Você está na página 1de 25

Como foi

Realmente?
A reconstrução geral da história

por AT Fomenko e GV Nosovskiy

texto traduzido livremente para o italiano por claudi ou rdali

1
C. APITOLO 9:
EU' PERÍODO DE XIX SÉCULO

1. Críticas à cronologia de Scaliger.

Há uma longa tradição de dúvidas e incertezas sobre a exatidão da versão aceita hoje. Apontamos apenas
alguns dos cientistas que criticaram a cronologia de Scaliger e Petavius e pensaram que a verdadeira
cronologia dos tempos antigos era fundamentalmente diferente.

- De Arcilla - século 16, professor da Universidade de Salamanca. o


as informações sobre sua pesquisa são vagas. Sabemos apenas que de Arcilla argumentou que a história
"antiga" foi inventada na Idade Média [1v].

- Isaac Newton (1643-1727), grande cientista, matemático e físico inglês.


Ele estudou cronologia por muitos anos e publicou o grande manuscrito A cronologia
modificado de reinos antigos [ 1v].

- Jean Hardouin (1646-1729) - importante cientista francês, autor de numerosos manuscritos de


filologia, teologia, história, arqueologia e numismática. Ele foi diretor da Biblioteca Real da França.
Ele escreveu uma série de livros sobre cronologia em que criticava fortemente toda a estrutura da
cronologia de Scaliger. Segundo ele, a maioria dos "monumentos antigos" foram feitos
significativamente mais tarde ou eram mesmo falsos.

- Petr Nikiforovich Krekshin (1684-1763) - secretário pessoal de Pedro I, o Grande. Ele


escreveu um livro no qual critica a versão da história romana reconhecida hoje. Na época de
Krekshin ainda era "muito fresco" e não era percebido como algo óbvio [4v2], cap. 2h30.

- Robert Baldauf - filólogo alemão da segunda metade do século XIX - início do século XX. Professor
particular da Universidade de Basel. Autor do livro em quatro volumes História e crítica. Com base
em razões filológicas, ele chegou à conclusão de que os monumentos da literatura “antiga” tiveram
origens muito posteriores do que se acreditava e que foram criados na Idade Média [1v].

- Edwin Johnson (1842-1901) - historiador inglês. Em sua obra, critica fortemente a cronologia
scaligeriana. Ele estava convencido de que deveria ser significativamente reduzido [1v].

2
- Nikolai Alexandrovich Morozov (1854-1946) - notável e eclético cientista russo que deu um grande
avanço na pesquisa cronológica. Ele lançou uma grande crítica à cronologia e à história de
Scaligero. Ele propôs muitas idéias a respeito de vários novos métodos científicos para a análise
da cronologia [1v], cap. 1

- Wilhelm Kammeyer (final do século 19 - 1959) Cientista e advogado alemão. Ele desenvolveu métodos
para determinar a autenticidade de antigos documentos oficiais. Ele descobriu que quase todos os
documentos clássicos e antigos da Europa Ocidental medieval eram falsificações ou cópias feitas
posteriormente. Ele chegou à conclusão de que a história antiga e medieval era uma falsificação. Ele
escreveu vários livros sobre este assunto.

- Immanuel Velikovsky (1895-1979) - médico e psicanalista. Ele nasceu na Rússia e viveu e


trabalhou na Rússia, Inglaterra, Palestina, Alemanha e Estados Unidos. Escreveu vários livros
sobre o tema da história antiga, onde apoiando-se nas pesquisas conduzidas por NA Morozov
(sem jamais mencioná-lo em lugar nenhum), destacou algumas contradições da história. Ele
tentou explicá-los usando a "teoria do catastrofismo". No Ocidente, ele foi considerado o fundador
da escola crítica da cronologia. No entanto, I. Velikovsky estava basicamente tentando proteger a
cronologia scaligeriana das reconstruções mais importantes. O fato de na Europa Ocidental a
obra histórica de I. Velikovsky ser mais conhecida do que as obras de NA Morozov impediu o
desenvolvimento da Nova Cronologia no Ocidente.

Resumindo: a inconsistência da cronologia scaligeriana foi claramente indicada por cientistas dos séculos
XVII-XIX. Foi formulada uma tese sobre a falsificação de textos clássicos e monumentos antigos, mas
ninguém, exceto Morozov, conseguiu encontrar uma maneira de construir uma cronologia correta. Mesmo ele
não poderia criá-lo. Sua versão acabou sendo parcialmente correta e herdou muitos erros significativos da
cronologia de Scaliger e Petavius.

2. No século 18, o reinado de Romanov ainda era considerado de muitas


maneiras a ocupação da Rússia por estrangeiros. A lista de membros ativos
da Academia Russa de Ciências no
Século XVIII-XIX.

Quando a dinastia Romanov chegou ao poder, a classe dominante na Rússia era composta em grande parte
por estrangeiros. Para ilustrar esse fato, os historiadores Romanov inventaram uma "explicação" um tanto
elusiva. Eles disseram que os Romanov, de boa fé, convocaram eruditos estrangeiros à Rússia para pedir
sua ajuda para encontrar

3
o país do pântano do atraso e da ignorância, e ser capaz de transformar os animais russos em
gente, como dizia Pedro I o Grande [336], v.5, p.569-570.

O domínio estrangeiro na Rússia, que continuou durante os primeiros 200 anos do domínio Romanov,
foi na verdade a ocupação da antiga metrópole do Império "Mongol". A lei de servidão que os Romanov
introduziram foi a escravidão total da população nativa em terras russas confiscadas por estrangeiros.

Figura 103. Gráfico mostrando a porcentagem de acadêmicos estrangeiros na Academia Russa


de Ciências até 1917. Por cerca de 120 anos, até 1841, o
a esmagadora maioria dos acadêmicos era estrangeira [736], Livro 1.

Vamos falar sobre a história da Academia Russa de Ciências. Foi criado em 1724 por ordem de
Pedro I [736], livro 1, p. V. Somos informados de que Pedro "não tendo encontrado nenhum talento
na Rússia" convocou cientistas da Europa Ocidental para que pudessem esclarecer a Rússia
bárbara e levantar sucessores dignos de jovens locais com pouca educação. Entre os cientistas
convidados da Europa, havia pensadores verdadeiramente excepcionais, por exemplo o brilhante
matemático Leonhard Euler. No entanto, eles geralmente falam muito pouco sobre o fato de que
TODOS os membros da Academia Russa, de 1724 a 1742, foram TODOS estrangeiros, com
exceção de Adadurov Vasili Yevdokimovich, eleito pela Academia em 1733 [736], livro 1. Portanto,
PRATICAMENTE NOS PRIMEIROS VINTE ANOS, OS ACADÊMICOS DA RÚSSIA FORAM
APENAS ESTRANGEIROS.

Em 1841, 20 novos acadêmicos foram eleitos. Não havia mais estrangeiros entre eles. Para
entender a imagem como um todo, fizemos um gráfico, veja o
Figura 103 [ 7v1], cap. 1, que mostra a porcentagem de acadêmicos estrangeiros na Academia
Russa de Ciências, desde a sua fundação em 1724 até 1917. A coordenada do eixo do tempo
mostra todos os anos em que ocorreram as eleições na Academia. Para cada ano, calculamos a
porcentagem de estrangeiros que se tornaram acadêmicos naquele ano. No diagrama esta variável

4
permanece constante até o próximo ano eleitoral. A questão de quem entre os acadêmicos é
estrangeiro e quem não é, foi resolvida com muita facilidade: na edição [736] foi registrado o nome
estrangeiro original de cada membro estrangeiro da Academia.

No Figura 104 relatamos um gráfico mais uniforme, que foi obtido do anterior pela média das
décadas.

Figura 104. O gráfico da média de 10 anos mostrando a porcentagem de acadêmicos

estrangeiros na Academia Russa de Ciências [736], livro 1.

Percebe-se claramente que até 1841 eram principalmente os estrangeiros que se tornavam acadêmicos. Este
importante fato é "explicado" para nós desta forma. Disseram-nos que, por mais de cem anos, os membros
estrangeiros da Academia Russa não conseguiram levantar sucessores dignos de cientistas russos. Com
grande dificuldade, estrangeiros atenciosos e bem-intencionados procuraram talentos muito raros nos vastos
territórios da Rússia, mas encontraram "catastroficamente poucos". Aquele país asiático bárbaro estava cheio
de bosques, neve e ursos. Então, eles tiveram que voltar-se para a Europa esclarecida novamente e trazer
outros cientistas dignos do título.

