19: “Eu lhe darei
as chaves do Reino dos céus; o que você ligar na terra terá sido
ligado nos céus, e o que você desligar na terra terá sido desligado
nos céus”.

2. Desfrute de um avivamento familiar


A Bíblia relata como os cristãos de Éfeso entenderam que
precisavam desfazer-se de coisas que não tinham coerência com
sua nova vida em Cristo. Lemos que pessoas desfizeram-se de
livros de ocultismo, queimando-os em praça pública em um ato de
consagração a Deus.

“Muitos dos que creram, vinham, confessavam e declaravam


abertamente suas más obras. Grande número dos que tinham
praticado ocultismo reuniram seus livros e os queimaram
publicamente. Calculado o valor total, chegou a cinquenta mil
dracmas. Dessa maneira a palavra do Senhor muito se difundia
e se fortalecia.” Atos 19.18-20

Os novos cristãos em Éfeso foram tomados por um profundo


senso de arrependimento prático, desfazendo-se de todos aqueles
embaraços espirituais ligados ao ocultismo. Vemos que, após
levarem a cabo sua decisão, envolveram-se em um grande mover
do Espírito Santo.
Essa realidade também pode acontecer com você e a sua família.
Chegou a hora de você e sua casa experimentarem um novo mover
de Deus e de Suas promessas, tais como as que encontramos no
livro do profeta Joel:

“E, depois disso, derramarei do meu Espírito sobre todos os


povos. Os seus filhos e as suas filhas profetizarão, os velhos
terão sonhos, os jovens terão visões. Até sobre os servos e as
servas derramarei do meu Espírito naqueles dias.” Joel 2.28-29

Este é o desejo de Deus para a sua casa: que seus filhos


profetizem, que os mais experientes tenham sonhos e que os jovens
tenham visões. É tempo de fazer isso cumprir-se em nossas
famílias, em um verdadeiro avivamento familiar.
Ainda que você esteja diante de trevas espirituais, não retroceda,
pois a luz de Jesus Cristo está em você. Em Êxodo 10, vemos como
a luz do Deus de Israel estava com o Seu povo. A nova praga
enviada ao Egito, antes que o povo de Israel fosse libertado da
escravidão, foi justamente o envio de densas trevas. Mas o povo de
Israel desfrutava de luz:

“Moisés estendeu a mão para o céu, e por três dias houve


densas trevas em todo o Egito. Ninguém pôde ver ninguém,
nem sair do seu lugar durante três dias. Todavia, todos os
israelitas tinham luz nos locais em que habitavam.” Êxodo
10.22-23

Creia que da mesma forma será com a sua casa. Creia que apesar
das trevas espirituais tentarem atingi-lo, você terá luz no local em
que habita. Deus também prometeu:

“Ele o livrará do laço do caçador e do veneno mortal (...) Você


não temerá o pavor da noite, nem a flecha que voa de dia, nem
a peste que se move sorrateira nas trevas, nem a praga que
devasta ao meio-dia. Mil poderão cair ao seu lado, dez mil à
sua direita, mas nada o atingirá. (...) Se você fizer do Altíssimo
o seu abrigo, do Senhor o seu refúgio, nenhum mal o atingirá,
desgraça alguma chegará à sua tenda. Porque a seus anjos ele
dará ordens a seu respeito, para que o protejam em todos os
seus caminhos; com as mãos, eles o segurarão, para que você
não tropece em alguma pedra. Você pisará o leão e a cobra;
pisoteará o leão forte e a serpente.” Salmo 91.3-13

Somos vencedores em Cristo Jesus para derrotar todo e qualquer


ponto de apoio de ação maligna em nossas casas. Satanás, nosso
Inimigo, tem consciência de todas essas promessas. Anda furioso,
procurando e agindo a partir das portas de legalidade que encontra
na vida das pessoas. Suas ações são evidentes e, a cada dia, mais
cruéis e destrutivas. Não obstante, no reino espiritual, a guerra já
tem um vencedor.
Jesus Cristo e sua Igreja – nós e as nossas famílias – temos a
vitória. Creia plenamente nisso. Creia que a sua família está debaixo
da promessa: de que ela é vencedora em Jesus. Como lemos em 1
João 3.8b: “Para isso o Filho de Deus se manifestou: para destruir
as obras do Diabo”.

Somos vencedores em Cristo Jesus para


derrotar todo e qualquer ponto de apoio de
ação maligna em nossas casas.

Foi justamente para isso que o Filho de Deus manifestou-se em


nossas vidas: para trazer-nos salvação, libertação e destruir as
obras do Inimigo. É o desejo de Deus ver sua família inteiramente
consagrada a Ele, envolvida com o seu Reino, ou seja, com sua
Igreja, avançando contra as forças inimigas para desfrutar do melhor
de Deus na Terra e na eternidade.
Cuide para que você não seja o maior obstáculo para um
verdadeiro avivamento espiritual em sua família. Faça a limpeza
espiritual da sua casa, purifique-se hoje e então você ouvirá o
mesmo que Josué ouviu Deus lhe dizer: “E Josué ordenou ao povo:
Santifiquem-se, pois amanhã o SENHOR fará maravilhas entre
vocês” (Josué 3.5).
6
PROTEGENDO
SEUS FILHOS
DAS TREVAS
ESPIRITUAIS
“Não tenho alegria maior do que ouvir que
meus
filhos estão andando na verdade.”
3 João 1.4
A proteção espiritual dos filhos começa com a atitude correta de
seus pais. Ao falarmos sobre a proteção de nossas casas, devemos
ter em mente o papel fundamental que os pais exercem para
propiciar um lar onde existam bênçãos, proteção espiritual e um
ambiente que os conduza ao conhecimento do verdadeiro Deus.
Na realidade, esta é uma orientação que Ele dá: “Aquele que teme
ao Senhor possui uma fortaleza segura, refúgio para seus filhos”
(Provérbios 14.26).
É por isso que não podemos começar a tratar desse assunto sem
antes considerarmos o papel dos pais na vida de seus filhos. E qual
função eles precisam desempenhar? O Senhor colocou-os para
exercer autoridade espiritual sobre a vida dos seus. Esse é o ponto
primordial para que o relacionamento entre pais e filhos seja
abençoado.

A ALIANÇA ENTRE FILHOS E PAIS

O seio familiar é um conjunto de alianças, pois ele é formado de


relacionamentos que, em sua natureza, são muito mais pessoais e
especiais. A união de um homem e uma mulher por meio do
casamento e a vinda dos filhos estabelece o vínculo de alianças
entre esposo e esposa e entre pais e filhos.
Os dois ajuntamentos são tão profundos e misteriosos quanto o
nosso relacionamento com Deus. São nossas alianças de sangue.
No casamento, a aliança acontece por meio do ato sexual e na
geração dos filhos é pela troca de sangue entre o bebê e a mãe.
Isso também é válido para as alianças estabelecidas entre pais e
filhos adotivos.
A aliança geracional – aquela que vincula os filhos a seus pais – é
uma das alianças mais importantes na vida de um indivíduo, depois
da aliança com Deus e da aliança do casamento. Ela acarreta várias
consequências na vida familiar e, por isso, é muito importante que
os pais entendam a sua importância e o seu papel dentro dela.

Precisamos entender que tanto os pais


quanto as mães têm uma ligação de
aliança plena com seus filhos.

O que foi gerado dentro do contexto da aliança do casamento


possui a bênção de Deus para prosperar. Por outro lado, aquilo que
é gerado fora dele, torna-se desprotegido da cobertura espiritual e é
mais suscetível à ação das trevas. Filhos que nascem fora do
contexto do casamento já nascem em uma condição mais exposta à
ação maligna, a começar pela estrutura familiar frágil na qual está
inserido.
Talvez você tenha gerado um filho fora do contexto do casamento.
Quem sabe, ele ou ela até já seja um adulto. Ainda assim, entenda
que existe uma aliança entre vocês. Faça uma oração de
consagração e cobertura espiritual sobre a vida de seu filho e sele
essa aliança diante de Deus, pedindo perdão por tê-lo gerado fora
da aliança do casamento e consagre sua família a Ele.
Precisamos entender que tanto os pais quanto as mães têm uma
ligação de aliança plena com seus filhos. É isso que possibilita aos
pais uma série de prerrogativas que deverão ser exercidas em sua
família.

A AUTORIDADE ESPIRITUAL DOS PAIS

Enquanto somos pais, recebemos de Deus a autoridade espiritual


sobre nossos filhos. Há aqueles que estão conscientes desta
realidade e outros que não a exercem e desprotegem seus filhos. A
Bíblia fala que nossas escolhas afetam diretamente a vida de nossa
descendência:

“Hoje invoco os céus e a terra como testemunhas contra vocês,


de que coloquei diante de vocês a vida e a morte, a bênção e a
maldição. Agora escolham a vida, para que vocês e os seus
filhos vivam.” Deuteronômio 30.19

Podemos escolher entre a bênção e a maldição. A opção


escolhida afetará toda a nossa descendência. O Senhor concedeu-
lhe autoridade de vida e de morte para que você escolha, algo que
afetará sua vida e a de todos os seus descendentes.
Deus fala sobre o conceito de autoridade em 1 Pedro 2.13a: “Por
causa do Senhor sujeitem-se a toda autoridade constituída entre os
homens”. O texto refere-se diretamente à autoridade sociopolítica, a
qual precisamos obedecer, mas também diz respeito à autoridade
que um pai tem sobre a vida de seus filhos. Mais importante do que
a aliança social, temos na aliança geracional uma qualidade de
autoridade espiritual. O texto bíblico expõe sobre a aliança e a
autoridade:

“Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor, pois isto é justo.


