Você está na página 1de 27

TÉCNICAS DE INVESTIMENTO PARA O MERCADO DE AÇÕES

TÉCNICAS DE INVESTIMENTO PARA O MERCADO DE AÇÕES

2 a Edição

Marcelo C. Piazza

TÉCNICAS DE INVESTIMENTO PARA O MERCADO DE AÇÕES 2 a Edição Marcelo C. Piazza
TÉCNICAS DE INVESTIMENTO PARA O MERCADO DE AÇÕES 2 a Edição Marcelo C. Piazza

Copyright © 2008 by Marcelo C. Piazza. Copyright © 2008 e 2009 by Editora Novo Conceito.

2 a Edição – Março de 2009 Todos os direitos reservados.

Editora: Bete Abreu Assistentes Editoriais: Marília Mendes e Luana Guedes Produção Gráfica: Equipe Novo Conceito Revisão de Texto: Josias Andrade e Bruno Conde Editoração e Diagramação: Triall Capa: Diego Guerra

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Piazza, Marcelo C. Técnicas de investimento para o mercado de ações / Marcelo C. Piazza. – 2. ed. – São Paulo : Novo Conceito Editora, 2009.

Bibliografia. ISBN 978-85-99560-63-1

1. Ações (Finanças) 2. Bolsa de valores 3. Investimentos 4. Mercado de capitais I. Título.

09-01736

CDD-332.63228

Índice para catálogo sistemático:

1. Ações e Bolsa de Valores : Investimentos :

Economia financeira

332.63228

2. Bolsa de Valores : Ações : Investimentos :

Economia financeira 332.63228
Economia financeira
332.63228
: Ações : Investimentos : Economia financeira 332.63228 Rua Dr. Hugo Fortes, 1885 Pq. Ind. Lagoinha

Rua Dr. Hugo Fortes, 1885 Pq. Ind. Lagoinha – 14095-260 – Ribeirão Preto – SP www.editoranovoconceito.com.br

A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.

Albert Einstein

Aviso

Muito zelo e técnica foram empregados na edição desta obra. No entanto, podem ocorrer erros de digitação, de impressão ou variações conceituais. Em quaisquer das hipóteses, solicitamos a gentileza de entrar em contato com a editora, pelo e-mail: contato@editoranovoconceito.com.br.

Este livro utiliza modelos de gráficos que foram ajustados para auxiliar no aprendizado. Alguns foram gerados por software gráfico independente, de propriedade do autor, enquanto outros foram originados pelo provedor gráfico ADVFN Brasil (www.advfn.com), conforme citações feitas nas próprias figuras.

Nem a editora, nem o autor, assumem qualquer responsabilidade por eventuais danos originados do uso desta publicação, nem pelas decisões tomadas e posições assumidas no mercado pelo leitor.

SUMÁRIO

ApReSentAçãOSUMÁRIO 15 | Apresentação 1 UMA IntRODUçãO À AnÁLISe tÉCnICA 21 | Um breve histórico do

15 | Apresentação

1 UMA IntRODUçãO À AnÁLISe tÉCnICA 21 | Um breve histórico do nascimento da Análise
1
UMA IntRODUçãO À AnÁLISe tÉCnICA
21
| Um breve histórico do nascimento da Análise Técnica
22
| Mas o que é a Análise Técnica?
2
0 QUe tODO InVeStIDOR pReCISA SABeR

29 | Os tipos de gráficos mais utilizados

30 | O gráfico de Linhas

31

| O gráfico de Barras

33

| O gráfico de Candles

36

| Suportes e Resistências

40

| Canais

43

| A formação dos Pivots

40 | Canais 43 | A formação dos Pivots 3 OS pRInCÍpIOS FUnDAMentAIS DA AnÁLISe tÉCnICA

3 OS pRInCÍpIOS FUnDAMentAIS DA AnÁLISe tÉCnICA

55

| A Teoria de Dow

 