Infelizmente, o problema não era a falta de talento na Rússia. No início do século XVII, a Rússia foi
conquistada por estrangeiros que estavam longe de se interessar em restaurar o Império.

Em [4v2] cap. 2: 31-32, publicamos material sobre a difícil luta que começou
MV Lomonosov contra acadêmicos históricos estrangeiros. É por isso que é tão útil compreender como muitos
dos acadêmicos de HISTÓRIA da Academia Russa de Ciências dos séculos 18-19 eram estrangeiros. Quem
criou a versão Romanov-Miller?

5
PARECE QUE ANTES DE MV LOMONOSOV TODOS OS ACADÊMICOS HISTÓRICOS ERA
ESTRANGEIROS. Havia onze deles. Entre estes estavam os "criadores da história russa", incluindo os já
conhecidos Gerhard Friedrich Müller e Gotlib Bayer ou Theophilus Siegfried (Gotlib = Theophilus - nota do
tradutor). Portanto, nos primeiros 18 anos de existência da Academia de Ciências, a HISTÓRIA DA RÚSSIA
FOI ESCRITA EXCLUSIVAMENTE POR ACADÊMICOS ESTRANGEIROS. Foram eles que lançaram seu
falso fundamento. MV Lomonosov foi eleito acadêmico apenas em 1742 [736], livro 1,

p.14. Ele foi o primeiro acadêmico doméstico que não foi apenas naturalista, mas também historiador. Depois
de se encontrar na Academia, ele rapidamente percebeu o que estava acontecendo. Uma luta feroz eclodiu
imediatamente entre ele e acadêmicos estrangeiros sobre a interpretação correta da história russa. A
resistência mostrada em relação a Lomonosov foi coesa e furiosa.

Figura 105. Gráfico da média de dez anos que mostra a porcentagem de estrangeiros entre

historiadores acadêmicos até 1917 [736], livro 1.

No Figura 105 é apresentado um gráfico que mostra a porcentagem de historiadores acadêmicos da


Academia Russa de Ciências que eram estrangeiros. Por mais de cem anos, o diagrama permanece
quase 100 por cento. Começa a cair apenas em meados do século 19 e chega a zero em 1900.

Durante os 117 anos, de 1724 a 1841, DOS TRINTA E QUATRO ACADÊMICOS HISTÓRICOS, HAVIA
APENAS TRÊS RUSSOS NA Academia Russa de Ciências. Eles foram: MV Lomonosov, JO Yartsov e NG
Ustrialov [736], livro 1. Todos os outros 31 acadêmicos eram estrangeiros. Portanto, até meados do século
19, a porcentagem de historiadores estrangeiros na Academia Russa ultrapassava os noventa por cento!

6
Por mais de cem anos, os estrangeiros tiveram controle total sobre a escrita da história russa. Foram eles
que decidiram quais documentos russos deveriam ser destruídos, quais reescrever e quais manter. Os
historiadores da casa viram a porta, eles não tiveram acesso aos arquivos e fontes primárias.

Não foi até 1841 que um número considerável de cientistas domésticos começou a aparecer entre os
historiadores acadêmicos. Mas era tarde demais. As falsas bases da "história russa" já haviam sido lançadas
e firmemente cimentadas por estrangeiros.

Os resultados das "atividades" de historiadores estrangeiros são bem conhecidos por nós. Hoje, seus
seguidores nos contam com segurança que antes de Pedro I, o Grande, a marinha nunca existiu na Rússia. Eles
afirmam que foi Pedro quem PELA PRIMEIRA VEZ deu a ordem de construir pequenos e simples "barcos" na
Rússia para começar, e grandes navios depois. Os historiadores contratados pelos Romanovs varreram
completamente da história as colossais expedições navais do século 15 ao 16, quando a frota do Rus 'da Horda
e do Otomano = Ataman colonizou, por exemplo, a América e além. Além disso, o exército da Horda não cruzou
o oceano em canoas raquíticas, mas com navios equipados com várias fileiras de artilharia pesada [6v2] cap.6.
EU' toda a história russa anterior ao século 17 foi declarada por historiadores estrangeiros como sendo a dos
homens das cavernas. Temos sido ensinados dessa forma desde então. Eles implantam essas mentiras na
cabeça dos jovens. Felizmente, muitos vestígios da verdade sobrevivem.

3. A estrutura financeira, as castas do Grande Império,


judaísmo medieval.

Agora vamos falar sobre a interessante questão do sistema financeiro do Império e da classe social dos
tesoureiros financeiros. A nova cronologia muda fundamentalmente nossas percepções, como a colocação
dos judeus na Idade Média. Este tópico interessa muitas pessoas antes e agora. A visão comum de que os
judeus são uma comunidade religiosa que, devido a algumas circunstâncias mal definidas, espalhadas por
todo o mundo, de forma alguma é satisfatória. Por que isso e apenas essa comunidade se espalhou e não
desapareceu? Se o antigo estado judaico fosse de alguma forma muito grande, o quadro teria sido mais
claro. Os judeus poderiam ter sobrevivido em virtude de sua multiplicidade. Mas não, somos informados de
que o estado judeu era muito pequeno e então todos esses pequenos reinos morreram. No entanto, a
comunidade judaica sobreviveu. Também se espalhou por todos os países civilizados e ocupa um lugar
importante na vida social e política, na ciência e na cultura e, obviamente, nas finanças.

Voltemos à história do Grande Império. Que lugar ocuparam os ancestrais dos judeus de hoje?

7
No Império pode-se ter a ideia de formigueiro ou colmeia. Eram classes sociais bem definidas, clãs
hereditários ocupados por uma linha profissional específica. Traços do sistema de castas imperial
sobrevivem na Índia com suas castas de guerreiros, trabalhadores, padres, etc ... Na história
recente da Rússia, conhecemos pelo menos um exemplo. A casta social de que estamos falando é
a dos padres. Até a segunda metade do século 19, apenas o filho ou filha de um padre podia se
tornar padre ou freira na Rússia. Essa lei só foi abolida no século XIX. Esse fato foi amplamente
discutido na sociedade russa.

Presumivelmente, no Império da Horda de Rus, havia castas, divisões profissionais. Em particular, havia a classe profissional de
executivos financeiros, uma espécie de funcionários de banco. Eles administraram as contas do Império disperso na Europa, África
e América. A vida de um vasto reino não é possível sem um mecanismo financeiro que funciona regularmente. Não apenas incluía o
aparato financeiro do Yaroslavl = Veliky Novgorod zarkhan, mas também os numerosos escritórios de contabilidade espalhados pelo
mundo da América à China [5v1], capítulo 12: 4. Incluía a regulamentação do comércio entre o Oriente e a China. Oeste,
arrecadação de impostos, pagamento de salários, controle do fluxo de metais preciosos, apoio financeiro ao exército, etc ... Era um
trabalho que exigia muita atenção aos detalhes, qualificações especiais, habilidades contábeis e exigia certa severidade para
violadores das leis financeiras. Daí a tendência de construir sistemas complexos de regras que são bem descritos no Talmud, por
exemplo. Claro, o dinheiro era o "sangue" de todo esse enorme sistema imperial. As pessoas que de geração em geração
“administraram o dinheiro” do mundo contemporâneo, desenvolveram a aspiração de permanecer sempre por perto. Entre as
pessoas ligadas ao sistema monetário do mundo moderno, provavelmente existem muitos descendentes da velha camada
financeira imperial. Deve haver muitos deles na esfera bancária. habilidades contábeis e exigia certa severidade para com os
violadores das regras financeiras. Daí a tendência de construir sistemas complexos de regras que são bem descritos no Talmud, por
exemplo. Claro, o dinheiro era o "sangue" de todo esse enorme sistema imperial. As pessoas que de geração em geração
“administraram o dinheiro” do mundo contemporâneo, desenvolveram a aspiração de permanecer sempre por perto. Entre as
pessoas ligadas ao sistema monetário do mundo moderno, provavelmente existem muitos descendentes da velha camada
financeira imperial. Deve haver muitos deles na esfera bancária. habilidades contábeis e exigia certa severidade para com os
violadores das regras financeiras. Daí a tendência de construir sistemas complexos de regras que são bem descritos no Talmud, por
exemplo. Claro, o dinheiro era o "sangue" de todo esse enorme sistema imperial. As pessoas que de geração em geração “administraram o dinheiro” do

É inteiramente possível que dentro de uma guilda profissional pudesse haver uma comunidade religiosa que
mais tarde se tornaria parte do Judaísmo contemporâneo. A tolerância religiosa prevaleceu no Império e
nenhuma das religiões foi perseguida. Alguns podem nos perguntar: por que então não surgiu a "religião
militar" que poderia ser seguida por todos os guerreiros do Império, por exemplo? Nossa resposta é a
seguinte. O tipo de negócio desempenhou um papel importante. É claro que as conexões dentro do estrato
social dos financiadores da Horda, os funcionários do sistema monetário imperial, eram consideravelmente
mais fortes do que as conexões profissionais na casta social dos guerreiros da Horda. Os banqueiros da
América e os banqueiros da Europa daquela época, eles estavam mais intimamente ligados do que os
soldados na América e os soldados na Europa. Não há nada de estranho nisso. É apenas a natureza
diferente do negócio. É por isso que a camada financeira era particular no sistema imperial. Os outros
estratos sociais podem ter sido infundidos com religiões diferentes, enquanto a corporação financeira
acabou por ser mais homogênea no sentido religioso. No entanto, tanto antes como agora, os judeus
tiveram e ainda têm disputas religiosas.

