Você está na página 1de 61

1 234 567 89 101 9 12345

Esta revista é o resultado combinado do esforço de


concurseiros e autores voltados para concursos públicos
e tem como objetivo ajudar o máximo possível de
concurseiros a encontrar novos e melhores métodos e
técnicas de estudo, motivação para continuar estudando
com seriedade e determinação a fim de conquistar a tão
sonhada posse na administração pública.

2 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


5 Editorial

Natação para concurseiros


6 Parte II

É preciso estudar feito um


condenado para passar em
10 concursos públicos?

Coordenador e Editor 13 Jurisprudência


e concursos
CHARLES DIAS
concurseirosolitario@gmail.com
Como se preparar para concursos
19 públicos da área fiscal

Revisão Entrevista:
Alexandre Meirelles, referência
BIA NUNES DE SOUSA 22 nacional em concursos fiscais
bianunesdesousa@gmail.com
cascodatartaruga.blogspot.com A jurisprudência e o direito à
nomeação do aprovado em
26 concurso público

Editoração Entrevista:
CARLOS RELVA 28 Wander Garcia, autor de livros
para concursos públicos
carlosrelva@gmail.com
carlosrelva.blogspot.com
A jurisprudência
31 e o exame psicotécnico

Articulistas
William Douglas 33 O viagra cerebral

Charles Dias
Essa tal
Tânia Faga 35 força de vontade

Alexandre Meirelles Métodos de memorização para


37 concurso público
Wander Garcia
Erick Gerhard 40 Um mercado
chamado Concurso
Flavia Crespo
Enaldo Fontenele 43 Por que não existe
almoço grátis

Jerry Lima Bancas de concurso e seus


movimentos friamente
Paula Oliveira 44 calculados

Raquel Monteiro
47 Ah! Fala sério...
Tiago Gomes
Jorge Luiz 49 De sargento
a magistrado
Cleber Olympio
Aspectos gerais dos
Para entrar em contato com os autores, envie 54 concursos militares
e-mail para concurseirosolitario@gmail.com
WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 3
As imagens usadas nesta revista são “copyright free” e disponibilizadas no site www.sxc.hu
4 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR
EDITORIAL

Sim, depois de uma demora maior que gostaríamos, temos o prazer de apresentar para concurseiros
de todo o Brasil a nova edição da revista digital do blog Concurseiro Solitário. E esta edição é muito
especial, pois coincide com nosso aniversário de três anos, uma marca muito importante para nós e
significativa na internet brasileira, já que websites e blogs não institucionais em geral não duram
mais que um ou dois anos.

Três anos atrás, novato de alguns meses na guerra dos concursos públicos, resolvi criar um blog para
compartilhar com outros concurseiros dúvidas, descobertas, frustrações, sucessos e por aí vai, uma
vez que procurando por isso encontrei apenas muitos websites e blogs de material de estudo pirata,
prática condenável sob todos os pontos de vista.

O nome Concurseiro Solitário foi escolhido porque acredito que no final é assim a luta de quem
estuda sério para concursos públicos: solitária, somente a pessoa e os livros, a pessoa e as provas
que presta. Com o tempo, outros concurseiros se identificaram com a finalidade do blog e passaram
da condição de apenas leitores para a de leitores e colunistas. Hoje somos uma equipe e nos orgu-
lhamos muito de ser uma referência quando o assunto é informações, resenhas e textos motivacionais
para concursos públicos.

Pois bem, para comemorar este terceiro aniversário lançamos uma segunda edição vitaminada da
revista digital do blog, com muito mais conteúdo que a primeira edição, mais informações e diver-
sidade de assuntos. Esperamos, sinceramente, que vocês gostem do resultado.

Bons estudos para todos,

Charles Dias é servidor público federal, editor do blog Concurseiro Solitário e concurseiro.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 5


ARTIGO

NATAÇÃO PARA
CONCURSEIROS - Parte II
Por WILLIAM DOUGLAS,
juiz federal, nadador, pai e ex-concurseiro

6 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


Contudo, é preciso aprender os métodos para assimilar uma quantidade
tão grande de matéria. Da mesma forma, não adianta saber a matéria e
não saber como transmiti-la na linguagem do examinador, ou seja, em
forma de perguntas e respostas, múltipla escolha, redação, etc. E, ainda,
não adianta saber estudar a matéria ou fazer provas e não ter controle
emocional para enfrentar a pressão do cotidiano dos concursos e do dia
da prova.
Parece muita coisa. Sim. Mas nadar também parece muita coisa: controlar
a água, a respiração, os braços, as pernas, o ritmo, os movimentos caden-
ciados de cada um dos estilos de natação, etc. Mas tudo o que parece
demasiado vai se tornando comum e até fácil à medida que progredimos
nos treinos. Começamos com um susto, uma taquicardia diante de tanta
coisa, mas depois de um tempo de treino, de aprendizado, acabamos
fazendo tudo isso de forma automática e até prazerosa.
Claro que ainda não estamos ensinando o estilo borboleta ou a natação de
costas para meu filho. Não é a hora. Muitas pessoas que desejam as
enormes vantagens que a carreira pública oferece acabam desistindo por-
que perdem essa noção: olham um edital, ou fazem uma prova daquelas
bem “cascudas” e se desesperam crendo que jamais vão dar conta de tanta
matéria e tantas dificuldades. Mas, repito, isso equivale a eu pedir ao meu
filho de menos de 3 anos que faça um revezamento 4 x 100.
Minha proposta é que você veja o concurso como uma piscina, e passar em
concurso como aprender a nadar. Você toma a decisão, e mesmo assim, aos
poucos, entra e sai várias vezes, bebe um pouco d’água (te incomoda, mas
não afoga) e aos poucos vai aprendendo o que precisa. Entre na piscina, aos
poucos, e descubra que nadar é possível e muito bom.

QUANTAS PESSOAS EXISTEM NA PISCINA?


Nos primeiros movimentos para ensinar Lucas a nadar, uma das ativida-
des consiste em fazer jogos. Um deles é jogar um objeto para alguém
buscar, uma bola, por exemplo. Ele joga o objeto e a pessoa busca (a
professora, eu ou outra pessoa presente) ou o contrário. Esse jogo faz
com que ele, o aluno iniciante, aprenda a aceitar mais alguém no ambi-
ente, na brincadeira.
INTRODUÇÃO Pois bem, você, concurseiro, também precisa aprender isso.
O esforço para fazer meu filho nadar compensa. E o seu esforço para Primeiro, a aceitar trocar bola com o professor, a ouvi-lo, a confiar nele,
aprender a estudar e a passar em concursos também. Espero que você já a seguir suas orientações. E a levar a bola para ele, com retorno, aten-
tenha lido o artigo “Natação para concurseiros – Parte I” e já tenha ção, perguntas, conferência na lei e nos livros a respeito do que ele está
decidido pular na piscina. ensinando.
Ah, sim, dá medo, claro! Eu também tinha medo, tanto da água quanto Outro parceiro nessa “dança” é o colega de sala, que não deve ser visto
das provas, dos riscos, das pressões, dos goles d’água que a gente como um concorrente, mas como um colega de viagem, com quem você
acaba por beber, dos sustos. Mas... faz parte. Depois que a gente apren- pode confraternizar, trocar experiências e experimentar a produtiva troca
de a nadar, acaba achando graça desses primeiros passos, digo, braça- e ajuda mútua, e ainda, se quiser, o estudo em grupo. Lembre-se de que
das e mergulhos. o dia em que você chegar ao seu nível ideal de preparação não terá
Para passar nos concursos alguns acham que basta saber a matéria. problema com a concorrência, e que os melhores estão passando. Basta

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 7


ARTIGO
trabalhar para ser o melhor daqui a algum tempo. Até lá os melhores de na caminhada. Recomendo que você também tenha seu sistema pes-
hoje já não estarão fazendo as provas com você, mas sim trabalhando soal de motivação. Se quiser, use os “mantras” que fui criando, as
com estabilidade, status, boa remuneração e um excelente grau de qua- frases essenciais que cristalizam uma série de valores, os valores
lidade de vida. E podendo servir ao próximo sendo pago pelo governo. que são tão importantes quanto a matéria do edital, porque são eles
Não é demasiado mencionar que você deve se esforçar para aceitar a si que mantêm você no jogo.
mesmo nesse jogo. Assumir que é concurseiro e fazer sua parte. Não
estou dizendo que é preciso colocar uma camisa dizendo “estou fazendo CRIE SEU SISTEMA, TENHA SUA MÚSICA
concursos”. Não, não é isso. Embora não seja proibido (eu, por exem- O fechamento da glote existe também no concurso: equivale a não deixar
plo, criei a campanha www.camisadoconcurso.com.br), não é essencial. passar pela sua garganta, digo, sua vida, o excesso de lazer, de sono, de
O essencial é que no plano interno você não tenha vergonha, mas sim se preguiça, as conversas inúteis, etc. E eu diria que alguma água tem que
orgulhe do que está fazendo. Aceite-se na piscina, e aceite tomar os passar sim, ou ar, ou como quiser chamar o mínimo de equilíbrio, de
“caldos” típicos dessa brincadeira de adulto. Reprovações, confusões, paz de espírito, de lazer e de atividade física. Equilibrar as coisas e
cansaço, concursos adiados ou anulados, tudo isso está na conta de buscar um mínimo de harmonia para que seu desempenho alcance os
aprender a nadar. melhores níveis.

MÚSICA, POESIA, ETC. VAMOS FAZER UM RESUMO:


Ainda devo mencionar que uma das ferramentas na natação é a música. No 1º passo, você faz sua adaptação à piscina. Você pode até não entrar
Para treinar fechamento de glote no mergulho, uma técnica é cantar no primeiro instante, mas vê as pessoas na piscina se divertindo. De-
sempre a mesma música; dessa forma se ensina a criança a fechar a pois, senta-se na borda, põe o pé na água, entra com outra pessoa,
glote em movimentos mais controlados. Depois, quando é hora de mesmo que no colo. Aos poucos, vai sentindo segurança e se solta.
mergulhar para valer, a música é cantada novamente. Como isso funci- No 2º passo, você aprende a pegar o material e a usá-lo, primeiro com
ona? A criança ouve a música e a glote se fecha automaticamente. É um uma mão, depois com as duas. A piscina vai se tornando um ambiente
treino, um condicionamento. cada vez mais agradável.
Nelson Mandela tinha um poema que ele recitava para si mesmo sempre No 3º passo, você começa a fazer jogos e a trocar objetos com as demais
que estava desesperado. Ele o utilizou em seus 30 anos encarcerado pessoas no ambiente.
pelo regime racista do apartheid. Pode ficar inseguro quando uma brincadeira nova começa, mas aos
O nome do poema é “Invictus”, de autoria de William E. Henley (tradução poucos a tensão e o medo são vencidos. Até que comece um novo jogo,
de André C. S. Masini): “Do fundo desta noite que persiste/ A me mas cada vez mais você vai conhecendo todos os jogos que existem. Ao
envolver em breu – eterno e espesso/ A qualquer Deus – se algum acaso menos, todos os que interessam.
existe,/ Por mi’alma insubjugável agradeço./ Nas garras do destino e No 4º passo, você mergulha de cabeça (nos passos anteriores, você já
seus estragos,/ Sob os golpes que o acaso atira e acerta,/ Nunca me tinha começado a pular de fora para dentro da piscina e a ir se afun-
lamentei – e ainda trago/ Minha cabeça – embora em sangue – ereta./ dando na água sem se agoniar). Para tanto, você precisa treinar a
Além deste oceano de lamúria,/ Somente o Horror das trevas se divisa;/ glote, fechar a garganta para não entrar água. Para aguentar a água em
Porém o tempo, a consumir-se em fúria,/ Não me amedronta, nem me cima da cabeça sem abrir a glote será útil ter sua música ou seu poema
martiriza./ Por ser estreita a senda – eu não declino,/ Nem por pesada a de reavivamento, condicionamento, revisão, superação, ou como você
mão que o mundo espalma;/ Eu sou dono e senhor de meu destino;/ Eu quiser nominar.
sou o comandante de minha alma.” Com o tempo, você aprende a ficar na piscina e se torna um bom
Já foi feita uma pesquisa e os corredores adoram correr com a música nadador. Aos poucos, aprende os estilos de natação, o jeito certo de
tema do filme Rocky, um lutador. Quando ela toca, fica mais fácil correr. esticar e flexionar braços e pernas, de respirar, de ficar embaixo d’água
A pessoa se lembra da história de superação, entra no ritmo... pensa um bom tempo. Você, diríamos, se “profissionaliza” e, paradoxalmente,
positivamente e... tudo funciona melhor. aprende a se divertir.
Eu tinha minhas músicas, frases, poemas. Alguns salmos, como o Acredite, haverá uma hora em que você gostará de fazer provas e vai
23, o 37, o 43 e o 9, eram lidos e relidos para me renovar as forças. olhar as questões e o dia da prova com um sorriso. Leva um tempo, mas
Até um contracheque (hollerit ) de um amigo tinha seu lugar no acontece.
“sistema” de motivação e remotivação que eu criei para me amparar Mais uma vez, eu convido: entre na piscina, aprenda a nadar. Vale a pena.

8 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 9
CAPA

É PRECISO ESTUDAR FEITO UM


CONDENADO PARA PASSAR EM
CONCURSOS PÚBLICOS?
Por CHARLES DIAS,
servidor público federal, editor do blog mentários do tipo “o primo da tia da irmã da cunhada do primo do
Concurseiro Solitário e concurseiro amigo do sobrinho do meu professor estudou quinze horas por dia e
passou em primeiro lugar no concurso para auditor da Receita Federal”.

É comum nos desenhos animados a figura do personagem que é Claro que ninguém nunca conheceu pessoalmente algum concurseiro
preso e tem de quebrar pedras com uma pesada marreta sob o que estudasse tão intensamente, mas a maioria jura de pé junto que eles
olhar atento dos guardas. É dessa espécie de punição, os trabalhos existem e que são os predestinados a conquistar os primeiros lugares
forçados, que nasceu a expressão popular “feito um condenado”, utiliza- de todos os concursos públicos até o fim dos tempos.
da quando se quer dizer que alguém faz algo de forma intensiva, obriga- Comecemos por fazer algumas continhas muito simples, “contas de
tória, no limite de suas forças. padaria” como se diz por aí.
Entre aqueles que estudam para concursos públicos é comum o mito do
concurseiro que estuda dez, doze, quatorze horas por dia, incansavelmen- • O dia tem 24 horas.
te, parando o mínimo para comer e fazer suas necessidades, ou seja, o • Uma pessoa entre 20 e 40 anos precisa dormir pelo menos

mito dos concurseiros que “estudam feito condenados”. Mas será que 7 horas diárias.
para passar em concursos públicos é preciso mesmo estudar dessa for- • Uma pessoa gasta em média 4 horas diárias para se alimentar

ma? Mais importante: é possível estudar dessa forma? e fazer a higiene pessoal.
Esse questionamento é muito importante quando consideramos que não • Uma pessoa gasta em média 1 hora diária em idas ao
são poucos os concurseiros que se cobram e se sentem culpados por não banheiro para fazer suas necessidades fisiológicas.
conseguir estudar feito condenados. Esses sentimentos geralmente são • Uma pessoa gasta em média 2 horas para se locomover e

acompanhados por desmotivação, desânimo e, não raro, desespero. realizar suas atividades diárias.
Antes, porém, cabe conhecermos melhor esse mito que tanto assombra
os concurseiros. Sua origem é indeterminada, mas está definitivamente Pois bem, somando tudo isso temos que num dia uma pessoa média
plantada no imaginário concurseiro, sendo disseminado através de co- gasta no mínimo 14 horas em atividades básicas. Ora, como então

10 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


alguém consegue estudar mais de dez horas diárias dia após dia, mês limite, um foco, uma estratégia e uma otimização. Estudar muito por
após mês? Impossível. Notem que não consideramos a fadiga mental estudar não rende bons frutos, mas se for de maneira pensada, torna-se
que compromete negativamente o tempo disponível para estudo e au- bagagem. Além do mais, o aprendizado, pelo menos vejo assim, não é
menta a necessidade de sono e descanso. quantitativo, é qualitativo”, resumiu muito bem outra concurseira.
Pois bem, contas à parte, há tanto aqueles que acreditam que para passar É fato que o volume de matérias que é preciso estudar para concursos
em concursos públicos é, sim, preciso estudar feito um condenado, bem públicos é muito grande, cujo alto nível de complexidade demanda a
como há aqueles que não acreditam nisso. Quem está certo e quem está memorização de muitos termos, conceitos e definições. E como fazer
errado? Esmiucemos melhor o assunto antes de arriscar uma resposta. isso senão estudando muito e com muita seriedade? E isso somente
Conversei com vários concurseiros de diferentes lugares do Brasil, pode ser feito “com qualidade, técnica, método e disciplina”, como bem
gente de diversas idades, diferentes sexos e variados tempos de estudo disse um dos concurseiros com quem conversei sobre o assunto.
e foco em concursos públicos, a fim de tentar encontrar um denomina- Estudar para concursos públicos é antes de tudo uma firme decisão pes-
dor comum para o assunto. Não foi surpresa, no entanto, descobrir que soal de que esse é o melhor caminho para se alcançar uma vida mais
há tanto os que acreditam nisso, os que não acreditam e aqueles que tranquila, estável e abundante, algo que vale o esforço e os sacrifícios que
preferem uma solução “mezzo a mezzo”. o estudo sério e de qualidade requer. Isso não quer dizer, porém, que
“Na verdade, cada dia que passa, tenho a certeza de que preciso estudar estudar para concursos públicos é ou deve ser algo desagradável e dolo-
como se já estivesse no corredor da morte! Nunca é suficiente!”, desaba- roso, muito pelo contrário. “É necessário que haja também um sentimento
fou uma concurseira. E quantos não são os concurseiros que após longos de prazer e realização”, disse outro concurseiro com muita propriedade,
meses de estudo e alguns “quase passei” no bolso não pensam da mesma afinal de contas, o resultado dos meses e até anos de estudos para passar
forma? Realmente em alguns momentos da jornada concurseira parece em concursos públicos será uma vida muito melhor. E algo que levará a
que tudo o que fazemos ainda é pouco, e que estamos ainda longe de fazer uma recompensa tão generosa não deve ser encarado como algo negativo.
o melhor que não só podemos fazer, mas também que devemos fazer. Das conversas que tive com os vários concurseiros para escrever esta
Estudar, verbo transitivo que no dicionário é definido como “o ato de matéria, listei vários ingredientes que o chamado “senso comum
dedicar-se à apreciação, análise ou compreensão de uma matéria ou concurseiro” acredita ser necessário para se ter sucesso na guerra dos
técnica”. E quem disse que estudar com qualidade e seriedade é algo concursos públicos. Vejamos.
fácil e/ou rápido? Não se enganem, que não é. “Estudar muitas horas Há, no entanto, um denominador comum entre todas as opiniões quan-
para concurso é fato determinante”, respondeu outro concurseiro, hoje to a esse assunto. Sem planejamento e foco, o concurseiro estará fadado
servidor público, mas que continua estudando com objetivo de con- a estudar muito mais para obter os mesmos resultados, mesmo estu-
quistar cargos ainda melhores que o que já ocupa. dando “feito um condenado”.
Por outro lado, há os que rechaçam totalmente essa crença. “Em primeiro
• Muita força de vontade • Equilíbrio
lugar, não existe condenação para quem se propõe a ingressar e se manter na
• Preparo emocional • Persistência
vida concurseira. A pessoa está nessa porque deseja, não por imposição –
própria ou de terceiros”, confabulou outro concurseiro, que está cheio de O planejamento nos estudos para concursos públicos é definir o que
razão. Alguém que passa a estudar para concursos públicos por imposição, e estudar, como estudar, com que material estudar, quantas e a que horas
não por uma forte decisão pessoal, está fadado a se ver acorrentado a algo em estudar a fim de aprender uma matéria o suficiente para poder fazer uma
que não acredita de verdade. E como lutar com todas as forças por algo assim? prova com tranquilidade e segurança. Foco é ter um objetivo definido
E por que estudar por obrigação não rende? Simples, porque não atrai, para guiar o planejamento de estudos.
não excita o cérebro, não desperta nosso interesse e garra. É preciso
“estudar com prazer, não como se fosse uma obrigação, tentar estudar RESUMO DA ÓPERA
com mais tranquilidade”, resumiu uma concurseira que tentou estudar Estudar com seriedade para concursos públicos é como fazer uma longa
como uma condenada, algo do que se arrepende amargamente, porque viagem. Pode-se fazer essa viagem de diversas formas, algumas mais rápidas
teve problemas de saúde que lhe impediram de estudar adequadamente e caras, como de avião, outras menos rápidas, porém mais em conta, como de
para um concurso público. ônibus, até algumas muito lentas e muito trabalhosas, como a pé e descalço.
Particularmente, coloco-me entre os que acreditam que há um meio termo Estudar muito é preciso a fim de adquirir o conhecimento necessário para
ótimo entre a crença e a descrença na necessidade de se estudar feito um enfrentar as difíceis provas de concursos públicos, mas isso não quer dizer
condenado a fim de se ter boas chances de passar em concursos públicos. que é preciso atar um grande peso ao seu tornozelo e ter de laboriosamente
“A gente deve estudar uma carga grande de matérias, mas é preciso um quebrar pedras dia após dia para poder se tornar um servidor público.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 11