56

| 1. Os preços descontam tudo

56

| 2. O mercado obedece tendências

61

| 3. Os três momentos da tendência primária

65

| 4. O princípio da confirmação

68

| 5. A importância do volume

69

| 6. O preço de fechamento

70

| 7. Momentos de reversão

73

| Índice de Força Relativa (IFR)

77

| Médias Móveis

Índice de Força Relativa (IFR) 77 | Médias Móveis 4 AS FIGURAS QUe SeMpRe Se RepeteM

4

AS FIGURAS QUe SeMpRe Se RepeteM

88 | Figuras de Reversão

88 | Ombro-Cabeça-Ombro (OCO)

92 | Topo Duplo (M) e Fundo Duplo (W)

95 | Figuras de Continuidade

95

| Retângulos

96

| Triângulos

99

| Bandeiras

100

| Flâmulas

| Triângulos 99 | Bandeiras 100 | Flâmulas 5 A VALIOSA tÉCnICA JApOneSA DOS CANDLESTICKS 106

5 A VALIOSA tÉCnICA JApOneSA DOS CANDLESTICKS

106 | Relembrando o significado de um candle

107 | Conhecendo as figuras mais comuns

107

| Doji

108

| Long Legged Doji (Longas Pernas)

109

| Dragonfly Doji (Libélula)

110

| Gravestone Doji (Lápide)

112

| Four Prices Doji (Quatro Preços)

113

| Short Day (Dias Curtos)

114

| Long Day (Dias Longos)

116

| Marubozu

120

| Spinning Top

120 | Candles combinados e suas interpretações

121

| Martelo (Hammer)

123

| Homem Enforcado (Hanging Man)

125

| Estrela Cadente

127

| Engolfos (Engulfing)

127

| Engolfo de Alta

129

| Engolfo de Baixa

130

| Mulher Grávida (Harami)

130

| Harami de Fundo

132

| Harami de Topo

133

| Estrelas (Stars)

135 | Estrela da Manhã (Morning Star)

136 | Estrela da Tarde (Evenning Star)

137 | Doji Estrela da Manhã (Morning Star Doji)

138 | Doji Estrela da Tarde (Evenning Star Doji)

139

| Bebê Abandonado (Abandoned Baby)

141

| Bebê Abandonado de Topo

142

| Bebê Abandonado de Fundo

6 A tÉCnICA pARA A pReVISãO DO FUtURO

6

A tÉCnICA pARA A pReVISãO DO FUtURO

147

| Um pouco sobre Fibonacci

149

| Os números da seqüência de Fibonacci

152

| Como aplicar a seqüência de Fibonacci aos gráficos

pALAVRA FInAL

pALAVRA FInAL

163

| Palavra Final

ReFeRÊnCIAS BIBLIOGRÁFICAS169 | Referências Bibliográficas GLOSSÁRIO 173 | Glossário

169 | Referências Bibliográficas

GLOSSÁRIOReFeRÊnCIAS BIBLIOGRÁFICAS 169 | Referências Bibliográficas 173 | Glossário

173 | Glossário

ApReSentAçãO

Que bom que você chegou até aqui! Você deve estar ansioso para descobrir os segredos das linhas, figuras e barras que prometem dar pistas importantes sobre que caminhos trilhar durante as suas aplicações na Bolsa de Valores, esse mercado tão complexo, inconstante e “imprevisível” à primeira vista, repleto de armadilhas especialmente preparadas para uma presa muito fácil: o novo investidor, inexperiente e despreparado. Além disso, deve estar em dúvida se realmente vai ser capaz de memorizar tantas informações técnicas contidas nos capítulos que vamos desvendar, juntos, a partir de agora. Este livro exigirá do leitor, sim, uma observação cuidadosa dos detalhes, porém, valiosos e eficazes eles também serão para a análise dos gráficos de preços. Na Análise Técnica das ações, quanto maior o grau de detalhamento, melhor. Uma coisa que pude observar na prática, nos vários cursos sobre mercado de capitais em que tive a oportunidade de participar, nos