8
É claro porque a corporação financeira imperial não precisava de um status especial separado. De certa
forma, eles já tinham. Era todo o império da Horda. O cosmopolitismo atual é, em certa medida, o
legado, a lembrança do vasto campo de atividade financeira espalhado por todos os territórios da
América à China, daí o ligeiro apego ao local de nascimento, a terra de seus ancestrais, a facilidade de
transferência. Na época do Império, tudo isso poderia ser atribuído à ocupação do tesoureiro imperial.
Os funcionários do tesouro imperial muitas vezes se mudavam de um lugar para outro, podiam ser
designados e, portanto, trabalhar nos territórios mais remotos. Ao mesmo tempo, o espírito de
solidariedade e uma espécie de indiferença inevitavelmente apareceu.

E assim, no século 14, o Império "Mongol" nasceu. Seus fundadores, os czar-khans da Rus 'da Horda,
começaram a ordenar a vida nos imensos territórios. Em particular, eles criaram o sistema monetário
do Império e o estrato social das pessoas que deveriam fazer parte dele. No século 16, o judaísmo era
a religião predominante nessa camada financeira. Talvez não apenas neste grupo social, mas aqui era
universal ou quase universal. Devido à especificidade de sua atividade (controle das finanças
imperiais), esse estrato social ganhou poder, o que não foi previsto pelos fundadores do Império.

Os czar-khans daquele período não perceberam a tempo o perigo que pairava sobre eles. No século XVI e no
início do século XVII, o Império foi destruído. O poder do dinheiro floresceu de suas ruínas.

Agora fica claro por que, após o colapso do Império, as revoluções começaram nas antigas províncias imperiais
da Europa. A implicação dos eventos é simples. O Império foi arruinado nas mãos dos governadores militares
imperiais. Na Alemanha, França, etc. adquiriram de imediato o poder absoluto do território, após terem se
transformado em reis, duques e condes independentes. Eles ingenuamente pensaram que foram eles que
venceram. Eles estavam errados. Agora eles tinham que se defender sozinhos. Alguns foram decapitados,
outros foram dizimados pelo "povo indignado". A força motriz por trás de todas essas revoluções era o dinheiro.
Conseqüentemente, eles declararam abertamente o domínio do dinheiro em detrimento da posição nobre e de
suas linhagens. Este foi o lema da Revolução Francesa e da Revolução Inglesa. No Império da Horda há era
um princípio de descendência e bondade. A nobreza era respeitada e autorizada a governar. Após o levante da
Reforma, a riqueza teve precedência. A nobreza recuou para as sombras e em alguns lugares foi declarado um
atributo negativo.

Nossa ideia de que os judeus medievais, ou uma parte significativa deles, vieram dos tesoureiros do
Império, é sustentada por algumas fontes. Por exemplo, sobre o rei Wenceslas é dito: "De acordo com
um dos veredictos do Sejm de Nuremberg de 1390, o rei ordenou aos judeus (não devemos esquecer
que TODOS ELES E TODA SUA PROPRIEDADE FORAM PROPRIEDADE DO TESOURO DO
SANTO IMPÉRIO ROMANO) fora todos os títulos e obrigações de dívida que eles possuíam ... Os
judeus tiveram que cumprir a ordem do governo e eles fizeram: mas é

9
desnecessário dizer que, posteriormente, após aquela reviravolta financeira, os negócios voltaram ao
seu estado anterior ”[304], v.2, p.449.

Tudo está claro. O governo imperial ordenou que seu tesouro renunciasse às dívidas de seus
cavaleiros. Aconteceu depois de uma longa guerra. O Tesouro renunciou às dívidas, mas por isso não
empobreceu. Em pouco tempo, tudo voltou ao seu antigo status, enquanto o Império empobrecia.

A situação em que o cavaleiro medieval não exigia dinheiro de ninguém, mas de um determinado judeu,
passou a fazer parte da literatura clássica. Nos lembramos de você O Cavaleiro Avarento por Pushkin. O
cavaleiro está convencido, por algum motivo, de que o dinheiro do judeu é dele. Pelo menos o judeu tinha
uma parte indiscutível disso. Mas o judeu lhe garante que "não sobrou dinheiro". Uma conversa normal
com um contador ou tesoureiro que tenta a todo custo limitar a retirada de dinheiro. O cavaleiro insiste
firmemente em receber o pagamento imperial que lhe é devido.

É notável que a perseguição aos judeus na Europa tenha começado logo após o colapso do
Império da Horda. No Cronologia luterana de 1680, lemos que em 1615 "a antiga irmandade entre
as aldeias foi restaurada: os judeus foram ordenados a deixar Wormatia". Pode significar algum tipo
de segregação ou expulsão dos judeus em 1615, ou seja, imediatamente após o período
conturbado. Aqui, a referência à ANTIGA UNIÃO DE PAÍSES da Europa Ocidental é muito
interessante. Como agora entendemos, essa união fazia parte do Império Unido.

Após o colapso do Império, a maioria de seus oficiais e militares, incluindo até mesmo os oficiais da
linha de frente do tesouro imperial (os judeus), tornaram-se suspeitos na sociedade de reforma
ocidental. Nasceram os famosos guetos da Europa.

Por que se pensa que os judeus escreveram a Bíblia? Como podemos ver agora, não está certo.
Aqui, estamos lidando com a confusão terminológica típica da Idade Média. Os livros da Bíblia
foram escritos por pessoas de todos os tipos. Por exemplo, o Antigo Testamento foi escrito
principalmente por Aqueles que Louvam ao Senhor (esta é a tradução da palavra "hebraico" em
russo), os sacerdotes que adoravam a Deus, que marcharam com o exército da Horda-Atamania
para conquistar o mundo, a Terra Prometida. A palavra "judeu" significava simplesmente
"sacerdote". É uma modificação da palavra grega Nereus (Hiereus), que é facilmente transformada
na palavra Yevrey (hebraico em russo) graças à leitura bidirecional da carta eslava eclesiástica
Izhitsa. A Bíblia foi escrita pelos sacerdotes da Horda, ou seja, pelos judeus.

4. A forma como o Império foi administrado.

- Ainda permanecem os traços psicológicos do fato de que o Rus 'da Horda estava lá
metrópole (o estado principal) do Grande Império. Ainda hoje os povos da Rússia são
"difíceis de domar", eles ainda têm o espírito vivo neles
10
da antiga liberdade, o espírito dos "mestres do Império". Eles têm bom senso e uma atitude
bastante cética em relação à lei. Eles se esforçam para "viver de acordo com seus próprios
caminhos", como seus ancestrais. Tudo isso é óbvio, pois as leis foram escritas pelo Império para
as outras, ou seja, para as províncias conquistadas. Por outro lado, o amor russo pela liberdade se
combina com o profundo sentido monárquico que também se manifestou no século XX. Os russos
sempre estiveram dispostos a morrer pelo czar, por um ideal. Em outros países civilizados, as
pessoas aceitam as normas legais com mais facilidade. Talvez pelo fato de não serem apenas
descendentes dos conquistadores = os "mongóis", mas também da população nativa subjugada,
que a certa altura foi obrigada a respeitar as ordens da metrópole, ou melhor, a Rus dos

- Como funcionou o Império por 300 anos, do século 14 ao 16? Como a Rus 'da Horda
conseguiu mobilizar tantos soldados para colonizar tão vastos territórios? Uma coisa é
conquistar territórios rapidamente. Para conseguir isso, devido ao baixo nível de população
em muitas regiões da Eurásia e da América, pequenas unidades de soldados bem armados
e bem treinados eram frequentemente suficientes. Embora seja uma questão bem diferente,
é manter a ordem por um longo período de tempo e educar as populações locais de todos
os continentes. Além disso, como eles conseguiram transmitir as ordens sem demora para
tropas distantes, administração e banqueiros do centro da Rus 'da Horda? Pois naquela
época não havia meios de comunicação rápidos como telégrafo, rádio ou telefone.