12 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR
ARTIGO

JURISPRUDÊNCIA
E CONCURSOS
Por TÂNIA FAGA,
provas estão sendo baseadas, exclusivamente, em um julgado ou em
advogada, professora e organizora do livro “Julgamen-
tos e Súmulas do STF e STJ” uma súmula de um dos nossos Tribunais Superiores.
Em tempos passados, cerca de três ou quatro anos atrás, apenas as
O concurseiro precisa estar atualizado quanto à juris- provas organizadas pelo CESPE/UNB exigiam o conhecimento de infor-
prudência do STF e STJ para passar em concursos pú- mativos de jurisprudência. Diante disso, as provas elaboradas por essa
blicos? organizadora passaram a ser vistas como verdadeiro bicho-papão pelos
A resposta é positiva. Cada vez mais os concursos públicos pau- candidatos.
tam suas questões em conhecimentos dos julgados dos Tribunais Porém, o que percebemos é que a exceção virou a regra.
Superiores. Os informativos de jurisprudência estão cada vez mais presentes nas
Os informativos de jurisprudência representam, aos concurseiros, um provas de concursos, independentemente da instituição organizadora.
importante instrumento de atualização quanto ao entendimento que vem Tanto as provas elaboradas pelas organizadoras CESPE, FCC e ESAF
sendo adotado pelos nossos Tribunais Superiores sobre os mais diver- como aquelas elaboradas pelos próprios membros das instituições es-
sos temas e assuntos relacionados ao interesse da comunidade jurídica. tão exigindo de seus candidatos o conhecimento atual das posições dos
No passado, para que o candidato fosse aprovado nos concursos nossos Tribunais Superiores.
públicos, bastava o conhecimento da lei positivada nos Códigos e da O concurso para ingresso na Magistratura de São Paulo, um dos mais tradici-
doutrina relacionada sobre o tema. Hoje, além da lei e da doutrina, onais do País (para não dizer o mais), que ainda não tinha pautado suas
exige-se que o candidato conheça a jurisprudência estampada nos questões em informativos de jurisprudência, surpreendeu os candidatos que
informativos. fizeram a última prova (2009). Muitas questões exigiam conhecimento de
Hoje posso afirmar, de forma nada ousada, que muitas questões de julgados atuais, fazendo menção, inclusive, ao julgado X, à ADI nº Y.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 13


ARTIGO
Acredito que daqui para frente, todas as provas, tanto da área fiscal os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituam impostos sobre
quanto da área jurídica, passarão a exigir que o candidato esteja muito patrimônio, renda ou serviços uns dos outros. ADI 3089/DF, rel. orig.
atualizado acerca das discussões, posições e divergências dos Tribunais Min. Carlos Britto, rel. p/ o acórdão Min. Joaquim Barbosa, 13.2.08.
Superiores. (ADI-3089) (informativo 494 – Plenário)
Importante, também, que o concurseiro observe os julgamentos que
foram objeto de Repercussão Geral no STF ou de Recurso Repetitivo no • Ministério Público de Sergipe 2010 (organizadora CESPE/UNB)
STJ, porque esses entendimentos pacificam divergências entre as Tur-
mas desses Tribunais Superiores, deixando, assim, as bancas examina-
doras mais à vontade para exigir sobre o assunto em prova. Isso porque,
com a ausência de divergências de posicionamento, o índice de anula-
ção da questão é raro.
Vale lembrar que muitos desses julgados foram objeto de edição de
súmulas vinculantes e não vinculantes no ano de 2009.
Vejam como as questões estão sendo exigidas em provas:

• TJ/SP - Juiz de Direito 2009 (organizadora VUNESP) A resposta estava no informativo n.º 573 do STF:
A resposta estava no informativo nº 494 do STF:
Crimes contra a ordem tributária e instauração de inquérito – 3
A Turma concluiu julgamento de habeas corpus em que se discutia a
Serviços notariais e de registro e imunidade – 3
possibilidade, ou não, de instauração de inquérito policial para apura-
Em conclusão de julgamento, o Tribunal, por maioria, julgou improce-
ção de crime contra a ordem tributária, antes de encerrado o procedi-
dente pedido formulado em ação direta proposta pela Associação dos
mento administrativo-fiscal — v. Informativo 557. Indeferiu-se o writ.
Notários e Registradores do Brasil – ANOREG/BR para declarar a
inconstitucionalidade dos itens 21 e 21.01 da lista de serviços anexa à Observou-se que, em que pese orientação firmada pelo STF no HC
Lei Complementar federal 116/03, que autorizam os Municípios a insti- 81611/DF (DJU de 13.5.2005) — no sentido da necessidade do
tuírem o ISS sobre os serviços de registros públicos, cartorários e exaurimento do processo administrativo-fiscal para a caracterização do
notariais — v. Informativos 441 e 464. Entendeu-se tratar-se, no caso, crime contra a ordem tributária—, o caso guardaria peculiaridades a
de atividade estatal delegada, tal como a exploração de serviços públi- afastar a aplicação do precedente. Asseverou-se que, na espécie, a ins-
cos essenciais, mas que, enquanto exercida em caráter privado, seria tauração do inquérito policial tivera como escopo possibilitar à Fazenda
serviço sobre o qual incidiria o ISS. Vencido o Min. Carlos Britto, Estadual uma completa fiscalização na empresa dos pacientes, que apre-
relator, que, salientando que os serviços notariais e de registro seriam sentava sérios indícios de irregularidade. Aduziu-se que, durante a fis-
típicas atividades estatais, mas não serviços públicos, propriamente, calização, foram identificados, pelo Fisco estadual, depósitos realizados
julgava o pedido procedente por entender que os atos normativos na conta da empresa dos pacientes, sem o devido registro nos livros
hostilizados afrontariam o art. 150, VI, a, da CF, que veda que a União, fiscais e contábeis, revelando, assim, a possível venda de mercadorias

14 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


correspondentes aos depósitos mencionados sem a emissão dos res- tratar, no caso, de ato complexo e de ter o TCU exercido o crivo de
pectivos documentos fiscais. Enfatizou-se que tais depósitos configura- revisão dos atos administrativos, formalizados no período entre a
riam fortes indícios de ausência de recolhimento do Imposto sobre promulgação da CF/88 e dezembro de 1995, passados mais de 5
Circulação de Mercadorias (- ICMS) nas operações realizadas. Salien- anos, inclusive, da vigência da Lei 9.784/99, sem viabilizar, no entan-
tou-se que, diante da recusa da empresa em fornecer documentos indis- to, a manifestação dos seus beneficiários. Registrou-se, ainda, a re-
pensáveis à fiscalização da Fazenda estadual, tornara-se necessária a cente edição da Súmula Vinculante nº 3 do STF, aplicável à espécie
instauração do procedimento inquisitorial para formalizar e (“Nos processos perante o Tribunal de Contas da União asseguram-se
instrumentalizar o pedido de quebra do sigilo bancário, diligência im- o contraditório e a ampla defesa quando da decisão puder resultar
prescindível para a conclusão da fiscalização e, consequentemente, para anulação ou revogação de ato administrativo que beneficie o interes-
a apuração de eventual débito tributário. Concluiu-se que considerar sado, excetuada a apreciação da legalidade do ato de concessão inicial
ilegal, na presente hipótese, a instauração de inquérito policial, que de aposentadoria, reforma e pensão.”). MS 26353/DF, rel. Min. Marco
seria indispensável para possibilitar uma completa fiscalização da em- Aurélio, 6.9.07. (MS-26353)
presa, equivaleria a assegurar a impunidade da sonegação fiscal, na
medida em que não haveria como concluir a fiscalização sem o afasta- Como estudar os julgados e súmulas do STF e STJ?
mento do sigilo bancário. Dessa forma, julgou-se possível a instauração A aprovação em concurso público requer disciplina, método, revisão e
de inquérito policial para apuração de crime contra a ordem tributária, constante atualização.
antes do encerramento do processo administrativo fiscal, quando for Para isso, é necessário que o estudante elabore um quadro de estudos
imprescindível para viabilizar a fiscalização. O Min. Cezar Peluso acres- semanal, de modo que no decorrer de cada semana estude todas as
centou que, se a abertura do inquérito não estava fundada apenas na matérias presentes no edital do concurso público escolhido.
existência de indícios de delitos tributários materiais, não haveria que se Sugestão:
falar em falta de justa causa para a sua instauração. HC 95443/SC, rel. SEGUNDA TERÇA QUAR
QUARTTA QUINTA
QUINTA SEXTA
SEXTA
Min. Ellen Gracie, 2.2.10. (HC-95443) (informativo 573 – 2ª Turma) Constitucional Administrativo Tributário Previdenciário Penal Especial
Penal Geral Processo Penal Comercial Processo Civil Legislação

• Procurador Federal - AGU 2010 (organizadora CESPE/UNB) Especial


Civil Civil Civil Civil Obrigações/ Civil
Parte Geral Reais Família Sucessão Respons. Contratos

1.º passo: Escolha o tema a ser estudado. Ex.: licitação.


2.º passo: Após estudar o tema por meio da doutrina de sua preferência
ou de suas anotações de aula, verifique os julgados e as
súmulas correspondentes ao tema estudado.
3º passo: Se a matéria a ser estudada for Direito Civil, não se esque-
ça de verificar os Enunciados do Conselho da Justiça Fe-
A resposta estava no informativo nº 478 do STF: deral referente ao tema estudado.
Ascensão funcional: princípios da segurança jurídica e do devido
processo legal Nesse dia, você deve ler apenas julgados, súmulas e enunciados corres-
O Tribunal concedeu mandado de segurança impetrado contra decisão pondentes aos temas que foram estudados.
do Tribunal de Contas da União (TCU), que determinara à Empresa Lembre-se: a revisão é o segredo do sucesso, por isso, a cada semana,
Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), com base no art. 37, §2º, faça uma breve revisão dos temas que já foram estudados nas semanas
CF, que procedesse à anulação dos atos que implementaram as ascen- anteriores.
sões funcionais verificadas naquela entidade, consumados posterior- Seguindo esse procedimento, ao terminar os estudos de todos os temas
mente à data de 23/4/93. Entendeu-se ter havido ofensa aos princípi- presentes no edital de seu concurso, você terá uma ampla visão doutri-
os da segurança jurídica e do devido processo legal, haja vista não se nária e jurisprudencial de todos os ramos do direito.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 15


ARTIGO
QUESTÕES AVANCE SEMPRE
1) Sabemos que você trabalha com a preparação de candidatos para 2) Ser organizadora de informativos de jurisprudência é uma atividade
concursos. Quais são as dificuldades e angústias que essas pessoas bem diferente e específica. Como surgiu a ideia de fazer um trabalho
mais enfrentam? desse gênero?
De fato, são inúmeras dificuldades e angústias experimentadas pelos Como responsável pela elaboração de informativo de atualização jurí-
candidatos. Mas acredito que isso faz parte da preparação daqueles que dica há mais de quatro anos, percebi que os candidatos tinham grande
escolhem o árduo caminho dos concursos públicos. dificuldade de estudar a jurisprudência dos nossos Tribunais Superi-
A maior angustia do candidato resume-se à seguinte pergunta: “Quanto ores, em razão de eles não separarem seus julgados por matéria, nem
tempo vai demorar para eu passar?”. Essa é uma pergunta sem resposta. por assunto.
Cada candidato é único e NÃO DEVE ser comparado a nenhum outro. São inúmeros julgados publicados semanalmente e os candidatos, além
Cada um tem uma capacidade diferente para assimilar, memorizar, raci- de estudar a legislação e a doutrina, precisam estar atualizados com a
ocinar, etc. Enfim, cada um tem o próprio tempo. Entretanto, nem sem- jurisprudência.
pre aceitamos isso, não é mesmo? Grande parte dos candidatos acaba se Foi então que decidi dar uma ajudinha aos concurseiros e em agosto de
comparando a outros, principalmente quanto à inteligência, à situação 2008 lancei o livro Julgamentos e Súmulas do STF e STJ, no qual o
de vida, e tantas outras coisas. leitor-candidato encontra todos os julgados dos Tribunais Superiores
São também inúmeras as dificuldades enfrentadas pelos candidatos, organizados por matéria e temas, o que possibilita sua otimização no
entre elas: tempo de estudos.
O ideal é que o candidato estude de forma organizada, estruturada, dividindo
• dificuldade financeira: o custo para se preparar para concursos é durante a semana as matérias presentes no edital do concurso almejado.
alto, pois exige investimento em livros, cursos, apostilas, atuali- A sistemática do livro auxilia, ainda, na fixação do tema estudado pelo
zação, etc. candidato, que após ler a legislação e a doutrina encontra julgados que
• cobrança de amigos e da família: passar em concurso é tarefa demo- refletem em casos práticos o que acabou de ser estudado na doutrina ou
rada; não acontece da noite para o dia. Mas as pessoas que não em suas anotações de aula. Isso faz com que ele, o candidato, assimile
participam dessa rotina, nem imaginam o quanto é difícil e sempre com mais intensidade a matéria.
“prestigiam” os candidatos com aquela perguntinha: “Não passou Os Julgados e as Súmulas foram ordenados de acordo com os títulos e
ainda?” “Faz tempo que você está estudando, não?” capítulos presentes na CF, CC, CP, CPC, CPP, CTN, CLT, legislação
• privações: de tempo com a família, de entretenimentos, de estar previdenciária, legislação administrativa e, também, pela ordem didáti-
mais próximo das pessoas que ama, etc. ca adotada pelas melhores doutrinas.

Mas a maior dificuldade que tenho notado nos candidatos é a de estabe- 3) Como você enxerga o panorama dos concursos para o futuro no
lecer um “método de estudos”. tocante à cobrança de jurisprudência até nos concursos de nível médio?
Estudar sem método é caminhar sem rumo. Tenho notado que muitos Existe diferença na ênfase?
candidatos sabem o conteúdo da matéria, no entanto não conseguem Posso dizer que daqui em diante a jurisprudência será exigida em todos
passar no concurso. os concursos públicos. Essa exigência tem como objetivo principal
Sabem por quê? Porque estudam errado! avaliar se o candidato está atualizado com o posicionamento atual das
É preciso fazer um planejamento de estudos por dia, por matéria, por Cortes Superiores.
semanas. Não é possível estudar de forma aleatória, “sorteando temas” Dependendo do concurso escolhido, a jurisprudência poderá ser mais
a cada dia. ou menos exigida.
Muitos esquecem, também, da revisão, o que em minha opinião é im- Por exemplo, os concursos da esfera do Judiciário tendem a exigir mais
prescindível. conhecimento da jurisprudência em relação aos concursos da esfera
Para iniciar os estudos é necessário traçar um plano, caso contrário legislativa. O mesmo se compararmos os concursos de nível superior
você acabará colecionando frustrações. aos concursos de nível médio.

16 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


Outra questão importante é analisar quais são as matérias de maior qualquer um pode fazer um pequeno progresso.
relevância no concurso escolhido. Essa é uma boa dica para você elimi- Se você não conseguir fazer uma coisa grandiosa hoje, faça alguma
nar a leitura de inúmeros julgados. coisa pequena.
Se o concurso escolhido é, por exemplo, o de delegado estadual, você Pequenos riachos acabam convertendo-se em grandes rios.
deverá dar muito mais atenção aos julgados de penal e processo penal Continue andando e fazendo.
e menos aos julgados de civil e processo civil. O que parecia fora de alcance esta manhã vai parecer um pouco mais
O ideal é que o candidato venha acompanhando a jurisprudência duran- próximo amanhã ao anoitecer se você continuar movendo-se para frente.
te toda a sua preparação, pois deixando para a última hora não terá A cada momento intenso e apaixonado que você dedica a seu objetivo,
tempo hábil para toda a atualização. um pouquinho mais você se aproxima dele.
Mas se a sua prova está chegando e você não vem acompanhando a Se você para completamente é muito mais difícil começar tudo de novo.
jurisprudência, a dica é que você não vá para a prova sem a leitura Então continue andando e fazendo. Não desperdice a base que você já
das Súmulas Vinculantes, uma delas fatalmente estará presente em construiu. Existe alguma coisa que você pode fazer agora mesmo, hoje,
sua prova. neste exato instante.
Pode não ser muito, mas vai mantê-lo no jogo.
4) Muitos concurseiros, ao deparar com a necessidade de ler os infor- Vá rápido quando puder. Vá devagar quando for obrigado.
mativos, não sabem por onde começar
começar.. Uns dizem ser necessário saber Mas, seja lá o que for, continue. O importante é não parar!
aqueles dos últimos 3 anos; outros afirmam que é preciso conhecer até Autor desconhecido
aquele da semana da prova. Que parâmetros se deve ter? Como estudá-
los sem pânico? REFLETINDO...
Como dito anteriormente, o ideal é que o candidato venha acompanhan- Se hoje os estudos não renderam como você gostaria, não fique chate-
do a jurisprudência durante toda a sua preparação. ado, tenha certeza de que amanhã será melhor que hoje.
A tendência é que as questões exigidas sejam relativas ao posicionamento Se você não está conseguindo se concentrar, não adianta ficar tentando
atual das Cortes Superiores. Por isso, acredito que o conhecimento da estudar uma matéria muito complexa. Deixe este dia para uma leitura
jurisprudência dos últimos dois anos deixe o candidato em uma situa- mais leve, leia súmulas, faça exercícios.
ção mais confortável para responder as questões. Se você deixa de estudar um dia, outro dia, mais um dia.... você perde o
Se você vai iniciar a leitura dos informativos hoje, inicie pelos mais ritmo de estudos e para recuperá-lo depois é muito difícil.
recentes e na medida do possível faça a leitura dos anteriores. O importante é você não deixar de estudar.
Não é exagero dizer que o candidato deve manter-se atualizado até o E não se esqueça de recar-
último informativo publicado antes da prova. A organizadora CESPE regar as suas pilhas! Deixe
já surpreendeu muitos candidatos exigindo questões de últimos in- um dia para relaxar, passear,
formativos. se divertir um pouco.
Dica: Durante a leitura dos julgados, procure grifar o que é mais relevan- Isso é muito importante para
te. Isso ajuda muito na fixação e na revisão às vésperas da prova. o rendimento dos estudos.
Deixo meu contato para
MENSAGEM FINAL eventuais dúvidas e escla-
Caros leitores, como incentivo a todos, deixarei um texto, cuja auto- recimentos:
ria desconheço, e em seguida minha mensagem de FORÇA E CORA- taniafaga@gmail.com
GEM a todos.
Um abraço carinhoso a
AVANCE SEMPRE todos!
Na vida as coisas, às vezes, andam muito devagar. Mas é importante não Tânia Faga
parar. Mesmo um pequeno avanço na direção certa já é um progresso, e