Honra teu pai e tua mãe – este é o primeiro mandamento com
promessa – para que tudo te corra bem e tenhas longa vida
sobre a terra.” Efésios 6.1-3

“Se alguém amaldiçoar seu pai ou sua mãe, a luz de sua vida
se extinguirá na mais profunda escuridão.” Provérbios 20.20

Veja a importância da aliança e da autoridade sobre os filhos,


condição para uma vida de bênção ou maldição. Antes mesmo de
considerar seu papel como pai ou mãe, pense em seu papel
enquanto filho. Você tem respeitado essa autoridade espiritual e
honrado seus pais? Deus diz que quem amaldiçoa os pais terá sua
luz apagada. Como vamos ensinar nossos filhos a honrar-nos se
não o fazemos com nossos próprios pais? Os filhos observam os
pais o tempo todo, não importa a idade que tenham. E é a partir
dessas imagens e memórias que irão elaborar seus
comportamentos e valores. Por isso, honre para também ser
honrado.

Honre para também ser honrado.

Você, pai ou mãe, é a maior autoridade sobre seus filhos. Quando


estão doentes, quando precisam de ajuda ou quando existe
rebeldia, você tem a autoridade de repreender e ensinar a
submissão. A sua oração tem mais autoridade sobre a vida de seus
filhos do que qualquer outra. Você tem um papel fundamental sobre
a vida espiritual deles.

O LEGADO ESPIRITUAL DOS PAIS

Como autoridade espiritual, você tem um legado espiritual para


abençoar ou para amaldiçoar seus filhos! A Bíblia fala sobre legados
dos pais que trouxeram maldição às gerações seguintes: “Sabendo
que não foi mediante coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que
fostes resgatados do vosso fútil procedimento que vossos pais vos
legaram” (1 Pedro 1.18 – ARA). Também lemos: “Nossos pais
pecaram, mas morreram antes de o castigo chegar. Nós é que
estamos pagando pelos pecados deles” (Lamentações 5.7 – NBV).
Estes textos revelam-nos que as consequências dos atos
pecaminosos dos pais afetam direta e profundamente a vida de
seus filhos.
Existe um tipo de legado fútil, uma vã maneira de viver, que pode
ser transmitido aos filhos mediante uma tradição familiar. De fato, a
influência familiar é capaz de engessar o comportamento e até
comprometer o desenvolvimento de nossa personalidade
originalmente criada por Deus.
Quando pequena, a criança precisa, sim, de limites. No entanto,
muitas vezes tendemos a reprimir nossos filhos, proibindo-os de
expressar um jeito extrovertido e alegre de ser que é parte da
personalidade deles. Quando crescerem, serão adultos coibidos,
cheios de traumas causados por uma forma extrema de educar os
filhos. Este tipo de comportamento pode ter vindo como legado de
nossos próprios pais. Portanto, cuide daquilo que você tem colocado
no coração de seus filhos.
Quando você peca, também abre uma brecha na vida de seus
filhos, pois você é autoridade na vida deles e há uma aliança
estabelecida entre vocês. Os pecados são brechas espirituais que
geram consequências e influências em sucessivas gerações: “Eu
sou o Senhor (...) visito a iniquidade dos pais nos filhos até à
terceira e quarta geração” (Êxodo 20.5b – ARA).
É importante esclarecer, contudo, que os filhos carregam as
consequências – ou seja, os efeitos – e não a culpa pelos pecados
de seus pais. Quando as consequências do pecado repetem-se por
sucessivas gerações, são chamadas de iniquidades.
No campo da psicologia, reconhece-se que há comportamentos
reprisados nas famílias e trabalha-se nesse sentido com um tipo de
terapia chamada genograma, uma representação gráfica da família
usada para verificar a composição familiar e os padrões relacionais
familiares. Permite, de forma simples e didática, apresentar quais
são os membros que constituem a família, tenham eles vínculos
consanguíneos ou não, identificando idade, profissão, entre outras
informações.
Na esfera natural ou emocional, é muito fácil ter a percepção do
legado familiar. Por exemplo, uma gestante portadora do vírus HIV
poderá contagiar seu filho com o vírus. Apesar de o bebê não ter
culpa pelo fato, ele pode ficar com a consequência. Não é algo
justo, mas foi o legado que recebeu de sua mãe. Outra criança, por
exemplo, pode receber uma herança grande o suficiente para que
não tenha que trabalhar o resto da vida. Não é exatamente justo,
mas foi o legado que recebeu de sua família.
É preciso entender que as heranças nada têm a ver com
preferências e injustiças, mas com uma lei natural, a lei da filiação, a
qual também se aplica ao mundo espiritual. Veja o diagrama abaixo:

Pecado geracional (causa) → iniquidade hereditária (efeito) →


→ legado sobre a vida de filhos (comportamentos)

Como bem coloca o pastor Coty: “A herança espiritual não se


fundamenta no direito, mas na filiação” [ 16 ]. Por conta do princípio
de legado e filiação espiritual, os filhos acabam por herdar a
fraqueza de seus pais em relação a determinados pecados. As lutas
de seus filhos, ou mesmo objetos ou padrões de comportamento
pelos quais são atraídos, estão ligados ao legado espiritual de seus
pais. Podemos citar alguns exemplos de iniquidades que atingem a
vida dos filhos:
Pecados escravizadores.
Envolvimento com ocultismo e feitiçaria.
Participação em sociedades secretas, cujos participantes
comumente consagram toda a descendência.
Roubo ou defraudação a Deus.

Livre-se daquilo que gerará maldição sobre a sua geração e


escolha um legado de bênçãos. Vivendo dessa forma, diante de
Deus, você estará preparado para fornecer uma cobertura espiritual
sadia e abençoada sobre a vida de seus filhos.

A COBERTURA ESPIRITUAL DOS PAIS

Para proteger seus filhos, não basta apenas trazê-los à igreja,


colocá-los em uma boa escola ou impedir que eles sejam
independentes antes do devido tempo. A cobertura sobre seus filhos
é, primeiramente, algo que deve ser realizado no âmbito espiritual.
Proteger filhos é cobri-los espiritualmente, exercendo a autoridade
que foi colocada em suas mãos enquanto pais.
Pode parecer uma tarefa quase impossível de ser realizada, ou
mesmo difícil de ser entendida, mas a verdade é que Deus não
daria essa responsabilidade aos pais se também não desse a
garantia de que Ele estaria junto para ajudar. É uma promessa Dele,
de forma que as famílias que O servem permaneçam firmes:

“Pois o marido descrente é santificado por meio da mulher, e a


mulher descrente é santificada por meio do marido. Se assim
não fosse, seus filhos seriam impuros, mas agora são santos.”
1 Coríntios 7.14

Quando você vive uma vida de santidade, também santifica seus


filhos, mesmo que eles tenham quarenta anos de idade! Mas se
você vive em pecado, a maldição desse pecado chegará também à
casa dos seus.
De fato, a profundidade de uma cobertura espiritual dentro do
contexto de uma aliança de sangue é muito grande. Podemos ter
um direcionamento a respeito de sua magnitude quando vemos a
forma como o próprio Deus fez roupas para cobrir a nudez de Adão
de Eva. Da mesma forma, Deus fez-se presente na cobertura de
sangue nos umbrais das portas do povo de Israel, quando estava
sendo liberto da escravidão do Egito na ocasião da Páscoa.
Existem três áreas fundamentais na vida dos filhos as quais os
pais, por terem essa autoridade, têm uma ligação direta e podem
exercer uma cobertura espiritual.

Livre-se daquilo que gerará maldição sobre


a sua geração e escolha um legado de
bênçãos.

A primeira destas áreas é a identidade. Pais devem preservar a


identidade de seus filhos, pois isto agirá diretamente na autoestima
deles. As respostas pertinentes à identidade estarão relacionadas
com a sua própria aceitação, logo, devem ser guardadas e
protegidas pelos pais.
A segunda área na qual a cobertura espiritual em relação aos
filhos acontece é no âmbito dos relacionamentos. Ao construir
dentro de sua casa um padrão de confiança mútua e de intimidade,
você está cobrindo seus filhos espiritualmente. Assim, eles também
poderão estabelecer relacionamentos que gerem saúde emocional.
A terceira área em que a cobertura espiritual deve ocorrer sobre os
filhos dar-se-á no sentido da herança espiritual. O caminho que você
escolheu ao lado do Senhor precisa ser transferido como uma
herança de bênção, de forma que eles também aceitem e vivam
esse caminho. Ensine seus filhos nesses passos e mostre o
propósito para o qual foram criados: serem filhos de Deus.
Quer queiramos ou não, quando temos filhos (ou temos alguém
debaixo de nosso cuidado nesta condição), colocamos sobre eles
um “guarda-chuva espiritual.” Os pais são responsáveis por este
guarda-chuva, responsável por protegê-los das investidas do
Inimigo. Assim como um guarda-chuva protege da chuva e do vento,
este guarda-chuva protege-os espiritualmente. Se a sua vida estiver
em pecado, é como se o guarda-chuva estivesse repleto de
buracos. Por mais que você o segure sobre a cabeça de seus filhos,
as gotas entrarão e atingirão a todos. Com que tipo de cobertura
você tem protegido sua descendência?

Ao construir dentro de sua casa um padrão


de confiança mútua e de intimidade, você
está cobrindo seus filhos espiritualmente.

Existe uma prática antiga, que quase não vemos mais, que é a dos
filhos pedirem a bênção dos pais. Muito além de um ritual ou uma
tradição religiosa, este costume lembra-nos um princípio claro: pais
são responsáveis pela existência das bênçãos de Deus para os
seus filhos.