-

15

-

últimos anos, enquanto buscava me especializar nas operações, é que, no início, estudar a Análise Técnica costuma causar uma certa descrença, por representar um mundo totalmente novo ao raciocínio lógico e cético do investidor. Até então, ele só havia ouvido falar nos fundamentos das empresas. Como você vai poder notar também, a Análise Técnica se distancia,

e muito, dos métodos utilizados pelos analistas fundamentalistas. Ao terminar de ler este livro, e consultá-lo mais vezes durante as suas

operações, você vai se dar conta de que alguns padrões vão se tornando cada vez mais familiares, até o ponto de poder encará-los com naturalidade. É apenas uma questão de dar o tempo necessário para que as informações

se encaixem. E vão se encaixar, acredite.

Neste livro, vamos apresentar os padrões mais utilizados da Análise Técnica, um a um, com sutileza de detalhes, mas sem o desperdício dos pormenores. Não é preciso transformar o assunto num romance ou obra de auto-ajuda. Sejamos práticos e diretos, já que nosso tema exige isso. Além disso, as técnicas que serão ensinadas aqui foram rigorosamente selecionadas, para que o leitor, que está tendo seu primeiro contato com o tema, receba um estudo direcionado com o que há de mais confiável entre os métodos de análise, em vez de um amontoado de informações, como podemos encontrar em alguns livros tradicionais de Análise Técnica. O excesso de métodos, apresentados de uma só vez, ultrapassa a capacidade de assimilação daquele que ainda não tem o hábito de utilizá-los diariamente. Somando-se a isso, o leitor não terá um critério organizado, formado previamente, para identificar quais as principais técnicas, as mais eficientes e, muito menos, terá a disposição de testar cada uma delas na prática. Resumindo, quanto maior o número de técnicas apresentadas no primeiro momento, pior será o grau de assimilação e, logo, os resultados obtidos.

Por isso, neste livro, você receberá um roteiro pronto, preparado de forma a introduzi-lo, aos poucos, a cada uma das técnicas fundamentais, estas que jamais podem ser deixadas de lado pelo bom investidor técnico,

-

16

-

que enxerga o mercado de forma pura e cristalina por meio dos gráficos de preços, e não dos boatos, dicas, notícias e relatórios. E mais: com o conjunto de técnicas apresentadas aqui, o leitor estará perfeitamente apto a concorrer nos mercados, de igual para igual, com os investidores mais experientes, além de obter uma larga vantagem sobre a grande parte daqueles que ainda não fazem uso da Análise Técnica em suas operações. Por incrível que pareça, apenas uma minoria faz seu uso consciente e rotineiro. A grande maioria dos investidores ainda oscila entre a Análise Fundamentalista e os famosos “achômetros”

e “chutômetros” para tomar suas decisões de investimentos, já que

tentam, porém ainda não sabem fazer um estudo fundamentado completo

e eficiente de um ativo, o que, diga-se de passagem, é uma tarefa para poucos.

Se a Análise Técnica é difícil? Não, definitivamente, não é. Difícil mesmo são as situações que você, provavelmente, já enfrentou em alguma fase da vida. Um exemplo: as químicas, físicas, biologias e matemáticas que você teve de estudar no seu ensino médio. Depois vieram os vestibulares, os concursos, a universidade, ora, estes sim foram casos de atividades difíceis de verdade. E você passou por eles sem grandes problemas. No nosso caso, estaremos estudando, nada mais, nada menos, do que combinações de figuras, isso mesmo, desenhos, que expressam preços, emoções e as expectativas dos participantes do mercado. Parece até brincadeira de criança. E pensando dessa forma, tudo parece mais fácil.