Primeiro, dois centros de poder foram estabelecidos no Império ao mesmo tempo, a partir do século
XV. Uma era a Rus 'da Horda, também chamada de Israel, e a outra era o Czar Grad, capital do
Império Otomano (Ataman), também chamada de Judéia. Além disso, todo o Império às vezes era
chamado de Israel ou Judéia, quando a questão dizia respeito ao aspecto militar das atividades ou ao
aspecto hierárquico e religioso, respectivamente. Principalmente a Rússia controlava a Europa
Ocidental e a Ásia, enquanto o Império Otomano cuidava do Mediterrâneo, Oriente Médio e África. A
América, que foi colonizada no final do século 15, estava sob o controle mútuo da Rus 'da Horda e do
Império Otomano-Atamano.

Em segundo lugar, a cola mais importante era a religião cristã comum, espalhada pelo Império da Horda = Israel
em todo o mundo naquela época. Os missionários "mongóis" que marcharam entre os exércitos israelitas dos
cruzados = ordianos, criaram as filiais dos ramos católicos das igrejas ortodoxas nos territórios colonizados, com
as quais garantiam a unidade espiritual ao Império. A unidade religiosa foi uma das pedras angulares em que o
poder imperial foi baseado por várias centenas de anos. A igreja cristã unida desempenhava uma importante
função estatal. Foi a razão exata pela qual os rebeldes ocidentais dos séculos 17 e 17 organizaram o primeiro
golpe contra o Cristianismo [6v2], cap. 1. A "reforma religiosa progressiva" ajudou a dividir o reino em
fragmentos, cada um dos quais "tinha"

11
por assim dizer "uma nova religião": protestantismo, catolicismo, islamismo e assim por diante.

Em terceiro lugar, na base do Império estava uma organização militar profissional, ou seja, a Horda = Rato.
Não devemos supor que em todas as cidades e assentamentos do Império, da China à Europa, África e
América, havia necessariamente um posto militar dos cossacos da Horda. Não havia necessidade. As
pequenas mas bem armadas unidades militares estavam estacionadas apenas nos grandes centros, de
onde, de vez em quando, marchavam para regiões remotas para coletar impostos ou realizar ações
punitivas. Essa forma de controle, em que as tropas profissionais apareciam com pouca frequência, mas
agiam com rapidez, publicidade e firmeza, mostrou-se particularmente eficaz. O medo dos súditos em
relação ao distante poder central também foi importante. A presença permanente de unidades militares em
cada assentamento não era necessária. Não havia soldados e armas suficientes para isso. Os governantes
entenderam que a ameaça remota, mas iminente, era mais eficaz do que o assentamento permanente de
tropas em vista da população.

Os descendentes dos conquistadores da Horda formaram o núcleo da nobreza que se estabeleceu localmente, por
exemplo, na Europa, Japão e China [5v1], cap. 12:12.

A estabilidade do Império baseava-se na extrema superioridade militar da Horda que no século XIV
possibilitou a grandiosa colonização do mundo, que nunca mais aconteceu. No início do século
XIV, na Rússia da Horda, iniciou-se a produção industrial de ferro e pólvora, com a qual foram
criadas armas, inclusive canhões. A cavalaria cossaca que cresceu nas vastas estepes russas
também foi um fator importante. Não havia nada parecido fora da Rússia. Na verdade, a cavalaria
"mongol" armada com mosquetes e acompanhada pela artilharia nunca encontrou resistência. Pelo
que sabemos da conquista do Czar Grad em 1453, ou seja, o Antigo Testamento Jericó [6v1] cap.
5: 3, quando necessário, o a artilharia pesada que poderia destruir rapidamente qualquer muro de
pedra, avançou imediatamente em direção aos muros das cidades que se agarravam
sombriamente. Porém, na maioria dos casos, uma demonstração de força bastava para esmagar
qualquer tentativa de rebelião.

A velocidade de entrega das ordens militares e administrativas era obviamente limitada pelas instalações de
transporte da época. Mas, como as crônicas nos contam, em primeiro lugar a Horda criou uma rede de
estradas eficaz com baias de cavalos ao longo das ruas [4v1], Introdução: 3. Em segundo lugar, a principal
tarefa dos governadores "mongóis", do A América para a China deveria dar ordens, aumentar os impostos e
mandar parte disso para a metrópole. Para isso, não era necessário receber pedidos do centro todas as
vezes; tudo era feito pela administração local, sem o apoio diário de Moscou ou do czar Grad. Os mensageiros
eram enviados para tratar de assuntos de grande importância ou de natureza especial. Certamente podemos
imaginar que, nesses casos, os mensageiros agiram rapidamente.

12
5. A falsificação da história nos séculos XVII-XVIII.

OS ARQUEÓLOGOS DEVASTADORES DO ROMANOV.

Em [1v] cap.1: 13.1 e [TsRIM] cap.9, falamos sobre as escavações na Rússia central
conduzidas pelos arqueólogos dos Romanovs do século XIX. Em particular, em 18511854 o
conde AS Uvarov, que hoje é erroneamente chamado de arqueólogo, escavou 7.729 montes no
território de Vladimir e Suzdal. SETE MIL SETE CEM VINTE E NOVE! Foi relatado: "Quando
trouxeram os objetos para o museu Rumyantsev (aqueles que se referem às escavações de
1851-1854 - o autor), eles se apresentaram com uma PILHA CAÓTICA DE MATERIAIS, pois
não tinham um inventário nem uma nota especificando de qual monte veio cada item. EM UM
SEGUNDO MOMENTO, o Sr. Uvarov compilou um inventário de toda a coleção, porém usando
apenas os relatórios de escavação e PARTE DE SUA MEMÓRIA. As escavações grandiosas
de 1851-1854 na região de Suzdal serão tristemente lembradas pela ciência por muito tempo e
servirão como uma terrível premonição para todos os fãs da escavação em massa. Ainda mais
triste é a PERDA DAS MONTANHAS VLADIMIR, pois elas representam o ÚNICO material que
pode responder à questão de qual era a tribo russa que lançou as bases de Velikorossy (no
período pré-soviético, os russos eram oficialmente chamados de Velikorossy (Grande Rússia ),
os ucranianos Malorossy (Pequena Rússia), os bielorrussos com o mesmo nome hoje (Rússia
Branca) - nota do tradutor) ... A PERDA DESSAS MONTANHAS NÃO TEM PREÇO "[305: 0],
p.89-90 .

Houve dias em que até 80 ou mais montes foram abertos. Isso não foi pesquisa científica, mas
demolição intencional. Nossa análise nos permite afirmar o seguinte:

• Em meados do século 19 e por um período de pelo menos quatro anos, o Conde A.


S. Uvarov e PS Saveliev organizaram e lideraram a destruição deliberada dos montes
da velha Horda Rus na Rússia central, ou seja, no coração do antigo "Império Mongol".
Eles foram autorizados por um Édito Imperial.

• Os tumuli dos Rus 'da Horda foram cruelmente arrasados e os túmulos dentro deles foram
destruídos. Para tanto, centenas de trabalhadores foram convocados. Não havia o menor
vestígio de qualquer "pesquisa científica".

• Quase nenhum documento detalhado sobreviveu descrevendo este pogrom. Eles


"desapareceram" misteriosamente. Algumas das que nos foram apresentadas hoje foram
escritas post factum.

• Uma pequena quantidade dos objetos encontrados foi guardada para museus. Portanto, havia
algo para provar e explicar. Eles argumentaram que esses eram os resultados de suas atividades
científicas meticulosas. Eles disseram isso
13
no entanto, eles encontraram algo, embora não muito. A maioria das descobertas
autênticas que podem nos dizer muito sobre nossa história foram imediatamente
destruídas no campo ou escondidas em depósitos subterrâneos.