AS PORTAS DE CONTAMINAÇÃO ESPIRITUAL DOS


FILHOS
Muitas vezes, esquecemo-nos da integralidade de nossos filhos.
Ficamos demasiadamente preocupados com a febre, com o
desempenho na escola, com o comportamento, entre outros, mas
esquecemos de que eles são seres espirituais. Descuidamos de que
eles também possuem uma alma. E, muitas vezes, a alma de
nossos filhos dá abertura para a contaminação espiritual. A Bíblia
fala da importância de analisarmos todos esses aspectos quando
diz:

“Que o próprio Deus da paz os santifique inteiramente. Que


todo o espírito, a alma e o corpo de vocês sejam preservados
irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo.” 1
Tessalonicenses 5.23

A alma pode ser dividida em três aspectos fundamentais: mente,


emoção e vontade. Precisamos aprender como proteger nossos
filhos em cada uma dessas três dimensões.
É preciso lembrar também que todos já nasceram em pecado.
Como vemos nas Escrituras: “Sei que sou pecador desde que nasci,
sim desde que concebeu minha mãe” (Salmo 51.5). E ainda: “Nunca
mais amaldiçoarei a terra por causa do homem, pois o seu coração
é inteiramente inclinado para o mal desde a infância” (Gênesis
8.21). Essa é uma verdade bíblica que devemos ter em mente
quando lidamos com nossos filhos, pois a porta de sua alma pode
ser aberta para a ação maligna.
1. A porta da mente
Tudo começa com os pensamentos. Portanto, proteja a mente de
seu filho. Isso quer dizer que você deve cuidar daquilo que entra
pelos seus olhos e ouvidos, pois isso ficará alojado em sua estrutura
de pensamentos. E lembre-se: se entra lixo, sairá lixo.
A que tipo de coisas devemos ficar atentos? Os elementos mais
comuns que influenciam a vida de nossos filhos atualmente são: o
ocultismo, a sensualidade e a violência. A todo instante, esses
elementos são transmitidos através da televisão, da internet, de
filmes, de músicas e até mesmo em alguns ambientes escolares.
Note que a estratégia do Diabo é distorcer aquilo que é o ensino de
Deus por meio de uma suposta “normalidade”, propagada em todos
esses meios.
Poderíamos dar muitos exemplos. A famosa “Turma da Mônica”,
por exemplo, lançou em 2008 um gibi, no estilo mangá, intitulado
“Turma da Mônica Jovem”. Na capa de uma das primeiras revistas,
vemos os personagens crescidos, caracterizados como magos e
elfos. Por detrás, um desenho de uma mandala – um símbolo
místico – cerca-os, já apresentando as influências de ocultismo e
esoterismo presentes na história. Em uma das edições seguintes, a
capa mostra a personagem Mônica aproximando-se de Cebolinha
para dar-lhe um beijo nos lábios, inserindo a sensualidade como um
dos temas presentes. O gibi, antes endereçado principalmente para
crianças pequenas, foi impulsionado pelas vendas por este tipo de
temática.
Outro exemplo sobre as influências malignas em materiais de
entretenimento infantil é o filme da Walt Disney Animation Studios:
“A Princesa e o Sapo” [ 17 ]. Neste filme, a tradicional ficção infantil é
recontada na cidade de New Orleans e inclui cenas explícitas de
feitiços de vodu e tarô. Exemplos como esses, infelizmente, estão
presentes em outros tipos de entretenimento para crianças e
adolescentes.

Na esfera espiritual, a questão do tempo


não é um problema.

Não pense que o Inimigo está preocupado com o fato de uma


criança ser ainda pequena e não ter todo o entendimento acerca de
alguns assuntos. Na esfera espiritual, a questão do tempo não é um
problema. O objetivo principal é o de estabelecer conexões.
Como pais, temos que analisar aquilo que tem povoado o
imaginário e a mentalidade de nossos filhos. Não podemos achar
que determinadas coisas são normais. Saiba identificar aquilo que
pode tornar-se um verdadeiro ponto de apoio na mente de seus
filhos. Não leve para dentro de sua casa aquilo que é detestável ao
Senhor!

“Não levem coisa alguma que seja detestável para dentro de


casa; senão também vocês serão separados para a destruição.
Considerem tudo isso proibido e detestem-no totalmente, pois
está separado para a destruição.” Deuteronômio 7.26

Existem algumas temáticas que estão sendo muito exploradas


dentro do contexto das escolas e para as quais devemos estar
atentos como pais. Certas teorias, filosofias e princípios, que são
contrários à Palavra de Deus, estão inseridos em diferentes áreas
do ensino. Mesmo que a maioria das escolas trabalhe com um
ensino laico, é extremamente comum encontrarmos algumas teorias
impregnadas no ensino com conceitos da Nova Era, do
agnosticismo e do ateísmo. Como pais, é importante
acompanharmos que tipo de ensinamentos éticos, morais e até
mesmo espirituais estão sendo passados nas escolas e orientarmos
devidamente nossos filhos.
Um destes princípios é a crença de que todos somos um e um são
todos. Trata-se do pressuposto do monismo, em que cada partícula
do universo é parte de um todo vasto, que encontra-se interligado.
Todos os problemas do ser humano teriam sua origem na sua
incapacidade de perceber essa unidade. Portanto, a história
humana nada mais é do que a queda do homem causada pela
ignorância, seguida de uma ascensão gradual em direção ao
conhecimento.
Outro princípio largamente ensinado é o de que Deus é tudo e
todos são Deus. É a crença no panteísmo, que aponta que tudo o
que foi criado é parte do próprio Deus. Rejeita-se a ideia de um
Deus pessoal, descrevendo-O como uma energia impessoal ou uma
consciência superior. O panteísmo é uma perversão satânica acerca
do conhecimento de um único e verdadeiro Deus.
O autoconhecimento refere-se a uma suposta necessidade de
viver e agir como deuses, em um processo contínuo de consciência
própria, denominado harmonização. Isso aconteceria através da
reencarnação, pois a alma poderia desenvolver-se através de
muitos ciclos de vida. A harmonização é uma imitação barata da
expiação de Cristo. Jesus não é apenas outro mestre iluminado, Ele
é o Rei dos Reis. A salvação é uma experiência de graça singular e
única, recebida mediante a fé, um conceito abertamente negado por
essa teoria.
Por fim, podemos apontar para o conceito de que a realidade é
aquilo em que acreditamos. Assim, não existiriam absolutos morais
e, consequentemente, não haveria distinção entre o bem e o mal.
Satanás está trocando a verdade de Deus por um conceito relativo,
em que cada um tem a sua verdade e todas são certas.
Esses e muitos outros conceitos subliminares podem ser plantados
em mentes em formação desde muito cedo. Por isso, cuide da porta
da mente de seus filhos e rechace estes conceitos por meio do
ensino da Palavra de Deus.

2. A porta da emoção
Você deve oferecer uma cobertura espiritual sobre as emoções de
seu filho, guardando-as e protegendo-as. A época da adolescência
deve ganhar atenção especial. Segundo estudos da psicologia, as
meninas, nessa idade, passam por um processo de desprendimento
emocional em relação à sua mãe, buscando definir sua própria
identidade. Os meninos, da mesma forma, passam por
transformações profundas, buscando sua própria afirmação e
identidade. As emoções são novas e intensas, influenciadas
também por mudanças físicas e hormonais.
As emoções dos filhos precisam ser tratadas com carinho pelos
pais. Emoções feridas são portas abertas para todo tipo de ação
maligna por meio de desilusões, tristeza, traumas e frustrações. Não
negligencie, ignore, zombe ou menospreze as emoções de seus
filhos.
É preciso aprender a enxergar o coração deles. Temos a tendência
de focar no comportamento e não no coração. É muito comum que
pais punam seus filhos em função do comportamento: pelo leite
derramado, pelas roupas jogadas e por aí afora. No entanto,
devemos cuidar para que não construamos pesos sobre nossos
filhos, de forma que passemos a punir e a ferir as emoções. Isso
acontece quando não levamos em consideração seus sentimentos e
emoções em nosso processo de disciplinar e de educar. Cuidado
com o abuso emocional!
Trate as emoções de seu filho com cuidado. Permita que ele fale e
expresse seus sentimentos. Crie um ambiente propício para isso.
Quem tem aconselhado o seu filho? Quem ele tem procurado para
expressar seus sentimentos? A quem ele recorre quando lida com
os contratempos da vida? Você é alguém com quem ele pode contar
nesse sentido?

As emoções dos filhos precisam ser


tratadas com carinho pelos pais.

Tome conta das emoções de seu filho com uma cobertura


espiritual de amor e intimidade propiciada por uma vida pautada no
amor e na graça de Deus.

3. A porta da vontade
Como pais, precisamos aprender a proteger o âmbito da vontade
de nossos filhos. Todos os atos de decisão que refletem o livre
arbítrio representam a nossa vontade. Dessa forma, as memórias
daquilo que anteriormente decidimos ou desejamos determinam em
que cremos, o que gostamos e o que queremos.
Por conta da amplitude e profundidade da vontade humana sobre
o caráter de um indivíduo, é preciso ensinar nossos filhos, desde
pequenos, a decidirem pelo que é correto. Proteger a sua vontade é
como domar um cavalo selvagem. É esse tipo de atitude que
determinará se, no futuro, aquele filho escolherá cometer um crime
ou não.
O cuidado da porta da vontade de seu filho acontecerá por meio
daquilo que você ensinará a ele. Por conseguinte, lembre-se de
incutir em sua vontade três princípios fundamentais: sujeição à
autoridade, respeito aos limites e obediência para desviar-se do
pecado.
Sujeitar-se à autoridade ensinará a eles sobre lealdade e retidão
de caráter. Ao entenderem o sentido de autoridade, seus filhos
mostrarão submissão e, inclusive, submissão espiritual a vocês, o
que será uma proteção sobre a vida deles.
Da mesma forma, ensine seus filhos o respeito aos limites. A falta
de limites na educação de crianças é algo desastroso para toda a
família. Ensine quais são os limites em todas as áreas de suas
vidas. Assim, eles aprenderão a ser responsáveis e a lidar com as
mais diversas situações.
É muito importante ensinar nossos filhos sobre a obediência que o
desviará do pecado. Faça da obediência um princípio em sua casa,
algo presente na vida de seus filhos. Muitos casos de rebeldia não
têm relação com a ação de demônios, mas sim com a falta do
princípio da obediência. Muitos filhos rebeldes simplesmente
precisam de uma boa conversa e de disciplina. Comece enquanto
seus filhos ainda são pequenos.