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 17


18 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR
CONCURSOS FISCAIS

COMO SE PREPARAR
PARA CONCURSOS
PÚBLICOS DA ÁREA
FISCAL

Por ALEXANDRE MEIRELLES,


fiscal da Fazenda do Estado de São Paulo,
professor e palestrante de concursos públicos

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 19


CONCURSOS FISCAIS
M uita gente me pergunta sobre como se preparar adequadamente
para os concursos da área fiscal, que sempre foram a minha praia.
E, para variar, foi justamente sobre esse o tema que me pediram para
seu tempo total de estudo como concurseiro só estudando as cinco ou
seis básicas. Elas exigem muito tempo de estudo, pois têm muito mais
conteúdo que as outras disciplinas. CG e principalmente o programa de
escrever nesta edição da revista. Então vamos ao que penso sobre isso. RL cobrado na Receita Federal estão gigantescos. As disciplinas que
Os concursos da área fiscal exigem bom nível de conhecimento de não são básicas você estudará em muito menos tempo que as básicas, e
diversas disciplinas, algumas vezes eles cobram mais de 20, o que é quase sempre não são cobradas tão profundamente. Além disso, muitas
uma loucura e sinceramente não sei onde isso vai parar, porque cada vez delas são muito decorebas, então não adianta estudar com muita antece-
aumentam mais. Sabendo disso, o candidato logo pensa: “É impossível! dência, pois vai esquecer quase tudo mesmo.
Não vou passar nunca! Vou procurar outra área, entregar mais currícu- Preocupe-se bastante com PTG, não dê mole. Não se preocupe em
los nas empresas ou me contentar com meu trabalho!”. Ora, se fosse estudar por aquelas gramáticas que os professores da disciplina ado-
impossível assim, não teríamos milhares de aprovados para essa área ram aconselhar, esqueça isso, preocupe-se em fazer um bom curso, se
nos últimos anos, então é possível preparar-se adequadamente para for o caso, estudar por um material teórico voltado para concursos e
obter sucesso na prova. faça muitas questões de concurso, mas muitas mesmo, principalmente
Uma das primeiras perguntas que os colegas fazem é sobre o nível de da sua banca.
conhecimento necessário para ser aprovado em cada disciplina. Isso Quando adquirir um nível legal nessas matérias, dependendo da ban-
depende de que disciplina estamos falando, para qual banca você vai ca, conforme já explicamos, comece a incorporar mais disciplinas ao
fazer a prova e para qual cargo. Vamos explicar um pouco melhor isso, seu estudo, sem nunca abandonar nenhuma já estudada. Dê preferên-
para você não xingar minha doce mãezinha querida com uma resposta cia às que são menos decorebas, como Economia e Finanças Públi-
tão vaga assim. cas, deixando as mais decorebas, como os outros Direitos, para a fase
Você precisa atingir um bom nível de conhecimento nas seis princi- final do estudo.
pais disciplinas da área, que chamamos de básicas e que são: Conta- Sei que muitos candidatos se preparam em cursinhos que ministram
bilidade Geral (CG), Direito Tributário (DT), Constitucional (DC) e muitas disciplinas de uma vez só. Para esses eu aconselho que estudem
Administrativo (DA), Português (PTG) e Raciocínio Lógico (RL). An- minimamente as que não são básicas, o suficiente para não boiar muito
tes eu deixava o RL de fora dessa relação de básicas, mas de acordo nas aulas e que peguem mais firme nas básicas.
com os últimos concursos não posso mais fazer isso, pois ela se Livros, cursos e professores excelentes, bons, razoáveis, ruins e horrí-
tornou um dos principais temores dos candidatos. Chegou para ficar veis existem aos montes, para todos os gostos. Pegue dicas com cole-
e arrebentar com muita gente. gas aprovados ou no Fórum
Se você já tem em mente para qual cargo vai se candidatar, Concurseiros (www.forumconcurseiros.com), que é excelente para a
consequentemente quase sempre já saberá que banca será a sua; as- área fiscal. Aliás, não sei como um candidato pode viver hoje sem pegar
sim poderá adotar algumas posturas em relação ao estudo desde a dicas nesse fórum.
fase inicial. Evite apostilas para estudar para a área fiscal, são pura perda de tempo
Se seu objetivo é um concurso feito pela ESAF, como os da Receita e de dinheiro. Não me refiro às apostilas utilizadas em salas de aula por
Federal, aí, meu amigo, a porca vai torcer o rabo legal. Vai ter que bons professores, mas àquelas vendidas para a área fiscal nas bancas de
estudar bem as seis básicas. Precisará estudar por materiais que jornal. Não existem grandes atalhos para ser aprovado nessa área, quase
aprofundem bem o conhecimento, não terá como ficar só com um sempre os caminhos que você pensa que são atalhos na verdade são
conhecimento superficial nelas, porque a ESAF cobra bem mesmo. Às verdadeiras ciladas. Para passar nessa área vai precisar de muita HBC
vezes até dá moleza em algumas matérias, mas você não poderá contar mesmo (HBC = Hora-Bunda-Cadeira).
com isso, terá que saber legal para não correr riscos. Ao comprar livros para estudar, primeiramente veja se são especializados
Já se for um concurso feito pela FCC, como os dos fiscos municipal e para concursos e para sua área. Muitos livros excelentes para a área
estadual de São Paulo, aí dá para não se aprofundar tanto em DC e DA, jurídica não servem para a fiscal, por exemplo, e vice-versa. Um livro
por exemplo. E não precisa ser um animal em DT também, só tem que pode ser uma unanimidade para os concursos de juiz e um lixo para os
saber mais do que DC e DA, mas nada muito aprofundado. de fiscal, porque um não tem nada a ver com o outro. Uma disciplina
Por mais que sejam somente seis disciplinas básicas e outras 500 mais pode ser cobrada de forma totalmente diferente dependendo da área do
para estudar depois, muitos aprovados passaram em torno de 60% do concurso, e geralmente é assim. Logo, procure dicas de materiais com

20 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


colegas de sua área, não vale dicas de aprovados em outras áreas, não as não é assim? Está com o corpo mal condicionado? Exercite-se mais.
siga, porque vai se dar mal em 99% das vezes. Não conversa muito com a família e os amigos? Converse mais. Está se
Dependendo do concurso, mesmo dentro da área fiscal, um livro pode achando um pecador por quase não rezar? Reze mais. Está se achando
ser excelente ou ruim. Exemplo: para a ESAF você vai necessitar se barbeiro na direção? Dirija mais, de preferência com um instrutor inici-
aprofundar em algumas disciplinas que para a FCC não vai precisar. almente (e longe do meu carro!). Não sabe quase nada de alguma maté-
Então, ao estudar por um livro bem aprofundado e excelente para a ria? Estude-a mais. Está com letra ruim? Melhore-a. Não sabe escrever
ESAF, estará desperdiçando um imenso tempo de estudo se seu concur- legal? Faça mais redações e escreva mais, mesmo que seja fazendo mais
so for para a FCC. resumos do seu material já estudado.
Nunca se esqueça de uma regra básica para os concursos nessa área: O que quero explicar sobre as provas discursivas é que não se pode
faça muitos exercícios, centenas, milhares de cada disciplina, de prefe- tomar isso como um tabu, um problemaço na sua vida de concurseiro,
rência da sua banca. Não se preocupe em estudar por três ou cinco porque não é. A discursiva trata da matéria que você estudou, então é
livros teóricos de cada disciplina, isso é muito ruim, estude por um ou simplesmente uma preocupação a mais, que será escrever sobre aque-
dois de cada disciplina e parta para os exercícios de prova. les temas mais relevantes e mais propensos a cair, que os bons profes-
Seja uma máquina de resolver exercícios, cada vez em menos tempo, sores saberão indicar, e praticar mais sua habilidade de escrever. Sei
porque a rapidez em resolver provas nessa área é essencial, pois as que pode não estar preocupado com isso agora, mas vai fazer muito
provas quase nunca possuem tempo suficiente para resolvê-las. Não bem essa prática em escrever mais.
adianta nada saber resolver tudo se não souber responder em pouco Não sou favorável a provas discursivas, ainda que façam os candidatos
tempo. E isso é muito comum, existem centenas de candidatos que escreverem mais e melhor, mas pelo fato de não acreditar em correções
sabem muito, mas que nunca passam, porque vivem reclamando que o benfeitas. Um ponto que seja de desvio na correção das provas dos
tempo da prova não foi suficiente. Ora, como não foi suficiente se no candidatos, e isso obviamente acontece na quase totalidade das provas
final sempre existem classificados em número ainda muito maior que o discursivas, já mudará muito a classificação final dos candidatos, levan-
de vagas? Então o tempo não foi tão reduzido assim, eles é que não do-os à reprovação ou aprovação. Mas de nada adianta a minha ou a sua
souberam fazer a prova no tempo disponível. opinião, as discursivas pintaram no pedaço, chegaram para ficar, a meu
Passar em um concurso de alto nível envolve outras coisas além do ver infelizmente, então é mais uma coisa para você se preocupar em se
conhecimento adquirido, envolve também rapidez na resolução da pro- preparar bem.
va, bom senso na hora de responder às questões polêmicas ou mal As discursivas vieram nos editais da Receita Federal sem ninguém espe-
redigidas, boa saúde, estado emocional equilibrado etc. rar e centenas de candidatos foram muito bem nelas, mesmo sem tempo
Não se preocupe em ser um especialista em uma disciplina, pois se você adequado para se preparar. Não vai ser você, que ainda tem um bom
estiver fazendo isso, está fazendo errado. Ponha uma coisa na sua cabe- tempo de estudo pela frente, que vai ficar reclamando. Deixe de ser
ça de uma vez por todas: NINGUÉM, nem o primeiro colocado, saberá chorão e vá acumular HBC.
tudo. Então não precisa ser o sabichão, tem que ser bom ou razoável em Procure editais e provas sempre nos sites especializados ou no pai de
todas elas, porque isso sim vai aprová-lo. Se, depois de aprovado, nós todos, o querido amigo inseparável, que não sei mais o que seria da
quiser ser professor, aí sim se preocupe em ser o papa numa delas, mas humanidade e de mim sem ele, o Google.
só depois de aprovado. Você tem que saber o suficiente para se dar bem É difícil passar em um concurso fiscal? Claro que é, mas todos os anos
nas provas, seja ela de que nível de conhecimento for, mas não precisa centenas de concurseiros se tornam fiscais, então impossível não é,
saber a ponto de gabaritar. Obviamente que chegar a esse nível de muito longe disso. Basta estudar por bons livros, de forma organizada,
conhecimento em algumas matérias é melhor ainda, mas desde que não se possível fazendo bons cursos, acumular centenas de HBCs e come-
esteja bambo em outras. morar muito com a família e os amigos quando passar. Com certeza é
Outra novidade recentemente introduzida nos concursos dessa área, MUITO mais fácil que ser um empresário ou funcionário de sucesso na
principalmente nos organizados pela ESAF, são as provas discursivas. iniciativa privada.
Para muitos candidatos isso foi bom, mas para outros não, principal- Eu passei no meu primeiro concurso fiscal aos 21 anos e no quarto e
mente para aqueles que não possuem o hábito de ler e escrever, além último com quase 36. Foram os dias mais felizes da minha vida até
dos que têm uma letra ruim. O que fazer para melhorar esse aspecto? então, e tudo graças a muita HBC.
Ora, praticar, estudar, como qualquer outra coisa na vida. O que na vida Um grande abraço, boa sorte e muitas HBCs para você.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 21


ENTREVISTA
pre faça alguma espécie de resumo do conteúdo estudado, pelo me-
nos das partes principais, utilizando uma das formas citadas ou ou-
tras, como assinalar com caneta marca-texto amarela os principais
trechos do livro teórico.

O nível de exigência das bancas examinadoras está cada


dia maior. Diante desse fato, o estudante mediano tem con-
dição de conquistar uma vaga ou ela está reservada exclu-
sivamente para os superdotados?
De forma alguma. Conheço centenas de aprovados em concursos muito
difíceis que não são superdotados, e alguns podemos considerar como
bem “toupeiras”. Os mais inteligentes podem ter mais facilidade na hora
de estudar, claro, mas o principal para passar em um bom concurso é
estudar por materiais bem recomendados, se for o caso fazendo algum
cursinho muito bom e o mais importante: acumular muitas HBC, as
famosas Horas-Bunda-Cadeira.
Fatores muito mais importantes do que o QI dos candidatos são a
persistência, a motivação, a raça, a organização e a disciplina. Tenho
mais do que certeza disso, pois já vi inúmeros candidatos muito inteli-
gentes desistirem no meio do caminho ou estudarem pouco e não
passarem, e outros de inteligência menor obterem êxito.
Escrevi bastante sobre QI, gênios, etc. na minha coluna M28 do site
www.cursoparaconcursos.com.br. Caso tenha curiosidade em saber mais
CONCURSEIRO SOLITÁRIO ENTREVISTA ALEXANDRE MEIRELLES, sobre o assunto, leia-a.
UMA REFERÊNCIA NACIONAL QUANDO O ASSUNTO É CONCURSOS
PÚBLICOS DA ÁREA FISCAL, TENDO SIDO APROVADO NOS CON- Nos concursos da área fiscal é muito comum encontrarmos
CORRIDOS CONCURSOS PARA AFRF E ICMS-SP concurseiros com dificuldades em relação à contabilida-
de, matéria que via de regra tem grande peso em concursos
Qual a maneira mais eficiente de estudar a fim de conseguir da área fiscal. Em sua opinião, quais são as principais difi-
conciliar teoria e questões? culdades dos professores no ensino e dos alunos nessa
Vá estudando a teoria, mas sempre fazendo alguns exercícios, de prefe- aprendizagem?
rência aqueles que se encontram no final dos próprios capítulos dos Há inúmeros professores muito bons no mercado. Nem me arrisco aqui
livros teóricos, caso haja. Mas nunca deixe de fazer exercícios ao térmi- a mencionar o nome de alguns deles para não cometer o pecado de
no do estudo da teoria, porque caso contrário vai se esquecer rapida- deixar de fora outros. O grande problema que vejo no estudo da discipli-
mente do que estudou. Não existe isso de estudar toda a teoria para só na, que com certeza é a mais complicada da área fiscal, está nos próprios
então fazer questões; é uma estratégia totalmente errada e contra qual- alunos, principalmente os iniciantes.
quer estudo sobre memorização. Aprender bem essa disciplina requer muita HBC, pelo menos umas 200
Com o tempo, vá cada vez mais aumentando o tempo de estudo da HBC para começar a se sentir confortável e parar de xingá-la muito. Só
disciplina com resolução de exercícios e diminuindo o tempo estudan- que o aluno acha que vai assistir às aulas, estudar um pouco em casa e,
do teoria, até quase zerar o tempo de teoria, passando quase todo o beleza, aprenderá a matéria e saberá fazer as questões das provas.
tempo resolvendo exercícios. Caramba, quanta ilusão! Não vai conseguir, não, não vai dar nem para o
começo, pois vai se ferrar na hora de fazer as questões das provas mais
Em sua opinião, qual a técnica de estudo mais eficiente: leitu- concorridas. E aí o que ele vai fazer? Reclamar do professor, claro, afinal
ra somente, resumos, mapas mentais, flash cards ou outras? assistiu a 40 ou 60 horas-aula e não conseguiu resolver as questões.
Cada pessoa se adapta melhor a uma forma, mas aconselho que sem- Contabilidade não funciona assim, não é como outras disciplinas em

22 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


que um professor excelente dá a aula, aluno estuda um pouco em casa Felizmente nessa disciplina encontramos excelentes opções no merca-
e pronto. Isso não existe. Obviamente há inúmeros professores fracos do, além de ótimos professores, como os autores desses livros.
no mercado, mas com certeza a grande maioria das reclamações dos
alunos quanto ao desempenho dos professores nesta disciplina são Alguns concursos cobram em questões a pura transcrição da
culpa do aluno, que quer viver de ilusão e/ou que ainda não entendeu letra da lei. Pergunto: como estudar com eficiência a lei seca?!
que o buraco é muito mais embaixo no estudo desta coisa (para não Já li algumas sugestões de como fazer isso, mas a que mais me agrada
chamar de outro nome mais feio). é a que utilizei: grifar com caneta marca-texto amarela as principais
Tem que assistir à aula, estudar por um bom livro teórico e fazer cente- passagens da legislação e de vez em quando dar uma lida nelas.
nas de questões. Não estou exagerando, são centenas e centenas mes- E como você vai saber quais são as principais partes? Só fazendo as
mo, algo em torno de 1.500 a 2.000 questões pelo menos. E nem questões das provas anteriores, não tem outro jeito.
considero tanto assim e nem tenho pena quando escrevo isso, porque
em um bom livro teórico já há de 500 a 1.000 exercícios, então nada Devo tomar remédios ou bebidas estimulantes para ficar
mais é do que resolvê-los conforme for estudando a teoria e depois mais tempo acordado e assim estudar mais?
resolver mais provas e livros de exercícios. Não, de forma alguma. Isso só dava certo nos seus tempos de colégio ou
Contabilidade é uma coisa bem feia, mas nada que alguém com alguns faculdade porque não precisava guardar as informações por muito tem-
meses de estudo não se consiga se entender com ela, se estudar por po, só por alguns dias ou horas. E o que acontecia logo após fazer a
bons livros e acumular centenas de HBCs, claro. Raras vezes na vida vi prova? Esquecia tudo em pouco tempo.
alguém ser reprovado em algum concurso somente nessa disciplina. Saiba de uma coisa de uma vez por todas: você SOMENTE memoriza a
longo prazo algum assunto estudado quando está dormindo.
O que você faria se estivesse recém-formado, com a sensa- Você tem que procurar dormir de seis a oito horas diárias. Não adianta
ção de não saber nada depois de cinco anos de faculdade estudar por mais horas e dormir só por quatro horas, por exemplo,
de Direito, e pretendesse prestar concursos? porque vai esquecer tudo rapidamente. O sono, momento em que me-
Bem-vindo ao clube, querido amigo. A grande maioria dos aprovados pas- morizamos as informações na memória de longo prazo, vai ser ruim, e
sou por isso. O que aprendemos na faculdade serve pouco na hora de você não memorizará quase nada. Vai estudar dez horas por dia e jogar
prestar concursos. Claro que dá uma base legal para algumas áreas, princi- quase tudo fora nas quatro horas de sono à noite; se estudasse sete
palmente na jurídica, mas nada que seja tão importante assim que com horas e dormisse as outras sete, memorizaria muito mais.
algum tempo de estudo não possamos recuperar o tempo perdido nas É uma conta mais ou menos assim, em termos aproximados, somente
mesas de baralho e nas incontáveis festas da faculdade. para ilustrar o que afirmo:
Em diversos concursos da área fiscal, dentistas se saem muito bem. Chegou
Rotina diária Páginas Porcentual de Páginas
a ser a quinta profissão que mais teve aprovados para Auditor Fiscal da
estudadas/dia memorização memorizadas
Receita Federal, um dos mais difíceis do País. E o que eles aprenderam na
10h de estudo e 4h de sono 200 30 % 200 * 0,3 = 60
faculdade que serviu na prova? Cárie? Gengiva? Canal? Claro que não, foi o
7h de estudo e 7h de sono 140 60 % 140 * 0,6 = 84
estudo em casa de coisas que nunca viram antes.
Ter feito uma faculdade meia-boca não é desculpa para não estudar para Entendeu agora? Não adianta estudar mais e dormir pouco, porque
concursos. Juro que conheço inúmeros aprovados, até eentre as primeiras memorizará muito menos.
colocações de concursos concorridíssimos, que fizeram faculdades ridículas. Só relembrando que recomendei de seis a oito horas de sono diário,
nada de dormir 12 horas e dar a desculpa de que assim estará memori-
Qual o melhor livro de legislação do ICMS-SP – Ricardo Ferreira, zando mais, porque não terá estudado quase nada para memorizar!
Pedro Diniz ou algum outro – para quem já está estudando para Seria possível escrever muito mais sobre isso, porque considero o
o próximo AFR-SP (Agente Fiscal de Rendas/SP)? assunto importantíssimo, mas este texto ficaria muito longo. No meu
Os dois livros que você citou são excelentes. Há pelo menos outros dois livro sobre como estudar para concursos haverá pelo menos umas oito
também muito bem recomendados, que são o do Vilson Cortez e o páginas sobre isso, para você sentir o quanto eu dou importância ao
Curso de ICMS, do José Rosa. E para pegar uma base inicial há o ICMS sono do concurseiro.
– Genérico, do Dermeval Frossard, ou o ICMS, do Cláudio Borba. É só Estou levando mais tempo do que imaginava para escrever meu livro,
fazer uma busca no Google que você encontra esses livros para vender. porque o quero bem completo e com muitas dicas que não encontramos