Se você conheceu meu primeiro livro, Bem-vindo à Bolsa de Valores, vai notar que este trabalho foi realizado da mesma forma. Quero dizer, aqui você também vai encontrar um conteúdo de leitura fácil e descomplicada. A intenção é que você aprenda de forma gradativa, quase sem se dar conta. Esqueça que este é um livro técnico. Quero deixá-

lo descansado enquanto lê este guia prático, e não bombardeá-lo com

um excesso de informações, de escrita sofisticada, que fariam boa parte

dos leitores abandonarem o barco no meio do caminho. Isso seria um

-

17

-

desperdício de tempo e de dinheiro, e nada mais. Do meu e do seu. Meu objetivo, aqui, então, é que você absorva o máximo do que vai ser passado durante nossos seis capítulos. Desde a escrita até a organização dos assuntos, a forma de diagramá-lo, o material gráfico escolhido, enfim, tudo foi ajustado com o intuito de tentar mantê-lo atento ao tema o maior tempo possível. Ciente disso, prepare-se para conhecer as entranhas da Análise Técnica através de um trajeto sem excessos. Vamos direto ao ponto que vai multiplicar suas chances de sucesso no mercado de ações. Venha comigo, para estudarmos o que a grande maioria dos investidores ainda não sabe, ou não teve o interesse de aprender. Venha conhecer a Análise Técnica de uma forma nova, prática e descomplicada! Espero que você aproveite bem esse percurso que vai mudar completamente sua forma de enxergar o mercado de ações. Bateremos um papo novamente no final deste livro. Espero você lá!

Boa leitura!

Marcelo C. Piazza

-

18

-

Capítulo 1

UMA IntRODUçãO À

AnÁLISe tÉCnICA

Uma introdução à Análise técnica

Um breve histórico do nascimento da Análise técnica

Os primeiros rumores de que se tem notícia sobre tentativas rela- tivamente bem sucedidas de análise e interpretação dos mercados ocorreu em Osaka, no Japão, sede da primeira Bolsa de Futuros do mundo, a Bolsa de Arroz Dojima, fundada em 1654. Foi aí, também, que surgiu Munehisa Homma (1724-1803), um reconhecido investidor que, por volta de 1750, escreveu alguns livros que traziam, entre suas experiências nos mercados, um conhecimento novo para a época: a técnica das velas, ou castiçais, hoje denominada Candlesticks. Não se sabe o motivo pelo qual esta descoberta permaneceu em uso somente no Japão por mais de 200 anos. O fato é que só em 1991 (há apenas 17 anos) a técnica dos Candlesticks passou a ser conhecida também nos Estados Unidos, e quase tão logo, em todo o mundo. E isso só aconteceu graças a Steve Nilson, na época vice-presidente da Merrill Lynch, hoje um dos maiores Bancos de Investimentos e Corretoras de Valores do mundo. Ele foi o primeiro a tomar conhecimento da técnica no Ocidente, e a divulgá- la amplamente. Mas, entre esses dois acontecimentos marcantes – o desenvolvi- mento dos Candlesticks por Homma e a chegada desse conhecimento ao resto do mundo graças a Nilson – nascia, também, a Análise Técnica ociden- tal, cujo primeiro grande nome a marcar a história foi Charles Henry Dow (1851-1902). Dow será citado diversas vezes no decorrer deste livro, dada sua importância histórica no nascimento da Análise Técnica que conhece- mos hoje. Dow era jornalista financeiro de grande destaque na época. Trabalhava no pequeno estado de Rhode Island, o menor dos Estados Unidos em extensão territorial, num jornal impresso, em companhia de Edward Jones (1856-1920), quando, juntos, foram transferidos para Nova York, em 1880. Alguns anos depois, fundaram, ainda juntos, a Dow Jones & Company, cujo principal produto era seu informativo financeiro com cotações de empresas negociadas nos mercados de Nova York. Nascia, aí, o Índice Dow Jones. Mas, ainda havia muito mais por vir.