Ao entenderem o sentido de autoridade,


seus filhos mostrarão submissão e,
inclusive, submissão espiritual a vocês.
Muitos pais têm dificuldade de educar seus filhos dessa forma,
pois temem frustrá-los. No entanto, não tenha medo de decepcioná-
los! Na verdade, é muito melhor que suas frustrações aconteçam
perto de você. Se eles não tiverem a chance de viver essa
experiência ao seu lado, de forma que também possam receber seu
amparo e a reafirmação de seu amor, passarão por frustrações
longe de você. E então, a situação será bem mais complicada e
perigosa.
Quando se trata da porta da vontade de seus filhos, é preciso agir
com convicção. Aquilo que amamos, tememos e cremos
determinará nossos valores; determinará nossa capacidade de
avançar e a firmeza das nossas convicções. Consequentemente,
creia naquilo que Deus apresenta-nos como papel de pai e mãe e
eduque a vontade de seus filhos em caminhos de vida e de bênção.

PALAVRAS PARA EDIFICAR A ALMA

Como pais, precisamos pedir sabedoria para lidar melhor com as


emoções e as vontades de nossos filhos. Veja como o autor James
Dobson contrapõe as duas esferas do indivíduo:

“Enquanto a vontade deve ser trabalhada, pois pode se


transformar em aço e titânio, a emoção humana reflete a
imagem que seu filho tem de si mesmo e de seu senso de
valor, é a característica mais frágil da natureza humana e é
especialmente vulnerável à rejeição, ridicularização e fracasso,
devendo ser tratada com grande cuidado.” [ 18 ]

Por isso, seja qual for a idade de seu filho, tenha muito cuidado
com algumas atitudes suas que podem feri-los. Observe algumas
atitudes como:
Rigidez na avaliação de tarefas.
Críticas constantes.
Perfeccionismo.
Falta de elogios.
Não cumprimento de promessas.
Pressão emocional.
Acusações.
Intolerância.
Ausência de perdão.
É preciso educar em amor. Muitas vezes, as próprias palavras e
atitudes dos pais abrem espaços para feridas emocionais e a ação
maligna sobre suas vidas. Infelizmente, é comum ouvirmos
expressões de pais a seus filhos como: “Você é burro demais!”, “Por
que você não é como sua irmã?”, “Você é um chato desde o dia em
que nasceu!”, “Eu queria oferecer você para adoção!” ou “Como
alguém poderia amar um gordo e relaxado como você?”. Todas
essas palavras ficam gravadas na alma de nossos filhos. Podem
ecoar dentro deles e magoá-los pelos próximos cinquenta anos, se
não forem retiradas.
Muitos casos de rebeldia não têm relação
com a ação de demônios, mas sim com a
falta do princípio da obediência.

Talvez você não tenha chegado a dizer essas palavras para seus
filhos, mas pode ter ouvido de seus pais. Se isso dói na sua alma,
então precisa liberar seu perdão e livrar-se disso. Esse passo é
necessário para que você possa estar apto a ministrar na vida de
seus filhos.
Como retirar uma palavra mal dita? Simplesmente peça perdão ao
seu filho, verbalize isso no nome de Jesus e peça perdão ao Senhor
também. Será uma lição preciosa para você e para a sua
descendência.

COMO SE OPOR A ATAQUES MALIGNOS SOBRE OS


FILHOS?

Considerando nosso papel de autoridade espiritual enquanto pais,


bem como as vulnerabilidades de nossos filhos, é preciso aprender
e entender como se opor a ataques malignos sobre a vida deles.
Talvez hoje mesmo você esteja passando por uma situação assim.
Na Bíblia, vemos dois exemplos de pais que foram até Jesus para
buscar solução para um problema de possessão de seus filhos:
“Rogava a Jesus que expulsasse de sua filha o demônio” (Marcos
7.26) e “Há quanto tempo ele está assim? Desde a infância”
(Marcos 9.21).
Nesse último versículo, vemos que a criança sofria de ataques de
demônios desde a infância. A palavra grega empregada, béfros,
refere-se a um período de vida que se estende desde a fase
intrauterina. Talvez você não chegue ao caso de ter um filho
endemoninhado dentro de casa, mas lembre-se de que ele pode ser
alvo de opressão e importunação maligna. Por isso, precisamos ter
consciência do problema espiritual na vida de nossos filhos. Em
ambos os exemplos bíblicos, vemos que os pais mostravam
entendimento acerca da natureza do problema que acontecia em
sua casa.
É possível apontar alguns sinais muito comuns de que os filhos
estejam sendo oprimidos pelas trevas:
Enfermidades constantes.
Insônia, pesadelos e pavor noturno.
Medo excessivo.
Rebeldia e afrontas sem razão.
Isolamento, introspecção, depressão e desequilíbrio emocional.
Compulsões e distúrbios alimentares.
Automutilação.
Pensamentos negativos sobre Deus, blasfêmias e brincadeiras
sobre assuntos espirituais e alta resistência à fé.
Palavreado torpe.
Agressividade.
Falta de perdão.
Distúrbios sexuais.
Tendências suicidas.

É claro que nem sempre estes comportamentos estão ligados à


possessão ou opressão maligna. Podem ser tratados simplesmente
com repreensão e disciplina. A rebeldia acontece, muitas vezes, por
falta de disciplina e limites que os pais deixaram de impor. Mesmo
para os filhos mais velhos, os pais ainda possuem a palavra de
autoridade sobre suas vidas, de forma a instruí-los e a construir uma
família abençoada. É preciso saber discernir qual a natureza do
problema e confiar que Deus pode atuar de forma poderosa em
suas vidas. Certa vez, recebi o seguinte testemunho:

“Há um tempo, um de meus filhos estava sofrendo de sonhos


perturbadores, em que o Inimigo se apresentava a ele como
um verdadeiro “poderoso chefão”. Nos sonhos, ele dizia o que
o meu filho tinha de fazer e deixar de fazer, era algo terrível.
Como pais, não tínhamos controle sobre seus sonhos, apenas
o víamos acordar várias vezes durante a noite, chorando.
Quando tomamos consciência do que estava acontecendo e do
porquê o Inimigo estava agindo daquela maneira, começamos
o processo de libertação e santificação em nosso lar. Pedimos
ajuda a um pastor de nossa igreja, que orou pelo meu filho e
nos ajudou em todo o tempo. Hoje sabemos que Deus tem o
melhor para nós, mas tivemos que passar pelo processo de
libertação. Tínhamos coisas que trouxemos do mundo e nem
imaginávamos que o Inimigo estava por detrás delas. Passei
por uma ministração e creio que meu filho e minha casa estão
libertos das trevas, mas cabe a nós persistir em oração,
quebrantamento e santidade.”

Como podemos, então, opor-nos aos ataques malignos aos


nossos filhos?

1. Crescimento espiritual
É preciso que os pais estejam dispostos a buscar o crescimento
espiritual, como constatamos no testemunho anterior. No exemplo
do pai relatado em Marcos 9, vemos que aquele homem até tinha fé,
mas uma fé nula.

“Um homem no meio da multidão, respondeu: Mestre, eu te


trouxe meu filho, que está com um espírito que o impede de
falar. Onde ele quer que o apanhe, joga-o no chão. Ele espuma
pela boca, range os dentes e fica rígido. Pedi aos teus
discípulos que expulsassem o espírito, mas eles não
conseguiram (...) Jesus perguntou ao pai do menino: Há quanto
tempo ele está assim? Desde a infância, respondeu ele. Muitas
vezes esse espírito o tem lançado no fogo e na água para
matá-lo. Mas, se podes fazer alguma coisa, tem compaixão de
nós e ajuda-nos. Disse Jesus: Tudo é possível àquele que crê.
Imediatamente o pai do menino exclamou: Creio, ajuda-me a
vencer a minha incredulidade.” Marcos 9.17-24

Jesus indagou aquele pai e ele pediu para que Ele fortalecesse a
sua fé. Só então a criança passou por uma libertação.
No caso de libertação familiar relatado em Marcos 7, é
interessante notar que aquela mãe era uma mulher de origem
grega: “A mulher era grega, siro-fenícia de origem, e rogava a Jesus
que expulsasse de sua filha o demônio” (Marcos 7.26). Esta
nacionalidade, na época, tinha fortes ligações com estruturas de
orgulho intelectual, cultural e espiritual. Por ser grega, da elite
cultural vigente, era provavelmente culta, talvez rica e bem
posicionada na sociedade. Assim, ao tratar aquela mulher de forma
aparentemente preconceituosa (Marcos 7.27), Jesus estava
claramente confrontando o complexo de superioridade que os
gregos mostravam em relação ao resto do mundo.
Assim como fez com aquela mulher, Jesus confrontará seu pecado
e o levará ao arrependimento, antes que traga libertação a seus
filhos. Como também vemos no testemunho a seguir:

“Minha família e eu passamos por um problema bem difícil,


algo muito doloroso. Uma pessoa de nossa família, um parente
bem próximo, tocou de um jeito diabólico em um dos nossos
filhos. Aquilo foi realmente cruel aos nossos olhos e naquele
momento de dor e angústia, não sabíamos o que fazer. Foi
então que procuramos nossos pastores e fomos orientados a
tomar uma série de decisões. Fizemos tudo como orientado e
Deus começou a tratar minha vida a partir daquele momento.
Minha pergunta pra Deus era: por quê? Comecei a entender
que algumas mudanças precisavam acontecer em mim. Passei
por várias ministrações e louvo a Deus pela vida das pessoas
que até hoje nos ajudam. O Senhor foi nos curando, sarando
toda ferida e toda marca, restaurando e fazendo tudo novo.
Fiquei muito mais sensível ao Espírito Santo de Deus, mais
íntima com o Pai. Entreguei-me completamente aos Seus
braços de amor, e com o passar do tempo o Senhor foi nos
mostrando e nos dando direções. Uma delas foi que todos os
acontecimentos em nossa vida, sendo bons ou ruins, têm um
propósito. Deus nos levou a orar pelo abusador e a perdoá-lo.
Hoje vivemos um dia de cada vez, aguardando os presentes de
Deus para os que confiam Nele.”