Hoje não podemos nem imaginar quantos montes havia na Rússia. MILHARES E MILHARES foram
destruídos pelos administradores Romanov. No entanto, muitos ainda permaneceram no século XIX.
Por exemplo, “Sr. Nefyodov, que abriu um monte na mesma área, relatou ter contado até 200 montes
ao longo de uma distância de 3 verste (0,6629 milhas - tradutor) ”[305: 0], p.93. Logo os Romanov
chegaram. Nem é preciso dizer que foram todos arrasados de maneira implacável.

Com o tempo, apenas alguns rumores e memórias sobreviveram sobre os numerosos montes no vale Tver ao
longo do Volga, os montes Uglich, os montes Murom, etc. [305: 0], pp. 94-95. Onde eu estou agora? Eles se
foram. Não há nenhum vestígio deixado. Nem em campo, nem em documentos. Onde os achados foram
desenterrados?

CONCLUSÕES. Na segunda metade do século 19, os administradores Romanov, arqueólogos


e historiadores destruíram vários milhares de túmulos da Horda Rus. Muito provavelmente, eles
foram arrasados deliberadamente para esconder os vestígios da verdadeira história dos
séculos XIII-XVI. Hoje nos dizem cinicamente, com um sorriso irônico: “Veja, não há montes e
sepulturas opulentas na Rússia, nossa história é pobre, não é como a do Ocidente, do Oriente,
do Norte ou do Sul”.

ELES ESCREVERAM A NOVA HISTÓRIA ANTIGA.

Para apoiar a versão de Scaligero e Petavio na Europa, foi criada a "escola científica de
história", que "conformava" todos os documentos que lhe foram apresentados. Depois que o
corpo principal dos documentos conflitantes foi destruído ou modificado, os documentos
"estranhos" que surgiram de tempos em tempos foram interpretados como "ignorância
medieval". Até hoje, o principal corpo de documentos em que se baseia a versão histórica
moderna consiste em textos da Europa Ocidental, que foram todos modificados nos séculos
XVII-XVIII, um fato que muitas vezes é oculto. Por outro lado, as fontes primárias russas,
turcas e árabes ocupam apenas um lugar secundário e de apoio à ciência histórica. Supõe-se
que eles contêm "muitas bobagens". Dizem que devemos abordá-los com muito cuidado.

Por razões óbvias, os reformadores trabalharam mais profundamente na história do século 15 ao 16, pois
esta foi a época do nascimento do Império "Mongol". Nos livros de história, quase nada restou da verdadeira
história daquela época. O espaço vazio que foi liberado teve que ser preenchido com urgência. Este
enchimento ocorreu nos escritórios dos historiadores dos séculos XVII-XVIII. É por isso que não é surpresa
que a era dos séculos 15 a 16 seja amplamente povoada por duplicatas fantasmas, reflexos dos eventos
que ocorreram aqui entre os séculos 16 e 17. Qualquer falsificador também

14
consciente e inconsciente, ele usa as imagens da realidade circundante. Os livros supostamente do século dezesseis
foram impressos e reimpressos no século dezessete e dezoito.

Figura 106. O livro de propaganda intitulado The Mirror of Spanish Tyranny. Os "tiranos que eram contra a
reforma" foram retratados. Então, os rebeldes colaram rótulos em
todos aqueles que tentaram deter a revolta [330], vol.3, inserção entre as páginas 280-281.

Datas falsas do século 16 ou mesmo do século 15 foram deliberadamente impressas neles. Os


grandes exemplos disso são as Bíblias, veja [6v]. Outro ótimo exemplo é o Almagest de Ptolomeu
[3v1] e também sua geografia [6v2], cap.

15
7. Muitos dos livros autênticos dos séculos 15 e 16 tinham uma clara "marca imperial" neles. Por
exemplo, ele o dedica ao imperador russo. Claro, tudo foi eliminado nas reimpressões dos
séculos 17 a 18. Tudo relacionado à história imperial antiga foi alterado nos textos.

A história da Europa Ocidental foi apresentada desta forma. O cã da Rus 'da Horda foi declarado
exclusivamente o imperador da Europa Ocidental dos Habsburgos da Áustria. Portanto, as
numerosas ações de todo o Grande Império foram automaticamente atribuídas apenas à Europa
Ocidental. Os principais fatos históricos, como a existência do imperador na Europa, a antiga
unidade da Europa sob seu governo, a forte presença eslava na Europa, etc., permaneceram em
grande parte nas páginas dos livros didáticos, mas sua apresentação foi muito distorcida [7v1], cap.
1

Os governantes ocidentais do século 16 que permaneceram leais ao Império "Mongol" foram


declarados reacionários. Por exemplo, o duque de Alba Fernando Alvarez de Toledo, 1507-1582,
"comandante espanhol e governador da Holanda" [797],
p.44. ele foi tratado como um monstro, que "afogou em sangue o movimento de libertação
progressiva". Este “Dyak Belo-Rus” (cujo nome foi posteriormente pronunciado Duque Alba-Rus,
ou seja, Duque Alva-Rez) foi provavelmente um dos governantes do Império que lutou contra a
Reforma. No Figura 106
mostramos a página de título de um livro intitulado O Espelho da Tirania Espanhola,
presumivelmente publicado pela primeira vez em 1596. O duque de Alba e Don Juan da Áustria
foram retratados como os principais tiranos que "suprimiram brutalmente o progresso". Acima
deles, os editores colocaram o retrato de um "rei muito mau", Filipe II. O livro pretendia ser um
guia muito importante para educar os europeus do século 16 ao 17 no espírito certo. Na página
de rosto, há uma imagem clara de governantes malvados torturando pessoas boas. O livro foi
republicado em 1620 e 1638 [330], v.3.

Eis o que diz a Enciclopédia do rei Filipe II da Espanha (1527-1598): “Sua política promoveu o
fortalecimento da AUTOCRACIA espanhola. OPRESSÃO INTENSIFICADA NOS PAÍSES
BAIXOS. Ele apoiou a inquisição "[797], p.1406. No geral, um governante ruim, um grande
opressor.

AS “ANTIGAS FONTES” ESCRITAS.

Onde conhecemos as obras de escritores "antigos"? Aqui está uma revisão detalhada do Professor
VV Bolotov no Lições sobre a história da igreja antiga [ 83]. Tecnicamente, ele toca apenas fontes
relativas à história da igreja, mas a grande maioria dos textos medievais, de uma forma ou de outra,
dizia respeito à história da igreja. Em geral, a versão de Scaliger foi construída principalmente em
fontes de igrejas [72], [76].

Na história das publicações impressas de fontes "antigas", o que se destaca é o fato de que desde o início
não foram desconectadas ou aleatórias, como deveria ser no curso normal dos acontecimentos quando,
com o advento da publicação, alguns livros que
16
foram copiados anteriormente, começaram a ser publicados. Em um lugar, alguém publicou
um livro, enquanto em outro lugar, outra pessoa imprimiu independentemente outro livro. E
assim por diante. Só mais tarde apareceu a série que reuniu as publicações avulsas e a partir
daí publicaram as COLEÇÕES FUNDAMENTAIS MULTIVOLUME. Ao contrário disso, se a
história antiga tivesse sido falsificada e os textos antigos modificados e forjados de acordo, a
imagem das edições publicadas provavelmente seria o oposto. Ou seja, eles publicariam
imediatamente as edições em vários volumes dos "livros corretos". E teriam sido publicados
em um ou dois centros não por acaso. Cada centro se concentrou em um tema para facilitar o
controle da falsificação. Então,

Este é o segundo cenário que testemunhamos quando observamos a publicação dos “antigos” textos
dos séculos XVII-XIX. [83]. Como agora ficou claro, estamos diante da falsificação organizada. Por
exemplo, “os escritos dos santos padres e escritores eclesiásticos DOS PRINCÍPIOS FORAM
PUBLICADOS COMO EDIÇÕES MULTIVOLUME” [83], v.1, p.118. Em meados do século 19, foi
lançado Patrologia pelo padre francês JP Migne, composto por várias centenas de volumes: 221
volumes de escritores latinos e 161 de escritores gregos. Desde então, todos os pesquisadores usaram
principalmente a publicação de Migne, visto que manuscritos e publicações anteriores são geralmente
inacessíveis ou "desconfortáveis" [83], v.1, p.119.