W
WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR
WW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 23
ENTREVISTA

por aí, e isso está me deixando maluco nos últimos meses. Não imagi- Busque sempre otimizar seu tempo de estudo, não desperdice tempo
nava o trabalhão que eu teria, mas prometo que será muito legal e que nunca. E escutar toda a aula de novo é um enorme desperdício de
vai ajudar bastante os concurseiros. Não é propaganda de vendedor/ tempo, com certeza.
autor, tenho certeza do que estou afirmando. Pelo menos eu gostaria
muito de ter lido algo parecido quando comecei a estudar, teria me Fazer alguma atividade física é importante na fase de
ajudado demais. E, antes que me perguntem, meu livro só sairá no fim concurseiro?
de 2010, pela Editora Método/Gen, ok? Sim, com certeza. O cérebro consome um terço do nosso oxigênio
diário, necessitando de uma ótima oxigenação para funcionar adequa-
Você aconselha que escutemos as aulas em casa, após as damente, logo, fazer exercícios aeróbicos vai fazê-lo trabalhar muito
termos gravado em sala? melhor. Um estudo demonstrou que quando praticamos uma atividade
Depende. Se for para escutar a aula toda de novo, creio que é perda de aeróbica periodicamente, nosso cérebro aumenta em 15% sua capaci-
tempo. Desaconselho totalmente utilizar esse método, apesar de saber dade de concentração e aprendizado. Note que 15% de ganho é muita
que muita gente gosta de fazer assim. coisa, não é de se desprezar.
O que aconselho é que escutem algumas partes de algumas aulas, nos Busque realizar exercícios aeróbicos, como caminhar, correr, an-
pontos realmente mais complicados e que necessitam de um estudo dar na esteira, praticar alguma arte marcial, dançar, nadar, pular
mais aprofundado. corda, etc. A ioga também é aconselhada, pois melhora a postura
E como saber onde estão as passagens importantes quando olhamos para e a respiração, entre outros benefícios. Já a malhação pesada, a
aquele monte de arquivos de áudio gravados no computador? Simples: musculação propriamente dita, não importa muito para o cérebro,
basta marcar no caderno, na apostila ou no livro utilizado pelo professor mas não deixa de ser também indicada para aliviar o estresse,
durante a aula o tempo que está marcando no gravador enquanto ele melhorar a autoestima, etc.
estiver explicando o tema. Assim, quando for escutar a aula, passe o Bem, concurseiros, tentei ajudar o máximo que pude neste espaço
arquivo de áudio direto para aquele ponto e escute-o, ganhando tempo de que me foi concedido. Espero que aproveitem algo do que escrevi e
estudo. Se for ouvir tudo, perderá muito tempo com piadas, intervalos podem ter certeza de que a recompensa é muito grande.
durante a aula e com assuntos de menor interesse ou que você já sabe. Desejo muitas HBCs e sucesso em seus concursos.

24 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 25
CONCURSOS JURÍDICOS

A JURISPRUDÊNCIA E O DIREITO
À NOMEAÇÃO DO APROVADO EM
CONCURSO PÚBLICO

26 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


Por WANDER GARCIA, advogado, procurador do
município de São Paulo, professor, autor e candidatos à ausência de sua nomeação atendem ao princípio da ade-
coordenador de livros para concursos públicos quada motivação.
Feita essa ressalva, vale anotar outras características desse direito.

N o passado, o aprovado em concurso público tinha apenas o direito


de não ser preterido na ordem de classificação (art. 37, IV, da CF).
Dessa forma, a aprovação no concurso gerava ao candidato mera expec-
A primeira delas diz respeito ao efeito da desistência de outros candida-
tos nomeados no concurso. Por exemplo, alguém aprovado na 919ª
posição, num concurso com 770 vagas previstas no edital, 633 nome-
tativa de direito, cabendo à Administração a análise discricionária da ados e 150 desistências, têm direito de ser nomeado? Segundo o STJ,
conveniência ou não em nomear os candidatos aprovados. a resposta é positiva. Isso porque as desistências devem ser somadas ao
Diante de alguns abusos, os tribunais começaram a reconhecer o direito à total de vagas previsto no edital. No caso (aliás, esse é um caso real –
nomeação em situações em que a admi- STJ, RMS 21.323, DJ 21/6/10), somando-se as 770 vagas do edital
nistração pública, no prazo de validade do com as 150 desistências dos nomeados, a administração pública fica
concurso, externava de alguma maneira obrigada a nomear até o classificado na 920ª posição.
que tinha interesse em nomear novos ser- A segunda característica diz respeito ao efeito da criação de novas vagas
vidores. Um exemplo eram as situações durante do prazo de validade do concurso. Nesse ponto, o STJ não vem
em que se abria novo concurso no prazo reconhecendo o direito à nomeação daqueles que, com as novas vagas,
de validade do concurso anterior ou em estariam classificados no limite da somatória destas com as vagas do
que se nomeava outro servidor para exer- edital (AgRg no RMS 26.947, DJ 2/2/09).
cer as mesmas funções do cargo para o A terceira observação diz respeito ao efeito econômico da não nomeação
qual o candidato fora aprovado. de um aprovado no limite das vagas do edital. Nessa seara, o STJ
Recentemente, o STF e o STJ passaram também não vem reconhecendo o direito à indenização pelo período
entender também que o candidato apro- pretérito à efetiva nomeação, pois entende não ser correto receber retri-
vado em concurso tem direito de ser no- buição sem o efetivo exercício do cargo (AgRg no REsp 615.459/SC,
meado no limite das vagas previstas no DJE 7/12/09). Todavia, quando há preterição na ordem de classificação,
respectivo edital, vez que a Administra- ou seja, quando alguém deixa de ser nomeado em favor de outro que
ção, ao estabelecer o número de vagas no está em pior classificação, o STJ entende devida a indenização, com
edital, vincula-se a essa escolha e cria ex- pagamento de vencimentos retroativos à data da impetração judicial
pectativa junto aos candidatos, impondo- (MS 10.764/DF, DJ 1/10/09).
se as nomeações respectivas, em respeito A quarta observação diz respeito ao momento adequado para o ingresso
aos princípios da boa-fé, razoabilidade, com ação judicial visando à nomeação no limite das vagas do edital.
isonomia e segurança jurídica. Nesse ponto, ainda não há posição específica de nossos tribunais supe-
É bom consignar que o STF até admite riores. Mas há algumas pistas. O STJ entende que há interesse proces-
que a Administração deixe de nomear sual em se promover a ação ainda durante o prazo de validade do
os aprovados no limite das vagas do concurso (RMS 21.323, DJ 21/06/2010), o que permitiria, em nossa
edital se houver ato motivado demons- opinião, o ingresso da ação logo após a homologação do concurso. E o
trando a existência de fato novo que tor- mesmo STJ entende que também há interesse processual em promover
ne inviável a nomeação. Tal ato, toda- a ação após o prazo de validade do concurso. Tratando-se de mandado
via, poderá ser controlado pelo Judici- de segurança, o STJ entende que o prazo decadencial de 120 dias se
ário (RExtr. 227.480, DJ 21/8/09). De inicia da data em que expirar a validade do concurso (AgRg no RMS
qualquer forma, na prática, será muito 21.165/MG, DJ 8/9/08).
difícil que a Administração consiga jus- Em suma, o fato é que o candidato a concursos públicos vem cada vez
tificar a existência de motivo que mais recebendo o apoio da jurisprudência dos tribunais superiores. E
inviabiliza as nomeações, pois somente essa informação é útil não só para resolver questões que pedem o
razões pertinentes, novas, imprevisíveis conhecimento dessas novidades como também para que o candidato
e justificadas antes da impugnação de corra atrás dos seus direitos, caso estes sejam violados.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 27


ENTREVISTA
Qual é a grande característica dos concursos da área da
advocacia pública?
Esses concursos são bem interessantes, pois estão sempre sendo aber-
tos e muitos concurseiros, por falta de informação e também por um
certo preconceito, acabam não prestando tais certames. Portanto, vale
algumas dicas: a) não se impressione com alguns temas estranhos no
edital (ex.: direito marítimo), pois tais temas aparecem em menos de 5%
das questões; b) não desanime se você ler no edital que só há uma, duas
ou três vagas; normalmente, há muito mais, mas colocam-se poucas
vagas para que não haja a obrigatoriedade de nomear imediatamente
para todas as vagas existentes; c) não desanime com o valor do salário
previsto no edital, pois muitas vezes há outras verbas remuneratórias,
como honorários, não discriminadas; d) saiba que as carreiras da advo-
cacia pública, seja na Administração Direta seja na Administração Indi-
reta, incluindo as empresas estatais, são carreiras sérias, em que se
pode fazer um trabalho honesto, interessante e relevante para a socieda-
de; e) estude muito direito processual civil, constitucional, administra-
tivo, tributário, civil e trabalhista; f) ao fazer a prova, tenha em mente
teses defensivas dos interesses da entidade que promove o concurso,
buscando sempre a combatividade, sem ser temerário.

CONCURSEIRO SOLITÁRIO ENTREVISTA WANDER GARCIA, ADVO- Com sua extensa experiência como professor e coordena-
GADO EM SÃO PAULO, PROCURADOR DO MUNICÍPIO DE SÃO PAU- dor em diversos cursos preparatórios para concursos, quais
LO E PROFESSOR. É TAMBÉM AUTOR E ORGANIZADOR DE são pontos principais que um candidato a cargo público
DIVERSOS LIVROS PARA CONCURSOS PÚBLICOS. deve analisar no momento da escolha pela área jurídica?
A área jurídica tem diversas vantagens que devem ser levadas em conta
Qual seria a grande peculiaridade no estudo para concur- pelos candidatos. Confira algumas delas: a) é a área que tem o maior
sos de tribunais atualmente? número de carreiras; b) é a área que tem a melhor média de remunera-
Em primeiro lugar, é bom ressaltar que os concursos de tribunais são os ção; c) é a área que costuma ter o melhor poder de negociação junto à
concursos do momento. Isso porque, nos meses que antecedem as elei- Administração Superior; d) é a área cujas provas tem a menor diversida-
ções, a maior parte dos concursos fica parada, a não ser os concursos de temática, não costumando aparecer, além das matérias jurídicas,
para tribunais e para o Ministério Público. Isso faz com que os concursos disciplinas como matemática, raciocínio lógico e contabilidade. O can-
de tribunais sejam a bola da vez nos próximos meses. Bom, respondendo didato deve levar em conta tais vantagens ao escolher a área jurídica.
à pergunta, eu diria que a maior peculiaridade desse concursos é o fato de
as provas serem feitas basicamente pela FCC ou pela Cespe. Mais de 90% O ano de 2010 promete ser um ano de grandes concursos na
das provas são feitas por essas bancas. E isso faz com que o candidato área jurídica como, por exemplo, o tão aguardado concurso
deva ser especialista nas questões dessas duas bancas, que, apesar de do Ministério Público da União. Como professor, que conse-
fazerem provas benfeitas, costumam repetir com certa frequência as ques- lhos o senhor daria para aqueles concurseiros que estão
tões, o que faz com que o candidato deva conhecer as provas dos concur- estudando há bastante tempo para um tribunal específico,
sos anteriores. Outra peculiaridade é que o número de matérias desses como o TRT ou ter, e pretendem prestar concurso para o MPU
concursos não é grande. Isso permite que os candidatos possam se pre- e outros cargos da área jurídica?
parar melhor, elevando a nota de corte do certame. Nesse sentido, tenho Quem estuda para os tribunais tem mais de meio caminho andado na
duas dicas: resolva as provas anteriores e estude para ir muito bem na preparação para o MPU. As matérias são muito parecidas. O candidato
prova, atentando-se para as questões de direito, que normalmente são deve continuar sua preparação para os Tribunais, pois não pode perder
respondidas com a leitura reiterada das leis citadas no edital. toda a bagagem acumulada e deve reservar tempo para estudar as maté-

28 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


rias específicas do MPU (ou de outros cargos da área jurídica), princi- soas aprendem mais em situações lúdicas e desafiadoras, com pergun-
palmente a legislação que regula o Ministério Público da União. tas e respostas. Portanto, o concurseiro deve adquirir livros que tragam
questões de concursos anteriores, de preferência com questões classi-
Seu livro Como passar em concursos jurídicos traz dicas ficadas por disciplinas e matérias (propiciando organização nos estu-
valiosas sobre como fazer questões objetivas. Sabemos que dos) e com questões comentadas alternativa por alternativa, para que o
nessas questões a ênfase do estudo é diferente. Quais di- concurseiro tenha um feedback.
cas você poderia nos dar para uma boa preparação nesse
tipo de prova? O que fazer quando se passa em um concurso, porém não se
Para ir bem em questões objetivas são necessários os seguintes proce- é empossado imediatamente? Parar de estudar ou continu-
dimentos: a) entender a teoria, por meio de livros ou cursos; b) ler a ar na luta?
letra da lei; e c) treinar pelas provas anteriores. Trata-se de um tripé. Se O concurseiro só deverá parar de estudar quando tomar posse. Enquan-
o candidato só ler a teoria, não conseguirá êxito. Por outro lado, se só to não houver a nomeação e a garantia de que tomará posse, não se deve
ler a lei, também terá dificuldades, pois há temas que demandam maior parar de estudar. A aprovação no concurso deve trazer ânimo para con-
reflexão e treinamento por questões. A dica, então, é equilibrar bem esse tinuar os estudos, e não relaxamento e acomodação. A aprovação é
tripé, reservando tempo para cada um desses estudos. motor de novas ações, de novos estudos. Quem é aprovado num con-
curso costuma relaxar e não estudar mais. Costuma também ficar muito
Qual o maior problema que você vê no concurseiro atual- ansioso com a espera da nomeação, e a ansiedade paralisa as pessoas.
mente, quando do momento da preparação para as provas? E isso é um perigo. Lembre-se que você está fazendo o maior e melhor
Eu diria que há dois grandes problemas. O primeiro é a falta de organi- investimento da sua vida. Nada é mais certo é duradouro que passar
zação, planejamento e método. Não dá para começar a estudar sem ter num bom concurso. Cuidado com as tentações. Cuidado com os desvi-
um método, sem planejar bem tudo o que vai se fazer e sem organizar os. Cuidado com os negócios que vão aparecer. A curto prazo, novos
previamente os materiais a serem utilizados, o tempo de estudo, a divi- negócios podem até ser tentadores. Mas a longo prazo não existe inves-
são de tempo entre cada disciplina, etc. O segundo grande problema é a timento melhor que o concurso público. Repito: não existe investimento
falta de disciplina e de perseverança. De nada adianta planejar bem as melhor que o concurso público. Portanto, estude até passar, ou melhor,
coisas, se, na prática, falta força de vontade, persistência e tenacidade. O estude até ser empossado!
concurseiro que obtém êxito é aquele que consegue estudar diariamente
e cumprir o cronograma e o planejamento previamente feito. O segredo O que é melhor: ler dois, três livros sobre determinado as-
está na regularidade. Nesse sentido, é melhor fazer planos menos ousa- sunto, abordando cada matéria de uma vez, ou compilar
dos, mas factíveis, a fazer planos de estudos muito ousados e que não todas as matérias do edital em uma semana, a fim de que se
poderão ser cumpridos. Resumo da ópera: organize-se e tenha muita possa estudar tudo de uma vez?
disciplina. O melhor é escolher um bom livro e lê-lo várias vezes, num tempo
suficiente para que isso aconteça. Além da leitura do livro, deve-se ler a
Quais as técnicas que existem para auxiliar o concurseiro lei e também treinar as questões de provas anteriores. Agora, se só
na fixação da matéria? houver uma semana para estudar, minha recomendação é só treinar por
Isso é muito relativo e depende de características pessoais de cada questões, pois vai ser o único estudo que aborda todos os assuntos de
concurseiro. Um sistema que funciona bastante é ler, várias vezes, o um concurso, que é possível fazer em uma semana.
mesmo material. Ficar trocando muito de material dificulta a retenção. A
Ciência da Memória indica que, para se ter um excelente nível de reten- Como funciona a rotina de um Procurador de Município?
ção, deve-se, após ter um primeiro contato com a matéria, deve-se Muitos concurseiros, bacharéis em Direito, devem ter curi-
revisá-la até 24 horas depois, em seguida após 7 dias, e de novo após 30 osidade pela carreira.
dias, fazendo-se uma manutenção periódica (a cada 30 dias). Se o O Procurador do Município é o advogado dos Municípios. O cliente
concurseiro ler o mesmo material todas essas vezes, a memorização do procurador é a pessoa jurídica Município. E essa pessoa demanda
aumenta muito. Se o material tiver, também, anotações e grifos, isso atividades contenciosas (conflitos em Juízo) e atividades consultivas
também ajuda na retenção. Por fim, a resolução de questões também (elaboração de pareceres sobre a legalidade de atos praticados ou a
colabora muito na memorização. A Ciência também ensina que as pes- serem praticados pelo Município). Atualmente faço a segunda ativida-

W
WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR
WW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 29
ENTREVISTA
fico. Por outro lado, quem tem
como se manter por um tempo se
ter um trabalho e consegue manter
a chama acesa até a aprovação tam-
bém tem uma condição muito boa
e tende a passar no concursos pú-
blico específico que deseja.