2. Fé e quebrantamento
Uma das principais atitudes para opor-se aos ataques malignos
contra seus filhos é saber a quem recorrer. Nestes exemplos
bíblicos, estes pais recorreram à pessoa certa: Jesus! Muitos pais
lutam para proteger e suprir seus filhos com meios materiais, as
melhores escolas, os mais diferentes cursos, a ajuda profissional de
ponta etc. Você pode até fazer todas essas coisas no intuito de
ajudar seus filhos, porém, na hora de educá-los, precisa da
presença de Jesus. Não há outra pessoa a recorrer.
A libertação dos filhos sempre está ligada à
fé e à posição espiritual dos pais.

Esses pais não chegaram a Jesus de qualquer forma. Ambos


vieram em atitude de fé. Pediram por ajuda, lançando-se aos seus
pés com humildade: “Veio e lançou-se aos seus pés” (Marcos 7.25).
Muitos pais têm transferido responsabilidades e deveres para com
seus filhos a terceiros e, numa atitude de orgulho e afastamento,
não aceitam direcionamentos novos acerca de como têm educado
seus filhos.
Entenda que a libertação dos filhos sempre está ligada à fé e à
posição espiritual dos pais. Tenha fé, mas também humildade e
quebrantamento. Estas são chaves para construir a sua família
debaixo da bênção e da proteção de Deus.
Jesus disse àquele pai: “Tudo é possível àquele que crê” (Marcos
9.23). Pai, mãe, vocês precisam de fé! Não limite aquilo que Deus
deseja fazer na vida da sua família.

3. Intercessão
Entenda a importância da intercessão dos pais sobre a vida de
seus filhos. Nenhuma oração que é gerada pelos pais cai por terra.
Talvez você não veja os resultados na hora, mas a resposta
chegará.
Interceder é levar Deus à vida de seus filhos. Ambos os pais
citados no Evangelho de Marcos fizeram isso: “Mestre, eu te trouxe
o meu filho” (Marcos 9.17). “Por causa desta tua resposta você pode
ir, o demônio já saiu da sua filha” (Marcos 7.29).
A libertação de seus filhos da opressão e de ataques espirituais
passará necessariamente por sua intercessão como pai ou mãe.
Não há caso de libertação e ministração de filhos sem essa
presença. Ela acontecerá com base na oração do justo.
Quando temos consciência da batalha que estamos travando,
estamos prontos a começar o processo de libertação que nos é
necessário; prontos a crescer espiritualmente e a buscar a Jesus
com fé e quebrantamento. É dessa forma que podemos nos achegar
em intercessão por nossos filhos, gerando uma cobertura espiritual
íntegra e repleta de alegria sobre a vida deles.

Interceder é levar Deus à vida de seus


filhos.

Tenha certeza de que há libertação, cura e reconstituição em


Cristo Jesus. Por mais que a situação pareça perdida ou impossível
de ser revertida, Jesus tem o poder para libertar sua família: “Jesus
repreendeu o espírito imundo, curou o menino e o entregou de volta
a seu pai” (Lucas 9.42b).
Veja que o objetivo do Diabo não é roubar seu filho para ele, mas
simplesmente tirá-lo de você, danificar e machucar a aliança familiar
criada pela vontade de Deus. Lemos em Levítico 18.21: “Não
entregue seus filhos para serem sacrificados a Moloque”. O deus
Moloque está ligado a um principado que tem como alvo principal
separar os filhos dos pais, subjugando essa aliança e opondo-se
aos desígnios de Deus. Mas essa não é a vontade de Deus. Ele
deseja unir, construir e firmar famílias unidas e abençoadas, famílias
que O amem e O sirvam. Veja a sua promessa em Malaquias 4.6:
“Ele fará com que os corações dos pais se voltem para seus filhos, e
os corações dos filhos para seus pais”.
Creia na promessa e faça da intercessão sua arma para proteger e
cobrir seus filhos. Faça agora mesmo uma oração de dedicação de
seus filhos a Deus!

UMA ORAÇÃO DE DEDICAÇÃO DOS FILHOS

Amado Pai, agradeço por amar-me e dar-me a vida eterna em Cristo


Jesus. Sou Seu filho, comprado pelo sangue do Senhor Jesus
Cristo, que deu a Sua vida por mim. Renuncio a qualquer
reclamação de propriedade pessoal sobre qualquer coisa. Tenho e
anuncio minha responsabilidade de ser um bom despenseiro do que
o Senhor me confiou. Dedico-me ao Senhor como um sacrifício vivo
e comprometo-me a conhecê-Lo e fazer a Sua vontade.
Comprometo-me a criar _________________________________
[nome do filho ou filha] na instrução e direção do Senhor. Sei que
este(a) amado(a) pertence-lhe e é uma dádiva Sua. Dedico-o(a) ao
Senhor enquanto ele(a) viver. Rejeito qualquer reivindicação que
Satanás possa ter sobre _________________________________
[nome do filho ou filha]. Ele(a) pertence a Jesus Cristo. Declaro que
Jesus pagou o preço e que meu/minha filho(a) pertence a Ele.
Quanto a mim e à minha casa, serviremos ao Senhor. Faço tudo isto
no nome poderoso de Jesus Cristo de Nazaré, meu Senhor. Amém.
7
CHAVES PARA A
PROTEÇÃO ESPIRITUAL
DO SEU LAR

“A maldição do Eterno derruba a casa do


perverso,
mas ele abençoa o lar dos justos.”
Provérbios 3.33 (AM)
S abemos biblicamente que estamos expostos à ação das trevas
espirituais nesse mundo. No entanto, milhares de cristãos não se
posicionam de maneira efetiva nessa batalha. Como resultado, suas
famílias têm sofrido graves consequências, resultado de brechas
abertas, concessões feitas e pecados não confessados.
Você pode ter lido este livro até aqui, mas talvez ainda possua
certa incredulidade em relação ao assunto. Essa é a primeira
questão que deve ser tratada. Talvez já tenha recebido a Jesus, mas
ainda se vê incrédulo com relação aos assuntos ligados às trevas
espirituais. Por essa razão, demos ênfase na primeira parte deste
livro justamente na questão da consciência acerca deste importante
assunto.
Outros cristãos, por outro lado, têm assumido uma postura de
omissão. Até sabem que há uma batalha de ordem espiritual
acontecendo em nosso mundo, mas ficam totalmente alheios a ela,
praticamente ignorando que os ataques também acontecem dentro
de sua própria casa.
Se você encontra-se em uma dessas situações, está agindo muito
mais como um aliado do Inimigo do que como seu oponente. Ele
atuará justamente em sua incredulidade e omissão, de forma que
possa cumprir seus objetivos maléficos à sua volta.
Precisamos do equilíbrio que encontramos na Palavra de Deus.
Jesus disse que erramos porque não conhecemos as Escrituras
(Mateus 22.29). Se o assunto é batalha espiritual, é preciso ter em
mente que é a Bíblia que nos conduz diante desse assunto. Se não
a lermos, se não buscarmos o que Deus tem a dizer sobre o
assunto por meio da Sua Palavra, certamente vamos errar. Não
podemos ser aquele cristão que vê demônios em tudo e em todas
as situações, mas também não podemos ser alguém que nunca é
capaz de identificar ações demoníacas ou nem ao menos acreditar
que elas possam estar acontecendo. A Palavra e o discernimento do
Espírito serão a nossa bússola.

A Palavra e o discernimento do Espírito


serão a nossa bússola.

Se somos o povo que está no caminho da verdade e da vida,


precisamos ser um povo que sabe que está dentro de um mundo
que está sob o poder do Maligno, mas que já é vitorioso dentro dele.
Lemos em Provérbios 24.3: “Com sabedoria se constrói a casa, e
com discernimento se consolida”. O texto é uma metáfora entre uma
construção física, uma casa de alvenaria ou de madeira, e a
construção espiritual de um lar. A Palavra de Deus não está
preocupada com o tipo de material com que você constrói sua casa
física, mas está muito focada naquilo com o que você está
edificando o seu lar espiritualmente. Que tipo de material você tem
utilizado na edificação de sua casa? Negligência?
Desconhecimento? Exageros? Equilíbrio? Discernimento?
A escolha começa desde o início da construção de seu lar. Isso
quer dizer que você deve fazer uso de materiais adequados desde a
sua fundação, ou seja, na fase do namoro e do noivado. Se com
sabedoria uma casa é construída, isso quer dizer também que com
sabedoria pode-se escolher um(a) namorado(a). É também com
sabedoria que se dá o passo do noivado, a fim de que uma nova
família seja instituída. Muitos têm feito escolhas erradas justamente
nessa fase, comprometendo a qualidade de todo o resto da
construção espiritual de sua casa. A Bíblia também diz que é com
discernimento que um lar consolida-se. Como já apresentamos aqui,
o jugo desigual entre um cristão e um não cristão, ou mesmo com
um cristão não comprometido, é um fundamento perigoso sobre o
qual se constrói uma família.
Portanto, adquira a sabedoria e o discernimento como a matéria
prima para a edificação constante da sua família, pois há cristãos
que simplesmente não conseguem agir de acordo com Malaquias
2.16b: “Tenham bom senso; não sejam infiéis”.
O deus deste século atua grandemente nas duas instituições
criadas por Deus na Terra: a família e a Igreja. Não existem
instituições tão atacadas pelo mundo quanto essas. Há planos,
estratégias e ataques especificamente direcionados à família e à
Igreja, justamente por serem as duas únicas instituições divinas que
existem no mundo.
Não podemos agir com ingenuidade, tampouco com ignorância e
alienação a respeito do assunto de batalha espiritual sobre a família
e a Igreja. Por isso, guarde com você o discernimento a cada
diferente situação: “Vivemos tempos difíceis! Não se descuidem.
Tentem entender o que o Senhor quer de vocês” (Efésios 5.16b-17 –
AM).
Não se esqueça de que as trevas dominam a vida secular, os
estudos, o trabalho e o lazer: “Sabemos que somos de Deus e que o
mundo todo está sob o poder do Maligno” (1 João 5.19). Essa
sentença contém duas verdades diferentes, mas ligadas a uma só
realidade, que é a esfera da batalha espiritual. Você é de Deus,
porém o mundo está sob o poder do Maligno. Mas existe uma boa-
nova: “Pois ele nos resgatou do domínio das trevas e nos
transportou para o Reino do seu Filho amado, em quem temos a
redenção a saber, o perdão dos pecados” (Colossenses 1.13-14).
O Diabo não descansa e, por isso, a luta será constante. Mas você
tem a Palavra rhema, a espada do Espírito para lutar contra as
trevas espirituais. Ela lhe dará equilíbrio, bom senso e sabedoria.