Uma questão lógica é: com base em quais fontes o padre Migne publicou seu
Patrologia? Aparentemente, ele republicou apenas as edições dos séculos XVII-XVIII produzidas
pela ordem beneditina [83], v.1, p.120. Ele os relançou em um formato mais conveniente e
contemporâneo. O valor de Patrologia de Migne consiste sobretudo no facto de ser prático e fácil de
utilizar. Migne libertou o mundo dos tomos dos monges beneditinos, que eram muito inconvenientes
de usar devido ao grande formato ... Ele costumava pegar a melhor edição beneditina ... quando
necessário adicionava trabalhos (publicados por cientistas posteriores) que faltavam aos santos
padres beneditinos e que foram publicados por cientistas posteriores [83], v.1, p.120.

Conseqüentemente, a FONTE PRIMÁRIA não foi a publicação de Migne, mas a Beneditina. Migne
simplesmente o republicou. Por outro lado, os beneditinos não apenas reimprimiram os
manuscritos antigos. É sabido que OS CORRIGIRAM FUNDAMENTALMENTE. Por exemplo, "se
um santo padre citou uma passagem das Escrituras DISCORDINDO com os cânones do Vaticano,
os beneditinos consideraram um erro e" BEM-AVENTURADO CORRETO ", tanto de acordo com a
edição Sistina da Bíblia (os escritos dos Padres Gregos) e de acordo com o Versão da Vulgata (os
escritos dos Padres latinos) "[83], v.1, p.121.

Para concluir, no século XVII-XVIII, em um mesmo centro e somente lá, os beneditinos


substancialmente editaram e publicaram todos os escritos dos santos padres
17
da Igreja. Em particular, os beneditinos checaram todas as citações de acordo com a Bíblia.
Quando as citações diferiam da Bíblia contemporânea, eles as "adaptavam". Não nos
surpreendemos quando hoje abrimos qualquer edição de um texto antigo que cita a Bíblia e
vemos que as citações correspondem ao cânone bíblico contemporâneo. Na verdade,
começamos a pensar que o cânone existe exatamente assim há muito tempo, como é citado
com muita precisão pelos "antigos" autores. NA VERDADE É FALSO, pois não estamos lendo
o antigo texto original, mas sua adaptação pelos monges beneditinos. Embora não seja
inteiramente uma falsificação dos séculos 17 a 19, esta coleção se refere não a apenas um ou
dois, mas a MILHARES de textos antigos.

Se a produção dos escritos dos santos padres foi atribuída aos beneditinos, a publicação das vidas
dos santos foi confiada à ordem jesuíta dos bolandistas. Eles eram os "Jesuítas Flamengos liderados
por Bolland, que morreu em 1665" [83], v.1,
p.136, 137. De 1643 a 1794 53 volumes de As vidas. Ou seja, foi estabelecido um monopólio
central que tratava das indicações históricas eclesiásticas.

Como podemos ver, “a produção da história verdadeira” foi atribuída a vários departamentos
simultaneamente. Um se especializou em história da igreja, outro em descrição de vidas. E
assim por diante. Presumivelmente, esses "departamentos históricos" se reuniam
ocasionalmente, a fim de decidir como coordenar o trabalho e dar mais instruções ...

Os líderes do "projeto histórico" trabalharam nos casos mais importantes. Por exemplo, o
Chronicon de Eusébio de Cesaréia para quem "SEGUNDO A TRADIÇÃO os gregos perderam o
original em grego" [83], v.1, p.145, foi "reconstruído" pessoalmente por Scaligero, apesar de
historiadores afirmarem que Scaligero "só tentou restaure-o ”, mas ele falhou e desistiu. No entanto,
mais tarde, em 1787, o Chronicon
de Eusébio de Cesaréia foi, no entanto, "encontrado" em uma tradução armênia. Ou seja, foi encontrado cem
anos depois que Scaliger "tentou restaurar" o texto de Eusébio de Cesaréia. É muito provável que em 1787
tenham encontrado o texto escrito pelo próprio Scaligero, que foi imediatamente declarado ser o Chronicon "Original"
de Eusébio de Cesaréia. As suspeitas de falsificação aumentam desde o aparecimento do Chronicon

descoberto. Foi provavelmente escrito em um pergaminho muito valioso e caro. Ao mesmo tempo,
as tabelas cronológicas de Eusébio de Cesaréia se assemelham exatamente às publicadas pela
escola scaligeriana nos séculos XVII-XVIII. As páginas têm a forma de várias colunas verticais.
Cada um deles dizia respeito à cronologia de um único país ou a um certo "fluxo de eventos".
Notavelmente, quase todo o espaço do pergaminho aparentemente permaneceu VAZIO, pois
havia poucos eventos conhecidos. Como Bolotov aponta, os escribas dificilmente poderiam copiar
um texto corretamente no formato usual durante um período de 600 anos [83], v.1, p.145. Tudo
está claro. Esse formato das tabelas

18
nasceu apenas no século XVII. A verdade Chronicon de Eusébio de Cesaréia (que provavelmente
existiu, mas em alguma outra forma) foi provavelmente destruída e em seu lugar recebemos uma
falsificação do século XVII.

Esta "atividade" não é de forma alguma inofensiva. Aparentemente "cerca de TRÊS


QUARTOS DAS DATAS QUE OS HISTORICOS TÊM EM SUA PRÓPRIA PELO PERÍODO
DE TEMPO CORRESPONDENTE AO DO
CHRONICON DI Eusebio di Cesarea [83], v.1, p.151, baseiam-se nas datas que foram sugeridas sem
qualquer evidência por Scaligero no século XVIII. Mesmo hoje, essas datas permanecem infundadas.

DEPOIS DO IMPÉRIO.

A história e a cronologia tornaram-se uma arma ideológica poderosa e de efeito duradouro, usada
com sucesso contra a Rússia e a Turquia. Desorientou, desestabilizou a oposição, mudou o
sistema de valores e incorporou o complexo de inferioridade. No século 17, foi feita uma tentativa
de dividir a Rus 'da Horda em muitos pequenos estados, mas depois muitos deles ainda se
juntaram ao centro antigo. O Império Romanov apareceu. Dos séculos 17 a 17, a ideia da
superioridade cultural da Europa Ocidental sobre a Rússia e a Turquia se fortaleceu. Por exemplo,
os historiadores alemães do final do século 19, os autores da obra multivolume A História da
Humanidade, no capítulo expressamente chamado

Antagonismo russo contra a civilização, eles escrevem abertamente: “O erro do povo (russo
- o autor) foi que ELE ESTAVA CONDUZIDO, aceitando-a como UMA IDENTIDADE
NACIONAL e deixou de entender o valor da cultura ... A Rússia, que poderia ter tido centenas
de colégios, não quis fazer nada para si e intencionalmente guardou sua população na
ignorância ... Os estrangeiros na Rússia desprezam o povo russo por causa de seu atraso
cultural ... O povo russo era pobre e sempre foi assim porque não foi educado. ..A Rússia
precisa desesperadamente de outro Pedro, o Grande, que possa tirá-la das trevas primitivas.
A Rússia, por outro lado, graças à sua ANIMOSIDADE PARA A CULTURA, ganhou mais de
um inimigo ”[336], v.5, p. 599-601.

O pan-turquismo tem suas raízes profundas no próprio Grande Império. É uma recordação dos povos de
língua turca que a certa altura, não há muito tempo, fizeram parte do Império Unido. Os turcos deixaram
a Rus 'da Horda e, na esteira da conquista "mongol", se estabeleceram em toda a Eurásia. Na Rússia, a
língua turca e tártara era muito mais difundida do que hoje, mas os Romanov a reprimiram fortemente.
Apesar disso, muitos povos de língua turca ainda permanecem na Rússia.

Muitas vezes surge a pergunta: a quem pertence a Rússia: Europa ou Ásia? Em sua época, a
Europa e a Ásia foram conquistadas pela Rus 'da Horda. É por isso que muitos costumes
"puramente orientais" são simplesmente russos-jordanianos que mais tarde foram esquecidos.
Tanto a Europa quanto a Ásia faziam parte do Império Russo-Otomano. Grande parte da população
das províncias, em

19
Particularmente, a nobreza do lugar era composta pelos descendentes dos conquistadores
Russo-Ordianos do século XIII-XIV. O Rus 'da Horda dirigiu-se com sucesso para oeste e
leste. O comércio organizado entre o Oriente e o Ocidente ocorreu na Rússia. Os impostos
desse comércio iam para o tesouro do Império. Essa era a forma indireta e educada de coletar
impostos em todo o império. Este é um exemplo de como a Rússia manipulou a posição
geográfica e a influência entre o Oriente e o Ocidente em seu benefício. A Rússia não é o
Oriente nem o Ocidente. A Rússia tem uma história própria que difere muito da história de
seus vizinhos. Tendo sido (junto com o Império Otomano) a senhora da Eurásia e de uma
parte significativa da América, ele tinha laços estreitos com o Oriente e o Ocidente. Não é por
acaso que a águia de duas cabeças sempre foi um emblema russo. Parecia leste e oeste.