Quais conselhos você dá para


os concurseiros que têm em
mente apenas o cargo de Pro-
curador? Como otimizar os es-
tudos?
Pela ordem, deve-se priorizar as se-
guintes disciplinas, na seguinte or-
dem de importância: Constitucional,
Administrativo, Processo Civil, Tri-
butário, Civil, Empresarial, Traba-
lhista, Ambiental e os demais temas
presentes no edital. Para otimizar
os estudos, a primeira providência
de. Emito parecer sobre questões relacionadas a D. Constitucional. D. é ler a Constituição Federal do início a fim, passando à leitura das
Administrativo, D. Tributário, D. Civil, D. Ambiental e Improbidade demais leis que estão presentes no edital. Deve-se, também, resolver
Administrativa. O procurador não participa muito de audiências. Sua todas as provas de concursos de Procuradorias em geral e fazer
atividade básica mescla momentos de pesquisa, reflexão e elaboração fichamentos dos temas de D. Público, com vistas à preparação para a
de pareceres, com reuniões para discutir os novos projetos da 2ª fase do exame.
Municipalidade.
Por que, em sua opinião, tantos recém-formados em Direito
Você acha que é uma boa estratégia para os bacháreis em acreditam que vão passar de cara em qualquer concurso
Direito prestar inicialmente concursos para cargos de am- público que prestarem e, quando não passam, demoram para
pla concorrência, ou seja, para quem possui curso superior descobrir que precisarão ainda estudar muito, mesmo ma-
em qualquer curso para só então se voltar para cargos ex- térias de direito, a fim de vencer na guerra dos concursos
clusivos para bacharéis em Direito? Por que? públicos?
Isso depende de uma série de fatores, como o econômico, por exem- Bom, a verdade que o estudante médio não consegue passar de cara
plo. Conheço várias pessoas que hoje são juízes, promotores, pro- sequer no Exame da OAB, quanto mais em Concursos Jurídicos, que
curadores, etc, e que foram obrigados, quando estavam para se são bem mais difíceis. A razão disso é que a faculdade não prepara
formar, a fazer concursos de ampla concorrência, como escrevente para esses dois exames. Além disso, o estudante muitas vezes não
judiciário. Todas as pessoas que fizeram isso e mantiveram o foco na conhece as técnicas de estudo e encontra-se bem desatualizado no
preparação para outros concursos acabaram obtendo o êxito. A exis- conhecimento do Direito como um todo. Normalmente, conhece-se
tência de um trabalho remunerado (para pagar as contas...) acabou mais a área em que fez um estágio, mas o conhecimento global do
gerando tranquilidade para estudar com calma para o projeto de Direito quase nenhum egresso da faculdade tem. Para resolver isso
médio prazo que escolheram. O que não se pode fazer é acomodar- é necessário organizar-se para fazer o estudo certo, estudo esse que
se no novo cargo, nem deixar que este comprometa os estudos. depende de teoria (curso ou livro teórico), leitura de lei, atualização
Mais cedo ou mais tarde virá a vontade de mudar e o tempo parado jurisprudencial (informativos do STF, STJ e TST) e treinamento por
pode dificultar o reinício do projeto de passar no concurso especí- questões de exames.

30 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


CONCURSOS JURÍDICOS

A JURISPRUDÊNCIA
E O EXAME PSICOTÉCNICO
Por WANDER GARCIA, advogado, procurador do psicotécnico; b) previsão de exame psicotécnico, mas com mera infor-
município de São Paulo, professor, autor e mação de que este será feito segundo critérios científicos; c) previsão de
coordenador de livros para concursos públicos exame psicotécnico, mas com critérios vagos e subjetivos, ainda que
com descrições longas.

O STF e o STJ firmaram jurisprudência no sentido de que é possível


exigir exame psicotécnico nos concursos públicos, com caráter eli-
minatório, desde que se atenda a três requisitos: a) previsão expressa do
E quanto à recorribilidade
recorribilidade, o edital deve prever, e a Administração deve
respeitar, o seguinte: a) a necessidade de o laudo trazer motivação ade-
quada, especificando de modo claro, congruente, transparente e objeti-
exame em lei formal; b) existência de critérios objetivos, científicos e vo os fundamentos de sua conclusão; b) a necessidade de o laudo ser
pertinentes; c) recorribilidade. Vide, por exemplo, o Resp 1.046.586 (STJ). entregue ao candidato logo em seguida à sua elaboração; c) a necessi-
A previsão expressa em lei formal traz vários desdobramentos. dade de prazo para a interposição de recurso, com oportunidade de
Em primeiro lugar, decretos, resoluções e outros instrumentos apresentação de laudo divergente por outro profissional, contratado
normativos não são suficientes para que se insira no edital a previsão de pelo candidato; d) a necessidade de julgamento do recurso, com apre-
exame psicotécnico, devendo-se tratar de lei em sentido formal (STF, AI ciação específica e motivada sobre os pontos levantados pelo candidato.
529.219 Agr, DJ 26/3/10). Isso porque o art. 37, I, da CF dispõe que Sobre a recorribilidade, vale ler o AI 539.408 AgR, relatado pelo Min.
somente a lei pode estabelecer requisitos para a acessibilidade a cargos, Celso de Melo, do STF.
empregos e funções. Essa disposição deu ensejo à edição da Súmula Vale ressaltar que os tribunais superiores vêm também entendendo que
686 do STF (“Só por lei se pode sujeitar a exame psicotécnico a habili- quando houver violação ao primeiro requisito (previsão expressa em lei
tação de candidato a concurso público”). formal) o candidato estará dispensado de fazer o exame. Já quando houver
Em segundo lugar, a lei deve ser objetiva e específica quanto à exigência violação ao requisito que determina a observância de critérios objetivos e
do citado exame, não sendo suficiente que faça referência a expressões de motivação, é necessário fazer novo exame (STJ, AgRg no Ag 1.291.819,
como “submissão a exame de aptidão física e mental”. Nesse sentido, o DJ 21/6/10), não ficando o candidato dispensado de fazê-lo, nem poden-
STF entende que a previsão contida na CLT (art. 168) não é suficiente do este substituir o exame feito, por outro exame realizado em concurso
para se exigir exame psicotécnico quanto a empregos públicos na Ad- público diverso (Not. STJ de 8/7/10). Quanto aos demais requisitos,
ministração Pública (RExtr 559069, DJ 12/6/09). Da mesma forma, relacionados à previsão editalícia clara, científica e pertinente, entende-
exames psicotécnicos em concursos da Magistratura vêm sendo corre- mos que sua ausência macula a regra do edital correspondente, ficando o
tamente impugnados, pelo fato de o art. 78 da Lei Orgânica da Magistra- candidato dispensado do exame psicotécnico, em atenção aos princípios
tura não ser objetivo quanto à previsão de exame psicotécnico. da proteção da confiança e da segurança jurídica.
Os critérios objetivos, científicos e pertinentes também trazem vários Por fim, caso o candidato prejudicado queira ingressar com o mandado de
desdobramentos. segurança, deverá promovê-lo no prazo de 120 dias, contados da publica-
Os tribunais superiores não entendem pertinente o chamado teste ção do edital, se desejar impugnar as formalidades previstas no edital (STJ,
“profissiográfico” (STJ, RMS 19.338, DJ 15/12/09), pelo qual se tenta RMS 29.776, DJ 19/10/09), ou no prazo de 120 dias do resultado do exame
verificar se o candidato tem perfil psicológico compatível com a profis- psicotécnico, se desejar impugnar aspectos relativos ao exame em si (STJ,
são. De fato, esse tipo de teste tem caráter bastante subjetivo e ofende os AgRg no Resp 1.052.083, DJ 1/6/09). De qualquer maneira, em desejando
princípios da igualdade e da impessoalidade. Uma coisa é verificar se ingressar com ação pelas vias comuns, o prazo para tanto é de cinco anos,
alguém tem alguma patologia incompatível com a profissão desejada. contados do ato impugnado (STJ, Resp 984.946, DJ 29.11.07).
Outra é verificar se alguém atende ao modelo ou perfil psicológico Em suma, vale reafirmar que o candidato vem cada vez mais recebendo
esperado para a profissão. Essa última tentativa é inconstitucional. o apoio da jurisprudência dos tribunais superiores. E essa informação é
Outro desdobramento diz respeito à necessidade de o edital trazer os útil não só para resolver questões que pedem o conhecimento dessas
critérios do exame de modo claro e objetivo. Nesse sentido, as seguintes novidades, como também para que o candidato faça valer seus direitos,
condutas são vedadas: a) simples previsão genérica de exame se estes forem violados.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 31


32 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR
ARTIGO
si, que é a Paixão e a Certeza. Os
dois no final das contas acabam sen-
do também chamados de Valor e
Crença e são eles o seu energético
na construção do ideal de vida.
Eu pergunto a você hoje: quais são
os motivos que te levam a querer
uma carreira pública? Se suas ra-
zões se limitam somente a você, é
bom começar a expandir o leque. O
que quero dizer com isso? Não tem
força para levantar um carro? Eu já
levantei. E peso não mais que 55 kg
e tenho em torno de 1,62 m de altu-
ra! Usei uma alavanca de madeira
para tirar o carro de um amigo meu
da lama. E vocês devem saber o quan-
to pesa um Ford Escort SW. Então,
se você não tem força para se tirar
da lama, use uma alavanca.

O VIAGRA CEREBRAL
Por ERICK GERHARD,
Comece a se fazer perguntas podero-
sas que vão arrancar do seu peito
sentimentos fortes. “Como minha vida será se eu não passar?” Isso talvez
coaching executivo e especialista em você já tenha se perguntado. Mas aposto que não se perguntou “O que
Programação Neurolinguistica (PNL) será do serviço público sem a minha presença?”. E comece a assistir a
reportagens que falam sobre como é ruim o serviço público no Brasil e

T odas as vezes que me encontro com um cliente para fazer um


processo de coaching com ele, sempre lanço um desafio, o famoso
“custe o que custar”. A pessoa chega sempre descrente, diz que já tentou
como os cidadãos são mal atendidos e sofrem com o descaso do governo.
Forte isso, não? Como você vai se sentir gerando cada vez mais indigna-
ção? Há duas possibilidades: ou você vai dizer “chega, não quero trabalhar
de tudo, que todas as possibilidades já foram testadas e que ele tem nisso”, ou “eu posso fazer a diferença para essas pessoas”! E o seu cérebro
certeza de que não dá mais. De que não há saída. vai assumir como verdade aquilo que você escolher e te dar o ânimo
Certeza é uma coisa muito boa, mas não tenho tanta certeza. Por outro lado, necessário para aquilo em que você se focar.
ela te cega quanto às múltiplas possibilidades que você simplesmente pode Mas não foque somente o negativo, imagine o bem acontecendo. Faça as
não estar vendo. Por outro, quando todo mundo achava loucura investir duas coisas ao mesmo tempo. Para isso temos o padrão Dickens. Já leu
num país pobre que seria em breve assolado pela guerra, um homem Canção de Natal, de Charles Dickens? Tem um filme de animação da
chamado John Templeton investiu uma quantia mísera em ações de compa- Disney baseado nessa obra chamado Os fantasmas de Scrooge. Mas como
nhias japonesas e ficou milionário no curto período de quatro anos. Ele o padrão Dickens funciona? Simples. Você vai pegar esse desânimo, ou
tinha certeza de que teria sucesso. Certeza pode ser um fator muito estimu- mau hábito, ou vícios, qualquer coisa que você faça no seu dia a dia e que
lante nesse caso. Mas como saber se a minha certeza é um recurso poderoso te atrapalhe de chegar lá, e se imaginar com esse mesmo hábito sem
de favorecimento ou adversidade? A resposta é Modelagem e Teste. mudar nos próximos cinco anos. Como vai estar sua vida daqui a cinco
Se você for investigar com cautela, vai notar que muitas pessoas bem- anos? Agora ande mais um pouco no tempo. Daqui a dez anos? Vai ter
sucedidas não tem um certo nível de escolaridade, e aquelas que tem e alcançado suas metas? Como estarão as pessoas que te conhecem? O que
são muito bem-sucedidas não são diferentes uma das outras. Elas têm elas acharão de você? E sua saúde como estará? Agora dê um salto para
algo chamado empreendedorismo. Há cursos sobre isso. Mas nenhum daqui a 20 anos. Como é a sensação de ter completado a vida depois de 35
curso aí fora pode te dar algo que você tem de nutrir primeiro dentro de anos passados? O que você conseguiu cumprir?

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 33


ARTIGO
Feito isso, quero que você se levante e sacuda o corpo o máximo que anfetamínicos. Alguns médicos prescrevem o tal do Stavigile que por
puder. Se estiver na rua pode fazer isso também. Ninguém vai perceber. enquanto não tem contraindicações, mas, como é uma droga nova, eles
E se alguém achar estranho ótimo, você vai quebrar o estado da pessoa pedem muita cautela já que não sabem quais seriam os resultados a
e ela vai achar graça, melhorando o dia dela também. Dê um largo longo prazo. A primeira pergunta é: consultou o seu médico? Duvido!
sorriso, estique os braços para o alto, dê uma boa e gostosa espreguiçada. Porque provavelmente ele diria para você regular a sua alimentação com
Ótimo! Agora a segunda parte. uma dieta que mantivesse o seu cérebro muito mais ativo do que com o
O processo é o mesmo. Você vai agora trazer à mente o futuro, mas uso de drogas, iria te pedir para que fizesse natação para que a sua
desta vez você mudou tanto o sentimento quanto o pensamento, hábi- atividade respiratória fosse mais ampla e compassada, pediria para você
tos principalmente, mas ajuda também se você tiver outra perspectiva descansar algumas poucas horinhas só para dar uma “refrescada” na
em relação a sua meta, como a contribuição que você pode dar ao cachola, né?
mundo com a sua presença naquele cargo. Pense numa mudança que Mas por que você não faz isso? Por causa da concorrência cada vez mais
vai acabar com hábitos antigos que te atrasam no processo de alcan- acirrada e certamente porque sua vida é atribulada demais para se dedi-
çar as suas metas e como isso trará um resultado fantástico dentro de car a tantas coisas ou simplesmente por falta de dinheiro mesmo, já que
todos esses anos. Fez? Como se sentiu? Aposto que muito mais mo- muitos concurseiros trabalham para comer. Mas, meus caros
tivado do que antes, não é? concurseiros, todo o esforço não vale uma noite maldormida. Principal-
Por que estou falando de tudo isso se o título do artigo pouco tem a ver mente porque precisamos do sono REM, sem o qual a longo prazo
com o assunto abordado até agora? Porque em estado de estresse, por nossa saúde começa a ficar mais frágil. Vou explicar.
exemplo, o hipotálamo, que é uma peça importante do nosso cérebro, Imagine que você é um general e está levando seus soldados à
libera uma substância chamada CRH (hormônio liberador de guerra. Eles lá enfrentarão outros soldados. A viagem é longa e
corticotrofina), que libera o ACTH (hormônio adrenocorticotrófico) da vocês precisam de muito preparo e estratégia para enfrentar um
hipósife. Quando o ACTH cai no sangue e chega aos rins, a glândula inimigo tão poderoso. Responda: você entupiria os seus soldados
adrenal libera no sangue o cortisol, uma substância reagente ao estresse de remédios para que eles ficassem acordados para treinar durante
e à ansiedade. O cortisol é um hormônio corticoesteroide responsável a noite toda ou organizaria estrategicamente o seu tempo para que
pelo aumento de pressão arterial, aumento de açúcar no sangue e pela eles dormissem e se alimentassem bem a fim de fazer uma boa
supressão do sistema imunológico, além de causar dores musculares campanha de guerra? Agora, imagine que esses soldados não são
por tensões localizadas pois todos esses hormônios disparam o sistema pessoas, mas os seus neurônios! E que o inimigo é exatamente a
de alerta e luta-fuga do ser humano. Se você fica gripado com muita prova que você precisa derrotar. Pense bem, se os seus neurônios
frequência, veja se não está ansioso. são soldados, seus hormônios são as armas deles. Você precisa
Agora, como evitar a ansiedade? Bom, como já foi falado, a ansiedade estar em perfeita sintonia com as suas emoções e a sua fisiologia
é resultado de um estresse, o medo de que alguma vai acontecer ou a para que, na hora do grito de guerra, o seu neurônio pegue numa
insegurança de algo que está por vir. De qualquer modo tem sempre a espada e não num travesseiro.
ver com um cara preocupado com o futuro. Se você está no futuro, Não se esqueça de algo óbvio por assustador: os remédios que você
volte para cá e continue lendo estas linhas! Mas e depois que terminar toma não tem 100 anos de idade, e qualquer neurologista concordará
este texto, o que você pode fazer para dar continuidade a uma vida comigo que todas as substâncias que o corpo humano produz são
saudável e feliz? muito mais potentes e eficazes que qualquer hormônio sintético. O
A resposta é: foco no presente! Respiração adequada (pare algumas detalhe pequenininho é que a “patente” dos nossos hormônios naturais
vezes durante o dia para exercitar a respiração, ouça o seu batimento não tem 100, mas 3 milhões de anos ou mais.
cardíaco, foque o seu corpo), atividades físicas e fazer as tarefas uma de
cada vez ajudam no processo. Não comece uma coisa e pare no cami-
BIBLIOGRAFIA
nho, coloque um fim nas coisas que você começa, isso ajuda muito no
controle da ansiedade. Se a atividade que você tem de fazer é muito Mark F. Bear; Barry W. Connors e Michael A. Paradiso (coord.). Neurociências:
desvendando o sistema nervoso. Trad. Jorge Alberto Quillfeldt. 2 ed. Porto Ale-
grande, parta para algo menor, ou divida em pequenas partes. gre: Artmed, 2002.
Por outro lado, mesmo controlando a ansiedade, vem o tal do sono.
Anthony Robbins. Desperte seu gigante interior. Trad. Haroldo Netto, Pinheiro de
Bom, eu sei de muitos concurseiros que tomam remédios para se Lemos. 18 ed. Rio de Janeiro: Best Seller, 2009.

manter acordados ou para aumentar a memória, fazendo uso de

34 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 35
ARTIGO

tendo força de vontade, eu poderia


conseguir tudo o que quisesse. Curi-
oso como determinados acontecimen-
tos moldam a nossa personalidade e a
nossa visão de mundo, não é? Nesse
diapasão, passei no vestibular, passei
no mestrado e, ao fim e ao cabo, con-
segui ser convocada em três concur-
sos públicos. Guardadas as devidas
proporções, posso dizer que, quando
tive real e sincera vontade de ter ou
fazer alguma coisa, consegui. Namo-
ro, viagens, estudo, trabalho... sem
querer fazer autoajuda barata, tenham
certeza de que tudo depende, SIM, de
nós mesmos.
No mundo dos concursos, a força de

ESSA TAL FORÇA vontade é fundamental – aliada à dis-


ciplina e ao equilíbrio, claro. É por isso
que, sempre que escuto a frase “estu-

DE VONTADE do 12 horas por dia” como estandarte


do bom concurseiro, sinto arrepios. Façamos as contas: 24h - 12h
de estudo - 8h de sono = 4h para fazer todas as refeições, praticar
uma atividade física e ter um momento de lazer. Traduzindo para o
Por FLAVIA CRESPO, universo dos regimes para emagrecer, seria como fazer as radicais
empossada como Agente de Fiscalização da ANTT dietas da sopa, das frutas ou da proteína. Um método alimentar ou
e concurseira
de estudo em que estão ausentes parte dos elementos necessários
à vida saudável jamais trará bons resultados a longo prazo. Da

E u nunca fui magra. Explicando melhor, digamos que nunca fui a


gordinha da turma, mas sempre fui grandona, nada mignon.
Quando cheguei à adolescência e sua ebulição hormonal, a coisa ficou
mesma forma, não adianta deixar a força de vontade de lado e
justificar o fracasso com desculpas como falta de tempo ou dinhei-
ro. Quer emagrecer sem dispensar aquele brigadeiro depois do
mais séria: aos 17 anos, pesava incríveis 75 quilos! A autoestima tinha almoço? Quer passar em concurso cedendo à tentação da Sessão
ido pro vinagre... até que, como diz Rita Lee, “um belo dia resolvi da Tarde na TV? Desculpe, mas não se pode ter tudo.
mudar”. Com a ajuda da minha mãe, achei um bom endocrinologista,
que controlou minha tireoide e propôs uma reeducação alimentar. RESUMO DA ÓPERA
Como resultado da mudança radical de hábitos, mandei 10 quilos pro Desde que entrei em exercício no meu primeiro cargo público, ganhei
espaço em apenas um mês. Empolgada, comecei a malhar. Resultado? quase uma dezena de quilinhos indesejáveis e não estudei nem um
Em dois meses, sem cometer nenhuma loucura, pesava 15 quilos a minuto sequer para a carreira dos meus sonhos. Era a minha pausa
menos. Havia remodelado meu corpo, comprado um monte de roupas dramática, tão necessária quanto terapêutica, digamos assim. Agora
novas e me sentia melhor do que nunca. estou me preparando para retomar as rédeas dos meus sonhos... e
A maior herança de todo esse processo é que ele me provou que, chegar ao peso e ao cargo ideal!