CHAVES PARA A PROTEÇÃO ESPIRITUAL DO SEU


LAR

Uma família espiritualmente protegida carrega consigo algumas


chaves. Estes objetos significam, no nosso dia a dia, proteção e
segurança.
Guarde consigo a chave da consciência equilibrada. Somente
agindo com discernimento espiritual você desfrutará de uma vida
familiar saudável. Como lemos no texto bíblico: “O bom senso o
guardará, e o discernimento o protegerá” (Provérbios 2.11). O bom
senso espiritual que resulta do equilíbrio bíblico é uma das grandes
chaves para viver dessa forma.
Às vezes, vemos muita confusão quanto àquilo que pode ser um
ponto de apoio maligno ou um objeto consagrado. Existem coisas
declaradamente malignas que são usadas por Satanás, das quais
nem precisamos ter dúvidas se podemos ou não fazer uso delas.
São símbolos como o “Bafomé”, uma imagem claramente satânica
usada na maçonaria, o símbolo do Yin-Yang, ou o símbolo da cruz
quebrada, por exemplo. Porém, por vezes vemos pessoas
afirmando que símbolos como o de grandes empresas de fast food,
grandes cadeias de supermercado, até marcas de maionese e de
softwares são todos símbolos satânicos e que deveríamos evitá-los
a todo custo. A falta de equilíbrio leva a conclusões precipitadas que
não abençoam sua casa.

Somente agindo com discernimento


espiritual você desfrutará de uma vida
familiar saudável.
Lembre-se: “Quem tem discernimento obterá orientação”
(Provérbios 1.5). Portanto, que não sejamos cristãos que ignoram,
tampouco que generalizam a questão da batalha espiritual. Paulo
orienta especialmente às mulheres: “Permanecerem na fé, no amor
e na santidade, com bom senso” (1 Timóteo 2.15b). E ainda, à igreja
de Corinto: “Tudo é permitido, mas nem tudo convém. Tudo é
permitido, mas nem tudo edifica” (1 Coríntios 10.23). Busque uma
postura pautada na Palavra de Deus e você saberá o que convém
ou não para a sua família, formando um lar que serve e ama a
Deus.
Uma família espiritualmente protegida guarda consigo a chave dos
hábitos saudáveis. Você precisa saber quais atitudes práticas tomar,
de forma a não dar espaço para que os ataques malignos
aconteçam dentro da sua casa. Lembre-se do que lemos em Efésios
4.27: “E não deem lugar ao Diabo”. A palavra lugar está literalmente
ligada a um local físico, como o lugar onde sua família mora! Mas
também se refere a aspectos da vida, como seu casamento,
palavras, emoções, no relacionamento sexual com seu cônjuge, no
namoro, estudos e negócios. Assim também, naquilo que você tem
visto na TV e na internet, o que você tem como objetos de
decoração, o que tem incorporado dos valores da sociedade, como
lida com seu imposto de renda. Tudo isso pode ser aplicado às suas
atitudes diárias, seus costumes e hábitos. Veja como a atuação
maligna entra em nossas vidas quando deixamos de tomar atitudes
corretas diante de Deus:
“A água roubada é doce, e o pão que se come escondido é
saboroso! Mas eles nem imaginam que ali estão os espíritos
dos mortos, que os seus convidados estão nas profundezas da
sepultura.” Provérbios 9.17-18

Não permita que pontos de legalidade maligna concretizem-se em


sua casa. Se for preciso, desligue o que foi estabelecido. Livre-se de
objetos, estabeleça novos hábitos em sua casa. Mude o
direcionamento quanto à educação e aos horários de seus filhos.
Termine um relacionamento doentio. Peça por sabedoria, mas
também aja com discernimento em cada situação. Faça sua parte.
Por fim, nunca deixe de considerar a chave do zelo pela proteção
espiritual, em especial de seus filhos. A Bíblia promete-nos que
nossos filhos desfrutam de um abrigo seguro: “Aquele que teme ao
Senhor possui uma fortaleza segura, refúgio para seus filhos”
(Provérbios 14.26). No entanto, existe uma condição: que os pais
temam ao Senhor. Esta é uma preciosa promessa para nós.
Nossos filhos, crianças e adolescentes, são mais vulneráveis
espiritualmente e precisam de uma proteção especial por parte dos
pais nessa área de suas vidas. Por isso, se você tem filhos,
dispense um cuidado especial acerca da espiritualidade deles.
Esteja atento a quais portas possam estar suscetíveis para que a
ação maligna aconteça. Que tipo de entretenimento eles têm
consumido? O que têm assistido na TV ou acessado na internet?
Quem são seus amigos e o que têm aprendido com eles? Seus
filhos têm o costume de frequentar a casa de quem? O que têm
aprendido na escola? Quais são suas convicções e pensamentos
acerca de Deus e da igreja?
Os filhos estão em formação e absorvendo tudo o que está à sua
volta. Os pais, com quem possuem uma aliança de sangue,
precisam proteger os filhos das trevas que o cercam. Mesmo
quando os filhos já são crescidos, os pais ainda são os
responsáveis por esse cuidado, pois ainda possuem a aliança e a
autoridade espiritual sobre eles. Assuma sua responsabilidade e
proteja seus filhos com uma postura proativa, equilibrada e sob o
discernimento espiritual concedido pelo Espírito Santo.
Quando tomamos essas atitudes, estamos prontos para construir
nossa casa sobre os alicerces da sabedoria e do discernimento
espiritual. Como consequência, nossa casa estará guardada dos
ataques malignos, e será infinitamente mais difícil ao Inimigo
estabelecer qualquer ponto de apoio ali. Como é uma casa que se
posiciona dessa forma? A seguir, citamos algumas das principais
características de um lar protegido espiritualmente.

UMA FAMÍLIA PROTEGIDA ESPIRITUALMENTE SABE


POSICIONAR-SE

Em toda batalha espiritual, é preciso saber posicionar-se. No livro


de Josué, já no fim da vida e liderança deste homem frente ao povo
de Israel, vemos que ele manteve-se posicionado:
“Se, porém, não lhes agrada servir ao Senhor, escolham hoje a
quem irão servir, se aos deuses que os seus antepassados
serviram além do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em
cuja terra vocês estão vivendo. Mas, eu e a minha família
serviremos ao Senhor.” Josué 24.15

Deus convoca-nos a fazer o mesmo; tomarmos uma posição


diante do mundo quanto a quem nossa família servirá. No reino
espiritual não existe neutralidade: ou estamos na luz, ou, nas trevas.
Posicionar-se é saber que você é de Jesus. Sempre que for
questionado, que fique muito claro e declarado que você e sua
família são guiados pela Palavra de Deus, são parte de Seu povo e
que amam a Jesus.

Posicionar-se é saber que você é de


Jesus.

UMA FAMÍLIA PROTEGIDA ESPIRITUALMENTE


MANTÉM UMA POSIÇÃO FIRME DIANTE DO PECADO

Nessa mesma ocasião, Josué mostrou uma postura de liderança


que confrontou e tratou seriamente o pecado no meio do povo, no
meio dos que eram seus. Veja sua orientação aos israelitas:
“Agora temam o Senhor e sirvam-no com integridade e
fidelidade. Joguem fora os deuses que os seus antepassados
adoraram além do Eufrates e no Egito, e sirvam ao Senhor.”
Josué 24.14

Josué não foi negligente ou indiferente ao pecado que existia no


meio do povo. Da mesma forma, uma família protegida
espiritualmente nunca fará vistas grossas ao que está acontecendo
sob o seu teto. Este é um papel fundamental do líder de uma casa:
zelar pela santidade dos seus, não deixar certos hábitos e posturas
ocultos ou não tratados. Seu papel é trazer à luz aquilo que não
agrada a Deus e tratar a vida dos seus com amor, sabedoria e
discernimento.
Trate seriamente o pecado em sua própria vida e em sua casa
com amor, mas também com firmeza. O Diabo só será derrotado se
existir santidade. Lembre-se de que a única coisa que enfraquece o
cristão e, ao mesmo tempo, fortalece o Diabo, é a presença do
pecado. Por isso, mantenha uma posição firme e incansável.

UMA FAMÍLIA PROTEGIDA ESPIRITUALMENTE


DECIDE QUEBRAR TODO VÍNCULO COM SUA VELHA
NATUREZA

Se você aceitou a Jesus, a Bíblia diz que você é nova criação.


Portanto, as coisas referentes à sua velha vida devem ficar para
trás. Uma família protegida entende isso de forma ativa e abandona
tudo quanto diz respeito à sua velha natureza de pecado. Prossiga
no caminho da sua decisão por Jesus.
Da mesma forma, no livro de Josué, vemos que ele conclama o
povo a viver de acordo com a vida e a identidade que escolheram
ter ao lado do Senhor:

“Vocês são testemunhas contra vocês mesmos de que


escolheram servir ao Senhor. Somos, responderam eles. Disse
Josué: Agora, então, joguem fora os deuses estrangeiros que
estão com vocês e voltem-se de coração para o Senhor, o
Deus de Israel.” Josué 24.22-23

Você é responsável por suas próprias decisões, incluindo a de


romper com todo e qualquer vínculo com a sua velha natureza. Não
importa o passado de sua família, aquilo que vem de geração em
geração, ou mesmo o que seus pais costumavam fazer ou tinham
dentro de casa. A escolha de como edificar sua casa é sua
responsabilidade. Portanto, tome essa atitude em sua vida e
fomente-a na vida de sua família. Ao viver de acordo com sua nova
natureza e identidade em Cristo, seu lar, sua casa e sua vida
estarão protegidos das investidas de Satanás.