A ideia das guerras de religião nasceu na era das Reformas como um conceito para destruir o
estado unificado. Nos séculos 16 a 17, os visionários da cisão entenderam isso muito bem e o
colocaram "em prática". Eles começaram a defender a separação do Império "Mongol",
provavelmente referindo-se a tensões religiosas. No entanto, a política religiosa do Império era
anteriormente muito diferente. O princípio da tolerância religiosa e da não interferência do
Estado na esfera das questões religiosas reinou. No reinado do czar, os vários ramos do
cristianismo unificado original coexistiram e estavam todos sob a proteção do czar-khan. Tudo
isso não levou às guerras religiosas até a eclosão da revolta da Reforma no final dos séculos
XVI-XVII.

O cristianismo ortodoxo e o islamismo se separaram muito mais tarde do que se acredita. Esses dois
ramos da mesma religião originalmente unida mantiveram sua estreita afinidade pelo maior tempo
possível. Os vários vestígios de sua proximidade no século XVXVI podem ser encontrados em muitos
documentos. Em particular, na Turquia e no Irã. A oposição entre o Cristianismo Ortodoxo e o
Catolicismo de um lado e o Islã do outro foi uma manobra usada com sucesso para colocar a Rússia
contra a Turquia nos séculos XVII-XVIII. Foi mais uma vez um movimento sutil do Ocidente contra o
Rus 'da Horda.

Aqui está um exemplo do papel da língua e da cultura na história de uma nação. Como agora
entendemos, a população contemporânea da Alemanha descende dos eslavos que foram os
conquistadores dos séculos 13 a 14. Eles falaram eslavo por um tempo, mas agora falam outra
língua. É impossível preservar um povo depois de mudar sua língua e cultura. Certamente se
tornará um povo diferente. Quanto mais a nova língua e cultura conseguiam remover as
antigas, mais a nova nação se tornava diferente da anterior. Esses programas foram e estão
sendo implementados por meio da educação de jovens na escola.

20
6. O reinado do Czar Grad do século XI-XII e o Império da Horda do século
XIII-XVI constituem os arquétipos de todos
principais "reinos antigos" da história de Scaligero.

Descobrimos que os "imperadores do Império Romano Ocidental", ou seja, até os Habsburgos do século
XVI, eram meros reflexos fantasmas dos grandes czar-khans russos que governaram a Europa Ocidental
até o final do século XVI. Todos os governantes da Europa Ocidental foram seus vassalos. Somente após
a vitória da Reforma, os governadores ocidentais se viram à frente dos estados independentes que se
formaram na Europa (Alemanha, França, Inglaterra, Espanha, Itália, etc.).

Claro, era impossível eliminar completamente a dependência "anterior" dos czar-khans russos. Na
história ocidental, há traços claros de quando foi afirmado que quase todos os estados eram vassalos
dos Habsburgos, a dinastia dominante do Império Romano Ocidental. No entanto, também é verdade
que uma certa estranheza permaneceu. Este vício, que durou várias centenas de anos, desapareceu
repentinamente no século 17 sem deixar vestígios. E isso pode ser compreensível. Os governantes
austríacos foram simplesmente "indicados" pela revolta da Europa Ocidental dos séculos 16 a 17,
para desempenhar o papel da antiga dinastia imperial, embora no século 17 o status dos Habsburgos
austríacos não fosse diferente do dos governantes franceses ou ingleses.

Os Habsburgos dos séculos XIV-XVI foram na verdade o todo-poderoso czar-cã russo que reinou em Veliky
Novgorod - Yaroslavl. Ele era realmente o imperador de todos os governadores - os reis e duques do Ocidente.
Não apenas formalmente, como ele nos é apresentado hoje na história de Scaliger dos Habsburgos, mas como o
verdadeiro governante da única superpotência. Os Habsburgos do final do século 16 - início do século 17 foram
apenas os governantes ocidentais da Áustria, que nasceu de um dos muitos fragmentos do Império "Mongol".

A Rus 'da Horda do século XIV-XVI e o reinado do Czar Grad do XI - início do século XIII, são praticamente
cruciais para toda a "antiga" história de Scaligero. Aqui está uma lista das principais reflexões de fantasmas dos
czar-khans russos de 1276-1600.

1) A "antiga" história russa do século X-XIII.

2) O Império Habsburgo de 1273-1600.

3) O Sacro Império Romano do alegado século X-XIII.

4) "O antigo" reino de Israel de acordo com a Bíblia.

5) "O antigo" reino de Judá de acordo com a Bíblia.

6) O Terceiro Império Romano do suposto século III-VI.

7) O Segundo Império Romano do presumido século I AC - século III DC

21
8) A Roma dos Sete Reis = O Primeiro Império Romano do suposto século VIII-VI
A.C.

9) O número do Império Bizantino é "zero" do presumido 330-553 e a primeira metade do Primeiro Império
Bizantino do presumido 553-700.

10) A primeira metade do Império Bizantino do alegado 830-980 DC

11) A primeira metade do Terceiro Império Bizantino do alegado 1150-1300 DC

12) A história da Inglaterra Medieval do alegado 400-1327 DC

13) O Império Carolíngio do presumível 680-890 DC

Os proponentes da atual versão da história aceita reagem furiosamente à evidência de que muitos dos famosos
heróis "clássicos" eram russos. Ou que mesmo os "antigos" Et-Ruschi eram os russos [5v]. Os fatos
sobreviventes são recebidos com tristeza, fatos que indicam que a "Antiga" Roma era na verdade a Rus 'da
Horda do século 13 ao 16, ou seja, que os' antigos 'imperadores romanos eram na verdade os Czar-khans da
Rus' da Horda.

A causa de tal reação veemente é clara. Após o colapso do Grande Império da Rus 'da Horda, uma
atitude hostil e ao mesmo tempo temerosa em relação à Rússia foi formada na Europa Ocidental e
em algumas outras antigas províncias imperiais. Veja as razões para isso acima. A "pegada russa"
claramente sobreviveu na história de Scaliger (sobreviveu apesar das inúmeras tentativas de "limpar"
os documentos) ainda está atualmente removida dos círculos científicos. Os historiadores fingem
que não há "pegada russa" e se essa informação continua vazando em algum lugar, eles a ignoram.

7. Rússia: a pátria dos elefantes.

Às vezes nos perguntam se é uma coincidência que a nossa reconstrução, segundo a qual por muito
tempo a Rússia foi a metrópole do Grande Império, tenha nascido na Rússia. Poderia ser simplesmente
a consequência de uma visão desnecessariamente patriótica da história antiga por parte dos autores?
É possível que alguém acredite em uma reconstrução feita na Rússia? Se ela nascesse na Inglaterra,
França ou, melhor ainda, na América, seria diferente. Nem é preciso dizer que nesse caso ela teria sido
recebida com muito respeito e eles teriam começado a estudar imediatamente.

Nós te respondemos assim. Não é nenhuma surpresa que a reconstrução correta da era do Império
"Mongol" tenha nascido em sua antiga metrópole, pois foi lá que a memória do Império dos séculos
XIV-XVI sobreviveu mais do que em qualquer outro lugar. . É onde existem mais livros, documentos,
monumentos antigos e os resquícios um tanto em ruínas de tradições antigas. Aqui sobrevivem
vestígios de visão

22
“De dentro”, do centro do Império. No entanto, nos demais países, antigas províncias do Império,
restaram apenas vestígios da visão "de fora". Sem dúvida valioso, mas por si só é insuficiente. Por
isso é mais fácil fazer a reconstrução real de dentro da antiga metrópole. Sem surpresa, ela nasceu
na Rússia. Isso não prova que os autores deste livro sejam tendenciosos ou que sua teoria seja
inválida. E isso não é motivo para rejeitá-lo a priori. Ou seja, se estivéssemos certos, deveria ter
acontecido exatamente assim: a reconstrução deveria ter começado na Rússia, e foi o que
aconteceu.