-

21

-

técnicas de Investimento para o Mercado de Ações

Em 1884, quando fundou o Wall Street Journal, também em companhia de Jones, Dow passou a publicar diversas matérias sobre seus estudos de formas para interpretar o movimento dos preços das ações. Esse conhecimento, porém, ainda não era organizado sobre a forma de uma teoria.

Somente a partir de 1902, com a morte de Charles Dow, o então repórter do Wall Street Journal, Samuel A. Nelson, teve a iniciativa de fazer um levantamento sobre tudo o que Dow havia desenvolvido, reunindo, assim, seus conceitos para publicá-los sob a forma de um livro, intitulado The ABC of Stock Speculation, que explicava a base do que denominou de Teoria de Dow . Mas estes não foram os únicos a participarem do nascimento da Análise Técnica. Em 1931, Robert Rhea, reconhecido estudioso e analista da época, reorganizou e aprofundou ainda mais os princípios criados por Dow, transformando-os naquilo que conhecemos atualmente. Rhea marcou seu nome na história dos mercados de risco ao lançar o livro The Dow Theory. A partir de então, vários outros nomes foram contribuindo para o fortalecimento da Análise Técnica. Ralph Nelson Elliott criou as tão populares Ondas de Elliott, além de aplicar, com sucesso, os números da seqüência de Fibonacci, e suas razões, para realizar uma projeção futura dos preços das ações. Surgiu, também, o primeiro dos indicadores, chamado de Índice de Força Relativa (IFR), desenvolvido por J. Welles Wilder Jr. Em seguida, foram descobertas inúmeras outras técnicas, conhecidas e aplicadas até hoje por grande parte dos operadores de mercado de todo o mundo.

Mas o que é Análise técnica?

Por definição, temos que:

Análise Técnica é a ciência que busca, por meio do estudo de registros multiformes, associados a formulações matemático-estatísticas, incidentes sobre preços, volumes

-

22

-

Uma introdução à Análise técnica

e contratos em aberto do passado e do corrente dos diferentes ativos financeiros, proporcionar, pela análise de padrões que se repetem, condições para que possamos projetar o futuro caminho dos preços, dentro de uma lógica de maiores probabilidades. (NORONHA, 1995)

Em outras palavras, podemos dizer que a Análise Técnica se interessa pela análise gráfica do histórico de preços da ação, e pelo seu desempenho ao longo de diversos períodos de tempo. Para tal, dispõe de uma infinidade de ferramentas capazes de gerar uma previsão aproximada para os próximos movimentos de preços. Afinal, é preciso haver uma forma de traduzir o que está ocorrendo no mercado, assim como tentar avaliar a próxima tendência, pois não se pode aplicar recursos numa ação qualquer, escolhida sem nenhum critério lógico de seleção. Os parâmetros disponíveis para a elaboração dessas ferramentas são bem conhecidos de qualquer investidor: a cotação atual do ativo, seu histórico anterior, seu preço máximo, médio e mínimo do dia, seus valores de abertura e fechamento, seu volume financeiro e de negócios. Dispondo apenas desses dados básicos, alguns dos mais talentosos investidores e estudiosos do planeta adicionaram a eles seu conhecimento, suas experiências e sua criatividade para desenvolver métodos capazes de, segundo eles, interpretar o movimento aparentemente incoerente dos gráficos de preços, fornecendo sinais valiosos sobre qual será o próximo passo a ser dado pelo mercado e, diante disso, que posições o investidor deve assumir. A Análise Técnica independe dos fundamentos de uma companhia, como relação preço/lucro, lucro líquido, grau de endividamento, patrimônio líquido, pagamento de dividendos, notícias sobre possíveis fusões ou venda, entre outros, que costumam afetar fortemente os investidores fundamentalistas, adeptos da Análise Fundamentalista, que é a segunda forma de análise disponível, também utilizada para a interpretação dos mercados. A escola técnica é totalmente diferente, e não está ligada à situação clínica de uma empresa. Também não sofre grandes abalos com as notícias divulgadas pelos meios de comunicação.