A escolha de como edificar sua casa é sua


responsabilidade.
UMA FAMÍLIA PROTEGIDA ESPIRITUALMENTE
MANTÉM-SE FIEL AO SENHOR ATÉ O FIM

Josué já se encontrava no fim de sua jornada e, em breve, estaria


na presença do Senhor. Sua vida foi marcada por milagres e pela
conquista da Terra Prometida. O líder do povo de Israel já estava
perto do fim de seus dias, e ainda ali, vemos sua fidelidade firme e
constante no Senhor. Veja o que Josué realizou no meio do povo de
Israel:

“Josué registrou essas coisas no Livro da Lei de Deus. Depois


ergueu uma grande pedra ali, sob a Grande Árvore, perto do
santuário do Senhor. Então, disse ele a todo o povo: Vejam
esta pedra! Ela será uma testemunha contra nós, pois ouviu
todas as palavras que o Senhor nos disse. Será uma
testemunha contra vocês, caso sejam infiéis ao seu Deus.”
Josué 24.26-27

Josué honrou o nome do Senhor até o seu último respiro de vida.


Assim também deve ser em nossas casas. A caminhada ao lado do
Senhor mostra seus frutos, na vida de seus filhos e netos e nas
conquistas de sua família. Seja fiel até o fim.
Quando as pessoas olharem para a sua vida, precisarão ver o que
Deus tem feito em sua casa. Lembre-se de que quanto mais for
abençoado, mais será cobrado. Se Deus tem dado muito, você
precisa declarar que isso vem do Senhor. Não tome a honra para si,
mas entregue tudo ao Senhor e resplandeça Seu nome por meio da
sua família em um mundo de trevas.
Para isso, faça em sua própria casa o mesmo pacto que Josué
realizou com seu povo e sua família:

“Agora temam o Senhor e sirvam-no com integridade e


fidelidade. Joguem fora os deuses (...) eu e a minha família
serviremos ao Senhor.” Josué 24.14-15

Encontramos aqui valores fundamentais para nossas casas. O


primeiro deles é cultivar o temor ao Senhor. Tema somente a Deus!
Também vemos o valor do serviço: “sirvam-no com integridade”.
Valorize o serviço em sua casa, de forma que você e sua família
descubram o valor de servir sua igreja local em um ministério e uns
aos outros.
Aprendemos aqui sobre a importância de exercer liderança. Não
negligencie os papéis que Deus deu-lhe como membro de sua
família, seja como pai, mãe, cônjuge, filho ou irmão. Pai e mãe,
exerçam sua autoridade espiritual sobre seus filhos e abençoem-os
dessa forma. Busquem a vontade de Deus para a sua família.
Viva uma vida de decisão ao lado de Cristo. Escolha o caminho do
Senhor, posicionando-se em tudo aquilo que Ele revelar-lhe por Sua
Palavra e pela ação de Seu Espírito Santo. Não tenha nenhum
sentimento de inferioridade ou tristeza por não ter em sua casa
algumas coisas que você vê na casa dos ímpios, porque toda essa
prosperidade é passageira, fique sempre com o Senhor. E nunca se
esqueça da promessa: “Os ímpios são derrubados e desaparecem,
mas a casa dos justos permanece firme” (Provérbios 12.7).

Não negligencie os papéis que Deus deu-


lhe como membro de sua família, seja
como pai, mãe, cônjuge, filho ou irmão.

Finalmente, viva uma vida de consagração e santidade. Que a sua


vida e a de sua família sejam completamente consagradas e
dedicadas ao Senhor. Desta forma, sua vida, seu casamento, seus
filhos, sua casa e a administração de seu lar serão marcados pelo
perfume de Cristo. Viva uma vida de consagração e seja livre dos
ataques das trevas e verdadeiramente vitorioso em Cristo Jesus.
Que esta seja a declaração da sua casa: “mas, eu e a minha família
serviremos ao Senhor”.
PALAVRAS
FINAIS
P arabéns por ter chegado até o final deste livro! Tenho convicção
de que Deus falou com você durante a leitura desta obra e, à
medida que foi lendo e anotando o que o Espírito Santo evidenciou-
lhe, você foi edificado e fortalecido na fé.
Para concluir esta leitura, gostaria de refletir com você acerca de
um dos textos bíblicos mais clássicos referentes à batalha espiritual
que enfrentamos, para que você seja revestido e fortaleça-se
espiritualmente contra as ciladas do Inimigo.

“Finalmente, fortaleçam-se no Senhor e no seu forte poder.


Vistam toda a armadura de Deus, para poderem ficar firmes
contra as ciladas do Diabo, pois a nossa luta não é contra
seres humanos, mas contra os poderes e autoridades, contra
os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças
espirituais do mal nas regiões celestiais. Por isso, vistam toda a
armadura de Deus, para que possam resistir no dia mau e
permanecer inabaláveis, depois de terem feito tudo. Assim,
mantenham-se firmes, cingindo-se com o cinto da verdade,
vestindo a couraça da justiça e tendo os pés calçados com a
prontidão do evangelho da paz. Além disso, usem o capacete
da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus.
Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e
súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem na
oração por todos os santos.” Efésios 6.10-18

O texto acima, escrito pelo apóstolo Paulo, é um dos trechos


bíblicos mais utilizados quando se trata da guerra espiritual contra
os ataques de Satanás. Ele é o nosso Inimigo, como demonstrado
no verso 12; não lutamos contra corpo ou alma de outras pessoas.
Ainda que elas possam ser instrumentos do Inimigo, nossas armas
devem ser direcionadas ao lugar certo. Gostaria de enfatizar três
aspectos acerca deste texto:

A PROCEDÊNCIA DA NOSSA FORÇA

Nossa força vem do Senhor! A maioria dos cristãos sabe bem


disso, porém, há muitos que ainda buscam extrair de si forças,
sabedoria, poder, autodeterminação ou força de vontade para
prevalecerem no combate contra o Inimigo. Alguns, de fato, ainda
não conheceram o que significa “arrepender-se e crer no
evangelho”. O passo que precede a conversão é a desilusão com o
ser humano, ou seja, perder as ilusões sobre nossas capacidades e
poderes. Nossa autodeterminação ou capacidade de autoajuda de
nada valem. Mas o Senhor é a nossa força: “Tu, porém, Senhor, não
fiques distante! Ó minha força, vem logo em meu socorro” (Salmo
22.19).

Não confunda arrependimento com culpa.


Em termos muito práticos, quando estamos diante do Inimigo,
devemos confiar em duas coisas: na Palavra de Deus e em Seu
poder. Não confiemos em nossos sentimentos, no que achamos ou
pensamos. Em um confronto espiritual, lembre-se de que você nada
sabe, exceto a certeza do Cristo crucificado (1 Coríntios 2.2). Você
nada pode fazer, pois é o Espírito quem opera em nós o querer e o
efetuar (Filipenses 2.13).

A MAIOR ARMA DO INIMIGO

Observe que, normalmente, a ênfase que é dada a este texto de


Efésios está nas nossas armas espirituais, deixando de lado as
armas do Inimigo. Suas astutas ciladas significam armadilhas
estrategicamente montadas para atacar-nos.
Uma das principais armadilhas do Inimigo consiste em fazer-nos
pensar que podemos e sabemos algo por nós mesmos. Foi essa a
armadilha usada contra a mulher: “Como Deus, serão conhecedores
do bem e do mal” (Gênesis 3.5). O Diabo quer nos convencer de
que temos tudo em nossas mãos, o que é o mesmo que dizer que
podemos ser como Deus.
Sua sagacidade persiste, pois, depois de fazer-nos acreditar em
nossa própria autossuficiência, o Diabo apressa-se em criar
condições para que venhamos a pecar por conta dessa mentirosa
autoconfiança. E essa transgressão, então, dar-lhe-á o direito de
acusar-nos, desarmar-nos e culpar-nos. É nesse momento que o
dardo inflamado do Diabo atinge-nos, porque a culpa é a base para
a destruição de nossa fé.
Não confunda arrependimento com culpa. Arrepender-se é a
decisão do homem contrito em buscar a Deus, reconhecendo sua
própria incapacidade de acertar e sua infinita necessidade de
transformação vinda da parte de Deus. A culpa é o remorso daquele
que se vê desamparado porque confiou em si mesmo e agora não
tem a quem recorrer.
Os exemplos deste tipo de armadilha são muitos, de casos mais
simples aos mais dramáticos. Um cristão que viola os limites de
velocidade de uma estrada ou dirige imprudentemente em alta
velocidade, está confiando em si mesmo (Salmo 20.7). Ao pisar
fundo no acelerador, ele já caiu em uma cilada, pois o Inimigo o
convenceu de que ele é capaz de livrar-se pelos seus reflexos,
destreza ou juventude.
Um cristão que se acha bom e justo, confiando em sua própria
justiça, terá dificuldade em pedir perdão ou perdoar. Essa
dificuldade afetará seus relacionamentos e eliminará a comunhão na
igreja. Um cristão que, por um momento, desejou a mulher do
próximo e confiou em si para reprimir o desejo, caiu na cilada do
Diabo que o convenceu da sua capacidade de controlar seus
sentimentos e ímpetos.
As ciladas do Diabo também acontecem no âmbito do relativismo
moral, onde tudo é normal ou permitido. Os que se conformam
(adotam a forma) ao mundo e aceitam valores e práticas mundanas
sem qualquer pensamento crítico, caíram na cilada. Tornam-se
juízes de si próprios, determinando pessoalmente o que é bom ou
mal, ignorando que a Bíblia diz que é. Como cristãos maduros,
precisamos entender de que forma as armadilhas de Satanás vão
sendo armadas ao nosso redor.