Outra objeção de pessoas que não querem chegar ao cerne da questão pode ser brevemente
formulada assim. Esta declaração de desprezo é freqüentemente ouvida. Mais uma vez, dizem eles,
a Rússia prova ser o lar dos elefantes. Mas no final contém algumas manipulações. Certamente não
há elefantes na Rússia. Mas a palavra "Rússia" mudou radicalmente de significado nos últimos
séculos. Algum tempo antes todo o Império “Mongol” era chamado de RÚSSIA (RUS 'ou ROSSIA),
isto é RASSEYANIE (DISSIPAÇÃO em russo). E os elefantes certamente não eram incomuns. Por
exemplo, eles podiam ser encontrados na Índia e na África, que faziam parte do Império.

É por isso que, estritamente falando, a Rússia foi realmente o lar dos elefantes. Por mais estranho que possa
parecer hoje.

Esses slogans sardônicos foram ouvidos pela primeira vez no século XVIII, quando grande parte da
memória da Rus 'da Horda do século XIV e XVI já havia sido eliminada. O objetivo dessas
declarações depreciativas era erradicar da consciência do povo russo as últimas memórias que não
eram mais sustentadas por documentos ou pela história dos Romanov. Essas memórias ainda
existiam e eram ridículas para extingui-las.

A história russa em sua forma agora reconhecível foi publicada pela primeira vez por
NM Karamzin. O trabalho História do Príncipe M. Sherbatov, escrito um pouco antes, era
substancialmente diferente. No entanto, não foi republicado até meados do século 19 e acabou sendo
retirado de circulação hoje. É uma coincidência que o História de Karamzin viu a luz somente após a
destruição da Tartária de Moscou? Isso depois da vitória sobre "Pugachev"? Provavelmente não é. Só
quando ficou claro que não havia volta é que a versão final da "história russa correta" começou a ser
composta.

8. A pólvora e os canhões.

Como agora começamos a entender, a pólvora e o canhão foram inventados na Rússia da Horda = Cítia =
China do século XIV. Isso adicionou ainda mais poder aos cossacos = tropas israelitas. Os exércitos da
Horda (as tribos bíblicas) tiveram uma grande vantagem no campo de batalha por muito tempo. Morteiros,
obuseiros, arcabuzes, i

23
trombones, mosquetes, canhões de mão, etc ... dizimaram o inimigo e espalharam o pânico. Assim como
as tropas, as baterias de artilharia de campanha russas também se espalharam pela Europa. É por isso
que no século 14 ao 16 todas as armas que foram vistas em todo o Império eram da Horda. Dito isso, os
mestres do Império poderiam ter feito isso não só na metrópole, ou na Rus 'da Horda, mas também
"localmente", ou seja, na Europa Ocidental, Ásia, África, América, etc ...

Após o colapso do Império, todas essas armas da Horda foram apreendidas pelos rebeldes
reformistas, que orgulhosamente (embora erroneamente) declararam que eram "sua própria invenção".
Assim, o brilhante Berthold Schwartz nasceu na Europa Ocidental (apenas no papel), o reflexo
fantasma de Sergio di Radonez (Bartolomeo) [ShAKh]. Hoje, em muitos museus da Eurásia, antigas
armas de fogo do século 14 ao 16 são exibidas, declarando que as armas foram "fabricadas
localmente" ou "uma invenção local" e esquecido disso há algum tempo (embora não muito) esses
cânones faziam parte dos exércitos cossacos da Horda que estavam estacionados em toda a Eurásia e
América e sob o controle do comando central. Repetimos que ao mesmo tempo muitas armas imperiais
foram efetivamente produzidas "no local", isto é, onde as tropas cossacas estavam estacionadas.
Nesse sentido, podem ser chamadas de “armas de produção local”.

Mais tarde, as informações sobre os canhões da Horda "se multiplicaram" sob as penas dos cronistas e foram
parcialmente devolvidas ao passado distante. Por exemplo, esses fantasmas foram chamados pelos
historiadores de "fogos gregos". Na realidade, eles eram "fogos cristãos", pois eram as armas criadas pelos
cristãos apostólicos.

As primeiras armas de fogo foram feitas de madeira [KR]. Esta grande invenção de Sérgio de Radonez foi
entregue ao Príncipe Demétrio de Don, ou o "clássico" imperador Constantino, o Grande, antes da batalha
de Kulikovo. Em [ZA], capítulo 3, relatamos uma bela descrição de um canhão do "clássico" Tucídides, que
agora é considerado pelos historiadores como uma espécie de misterioso "fogo líquido" que irrompeu de
um barril de madeira (no alegado século V aC) .

Mais do que qualquer outra coisa, os historiadores gostam de discutir o misterioso "fogo grego antigo",
esquecendo o verdadeiro passado dos séculos XIV-XVI. Antigos cronistas fascinados e intimidados por
armas muitas vezes não entendiam o assunto (que inicialmente era estritamente confidencial). É por isso
que os "autores clássicos" coloriram a realidade com fantasias brilhantes: dragões que cuspiram fogo, cobras
voadoras de fogo, etc ... Os historiadores modernos fazem o possível para interpretar essas "visões" e
dar-lhes bom senso, mas têm medo pronunciar a palavra "cânone", categoricamente banida da cronologia de
Scaliger no que diz respeito à "antiguidade".

Com o colapso do Império "Mongol", as oficinas da Horda foram destruídas durante a rebelião da Reforma
em suas antigas províncias, então a arte de produzir armas de boa qualidade se perdeu por algum tempo.
Muitas armas da Horda Imperial foram destruídas durante a rebelião. A Europa foi engolfada pelas chamas
de feudos sangrentos. A produção de artilharia da Horda = Israel caiu em ruínas. Em algumas áreas tudo

24
isso levou ao retorno das armas de madeira. As armas também foram feitas de forma rápida e com
diferentes tipos de materiais, dependendo do que estava disponível. Os rebeldes destruíram ferozmente o
legado do Império da Horda. Todos eles precisavam muito das armas.

No século 17, as baterias de artilharia russa foram seriamente danificadas. Muito poucos permaneceram,
mas os que sobreviveram são impressionantes. Recomendamos que você visite o interessante Museu
de Artilharia de São Petersburgo, onde estão expostos os antigos armamentos russos.

Em conclusão, ao estudar a história das armas de fogo, torna-se claro que algumas publicações
contemporâneas (como o livro fundamental e interessante de U. Karman [336]) jogam fora as
cartas ao atribuir tendenciosamente apenas vários parágrafos de condescendência, dando atenção
primária ao armamento da Europa Ocidental. Na verdade, a imagem era oposta. O centro de
produção de canhões era o Rus 'da Horda.

9. A datação astronômica da nova cronologia.

1) (1821) O HORÓSCOPO no "antigo" épico iraniano Shahnameh, que remonta ao reinado do Shah
Kay-Khosrow, presumivelmente na "antiguidade clássica". O horóscopo tem quatro soluções, mas
a seguinte data é a mais adequada: 17 a 19 de abril de 1821 de acordo com o calendário juliano
(estilo antigo) [ShAKh], cap. 5

2) (1841) O ZODÍACO DE BRUGSCH, o horóscopo “sem os paus”, BR2. É retratado dentro da tampa
de madeira do caixão. Egito "antigo", a alegada "antiguidade clássica". Na verdade: 6-7 de outubro
de 1841 de acordo com o calendário juliano (o calendário do estilo antigo) [NKhE].

3) (1853) O ZODÍACO DE BRUGSCH, o horóscopo "em um barco", BR3. É retratado dentro da tampa
de madeira do caixão. Egito "antigo", a alegada "antiguidade clássica". Na verdade: 15 de
fevereiro de 1853 de acordo com o calendário juliano (estilo antigo) [NKhE].

4) (1861) O ZODÍACO DE BRUGSCH, o horóscopo das escrituras demóticas, BR1. É retratado dentro da
tampa de madeira do caixão. Egito "antigo", a alegada "antiguidade clássica". Na verdade: 18 de
novembro de 1861 de acordo com o calendário gregoriano (novo estilo) ou 17 de novembro de 1682
de acordo com o calendário gregoriano (novo estilo) [NKhE].

Concluímos uma breve visão geral de nossa reconstrução. Por fim, gostaríamos de repetir o
importante pensamento com que iniciamos este livro e que está na base de nossa pesquisa: “A
VERDADE PODE SER CALCULADA”.

25