-

23

-

técnicas de Investimento para o Mercado de Ações

Partindo do princípio de que a Análise Técnica acredita que todos esses fatores já virão descontados nos gráficos de preços, muitas vezes até mesmo antes que as notícias sejam divulgadas à população em geral, os investidores técnicos concentram-se apenas em analisar os gráficos, dando- se por satisfeitos e convencidos de que estão tendo uma visão real e total das companhias, do mercado e da economia como um todo. Sobre a eficácia da Análise Técnica, é evidente que funciona, assim como a Análise Fundamentalista também tem seus méritos, caso contrário ambas não sobreviveriam até hoje. O problema é que os investidores não dedicam ao aprendizado dessas duas nobres disciplinas o tempo e o esforço que lhes é devido. Vejamos um exemplo semelhante: para que alguém se torne um profissional ou especialista em algo, o primeiro passo, hoje, é que ele freqüente uma faculdade ou alguns cursos técnicos sobre o assunto. Após esta preparação inicial, o que costuma durar de dois a quatro anos, o interessado sairá “cru” em direção ao mercado de trabalho, onde vai passar por um período de estágio, para que coloque em prática os conhecimentos teóricos adquiridos. Essa etapa dura de seis meses a dois anos. Só então esse indivíduo estará apto a começar, veja bem, começar a atuar profissionalmente no mercado de trabalho, e a gerar renda e valor para a empresa que o contratar. Alguns profissionais optam, também, por uma pós-graduação, um MBA ou um mestrado, visando aprofundar seus conhecimentos, agregando ainda mais pontos ao seu curriculum. Esse novo passo poderá levar um ano ou mais. A indústria dos investimentos funciona da mesma forma, e está repleta de profissionais e especialistas, com larga experiência, que estão prontos para abocanhar verdadeiras fortunas de capital rapidamente, inclusive o seu. A maioria deles dispõe de grandes aparatos tecnológicos, sistemas de negociação e envio de ordens automáticos, além dos melhores provedores de análises de mercado. Como se não bastasse, alguns ainda contam com a retaguarda de grandes bancos de investimentos, fundos de investimentos e Corretoras de Valores, que os estimulam com altos salários, pomposas comissões e a possibilidade de operarem com taxas de corretagem próximas de zero.

-

24

-

Uma introdução à Análise técnica

Aí vem a pergunta: por que um iniciante, com pouca ou nenhuma

experiência de mercado, capital reduzido, psicológico despreparado e imaturo para suportar as pressões geradas pelas operações de risco e a iminência constante de perda do capital, além de insuficiente conhecimento sobre Análise Técnica e/ou Fundamentalista, deve ser capaz de ganhar dinheiro nas Bolsas de Valores, especulando de mercado em mercado, de ação em ação? Por quê? Como você pode notar, atuar nos mercados é uma profissão como qualquer outra. Para ganhar dinheiro nesse meio não existem segredos.

O

caminho é um só: o aprendizado e o domínio das técnicas de análise

e

dos fatores fundamentais para a sobreviência nesse mercado, como o

treinamento psicológico adequado e um longo período de experiência, através da vivência prática, dia a dia. A Bolsa de Valores é, sim, um ambiente repleto de oportunidades, que surgem a todo instante, todos os dias, mas você precisa estar preparado para aproveitá-las. Quando ouvir alguém dizer que ganhou uma bolada de dinheiro com investimentos em Bolsa, pense duas vezes antes de achar que foi apenas um lance de sorte. Talvez ele estivesse preparado, apenas aguardando pacientemente o momento certo chegar. Como muito bem disse Elmer Letterman: “Sorte é o que acontece quando a preparação encontra a oportunidade”. Nos investimentos, esse conceito é absolutamente aplicável e fundamental para que se tire algum dinheiro dos mercados.

-

25

-