Você está na página 1de 1

REFLEXÃO

Denise Mascarenhas
De nada adianta termos uma maneira de avançarmos rapidamente num caminho, se não est
ivermos na direção certa.
Nosso mundo atual induz a muita velocidade e pouca direção.
Se a direção de nosso crescimento não estiver correta e sintonizada com nossa alma, co
m nosso verdadeiro propósito existencial, andar rápido pode significar afastar cada
vez mais do propósito de nossa alma.
Portanto esteja atento:
Se você quiser chegar rápido a algum lugar e para isto resolver tomar um helicóptero,
tenha certeza de estar no rumo certo.
Porque é melhor andar a passo de tartaruga na direção correta, que de helicóptero na dir
eção contrária.
Qual é a direção correta?
A direção do Chamado! O Chamado de nosso coração. O caminho do coração

JORNADA DOS ANIMAIS DE PODER


Em busca dos aliados
Denise Mascarenhas
O arquétipo do Xamã está em todas as pessoas à espera de ser despertado. Representa uma
possibilidade de religação com o sagrado. O Xamã é um agente do sagrado e para agir como
tal, utiliza-se dos estados alterados, ou xamânico de consciência obtidos pelo toqu
e do tambor, pelas canções de poder, intuição e sensibilidade.
No estado xamânico de consciência a intuição é ampliada e o Xamã pode realizar curas para s
mesmo e para outras pessoas, liberar bloqueios, ampliar seu poder pessoal.
Dentre as práticas xamânicas mais importantes podemos destacar as Jornadas de Encont
ro com o Animal de Poder.
Na espiritualidade xamânica o Animal de Poder é um aliado. São formas espirituais, hab
itualmente animais, que protegem os Xamãs em um trabalho perigoso e o dotam de con
hecimento, intuição e capacidade de cura.
O ponto de vista da psicologia junguiana, tanto o Xamã como os Animais de Poder são
arquétipos.
Descobrindo nosso animal, observando-o e estudando-o entramos em contato com o a
rquétipo animal presente em nós. Normalmente, os animais de poder são selvagens, e não d
omesticados.
O processo de civilização é também um processo de domestificação. Ganhamos segurança, organ
e comodismos, mas por outro lado, perdemos contato com nosso lado selvagem, natu
ral e instintivo. Segundo Osho: Um Deus civilizado não é Deus de modo algum. Se dese
jamos encontrar Deus, precisamos estar disponível à energia selvagem da vida.
Encontrar nosso animal de poder é uma forma de nos permitir acessar partes de noss
a energia instintiva e natural. É nos abrir para ser tocados por uma energia anímica
que ainda não se contaminou pela domestificação. Quando conseguimos identificar e rec
onhecer nosso animal recebemos um novo tipo de inspiração. Cada animal é um arquétipo po
deroso, com uma força anímica que nos permite aprender sobre nós mesmos. Estudar seus
talentos nos revela o tipo de cura e poder que podem nos ajudar no desenvolvimen
to de nossa própria vida.