36 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 37
ARTIGO

MÉTODOS DE
MEMORIZAÇÃO PARA
CONCURSO PÚBLICO
Por ENALDO FONTENELE, concurseiro, articulista
do Concurseiro Solitário e coordenador de diversos mas à medida que minhas notas nas provas foram melhorando, fui me
grupos de estudos para concursos públicos apaixonando pelas técnicas e fiquei tão entusiasmado que hoje até já
desenvolvi outros métodos.

E u errava muitas questões nas provas porque ficava tentando decorar


artigos, incisos, parágrafos e na hora de responder acabava esque-
cendo tudo. Comecei a pesquisar sobre formas eficientes de aprender,
Ao contrário do que muita gente pensa, para ter uma boa memória, uma
memória eficiente, não é preciso ser um gênio ou superdotado, basta
treinar muito, ter disciplina e ser uma pessoa positiva.
sem usar as velhas técnicas decorebas e acabei encontrando esse mara- Existem métodos de memorização para tudo que se queira memorizar
vilho mundo dos métodos de memorização. (cartas de baralhos, livros, revistas, lista de compras, nomes, números).
No início fui vendo mais por curiosidade mesmo. Depois de muito No nosso caso, que é o estudo para concurso público, podemos aplicar,
prática, acabei tomando gosto e realmente tive um ganho significativo, entre outros, os seguintes métodos:
tanto no estudo como na minha saúde, pois tinha dificuldade para me
lembrar de coisas simples e, principalmente, falta de disciplina e moti- FLASH CARD OU CARTÕES DE MEMÓRIA
vação para o estudo. Este método de memorização é muito simples e ao mesmo tempo muito
Os métodos de memorização dependem de muita organização, discipli- eficaz para revisão e memorização. Para criar seus próprios Flash Cards,
na e sobretudo de muita prática. Juro que no início eu quase desisti, utilize uma folha de papel A4 comum ou cartolina e faça recortes no

38 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


tamanho 9x6cm (iguais a cartões de visitas). Quando iniciar o estudo vá
• Dentista
colocando na frente dos cartões as perguntas sobre o assunto que
• Fazer revisões
queira memorizar/revisar e no verso escreva as respostas. O ideal é usar
• Consertar a TV
canetas e lápis coloridos, desenhos, palavras-chave, para inserir as
• Resolver questões de provas
informações, pois quanto mais resumidos e criativos forem os textos,
• Atividade física
mais o cérebro terá interesse e consequentemente o assunto ficará mais
• Pagar contas
bem sedimentado na memória. No caso do estudo específico para um • Estudar Direito Administrativo
único concurso público, não separe os cartões por matéria, deixe todos • Consulta médica
juntos à medida que vai estudando, isso faz com que todas as matérias • Fazer o supermercado
sejam revisadas alternadamente em curtos espaços de tempo.
Tudo isto ficaria mais bem organizado assim:
Algumas vantagens dos Flash Cards:
Casa Estudo
1. Podem ser usados em qualquer lugar (filas, intervalos das aulas, sala de • Consertar a TV • Estudar Direito Administrativo
espera, dentro do ônibus ou metrô), pois são pequenos e práticos e • Fazer o supermercado • Resolver questões de provas
ainda servem como um passatempo útil e agradável nas horas vagas. • Pagar contas • Fazer revisões

2. Podem ser usados para o aprendizado de qualquer tipo de matéria Saúde


(Direito, Português, Matemática, Informática, Inglês), basta criar o • Consulta médica
hábito de estudar criando os cartões. • Dentista
• Atividade Física
3. Não precisa saber desenhar, basta fazer alguns sinais substituindo
palavras, palavras-chave substituindo frases inteiras e abreviaturas. Mas se esse mesmo concurseiro tão ocupado descobrisse que existe um
método muito mais legal chamado “mapas mentais”, ele jamais se es-
Exemplos: queceria de todas essas tarefas, pois seu mapa mental ficaria assim:
(Direito, Leis, Justiça)
O PR env. ao CN (Presidente da República enviou ao Congresso Nacional)

Exemplos práticos de Flash Cards:

MAPAS MENTAIS
Todo concurseiro vive ocupado e na maioria das vezes não tem tempo Assim como o Flash Card, é possível fazer mapas mentais de qualquer
para organizar suas tarefas diárias, vive criando listas e mais listas para coisa que se deseje lembrar. Um exemplo bem prático seria o mapa mental
tentar se organizar. Exemplo: dos princípios fundamentais que regem a administração pública:

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 39


ARTIGO
MUDE A ROTINA
Tome banho de olhos fechados, escove os dentes com a outra mão,
mude um pouco sua rotina (o cérebro odeia rotina). Circuitos sensori-
ais e motores normalmente pouco utilizados serão ativados.

CONCENTRAÇÃO NOS ESTUDOS


Na hora de estudar, não tente aprender tudo ao mesmo tempo. Concen-
tre-se em um tema e faça um resumo das atividades antes de se dedicar
à outra matéria. Evite estudar 15 minutos de Direito Administrativo e 30
Esse método dos mapas mentais é ótimo, principalmente para o estudo minutos de Português, por exemplo. Para as decorebas, como os prin-
de Direito, mas pode ser aplicado a qualquer matéria. Recomendo (ape- cípios da Administração, frases associativas ajudam.
sar de ter muito sites vendendo mapas mentais) que você mesmo faça os
LEITURA EFICIENTE
seus. A sua capacidade de memorização será maior se você criar seus
Quando o texto que você precisa ler na escola ou no trabalho parecer
próprios mapas mentais, manualmente ou através de programas como
desinteressante, algumas estratégias podem ajudar. Faça uma lista de
o Word, Paint Writer e o Draw (ambos do BrOffice). Não importa se os
perguntas, cujas respostas quer encontrar no texto. Preste muita aten-
mapas ficarem toscos, o nosso cérebro adora essa confusão de
ção às frases que resumem a ideia central de cada parágrafo. Descubra
proporcionalidade e esquisitice juntas.
a coerência dos argumentos. Por último, tente desenhar um mapa men-
tal com as ideias principais do texto. Isso ajuda a organizar o raciocínio.
MEMORIZAÇÃO EM ÁUDIO
Outro sistema que eu uso muito é ouvir gravações de aulas e leis. É TENTE RELAXAR
ótimo para a memorização (principalmente de Direito) e também muito O nervosismo e a ansiedade são os maiores causadores dos famosos
prático. No último concurso que prestei, viajei dez horas ouvindo o brancos. Antes de iniciar os estudos pratique alguns exercícios de me-
regimento interno do tribunal para o qual iria prestar o concurso. O ditação, ouvindo música clássica. Respire devagar e profundamente
resultado foi que eu acertei todas as questões. pelas narinas, tentando sentir o ar entrando e saindo dos seus pulmões.
No primeiro momento parece ser uma perda de tempo, mas depois de
ouvir várias vezes o mesmo áudio, é incrível como ele começa a se fixar QUEBRA-CABEÇA MENTAL
na memória como se fosse uma música. Antes de dormir, procure relembrar tudo o que aconteceu durante seu
Este método tem a vantagem de poder ser usado em qualquer lugar (na dia, reconstituindo cenas, diálogos, os alimentos que você comeu, em
fila do banco, no deslocamento para o trabalho, na caminhada), basta detalhes e na ordem em que ocorreram. Com o passar do tempo, você
ter um gravador (aparelho de MP3 ou MP4 ou celular com estes dispo- conseguirá se lembrar de tudo com mais facilidade.
sitivos). Uma boa dica é gravar as aulas dos professores nos preparató-
ATIVIDADE FÍSICA É ESSENCIAL
rios e transcrever os pontos importantes ou gravar os textos de leis e
Faça caminhada 3 vezes por semana, em média uma hora, ou atividades
outros com a sua própria voz. O resultado é fascinante.
físicas intercaladas entre academia e caminhada ou corrida nas ruas.
Claro que estas técnicas não se aprendem da noite para o dia (na
Andar, correr ou pedalar numa trilha ou calçada abre a mente para
memorização, não existem truques de mágicas). Você precisa ter muita
experiências multissensoriais com o imprevisto de cada esquina e para
disciplina e determinação (praticar muito). Como eu disse, existem
quem passa muito tempo estudando é uma carga extra de gás e ânimo.
muitos métodos de memorização, você tem que encontrar aquele que
melhor se adapta à sua condição de estudo. Não crie expectativas de RESUMO DA ÓPERA
resultados rápidos. O estudo é lento, mas o resultado vai valer a pena e Muitos concurseiros estudam somente lendo, outros resolvendo ques-
será para toda a vida. tões de provas anteriores ou fazendo simulados, mas poucos utilizam
Desenvolva outros métodos você mesmo e somente assim conseguirá métodos eficientes de estudo, porque acham uma grande perda de tem-
ter sucesso, tanto na vida de concurseiro como em qualquer outra área po ficar montando mapas mentais, flash cards, resumos. Muitos até
(amor, amizade, profissão). desdenham quem é adepto desses métodos de memorização. E é isso
Além dos métodos de memorização, é necessário ter alguns cuidados exatamente que faz toda a diferença entre ser rapidamente aprovado ou
para manter a memória sempre ativa e aumentar a agilidade cerebral. passar vários anos lamentando não ter conseguido uma aprovação por
Veja algumas dicas importantes: não ser um grande gênio ou um superdotado.

40 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


ARTIGO

UM MERCADO
CHAMADO CONCURSO

Por JERRY LIMA,


um Concurseiro Concursado Profissional.
É notável o crescimento e a importância com que tem sido tratado o
assunto “concurso público”. Impossível negar que a cada dia mais
pessoas têm aderido às tentativas de se conseguir um cargo público,
que além de salários mais justos em relação à função desempenhada
detém o atrativo da estabilidade.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 41


ARTIGO
Ocorre que conforme a popularidade dos certames aumenta, inversa- próprio indivíduo responsável pela correção das provas é tamanha e
mente a qualidade com que são tratados os exames decai reiteradamente. referida situação tem sido enfrentada de maneira omissa e
Não se nega que, de acordo com as notícias veiculadas pela mídia, as inconsequente pelos responsáveis.
investigações visando desmantelar verdadeiros cartéis criminosos de Olvida-se, neste particular, dos princípios constitucionais os quais re-
manipulação dos concursos públicos têm acontecido em quantidade gem toda a atuação da Administração Pública: legalidade,
considerável. Todavia, ainda há muito que mudar neste mundo que, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. Infelizmente, é
além de trazer a aprovação e a convocação tão desejadas, pode também recorrente a lesão a tais máximas do direito magno, sendo necessário se
ser um canal ilícito para arrecadações sem fins. socorrer, por diversas vezes, do Poder Judiciário.
Limita-se a discorrer sobre a variedade de contratempos causados prin- Releva-se anotar, além disso, que a Administração Pública tem enfren-
cipalmente por (des)organizadoras as quais são responsáveis tanto pe- tado tais questões utilizando o argumento simples de que os julgadores
los procedimentos previstos nos editais quanto pelas realizações das não podem adentrar no mérito das decisões administrativas, pautando-
fases, provas, locações de lugares e tantas outras situações que existem se no exame estrito da legalidade.
no decorrer dos concursos. Esquecem-se os administradores, mais uma vez, que o ato discricioná-
Entretanto, em vez de se observar melhoras quanto aos certames pú- rio é ladeado pela OPORTUNIDADE E CONVENIÊNCIA da Administração
blicos, denota-se uma piora cada vez mais acentuada, principalmente e não em ARBÍTRIO, caracterizando-se abuso de poder. Ademais, não é
no que pertine a provas malfeitas, recursos que nem sequer são fun- porque há uma grande liberdade em se agir que o Estado não atuará nos
damentados quando indeferidos, assuntos os quais não figuram nos limites da proporcionalidade e da razoabilidade. Fugir disso é tornar o
conteúdos programáticos, entre uma infinidade de problemas encon- ato administrativo plenamente ILEGAL.
trados pelos candidatos. Por fim, cabe anotar que por várias vezes há questões idênticas em
E por que isso acontece? Há vários motivos. Elenca-se alguns: provas de Estados diferentes. Tal atitude é repudiável, pois resta eviden-
te a simples cópia e colocação de questões iguais as já apostas em outra
1) Em virtude da abertura de concursos a todo o momento, várias prova. Ora, o concurso público existe para justamente analisar o conhe-
empresas, tanto as reconhecidamente idôneas quanto as iniciantes, cimento daquele que faz a prova. Se caso ocorra tal situação como será
têm ante si um mercado muito promissor, em que a origem do possível examinar de forma segura se o candidato conhece a matéria ou
capital é o erário. E é notório que nunca haverá, por parte do Estado, simplesmente teve a sorte de participar de outra prova na qual caíra
inadimplência referente aos recursos utilizados; indagação análoga?
2) Essa oportunidade tem feito com que empresas se inscrevam nas Não é raro ocorrer, da mesma forma, que instituições, tanto antigas
licitações, conseguindo a adjudicação do contrato sem contudo quanto novas, cobrem conhecimentos sobre tal ou qual assunto em que
não ter o mínimo de estrutura para a concretização de um concur- o entendimento do próprio órgão não é pacífico. Execrável, da mesma
so público, situação esta vista e revista no dia a dia, citando por forma, a exigência concernente a entendimentos jurisprudenciais em
exemplo um caso em Mato Grosso, onde não houve nenhum tipo que ainda se discute sobre aquele tema jurídico, não havendo nenhuma
de logística para abrigar todos os candidatos havendo, da mesma pacificação sobre o caso em tela. Sem dúvida, tais acontecimentos são
forma, atraso na entrega das provas (notícia veiculada no site passíveis de anulação, se não de forma administrativa, sem dúvida pela
http://www.vilhenahoje.com.br/newsview.php?key=13532); via judicial.
3) Não há lisura nem transparência na condução do concurso. Não se
sabe a razão de um determinado recurso ter sido indeferido, ques- RESUMO DA ÓPERA
tões evidentemente inconsistentes e ilógicas são mantidas sem a É inegável que o crescimento, a publicização e a facilitação em se obter
menor seriedade e sem demonstrar fundamentação séria, etc. material para o estudo dos concursos públicos trouxeram modificações
relevantes a esse universo concursídico; consequentemente, empresas
Outrossim, um fato que tem causado dor de cabeça em muitos can- idôneas e inidôneas cresceram os olhos neste filão, visando muito mais
didatos é o correspondente a inúmeros certames não mencionarem enriquecer às custas de candidatos de boa-fé do que prestar um serviço
os membros da Banca Examinadora, como fazem as instituições público. Cabe ao candidato, caso se depare com alguma das situações
mais sérias. Isso dificulta, pois muitas vezes não é possível sequer retro transcritas, buscar os instrumentos cabíveis para corrigir as injus-
aferir se o Presidente e os Membros detêm conhecimentos afetos tiças que existiram, existem e existirão no mundo dos certames públi-
àqueles cargos. A ausência e a publicidade sobre o currículo e o cos. Boa sorte!

42 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 43
ARTIGO

POR QUE NÃO EXISTE


ALMOÇO GRÁTIS
Por PAULA OLIVEIRA,
concurseira por vocação E que preços são esses?
Quando utilizamos o termo – preço, não podemos correr o risco de
imaginar que trato apenas de taxas de inscrição, estadia em cidades de

Q uando Robert A. Heinlein escreveu a frase “There is no such a


thing as a free lunch” – Não existe almoço grátis (em tradução
livre), no romance ficcional com título original “The moon is a harsch
realização das provas, custos com transporte e com materiais de boa
qualidade, além das mensalidades de cursinhos e aulas virtuais.
Não obstante igualmente se configurarem como custos a ser investidos
mistress” (publicado pela primeira vez em 1969), talvez não tivesse a em nosso projeto de aprovação, nossa decisão por sermos concurseiros
dimensão de que sua frase seria popularizada por Milton Friedman, sérios envolve muito mais do que isso. Envolve atitude. Envolve com-
renomado cientista econômico e ganhador do Nobel de Economia de prometimento com os resultados.
1976, muito menos que seria encartada na seara de preparação para Pagamos nosso almoço quando nos preocupamos em conferir qualidade
concursos públicos. ao nosso estudo, em vez de nos preocuparmos exclusivamente com a quan-
Se do ponto de vista econômico, e grosso modo, tal frase signifique que tidade de horas estudadas. Escolhemos devidamente quando nos decidi-
não é possível angariar rendimentos ou recursos sem qualquer tipo de mos por renunciar, temporariamente, a momentos de diversão excessivos
contraprestação, pessoal ou de terceiros (daí o fato de que sempre o seu para estudar horas e horas a fio. Quando enfrentamos o cansaço e o sono
almoço grátis gera custo para alguém, quase que invariavelmente, de- após um longo dia de trabalho, e abrimos mão de nosso período de férias
pendendo da oferta e demanda), em relação aos concursos públicos é para nos dedicar um pouco mais. Ir um pouco mais além. Melhorar.
imperioso que se reconheça o mesmo. Se todas as decisões excludentes de nossa vida se baseiam no conceito
Para ser aprovado, independente da área, grau de escolaridade exigido de prioridade, então é importante sabermos dar ao concurso público o
pelo certame ou rendimentos, é imprescindível que se saiba que existirá devido papel em nossa vida, evitando escolhas equivocadas no ínterim
um preço a ser pago e que, quase sempre, não é barato. O aspecto bom da execução do projeto, e visando, com determinação suficiente, os
dessa empreitada acadêmica é que a escolha pelo pagamento ou não resultados perseguidos.
dos custos desse projeto é exclusivamente de seu executor, e essa liber- Ora, apenas assim – aceitando a quantificação do investimento e exclu-
dade de autodeterminação é o que fortalece seus empenhos. indo de nossa rotina decisões que não favorecerão, em nada, a
Ainda em relação à frase que citei acima, a problematização do almoço concretização de nossos planos, é que pagaremos, a contento, nosso
grátis nos leva ao conceito de trade-offs ou escolhas excludentes. Ou almoço e perseguiremos concretamente nosso sonho de ser aprovados
seja, se, a todo momento, precisamos realizar escolhas, e se essas em um concurso público.
implicam, necessariamente, a exclusão das opções anteriores e em cus- Não espere, sob hipótese alguma, que sua refeição seja custeada por
tos para a realização daquilo que se decidiu, também essa realidade outro alguém que não você mesmo, salvo se o preparar dos alimentos
pode ser aplicada aos concursos públicos. (ou, alegoricamente, o preparar-se para as provas) seja um investimen-
Estudar em busca da nossa aprovação é um projeto de médio/longo to possibilitado por sua família. De qualquer forma, aproveite as vanta-
prazo. Necessita de empenhos fervorosos, dedicação, disciplina e per- gens e oportunidades, ou as crie você mesmo, sendo o mais absoluto
sistência. Todos nós sabemos disso. Mas será que estamos realmente responsável pelas ocorrências futuras em sua vida.
dispostos a aplicar trade-offs em nossa vida e realmente pagar o preço Pague. Escolha.
por nossa aprovação? Não vai ficar aí, parado, com fome, vai?