NOSSAS ARMAS

O apóstolo Paulo descreve no sexto capítulo de Efésios a nossa


armadura espiritual, com a qual devemos estar revestidos.

1. O cinturão da verdade
Com o cinturão, devemos cingir nossos lombos. A verdade é
absoluta e Jesus é a verdade. Não há relativismo moral quando
existe a verdade. Se a verdade existe e ela aponta o nosso erro,
não interessa o que pensamos ou deixemos de pensar a respeito.
Não pretenda ser o dono da verdade. Deixe que Jesus o seja!

2. A couraça da justiça
É fundamental entendermos que a justiça vem de Deus. Ele
justifica-nos e faz-nos justos mediante o sangue de Jesus
derramado na cruz. Por nós mesmos, não podemos alcançar a
plena justiça. Mas Jesus, amorosamente, permite-nos comparecer
diante do Pai, justifica-nos e aprova-nos diante Dele. Acobertados
pela justiça que Jesus concede, não podemos ser acusados ou
culpados. Arrependa-se do seu erro e rejeite o inútil sentimento de
culpa. Use a couraça da justiça!

A verdade é absoluta e Jesus é a verdade.

3. Os sapatos da preparação do evangelho da paz


O termo “preparação”, comparado a traduções em outras línguas,
pode ser melhor entendido como “prontidão”. Ou seja, Paulo
recomenda que estejamos com a prontidão do Evangelho da paz.
Portanto, o bom combatente do Senhor é aquele que não retarda ou
adia o combate, usando o Evangelho como recurso para caminhar e
como o seu principal alvo de vida.

4. O capacete da salvação
O Diabo tentará colocar dúvidas na mente das pessoas, em
especial quanto à certeza de sua salvação. Essa é uma grande
mentira. A pessoa que confiou na Palavra de Jesus e nos Seus
ombros colocou o peso de sua vida, está, definitivamente salvo.
Como Jesus afirmou acerca de Suas ovelhas: “Eu lhes dou a vida
eterna, e elas jamais perecerão; ninguém as poderá arrancar da
minha mão” (João 10.28). Esteja certo desta realidade espiritual!
5. A espada do Espírito, a Palavra
As demais armas citadas são defensivas, esta arma, porém, é de
ataque. Quando invocamos a Palavra de Deus, colocamos o Diabo
“para correr”. Jesus venceu o Diabo usando a Palavra do Senhor,
como claramente vemos no episódio de Sua tentação no deserto.
Em uma situação de cilada do Diabo, use a Palavra do Senhor
contra o Inimigo. Distinga-o e repreenda-o, usando a Espada do
Espírito. Não preste atenção no que ele vier a dizer. Não dialogue
com ele. Faça como Ezequias diante de Senaqueribe (2 Reis 19.9-
37); coloque diante do Pai o que ele disse e o Senhor concederá a
palavra contra o Inimigo, humilhando-o e fazendo-o voltar pelo
caminho por onde veio (Isaías 37.29).

6. O escudo da fé
O escudo da fé apaga os dardos inflamados do Diabo. A fé não é
o que você sente ou pensa, mas a certeza na Palavra do Pai.
Mesmo que você tenha dúvidas no coração, sustente-se no que
Deus diz, pela simples razão de que foi Ele quem disse. É contra a
nossa fé que o Diabo lança a maioria das ciladas. Muitas vezes, a
astúcia do Diabo não está em tirar a fé que você tem em Jesus, mas
em colocar outro objetivo ou pessoa como centro e alvo de sua fé.
O exercício da batalha espiritual passa por todos esses princípios.
Esses seis componentes da armadura feita para nós são
complementados pela prontidão de um soldado, que é a sua
perseverança. É também complementada pelo sentido de corpo, a
intercessão pelos santos, sem os quais nenhum exército subsiste.
Permaneça em prontidão para a batalha!

Arrependa-se do seu erro e rejeite o inútil


sentimento de culpa.

Saiba que a sua força vem de Deus. Tenha o discernimento acerca


das armadilhas de Satanás. Vista-se, diariamente, com a armadura
espiritual conferida por Cristo a você e à sua casa. Edifique ao lado
do Senhor e com a comunhão com a Sua Igreja, uma cobertura
espiritual para a sua família, que será luz em meio às trevas. Assim
vive a família que faz a vontade de Deus:

“Como é feliz quem teme o Senhor, quem anda em seus


caminhos! Você comerá do fruto do seu trabalho, e será feliz e
próspero. Sua mulher será como videira frutífera em sua casa;
seus filhos serão como brotos de oliveira ao redor da sua
mesa. Assim será abençoado o homem que teme o Senhor!”
Salmo 128.1-4

Que sua família, debaixo de uma cobertura espiritual abençoada


por Deus, floresça e frutifique, abençoando as próximas gerações.
Esta é a promessa de Deus para você e sua casa!
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDERSON, Neil T. Quebrando correntes. São Paulo: Mundo


Cristão, 2010.

_________________; HOOK, Pete & Sue VANDER. Proteção


espiritual para seus filhos. São Paulo: Editora Quadrangular, 2ª
edição, 2001.

__________________ & RUSSO, Steve. A sedução dos nossos


filhos. Belo Horizonte: Editora Betânia, 2000.

BORGES, Marcos de Souza Borges (Coty). O Avivamento do odre


novo. Almirante Tamandaré: Editora Jocum, 2007.

CASTOLDI, Luciana; SOBREIRA, Lopes Rita de Cássia; PRATI,


Laíssa Eschiletti. Psicologia: Reflexão e Crítica. O genograma como
instrumento de pesquisa de eventos estressores na transição
família-escola. Porto Alegre: UFRGS, 2006.

DOBSON, James. Educando crianças geniosas. São Paulo:


Mundo Cristão, 2006.

FRANGIPANE, Francis. Discerning of Spirits. Cedar Rapids, IA.:


Arrow Publications, 1991.

GIBSON, Noel; GIBSON, Phyl. Evicting Demonic Intruders. New


Wine Press, 1993.
KRAFT, Charles H.. Defeating dark angels. Ann Arbor, MI: Servant
Publications, 1992.

NEE, Watchman. Autoridade espiritual. São Paulo: Editora Vida,


2013.

NICODEMOS, Augustus. O que você precisa saber sobre batalha


espiritual. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2ª Edição, 1998.

PIERCE, Chuck D. & SYTSEMA, Rebecca Wagner. Protegendo


sua casa das trevas espirituais: 10 Passos para fazer do seu lar um
lugar seguro. São Paulo: Editora Vida, 2010.

TOZER, A. W. We Travel an Appointed Way: Making Spiritual


Progress. Pennsylvania: Wing Spread Publishers, 2010.

WAGNER, Peter C. Oração de Guerra. São Paulo: Bompastor,


2001.

WAGNER, Doris (Org.). Como ministrar libertação. São Paulo:


Editora Vida, 2005.

BÍBLIAS
Bíblia Almeida Revista e Atualizada (ARA). Barueri: Sociedade
Bíblica do Brasil, 1993.

Bíblia Sagrada: Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH).


Barueri: Sociedade Bíblica, 2000.

Nova Bíblia Viva (NBV). São Paulo: Mundo Cristão, 2010.


PETERSON, Eugene H. A Mensagem: Bíblia em linguagem
contemporânea (AM). São Paulo: Editora Vida, 2011.
Diagramação: Jamille Almeida
Produção de ebook: S2 Books
NOTAS

[ 1 ] João 10.10
[ 2 ] WAGNER, Peter C. Oração de Guerra. São Paulo: Bompastor,
2001.
[ 3 ] Apocalipse 12.4
[ 4 ] Mateus 16.18
[ 5 ] O Estado da Criança no Mundo, divulgado pela Unicef (Fundo
das Nações Unidas para a Infância) – 2004.
[ 6 ] http://www.redebrasilatual.com.br/mundo/2015/07/acoes-para-
coibir-trafico-de-pessoas-ainda-sao-pouco-efetivas-diz-onu-
4812.html. Acesso em março de 2016.
[ 7 ] ROGAR, Silvia. Mistérios entre o céu e as prefeituras. Veja.com.
Disponível em http://veja.abril.com.br/290709/misterios-entre-ceu-
prefeituras-p-096.shtml>. Acesso em junho de 2010.
[ 8 ] GIBSON, Noel; GIBSON, Phyl. Evicting Demonic Intruders. New
Wine Press, 1993.
[ 9 ] 2009, 20th Century Fox, Dir. James Cameron
[ 10 ] http://www.abcdacatequese.com/noticias/nacionais/574-
diagnostico-da-relacao-entre-os-catolicos-e-a-biblia-e-preocupante.
Acesso em Maio de 2015.
[ 11 ] TOZER, A.W. We Travel an Appointed Way: Making Spiritual
Progress.Pennsylvania: Wing Spread Publishers, 2010.
[ 12 ] Artigo publicado em
http://francisfrangipanemessages.blogspot.com.br/2012/05/the-gift-
of-discernment.html. Acesso em março de 2016.
[ 13 ] 2 Coríntios 11.3; Mateus 6.13; João 12.31; Efésios 2.2
[ 14 ] KRAFT, Charles H.. Defeating dark angels. Ann Arbor, MI:
Servant Publications, 1992.
[ 15 ] NEE, Watchman. Autoridade Espiritual. São Paulo: Vida, 2013.
[ 16 ] BORGES, Marcos de Souza Borges (Coty). O Avivamento do
odre novo. Almirante Tamandaré: Editora Jocum, 2007.
[ 17 ] 2009, Walt Disney Animation Studios, Dir. John Musker e Ron
Clements.
[ 18 ] DOBSON, James. Educando crianças geniosas. São Paulo:
Mundo Cristão, 2006.