44 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 45
OPINIÃO

BANCAS DE CONCURSO E SEUS


MOVIMENTOS FRIAMENTE
CALCULADOS

Por RAQUEL MONTEIRO,


uma legítima concurseira carioca

46 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


E m alguns artigos do blog, discutimos sobre como são escolhidas
as bancas quando se realiza licitação. Demonstramos o que aconte-
ce no caso de dispensa. Abordamos, também, como acontece a divulga-
Por que o procedimento descrito não pode ser realizado antes da prova?
Começo a suspeitar que tudo que envolve a burocracia do “durante a
prova” deve ser mecanismo que influencia a eliminação de candidato.
ção das informações na Imprensa Oficial. O artigo foi motivo de inspira- Afinal, os concurseiros de hoje estão cada vez melhores tecnicamente.
ção para alguns portais de concursos, os quais o usaram como gancho As pessoas estão estudando muito. Por isso, eliminar as massas deve
para suas matérias. ser muito complicado pelos meios tradicionais, ou seja, através da alta
Hoje, seguindo a mesma temática, falamos de algumas estratégias usa- complexidade das provas. Além disso, lançar mão desses métodos re-
das pelas bancas de concursos para selecionar os candidatos às vagas presenta menor trabalho para as bancas. São menos provas para avaliar,
ou à formação de cadastro de reserva. Já lhes advirto que todos os tipos menos gente para fiscalizar. Reduz o trabalho operacional e o custo do
de contratempo provavelmente são previstos e calculados para ser um mesmo.
fator de eliminação prévia. Desconfio muito do acaso, leitores. Contudo, Algumas bancas não permitem que o candidato leve o caderno de
aviso-lhes que este artigo reflete apenas minha opinião. prova para casa, tampouco o publicam posteriormente na internet.
Recentemente, muitos concurseiros ficaram indignados com um con- Há casos de não permissão de vista da redação ou não abertura de
curso de uma banca muito tradicional. A razão do aborrecimento foi a prazo para a correção. Outras cobram pelo recurso de cada questão,
organizadora escolher os locais de prova mais complicados para acesso exigindo a interposição presencial no local da organizadora. Tudo
dos candidatos. Com isso, o prejuízo foi não só dos residentes naque- isso inibe os mecanismos de impugnação e, por conseguinte, o
la cidade, mas também daqueles que residem em outras cidades do exercício da cidadania. E, como eu suspeito, deve ajudar a eliminar
Estado em questão e, até mesmo, de quem reside em outro Estado e muitos candidatos!
pretendia se mudar. Será que existe um estudo interno de como essas medidas impactam
Tudo bem que isso pode indicar poucos inscritos e, por isso, não nas abstenções dos candidatos em dia de prova ou na desistência de
justificar a descentralização dos locais para realização do concurso. prosseguir nos processos seletivos? Acredito que seja possível. Depen-
Contudo, a insatisfação dos concurseiros foi por conta do local pouco dendo do universo de pagantes das inscrições, as organizadoras podem
central e extremamente distante dos grandes centros. Segundo relata- fazer uso de todas ou de apenas algumas dessas técnicas perante os
vam os candidatos nos fóruns de discussões, parece que a organizadora candidatos.
queria eliminar candidatos sem precisar fazer muito esforço na alocação Já pararam para pensar que os dados das pesquisas educacionais
deles. Bem, não há certeza sobre isso, mas ficamos com uma sensação podem ser usados tanto para a inclusão quanto para a exclusão dos
de grande desconforto diante desses fatos. candidatos? Afinal, saber o que provoca exclusão social é positivo
Outro fator que desestabiliza os candidatos é a demora na definição do para chegar às soluções dos problemas de educação, mas pode tam-
local de prova. Muitas bancas demoram para informar o local ou, até bém resultar em meios para eliminar concorrentes em concursos. É
mesmo, divulgam-no em cima da hora. Com isso, os candidatos do mais do que sabido que os obstáculos mostram-se como grandes
referido processo seletivo ficaram muito estressados porque esta defini- fatores influenciadores na aquisição de educação formal. Quem não
ção foi publicada 5 dias depois do previsto e apenas 4 dias antes da nos garante que as bancas organizadoras não lancem mão desses
prova. Assim, muitos não puderam planejar com calma a chegada ao dados para coordenar certames?
local, comprar passagens e reservar hospedagem. E no dia da prova, O sistema de avaliação dessas bancas, na minha opinião, parece nada
como era de se prever, houve um grande índice de abstenções. inocente. Tudo deve ser muito pensado, como seus representantes e
Com todos esses fatos, passei a refletir sobre a condição dos muitos professores de cursos preparatórios gostam de afirmar. Afinal,
concurseiros perante as bancas. Como as organizadoras são mais muitas delas mantêm núcleos de pesquisas na área de educação. Pen-
poderosas, podem lançar mão de diversos métodos de avaliação e sem bem, concurseiros...
eliminação que vão além das provas difíceis. Desta forma, especulo
que romper com o equilíbrio emocional dos candidatos passaria a ser RESUMO DA ÓPERA
uma das etapas do concurso. Seguindo o mesmo raciocínio, o fato de Antes de afirmar que uma organizadora de concurso público é desorga-
os fiscais deixarem para coletar a digital somente durante o tempo de nizada, devemos procurar ser críticos. As bancas são bem estruturadas,
realização da prova – o que atrapalha – pode ser um mecanismo mas podem estar se valendo de mecanismos de seleção/funil bem sofis-
dificultador para os candidatos! Quando perguntados sobre tal práti- ticados. Desse modo, sobrariam apenas os candidatos que consegui-
ca, os fiscais alegam que faz parte do regulamento do concurso. Será rem passar ilesos por todas essas intempéries. Portanto, as bancas
que existe um treinamento para isso? Possivelmente! parecem saber bem o que estão fazendo.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 47


48 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR
ARTIGO

AH! FALA SÉRIO...


Por TIAGO GOMES, pessoas desesperadas querendo tirar o atraso de meses em dias.
servidor do Ministério da Saúde e concurseiro Dá? Não!
Assim como não dá pra viver só de estudar. A rotina cansa, estressa e

O tal do concurseiro é mesmo cabeça-dura. Todos os livros sobre


preparação para concursos listam uma série de erros que o candi-
dato comete durante esse período. Todos os professores e especialistas
gera ansiedade. O concurseiro tem que ter vida além dos estudos. Um
pouco de lazer e atividade física não faz mal a ninguém. Até os hamsters
que vivem engaiolados tem uma rodinha para brincar e se exercitar. Por
falam a mesma coisa. Sites, revistas, blogs, pessoas que chegaram lá, que você tem que viver sentado olhando para um livro 24 horas por dia?
todos repetem. E o concurseiro? Bom, ele capta a informação e erra tudo Esse é um dos maiores erros cometidos por concursandos. Todo mun-
de novo, outra vez. do fala, mas a teimosia fala mais alto, infelizmente.
Um bom exemplo disso é o tal do planejamento de estudos ou a falta Erros não faltam. Dava para escrever uma revista inteira com eles. Aliás,
dele. Pergunto: você construiria uma casa sem uma planta, nem que talvez você já tenha ouvido, visto ou lido isso em algum lugar, a todo o
seja rabiscada por você? Você compraria 10 mil tijolos pra construir momento alguém repete esses e outros tantos. Provavelmente você até
uma casinha de cachorro com 4 m²? Se você não é nenhum louco ou esteja cometendo algum deles agora. Mas tudo pode ser diferente não?
mestre da engenharia e respondeu não, então me responda: como estu- Se todo mundo fala que é errado, talvez realmente seja errado. Deixe de
dar para um concurso sem nem saber o que vai estudar? É impossível. ser cabeça-dura e mude logo, o tempo voa e as oportunidades passam.
Eu já fui assim um dia, chegava à biblioteca e ficava olhando para aquela Aposto que já escutou isso também, mas é a verdade.
monte de material sem saber que fazer. Se eu mudei, porque você tam-
bém não pode mudar? RESUMO DA ÓPERA
Outro bom exemplo que vem dessa falta de planejamento é o tal do Pense numa pessoa teimosa. Eis o concurseiro. É impressionante a sua
tempo. Tem gente que acha que sempre vai dar tempo. O indivíduo facilidade em absorver conteúdos, assim como sua capacidade de come-
coloca tudo na frente dos estudos. Vive tranquilo. Na cabeça dele a ter sempre os mesmos erros, por mais que saiba o que é certo. É por isso
matéria toda pode ser vista em uma semana, dois dias até. A menos que tem gente que estuda por muito tempo e não sabe por que os resulta-
que você seja superdotado, receba alguma iluminação divina, nas- dos não aparecem. Se parar e observar, vai ver que faz um monte de coisa
ceu virado para a lua ou tenha comprado o gabarito, as chances de errada. Se você leu até aqui e se identificou: ACORDA! Se continuar a
dar certo são ínfimas. O que a gente vê, na maioria dos casos, são cometer os mesmos erros, os resultados serão os mesmos.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 49


50 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR
ARTIGO

DE SARGENTO
A MAGISTRADO
Por JORGE LUIZ,
Juiz Auditor Substituto da Justiça Militar da União fui promovido a 3º sargento, tendo sido lotado no 1º Comando Aéreo
Regional, em Belém/PA. Lá iniciei meus estudos de Direito, passando
nos vestibulares para a UFPA e o antigo CESEP. Optei por me matricular
1. INTRODUÇÃO AO TEMA no CESEP, pois seu curso de Direito era bem recomendado e as aulas
Minha história de concurseiro é, até certo ponto, bastante humilde. poderiam ser concentradas à noite, não atrapalhando o trabalho. Por
Quando ainda adolescente, obtive sucesso em diversos concursos na força de uma futura transferência, conclui meus estudos de Direito na
área militar. Com 15 anos fui aprovado nos concursos para a Escola UFRJ, no Rio de Janeiro/RJ, em 1991.
Preparatória de Cadetes do Ar e para o Colégio Naval, fruto de um No entanto, continuei minha vida profissional sem maiores ambições,
excelente preparo realizado no tradicional Curso Tamandaré. Infeliz- sonhando que algum dia a FAB criasse um quadro de Oficiais de Direito.
mente, fui reprovado nos exames médicos, por problemas oftalmológicos. Isso realmente ocorreu, mas o quadro criado era de Oficiais Temporári-
Não desisti e em 1982 fui aprovado no concurso para a Escola de os, o que inviabilizava minha participação no certame, posto que não
Especialistas de Aeronáutica. Em 1984, com 18 anos, conclui o curso e abandonaria minha carreira em troca de alguns anos no oficialato. Esse

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 51


ARTIGO
fato gerou uma profunda decepção, uma vez que gostava muito da FAB o meu concurso. Não voltei a fazer outros concursos, até que em 2005
e não pretendia de lá sair. No entanto, um antigo chefe (até hoje amigo), foram abertas as inscrições para o concurso de Juiz-Auditor Substituto
conversou comigo e foi enfático: “Acho que você precisa buscar outros da Justiça Militar da União, com três vagas. Ao mesmo tempo, o Minis-
caminhos... Isto aqui é muito pouco para você”. Algum tempo depois tério Público Militar também abriu inscrição para o concurso de promo-
realizei a inscrição para o concurso da Escola de Administração do tor, com seis vagas. Inscrevi-me nos dois. No MPM, novamente fiquei
Exército, na especialidade Direito. A aprovação foi confirmada em janei- na 2ª fase. Mas, para Juiz-Auditor, a história seria outra.
ro de 1995. Ingressei na EsAEx em abril daquele ano e me formei em
novembro, tendo sido lotado na Assessoria Jurídica da 1ª Região Mili- 2. O CONCURSO
tar. Ali começou o meu amadurecimento para o Direito. Já havia feito Após ser aprovado na 1ª fase do concurso, realizei a 2ª fase em duas
uma pós-graduação em Docência Superior. Comecei a investir, conclu- etapas (sábado e domingo). No Rio de Janeiro, cerca de 50 candidatos
indo uma pós-graduação em Direito Penal e Processual Penal. se espremiam em uma única e calorenta sala do Colégio Militar. Como
Paralelamente, minha vida acadêmica estava decolando. Em 1996, ini- sempre, diversos candidatos, antes e depois das provas, comentavam
ciei como professor do Curso CPREM, dedicado ao preparo para as teorias mirabolantes e institutos desconhecidos até mesmo dos grandes
provas da EsAEx. Lecionei em diversos outros cursinhos preparatórios, juristas. Sabiam tudo e a impressão que eu tinha era de ser um analfa-
inicialmente Direito Administrativo e Direito Constitucional. Em 2000 beto jurídico. Vai aí uma dica: antes e depois das provas, afastem-se dos
encaminhei meu currículo à Universidade de Nova Iguaçu. Após ser comentários. Até hoje ainda não vi um único candidato que propale
selecionado, fui submetido a uma prova de didática em sala de aula, seus conhecimentos nos corredores ser nomeado para o cargo que
sendo aprovado e integrado ao corpo docente da UNIG, como professor disputava.
de Direito Penal e Direito Processual Penal. Já em 2001 fui convidado As provas foram desgastantes e, ao final, só queria retornar à minha
para lecionar na Universidade Estácio de Sá, após me destacar na pós- rotina e descansar um pouco. Os resultados demoraram bastante. Mas,
graduação em Direito Penal e Processual Penal realizada naquela insti- em um dia de novembro de 2005, quando cumpria à noite meu horário
tuição. Paralelamente, logrei aprovação no concurso para o mestrado de coordenação na universidade, acessei o site do STM e vi o resultado
em Direito Público e Evolução Social, em 3º lugar. Em meados de 2001, da 2ª fase. Sem muita ansiedade fui visualizando nome por nome até me
passei a ser professor exclusivo da Universidade Estácio de Sá, tendo deparar com o meu próprio. A felicidade foi extrema, tendo eu a com-
exercido também a função de Coordenador de Atividades Complemen- partilhado com meus alunos e amigos da universidade e, logo depois,
tares do Campus Penha. Conclui o mestrado em 2004, lançando alguns com minha família. Foram 27 aprovados, e eu figurava como 21º. Mas,
meses depois o livro Assédio moral no ambiente de trabalho, que foi mesmo sendo remota minha possibilidade de entrar nas três vagas
bastante reconhecido no mercado. oferecidas, fiquei feliz.
A atividade acadêmica me realizava, muito embora o trabalho no quartel Dois meses depois, embarquei para Brasília, onde as provas orais seri-
não completasse essa realização profissional. Na universidade, colegas am realizadas. Fui com a franca disposição de me postar diante da banca
juízes e promotores me incitavam a prestar os mesmos concursos. No como se estivesse sendo arguido por meus alunos. Somente desta
entanto, a realização profissional como professor era tamanha que eu forma teria alguma chance de melhorar minha posição no concurso. Em
não desejava alterar o curso dos meus projetos. Até porque em 1999 13 de fevereiro de 2006, compareci ao STM pela manhã, conhecendo os
havia prestado concurso para promotor do Ministério Público Militar. demais aprovados. Todos estavam animados. As regras foram repassa-
Após aprovação na 1ª fase, enfrentei quatro etapas de provas escritas. das e foi iniciada a 1ª etapa: Direito Constitucional e Direitos Humanos.
Passei com destaque em três etapas. No entanto, na etapa de Direito Minha prova foi marcada para a parte da tarde, razão pela qual resolvi
Processual Penal Militar e LOJM cometi um erro fatal. A prova era acompanhar as provas da manhã. Mais uma dica: acompanhe uma ou
composta por uma questão para dissertação aprofundada, valendo 4 duas provas, somente para se familiarizar com a dinâmica. É terrível
pontos, e outras diversas questões, valendo pontuação baixa, comple- ficar imaginando se a pergunta X ou Y fosse feita a você e como seria seu
tando os 10 pontos. A temática proposta para a dissertação era “Medi- desempenho. Foque somente em você e esqueça os outros candidatos.
das acautelatórias no Processo Penal Militar”. Como era uma temática Fiz uma boa prova. A banca, composta por quatro pessoas, ficava sen-
que eu dominava, fiquei empolgado e dediquei amplo tempo da prova tada em uma mesa à minha frente. O candidato ficava em uma mesa
ao seu desenvolvimento. Resultado: não tive tempo suficiente para ter- pequena, com microfone. Chamado o candidato, ele se dirigia até a
minar a prova. Nota 3 na dissertação e nota 1,3 no restante da prova. mesa da banca e rodava um globo, sorteando um número que
Total: 4,3. Reprovado, pois a média exigida era 5. Para mim, aquele era correspondia ao ponto que seria arguido. Após, o candidato era condu-

52 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


zido até outra sala, onde tinha 30 minutos para organizar suas ideias. futuro 1º colocado naquele certame. Ele me convenceu continuar. No dia
Desnecessário dizer que ninguém conseguia organizar nada nesse tem- seguinte seria iniciada a etapa de Direito Penal Militar e Direito Humanitá-
po. No retorno, o Presidente da banca sempre questionava se estávamos rio, mas minha arguição estava marcada para 4ª feira. Porém, durante o
preparados. Após o necessário “sim”, começava a rajada de perguntas. café da manhã, recebi uma ligação da Comissão do Concurso, que infor-
O nervosismo é normal e era visto nos olhos de todos os candidatos. No mava que minha prova havia sido remarcada para às 19h daquele dia. Sem
entanto, quando me sentava diante da banca, imaginava cada um dos ter o que fazer, resolvi relaxar e fui até o shopping.
examinadores como se fossem meus alunos. Respondi a todas as per- Cheguei ao STM junto com a noite. Pensava que teria que fazer bonito,
guntas com firmeza. No entanto, recordo-me que um dos examinadores pois não teria como justificar aos meus alunos uma reprovação em maté-
me questionou o seguinte: “Como se explica os Ministros do STM, ria correlata a que lecionava. Sorteei, lembro-me bem, o ponto 4, dotado
oriundos das Forças Armadas, adentrarem ao Poder Judiciário e per- de certa complexidade. Dispensei a meia hora para organizar as ideias e
manecerem, ao mesmo tempo, em um quadro especial de suas respec- minha arguição foi iniciada. O examinador principal, que era o represen-
tivas Forças Armadas, ainda vinculados ao Executivo?”. Pergunta com tante da OAB, começou as perguntas. Fui respondendo com profundidade
possibilidades altamente subjetivas. Procurei organizar uma resposta e a cada momento aumentava minha sensação de que estava diante de
lógica, pautada até mesmo na chamada “concretude da norma constitu- meus alunos, ficando mais a vontade com a situação. A arguição foi
cional”. Bem, ao final da etapa, um membro de apoio do concurso vinha profunda e respondi com propriedade todos os questionamentos, desde a
até o corredor e afixava o resultado. Para mim, nota 7,5. Nota mediana, natureza da Obediência Hierárquica no Direito Penal Militar até questões
para minhas pretensões. afetas à Convenção Americana dos Direitos Humanos. No dia seguinte o
Naquele momento pressenti que não conseguiria reverter minha coloca- resultado foi afixado, com a maior nota destinada a mim: 9,6. No entanto,
ção. Tive vontade de retornar ao Rio de Janeiro naquela mesma noite, de a alegria não foi completa, pois três colegas foram reprovados e elimina-
abraçar minha esposa e meus filhos e seguir minha vida. Confidenciei dos. A reprovação de alguém, neste contexto, poderia até ser motivo de
isso a um colega de concurso, o Alexandre, hoje meu grande amigo e alegria, pois eram menos três concorrentes; mas não foi.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 53


ARTIGO
No dia seguinte, o restante dos candidatos já estava cansado e abalado Deixo aqui, para todos aqueles que sonham com a realização profissio-
com as reprovações do dia anterior. 3ª etapa: Direito Processual Penal nal, através da aprovação em concurso público, meu exemplo e algumas
Militar e Lei de Organização Judiciária. Mesma postura de minha par- dicas, simples e despretensiosas:
te, mesmo nervosismo e mesma tranquilidade diante da banca. Ponto
6 para mim. Comunicação Processual, Interrogatório, Confissão, Ofen- 1) Não conduza sua vida tendo como vetor os concursos. Participe de
dido, Provimento dos cargos, Remoção, posse e exercício, Da anti- todos que interessarem, estude, mas tenha em mente que a aprova-
guidade, férias, licenças e aposentadoria. Era o “meu” ponto. Na parte ção será o resultado do acúmulo de conhecimentos, que muitas
de Processo Penal, relembrei o esquema de minhas aulas sobre os vezes é fornecido a partir do dia a dia de seu trabalho com o Direito.
temas e, a cada indagação, desenvolvia ao máximo a temática. Na parte 2) Tenha fé em Deus e acredite que algo maior está planejado para
da LOJM, havia estudado bem o ponto e estava seguro nas respostas. você. Conduza sempre seu objetivo com amor e fé. Jamais paute
Resultado: 9,6. seus objetivos na vingança (“vou passar no concurso e me vingar de
Sábado, dia 18, meu desempenho já me dava esperança de ficar com meus chefes, colegas, etc”). Isto não conduzirá você a lugar algum,
uma das três vagas. Até porque, ainda haveria a prova de títulos, mesmo que esteja bem preparado.
sendo que eu possuía excelente possibilidade de pontuação. Mas, 3) Na prova oral, coloque-se diante da banca na condição de candida-
para isso, teria que manter o nível na última etapa: Direito Administra- to. Não seja arrogante, mas não seja humilde em demasia. Respon-
tivo e Leis e Normas das Forças Armadas. Estava inseguro, pois há da às indagações com firmeza, traje-se a contento e mostre que você
algum tempo não estudava Direito Administrativo. Temia que o ponto entende da temática, ainda que não entenda bem certos tópicos.
sorteado fosse afeto aos Serviços Públicos. Se assim fosse, seria 4) Não economize com os bons livros. Muitas vezes um bom livro
muito complicado para mim. Torcia pelo ponto 1, que se referia ao custa mais que dez livros medíocres, mas também te prepara dez
Histórico do Direito Administrativo e aos Princípios Vetores. Comecei vezes mais. Afaste-se das apostilas, pois geralmente são elaboradas
a rodar o globo e, quase que em voz alta, pedi a Deus o ponto 1. com retalhos de livros e não fornecem os ensinamentos aprofundados
Quando a bolinha caiu, não deu outra: ponto 1. Dispensei os 30 exigidos nos concursos de ponta.
minutos para reflexão. Primeira pergunta: “Trace um perfil da evolu- 5) Não sacrifique sua vida pessoal e sua família em razão da busca de
ção do Direito Administrativo, citando, inclusive, as primeiras obras e um sonho. Você terá mais chances de aprovação se souber dosar
os principais doutrinadores”. Isso só é encontrado, com riqueza de lazer, descanso, estudo e trabalho.
detalhes, no livro do Hely Lopes. Mas, na noite anterior, sem conse- 6) Não desista no primeiro revés. Foque em um objetivo e persiga-o,
guir dormir, abri a referida obra, e para descontrair fiz uma leitura mesmo se cair algumas vezes.
exatamente daquele tema. Assim, desenvolvi com precisão a resposta. 7) Não valorize extremamente a carreira que sonha conquistar. Toda
Do restante das perguntas, confesso, não me recordo, mas foram carreira pública tem seu glamour e seu lado imperfeito. Se compre-
pautadas na aplicação prática dos Princípios, além das perguntas ender essa realidade, não vai se decepcionar quando lograr êxito no
relacionadas às normas militares, que não apresentaram maiores difi- concurso e iniciar a carreira.
culdades para mim. Nota 9,5. Cumpri meu papel. De 21º colocado, saí
da prova oral em 5º lugar. Com a prova de títulos, na qual me desta- Boa sorte a todos. O destino de cada um já está escrito nas estrelas,
quei, terminei o concurso em 2º lugar. basta agora concretizá-lo.

3. CONCLUSÃO
Em 13 de novembro de 2006, no plenário do STM, tomei posse no Jorge Luiz de Oliveira da Silva

cargo de Juiz-Auditor Substituto da Justiça Militar da União, tendo sido Juiz-Auditor Substituto da Justiça Militar

lotado na 2ª Auditoria da 3ª CJM, com sede em Bagé/RS e jurisdição da União; mestre em Direito Público e

sobre a fronteira oeste do Estado. Nasci e fui criado, até os 9 anos de Evolução Social, pós-graduado em

idade, no Morro do Fubá, no Rio de Janeiro/RJ. Com muito orgulho Direito Penal e Processual Penal; pós-

lembro-me de minhas origens. Minha vitória profissional é a prova que, graduado em Docência Superior;

apesar de todos os problemas sociais existentes no Brasil, ainda vive- professor de Criminologia e Direito

mos num país de oportunidades. O estudo é, sem dúvida, o melhor Processual Penal

caminho para a vitória.

54 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 55
ARTIGO

ASPECTOS GERAIS DOS


CONCURSOS MILITARES
Por CLEBER OLYMPIO,
advogado, radialista e, atualmente, um concurseiro
que não será vítima dos detalhes.

56 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


INTRODUÇÃO
Pode parecer estranho escrever sobre um tipo particular de concurso, sujeito nos seus quadros, seja com um posto de oficial ou uma gradu-
no caso o da área militar. Explicamos, então. Assim como a carreira ação, destinada às chamadas praças, como por exemplo o caso dos
militar é algo à parte, com suas peculiaridades, o concurso militar sargentos. Ou seja, o concurso de admissão é apenas a primeira etapa
também o é. Dotadas de bancas examinadoras com estrutura e para a efetivação do profissional; importante, porém não a mais impor-
metodologia igualmente peculiares, as provas para a área possuem um tante. Não adianta nada passar pelo certame, submeter-se a todas as
diferencial que merece ser – bem – analisado por quem deseja ingres- exigências, chegar no curso de formação e não obter o resultado alme-
sar numa carreira diferenciada, com brilho e dificuldades à parte. jado. É preciso investimento e, sobretudo, dedicação daquele que pre-
Os exames militares possuem uma orientação em comum, qual seja o tende ingressar, de fato, na Força militar.
ingresso numa instituição militar de ensino, mantida pela Força – Ar- Conforme o cargo a que o candidato concorre, ele cumprirá todas as
mada ou Auxiliar – a fim de promover o preparo e posterior emprego do exigências a ele pertinentes, sobretudo a conclusão do curso de forma-
ção ou mesmo do estágio de adaptação, com aproveitamento, o que
dependerá de uma série de conceitos e fatores, cuja análise aprofundada
não é o objetivo deste artigo. Uma vez concluído o curso ou estágio, ele
será incluído no posto ou graduação pertinente ao seu plano de carreira,
fazendo assim parte do corpo de tropa para o qual se preparou.
Voltando, então, ao começo de tudo: como funciona um concurso mili-
tar? Passaremos à análise, a mais abrangente possível, uma vez que são
muito diversificados os segmentos dentro de cada Força, Armada ou
Auxiliar, e para cada um deles há uma prova específica. Eles, entretanto,
seguem uma metodologia que, conforme buscaremos trazer de modo
objetivo, repete-se em boa parte dos certames.
Ressaltamos aqui a análise específica das carreiras de situação perma-
nente, não a temporária, na qual se exige, em grande maioria dos casos,
análise curricular, inspeção de saúde e exame de aptidão física de modo
mais simplificado que o concurso regular.

PRELIMINARES: EDITAL DE ABERTURA E INSCRIÇÕES


Os concursos militares possuem uma extensa regulamentação compos-
ta, naturalmente, por um edital. Nem é preciso dizer que sua leitura de
modo completo é fundamental. Nele se determinam aspectos que, em
muitos casos, não se repetem nos concursos de ingresso a qualquer
outra carreira. Citamos alguns, como exemplo:

• Determinação de gênero. Salvo algumas exceções, como in-


gresso de candidatos que já contam com ensino superior ou para a
formação de cadetes aviadores da Força Aérea Brasileira, ou ainda
de oficial da Polícia Militar, o chamado “segmento feminino” fica
excluído. Isso quer dizer que as mulheres não podem se inscrever,
sob qualquer pretexto. A carreira militar, em geral, é masculina
quanto ao gênero, seguindo diretrizes históricas e também referen-
tes ao preparo de tropa, capacidade física, entre outras. Não há
qualquer discriminação, apenas uma orientação seguida pela dou-
trina militar brasileira, aspecto que já se encontra su-perado em
outras forças pelo mundo, como a estadunidense.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 57


ARTIGO
• Determinação de idade, tanto mínima quanto máxima. derado bem difícil, detalhista, trabalhoso, o candidato ainda tem pelo menos
Embora a idade mínima não seja novidade, pois em muitos casos o duas outras fases para cumprir, todas com aproveitamento completo.
concurseiro precisa ter 18 anos completos para concorrer a uma Um dos grandes diferenciais do exame intelectual nos concursos mi-
vaga, os editais de concursos militares costumam inserir os limites litares é a objetividade das questões. Não, não apenas falamos de
mínimos e máximos para o candidato, geralmente referentes ao ano questões objetivas, de múltipla escolha: o questionamento numa pro-
de matrícula no curso de formação ou estágio de adaptação. Embo- va de concurso militar é bastante centrado no conteúdo programático,
ra haja decisões recentes de Tribunais, como a que rompeu com o inclusive com bibliografia de apoio dada pela banca, sem fugir da
limite máximo de idade para o ingresso no curso de formação de famosa ordem “dê o que se pede”. Não há espaço para o desenvolvi-
oficiais aviadores, intendentes e infantes da Força Aérea Brasileira, mento de situações-problema; a prova cobra o que é dado na teoria, às
a justificativa se encontra tanto na faixa etária que se pretende for- claras, sem se preocupar tanto com o raciocínio sobre o conhecimen-
mar, com todas as suas peculiaridades físicas e cognitivas, quanto to. Com isso, prejudica-se um pouco o candidato mais analítico e
para atender a determinações específicas do Estatuto dos Militares favorece-se aquele com mais habilidade na memorização de fórmulas,
(Lei nº 6.880/80), que regula a profissão militar. nomes, datas e fatos.
• Determinação física. Geralmente os concursos militares decli- A grande extensão do conteúdo programático acaba sendo um grande
nam a estatura mínima – e às vezes a máxima – para o ingresso, problema para os candidatos, uma vez que eles têm de se esmerar em
também com relação a peculiaridades físicas do indivíduo que se esgotar o edital, estudar pormenorizadamente cada ponto, memorizar
quer selecionado. Interessados portadores de tatuagens que sejam os conceitos-chave e, sem prejuízo da verdade, torcer para que o
ofensivas, de apologia ao crime e à intolerância sequer podem se ponto estudado realmente seja pedido. Embora haja matérias mais
inscrever no exame. Outros aspectos físicos serão analisados quan- recorrentes, é muito difícil prever o que, de fato, vai cair no exame.
do falarmos da inspeção de saúde. Quando há questões discursivas, a ordem é clareza e objetividade nas
• Determinação moral. Para candidatos que provêm do meio respostas. Se foi perguntado “A”, responda-se “A”, no máximo “B”, sem
militar antes do concurso de admissão, há a exigência de se apre- enrolar. Os conceitos são aferidos pelo número de “gaivotas” – “tiques”,
sentar autorização do comandante imediato, dando aval e recomen- espécie de sinal gráfico que faz lembrar essa ave – obtidas pelo candida-
dando o candidato à prestação da prova. Isso também ocorre no to ao discorrer sobre o tema.
caso de o candidato ser militar e prestar qualquer outro concurso, Assim como em concursos não militares, a pontuação em geral
mesmo que de natureza não militar. considera os centésimos de aproximação, para diferenciar os candi-
• Determinação financeira. O candidato é avisado que, se deixar datos em sua classificação. O candidato passa, então, a uma das
a carreira após cinco anos de conclusão do curso de formação ou seguintes fases:
do estágio de adaptação, pode ser sujeito ao pagamento de indeni-
zação aos cofres públicos, na qualidade de compensação financeira • Aprovado e classificado dentro do número de vagas previsto
pelo preparo a que foi submetido. Essa disposição se encontra em edital;
respaldada no Estatuto dos Militares, art. 116, caput. • Aprovado, não classificado e incluído na majoração,
isto é, fora do número de vagas oferecido, mas dentro de uma
Como em qualquer outro concurso, não se pode deixar de atentar a classificação que o permita passar pelos exames seguintes e ocupar
esses pormenores. O edital costuma se referir, também, à situação do a classificação de eventuais desistentes; e
candidato após o curso de formação ou estágio de adaptação bem como • Aprovado, não classificado e não incluído na majoração,
às situações inerentes à profissão militar, como necessidade de movi- ou seja, reprovado totalmente no exame de admissão.
mentação, realizar tarefas que não correspondam, necessariamente, à
formação do candidato, e o permanente risco de vida envolvido na Tanto os da primeira quanto os da segunda situação são convocados a
atividade, todos esses aspectos intrínsecos à carreira. prosseguir no processo seletivo, participando das demais fases, que a
seguir comentamos.
PRIMEIRA FASE: EXAME INTELECTUAL
O exame intelectual é uma das peneiras a que o candidato se submete e 1
Concurso de 164 vagas: cai limite de idade. JC Concursos. Disponível no hipertexto
costuma ser uma das mais difíceis; não é a única trabalhosa, todavia, conforme <http://jcconcursos.uol.com.br/Concursos/Noticiario/justica-decisao-concurso-
aeronautica-2010-27914>. Acesso em 2/7/10.
veremos adiante. Embora o nível que se exige no exame nesta fase seja consi-

58 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR


SEGUNDA FASE: INSPEÇÃO DE SAÚDE odicamente avaliado quanto ao seu desempenho e tem de cumprir de-
O candidato a um concurso militar precisa dispor de perfeitas condições de terminados estágios, cursos e atividades, a fim de obter sua conclusão
saúde, analisadas segundo parâmetros previamente estipulados pelas Jun- de curso com aproveitamento. Esse tempo varia de alguns meses a
tas de Inspeção de Saúde de cada Força. Os exames são detalhados e, em vários anos, dependendo da natureza do curso de formação ou do está-
alguns casos, superam os 15 a serem exigidos de um único candidato. gio de adaptação.
Detalhe é mencionar que, aquilo que é válido numa Força pode não o ser Esta fase costuma ser outra grande peneira, especialmente para candi-
em outra. Assim, por exemplo, candidatos com um mínimo de miopia datos que nunca tiveram contato com o meio militar e não conseguem
podem ser reprovados na Força Aérea, mas serem admitidos no Exérci- se submeter plenamente às exigências do curso ou do estágio. Duro é
to. Os conceitos são variáveis, conforme as necessidades da formação constatar que muitos ingressam na instituição motivados por razões
do militar, e em geral se referem aos sentidos, à estrutura física, à bem diversas da realidade da vida militar, como status, prestígio soci-
capacidade odontológica, cardiovascular e ortopédica do candidato. al, atendimento de expectativas de terceiros, livramentos na parte fi-
Presença de piercings ou mesmo de cicatrizes, de acordo com a posição nanceira ou até mesmo porque “vestir farda e participar de formaturas
no corpo, pode ser considerada incapacidade física. é muito lindo”. Caso não consigam se adaptar, mesmo com tantos
Ao final da análise dos exames clínicos e de saúde – todos custeados estímulos, causam prejuízos a si e ao Estado, que neles investiu para
pelo próprio candidato e que devem ser entregues no prazo estipulado algo fundamental, que é a segurança e a preservação das nossas ins-
em edital – a Junta emite o conceito de aprovação ou reprovação. Cabe tituições de natureza democrática.
recurso, se houver reprovação. Ao final desta fase costuma ocorrer uma formatura de diplomação,
entrega de certificados e dos respectivos símbolos de posto ou gradua-
TERCEIRA FASE: EXAME DE APTIDÃO FÍSICA ção obtidos, com muito esforço, pelo militar uma vez incorporado.
Um aspecto em nada valorizado na imensa maioria dos concursos não
militares é justamente o aspecto físico. Para o militar, entretanto, é um CONCLUSÃO
dever demonstrar que tem capacidade para estar em condições de res- Em linhas bastante gerais, procuramos esboçar como é um concurso de
ponder a estímulos e demonstrar vigor físico de modo pronto, consis- admissão às instituições militares. Munidos de informações obtidas na
tente. Isso é aferido pelo exame de aptidão física, composto por algumas teoria por fontes confiáveis e, de modo peculiar, na prática – uma vez
modalidades esportivas. que o autor deste artigo é concurseiro militar há certo tempo –, o
Os exames compreendidos em geral são os mesmos, com poucas objetivo foi de esclarecer dúvidas acerca de como é ingressar nas Forças
variações. Exige-se suficiência no teste de corrida de 12 minutos e Armadas – Marinha, Exército e Aeronáutica – ou Auxiliares, caso da
determinado número de repetições de flexão de braço, barra fixa, Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.
abdominal supra e natação. Esses exames comprovam se o militar terá Uma carreira peculiar merece um concurso de igual natureza. A especi-
aptidão para cumprir a necessária pista de pentatlo militar (PPM), alização da carreira é necessária para o cumprimento de suas finalida-
obrigatória para o militar combatente, e os periódicos Testes de Apti- des, e de fato o exame deve ser apropriado, a fim de selecionar os mais
dão Física (TAF), que medem o nível físico do militar durante a carrei- capacitados. Com efeito, ser militar é para quem pode, não necessaria-
ra e são importantes até para mantê-lo na vida ativa ou para compor mente para quem deseja. É necessário muito investimento no preparo,
seu conceito, para fins de promoção. superação de limites de todas as naturezas, paciência e perseverança. O
Por isso, o candidato deve malhar e cumprir as exigências físicas caso candidato a um concurso militar por vezes torna-se tão militar na disci-
queira de fato ingressar numa instituição militar. Muitos são reprovados plina diária de estudos que é como se ele fizesse um estágio prévio de
nessa fase, justamente porque “queimaram a pestana” durante o exame adaptação à vida na caserna.
intelectual e se esqueceram do físico. É necessário que haja um acompa- Todo concurseiro sério procura se educar para o objetivo final. Todo
nhamento de profissional, especialmente no treino de corrida, para concurseiro sério, aspirante a uma carreira militar, deve se esmerar
prevenir lesões que venham a incapacitar o candidato a prestar o exame, para alcançar sua meta, exigindo de si algo que até para outros tipos
na fase exigida. de exames não seria necessário. É viver praticando em sua rotina
valores e deveres éticos da vida militar, como a abnegação, a camara-
QUARTA FASE: CURSO DE FORMAÇÃO / ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO dagem, a moderação em suas necessidades. E, com boa dedicação
Colocamos aqui uma quarta fase, pois, ao ser aprovado, o candidato imposta pelo sentimento de dever, pode-se construir uma carreira
passa obrigatoriamente por uma adaptação à rotina militar, sendo peri- sólida e gratificante.

WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 59


60 DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR
WWW.CONCURSEIROSOLITARIO.COM.BR DEZEMBRO 2010 - REVISTA Nº 2 61